SlideShare uma empresa Scribd logo
Lideranças Paroquiais
 Sal e Luz – 2ª parte




      Sumã Pedrosa
Objetivos

   Desenvolver as habilidades de liderança e
    formação de equipes

   Aprimorar as habilidades de trabalho em
    equipes
Liderança




            Sumã Pedrosa
Liderança

   Habilidade de inspirar as
    pessoas a agir.




   Ajudar as pessoas a serem o
    melhor que elas podem ser.

                                Sumã Pedrosa
Aquecimento:

   Dividam-se em grupos de 10
    pessoas.
   Farei duas perguntas para cada
    grupo.
   Vocês terão 15 minutos apenas
    para refletirem sobre elas e
    devolverem uma resposta que
    satisfaça a todos os componentes
    do grupo do qual participam.

                                Sumã Pedrosa
Chamamento

   “Não fostes Vós que me
    escolhestes, fui Eu que vos escolhi”
    (Jo 15, 16).
   Portanto:
    A iniciativa é de Jesus;
    Jesus não escolhe heróis e nem
    santos;
    Ele escolheu a nós!
Sede santos!
   Deus consagrou um povo escolhido,
    o amou profundamente desde toda a eternidade.
    Para ser sal e luz, gerar Cristo Jesus no seio da
    humanidade.
   Hoje somos esse povo tão amado, Deus nos chama
    a viver o seu amor.
    Nos convida a todo instante sem cessar e pede a
    nós: sede santos.
   Sede santos, esta é minha vontade, sede santos é o
    que eu mais quero.
    Sede santos, esta é minha vontade, sede santos é o
    que eu mais quero.
   Vou ser santo, esta é minha resposta, vou ser santo,
    eu digo sim, Senhor.
E nos chamou com objetivos muito
claros...

   Evangelizar
   Levar pessoas a ele
Mesmo tendo sido escolhido, mesmo tendo
 respondido o seu sim, coordenadores
 podem se deixar levar por:




                                  Insegurança
Desconcentração




                  Superioridade
Mesmo tendo sido escolhido, mesmo tendo
         respondido o seu sim, coordenadores
         podem se deixar levar por:




                          Carregar o “peso”
                          da coordenação
                          nas costas.




                                              Manipulação de
Conhecimentos x mudança                       outras pessoas.
de atitude de vida.
Mesmo tendo sido escolhido, mesmo tendo
 respondido o seu sim, coordenadores
 podem se deixar levar por:




Desorganização         Coordenação cega, levando
                       o seu grupo para o abismo.
Mesmo tendo sido escolhido, mesmo tendo
  respondido o seu sim, coordenadores
  podem se deixar levar por:




                                Ausência
Despreparo, e espera que o
Espírito Santo venha em seu
socorro.
Mas quando nos deixamos ser
realmente guiados por Deus...
Quando um coordenador é um
    bom líder?




                               Trabalha em equipe


É atento a tudo e a todos.




                             É solidário
Quando um coordenador é um
bom líder?




Prima pela organização
                         Sabe o caminho para
                               onde vai
Quando um coordenador é um
bom líder?




     Mostra-se
 preparado, estuda   Está sempre presente
O maior líder de todos os tempos




                           Sumã Pedrosa
O líder e a sua relação com a
 equipe
         Lidando com as diferenças
                Pense rápido:
Qual das figuras é diferente de todas as outras?
Motivação X Metas

   As metas são a força motivacional
    nos esportes. São a principal razão
    de as pessoas pagarem para suar a
    camisa, o que nem sempre fazem
    quando recebem para isso.

   Podemos levar a motivação para as
    nossas equipes e comunidades?
Motivação X Metas - Critérios

1. As metas devem ser escritas.

   Metas não escritas são apenas
               desejos.

Escrever uma meta a torna
   real, permanente.
Motivação X Metas - Critérios
2. As metas devem ser próprias.
  O estabelecimento de metas e o
  empenho em realizá-las só se tornam
  verdadeiros quando os objetivos da
  equipe têm o mesmo valor das metas
  pessoais.

 As metas pessoais precisam estar
 entrelaçadas com as metas da
 equipe.
Motivação X Metas - Critérios

3. As metas devem ser positivas

 Devemos dar ênfase ao positivo. A
 mente rejeita metas negativas, pois
 é difícil visualizá-las.
Motivação X Metas - Critérios

4. As metas têm que ser
  mensuráveis e específicas.
- Quanto?


-   “Metas definidas produzem resultados
    definidos. Por outro lado, metas indefinidas
    não produzem resultados indefinidos. Elas
    simplesmente não produzem resultado
    nenhum.” (Paul Meyer)
Motivação X Metas - Critérios

5. As metas devem ter um prazo
  final
  É preciso saber quanto e em quanto
  tempo.

 Prazos finais são o alicerce do
 compromisso. Provocam a
 adrenalina, instigam o sucesso e a
 inventabilidade. Uma meta sem prazo final
 é apenas uma declaração filosófica.
Motivação X Metas - Critérios
6. As metas devem
  permitir que os hábitos
  se modifiquem.
Motivação X Metas - Critérios

7. As metas devem ser realistas e
  plausíveis
  A realização progressiva é o
  segredo do sucesso.
É sempre um desafio trabalhar em
equipe.

   Aprendamos com o coordenador
    Jesus:
    1- Jo 13, 1-9
    2- Jo 6, 59-69
    3- Mc 4, 35-41
    4- Mc 6, 30-44
    5- Mt 12, 1-8
    6- Mt 4, 17-23
    7- Mt 28, 1-
    10.16-20
    8- Lc 22, 7-20
O que podemos aprender da natureza
sobre o trabalho em equipe?
“Meu filho, faze o que fazes com
doçura, e mais do que a estima dos
homens, ganharás o afeto deles”
                  (Eclo 3,19)


Alegria e paz para todos!!
                 Muito Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra “espiritualidade não é religiosidade, mas resolve” agosto-2011
Palestra “espiritualidade não é religiosidade, mas resolve”   agosto-2011Palestra “espiritualidade não é religiosidade, mas resolve”   agosto-2011
Palestra “espiritualidade não é religiosidade, mas resolve” agosto-2011
Clube de RH de Extrema e Região
 
O Poder do Coaching - José Roberto Marques
O Poder do Coaching - José Roberto MarquesO Poder do Coaching - José Roberto Marques
O Poder do Coaching - José Roberto Marques
IBC Coaching
 
Curso liderança IG. BAT. CENTRAL 2013
Curso liderança IG. BAT. CENTRAL  2013Curso liderança IG. BAT. CENTRAL  2013
Curso liderança IG. BAT. CENTRAL 2013
Gildelanio Da Silva
 
Todo líder precisa de uma ambição do tamanho de deus
Todo líder precisa de uma ambição do tamanho de deusTodo líder precisa de uma ambição do tamanho de deus
Todo líder precisa de uma ambição do tamanho de deus
Marco de Luca
 

Mais procurados (20)

Treinamento lideranca jni
Treinamento lideranca jniTreinamento lideranca jni
Treinamento lideranca jni
 
Sete lições sobre liderança cristã
Sete lições sobre liderança cristãSete lições sobre liderança cristã
Sete lições sobre liderança cristã
 
Liderança cristã o lider e seus conflitos - Prof Abdias Barreto
Liderança cristã   o lider e seus conflitos - Prof Abdias BarretoLiderança cristã   o lider e seus conflitos - Prof Abdias Barreto
Liderança cristã o lider e seus conflitos - Prof Abdias Barreto
 
Liderança cristã - Conversa com a Igreja
Liderança cristã - Conversa com a IgrejaLiderança cristã - Conversa com a Igreja
Liderança cristã - Conversa com a Igreja
 
Palestra “espiritualidade não é religiosidade, mas resolve” agosto-2011
Palestra “espiritualidade não é religiosidade, mas resolve”   agosto-2011Palestra “espiritualidade não é religiosidade, mas resolve”   agosto-2011
Palestra “espiritualidade não é religiosidade, mas resolve” agosto-2011
 
O Líder servidor II - A essência da liderança na prática
O Líder servidor II - A essência da liderança na práticaO Líder servidor II - A essência da liderança na prática
O Líder servidor II - A essência da liderança na prática
 
Treinamento de Líderes
Treinamento de LíderesTreinamento de Líderes
Treinamento de Líderes
 
O Poder do Coaching - José Roberto Marques
O Poder do Coaching - José Roberto MarquesO Poder do Coaching - José Roberto Marques
O Poder do Coaching - José Roberto Marques
 
Curso liderança IG. BAT. CENTRAL 2013
Curso liderança IG. BAT. CENTRAL  2013Curso liderança IG. BAT. CENTRAL  2013
Curso liderança IG. BAT. CENTRAL 2013
 
Capacitação de lideranças 1
Capacitação de lideranças 1Capacitação de lideranças 1
Capacitação de lideranças 1
 
Liderança servidora
Liderança servidoraLiderança servidora
Liderança servidora
 
Acalme sua mente (ceo)
Acalme sua mente (ceo)Acalme sua mente (ceo)
Acalme sua mente (ceo)
 
Sou lider e agora pr marcio
Sou lider e agora pr marcioSou lider e agora pr marcio
Sou lider e agora pr marcio
 
Liderança servidora e os Desafios da Motivação em Grupo
Liderança servidora e os Desafios da Motivação em GrupoLiderança servidora e os Desafios da Motivação em Grupo
Liderança servidora e os Desafios da Motivação em Grupo
 
Estudo da Semana
Estudo da SemanaEstudo da Semana
Estudo da Semana
 
Apresentação Global Leadership Summit 2012
Apresentação Global Leadership Summit 2012Apresentação Global Leadership Summit 2012
Apresentação Global Leadership Summit 2012
 
Coaching
CoachingCoaching
Coaching
 
Unidade 3 - Santificação - aula 5
Unidade 3 - Santificação - aula 5Unidade 3 - Santificação - aula 5
Unidade 3 - Santificação - aula 5
 
Todo líder precisa de uma ambição do tamanho de deus
Todo líder precisa de uma ambição do tamanho de deusTodo líder precisa de uma ambição do tamanho de deus
Todo líder precisa de uma ambição do tamanho de deus
 
A anatomia do líder
A anatomia do líderA anatomia do líder
A anatomia do líder
 

Semelhante a Lideranças paroquiais módulo 2

Liderança - o segredo dos líderes anormais
Liderança - o segredo dos líderes anormaisLiderança - o segredo dos líderes anormais
Liderança - o segredo dos líderes anormais
Saulo Veríssimo
 
Lideranca
LiderancaLideranca
Lideranca
FTC
 
Art. 6.0 learn with the worst
Art. 6.0 learn with the worstArt. 6.0 learn with the worst
Art. 6.0 learn with the worst
Hugo Santos
 

Semelhante a Lideranças paroquiais módulo 2 (20)

Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Lider coach palestra FTEC 2013
Lider coach palestra FTEC 2013Lider coach palestra FTEC 2013
Lider coach palestra FTEC 2013
 
Como Jesus Formou Sua Equipe
Como Jesus Formou Sua EquipeComo Jesus Formou Sua Equipe
Como Jesus Formou Sua Equipe
 
Liderança ao estilo do mestre 1
Liderança ao estilo do mestre 1Liderança ao estilo do mestre 1
Liderança ao estilo do mestre 1
 
Seja Dumba você também
Seja Dumba você tambémSeja Dumba você também
Seja Dumba você também
 
Liderança (1)
Liderança (1)Liderança (1)
Liderança (1)
 
Artigo7 O LíDer Em Seis Ds
Artigo7 O LíDer Em Seis DsArtigo7 O LíDer Em Seis Ds
Artigo7 O LíDer Em Seis Ds
 
Missao E Perfil
Missao E PerfilMissao E Perfil
Missao E Perfil
 
as17incontestveisleisdotrabalhoemequipe-100131112209-phpapp01.pptx
as17incontestveisleisdotrabalhoemequipe-100131112209-phpapp01.pptxas17incontestveisleisdotrabalhoemequipe-100131112209-phpapp01.pptx
as17incontestveisleisdotrabalhoemequipe-100131112209-phpapp01.pptx
 
Liderança - o segredo dos líderes anormais
Liderança - o segredo dos líderes anormaisLiderança - o segredo dos líderes anormais
Liderança - o segredo dos líderes anormais
 
Uma historia sobre_a_essencia_da__lideranca
Uma historia sobre_a_essencia_da__liderancaUma historia sobre_a_essencia_da__lideranca
Uma historia sobre_a_essencia_da__lideranca
 
campanha liderança
campanha   liderançacampanha   liderança
campanha liderança
 
Ética e Cidadania organizacional
Ética e Cidadania organizacionalÉtica e Cidadania organizacional
Ética e Cidadania organizacional
 
Lideranca
LiderancaLideranca
Lideranca
 
Lideranca
LiderancaLideranca
Lideranca
 
Mentalizando o bem (miramez)
Mentalizando o bem (miramez)Mentalizando o bem (miramez)
Mentalizando o bem (miramez)
 
Aula 3_marketing pessoal.pptx
Aula 3_marketing pessoal.pptxAula 3_marketing pessoal.pptx
Aula 3_marketing pessoal.pptx
 
Art. 6.0 learn with the worst
Art. 6.0 learn with the worstArt. 6.0 learn with the worst
Art. 6.0 learn with the worst
 
treinamentolideranca
treinamentoliderancatreinamentolideranca
treinamentolideranca
 
Novo Paradigma da Liderança
Novo Paradigma da LiderançaNovo Paradigma da Liderança
Novo Paradigma da Liderança
 

Mais de Sumã Pedrosa

Comunicação escrita
Comunicação escrita Comunicação escrita
Comunicação escrita
Sumã Pedrosa
 
Etiqueta social e profissional apostila
Etiqueta social e profissional   apostilaEtiqueta social e profissional   apostila
Etiqueta social e profissional apostila
Sumã Pedrosa
 
Superando o medo de falar em público
Superando o medo de falar em públicoSuperando o medo de falar em público
Superando o medo de falar em público
Sumã Pedrosa
 
Liderança e ética apresentação
Liderança e ética   apresentaçãoLiderança e ética   apresentação
Liderança e ética apresentação
Sumã Pedrosa
 
Como atender e fidelizar seu cliente
Como atender e fidelizar seu clienteComo atender e fidelizar seu cliente
Como atender e fidelizar seu cliente
Sumã Pedrosa
 
A secretaria paroquial e a comunicação verbal
A secretaria paroquial e  a comunicação verbalA secretaria paroquial e  a comunicação verbal
A secretaria paroquial e a comunicação verbal
Sumã Pedrosa
 
Etiqueta profissional e marketing pessoal
Etiqueta profissional  e marketing pessoalEtiqueta profissional  e marketing pessoal
Etiqueta profissional e marketing pessoal
Sumã Pedrosa
 
Dicas para a entrevista de emprego
Dicas para a entrevista de empregoDicas para a entrevista de emprego
Dicas para a entrevista de emprego
Sumã Pedrosa
 
Lideranças paroquiais módulo 3
Lideranças paroquiais módulo 3Lideranças paroquiais módulo 3
Lideranças paroquiais módulo 3
Sumã Pedrosa
 
Lideranças paroquiais
Lideranças paroquiaisLideranças paroquiais
Lideranças paroquiais
Sumã Pedrosa
 

Mais de Sumã Pedrosa (11)

Comunicação escrita
Comunicação escrita Comunicação escrita
Comunicação escrita
 
Etiqueta social e profissional apostila
Etiqueta social e profissional   apostilaEtiqueta social e profissional   apostila
Etiqueta social e profissional apostila
 
A fala de_improviso
A fala de_improvisoA fala de_improviso
A fala de_improviso
 
Superando o medo de falar em público
Superando o medo de falar em públicoSuperando o medo de falar em público
Superando o medo de falar em público
 
Liderança e ética apresentação
Liderança e ética   apresentaçãoLiderança e ética   apresentação
Liderança e ética apresentação
 
Como atender e fidelizar seu cliente
Como atender e fidelizar seu clienteComo atender e fidelizar seu cliente
Como atender e fidelizar seu cliente
 
A secretaria paroquial e a comunicação verbal
A secretaria paroquial e  a comunicação verbalA secretaria paroquial e  a comunicação verbal
A secretaria paroquial e a comunicação verbal
 
Etiqueta profissional e marketing pessoal
Etiqueta profissional  e marketing pessoalEtiqueta profissional  e marketing pessoal
Etiqueta profissional e marketing pessoal
 
Dicas para a entrevista de emprego
Dicas para a entrevista de empregoDicas para a entrevista de emprego
Dicas para a entrevista de emprego
 
Lideranças paroquiais módulo 3
Lideranças paroquiais módulo 3Lideranças paroquiais módulo 3
Lideranças paroquiais módulo 3
 
Lideranças paroquiais
Lideranças paroquiaisLideranças paroquiais
Lideranças paroquiais
 

Lideranças paroquiais módulo 2

  • 1. Lideranças Paroquiais Sal e Luz – 2ª parte Sumã Pedrosa
  • 2. Objetivos  Desenvolver as habilidades de liderança e formação de equipes  Aprimorar as habilidades de trabalho em equipes
  • 3. Liderança Sumã Pedrosa
  • 4. Liderança  Habilidade de inspirar as pessoas a agir.  Ajudar as pessoas a serem o melhor que elas podem ser. Sumã Pedrosa
  • 5. Aquecimento:  Dividam-se em grupos de 10 pessoas.  Farei duas perguntas para cada grupo.  Vocês terão 15 minutos apenas para refletirem sobre elas e devolverem uma resposta que satisfaça a todos os componentes do grupo do qual participam. Sumã Pedrosa
  • 6. Chamamento  “Não fostes Vós que me escolhestes, fui Eu que vos escolhi” (Jo 15, 16).  Portanto: A iniciativa é de Jesus; Jesus não escolhe heróis e nem santos; Ele escolheu a nós!
  • 7. Sede santos!  Deus consagrou um povo escolhido, o amou profundamente desde toda a eternidade. Para ser sal e luz, gerar Cristo Jesus no seio da humanidade.  Hoje somos esse povo tão amado, Deus nos chama a viver o seu amor. Nos convida a todo instante sem cessar e pede a nós: sede santos.  Sede santos, esta é minha vontade, sede santos é o que eu mais quero. Sede santos, esta é minha vontade, sede santos é o que eu mais quero.  Vou ser santo, esta é minha resposta, vou ser santo, eu digo sim, Senhor.
  • 8. E nos chamou com objetivos muito claros...  Evangelizar  Levar pessoas a ele
  • 9. Mesmo tendo sido escolhido, mesmo tendo respondido o seu sim, coordenadores podem se deixar levar por: Insegurança Desconcentração Superioridade
  • 10. Mesmo tendo sido escolhido, mesmo tendo respondido o seu sim, coordenadores podem se deixar levar por: Carregar o “peso” da coordenação nas costas. Manipulação de Conhecimentos x mudança outras pessoas. de atitude de vida.
  • 11. Mesmo tendo sido escolhido, mesmo tendo respondido o seu sim, coordenadores podem se deixar levar por: Desorganização Coordenação cega, levando o seu grupo para o abismo.
  • 12. Mesmo tendo sido escolhido, mesmo tendo respondido o seu sim, coordenadores podem se deixar levar por: Ausência Despreparo, e espera que o Espírito Santo venha em seu socorro.
  • 13. Mas quando nos deixamos ser realmente guiados por Deus...
  • 14. Quando um coordenador é um bom líder? Trabalha em equipe É atento a tudo e a todos. É solidário
  • 15. Quando um coordenador é um bom líder? Prima pela organização Sabe o caminho para onde vai
  • 16. Quando um coordenador é um bom líder? Mostra-se preparado, estuda Está sempre presente
  • 17. O maior líder de todos os tempos Sumã Pedrosa
  • 18. O líder e a sua relação com a equipe Lidando com as diferenças Pense rápido: Qual das figuras é diferente de todas as outras?
  • 19. Motivação X Metas  As metas são a força motivacional nos esportes. São a principal razão de as pessoas pagarem para suar a camisa, o que nem sempre fazem quando recebem para isso.  Podemos levar a motivação para as nossas equipes e comunidades?
  • 20. Motivação X Metas - Critérios 1. As metas devem ser escritas. Metas não escritas são apenas desejos. Escrever uma meta a torna real, permanente.
  • 21. Motivação X Metas - Critérios 2. As metas devem ser próprias. O estabelecimento de metas e o empenho em realizá-las só se tornam verdadeiros quando os objetivos da equipe têm o mesmo valor das metas pessoais. As metas pessoais precisam estar entrelaçadas com as metas da equipe.
  • 22. Motivação X Metas - Critérios 3. As metas devem ser positivas Devemos dar ênfase ao positivo. A mente rejeita metas negativas, pois é difícil visualizá-las.
  • 23. Motivação X Metas - Critérios 4. As metas têm que ser mensuráveis e específicas. - Quanto? - “Metas definidas produzem resultados definidos. Por outro lado, metas indefinidas não produzem resultados indefinidos. Elas simplesmente não produzem resultado nenhum.” (Paul Meyer)
  • 24. Motivação X Metas - Critérios 5. As metas devem ter um prazo final É preciso saber quanto e em quanto tempo. Prazos finais são o alicerce do compromisso. Provocam a adrenalina, instigam o sucesso e a inventabilidade. Uma meta sem prazo final é apenas uma declaração filosófica.
  • 25. Motivação X Metas - Critérios 6. As metas devem permitir que os hábitos se modifiquem.
  • 26. Motivação X Metas - Critérios 7. As metas devem ser realistas e plausíveis A realização progressiva é o segredo do sucesso.
  • 27. É sempre um desafio trabalhar em equipe.  Aprendamos com o coordenador Jesus: 1- Jo 13, 1-9 2- Jo 6, 59-69 3- Mc 4, 35-41 4- Mc 6, 30-44 5- Mt 12, 1-8 6- Mt 4, 17-23 7- Mt 28, 1- 10.16-20 8- Lc 22, 7-20
  • 28. O que podemos aprender da natureza sobre o trabalho em equipe?
  • 29. “Meu filho, faze o que fazes com doçura, e mais do que a estima dos homens, ganharás o afeto deles” (Eclo 3,19) Alegria e paz para todos!! Muito Obrigada!