SlideShare uma empresa Scribd logo
Maria, Mãe de Jesus
Homenagem àsHomenagem às
MãesMães
Grupo de Pais-CEBGrupo de Pais-CEB
Um olhar espírita
Vídeo – A Mulher Invisível
https://www.youtube.com/watch?v=Qrn4uYT6eFU
A “invisibilidade” maternaA “invisibilidade” materna
Minha mãe – não te defino.Minha mãe – não te defino.
Por mais rebusque o abc...Por mais rebusque o abc...
Escrava pelo destino,Escrava pelo destino,
Rainha que ninguém vê.Rainha que ninguém vê.
MeimeiMeimei
Maria, Mãe de Jesus
1. Concepções religiosas dominantes:1. Concepções religiosas dominantes:
CatólicaCatólica
(Mãe de Deus, Mãe da Humanidade)(Mãe de Deus, Mãe da Humanidade)
XX
Protestante/EvangélicaProtestante/Evangélica
(Coadjuvante na vinda do Cristo)(Coadjuvante na vinda do Cristo)
2. Concepção histórica2. Concepção histórica
3. Perspectiva do codificador3. Perspectiva do codificador
4. Narrativas espíritas4. Narrativas espíritas
Maria, Mãe de Jesus
Quem foi Maria?Quem foi Maria?
Maria (Miriam), um
nome de origem
hebraica, significa
Senhora da Luz; filha
de Joaquim (Eli) e Ana.
Nascida entre 18 ou 20
a.C. em Nazaré, na
Galileia.
Durante a infância,
viveu em Nazaré;
possivelmente casou-se
aos 14 anos com o
carpinteiro José, da
tribo de Davi.
Quem foi Maria?Quem foi Maria?
Retrato falado de Maria
de Nazaré, pintado pelo
fotógrafo Vicente
Avela, ditado por
Emmanuel, através de
Chico Xavier, em
1983.
Como ela é conhecida em
suas visitas às esferas
espirituais mais próximas e
perturbadas da Crosta; Ex.
Legião dos Servos de
Maria, instituição de
amparo aos suicidas,
descrita no livro Memórias
““A queda de um Anjo”A queda de um Anjo”
““Maria foi escolhida noMaria foi escolhida no
reino dos céus e depoisreino dos céus e depois
chamada ao torvelinho dachamada ao torvelinho da
Terra, para cumprir o seuTerra, para cumprir o seu
mandato. Os Espíritosmandato. Os Espíritos
nobres do seu reino anobres do seu reino a
acompanharam desde a suaacompanharam desde a sua
descida triunfal, do abrirdescida triunfal, do abrir
ao fechar dos olhos no reinoao fechar dos olhos no reino
dos homens.”dos homens.”
Maria, Mãe de Jesus
(Maia, J.N./Miramez,(Maia, J.N./Miramez, Maria de Nazaré, p.27), p.27)
Preparativos para a vindaPreparativos para a vinda
do Cristodo Cristo
““É que os historiadores aindaÉ que os historiadores ainda
não perceberam, na chamadanão perceberam, na chamada
época de Augusto, o século doépoca de Augusto, o século do
Evangelho ou da Boa Nova.Evangelho ou da Boa Nova.
(...) a esfera do Cristo se(...) a esfera do Cristo se
aproximava da Terra, numaaproximava da Terra, numa
vibração profunda de amor evibração profunda de amor e
de beleza. (...) Imergiam nosde beleza. (...) Imergiam nos
fluidos do planeta os quefluidos do planeta os que
preparariam a vinda dopreparariam a vinda do
Senhor ...”Senhor ...”
Maria, Mãe de Jesus
(Xavier, F.C./Humberto de Campos,(Xavier, F.C./Humberto de Campos, Boa NovaBoa Nova))
Maria e os trabalhos de limpezaMaria e os trabalhos de limpeza
espiritualespiritual
““Grupos de Espíritos [Sophia e Seareiros do Bem]Grupos de Espíritos [Sophia e Seareiros do Bem]
adestrados em desativação das sombras seadestrados em desativação das sombras se
espalharam por toda a Palestina, (...) e o povoespalharam por toda a Palestina, (...) e o povo
respirava (...) algo de diferente, de esperança...”respirava (...) algo de diferente, de esperança...”
[...][...]
““Sophia, que estava circundada de uma luz azulSophia, que estava circundada de uma luz azul
celeste (...), deixava notar o equilíbrio dos seusceleste (...), deixava notar o equilíbrio dos seus
sentimentos, pela vibração (...) dos centros desentimentos, pela vibração (...) dos centros de
forças (...) como que holofotes de claridades,forças (...) como que holofotes de claridades,
derramando conforto e esperança em todos osderramando conforto e esperança em todos os
sofredores...”sofredores...”
(Maia, J.N./Miramez,(Maia, J.N./Miramez, Maria de Nazaré, p.42-48), p.42-48)
Maria, Mãe de Jesus
““Imaculada Conceição”Imaculada Conceição”
““Ao escrever o seuAo escrever o seu
Evangelho, MateusEvangelho, Mateus
compreendeu a inspiraçãocompreendeu a inspiração
que lhe vinha do Alto, de queque lhe vinha do Alto, de que
um espírito virginal tinhaum espírito virginal tinha
sido escolhido para vir a sersido escolhido para vir a ser
mãe do Mestre. Um espíritomãe do Mestre. Um espírito
virginal é aquele que, atravésvirginal é aquele que, através
de sucessivas e incontáveisde sucessivas e incontáveis
reencarnações, torna-se isentoreencarnações, torna-se isento
das máculas da matéria”.das máculas da matéria”.
(Rigonatti, E. O Evangelho dos Humildes)
Maria, Mãe de Jesus
““Imaculada Conceição”Imaculada Conceição”
““(…) Esta interpretação dá uma razão de(…) Esta interpretação dá uma razão de
ser toda natural ao dogma da Imaculadaser toda natural ao dogma da Imaculada
Conceição, do qual o ceticismo tanto temConceição, do qual o ceticismo tanto tem
zombado. Esse dogma estabelece que azombado. Esse dogma estabelece que a
mãe do Cristo não estava manchada pelomãe do Cristo não estava manchada pelo
pecado original; como pode ser isto? Épecado original; como pode ser isto? É
muito simples: Deus enviou um Espíritomuito simples: Deus enviou um Espírito
puro, ... para se encarnar sobre a Terra epuro, ... para se encarnar sobre a Terra e
nela cumprir essa augusta missão...”nela cumprir essa augusta missão...”
(Allan Kardec,(Allan Kardec, Ensaio Sobre a Interpretação daEnsaio Sobre a Interpretação da
Doutrina dos Anjos DecaídosDoutrina dos Anjos Decaídos, Revista Espírita,, Revista Espírita,
Janeiro de 1862)Janeiro de 1862)
Maria, Mãe de Jesus
A infância de MariaA infância de Maria
“Saíram, então, seus
pais, cheios de
admiração, louvando ao
Senhor Deus porque a
menina não havia olhado
para trás. E Maria
permaneceu no templo
como uma pombinha,
recebendo alimento
pelas mãos de um anjo.”
(Evangelho de Tiago, 8:1)
Maria, Mãe de Jesus
A escolha da genitora do MestreA escolha da genitora do Mestre
““Buscando... alguém no mundo para exercer aBuscando... alguém no mundo para exercer a
necessária tutela sobre a vida, preciosa donecessária tutela sobre a vida, preciosa do
Embaixador Divino, o Supremo Poder do UniversoEmbaixador Divino, o Supremo Poder do Universo
não hesitou em recorrer à abnegada mulher,não hesitou em recorrer à abnegada mulher,
escondida num lar apagado e simples... Humilde,escondida num lar apagado e simples... Humilde,
ocultava a experiência dos sábios; frágil como oocultava a experiência dos sábios; frágil como o
lírio, trazia consigo a resistência do diamante;lírio, trazia consigo a resistência do diamante;
pobre entre os pobres, carreava na própria virtudepobre entre os pobres, carreava na própria virtude
os tesouros incorruptíveis do coração, e, desvalidaos tesouros incorruptíveis do coração, e, desvalida
entre os homens, era grande e prestigiosa peranteentre os homens, era grande e prestigiosa perante
Deus.”Deus.”
(XAVIER, F.C. Religião dos espíritos)
Maria, Mãe de Jesus
AnunciaçãoAnunciação
“’Que a paz esteja com você,
Maria. Você é muito abençoada.
O Senhor está com você’. (...)
Então o anjo continuou: ‘não
tenha medo Maria, Deus está
contente com você. Você ficará
grávida, dará a luz um filho e
porá nele o nome de Jesus. Ele
será um grande homem e será
chamado de Filho do Deus
Altíssimo’ (...) ‘Eu sou uma serva
de Deus; que aconteça comigo, o
que o senhor acabou de me
dizer’.” (Lucas, 1:28-38)
Maria, Mãe de Jesus
““Concepção Virginal”Concepção Virginal”
“Não sendo necessários os milagres para a
glorificação de Deus, nada no Universo se produz
fora do âmbito das leis gerais. Deus não faz
milagres, porque, sendo, como são, perfeitas as
suas leis, não Lhe é necessário derroga-las.”
(Kardec, Allan. A Gênese. cap. 13, item 15)
Maria, Mãe de Jesus
““Concepção Virginal”Concepção Virginal”
“A estada de Jesus na Terra apresenta dois
períodos: o que precedeu e o que seguiu a sua
morte. No primeiro, desde o momento da
concepção até o nascimento, tudo se passa, em
relação à sua mãe, como nas condições normais
da vida.” (Kardec, Allan. A Gênese. cap. 15, item 65)
Maria, Mãe de Jesus
““Concepção Virginal”Concepção Virginal”
“Os ensinamentos que temos
recebido de elevados
mentores
espirituais,
consubstanciados na já numerosa literatura
espírita, nos dizem que Deus não quebra a
harmonia das leis que regulam a natureza. (...)
Ora, porque haveria Jesus de se corporificar em
nosso planeta, desrespeitando a lei biológica e,
portanto, desobedecendo às leis que regem nossa
Maria, Mãe de Jesus
““Concepção Virginal”Concepção Virginal”
“A vinda de Jesus ao nosso
plano operou-se pelos
meios absolutamente
comuns a todos nós;
precisou do concurso de
dois entes que se amavam:
do amparo de José e da
ternura de Maria.”
Maria, Mãe de Jesus
(Rigonatti, E. O Evangelho dos Humildes)
A educação do CristoA educação do Cristo
““Após a famosa apresentação deApós a famosa apresentação de
Jesus aos doutores do Templo deJesus aos doutores do Templo de
Jerusalém, Maria recebeu a visitaJerusalém, Maria recebeu a visita
de Isabel e de seu filho, em suade Isabel e de seu filho, em sua
casinha pobre de Nazaré. (...)casinha pobre de Nazaré. (...)
Essas crianças, a meu ver,Essas crianças, a meu ver,
respondeu-lhe Maria,respondeu-lhe Maria,
intensificando o brilho suave deintensificando o brilho suave de
seus olhos —, trazem para aseus olhos —, trazem para a
Humanidade a luz divina de umHumanidade a luz divina de um
caminho novo. Meu filho tambémcaminho novo. Meu filho também
é assim,é assim, envolvendo-me o coraçãoenvolvendo-me o coração
numa atmosfera de incessantesnuma atmosfera de incessantes
cuidadoscuidados.”.” (XAVIER, F.C. Boa Nova)
Maria, Mãe de Jesus
A educação do CristoA educação do Cristo
““Por vezes, vou encontrá-lo a sós, junto dasPor vezes, vou encontrá-lo a sós, junto das
águas, e, de outras, em conversação profundaáguas, e, de outras, em conversação profunda
com os viajantes que demandam a Samaria oucom os viajantes que demandam a Samaria ou
as aldeias mais distantes, nas adjacências doas aldeias mais distantes, nas adjacências do
lago. Quase sempre, surpreendo- lhe a palavralago. Quase sempre, surpreendo- lhe a palavra
caridosa que dirige às lavadeiras, aoscaridosa que dirige às lavadeiras, aos
transeuntes, aos mendigos sofredores... Falatranseuntes, aos mendigos sofredores... Fala
de sua comunhão com Deus com umade sua comunhão com Deus com uma
eloquência que nunca encontrei naseloquência que nunca encontrei nas
observações dos nossos doutores e,observações dos nossos doutores e,
contentemente, ando a cismar, em relação aocontentemente, ando a cismar, em relação ao
seu destinoseu destino”.”.
(XAVIER, F.C.(XAVIER, F.C. Boa NovaBoa Nova))
Maria, Mãe de Jesus
A educação do CristoA educação do Cristo
““Ainda há alguns dias,Ainda há alguns dias,
estivemos em Jerusalém, nasestivemos em Jerusalém, nas
comemorações costumeiras, e acomemorações costumeiras, e a
facilidade de argumentaçãofacilidade de argumentação
com que Jesus elucidava oscom que Jesus elucidava os
problemas, que lhe eramproblemas, que lhe eram
apresentados pelosapresentados pelos
orientadores do templo,orientadores do templo, nosnos
deixou a todos receosos edeixou a todos receosos e
perplexosperplexos. Sua ciência não pode. Sua ciência não pode
ser deste mundo:ser deste mundo: vem de Deus,vem de Deus,
que certamente se manifestaque certamente se manifesta
por seus lábios amigos dapor seus lábios amigos da
purezapureza”.”.(XAVIER, F.C.(XAVIER, F.C. Boa NovaBoa Nova))
Maria, Mãe de Jesus
A educação do CristoA educação do Cristo
““... Eleazar chamou a José,... Eleazar chamou a José,
em particular, e o advertiuem particular, e o advertiu
de que o menino parecede que o menino parece
haver nascido para ahaver nascido para a
perdição de muitosperdição de muitos
poderosos em Israel. Cientepoderosos em Israel. Ciente
desse aviso,desse aviso, procureiprocurei
Eleazar, a fim de intercederEleazar, a fim de interceder
por Jesuspor Jesus, (...)., (...). Pensei na suaPensei na sua
infância desprotegida einfância desprotegida e
receio pelo seu futuroreceio pelo seu futuro..
Eleazar prometeu interessar-Eleazar prometeu interessar-
se pela sua sorte”.se pela sua sorte”.
Maria, Mãe de Jesus
A educação do CristoA educação do Cristo
““Conversei com José, ... doConversei com José, ... do
pequeno,pequeno, preocupada com opreocupada com o
seu preparo conveniente para aseu preparo conveniente para a
vidavida!... , no dia que se seguiu ...,!... , no dia que se seguiu ...,
Jesus ... me interpelou: “Mãe,Jesus ... me interpelou: “Mãe,
que queres tu de mim? ... nãoque queres tu de mim? ... não
tenho testemunhado a minhatenho testemunhado a minha
comunhão com o Pai que estácomunhão com o Pai que está
no Céu! ... surpreendida com ano Céu! ... surpreendida com a
sua pergunta, respondi-lhe...sua pergunta, respondi-lhe...
Tenho cuidado por ti, meuTenho cuidado por ti, meu
filho! Reconheço que necessitasfilho! Reconheço que necessitas
de um preparo melhor para ade um preparo melhor para a
vidavida... ”... ” (XAVIER, F.C.(XAVIER, F.C. Boa NovaBoa Nova))
Maria, Mãe de Jesus
A infância do CristoA infância do Cristo
““... embora soubesse das... embora soubesse das
belas promessas que osbelas promessas que os
doutores do templo ..., Jesusdoutores do templo ..., Jesus
aproximou-se de José e lheaproximou-se de José e lhe
pediu, com humildade, opediu, com humildade, o
admitisse em seusadmitisse em seus
trabalhos. (...),trabalhos. (...), como se noscomo se nos
quisesse ensinar que aquisesse ensinar que a
melhor escola para Deus é amelhor escola para Deus é a
do lar e a do esforçodo lar e a do esforço
próprio,próprio, ... ele aperfeiçoa as... ele aperfeiçoa as
madeiras da oficina, ...madeiras da oficina, ...
enchendo a casa de ânimo,enchendo a casa de ânimo,
com a sua doce alegria!”com a sua doce alegria!”
Maria, Mãe de Jesus
A crucificação do CristoA crucificação do Cristo
“Junto da cruz, o vulto
agoniado de Maria
produzia dolorosa e
indelével impressão. (...)
Seu coração rebentava
em tempestades de
lágrimas irreprimíveis;
contudo, no santuário
da consciência, repetia a
sua afirmação de
sincera humildade:
‘Faça-se na escrava a
vontade do Senhor!’”
Maria – Mãe de Jesus
Após a cruz do CristoApós a cruz do Cristo
““(...) ela atendia, no pobre santuário(...) ela atendia, no pobre santuário
doméstico, aos que a procuravamdoméstico, aos que a procuravam
exibindo-lhe suas úlceras e necessidades.exibindo-lhe suas úlceras e necessidades.
Sua choupana era, então, conhecida peloSua choupana era, então, conhecida pelo
nome de “Casa da Santíssima”. O fatonome de “Casa da Santíssima”. O fato
tivera origem em certa ocasião, quandotivera origem em certa ocasião, quando
um miserável leproso, depois deum miserável leproso, depois de aliviadoaliviado
em suas chagasem suas chagas, lhe osculou as mãos,, lhe osculou as mãos,
reconhecidamente murmurando:reconhecidamente murmurando:
‘Senhora, sois a mãe de nosso Mestre e‘Senhora, sois a mãe de nosso Mestre e
nossa Mãe Santíssima!’”nossa Mãe Santíssima!’”
(XAVIER, F.C.(XAVIER, F.C. Boa NovaBoa Nova))
Maria – Mãe de Jesus
Após a cruz do CristoApós a cruz do Cristo
““Minha mãe, dizia um dos mais aflitos,Minha mãe, dizia um dos mais aflitos,
como poderei vencer as minhascomo poderei vencer as minhas
dificuldades? Sinto-me abandonado nadificuldades? Sinto-me abandonado na
estrada escura da vida. Maria lhe enviava oestrada escura da vida. Maria lhe enviava o
olhar amoroso da sua bondade, deixandoolhar amoroso da sua bondade, deixando
nele transparecer toda a dedicaçãonele transparecer toda a dedicação
enternecida de seu espírito maternal. “Issoenternecida de seu espírito maternal. “Isso
também passa! dizia ela, carinhosamente,também passa! dizia ela, carinhosamente,
só o Reino de Deus é bastante forte parasó o Reino de Deus é bastante forte para
nunca passar de nossas almas, como eternanunca passar de nossas almas, como eterna
realização do amor celestial.”realização do amor celestial.”
(XAVIER, F.C.(XAVIER, F.C. Boa NovaBoa Nova))
Maria, Mãe de Jesus
Retorno à pátria espiritualRetorno à pátria espiritual
““Enlevada nas suas meditações, MariaEnlevada nas suas meditações, Maria
viu aproximar-se o vulto de um pedinte.viu aproximar-se o vulto de um pedinte.
Minha mãe exclamou o recém-chegado,Minha mãe exclamou o recém-chegado,
como tantos outros que recorriam ao seucomo tantos outros que recorriam ao seu
carinho —, venho fazer-te companhia ecarinho —, venho fazer-te companhia e
receber a tua bênção. (...) O peregrinoreceber a tua bênção. (...) O peregrino
lhe falou do céu, confortando-alhe falou do céu, confortando-a
delicadamente. (...) Que mendigo seriadelicadamente. (...) Que mendigo seria
aquele que lhe acalmava as doresaquele que lhe acalmava as dores
secretas da alma saudosa, com bálsamossecretas da alma saudosa, com bálsamos
tão dulçorosos?”tão dulçorosos?”
(XAVIER, F.C. Boa Nova)
Maria, Mãe de Jesus
Retorno à pátria espiritualRetorno à pátria espiritual
““Foi quando o hóspede anônimo lheFoi quando o hóspede anônimo lhe
estendeu as mãos generosas e lhe falouestendeu as mãos generosas e lhe falou
com profundo acento de amor: ‘Minhacom profundo acento de amor: ‘Minha
mãe, vem aos meus braços!’ Nessemãe, vem aos meus braços!’ Nesse
instante, fitou as mãos nobres que se lheinstante, fitou as mãos nobres que se lhe
ofereciam, num gesto da mais belaofereciam, num gesto da mais bela
ternura. Tomada de comoção profunda,ternura. Tomada de comoção profunda,
viu nelas duas chagas, como as que seuviu nelas duas chagas, como as que seu
filho revelava na cruz e... bradou comfilho revelava na cruz e... bradou com
infinita alegria: ‘Meu filho! meu filho!infinita alegria: ‘Meu filho! meu filho!
as úlceras que te fizeram!’ ”as úlceras que te fizeram!’ ”
(XAVIER, F.C. Boa Nova)
Maria, Mãe de Jesus
Retorno à pátria espiritualRetorno à pátria espiritual
“Num ímpeto de amor, fez“Num ímpeto de amor, fez
um movimento para seum movimento para se
ajoelhar. Queria abraçar-seajoelhar. Queria abraçar-se
aos pés do seu Jesus e osculá-aos pés do seu Jesus e osculá-
los com ternura. Ele, porém,los com ternura. Ele, porém,
levantando-a, cercado de umlevantando-a, cercado de um
halo de luz celestial, se lhehalo de luz celestial, se lhe
ajoelhou aos pés e, beijando-ajoelhou aos pés e, beijando-
lhe as mãos, disse emlhe as mãos, disse em
carinhoso transporte: ‘Sim,carinhoso transporte: ‘Sim,
minha mãe, sou eu!... Venhominha mãe, sou eu!... Venho
buscar-te, pois meu Pai querbuscar-te, pois meu Pai quer
que sejas no meu reino aque sejas no meu reino a
Rainha dos Anjos.”Rainha dos Anjos.”
(XAVIER, F.C.(XAVIER, F.C. Boa NovaBoa Nova))
Maria, Mãe de Jesus
Retorno à pátriaRetorno à pátria
espiritualespiritual
““Maria ... uma inolvidávelMaria ... uma inolvidável
expressão de serenidade, ...expressão de serenidade, ...
esperou a ruptura dosesperou a ruptura dos
derradeiros laços que aderradeiros laços que a
prendiam à vida material.prendiam à vida material.
(...) quando aquela alma(...) quando aquela alma
eleita se elevou da Terra,eleita se elevou da Terra,
(...) extensas multidões de(...) extensas multidões de
entidades angélicas aentidades angélicas a
cercavam cantando hinoscercavam cantando hinos
de glorificação.”de glorificação.”
(XAVIER, F.C. Boa Nova)
Maria, Mãe de Jesus
A herança maternalA herança maternal
““... a bendita entre as mulheres e, desde esse... a bendita entre as mulheres e, desde esse
dia, nos tormentos mais duros, os discípulosdia, nos tormentos mais duros, os discípulos
de Jesus têm cantado na Terra, exprimindo ode Jesus têm cantado na Terra, exprimindo o
seu bom ânimo e a sua alegria, guardando aseu bom ânimo e a sua alegria, guardando a
suave herança de nossa Mãe Santíssima. Porsuave herança de nossa Mãe Santíssima. Por
essa razão, irmãos meus, quando ouvirdes oessa razão, irmãos meus, quando ouvirdes o
cântico nos templos das diversas famíliascântico nos templos das diversas famílias
religiosas do Cristianismo, não vos esqueçaisreligiosas do Cristianismo, não vos esqueçais
de fazer no coração um brando silêncio, parade fazer no coração um brando silêncio, para
que a Rosa Mística de Nazaré espalhe aí o seuque a Rosa Mística de Nazaré espalhe aí o seu
perfume!”perfume!”
(XAVIER, F.C. Boa Nova)
Maria, Mãe de Jesus
Vídeo – Ave Maria
https://www.youtube.com/watch?v=TkY9HtwXNU8

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra Espírita - Nossos filhos são espíritos
Palestra Espírita - Nossos filhos são espíritosPalestra Espírita - Nossos filhos são espíritos
Palestra Espírita - Nossos filhos são espíritos
Divulgador do Espiritismo
 
Fé pela ótica espírita
Fé pela ótica espíritaFé pela ótica espírita
Fé pela ótica espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
As mulheres da casa do caminho
As mulheres da casa do caminhoAs mulheres da casa do caminho
As mulheres da casa do caminho
Izabel Cristina Fonseca
 
Buscai e achareis 1 a 5
Buscai e achareis 1 a  5Buscai e achareis 1 a  5
Buscai e achareis 1 a 5
Angela Ewerling
 
Eade i-ii-7-o-cristianismo-maria-mãe-de-jesus
Eade i-ii-7-o-cristianismo-maria-mãe-de-jesusEade i-ii-7-o-cristianismo-maria-mãe-de-jesus
Eade i-ii-7-o-cristianismo-maria-mãe-de-jesus
JoyAlbanez
 
Salvação dos Ricos
Salvação dos RicosSalvação dos Ricos
Salvação dos Ricos
igmateus
 
Fase2 aula 09 slides
Fase2 aula 09 slidesFase2 aula 09 slides
Fase2 aula 09 slides
Iara Paiva
 
Evangelizacao espirita infantil (fatima)
Evangelizacao espirita infantil (fatima)Evangelizacao espirita infantil (fatima)
Evangelizacao espirita infantil (fatima)
Fatima Carvalho
 
Caridade
CaridadeCaridade
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Divulgador do Espiritismo
 
O natal com jesus! ( Leonardo Pereira).
O natal com jesus! ( Leonardo Pereira). O natal com jesus! ( Leonardo Pereira).
O natal com jesus! ( Leonardo Pereira).
Leonardo Pereira
 
Apresentação a missão da casa espírita
Apresentação a missão da casa espíritaApresentação a missão da casa espírita
Apresentação a missão da casa espírita
Daniela Azevedo
 
Evangeliza - Parábola da Figueira Seca
Evangeliza - Parábola da Figueira SecaEvangeliza - Parábola da Figueira Seca
Evangeliza - Parábola da Figueira Seca
Antonino Silva
 
Capítulo XVI do Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo XVI do Evangelho Segundo EspiritismoCapítulo XVI do Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo XVI do Evangelho Segundo Espiritismo
Jean Dias
 
A ação da prece e transmissão do pensamento
A ação da prece e transmissão do pensamentoA ação da prece e transmissão do pensamento
A ação da prece e transmissão do pensamento
ceakitajai
 
Pais e Filhos: Numa visão Psicológica e Espiritual
Pais e Filhos: Numa visão Psicológica e EspiritualPais e Filhos: Numa visão Psicológica e Espiritual
Pais e Filhos: Numa visão Psicológica e Espiritual
Marcelo Suster
 
Casamento na visão espirita
Casamento na visão espiritaCasamento na visão espirita
Casamento na visão espirita
Lisete B.
 
A missão de ser mãe na visão espírita.pdf
A missão de ser mãe na visão espírita.pdfA missão de ser mãe na visão espírita.pdf
A missão de ser mãe na visão espírita.pdf
Maria Ana de Paula
 
QUEM SÃO OS MÉDIUNS?
QUEM SÃO OS MÉDIUNS?QUEM SÃO OS MÉDIUNS?
QUEM SÃO OS MÉDIUNS?
Jorge Luiz dos Santos
 
Cristo Consolador
Cristo ConsoladorCristo Consolador
Cristo Consolador
Sergio Menezes
 

Mais procurados (20)

Palestra Espírita - Nossos filhos são espíritos
Palestra Espírita - Nossos filhos são espíritosPalestra Espírita - Nossos filhos são espíritos
Palestra Espírita - Nossos filhos são espíritos
 
Fé pela ótica espírita
Fé pela ótica espíritaFé pela ótica espírita
Fé pela ótica espírita
 
As mulheres da casa do caminho
As mulheres da casa do caminhoAs mulheres da casa do caminho
As mulheres da casa do caminho
 
Buscai e achareis 1 a 5
Buscai e achareis 1 a  5Buscai e achareis 1 a  5
Buscai e achareis 1 a 5
 
Eade i-ii-7-o-cristianismo-maria-mãe-de-jesus
Eade i-ii-7-o-cristianismo-maria-mãe-de-jesusEade i-ii-7-o-cristianismo-maria-mãe-de-jesus
Eade i-ii-7-o-cristianismo-maria-mãe-de-jesus
 
Salvação dos Ricos
Salvação dos RicosSalvação dos Ricos
Salvação dos Ricos
 
Fase2 aula 09 slides
Fase2 aula 09 slidesFase2 aula 09 slides
Fase2 aula 09 slides
 
Evangelizacao espirita infantil (fatima)
Evangelizacao espirita infantil (fatima)Evangelizacao espirita infantil (fatima)
Evangelizacao espirita infantil (fatima)
 
Caridade
CaridadeCaridade
Caridade
 
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
 
O natal com jesus! ( Leonardo Pereira).
O natal com jesus! ( Leonardo Pereira). O natal com jesus! ( Leonardo Pereira).
O natal com jesus! ( Leonardo Pereira).
 
Apresentação a missão da casa espírita
Apresentação a missão da casa espíritaApresentação a missão da casa espírita
Apresentação a missão da casa espírita
 
Evangeliza - Parábola da Figueira Seca
Evangeliza - Parábola da Figueira SecaEvangeliza - Parábola da Figueira Seca
Evangeliza - Parábola da Figueira Seca
 
Capítulo XVI do Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo XVI do Evangelho Segundo EspiritismoCapítulo XVI do Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo XVI do Evangelho Segundo Espiritismo
 
A ação da prece e transmissão do pensamento
A ação da prece e transmissão do pensamentoA ação da prece e transmissão do pensamento
A ação da prece e transmissão do pensamento
 
Pais e Filhos: Numa visão Psicológica e Espiritual
Pais e Filhos: Numa visão Psicológica e EspiritualPais e Filhos: Numa visão Psicológica e Espiritual
Pais e Filhos: Numa visão Psicológica e Espiritual
 
Casamento na visão espirita
Casamento na visão espiritaCasamento na visão espirita
Casamento na visão espirita
 
A missão de ser mãe na visão espírita.pdf
A missão de ser mãe na visão espírita.pdfA missão de ser mãe na visão espírita.pdf
A missão de ser mãe na visão espírita.pdf
 
QUEM SÃO OS MÉDIUNS?
QUEM SÃO OS MÉDIUNS?QUEM SÃO OS MÉDIUNS?
QUEM SÃO OS MÉDIUNS?
 
Cristo Consolador
Cristo ConsoladorCristo Consolador
Cristo Consolador
 

Destaque

Chegada do Espiritismo no Brasil
Chegada do Espiritismo no BrasilChegada do Espiritismo no Brasil
Chegada do Espiritismo no Brasil
grupodepaisceb
 
ESE - Capítulo VII - Bem-aventurados os pobres de espírito
ESE - Capítulo VII - Bem-aventurados os pobres de espíritoESE - Capítulo VII - Bem-aventurados os pobres de espírito
ESE - Capítulo VII - Bem-aventurados os pobres de espírito
grupodepaisceb
 
O significado espiritual das uniões humanas à luz do Espriritismo
O significado espiritual das uniões humanas à luz do EspriritismoO significado espiritual das uniões humanas à luz do Espriritismo
O significado espiritual das uniões humanas à luz do Espriritismo
grupodepaisceb
 
O valor do tempo
O valor do tempoO valor do tempo
O valor do tempo
grupodepaisceb
 
Virgem Maria Slide
Virgem Maria SlideVirgem Maria Slide
Capítulo VI - O Cristo Consolador
Capítulo VI - O Cristo ConsoladorCapítulo VI - O Cristo Consolador
Capítulo VI - O Cristo Consolador
grupodepaisceb
 
ESPIRITISMO BRASILEIRO
ESPIRITISMO BRASILEIROESPIRITISMO BRASILEIRO
ESPIRITISMO BRASILEIRO
Jorge Luiz dos Santos
 
História do espiritismo no Brasil
História do espiritismo no BrasilHistória do espiritismo no Brasil
História do espiritismo no Brasil
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
09 vida de maria de nazaré
09 vida de maria de nazaré09 vida de maria de nazaré
09 vida de maria de nazaré
Rafaella Vasconcellos
 
Aula 19 - Grandes vultos do espiritismo no Brasil
Aula 19 - Grandes vultos do espiritismo no BrasilAula 19 - Grandes vultos do espiritismo no Brasil
Aula 19 - Grandes vultos do espiritismo no Brasil
Darlene Cesar
 
Eurípedes Barsanulfo - o educador e médium
Eurípedes Barsanulfo -  o educador e médiumEurípedes Barsanulfo -  o educador e médium
Eurípedes Barsanulfo - o educador e médium
Victor Sancho
 
Eurípedes Barsanulfo e a Educação
Eurípedes Barsanulfo e a EducaçãoEurípedes Barsanulfo e a Educação
Eurípedes Barsanulfo e a Educação
Fatima Carvalho
 
Grandes Vultos Do Espiritismo
Grandes Vultos Do EspiritismoGrandes Vultos Do Espiritismo
Grandes Vultos Do Espiritismo
Andreia Azevedo
 
Maria, a Mãe de Jesus
Maria, a Mãe de JesusMaria, a Mãe de Jesus
Maria, a Mãe de Jesus
Antonino Silva
 
Retrato falado de maria
Retrato falado de mariaRetrato falado de maria
Retrato falado de maria
Renato Cardoso
 
Apresentação chico xavier homenagem 2010 (1)
Apresentação chico xavier homenagem 2010 (1)Apresentação chico xavier homenagem 2010 (1)
Apresentação chico xavier homenagem 2010 (1)
Associação Espirita Lagos
 
U M A H I S TÓ R I A D E FÉ E C O N F I A NÇ A
U M A  H I S TÓ R I A  D E  FÉ  E  C O N F I A NÇ AU M A  H I S TÓ R I A  D E  FÉ  E  C O N F I A NÇ A
U M A H I S TÓ R I A D E FÉ E C O N F I A NÇ A
guest55aa5b
 
Fé e ação - Wilma Badan
Fé e ação - Wilma BadanFé e ação - Wilma Badan
Fé e ação - Wilma Badan
Wilma Badan C.G.
 
Lição 4 como enfrentar a oposição à obra de deus
Lição 4   como enfrentar a oposição à obra de deusLição 4   como enfrentar a oposição à obra de deus
Lição 4 como enfrentar a oposição à obra de deus
Sergio Silva
 
Deus que é riquíssimo em poder pode dar todas as coisas para
Deus que é riquíssimo em poder pode dar todas as coisas paraDeus que é riquíssimo em poder pode dar todas as coisas para
Deus que é riquíssimo em poder pode dar todas as coisas para
rafael gomide
 

Destaque (20)

Chegada do Espiritismo no Brasil
Chegada do Espiritismo no BrasilChegada do Espiritismo no Brasil
Chegada do Espiritismo no Brasil
 
ESE - Capítulo VII - Bem-aventurados os pobres de espírito
ESE - Capítulo VII - Bem-aventurados os pobres de espíritoESE - Capítulo VII - Bem-aventurados os pobres de espírito
ESE - Capítulo VII - Bem-aventurados os pobres de espírito
 
O significado espiritual das uniões humanas à luz do Espriritismo
O significado espiritual das uniões humanas à luz do EspriritismoO significado espiritual das uniões humanas à luz do Espriritismo
O significado espiritual das uniões humanas à luz do Espriritismo
 
O valor do tempo
O valor do tempoO valor do tempo
O valor do tempo
 
Virgem Maria Slide
Virgem Maria SlideVirgem Maria Slide
Virgem Maria Slide
 
Capítulo VI - O Cristo Consolador
Capítulo VI - O Cristo ConsoladorCapítulo VI - O Cristo Consolador
Capítulo VI - O Cristo Consolador
 
ESPIRITISMO BRASILEIRO
ESPIRITISMO BRASILEIROESPIRITISMO BRASILEIRO
ESPIRITISMO BRASILEIRO
 
História do espiritismo no Brasil
História do espiritismo no BrasilHistória do espiritismo no Brasil
História do espiritismo no Brasil
 
09 vida de maria de nazaré
09 vida de maria de nazaré09 vida de maria de nazaré
09 vida de maria de nazaré
 
Aula 19 - Grandes vultos do espiritismo no Brasil
Aula 19 - Grandes vultos do espiritismo no BrasilAula 19 - Grandes vultos do espiritismo no Brasil
Aula 19 - Grandes vultos do espiritismo no Brasil
 
Eurípedes Barsanulfo - o educador e médium
Eurípedes Barsanulfo -  o educador e médiumEurípedes Barsanulfo -  o educador e médium
Eurípedes Barsanulfo - o educador e médium
 
Eurípedes Barsanulfo e a Educação
Eurípedes Barsanulfo e a EducaçãoEurípedes Barsanulfo e a Educação
Eurípedes Barsanulfo e a Educação
 
Grandes Vultos Do Espiritismo
Grandes Vultos Do EspiritismoGrandes Vultos Do Espiritismo
Grandes Vultos Do Espiritismo
 
Maria, a Mãe de Jesus
Maria, a Mãe de JesusMaria, a Mãe de Jesus
Maria, a Mãe de Jesus
 
Retrato falado de maria
Retrato falado de mariaRetrato falado de maria
Retrato falado de maria
 
Apresentação chico xavier homenagem 2010 (1)
Apresentação chico xavier homenagem 2010 (1)Apresentação chico xavier homenagem 2010 (1)
Apresentação chico xavier homenagem 2010 (1)
 
U M A H I S TÓ R I A D E FÉ E C O N F I A NÇ A
U M A  H I S TÓ R I A  D E  FÉ  E  C O N F I A NÇ AU M A  H I S TÓ R I A  D E  FÉ  E  C O N F I A NÇ A
U M A H I S TÓ R I A D E FÉ E C O N F I A NÇ A
 
Fé e ação - Wilma Badan
Fé e ação - Wilma BadanFé e ação - Wilma Badan
Fé e ação - Wilma Badan
 
Lição 4 como enfrentar a oposição à obra de deus
Lição 4   como enfrentar a oposição à obra de deusLição 4   como enfrentar a oposição à obra de deus
Lição 4 como enfrentar a oposição à obra de deus
 
Deus que é riquíssimo em poder pode dar todas as coisas para
Deus que é riquíssimo em poder pode dar todas as coisas paraDeus que é riquíssimo em poder pode dar todas as coisas para
Deus que é riquíssimo em poder pode dar todas as coisas para
 

Semelhante a Maria - Mãe de Jesus

Evangeliza - Maria de Nazaré, Mãe de Jesus
Evangeliza - Maria de Nazaré,  Mãe de JesusEvangeliza - Maria de Nazaré,  Mãe de Jesus
Evangeliza - Maria de Nazaré, Mãe de Jesus
Antonino Silva
 
Formação Dogmas marianos e nossa senhora à luz da patrística
Formação Dogmas marianos e nossa senhora à luz da patrísticaFormação Dogmas marianos e nossa senhora à luz da patrística
Formação Dogmas marianos e nossa senhora à luz da patrística
Paulo Silva
 
Jesus, o jardineiro divino
Jesus, o jardineiro divinoJesus, o jardineiro divino
Jesus, o jardineiro divino
Fabiane Gaspar
 
Natal - Nascimento de Jesus
Natal - Nascimento de JesusNatal - Nascimento de Jesus
Natal - Nascimento de Jesus
Antonino Silva
 
A Caminho da Luz
A Caminho da LuzA Caminho da Luz
A Caminho da Luz
Patricia Farias
 
10 encontro maria-2015
10 encontro   maria-201510 encontro   maria-2015
10 encontro maria-2015
Catequese Anjos dos Céus
 
Quando a família te decepciona
Quando a família te decepcionaQuando a família te decepciona
Quando a família te decepciona
cbvn
 
Como rezar (2).pdf
Como rezar (2).pdfComo rezar (2).pdf
Como rezar (2).pdf
copyzinhomaroto
 
Como rezar.pdf
Como rezar.pdfComo rezar.pdf
Como rezar.pdf
copyzinhomaroto
 
Como rezar (1).pdf
Como rezar (1).pdfComo rezar (1).pdf
Como rezar (1).pdf
copyzinhomaroto
 
Como rezar (3).pdf
Como rezar (3).pdfComo rezar (3).pdf
Como rezar (3).pdf
copyzinhomaroto
 
A importancia da evangelizacao parte ii - o exercicio do amor
A importancia da evangelizacao   parte ii - o exercicio do amorA importancia da evangelizacao   parte ii - o exercicio do amor
A importancia da evangelizacao parte ii - o exercicio do amor
Alice Lirio
 
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo PrimitivoFrancisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
Ricardo Azevedo
 
aimportanciadaevangelizacao-parteii-oexerciciodoamor-151104225856-lva1-app689...
aimportanciadaevangelizacao-parteii-oexerciciodoamor-151104225856-lva1-app689...aimportanciadaevangelizacao-parteii-oexerciciodoamor-151104225856-lva1-app689...
aimportanciadaevangelizacao-parteii-oexerciciodoamor-151104225856-lva1-app689...
fatimadamasceno8
 
Aula 8 nascimento e anunciação de Jeus
Aula 8 nascimento e anunciação de JeusAula 8 nascimento e anunciação de Jeus
Aula 8 nascimento e anunciação de Jeus
free
 
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
jcevadro
 
sodapdf-converted (1).pdf
sodapdf-converted (1).pdfsodapdf-converted (1).pdf
sodapdf-converted (1).pdf
PlayGata
 
sodapdf-converted.pdf
sodapdf-converted.pdfsodapdf-converted.pdf
sodapdf-converted.pdf
PlayGata
 
Falsos cristos
Falsos cristosFalsos cristos
Falsos cristos
Marcelo Santos
 
Como rezar (4).pdf
Como rezar (4).pdfComo rezar (4).pdf
Como rezar (4).pdf
copyzinhomaroto
 

Semelhante a Maria - Mãe de Jesus (20)

Evangeliza - Maria de Nazaré, Mãe de Jesus
Evangeliza - Maria de Nazaré,  Mãe de JesusEvangeliza - Maria de Nazaré,  Mãe de Jesus
Evangeliza - Maria de Nazaré, Mãe de Jesus
 
Formação Dogmas marianos e nossa senhora à luz da patrística
Formação Dogmas marianos e nossa senhora à luz da patrísticaFormação Dogmas marianos e nossa senhora à luz da patrística
Formação Dogmas marianos e nossa senhora à luz da patrística
 
Jesus, o jardineiro divino
Jesus, o jardineiro divinoJesus, o jardineiro divino
Jesus, o jardineiro divino
 
Natal - Nascimento de Jesus
Natal - Nascimento de JesusNatal - Nascimento de Jesus
Natal - Nascimento de Jesus
 
A Caminho da Luz
A Caminho da LuzA Caminho da Luz
A Caminho da Luz
 
10 encontro maria-2015
10 encontro   maria-201510 encontro   maria-2015
10 encontro maria-2015
 
Quando a família te decepciona
Quando a família te decepcionaQuando a família te decepciona
Quando a família te decepciona
 
Como rezar (2).pdf
Como rezar (2).pdfComo rezar (2).pdf
Como rezar (2).pdf
 
Como rezar.pdf
Como rezar.pdfComo rezar.pdf
Como rezar.pdf
 
Como rezar (1).pdf
Como rezar (1).pdfComo rezar (1).pdf
Como rezar (1).pdf
 
Como rezar (3).pdf
Como rezar (3).pdfComo rezar (3).pdf
Como rezar (3).pdf
 
A importancia da evangelizacao parte ii - o exercicio do amor
A importancia da evangelizacao   parte ii - o exercicio do amorA importancia da evangelizacao   parte ii - o exercicio do amor
A importancia da evangelizacao parte ii - o exercicio do amor
 
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo PrimitivoFrancisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
 
aimportanciadaevangelizacao-parteii-oexerciciodoamor-151104225856-lva1-app689...
aimportanciadaevangelizacao-parteii-oexerciciodoamor-151104225856-lva1-app689...aimportanciadaevangelizacao-parteii-oexerciciodoamor-151104225856-lva1-app689...
aimportanciadaevangelizacao-parteii-oexerciciodoamor-151104225856-lva1-app689...
 
Aula 8 nascimento e anunciação de Jeus
Aula 8 nascimento e anunciação de JeusAula 8 nascimento e anunciação de Jeus
Aula 8 nascimento e anunciação de Jeus
 
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
2.o fenômeno mediúnico através dos tempos. médiuns precursores
 
sodapdf-converted (1).pdf
sodapdf-converted (1).pdfsodapdf-converted (1).pdf
sodapdf-converted (1).pdf
 
sodapdf-converted.pdf
sodapdf-converted.pdfsodapdf-converted.pdf
sodapdf-converted.pdf
 
Falsos cristos
Falsos cristosFalsos cristos
Falsos cristos
 
Como rezar (4).pdf
Como rezar (4).pdfComo rezar (4).pdf
Como rezar (4).pdf
 

Mais de grupodepaisceb

Depressão na visão espírita
Depressão na visão espíritaDepressão na visão espírita
Depressão na visão espírita
grupodepaisceb
 
Educação no lar_9abr16
Educação no lar_9abr16Educação no lar_9abr16
Educação no lar_9abr16
grupodepaisceb
 
Grupo Auta de Souza - Acompanhamento das Famílias 2015.2016
Grupo Auta de Souza - Acompanhamento das Famílias 2015.2016Grupo Auta de Souza - Acompanhamento das Famílias 2015.2016
Grupo Auta de Souza - Acompanhamento das Famílias 2015.2016
grupodepaisceb
 
Atividades da comunhão espírita de brasília 2016
Atividades da comunhão espírita de brasília 2016Atividades da comunhão espírita de brasília 2016
Atividades da comunhão espírita de brasília 2016
grupodepaisceb
 
Ideias sociais espíritas
Ideias sociais espíritas Ideias sociais espíritas
Ideias sociais espíritas
grupodepaisceb
 
Francisco de Assis
Francisco de AssisFrancisco de Assis
Francisco de Assis
grupodepaisceb
 
Pedi e obtereis - O poder transformador da prece
Pedi e obtereis  - O poder transformador da prece Pedi e obtereis  - O poder transformador da prece
Pedi e obtereis - O poder transformador da prece
grupodepaisceb
 
Minha mãe não faz nada (texto)
Minha mãe não faz nada (texto)Minha mãe não faz nada (texto)
Minha mãe não faz nada (texto)
grupodepaisceb
 
Histórias parábolas fábulas
Histórias parábolas fábulasHistórias parábolas fábulas
Histórias parábolas fábulas
grupodepaisceb
 
Afeição
AfeiçãoAfeição
Afeição
grupodepaisceb
 
Leis morais (geral e trabalho, reprodução)
Leis morais  (geral e trabalho, reprodução)Leis morais  (geral e trabalho, reprodução)
Leis morais (geral e trabalho, reprodução)
grupodepaisceb
 
Buscai e achareis
Buscai e achareisBuscai e achareis
Buscai e achareis
grupodepaisceb
 
Emoção e razão
Emoção e razãoEmoção e razão
Emoção e razão
grupodepaisceb
 
Eficácia da prece
Eficácia da prece Eficácia da prece
Eficácia da prece
grupodepaisceb
 
Reforma íntima sem martírio
Reforma íntima sem martírioReforma íntima sem martírio
Reforma íntima sem martírio
grupodepaisceb
 
Evangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueire
Evangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueireEvangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueire
Evangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueire
grupodepaisceb
 
Apresentação do grupo Auta de Souza - Famílias ajudadas
Apresentação do grupo Auta de Souza - Famílias ajudadasApresentação do grupo Auta de Souza - Famílias ajudadas
Apresentação do grupo Auta de Souza - Famílias ajudadas
grupodepaisceb
 
Estranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIIIEstranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIII
grupodepaisceb
 
Comportamento do próximo
Comportamento do próximoComportamento do próximo
Comportamento do próximo
grupodepaisceb
 
Não separeis o que Deus juntou - ESE - Cap XXII
Não separeis o que Deus juntou - ESE - Cap XXII   Não separeis o que Deus juntou - ESE - Cap XXII
Não separeis o que Deus juntou - ESE - Cap XXII
grupodepaisceb
 

Mais de grupodepaisceb (20)

Depressão na visão espírita
Depressão na visão espíritaDepressão na visão espírita
Depressão na visão espírita
 
Educação no lar_9abr16
Educação no lar_9abr16Educação no lar_9abr16
Educação no lar_9abr16
 
Grupo Auta de Souza - Acompanhamento das Famílias 2015.2016
Grupo Auta de Souza - Acompanhamento das Famílias 2015.2016Grupo Auta de Souza - Acompanhamento das Famílias 2015.2016
Grupo Auta de Souza - Acompanhamento das Famílias 2015.2016
 
Atividades da comunhão espírita de brasília 2016
Atividades da comunhão espírita de brasília 2016Atividades da comunhão espírita de brasília 2016
Atividades da comunhão espírita de brasília 2016
 
Ideias sociais espíritas
Ideias sociais espíritas Ideias sociais espíritas
Ideias sociais espíritas
 
Francisco de Assis
Francisco de AssisFrancisco de Assis
Francisco de Assis
 
Pedi e obtereis - O poder transformador da prece
Pedi e obtereis  - O poder transformador da prece Pedi e obtereis  - O poder transformador da prece
Pedi e obtereis - O poder transformador da prece
 
Minha mãe não faz nada (texto)
Minha mãe não faz nada (texto)Minha mãe não faz nada (texto)
Minha mãe não faz nada (texto)
 
Histórias parábolas fábulas
Histórias parábolas fábulasHistórias parábolas fábulas
Histórias parábolas fábulas
 
Afeição
AfeiçãoAfeição
Afeição
 
Leis morais (geral e trabalho, reprodução)
Leis morais  (geral e trabalho, reprodução)Leis morais  (geral e trabalho, reprodução)
Leis morais (geral e trabalho, reprodução)
 
Buscai e achareis
Buscai e achareisBuscai e achareis
Buscai e achareis
 
Emoção e razão
Emoção e razãoEmoção e razão
Emoção e razão
 
Eficácia da prece
Eficácia da prece Eficácia da prece
Eficácia da prece
 
Reforma íntima sem martírio
Reforma íntima sem martírioReforma íntima sem martírio
Reforma íntima sem martírio
 
Evangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueire
Evangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueireEvangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueire
Evangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueire
 
Apresentação do grupo Auta de Souza - Famílias ajudadas
Apresentação do grupo Auta de Souza - Famílias ajudadasApresentação do grupo Auta de Souza - Famílias ajudadas
Apresentação do grupo Auta de Souza - Famílias ajudadas
 
Estranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIIIEstranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIII
 
Comportamento do próximo
Comportamento do próximoComportamento do próximo
Comportamento do próximo
 
Não separeis o que Deus juntou - ESE - Cap XXII
Não separeis o que Deus juntou - ESE - Cap XXII   Não separeis o que Deus juntou - ESE - Cap XXII
Não separeis o que Deus juntou - ESE - Cap XXII
 

Último

Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 

Maria - Mãe de Jesus

  • 1. Maria, Mãe de Jesus Homenagem àsHomenagem às MãesMães Grupo de Pais-CEBGrupo de Pais-CEB Um olhar espírita
  • 2. Vídeo – A Mulher Invisível https://www.youtube.com/watch?v=Qrn4uYT6eFU
  • 3. A “invisibilidade” maternaA “invisibilidade” materna Minha mãe – não te defino.Minha mãe – não te defino. Por mais rebusque o abc...Por mais rebusque o abc... Escrava pelo destino,Escrava pelo destino, Rainha que ninguém vê.Rainha que ninguém vê. MeimeiMeimei Maria, Mãe de Jesus
  • 4. 1. Concepções religiosas dominantes:1. Concepções religiosas dominantes: CatólicaCatólica (Mãe de Deus, Mãe da Humanidade)(Mãe de Deus, Mãe da Humanidade) XX Protestante/EvangélicaProtestante/Evangélica (Coadjuvante na vinda do Cristo)(Coadjuvante na vinda do Cristo) 2. Concepção histórica2. Concepção histórica 3. Perspectiva do codificador3. Perspectiva do codificador 4. Narrativas espíritas4. Narrativas espíritas Maria, Mãe de Jesus
  • 5. Quem foi Maria?Quem foi Maria? Maria (Miriam), um nome de origem hebraica, significa Senhora da Luz; filha de Joaquim (Eli) e Ana. Nascida entre 18 ou 20 a.C. em Nazaré, na Galileia. Durante a infância, viveu em Nazaré; possivelmente casou-se aos 14 anos com o carpinteiro José, da tribo de Davi.
  • 6. Quem foi Maria?Quem foi Maria? Retrato falado de Maria de Nazaré, pintado pelo fotógrafo Vicente Avela, ditado por Emmanuel, através de Chico Xavier, em 1983. Como ela é conhecida em suas visitas às esferas espirituais mais próximas e perturbadas da Crosta; Ex. Legião dos Servos de Maria, instituição de amparo aos suicidas, descrita no livro Memórias
  • 7. ““A queda de um Anjo”A queda de um Anjo” ““Maria foi escolhida noMaria foi escolhida no reino dos céus e depoisreino dos céus e depois chamada ao torvelinho dachamada ao torvelinho da Terra, para cumprir o seuTerra, para cumprir o seu mandato. Os Espíritosmandato. Os Espíritos nobres do seu reino anobres do seu reino a acompanharam desde a suaacompanharam desde a sua descida triunfal, do abrirdescida triunfal, do abrir ao fechar dos olhos no reinoao fechar dos olhos no reino dos homens.”dos homens.” Maria, Mãe de Jesus (Maia, J.N./Miramez,(Maia, J.N./Miramez, Maria de Nazaré, p.27), p.27)
  • 8. Preparativos para a vindaPreparativos para a vinda do Cristodo Cristo ““É que os historiadores aindaÉ que os historiadores ainda não perceberam, na chamadanão perceberam, na chamada época de Augusto, o século doépoca de Augusto, o século do Evangelho ou da Boa Nova.Evangelho ou da Boa Nova. (...) a esfera do Cristo se(...) a esfera do Cristo se aproximava da Terra, numaaproximava da Terra, numa vibração profunda de amor evibração profunda de amor e de beleza. (...) Imergiam nosde beleza. (...) Imergiam nos fluidos do planeta os quefluidos do planeta os que preparariam a vinda dopreparariam a vinda do Senhor ...”Senhor ...” Maria, Mãe de Jesus (Xavier, F.C./Humberto de Campos,(Xavier, F.C./Humberto de Campos, Boa NovaBoa Nova))
  • 9. Maria e os trabalhos de limpezaMaria e os trabalhos de limpeza espiritualespiritual ““Grupos de Espíritos [Sophia e Seareiros do Bem]Grupos de Espíritos [Sophia e Seareiros do Bem] adestrados em desativação das sombras seadestrados em desativação das sombras se espalharam por toda a Palestina, (...) e o povoespalharam por toda a Palestina, (...) e o povo respirava (...) algo de diferente, de esperança...”respirava (...) algo de diferente, de esperança...” [...][...] ““Sophia, que estava circundada de uma luz azulSophia, que estava circundada de uma luz azul celeste (...), deixava notar o equilíbrio dos seusceleste (...), deixava notar o equilíbrio dos seus sentimentos, pela vibração (...) dos centros desentimentos, pela vibração (...) dos centros de forças (...) como que holofotes de claridades,forças (...) como que holofotes de claridades, derramando conforto e esperança em todos osderramando conforto e esperança em todos os sofredores...”sofredores...” (Maia, J.N./Miramez,(Maia, J.N./Miramez, Maria de Nazaré, p.42-48), p.42-48) Maria, Mãe de Jesus
  • 10. ““Imaculada Conceição”Imaculada Conceição” ““Ao escrever o seuAo escrever o seu Evangelho, MateusEvangelho, Mateus compreendeu a inspiraçãocompreendeu a inspiração que lhe vinha do Alto, de queque lhe vinha do Alto, de que um espírito virginal tinhaum espírito virginal tinha sido escolhido para vir a sersido escolhido para vir a ser mãe do Mestre. Um espíritomãe do Mestre. Um espírito virginal é aquele que, atravésvirginal é aquele que, através de sucessivas e incontáveisde sucessivas e incontáveis reencarnações, torna-se isentoreencarnações, torna-se isento das máculas da matéria”.das máculas da matéria”. (Rigonatti, E. O Evangelho dos Humildes) Maria, Mãe de Jesus
  • 11. ““Imaculada Conceição”Imaculada Conceição” ““(…) Esta interpretação dá uma razão de(…) Esta interpretação dá uma razão de ser toda natural ao dogma da Imaculadaser toda natural ao dogma da Imaculada Conceição, do qual o ceticismo tanto temConceição, do qual o ceticismo tanto tem zombado. Esse dogma estabelece que azombado. Esse dogma estabelece que a mãe do Cristo não estava manchada pelomãe do Cristo não estava manchada pelo pecado original; como pode ser isto? Épecado original; como pode ser isto? É muito simples: Deus enviou um Espíritomuito simples: Deus enviou um Espírito puro, ... para se encarnar sobre a Terra epuro, ... para se encarnar sobre a Terra e nela cumprir essa augusta missão...”nela cumprir essa augusta missão...” (Allan Kardec,(Allan Kardec, Ensaio Sobre a Interpretação daEnsaio Sobre a Interpretação da Doutrina dos Anjos DecaídosDoutrina dos Anjos Decaídos, Revista Espírita,, Revista Espírita, Janeiro de 1862)Janeiro de 1862) Maria, Mãe de Jesus
  • 12. A infância de MariaA infância de Maria “Saíram, então, seus pais, cheios de admiração, louvando ao Senhor Deus porque a menina não havia olhado para trás. E Maria permaneceu no templo como uma pombinha, recebendo alimento pelas mãos de um anjo.” (Evangelho de Tiago, 8:1) Maria, Mãe de Jesus
  • 13. A escolha da genitora do MestreA escolha da genitora do Mestre ““Buscando... alguém no mundo para exercer aBuscando... alguém no mundo para exercer a necessária tutela sobre a vida, preciosa donecessária tutela sobre a vida, preciosa do Embaixador Divino, o Supremo Poder do UniversoEmbaixador Divino, o Supremo Poder do Universo não hesitou em recorrer à abnegada mulher,não hesitou em recorrer à abnegada mulher, escondida num lar apagado e simples... Humilde,escondida num lar apagado e simples... Humilde, ocultava a experiência dos sábios; frágil como oocultava a experiência dos sábios; frágil como o lírio, trazia consigo a resistência do diamante;lírio, trazia consigo a resistência do diamante; pobre entre os pobres, carreava na própria virtudepobre entre os pobres, carreava na própria virtude os tesouros incorruptíveis do coração, e, desvalidaos tesouros incorruptíveis do coração, e, desvalida entre os homens, era grande e prestigiosa peranteentre os homens, era grande e prestigiosa perante Deus.”Deus.” (XAVIER, F.C. Religião dos espíritos) Maria, Mãe de Jesus
  • 14. AnunciaçãoAnunciação “’Que a paz esteja com você, Maria. Você é muito abençoada. O Senhor está com você’. (...) Então o anjo continuou: ‘não tenha medo Maria, Deus está contente com você. Você ficará grávida, dará a luz um filho e porá nele o nome de Jesus. Ele será um grande homem e será chamado de Filho do Deus Altíssimo’ (...) ‘Eu sou uma serva de Deus; que aconteça comigo, o que o senhor acabou de me dizer’.” (Lucas, 1:28-38) Maria, Mãe de Jesus
  • 15. ““Concepção Virginal”Concepção Virginal” “Não sendo necessários os milagres para a glorificação de Deus, nada no Universo se produz fora do âmbito das leis gerais. Deus não faz milagres, porque, sendo, como são, perfeitas as suas leis, não Lhe é necessário derroga-las.” (Kardec, Allan. A Gênese. cap. 13, item 15) Maria, Mãe de Jesus
  • 16. ““Concepção Virginal”Concepção Virginal” “A estada de Jesus na Terra apresenta dois períodos: o que precedeu e o que seguiu a sua morte. No primeiro, desde o momento da concepção até o nascimento, tudo se passa, em relação à sua mãe, como nas condições normais da vida.” (Kardec, Allan. A Gênese. cap. 15, item 65) Maria, Mãe de Jesus
  • 17. ““Concepção Virginal”Concepção Virginal” “Os ensinamentos que temos recebido de elevados mentores espirituais, consubstanciados na já numerosa literatura espírita, nos dizem que Deus não quebra a harmonia das leis que regulam a natureza. (...) Ora, porque haveria Jesus de se corporificar em nosso planeta, desrespeitando a lei biológica e, portanto, desobedecendo às leis que regem nossa Maria, Mãe de Jesus
  • 18. ““Concepção Virginal”Concepção Virginal” “A vinda de Jesus ao nosso plano operou-se pelos meios absolutamente comuns a todos nós; precisou do concurso de dois entes que se amavam: do amparo de José e da ternura de Maria.” Maria, Mãe de Jesus (Rigonatti, E. O Evangelho dos Humildes)
  • 19. A educação do CristoA educação do Cristo ““Após a famosa apresentação deApós a famosa apresentação de Jesus aos doutores do Templo deJesus aos doutores do Templo de Jerusalém, Maria recebeu a visitaJerusalém, Maria recebeu a visita de Isabel e de seu filho, em suade Isabel e de seu filho, em sua casinha pobre de Nazaré. (...)casinha pobre de Nazaré. (...) Essas crianças, a meu ver,Essas crianças, a meu ver, respondeu-lhe Maria,respondeu-lhe Maria, intensificando o brilho suave deintensificando o brilho suave de seus olhos —, trazem para aseus olhos —, trazem para a Humanidade a luz divina de umHumanidade a luz divina de um caminho novo. Meu filho tambémcaminho novo. Meu filho também é assim,é assim, envolvendo-me o coraçãoenvolvendo-me o coração numa atmosfera de incessantesnuma atmosfera de incessantes cuidadoscuidados.”.” (XAVIER, F.C. Boa Nova) Maria, Mãe de Jesus
  • 20. A educação do CristoA educação do Cristo ““Por vezes, vou encontrá-lo a sós, junto dasPor vezes, vou encontrá-lo a sós, junto das águas, e, de outras, em conversação profundaáguas, e, de outras, em conversação profunda com os viajantes que demandam a Samaria oucom os viajantes que demandam a Samaria ou as aldeias mais distantes, nas adjacências doas aldeias mais distantes, nas adjacências do lago. Quase sempre, surpreendo- lhe a palavralago. Quase sempre, surpreendo- lhe a palavra caridosa que dirige às lavadeiras, aoscaridosa que dirige às lavadeiras, aos transeuntes, aos mendigos sofredores... Falatranseuntes, aos mendigos sofredores... Fala de sua comunhão com Deus com umade sua comunhão com Deus com uma eloquência que nunca encontrei naseloquência que nunca encontrei nas observações dos nossos doutores e,observações dos nossos doutores e, contentemente, ando a cismar, em relação aocontentemente, ando a cismar, em relação ao seu destinoseu destino”.”. (XAVIER, F.C.(XAVIER, F.C. Boa NovaBoa Nova)) Maria, Mãe de Jesus
  • 21. A educação do CristoA educação do Cristo ““Ainda há alguns dias,Ainda há alguns dias, estivemos em Jerusalém, nasestivemos em Jerusalém, nas comemorações costumeiras, e acomemorações costumeiras, e a facilidade de argumentaçãofacilidade de argumentação com que Jesus elucidava oscom que Jesus elucidava os problemas, que lhe eramproblemas, que lhe eram apresentados pelosapresentados pelos orientadores do templo,orientadores do templo, nosnos deixou a todos receosos edeixou a todos receosos e perplexosperplexos. Sua ciência não pode. Sua ciência não pode ser deste mundo:ser deste mundo: vem de Deus,vem de Deus, que certamente se manifestaque certamente se manifesta por seus lábios amigos dapor seus lábios amigos da purezapureza”.”.(XAVIER, F.C.(XAVIER, F.C. Boa NovaBoa Nova)) Maria, Mãe de Jesus
  • 22. A educação do CristoA educação do Cristo ““... Eleazar chamou a José,... Eleazar chamou a José, em particular, e o advertiuem particular, e o advertiu de que o menino parecede que o menino parece haver nascido para ahaver nascido para a perdição de muitosperdição de muitos poderosos em Israel. Cientepoderosos em Israel. Ciente desse aviso,desse aviso, procureiprocurei Eleazar, a fim de intercederEleazar, a fim de interceder por Jesuspor Jesus, (...)., (...). Pensei na suaPensei na sua infância desprotegida einfância desprotegida e receio pelo seu futuroreceio pelo seu futuro.. Eleazar prometeu interessar-Eleazar prometeu interessar- se pela sua sorte”.se pela sua sorte”. Maria, Mãe de Jesus
  • 23. A educação do CristoA educação do Cristo ““Conversei com José, ... doConversei com José, ... do pequeno,pequeno, preocupada com opreocupada com o seu preparo conveniente para aseu preparo conveniente para a vidavida!... , no dia que se seguiu ...,!... , no dia que se seguiu ..., Jesus ... me interpelou: “Mãe,Jesus ... me interpelou: “Mãe, que queres tu de mim? ... nãoque queres tu de mim? ... não tenho testemunhado a minhatenho testemunhado a minha comunhão com o Pai que estácomunhão com o Pai que está no Céu! ... surpreendida com ano Céu! ... surpreendida com a sua pergunta, respondi-lhe...sua pergunta, respondi-lhe... Tenho cuidado por ti, meuTenho cuidado por ti, meu filho! Reconheço que necessitasfilho! Reconheço que necessitas de um preparo melhor para ade um preparo melhor para a vidavida... ”... ” (XAVIER, F.C.(XAVIER, F.C. Boa NovaBoa Nova)) Maria, Mãe de Jesus
  • 24. A infância do CristoA infância do Cristo ““... embora soubesse das... embora soubesse das belas promessas que osbelas promessas que os doutores do templo ..., Jesusdoutores do templo ..., Jesus aproximou-se de José e lheaproximou-se de José e lhe pediu, com humildade, opediu, com humildade, o admitisse em seusadmitisse em seus trabalhos. (...),trabalhos. (...), como se noscomo se nos quisesse ensinar que aquisesse ensinar que a melhor escola para Deus é amelhor escola para Deus é a do lar e a do esforçodo lar e a do esforço próprio,próprio, ... ele aperfeiçoa as... ele aperfeiçoa as madeiras da oficina, ...madeiras da oficina, ... enchendo a casa de ânimo,enchendo a casa de ânimo, com a sua doce alegria!”com a sua doce alegria!” Maria, Mãe de Jesus
  • 25. A crucificação do CristoA crucificação do Cristo “Junto da cruz, o vulto agoniado de Maria produzia dolorosa e indelével impressão. (...) Seu coração rebentava em tempestades de lágrimas irreprimíveis; contudo, no santuário da consciência, repetia a sua afirmação de sincera humildade: ‘Faça-se na escrava a vontade do Senhor!’” Maria – Mãe de Jesus
  • 26. Após a cruz do CristoApós a cruz do Cristo ““(...) ela atendia, no pobre santuário(...) ela atendia, no pobre santuário doméstico, aos que a procuravamdoméstico, aos que a procuravam exibindo-lhe suas úlceras e necessidades.exibindo-lhe suas úlceras e necessidades. Sua choupana era, então, conhecida peloSua choupana era, então, conhecida pelo nome de “Casa da Santíssima”. O fatonome de “Casa da Santíssima”. O fato tivera origem em certa ocasião, quandotivera origem em certa ocasião, quando um miserável leproso, depois deum miserável leproso, depois de aliviadoaliviado em suas chagasem suas chagas, lhe osculou as mãos,, lhe osculou as mãos, reconhecidamente murmurando:reconhecidamente murmurando: ‘Senhora, sois a mãe de nosso Mestre e‘Senhora, sois a mãe de nosso Mestre e nossa Mãe Santíssima!’”nossa Mãe Santíssima!’” (XAVIER, F.C.(XAVIER, F.C. Boa NovaBoa Nova)) Maria – Mãe de Jesus
  • 27. Após a cruz do CristoApós a cruz do Cristo ““Minha mãe, dizia um dos mais aflitos,Minha mãe, dizia um dos mais aflitos, como poderei vencer as minhascomo poderei vencer as minhas dificuldades? Sinto-me abandonado nadificuldades? Sinto-me abandonado na estrada escura da vida. Maria lhe enviava oestrada escura da vida. Maria lhe enviava o olhar amoroso da sua bondade, deixandoolhar amoroso da sua bondade, deixando nele transparecer toda a dedicaçãonele transparecer toda a dedicação enternecida de seu espírito maternal. “Issoenternecida de seu espírito maternal. “Isso também passa! dizia ela, carinhosamente,também passa! dizia ela, carinhosamente, só o Reino de Deus é bastante forte parasó o Reino de Deus é bastante forte para nunca passar de nossas almas, como eternanunca passar de nossas almas, como eterna realização do amor celestial.”realização do amor celestial.” (XAVIER, F.C.(XAVIER, F.C. Boa NovaBoa Nova)) Maria, Mãe de Jesus
  • 28. Retorno à pátria espiritualRetorno à pátria espiritual ““Enlevada nas suas meditações, MariaEnlevada nas suas meditações, Maria viu aproximar-se o vulto de um pedinte.viu aproximar-se o vulto de um pedinte. Minha mãe exclamou o recém-chegado,Minha mãe exclamou o recém-chegado, como tantos outros que recorriam ao seucomo tantos outros que recorriam ao seu carinho —, venho fazer-te companhia ecarinho —, venho fazer-te companhia e receber a tua bênção. (...) O peregrinoreceber a tua bênção. (...) O peregrino lhe falou do céu, confortando-alhe falou do céu, confortando-a delicadamente. (...) Que mendigo seriadelicadamente. (...) Que mendigo seria aquele que lhe acalmava as doresaquele que lhe acalmava as dores secretas da alma saudosa, com bálsamossecretas da alma saudosa, com bálsamos tão dulçorosos?”tão dulçorosos?” (XAVIER, F.C. Boa Nova) Maria, Mãe de Jesus
  • 29. Retorno à pátria espiritualRetorno à pátria espiritual ““Foi quando o hóspede anônimo lheFoi quando o hóspede anônimo lhe estendeu as mãos generosas e lhe falouestendeu as mãos generosas e lhe falou com profundo acento de amor: ‘Minhacom profundo acento de amor: ‘Minha mãe, vem aos meus braços!’ Nessemãe, vem aos meus braços!’ Nesse instante, fitou as mãos nobres que se lheinstante, fitou as mãos nobres que se lhe ofereciam, num gesto da mais belaofereciam, num gesto da mais bela ternura. Tomada de comoção profunda,ternura. Tomada de comoção profunda, viu nelas duas chagas, como as que seuviu nelas duas chagas, como as que seu filho revelava na cruz e... bradou comfilho revelava na cruz e... bradou com infinita alegria: ‘Meu filho! meu filho!infinita alegria: ‘Meu filho! meu filho! as úlceras que te fizeram!’ ”as úlceras que te fizeram!’ ” (XAVIER, F.C. Boa Nova) Maria, Mãe de Jesus
  • 30. Retorno à pátria espiritualRetorno à pátria espiritual “Num ímpeto de amor, fez“Num ímpeto de amor, fez um movimento para seum movimento para se ajoelhar. Queria abraçar-seajoelhar. Queria abraçar-se aos pés do seu Jesus e osculá-aos pés do seu Jesus e osculá- los com ternura. Ele, porém,los com ternura. Ele, porém, levantando-a, cercado de umlevantando-a, cercado de um halo de luz celestial, se lhehalo de luz celestial, se lhe ajoelhou aos pés e, beijando-ajoelhou aos pés e, beijando- lhe as mãos, disse emlhe as mãos, disse em carinhoso transporte: ‘Sim,carinhoso transporte: ‘Sim, minha mãe, sou eu!... Venhominha mãe, sou eu!... Venho buscar-te, pois meu Pai querbuscar-te, pois meu Pai quer que sejas no meu reino aque sejas no meu reino a Rainha dos Anjos.”Rainha dos Anjos.” (XAVIER, F.C.(XAVIER, F.C. Boa NovaBoa Nova)) Maria, Mãe de Jesus
  • 31. Retorno à pátriaRetorno à pátria espiritualespiritual ““Maria ... uma inolvidávelMaria ... uma inolvidável expressão de serenidade, ...expressão de serenidade, ... esperou a ruptura dosesperou a ruptura dos derradeiros laços que aderradeiros laços que a prendiam à vida material.prendiam à vida material. (...) quando aquela alma(...) quando aquela alma eleita se elevou da Terra,eleita se elevou da Terra, (...) extensas multidões de(...) extensas multidões de entidades angélicas aentidades angélicas a cercavam cantando hinoscercavam cantando hinos de glorificação.”de glorificação.” (XAVIER, F.C. Boa Nova) Maria, Mãe de Jesus
  • 32. A herança maternalA herança maternal ““... a bendita entre as mulheres e, desde esse... a bendita entre as mulheres e, desde esse dia, nos tormentos mais duros, os discípulosdia, nos tormentos mais duros, os discípulos de Jesus têm cantado na Terra, exprimindo ode Jesus têm cantado na Terra, exprimindo o seu bom ânimo e a sua alegria, guardando aseu bom ânimo e a sua alegria, guardando a suave herança de nossa Mãe Santíssima. Porsuave herança de nossa Mãe Santíssima. Por essa razão, irmãos meus, quando ouvirdes oessa razão, irmãos meus, quando ouvirdes o cântico nos templos das diversas famíliascântico nos templos das diversas famílias religiosas do Cristianismo, não vos esqueçaisreligiosas do Cristianismo, não vos esqueçais de fazer no coração um brando silêncio, parade fazer no coração um brando silêncio, para que a Rosa Mística de Nazaré espalhe aí o seuque a Rosa Mística de Nazaré espalhe aí o seu perfume!”perfume!” (XAVIER, F.C. Boa Nova) Maria, Mãe de Jesus
  • 33. Vídeo – Ave Maria https://www.youtube.com/watch?v=TkY9HtwXNU8

Notas do Editor

  1. Marcos e João não mencionam o nascimento de Jesus Mateus e Lucas citam o nascimento mas as narrativas são distintas
  2. Protestantes: foco na bíblia, então aceitam a concepção virginal pelo espírito santo, não aceitam a virgindade perpétua e a imaculada conceição com assunção aos céus. Católicos: mistura com paganismo (Concílio de Éfeso – Diana e Mãe de Deus, lenda romana Rômulo e Remo)