SlideShare uma empresa Scribd logo
Paula Frassinetti
Compressão
 Diminui e uniformiza a espessura da mama
 Diminui a dose de radiação
 Reduz a dispersão da radiação
 Aproxima a mama do filme, reduzindo distorções
 Reduz o efeito de “soma de estruturas”
ASPECTOS FÍSICOS DA QUALIDADE
         EM MAMOGRAFIA
 O controle dos aspectos físicos da qualidade em
 mamografia deve visar a manutenção dos padrões de
 conformidade dos seguintes parâmetros:

 densidade ótica
 definição
 contraste
 ruído
 artefatos
 uniformidade
Controle de Qualidade em Mamografia

 Controle de qualidade em mamografia representa
 o conjunto de testes para assegurar a qualidade
 da imagem em mamografia. Os testes têm como
 base os requisitos técnicos da mamografia
 estabelecidos na Portaria nº 453/98 do Ministério
 da Saúde, “Diretrizes de Proteção Radiológica em
 Radiodiagnóstico Médico e Odontológico”.
Garantia de Qualidade

 Evitar  que os equipamentos sejam
  operados fora de condições;
 Implementar e manter padrões de
  qualidade de imagem;
 Comprovar a eficácia do programa de
  treinamento.
Requisitos Técnicos da Portaria nº 453/98
Equipamentos básicos para o controle de
       qualidade na rotina mamográfica:
 Simulador radiográfico
    (Phantom de Mama)
   Densitômetro
   Sensitômetro
   Termômetro
   Lupa
   Contacto filme - écran
   Balança
   Espuma de borracha
Avaliação da Qualidade da Imagem
 Produz-se    a imagem       a   ser   avaliada
  radiografando-se o fantoma.
Qualidade da Imagem do Simulador
             Fibras ≥ 4 ( 0,7 mm)
                     Discos (baixo contraste) ≥ 7
                     (1,5 % de contraste)
                                    Massas ≥ 4 (6 mm x 0,75 mm)




                                   Microcalcificações ≥ 4 (0,25 mm)




                                               Grades ≥ 4 (12 pl/mm)
Definição (resolução espacial)
 Medida através de grades metálicas de 4, 6, 8 e
 12 pl/mm [pares de linhas por mm].



 Valor limite: ≥ a 12
 pl/mm ( 4 grades)
Limiar de Alto Contraste
 Medido     através  de     5    conjuntos   de
 microcalcificações com os seguintes diâmetros
 aproximados: 0.45, 0.35, 0.30, 0.25 e 0.18 mm.

 Valor limite: visibilizar
 até o conjunto de
 0.25 mm de diâmetro
 ( 4 grupos)
Limiar de Baixo Contraste (linear)
 Medido através de um conjunto de fibras de
  baixo contraste de 13 mm de comprimento e
  com os seguintes diâmetros: 1.40, 1.20, 0.80,
  0.70, 0.60 e 0.40 mm.

  Valor limite:
  visibilizar até a
  fibra de 0.70 mm
  (4 fibras)
Limiar de Baixo Contraste (circular)
 Medido através um conjunto de discos de baixa
 densidade de 6 mm de diâmetro e com os seguintes
 contrastes: 5,5%, 4,7%, 4,0%, 3,3%, 2,6%, 2,0%,
 1,5%.

 Valor limite:
 visibilizar até o
 disco de 1,5%
 contraste (7 discos)
Massas Tumorais
 Medida através de 5 calotas esféricas de nylon
  que simulam massas tumorais com as seguintes
  medidas, em milímetros de diâmetro e altura:
  9.5/3.4, 7.5/2.8, 5.5/2.0, 4.0/2.0 e 1.0/0.8

   Valor limite:
  visibilizar até a
  calota de 4.0 mm
  de diâmetro e
  2.0 mm de altura
  (4 massas)
Controle de Qualidade - Mamografia
       Colimação dos Feixes de Raios -X

• Garantir que o campo
de      radiação      esteja
coincidente com o chassis.
Com isto, se evita erros
de posicionamento como
a    exposição da parede
torácica das pacientes.


• 28 kV / 20 mAs
Desempenho do CAE
 Garantir que o sistema
 de controle automático
 de exposição mantenha
 a densidade ótica do
 filme dentro de uma
 faixa    que     permita
 alcançar    o     melhor
 enegrecimento          e
 contraste da imagem.
Desempenho do CAE
Força de compressão da mama

 Garantir que o sistema
 de compressão exerça
 uma força entre 11 e 18
 kg quando a mama é
 comprimida
Alinhamento da Placa de Compressão


• Garantir que a deformação da placa de compressão não
 ultrapasse a 5 mm
Integridade dos Chassis
 Avaliar se o contato entre o filme e o écran está
  correto em cada um dos chassis utilizados no
  serviço.
Periodicidade das medidas de controle de
               qualidade
Causas possíveis de irregularidade no processamento
Procedimentos de Trabalho
 Em mamografia devem ser usados:


 - Equipamentos projetados especificamente
 para este exame
 - Receptores de imagem específicos
 - Processadoras exclusivas
 - Negatoscópios com luminância de 3000 a
 3500 nit
Responsabilidades do médico radiologista


 ƒ Indicar incidências adicionais, para esclarecer o
    caso;
   ƒ Dar os laudos, seguindo a padronização do Serviço;
   ƒ Supervisionar o trabalho dos técnicos;
   ƒ Coordenar as ações de controle de qualidade;
   ƒ Verificação da manutenção dos aparelhos.
Responsabilidades do técnico em Radiologia



ƒ     Planejar cada exame, de acordo com
  cada      caso,    escolhendo  a   técnica
  radiográfica
 ƒ Mostrar o exame ao médico da câmara
  clara e liberar a paciente.
 ƒ Deixar as mamografias em ordem, para
  liberação pelo médico responsável.
 ƒ Zelar pela manutenção da ordem no
  ambiente de trabalho.
Responsabilidades do técnico em Radiologia

 ƒ Verificar e/ou executar a limpeza do material -
  écrans, câmara escura, processadora.
ƒ     Fazer e/ou      repor   os   químicos    na
 processadora.
 ƒ Acompanhar a manutenção do mamógrafo e
  da processadora.
 ƒ Zelar pela conservação do material - écrans,
  numerador, acessórios do mamógrafo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

HISTÓRIA DA MAMOGRAFIA
HISTÓRIA DA MAMOGRAFIAHISTÓRIA DA MAMOGRAFIA
HISTÓRIA DA MAMOGRAFIA
Magno Cavalheiro Faria
 
Mamografia
MamografiaMamografia
Mamografia
Magno Cavalheiro
 
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptx
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptxIncidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptx
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptx
GabrielaAmaral56
 
RADIOLOGIA INDUSTRIAL
RADIOLOGIA INDUSTRIALRADIOLOGIA INDUSTRIAL
RADIOLOGIA INDUSTRIAL
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Conceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagemConceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagem
Pollyanna Medeiros
 
Mamografia figuras
Mamografia figurasMamografia figuras
Mamografia figuras
Escola Técnica Destake NI
 
Aula introd a mamo
Aula introd a mamoAula introd a mamo
Aula introd a mamo
Juliana Tribioli
 
FILMES E ECRÁNS
FILMES E ECRÁNSFILMES E ECRÁNS
Mamografia.pdf
Mamografia.pdfMamografia.pdf
Mamografia.pdf
FlavioCouto8
 
Medicina nuclear
Medicina nuclearMedicina nuclear
Medicina nuclear
Kery Albuquerque
 
Tipos De Bobinas De Ressonância Magnética
Tipos De Bobinas De Ressonância MagnéticaTipos De Bobinas De Ressonância Magnética
Tipos De Bobinas De Ressonância Magnética
Alex Eduardo Ribeiro
 
Apostila mamografia final
Apostila mamografia finalApostila mamografia final
Apostila mamografia final
Gerciane Neves
 
Ressonancia Magnetica
Ressonancia MagneticaRessonancia Magnetica
Ressonancia Magnetica
Nilton Campos
 
Mamo. 06
Mamo. 06Mamo. 06
Mamo. 06
Luanapqt
 
2015 aula 6f dosimetria individual medicao
2015 aula 6f dosimetria individual medicao2015 aula 6f dosimetria individual medicao
2015 aula 6f dosimetria individual medicao
IPEN - CNEN / SP
 
Mamografia adriana ii copia
Mamografia adriana ii   copiaMamografia adriana ii   copia
Mamografia adriana ii copia
Luanapqt
 
Medicina nuclear aula 01
Medicina nuclear aula 01Medicina nuclear aula 01
Medicina nuclear aula 01
Walmor Godoi
 
Dosímetro
DosímetroDosímetro
Dosímetro
radiomed
 
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICALEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Aula 06 densitometria
Aula 06 densitometriaAula 06 densitometria

Mais procurados (20)

HISTÓRIA DA MAMOGRAFIA
HISTÓRIA DA MAMOGRAFIAHISTÓRIA DA MAMOGRAFIA
HISTÓRIA DA MAMOGRAFIA
 
Mamografia
MamografiaMamografia
Mamografia
 
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptx
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptxIncidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptx
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptx
 
RADIOLOGIA INDUSTRIAL
RADIOLOGIA INDUSTRIALRADIOLOGIA INDUSTRIAL
RADIOLOGIA INDUSTRIAL
 
Conceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagemConceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagem
 
Mamografia figuras
Mamografia figurasMamografia figuras
Mamografia figuras
 
Aula introd a mamo
Aula introd a mamoAula introd a mamo
Aula introd a mamo
 
FILMES E ECRÁNS
FILMES E ECRÁNSFILMES E ECRÁNS
FILMES E ECRÁNS
 
Mamografia.pdf
Mamografia.pdfMamografia.pdf
Mamografia.pdf
 
Medicina nuclear
Medicina nuclearMedicina nuclear
Medicina nuclear
 
Tipos De Bobinas De Ressonância Magnética
Tipos De Bobinas De Ressonância MagnéticaTipos De Bobinas De Ressonância Magnética
Tipos De Bobinas De Ressonância Magnética
 
Apostila mamografia final
Apostila mamografia finalApostila mamografia final
Apostila mamografia final
 
Ressonancia Magnetica
Ressonancia MagneticaRessonancia Magnetica
Ressonancia Magnetica
 
Mamo. 06
Mamo. 06Mamo. 06
Mamo. 06
 
2015 aula 6f dosimetria individual medicao
2015 aula 6f dosimetria individual medicao2015 aula 6f dosimetria individual medicao
2015 aula 6f dosimetria individual medicao
 
Mamografia adriana ii copia
Mamografia adriana ii   copiaMamografia adriana ii   copia
Mamografia adriana ii copia
 
Medicina nuclear aula 01
Medicina nuclear aula 01Medicina nuclear aula 01
Medicina nuclear aula 01
 
Dosímetro
DosímetroDosímetro
Dosímetro
 
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICALEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
 
Aula 06 densitometria
Aula 06 densitometriaAula 06 densitometria
Aula 06 densitometria
 

Semelhante a Mamografia 2

Mamo. 07
Mamo. 07Mamo. 07
Mamo. 07
Luanapqt
 
Mamo. 07
Mamo. 07Mamo. 07
Mamo. 07
Luanapqt
 
15 c 084
15 c 08415 c 084
E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.
E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.
E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.
Isabel Canova
 
Mamo.08
Mamo.08Mamo.08
Mamo.08
Luanapqt
 
Mamo.08
Mamo.08Mamo.08
Mamo.08
Luanapqt
 
Controle de qualidade em odontologia
Controle de qualidade em odontologiaControle de qualidade em odontologia
Controle de qualidade em odontologia
Gerciane Neves
 
controledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdf
controledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdfcontroledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdf
controledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdf
EndersonToscanoDeAle
 
A qualidade do ponto de vista médico mamografia
A qualidade do ponto de vista médico    mamografiaA qualidade do ponto de vista médico    mamografia
A qualidade do ponto de vista médico mamografia
Gerciane Neves
 
Exames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio Linhares
Exames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio LinharesExames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio Linhares
Exames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio Linhares
Mardônio Linhares
 
Qualidade de Imagem em Radiologia
Qualidade de Imagem em Radiologia Qualidade de Imagem em Radiologia
Qualidade de Imagem em Radiologia
Antonio Rodrigues de Aguiar Neto
 
CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...
CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...
CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...
KarlosEduardo30
 
seissigmatrad.pdf
seissigmatrad.pdfseissigmatrad.pdf
seissigmatrad.pdf
LuizFellipeSilva
 
Guia para Controle de Qualidade Ultrassom Modo-B
Guia para Controle de Qualidade Ultrassom Modo-BGuia para Controle de Qualidade Ultrassom Modo-B
Guia para Controle de Qualidade Ultrassom Modo-B
Antonio Carlos da Silva Senra Filho
 
Técnica radiológica-receptores-imagem
Técnica radiológica-receptores-imagemTécnica radiológica-receptores-imagem
Técnica radiológica-receptores-imagem
Isabel Gardiano
 
Resinas
ResinasResinas
Resinas
Ivan Rê
 
Validação analítica da cinarina
Validação analítica da cinarinaValidação analítica da cinarina
Validação analítica da cinarina
Silvia Neves
 
Apresentação Vectus.pptx
Apresentação Vectus.pptxApresentação Vectus.pptx
Apresentação Vectus.pptx
SulLaserLocaes1
 
Confiabilidade lampada enegep1998 art128
Confiabilidade lampada enegep1998 art128Confiabilidade lampada enegep1998 art128
Confiabilidade lampada enegep1998 art128
Wilson Silveira
 
Apres contr qualid - ia
Apres contr qualid - iaApres contr qualid - ia
Apres contr qualid - ia
Andréa Santos
 

Semelhante a Mamografia 2 (20)

Mamo. 07
Mamo. 07Mamo. 07
Mamo. 07
 
Mamo. 07
Mamo. 07Mamo. 07
Mamo. 07
 
15 c 084
15 c 08415 c 084
15 c 084
 
E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.
E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.
E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.
 
Mamo.08
Mamo.08Mamo.08
Mamo.08
 
Mamo.08
Mamo.08Mamo.08
Mamo.08
 
Controle de qualidade em odontologia
Controle de qualidade em odontologiaControle de qualidade em odontologia
Controle de qualidade em odontologia
 
controledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdf
controledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdfcontroledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdf
controledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdf
 
A qualidade do ponto de vista médico mamografia
A qualidade do ponto de vista médico    mamografiaA qualidade do ponto de vista médico    mamografia
A qualidade do ponto de vista médico mamografia
 
Exames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio Linhares
Exames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio LinharesExames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio Linhares
Exames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio Linhares
 
Qualidade de Imagem em Radiologia
Qualidade de Imagem em Radiologia Qualidade de Imagem em Radiologia
Qualidade de Imagem em Radiologia
 
CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...
CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...
CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...
 
seissigmatrad.pdf
seissigmatrad.pdfseissigmatrad.pdf
seissigmatrad.pdf
 
Guia para Controle de Qualidade Ultrassom Modo-B
Guia para Controle de Qualidade Ultrassom Modo-BGuia para Controle de Qualidade Ultrassom Modo-B
Guia para Controle de Qualidade Ultrassom Modo-B
 
Técnica radiológica-receptores-imagem
Técnica radiológica-receptores-imagemTécnica radiológica-receptores-imagem
Técnica radiológica-receptores-imagem
 
Resinas
ResinasResinas
Resinas
 
Validação analítica da cinarina
Validação analítica da cinarinaValidação analítica da cinarina
Validação analítica da cinarina
 
Apresentação Vectus.pptx
Apresentação Vectus.pptxApresentação Vectus.pptx
Apresentação Vectus.pptx
 
Confiabilidade lampada enegep1998 art128
Confiabilidade lampada enegep1998 art128Confiabilidade lampada enegep1998 art128
Confiabilidade lampada enegep1998 art128
 
Apres contr qualid - ia
Apres contr qualid - iaApres contr qualid - ia
Apres contr qualid - ia
 

Mais de Gerciane Neves

Noções básicas de hemodinâmica / Tec ou tecn em radiologia
Noções básicas de hemodinâmica / Tec ou tecn em radiologiaNoções básicas de hemodinâmica / Tec ou tecn em radiologia
Noções básicas de hemodinâmica / Tec ou tecn em radiologia
Gerciane Neves
 
Mri in practice
Mri in practiceMri in practice
Mri in practice
Gerciane Neves
 
Rm aula2
Rm aula2Rm aula2
Rm aula2
Gerciane Neves
 
Rm aula1
Rm aula1Rm aula1
Rm aula1
Gerciane Neves
 
Artigo11 rm
Artigo11 rmArtigo11 rm
Artigo11 rm
Gerciane Neves
 
Planejamento prostata
Planejamento prostataPlanejamento prostata
Planejamento prostata
Gerciane Neves
 
Palestra98
Palestra98Palestra98
Palestra98
Gerciane Neves
 
Planejamento prostata
Planejamento prostataPlanejamento prostata
Planejamento prostata
Gerciane Neves
 

Mais de Gerciane Neves (8)

Noções básicas de hemodinâmica / Tec ou tecn em radiologia
Noções básicas de hemodinâmica / Tec ou tecn em radiologiaNoções básicas de hemodinâmica / Tec ou tecn em radiologia
Noções básicas de hemodinâmica / Tec ou tecn em radiologia
 
Mri in practice
Mri in practiceMri in practice
Mri in practice
 
Rm aula2
Rm aula2Rm aula2
Rm aula2
 
Rm aula1
Rm aula1Rm aula1
Rm aula1
 
Artigo11 rm
Artigo11 rmArtigo11 rm
Artigo11 rm
 
Planejamento prostata
Planejamento prostataPlanejamento prostata
Planejamento prostata
 
Palestra98
Palestra98Palestra98
Palestra98
 
Planejamento prostata
Planejamento prostataPlanejamento prostata
Planejamento prostata
 

Mamografia 2

  • 2. Compressão  Diminui e uniformiza a espessura da mama  Diminui a dose de radiação  Reduz a dispersão da radiação  Aproxima a mama do filme, reduzindo distorções  Reduz o efeito de “soma de estruturas”
  • 3. ASPECTOS FÍSICOS DA QUALIDADE EM MAMOGRAFIA  O controle dos aspectos físicos da qualidade em mamografia deve visar a manutenção dos padrões de conformidade dos seguintes parâmetros:  densidade ótica  definição  contraste  ruído  artefatos  uniformidade
  • 4. Controle de Qualidade em Mamografia  Controle de qualidade em mamografia representa o conjunto de testes para assegurar a qualidade da imagem em mamografia. Os testes têm como base os requisitos técnicos da mamografia estabelecidos na Portaria nº 453/98 do Ministério da Saúde, “Diretrizes de Proteção Radiológica em Radiodiagnóstico Médico e Odontológico”.
  • 5. Garantia de Qualidade  Evitar que os equipamentos sejam operados fora de condições;  Implementar e manter padrões de qualidade de imagem;  Comprovar a eficácia do programa de treinamento.
  • 6. Requisitos Técnicos da Portaria nº 453/98
  • 7. Equipamentos básicos para o controle de qualidade na rotina mamográfica:  Simulador radiográfico (Phantom de Mama)  Densitômetro  Sensitômetro  Termômetro  Lupa  Contacto filme - écran  Balança  Espuma de borracha
  • 8. Avaliação da Qualidade da Imagem  Produz-se a imagem a ser avaliada radiografando-se o fantoma.
  • 9. Qualidade da Imagem do Simulador Fibras ≥ 4 ( 0,7 mm) Discos (baixo contraste) ≥ 7 (1,5 % de contraste) Massas ≥ 4 (6 mm x 0,75 mm) Microcalcificações ≥ 4 (0,25 mm) Grades ≥ 4 (12 pl/mm)
  • 10. Definição (resolução espacial) Medida através de grades metálicas de 4, 6, 8 e 12 pl/mm [pares de linhas por mm].  Valor limite: ≥ a 12 pl/mm ( 4 grades)
  • 11. Limiar de Alto Contraste  Medido através de 5 conjuntos de microcalcificações com os seguintes diâmetros aproximados: 0.45, 0.35, 0.30, 0.25 e 0.18 mm. Valor limite: visibilizar até o conjunto de 0.25 mm de diâmetro ( 4 grupos)
  • 12. Limiar de Baixo Contraste (linear)  Medido através de um conjunto de fibras de baixo contraste de 13 mm de comprimento e com os seguintes diâmetros: 1.40, 1.20, 0.80, 0.70, 0.60 e 0.40 mm. Valor limite: visibilizar até a fibra de 0.70 mm (4 fibras)
  • 13. Limiar de Baixo Contraste (circular)  Medido através um conjunto de discos de baixa densidade de 6 mm de diâmetro e com os seguintes contrastes: 5,5%, 4,7%, 4,0%, 3,3%, 2,6%, 2,0%, 1,5%. Valor limite: visibilizar até o disco de 1,5% contraste (7 discos)
  • 14. Massas Tumorais  Medida através de 5 calotas esféricas de nylon que simulam massas tumorais com as seguintes medidas, em milímetros de diâmetro e altura: 9.5/3.4, 7.5/2.8, 5.5/2.0, 4.0/2.0 e 1.0/0.8 Valor limite: visibilizar até a calota de 4.0 mm de diâmetro e 2.0 mm de altura (4 massas)
  • 15. Controle de Qualidade - Mamografia Colimação dos Feixes de Raios -X • Garantir que o campo de radiação esteja coincidente com o chassis. Com isto, se evita erros de posicionamento como a exposição da parede torácica das pacientes. • 28 kV / 20 mAs
  • 16. Desempenho do CAE  Garantir que o sistema de controle automático de exposição mantenha a densidade ótica do filme dentro de uma faixa que permita alcançar o melhor enegrecimento e contraste da imagem.
  • 18. Força de compressão da mama  Garantir que o sistema de compressão exerça uma força entre 11 e 18 kg quando a mama é comprimida
  • 19. Alinhamento da Placa de Compressão • Garantir que a deformação da placa de compressão não ultrapasse a 5 mm
  • 20. Integridade dos Chassis  Avaliar se o contato entre o filme e o écran está correto em cada um dos chassis utilizados no serviço.
  • 21. Periodicidade das medidas de controle de qualidade
  • 22. Causas possíveis de irregularidade no processamento
  • 23. Procedimentos de Trabalho  Em mamografia devem ser usados: - Equipamentos projetados especificamente para este exame - Receptores de imagem específicos - Processadoras exclusivas - Negatoscópios com luminância de 3000 a 3500 nit
  • 24. Responsabilidades do médico radiologista  ƒ Indicar incidências adicionais, para esclarecer o caso;  ƒ Dar os laudos, seguindo a padronização do Serviço;  ƒ Supervisionar o trabalho dos técnicos;  ƒ Coordenar as ações de controle de qualidade;  ƒ Verificação da manutenção dos aparelhos.
  • 25. Responsabilidades do técnico em Radiologia ƒ Planejar cada exame, de acordo com cada caso, escolhendo a técnica radiográfica  ƒ Mostrar o exame ao médico da câmara clara e liberar a paciente.  ƒ Deixar as mamografias em ordem, para liberação pelo médico responsável.  ƒ Zelar pela manutenção da ordem no ambiente de trabalho.
  • 26. Responsabilidades do técnico em Radiologia  ƒ Verificar e/ou executar a limpeza do material - écrans, câmara escura, processadora. ƒ Fazer e/ou repor os químicos na processadora.  ƒ Acompanhar a manutenção do mamógrafo e da processadora.  ƒ Zelar pela conservação do material - écrans, numerador, acessórios do mamógrafo.