SlideShare uma empresa Scribd logo
Lavagem Nasal
Otite e Sinusite
A congestão nasal, popularmente conhecida como nariz
entupido, é um desconforto freqüente nas crianças e uma
preocupação para seus cuidadores. O nariz congestionado
atrapalha a respiração, interferindo na qualidade do sono e
na alimentação do bebê, principalmente na hora de mamar.
A obstrução nasal é uma condição que pode ser observada
em qualquer época do ano. Porém, essa é mais freqüência no
outono e no inverno, já que são estações em que há maior
ocorrência de quadros gripais e infecções do trato
respiratório.
As fossas nasais e os seios paranasais são responsáveis pela
filtração, aquecimento e umidificação do ar inspirado,
deixando-o em condições favoráveis para a troca gasosa nos
pulmões.
Os seios paranasais iniciam seu desenvolvimento antes do nascimento e
atingem sua conformacao final por volta dos 7anos de idade.
Congestão Nasal Formação dos Seios Paranasais
Fluxo de drenagem dos seios paranasais
Idade Gestacional em
que começa a formação
(em meses)
Idade em que a
presença tem
Significado Clínico
Completamente
desenvolvido
Maxilar 2 Ao Nascimento 12 anos
Etimoide 3 Ao Nascimento 12 anos
Frontal 4 3 anos 18-20 anos
Esfenoide 3 8 anos 12-15 anos
Tanto a mucosa nasal quanto a dos seios paranasais são recobertas por uma camada
de células produtoras de muco (catarro). Além destas células existem também as
células ciliadas responsáveis por remover o excesso de muco dos seios paranasais
paraas fossas nasais e dai paraa rinofaringe.
Os cílios respiratórios batem aproximadamente mil vezes por minuto, isso
significa que os materiais da superfície são movidos numa proporção de 3 a 25
mm por minuto. A temperatura ideal para o bom funcionamento das células
ciliadas é de 33ºC, sendo que o batimento ciliar diminui quando a temperatura
está abaixo de 18ºC ou acima de40ºC. OpH ideal deveestar entre 7e8.
Algumas condições reduzem o volume e alteram
a viscosidade do muco:
Infecções Desidratação Medicamentos
O acúmulo de muco nos seios paranasais é responsável pelos
quadros de sinusite. Este muco também pode alcançar os
ouvidos por meio da Tuba de Eustáquio causando otites médias.
A literatura médica aprova e incentiva a aplicação de Soro
Fisiológico parao tratamento da Obstrução Nasal.
O EPOS 2012: European position paper on rhinosinusitis and nasal
polyps 2012 afirma que esta aplicação deve realizada na posição
sentada ou depécom a cabeça levemente reclinada parafrente.
Num estudo de 2015 os autores afirmam que a irrigação nasal com
solução fisiológica possui benefícios para alívio dos sintomas de
IVAs. Entretanto, os estudos incluídos foram pequenos e possuem
altoriscodeviés, reduzindo aconfiança dos resultados.
Efeitos adversos leves não foram incomuns e 40% a 44% dos bebês
apresentaram dificuldade com a aplicação da solução. Este
desconforto teve mais associação com a pressão aplicada do que
pelo soroem si.
Ainda num estudo de 2016 os autores afirmam: Irrigação nasal
realizada sob baixa pressão deve ser realizada com dispositivos de
baixapressão.
Outra metanálise de 2018 diz que a irrigação com solução salina
pode reduzir a severidade dos sintomas relatados pelos pacientes
(tanto crianças quanto adultos), com rinite alérgica, sem grandes
efeitos adversos. [...] A qualidade da evidência apresentada foi
baixa ou muito baixa. Os estudos incluídos na pesquisa eram
pequenos a não avaliaram os desfechos de maneira uniforme. Esta
revisão também não inclui a comparação entre volumes e
tonicidadedasoluçãoempregada.
Fokkens WJ, Lund VJ, Mullol J, Bachert C, Alobid I, Baroody F, Cohen N, Cervin A, Douglas R, Gevaert P,
Georgalas C, Goossens H, Harvey R, Hellings P, Hopkins C, Jones N, Joos G, Kalogjera L, Kern B,
Kowalski M, Price D, Riechelmann H, Schlosser R, Senior B, Thomas M, Toskala E, Voegels R, Wang de
Y, Wormald PJ. EPOS 2012: European position paper on rhinosinusitis and nasal polyps 2012. A
summary for otorhinolaryngologists. Rhinology. 2012 Mar;50(1):1-12. doi: 10.4193/Rhino12.000.
PMID: 22469599.
Salinenasalirrigationforacuteupperrespiratorytractinfections
David KingBen Mitchell Christopher P Williams Geoffrey KP Spurling. Version published: 20 April
2015
Salineirrigationforchronicrhinosinusitis
Lee Yee ChongKaren HeadClaire HopkinsCarl PhilpottSimon GlewGlenis ScaddingMartin J
BurtonAnne GMSchilderAuthors' declarations of interest.Version published: 26 April 2016
Salineirrigationforallergicrhinitis
Karen Head Kornkiat Snidvongs Simon Glew Glenis Scadding Anne GM Schilder Carl PhilpottClaire
Hopkins. 22 June 2018
Como ajudar as crianças com Obstrução Nasal?
Mamar deitado e o risco de Otite
Na amamentação, a sucção faz com que a mandíbula do bebê
se projete para frente e mantém a tuba auditiva fechada.
Quanto mais força o bebê faz para mamar (no seio), menor é a
chance da tuba permitir a passagem do líquido.
A pressão provocada pela sucção da amamentação é diferente
da exercida pela mamadeira. Com a mamadeira, o bebê não
faz nenhum esforço para a saída do líquido e a musculatura do
canal auditivo fica mais “frouxa”. O leite consegue passar e
atinge a tuba auditiva, podendo causar a otite.
Portanto, amamentar deitada não causa otite. Mas se o seu
bebê mama na mamadeira, tenha o cuidado de colocá-lo em
uma posição mais verticalizada. Essa recomendação também é
válida para os bebês com histórico de refluxo.
Sobre mamar deitado, vamos esclarecer algumas coisas:
1. Bebês em aleitamento materno podem mamar deitados sem
nenhum problema
2. Bebês que usam mamadeira não devem mamar deitados.
O bico do mamilo, pela sua elasticidade e moldagem, toca em
uma região da cavidade oral onde há contração dos músculos
do palato e consequente proteção do ouvido durante a sucção.
Já o bico da mamadeira, como é mais curto e não se molda à
sucção, não promove estímulo à musculatura do palato,
causando desequilibrio de pressões durante a sucção e risco
aumentado para otites.
3. Essa é uma posição muito utilizada pois a mãe fica
confortável e relaxada. Ela deve estar deitada de lado e o bebê
de frente para ela, barriga com barriga.
4. Caso o bebê tenha refluxo, o recomendado é elevar a cabeça
do bebê com um travesseiro. O leite materno tem propriedades
Incorreto Correto
Nas crianças a Tuba de Eustáquio (que fica na parte de trás da cavidade nasal) é mais
horizontalizada. Esta situação anatômica favorece a aspiração de pequenas
quantidades de muco da cavidade nasal que podem levar vírus e bactérias até o ouvido
médio.
Outra peculiaridade diz respeito à anatomia do seio maxilar. A drenagem deste seio
ocorreemsentido anti-gravitacional
Por que as crianças sofrem tanto com otite e sinusite?
Minha Tuba de Eustáquio
é mais angulada e permite
uma drenagem mais fácil.
Por isto eu tenho
menos otites.
Minha Tuba de Eustáquio
é mais reta e dificulta
a drenagem. Por isto
eu tenho mais otites.
Tuba de
Eustáquio
Tuba de
Eustáquio
Aplicação de Soro Nasal
As evidências científicas reconhecem a importância da aplicação do Soro Fisiológico nasal nos
quadros de Obstrução Nasal. No entanto é importante ter cuidado de não exercer pressão excessiva
durante o procedimento para evitar que o soro penetre na tuba auditiva e chegue ao ouvido.
Além disso, bom lembrar que a drenagem do seio maxilar ocorre em sentido anti-gravitacional
favorecendo a permanência de um resíduo que pode servir de meio de cultura para vírus e bactérias.
Apesar de todos os benefícios do procedimento, nem sempre a criança vai se mostrar colaborativa.
Muitas crianças choram e, os pais desesperados, na ânsia de terminar logo o procedimento, acabam
exercendo muita força e pressão no dispositivo.
Aplique o soro com a criança sentada ou de pé, com a
cabeça reclinada para frente. Os bebês podem fazer o
procedimento deitados.
• Os dispositivos em spray e jato contínuo são mais seguros para aplicar um alto volume com baixa pressão.
• O catarro precisa sair pela outra narina? Definitivamente NÃO. Quando aplicado sob baixa pressão e alto volume
a maior parte do catarro sai pela mesma narina ou cai na rinofaringe sendo posteriormente deglutido pelo bebê e
eliminado nas fezes.
• Nas seringas e garrafinhas a pressão exercida pode levar o muco contaminado para os seios paranasais e ouvido
médio.
• Os dispositivos de aspiração nasal
podem machucar a mucosa nasal,
causar sangramento e causar ainda
mais apreensão!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bronquiolite
BronquioliteBronquiolite
Bronquiolite
Fabricio Batistoni
 
Apresentação - 8ª Conferência Estadual de Saúde
Apresentação - 8ª Conferência Estadual de SaúdeApresentação - 8ª Conferência Estadual de Saúde
Apresentação - 8ª Conferência Estadual de Saúde
Wander Veroni Maia
 
Semiologia das Linfadenopatias
Semiologia das LinfadenopatiasSemiologia das Linfadenopatias
Semiologia das Linfadenopatias
pauloalambert
 
Aula sobre DPOC
Aula sobre DPOCAula sobre DPOC
Asma
AsmaAsma
Parto Normal
Parto NormalParto Normal
Parto Normal
Ministério da Saúde
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Bronquiolite na Infância: diagnóstico e tratamento
Bronquiolite na Infância: diagnóstico e tratamentoBronquiolite na Infância: diagnóstico e tratamento
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOCDoença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
Fernando Didier
 
Oxigenioterapia2
Oxigenioterapia2Oxigenioterapia2
Oxigenioterapia2
Alexandre Donha
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Sanny Pereira
 
Apresentação bronquiolite
Apresentação bronquioliteApresentação bronquiolite
Apresentação bronquiolite
Laboratório Sérgio Franco
 
Asma
AsmaAsma
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo UterinoColeta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Bronquite
BronquiteBronquite
Bronquite
Mônica Firmida
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
Rodrigo Abreu
 
Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01
Flávia Salame
 
PES 3.5 Asma
PES 3.5 AsmaPES 3.5 Asma
PES 3.5 Asma
Farmacêutico Digital
 
Saúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APSSaúde da Mulher na APS
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 

Mais procurados (20)

Bronquiolite
BronquioliteBronquiolite
Bronquiolite
 
Apresentação - 8ª Conferência Estadual de Saúde
Apresentação - 8ª Conferência Estadual de SaúdeApresentação - 8ª Conferência Estadual de Saúde
Apresentação - 8ª Conferência Estadual de Saúde
 
Semiologia das Linfadenopatias
Semiologia das LinfadenopatiasSemiologia das Linfadenopatias
Semiologia das Linfadenopatias
 
Aula sobre DPOC
Aula sobre DPOCAula sobre DPOC
Aula sobre DPOC
 
Asma
AsmaAsma
Asma
 
Parto Normal
Parto NormalParto Normal
Parto Normal
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
Bronquiolite na Infância: diagnóstico e tratamento
Bronquiolite na Infância: diagnóstico e tratamentoBronquiolite na Infância: diagnóstico e tratamento
Bronquiolite na Infância: diagnóstico e tratamento
 
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOCDoença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
 
Oxigenioterapia2
Oxigenioterapia2Oxigenioterapia2
Oxigenioterapia2
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
 
Apresentação bronquiolite
Apresentação bronquioliteApresentação bronquiolite
Apresentação bronquiolite
 
Asma
AsmaAsma
Asma
 
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo UterinoColeta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
 
Bronquite
BronquiteBronquite
Bronquite
 
Aula 09 oxigênioterapia
Aula 09  oxigênioterapiaAula 09  oxigênioterapia
Aula 09 oxigênioterapia
 
Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01
 
PES 3.5 Asma
PES 3.5 AsmaPES 3.5 Asma
PES 3.5 Asma
 
Saúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APSSaúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APS
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 

Semelhante a Lavagem Nasal

Lavagem Nasal
Lavagem NasalLavagem Nasal
Lavagem Nasal
Fabricio Batistoni
 
Fenda labiopalatina
Fenda labiopalatinaFenda labiopalatina
Fenda labiopalatina
Mariana Remiro
 
Webpalestra_RESPIRADOR BUCAL.pdf
Webpalestra_RESPIRADOR BUCAL.pdfWebpalestra_RESPIRADOR BUCAL.pdf
Webpalestra_RESPIRADOR BUCAL.pdf
ThalmaEsccia
 
Semiologia pediátrica
Semiologia pediátrica Semiologia pediátrica
Semiologia pediátrica
Gladyanny Veras
 
Tratado de otorrino
Tratado de otorrinoTratado de otorrino
Tratado de otorrino
Airton Santos
 
Fenda palatina, ll e fistula traqueoesofagica
Fenda palatina, ll e fistula traqueoesofagicaFenda palatina, ll e fistula traqueoesofagica
Fenda palatina, ll e fistula traqueoesofagica
Solange Giaretta
 
Aula terapia nutricional.ppt
Aula terapia nutricional.pptAula terapia nutricional.ppt
Aula terapia nutricional.ppt
arlei8
 
Aleitamento Materno E CáRie Do Lactente E Do Pré Escolar Uma RevisãO CríTica
Aleitamento Materno E CáRie Do Lactente E Do Pré Escolar   Uma RevisãO CríTicaAleitamento Materno E CáRie Do Lactente E Do Pré Escolar   Uma RevisãO CríTica
Aleitamento Materno E CáRie Do Lactente E Do Pré Escolar Uma RevisãO CríTica
Biblioteca Virtual
 
8 nutrição enteral e parenteral
8 nutrição enteral e parenteral8 nutrição enteral e parenteral
8 nutrição enteral e parenteral
Gustavo Gallardo
 
aulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdf
aulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdfaulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdf
aulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdf
KalianeValente
 
Quando devemos Visitar um otorrinolaringologista?
Quando devemos Visitar um otorrinolaringologista?Quando devemos Visitar um otorrinolaringologista?
Quando devemos Visitar um otorrinolaringologista?
Tookmed
 
Trabalho psicomotricidade
Trabalho psicomotricidadeTrabalho psicomotricidade
Trabalho psicomotricidade
Aline Gurgel
 
Atresia do Esôfago
Atresia do Esôfago Atresia do Esôfago
Atresia do Esôfago
Taillany Caroline
 
1 Clinical Consensus Statement - Ankyloglossia in Children.pptx
1 Clinical Consensus Statement - Ankyloglossia in Children.pptx1 Clinical Consensus Statement - Ankyloglossia in Children.pptx
1 Clinical Consensus Statement - Ankyloglossia in Children.pptx
FbioPalma5
 
Hábitos viciosos e a ortopedia funcional dos maxilares
Hábitos viciosos e a ortopedia funcional dos maxilaresHábitos viciosos e a ortopedia funcional dos maxilares
Hábitos viciosos e a ortopedia funcional dos maxilares
Proama Projeto Amamentar
 
Introdução à Odontologia Pediátrica.pptx
Introdução à Odontologia Pediátrica.pptxIntrodução à Odontologia Pediátrica.pptx
Introdução à Odontologia Pediátrica.pptx
DoanyMoura1
 
Odontologia Para Bebês odontopediatria.pptx
Odontologia Para Bebês odontopediatria.pptxOdontologia Para Bebês odontopediatria.pptx
Odontologia Para Bebês odontopediatria.pptx
DoanyMoura1
 
Abordagem Fonoaudiológica ao Recém-nascido de Risco no Aleitamento Materno
Abordagem Fonoaudiológica ao Recém-nascido de Risco no Aleitamento MaternoAbordagem Fonoaudiológica ao Recém-nascido de Risco no Aleitamento Materno
Abordagem Fonoaudiológica ao Recém-nascido de Risco no Aleitamento Materno
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Síntese de mo universidade estadual de ciências da saúde de alagoas
Síntese de mo      universidade estadual de ciências da saúde de alagoasSíntese de mo      universidade estadual de ciências da saúde de alagoas
Síntese de mo universidade estadual de ciências da saúde de alagoas
Anamariassa
 
Tosse e resfriado
Tosse e resfriadoTosse e resfriado
Tosse e resfriado
Fabricio Batistoni
 

Semelhante a Lavagem Nasal (20)

Lavagem Nasal
Lavagem NasalLavagem Nasal
Lavagem Nasal
 
Fenda labiopalatina
Fenda labiopalatinaFenda labiopalatina
Fenda labiopalatina
 
Webpalestra_RESPIRADOR BUCAL.pdf
Webpalestra_RESPIRADOR BUCAL.pdfWebpalestra_RESPIRADOR BUCAL.pdf
Webpalestra_RESPIRADOR BUCAL.pdf
 
Semiologia pediátrica
Semiologia pediátrica Semiologia pediátrica
Semiologia pediátrica
 
Tratado de otorrino
Tratado de otorrinoTratado de otorrino
Tratado de otorrino
 
Fenda palatina, ll e fistula traqueoesofagica
Fenda palatina, ll e fistula traqueoesofagicaFenda palatina, ll e fistula traqueoesofagica
Fenda palatina, ll e fistula traqueoesofagica
 
Aula terapia nutricional.ppt
Aula terapia nutricional.pptAula terapia nutricional.ppt
Aula terapia nutricional.ppt
 
Aleitamento Materno E CáRie Do Lactente E Do Pré Escolar Uma RevisãO CríTica
Aleitamento Materno E CáRie Do Lactente E Do Pré Escolar   Uma RevisãO CríTicaAleitamento Materno E CáRie Do Lactente E Do Pré Escolar   Uma RevisãO CríTica
Aleitamento Materno E CáRie Do Lactente E Do Pré Escolar Uma RevisãO CríTica
 
8 nutrição enteral e parenteral
8 nutrição enteral e parenteral8 nutrição enteral e parenteral
8 nutrição enteral e parenteral
 
aulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdf
aulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdfaulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdf
aulanutrioenteraleparenteral-120315210549-phpapp01.pdf
 
Quando devemos Visitar um otorrinolaringologista?
Quando devemos Visitar um otorrinolaringologista?Quando devemos Visitar um otorrinolaringologista?
Quando devemos Visitar um otorrinolaringologista?
 
Trabalho psicomotricidade
Trabalho psicomotricidadeTrabalho psicomotricidade
Trabalho psicomotricidade
 
Atresia do Esôfago
Atresia do Esôfago Atresia do Esôfago
Atresia do Esôfago
 
1 Clinical Consensus Statement - Ankyloglossia in Children.pptx
1 Clinical Consensus Statement - Ankyloglossia in Children.pptx1 Clinical Consensus Statement - Ankyloglossia in Children.pptx
1 Clinical Consensus Statement - Ankyloglossia in Children.pptx
 
Hábitos viciosos e a ortopedia funcional dos maxilares
Hábitos viciosos e a ortopedia funcional dos maxilaresHábitos viciosos e a ortopedia funcional dos maxilares
Hábitos viciosos e a ortopedia funcional dos maxilares
 
Introdução à Odontologia Pediátrica.pptx
Introdução à Odontologia Pediátrica.pptxIntrodução à Odontologia Pediátrica.pptx
Introdução à Odontologia Pediátrica.pptx
 
Odontologia Para Bebês odontopediatria.pptx
Odontologia Para Bebês odontopediatria.pptxOdontologia Para Bebês odontopediatria.pptx
Odontologia Para Bebês odontopediatria.pptx
 
Abordagem Fonoaudiológica ao Recém-nascido de Risco no Aleitamento Materno
Abordagem Fonoaudiológica ao Recém-nascido de Risco no Aleitamento MaternoAbordagem Fonoaudiológica ao Recém-nascido de Risco no Aleitamento Materno
Abordagem Fonoaudiológica ao Recém-nascido de Risco no Aleitamento Materno
 
Síntese de mo universidade estadual de ciências da saúde de alagoas
Síntese de mo      universidade estadual de ciências da saúde de alagoasSíntese de mo      universidade estadual de ciências da saúde de alagoas
Síntese de mo universidade estadual de ciências da saúde de alagoas
 
Tosse e resfriado
Tosse e resfriadoTosse e resfriado
Tosse e resfriado
 

Mais de Fabricio Batistoni

Lavagem Nasal 2
Lavagem Nasal 2Lavagem Nasal 2
Lavagem Nasal 2
Fabricio Batistoni
 
Febre
FebreFebre
Tosse
TosseTosse
Prevenção de Acidentes
Prevenção de AcidentesPrevenção de Acidentes
Prevenção de Acidentes
Fabricio Batistoni
 
ASMA na infância
ASMA na infânciaASMA na infância
ASMA na infância
Fabricio Batistoni
 
Vacinação contra Covid-19
Vacinação contra Covid-19Vacinação contra Covid-19
Vacinação contra Covid-19
Fabricio Batistoni
 
Saltos de desenvolvimento
Saltos de desenvolvimentoSaltos de desenvolvimento
Saltos de desenvolvimento
Fabricio Batistoni
 
Consumo de Mel em Crianças
Consumo de Mel em CriançasConsumo de Mel em Crianças
Consumo de Mel em Crianças
Fabricio Batistoni
 
Dislalia 2020
Dislalia 2020Dislalia 2020
Dislalia 2020
Fabricio Batistoni
 
Introdução alimentar
Introdução alimentarIntrodução alimentar
Introdução alimentar
Fabricio Batistoni
 
Dor de crescimento
Dor de crescimentoDor de crescimento
Dor de crescimento
Fabricio Batistoni
 
Fica muito doente
Fica muito doenteFica muito doente
Fica muito doente
Fabricio Batistoni
 
TDAH, Dislexia e Discalculia
TDAH, Dislexia e DiscalculiaTDAH, Dislexia e Discalculia
TDAH, Dislexia e Discalculia
Fabricio Batistoni
 
TDAH para Educadores
TDAH para EducadoresTDAH para Educadores
TDAH para Educadores
Fabricio Batistoni
 
TDAN mitos e verdades
TDAN mitos e verdadesTDAN mitos e verdades
TDAN mitos e verdades
Fabricio Batistoni
 
Desenvolvimento da linguagem
Desenvolvimento da linguagemDesenvolvimento da linguagem
Desenvolvimento da linguagem
Fabricio Batistoni
 
Imunoterapia
ImunoterapiaImunoterapia
Imunoterapia
Fabricio Batistoni
 
Melatonina e sono
Melatonina e sonoMelatonina e sono
Melatonina e sono
Fabricio Batistoni
 
Novo normal
Novo normalNovo normal
Novo normal
Fabricio Batistoni
 
Novo normal na infância
Novo normal na infânciaNovo normal na infância
Novo normal na infância
Fabricio Batistoni
 

Mais de Fabricio Batistoni (20)

Lavagem Nasal 2
Lavagem Nasal 2Lavagem Nasal 2
Lavagem Nasal 2
 
Febre
FebreFebre
Febre
 
Tosse
TosseTosse
Tosse
 
Prevenção de Acidentes
Prevenção de AcidentesPrevenção de Acidentes
Prevenção de Acidentes
 
ASMA na infância
ASMA na infânciaASMA na infância
ASMA na infância
 
Vacinação contra Covid-19
Vacinação contra Covid-19Vacinação contra Covid-19
Vacinação contra Covid-19
 
Saltos de desenvolvimento
Saltos de desenvolvimentoSaltos de desenvolvimento
Saltos de desenvolvimento
 
Consumo de Mel em Crianças
Consumo de Mel em CriançasConsumo de Mel em Crianças
Consumo de Mel em Crianças
 
Dislalia 2020
Dislalia 2020Dislalia 2020
Dislalia 2020
 
Introdução alimentar
Introdução alimentarIntrodução alimentar
Introdução alimentar
 
Dor de crescimento
Dor de crescimentoDor de crescimento
Dor de crescimento
 
Fica muito doente
Fica muito doenteFica muito doente
Fica muito doente
 
TDAH, Dislexia e Discalculia
TDAH, Dislexia e DiscalculiaTDAH, Dislexia e Discalculia
TDAH, Dislexia e Discalculia
 
TDAH para Educadores
TDAH para EducadoresTDAH para Educadores
TDAH para Educadores
 
TDAN mitos e verdades
TDAN mitos e verdadesTDAN mitos e verdades
TDAN mitos e verdades
 
Desenvolvimento da linguagem
Desenvolvimento da linguagemDesenvolvimento da linguagem
Desenvolvimento da linguagem
 
Imunoterapia
ImunoterapiaImunoterapia
Imunoterapia
 
Melatonina e sono
Melatonina e sonoMelatonina e sono
Melatonina e sono
 
Novo normal
Novo normalNovo normal
Novo normal
 
Novo normal na infância
Novo normal na infânciaNovo normal na infância
Novo normal na infância
 

Último

Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AntonioXavier35
 
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdfVIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
kailanejoyce4
 

Último (9)

Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
 
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdfVIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
VIAS+E+ADMINISTRAÇÃO+DE+MEDICAMENTOS-+AULA+03 (2).pdf
 

Lavagem Nasal

  • 1. Lavagem Nasal Otite e Sinusite A congestão nasal, popularmente conhecida como nariz entupido, é um desconforto freqüente nas crianças e uma preocupação para seus cuidadores. O nariz congestionado atrapalha a respiração, interferindo na qualidade do sono e na alimentação do bebê, principalmente na hora de mamar. A obstrução nasal é uma condição que pode ser observada em qualquer época do ano. Porém, essa é mais freqüência no outono e no inverno, já que são estações em que há maior ocorrência de quadros gripais e infecções do trato respiratório. As fossas nasais e os seios paranasais são responsáveis pela filtração, aquecimento e umidificação do ar inspirado, deixando-o em condições favoráveis para a troca gasosa nos pulmões. Os seios paranasais iniciam seu desenvolvimento antes do nascimento e atingem sua conformacao final por volta dos 7anos de idade. Congestão Nasal Formação dos Seios Paranasais Fluxo de drenagem dos seios paranasais Idade Gestacional em que começa a formação (em meses) Idade em que a presença tem Significado Clínico Completamente desenvolvido Maxilar 2 Ao Nascimento 12 anos Etimoide 3 Ao Nascimento 12 anos Frontal 4 3 anos 18-20 anos Esfenoide 3 8 anos 12-15 anos Tanto a mucosa nasal quanto a dos seios paranasais são recobertas por uma camada de células produtoras de muco (catarro). Além destas células existem também as células ciliadas responsáveis por remover o excesso de muco dos seios paranasais paraas fossas nasais e dai paraa rinofaringe. Os cílios respiratórios batem aproximadamente mil vezes por minuto, isso significa que os materiais da superfície são movidos numa proporção de 3 a 25 mm por minuto. A temperatura ideal para o bom funcionamento das células ciliadas é de 33ºC, sendo que o batimento ciliar diminui quando a temperatura está abaixo de 18ºC ou acima de40ºC. OpH ideal deveestar entre 7e8. Algumas condições reduzem o volume e alteram a viscosidade do muco: Infecções Desidratação Medicamentos O acúmulo de muco nos seios paranasais é responsável pelos quadros de sinusite. Este muco também pode alcançar os ouvidos por meio da Tuba de Eustáquio causando otites médias.
  • 2. A literatura médica aprova e incentiva a aplicação de Soro Fisiológico parao tratamento da Obstrução Nasal. O EPOS 2012: European position paper on rhinosinusitis and nasal polyps 2012 afirma que esta aplicação deve realizada na posição sentada ou depécom a cabeça levemente reclinada parafrente. Num estudo de 2015 os autores afirmam que a irrigação nasal com solução fisiológica possui benefícios para alívio dos sintomas de IVAs. Entretanto, os estudos incluídos foram pequenos e possuem altoriscodeviés, reduzindo aconfiança dos resultados. Efeitos adversos leves não foram incomuns e 40% a 44% dos bebês apresentaram dificuldade com a aplicação da solução. Este desconforto teve mais associação com a pressão aplicada do que pelo soroem si. Ainda num estudo de 2016 os autores afirmam: Irrigação nasal realizada sob baixa pressão deve ser realizada com dispositivos de baixapressão. Outra metanálise de 2018 diz que a irrigação com solução salina pode reduzir a severidade dos sintomas relatados pelos pacientes (tanto crianças quanto adultos), com rinite alérgica, sem grandes efeitos adversos. [...] A qualidade da evidência apresentada foi baixa ou muito baixa. Os estudos incluídos na pesquisa eram pequenos a não avaliaram os desfechos de maneira uniforme. Esta revisão também não inclui a comparação entre volumes e tonicidadedasoluçãoempregada. Fokkens WJ, Lund VJ, Mullol J, Bachert C, Alobid I, Baroody F, Cohen N, Cervin A, Douglas R, Gevaert P, Georgalas C, Goossens H, Harvey R, Hellings P, Hopkins C, Jones N, Joos G, Kalogjera L, Kern B, Kowalski M, Price D, Riechelmann H, Schlosser R, Senior B, Thomas M, Toskala E, Voegels R, Wang de Y, Wormald PJ. EPOS 2012: European position paper on rhinosinusitis and nasal polyps 2012. A summary for otorhinolaryngologists. Rhinology. 2012 Mar;50(1):1-12. doi: 10.4193/Rhino12.000. PMID: 22469599. Salinenasalirrigationforacuteupperrespiratorytractinfections David KingBen Mitchell Christopher P Williams Geoffrey KP Spurling. Version published: 20 April 2015 Salineirrigationforchronicrhinosinusitis Lee Yee ChongKaren HeadClaire HopkinsCarl PhilpottSimon GlewGlenis ScaddingMartin J BurtonAnne GMSchilderAuthors' declarations of interest.Version published: 26 April 2016 Salineirrigationforallergicrhinitis Karen Head Kornkiat Snidvongs Simon Glew Glenis Scadding Anne GM Schilder Carl PhilpottClaire Hopkins. 22 June 2018 Como ajudar as crianças com Obstrução Nasal? Mamar deitado e o risco de Otite Na amamentação, a sucção faz com que a mandíbula do bebê se projete para frente e mantém a tuba auditiva fechada. Quanto mais força o bebê faz para mamar (no seio), menor é a chance da tuba permitir a passagem do líquido. A pressão provocada pela sucção da amamentação é diferente da exercida pela mamadeira. Com a mamadeira, o bebê não faz nenhum esforço para a saída do líquido e a musculatura do canal auditivo fica mais “frouxa”. O leite consegue passar e atinge a tuba auditiva, podendo causar a otite. Portanto, amamentar deitada não causa otite. Mas se o seu bebê mama na mamadeira, tenha o cuidado de colocá-lo em uma posição mais verticalizada. Essa recomendação também é válida para os bebês com histórico de refluxo. Sobre mamar deitado, vamos esclarecer algumas coisas: 1. Bebês em aleitamento materno podem mamar deitados sem nenhum problema 2. Bebês que usam mamadeira não devem mamar deitados. O bico do mamilo, pela sua elasticidade e moldagem, toca em uma região da cavidade oral onde há contração dos músculos do palato e consequente proteção do ouvido durante a sucção. Já o bico da mamadeira, como é mais curto e não se molda à sucção, não promove estímulo à musculatura do palato, causando desequilibrio de pressões durante a sucção e risco aumentado para otites. 3. Essa é uma posição muito utilizada pois a mãe fica confortável e relaxada. Ela deve estar deitada de lado e o bebê de frente para ela, barriga com barriga. 4. Caso o bebê tenha refluxo, o recomendado é elevar a cabeça do bebê com um travesseiro. O leite materno tem propriedades Incorreto Correto Nas crianças a Tuba de Eustáquio (que fica na parte de trás da cavidade nasal) é mais horizontalizada. Esta situação anatômica favorece a aspiração de pequenas quantidades de muco da cavidade nasal que podem levar vírus e bactérias até o ouvido médio. Outra peculiaridade diz respeito à anatomia do seio maxilar. A drenagem deste seio ocorreemsentido anti-gravitacional Por que as crianças sofrem tanto com otite e sinusite?
  • 3. Minha Tuba de Eustáquio é mais angulada e permite uma drenagem mais fácil. Por isto eu tenho menos otites. Minha Tuba de Eustáquio é mais reta e dificulta a drenagem. Por isto eu tenho mais otites. Tuba de Eustáquio Tuba de Eustáquio Aplicação de Soro Nasal As evidências científicas reconhecem a importância da aplicação do Soro Fisiológico nasal nos quadros de Obstrução Nasal. No entanto é importante ter cuidado de não exercer pressão excessiva durante o procedimento para evitar que o soro penetre na tuba auditiva e chegue ao ouvido. Além disso, bom lembrar que a drenagem do seio maxilar ocorre em sentido anti-gravitacional favorecendo a permanência de um resíduo que pode servir de meio de cultura para vírus e bactérias. Apesar de todos os benefícios do procedimento, nem sempre a criança vai se mostrar colaborativa. Muitas crianças choram e, os pais desesperados, na ânsia de terminar logo o procedimento, acabam exercendo muita força e pressão no dispositivo. Aplique o soro com a criança sentada ou de pé, com a cabeça reclinada para frente. Os bebês podem fazer o procedimento deitados. • Os dispositivos em spray e jato contínuo são mais seguros para aplicar um alto volume com baixa pressão. • O catarro precisa sair pela outra narina? Definitivamente NÃO. Quando aplicado sob baixa pressão e alto volume a maior parte do catarro sai pela mesma narina ou cai na rinofaringe sendo posteriormente deglutido pelo bebê e eliminado nas fezes. • Nas seringas e garrafinhas a pressão exercida pode levar o muco contaminado para os seios paranasais e ouvido médio. • Os dispositivos de aspiração nasal podem machucar a mucosa nasal, causar sangramento e causar ainda mais apreensão!