SlideShare uma empresa Scribd logo
07/09/13	
  
1	
  
Ressonância
Magnética
Nuclear
Marcos Ely Andrade
marcos.ely@gmail.com
HISTÓRICO
›  1952 - Felix Bloch e
E d w a r d P u r c e l l
descobriram o fenômeno
da ressonância magnética
›  1 9 7 1 - R a y m o n d
Damadian mostrou que os
tecidos e os tumores
respondem de forma
diferente ao efeito do
campo magnético o que
motivou a comunidade
científica a considerar a
ressonância magnética
como uma técnica para
detecção de doenças.
07/09/13	
  
2	
  
1977
07/09/13	
  
3	
  
Relembrando…
›  Núcleo do átomo de hidrogênio à gira (spin)
›  Por isso, o núcleo tem um momento
magnético e funciona como um dipolo
magnético
›  Os momentos são alinhados na presença de
um campo magnético externo à alguns
núcleos alinham a favor do campo e outros,
no sentido contrário
B0 = 1,5 T
ΔE
Interação com um campo
magnético estático S
N
Precessão
07/09/13	
  
4	
  
Precessão
›  Spin adicional (causado pela presença
do campo magnético B0)
›  A velocidade do giro é chamada de
frequência de precessão ou frequência
de Larmor (ω)
›  A frequência é dada em megahertz (MHz)
›  1 Hz é um ciclo por segundo
Precessão 	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Precessão	
  
•  Os	
  spins	
  sobre	
  o	
  efeito	
  de	
  um	
  
campo	
  magné<co	
  apresentam	
  
um	
  movimento	
  de	
  precessão	
  
semelhante	
  ao	
  um	
  peão.	
  
•  A	
  frequência	
  de	
  precessão	
  
depende	
  do	
  campo	
  aplicado:	
  
ω=	
  γB0	
  	
  	
  
(frequência	
  de	
  Larmor)	
  
	
  
Constante	
  giromagné<ca	
  do	
  H1	
  
γ	
  	
  =	
  42,58	
  [MHz/T]	
  
	
  
B0	
  é	
  o	
  campo	
  magné<co	
  	
  
do	
  magneto	
  	
  
	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Precessão	
  
Núcleo	
  
Constante	
  
giromagné2ca	
  
(MHz/T)	
  
¹H	
   42,57	
  
¹³C	
   10,71	
  
²³N	
   11,26	
  
³¹P	
   17,23	
  
Constante giromagnética
›  A constante giromagnética do
hidrogênio é 42,57 MHz/T
›  Qual é a frequência de precessão do
núcleo em um campo magnético de 1,0 T?
›  Quantas vezes por segundo o núcleo de
hidrogênio gira?
›  Qual seria frequência de precessão se o
campo magnético aplicado for de 1,5 T?
07/09/13	
  
5	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Precessão:	
  sistema	
  de	
  coordenadas	
  
Magneto	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
z	
  
y	
  
x	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
z	
  
y	
  
x	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
z	
  
y	
  
x	
  
07/09/13	
  
6	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
z	
  
y	
  
x	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
z	
  
y	
  
x	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
z	
  
y	
  
x	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
A’	
   A	
  
z	
  
y	
  
x	
  
07/09/13	
  
7	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
A’	
   A	
  
B’	
  
B	
  
z	
  
y	
  
x	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
A’	
   A	
  
B’	
  
B	
  
M	
  
z	
  
y	
  
x	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Paciente	
  colocando	
  interior	
  do	
  magneto	
  
	
  
	
  
Magne2zação	
  	
  
longitudinal	
  
Como	
  medir	
  a	
  
magne<zação?	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
???	
  
07/09/13	
  
8	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Gerando	
  uma	
  magne<zação	
  transversal	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Como	
  gerar	
  a	
  magne<zação	
  transversal??	
  
Enviando	
  pulsos	
  de	
  radio	
  frequência	
  (RF)	
  !!	
  
Radiofrequência
›  O que é radiofrequência?
›  Energia eletromagnética
›  Pacotes de energia (ondas)
07/09/13	
  
9	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
O	
  que	
  acontece	
  quando	
  se	
  envia	
  um	
  pulso	
  RF?	
  
Pulso	
  RF	
  
z	
  
y	
  
x	
  
Ele	
  causa	
  uma	
  mudança	
  de	
  
polaridade	
  no	
  spin.	
  Faz	
  que	
  os	
  
núcleos	
  passem	
  do	
  estado	
  de	
  baixa	
  
energia	
  para	
  o	
  de	
  alta	
  energia.	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
O	
  que	
  acontece	
  quando	
  se	
  envia	
  um	
  pulso	
  RF?	
  
Pulsos	
  RF	
  
Por	
  que	
  nem	
  todo	
  pulso	
  causa	
  uma	
  
mudança	
  de	
  polarização?	
  
z	
  
y	
  
x	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Frequência	
  de	
  Larmor	
  
ω=	
  γB0	
  
O	
  que	
  acontece	
  quando	
  se	
  envia	
  um	
  pulso	
  RF?	
  
Pulsos	
  RF	
  
Por	
  que	
  nem	
  todo	
  pulso	
  causa	
  uma	
  
mudança	
  de	
  polarização?	
  
Porque	
  é	
  necessário	
  que	
  o	
  pulso	
  RF	
  	
  
ter	
  a	
  mesma	
  frequência	
  de	
  
precessão	
  do	
  spin.	
  
Precisa	
  estar	
  em	
  ressonância	
  
	
  
z	
  
y	
  
x	
  
07/09/13	
  
10	
  
Ressonância
›  Fenômeno em que um objeto (ou um
núcleo atômico) é exposto a uma
perturbação oscilante, com frequência
igual à sua frequência de oscilação
›  Ao entrar em ressonância, o objeto exposto
“ganha energia” desta “força” externa
›  Ao ganhar energia, a orientação do
momento magnético do núcleo muda
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Efeito	
  do	
  pulso	
  de	
  RF	
  (B1)	
  para	
  diferentes	
  frequências	
  
RF	
  =	
  0	
   RF	
  =	
  ω/2	
  
B1	
   Magne<zação	
  B0	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
RF	
  =	
  ω	
  x	
  0,9	
   RF	
  =	
  ω	
  
B1	
   Magne<zação	
  B0	
  
Efeito	
  do	
  pulso	
  de	
  RF	
  (B1)	
  para	
  diferentes	
  frequências	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
RF	
  =	
  ω	
  x	
  1,5	
   RF	
  =	
  ω	
  x	
  2,0	
  
B1	
   Magne<zação	
  B0	
  
Efeito	
  do	
  pulso	
  de	
  RF	
  (B1)	
  para	
  diferentes	
  frequências	
  
07/09/13	
  
11	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Efeito	
  do	
  pulso	
  RF	
  
z	
  
y	
  
x	
  
e	
  nem	
  todos	
  os	
  prótons	
  
interagem	
  com	
  o	
  pulso	
  RF	
  
Num	
  sistema	
  real	
  existem	
  
vários	
  prótons	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Efeito	
  do	
  pulso	
  RF	
  
z	
  
y	
  
x	
  
e	
  nem	
  todos	
  os	
  prótons	
  
interagem	
  com	
  o	
  pulso	
  RF	
  
No	
  entanto	
  os	
  spins	
  paralelos	
  
se	
  an<	
  paralelo	
  se	
  anulam	
  	
  
Num	
  sistema	
  real	
  existem	
  
vários	
  prótons	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Efeito	
  do	
  pulso	
  RF	
  
Como	
  resultado	
  existe	
  uma	
  
diminuição	
  no	
  vetor	
  
magne<zação	
  longitudinal	
  
z	
  
y	
  
x	
  
e	
  nem	
  todos	
  os	
  prótons	
  
interagem	
  com	
  o	
  pulso	
  RF	
  
No	
  entanto	
  os	
  spins	
  paralelos	
  
se	
  an<	
  paralelo	
  se	
  anulam	
  	
  
Num	
  sistema	
  real	
  existem	
  
vários	
  prótons	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Efeito	
  do	
  pulso	
  RF	
  
z	
  
y	
  
x	
  
Existe	
  um	
  segundo	
  efeito	
  que	
  
surge	
  da	
  interação	
  do	
  pulso	
  RF	
  
07/09/13	
  
12	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Efeito	
  do	
  pulso	
  RF	
  
Os	
  spins	
  se	
  agrupam	
  de	
  forma	
  
que	
  surge	
  uma	
  componente	
  
transversal	
  de	
  magne<zação	
  
z	
  
y	
  
x	
  
Existe	
  um	
  segundo	
  efeito	
  que	
  
surge	
  da	
  interação	
  do	
  pulso	
  RF	
  
Devido	
  ao	
  fato	
  dos	
  spins	
  
começam	
  a	
  precessar	
  em	
  fase.	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Efeito	
  do	
  pulso	
  RF	
  
z	
  
y	
  
x	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Efeito	
  do	
  pulso	
  RF	
  
Diminui	
  o	
  vetor	
  magne2zação	
  
longitudinal	
  
Faz	
  surgir	
  uma	
  componente	
  
de	
  magne2zação	
  longitudinal	
  
(precessão	
  em	
  fase)	
  
ω	
  
z	
  
y	
  
x	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Efeito	
  do	
  pulso	
  RF	
  
Diminui	
  o	
  vetor	
  magne2zação	
  
longitudinal	
  
Faz	
  surgir	
  uma	
  componente	
  
de	
  magne2zação	
  longitudinal	
  
(precessão	
  em	
  fase)	
  
ω	
  
z	
  
y	
  
x	
  
07/09/13	
  
13	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Magne<zação	
  transversal	
  
ω	
  
O	
  vetor	
  de	
  magne<zação	
  transversal	
  	
  
produz	
  uma	
  corrente	
  que	
  representa	
  
o	
  sinal	
  MRI	
  
Assim	
  como	
  o	
  spins	
  este	
  sinal	
  possui	
  
uma	
  frequência	
  de	
  precessão	
  
Frequência	
  de	
  Larmor	
  
ω=	
  γB0	
  
z	
  
y	
  
x	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Excitação	
  
•  Um	
  spin	
  excitado	
  esta	
  fora	
  do	
  estado	
  de	
  equilíbrio	
  
B1	
   Magne<zação	
  B0	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Excitação	
  e	
  Relaxação	
  
•  Quando	
  o	
  pulso	
  de	
  RF	
  é	
  
desligado	
  os	
  prótons	
  que	
  
estavam	
  num	
  estado	
  
excitado	
  retornam	
  para	
  o	
  
estado	
  anterior	
  a	
  
aplicação	
  do	
  pulso.	
  
•  O	
  processo	
  de	
  retorno	
  dos	
  
prótons	
  ao	
  estado	
  
anterior	
  é	
  chamado	
  de	
  
relaxação.	
  
Excitação / Relaxação
07/09/13	
  
14	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Relaxação	
  
Pulso	
  de	
  100°	
  
Relaxação	
  
Pulso	
  de	
  65°	
  
Relaxação	
  
Pulso	
  de	
  90°	
  
Relaxação	
  
Pulso	
  de	
  180°	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Relaxação	
  
•  Durante	
  a	
  relaxação:	
  
–  o	
  vetor	
  magne<zação	
  
longitudinal	
  recupera	
  o	
  
seu	
  valor	
  inicial	
  	
  
–  o	
  vetor	
  magne<zação	
  
transversal	
  decai	
  sua	
  
intensidade	
  pois	
  os	
  spins	
  
saem	
  de	
  fase.	
  
•  O	
  movimento	
  de	
  precessão	
  
permanece	
  durante	
  todo	
  o	
  
processo.	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Relaxação	
  
Decaimento	
   Recuperação	
  Precessão	
  
•  A	
  magne<zação	
  retorna	
  exponencialmente	
  ao	
  equilíbrio:	
  
–  A	
  constante	
  de	
  recuperação	
  longitudinal	
  é	
  o	
  T1	
  
–  A	
  constante	
  de	
  decaimento	
  transversal	
  é	
  o	
  T2	
  
•  A	
  relaxação	
  e	
  a	
  precessão	
  são	
  independentes.	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Relaxação:	
  recuperação	
  longitudinal,	
  T1	
  	
  
Tempo	
  
Sinal	
  
07/09/13	
  
15	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Relaxação:	
  decaimento	
  transversal,	
  T2	
  
Tempo	
  
Sinal	
  
T1 – Relaxação Longitudinal
ou Spin-Rede
›  A curva de recuperação para o vetor
magnetização longitudinal retornar ao
equilíbrio é descrita por uma curva
exponencial. Este recuperação é
caracterizada pela constante de tempo T1
que é característica de cada tecido.
›  Quando o tempo após o pulso t é igual a T1,
63% da magnetização longintudinal foi
recuperada.
T2 – Relaxação Transversal ou
Spin-Spin
›  A curva de decaimento para o vetor
magnetização transversal em relação ao valor
inicial de magnetização é descrita por uma curva
exponencial. Este decaimento é caracterizada
pela constante de tempo T2 que também
característica de cada tecido.
›  Quando o tempo após o pulso t é igual a T2, a
magnetização transversal foi reduzida a 36,8% do
valor inicial
›  O Valor de T2 diminui pois os spins deixam de estar
em fase após o pulso de RF.
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Constantes	
  de	
  relaxação	
  em	
  milissegundos	
  para	
  vários	
  tecidos.	
  
Campo	
  está<co	
  de	
  1	
  ,5	
  T	
  (frequência	
  de	
  precessão	
  63	
  MHz)	
  
Tecido	
   T1	
   T2	
  
Músculo	
   863	
   47	
  
Fígado	
   490	
   43	
  
Rins	
   650	
   58	
  
Gordura	
   260	
   84	
  
Cérebro	
  
	
  Substância	
  Cinzenta	
   920	
   101	
  
	
  Substância	
  Branca	
   790	
   92	
  
	
  Liguor	
   2650	
   280	
  
07/09/13	
  
16	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Comparação	
  das	
  curvas	
  T1	
  e	
  T2	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Imagem	
  ponderada	
  em	
  T1	
  
Contraste	
  
(Mz/Mo)	
  
	
  	
  Princípios	
  Físicos	
  em	
  Ressonância	
  Magné<ca	
  
IMIP	
  2009	
  -­‐	
  Vagner	
  Cassola	
  
Imagem	
  ponderada	
  em	
  T2	
  
Contraste	
  
(Mxy/Mo)	
  
Questões
1.  O que é a equação de Larmor e o que ela
calcula?
2.  Em que condição ocorre ressonância?
3.  A diferença entre a energia dos núcleos
com spin para cima e para baixo depende
de quê?
a.  Frequência de Larmor
b.  Intensidade do campo magnético
c.  Ângulo de precessão
07/09/13	
  
17	
  
Questões
5.  A recuperação T1 é o retorno do eixo
de rotação do núcleo em relação a
que plano?
a.  Transversal
b.  Longitudinal
c.  O spin não retorna

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Artigo11 rm
Artigo11 rmArtigo11 rm
Artigo11 rm
Gerciane Neves
 
Aula de espectrometria_no_iv_2010_impressao_alunos
Aula de espectrometria_no_iv_2010_impressao_alunosAula de espectrometria_no_iv_2010_impressao_alunos
Aula de espectrometria_no_iv_2010_impressao_alunos
Emilio Reis
 
Princípios de física radiológica
Princípios de física radiológicaPrincípios de física radiológica
Princípios de física radiológica
grtalves
 
espectroraio-x-091120173659-phpapp02.pdf
espectroraio-x-091120173659-phpapp02.pdfespectroraio-x-091120173659-phpapp02.pdf
espectroraio-x-091120173659-phpapp02.pdf
Emerson Assis
 
Aula 02 proteção radiológica
Aula 02 proteção radiológicaAula 02 proteção radiológica
Aula 02 proteção radiológica
Nathanael Melchisedeck Brancaglione
 
Radiacoes em MN
Radiacoes em MNRadiacoes em MN
Radiacoes em MN
caduanselmi
 
Bases de Ressonância Magnética
Bases de Ressonância MagnéticaBases de Ressonância Magnética
Bases de Ressonância Magnética
Alex Eduardo Ribeiro
 
Dualidade onda particula
Dualidade onda particulaDualidade onda particula
Dualidade onda particula
Marisa Cavalcante
 
Aula 06-rmn-de-carbono
Aula 06-rmn-de-carbonoAula 06-rmn-de-carbono
Aula 06-rmn-de-carbono
katyuscya leao
 
Interação da Radiação com a Matéria I
Interação da Radiação com a Matéria IInteração da Radiação com a Matéria I
Interação da Radiação com a Matéria I
arianepenna
 
Cálculo de dosimetria na industria
Cálculo de dosimetria na industriaCálculo de dosimetria na industria
Cálculo de dosimetria na industria
Maria Anunciação Souza
 
Radiação ionizante e não ionizante
Radiação ionizante e não ionizanteRadiação ionizante e não ionizante
Radiação ionizante e não ionizante
Robson Peixoto
 
Radioatividade Teoria
Radioatividade   TeoriaRadioatividade   Teoria
Radioatividade Teoria
Cursos Profissionalizantes
 
Efeito fotoeletrico
Efeito fotoeletricoEfeito fotoeletrico
Efeito fotoeletrico
Maria Inês Castilho
 
A física do diagnóstico com raios
A física do diagnóstico com raiosA física do diagnóstico com raios
A física do diagnóstico com raios
Claudia Sanches
 
Aula 01 proteção radiológica
Aula 01  proteção radiológicaAula 01  proteção radiológica
Aula 01 proteção radiológica
Nathanael Melchisedeck Brancaglione
 
Espectroscopia em IV e UV
Espectroscopia em IV e UVEspectroscopia em IV e UV
Espectroscopia em IV e UV
Sunny K. S. Freitas
 
200610201944550.2 aula interacao da radiacao com a materia
200610201944550.2 aula   interacao da radiacao com a materia200610201944550.2 aula   interacao da radiacao com a materia
200610201944550.2 aula interacao da radiacao com a materia
acacioandrade
 
PRINCÍPIO FÍSICO DA RM
PRINCÍPIO FÍSICO DA RMPRINCÍPIO FÍSICO DA RM
PRINCÍPIO FÍSICO DA RM
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Fótons: Propriedades Corpusculares da Radiação
Fótons: Propriedades Corpusculares da RadiaçãoFótons: Propriedades Corpusculares da Radiação
Fótons: Propriedades Corpusculares da Radiação
Denise Marinho
 

Mais procurados (20)

Artigo11 rm
Artigo11 rmArtigo11 rm
Artigo11 rm
 
Aula de espectrometria_no_iv_2010_impressao_alunos
Aula de espectrometria_no_iv_2010_impressao_alunosAula de espectrometria_no_iv_2010_impressao_alunos
Aula de espectrometria_no_iv_2010_impressao_alunos
 
Princípios de física radiológica
Princípios de física radiológicaPrincípios de física radiológica
Princípios de física radiológica
 
espectroraio-x-091120173659-phpapp02.pdf
espectroraio-x-091120173659-phpapp02.pdfespectroraio-x-091120173659-phpapp02.pdf
espectroraio-x-091120173659-phpapp02.pdf
 
Aula 02 proteção radiológica
Aula 02 proteção radiológicaAula 02 proteção radiológica
Aula 02 proteção radiológica
 
Radiacoes em MN
Radiacoes em MNRadiacoes em MN
Radiacoes em MN
 
Bases de Ressonância Magnética
Bases de Ressonância MagnéticaBases de Ressonância Magnética
Bases de Ressonância Magnética
 
Dualidade onda particula
Dualidade onda particulaDualidade onda particula
Dualidade onda particula
 
Aula 06-rmn-de-carbono
Aula 06-rmn-de-carbonoAula 06-rmn-de-carbono
Aula 06-rmn-de-carbono
 
Interação da Radiação com a Matéria I
Interação da Radiação com a Matéria IInteração da Radiação com a Matéria I
Interação da Radiação com a Matéria I
 
Cálculo de dosimetria na industria
Cálculo de dosimetria na industriaCálculo de dosimetria na industria
Cálculo de dosimetria na industria
 
Radiação ionizante e não ionizante
Radiação ionizante e não ionizanteRadiação ionizante e não ionizante
Radiação ionizante e não ionizante
 
Radioatividade Teoria
Radioatividade   TeoriaRadioatividade   Teoria
Radioatividade Teoria
 
Efeito fotoeletrico
Efeito fotoeletricoEfeito fotoeletrico
Efeito fotoeletrico
 
A física do diagnóstico com raios
A física do diagnóstico com raiosA física do diagnóstico com raios
A física do diagnóstico com raios
 
Aula 01 proteção radiológica
Aula 01  proteção radiológicaAula 01  proteção radiológica
Aula 01 proteção radiológica
 
Espectroscopia em IV e UV
Espectroscopia em IV e UVEspectroscopia em IV e UV
Espectroscopia em IV e UV
 
200610201944550.2 aula interacao da radiacao com a materia
200610201944550.2 aula   interacao da radiacao com a materia200610201944550.2 aula   interacao da radiacao com a materia
200610201944550.2 aula interacao da radiacao com a materia
 
PRINCÍPIO FÍSICO DA RM
PRINCÍPIO FÍSICO DA RMPRINCÍPIO FÍSICO DA RM
PRINCÍPIO FÍSICO DA RM
 
Fótons: Propriedades Corpusculares da Radiação
Fótons: Propriedades Corpusculares da RadiaçãoFótons: Propriedades Corpusculares da Radiação
Fótons: Propriedades Corpusculares da Radiação
 

Destaque

Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da PelveProtocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
Alex Eduardo Ribeiro
 
Protocolo de Mamas Ressonância Magnética
Protocolo de Mamas Ressonância MagnéticaProtocolo de Mamas Ressonância Magnética
Protocolo de Mamas Ressonância Magnética
Alex Eduardo Ribeiro
 
Ressonância magnética
Ressonância magnéticaRessonância magnética
Ressonância magnética
Douglas Henrique
 
Ressonancia Magnetica
Ressonancia MagneticaRessonancia Magnetica
Ressonancia Magnetica
Nilton Campos
 
SEQUÊNCIAS DE PULSO NA RM
SEQUÊNCIAS DE PULSO NA RMSEQUÊNCIAS DE PULSO NA RM
SEQUÊNCIAS DE PULSO NA RM
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICAEXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Aula de rm prof. luis aguiar
Aula de rm   prof. luis aguiarAula de rm   prof. luis aguiar
Aula de rm prof. luis aguiar
waddan coelho da cruz
 
Ressonancia magnetica
Ressonancia magneticaRessonancia magnetica
Ressonancia magnetica
Profissão Professor
 
Introdução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanoIntrodução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordano
grtalves
 

Destaque (9)

Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da PelveProtocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
 
Protocolo de Mamas Ressonância Magnética
Protocolo de Mamas Ressonância MagnéticaProtocolo de Mamas Ressonância Magnética
Protocolo de Mamas Ressonância Magnética
 
Ressonância magnética
Ressonância magnéticaRessonância magnética
Ressonância magnética
 
Ressonancia Magnetica
Ressonancia MagneticaRessonancia Magnetica
Ressonancia Magnetica
 
SEQUÊNCIAS DE PULSO NA RM
SEQUÊNCIAS DE PULSO NA RMSEQUÊNCIAS DE PULSO NA RM
SEQUÊNCIAS DE PULSO NA RM
 
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICAEXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
 
Aula de rm prof. luis aguiar
Aula de rm   prof. luis aguiarAula de rm   prof. luis aguiar
Aula de rm prof. luis aguiar
 
Ressonancia magnetica
Ressonancia magneticaRessonancia magnetica
Ressonancia magnetica
 
Introdução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanoIntrodução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordano
 

Semelhante a Rm aula2

Ressonancia_magnetica_basica_slide_da_net.pptx
Ressonancia_magnetica_basica_slide_da_net.pptxRessonancia_magnetica_basica_slide_da_net.pptx
Ressonancia_magnetica_basica_slide_da_net.pptx
PatriciaFarias81
 
Apostila ressonancia magnetica
Apostila ressonancia magneticaApostila ressonancia magnetica
Apostila ressonancia magnetica
Oswaldo Johansen
 
Principios fisicos da_ressonancia_magnetica
Principios fisicos da_ressonancia_magneticaPrincipios fisicos da_ressonancia_magnetica
Principios fisicos da_ressonancia_magnetica
Maxwell Araujo
 
ressonancia 2.ppt
ressonancia 2.pptressonancia 2.ppt
ressonancia 2.ppt
BemVegneshSustentabi
 
Princípios ressonância magnética
Princípios ressonância magnéticaPrincípios ressonância magnética
Princípios ressonância magnética
nathaliaroncada
 
Ressonancia magnetica
Ressonancia magneticaRessonancia magnetica
Ressonancia magnetica
Patricia de Paula
 
Electrotecnia e magnetismo
Electrotecnia e magnetismoElectrotecnia e magnetismo
Electrotecnia e magnetismo
eqeqe
 
Estudo sobre Campo Magnético
Estudo sobre Campo MagnéticoEstudo sobre Campo Magnético
Estudo sobre Campo Magnético
Pe Gil Medeiros
 
Campo Magnético
Campo MagnéticoCampo Magnético
Campo Magnético
Pe Gil Medeiros
 
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEARRESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR
Renata Oliveira
 
Ressonância magnética nuclear - Horizon FCUL 0
Ressonância magnética nuclear - Horizon FCUL 0Ressonância magnética nuclear - Horizon FCUL 0
Ressonância magnética nuclear - Horizon FCUL 0
HorizonFCUL
 
16 interferindo nas ondas de rádio
16 interferindo nas ondas de rádio16 interferindo nas ondas de rádio
16 interferindo nas ondas de rádio
Giselly2
 
Aula biofísica da Radioatividade
Aula biofísica da RadioatividadeAula biofísica da Radioatividade
Aula biofísica da Radioatividade
Lar D
 
Electrotecnia magnetismo
Electrotecnia magnetismoElectrotecnia magnetismo
Electrotecnia magnetismo
Mario Trigo
 
FÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIAR
FÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIARFÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIAR
FÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIAR
CURSO TÉCNICO CEPRAMED
 
ANANTOMIA RADIOLÓGICA aula.pptx
ANANTOMIA RADIOLÓGICA aula.pptxANANTOMIA RADIOLÓGICA aula.pptx
ANANTOMIA RADIOLÓGICA aula.pptx
JoelLucasMartins1
 
Magnetismo e fontes de campo magnético.pptx
Magnetismo e fontes de campo magnético.pptxMagnetismo e fontes de campo magnético.pptx
Magnetismo e fontes de campo magnético.pptx
MarceloAlano2
 
Magnetismo 2020.pptx
Magnetismo 2020.pptxMagnetismo 2020.pptx
Magnetismo 2020.pptx
LuizCsar13
 
Aula 4 eletromagnetismo[2]
Aula 4 eletromagnetismo[2]Aula 4 eletromagnetismo[2]
Aula 4 eletromagnetismo[2]
flaviomenesantos
 
Espectro Raio X
Espectro Raio XEspectro Raio X
Espectro Raio X
AulasParticulares
 

Semelhante a Rm aula2 (20)

Ressonancia_magnetica_basica_slide_da_net.pptx
Ressonancia_magnetica_basica_slide_da_net.pptxRessonancia_magnetica_basica_slide_da_net.pptx
Ressonancia_magnetica_basica_slide_da_net.pptx
 
Apostila ressonancia magnetica
Apostila ressonancia magneticaApostila ressonancia magnetica
Apostila ressonancia magnetica
 
Principios fisicos da_ressonancia_magnetica
Principios fisicos da_ressonancia_magneticaPrincipios fisicos da_ressonancia_magnetica
Principios fisicos da_ressonancia_magnetica
 
ressonancia 2.ppt
ressonancia 2.pptressonancia 2.ppt
ressonancia 2.ppt
 
Princípios ressonância magnética
Princípios ressonância magnéticaPrincípios ressonância magnética
Princípios ressonância magnética
 
Ressonancia magnetica
Ressonancia magneticaRessonancia magnetica
Ressonancia magnetica
 
Electrotecnia e magnetismo
Electrotecnia e magnetismoElectrotecnia e magnetismo
Electrotecnia e magnetismo
 
Estudo sobre Campo Magnético
Estudo sobre Campo MagnéticoEstudo sobre Campo Magnético
Estudo sobre Campo Magnético
 
Campo Magnético
Campo MagnéticoCampo Magnético
Campo Magnético
 
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEARRESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR
 
Ressonância magnética nuclear - Horizon FCUL 0
Ressonância magnética nuclear - Horizon FCUL 0Ressonância magnética nuclear - Horizon FCUL 0
Ressonância magnética nuclear - Horizon FCUL 0
 
16 interferindo nas ondas de rádio
16 interferindo nas ondas de rádio16 interferindo nas ondas de rádio
16 interferindo nas ondas de rádio
 
Aula biofísica da Radioatividade
Aula biofísica da RadioatividadeAula biofísica da Radioatividade
Aula biofísica da Radioatividade
 
Electrotecnia magnetismo
Electrotecnia magnetismoElectrotecnia magnetismo
Electrotecnia magnetismo
 
FÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIAR
FÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIARFÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIAR
FÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIAR
 
ANANTOMIA RADIOLÓGICA aula.pptx
ANANTOMIA RADIOLÓGICA aula.pptxANANTOMIA RADIOLÓGICA aula.pptx
ANANTOMIA RADIOLÓGICA aula.pptx
 
Magnetismo e fontes de campo magnético.pptx
Magnetismo e fontes de campo magnético.pptxMagnetismo e fontes de campo magnético.pptx
Magnetismo e fontes de campo magnético.pptx
 
Magnetismo 2020.pptx
Magnetismo 2020.pptxMagnetismo 2020.pptx
Magnetismo 2020.pptx
 
Aula 4 eletromagnetismo[2]
Aula 4 eletromagnetismo[2]Aula 4 eletromagnetismo[2]
Aula 4 eletromagnetismo[2]
 
Espectro Raio X
Espectro Raio XEspectro Raio X
Espectro Raio X
 

Mais de Gerciane Neves

Noções básicas de hemodinâmica / Tec ou tecn em radiologia
Noções básicas de hemodinâmica / Tec ou tecn em radiologiaNoções básicas de hemodinâmica / Tec ou tecn em radiologia
Noções básicas de hemodinâmica / Tec ou tecn em radiologia
Gerciane Neves
 
Mri in practice
Mri in practiceMri in practice
Mri in practice
Gerciane Neves
 
Planejamento prostata
Planejamento prostataPlanejamento prostata
Planejamento prostata
Gerciane Neves
 
Palestra98
Palestra98Palestra98
Palestra98
Gerciane Neves
 
Planejamento prostata
Planejamento prostataPlanejamento prostata
Planejamento prostata
Gerciane Neves
 
Mamografia 2
Mamografia 2Mamografia 2
Mamografia 2
Gerciane Neves
 
A qualidade do ponto de vista médico mamografia
A qualidade do ponto de vista médico    mamografiaA qualidade do ponto de vista médico    mamografia
A qualidade do ponto de vista médico mamografia
Gerciane Neves
 
Apostila mamografia final
Apostila mamografia finalApostila mamografia final
Apostila mamografia final
Gerciane Neves
 
A qualidade do ponto de vista médico mamografia
A qualidade do ponto de vista médico    mamografiaA qualidade do ponto de vista médico    mamografia
A qualidade do ponto de vista médico mamografia
Gerciane Neves
 
Controle de qualidade em odontologia
Controle de qualidade em odontologiaControle de qualidade em odontologia
Controle de qualidade em odontologia
Gerciane Neves
 

Mais de Gerciane Neves (10)

Noções básicas de hemodinâmica / Tec ou tecn em radiologia
Noções básicas de hemodinâmica / Tec ou tecn em radiologiaNoções básicas de hemodinâmica / Tec ou tecn em radiologia
Noções básicas de hemodinâmica / Tec ou tecn em radiologia
 
Mri in practice
Mri in practiceMri in practice
Mri in practice
 
Planejamento prostata
Planejamento prostataPlanejamento prostata
Planejamento prostata
 
Palestra98
Palestra98Palestra98
Palestra98
 
Planejamento prostata
Planejamento prostataPlanejamento prostata
Planejamento prostata
 
Mamografia 2
Mamografia 2Mamografia 2
Mamografia 2
 
A qualidade do ponto de vista médico mamografia
A qualidade do ponto de vista médico    mamografiaA qualidade do ponto de vista médico    mamografia
A qualidade do ponto de vista médico mamografia
 
Apostila mamografia final
Apostila mamografia finalApostila mamografia final
Apostila mamografia final
 
A qualidade do ponto de vista médico mamografia
A qualidade do ponto de vista médico    mamografiaA qualidade do ponto de vista médico    mamografia
A qualidade do ponto de vista médico mamografia
 
Controle de qualidade em odontologia
Controle de qualidade em odontologiaControle de qualidade em odontologia
Controle de qualidade em odontologia
 

Rm aula2

  • 1. 07/09/13   1   Ressonância Magnética Nuclear Marcos Ely Andrade marcos.ely@gmail.com HISTÓRICO ›  1952 - Felix Bloch e E d w a r d P u r c e l l descobriram o fenômeno da ressonância magnética ›  1 9 7 1 - R a y m o n d Damadian mostrou que os tecidos e os tumores respondem de forma diferente ao efeito do campo magnético o que motivou a comunidade científica a considerar a ressonância magnética como uma técnica para detecção de doenças.
  • 3. 07/09/13   3   Relembrando… ›  Núcleo do átomo de hidrogênio à gira (spin) ›  Por isso, o núcleo tem um momento magnético e funciona como um dipolo magnético ›  Os momentos são alinhados na presença de um campo magnético externo à alguns núcleos alinham a favor do campo e outros, no sentido contrário B0 = 1,5 T ΔE Interação com um campo magnético estático S N Precessão
  • 4. 07/09/13   4   Precessão ›  Spin adicional (causado pela presença do campo magnético B0) ›  A velocidade do giro é chamada de frequência de precessão ou frequência de Larmor (ω) ›  A frequência é dada em megahertz (MHz) ›  1 Hz é um ciclo por segundo Precessão    Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Precessão   •  Os  spins  sobre  o  efeito  de  um   campo  magné<co  apresentam   um  movimento  de  precessão   semelhante  ao  um  peão.   •  A  frequência  de  precessão   depende  do  campo  aplicado:   ω=  γB0       (frequência  de  Larmor)     Constante  giromagné<ca  do  H1   γ    =  42,58  [MHz/T]     B0  é  o  campo  magné<co     do  magneto          Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Precessão   Núcleo   Constante   giromagné2ca   (MHz/T)   ¹H   42,57   ¹³C   10,71   ²³N   11,26   ³¹P   17,23   Constante giromagnética ›  A constante giromagnética do hidrogênio é 42,57 MHz/T ›  Qual é a frequência de precessão do núcleo em um campo magnético de 1,0 T? ›  Quantas vezes por segundo o núcleo de hidrogênio gira? ›  Qual seria frequência de precessão se o campo magnético aplicado for de 1,5 T?
  • 5. 07/09/13   5      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Precessão:  sistema  de  coordenadas   Magneto      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   z   y   x      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   z   y   x      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   z   y   x  
  • 6. 07/09/13   6      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   z   y   x      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   z   y   x      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   z   y   x      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   A’   A   z   y   x  
  • 7. 07/09/13   7      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   A’   A   B’   B   z   y   x      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   A’   A   B’   B   M   z   y   x      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Paciente  colocando  interior  do  magneto       Magne2zação     longitudinal   Como  medir  a   magne<zação?      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   ???  
  • 8. 07/09/13   8      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Gerando  uma  magne<zação  transversal      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Como  gerar  a  magne<zação  transversal??   Enviando  pulsos  de  radio  frequência  (RF)  !!   Radiofrequência ›  O que é radiofrequência? ›  Energia eletromagnética ›  Pacotes de energia (ondas)
  • 9. 07/09/13   9      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   O  que  acontece  quando  se  envia  um  pulso  RF?   Pulso  RF   z   y   x   Ele  causa  uma  mudança  de   polaridade  no  spin.  Faz  que  os   núcleos  passem  do  estado  de  baixa   energia  para  o  de  alta  energia.      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   O  que  acontece  quando  se  envia  um  pulso  RF?   Pulsos  RF   Por  que  nem  todo  pulso  causa  uma   mudança  de  polarização?   z   y   x      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Frequência  de  Larmor   ω=  γB0   O  que  acontece  quando  se  envia  um  pulso  RF?   Pulsos  RF   Por  que  nem  todo  pulso  causa  uma   mudança  de  polarização?   Porque  é  necessário  que  o  pulso  RF     ter  a  mesma  frequência  de   precessão  do  spin.   Precisa  estar  em  ressonância     z   y   x  
  • 10. 07/09/13   10   Ressonância ›  Fenômeno em que um objeto (ou um núcleo atômico) é exposto a uma perturbação oscilante, com frequência igual à sua frequência de oscilação ›  Ao entrar em ressonância, o objeto exposto “ganha energia” desta “força” externa ›  Ao ganhar energia, a orientação do momento magnético do núcleo muda    Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Efeito  do  pulso  de  RF  (B1)  para  diferentes  frequências   RF  =  0   RF  =  ω/2   B1   Magne<zação  B0      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   RF  =  ω  x  0,9   RF  =  ω   B1   Magne<zação  B0   Efeito  do  pulso  de  RF  (B1)  para  diferentes  frequências      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   RF  =  ω  x  1,5   RF  =  ω  x  2,0   B1   Magne<zação  B0   Efeito  do  pulso  de  RF  (B1)  para  diferentes  frequências  
  • 11. 07/09/13   11      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Efeito  do  pulso  RF   z   y   x   e  nem  todos  os  prótons   interagem  com  o  pulso  RF   Num  sistema  real  existem   vários  prótons      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Efeito  do  pulso  RF   z   y   x   e  nem  todos  os  prótons   interagem  com  o  pulso  RF   No  entanto  os  spins  paralelos   se  an<  paralelo  se  anulam     Num  sistema  real  existem   vários  prótons      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Efeito  do  pulso  RF   Como  resultado  existe  uma   diminuição  no  vetor   magne<zação  longitudinal   z   y   x   e  nem  todos  os  prótons   interagem  com  o  pulso  RF   No  entanto  os  spins  paralelos   se  an<  paralelo  se  anulam     Num  sistema  real  existem   vários  prótons      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Efeito  do  pulso  RF   z   y   x   Existe  um  segundo  efeito  que   surge  da  interação  do  pulso  RF  
  • 12. 07/09/13   12      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Efeito  do  pulso  RF   Os  spins  se  agrupam  de  forma   que  surge  uma  componente   transversal  de  magne<zação   z   y   x   Existe  um  segundo  efeito  que   surge  da  interação  do  pulso  RF   Devido  ao  fato  dos  spins   começam  a  precessar  em  fase.      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Efeito  do  pulso  RF   z   y   x      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Efeito  do  pulso  RF   Diminui  o  vetor  magne2zação   longitudinal   Faz  surgir  uma  componente   de  magne2zação  longitudinal   (precessão  em  fase)   ω   z   y   x      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Efeito  do  pulso  RF   Diminui  o  vetor  magne2zação   longitudinal   Faz  surgir  uma  componente   de  magne2zação  longitudinal   (precessão  em  fase)   ω   z   y   x  
  • 13. 07/09/13   13      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Magne<zação  transversal   ω   O  vetor  de  magne<zação  transversal     produz  uma  corrente  que  representa   o  sinal  MRI   Assim  como  o  spins  este  sinal  possui   uma  frequência  de  precessão   Frequência  de  Larmor   ω=  γB0   z   y   x      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Excitação   •  Um  spin  excitado  esta  fora  do  estado  de  equilíbrio   B1   Magne<zação  B0      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Excitação  e  Relaxação   •  Quando  o  pulso  de  RF  é   desligado  os  prótons  que   estavam  num  estado   excitado  retornam  para  o   estado  anterior  a   aplicação  do  pulso.   •  O  processo  de  retorno  dos   prótons  ao  estado   anterior  é  chamado  de   relaxação.   Excitação / Relaxação
  • 14. 07/09/13   14      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Relaxação   Pulso  de  100°   Relaxação   Pulso  de  65°   Relaxação   Pulso  de  90°   Relaxação   Pulso  de  180°      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Relaxação   •  Durante  a  relaxação:   –  o  vetor  magne<zação   longitudinal  recupera  o   seu  valor  inicial     –  o  vetor  magne<zação   transversal  decai  sua   intensidade  pois  os  spins   saem  de  fase.   •  O  movimento  de  precessão   permanece  durante  todo  o   processo.      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Relaxação   Decaimento   Recuperação  Precessão   •  A  magne<zação  retorna  exponencialmente  ao  equilíbrio:   –  A  constante  de  recuperação  longitudinal  é  o  T1   –  A  constante  de  decaimento  transversal  é  o  T2   •  A  relaxação  e  a  precessão  são  independentes.      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Relaxação:  recuperação  longitudinal,  T1     Tempo   Sinal  
  • 15. 07/09/13   15      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Relaxação:  decaimento  transversal,  T2   Tempo   Sinal   T1 – Relaxação Longitudinal ou Spin-Rede ›  A curva de recuperação para o vetor magnetização longitudinal retornar ao equilíbrio é descrita por uma curva exponencial. Este recuperação é caracterizada pela constante de tempo T1 que é característica de cada tecido. ›  Quando o tempo após o pulso t é igual a T1, 63% da magnetização longintudinal foi recuperada. T2 – Relaxação Transversal ou Spin-Spin ›  A curva de decaimento para o vetor magnetização transversal em relação ao valor inicial de magnetização é descrita por uma curva exponencial. Este decaimento é caracterizada pela constante de tempo T2 que também característica de cada tecido. ›  Quando o tempo após o pulso t é igual a T2, a magnetização transversal foi reduzida a 36,8% do valor inicial ›  O Valor de T2 diminui pois os spins deixam de estar em fase após o pulso de RF.    Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Constantes  de  relaxação  em  milissegundos  para  vários  tecidos.   Campo  está<co  de  1  ,5  T  (frequência  de  precessão  63  MHz)   Tecido   T1   T2   Músculo   863   47   Fígado   490   43   Rins   650   58   Gordura   260   84   Cérebro    Substância  Cinzenta   920   101    Substância  Branca   790   92    Liguor   2650   280  
  • 16. 07/09/13   16      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Comparação  das  curvas  T1  e  T2      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Imagem  ponderada  em  T1   Contraste   (Mz/Mo)      Princípios  Físicos  em  Ressonância  Magné<ca   IMIP  2009  -­‐  Vagner  Cassola   Imagem  ponderada  em  T2   Contraste   (Mxy/Mo)   Questões 1.  O que é a equação de Larmor e o que ela calcula? 2.  Em que condição ocorre ressonância? 3.  A diferença entre a energia dos núcleos com spin para cima e para baixo depende de quê? a.  Frequência de Larmor b.  Intensidade do campo magnético c.  Ângulo de precessão
  • 17. 07/09/13   17   Questões 5.  A recuperação T1 é o retorno do eixo de rotação do núcleo em relação a que plano? a.  Transversal b.  Longitudinal c.  O spin não retorna