SlideShare uma empresa Scribd logo
LINHA DE CUIDADO DE SEPSE HOSPITAL NO
SOCOR
OBJETIVO
OBJETIVO
• Garantir a identificação precoce da sepse na instituição, com
tratamento e monitoramento adequados;
• Administração de antimicrobiano efetivo na 1ª hora após o
reconhecimento de sinais da sepse;
• Garantir a realização da prática da melhor evidência científica com
relação a abordagem inicial da sepse.
SEPSE
O QUE É SEPSE?
A SEPSE É DEFINIDA COMO UMA DISFUNÇÃO ORGÂNICA
POTENCIALMENTE FATAL CAUSADA POR UMA RESPOSTA
DESREGULADA DO HOSPEDEIRO A UMA INFECÇÃO.
A Sepse deve ser suspeitada em todos os pacientes com quadro infeccioso.
A equipe multidisciplinar deve estar atenta à presença dos critérios de
resposta inflamatória sistêmica, que definem a presença de sepse.
Singer M, Deutschman CS, Seymour CW. The Third International Consensus Definitions for Sepsis and Septic Shock (Sepsis-3). JAMA. 2016; 315(8(801-19).
COMO COLOCAR UM
PACIENTE EM LINHA
DE SEPSE NO HOSPITAL
SOCOR?
MARCADORES DE SEPSE
MARCADORES PARA INFECÇÃO/SEPSE: UTILIZAR DOIS CRITÉRIOS
• Frequência cardíaca > 90bpm;
• Frequência respiratória > 20 rpm, ou PaCO2 < 32 mmHg
•Hipertermia > 37,8º C ou hipotermia <35º C (pode ser retirado para aumentar a especificidade)
MARCADORES PARA CHOQUE SÉPTICO: DOIS CRITÉRIOS DE SEPSE E/OU PELO MENOS UMA
DISFUNÇÃO ORGÂNICA
• Hipotensão (PAS < 90 mmHg ou PAM < 65 mmHg ou queda de PA > 40 mmHg)
• Oligúria (≤0,5ml/Kg/h) ou elevação da creatinina (>2mg/mL)
• Dispneia ou Dessaturação - Relação PaO2/FiO2 < 300 necessidades de O2 para manter SpO2 > 90
• Rebaixamento do nível de consciência, agitação, delirium.
ATENDIMENTO AO
PACIENTE
Fluxo de Atendimento de pacientes com suspeita ou
confirmação de sepse:
Profissional
de saúde
avalia o
paciente
A Supervisão de
Enfermagem é
responsável pela
abertura do registro
de sepse no sistema.
SEPSE CONFIRMADA
SEPSE NEGADA
Paciente não deverá
ser incluído na linha
de SEPSE
Profissional de
saúde identifica
dois marcadores
para suspeita de
SEPSE
Profissional
de saúde
aciona a
Supervisão de
Enfermagem
Enfermagem avalia o
paciente e identifica
dois critérios de SIRS,
ou um critério de
disfunção orgânica
Supervisão de
Enfermagem
aciona o
médico
plantonista
Médico
plantonista
avalia o
paciente
Inicia-se as medidas
dos pacotes de linha
de sepse.
PAPEL DO
ENFERMEIRO NA
ABERTURA DO
PROTOCOLO DE LINHA
DE SEPSE
Ficha de Entrada na Linha de Sepse:
• Avaliar o paciente
e identificar os
sinais de
infecção/sepse.
• Acionar o médico
plantonista.
• Abrir ficha de
entrada na Linha
de Sepse e
preencher todos
os campos
adequadamente.
PAPEL DO MÉDICO NA
ABERTURA DO
PROTOCOLO DE LINHA
DE SEPSE
Pacote (Bundle) de 01 hora:
• IMPORTANTE: Início de antimicrobiano de largo espectro, via endovenosa e
identificação do paciente com a pulseira.
• EXAMES: solicitar no Sistema MV o pacote “SEPSE”, contendo os seguintes
exames:
• 02 Hemoculturas em sítios diferentes ao mesmo tempo;
• Hemograma completo;
• Lactato com gasometria.
Observação: Se necessário acrescentar demais exames.
IMPORTANTE: Controle do foco infeccioso, se cateteres vasculares são fontes de
possível infecção, devem ser rapidamente retirados após estabelecimento de
novo acesso e reposição volêmica agressiva precoce em pacientes com
hipotensão ou lactato acima de 2 vezes o valor de referência.
Pacote (Bundle) de 06 horas (para pacientes com
hiperlactatemia ou hipertensão persistente):
• Uso de vasopressores;
• Reavaliação dos sinais vitais;
• Reavaliação do status volêmico e da perfusão tecidual;
• Nova mensuração de lactato para pacientes com hiperlactatemia inicial;
• Sinais Vitais;
• Avaliar perfusão, diurese e nível de consciência;
• Hiperlactatemia é definida por valores duas vezes acima do valor de
referência.
SAÍDA DA LINHA DE
SEPSE
MARCADORES DE SAÍDA
O critério para retirada do paciente da linha será a estabilização de
todos os seguintes sinais em até 24 horas (FC, FR, Leucócitos,
Temperatura, PA) e Lactato.
OBSERVAÇÃO: Caso os sinais vitais não se estabilizem devido a
outras comorbidades, será utilizado a suspensão do antibiótico.
A retirada do paciente da linha de sepse é realizada pelo SCIH.
MONITORAMENTO DO
PROCESSO
INDICADORES DE MONITORAMENTO
• Porcentagem de início em até 01 hora de antimicrobianos em
pacientes com sepse (SCIH).
• Taxa de pacientes que receberam alta da linha de sepse (SCIH).
• Adesão a linha de cuidados de sepse UI.
• Adesão a linha de cuidados de sepse CTI.
Linha de Cuidado de Sepse

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pneumonia associada a ventilação mecanica
Pneumonia associada a ventilação mecanicaPneumonia associada a ventilação mecanica
Pneumonia associada a ventilação mecanica
janinemagalhaes
 
Manual de siglas
Manual de siglasManual de siglas
Manual de siglas
Marcelo Leal Souza
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
resenfe2013
 
Q preven elisa.marketing..march 2012
Q preven elisa.marketing..march 2012Q preven elisa.marketing..march 2012
Q preven elisa.marketing..march 2012
Terra Vivos
 
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
Wagner Lima Teixeira
 
Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02
Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02
Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02
vhmsantos
 
Evolução de UTI
Evolução de UTIEvolução de UTI
Evolução de UTI
Daniel Valente
 
Administração de medicamentos docx
Administração de medicamentos  docxAdministração de medicamentos  docx
Administração de medicamentos docx
Fabricio Marques Moreira
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Rodrigo Abreu
 
Manejo covid 19
Manejo covid 19Manejo covid 19
Manejo covid 19
gisa_legal
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia
Exames Diagnósticos em CardiologiaExames Diagnósticos em Cardiologia
Exames Diagnósticos em Cardiologia
resenfe2013
 
Manejo covid19 versaofinal
Manejo covid19 versaofinalManejo covid19 versaofinal
Manejo covid19 versaofinal
gisa_legal
 
Evolução de enfermagem
Evolução de enfermagemEvolução de enfermagem
Evolução de enfermagem
Jonathan Silva
 
Balão intra aórtico
Balão intra aórticoBalão intra aórtico
Balão intra aórtico
resenfe2013
 
DVE, DVP, DLE E PVC
DVE, DVP, DLE E PVCDVE, DVP, DLE E PVC
DVE, DVP, DLE E PVC
Zeca Ribeiro
 
Atualização em SDRA após as novas Definições de Berlim
Atualização em SDRA após as novas Definições de BerlimAtualização em SDRA após as novas Definições de Berlim
Atualização em SDRA após as novas Definições de Berlim
Yuri Assis
 
Sequencia da anotação
Sequencia da anotaçãoSequencia da anotação
Sequencia da anotação
Carol Melo
 
Termologia da área de enfermagem
Termologia da área de enfermagemTermologia da área de enfermagem
Termologia da área de enfermagem
NEELLITON SANTOS
 
hemocomponentes e derivados
hemocomponentes e derivadoshemocomponentes e derivados
hemocomponentes e derivados
crisenf
 
Sepse
SepseSepse

Mais procurados (20)

Pneumonia associada a ventilação mecanica
Pneumonia associada a ventilação mecanicaPneumonia associada a ventilação mecanica
Pneumonia associada a ventilação mecanica
 
Manual de siglas
Manual de siglasManual de siglas
Manual de siglas
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
 
Q preven elisa.marketing..march 2012
Q preven elisa.marketing..march 2012Q preven elisa.marketing..march 2012
Q preven elisa.marketing..march 2012
 
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
 
Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02
Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02
Cuidadosdeenfermagememutiped 090725184926-phpapp02
 
Evolução de UTI
Evolução de UTIEvolução de UTI
Evolução de UTI
 
Administração de medicamentos docx
Administração de medicamentos  docxAdministração de medicamentos  docx
Administração de medicamentos docx
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
Manejo covid 19
Manejo covid 19Manejo covid 19
Manejo covid 19
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia
Exames Diagnósticos em CardiologiaExames Diagnósticos em Cardiologia
Exames Diagnósticos em Cardiologia
 
Manejo covid19 versaofinal
Manejo covid19 versaofinalManejo covid19 versaofinal
Manejo covid19 versaofinal
 
Evolução de enfermagem
Evolução de enfermagemEvolução de enfermagem
Evolução de enfermagem
 
Balão intra aórtico
Balão intra aórticoBalão intra aórtico
Balão intra aórtico
 
DVE, DVP, DLE E PVC
DVE, DVP, DLE E PVCDVE, DVP, DLE E PVC
DVE, DVP, DLE E PVC
 
Atualização em SDRA após as novas Definições de Berlim
Atualização em SDRA após as novas Definições de BerlimAtualização em SDRA após as novas Definições de Berlim
Atualização em SDRA após as novas Definições de Berlim
 
Sequencia da anotação
Sequencia da anotaçãoSequencia da anotação
Sequencia da anotação
 
Termologia da área de enfermagem
Termologia da área de enfermagemTermologia da área de enfermagem
Termologia da área de enfermagem
 
hemocomponentes e derivados
hemocomponentes e derivadoshemocomponentes e derivados
hemocomponentes e derivados
 
Sepse
SepseSepse
Sepse
 

Semelhante a Linha de Cuidado de Sepse

protocolo-de-tratamento.pdf
protocolo-de-tratamento.pdfprotocolo-de-tratamento.pdf
protocolo-de-tratamento.pdf
Aguiarneto3
 
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da SepseWebinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
Proqualis
 
Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico
Atendimento ao paciente com sepse grave/choque sépticoAtendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico
Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico
Letícia Spina Tapia
 
Capacitação Covid Médicos.pptx
Capacitação Covid Médicos.pptxCapacitação Covid Médicos.pptx
Capacitação Covid Médicos.pptx
SilviaMello18
 
21277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-1
21277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-121277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-1
21277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-1
Reila Silva
 
ATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGN
ATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGNATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGN
ATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGN
Yuri Assis
 
Nota técnica enchentes e leptospirose
Nota técnica   enchentes e leptospiroseNota técnica   enchentes e leptospirose
Nota técnica enchentes e leptospirose
Hosana maniero
 
Pneumonias
PneumoniasPneumonias
Pneumonias
galegoo
 
Artigo diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
Artigo  diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque sépticoArtigo  diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
Artigo diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
Erick Bragato
 
Pesquisa de Malária - Orientações de Encaminhamento de Amostras ao LACEN-BA.pdf
Pesquisa de Malária - Orientações de Encaminhamento de Amostras ao LACEN-BA.pdfPesquisa de Malária - Orientações de Encaminhamento de Amostras ao LACEN-BA.pdf
Pesquisa de Malária - Orientações de Encaminhamento de Amostras ao LACEN-BA.pdf
JooAdolfoPontodoAmar
 
Zoonoses cveni capacita 2012
Zoonoses cveni capacita 2012Zoonoses cveni capacita 2012
Zoonoses cveni capacita 2012
Hosana maniero
 
Time de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsTime de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore news
Aroldo Gavioli
 
Sepse e choque séptico em pediatria 11 2013
Sepse e choque séptico em pediatria 11 2013Sepse e choque séptico em pediatria 11 2013
Sepse e choque séptico em pediatria 11 2013
Juliana Ledur
 
Covid-19.pptx
Covid-19.pptxCovid-19.pptx
Covid-19.pptx
ssuser84458a
 
Fluxograma Administração Componentes Sanguíneos - 2017
Fluxograma Administração Componentes Sanguíneos - 2017Fluxograma Administração Componentes Sanguíneos - 2017
Fluxograma Administração Componentes Sanguíneos - 2017
Fernando Barroso
 
Sepseechoquespticoempediatria112013 131107115246-phpapp01
Sepseechoquespticoempediatria112013 131107115246-phpapp01Sepseechoquespticoempediatria112013 131107115246-phpapp01
Sepseechoquespticoempediatria112013 131107115246-phpapp01
Atila Haber
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
voceduardomscsousa
 
Aula 1 - Enf. em pacientes críticos, conhecendo a UTI e sinais vitais.pdf
Aula 1 - Enf. em pacientes críticos, conhecendo a UTI e sinais vitais.pdfAula 1 - Enf. em pacientes críticos, conhecendo a UTI e sinais vitais.pdf
Aula 1 - Enf. em pacientes críticos, conhecendo a UTI e sinais vitais.pdf
profalicebolelli
 
Imunocromatografia e-imunodot
Imunocromatografia e-imunodotImunocromatografia e-imunodot
Imunocromatografia e-imunodot
Thiago Rodrigues
 
Capacitação Covid atualização.pptx
Capacitação Covid atualização.pptxCapacitação Covid atualização.pptx
Capacitação Covid atualização.pptx
SilviaMello18
 

Semelhante a Linha de Cuidado de Sepse (20)

protocolo-de-tratamento.pdf
protocolo-de-tratamento.pdfprotocolo-de-tratamento.pdf
protocolo-de-tratamento.pdf
 
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da SepseWebinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
Webinar proqualis setembro Detecção precoce e manejo clínico da Sepse
 
Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico
Atendimento ao paciente com sepse grave/choque sépticoAtendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico
Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico
 
Capacitação Covid Médicos.pptx
Capacitação Covid Médicos.pptxCapacitação Covid Médicos.pptx
Capacitação Covid Médicos.pptx
 
21277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-1
21277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-121277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-1
21277f mo --sepse_grave_e_choque_septico_pediatrico-1
 
ATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGN
ATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGNATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGN
ATUALIZAÇÃO DAS DIRETRIZES DO SURVIVING SEPSIS CAMPAIGN
 
Nota técnica enchentes e leptospirose
Nota técnica   enchentes e leptospiroseNota técnica   enchentes e leptospirose
Nota técnica enchentes e leptospirose
 
Pneumonias
PneumoniasPneumonias
Pneumonias
 
Artigo diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
Artigo  diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque sépticoArtigo  diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
Artigo diagnóstico inicial e manejo da sepse grave e choque séptico
 
Pesquisa de Malária - Orientações de Encaminhamento de Amostras ao LACEN-BA.pdf
Pesquisa de Malária - Orientações de Encaminhamento de Amostras ao LACEN-BA.pdfPesquisa de Malária - Orientações de Encaminhamento de Amostras ao LACEN-BA.pdf
Pesquisa de Malária - Orientações de Encaminhamento de Amostras ao LACEN-BA.pdf
 
Zoonoses cveni capacita 2012
Zoonoses cveni capacita 2012Zoonoses cveni capacita 2012
Zoonoses cveni capacita 2012
 
Time de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsTime de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore news
 
Sepse e choque séptico em pediatria 11 2013
Sepse e choque séptico em pediatria 11 2013Sepse e choque séptico em pediatria 11 2013
Sepse e choque séptico em pediatria 11 2013
 
Covid-19.pptx
Covid-19.pptxCovid-19.pptx
Covid-19.pptx
 
Fluxograma Administração Componentes Sanguíneos - 2017
Fluxograma Administração Componentes Sanguíneos - 2017Fluxograma Administração Componentes Sanguíneos - 2017
Fluxograma Administração Componentes Sanguíneos - 2017
 
Sepseechoquespticoempediatria112013 131107115246-phpapp01
Sepseechoquespticoempediatria112013 131107115246-phpapp01Sepseechoquespticoempediatria112013 131107115246-phpapp01
Sepseechoquespticoempediatria112013 131107115246-phpapp01
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
 
Aula 1 - Enf. em pacientes críticos, conhecendo a UTI e sinais vitais.pdf
Aula 1 - Enf. em pacientes críticos, conhecendo a UTI e sinais vitais.pdfAula 1 - Enf. em pacientes críticos, conhecendo a UTI e sinais vitais.pdf
Aula 1 - Enf. em pacientes críticos, conhecendo a UTI e sinais vitais.pdf
 
Imunocromatografia e-imunodot
Imunocromatografia e-imunodotImunocromatografia e-imunodot
Imunocromatografia e-imunodot
 
Capacitação Covid atualização.pptx
Capacitação Covid atualização.pptxCapacitação Covid atualização.pptx
Capacitação Covid atualização.pptx
 

Último

VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdfVIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
kailanejoyce4
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AntonioXavier35
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 

Último (9)

VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdfVIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 

Linha de Cuidado de Sepse

  • 1. LINHA DE CUIDADO DE SEPSE HOSPITAL NO SOCOR
  • 3. OBJETIVO • Garantir a identificação precoce da sepse na instituição, com tratamento e monitoramento adequados; • Administração de antimicrobiano efetivo na 1ª hora após o reconhecimento de sinais da sepse; • Garantir a realização da prática da melhor evidência científica com relação a abordagem inicial da sepse.
  • 5. O QUE É SEPSE? A SEPSE É DEFINIDA COMO UMA DISFUNÇÃO ORGÂNICA POTENCIALMENTE FATAL CAUSADA POR UMA RESPOSTA DESREGULADA DO HOSPEDEIRO A UMA INFECÇÃO. A Sepse deve ser suspeitada em todos os pacientes com quadro infeccioso. A equipe multidisciplinar deve estar atenta à presença dos critérios de resposta inflamatória sistêmica, que definem a presença de sepse. Singer M, Deutschman CS, Seymour CW. The Third International Consensus Definitions for Sepsis and Septic Shock (Sepsis-3). JAMA. 2016; 315(8(801-19).
  • 6. COMO COLOCAR UM PACIENTE EM LINHA DE SEPSE NO HOSPITAL SOCOR?
  • 7. MARCADORES DE SEPSE MARCADORES PARA INFECÇÃO/SEPSE: UTILIZAR DOIS CRITÉRIOS • Frequência cardíaca > 90bpm; • Frequência respiratória > 20 rpm, ou PaCO2 < 32 mmHg •Hipertermia > 37,8º C ou hipotermia <35º C (pode ser retirado para aumentar a especificidade) MARCADORES PARA CHOQUE SÉPTICO: DOIS CRITÉRIOS DE SEPSE E/OU PELO MENOS UMA DISFUNÇÃO ORGÂNICA • Hipotensão (PAS < 90 mmHg ou PAM < 65 mmHg ou queda de PA > 40 mmHg) • Oligúria (≤0,5ml/Kg/h) ou elevação da creatinina (>2mg/mL) • Dispneia ou Dessaturação - Relação PaO2/FiO2 < 300 necessidades de O2 para manter SpO2 > 90 • Rebaixamento do nível de consciência, agitação, delirium.
  • 9. Fluxo de Atendimento de pacientes com suspeita ou confirmação de sepse: Profissional de saúde avalia o paciente A Supervisão de Enfermagem é responsável pela abertura do registro de sepse no sistema. SEPSE CONFIRMADA SEPSE NEGADA Paciente não deverá ser incluído na linha de SEPSE Profissional de saúde identifica dois marcadores para suspeita de SEPSE Profissional de saúde aciona a Supervisão de Enfermagem Enfermagem avalia o paciente e identifica dois critérios de SIRS, ou um critério de disfunção orgânica Supervisão de Enfermagem aciona o médico plantonista Médico plantonista avalia o paciente Inicia-se as medidas dos pacotes de linha de sepse.
  • 10. PAPEL DO ENFERMEIRO NA ABERTURA DO PROTOCOLO DE LINHA DE SEPSE
  • 11. Ficha de Entrada na Linha de Sepse: • Avaliar o paciente e identificar os sinais de infecção/sepse. • Acionar o médico plantonista. • Abrir ficha de entrada na Linha de Sepse e preencher todos os campos adequadamente.
  • 12. PAPEL DO MÉDICO NA ABERTURA DO PROTOCOLO DE LINHA DE SEPSE
  • 13. Pacote (Bundle) de 01 hora: • IMPORTANTE: Início de antimicrobiano de largo espectro, via endovenosa e identificação do paciente com a pulseira. • EXAMES: solicitar no Sistema MV o pacote “SEPSE”, contendo os seguintes exames: • 02 Hemoculturas em sítios diferentes ao mesmo tempo; • Hemograma completo; • Lactato com gasometria. Observação: Se necessário acrescentar demais exames. IMPORTANTE: Controle do foco infeccioso, se cateteres vasculares são fontes de possível infecção, devem ser rapidamente retirados após estabelecimento de novo acesso e reposição volêmica agressiva precoce em pacientes com hipotensão ou lactato acima de 2 vezes o valor de referência.
  • 14. Pacote (Bundle) de 06 horas (para pacientes com hiperlactatemia ou hipertensão persistente): • Uso de vasopressores; • Reavaliação dos sinais vitais; • Reavaliação do status volêmico e da perfusão tecidual; • Nova mensuração de lactato para pacientes com hiperlactatemia inicial; • Sinais Vitais; • Avaliar perfusão, diurese e nível de consciência; • Hiperlactatemia é definida por valores duas vezes acima do valor de referência.
  • 15. SAÍDA DA LINHA DE SEPSE
  • 16. MARCADORES DE SAÍDA O critério para retirada do paciente da linha será a estabilização de todos os seguintes sinais em até 24 horas (FC, FR, Leucócitos, Temperatura, PA) e Lactato. OBSERVAÇÃO: Caso os sinais vitais não se estabilizem devido a outras comorbidades, será utilizado a suspensão do antibiótico. A retirada do paciente da linha de sepse é realizada pelo SCIH.
  • 18. INDICADORES DE MONITORAMENTO • Porcentagem de início em até 01 hora de antimicrobianos em pacientes com sepse (SCIH). • Taxa de pacientes que receberam alta da linha de sepse (SCIH). • Adesão a linha de cuidados de sepse UI. • Adesão a linha de cuidados de sepse CTI.

Notas do Editor

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. 4
  5. 5
  6. 6
  7. 7
  8. 8
  9. 9
  10. 10
  11. 11
  12. 12
  13. 13
  14. 14
  15. 15
  16. 16
  17. 17
  18. 18
  19. 19