SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola Técnica de Maracanaú
Curso: Radiologia
Disciplina: Processamento de Imagem
QUALIDADE DA IMAGEM
Profº: Robson
Aluno: Lindolfo Jorge
Janeiro/2010.
Fatores que Influenciam a Qualidade da Imagem
Natureza da imagem
A imagem é produzida pelos raios X passando através de um objeto e interagindo com a
emulsão do filme, o que resulta em um escurecimento deste. A extensão do
escurecimento depende do número de raios X que atinge o filme, que, entre outros
fatores, depende da densidade do objeto.
A imagem final pode ser descrita com uma imagem bidimensional composta de preto,
de branco e de uma variedade de tons de cinza sobrepostos, sendo, algumas vezes,
conhecida como gráficos de imagens. Entender a natureza de um gráfico de imagens e
interpretar a informação nele contida requer o conhecimento de:
1. Imagens radiográficas
A quantidade do feixe que é barrado (atenuado) por um objeto determina a
densidade radiográfica das imagens:
• As imagens brancas ou radiopacas do filme representam as várias estruturas
densas no interior do objeto que barram totalmente o feixe de raios X.
• As imagens pretas ou radiolúcidas representam áreas onde o feixe de raios X
passou através do objeto e não foi totalmente barrado.
• Os tons de cinza representam áreas onde o feixe de raios X foi atenuado em
um grau variado.
A densidade radiográfica final de qualquer objeto é conseqüentemente afetada pelo
(a):
• Tipo específico de material de que o objeto é feito.
• Espessura ou densidade do material.
• Forma do objeto.
• Intensidade do feixe de raios X utilizado.
• Posição do objeto em relação ao feixe de raios X e filme.
• Sensibilidade do filme.
2. Tecidos anatômicos tridimensionais
A forma, a densidade dos tecidos do paciente, principalmente dos tecidos duros,
também afetam a imagem radiográfica. Dessa forma, quando se observam imagens
bidimensionais, a anatomia tridimensional responsável pela imagem deve ser
considerada. Um sólido conhecimento anatômico é obviamente um pré-requisito
para a interpretação radiográfica.
3. As limitações impostas pela imagem bidimensional e superposição de imagens
As principais limitações da análise de imagens bidimensionais de objetos
tridimensionais são:
• Avaliação da forma total do objeto.
• Superposição das imagens e avaliação da localização e forma das estruturas
no interior de um objeto.
Qualidade da imagem
A qualidade da imagem e a quantidade de detalhes em uma radiografia dependem de
diversos fatores, incluindo:
1. Contraste
Definição: O contraste radiográfico é definido como a diferença de densidade em
áreas adjacentes de uma radiografia ou outro receptor de imagem. Também pode ser
definido como a variação na densidade. Quanto maior esta variação, maior o
contraste. Quanto menor esta variação
ou menor a diferença de densidade de
áreas adjacentes, menor o contraste.
O objetivo ou função do contraste é
tornar mais visível os detalhes
anatômicos de uma radiografia.
Portanto, o contraste radiográfico ótimo
é importante, sendo essencial uma
compreensão do contraste na avaliação da qualidade. Um contraste menor significa
escala de cinza mais longa, menor diferença entre densidades adjacentes.
Fatores de controle: O fator de controle primário para contraste é a alta-tensão
(kV). A kV controla a energia ou a capacidade de penetração do feixe primário.
Quanto maior a kV, maior a energia e mais uniforme é a penetração do feixe de raios
X nas várias densidades de massa de todos os tecidos. Assim, maior kV produz
menor variação na atenuação (absorção diferencial), resultando em menor contraste.
A alta-tensão (kV) também é um fator de controle secundário da densidade.
Maior kV, em raios X de maior energia, e estes chegando ao filme produz um
aumento correspondente da densidade geral. Uma regra simples e prática afirma que
um aumento de 15 (por cento) na kV produzirá aumento da densidade igual ao
produto produzido pela duplicação do mAs.
Sumário: Deve ser usada a maior kV e o menor mAs que proporcionem
informação diagnóstica suficiente em cada exame radiográfico. Isto reduzirá a
exposição do paciente e, em geral resultará em radiografias com boas informações
diagnósticas (o equipamento deve permitir).
2. Nitidez e resolução da imagem
Definição: O detalhe pode ser definido como a nitidez de estruturas na
radiografia. Essa nitidez dos detalhes da imagem é demonstrada pela clareza de
linhas estruturais finas e pelas bordas de tecidos ou estruturas visíveis na imagem
radiográfica. A ausência de detalhes é conhecida como borramento ou ausência de
nitidez.
Fatores de controle: A radiografia ideal apresentará boa nitidez da imagem. O
maior impedimento para a nitidez da imagem relacionado ao posicionamento é o
movimento.
Outros fatores que influenciam no detalhe são tamanho do ponto focal, DFoFi
(Distância foco-filme) e DOF (Distância objeto-filme). O uso de menor ponto focal
resulta em menor borramento geométrico, ou seja, em uma imagem mais nítida ou
melhores detalhes. Portanto, o pequeno ponto focal selecionado no painel
de controle deve ser usado sempre que possível.
A perda de detalhes é causada com maior freqüência por
movimento, seja voluntário ou involuntário,
basicamente controlado pelo uso de
dispositivos de imobilização, controle
respiratório e uso de pequenos
tempos de exposição.
O uso do pequeno ponto focal, a menor
DOF possível e uma DFoFi maior, também
melhoram os detalhes registrados ou a definição na radiografia conforme descrito e
ilustrado adiante.
Sumário para controle de detalhes:
1. Pequeno ponto focal – usar pequeno ponto focal, sempre que possível, para
melhorar os detalhes.
2. Menor tempo de exposição – usar menor tempo de exposição possível para
controle voluntário e movimento involuntário.
3. Velocidade filme/écran – Usar velocidade filme-écran mais rápida para
controlar os movimentos voluntários e involuntários.
4. DFoFi – usar maior DFoFi para melhorar os detalhes.
5. DOF – usar menor DOF para melhorar os detalhes.
3. Densidade
Definição: Densidade radiográfica (óptica) pode ser descrita como o grau de
enegrecimento da radiografia processada.
Quanto maior o grau de enegrecimento, é menor a quantidade de luz que
atravessará a radiografia
quando colocada na frente
de um negatoscópio ou de
um foco de luz.
Fatores de controle: O
fator primário de controle
da densidade é o mAs, que
controla a quantidade de
raios X emitida pelo tubo
de raios X durante uma
exposição. Assim, a
duplicação do mAs duplicará a quantidade de raios X emitida e a densidade.
Regra de mudança da densidade: O ajuste de corrente (mAs) deve ser alterado
em no mínimo 30 a 35 (por cento) para que haja uma modificação notável na
densidade radiográfica. Portanto, se uma radiografia for subexposta o suficiente para
ser inaceitável, um aumento de 30percent a 35percent produziria uma alteração
notável, mas geralmente não seria suficiente para corrigir a radiografia. Uma boa
regra geral sugere que a duplicação geralmente é a alteração mínima do mAs
necessário para corrigir uma radiografia subexposta (uma que seja muito clara).
4. Distorção
Definição: O quarto fator de qualidade da imagem é a distorção, que pode ser
definida como a representação errada do tamanho ou do formato do objeto projetado
em meio de registro radiográfico. A ampliação algumas vezes é relacionada como
um fator separado, mas, como é uma distorção do tamanho, pode ser incluída com a
distorção do formato. Portanto, a distorção, seja de formato ou de tamanho, é uma
representação errada do objeto verdadeiro e, como tal, é indesejável.
Entretanto, nenhuma radiografia é uma imagem exata da parte do corpo que esta
sendo radiografada. Isso é impossível porque há sempre alguma ampliação e/ou
distorção devido á DFoFi e à divergência do feixe de raios X. Portanto, a distorção
deve ser minimizada e controlada.
Divergência do feixe de raios X
Este é um conceito básico, porém importante, a ser compreendido em um estudo
de posicionamento radiográfico. A divergência do feixe de raios X ocorre porque os
raios X originam-se de uma fonte estreita no tubo e divergem ou espalham-se para
cobrir todo o filme ou receptor de imagem.
O tamanho do feixe de raios X é limitado por colimadores ajustáveis, que
absorvem os raios X periféricos dos lados, controlando, assim, o tamanho do campo
de colimação. Quanto maior o campo de colimação e menor o DFoFi, maior o
ângulo de divergência nas margens externas. Isso
aumenta o potencial de distorção nestas margens
externas.
Sumário: A distorção, que é um erro na
representação do tamanho e do formato da
imagem radiográfica, pode ser minimizada por
quatro fatores de controle:
1. DFoFi – Aumento da DFoFi diminui a
distorção (também aumenta a definição).
Obs.1: A distância DFoFi padrão é de 102 a 107 cm, apesar de haver estudos
flexibilizando essa distância para até 122 cm a fim de reduzir a exposição do
paciente e de melhorar os detalhes por minimizar a divergência do feixe. Mas em
função do aumento do fator mA (aumento de 50percent na mudança de 102 para 122
cm) a distância padrão acima permanece.
2. DOF – Diminuição da DOF diminui a distorção (combinada a um pequeno
ponto focal, a diminuição da DOF também aumenta a definição).
3. Alinhamento do objeto – A distorção é diminuída com o alinhamento correto
do objeto filme (o plano do objeto está paralelo ao plano do filme).
4. RC – O posicionamento correto do RC reduz a distorção porque a porção mais
central do feixe de raios X com a menor divergência é mais bem utilizada.
Fonte de Pesquisa
http://www.tecnologiaradiologica.com/materia_c_imagem.htm
http://wapedia.mobi/pt/Radiologia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Principios da radiologia
Principios da radiologiaPrincipios da radiologia
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Manu Medeiros
 
Acessorios-radiologicos
 Acessorios-radiologicos Acessorios-radiologicos
Acessorios-radiologicos
Rayomara Lima
 
Aula 1 - histórico e aspectos físicos
Aula 1 - histórico e aspectos físicosAula 1 - histórico e aspectos físicos
Aula 1 - histórico e aspectos físicos
Pedro Antonio
 
Técnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicosTécnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicos
radiomed
 
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológicoTerminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Cristiane Dias
 
Ressonancia magnetica
Ressonancia magneticaRessonancia magnetica
Ressonancia magnetica
Profissão Professor
 
Radioterapia
RadioterapiaRadioterapia
Radioterapia
Simone Morais
 
Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia
Rodrigo Ribeiro Jr.
 
Tomografia Computadorizada - Introdução
Tomografia Computadorizada - IntroduçãoTomografia Computadorizada - Introdução
Tomografia Computadorizada - Introdução
celais0814
 
Imagenologia
ImagenologiaImagenologia
Imagenologia
Biomedicina
 
Mamografia aula
Mamografia aulaMamografia aula
Mamografia aula
radiomed
 
Proteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das RadiaçõesProteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das Radiações
Nathanael Melchisedeck Brancaglione
 
FÍSICA DAS RADIAÇÕES
FÍSICA DAS RADIAÇÕESFÍSICA DAS RADIAÇÕES
FÍSICA DAS RADIAÇÕES
Magno Cavalheiro
 
Tomografia computadorizada
Tomografia computadorizadaTomografia computadorizada
Tomografia computadorizada
Profissão Professor
 
Prof magno formação da imagem
Prof magno   formação da imagemProf magno   formação da imagem
Prof magno formação da imagem
Cristiane Dias
 
RADIOLOGIA INDUSTRIAL
RADIOLOGIA INDUSTRIALRADIOLOGIA INDUSTRIAL
RADIOLOGIA INDUSTRIAL
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)
Cristiane Dias
 
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
Wendesor Oliveira
 
Apostila de radiologia odontológica
Apostila de radiologia odontológicaApostila de radiologia odontológica
Apostila de radiologia odontológica
Kery Albuquerque
 

Mais procurados (20)

Principios da radiologia
Principios da radiologiaPrincipios da radiologia
Principios da radiologia
 
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
 
Acessorios-radiologicos
 Acessorios-radiologicos Acessorios-radiologicos
Acessorios-radiologicos
 
Aula 1 - histórico e aspectos físicos
Aula 1 - histórico e aspectos físicosAula 1 - histórico e aspectos físicos
Aula 1 - histórico e aspectos físicos
 
Técnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicosTécnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicos
 
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológicoTerminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
 
Ressonancia magnetica
Ressonancia magneticaRessonancia magnetica
Ressonancia magnetica
 
Radioterapia
RadioterapiaRadioterapia
Radioterapia
 
Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia
 
Tomografia Computadorizada - Introdução
Tomografia Computadorizada - IntroduçãoTomografia Computadorizada - Introdução
Tomografia Computadorizada - Introdução
 
Imagenologia
ImagenologiaImagenologia
Imagenologia
 
Mamografia aula
Mamografia aulaMamografia aula
Mamografia aula
 
Proteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das RadiaçõesProteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das Radiações
 
FÍSICA DAS RADIAÇÕES
FÍSICA DAS RADIAÇÕESFÍSICA DAS RADIAÇÕES
FÍSICA DAS RADIAÇÕES
 
Tomografia computadorizada
Tomografia computadorizadaTomografia computadorizada
Tomografia computadorizada
 
Prof magno formação da imagem
Prof magno   formação da imagemProf magno   formação da imagem
Prof magno formação da imagem
 
RADIOLOGIA INDUSTRIAL
RADIOLOGIA INDUSTRIALRADIOLOGIA INDUSTRIAL
RADIOLOGIA INDUSTRIAL
 
Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)
 
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
 
Apostila de radiologia odontológica
Apostila de radiologia odontológicaApostila de radiologia odontológica
Apostila de radiologia odontológica
 

Semelhante a Fatores que influenciam a qualidade da imagem

Aula 02 - Formação da Imagem Radiológica.pptx
Aula 02 - Formação da Imagem Radiológica.pptxAula 02 - Formação da Imagem Radiológica.pptx
Aula 02 - Formação da Imagem Radiológica.pptx
AdenildoBartender
 
15 c 084
15 c 08415 c 084
Apresentação trabalho de introdução a radiologia
Apresentação trabalho de introdução a radiologiaApresentação trabalho de introdução a radiologia
Apresentação trabalho de introdução a radiologia
juscelino Alves
 
Tc2
Tc2Tc2
Rad conv7
Rad conv7Rad conv7
Rad conv7
Luanapqt
 
O negativo ansel adams
O negativo   ansel adamsO negativo   ansel adams
O negativo ansel adams
Mariana Limberger
 
Técnica radiológica-receptores-imagem
Técnica radiológica-receptores-imagemTécnica radiológica-receptores-imagem
Técnica radiológica-receptores-imagem
Isabel Gardiano
 
2015 aula 6f dosimetria individual medicao
2015 aula 6f dosimetria individual medicao2015 aula 6f dosimetria individual medicao
2015 aula 6f dosimetria individual medicao
IPEN - CNEN / SP
 
Física aplicada a Radiologiacndycvdubfvioçejpkvçlkovjoer 5.pptx
Física aplicada a Radiologiacndycvdubfvioçejpkvçlkovjoer 5.pptxFísica aplicada a Radiologiacndycvdubfvioçejpkvçlkovjoer 5.pptx
Física aplicada a Radiologiacndycvdubfvioçejpkvçlkovjoer 5.pptx
CarlaJohnEdward
 
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdfAdm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
MeryslandeMoreira1
 
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdfAdm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
MeryslandeMoreira1
 
TOMO_AULA_02_Fisica.pdf TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E FISICA DA TC
TOMO_AULA_02_Fisica.pdf TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E FISICA DA TCTOMO_AULA_02_Fisica.pdf TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E FISICA DA TC
TOMO_AULA_02_Fisica.pdf TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E FISICA DA TC
FlavioDonatoRodrigue
 
Ensaio por raio x
Ensaio por raio xEnsaio por raio x
Ensaio por raio x
Alexandre Souza Rodrigues
 
Tomografia computadorizada 03 (1)
Tomografia computadorizada 03 (1)Tomografia computadorizada 03 (1)
Tomografia computadorizada 03 (1)
Brumiel Sampaio
 
Tomografia computadorizada em Odontologia
Tomografia computadorizada em OdontologiaTomografia computadorizada em Odontologia
Tomografia computadorizada em Odontologia
Lorem Morais
 
Tomografia feixe conico
Tomografia feixe conicoTomografia feixe conico
Tomografia feixe conico
Gabriel da Cruz
 
Capítulo 6.1 2014_pos
Capítulo 6.1 2014_posCapítulo 6.1 2014_pos
Capítulo 6.1 2014_pos
Gilberto Pimentel
 
Aula 24 ensaio por raio x
Aula 24   ensaio por raio xAula 24   ensaio por raio x
Aula 24 ensaio por raio x
Renaldo Adriano
 
Apresentação - Comprimento da luz branca.pptx
Apresentação - Comprimento da luz branca.pptxApresentação - Comprimento da luz branca.pptx
Apresentação - Comprimento da luz branca.pptx
RodrigoDeSiqueira1
 
Rad conv4
Rad conv4Rad conv4
Rad conv4
Luanapqt
 

Semelhante a Fatores que influenciam a qualidade da imagem (20)

Aula 02 - Formação da Imagem Radiológica.pptx
Aula 02 - Formação da Imagem Radiológica.pptxAula 02 - Formação da Imagem Radiológica.pptx
Aula 02 - Formação da Imagem Radiológica.pptx
 
15 c 084
15 c 08415 c 084
15 c 084
 
Apresentação trabalho de introdução a radiologia
Apresentação trabalho de introdução a radiologiaApresentação trabalho de introdução a radiologia
Apresentação trabalho de introdução a radiologia
 
Tc2
Tc2Tc2
Tc2
 
Rad conv7
Rad conv7Rad conv7
Rad conv7
 
O negativo ansel adams
O negativo   ansel adamsO negativo   ansel adams
O negativo ansel adams
 
Técnica radiológica-receptores-imagem
Técnica radiológica-receptores-imagemTécnica radiológica-receptores-imagem
Técnica radiológica-receptores-imagem
 
2015 aula 6f dosimetria individual medicao
2015 aula 6f dosimetria individual medicao2015 aula 6f dosimetria individual medicao
2015 aula 6f dosimetria individual medicao
 
Física aplicada a Radiologiacndycvdubfvioçejpkvçlkovjoer 5.pptx
Física aplicada a Radiologiacndycvdubfvioçejpkvçlkovjoer 5.pptxFísica aplicada a Radiologiacndycvdubfvioçejpkvçlkovjoer 5.pptx
Física aplicada a Radiologiacndycvdubfvioçejpkvçlkovjoer 5.pptx
 
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdfAdm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
 
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdfAdm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
Adm. de Laboratório e Formação da Imagem - unipro.pdf
 
TOMO_AULA_02_Fisica.pdf TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E FISICA DA TC
TOMO_AULA_02_Fisica.pdf TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E FISICA DA TCTOMO_AULA_02_Fisica.pdf TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E FISICA DA TC
TOMO_AULA_02_Fisica.pdf TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E FISICA DA TC
 
Ensaio por raio x
Ensaio por raio xEnsaio por raio x
Ensaio por raio x
 
Tomografia computadorizada 03 (1)
Tomografia computadorizada 03 (1)Tomografia computadorizada 03 (1)
Tomografia computadorizada 03 (1)
 
Tomografia computadorizada em Odontologia
Tomografia computadorizada em OdontologiaTomografia computadorizada em Odontologia
Tomografia computadorizada em Odontologia
 
Tomografia feixe conico
Tomografia feixe conicoTomografia feixe conico
Tomografia feixe conico
 
Capítulo 6.1 2014_pos
Capítulo 6.1 2014_posCapítulo 6.1 2014_pos
Capítulo 6.1 2014_pos
 
Aula 24 ensaio por raio x
Aula 24   ensaio por raio xAula 24   ensaio por raio x
Aula 24 ensaio por raio x
 
Apresentação - Comprimento da luz branca.pptx
Apresentação - Comprimento da luz branca.pptxApresentação - Comprimento da luz branca.pptx
Apresentação - Comprimento da luz branca.pptx
 
Rad conv4
Rad conv4Rad conv4
Rad conv4
 

Fatores que influenciam a qualidade da imagem

  • 1. Escola Técnica de Maracanaú Curso: Radiologia Disciplina: Processamento de Imagem QUALIDADE DA IMAGEM Profº: Robson Aluno: Lindolfo Jorge Janeiro/2010.
  • 2. Fatores que Influenciam a Qualidade da Imagem Natureza da imagem A imagem é produzida pelos raios X passando através de um objeto e interagindo com a emulsão do filme, o que resulta em um escurecimento deste. A extensão do escurecimento depende do número de raios X que atinge o filme, que, entre outros fatores, depende da densidade do objeto. A imagem final pode ser descrita com uma imagem bidimensional composta de preto, de branco e de uma variedade de tons de cinza sobrepostos, sendo, algumas vezes, conhecida como gráficos de imagens. Entender a natureza de um gráfico de imagens e interpretar a informação nele contida requer o conhecimento de: 1. Imagens radiográficas A quantidade do feixe que é barrado (atenuado) por um objeto determina a densidade radiográfica das imagens: • As imagens brancas ou radiopacas do filme representam as várias estruturas densas no interior do objeto que barram totalmente o feixe de raios X. • As imagens pretas ou radiolúcidas representam áreas onde o feixe de raios X passou através do objeto e não foi totalmente barrado. • Os tons de cinza representam áreas onde o feixe de raios X foi atenuado em um grau variado. A densidade radiográfica final de qualquer objeto é conseqüentemente afetada pelo (a): • Tipo específico de material de que o objeto é feito. • Espessura ou densidade do material. • Forma do objeto. • Intensidade do feixe de raios X utilizado. • Posição do objeto em relação ao feixe de raios X e filme. • Sensibilidade do filme. 2. Tecidos anatômicos tridimensionais A forma, a densidade dos tecidos do paciente, principalmente dos tecidos duros, também afetam a imagem radiográfica. Dessa forma, quando se observam imagens bidimensionais, a anatomia tridimensional responsável pela imagem deve ser
  • 3. considerada. Um sólido conhecimento anatômico é obviamente um pré-requisito para a interpretação radiográfica.
  • 4. 3. As limitações impostas pela imagem bidimensional e superposição de imagens As principais limitações da análise de imagens bidimensionais de objetos tridimensionais são: • Avaliação da forma total do objeto. • Superposição das imagens e avaliação da localização e forma das estruturas no interior de um objeto. Qualidade da imagem A qualidade da imagem e a quantidade de detalhes em uma radiografia dependem de diversos fatores, incluindo: 1. Contraste Definição: O contraste radiográfico é definido como a diferença de densidade em áreas adjacentes de uma radiografia ou outro receptor de imagem. Também pode ser definido como a variação na densidade. Quanto maior esta variação, maior o contraste. Quanto menor esta variação ou menor a diferença de densidade de áreas adjacentes, menor o contraste. O objetivo ou função do contraste é tornar mais visível os detalhes anatômicos de uma radiografia. Portanto, o contraste radiográfico ótimo é importante, sendo essencial uma compreensão do contraste na avaliação da qualidade. Um contraste menor significa escala de cinza mais longa, menor diferença entre densidades adjacentes. Fatores de controle: O fator de controle primário para contraste é a alta-tensão (kV). A kV controla a energia ou a capacidade de penetração do feixe primário. Quanto maior a kV, maior a energia e mais uniforme é a penetração do feixe de raios X nas várias densidades de massa de todos os tecidos. Assim, maior kV produz menor variação na atenuação (absorção diferencial), resultando em menor contraste. A alta-tensão (kV) também é um fator de controle secundário da densidade. Maior kV, em raios X de maior energia, e estes chegando ao filme produz um aumento correspondente da densidade geral. Uma regra simples e prática afirma que
  • 5. um aumento de 15 (por cento) na kV produzirá aumento da densidade igual ao produto produzido pela duplicação do mAs. Sumário: Deve ser usada a maior kV e o menor mAs que proporcionem informação diagnóstica suficiente em cada exame radiográfico. Isto reduzirá a exposição do paciente e, em geral resultará em radiografias com boas informações diagnósticas (o equipamento deve permitir). 2. Nitidez e resolução da imagem Definição: O detalhe pode ser definido como a nitidez de estruturas na radiografia. Essa nitidez dos detalhes da imagem é demonstrada pela clareza de linhas estruturais finas e pelas bordas de tecidos ou estruturas visíveis na imagem radiográfica. A ausência de detalhes é conhecida como borramento ou ausência de nitidez. Fatores de controle: A radiografia ideal apresentará boa nitidez da imagem. O maior impedimento para a nitidez da imagem relacionado ao posicionamento é o movimento. Outros fatores que influenciam no detalhe são tamanho do ponto focal, DFoFi (Distância foco-filme) e DOF (Distância objeto-filme). O uso de menor ponto focal resulta em menor borramento geométrico, ou seja, em uma imagem mais nítida ou melhores detalhes. Portanto, o pequeno ponto focal selecionado no painel de controle deve ser usado sempre que possível. A perda de detalhes é causada com maior freqüência por movimento, seja voluntário ou involuntário, basicamente controlado pelo uso de dispositivos de imobilização, controle respiratório e uso de pequenos tempos de exposição. O uso do pequeno ponto focal, a menor DOF possível e uma DFoFi maior, também melhoram os detalhes registrados ou a definição na radiografia conforme descrito e ilustrado adiante.
  • 6. Sumário para controle de detalhes: 1. Pequeno ponto focal – usar pequeno ponto focal, sempre que possível, para melhorar os detalhes. 2. Menor tempo de exposição – usar menor tempo de exposição possível para controle voluntário e movimento involuntário. 3. Velocidade filme/écran – Usar velocidade filme-écran mais rápida para controlar os movimentos voluntários e involuntários. 4. DFoFi – usar maior DFoFi para melhorar os detalhes. 5. DOF – usar menor DOF para melhorar os detalhes. 3. Densidade Definição: Densidade radiográfica (óptica) pode ser descrita como o grau de enegrecimento da radiografia processada. Quanto maior o grau de enegrecimento, é menor a quantidade de luz que atravessará a radiografia quando colocada na frente de um negatoscópio ou de um foco de luz. Fatores de controle: O fator primário de controle da densidade é o mAs, que controla a quantidade de raios X emitida pelo tubo de raios X durante uma exposição. Assim, a duplicação do mAs duplicará a quantidade de raios X emitida e a densidade. Regra de mudança da densidade: O ajuste de corrente (mAs) deve ser alterado em no mínimo 30 a 35 (por cento) para que haja uma modificação notável na densidade radiográfica. Portanto, se uma radiografia for subexposta o suficiente para ser inaceitável, um aumento de 30percent a 35percent produziria uma alteração notável, mas geralmente não seria suficiente para corrigir a radiografia. Uma boa regra geral sugere que a duplicação geralmente é a alteração mínima do mAs necessário para corrigir uma radiografia subexposta (uma que seja muito clara).
  • 7. 4. Distorção Definição: O quarto fator de qualidade da imagem é a distorção, que pode ser definida como a representação errada do tamanho ou do formato do objeto projetado em meio de registro radiográfico. A ampliação algumas vezes é relacionada como um fator separado, mas, como é uma distorção do tamanho, pode ser incluída com a distorção do formato. Portanto, a distorção, seja de formato ou de tamanho, é uma representação errada do objeto verdadeiro e, como tal, é indesejável. Entretanto, nenhuma radiografia é uma imagem exata da parte do corpo que esta sendo radiografada. Isso é impossível porque há sempre alguma ampliação e/ou distorção devido á DFoFi e à divergência do feixe de raios X. Portanto, a distorção deve ser minimizada e controlada. Divergência do feixe de raios X Este é um conceito básico, porém importante, a ser compreendido em um estudo de posicionamento radiográfico. A divergência do feixe de raios X ocorre porque os raios X originam-se de uma fonte estreita no tubo e divergem ou espalham-se para cobrir todo o filme ou receptor de imagem. O tamanho do feixe de raios X é limitado por colimadores ajustáveis, que absorvem os raios X periféricos dos lados, controlando, assim, o tamanho do campo de colimação. Quanto maior o campo de colimação e menor o DFoFi, maior o ângulo de divergência nas margens externas. Isso aumenta o potencial de distorção nestas margens externas. Sumário: A distorção, que é um erro na representação do tamanho e do formato da imagem radiográfica, pode ser minimizada por quatro fatores de controle: 1. DFoFi – Aumento da DFoFi diminui a distorção (também aumenta a definição). Obs.1: A distância DFoFi padrão é de 102 a 107 cm, apesar de haver estudos flexibilizando essa distância para até 122 cm a fim de reduzir a exposição do paciente e de melhorar os detalhes por minimizar a divergência do feixe. Mas em
  • 8. função do aumento do fator mA (aumento de 50percent na mudança de 102 para 122 cm) a distância padrão acima permanece. 2. DOF – Diminuição da DOF diminui a distorção (combinada a um pequeno ponto focal, a diminuição da DOF também aumenta a definição). 3. Alinhamento do objeto – A distorção é diminuída com o alinhamento correto do objeto filme (o plano do objeto está paralelo ao plano do filme). 4. RC – O posicionamento correto do RC reduz a distorção porque a porção mais central do feixe de raios X com a menor divergência é mais bem utilizada. Fonte de Pesquisa http://www.tecnologiaradiologica.com/materia_c_imagem.htm http://wapedia.mobi/pt/Radiologia