SlideShare uma empresa Scribd logo
Modelo cascata
 O modelo clássico ou cascata, que também é conhecido por
abordagem “top-down”, foi proposto por Royce em 1970. Até
meados da década de 1980 foi o único modelo com aceitação
geral. Esse modelo foi derivado de modelos de atividade de
engenharia com o fim de estabelecer ordem no
desenvolvimento de grandes produtos de software. Comparado
com outros modelos de desenvolvimento de software, este é
mais rígido e menos administrativo.
 O modelo cascata é um dos mais importantes modelos, e é
referência para muitos outros modelos, servindo de base para
muitos projectos modernos. A versão original deste modelo foi
melhorada e retocada ao longo do tempo e continua sendo
muito utilizado hoje em dia.
 Grande parte do sucesso do modelo cascata está no
facto dele ser orientado para documentação. No
entanto deve salientar-se que a documentação
abrange mais do que arquivo de texto, abrange
representações gráficas ou mesmo simulação.
 Uma abordagem incorporando processos, métodos
e ferramentas deve ser utilizada pelos criadores de
software. Esta abordagem é muitas vezes designada
de Abordagem do Processo de Desenvolvimento.
Existem três abordagens de modelos de processo de
desenvolvimento de software. Elas tentem colocar
ordem numa actividade inerentemente caótica.
 Uma vez definido o modelo de ciclo de
desenvolvimento, existem três abordagens para
implementá-lo:
 Cascata pura;
 Incremental;
 Evolucionária.
 Toda esta secção constitui uma interpretação do
disposto na referência [FAI96].
Modelo cascata
 O modelo Cascata é um modelo de engenharia
projectado para ser aplicado no
desenvolvimento do software. A ideia principal
que o dirige é que as diferentes etapas de
desenvolvimento seguem uma sequência:
 a saída da primeira etapa “fluí” para a segunda
etapa e a saída da segunda etapa “fluí” para a
terceira e assim por diante. As actividades a
executar são agrupadas em tarefas, executadas
sequencialmente, de forma que uma tarefa só
poderá ter início quando a anterior tiver
terminado.
 O modelo em cascata tem a vantagem que só avança para a
tarefa seguinte quando o cliente valida e aceita os produtos
finais da tarefa actual. O modelo pressupõe que o cliente
participa activamente no projecto e que sabe muito bem o que
quer. Este modelo minimiza o impacto da compreensão
adquirida no decurso de um projecto, uma vez que se um
processo não pode voltar atrás de modo a alterar os modelos e
as conclusões das tarefas anteriores, é normal que as novas
ideias sobre o sistema não sejam aproveitadas. Numa tentativa
de resolver este tipo de problema foi definido um novo tipo de
processo baseado no clássico em cascata, designado por
modelo em cascata revisto, cuja principal diferença consiste em
prever a possibilidade de a partir de qualquer tarefa do ciclo se
poder regressar a uma tarefa anterior de forma a contemplar
alterações funcionais e/ou técnicas que entretanto tenham
surgido, em virtude de um maior conhecimento que entretanto
se tenha obtido. O risco desta abordagem é que, na ausência de
um processo de gestão do projecto e de controlo das alterações
bem definido, podemos passar o tempo num ciclo infinito, sem
nunca se atingir o objectivo final, ou seja disponibilizar o
sistema a funcionar.
 Nesta etapa, estabelecem-se os requisitos do
produto que se deseja desenvolver, o que consiste
usualmente nos serviços que se devem fornecer,
limitações e objetivos do software. Sendo isso
estabelecido, os requisitos devem ser definidos de
uma maneira apropriada para que sejam úteis na
etapa seguinte. Esta etapa inclui também a
documentação e o estudo da facilidade e da
viabilidade do projecto com o fim de determinar o
processo de início de desenvolvimento do projecto
do sistema; pode ser vista como uma concepção de
um produto de software e também como o início do
seu ciclo de vida.
 O projecto do sistema é um processo de vários
passos que se centraliza em quatro atributos
diferentes do sistema: estrutura de dados,
arquitectura do software, detalhes procedais e
caracterização das interfaces. O processo de
projecto representa os requisitos de uma forma que
permita a codificação do produto (é uma prévia
etapa de codificação). Da mesma maneira que a
análise dos requisitos, o projecto é documentado e
transforma-se em uma parte do software.
 Esta é a etapa em que são criados os programas.
Se o projecto possui um nível de detalhe
elevado, a etapa de codificação pode
implementar-se automaticamente. A princípio,
sugere-se incluir um teste unitário dos módulos
nesta etapa; nesse caso, as unidades de código
produzidas são testadas individualmente antes
de passar a etapa de integração e teste global.
 Concluída a codificação, começa a fase de teste
do sistema. O processo de teste centraliza-se em
dois pontos principais: as lógicas internas do
software e as funcionalidades externas. Esta fase
decide se foram solucionados erros de
“comportamento” do software e assegura que as
entradas definidas produzam resultados reais
que coincidam com os requisitos especificados.
 Essa etapa consiste na correcção de erros que não foram
previamente detectados, em melhorias funcionais e de
preferência e outros tipos de suporte. A etapa de manutenção à
parte do ciclo de vida do produto de software e não pertence
estritamente ao seu desenvolvimento.
 Melhorias e correcções podem ser consideradas como parte do
desenvolvimento.
 As etapas descritas são as principais, porém existem sub-etapas
dentro de cada etapa, as quais diferem muito de um projecto
para outro. Também é possível que certos projectos de
software exijam a incorporação de uma etapa extra ou a
separação de uma etapa em outras etapas.
 Com certeza, todas essas variações do modelo
Cascata possuem o mesmo conceito básico: a ideia
de que uma etapa fornece saída que serão usadas
como entradas para a etapa seguinte. Portanto, o
processo de desenvolvimento de um produto de
software de acordo com o modelo Cascata é simples
de conhecer e controlar.
 Outras actividades que também são levadas em
consideração em cada uma das etapas de
desenvolvimento do software: a documentação, a
verificação e a administração das etapas serem
documentos. A verificação, por sua vez, é necessária
para que uma etapa forneça os dados correctos para
a etapa seguinte. Já a administração, efectua a
gestão e o controle da etapa.
 O ciclo de vida Cascata é o paradigma mais visto e mais amplamente
empregue na engenharia de software, porém sua aplicabilidade, em muitos
campos, tem sido questionada.
 Entre os problemas que surgem quando se aplica o modelo são:
 Na realidade, os projectos raramente seguem o fluxo sequencial que o
modelo propõe. A interacção é sempre necessária e está presente, criando
problemas na aplicação do modelo;
 Em princípio, é difícil para o cliente especificar os requisitos explicitamente,
o que acarreta a incerteza natural do início de qualquer projecto;
 O cliente deve ser paciente, pois uma versão funcional não estará disponível
até o final do desenvolvimento. Qualquer erro ou mal-entendido, se não for
detectado até que o software seja revisado, pode ser desastroso.
 Apesar desses problemas, o modelo Cascata tem um lugar bem definido e
importante nos trabalhos de engenharia de software. Ele fornece um padrão
do qual se encaixam métodos para a análise, projecto, codificação e
manutenção.
 O modelo Cascata aplica-se bem em situações
em que o software a ser desenvolvido é simples,
os requisitos são bem conhecidos, a tecnologia
 usada é bem acessível e os recursos para o
desenvolvimento estão disponíveis.
 Torna o processo de desenvolvimento
estruturado. Tem uma ordem sequencial de
fases. Cada fase cai em cascata na próxima e
cada fase deve estar terminada antes do início
da seguinte; ∙ Todas as actividades identificadas
nas fases do modelo são fundamentais e estão
na ordem certa;
 Esta abordagem é actualmente a norma e
provavelmente permanecerá como tal nos
próximos tempos.
 Não fornece feedback entre as fases e não permite a actualização ou
redefinição das fases anteriores; ∙ Não suporta modificações nos
requisitos;
 Não prevê a manutenção;
 Não permite a reutilização;
 É excessivamente sincronizado;
 Se ocorrer um atraso todo o processo é afectado;
 Faz aparecer o software muito tarde.
 O modelo conduz a uma rígida divisão de trabalho (analistas,
arquitectos, programadores, controladores de qualidade,
programadores de manutenção);
 Só o chefe do projecto tem uma visão global do problema;
 Quando algo corre mal, a culpa é dos outros... Ninguém se sente
realmente responsável.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Kerzner gerenciamento de projetos uma abordagem sistêmica para o planejamen...
Kerzner gerenciamento de projetos   uma abordagem sistêmica para o planejamen...Kerzner gerenciamento de projetos   uma abordagem sistêmica para o planejamen...
Kerzner gerenciamento de projetos uma abordagem sistêmica para o planejamen...
Tatiana Jatobá
 
Modelo em Cascata
Modelo em CascataModelo em Cascata
Modelo em Cascata
Robson Silva Espig
 
PMBOK
PMBOKPMBOK
Modelos de Processo de Software Parte 4
Modelos de Processo de Software Parte 4Modelos de Processo de Software Parte 4
Modelos de Processo de Software Parte 4
Elaine Cecília Gatto
 
Lean Manufacturing 4
Lean Manufacturing 4Lean Manufacturing 4
Lean Manufacturing 4
daniellopesfranco
 
Metodologia Ágil
Metodologia ÁgilMetodologia Ágil
Metodologia Ágil
Elaine Cecília Gatto
 
Gestao agil de projetos
Gestao agil de projetosGestao agil de projetos
Gestao agil de projetos
Adriano Tavares
 
Modelo de Declaracao do escopo do projeto
Modelo de Declaracao do escopo do projetoModelo de Declaracao do escopo do projeto
Modelo de Declaracao do escopo do projeto
Fernando Palma
 
Scrum
ScrumScrum
Gerenciamento de integração de projetos
Gerenciamento de integração de projetosGerenciamento de integração de projetos
Gerenciamento de integração de projetos
NIFCJ
 
Microsoft solutions framework
Microsoft solutions frameworkMicrosoft solutions framework
Microsoft solutions framework
Albert José
 
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com ScrumGestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
Marcos Garrido
 
Gestão de Projetos e Ferramentas
Gestão de Projetos e FerramentasGestão de Projetos e Ferramentas
Gestão de Projetos e Ferramentas
Nei Grando
 
Gerenciamento de escopo PMBOK
Gerenciamento de escopo PMBOKGerenciamento de escopo PMBOK
Gerenciamento de escopo PMBOK
Pedro Victor de Almeida Lopes
 
Modelo cascata apresentação
Modelo cascata apresentaçãoModelo cascata apresentação
Modelo cascata apresentação
erysonsi
 
Gerenciamento de Projetos de TI
Gerenciamento de Projetos de TIGerenciamento de Projetos de TI
Gerenciamento de Projetos de TI
Eliseu Castelo
 
Aula - Metodologias Ágeis
Aula - Metodologias ÁgeisAula - Metodologias Ágeis
Aula - Metodologias Ágeis
Mauricio Cesar Santos da Purificação
 
Diagrama de Rede e Cronograma
Diagrama de Rede e CronogramaDiagrama de Rede e Cronograma
Diagrama de Rede e Cronograma
Marcelo Coutinho
 
Elaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de Projetos
Elaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de ProjetosElaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de Projetos
Elaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de Projetos
elonvila
 
Aula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptx
Aula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptxAula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptx
Aula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptx
ALEXANDRELISBADASILV
 

Mais procurados (20)

Kerzner gerenciamento de projetos uma abordagem sistêmica para o planejamen...
Kerzner gerenciamento de projetos   uma abordagem sistêmica para o planejamen...Kerzner gerenciamento de projetos   uma abordagem sistêmica para o planejamen...
Kerzner gerenciamento de projetos uma abordagem sistêmica para o planejamen...
 
Modelo em Cascata
Modelo em CascataModelo em Cascata
Modelo em Cascata
 
PMBOK
PMBOKPMBOK
PMBOK
 
Modelos de Processo de Software Parte 4
Modelos de Processo de Software Parte 4Modelos de Processo de Software Parte 4
Modelos de Processo de Software Parte 4
 
Lean Manufacturing 4
Lean Manufacturing 4Lean Manufacturing 4
Lean Manufacturing 4
 
Metodologia Ágil
Metodologia ÁgilMetodologia Ágil
Metodologia Ágil
 
Gestao agil de projetos
Gestao agil de projetosGestao agil de projetos
Gestao agil de projetos
 
Modelo de Declaracao do escopo do projeto
Modelo de Declaracao do escopo do projetoModelo de Declaracao do escopo do projeto
Modelo de Declaracao do escopo do projeto
 
Scrum
ScrumScrum
Scrum
 
Gerenciamento de integração de projetos
Gerenciamento de integração de projetosGerenciamento de integração de projetos
Gerenciamento de integração de projetos
 
Microsoft solutions framework
Microsoft solutions frameworkMicrosoft solutions framework
Microsoft solutions framework
 
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com ScrumGestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
 
Gestão de Projetos e Ferramentas
Gestão de Projetos e FerramentasGestão de Projetos e Ferramentas
Gestão de Projetos e Ferramentas
 
Gerenciamento de escopo PMBOK
Gerenciamento de escopo PMBOKGerenciamento de escopo PMBOK
Gerenciamento de escopo PMBOK
 
Modelo cascata apresentação
Modelo cascata apresentaçãoModelo cascata apresentação
Modelo cascata apresentação
 
Gerenciamento de Projetos de TI
Gerenciamento de Projetos de TIGerenciamento de Projetos de TI
Gerenciamento de Projetos de TI
 
Aula - Metodologias Ágeis
Aula - Metodologias ÁgeisAula - Metodologias Ágeis
Aula - Metodologias Ágeis
 
Diagrama de Rede e Cronograma
Diagrama de Rede e CronogramaDiagrama de Rede e Cronograma
Diagrama de Rede e Cronograma
 
Elaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de Projetos
Elaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de ProjetosElaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de Projetos
Elaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de Projetos
 
Aula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptx
Aula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptxAula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptx
Aula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptx
 

Destaque

Modelos de processos de software
Modelos de processos de softwareModelos de processos de software
Modelos de processos de software
Nécio de Lima Veras
 
Processo de Desenvolvimento de Software - Design de Software, Interface, Arqu...
Processo de Desenvolvimento de Software - Design de Software, Interface, Arqu...Processo de Desenvolvimento de Software - Design de Software, Interface, Arqu...
Processo de Desenvolvimento de Software - Design de Software, Interface, Arqu...
Natanael Simões
 
O Processo de Desenvolvimento de Software
O Processo de Desenvolvimento de SoftwareO Processo de Desenvolvimento de Software
O Processo de Desenvolvimento de Software
Camilo de Melo
 
Modelos de Processo de Software
Modelos de Processo de SoftwareModelos de Processo de Software
Modelos de Processo de Software
Rogerio P C do Nascimento
 
Modelos de ciclo de vida de software
Modelos de ciclo de vida de softwareModelos de ciclo de vida de software
Modelos de ciclo de vida de software
Yuri Garcia
 
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
Sérgio Souza Costa
 
Modelagem de Objeto (PDS)
Modelagem de Objeto (PDS)Modelagem de Objeto (PDS)
Modelagem de Objeto (PDS)
Maicon Douglas
 
Aula 3 - Engenharia de Software
Aula 3 - Engenharia de SoftwareAula 3 - Engenharia de Software
Aula 3 - Engenharia de Software
Rudson Kiyoshi Souza Carvalho
 
Uml processo unificado
Uml   processo unificado Uml   processo unificado
Uml processo unificado
Julia
 
Desenvolvimento Ágil com Scrum e XP
Desenvolvimento Ágil com Scrum e XPDesenvolvimento Ágil com Scrum e XP
Desenvolvimento Ágil com Scrum e XP
lucianocoelho
 
Diagrama de Casos de Uso
Diagrama de Casos de UsoDiagrama de Casos de Uso
Diagrama de Casos de Uso
Nécio de Lima Veras
 
Modelo em Espiral
Modelo em EspiralModelo em Espiral
Modelo em Espiral
Robson Silva Espig
 
Processo de desenvolvimento de software (12 horas)
Processo de desenvolvimento de software (12 horas)Processo de desenvolvimento de software (12 horas)
Processo de desenvolvimento de software (12 horas)
Vitor Savicki
 
UnP Eng. Software - Aula 3
UnP Eng. Software - Aula 3UnP Eng. Software - Aula 3
UnP Eng. Software - Aula 3
Hélio Medeiros
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Es capítulo 2 - processos de software
Es   capítulo 2  - processos de softwareEs   capítulo 2  - processos de software
Es capítulo 2 - processos de software
Felipe Oliveira
 
Aula2 processos sw
Aula2 processos swAula2 processos sw
Aula2 processos sw
Computação Depressão
 
Mesopredadores
MesopredadoresMesopredadores
Mesopredadores
Roberto Kraenkel
 
Under engineer
Under engineerUnder engineer
Under engineer
Augusto Pascutti
 
T1 g13.modelo cascata
T1 g13.modelo cascataT1 g13.modelo cascata
T1 g13.modelo cascata
wilsonguns
 

Destaque (20)

Modelos de processos de software
Modelos de processos de softwareModelos de processos de software
Modelos de processos de software
 
Processo de Desenvolvimento de Software - Design de Software, Interface, Arqu...
Processo de Desenvolvimento de Software - Design de Software, Interface, Arqu...Processo de Desenvolvimento de Software - Design de Software, Interface, Arqu...
Processo de Desenvolvimento de Software - Design de Software, Interface, Arqu...
 
O Processo de Desenvolvimento de Software
O Processo de Desenvolvimento de SoftwareO Processo de Desenvolvimento de Software
O Processo de Desenvolvimento de Software
 
Modelos de Processo de Software
Modelos de Processo de SoftwareModelos de Processo de Software
Modelos de Processo de Software
 
Modelos de ciclo de vida de software
Modelos de ciclo de vida de softwareModelos de ciclo de vida de software
Modelos de ciclo de vida de software
 
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
 
Modelagem de Objeto (PDS)
Modelagem de Objeto (PDS)Modelagem de Objeto (PDS)
Modelagem de Objeto (PDS)
 
Aula 3 - Engenharia de Software
Aula 3 - Engenharia de SoftwareAula 3 - Engenharia de Software
Aula 3 - Engenharia de Software
 
Uml processo unificado
Uml   processo unificado Uml   processo unificado
Uml processo unificado
 
Desenvolvimento Ágil com Scrum e XP
Desenvolvimento Ágil com Scrum e XPDesenvolvimento Ágil com Scrum e XP
Desenvolvimento Ágil com Scrum e XP
 
Diagrama de Casos de Uso
Diagrama de Casos de UsoDiagrama de Casos de Uso
Diagrama de Casos de Uso
 
Modelo em Espiral
Modelo em EspiralModelo em Espiral
Modelo em Espiral
 
Processo de desenvolvimento de software (12 horas)
Processo de desenvolvimento de software (12 horas)Processo de desenvolvimento de software (12 horas)
Processo de desenvolvimento de software (12 horas)
 
UnP Eng. Software - Aula 3
UnP Eng. Software - Aula 3UnP Eng. Software - Aula 3
UnP Eng. Software - Aula 3
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Es capítulo 2 - processos de software
Es   capítulo 2  - processos de softwareEs   capítulo 2  - processos de software
Es capítulo 2 - processos de software
 
Aula2 processos sw
Aula2 processos swAula2 processos sw
Aula2 processos sw
 
Mesopredadores
MesopredadoresMesopredadores
Mesopredadores
 
Under engineer
Under engineerUnder engineer
Under engineer
 
T1 g13.modelo cascata
T1 g13.modelo cascataT1 g13.modelo cascata
T1 g13.modelo cascata
 

Semelhante a Modelo cascata

Modelo cascata apresentação
Modelo cascata apresentaçãoModelo cascata apresentação
Modelo cascata apresentação
erysonsi
 
Processos de software
Processos de softwareProcessos de software
Processos de software
Computação Depressão
 
Processo de software individual
Processo de software individualProcesso de software individual
Processo de software individual
Adivaldo_badinho
 
Ciclo de vida de software
Ciclo de vida de softwareCiclo de vida de software
Ciclo de vida de software
diha36
 
Ciclo de vida de software
Ciclo de vida de softwareCiclo de vida de software
Ciclo de vida de software
diha36
 
vantagens e desvantagens do ciclo de vida de software
vantagens e desvantagens do ciclo de vida de softwarevantagens e desvantagens do ciclo de vida de software
vantagens e desvantagens do ciclo de vida de software
jwniezzy
 
O_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdf
O_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdfO_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdf
O_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdf
Athena542429
 
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane FidelixModelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Cris Fidelix
 
Engenharia De Software
Engenharia De SoftwareEngenharia De Software
Engenharia De Software
CursoSENAC
 
Rational Unified Process (RUP)
Rational Unified Process (RUP)Rational Unified Process (RUP)
Rational Unified Process (RUP)
Carlos Henrique Martins da Silva
 
IBM Rational Unified Process
IBM Rational Unified ProcessIBM Rational Unified Process
IBM Rational Unified Process
Robson Silva Espig
 
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBANDesenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Fernando Palma
 
Analise sistemas 05
Analise sistemas 05Analise sistemas 05
Analise sistemas 05
Caroline Raquel Rodrigues
 
A Evolucao dos Processos de Desenvolvimento de Software
A Evolucao dos Processos de Desenvolvimento de SoftwareA Evolucao dos Processos de Desenvolvimento de Software
A Evolucao dos Processos de Desenvolvimento de Software
Robson Silva Espig
 
Disciplina_Análise de Projeto de Sistema I - Metodologia Cascata e Processos ...
Disciplina_Análise de Projeto de Sistema I - Metodologia Cascata e Processos ...Disciplina_Análise de Projeto de Sistema I - Metodologia Cascata e Processos ...
Disciplina_Análise de Projeto de Sistema I - Metodologia Cascata e Processos ...
Rogério Almeida
 
Metodologia de Desenvolvimento de Softwares
Metodologia de Desenvolvimento de SoftwaresMetodologia de Desenvolvimento de Softwares
Metodologia de Desenvolvimento de Softwares
Aragon Vieira
 
Rational Unified Process - RUP
Rational Unified Process - RUPRational Unified Process - RUP
Rational Unified Process - RUP
Fernando Nogueira
 
Processos de software
Processos de softwareProcessos de software
Processos de software
Dann Volpato
 
aula7 software ciclo de vida analise req
aula7 software ciclo de vida analise reqaula7 software ciclo de vida analise req
aula7 software ciclo de vida analise req
patriciaalipiosilva
 
Aula 7 - Ciclo de vida do software.pptx
Aula 7 - Ciclo de vida do software.pptxAula 7 - Ciclo de vida do software.pptx
Aula 7 - Ciclo de vida do software.pptx
AlexandreLisboadaSil
 

Semelhante a Modelo cascata (20)

Modelo cascata apresentação
Modelo cascata apresentaçãoModelo cascata apresentação
Modelo cascata apresentação
 
Processos de software
Processos de softwareProcessos de software
Processos de software
 
Processo de software individual
Processo de software individualProcesso de software individual
Processo de software individual
 
Ciclo de vida de software
Ciclo de vida de softwareCiclo de vida de software
Ciclo de vida de software
 
Ciclo de vida de software
Ciclo de vida de softwareCiclo de vida de software
Ciclo de vida de software
 
vantagens e desvantagens do ciclo de vida de software
vantagens e desvantagens do ciclo de vida de softwarevantagens e desvantagens do ciclo de vida de software
vantagens e desvantagens do ciclo de vida de software
 
O_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdf
O_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdfO_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdf
O_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdf
 
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane FidelixModelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane Fidelix
 
Engenharia De Software
Engenharia De SoftwareEngenharia De Software
Engenharia De Software
 
Rational Unified Process (RUP)
Rational Unified Process (RUP)Rational Unified Process (RUP)
Rational Unified Process (RUP)
 
IBM Rational Unified Process
IBM Rational Unified ProcessIBM Rational Unified Process
IBM Rational Unified Process
 
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBANDesenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
 
Analise sistemas 05
Analise sistemas 05Analise sistemas 05
Analise sistemas 05
 
A Evolucao dos Processos de Desenvolvimento de Software
A Evolucao dos Processos de Desenvolvimento de SoftwareA Evolucao dos Processos de Desenvolvimento de Software
A Evolucao dos Processos de Desenvolvimento de Software
 
Disciplina_Análise de Projeto de Sistema I - Metodologia Cascata e Processos ...
Disciplina_Análise de Projeto de Sistema I - Metodologia Cascata e Processos ...Disciplina_Análise de Projeto de Sistema I - Metodologia Cascata e Processos ...
Disciplina_Análise de Projeto de Sistema I - Metodologia Cascata e Processos ...
 
Metodologia de Desenvolvimento de Softwares
Metodologia de Desenvolvimento de SoftwaresMetodologia de Desenvolvimento de Softwares
Metodologia de Desenvolvimento de Softwares
 
Rational Unified Process - RUP
Rational Unified Process - RUPRational Unified Process - RUP
Rational Unified Process - RUP
 
Processos de software
Processos de softwareProcessos de software
Processos de software
 
aula7 software ciclo de vida analise req
aula7 software ciclo de vida analise reqaula7 software ciclo de vida analise req
aula7 software ciclo de vida analise req
 
Aula 7 - Ciclo de vida do software.pptx
Aula 7 - Ciclo de vida do software.pptxAula 7 - Ciclo de vida do software.pptx
Aula 7 - Ciclo de vida do software.pptx
 

Último

Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 

Modelo cascata

  • 2.  O modelo clássico ou cascata, que também é conhecido por abordagem “top-down”, foi proposto por Royce em 1970. Até meados da década de 1980 foi o único modelo com aceitação geral. Esse modelo foi derivado de modelos de atividade de engenharia com o fim de estabelecer ordem no desenvolvimento de grandes produtos de software. Comparado com outros modelos de desenvolvimento de software, este é mais rígido e menos administrativo.  O modelo cascata é um dos mais importantes modelos, e é referência para muitos outros modelos, servindo de base para muitos projectos modernos. A versão original deste modelo foi melhorada e retocada ao longo do tempo e continua sendo muito utilizado hoje em dia.
  • 3.  Grande parte do sucesso do modelo cascata está no facto dele ser orientado para documentação. No entanto deve salientar-se que a documentação abrange mais do que arquivo de texto, abrange representações gráficas ou mesmo simulação.  Uma abordagem incorporando processos, métodos e ferramentas deve ser utilizada pelos criadores de software. Esta abordagem é muitas vezes designada de Abordagem do Processo de Desenvolvimento. Existem três abordagens de modelos de processo de desenvolvimento de software. Elas tentem colocar ordem numa actividade inerentemente caótica.
  • 4.  Uma vez definido o modelo de ciclo de desenvolvimento, existem três abordagens para implementá-lo:  Cascata pura;  Incremental;  Evolucionária.  Toda esta secção constitui uma interpretação do disposto na referência [FAI96].
  • 6.  O modelo Cascata é um modelo de engenharia projectado para ser aplicado no desenvolvimento do software. A ideia principal que o dirige é que as diferentes etapas de desenvolvimento seguem uma sequência:  a saída da primeira etapa “fluí” para a segunda etapa e a saída da segunda etapa “fluí” para a terceira e assim por diante. As actividades a executar são agrupadas em tarefas, executadas sequencialmente, de forma que uma tarefa só poderá ter início quando a anterior tiver terminado.
  • 7.  O modelo em cascata tem a vantagem que só avança para a tarefa seguinte quando o cliente valida e aceita os produtos finais da tarefa actual. O modelo pressupõe que o cliente participa activamente no projecto e que sabe muito bem o que quer. Este modelo minimiza o impacto da compreensão adquirida no decurso de um projecto, uma vez que se um processo não pode voltar atrás de modo a alterar os modelos e as conclusões das tarefas anteriores, é normal que as novas ideias sobre o sistema não sejam aproveitadas. Numa tentativa de resolver este tipo de problema foi definido um novo tipo de processo baseado no clássico em cascata, designado por modelo em cascata revisto, cuja principal diferença consiste em prever a possibilidade de a partir de qualquer tarefa do ciclo se poder regressar a uma tarefa anterior de forma a contemplar alterações funcionais e/ou técnicas que entretanto tenham surgido, em virtude de um maior conhecimento que entretanto se tenha obtido. O risco desta abordagem é que, na ausência de um processo de gestão do projecto e de controlo das alterações bem definido, podemos passar o tempo num ciclo infinito, sem nunca se atingir o objectivo final, ou seja disponibilizar o sistema a funcionar.
  • 8.  Nesta etapa, estabelecem-se os requisitos do produto que se deseja desenvolver, o que consiste usualmente nos serviços que se devem fornecer, limitações e objetivos do software. Sendo isso estabelecido, os requisitos devem ser definidos de uma maneira apropriada para que sejam úteis na etapa seguinte. Esta etapa inclui também a documentação e o estudo da facilidade e da viabilidade do projecto com o fim de determinar o processo de início de desenvolvimento do projecto do sistema; pode ser vista como uma concepção de um produto de software e também como o início do seu ciclo de vida.
  • 9.  O projecto do sistema é um processo de vários passos que se centraliza em quatro atributos diferentes do sistema: estrutura de dados, arquitectura do software, detalhes procedais e caracterização das interfaces. O processo de projecto representa os requisitos de uma forma que permita a codificação do produto (é uma prévia etapa de codificação). Da mesma maneira que a análise dos requisitos, o projecto é documentado e transforma-se em uma parte do software.
  • 10.  Esta é a etapa em que são criados os programas. Se o projecto possui um nível de detalhe elevado, a etapa de codificação pode implementar-se automaticamente. A princípio, sugere-se incluir um teste unitário dos módulos nesta etapa; nesse caso, as unidades de código produzidas são testadas individualmente antes de passar a etapa de integração e teste global.
  • 11.  Concluída a codificação, começa a fase de teste do sistema. O processo de teste centraliza-se em dois pontos principais: as lógicas internas do software e as funcionalidades externas. Esta fase decide se foram solucionados erros de “comportamento” do software e assegura que as entradas definidas produzam resultados reais que coincidam com os requisitos especificados.
  • 12.  Essa etapa consiste na correcção de erros que não foram previamente detectados, em melhorias funcionais e de preferência e outros tipos de suporte. A etapa de manutenção à parte do ciclo de vida do produto de software e não pertence estritamente ao seu desenvolvimento.  Melhorias e correcções podem ser consideradas como parte do desenvolvimento.  As etapas descritas são as principais, porém existem sub-etapas dentro de cada etapa, as quais diferem muito de um projecto para outro. Também é possível que certos projectos de software exijam a incorporação de uma etapa extra ou a separação de uma etapa em outras etapas.
  • 13.  Com certeza, todas essas variações do modelo Cascata possuem o mesmo conceito básico: a ideia de que uma etapa fornece saída que serão usadas como entradas para a etapa seguinte. Portanto, o processo de desenvolvimento de um produto de software de acordo com o modelo Cascata é simples de conhecer e controlar.  Outras actividades que também são levadas em consideração em cada uma das etapas de desenvolvimento do software: a documentação, a verificação e a administração das etapas serem documentos. A verificação, por sua vez, é necessária para que uma etapa forneça os dados correctos para a etapa seguinte. Já a administração, efectua a gestão e o controle da etapa.
  • 14.  O ciclo de vida Cascata é o paradigma mais visto e mais amplamente empregue na engenharia de software, porém sua aplicabilidade, em muitos campos, tem sido questionada.  Entre os problemas que surgem quando se aplica o modelo são:  Na realidade, os projectos raramente seguem o fluxo sequencial que o modelo propõe. A interacção é sempre necessária e está presente, criando problemas na aplicação do modelo;  Em princípio, é difícil para o cliente especificar os requisitos explicitamente, o que acarreta a incerteza natural do início de qualquer projecto;  O cliente deve ser paciente, pois uma versão funcional não estará disponível até o final do desenvolvimento. Qualquer erro ou mal-entendido, se não for detectado até que o software seja revisado, pode ser desastroso.  Apesar desses problemas, o modelo Cascata tem um lugar bem definido e importante nos trabalhos de engenharia de software. Ele fornece um padrão do qual se encaixam métodos para a análise, projecto, codificação e manutenção.
  • 15.  O modelo Cascata aplica-se bem em situações em que o software a ser desenvolvido é simples, os requisitos são bem conhecidos, a tecnologia  usada é bem acessível e os recursos para o desenvolvimento estão disponíveis.
  • 16.  Torna o processo de desenvolvimento estruturado. Tem uma ordem sequencial de fases. Cada fase cai em cascata na próxima e cada fase deve estar terminada antes do início da seguinte; ∙ Todas as actividades identificadas nas fases do modelo são fundamentais e estão na ordem certa;  Esta abordagem é actualmente a norma e provavelmente permanecerá como tal nos próximos tempos.
  • 17.  Não fornece feedback entre as fases e não permite a actualização ou redefinição das fases anteriores; ∙ Não suporta modificações nos requisitos;  Não prevê a manutenção;  Não permite a reutilização;  É excessivamente sincronizado;  Se ocorrer um atraso todo o processo é afectado;  Faz aparecer o software muito tarde.  O modelo conduz a uma rígida divisão de trabalho (analistas, arquitectos, programadores, controladores de qualidade, programadores de manutenção);  Só o chefe do projecto tem uma visão global do problema;  Quando algo corre mal, a culpa é dos outros... Ninguém se sente realmente responsável.