SlideShare uma empresa Scribd logo
Ciclo de vidade Software 
FaculdadeJK de Tecnlologia 
Departamentode Tecnologiada Informação 
TADS–Processode Desenvolvimento de Software (PDS) 
ProfessorGeorge Henrique R. E. Mendonça 
Eduardo Inez Cesario,NivaldoSantos, Marcelo 
17/09/14
17/09/20 
14 
Your name here (insert->page number) 2 
1.Introdução 
●1. Introdução 
–2. O que é Ciclo de vidado Software 
–2.1 Cascata 
–2.2 Prototipação 
–2.3 Espiral 
–2.4 Incremental 
–2.5 Rad 
–2.6 Modelo emV 
●3.Referencias
17/09/20 
14 
Your name here (insert->page number) 3 
1. Introdução 
Qualificar um produto é muito bom para que tenhamos certeza de que há seriedade e preocupação com a satisfação em tê-lo, mas, qualificar o processo de produção é mais importante para obter um produto melhor. Ambas as qualificações da produção e do produto são largamente utilizados na produção de muitos produtos, inclusive no desenvolvimento de softwares. Hoje, temos normas da ISO 9003 que certificam o processo de produção de software bem como o software pronto. Tais normas exigem cada vez mais qualidade no gerenciamento do projeto e tais exigências são convertidas em benefícios para os usuários e desenvolvedores. 
●Todo desenvolvimento de um software é caracterizado por fases que quando colocados em sequência obtêm-se um Ciclo de Vida do Sistema e é este ciclo de vida que deve ter qualidade.
2. Oque é Ciclo de vida de Software? 
Todo o ser humano tem fases ou etapas de sua vida, ate que venha morrer. Assim também é a vida de um Software, saber quais foram os processos que ele teve que passar ate esta totalmente pronto. 
Passando por alguns modelos de implementação como: 
•Cascata 
•Espiral 
•Rad 
•Modelo em V 
•Incremetal 
•Prototipagem 
Em resumo ,ciclo de vida são as etapas pelo qual o software passa antes de esta pronto.
2.1 Cascata 
O modelo Cascata é um modelo de engenharia projetado para ser aplicado no desenvolvimento do software. A ideia principal que o dirige é que as diferentes etapas de desenvolvimento seguem uma sequência: 
a saída da primeira etapa “fluí” para a segunda etapa e a saída da segunda etapa “fluí” para a terceira e assim por diante. As atividades a executar são agrupadas em tarefas, executadas sequencialmente, de forma que uma tarefa só poderá ter início quando a anterior tiver terminado.
2.2 Prototipação 
O ciclo de vida denominado Prototipação aborda basicamente uma visão evolutiva do desenvolvimento de software, afetando o processo como um todo. Esta abordagem envolve a produção de versões iniciais -protótipos (análogo a maquetes para a arquitetura) -de um sistema futuro com o qual pode-se realizar verificações e experimentações para se avaliar algumas de suas qualidades antes que o sistema venha realmente a ser construído. 
IMPORTANTE: O protótipo criado mostra apenas o sistema em âmbito visual, feita em htmlou outra linguagem visual, Apenas para a visualização por parte do cliente. Não é implementado o código para a resolução das situações que ele enfrentará no seu cotidiano. 
PRINCIPAL BENEFÍCIO: Impede que após todo o projeto criado, o cliente fique insatisfeito, pois o mesmo participou "teoricamente" da criação desse projeto. 
DESVANTAGEM: A documentação... 
A documentação torna-se mais difícil, pois depois da análise de requisitos, parte-se de imediato para a implementação do projeto, não sendo feita uma análise de risco e viabilidade do projeto. 
POR QUE A ESCOLHA DESTE CICLO... 
Nós achamos que com esse ciclo de vida, a participação do cliente na criação de cada fase do projeto, evita chances de erro e principalmente de insatisfação após ele (projeto) criado.
2.3 Espiral 
No estágio 1 devem ser determinados objetivos, soluções alternativas e restrições. 
No estágio 2, devem ser analisados os riscos das decisões do estágio anterior. Durante este estágio podem ser construídos protótipos ou realizar-se simulações do software. 
O estágio 3 consiste nas atividades da fase de desenvolvimento, incluindo design, especificação, codificação e verificação. A principal característica é que a cada especificação que vai surgindo a cada ciclo - especificação de requisitos, do software, da arquitetura, da interface de usuário e dos algoritmos e dados -deve ser feita a verificação apropriadamente. 
O estágio 4 compreende a revisão das etapas anteriores e o planejamento da próxima fase. Neste planejamento, dependendo dos resultados obtidos nos estágios anteriores -decisões, análise de riscos e verificação, pode-se optar por seguir o desenvolvimento num modelo Cascata (linear), Evolutivo ou Transformação. Por exemplo, se já no primeiro ciclo, os requisitos forem completamente especificados e validados pode-se optar por seguir o modelo Cascata. Caso contrário, pode-se optar pela construção de novos protótipos, incrementando-o, avaliando novos riscos e replanejandoo processo
2.3 Espiral 
VantagensPor ser incremental podem ser adicionadas novas funcionalidades em cada nova versão; Praticamente não existe distinção entre desenvolvimento e pós-entrega; Maior controle sobre os riscos do projeto, tornando o processo de construção de um produto complexo mais seguro. 
Desvantagens: Modelo destina-se exclusivamente a desenvolvimento de software interno; A abordagem deste modelo exige grande experiência na avaliação dos riscos. Pode ser difícil convencer grandes clientes de que a abordagem evolutiva é controlável. 
Uso O modelo espiral é mais adequado para sistemas complexos e que exijam um alto nível de interações com os usuários, a fim de possibilitar a abordagem de todos os problemas desse sistema. Usado com mais frequência em grandes projetos.
2.4 Incremental 
O modelo de ciclo de vida incremental e iterativo foi proposto como uma resposta aos problemas encontrados no modelo em cascata. Um processo de desenvolvimento segundo essa abordagem divide o desenvolvimento de um produto de software em ciclos. Em cada ciclo de desenvolvimento, podem ser identificadas as fases de análise, projeto, implementação e testes. Essa característica contrasta com a abordagem clássica, na qual as fases de análise, projeto, implementação e testes são realizadas uma única vez. 
Cada um dos ciclos considera um subconjunto de requisitos. Os requisitos são desenvolvidos uma vez que sejam alocados a um ciclo de desenvolvimento. No próximo ciclo, um outro subconjunto dos requisitos é considerado para ser desenvolvido, o que produz um novo incremento do sistema que contém extensões e refinamentos sobre o incremento anterior. 
Assim, o desenvolvimento evolui em versões, através da construção incremental e iterativa de novas funcionalidades até que o sistema completo esteja construído. Note que apenas uma parte dos requisitos é considerada em cada ciclo de desenvolvimento. Na verdade, um modelo de ciclo de vida iterativo e incremental pode ser visto como uma generalização da abordagem em cascata: o software é desenvolvimento em incrementos e cada incremento é desenvolvido em cascata. 
A abordagem incremental e iterativa somente é possível se existir um mecanismo para dividir os requisitos do sistema em partes, para que cada parte seja alocada a um ciclo de desenvolvimento. Essa alocação é realizada em função do grau de importância atribuído a cada requisito.
2.4 Incremental
2.5 RAD 
Este modelo formalizado por James Martin em 1991, como uma evolução da “prototipagem rápida”, destaca-se pelo desenvolvimento rápido da aplicação. O ciclo de vida é extremamente 
comprimido, de forma a encontrarem-se exemplos, na literatura, de duração de 60 e 90 dias. É ideal para clientes buscando lançar soluções pioneiras no mercado. 
É um ciclo de vida incremental, iterativo, onde é preferível que os requisitos tenham escopo restrito. A diferença principal do ciclo anterior é o forte paralelismo das atividades, requerendo, assim, módulos bastante independentes. Aqui os incrementos são desenvolvidos ao mesmo tempo, por equipes diferentes. 
Além do paralelismo, a conquista do baixo tempo se dá graças à compressão da fase de requisitos e da fase de implantação. Isso significa que, na obtenção dos requisitos, costumam-se optar por metodologias mais dinâmicas e rápidas, como workshops ao invés de entrevistas. Permite-se também um desenvolvimento inicial no nível mais alto de abstração dos requisitos visto o envolvimento maior do usuário e visibilidade mais cedo dos protótipos.
2.6 Modelo em V 
O Modelo V é um modelo conceitual de gestão de projeto visto como melhoria ao problema de reatividade do modelo em cascata. Ele permite, em caso de anomalia, delimitar um retorno às etapas precedentes. As fases das partes acima devem devolver as informações sobre elas, camada a camada, quando os padrões são detectados, a fim de melhorar o programa. 
O Modelo V virou um padrão da indústria de software depois de 1980 e, após o surgimento da Engenharia de Sistemas, tornou-se um conceito padrão em todos os domínios da indústria. O mundo do software tinha feito poucos avanços em termos de maturidade, em achar na bibliografia corrente as referências que poderiam se aplicar ao sistema.
3.Referencia 
• SOMMERVILLE, Ian, Engenharia Software. AddisonWesley. 8ª ed 
• PRESSMAN, Roger, Engenharia Software, McGraw-Hill. 6ª ed

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula - Metodologias Ágeis
Aula - Metodologias ÁgeisAula - Metodologias Ágeis
Aula - Metodologias Ágeis
Mauricio Cesar Santos da Purificação
 
Aula 06 softwares
Aula 06   softwaresAula 06   softwares
Aula 06 softwares
Vanilson Sertão
 
Aula1 e aula2 - Analise e Projeto de Sistemas
Aula1 e aula2 - Analise e Projeto de SistemasAula1 e aula2 - Analise e Projeto de Sistemas
Aula1 e aula2 - Analise e Projeto de Sistemas
Gustavo Gonzalez
 
Aula 4 - Gestão de Projetos
Aula 4 - Gestão de ProjetosAula 4 - Gestão de Projetos
Aula 4 - Gestão de Projetos
Fernando Dantas
 
As aula 1 - introdução a análise de sistemas
As   aula 1 - introdução a análise de sistemasAs   aula 1 - introdução a análise de sistemas
As aula 1 - introdução a análise de sistemas
tontotsilva
 
Modelos de Processo de Software
Modelos de Processo de SoftwareModelos de Processo de Software
Modelos de Processo de Software
Rogerio P C do Nascimento
 
Qualidade de Software
Qualidade de SoftwareQualidade de Software
Qualidade de Software
Tiago Antônio da Silva
 
Projeto de Software
Projeto de SoftwareProjeto de Software
Projeto de Software
Wagner Zaparoli
 
Qualidade de Software: Modelos e normas
Qualidade de Software: Modelos e normasQualidade de Software: Modelos e normas
Qualidade de Software: Modelos e normas
Alex Camargo
 
Software
SoftwareSoftware
Software
Robson Santos
 
Aula 6 - Qualidade de Software
Aula 6 - Qualidade de SoftwareAula 6 - Qualidade de Software
Aula 6 - Qualidade de Software
Leinylson Fontinele
 
Teste de software
Teste de softwareTeste de software
Teste de software
COTIC-PROEG (UFPA)
 
Aula 1 Analise e Projeto
Aula 1   Analise e ProjetoAula 1   Analise e Projeto
Aula 1 Analise e Projeto
Sergio Silva
 
Arquitetura de Software EXPLICADA
Arquitetura de Software EXPLICADAArquitetura de Software EXPLICADA
Arquitetura de Software EXPLICADA
Fábio Nogueira de Lucena
 
Analise de Requisitos
Analise de RequisitosAnalise de Requisitos
Analise de Requisitos
elliando dias
 
Testes de Software
Testes de SoftwareTestes de Software
Testes de Software
Capgemini
 
Gerenciamento de projetos - Iniciação
Gerenciamento de projetos - IniciaçãoGerenciamento de projetos - Iniciação
Gerenciamento de projetos - Iniciação
Paulo Junior
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
Estêvão Bissoli Saleme
 
Gerenciamento de Projetos
Gerenciamento de ProjetosGerenciamento de Projetos
Gerenciamento de Projetos
Marcos Abreu
 
Extreme programming (xp)
 Extreme programming   (xp) Extreme programming   (xp)
Extreme programming (xp)
João Carlos Ottobboni
 

Mais procurados (20)

Aula - Metodologias Ágeis
Aula - Metodologias ÁgeisAula - Metodologias Ágeis
Aula - Metodologias Ágeis
 
Aula 06 softwares
Aula 06   softwaresAula 06   softwares
Aula 06 softwares
 
Aula1 e aula2 - Analise e Projeto de Sistemas
Aula1 e aula2 - Analise e Projeto de SistemasAula1 e aula2 - Analise e Projeto de Sistemas
Aula1 e aula2 - Analise e Projeto de Sistemas
 
Aula 4 - Gestão de Projetos
Aula 4 - Gestão de ProjetosAula 4 - Gestão de Projetos
Aula 4 - Gestão de Projetos
 
As aula 1 - introdução a análise de sistemas
As   aula 1 - introdução a análise de sistemasAs   aula 1 - introdução a análise de sistemas
As aula 1 - introdução a análise de sistemas
 
Modelos de Processo de Software
Modelos de Processo de SoftwareModelos de Processo de Software
Modelos de Processo de Software
 
Qualidade de Software
Qualidade de SoftwareQualidade de Software
Qualidade de Software
 
Projeto de Software
Projeto de SoftwareProjeto de Software
Projeto de Software
 
Qualidade de Software: Modelos e normas
Qualidade de Software: Modelos e normasQualidade de Software: Modelos e normas
Qualidade de Software: Modelos e normas
 
Software
SoftwareSoftware
Software
 
Aula 6 - Qualidade de Software
Aula 6 - Qualidade de SoftwareAula 6 - Qualidade de Software
Aula 6 - Qualidade de Software
 
Teste de software
Teste de softwareTeste de software
Teste de software
 
Aula 1 Analise e Projeto
Aula 1   Analise e ProjetoAula 1   Analise e Projeto
Aula 1 Analise e Projeto
 
Arquitetura de Software EXPLICADA
Arquitetura de Software EXPLICADAArquitetura de Software EXPLICADA
Arquitetura de Software EXPLICADA
 
Analise de Requisitos
Analise de RequisitosAnalise de Requisitos
Analise de Requisitos
 
Testes de Software
Testes de SoftwareTestes de Software
Testes de Software
 
Gerenciamento de projetos - Iniciação
Gerenciamento de projetos - IniciaçãoGerenciamento de projetos - Iniciação
Gerenciamento de projetos - Iniciação
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
 
Gerenciamento de Projetos
Gerenciamento de ProjetosGerenciamento de Projetos
Gerenciamento de Projetos
 
Extreme programming (xp)
 Extreme programming   (xp) Extreme programming   (xp)
Extreme programming (xp)
 

Destaque

Ciclo de Vida Clássico da Engenharia de Software
Ciclo de Vida Clássico da Engenharia de SoftwareCiclo de Vida Clássico da Engenharia de Software
Ciclo de Vida Clássico da Engenharia de Software
Eduardo Santos
 
Modelos de processos de software
Modelos de processos de softwareModelos de processos de software
Modelos de processos de software
Nécio de Lima Veras
 
AULA 1 - CONCEITOS GERAIS APLICADOS NO CICLO DE VIDA DO SOFTWARE E MODELOS ...
AULA 1 - CONCEITOS GERAIS  APLICADOS NO CICLO DE VIDA  DO SOFTWARE E MODELOS ...AULA 1 - CONCEITOS GERAIS  APLICADOS NO CICLO DE VIDA  DO SOFTWARE E MODELOS ...
AULA 1 - CONCEITOS GERAIS APLICADOS NO CICLO DE VIDA DO SOFTWARE E MODELOS ...
Janynne Gomes
 
Modelo cascata apresentação
Modelo cascata apresentaçãoModelo cascata apresentação
Modelo cascata apresentação
erysonsi
 
03 Modelo de processo de software
03 Modelo de processo de software03 Modelo de processo de software
03 Modelo de processo de software
Waldemar Roberti
 
Processo de Software
Processo de SoftwareProcesso de Software
Processo de Software
Charles Miranda
 
Desenvolvimento incremental e iterativo
Desenvolvimento incremental e iterativoDesenvolvimento incremental e iterativo
Desenvolvimento incremental e iterativo
Hercules Lemke Merscher
 
Modelo cascata apresentação
Modelo cascata apresentaçãoModelo cascata apresentação
Modelo cascata apresentação
erysonsi
 
Prototipação
PrototipaçãoPrototipação
Prototipação
Daniel Fernandes
 
Engenharia De Software
Engenharia De SoftwareEngenharia De Software
Engenharia De Software
Felipe Goulart
 
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
Sérgio Souza Costa
 
Ciclo de vida do sig
Ciclo de vida do sigCiclo de vida do sig
Ciclo de vida do sig
Anderson Simão
 
Métodos ágeis e boas práticas no design de sistemas centrado nos usuários
Métodos ágeis e boas práticas no design de sistemas centrado nos usuáriosMétodos ágeis e boas práticas no design de sistemas centrado nos usuários
Métodos ágeis e boas práticas no design de sistemas centrado nos usuários
Leandro Alves
 
Apresentação PDA CEDERJ
Apresentação PDA CEDERJApresentação PDA CEDERJ
Apresentação PDA CEDERJ
Deyvid Nascimento
 
Ciclo de vida del desarrollo de software
Ciclo de vida del desarrollo de softwareCiclo de vida del desarrollo de software
Ciclo de vida del desarrollo de software
SCARFACE_ABRAHAM
 
A Utilização de Softwares Educativos no Ensino do Matemática
A Utilização de Softwares Educativos no Ensino do MatemáticaA Utilização de Softwares Educativos no Ensino do Matemática
A Utilização de Softwares Educativos no Ensino do Matemática
Carlos Monteiro
 
Raio+x+disciplinas+adm+cederj+v+2013.2
Raio+x+disciplinas+adm+cederj+v+2013.2Raio+x+disciplinas+adm+cederj+v+2013.2
Raio+x+disciplinas+adm+cederj+v+2013.2
Thayani Moraes Damiani
 
Ap1 gabarito 2014 2 -cederj
Ap1 gabarito 2014 2 -cederjAp1 gabarito 2014 2 -cederj
Ap1 gabarito 2014 2 -cederj
Rosa Maria Santini Prado
 
Métodos ágeis para design de sistemas interativos centrados no usuário
Métodos ágeis para design de sistemas interativos centrados no usuárioMétodos ágeis para design de sistemas interativos centrados no usuário
Métodos ágeis para design de sistemas interativos centrados no usuário
Karine Drumond
 
Modelo de Prototipação
Modelo de PrototipaçãoModelo de Prototipação
Modelo de Prototipação
Juliano Pires
 

Destaque (20)

Ciclo de Vida Clássico da Engenharia de Software
Ciclo de Vida Clássico da Engenharia de SoftwareCiclo de Vida Clássico da Engenharia de Software
Ciclo de Vida Clássico da Engenharia de Software
 
Modelos de processos de software
Modelos de processos de softwareModelos de processos de software
Modelos de processos de software
 
AULA 1 - CONCEITOS GERAIS APLICADOS NO CICLO DE VIDA DO SOFTWARE E MODELOS ...
AULA 1 - CONCEITOS GERAIS  APLICADOS NO CICLO DE VIDA  DO SOFTWARE E MODELOS ...AULA 1 - CONCEITOS GERAIS  APLICADOS NO CICLO DE VIDA  DO SOFTWARE E MODELOS ...
AULA 1 - CONCEITOS GERAIS APLICADOS NO CICLO DE VIDA DO SOFTWARE E MODELOS ...
 
Modelo cascata apresentação
Modelo cascata apresentaçãoModelo cascata apresentação
Modelo cascata apresentação
 
03 Modelo de processo de software
03 Modelo de processo de software03 Modelo de processo de software
03 Modelo de processo de software
 
Processo de Software
Processo de SoftwareProcesso de Software
Processo de Software
 
Desenvolvimento incremental e iterativo
Desenvolvimento incremental e iterativoDesenvolvimento incremental e iterativo
Desenvolvimento incremental e iterativo
 
Modelo cascata apresentação
Modelo cascata apresentaçãoModelo cascata apresentação
Modelo cascata apresentação
 
Prototipação
PrototipaçãoPrototipação
Prototipação
 
Engenharia De Software
Engenharia De SoftwareEngenharia De Software
Engenharia De Software
 
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
 
Ciclo de vida do sig
Ciclo de vida do sigCiclo de vida do sig
Ciclo de vida do sig
 
Métodos ágeis e boas práticas no design de sistemas centrado nos usuários
Métodos ágeis e boas práticas no design de sistemas centrado nos usuáriosMétodos ágeis e boas práticas no design de sistemas centrado nos usuários
Métodos ágeis e boas práticas no design de sistemas centrado nos usuários
 
Apresentação PDA CEDERJ
Apresentação PDA CEDERJApresentação PDA CEDERJ
Apresentação PDA CEDERJ
 
Ciclo de vida del desarrollo de software
Ciclo de vida del desarrollo de softwareCiclo de vida del desarrollo de software
Ciclo de vida del desarrollo de software
 
A Utilização de Softwares Educativos no Ensino do Matemática
A Utilização de Softwares Educativos no Ensino do MatemáticaA Utilização de Softwares Educativos no Ensino do Matemática
A Utilização de Softwares Educativos no Ensino do Matemática
 
Raio+x+disciplinas+adm+cederj+v+2013.2
Raio+x+disciplinas+adm+cederj+v+2013.2Raio+x+disciplinas+adm+cederj+v+2013.2
Raio+x+disciplinas+adm+cederj+v+2013.2
 
Ap1 gabarito 2014 2 -cederj
Ap1 gabarito 2014 2 -cederjAp1 gabarito 2014 2 -cederj
Ap1 gabarito 2014 2 -cederj
 
Métodos ágeis para design de sistemas interativos centrados no usuário
Métodos ágeis para design de sistemas interativos centrados no usuárioMétodos ágeis para design de sistemas interativos centrados no usuário
Métodos ágeis para design de sistemas interativos centrados no usuário
 
Modelo de Prototipação
Modelo de PrototipaçãoModelo de Prototipação
Modelo de Prototipação
 

Semelhante a Ciclo de vida de software

Ciclo de vida de software
Ciclo de vida de softwareCiclo de vida de software
Ciclo de vida de software
diha36
 
Modelos de processos de software
Modelos de processos de softwareModelos de processos de software
Modelos de processos de software
Nécio de Lima Veras
 
Processos de software
Processos de softwareProcessos de software
Processos de software
Computação Depressão
 
T1 g13.modelo cascata
T1 g13.modelo cascataT1 g13.modelo cascata
T1 g13.modelo cascata
wilsonguns
 
Aula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptx
Aula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptxAula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptx
Aula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptx
ALEXANDRELISBADASILV
 
Modelo cascata
Modelo cascataModelo cascata
Modelo cascata
Priscila Comparsi
 
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane FidelixModelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Cris Fidelix
 
Processo de software individual
Processo de software individualProcesso de software individual
Processo de software individual
Adivaldo_badinho
 
Aula 01 engenharia de software
Aula 01   engenharia de softwareAula 01   engenharia de software
Aula 01 engenharia de software
elisanesteilmann
 
Aula2 processos sw
Aula2 processos swAula2 processos sw
Aula2 processos sw
Computação Depressão
 
Modelo cascata apresentação
Modelo cascata apresentaçãoModelo cascata apresentação
Modelo cascata apresentação
erysonsi
 
Modelo V
Modelo VModelo V
Modelo V
Nelson Loia Jr.
 
vantagens e desvantagens do ciclo de vida de software
vantagens e desvantagens do ciclo de vida de softwarevantagens e desvantagens do ciclo de vida de software
vantagens e desvantagens do ciclo de vida de software
jwniezzy
 
A Evolucao dos Processos de Desenvolvimento de Software
A Evolucao dos Processos de Desenvolvimento de SoftwareA Evolucao dos Processos de Desenvolvimento de Software
A Evolucao dos Processos de Desenvolvimento de Software
Robson Silva Espig
 
O_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdf
O_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdfO_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdf
O_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdf
Athena542429
 
Rational Unified Process (RUP)
Rational Unified Process (RUP)Rational Unified Process (RUP)
Rational Unified Process (RUP)
Carlos Henrique Martins da Silva
 
Analise sistemas 05
Analise sistemas 05Analise sistemas 05
Analise sistemas 05
Caroline Raquel Rodrigues
 
ES4.ppt
ES4.pptES4.ppt
Aula 2 modelo de processo de software1
Aula 2   modelo de processo de software1Aula 2   modelo de processo de software1
Aula 2 modelo de processo de software1
Tiago Vizoto
 
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBANDesenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Fernando Palma
 

Semelhante a Ciclo de vida de software (20)

Ciclo de vida de software
Ciclo de vida de softwareCiclo de vida de software
Ciclo de vida de software
 
Modelos de processos de software
Modelos de processos de softwareModelos de processos de software
Modelos de processos de software
 
Processos de software
Processos de softwareProcessos de software
Processos de software
 
T1 g13.modelo cascata
T1 g13.modelo cascataT1 g13.modelo cascata
T1 g13.modelo cascata
 
Aula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptx
Aula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptxAula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptx
Aula 7 - Modelos de Ciclo de Vida.pptx
 
Modelo cascata
Modelo cascataModelo cascata
Modelo cascata
 
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane FidelixModelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 1 - Prof.ª Cristiane Fidelix
 
Processo de software individual
Processo de software individualProcesso de software individual
Processo de software individual
 
Aula 01 engenharia de software
Aula 01   engenharia de softwareAula 01   engenharia de software
Aula 01 engenharia de software
 
Aula2 processos sw
Aula2 processos swAula2 processos sw
Aula2 processos sw
 
Modelo cascata apresentação
Modelo cascata apresentaçãoModelo cascata apresentação
Modelo cascata apresentação
 
Modelo V
Modelo VModelo V
Modelo V
 
vantagens e desvantagens do ciclo de vida de software
vantagens e desvantagens do ciclo de vida de softwarevantagens e desvantagens do ciclo de vida de software
vantagens e desvantagens do ciclo de vida de software
 
A Evolucao dos Processos de Desenvolvimento de Software
A Evolucao dos Processos de Desenvolvimento de SoftwareA Evolucao dos Processos de Desenvolvimento de Software
A Evolucao dos Processos de Desenvolvimento de Software
 
O_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdf
O_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdfO_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdf
O_Ciclo_de_Vida_do_Desenvolvimento_de_Sistemas.pdf
 
Rational Unified Process (RUP)
Rational Unified Process (RUP)Rational Unified Process (RUP)
Rational Unified Process (RUP)
 
Analise sistemas 05
Analise sistemas 05Analise sistemas 05
Analise sistemas 05
 
ES4.ppt
ES4.pptES4.ppt
ES4.ppt
 
Aula 2 modelo de processo de software1
Aula 2   modelo de processo de software1Aula 2   modelo de processo de software1
Aula 2 modelo de processo de software1
 
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBANDesenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
 

Último

Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 

Ciclo de vida de software

  • 1. Ciclo de vidade Software FaculdadeJK de Tecnlologia Departamentode Tecnologiada Informação TADS–Processode Desenvolvimento de Software (PDS) ProfessorGeorge Henrique R. E. Mendonça Eduardo Inez Cesario,NivaldoSantos, Marcelo 17/09/14
  • 2. 17/09/20 14 Your name here (insert->page number) 2 1.Introdução ●1. Introdução –2. O que é Ciclo de vidado Software –2.1 Cascata –2.2 Prototipação –2.3 Espiral –2.4 Incremental –2.5 Rad –2.6 Modelo emV ●3.Referencias
  • 3. 17/09/20 14 Your name here (insert->page number) 3 1. Introdução Qualificar um produto é muito bom para que tenhamos certeza de que há seriedade e preocupação com a satisfação em tê-lo, mas, qualificar o processo de produção é mais importante para obter um produto melhor. Ambas as qualificações da produção e do produto são largamente utilizados na produção de muitos produtos, inclusive no desenvolvimento de softwares. Hoje, temos normas da ISO 9003 que certificam o processo de produção de software bem como o software pronto. Tais normas exigem cada vez mais qualidade no gerenciamento do projeto e tais exigências são convertidas em benefícios para os usuários e desenvolvedores. ●Todo desenvolvimento de um software é caracterizado por fases que quando colocados em sequência obtêm-se um Ciclo de Vida do Sistema e é este ciclo de vida que deve ter qualidade.
  • 4. 2. Oque é Ciclo de vida de Software? Todo o ser humano tem fases ou etapas de sua vida, ate que venha morrer. Assim também é a vida de um Software, saber quais foram os processos que ele teve que passar ate esta totalmente pronto. Passando por alguns modelos de implementação como: •Cascata •Espiral •Rad •Modelo em V •Incremetal •Prototipagem Em resumo ,ciclo de vida são as etapas pelo qual o software passa antes de esta pronto.
  • 5. 2.1 Cascata O modelo Cascata é um modelo de engenharia projetado para ser aplicado no desenvolvimento do software. A ideia principal que o dirige é que as diferentes etapas de desenvolvimento seguem uma sequência: a saída da primeira etapa “fluí” para a segunda etapa e a saída da segunda etapa “fluí” para a terceira e assim por diante. As atividades a executar são agrupadas em tarefas, executadas sequencialmente, de forma que uma tarefa só poderá ter início quando a anterior tiver terminado.
  • 6. 2.2 Prototipação O ciclo de vida denominado Prototipação aborda basicamente uma visão evolutiva do desenvolvimento de software, afetando o processo como um todo. Esta abordagem envolve a produção de versões iniciais -protótipos (análogo a maquetes para a arquitetura) -de um sistema futuro com o qual pode-se realizar verificações e experimentações para se avaliar algumas de suas qualidades antes que o sistema venha realmente a ser construído. IMPORTANTE: O protótipo criado mostra apenas o sistema em âmbito visual, feita em htmlou outra linguagem visual, Apenas para a visualização por parte do cliente. Não é implementado o código para a resolução das situações que ele enfrentará no seu cotidiano. PRINCIPAL BENEFÍCIO: Impede que após todo o projeto criado, o cliente fique insatisfeito, pois o mesmo participou "teoricamente" da criação desse projeto. DESVANTAGEM: A documentação... A documentação torna-se mais difícil, pois depois da análise de requisitos, parte-se de imediato para a implementação do projeto, não sendo feita uma análise de risco e viabilidade do projeto. POR QUE A ESCOLHA DESTE CICLO... Nós achamos que com esse ciclo de vida, a participação do cliente na criação de cada fase do projeto, evita chances de erro e principalmente de insatisfação após ele (projeto) criado.
  • 7. 2.3 Espiral No estágio 1 devem ser determinados objetivos, soluções alternativas e restrições. No estágio 2, devem ser analisados os riscos das decisões do estágio anterior. Durante este estágio podem ser construídos protótipos ou realizar-se simulações do software. O estágio 3 consiste nas atividades da fase de desenvolvimento, incluindo design, especificação, codificação e verificação. A principal característica é que a cada especificação que vai surgindo a cada ciclo - especificação de requisitos, do software, da arquitetura, da interface de usuário e dos algoritmos e dados -deve ser feita a verificação apropriadamente. O estágio 4 compreende a revisão das etapas anteriores e o planejamento da próxima fase. Neste planejamento, dependendo dos resultados obtidos nos estágios anteriores -decisões, análise de riscos e verificação, pode-se optar por seguir o desenvolvimento num modelo Cascata (linear), Evolutivo ou Transformação. Por exemplo, se já no primeiro ciclo, os requisitos forem completamente especificados e validados pode-se optar por seguir o modelo Cascata. Caso contrário, pode-se optar pela construção de novos protótipos, incrementando-o, avaliando novos riscos e replanejandoo processo
  • 8. 2.3 Espiral VantagensPor ser incremental podem ser adicionadas novas funcionalidades em cada nova versão; Praticamente não existe distinção entre desenvolvimento e pós-entrega; Maior controle sobre os riscos do projeto, tornando o processo de construção de um produto complexo mais seguro. Desvantagens: Modelo destina-se exclusivamente a desenvolvimento de software interno; A abordagem deste modelo exige grande experiência na avaliação dos riscos. Pode ser difícil convencer grandes clientes de que a abordagem evolutiva é controlável. Uso O modelo espiral é mais adequado para sistemas complexos e que exijam um alto nível de interações com os usuários, a fim de possibilitar a abordagem de todos os problemas desse sistema. Usado com mais frequência em grandes projetos.
  • 9. 2.4 Incremental O modelo de ciclo de vida incremental e iterativo foi proposto como uma resposta aos problemas encontrados no modelo em cascata. Um processo de desenvolvimento segundo essa abordagem divide o desenvolvimento de um produto de software em ciclos. Em cada ciclo de desenvolvimento, podem ser identificadas as fases de análise, projeto, implementação e testes. Essa característica contrasta com a abordagem clássica, na qual as fases de análise, projeto, implementação e testes são realizadas uma única vez. Cada um dos ciclos considera um subconjunto de requisitos. Os requisitos são desenvolvidos uma vez que sejam alocados a um ciclo de desenvolvimento. No próximo ciclo, um outro subconjunto dos requisitos é considerado para ser desenvolvido, o que produz um novo incremento do sistema que contém extensões e refinamentos sobre o incremento anterior. Assim, o desenvolvimento evolui em versões, através da construção incremental e iterativa de novas funcionalidades até que o sistema completo esteja construído. Note que apenas uma parte dos requisitos é considerada em cada ciclo de desenvolvimento. Na verdade, um modelo de ciclo de vida iterativo e incremental pode ser visto como uma generalização da abordagem em cascata: o software é desenvolvimento em incrementos e cada incremento é desenvolvido em cascata. A abordagem incremental e iterativa somente é possível se existir um mecanismo para dividir os requisitos do sistema em partes, para que cada parte seja alocada a um ciclo de desenvolvimento. Essa alocação é realizada em função do grau de importância atribuído a cada requisito.
  • 11. 2.5 RAD Este modelo formalizado por James Martin em 1991, como uma evolução da “prototipagem rápida”, destaca-se pelo desenvolvimento rápido da aplicação. O ciclo de vida é extremamente comprimido, de forma a encontrarem-se exemplos, na literatura, de duração de 60 e 90 dias. É ideal para clientes buscando lançar soluções pioneiras no mercado. É um ciclo de vida incremental, iterativo, onde é preferível que os requisitos tenham escopo restrito. A diferença principal do ciclo anterior é o forte paralelismo das atividades, requerendo, assim, módulos bastante independentes. Aqui os incrementos são desenvolvidos ao mesmo tempo, por equipes diferentes. Além do paralelismo, a conquista do baixo tempo se dá graças à compressão da fase de requisitos e da fase de implantação. Isso significa que, na obtenção dos requisitos, costumam-se optar por metodologias mais dinâmicas e rápidas, como workshops ao invés de entrevistas. Permite-se também um desenvolvimento inicial no nível mais alto de abstração dos requisitos visto o envolvimento maior do usuário e visibilidade mais cedo dos protótipos.
  • 12. 2.6 Modelo em V O Modelo V é um modelo conceitual de gestão de projeto visto como melhoria ao problema de reatividade do modelo em cascata. Ele permite, em caso de anomalia, delimitar um retorno às etapas precedentes. As fases das partes acima devem devolver as informações sobre elas, camada a camada, quando os padrões são detectados, a fim de melhorar o programa. O Modelo V virou um padrão da indústria de software depois de 1980 e, após o surgimento da Engenharia de Sistemas, tornou-se um conceito padrão em todos os domínios da indústria. O mundo do software tinha feito poucos avanços em termos de maturidade, em achar na bibliografia corrente as referências que poderiam se aplicar ao sistema.
  • 13. 3.Referencia • SOMMERVILLE, Ian, Engenharia Software. AddisonWesley. 8ª ed • PRESSMAN, Roger, Engenharia Software, McGraw-Hill. 6ª ed