SlideShare uma empresa Scribd logo
JESUS, O TEMPLO
E A SINAGOGA
2º Trimestre de 2015
Lição 6
Profa. Nayara Damasceno
TEXTO DO DIA
2
E percorria Jesus toda a
Galileia, ensinando nas
suas sinagogas e
pregando o evangelho do
Reino, e curando todas as
enfermidades e moléstias
entre o povo"(Mt 4.23).
Profa.NayaraDamasceno
SÍNTESE
3
O templo religioso não é
sagrado em si mesmo, mas
deve ser tratado com zelo e
respeito, como local de
reunião, estudo da Palavra
e adoração a Deus.
Profa.NayaraDamasceno
OBJETIVOS
4
MOSTRAR as características
do Templo de Jerusalém e das
sinagogas da época do Novo
Testamento;
COMPREENDER o zelo que
Jesus tinha pela Casa de Deus;
SABER como se relacionar
adequadamente com o templo
religioso nos dias atuais.
INTERAÇÃO
 Atualmente, uma parcela considerável
de cristãos está entorpecida pelo
engano da teologia da “Igreja
Emergente”.
 Estes acreditam e propagam a falsa
ideia de que a Igreja não tem
importância alguma na vida espiritual
do servo de Deus.
 Por isso, ir ou deixar de ir à igreja
local, afirmam eles, não faz muita
diferença.
5
INTERAÇÃO
 Tal pensamento tem feito surgir uma
visão distorcida a respeito da Igreja.
Para combater esse equívoco teológico,
nada melhor do que nos voltarmos para
as páginas do Novo Testamento, com o
objetivo de confirmar a constante
presença do Mestre no Templo de
Jerusalém e nas sinagogas, ensinando
sobre o Reino de Deus e curando as
pessoas. Exemplo este que foi seguido
pelos discípulos e pela Igreja em seu
alvorecer.
6
ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
7
• Os prédios tinham o dobro dos de Salomão e
Zorobabel;
• Os pátios tinham pavimento de mármore e parte do
prédio era revestido de ouro;
• O Templo refletia o progresso das divisões na fé. Havia
um pátio dos gentios — onde só gentios podiam entrar;
pátio das mulheres, dos homens e dos sacerdotes, que
indicavam os limites até onde a pessoa podia ir ao
encaminhar-se para o santuário central;
• O pátio dos gentios era ao mesmo tempo uma via
pública, um mercado e um lugar de negócios.
ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
8
1º O templo de Salomão
2º O templo
de Zorobabel
3º O templo
de Herodes
Três momentos
da história do povo de Deus
INTRODUÇÃO
10
Na lição de hoje, estudaremos a
respeito do Templo e as
sinagogas nos tempos de Jesus.
Vamos entender quais foram as
suas características e porque os
Evangelhos destacam a
presença constante do Mestre
em tais ambientes, do seu
nascimento ao fim do seu
ministério.
INTRODUÇÃO
11
O estudo das Escrituras sobre
esse tema será importante para
rechaçar aqueles que
menosprezam o templo religioso,
assim como a concepção
igualmente equivocada e extrema
que os considera como edifícios
sagrados.
I - JESUS VISITA O TEMPLO
(LC 2.21-29; 41-51)
12
Profa.NayaraDamasceno
1. Apresentação no
Templo.
2. Aprendendo no
Templo.
13
1. Apresentação no Templo.
Logo após o nascimento do
menino Jesus, José e Maria,
seguindo a tradição judaica,
levaram-no para ser
apresentado no Templo. O
evangelho de Lucas registra
que, "cumprindo-se os dias da
purificação, segundo a lei de
Moisés, o levaram a Jerusalém,
para o apresentarem ao
Senhor" (Lc 2.22).
I - JESUS VISITA O TEMPLO
(LC 2.21-29; 41-51)
14
1. Apresentação no Templo.
Isso porque, de
acordo com a lei, todo
primogênito do sexo
masculino deveria ser
consagrado a Deus (v.
23; Êx 13.2), depois do
período de purificação
da mulher (Lv 12.1-8).
I - JESUS VISITA O TEMPLO
(LC 2.21-29; 41-51)
15
2. Aprendendo no Templo.
Uma vez ao ano, os pais de Jesus iam a
Jerusalém para participarem da Festa da
Páscoa.
Em uma dessas ocasiões, quando a
família retornava para sua cidade, depois do
término da celebração, José e Maria
perceberam que o menino não estava entre
eles (Lc 2.41-44).
Como não o encontravam entre os parentes e
conhecidos (v.45), regressaram até Jerusalém à
sua procura:
I - JESUS VISITA O TEMPLO
(LC 2.21-29; 41-51)
16
2. Aprendendo no Templo.
"E aconteceu que,
passados três dias, o
acharam no templo,
assentado no meio dos
doutores, ouvindo-os e
interrogando-os.
E todos os que o
ouviam admiravam a
sua inteligência e
respostas" (vv. 46, 47).
I - JESUS VISITA O TEMPLO
(LC 2.21-29; 41-51)
17
2. Aprendendo no Templo.
I - JESUS VISITA O TEMPLO
(LC 2.21-29; 41-51)
Este episódio nos
mostra o valor que
Jesus, ainda moço, dava
à Casa de Deus e ao
estudo da Palavra; como
resultado, Ele crescia
não somente em
estatura, mas também
em sabedoria, e em
graça para com Deus e
os homens (Lc 2.52).
18
2. Aprendendo no Templo.
I - JESUS VISITA O TEMPLO
(LC 2.21-29; 41-51)
A narrativa bíblica nos
leva a compreender que
Jesus alegrava-se em
sentir a presença de
Deus no Templo,
aprendendo a sua
Palavra.
19
2. Aprendendo no Templo.
I - JESUS VISITA O TEMPLO
(LC 2.21-29; 41-51)
O salmista expressou júbilo semelhante ao dizer:
Quando não sentimos
deleite em estar na Casa
de Deus, precisamos
rever a nossa vida
espiritual.
20
PENSE!
Quando não sentimos
deleite em estar na Casa
de Deus, precisamos
rever a nossa vida
espiritual.
Profa.NayaraDamasceno
21
PONTO
IMPORTANTE!
Seguindo a tradição judaica,
o menino Jesus foi
apresentado no Templo.
Profa.NayaraDamasceno
II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS
NOS TEMPOS DE JESUS
22
1. Templo de
Jerusalém.
2. Jesus no Templo.
3. Conhecendo as
sinagogas.
23
1. Templo de Jerusalém.
Para Israel, o templo
sagrado localizado em
Jerusalém possuía
significado especial,
pois simbolizava a
presença constante de
Deus entre seu povo,
sendo o principal local
de culto e oferta de
sacrifícios.
II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS
NOS TEMPOS DE JESUS
Templo de
Salomão
24
1. Templo de Jerusalém.
Construído durante o
reinado de Salomão (1
Rs 6), como uma réplica
da planta do
tabernáculo, o santuário
passou por duas
reedificações após ter
sido destruído em 586
a.C por Nabucodonosor,
rei da Babilônia (2 Rs
25.13-17).
II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS
NOS TEMPOS DE JESUS
Tabernáculo
25
1. Templo de Jerusalém.
A primeira aconteceu
depois do retorno dos
judeus do cativeiro
babilônico, sob a
liderança de Zorobabel
(Ed 3.8) e exortação
dos profetas Ageu e
Zacarias (Ed 5-6).
II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS
NOS TEMPOS DE JESUS
Templo de Zorababel
26
1. Templo de Jerusalém.
Em 19 a.C., Herodes, o Grande, na tentativa
de apaziguar os ânimos dos judeus e ganhar
popularidade, iniciou a reconstrução do
segundo templo.
O Templo de Herodes, como era chamado,
impressionava por sua beleza e imponência
arquitetônica.
Era uma das maravilhas do mundo antigo e,
por isso, recebia judeus e, até mesmo, gentios
de várias partes.
II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS
NOS TEMPOS DE JESUS
27
1. Templo de Jerusalém.
II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS
NOS TEMPOS DE JESUS
Templo de Herodes
28
2. Jesus no Templo.
 O Mestre costumava frequentar a parte
externa deste Templo para proferir seus
ensinamentos (Lc 21.38, Jo 7.14) e curar os
enfermos.
Apesar da sua importância como local de
reunião e de culto, Jesus deixou transparecer
que o edifício não tinha valor sagrado em si
mesmo, pois, além de ser transitório (Mt
24.1,2) não era maior do que o Filho de Deus
(Mt 12.6).
II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS
NOS TEMPOS DE JESUS
29
2. Jesus no Templo.
 Aplicando essas verdades para os dias atuais,
entendemos que o bem mais valioso no templo não é a
beleza da sua estrutura física ou o conforto que
proporciona aos crentes.
II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS
NOS TEMPOS DE JESUS
30
2. Jesus no Templo.
O que mais importa é a
manifestação da glória
de Deus no meio do seu
povo (Ez. 43.5).
Sem a divina presença,
santuários religiosos são
como sepulcros caiados.
São belos por fora, mas
sem vida por dentro!
II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS
NOS TEMPOS DE JESUS
31
3. Conhecendo as sinagogas.
 Os Evangelhos também
mostram que o Nazareno
costumava pregar e ensinar
nas sinagogas acerca do
Reino de Deus (Lc 4.44;
13.10; Mt 12.9; Mc 1.39). No
original, sinagoga (gr.
synagoge) tem o sentido de
assembleia, congregação de
pessoas.
II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS
NOS TEMPOS DE JESUS
32
3. Conhecendo as sinagogas.
O Dicionário Bíblico Wycliffe registra que,
no judaísmo, enquanto o Templo era o lugar
do culto,
A sinagoga tinha uma função educativa:
era o local para o estudo da lei.
Mas, com o passar do tempo, as sinagogas
passaram a servir também como espaço
para a adoração, principalmente para os
judeus que moravam a grandes distâncias de
Jerusalém.
II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS
NOS TEMPOS DE JESUS
33
3. Conhecendo as sinagogas.
 Portanto, diferentemente do
Templo que era único, haviam
muitas sinagogas espalhadas
por toda a Terra de Israel nos
tempos do Novo Testamento.
Tanto é assim que a Igreja
Primitiva, seguindo o exemplo
do Mestre, floresceu
anunciando o Evangelho em
tais localidades (At 9.20; 13.5;
18.4).
II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS
NOS TEMPOS DE JESUS
34
3. Conhecendo as sinagogas.
A preocupação dos
judeus para a construção
de sinagogas para o
estudo das Escrituras
serve como exemplo para
os discípulos de Jesus.
Tem a igreja dado o
devido valor para a
estrutura física da Escola
Dominical?
II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS
NOS TEMPOS DE JESUS
35
PENSE!
Sem a divina presença,
santuários religiosos são
como sepulcros caiados.
São belos por fora, mas
sem vida por dentro!
Profa.NayaraDamasceno
36
PONTO
IMPORTANTE!
Enquanto o Templo de
Jerusalém era único,
havia muitas sinagogas
espalhadas por toda a
Terra de Israel nos tempos
do Novo Testamento.
Profa.NayaraDamasceno
III - O ZELO DE JESUS PELO
TEMPLO
37
1. A dupla purificação
do Templo.
2. Zelo e reverência na
Casa de Deus.
3. Negócios com
palavras fingidas.
Profa.NayaraDamasceno
38
1. A dupla purificação do Templo.
Em duas ocasiões de seu ministério, Jesus purificou o Templo
expulsando aqueles que haviam transformado o santuário em
verdadeiro centro de comércio religioso.
III - O ZELO DE JESUS PELO
TEMPLO
Embora as transações
comerciais fossem
comuns, envolvendo,
principalmente, a
compra, a venda e a
troca de animais para
serem oferecidos como
sacrifício,
39
1. A dupla purificação do Templo.
Tal prática havia se tornado tão
trivial em Jerusalém que o
propósito da casa de oração
havia sido subvertido.
Os vendilhões converteram-na
em casa de vendas (Jo 2.16) e
covil de ladrões (Mt 21.13).
III - O ZELO DE JESUS PELO
TEMPLO
40
2. Zelo e reverência na Casa de Deus.
De forma implacável e
impetuosa, o amoroso Jesus
revela a face da justiça divina,
colocando para fora os
vendedores, compradores e,
até mesmo, os animais;
derribou mesas e espalhou o
dinheiro, em virtude do zelo
pela Casa de Deus (Jo 2.17; Sl
119.139).
III - O ZELO DE JESUS PELO
TEMPLO
41
2. Zelo e reverência na Casa de Deus.
O verdadeiro servo de Deus não tolera práticas mundanas e
carnais praticadas em qualquer que seja o lugar e, muito
menos, no santuário, lugar de reverência (Ec 5.1) e
adoração ao Senhor.
III - O ZELO DE JESUS PELO
TEMPLO
Como verdadeiro profeta, é
necessário ter coragem para
mostrar o erro e apartar-se dos
homens corruptos, fraudulentos,
que lucram com uma falsa
piedade (1 Tm 6.5).
42
Negócios com palavras fingidas.
O exemplo de Jesus
continua vívido e relevante
para os nossos dias.
Nesses tempos trabalhosos,
falsos mestres e falsos
doutores, por avareza, têm
transformado a igreja em
objeto de negócio (2 Pe
2.3), para satisfação
pessoal e lucro financeiro.
III - O ZELO DE JESUS PELO
TEMPLO
43
Negócios com palavras fingidas.
São verdadeiros aproveitadores da fé.
Contudo, o juízo divino para estes está
preparado. Como disse o apóstolo Pedro,
III - O ZELO DE JESUS PELO
TEMPLO
"sobre os quais já de
largo tempo não será
tardia a sentença, e a
sua perdição não
dormita“.
44
PENSE!
Nesses tempos
trabalhosos, falsos
mestres e falsos doutores,
por avareza, têm
transformado a igreja em
objeto de negócio para
satisfação pessoal e lucro
financeiro
Profa.NayaraDamasceno
45
PONTO
IMPORTANTE!
Jesus expulsou do
Templo aqueles que
haviam transformado o
santuário em verdadeiro
centro de comércio
religioso.
Profa.NayaraDamasceno
46
SUBSÍDIO
Profa.NayaraDamasceno
“Depois do templo de Salomão ter sido
destruído e enquanto os judeus estavam no
exílio, eles sobreviveram reunindo-se aos
sábados para aprender sobre a lei e as
tradições do seu povo. Essa prática
mostrou-se tão útil que, ao voltarem, os
judeus quiseram continuá-la e começaram
a construir lugares onde pudessem ‘reunir-
se’.
47
SUBSÍDIO
Profa.NayaraDamasceno
Esses lugares, conhecidos como sinagogas
(que significa literalmente lugares de
reunião), começaram a ser construídos
onde quer que houvesse pelo menos dez
homens adultos na comunidade. Na época
de Jesus, as sinagogas já eram conhecidas
em todo o território.
48
SUBSÍDIO
Profa.NayaraDamasceno
Não havia dificuldade em achá-las, visto
que se não estivessem no centro da
comunidade, eram construídas no ponto
mais alto, ou se tornavam o prédio mais
alto, por meio de alguma característica
arquitetônica, tal como um domo ou base
ampliada” (GOWER, Ralph. Usos e
Costumes dos Tempos Bíblicos. 1ª
Edição. RJ: CPAD. 2002, p.345).
49
CONCLUSÃO
Com o advento e obra de Cristo, a
ênfase do culto foi transferida do
santuário físico para o próprio
Senhor Jesus, no qual habita toda a
plenitude de Deus (Cl 2.9), que
materializou, em si, o propósito do
templo. E por isso, Ele mesmo disse
que chegou o momento em que os
verdadeiros adoradores adorarão ao
Pai em espírito e em verdade (Jo
4.23,24).
50
CONCLUSÃO
Além disso, cada crente, convertido e
transformado, é templo e morada do
Espírito do Altíssimo (1 Co 3.16). Não
obstante, ainda permanece a
finalidade e a importância do templo
da igreja, como local onde o povo de
Deus se reúne para cultuar, orar e
aprender a Palavra.
51
HORA DA REVISÃO
1. Onde Jesus estava ao ser encontrado por José e
Maria quando tinha doze anos de idade?
No Templo, assentado no meio dos doutores,
ouvindo-os e interrogando-os.
2. Por quantas reedificações o Templo de
Jerusalém passou após ter sido destruido em 586
a.C. por Nabucodonosor?
Duas.
3. Quem havia reconstruído o Templo existente na
época de Jesus?
Herodes, o Grande.
Profa.NayaraDamasceno
52
HORA DA REVISÃO
4. O que significa sinagoga?
Sinagoga (gr. synagōgē) tem o sentido de
assembleia, congregação de pessoas.
5. Qual a era principal função da sinagoga?
Função educativa, pois era o local para o estudo
da Lei.
Profa.NayaraDamasceno

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Panorama do AT - Daniel
Panorama do AT - DanielPanorama do AT - Daniel
Panorama do AT - Daniel
Respirando Deus
 
Livros históricos aula 2
Livros  históricos aula 2Livros  históricos aula 2
Livros históricos aula 2
Moisés Sampaio
 
2. introdução ao novo testamento
2.  introdução ao novo testamento2.  introdução ao novo testamento
2. introdução ao novo testamento
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Atos
AtosAtos
Panorama Antigo Testamento
Panorama Antigo TestamentoPanorama Antigo Testamento
Panorama Antigo Testamento
Dagmar Wendt
 
Panorama do NT - Atos
Panorama do NT - AtosPanorama do NT - Atos
Panorama do NT - Atos
Respirando Deus
 
15. O Livro de I Reis
15. O Livro de I Reis15. O Livro de I Reis
15. O Livro de I Reis
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
O Arrebatamento da Igreja
O Arrebatamento da IgrejaO Arrebatamento da Igreja
O Arrebatamento da Igreja
Márcio Martins
 
1. período interbíblico
1. período interbíblico1. período interbíblico
1. período interbíblico
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
Moisés Sampaio
 
7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01
Erivelton Rodrigues Nunes
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
Romulo Roosemberg
 
37. O profeta Obadias
37. O profeta Obadias37. O profeta Obadias
37. O profeta Obadias
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Disciplina de Escatologia
Disciplina de EscatologiaDisciplina de Escatologia
Disciplina de Escatologia
faculdadeteologica
 
Panorama Bíblico
Panorama Bíblico Panorama Bíblico
Panorama Bíblico
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
17. Cronograma dos Reis
17. Cronograma dos Reis17. Cronograma dos Reis
17. Cronograma dos Reis
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Panorama do NT - Mateus
Panorama do NT - MateusPanorama do NT - Mateus
Panorama do NT - Mateus
Respirando Deus
 

Mais procurados (20)

Panorama do AT - Daniel
Panorama do AT - DanielPanorama do AT - Daniel
Panorama do AT - Daniel
 
Livros históricos aula 2
Livros  históricos aula 2Livros  históricos aula 2
Livros históricos aula 2
 
2. introdução ao novo testamento
2.  introdução ao novo testamento2.  introdução ao novo testamento
2. introdução ao novo testamento
 
Atos
AtosAtos
Atos
 
Panorama Antigo Testamento
Panorama Antigo TestamentoPanorama Antigo Testamento
Panorama Antigo Testamento
 
Panorama do NT - Atos
Panorama do NT - AtosPanorama do NT - Atos
Panorama do NT - Atos
 
15. O Livro de I Reis
15. O Livro de I Reis15. O Livro de I Reis
15. O Livro de I Reis
 
O Arrebatamento da Igreja
O Arrebatamento da IgrejaO Arrebatamento da Igreja
O Arrebatamento da Igreja
 
1. período interbíblico
1. período interbíblico1. período interbíblico
1. período interbíblico
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
 
7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos
 
3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus
 
Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
 
37. O profeta Obadias
37. O profeta Obadias37. O profeta Obadias
37. O profeta Obadias
 
Disciplina de Escatologia
Disciplina de EscatologiaDisciplina de Escatologia
Disciplina de Escatologia
 
Panorama Bíblico
Panorama Bíblico Panorama Bíblico
Panorama Bíblico
 
17. Cronograma dos Reis
17. Cronograma dos Reis17. Cronograma dos Reis
17. Cronograma dos Reis
 
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
 
Panorama do NT - Mateus
Panorama do NT - MateusPanorama do NT - Mateus
Panorama do NT - Mateus
 

Destaque

Estudo sobre o templo do senhor
Estudo sobre o templo do senhorEstudo sobre o templo do senhor
Estudo sobre o templo do senhor
Irmão Jáder
 
A Palestina no tempo de Jesus - n. 8
A Palestina no tempo de Jesus - n. 8A Palestina no tempo de Jesus - n. 8
A Palestina no tempo de Jesus - n. 8
Graça Maciel
 
Templo de Salomão
Templo de SalomãoTemplo de Salomão
Templo de Salomão
Adilson Souza
 
Lição 6 JESUS O TEMPLO E A SINAGOGA
Lição 6  JESUS O TEMPLO  E A SINAGOGALição 6  JESUS O TEMPLO  E A SINAGOGA
Lição 6 JESUS O TEMPLO E A SINAGOGA
Ev.Antonio Vieira
 
O TEMPLO DE SALOMÃO
O TEMPLO DE SALOMÃOO TEMPLO DE SALOMÃO
O TEMPLO DE SALOMÃO
oberdanguimaraes
 
Jesus e o Templo
Jesus e o TemploJesus e o Templo
Jesus e o Templo
Graça Maciel
 
13 templos de jerusalem
13   templos de jerusalem13   templos de jerusalem
13 templos de jerusalem
jasbranco
 
Aula o mundo na época de Jesus
Aula o mundo na época de JesusAula o mundo na época de Jesus
Aula o mundo na época de Jesus
tyromello
 
Cateq pt 12
Cateq pt 12Cateq pt 12
Cateq pt 12
Cursos Católicos
 
Lição 12 | Jesus em Jerusalém | Escola Sabatina | Power Point
Lição 12 | Jesus em Jerusalém | Escola Sabatina | Power PointLição 12 | Jesus em Jerusalém | Escola Sabatina | Power Point
Lição 12 | Jesus em Jerusalém | Escola Sabatina | Power Point
jespadill
 
A vida de Jesus
A vida de JesusA vida de Jesus
A vida de Jesus
ministerioinfantilafupm
 
Cateq Es 28
Cateq Es 28Cateq Es 28
Cateq Es 28
SOYCATOLICO
 
A FUGA PARA O EGITO
A FUGA PARA O EGITOA FUGA PARA O EGITO
A FUGA PARA O EGITO
nelmarvoc
 
Cantar o Tríduo Pascal
Cantar o Tríduo PascalCantar o Tríduo Pascal
Cantar o Tríduo Pascal
Fábio Vasconcelos
 
Judaísmo / Algunas manifestaciones de fe
Judaísmo / Algunas manifestaciones de feJudaísmo / Algunas manifestaciones de fe
Judaísmo / Algunas manifestaciones de fe
Carlos Jardón
 
Por Uma Adoração Completa
Por Uma  Adoração CompletaPor Uma  Adoração Completa
Por Uma Adoração Completa
Allen Porto
 
Lição 13 A morte de eliseu
Lição 13 A morte de eliseuLição 13 A morte de eliseu
Lição 13 A morte de eliseu
Daniel Viana
 
Jesus e as sinagogas
Jesus e as sinagogasJesus e as sinagogas
Jesus e as sinagogas
Graça Maciel
 
Grupo de Louvor, Igreja & Adoração
Grupo de Louvor, Igreja & AdoraçãoGrupo de Louvor, Igreja & Adoração
Grupo de Louvor, Igreja & Adoração
Elder Moraes
 

Destaque (20)

Estudo sobre o templo do senhor
Estudo sobre o templo do senhorEstudo sobre o templo do senhor
Estudo sobre o templo do senhor
 
A Palestina no tempo de Jesus - n. 8
A Palestina no tempo de Jesus - n. 8A Palestina no tempo de Jesus - n. 8
A Palestina no tempo de Jesus - n. 8
 
Templo de Salomão
Templo de SalomãoTemplo de Salomão
Templo de Salomão
 
Lição 6 JESUS O TEMPLO E A SINAGOGA
Lição 6  JESUS O TEMPLO  E A SINAGOGALição 6  JESUS O TEMPLO  E A SINAGOGA
Lição 6 JESUS O TEMPLO E A SINAGOGA
 
O TEMPLO DE SALOMÃO
O TEMPLO DE SALOMÃOO TEMPLO DE SALOMÃO
O TEMPLO DE SALOMÃO
 
Jesus e o Templo
Jesus e o TemploJesus e o Templo
Jesus e o Templo
 
13 templos de jerusalem
13   templos de jerusalem13   templos de jerusalem
13 templos de jerusalem
 
Aula o mundo na época de Jesus
Aula o mundo na época de JesusAula o mundo na época de Jesus
Aula o mundo na época de Jesus
 
Cateq pt 12
Cateq pt 12Cateq pt 12
Cateq pt 12
 
Lição 12 | Jesus em Jerusalém | Escola Sabatina | Power Point
Lição 12 | Jesus em Jerusalém | Escola Sabatina | Power PointLição 12 | Jesus em Jerusalém | Escola Sabatina | Power Point
Lição 12 | Jesus em Jerusalém | Escola Sabatina | Power Point
 
A vida de Jesus
A vida de JesusA vida de Jesus
A vida de Jesus
 
Cateq pt 54
Cateq pt 54Cateq pt 54
Cateq pt 54
 
Cateq Es 28
Cateq Es 28Cateq Es 28
Cateq Es 28
 
A FUGA PARA O EGITO
A FUGA PARA O EGITOA FUGA PARA O EGITO
A FUGA PARA O EGITO
 
Cantar o Tríduo Pascal
Cantar o Tríduo PascalCantar o Tríduo Pascal
Cantar o Tríduo Pascal
 
Judaísmo / Algunas manifestaciones de fe
Judaísmo / Algunas manifestaciones de feJudaísmo / Algunas manifestaciones de fe
Judaísmo / Algunas manifestaciones de fe
 
Por Uma Adoração Completa
Por Uma  Adoração CompletaPor Uma  Adoração Completa
Por Uma Adoração Completa
 
Lição 13 A morte de eliseu
Lição 13 A morte de eliseuLição 13 A morte de eliseu
Lição 13 A morte de eliseu
 
Jesus e as sinagogas
Jesus e as sinagogasJesus e as sinagogas
Jesus e as sinagogas
 
Grupo de Louvor, Igreja & Adoração
Grupo de Louvor, Igreja & AdoraçãoGrupo de Louvor, Igreja & Adoração
Grupo de Louvor, Igreja & Adoração
 

Semelhante a Lição 6 jesus, o templo e a sinagoga ebd

O ministério de mestre e doutor
O ministério de mestre e doutorO ministério de mestre e doutor
O ministério de mestre e doutor
Adenísio dos Reis
 
A casa do senhor (james e. talmage) sudbr (c) 2014
A casa do senhor (james e. talmage) sudbr (c) 2014A casa do senhor (james e. talmage) sudbr (c) 2014
A casa do senhor (james e. talmage) sudbr (c) 2014
Sérgio Luiz Pereira Campos
 
A casa do senhor (james e. talmage) sudbr (c) 2014
A casa do senhor (james e. talmage) sudbr (c) 2014A casa do senhor (james e. talmage) sudbr (c) 2014
A casa do senhor (james e. talmage) sudbr (c) 2014
Daiane Patricia Kocinba
 
1º Trimestre 2014 Lição 9 Um lugar de adoração no deserto
1º Trimestre 2014 Lição 9  Um lugar de adoração no deserto1º Trimestre 2014 Lição 9  Um lugar de adoração no deserto
1º Trimestre 2014 Lição 9 Um lugar de adoração no deserto
Anderson Silva
 
NTI-_EVANGELHOS_E_ATOS[1].pdf
NTI-_EVANGELHOS_E_ATOS[1].pdfNTI-_EVANGELHOS_E_ATOS[1].pdf
NTI-_EVANGELHOS_E_ATOS[1].pdf
ErlandsonBarbosa
 
Aula Da Ebd
Aula Da EbdAula Da Ebd
Aula Da Ebd
Silas Duarte Jr
 
LIÇÃO 10 – O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR
LIÇÃO 10 – O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTORLIÇÃO 10 – O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR
LIÇÃO 10 – O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR
Ismael Isidio
 
ppt-mm-licao06-jesusrestaurador.pptx
ppt-mm-licao06-jesusrestaurador.pptxppt-mm-licao06-jesusrestaurador.pptx
ppt-mm-licao06-jesusrestaurador.pptx
AntnioRodriguesNeto1
 
História da EBD.pptx
História da EBD.pptxHistória da EBD.pptx
História da EBD.pptx
AssembliadeDeusMinis5
 
A historia e importancia da ebd(plenária – 01)
A historia e importancia da ebd(plenária – 01)A historia e importancia da ebd(plenária – 01)
A historia e importancia da ebd(plenária – 01)
Antonio Filho
 
Carta aberta de dom Tomás Balduino aos bispos sobre construção de catedrais
Carta aberta de dom Tomás Balduino aos bispos sobre construção de catedraisCarta aberta de dom Tomás Balduino aos bispos sobre construção de catedrais
Carta aberta de dom Tomás Balduino aos bispos sobre construção de catedrais
Concilio 50 anos
 
Treinamento vineyard - Descobrindo o Reino Aula 6.pptx
Treinamento vineyard - Descobrindo o Reino Aula 6.pptxTreinamento vineyard - Descobrindo o Reino Aula 6.pptx
Treinamento vineyard - Descobrindo o Reino Aula 6.pptx
KelsonSantosSousa
 
Absg 12-q3-p-l01-t
Absg 12-q3-p-l01-tAbsg 12-q3-p-l01-t
Absg 12-q3-p-l01-t
Flor Aranda
 
Lição 9: Trabalhando na Judeia
Lição 9: Trabalhando na JudeiaLição 9: Trabalhando na Judeia
Lição 9: Trabalhando na Judeia
Quenia Damata
 
Postila para igreja em células
Postila para igreja em célulasPostila para igreja em células
Postila para igreja em células
Joao Rumpel
 
Espaço Litúrgico - Introdução
Espaço Litúrgico - IntroduçãoEspaço Litúrgico - Introdução
Espaço Litúrgico - Introdução
Arquitetura Sacra Católica
 
INOVAÇÕES E MODISMOS DENTRO DA IGREJA
INOVAÇÕES E MODISMOS DENTRO DA IGREJAINOVAÇÕES E MODISMOS DENTRO DA IGREJA
INOVAÇÕES E MODISMOS DENTRO DA IGREJA
Celso do Rozário Brasil Gonçalves
 
11
1111
Doutrina da igreja
Doutrina da igrejaDoutrina da igreja
Doutrina da igreja
ugleybson
 
Lição_01.pptx
Lição_01.pptxLição_01.pptx
Lição_01.pptx
ssuserae7cb3
 

Semelhante a Lição 6 jesus, o templo e a sinagoga ebd (20)

O ministério de mestre e doutor
O ministério de mestre e doutorO ministério de mestre e doutor
O ministério de mestre e doutor
 
A casa do senhor (james e. talmage) sudbr (c) 2014
A casa do senhor (james e. talmage) sudbr (c) 2014A casa do senhor (james e. talmage) sudbr (c) 2014
A casa do senhor (james e. talmage) sudbr (c) 2014
 
A casa do senhor (james e. talmage) sudbr (c) 2014
A casa do senhor (james e. talmage) sudbr (c) 2014A casa do senhor (james e. talmage) sudbr (c) 2014
A casa do senhor (james e. talmage) sudbr (c) 2014
 
1º Trimestre 2014 Lição 9 Um lugar de adoração no deserto
1º Trimestre 2014 Lição 9  Um lugar de adoração no deserto1º Trimestre 2014 Lição 9  Um lugar de adoração no deserto
1º Trimestre 2014 Lição 9 Um lugar de adoração no deserto
 
NTI-_EVANGELHOS_E_ATOS[1].pdf
NTI-_EVANGELHOS_E_ATOS[1].pdfNTI-_EVANGELHOS_E_ATOS[1].pdf
NTI-_EVANGELHOS_E_ATOS[1].pdf
 
Aula Da Ebd
Aula Da EbdAula Da Ebd
Aula Da Ebd
 
LIÇÃO 10 – O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR
LIÇÃO 10 – O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTORLIÇÃO 10 – O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR
LIÇÃO 10 – O MINISTÉRIO DE MESTRE OU DOUTOR
 
ppt-mm-licao06-jesusrestaurador.pptx
ppt-mm-licao06-jesusrestaurador.pptxppt-mm-licao06-jesusrestaurador.pptx
ppt-mm-licao06-jesusrestaurador.pptx
 
História da EBD.pptx
História da EBD.pptxHistória da EBD.pptx
História da EBD.pptx
 
A historia e importancia da ebd(plenária – 01)
A historia e importancia da ebd(plenária – 01)A historia e importancia da ebd(plenária – 01)
A historia e importancia da ebd(plenária – 01)
 
Carta aberta de dom Tomás Balduino aos bispos sobre construção de catedrais
Carta aberta de dom Tomás Balduino aos bispos sobre construção de catedraisCarta aberta de dom Tomás Balduino aos bispos sobre construção de catedrais
Carta aberta de dom Tomás Balduino aos bispos sobre construção de catedrais
 
Treinamento vineyard - Descobrindo o Reino Aula 6.pptx
Treinamento vineyard - Descobrindo o Reino Aula 6.pptxTreinamento vineyard - Descobrindo o Reino Aula 6.pptx
Treinamento vineyard - Descobrindo o Reino Aula 6.pptx
 
Absg 12-q3-p-l01-t
Absg 12-q3-p-l01-tAbsg 12-q3-p-l01-t
Absg 12-q3-p-l01-t
 
Lição 9: Trabalhando na Judeia
Lição 9: Trabalhando na JudeiaLição 9: Trabalhando na Judeia
Lição 9: Trabalhando na Judeia
 
Postila para igreja em células
Postila para igreja em célulasPostila para igreja em células
Postila para igreja em células
 
Espaço Litúrgico - Introdução
Espaço Litúrgico - IntroduçãoEspaço Litúrgico - Introdução
Espaço Litúrgico - Introdução
 
INOVAÇÕES E MODISMOS DENTRO DA IGREJA
INOVAÇÕES E MODISMOS DENTRO DA IGREJAINOVAÇÕES E MODISMOS DENTRO DA IGREJA
INOVAÇÕES E MODISMOS DENTRO DA IGREJA
 
11
1111
11
 
Doutrina da igreja
Doutrina da igrejaDoutrina da igreja
Doutrina da igreja
 
Lição_01.pptx
Lição_01.pptxLição_01.pptx
Lição_01.pptx
 

Mais de Nayara Mayla Brito Damasceno

Temas para trabalhos com jovens
Temas para trabalhos com jovensTemas para trabalhos com jovens
Temas para trabalhos com jovens
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
Escolas da teologia parte nayara
Escolas da teologia   parte nayaraEscolas da teologia   parte nayara
Escolas da teologia parte nayara
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
Tabela de jejum semanal
Tabela de jejum semanalTabela de jejum semanal
Tabela de jejum semanal
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
Lição 11 a superexposição midiática da igreja ebd
Lição 11 a superexposição midiática da igreja ebdLição 11 a superexposição midiática da igreja ebd
Lição 11 a superexposição midiática da igreja ebd
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
Lição 10 a ascensão econômica ebd
Lição 10 a ascensão econômica ebdLição 10 a ascensão econômica ebd
Lição 10 a ascensão econômica ebd
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
Lição 9 a nova religiosidade ebd
Lição 9   a nova religiosidade ebdLição 9   a nova religiosidade ebd
Lição 9 a nova religiosidade ebd
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
Lição 8 as mudanças dos valores morais ebd
Lição 8  as mudanças dos valores morais ebdLição 8  as mudanças dos valores morais ebd
Lição 8 as mudanças dos valores morais ebd
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
Lição 7 as catástrofes ambientais ebd
Lição 7  as catástrofes ambientais  ebdLição 7  as catástrofes ambientais  ebd
Lição 7 as catástrofes ambientais ebd
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
Lição 6 o avanço científico - ebd
Lição 6   o avanço científico - ebdLição 6   o avanço científico - ebd
Lição 6 o avanço científico - ebd
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
Lição 5 as epidemias globais - ebd
Lição 5    as epidemias globais - ebdLição 5    as epidemias globais - ebd
Lição 5 as epidemias globais - ebd
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
Lição 4 a era da informação instantânea - ebd
Lição 4   a era da informação instantânea - ebdLição 4   a era da informação instantânea - ebd
Lição 4 a era da informação instantânea - ebd
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
Lição 3 o terrorismo marca o novo século ebd
Lição 3   o terrorismo marca o novo século   ebdLição 3   o terrorismo marca o novo século   ebd
Lição 3 o terrorismo marca o novo século ebd
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
Lição 2 o processo de globalização ebd
Lição 2   o processo de globalização  ebdLição 2   o processo de globalização  ebd
Lição 2 o processo de globalização ebd
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
Lição 1 a igreja em um mundo novo ebd
Lição 1   a igreja em um mundo novo  ebdLição 1   a igreja em um mundo novo  ebd
Lição 1 a igreja em um mundo novo ebd
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
Lição 13 os servos de jesus, sal da terra e luz do mundo ebd
Lição 13   os servos de jesus, sal da terra e luz do mundo  ebdLição 13   os servos de jesus, sal da terra e luz do mundo  ebd
Lição 13 os servos de jesus, sal da terra e luz do mundo ebd
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
Lição 12 os discípulos de jesus e a participação política ebd
Lição 12   os discípulos de jesus e a participação política  ebdLição 12   os discípulos de jesus e a participação política  ebd
Lição 12 os discípulos de jesus e a participação política ebd
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
Lição 11 os discípulos de jesus e a questão ambiental ebd
Lição 11   os discípulos de jesus e a questão ambiental  ebdLição 11   os discípulos de jesus e a questão ambiental  ebd
Lição 11 os discípulos de jesus e a questão ambiental ebd
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
Lição 10 o discípulo de jesus e os movimentos sociais ebd
Lição 10   o discípulo de jesus e os movimentos sociais  ebdLição 10   o discípulo de jesus e os movimentos sociais  ebd
Lição 10 o discípulo de jesus e os movimentos sociais ebd
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
Lição 9 jesus e a cobiça dos homens ebd
Lição 9   jesus e a cobiça dos homens ebdLição 9   jesus e a cobiça dos homens ebd
Lição 9 jesus e a cobiça dos homens ebd
Nayara Mayla Brito Damasceno
 
Lição 8 jesus e as minorias ebd
Lição 8   jesus e as minorias ebdLição 8   jesus e as minorias ebd
Lição 8 jesus e as minorias ebd
Nayara Mayla Brito Damasceno
 

Mais de Nayara Mayla Brito Damasceno (20)

Temas para trabalhos com jovens
Temas para trabalhos com jovensTemas para trabalhos com jovens
Temas para trabalhos com jovens
 
Escolas da teologia parte nayara
Escolas da teologia   parte nayaraEscolas da teologia   parte nayara
Escolas da teologia parte nayara
 
Tabela de jejum semanal
Tabela de jejum semanalTabela de jejum semanal
Tabela de jejum semanal
 
Lição 11 a superexposição midiática da igreja ebd
Lição 11 a superexposição midiática da igreja ebdLição 11 a superexposição midiática da igreja ebd
Lição 11 a superexposição midiática da igreja ebd
 
Lição 10 a ascensão econômica ebd
Lição 10 a ascensão econômica ebdLição 10 a ascensão econômica ebd
Lição 10 a ascensão econômica ebd
 
Lição 9 a nova religiosidade ebd
Lição 9   a nova religiosidade ebdLição 9   a nova religiosidade ebd
Lição 9 a nova religiosidade ebd
 
Lição 8 as mudanças dos valores morais ebd
Lição 8  as mudanças dos valores morais ebdLição 8  as mudanças dos valores morais ebd
Lição 8 as mudanças dos valores morais ebd
 
Lição 7 as catástrofes ambientais ebd
Lição 7  as catástrofes ambientais  ebdLição 7  as catástrofes ambientais  ebd
Lição 7 as catástrofes ambientais ebd
 
Lição 6 o avanço científico - ebd
Lição 6   o avanço científico - ebdLição 6   o avanço científico - ebd
Lição 6 o avanço científico - ebd
 
Lição 5 as epidemias globais - ebd
Lição 5    as epidemias globais - ebdLição 5    as epidemias globais - ebd
Lição 5 as epidemias globais - ebd
 
Lição 4 a era da informação instantânea - ebd
Lição 4   a era da informação instantânea - ebdLição 4   a era da informação instantânea - ebd
Lição 4 a era da informação instantânea - ebd
 
Lição 3 o terrorismo marca o novo século ebd
Lição 3   o terrorismo marca o novo século   ebdLição 3   o terrorismo marca o novo século   ebd
Lição 3 o terrorismo marca o novo século ebd
 
Lição 2 o processo de globalização ebd
Lição 2   o processo de globalização  ebdLição 2   o processo de globalização  ebd
Lição 2 o processo de globalização ebd
 
Lição 1 a igreja em um mundo novo ebd
Lição 1   a igreja em um mundo novo  ebdLição 1   a igreja em um mundo novo  ebd
Lição 1 a igreja em um mundo novo ebd
 
Lição 13 os servos de jesus, sal da terra e luz do mundo ebd
Lição 13   os servos de jesus, sal da terra e luz do mundo  ebdLição 13   os servos de jesus, sal da terra e luz do mundo  ebd
Lição 13 os servos de jesus, sal da terra e luz do mundo ebd
 
Lição 12 os discípulos de jesus e a participação política ebd
Lição 12   os discípulos de jesus e a participação política  ebdLição 12   os discípulos de jesus e a participação política  ebd
Lição 12 os discípulos de jesus e a participação política ebd
 
Lição 11 os discípulos de jesus e a questão ambiental ebd
Lição 11   os discípulos de jesus e a questão ambiental  ebdLição 11   os discípulos de jesus e a questão ambiental  ebd
Lição 11 os discípulos de jesus e a questão ambiental ebd
 
Lição 10 o discípulo de jesus e os movimentos sociais ebd
Lição 10   o discípulo de jesus e os movimentos sociais  ebdLição 10   o discípulo de jesus e os movimentos sociais  ebd
Lição 10 o discípulo de jesus e os movimentos sociais ebd
 
Lição 9 jesus e a cobiça dos homens ebd
Lição 9   jesus e a cobiça dos homens ebdLição 9   jesus e a cobiça dos homens ebd
Lição 9 jesus e a cobiça dos homens ebd
 
Lição 8 jesus e as minorias ebd
Lição 8   jesus e as minorias ebdLição 8   jesus e as minorias ebd
Lição 8 jesus e as minorias ebd
 

Último

A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (16)

A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 

Lição 6 jesus, o templo e a sinagoga ebd

  • 1. JESUS, O TEMPLO E A SINAGOGA 2º Trimestre de 2015 Lição 6 Profa. Nayara Damasceno
  • 2. TEXTO DO DIA 2 E percorria Jesus toda a Galileia, ensinando nas suas sinagogas e pregando o evangelho do Reino, e curando todas as enfermidades e moléstias entre o povo"(Mt 4.23). Profa.NayaraDamasceno
  • 3. SÍNTESE 3 O templo religioso não é sagrado em si mesmo, mas deve ser tratado com zelo e respeito, como local de reunião, estudo da Palavra e adoração a Deus. Profa.NayaraDamasceno
  • 4. OBJETIVOS 4 MOSTRAR as características do Templo de Jerusalém e das sinagogas da época do Novo Testamento; COMPREENDER o zelo que Jesus tinha pela Casa de Deus; SABER como se relacionar adequadamente com o templo religioso nos dias atuais.
  • 5. INTERAÇÃO  Atualmente, uma parcela considerável de cristãos está entorpecida pelo engano da teologia da “Igreja Emergente”.  Estes acreditam e propagam a falsa ideia de que a Igreja não tem importância alguma na vida espiritual do servo de Deus.  Por isso, ir ou deixar de ir à igreja local, afirmam eles, não faz muita diferença. 5
  • 6. INTERAÇÃO  Tal pensamento tem feito surgir uma visão distorcida a respeito da Igreja. Para combater esse equívoco teológico, nada melhor do que nos voltarmos para as páginas do Novo Testamento, com o objetivo de confirmar a constante presença do Mestre no Templo de Jerusalém e nas sinagogas, ensinando sobre o Reino de Deus e curando as pessoas. Exemplo este que foi seguido pelos discípulos e pela Igreja em seu alvorecer. 6
  • 7. ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA 7 • Os prédios tinham o dobro dos de Salomão e Zorobabel; • Os pátios tinham pavimento de mármore e parte do prédio era revestido de ouro; • O Templo refletia o progresso das divisões na fé. Havia um pátio dos gentios — onde só gentios podiam entrar; pátio das mulheres, dos homens e dos sacerdotes, que indicavam os limites até onde a pessoa podia ir ao encaminhar-se para o santuário central; • O pátio dos gentios era ao mesmo tempo uma via pública, um mercado e um lugar de negócios.
  • 9. 1º O templo de Salomão 2º O templo de Zorobabel 3º O templo de Herodes Três momentos da história do povo de Deus
  • 10. INTRODUÇÃO 10 Na lição de hoje, estudaremos a respeito do Templo e as sinagogas nos tempos de Jesus. Vamos entender quais foram as suas características e porque os Evangelhos destacam a presença constante do Mestre em tais ambientes, do seu nascimento ao fim do seu ministério.
  • 11. INTRODUÇÃO 11 O estudo das Escrituras sobre esse tema será importante para rechaçar aqueles que menosprezam o templo religioso, assim como a concepção igualmente equivocada e extrema que os considera como edifícios sagrados.
  • 12. I - JESUS VISITA O TEMPLO (LC 2.21-29; 41-51) 12 Profa.NayaraDamasceno 1. Apresentação no Templo. 2. Aprendendo no Templo.
  • 13. 13 1. Apresentação no Templo. Logo após o nascimento do menino Jesus, José e Maria, seguindo a tradição judaica, levaram-no para ser apresentado no Templo. O evangelho de Lucas registra que, "cumprindo-se os dias da purificação, segundo a lei de Moisés, o levaram a Jerusalém, para o apresentarem ao Senhor" (Lc 2.22). I - JESUS VISITA O TEMPLO (LC 2.21-29; 41-51)
  • 14. 14 1. Apresentação no Templo. Isso porque, de acordo com a lei, todo primogênito do sexo masculino deveria ser consagrado a Deus (v. 23; Êx 13.2), depois do período de purificação da mulher (Lv 12.1-8). I - JESUS VISITA O TEMPLO (LC 2.21-29; 41-51)
  • 15. 15 2. Aprendendo no Templo. Uma vez ao ano, os pais de Jesus iam a Jerusalém para participarem da Festa da Páscoa. Em uma dessas ocasiões, quando a família retornava para sua cidade, depois do término da celebração, José e Maria perceberam que o menino não estava entre eles (Lc 2.41-44). Como não o encontravam entre os parentes e conhecidos (v.45), regressaram até Jerusalém à sua procura: I - JESUS VISITA O TEMPLO (LC 2.21-29; 41-51)
  • 16. 16 2. Aprendendo no Templo. "E aconteceu que, passados três dias, o acharam no templo, assentado no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os. E todos os que o ouviam admiravam a sua inteligência e respostas" (vv. 46, 47). I - JESUS VISITA O TEMPLO (LC 2.21-29; 41-51)
  • 17. 17 2. Aprendendo no Templo. I - JESUS VISITA O TEMPLO (LC 2.21-29; 41-51) Este episódio nos mostra o valor que Jesus, ainda moço, dava à Casa de Deus e ao estudo da Palavra; como resultado, Ele crescia não somente em estatura, mas também em sabedoria, e em graça para com Deus e os homens (Lc 2.52).
  • 18. 18 2. Aprendendo no Templo. I - JESUS VISITA O TEMPLO (LC 2.21-29; 41-51) A narrativa bíblica nos leva a compreender que Jesus alegrava-se em sentir a presença de Deus no Templo, aprendendo a sua Palavra.
  • 19. 19 2. Aprendendo no Templo. I - JESUS VISITA O TEMPLO (LC 2.21-29; 41-51) O salmista expressou júbilo semelhante ao dizer: Quando não sentimos deleite em estar na Casa de Deus, precisamos rever a nossa vida espiritual.
  • 20. 20 PENSE! Quando não sentimos deleite em estar na Casa de Deus, precisamos rever a nossa vida espiritual. Profa.NayaraDamasceno
  • 21. 21 PONTO IMPORTANTE! Seguindo a tradição judaica, o menino Jesus foi apresentado no Templo. Profa.NayaraDamasceno
  • 22. II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS NOS TEMPOS DE JESUS 22 1. Templo de Jerusalém. 2. Jesus no Templo. 3. Conhecendo as sinagogas.
  • 23. 23 1. Templo de Jerusalém. Para Israel, o templo sagrado localizado em Jerusalém possuía significado especial, pois simbolizava a presença constante de Deus entre seu povo, sendo o principal local de culto e oferta de sacrifícios. II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS NOS TEMPOS DE JESUS Templo de Salomão
  • 24. 24 1. Templo de Jerusalém. Construído durante o reinado de Salomão (1 Rs 6), como uma réplica da planta do tabernáculo, o santuário passou por duas reedificações após ter sido destruído em 586 a.C por Nabucodonosor, rei da Babilônia (2 Rs 25.13-17). II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS NOS TEMPOS DE JESUS Tabernáculo
  • 25. 25 1. Templo de Jerusalém. A primeira aconteceu depois do retorno dos judeus do cativeiro babilônico, sob a liderança de Zorobabel (Ed 3.8) e exortação dos profetas Ageu e Zacarias (Ed 5-6). II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS NOS TEMPOS DE JESUS Templo de Zorababel
  • 26. 26 1. Templo de Jerusalém. Em 19 a.C., Herodes, o Grande, na tentativa de apaziguar os ânimos dos judeus e ganhar popularidade, iniciou a reconstrução do segundo templo. O Templo de Herodes, como era chamado, impressionava por sua beleza e imponência arquitetônica. Era uma das maravilhas do mundo antigo e, por isso, recebia judeus e, até mesmo, gentios de várias partes. II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS NOS TEMPOS DE JESUS
  • 27. 27 1. Templo de Jerusalém. II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS NOS TEMPOS DE JESUS Templo de Herodes
  • 28. 28 2. Jesus no Templo.  O Mestre costumava frequentar a parte externa deste Templo para proferir seus ensinamentos (Lc 21.38, Jo 7.14) e curar os enfermos. Apesar da sua importância como local de reunião e de culto, Jesus deixou transparecer que o edifício não tinha valor sagrado em si mesmo, pois, além de ser transitório (Mt 24.1,2) não era maior do que o Filho de Deus (Mt 12.6). II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS NOS TEMPOS DE JESUS
  • 29. 29 2. Jesus no Templo.  Aplicando essas verdades para os dias atuais, entendemos que o bem mais valioso no templo não é a beleza da sua estrutura física ou o conforto que proporciona aos crentes. II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS NOS TEMPOS DE JESUS
  • 30. 30 2. Jesus no Templo. O que mais importa é a manifestação da glória de Deus no meio do seu povo (Ez. 43.5). Sem a divina presença, santuários religiosos são como sepulcros caiados. São belos por fora, mas sem vida por dentro! II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS NOS TEMPOS DE JESUS
  • 31. 31 3. Conhecendo as sinagogas.  Os Evangelhos também mostram que o Nazareno costumava pregar e ensinar nas sinagogas acerca do Reino de Deus (Lc 4.44; 13.10; Mt 12.9; Mc 1.39). No original, sinagoga (gr. synagoge) tem o sentido de assembleia, congregação de pessoas. II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS NOS TEMPOS DE JESUS
  • 32. 32 3. Conhecendo as sinagogas. O Dicionário Bíblico Wycliffe registra que, no judaísmo, enquanto o Templo era o lugar do culto, A sinagoga tinha uma função educativa: era o local para o estudo da lei. Mas, com o passar do tempo, as sinagogas passaram a servir também como espaço para a adoração, principalmente para os judeus que moravam a grandes distâncias de Jerusalém. II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS NOS TEMPOS DE JESUS
  • 33. 33 3. Conhecendo as sinagogas.  Portanto, diferentemente do Templo que era único, haviam muitas sinagogas espalhadas por toda a Terra de Israel nos tempos do Novo Testamento. Tanto é assim que a Igreja Primitiva, seguindo o exemplo do Mestre, floresceu anunciando o Evangelho em tais localidades (At 9.20; 13.5; 18.4). II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS NOS TEMPOS DE JESUS
  • 34. 34 3. Conhecendo as sinagogas. A preocupação dos judeus para a construção de sinagogas para o estudo das Escrituras serve como exemplo para os discípulos de Jesus. Tem a igreja dado o devido valor para a estrutura física da Escola Dominical? II - O TEMPLO E AS SINAGOGAS NOS TEMPOS DE JESUS
  • 35. 35 PENSE! Sem a divina presença, santuários religiosos são como sepulcros caiados. São belos por fora, mas sem vida por dentro! Profa.NayaraDamasceno
  • 36. 36 PONTO IMPORTANTE! Enquanto o Templo de Jerusalém era único, havia muitas sinagogas espalhadas por toda a Terra de Israel nos tempos do Novo Testamento. Profa.NayaraDamasceno
  • 37. III - O ZELO DE JESUS PELO TEMPLO 37 1. A dupla purificação do Templo. 2. Zelo e reverência na Casa de Deus. 3. Negócios com palavras fingidas. Profa.NayaraDamasceno
  • 38. 38 1. A dupla purificação do Templo. Em duas ocasiões de seu ministério, Jesus purificou o Templo expulsando aqueles que haviam transformado o santuário em verdadeiro centro de comércio religioso. III - O ZELO DE JESUS PELO TEMPLO Embora as transações comerciais fossem comuns, envolvendo, principalmente, a compra, a venda e a troca de animais para serem oferecidos como sacrifício,
  • 39. 39 1. A dupla purificação do Templo. Tal prática havia se tornado tão trivial em Jerusalém que o propósito da casa de oração havia sido subvertido. Os vendilhões converteram-na em casa de vendas (Jo 2.16) e covil de ladrões (Mt 21.13). III - O ZELO DE JESUS PELO TEMPLO
  • 40. 40 2. Zelo e reverência na Casa de Deus. De forma implacável e impetuosa, o amoroso Jesus revela a face da justiça divina, colocando para fora os vendedores, compradores e, até mesmo, os animais; derribou mesas e espalhou o dinheiro, em virtude do zelo pela Casa de Deus (Jo 2.17; Sl 119.139). III - O ZELO DE JESUS PELO TEMPLO
  • 41. 41 2. Zelo e reverência na Casa de Deus. O verdadeiro servo de Deus não tolera práticas mundanas e carnais praticadas em qualquer que seja o lugar e, muito menos, no santuário, lugar de reverência (Ec 5.1) e adoração ao Senhor. III - O ZELO DE JESUS PELO TEMPLO Como verdadeiro profeta, é necessário ter coragem para mostrar o erro e apartar-se dos homens corruptos, fraudulentos, que lucram com uma falsa piedade (1 Tm 6.5).
  • 42. 42 Negócios com palavras fingidas. O exemplo de Jesus continua vívido e relevante para os nossos dias. Nesses tempos trabalhosos, falsos mestres e falsos doutores, por avareza, têm transformado a igreja em objeto de negócio (2 Pe 2.3), para satisfação pessoal e lucro financeiro. III - O ZELO DE JESUS PELO TEMPLO
  • 43. 43 Negócios com palavras fingidas. São verdadeiros aproveitadores da fé. Contudo, o juízo divino para estes está preparado. Como disse o apóstolo Pedro, III - O ZELO DE JESUS PELO TEMPLO "sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita“.
  • 44. 44 PENSE! Nesses tempos trabalhosos, falsos mestres e falsos doutores, por avareza, têm transformado a igreja em objeto de negócio para satisfação pessoal e lucro financeiro Profa.NayaraDamasceno
  • 45. 45 PONTO IMPORTANTE! Jesus expulsou do Templo aqueles que haviam transformado o santuário em verdadeiro centro de comércio religioso. Profa.NayaraDamasceno
  • 46. 46 SUBSÍDIO Profa.NayaraDamasceno “Depois do templo de Salomão ter sido destruído e enquanto os judeus estavam no exílio, eles sobreviveram reunindo-se aos sábados para aprender sobre a lei e as tradições do seu povo. Essa prática mostrou-se tão útil que, ao voltarem, os judeus quiseram continuá-la e começaram a construir lugares onde pudessem ‘reunir- se’.
  • 47. 47 SUBSÍDIO Profa.NayaraDamasceno Esses lugares, conhecidos como sinagogas (que significa literalmente lugares de reunião), começaram a ser construídos onde quer que houvesse pelo menos dez homens adultos na comunidade. Na época de Jesus, as sinagogas já eram conhecidas em todo o território.
  • 48. 48 SUBSÍDIO Profa.NayaraDamasceno Não havia dificuldade em achá-las, visto que se não estivessem no centro da comunidade, eram construídas no ponto mais alto, ou se tornavam o prédio mais alto, por meio de alguma característica arquitetônica, tal como um domo ou base ampliada” (GOWER, Ralph. Usos e Costumes dos Tempos Bíblicos. 1ª Edição. RJ: CPAD. 2002, p.345).
  • 49. 49 CONCLUSÃO Com o advento e obra de Cristo, a ênfase do culto foi transferida do santuário físico para o próprio Senhor Jesus, no qual habita toda a plenitude de Deus (Cl 2.9), que materializou, em si, o propósito do templo. E por isso, Ele mesmo disse que chegou o momento em que os verdadeiros adoradores adorarão ao Pai em espírito e em verdade (Jo 4.23,24).
  • 50. 50 CONCLUSÃO Além disso, cada crente, convertido e transformado, é templo e morada do Espírito do Altíssimo (1 Co 3.16). Não obstante, ainda permanece a finalidade e a importância do templo da igreja, como local onde o povo de Deus se reúne para cultuar, orar e aprender a Palavra.
  • 51. 51 HORA DA REVISÃO 1. Onde Jesus estava ao ser encontrado por José e Maria quando tinha doze anos de idade? No Templo, assentado no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os. 2. Por quantas reedificações o Templo de Jerusalém passou após ter sido destruido em 586 a.C. por Nabucodonosor? Duas. 3. Quem havia reconstruído o Templo existente na época de Jesus? Herodes, o Grande. Profa.NayaraDamasceno
  • 52. 52 HORA DA REVISÃO 4. O que significa sinagoga? Sinagoga (gr. synagōgē) tem o sentido de assembleia, congregação de pessoas. 5. Qual a era principal função da sinagoga? Função educativa, pois era o local para o estudo da Lei. Profa.NayaraDamasceno