SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
Pág. 1
*Os números de páginas e linhas são referentes à 46ª edição da Editorial Caminho.
Trabalho realizado por: Ana Teresa nº2 12ºB, no âmbito da disciplina de Português.
Memorial do Convento – Saramago
Cap. XIII:
Personagens intervenientes:
- Blimunda;
- Baltasar;
- Bartolomeu Lourenço.
Resumo:
- Blimunda e Baltasar já se encontram na quinta em Lisboa. Deparam-se
agora com a degradação do seu trabalho, decidindo portanto desmanchar e
recomeçar a obra.
“Enferrujam-se os arames e os ferros, cobrem-se os panos de mofo, destrança-se o vime ressequido, obra que em
meio ficou não precisa envelhecer para ser ruína. Baltasar deu duas voltas à máquina voadora, nada contente de ver
o que via, com o gancho do braço esquerdo puxou violentamente o esqueleto metálico, ferro contra ferro, a provar-
lhe a resistência, e era pouca, Parece-me que melhor será desmanchar tudo e começar outra vez(…)”
Pág. 191, l. 1-9 (
*)
- Chega, de Coimbra, o padre Bartolomeu Lourenço.
- Este pergunta quantas vontades foram recolhidas, sendo que Blimunda
afirma que apenas 30 foram e são mais de homens, pois as das mulheres
parecem resistir mais à separação corpórea. Mas serão necessárias, pelo
menos, duas mil.
- Com o seguimento do texto, Saramago faz uma insinuação sobre o não
cumprimento do voto de castidade por parte dos padres da altura.
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OURÉM - 120960
Escola Básica e Secundária de Ourém
Ano letivo 2013/2014
Pág. 2
*Os números de páginas e linhas são referentes à 46ª edição da Editorial Caminho.
Trabalho realizado por: Ana Teresa nº2 12ºB, no âmbito da disciplina de Português.
“Quantas vontades recolheste até hoje, Blimunda, perguntou o padre nessa noite, quando ceavam, Não menos de
trinta, disse ela, É pouco, e as mais são de homem ou de mulher, tornou a perguntar, As mais são de homem, parece
que as vontades das mulheres resistem a separar-se do corpo, porque será. A isto não respondeu o padre, mas
Baltasar disse, Quando a minha nuvem fechada está sobre a tua nuvem fechada, às vezes falta bem pouco para que
a tua à minha se junte, Então me pareces tu mais vazio de vontade do que eu, respondeu Blimunda, ainda bem que
o padre Bartolomeu Lourenço se não escandaliza com estas livres conversações, acaso também teve a sua parte de
vontades desfalecidas, na Holanda por onde andou, ou a tem aqui, não o sabendo a Inquisição, ou fazendo de
contas que o ignora, por não andar a falta acompanhada de pecados menos veniais. “
Pág. 193, l. 27 até pág. 194, l.13(
*)
- Retrato da construção da máquina e da recolha de vontades.
“Falemos agora a sério, disse o padre Bartolomeu Lourenço, sempre que puder aqui virei, mas a obra só pode
adiantar-se com o trabalho de ambos foi bom terem construído a forja, eu arranjarei modo de alcançar um fole para
ela, não te hás-de fatigar com essa canseira, porém terás de o observar muito bem porque vai ser preciso fazer os
foles grandes, de que te darei o risco, para a máquina, faltando o vento na atmosfera trabalharão os foles e
voaremos, e tu, Blimunda, lembra-te de que são precisas pelo menos duas mil vontades, duas mil vontades que
tiverem querido soltar-se por as não merecerem as almas, ou os corpos as não merecerem, com essas trinta que aí
tens não se levantaria o cavalo Pégaso apesar de ter asas, pensem como é grande a terra que pisamos, ela puxa os
corpos para baixo, e sendo o sol tão maior como é, mesmo assim não leva a terra para si, ora, para que nós voemos
na atmosfera serão precisas as forças concertadas do sol, do âmbar, dos ímanes e das vontades, mas as vontades
são, de tudo, o mais importante, sem elas não nos deixaria subir a terra, e se queres recolher vontades, Blimunda,
vai à procissão do Corpo de Deus, em tão numerosa multidão não hão-de ser poucas as que se retirem, porque as
procissões, bom é que o saibam, são ocasiões em que as almas e os corpos se debilitam, a ponto de não serem
capazes, sequer, de segurar as vontades, já o mesmo não sucede nas touradas, e também nos autos-de-fé, há neles e
nelas um furor que torna mais fechadas as nuvens fechadas que as vontades são, mais fechadas e mais negras, é
como na guerra, treva geral no interior dos homens. Disse Baltasar, E a máquina de voar, como a farei, Como a
tínhamos começado, a mesma ave grande que está no meu risco, e estas são as partes de que se compõe, aqui te fica
este outro desenho com as indicações dos tamanhos das diferentes peças, irás construindo de baixo para cima,
como se estivesses a fazer um navio, entrançarás o vime e o ferro, imagina que estás ligando penas a ossos, já te
disse, virei sempre que puder(…)”
Pág. 194, l. 14 até pág. 195, l.24(
*)
Pág. 3
*Os números de páginas e linhas são referentes à 46ª edição da Editorial Caminho.
Trabalho realizado por: Ana Teresa nº2 12ºB, no âmbito da disciplina de Português.
- Retrato da cumplicidade de Baltasar e Blimunda.
“Tornou o padre aos estudos, já bacharel, já licenciado, doutor não tarda, enquanto Baltasar chega os ferros à forja
e os tempera na água, enquanto Blimunda raspa as peles trazidas do açougue, enquanto ambos cortam o vime e
trabalham à bigorna, segurando ela a lamela com a tenaz, batendo ele com o malho, e têm de entender-se muito
bem para que não se perca nenhuma pancada, ela apresentando o ferro rubro, ele desferindo o golpe certo, em força
e direcção, nem precisam falar.”
Pág.197, l. 6-15(
*)
- Chega o dia da procissão do Corpo de Deus – 8 Junho 1719 -, que será
totalmente diferente das anteriores, mas com igual ou superior riqueza. Ao
contrário do esperado, Blimunda será incapaz de recolher vontades pois é
noite de Lua Nova. (Pág.200, 1ªfrase(
*)
)
- Enumeração dos participantes e descrição da procissão, descrição que se
encontra marcada pela ironia característica desta obra de Saramago. (Pág.202-
214(
*)
)
“(…)condene-me Deus se não declarar que melhor vestem as bestas do que os homens que as vêem passar, e isto é
sendo o Corpo de Deus, trouxe cada um no seu próprio corpo o que de melhor tinha em casa, a roupinha de ver ao
Senhor, que tendo-nos feito nus só vestidos nos admite à sua presença, vá lá a gente entender este deus ou a religião
que lhe fizeram(…)”
Pág. 204, l.11-18(
*)
Pág. 4
*Os números de páginas e linhas são referentes à 46ª edição da Editorial Caminho.
Trabalho realizado por: Ana Teresa nº2 12ºB, no âmbito da disciplina de Português.
Cap. XIV:
Personagens intervenientes:
- padre Bartolomeu de Gusmão;
- Domenico Scarlatti;
- D. Maria Ana;
- El-rei;
- D. Maria Bárbara;
- Baltasar;
- Blimunda.
Resumo:
- O padre regressa de Coimbra sendo já “doutor em cânones”.
- Referência a Domenico Scarlatti e descrição do mesmo (pág. 217, l. 27-35(
*)
), que
apesar de ter vindo de Londres, é Italiano e que agora ensina a arte de
tocar piano à infanta D. Maria Bárbara.
- Neste mesmo capítulo, Scarlatti é dado a conhecer a passarola, tem longas
conversas com o padre Bartolomeu de Gusmão sobre música e sobre a
trindade terrestre, considerada pelo padre como sendo: ele (o padre), Sete-
sóis e Sete-luas.
- O padre fica na quinta em S. Sebastião da Pedreira a preparar o seu
sermão para a festa do Corpo de Deus, e devido à reflexão feita
anteriormente com Scarlatti e retomando-a agora, o padre questiona a
trindade divina.
“Fiz duas afirmações contrárias entre si, respondam-me qual acham que é a verdadeira, Eu não sei, disse Baltasar,
Nem eu, disse Blimunda, e o padre repetiu, Deus é uno em essência e pessoa, Deus é uno em essência e trino em
pessoa, onde está a verdade, onde está a falsidade, Não sabemos, respondeu Blimunda, e não compreendemos as
palavras, Mas acreditas na Santíssima Trindade, no Padre, no Filho e no Espírito Santo, falo do que ensina a Santa
Igreja, não do que disse o italiano, Acredito, Então Deus, para ti, é trino em pessoa, Pois será, E se eu te disser agora
que Deus é uma só pessoa, que era ele só quando criou o mundo e os homens, acreditarás, Se me diz que é assim,
acredito, Digo-te apenas que acredites, em quê nem eu próprio sei, mas destas minhas palavras não fales a
Pág. 5
*Os números de páginas e linhas são referentes à 46ª edição da Editorial Caminho.
Trabalho realizado por: Ana Teresa nº2 12ºB, no âmbito da disciplina de Português.
ninguém, e tu, Baltasar, qual é a tua opinião, Desde que comecei a construir a máquina de voar, deixei de pensar
nessas coisas, talvez Deus seja um, talvez seja três, pode bem ser que seja quatro, a diferença não se nota, se calhar
Deus é o único soldado vivo de um exército de cem mil, por isso é ao mesmo tempo soldado, capitão e general, e
também maneta, como me foi explicado, e isso, sim, passei a acreditar(…)
Pág. 233, l.14 até pág.234, l.7(
*)
Realeza vs Povo:
Nestes excertos, presentes neste capítulo, é mais uma vez abordada a
diferença de atitudes e comportamentos assumidos pela realeza, neste caso
o rigor, e pelo povo (representado por Baltasar e Blimunda), retratando
neste caso a simplicidade e espontaneidade.
“À lição assistem as majestades, em pequeno estado, umas trinta pessoas, se tanto, contando os camaristas de
semana dele e dela, aias, açafatas várias, mais o padre Bartolomeu de Gusmão, lá para trás, e outros eclesiásticos.”
(…) Pág. 217, l. 10-14(
*)
“Terminou a lição, desfez-se a companhia, rei para um lado, rainha para outro, infanta não sei para onde, todos
observando precedências e preceitos, cometendo plurais vénias, enfim, afastou-se a restolhada dos guarda-infantes
e dos calções de fitas, e no salão de música apenas ficaram Domenico Scarlatti e o padre Bartolomeu de Gusmão."
Pág. 218, l. 1-7(
*)
vs
“Esta é que é Blimunda, disse o padre, Sete-Luas, acrescentou o músico. Ela tinha brincos de cerejas nas orelhas,
trazia-as assim para se mostrar a Baltasar, e por isso foi para ele, sorrindo e oferecendo o cesto(…)”
Pág. 229, l.1-5(
*)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Capítulo xv memorial do convento
Capítulo xv   memorial do conventoCapítulo xv   memorial do convento
Capítulo xv memorial do convento12anogolega
 
Memorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosMemorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosRui Matos
 
Memorial do Convento - Cap. IV
Memorial do Convento - Cap. IVMemorial do Convento - Cap. IV
Memorial do Convento - Cap. IV12º A Golegã
 
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)Memorial do convento dimensão crítica da história (1)
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)José Galvão
 
Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Conventoguest304ad9
 
Memorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. VMemorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. V12º A Golegã
 
Memorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempoMemorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempoCarla Luís
 
Simbologia de Memorial do Convento
Simbologia de Memorial do ConventoSimbologia de Memorial do Convento
Simbologia de Memorial do ConventoRui Couto
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento12anogolega
 
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloMemorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloFilipaFonseca
 
Capítulo XI - MC
Capítulo XI - MCCapítulo XI - MC
Capítulo XI - MC12anogolega
 
Memorial do convento narrador, espaço e tempo
Memorial do convento narrador, espaço e tempoMemorial do convento narrador, espaço e tempo
Memorial do convento narrador, espaço e tempoAntónio Teixeira
 
Guia do professor sentidos12
Guia do professor sentidos12Guia do professor sentidos12
Guia do professor sentidos12Maria José Silva
 
Capítulo XXIII - MC
Capítulo XXIII - MCCapítulo XXIII - MC
Capítulo XXIII - MC12anogolega
 
Memorial do Convento, de José Saramago II
Memorial do Convento, de José Saramago IIMemorial do Convento, de José Saramago II
Memorial do Convento, de José Saramago IIDina Baptista
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaSamuel Neves
 

Mais procurados (20)

Capítulo xv memorial do convento
Capítulo xv   memorial do conventoCapítulo xv   memorial do convento
Capítulo xv memorial do convento
 
Memorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por CapítulosMemorial- Análise por Capítulos
Memorial- Análise por Capítulos
 
Capítulo i
Capítulo iCapítulo i
Capítulo i
 
Memorial do Convento - Cap. IV
Memorial do Convento - Cap. IVMemorial do Convento - Cap. IV
Memorial do Convento - Cap. IV
 
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)Memorial do convento dimensão crítica da história (1)
Memorial do convento dimensão crítica da história (1)
 
Memorial do Convento
Memorial do ConventoMemorial do Convento
Memorial do Convento
 
Memorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. VMemorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. V
 
Memorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempoMemorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempo
 
Simbologia de Memorial do Convento
Simbologia de Memorial do ConventoSimbologia de Memorial do Convento
Simbologia de Memorial do Convento
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloMemorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
 
Capítulo XI - MC
Capítulo XI - MCCapítulo XI - MC
Capítulo XI - MC
 
Baltasar e Blimunda
Baltasar e Blimunda Baltasar e Blimunda
Baltasar e Blimunda
 
Calma
CalmaCalma
Calma
 
Viriato
ViriatoViriato
Viriato
 
Memorial do convento narrador, espaço e tempo
Memorial do convento narrador, espaço e tempoMemorial do convento narrador, espaço e tempo
Memorial do convento narrador, espaço e tempo
 
Guia do professor sentidos12
Guia do professor sentidos12Guia do professor sentidos12
Guia do professor sentidos12
 
Capítulo XXIII - MC
Capítulo XXIII - MCCapítulo XXIII - MC
Capítulo XXIII - MC
 
Memorial do Convento, de José Saramago II
Memorial do Convento, de José Saramago IIMemorial do Convento, de José Saramago II
Memorial do Convento, de José Saramago II
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
 

Destaque

Memorial convento- José Saramago
Memorial convento- José SaramagoMemorial convento- José Saramago
Memorial convento- José Saramagobecresforte
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento12anogolega
 
Questão de aula 2 funções + critérios 10 ano
Questão de aula 2 funções + critérios 10 anoQuestão de aula 2 funções + critérios 10 ano
Questão de aula 2 funções + critérios 10 anoPedro Teixeira
 
12º Ano Fórmulas Matemáticas
12º Ano Fórmulas Matemáticas12º Ano Fórmulas Matemáticas
12º Ano Fórmulas MatemáticasAna Teresa
 
11º Ano Fórmulas Matemáticas
11º Ano Fórmulas Matemáticas11º Ano Fórmulas Matemáticas
11º Ano Fórmulas MatemáticasAna Teresa
 
11º Ano Fórmulas Matemáticas
11º Ano Fórmulas Matemáticas11º Ano Fórmulas Matemáticas
11º Ano Fórmulas MatemáticasAna Teresa
 
Documento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTO
Documento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTODocumento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTO
Documento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTORui Oliveira
 
10º Ano Fórmulas Matemáticas
10º Ano Fórmulas Matemáticas10º Ano Fórmulas Matemáticas
10º Ano Fórmulas MatemáticasAna Teresa
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do conventoMarcos Alex
 

Destaque (15)

Memorial convento- José Saramago
Memorial convento- José SaramagoMemorial convento- José Saramago
Memorial convento- José Saramago
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Memorial Do Convento
Memorial Do ConventoMemorial Do Convento
Memorial Do Convento
 
Funcoes1
Funcoes1Funcoes1
Funcoes1
 
Ficha1 mat5 09 10 sol geo
Ficha1 mat5 09 10 sol geoFicha1 mat5 09 10 sol geo
Ficha1 mat5 09 10 sol geo
 
Questão de aula 2 funções + critérios 10 ano
Questão de aula 2 funções + critérios 10 anoQuestão de aula 2 funções + critérios 10 ano
Questão de aula 2 funções + critérios 10 ano
 
12º Ano Fórmulas Matemáticas
12º Ano Fórmulas Matemáticas12º Ano Fórmulas Matemáticas
12º Ano Fórmulas Matemáticas
 
4 tur11
4 tur114 tur11
4 tur11
 
11º Ano Fórmulas Matemáticas
11º Ano Fórmulas Matemáticas11º Ano Fórmulas Matemáticas
11º Ano Fórmulas Matemáticas
 
11º Ano Fórmulas Matemáticas
11º Ano Fórmulas Matemáticas11º Ano Fórmulas Matemáticas
11º Ano Fórmulas Matemáticas
 
Documento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTO
Documento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTODocumento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTO
Documento CAPITULO SETE - tópicos MEMORIAL DO CONVENTO
 
10º Ano Fórmulas Matemáticas
10º Ano Fórmulas Matemáticas10º Ano Fórmulas Matemáticas
10º Ano Fórmulas Matemáticas
 
Função injectiva
Função injectivaFunção injectiva
Função injectiva
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 

Semelhante a Resumo do Capítulo XIII de Memorial do Convento

Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83luisprista
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 33
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 33ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 33
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 33luisprista
 
Memorial de um convento
Memorial  de um conventoMemorial  de um convento
Memorial de um conventoMarcos Alex
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 79-80
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 79-80Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 79-80
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 79-80luisprista
 
Memorial do Convento C.8.pptx
Memorial do Convento C.8.pptxMemorial do Convento C.8.pptx
Memorial do Convento C.8.pptxAnaIsabellaGarcia
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 87-88
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 87-88Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 87-88
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 87-88luisprista
 
S. barreto discursos mudos-contos
S. barreto   discursos mudos-contosS. barreto   discursos mudos-contos
S. barreto discursos mudos-contosSaulo Barreto
 
Discursos mudos saulo barreto
Discursos mudos   saulo barretoDiscursos mudos   saulo barreto
Discursos mudos saulo barretoSauloBarreto7
 
GENTE DE GRAMADO QUE NÃO SERÁ NOME DE RUA - PACARD.pdf
GENTE DE GRAMADO QUE NÃO SERÁ NOME DE RUA - PACARD.pdfGENTE DE GRAMADO QUE NÃO SERÁ NOME DE RUA - PACARD.pdf
GENTE DE GRAMADO QUE NÃO SERÁ NOME DE RUA - PACARD.pdfPaulo Cardoso
 
Guião de leitura
Guião de leituraGuião de leitura
Guião de leituraCarla Luís
 
Conto machado de assis
Conto machado de assisConto machado de assis
Conto machado de assisAnatliaMiranda
 
EX-Port639-F1-2023-V1.pdf
EX-Port639-F1-2023-V1.pdfEX-Port639-F1-2023-V1.pdf
EX-Port639-F1-2023-V1.pdfFJDOliveira
 
A Tempestade-William Shakespeare.pdf
A Tempestade-William Shakespeare.pdfA Tempestade-William Shakespeare.pdf
A Tempestade-William Shakespeare.pdfMarciaJulianaDiasdeA
 
7334880 historia-do-brasil-por-frei-vicente-do-salvador-1627
7334880 historia-do-brasil-por-frei-vicente-do-salvador-16277334880 historia-do-brasil-por-frei-vicente-do-salvador-1627
7334880 historia-do-brasil-por-frei-vicente-do-salvador-1627Mauro Sousa
 

Semelhante a Resumo do Capítulo XIII de Memorial do Convento (20)

Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 82-83
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 33
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 33ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 33
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 33
 
Memorial de um convento
Memorial  de um conventoMemorial  de um convento
Memorial de um convento
 
Dom casmurro
Dom casmurroDom casmurro
Dom casmurro
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 79-80
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 79-80Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 79-80
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 79-80
 
Memorial do Convento C.8.pptx
Memorial do Convento C.8.pptxMemorial do Convento C.8.pptx
Memorial do Convento C.8.pptx
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 87-88
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 87-88Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 87-88
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 87-88
 
S. barreto discursos mudos-contos
S. barreto   discursos mudos-contosS. barreto   discursos mudos-contos
S. barreto discursos mudos-contos
 
Discursos mudos saulo barreto
Discursos mudos   saulo barretoDiscursos mudos   saulo barreto
Discursos mudos saulo barreto
 
GENTE DE GRAMADO QUE NÃO SERÁ NOME DE RUA - PACARD.pdf
GENTE DE GRAMADO QUE NÃO SERÁ NOME DE RUA - PACARD.pdfGENTE DE GRAMADO QUE NÃO SERÁ NOME DE RUA - PACARD.pdf
GENTE DE GRAMADO QUE NÃO SERÁ NOME DE RUA - PACARD.pdf
 
Memorial do convento_[1]
Memorial do convento_[1]Memorial do convento_[1]
Memorial do convento_[1]
 
Memorial do convento_[1]
Memorial do convento_[1]Memorial do convento_[1]
Memorial do convento_[1]
 
Memorial do convento_[1]
Memorial do convento_[1]Memorial do convento_[1]
Memorial do convento_[1]
 
Guião de leitura
Guião de leituraGuião de leitura
Guião de leitura
 
Conto machado de assis
Conto machado de assisConto machado de assis
Conto machado de assis
 
Conto o espelho
Conto o espelhoConto o espelho
Conto o espelho
 
EX-Port639-F1-2023-V1.pdf
EX-Port639-F1-2023-V1.pdfEX-Port639-F1-2023-V1.pdf
EX-Port639-F1-2023-V1.pdf
 
A Tempestade-William Shakespeare.pdf
A Tempestade-William Shakespeare.pdfA Tempestade-William Shakespeare.pdf
A Tempestade-William Shakespeare.pdf
 
7334880 historia-do-brasil-por-frei-vicente-do-salvador-1627
7334880 historia-do-brasil-por-frei-vicente-do-salvador-16277334880 historia-do-brasil-por-frei-vicente-do-salvador-1627
7334880 historia-do-brasil-por-frei-vicente-do-salvador-1627
 
Jaboatão
JaboatãoJaboatão
Jaboatão
 

Resumo do Capítulo XIII de Memorial do Convento

  • 1. Pág. 1 *Os números de páginas e linhas são referentes à 46ª edição da Editorial Caminho. Trabalho realizado por: Ana Teresa nº2 12ºB, no âmbito da disciplina de Português. Memorial do Convento – Saramago Cap. XIII: Personagens intervenientes: - Blimunda; - Baltasar; - Bartolomeu Lourenço. Resumo: - Blimunda e Baltasar já se encontram na quinta em Lisboa. Deparam-se agora com a degradação do seu trabalho, decidindo portanto desmanchar e recomeçar a obra. “Enferrujam-se os arames e os ferros, cobrem-se os panos de mofo, destrança-se o vime ressequido, obra que em meio ficou não precisa envelhecer para ser ruína. Baltasar deu duas voltas à máquina voadora, nada contente de ver o que via, com o gancho do braço esquerdo puxou violentamente o esqueleto metálico, ferro contra ferro, a provar- lhe a resistência, e era pouca, Parece-me que melhor será desmanchar tudo e começar outra vez(…)” Pág. 191, l. 1-9 ( *) - Chega, de Coimbra, o padre Bartolomeu Lourenço. - Este pergunta quantas vontades foram recolhidas, sendo que Blimunda afirma que apenas 30 foram e são mais de homens, pois as das mulheres parecem resistir mais à separação corpórea. Mas serão necessárias, pelo menos, duas mil. - Com o seguimento do texto, Saramago faz uma insinuação sobre o não cumprimento do voto de castidade por parte dos padres da altura. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OURÉM - 120960 Escola Básica e Secundária de Ourém Ano letivo 2013/2014
  • 2. Pág. 2 *Os números de páginas e linhas são referentes à 46ª edição da Editorial Caminho. Trabalho realizado por: Ana Teresa nº2 12ºB, no âmbito da disciplina de Português. “Quantas vontades recolheste até hoje, Blimunda, perguntou o padre nessa noite, quando ceavam, Não menos de trinta, disse ela, É pouco, e as mais são de homem ou de mulher, tornou a perguntar, As mais são de homem, parece que as vontades das mulheres resistem a separar-se do corpo, porque será. A isto não respondeu o padre, mas Baltasar disse, Quando a minha nuvem fechada está sobre a tua nuvem fechada, às vezes falta bem pouco para que a tua à minha se junte, Então me pareces tu mais vazio de vontade do que eu, respondeu Blimunda, ainda bem que o padre Bartolomeu Lourenço se não escandaliza com estas livres conversações, acaso também teve a sua parte de vontades desfalecidas, na Holanda por onde andou, ou a tem aqui, não o sabendo a Inquisição, ou fazendo de contas que o ignora, por não andar a falta acompanhada de pecados menos veniais. “ Pág. 193, l. 27 até pág. 194, l.13( *) - Retrato da construção da máquina e da recolha de vontades. “Falemos agora a sério, disse o padre Bartolomeu Lourenço, sempre que puder aqui virei, mas a obra só pode adiantar-se com o trabalho de ambos foi bom terem construído a forja, eu arranjarei modo de alcançar um fole para ela, não te hás-de fatigar com essa canseira, porém terás de o observar muito bem porque vai ser preciso fazer os foles grandes, de que te darei o risco, para a máquina, faltando o vento na atmosfera trabalharão os foles e voaremos, e tu, Blimunda, lembra-te de que são precisas pelo menos duas mil vontades, duas mil vontades que tiverem querido soltar-se por as não merecerem as almas, ou os corpos as não merecerem, com essas trinta que aí tens não se levantaria o cavalo Pégaso apesar de ter asas, pensem como é grande a terra que pisamos, ela puxa os corpos para baixo, e sendo o sol tão maior como é, mesmo assim não leva a terra para si, ora, para que nós voemos na atmosfera serão precisas as forças concertadas do sol, do âmbar, dos ímanes e das vontades, mas as vontades são, de tudo, o mais importante, sem elas não nos deixaria subir a terra, e se queres recolher vontades, Blimunda, vai à procissão do Corpo de Deus, em tão numerosa multidão não hão-de ser poucas as que se retirem, porque as procissões, bom é que o saibam, são ocasiões em que as almas e os corpos se debilitam, a ponto de não serem capazes, sequer, de segurar as vontades, já o mesmo não sucede nas touradas, e também nos autos-de-fé, há neles e nelas um furor que torna mais fechadas as nuvens fechadas que as vontades são, mais fechadas e mais negras, é como na guerra, treva geral no interior dos homens. Disse Baltasar, E a máquina de voar, como a farei, Como a tínhamos começado, a mesma ave grande que está no meu risco, e estas são as partes de que se compõe, aqui te fica este outro desenho com as indicações dos tamanhos das diferentes peças, irás construindo de baixo para cima, como se estivesses a fazer um navio, entrançarás o vime e o ferro, imagina que estás ligando penas a ossos, já te disse, virei sempre que puder(…)” Pág. 194, l. 14 até pág. 195, l.24( *)
  • 3. Pág. 3 *Os números de páginas e linhas são referentes à 46ª edição da Editorial Caminho. Trabalho realizado por: Ana Teresa nº2 12ºB, no âmbito da disciplina de Português. - Retrato da cumplicidade de Baltasar e Blimunda. “Tornou o padre aos estudos, já bacharel, já licenciado, doutor não tarda, enquanto Baltasar chega os ferros à forja e os tempera na água, enquanto Blimunda raspa as peles trazidas do açougue, enquanto ambos cortam o vime e trabalham à bigorna, segurando ela a lamela com a tenaz, batendo ele com o malho, e têm de entender-se muito bem para que não se perca nenhuma pancada, ela apresentando o ferro rubro, ele desferindo o golpe certo, em força e direcção, nem precisam falar.” Pág.197, l. 6-15( *) - Chega o dia da procissão do Corpo de Deus – 8 Junho 1719 -, que será totalmente diferente das anteriores, mas com igual ou superior riqueza. Ao contrário do esperado, Blimunda será incapaz de recolher vontades pois é noite de Lua Nova. (Pág.200, 1ªfrase( *) ) - Enumeração dos participantes e descrição da procissão, descrição que se encontra marcada pela ironia característica desta obra de Saramago. (Pág.202- 214( *) ) “(…)condene-me Deus se não declarar que melhor vestem as bestas do que os homens que as vêem passar, e isto é sendo o Corpo de Deus, trouxe cada um no seu próprio corpo o que de melhor tinha em casa, a roupinha de ver ao Senhor, que tendo-nos feito nus só vestidos nos admite à sua presença, vá lá a gente entender este deus ou a religião que lhe fizeram(…)” Pág. 204, l.11-18( *)
  • 4. Pág. 4 *Os números de páginas e linhas são referentes à 46ª edição da Editorial Caminho. Trabalho realizado por: Ana Teresa nº2 12ºB, no âmbito da disciplina de Português. Cap. XIV: Personagens intervenientes: - padre Bartolomeu de Gusmão; - Domenico Scarlatti; - D. Maria Ana; - El-rei; - D. Maria Bárbara; - Baltasar; - Blimunda. Resumo: - O padre regressa de Coimbra sendo já “doutor em cânones”. - Referência a Domenico Scarlatti e descrição do mesmo (pág. 217, l. 27-35( *) ), que apesar de ter vindo de Londres, é Italiano e que agora ensina a arte de tocar piano à infanta D. Maria Bárbara. - Neste mesmo capítulo, Scarlatti é dado a conhecer a passarola, tem longas conversas com o padre Bartolomeu de Gusmão sobre música e sobre a trindade terrestre, considerada pelo padre como sendo: ele (o padre), Sete- sóis e Sete-luas. - O padre fica na quinta em S. Sebastião da Pedreira a preparar o seu sermão para a festa do Corpo de Deus, e devido à reflexão feita anteriormente com Scarlatti e retomando-a agora, o padre questiona a trindade divina. “Fiz duas afirmações contrárias entre si, respondam-me qual acham que é a verdadeira, Eu não sei, disse Baltasar, Nem eu, disse Blimunda, e o padre repetiu, Deus é uno em essência e pessoa, Deus é uno em essência e trino em pessoa, onde está a verdade, onde está a falsidade, Não sabemos, respondeu Blimunda, e não compreendemos as palavras, Mas acreditas na Santíssima Trindade, no Padre, no Filho e no Espírito Santo, falo do que ensina a Santa Igreja, não do que disse o italiano, Acredito, Então Deus, para ti, é trino em pessoa, Pois será, E se eu te disser agora que Deus é uma só pessoa, que era ele só quando criou o mundo e os homens, acreditarás, Se me diz que é assim, acredito, Digo-te apenas que acredites, em quê nem eu próprio sei, mas destas minhas palavras não fales a
  • 5. Pág. 5 *Os números de páginas e linhas são referentes à 46ª edição da Editorial Caminho. Trabalho realizado por: Ana Teresa nº2 12ºB, no âmbito da disciplina de Português. ninguém, e tu, Baltasar, qual é a tua opinião, Desde que comecei a construir a máquina de voar, deixei de pensar nessas coisas, talvez Deus seja um, talvez seja três, pode bem ser que seja quatro, a diferença não se nota, se calhar Deus é o único soldado vivo de um exército de cem mil, por isso é ao mesmo tempo soldado, capitão e general, e também maneta, como me foi explicado, e isso, sim, passei a acreditar(…) Pág. 233, l.14 até pág.234, l.7( *) Realeza vs Povo: Nestes excertos, presentes neste capítulo, é mais uma vez abordada a diferença de atitudes e comportamentos assumidos pela realeza, neste caso o rigor, e pelo povo (representado por Baltasar e Blimunda), retratando neste caso a simplicidade e espontaneidade. “À lição assistem as majestades, em pequeno estado, umas trinta pessoas, se tanto, contando os camaristas de semana dele e dela, aias, açafatas várias, mais o padre Bartolomeu de Gusmão, lá para trás, e outros eclesiásticos.” (…) Pág. 217, l. 10-14( *) “Terminou a lição, desfez-se a companhia, rei para um lado, rainha para outro, infanta não sei para onde, todos observando precedências e preceitos, cometendo plurais vénias, enfim, afastou-se a restolhada dos guarda-infantes e dos calções de fitas, e no salão de música apenas ficaram Domenico Scarlatti e o padre Bartolomeu de Gusmão." Pág. 218, l. 1-7( *) vs “Esta é que é Blimunda, disse o padre, Sete-Luas, acrescentou o músico. Ela tinha brincos de cerejas nas orelhas, trazia-as assim para se mostrar a Baltasar, e por isso foi para ele, sorrindo e oferecendo o cesto(…)” Pág. 229, l.1-5( *)