SlideShare uma empresa Scribd logo
Leitura/Leitura de Gêneros
Cleonice Martins e Mara Tiburcio
Filme: Os fantásticos livros voadores do Sr. Morris Lessmore
Como podemos contribuir no
desenvolvimento da competência
leitora?
De que forma o trabalho com gêneros auxilia
no desenvolvimento da competência leitora?
Quando percebi, tudo já havia acontecido. O radio ficou mudo e, apesar de
mais pessoas estarem por perto, lá estava eu, sozinho com os meus pensamentos...
O frio que eu sentia era diferente. Entrava pela pele e doía nos ossos, fazendo meu
corpo todo tremer. Desapertei a gravata e tirei o paletó. Tentei manter a calma e abri
lentamente a janela. Com muito esforço saí, mas não conseguia perceber exatamente
onde eu estava. Meus movimentos eram lentos e desajeitados...
Já não me importava com coisas materiais... meus documentos, dinheiro,
meu carro ou qualquer coisa assim. Consegui tirar os sapatos, que me incomodavam
muito, e tentei me dirigir para a única direção onde provavelmente encontraria um
poste. Foi quando vi a mulher tentando pegar o cachorro: comecei a rir sem parar e
apoiei meu corpo cansado em cima de um muro. Passou por mim um garoto assustado
puxado por seu pai, um guarda com urna velhinha e um rapaz tranquilo que
aparentemente me conhecia, pois disse um "oi, tudo sob controle ai? e foi embora.
Nesse momento comecei a entender corno o trágico mora perto do cômico!
Aos poucos consegui chegar a uma padaria que recebia quase todo mundo que
escapava. Tomei um conhaque e como bom brasileiro fiquei trocando ideias e
procurando soluções para os problemas do mundo com meus novos amigos...
QUESTÕES
Por que o rádio ficou mudo?
Por que a personagem tirou o paletó, desapertou a gravata e
abriu a janela se sentia frio?
Por que os sapatos o incomodavam?
Por que eles se dirigiu a um poste?
Por que ele apoiou em cima do muro e não no muro?
A COMPREENSÃO DA LEITURA ENVOLVE CONHECIMENTOS
PRÉVIOS, CONTEXTUALIZAÇÕES
POR QUE O CÉU É AZUL?
Antes
Levantamento do conhecimento prévio sobre o assunto;
Antes de iniciar o trabalho, procure levantar hipóteses a respeito dos
conhecimentos que supõe que a turma dispõe a respeito do assunto ou do
próprio texto. Essa reflexão possibilita construir um repertório possível de
intervenções didáticas.
Expectativas em função do suporte.
É sempre importante proporcionar aos alunos uma rica convivência com
diferentes materiais impressos em seus suportes originais.
• Escolher textos de boa qualidade.
• Falar sobre a época e o lugar em que o texto foi escrito (portador).
Expectativas em função dos textos da capa.
Chamar a atenção para a capa ou título e perguntar sobre o que seria o
texto.
Antes de discutir qualquer texto com a turma, analise-o cuidadosamente
para identificar que conceitos podem ser explorados.
Análise do título e ilustração(quando houver) . O que sugere?
Expectativas em função da formatação do gênero (divisão em colunas, segmentação
do texto...).
A silhueta que o texto impresso assume na folha pode também fornecer indícios a
respeito de qual seja o gênero e o tipo de assunto que pode estar sendo tratado. É o
caso de uma lista seguida de itens numerados que sugere uma receita culinária ou a
formatação de um texto jornalístico em colunas desta maneira os leitores interagem
com o texto e acabam inferindo em sua recepção: ler uma notícia é diferente do que
ler um conto.
Expectativa em função do autor.
Um leitor experiente conseguir crias muitas expectativas a respeito do conteúdo ou
estilo do texto se já tiver lidos outras obras do autor. Quanto mais frequentam o
mundo da escrita, mais os leitores vão acumulando referências a respeito dos autores.
Antecipação do tema ou ideia principal a partir do exame de imagens ou de
saliências gráficas.
A leitura exploratória das imagens – fotografias, ilustrações, mapas, gráficos,
tabelas, formulas matemáticas, esquemas, além das saliências gráficas como
estilo é essencial para o leitor escolher o que ler em função de seus objetivos.
• Observar as imagens e as palavras
• Ler os títulos e as legendas que identificam as imagens, tabelas, gráficos e
mapas. É possível antecipar o tema do texto a partis desses elementos?
• Retome as hipóteses levantadas – Quais se confirmam? Quais não?
Explicitação das expectativas de leitura a partir da analise dos índices anteriores.
Estimular os estudantes a verbalizarem suas expectativas de leitura: o que você
espera ler nesse texto? Qual o assunto? Qual será provavelmente a abordagem do
autor?
Explicitação das expectativas de leitura a partir da analise dos índices anteriores.
Estimular os estudantes a verbalizarem suas expectativas de leitura: o que você
espera ler nesse texto? Qual o assunto? Qual será provavelmente a abordagem do
autor?
Definição dos objetivos da leitura.
Quem lê sabe o que deve ler, porque deve ler e para que deve ler. Lemos para
desfrutar uma boa história, para nos atualizar, para buscar uma determinada
informação, para seguir instruções para realizar algum tipo de atividade, para estudar
etc. Objetivos diferentes determinam modos diferentes de ler, pois mobilizam o uso de
diferentes estratégias de leitura.
• Explicite claramente os propósitos que orientam a leitura e estimule os estudantes
a focalizarem as informações essenciais que o texto traz.
• Formule questões relacionadas às grandes temáticas do texto, preferencialmente
a partir do levantamento do que os estudantes querem saber.
Durante
• Se os ouvintes dispersarem, utilize alguns recursos para resgatar a atenção, fazendo
algum tipo de suspense e perguntando, por exemplo: o que será que vai acontecer
agora? Será que os heróis da história vão conseguir resolver o problema?
• Se notar que a compreensão está difícil, faça algumas interrupções, dando algumas
pistas para ajudar, formulando perguntas que auxiliem os alunos a identificar o elo
perdido, mas sem se alongar em explicações, evitando fragmentar a narrativa e
propiciando a expressão individual ou do grupo.
• Se os participantes interromperem com perguntas, responda o estritamente
necessário e retome o texto rapidamente, para não perder o encanto.
• Em atividades de leitura compartilhada, procure chamar atenção para os diferentes
marcadores textuais. É importante não apenas discutir o conteúdo do texto, mas ir
mostrando em quais elementos linguísticos nos apoiamos para construir tal sentido.
DEPOIS
Construa a síntese do texto
• Explorar o texto através de pergunta/resposta. Não nos referimos aqui à perguntas
didáticas em que quem pergunta procura verificar o que o outro entendeu do que
leu, mas à pergunta que problematiza o que o leitor diz e o ajuda a pensar sobre o
lido.
• Caso identifique passagens de difícil compreensão para a turma, estimule alguns
estudantes a explicarem esses trechos mais obscuros. Explicar é uma forma muito
eficiente de aprender.
Troca de impressões, resoluções sobre o texto lido.
Indicação de estratégias de resolução indicando as justificativas.
Troca de impressões, resoluções sobre o texto lido.
• Durante a troca de ideias a respeito do texto, ao receber de um estudante uma
resposta aparentemente equivocada, evite passar a palavra imediatamente para
outro. Procure dirigir-lhe perguntas para tentar compreender o que quis dizer ou
ajudá-lo a identificar pistas para reformular algo que não tenha compreendido.
• Muito da compreensão do que se lê se constrói através das conversas a respeito do
texto.
• Como há diferentes pontos de vista sobre os temas, é importante exercitar a escuta
democrática. Procure estar atento ao que os estudantes dizem.
• Planejar momentos para que os estudantes possam trocar ideias sobre noticias ou
livros em sala de aula. Textos e livros comuns previamente lidos podem fornecer
combustível para ricos debates.
Indicação de estratégias de resolução dos problemas indicando as justificativas.
É importante levar o aluno a percorrer as estratégias realizadas para resolução
justificando como e porque chegou a solução, que poderá ser validade e/ou
encaminhada para a resolução recomendável ao assunto.
• Ensinando a ler no contexto das práticas sociais da
leitura, ou seja, colocando a criança em contato
com os mais diversos tipos de textos que existem
na sociedade;
• Ofertando livros de qualidade;
• Promover empréstimos de livros
• Organizar acervos com diferentes tipos de textos,
livros etc
• Desenvolver espaços de circulação da leitura;
• Ao escolher uma leitura (textos, livros etc)
devemos pensar no porquê, para quê e para quem
PARA CONCLUIR
SUGESTÃO
VERDADEIRO OU FALSO
Questionário reflexivo sobre as concepções que envolvem a leitura
( ) crianças que não possuem pais leitores e/ou não tem livros em casa seu
percurso leitor é prejudicado
( ) formar leitores é tarefa da escola e não das famílias
( ) as histórias que ensinam bons hábitos (como escovar os dentes ou pedir
desculpas), apresentam finais moralizantes (como não roubar ou dizer a
verdade), trabalham temas considerados “tabus” (como sexualidade, a morte
ou a separação dos pais) ou ensinamentos socialmente relevantes (como
preservar o meio ambiente) devem ganhar destaque nas salas de aula de
Educação Infantil e do Ensino Fundamental.
( ) uma leitura obrigatória por semestre, de um livro bem escolhido e
adequado à faixa etária da criança é um bom caminho para a formação de
leitores.
( ) o amor pelos livros só nasce do contato frequente e sistemático
com bons títulos.
( ) ter livros na sala de aula ou na biblioteca da escola é o suficiente
para que as crianças se interessem por eles.
( ) um adulto que lê para uma criança, seja em casa ou na escola,
empresta a ela seus olhos: traz até ela a linguagem escrita que se
ainda não leitora, não pudesse sozinha tão profundamente
compreender.
( ) um aluno leitor é um aluno com maiores chances de ter sucesso
em todas as disciplinas escolares.
( ) na escola, está nas mãos dos professores despertar a paixão
pelos livros. Se o professor não é leitor, não pode ter sucesso na
tarefa de formar leitores.
( ) as crianças, hoje em dia, não gostam de ler.
Até o próximo encontro!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fluencia leitora
Fluencia leitoraFluencia leitora
Fluencia leitora
Elisangela Santos
 
Atividade com hipertexto
Atividade com hipertextoAtividade com hipertexto
Atividade com hipertexto
Marcela Carvalho
 
O planejamento previo
O planejamento previoO planejamento previo
O planejamento previo
formacaodecoordenadores
 
7 regras para escrever
7 regras para escrever7 regras para escrever
7 regras para escrever
David Oliveira
 
Meu primeiro beijo power
Meu primeiro beijo powerMeu primeiro beijo power
Meu primeiro beijo power
Edna Meda
 
Meu primeiro beijo !
Meu primeiro beijo !Meu primeiro beijo !
Meu primeiro beijo !
Edna Meda
 
Meu primeiro beijo !
Meu primeiro beijo !Meu primeiro beijo !
Meu primeiro beijo !
Edna Meda
 
Meu primeiro beijo !
Meu primeiro beijo !Meu primeiro beijo !
Meu primeiro beijo !
Edna Meda
 
Meu primeiro beijo !
Meu primeiro beijo !Meu primeiro beijo !
Meu primeiro beijo !
Edna Meda
 
A Leitura, A Escrita E A InterpretaçãO ApresentaçãO
A Leitura, A Escrita E A InterpretaçãO ApresentaçãOA Leitura, A Escrita E A InterpretaçãO ApresentaçãO
A Leitura, A Escrita E A InterpretaçãO ApresentaçãO
Sonia Pacheco
 
Questionário
QuestionárioQuestionário
Questionário
Luciana
 
Modalidades De Leitura
Modalidades De LeituraModalidades De Leitura
Modalidades De Leitura
Josi Amato
 

Mais procurados (12)

Fluencia leitora
Fluencia leitoraFluencia leitora
Fluencia leitora
 
Atividade com hipertexto
Atividade com hipertextoAtividade com hipertexto
Atividade com hipertexto
 
O planejamento previo
O planejamento previoO planejamento previo
O planejamento previo
 
7 regras para escrever
7 regras para escrever7 regras para escrever
7 regras para escrever
 
Meu primeiro beijo power
Meu primeiro beijo powerMeu primeiro beijo power
Meu primeiro beijo power
 
Meu primeiro beijo !
Meu primeiro beijo !Meu primeiro beijo !
Meu primeiro beijo !
 
Meu primeiro beijo !
Meu primeiro beijo !Meu primeiro beijo !
Meu primeiro beijo !
 
Meu primeiro beijo !
Meu primeiro beijo !Meu primeiro beijo !
Meu primeiro beijo !
 
Meu primeiro beijo !
Meu primeiro beijo !Meu primeiro beijo !
Meu primeiro beijo !
 
A Leitura, A Escrita E A InterpretaçãO ApresentaçãO
A Leitura, A Escrita E A InterpretaçãO ApresentaçãOA Leitura, A Escrita E A InterpretaçãO ApresentaçãO
A Leitura, A Escrita E A InterpretaçãO ApresentaçãO
 
Questionário
QuestionárioQuestionário
Questionário
 
Modalidades De Leitura
Modalidades De LeituraModalidades De Leitura
Modalidades De Leitura
 

Semelhante a Leitura de Gêneros

A sequência didática
A sequência didáticaA sequência didática
A sequência didática
Iara Araujo
 
Material de apoio
Material de apoioMaterial de apoio
Material de apoio
Rosilene S.r.
 
Trabalho c.f.p. ituiutaba
Trabalho c.f.p. ituiutabaTrabalho c.f.p. ituiutaba
Trabalho c.f.p. ituiutaba
José da Silva
 
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
EscolaMunicipalMaria16
 
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
EscolaMunicipalMaria16
 
Hábito de Leitura
Hábito de LeituraHábito de Leitura
Hábito de Leitura
celiagarci
 
Como avaliar os níveis de leitura na alfabetização de crianças
Como avaliar os níveis de leitura na alfabetização de criançasComo avaliar os níveis de leitura na alfabetização de crianças
Como avaliar os níveis de leitura na alfabetização de crianças
Marcia Oliveira
 
Leitura como processo 2
Leitura como processo 2Leitura como processo 2
Leitura como processo 2
LigiaCarrasco4
 
02_AtividadesInclusivas_AnosIniciaisEF_Vivescer.pdf
02_AtividadesInclusivas_AnosIniciaisEF_Vivescer.pdf02_AtividadesInclusivas_AnosIniciaisEF_Vivescer.pdf
02_AtividadesInclusivas_AnosIniciaisEF_Vivescer.pdf
AnnalySchewtschik
 
Professor, o que fazer quando os alunos não demonstram interesse de ler e esc...
Professor, o que fazer quando os alunos não demonstram interesse de ler e esc...Professor, o que fazer quando os alunos não demonstram interesse de ler e esc...
Professor, o que fazer quando os alunos não demonstram interesse de ler e esc...
Juliana Soares
 
Oficina i workshop
Oficina i workshopOficina i workshop
Oficina i workshop
seduc e semed
 
Hec 2015
Hec   2015Hec   2015
Produção de texto coletivo
Produção de texto coletivoProdução de texto coletivo
Produção de texto coletivo
Márcia Reis
 
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
EscolaMunicipalMaria16
 
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
EscolaMunicipalMaria16
 
Fundamentação teorica sobre leitura
Fundamentação teorica sobre leituraFundamentação teorica sobre leitura
Fundamentação teorica sobre leitura
Aldo Socram
 
Lectoescrita
LectoescritaLectoescrita
Lectoescrita
Adriana Melo
 
arte de fazer perguntas[1]-1.pdf
arte de fazer perguntas[1]-1.pdfarte de fazer perguntas[1]-1.pdf
arte de fazer perguntas[1]-1.pdf
Silvia Regina Passos
 
Oficina final presencial 2dia
Oficina final presencial 2diaOficina final presencial 2dia
Oficina final presencial 2dia
mgmegrupodois
 
Metodologia Cientifica 2.pptx
Metodologia Cientifica 2.pptxMetodologia Cientifica 2.pptx
Metodologia Cientifica 2.pptx
RobsonFerreiraMatos
 

Semelhante a Leitura de Gêneros (20)

A sequência didática
A sequência didáticaA sequência didática
A sequência didática
 
Material de apoio
Material de apoioMaterial de apoio
Material de apoio
 
Trabalho c.f.p. ituiutaba
Trabalho c.f.p. ituiutabaTrabalho c.f.p. ituiutaba
Trabalho c.f.p. ituiutaba
 
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
 
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
 
Hábito de Leitura
Hábito de LeituraHábito de Leitura
Hábito de Leitura
 
Como avaliar os níveis de leitura na alfabetização de crianças
Como avaliar os níveis de leitura na alfabetização de criançasComo avaliar os níveis de leitura na alfabetização de crianças
Como avaliar os níveis de leitura na alfabetização de crianças
 
Leitura como processo 2
Leitura como processo 2Leitura como processo 2
Leitura como processo 2
 
02_AtividadesInclusivas_AnosIniciaisEF_Vivescer.pdf
02_AtividadesInclusivas_AnosIniciaisEF_Vivescer.pdf02_AtividadesInclusivas_AnosIniciaisEF_Vivescer.pdf
02_AtividadesInclusivas_AnosIniciaisEF_Vivescer.pdf
 
Professor, o que fazer quando os alunos não demonstram interesse de ler e esc...
Professor, o que fazer quando os alunos não demonstram interesse de ler e esc...Professor, o que fazer quando os alunos não demonstram interesse de ler e esc...
Professor, o que fazer quando os alunos não demonstram interesse de ler e esc...
 
Oficina i workshop
Oficina i workshopOficina i workshop
Oficina i workshop
 
Hec 2015
Hec   2015Hec   2015
Hec 2015
 
Produção de texto coletivo
Produção de texto coletivoProdução de texto coletivo
Produção de texto coletivo
 
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
 
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
 
Fundamentação teorica sobre leitura
Fundamentação teorica sobre leituraFundamentação teorica sobre leitura
Fundamentação teorica sobre leitura
 
Lectoescrita
LectoescritaLectoescrita
Lectoescrita
 
arte de fazer perguntas[1]-1.pdf
arte de fazer perguntas[1]-1.pdfarte de fazer perguntas[1]-1.pdf
arte de fazer perguntas[1]-1.pdf
 
Oficina final presencial 2dia
Oficina final presencial 2diaOficina final presencial 2dia
Oficina final presencial 2dia
 
Metodologia Cientifica 2.pptx
Metodologia Cientifica 2.pptxMetodologia Cientifica 2.pptx
Metodologia Cientifica 2.pptx
 

Mais de vivianelima

Avaliação trabalho do professor na educação infantil - Zilma de Oliveira (org)v1
Avaliação trabalho do professor na educação infantil - Zilma de Oliveira (org)v1Avaliação trabalho do professor na educação infantil - Zilma de Oliveira (org)v1
Avaliação trabalho do professor na educação infantil - Zilma de Oliveira (org)v1
vivianelima
 
O desenvolvimento do desenho infantil
O desenvolvimento do desenho infantilO desenvolvimento do desenho infantil
O desenvolvimento do desenho infantil
vivianelima
 
Comparação de duas creches e o papel do coordenador
Comparação de duas creches e o papel do coordenadorComparação de duas creches e o papel do coordenador
Comparação de duas creches e o papel do coordenador
vivianelima
 
Pauta Professores
Pauta ProfessoresPauta Professores
Pauta Professores
vivianelima
 
REVISTA - AVISA LÁ - PRÁTICAS PROMOTORAS DE IGUALDADE RACIAL
REVISTA - AVISA LÁ - PRÁTICAS PROMOTORAS DE IGUALDADE RACIALREVISTA - AVISA LÁ - PRÁTICAS PROMOTORAS DE IGUALDADE RACIAL
REVISTA - AVISA LÁ - PRÁTICAS PROMOTORAS DE IGUALDADE RACIALvivianelima
 
PAC SÃO DOMINGOS
PAC SÃO DOMINGOSPAC SÃO DOMINGOS
PAC SÃO DOMINGOS
vivianelima
 
PAC NÚCLEO 22 DE SETEMBRO
PAC NÚCLEO 22 DE SETEMBROPAC NÚCLEO 22 DE SETEMBRO
PAC NÚCLEO 22 DE SETEMBRO
vivianelima
 
PAC NOSSA SENHORA DE FÁTIMA
PAC NOSSA SENHORA DE FÁTIMAPAC NOSSA SENHORA DE FÁTIMA
PAC NOSSA SENHORA DE FÁTIMA
vivianelima
 
PAC NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS
PAC NOSSA SENHORA DAS GRAÇASPAC NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS
PAC NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS
vivianelima
 
PAC ABECA II
PAC ABECA IIPAC ABECA II
PAC ABECA II
vivianelima
 
EMI VISCONDE DE SABUGOSA
EMI VISCONDE DE SABUGOSAEMI VISCONDE DE SABUGOSA
EMI VISCONDE DE SABUGOSA
vivianelima
 
EMI TIO BARNABÉ
EMI TIO BARNABÉEMI TIO BARNABÉ
EMI TIO BARNABÉ
vivianelima
 
EMI SÃO JUDAS TADEU
EMI SÃO JUDAS TADEUEMI SÃO JUDAS TADEU
EMI SÃO JUDAS TADEU
vivianelima
 
EMI SANTO ANTÔNIO
EMI SANTO ANTÔNIOEMI SANTO ANTÔNIO
EMI SANTO ANTÔNIO
vivianelima
 
EMI SACI
EMI SACIEMI SACI
EMI SACI
vivianelima
 
EMI ROSINHA
EMI ROSINHAEMI ROSINHA
EMI ROSINHA
vivianelima
 
EMI PITECO
EMI PITECOEMI PITECO
EMI PITECO
vivianelima
 
EMI PELEZINHO
 EMI PELEZINHO EMI PELEZINHO
EMI PELEZINHO
vivianelima
 

Mais de vivianelima (20)

Avaliação trabalho do professor na educação infantil - Zilma de Oliveira (org)v1
Avaliação trabalho do professor na educação infantil - Zilma de Oliveira (org)v1Avaliação trabalho do professor na educação infantil - Zilma de Oliveira (org)v1
Avaliação trabalho do professor na educação infantil - Zilma de Oliveira (org)v1
 
O desenvolvimento do desenho infantil
O desenvolvimento do desenho infantilO desenvolvimento do desenho infantil
O desenvolvimento do desenho infantil
 
Comparação de duas creches e o papel do coordenador
Comparação de duas creches e o papel do coordenadorComparação de duas creches e o papel do coordenador
Comparação de duas creches e o papel do coordenador
 
Pauta Professores
Pauta ProfessoresPauta Professores
Pauta Professores
 
REVISTA - AVISA LÁ - PRÁTICAS PROMOTORAS DE IGUALDADE RACIAL
REVISTA - AVISA LÁ - PRÁTICAS PROMOTORAS DE IGUALDADE RACIALREVISTA - AVISA LÁ - PRÁTICAS PROMOTORAS DE IGUALDADE RACIAL
REVISTA - AVISA LÁ - PRÁTICAS PROMOTORAS DE IGUALDADE RACIAL
 
LIVRO ZOOM
LIVRO ZOOMLIVRO ZOOM
LIVRO ZOOM
 
PAC SÃO DOMINGOS
PAC SÃO DOMINGOSPAC SÃO DOMINGOS
PAC SÃO DOMINGOS
 
PAC NÚCLEO 22 DE SETEMBRO
PAC NÚCLEO 22 DE SETEMBROPAC NÚCLEO 22 DE SETEMBRO
PAC NÚCLEO 22 DE SETEMBRO
 
PAC NOSSA SENHORA DE FÁTIMA
PAC NOSSA SENHORA DE FÁTIMAPAC NOSSA SENHORA DE FÁTIMA
PAC NOSSA SENHORA DE FÁTIMA
 
PAC NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS
PAC NOSSA SENHORA DAS GRAÇASPAC NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS
PAC NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS
 
PAC ABECA III
PAC ABECA IIIPAC ABECA III
PAC ABECA III
 
PAC ABECA II
PAC ABECA IIPAC ABECA II
PAC ABECA II
 
EMI VISCONDE DE SABUGOSA
EMI VISCONDE DE SABUGOSAEMI VISCONDE DE SABUGOSA
EMI VISCONDE DE SABUGOSA
 
EMI TIO BARNABÉ
EMI TIO BARNABÉEMI TIO BARNABÉ
EMI TIO BARNABÉ
 
EMI SÃO JUDAS TADEU
EMI SÃO JUDAS TADEUEMI SÃO JUDAS TADEU
EMI SÃO JUDAS TADEU
 
EMI SANTO ANTÔNIO
EMI SANTO ANTÔNIOEMI SANTO ANTÔNIO
EMI SANTO ANTÔNIO
 
EMI SACI
EMI SACIEMI SACI
EMI SACI
 
EMI ROSINHA
EMI ROSINHAEMI ROSINHA
EMI ROSINHA
 
EMI PITECO
EMI PITECOEMI PITECO
EMI PITECO
 
EMI PELEZINHO
 EMI PELEZINHO EMI PELEZINHO
EMI PELEZINHO
 

Último

Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 

Último (20)

Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 

Leitura de Gêneros

  • 1. Leitura/Leitura de Gêneros Cleonice Martins e Mara Tiburcio
  • 2. Filme: Os fantásticos livros voadores do Sr. Morris Lessmore
  • 3. Como podemos contribuir no desenvolvimento da competência leitora?
  • 4. De que forma o trabalho com gêneros auxilia no desenvolvimento da competência leitora?
  • 5. Quando percebi, tudo já havia acontecido. O radio ficou mudo e, apesar de mais pessoas estarem por perto, lá estava eu, sozinho com os meus pensamentos... O frio que eu sentia era diferente. Entrava pela pele e doía nos ossos, fazendo meu corpo todo tremer. Desapertei a gravata e tirei o paletó. Tentei manter a calma e abri lentamente a janela. Com muito esforço saí, mas não conseguia perceber exatamente onde eu estava. Meus movimentos eram lentos e desajeitados... Já não me importava com coisas materiais... meus documentos, dinheiro, meu carro ou qualquer coisa assim. Consegui tirar os sapatos, que me incomodavam muito, e tentei me dirigir para a única direção onde provavelmente encontraria um poste. Foi quando vi a mulher tentando pegar o cachorro: comecei a rir sem parar e apoiei meu corpo cansado em cima de um muro. Passou por mim um garoto assustado puxado por seu pai, um guarda com urna velhinha e um rapaz tranquilo que aparentemente me conhecia, pois disse um "oi, tudo sob controle ai? e foi embora. Nesse momento comecei a entender corno o trágico mora perto do cômico! Aos poucos consegui chegar a uma padaria que recebia quase todo mundo que escapava. Tomei um conhaque e como bom brasileiro fiquei trocando ideias e procurando soluções para os problemas do mundo com meus novos amigos...
  • 6. QUESTÕES Por que o rádio ficou mudo? Por que a personagem tirou o paletó, desapertou a gravata e abriu a janela se sentia frio? Por que os sapatos o incomodavam? Por que eles se dirigiu a um poste? Por que ele apoiou em cima do muro e não no muro?
  • 7.
  • 8.
  • 9. A COMPREENSÃO DA LEITURA ENVOLVE CONHECIMENTOS PRÉVIOS, CONTEXTUALIZAÇÕES
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13. POR QUE O CÉU É AZUL?
  • 14. Antes Levantamento do conhecimento prévio sobre o assunto; Antes de iniciar o trabalho, procure levantar hipóteses a respeito dos conhecimentos que supõe que a turma dispõe a respeito do assunto ou do próprio texto. Essa reflexão possibilita construir um repertório possível de intervenções didáticas. Expectativas em função do suporte. É sempre importante proporcionar aos alunos uma rica convivência com diferentes materiais impressos em seus suportes originais. • Escolher textos de boa qualidade. • Falar sobre a época e o lugar em que o texto foi escrito (portador). Expectativas em função dos textos da capa. Chamar a atenção para a capa ou título e perguntar sobre o que seria o texto. Antes de discutir qualquer texto com a turma, analise-o cuidadosamente para identificar que conceitos podem ser explorados. Análise do título e ilustração(quando houver) . O que sugere?
  • 15. Expectativas em função da formatação do gênero (divisão em colunas, segmentação do texto...). A silhueta que o texto impresso assume na folha pode também fornecer indícios a respeito de qual seja o gênero e o tipo de assunto que pode estar sendo tratado. É o caso de uma lista seguida de itens numerados que sugere uma receita culinária ou a formatação de um texto jornalístico em colunas desta maneira os leitores interagem com o texto e acabam inferindo em sua recepção: ler uma notícia é diferente do que ler um conto. Expectativa em função do autor. Um leitor experiente conseguir crias muitas expectativas a respeito do conteúdo ou estilo do texto se já tiver lidos outras obras do autor. Quanto mais frequentam o mundo da escrita, mais os leitores vão acumulando referências a respeito dos autores.
  • 16. Antecipação do tema ou ideia principal a partir do exame de imagens ou de saliências gráficas. A leitura exploratória das imagens – fotografias, ilustrações, mapas, gráficos, tabelas, formulas matemáticas, esquemas, além das saliências gráficas como estilo é essencial para o leitor escolher o que ler em função de seus objetivos. • Observar as imagens e as palavras • Ler os títulos e as legendas que identificam as imagens, tabelas, gráficos e mapas. É possível antecipar o tema do texto a partis desses elementos? • Retome as hipóteses levantadas – Quais se confirmam? Quais não? Explicitação das expectativas de leitura a partir da analise dos índices anteriores. Estimular os estudantes a verbalizarem suas expectativas de leitura: o que você espera ler nesse texto? Qual o assunto? Qual será provavelmente a abordagem do autor?
  • 17. Explicitação das expectativas de leitura a partir da analise dos índices anteriores. Estimular os estudantes a verbalizarem suas expectativas de leitura: o que você espera ler nesse texto? Qual o assunto? Qual será provavelmente a abordagem do autor? Definição dos objetivos da leitura. Quem lê sabe o que deve ler, porque deve ler e para que deve ler. Lemos para desfrutar uma boa história, para nos atualizar, para buscar uma determinada informação, para seguir instruções para realizar algum tipo de atividade, para estudar etc. Objetivos diferentes determinam modos diferentes de ler, pois mobilizam o uso de diferentes estratégias de leitura. • Explicite claramente os propósitos que orientam a leitura e estimule os estudantes a focalizarem as informações essenciais que o texto traz. • Formule questões relacionadas às grandes temáticas do texto, preferencialmente a partir do levantamento do que os estudantes querem saber.
  • 18. Durante • Se os ouvintes dispersarem, utilize alguns recursos para resgatar a atenção, fazendo algum tipo de suspense e perguntando, por exemplo: o que será que vai acontecer agora? Será que os heróis da história vão conseguir resolver o problema? • Se notar que a compreensão está difícil, faça algumas interrupções, dando algumas pistas para ajudar, formulando perguntas que auxiliem os alunos a identificar o elo perdido, mas sem se alongar em explicações, evitando fragmentar a narrativa e propiciando a expressão individual ou do grupo. • Se os participantes interromperem com perguntas, responda o estritamente necessário e retome o texto rapidamente, para não perder o encanto. • Em atividades de leitura compartilhada, procure chamar atenção para os diferentes marcadores textuais. É importante não apenas discutir o conteúdo do texto, mas ir mostrando em quais elementos linguísticos nos apoiamos para construir tal sentido.
  • 19. DEPOIS Construa a síntese do texto • Explorar o texto através de pergunta/resposta. Não nos referimos aqui à perguntas didáticas em que quem pergunta procura verificar o que o outro entendeu do que leu, mas à pergunta que problematiza o que o leitor diz e o ajuda a pensar sobre o lido. • Caso identifique passagens de difícil compreensão para a turma, estimule alguns estudantes a explicarem esses trechos mais obscuros. Explicar é uma forma muito eficiente de aprender. Troca de impressões, resoluções sobre o texto lido. Indicação de estratégias de resolução indicando as justificativas.
  • 20. Troca de impressões, resoluções sobre o texto lido. • Durante a troca de ideias a respeito do texto, ao receber de um estudante uma resposta aparentemente equivocada, evite passar a palavra imediatamente para outro. Procure dirigir-lhe perguntas para tentar compreender o que quis dizer ou ajudá-lo a identificar pistas para reformular algo que não tenha compreendido. • Muito da compreensão do que se lê se constrói através das conversas a respeito do texto. • Como há diferentes pontos de vista sobre os temas, é importante exercitar a escuta democrática. Procure estar atento ao que os estudantes dizem. • Planejar momentos para que os estudantes possam trocar ideias sobre noticias ou livros em sala de aula. Textos e livros comuns previamente lidos podem fornecer combustível para ricos debates. Indicação de estratégias de resolução dos problemas indicando as justificativas. É importante levar o aluno a percorrer as estratégias realizadas para resolução justificando como e porque chegou a solução, que poderá ser validade e/ou encaminhada para a resolução recomendável ao assunto.
  • 21. • Ensinando a ler no contexto das práticas sociais da leitura, ou seja, colocando a criança em contato com os mais diversos tipos de textos que existem na sociedade; • Ofertando livros de qualidade; • Promover empréstimos de livros • Organizar acervos com diferentes tipos de textos, livros etc • Desenvolver espaços de circulação da leitura; • Ao escolher uma leitura (textos, livros etc) devemos pensar no porquê, para quê e para quem PARA CONCLUIR
  • 22. SUGESTÃO VERDADEIRO OU FALSO Questionário reflexivo sobre as concepções que envolvem a leitura ( ) crianças que não possuem pais leitores e/ou não tem livros em casa seu percurso leitor é prejudicado ( ) formar leitores é tarefa da escola e não das famílias ( ) as histórias que ensinam bons hábitos (como escovar os dentes ou pedir desculpas), apresentam finais moralizantes (como não roubar ou dizer a verdade), trabalham temas considerados “tabus” (como sexualidade, a morte ou a separação dos pais) ou ensinamentos socialmente relevantes (como preservar o meio ambiente) devem ganhar destaque nas salas de aula de Educação Infantil e do Ensino Fundamental. ( ) uma leitura obrigatória por semestre, de um livro bem escolhido e adequado à faixa etária da criança é um bom caminho para a formação de leitores.
  • 23. ( ) o amor pelos livros só nasce do contato frequente e sistemático com bons títulos. ( ) ter livros na sala de aula ou na biblioteca da escola é o suficiente para que as crianças se interessem por eles. ( ) um adulto que lê para uma criança, seja em casa ou na escola, empresta a ela seus olhos: traz até ela a linguagem escrita que se ainda não leitora, não pudesse sozinha tão profundamente compreender. ( ) um aluno leitor é um aluno com maiores chances de ter sucesso em todas as disciplinas escolares. ( ) na escola, está nas mãos dos professores despertar a paixão pelos livros. Se o professor não é leitor, não pode ter sucesso na tarefa de formar leitores. ( ) as crianças, hoje em dia, não gostam de ler.
  • 24. Até o próximo encontro!!!