SlideShare uma empresa Scribd logo
Processo de Software
Processo
Um conjunto de atividades realizadas por
pessoas cujo objetivo é desenvolvimento ou
evolução de software e sua documentação.
– Tem como meta entregar um produto
de software de maneira eficiente, previsível e que
corresponda às necessidades de negócio.
Geralmente inclui análise de
requisitos, programação e testes, entre outras
tarefas.
” É um conjunto de atividades que, ao serem executadas,
geram um produto de software”.
Sommerville
Processo de Software
Atividades de Processo de Software
•Especificação
O que o sistema deve fazer
(funcionalidade) e quais as
restrições.
•Projeto e Implementação
Produção do Software a partir
das definições.
•Validação: (V & V)
Testar se está de acordo com o
que o cliente necessita para ser
validado.
•Evolução
O software tem que ser
atualizado para sempre garantir
as necessidades do cliente.
Mudanças no software.
27/07/13
Processo de Desenvolvimento de
Software
Vantagem
O uso de um processo de software bem definido
leva à redução dos custos de produção, bem
como à melhoria da qualidade e integridade do
software.
Modelo de Processo de Software
É uma representação de um processo de software,
apresentada sobre uma perspectiva específica.
É uma estratégia para o desenvolvimento do software.
 Define a ordem de execução das atividades durante
as fases de engenharia de software.
Modelo de Processo de Software
O que diferencia um modelo de processo
do outro?
• É a ordem em que as fases vão ocorrer;
• O tempo e a ênfase dados a cada fase;
• As atividades presentes;
• Os produtos entregues.
27/07/13
Antes do desenvolvimento de um
produto, devemos escolher um
modelo de ciclo de vida.
De acordo com:
- Tamanho;
- Complexidade e/ou nível de confiabilidade;
- Segurança do projeto.
Como escolher um modelo para o
desenvolvimento do software?
27/07/13
Atividades comuns aos modelos?
• Especificação;
• Projeto e Implementação;
• Validação;
• Evolução.
27/07/13
1. Cascata ou ciclo de vida clássico ou tradicional;
2. Modelo evolutivo;
 Espiral;
 Protótipo;
 Iterativo e Incremental
Modelos de Processo de Software
• Modelo mais antigo;
• Modelado em função do ciclo da engenharia
convencional;
• Fases sequencial ao desenvolvimento de software;
• O resultado de uma fase é entrada para outra fase.
Modelo Cascata
• Utilizado principalmente quando os requisitos de um
determinado problema são bem compreendidos.
• Utilização:
• Fazer adaptações ou aperfeiçoamentos em um
sistema já existente.
• Necessidade de uma nova funcionalidade e os
requisitos estão bem definidos e são estáveis.
Modelo Cascata
Modelo Cascata
Definição de Requisitos
 O processo de coleta dos requisitos é intensificado e
concentrado especificamente no software.
 Deve-se compreender o domínio da informação, a
função, desempenho e interfaces exigidos.
Fases - Modelo Cascata
Projeto do Sistema
 Tradução dos requisitos do software para um conjunto
de representações que podem ser avaliadas quanto à
qualidade, antes que a codificação se inicie.
Fases - Modelo Cascata
Implementação
 Tradução das representações do projeto para uma
linguagem “artificial” resultando em instruções
executáveis pelo computador.
Fases - Modelo Cascata
Teste
 É a investigação do software a fim de fornecer
informações sobre sua qualidade em relação ao contexto
em que ele deve operar. Isso inclui o processo de utilizar
o produto para encontrar seus defeitos.
Fases - Modelo Cascata
Manutenção
 Provavelmente o software deverá sofrer mudanças
depois que for entregue ao cliente.
 Causas das mudanças:
- Erros;
- Adaptação do software para acomodar mudanças em seu
ambiente externo;
- Exigência do cliente para acréscimos funcionais e de
desempenho.
Fases - Modelo Cascata
Utilização
• Existe um conjunto de Requisitos do usuário estáveis e de
alta qualidade;
• O sistema completo deve estar disponível de um única vez;
• Recomendado para sistemas onde a segurança e a
confiabilidade tem grande importância.
27/07/13
• Projetos reais raramente seguem o fluxo sequencial que o
modelo propõe;
• Logo no início é difícil estabelecer explicitamente todos os
requisitos.
• Fases são dependentes uma da outra;
• Não é permitida mudança dos requisitos no meio do
processo de desenvolvimento;
• O sistema completo deve estar disponível de um única vez;
Problemas
1) O que é software?
2) Cite 4 Características de Software.
3) O que é a Engenharia de Software?
4) Qual o objetivo da Engenharia de Software?
4) O que é um processo de software?
5) O que é um modelo de Processo de Software?
6) Dê exemplos de modelos de Processo de Software e descreva o
Modelo cascata.
Sugestão:
Vincular a Engenharia de Software a um assunto visto em alguma
disciplina cursada na instituição.
Questionário - Introdução
Modelos Evolucionários
São explicitamente projetados para acomodar
um produto que evolui com o tempo.
– A cada iteração, produzem uma versão cada vez
mais completa do software;
Exemplos:
– Modelo Espiral;
– Modelo de Prototipagem.
Modelo Espiral
27/07/13
Modelo Espiral
• Proposto por Boehm em 1988.
• Propôs uma forma de trabalho na qual ocorre
uma repetição das atividades do modelo
cascata.
Modelo Espiral
• Combina a natureza iterativa da prototipagem
com os aspectos controlados do modelo em
cascata;
• O software é produzido numa série de versões
evolucionárias;
• Primeiras versões: papel ou protótipo;
Modelo Espiral
• É uma abordagem cíclica que aumenta
incrementalmente o grau de definição,
enquanto diminui o risco;
• O modelo pode ser aplicado ao longo de todo
ciclo de vida de uma aplicação;
Modelo Espiral
• Evolução através de vários ciclos completos de
especificação, projeto e desenvolvimento;
• O Espiral representa fases do processo;
• Riscos avaliados e resolvidos ao longo do
processo.
27/07/13
Modelo Espiral
27/07/13
Vantagens
• Usuário pode usufruir de funcionalidades a
cada incremento;
• Redução de risco.
Modelo de Prototipagem
Protótipo
Produto de trabalho na fase de teste e ou
planejamento de um projeto.
Vantagens - Protótipos
• Obter retorno sobre desenho mais depressa;
• Facilitam o entendimento e o feedback dos usuários;
• Cumprem o desejo de mostrar resultados rápidos para o
cliente;
• Tornam as ​​discussões mais produtivas e sob controle nas
sessões com os usuários;
Vantagens - Protótipos
• Facilitar o entendimento entre os membros de equipes
multidisciplinares de projetos;
• Analise da usabilidade no início do processo de
desenvolvimento;
• Baixo custo para alterar;
• Possibilitam obter uma aprovação formal do projeto antes de
se prosseguir para o desenvolvimento.
Modelo de Prototipagem
O software passa por constantes versões até chegar a
sua versão final.
27/07/13
Modelo de Prototipagem
Começa com os requisitos bem compreendidos
e adiciona funcionalidades a medida que o
cliente propõe.
27/07/13
Modelo de Prototipagem
Utilização:
Entender os requisitos do usuário e, assim, obter
uma melhor definição dos requisitos do sistema;
Possibilita que o desenvolvedor crie um protótipo
do software que deve ser construído;
Cliente não definiu detalhadamente os requisitos.
27/07/13
Modelo de Prototipagem
27/07/13
Desvantagens
• Pode haver pressão do cliente para transformar
um protótipo malfeito em produto final,
resultando em baixa qualidade;
• Concessões na implementação podem fazer com
que o desenvolvedor fique familiarizado com
escolhas não ideais;
• O cliente tem que concordar que o protótipo será
usado apenas para levantamento de requisitos e
que o software real será submetido à engenharia
com qualidade.
27/07/13
Observações
– Ainda que possam ocorrer problemas, a
prototipação é um ciclo de vida eficiente, a chave
é definir as regras do jogo logo no começo;
– Cliente e desenvolvedor devem concordar que o
protótipo seja construído para servir como um
mecanismo para definir os requisitos.
27/07/13
Ferramenta
• Axure
– É uma ferramenta de design e documentação capaz
de gerar wireframes e protótipos em linguagens como
HTML e Javascript.
• Download:
– (http://www.axure.com/download)
Referência:
– http://www.devmedia.com.br/introducao-a-prototipacao-e-
apresentacao-do-axure-rp-6-5/27978
•
Modelo Iterativo e Incremental
Desenvolvimento iterativo e incremental -
desenvolvimento é iniciado com um
subconjunto simples de Requisitos de
Software e iterativamente alcança evoluções
subsequentes das versões até o sistema todo
estar implementado.
Modelo Iterativo e Incremental
Modelo Iterativo
Modelo Incremental
Vantagens do Desenvolvimento
Incremental
Rational Unified Process – RUP

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Team Software Process (TSP)
Team Software Process (TSP)Team Software Process (TSP)
Team Software Process (TSP)
Saymon Cristian Alves Oliveira
 
Modelos de processos de software
Modelos de processos de softwareModelos de processos de software
Modelos de processos de software
Nécio de Lima Veras
 
Cmmi e mps.Br
Cmmi e mps.BrCmmi e mps.Br
Cmmi e mps.Br
Jefferson Bessa
 
Introdução ao Teste de Software - Uma abordagem prática
Introdução ao Teste de Software - Uma abordagem práticaIntrodução ao Teste de Software - Uma abordagem prática
Introdução ao Teste de Software - Uma abordagem prática
Fabrício Campos
 
Teste de Software
Teste de SoftwareTeste de Software
Teste de Software
Sérgio Souza Costa
 
X-Zone - Garantia da Qualidade de Software
X-Zone - Garantia da Qualidade de SoftwareX-Zone - Garantia da Qualidade de Software
X-Zone - Garantia da Qualidade de Software
AlexandreBartie
 
Ciclo de vida de software
Ciclo de vida de softwareCiclo de vida de software
Ciclo de vida de software
diha36
 
Modelos de Processo de Software Parte 2
Modelos de Processo de Software Parte 2Modelos de Processo de Software Parte 2
Modelos de Processo de Software Parte 2
Elaine Cecília Gatto
 
Scrum
ScrumScrum
Introdução à Programação Extrema (Extreme Programming - XP)
Introdução à Programação Extrema (Extreme Programming - XP)Introdução à Programação Extrema (Extreme Programming - XP)
Introdução à Programação Extrema (Extreme Programming - XP)
Claudia Melo
 
Aula 8 - Plano de Teste.pptx
Aula 8 - Plano de Teste.pptxAula 8 - Plano de Teste.pptx
Aula 8 - Plano de Teste.pptx
AlexandreLisboadaSil
 
Validação e Testes de software
Validação e Testes de softwareValidação e Testes de software
Validação e Testes de software
Rondinelli Mesquita
 
Qualidade de software
Qualidade de softwareQualidade de software
Qualidade de software
Alvaro Oliveira
 
Gerência de configuração ágil
Gerência de configuração ágilGerência de configuração ágil
Gerência de configuração ágil
Claudia Melo
 
Workshop User Stories
Workshop User StoriesWorkshop User Stories
Workshop User Stories
Mayra de Souza
 
Scrum - Fundamentos, teorias e práticas!
Scrum - Fundamentos, teorias e práticas!Scrum - Fundamentos, teorias e práticas!
Scrum - Fundamentos, teorias e práticas!
Annelise Gripp
 
Teste de Software - Introdução
Teste de Software - IntroduçãoTeste de Software - Introdução
Teste de Software - Introdução
Joeldson Costa Damasceno
 
Modelo de Prototipação
Modelo de PrototipaçãoModelo de Prototipação
Modelo de Prototipação
Juliano Pires
 
Verificação, Validação e Teste de Software
Verificação, Validação e Teste de SoftwareVerificação, Validação e Teste de Software
Verificação, Validação e Teste de Software
Camilo Almendra
 
Modelo Espiral
Modelo EspiralModelo Espiral
Modelo Espiral
modeloespiral
 

Mais procurados (20)

Team Software Process (TSP)
Team Software Process (TSP)Team Software Process (TSP)
Team Software Process (TSP)
 
Modelos de processos de software
Modelos de processos de softwareModelos de processos de software
Modelos de processos de software
 
Cmmi e mps.Br
Cmmi e mps.BrCmmi e mps.Br
Cmmi e mps.Br
 
Introdução ao Teste de Software - Uma abordagem prática
Introdução ao Teste de Software - Uma abordagem práticaIntrodução ao Teste de Software - Uma abordagem prática
Introdução ao Teste de Software - Uma abordagem prática
 
Teste de Software
Teste de SoftwareTeste de Software
Teste de Software
 
X-Zone - Garantia da Qualidade de Software
X-Zone - Garantia da Qualidade de SoftwareX-Zone - Garantia da Qualidade de Software
X-Zone - Garantia da Qualidade de Software
 
Ciclo de vida de software
Ciclo de vida de softwareCiclo de vida de software
Ciclo de vida de software
 
Modelos de Processo de Software Parte 2
Modelos de Processo de Software Parte 2Modelos de Processo de Software Parte 2
Modelos de Processo de Software Parte 2
 
Scrum
ScrumScrum
Scrum
 
Introdução à Programação Extrema (Extreme Programming - XP)
Introdução à Programação Extrema (Extreme Programming - XP)Introdução à Programação Extrema (Extreme Programming - XP)
Introdução à Programação Extrema (Extreme Programming - XP)
 
Aula 8 - Plano de Teste.pptx
Aula 8 - Plano de Teste.pptxAula 8 - Plano de Teste.pptx
Aula 8 - Plano de Teste.pptx
 
Validação e Testes de software
Validação e Testes de softwareValidação e Testes de software
Validação e Testes de software
 
Qualidade de software
Qualidade de softwareQualidade de software
Qualidade de software
 
Gerência de configuração ágil
Gerência de configuração ágilGerência de configuração ágil
Gerência de configuração ágil
 
Workshop User Stories
Workshop User StoriesWorkshop User Stories
Workshop User Stories
 
Scrum - Fundamentos, teorias e práticas!
Scrum - Fundamentos, teorias e práticas!Scrum - Fundamentos, teorias e práticas!
Scrum - Fundamentos, teorias e práticas!
 
Teste de Software - Introdução
Teste de Software - IntroduçãoTeste de Software - Introdução
Teste de Software - Introdução
 
Modelo de Prototipação
Modelo de PrototipaçãoModelo de Prototipação
Modelo de Prototipação
 
Verificação, Validação e Teste de Software
Verificação, Validação e Teste de SoftwareVerificação, Validação e Teste de Software
Verificação, Validação e Teste de Software
 
Modelo Espiral
Modelo EspiralModelo Espiral
Modelo Espiral
 

Semelhante a Aula 2 modelo de processo de software1

Aula - Modelos de Processos de Desenvolvimento de Software / Mobile App
Aula - Modelos de Processos de Desenvolvimento de Software / Mobile AppAula - Modelos de Processos de Desenvolvimento de Software / Mobile App
Aula - Modelos de Processos de Desenvolvimento de Software / Mobile App
Cloves da Rocha
 
Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software
Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software
Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software
Cloves da Rocha
 
Modelos de ciclo de vida de software
Modelos de ciclo de vida de softwareModelos de ciclo de vida de software
Modelos de ciclo de vida de software
Yuri Garcia
 
FES_SENAIPR_Processos.pdf
FES_SENAIPR_Processos.pdfFES_SENAIPR_Processos.pdf
FES_SENAIPR_Processos.pdf
FChico2
 
Aula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptx
Aula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptxAula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptx
Aula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptx
ALEXANDRELISBADASILV
 
Aula 02 - Processo de Software I.pdf
Aula 02 - Processo de Software I.pdfAula 02 - Processo de Software I.pdf
Aula 02 - Processo de Software I.pdf
DaniloPereira341965
 
ES4.ppt
ES4.pptES4.ppt
Engenharia De Software
Engenharia De SoftwareEngenharia De Software
Engenharia De Software
CursoSENAC
 
Aula 2 - Processos de Software
Aula 2 - Processos de SoftwareAula 2 - Processos de Software
Aula 2 - Processos de Software
Rudson Kiyoshi Souza Carvalho
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Modelos de processos de software
Modelos de processos de softwareModelos de processos de software
Modelos de processos de software
Nécio de Lima Veras
 
Capitulo 02 sommerville
Capitulo 02 sommervilleCapitulo 02 sommerville
Capitulo 02 sommerville
Fabricio Schlag
 
Projeto de Sistemas - Aula002
Projeto de Sistemas - Aula002Projeto de Sistemas - Aula002
Projeto de Sistemas - Aula002
Cláudio Amaral
 
Es capítulo 2 - processos de software
Es   capítulo 2  - processos de softwareEs   capítulo 2  - processos de software
Es capítulo 2 - processos de software
Felipe Oliveira
 
Prototipação
PrototipaçãoPrototipação
Prototipação
Daniel Fernandes
 
Engenharia de-software-1217199594686494-9
Engenharia de-software-1217199594686494-9Engenharia de-software-1217199594686494-9
Engenharia de-software-1217199594686494-9
wilsonguns
 
Processos de software
Processos de softwareProcessos de software
Processos de software
Computação Depressão
 
T1 g13.modelo cascata
T1 g13.modelo cascataT1 g13.modelo cascata
T1 g13.modelo cascata
wilsonguns
 
Aula03_04_ModelosProcessos.pdf
Aula03_04_ModelosProcessos.pdfAula03_04_ModelosProcessos.pdf
Aula03_04_ModelosProcessos.pdf
Jadna Almeida
 
Modelos de Processo de Software Parte 4
Modelos de Processo de Software Parte 4Modelos de Processo de Software Parte 4
Modelos de Processo de Software Parte 4
Elaine Cecília Gatto
 

Semelhante a Aula 2 modelo de processo de software1 (20)

Aula - Modelos de Processos de Desenvolvimento de Software / Mobile App
Aula - Modelos de Processos de Desenvolvimento de Software / Mobile AppAula - Modelos de Processos de Desenvolvimento de Software / Mobile App
Aula - Modelos de Processos de Desenvolvimento de Software / Mobile App
 
Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software
Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software
Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software
 
Modelos de ciclo de vida de software
Modelos de ciclo de vida de softwareModelos de ciclo de vida de software
Modelos de ciclo de vida de software
 
FES_SENAIPR_Processos.pdf
FES_SENAIPR_Processos.pdfFES_SENAIPR_Processos.pdf
FES_SENAIPR_Processos.pdf
 
Aula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptx
Aula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptxAula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptx
Aula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptx
 
Aula 02 - Processo de Software I.pdf
Aula 02 - Processo de Software I.pdfAula 02 - Processo de Software I.pdf
Aula 02 - Processo de Software I.pdf
 
ES4.ppt
ES4.pptES4.ppt
ES4.ppt
 
Engenharia De Software
Engenharia De SoftwareEngenharia De Software
Engenharia De Software
 
Aula 2 - Processos de Software
Aula 2 - Processos de SoftwareAula 2 - Processos de Software
Aula 2 - Processos de Software
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Modelos de processos de software
Modelos de processos de softwareModelos de processos de software
Modelos de processos de software
 
Capitulo 02 sommerville
Capitulo 02 sommervilleCapitulo 02 sommerville
Capitulo 02 sommerville
 
Projeto de Sistemas - Aula002
Projeto de Sistemas - Aula002Projeto de Sistemas - Aula002
Projeto de Sistemas - Aula002
 
Es capítulo 2 - processos de software
Es   capítulo 2  - processos de softwareEs   capítulo 2  - processos de software
Es capítulo 2 - processos de software
 
Prototipação
PrototipaçãoPrototipação
Prototipação
 
Engenharia de-software-1217199594686494-9
Engenharia de-software-1217199594686494-9Engenharia de-software-1217199594686494-9
Engenharia de-software-1217199594686494-9
 
Processos de software
Processos de softwareProcessos de software
Processos de software
 
T1 g13.modelo cascata
T1 g13.modelo cascataT1 g13.modelo cascata
T1 g13.modelo cascata
 
Aula03_04_ModelosProcessos.pdf
Aula03_04_ModelosProcessos.pdfAula03_04_ModelosProcessos.pdf
Aula03_04_ModelosProcessos.pdf
 
Modelos de Processo de Software Parte 4
Modelos de Processo de Software Parte 4Modelos de Processo de Software Parte 4
Modelos de Processo de Software Parte 4
 

Último

PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
joaovmp3
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
Momento da Informática
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
2m Assessoria
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 

Último (10)

PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 

Aula 2 modelo de processo de software1

  • 2. Processo Um conjunto de atividades realizadas por pessoas cujo objetivo é desenvolvimento ou evolução de software e sua documentação. – Tem como meta entregar um produto de software de maneira eficiente, previsível e que corresponda às necessidades de negócio. Geralmente inclui análise de requisitos, programação e testes, entre outras tarefas.
  • 3. ” É um conjunto de atividades que, ao serem executadas, geram um produto de software”. Sommerville Processo de Software
  • 4. Atividades de Processo de Software •Especificação O que o sistema deve fazer (funcionalidade) e quais as restrições. •Projeto e Implementação Produção do Software a partir das definições. •Validação: (V & V) Testar se está de acordo com o que o cliente necessita para ser validado. •Evolução O software tem que ser atualizado para sempre garantir as necessidades do cliente. Mudanças no software. 27/07/13
  • 6. Vantagem O uso de um processo de software bem definido leva à redução dos custos de produção, bem como à melhoria da qualidade e integridade do software.
  • 7. Modelo de Processo de Software
  • 8. É uma representação de um processo de software, apresentada sobre uma perspectiva específica. É uma estratégia para o desenvolvimento do software.  Define a ordem de execução das atividades durante as fases de engenharia de software. Modelo de Processo de Software
  • 9. O que diferencia um modelo de processo do outro? • É a ordem em que as fases vão ocorrer; • O tempo e a ênfase dados a cada fase; • As atividades presentes; • Os produtos entregues. 27/07/13
  • 10. Antes do desenvolvimento de um produto, devemos escolher um modelo de ciclo de vida. De acordo com: - Tamanho; - Complexidade e/ou nível de confiabilidade; - Segurança do projeto.
  • 11. Como escolher um modelo para o desenvolvimento do software? 27/07/13
  • 12. Atividades comuns aos modelos? • Especificação; • Projeto e Implementação; • Validação; • Evolução. 27/07/13
  • 13. 1. Cascata ou ciclo de vida clássico ou tradicional; 2. Modelo evolutivo;  Espiral;  Protótipo;  Iterativo e Incremental Modelos de Processo de Software
  • 14. • Modelo mais antigo; • Modelado em função do ciclo da engenharia convencional; • Fases sequencial ao desenvolvimento de software; • O resultado de uma fase é entrada para outra fase. Modelo Cascata
  • 15. • Utilizado principalmente quando os requisitos de um determinado problema são bem compreendidos. • Utilização: • Fazer adaptações ou aperfeiçoamentos em um sistema já existente. • Necessidade de uma nova funcionalidade e os requisitos estão bem definidos e são estáveis. Modelo Cascata
  • 17. Definição de Requisitos  O processo de coleta dos requisitos é intensificado e concentrado especificamente no software.  Deve-se compreender o domínio da informação, a função, desempenho e interfaces exigidos. Fases - Modelo Cascata
  • 18. Projeto do Sistema  Tradução dos requisitos do software para um conjunto de representações que podem ser avaliadas quanto à qualidade, antes que a codificação se inicie. Fases - Modelo Cascata
  • 19. Implementação  Tradução das representações do projeto para uma linguagem “artificial” resultando em instruções executáveis pelo computador. Fases - Modelo Cascata
  • 20. Teste  É a investigação do software a fim de fornecer informações sobre sua qualidade em relação ao contexto em que ele deve operar. Isso inclui o processo de utilizar o produto para encontrar seus defeitos. Fases - Modelo Cascata
  • 21. Manutenção  Provavelmente o software deverá sofrer mudanças depois que for entregue ao cliente.  Causas das mudanças: - Erros; - Adaptação do software para acomodar mudanças em seu ambiente externo; - Exigência do cliente para acréscimos funcionais e de desempenho. Fases - Modelo Cascata
  • 22. Utilização • Existe um conjunto de Requisitos do usuário estáveis e de alta qualidade; • O sistema completo deve estar disponível de um única vez; • Recomendado para sistemas onde a segurança e a confiabilidade tem grande importância. 27/07/13
  • 23. • Projetos reais raramente seguem o fluxo sequencial que o modelo propõe; • Logo no início é difícil estabelecer explicitamente todos os requisitos. • Fases são dependentes uma da outra; • Não é permitida mudança dos requisitos no meio do processo de desenvolvimento; • O sistema completo deve estar disponível de um única vez; Problemas
  • 24. 1) O que é software? 2) Cite 4 Características de Software. 3) O que é a Engenharia de Software? 4) Qual o objetivo da Engenharia de Software? 4) O que é um processo de software? 5) O que é um modelo de Processo de Software? 6) Dê exemplos de modelos de Processo de Software e descreva o Modelo cascata. Sugestão: Vincular a Engenharia de Software a um assunto visto em alguma disciplina cursada na instituição. Questionário - Introdução
  • 25. Modelos Evolucionários São explicitamente projetados para acomodar um produto que evolui com o tempo. – A cada iteração, produzem uma versão cada vez mais completa do software; Exemplos: – Modelo Espiral; – Modelo de Prototipagem.
  • 27. Modelo Espiral • Proposto por Boehm em 1988. • Propôs uma forma de trabalho na qual ocorre uma repetição das atividades do modelo cascata.
  • 28. Modelo Espiral • Combina a natureza iterativa da prototipagem com os aspectos controlados do modelo em cascata; • O software é produzido numa série de versões evolucionárias; • Primeiras versões: papel ou protótipo;
  • 29. Modelo Espiral • É uma abordagem cíclica que aumenta incrementalmente o grau de definição, enquanto diminui o risco; • O modelo pode ser aplicado ao longo de todo ciclo de vida de uma aplicação;
  • 30. Modelo Espiral • Evolução através de vários ciclos completos de especificação, projeto e desenvolvimento; • O Espiral representa fases do processo; • Riscos avaliados e resolvidos ao longo do processo. 27/07/13
  • 32. Vantagens • Usuário pode usufruir de funcionalidades a cada incremento; • Redução de risco.
  • 34. Protótipo Produto de trabalho na fase de teste e ou planejamento de um projeto.
  • 35. Vantagens - Protótipos • Obter retorno sobre desenho mais depressa; • Facilitam o entendimento e o feedback dos usuários; • Cumprem o desejo de mostrar resultados rápidos para o cliente; • Tornam as ​​discussões mais produtivas e sob controle nas sessões com os usuários;
  • 36. Vantagens - Protótipos • Facilitar o entendimento entre os membros de equipes multidisciplinares de projetos; • Analise da usabilidade no início do processo de desenvolvimento; • Baixo custo para alterar; • Possibilitam obter uma aprovação formal do projeto antes de se prosseguir para o desenvolvimento.
  • 37. Modelo de Prototipagem O software passa por constantes versões até chegar a sua versão final. 27/07/13
  • 38. Modelo de Prototipagem Começa com os requisitos bem compreendidos e adiciona funcionalidades a medida que o cliente propõe. 27/07/13
  • 39. Modelo de Prototipagem Utilização: Entender os requisitos do usuário e, assim, obter uma melhor definição dos requisitos do sistema; Possibilita que o desenvolvedor crie um protótipo do software que deve ser construído; Cliente não definiu detalhadamente os requisitos. 27/07/13
  • 41. Desvantagens • Pode haver pressão do cliente para transformar um protótipo malfeito em produto final, resultando em baixa qualidade; • Concessões na implementação podem fazer com que o desenvolvedor fique familiarizado com escolhas não ideais; • O cliente tem que concordar que o protótipo será usado apenas para levantamento de requisitos e que o software real será submetido à engenharia com qualidade. 27/07/13
  • 42. Observações – Ainda que possam ocorrer problemas, a prototipação é um ciclo de vida eficiente, a chave é definir as regras do jogo logo no começo; – Cliente e desenvolvedor devem concordar que o protótipo seja construído para servir como um mecanismo para definir os requisitos. 27/07/13
  • 43. Ferramenta • Axure – É uma ferramenta de design e documentação capaz de gerar wireframes e protótipos em linguagens como HTML e Javascript. • Download: – (http://www.axure.com/download) Referência: – http://www.devmedia.com.br/introducao-a-prototipacao-e- apresentacao-do-axure-rp-6-5/27978 •
  • 44. Modelo Iterativo e Incremental Desenvolvimento iterativo e incremental - desenvolvimento é iniciado com um subconjunto simples de Requisitos de Software e iterativamente alcança evoluções subsequentes das versões até o sistema todo estar implementado.
  • 45. Modelo Iterativo e Incremental