SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
A PRIORIDADE INGLESA NA
 REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
   As condições favoráveis ao arranque industrial
A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL



1.a) - Abundância de matéria-
   prima para a Indústria
   Têxtil:

- a lã produzida nas
  pastagens da “Inglaterra
  Verde”

- O algodão que vinha das
  colónias: América e Índia
A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL



1.b) - Abundância de matéria-
   prima para a Indústria
   Metalúrgica:
- o Ferro extraído do subsolo
   inglês, rico em minério de
   ferro – “Inglaterra Negra”
A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL


2) - A Inglaterra possuía
   grandes recursos naturais
   em Fontes de Energia (para
  fazer trabalhar as máquinas):



- O carvão Natural – HULHA,
   extraída do subsolo da
   “Inglaterra Negra”
A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL


3) - Muitos inventores
   ingleses tinham
   desenvolvido importantes
   invenções tecnológicas Força do vapor              Fiandeira Jenny
   que vão ser aplicadas nas
   indústrias têxtil e
   metalúrgica




                      Tear Mecânico Cartwright
Mule-Spinning
                                                 Fiandeira rotativa
A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL




                                                      Máquina a vapor para extrair
      Máquina a vapor de James Watt
                                                      Água das minas




Edmund Cartwright   Richard Arkwrigh   James Watt   Samuel Crompton    Thomas
                                                                       Newcomen
A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL


    4) - A Inglaterra possuía uma boa
       rede de comunicações o que
       facilitava o transporte de matérias-
       primas, produtos fabricados e
       carvão: - bons portos, rios
       navegáveis e canais artificiais        Rede inglesa de canais




Porto de Liverpool
A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL


5) - A Inglaterra possuía muitos
   capitais acumulados com o
   comércio marítimo nos séculos
   XVII e XVIII. (mercantilismo)

- Esse capitais vão ser usados no
   investimento industrial




  Comércio à escala mundial – séc. XVII   Comerciantes ingleses séc. XVII
A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL



6) – A Inglaterra possuía um
   enorme “mercado interno e
   externo”, em todo o mundo,
   para onde exportava os seus
   produtos industriais. (países
   da Europa, países do mundo
   e colónias)




   English East India Company
A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL


7) – Depois da Revolução
   Agrícola, a Inglaterra
   possuía uma mão-de-obra
   disponível, abundante e
   barata, vinda dos campos,
   barata
   apta a trabalhar nas novas               Miséria nos campos
   fábricas das cidades.




  Na cidade, em busca de trabalho   Êxodo
                                    rural
A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL


    8) – O parlamento e os
        governos ingleses,
        dominados pela grande
        burguesia industrial
        fazem leis de apoio ao
        desenvolvimento
        industrial.
        industrial




   John Russel, PM   Spencer Perceval, PM
A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL


 9) – A Burguesia e a nobreza inglesas
    possuíam uma mentalidade activa
    e empreendedora, investindo em
      empreendedora
    negócios grandes, arriscados mas
    lucrativos.




                     A Grande Burguesia
A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL


          10) – Forte sistema
            financeiro de apoio ao
            investimento na actividade
            industrial




                Bolsa de Valores

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosIlda Bicacro
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasRaffaella Ergün
 
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuUnidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuVítor Santos
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugalcattonia
 
Características da população agrícola
Características da população agrícolaCaracterísticas da população agrícola
Características da população agrícolaMaria Adelaide
 
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrialUnidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrialVítor Santos
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesacattonia
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugalVítor Santos
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoCarla Teixeira
 
Agricultura Transmontana
Agricultura TransmontanaAgricultura Transmontana
Agricultura TransmontanaOxana Marian
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeSusana Simões
 
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comumA agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comumIlda Bicacro
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Idalina Leite
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentosVítor Santos
 
Agricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantesAgricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantesIdalina Leite
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasIlda Bicacro
 
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...200166754
 

Mais procurados (20)

As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuUnidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
 
Características da população agrícola
Características da população agrícolaCaracterísticas da população agrícola
Características da população agrícola
 
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrialUnidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Modelo Demografico Antigo e Novo
Modelo Demografico Antigo e NovoModelo Demografico Antigo e Novo
Modelo Demografico Antigo e Novo
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
 
Agricultura Transmontana
Agricultura TransmontanaAgricultura Transmontana
Agricultura Transmontana
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comumA agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal.
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
Agricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantesAgricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantes
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
 
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
 

Semelhante a A prioridade inglesa_na_revolucao_industrial

Revolução industrial inglesa
Revolução industrial inglesaRevolução industrial inglesa
Revolução industrial inglesaMaria Gomes
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrialMaria Gomes
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrialRute Teles
 
Rev Industrial_sucesso.pptx
Rev Industrial_sucesso.pptxRev Industrial_sucesso.pptx
Rev Industrial_sucesso.pptxJoaoSanto4
 
Segunda revolução industrial
Segunda revolução industrialSegunda revolução industrial
Segunda revolução industrialMaria Gomes
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrialRose Vital
 
As Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxAs Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxHitaloSantos8
 
Segunda Revolução Industrial - 9o ano
Segunda Revolução Industrial - 9o anoSegunda Revolução Industrial - 9o ano
Segunda Revolução Industrial - 9o anoLucas Degiovani
 
Espaço Urbano-Industrial Europeu
Espaço Urbano-Industrial EuropeuEspaço Urbano-Industrial Europeu
Espaço Urbano-Industrial EuropeuJonatha Ronchi
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução IndustrialRute Teles
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrialMarcos Venicios
 

Semelhante a A prioridade inglesa_na_revolucao_industrial (20)

Revolução industrial inglesa
Revolução industrial inglesaRevolução industrial inglesa
Revolução industrial inglesa
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
A Revolução Industrial.ppt
A Revolução Industrial.pptA Revolução Industrial.ppt
A Revolução Industrial.ppt
 
Novo
NovoNovo
Novo
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução industial
Revolução industialRevolução industial
Revolução industial
 
Rev Industrial_sucesso.pptx
Rev Industrial_sucesso.pptxRev Industrial_sucesso.pptx
Rev Industrial_sucesso.pptx
 
Segunda revolução industrial
Segunda revolução industrialSegunda revolução industrial
Segunda revolução industrial
 
1a RevoluçãO Industrial
1a RevoluçãO Industrial1a RevoluçãO Industrial
1a RevoluçãO Industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
As Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxAs Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptx
 
Segunda Revolução Industrial - 9o ano
Segunda Revolução Industrial - 9o anoSegunda Revolução Industrial - 9o ano
Segunda Revolução Industrial - 9o ano
 
Espaço Urbano-Industrial Europeu
Espaço Urbano-Industrial EuropeuEspaço Urbano-Industrial Europeu
Espaço Urbano-Industrial Europeu
 
Revolucao industrial
Revolucao industrialRevolucao industrial
Revolucao industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 

Último

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 

Último (20)

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 

A prioridade inglesa_na_revolucao_industrial

  • 1. A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL As condições favoráveis ao arranque industrial
  • 2. A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 1.a) - Abundância de matéria- prima para a Indústria Têxtil: - a lã produzida nas pastagens da “Inglaterra Verde” - O algodão que vinha das colónias: América e Índia
  • 3. A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 1.b) - Abundância de matéria- prima para a Indústria Metalúrgica: - o Ferro extraído do subsolo inglês, rico em minério de ferro – “Inglaterra Negra”
  • 4. A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2) - A Inglaterra possuía grandes recursos naturais em Fontes de Energia (para fazer trabalhar as máquinas): - O carvão Natural – HULHA, extraída do subsolo da “Inglaterra Negra”
  • 5. A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 3) - Muitos inventores ingleses tinham desenvolvido importantes invenções tecnológicas Força do vapor Fiandeira Jenny que vão ser aplicadas nas indústrias têxtil e metalúrgica Tear Mecânico Cartwright Mule-Spinning Fiandeira rotativa
  • 6. A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Máquina a vapor para extrair Máquina a vapor de James Watt Água das minas Edmund Cartwright Richard Arkwrigh James Watt Samuel Crompton Thomas Newcomen
  • 7. A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 4) - A Inglaterra possuía uma boa rede de comunicações o que facilitava o transporte de matérias- primas, produtos fabricados e carvão: - bons portos, rios navegáveis e canais artificiais Rede inglesa de canais Porto de Liverpool
  • 8. A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 5) - A Inglaterra possuía muitos capitais acumulados com o comércio marítimo nos séculos XVII e XVIII. (mercantilismo) - Esse capitais vão ser usados no investimento industrial Comércio à escala mundial – séc. XVII Comerciantes ingleses séc. XVII
  • 9. A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 6) – A Inglaterra possuía um enorme “mercado interno e externo”, em todo o mundo, para onde exportava os seus produtos industriais. (países da Europa, países do mundo e colónias) English East India Company
  • 10. A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 7) – Depois da Revolução Agrícola, a Inglaterra possuía uma mão-de-obra disponível, abundante e barata, vinda dos campos, barata apta a trabalhar nas novas Miséria nos campos fábricas das cidades. Na cidade, em busca de trabalho Êxodo rural
  • 11. A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 8) – O parlamento e os governos ingleses, dominados pela grande burguesia industrial fazem leis de apoio ao desenvolvimento industrial. industrial John Russel, PM Spencer Perceval, PM
  • 12. A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 9) – A Burguesia e a nobreza inglesas possuíam uma mentalidade activa e empreendedora, investindo em empreendedora negócios grandes, arriscados mas lucrativos. A Grande Burguesia
  • 13. A PRIORIDADE INGLESA NA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 10) – Forte sistema financeiro de apoio ao investimento na actividade industrial Bolsa de Valores