SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
(99) 98525-8486
(99) 98525-8486
(99) 98525-8486
Confira nosso Instagram com diversos feedbacks dos nossos
alunos!
ATIVIDADE 1 - ECO - FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL - 54/2023
Imigração e colonização forma temas sempre presentes no debate sobre o desenvolvimento
econômico e social do Brasil a partir da vinda da corte de D. João, ou melhor, desde o
decreto de 25 de novembro de 1808, que permitiu o acesso à propriedade fundiária a
estrangeiros, antes reservada apenas aos naturais da Colônia ou do Reino. Recorrer aos
contingentes de emigrantes da Europa e o aproveitamento de áreas desocupadas com
pequenas propriedades policultoras, trabalhadas pelos proprietários e suas famílias, eram
processos intimamente ligados até pelo menos as primeiras medidas restritivas à imigração,
já no começo do governo de Getúlio Vargas.
Desde o período de D. João VI, o Brasil passou, portanto, a disputar parcela das correntes
de emigrantes europeus a fim de estabelecê-los em àreas desabitadas como pequenos
proprietários policultores. Em 1818 criou-se, assim, Nova Friburgo, nos arredores do Rio de
Janeiro, com imigrantes suíços. Recorrendo a alemães, instalou-se próximo a Porto Alegre
em 1824 o núcleo colonial de São Leopoldo. Daí para frente, até o fim da Primeira
República, esses projetos de colonização com imigrantes sucederam-se, sendo vastas
áreas do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina, do Paraná e do Espírito Santo ocupadas
dessa maneira.
A partir da década de 1840, entretanto, parcela dos imigrantes que procuravam o Brasil foi
disputada pelos cafeicultores paulistas que pretendiam usar o imigrante como braço nas
suas lavouras em substituição ao escravo. Os projetos de colonização com imigrantes
terão, portanto, a fazenda de café, principalmente a de São Paulo, como concorrente ao
destino do imigrante, sendo essa concorrência particularmente sentida nos anos que se
seguem à abolição da escravidão.
Migrações transoceânicas, êxodo rural, industrial e urbanização mais acelerada são
aspectos de um mesmo fenômeno. A procura de trabalho e o sonho de conseguir um
pedaço de terra tornavam a América, onde havia terras disponíveis em abundância, o
centro das atenções de grandes massas de europeus que em muitos casos viviam em
estado de pauperismo.
PETRONE, M. O imigrante e a pequena propriedade (1824-1930). São Paulo: Editora
Brasiliense, 1982.
Um dos principais aspectos do fenômeno das migrações transoceânicas é justamente a
miragem ou a possibilidade de acesso à propriedade fundiária. Nas fontes alternativas -
cartas, diários e relatos dos emigrantes - aparece constantemente o fascínio que o apelo à
possibilidade de acesso à terra exerceu sobre os emigrantes. Até populações urbanas,
frente ao pauperismo ao qual foram relegadas pela industrialização, sonham
romanticamente,em se transformar em proprietários de um pequeno pedaço de terra e
assim deixar de pertencer ao proletariado. Dentro dessa temática, para o caso brasileiro, a
economia cafeeira teve um papel fundamental.
Diante disso, elabore um texto, que justifique o fim da escravidão com a política imigratória,
no contexto

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Imigração e colonização forma temas sempre presentes no debate sobre o desenvolvimento econômico e social do Brasil a partir da vinda da corte de D. João

Escravos E Libertos No Paraná
Escravos E Libertos No ParanáEscravos E Libertos No Paraná
Escravos E Libertos No Paranáguest5eb864
 
Celso material oitavo ano
Celso material oitavo anoCelso material oitavo ano
Celso material oitavo anoDiedNuenf
 
G2 - 2M5 - Espírito Santo Imperial
G2 - 2M5 - Espírito Santo ImperialG2 - 2M5 - Espírito Santo Imperial
G2 - 2M5 - Espírito Santo ImperialYara Ribeiro
 
Trabalho de História
Trabalho de HistóriaTrabalho de História
Trabalho de Históriajuracyferra
 
Migração Brasileira
Migração BrasileiraMigração Brasileira
Migração BrasileiraAna C. Soares
 
Migração brasileira
Migração brasileiraMigração brasileira
Migração brasileiraAna C. Soares
 
Migração parte pronta
Migração parte prontaMigração parte pronta
Migração parte prontaAna C. Soares
 
Migração Brasileira
Migração BrasileiraMigração Brasileira
Migração BrasileiraAna C. Soares
 
O outro lado da Abolição: o envolvimento dos maçons e dos negros no processo ...
O outro lado da Abolição: o envolvimento dos maçons e dos negros no processo ...O outro lado da Abolição: o envolvimento dos maçons e dos negros no processo ...
O outro lado da Abolição: o envolvimento dos maçons e dos negros no processo ...Vanessa Faria
 
Escravatura
EscravaturaEscravatura
Escravaturaxicao97
 
Independência da américa espanhola (1)
Independência da américa espanhola (1)Independência da américa espanhola (1)
Independência da américa espanhola (1)migueldrj
 

Semelhante a Imigração e colonização forma temas sempre presentes no debate sobre o desenvolvimento econômico e social do Brasil a partir da vinda da corte de D. João (20)

Escravos E Libertos No Paraná
Escravos E Libertos No ParanáEscravos E Libertos No Paraná
Escravos E Libertos No Paraná
 
arquivo_52_279_2066.ppt
arquivo_52_279_2066.pptarquivo_52_279_2066.ppt
arquivo_52_279_2066.ppt
 
Linha 29 imigrantes x caboclos
Linha 29 imigrantes x caboclosLinha 29 imigrantes x caboclos
Linha 29 imigrantes x caboclos
 
Segundo reinado completo
Segundo reinado   completoSegundo reinado   completo
Segundo reinado completo
 
Celso material oitavo ano
Celso material oitavo anoCelso material oitavo ano
Celso material oitavo ano
 
Revisão 1º bimestre 3ºano
Revisão 1º bimestre 3ºanoRevisão 1º bimestre 3ºano
Revisão 1º bimestre 3ºano
 
2º SEGUNDO REINADO.ppt
2º SEGUNDO REINADO.ppt2º SEGUNDO REINADO.ppt
2º SEGUNDO REINADO.ppt
 
G2 - 2M5 - Espírito Santo Imperial
G2 - 2M5 - Espírito Santo ImperialG2 - 2M5 - Espírito Santo Imperial
G2 - 2M5 - Espírito Santo Imperial
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
 
Trabalho de História
Trabalho de HistóriaTrabalho de História
Trabalho de História
 
Migração Brasileira
Migração BrasileiraMigração Brasileira
Migração Brasileira
 
Migração brasileira
Migração brasileiraMigração brasileira
Migração brasileira
 
Migração parte pronta
Migração parte prontaMigração parte pronta
Migração parte pronta
 
Migração Brasileira
Migração BrasileiraMigração Brasileira
Migração Brasileira
 
O outro lado da Abolição: o envolvimento dos maçons e dos negros no processo ...
O outro lado da Abolição: o envolvimento dos maçons e dos negros no processo ...O outro lado da Abolição: o envolvimento dos maçons e dos negros no processo ...
O outro lado da Abolição: o envolvimento dos maçons e dos negros no processo ...
 
Escravatura
EscravaturaEscravatura
Escravatura
 
História.pptx
História.pptxHistória.pptx
História.pptx
 
Abolição escravatura
Abolição escravaturaAbolição escravatura
Abolição escravatura
 
Independência da américa espanhola (1)
Independência da américa espanhola (1)Independência da américa espanhola (1)
Independência da américa espanhola (1)
 
A escravidao
A escravidaoA escravidao
A escravidao
 

Mais de PrimeAssessoriaAcadm3

Chegou o momento de explorar de forma PR
Chegou o momento de explorar de forma PRChegou o momento de explorar de forma PR
Chegou o momento de explorar de forma PRPrimeAssessoriaAcadm3
 
Chegou o momento de explorar de forma PR
Chegou o momento de explorar de forma PRChegou o momento de explorar de forma PR
Chegou o momento de explorar de forma PRPrimeAssessoriaAcadm3
 
Obs.: Caso nunca tenha trabalhado, conve
Obs.: Caso nunca tenha trabalhado, conveObs.: Caso nunca tenha trabalhado, conve
Obs.: Caso nunca tenha trabalhado, convePrimeAssessoriaAcadm3
 
Obs.: Caso nunca tenha trabalhado, conve
Obs.: Caso nunca tenha trabalhado, conveObs.: Caso nunca tenha trabalhado, conve
Obs.: Caso nunca tenha trabalhado, convePrimeAssessoriaAcadm3
 
Sobre os princípios da teoria burocrátic
Sobre os princípios da teoria burocráticSobre os princípios da teoria burocrátic
Sobre os princípios da teoria burocráticPrimeAssessoriaAcadm3
 
A teoria burocrática, desenvolvida por M
A teoria burocrática, desenvolvida por MA teoria burocrática, desenvolvida por M
A teoria burocrática, desenvolvida por MPrimeAssessoriaAcadm3
 
Sobre os princípios da teoria burocrátic
Sobre os princípios da teoria burocráticSobre os princípios da teoria burocrátic
Sobre os princípios da teoria burocráticPrimeAssessoriaAcadm3
 
A teoria burocrática, desenvolvida por .
A teoria burocrática, desenvolvida por .A teoria burocrática, desenvolvida por .
A teoria burocrática, desenvolvida por .PrimeAssessoriaAcadm3
 
PROVA - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 54/2023
PROVA - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 54/2023PROVA - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 54/2023
PROVA - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 54/2023PrimeAssessoriaAcadm3
 
10ª QUESTÃO Se você possui smartphone há mais de 10 anos, talvez não tenha ...
10ª  QUESTÃO  Se você possui smartphone há mais de 10 anos, talvez não tenha ...10ª  QUESTÃO  Se você possui smartphone há mais de 10 anos, talvez não tenha ...
10ª QUESTÃO Se você possui smartphone há mais de 10 anos, talvez não tenha ...PrimeAssessoriaAcadm3
 
9ª QUESTÃO Um relatório especial da Organização das Nações Unidas para Educa...
9ª QUESTÃO  Um relatório especial da Organização das Nações Unidas para Educa...9ª QUESTÃO  Um relatório especial da Organização das Nações Unidas para Educa...
9ª QUESTÃO Um relatório especial da Organização das Nações Unidas para Educa...PrimeAssessoriaAcadm3
 
8 ª QUESTÃO Por meio de dados de crescimento e distribuição de renda dos Es...
8 ª QUESTÃO   Por meio de dados de crescimento e distribuição de renda dos Es...8 ª QUESTÃO   Por meio de dados de crescimento e distribuição de renda dos Es...
8 ª QUESTÃO Por meio de dados de crescimento e distribuição de renda dos Es...PrimeAssessoriaAcadm3
 
3ª QUESTÃO Considere a seguinte situação fictícia. Em 1950, década em que seu...
3ª QUESTÃO Considere a seguinte situação fictícia. Em 1950, década em que seu...3ª QUESTÃO Considere a seguinte situação fictícia. Em 1950, década em que seu...
3ª QUESTÃO Considere a seguinte situação fictícia. Em 1950, década em que seu...PrimeAssessoriaAcadm3
 
2ª QUESTÃO Ao olharmos para o termo em si, “tecnologia”, em um conceito mais ...
2ª QUESTÃO Ao olharmos para o termo em si, “tecnologia”, em um conceito mais ...2ª QUESTÃO Ao olharmos para o termo em si, “tecnologia”, em um conceito mais ...
2ª QUESTÃO Ao olharmos para o termo em si, “tecnologia”, em um conceito mais ...PrimeAssessoriaAcadm3
 
1ª QUESTÃO É através de um método científico que um pesquisador – seja de qua...
1ª QUESTÃO É através de um método científico que um pesquisador – seja de qua...1ª QUESTÃO É através de um método científico que um pesquisador – seja de qua...
1ª QUESTÃO É através de um método científico que um pesquisador – seja de qua...PrimeAssessoriaAcadm3
 
Desde o período de D. João VI, o Brasil passou, portanto, a disputar parcela ...
Desde o período de D. João VI, o Brasil passou, portanto, a disputar parcela ...Desde o período de D. João VI, o Brasil passou, portanto, a disputar parcela ...
Desde o período de D. João VI, o Brasil passou, portanto, a disputar parcela ...PrimeAssessoriaAcadm3
 
PROVA - ESTUDO CONTEMPOR NEO E TRANSVERSAL: INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL...
PROVA - ESTUDO CONTEMPOR NEO E TRANSVERSAL: INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL...PROVA - ESTUDO CONTEMPOR NEO E TRANSVERSAL: INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL...
PROVA - ESTUDO CONTEMPOR NEO E TRANSVERSAL: INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL...PrimeAssessoriaAcadm3
 
ETAPA 1 – Determinar a distância de visibilidade de frenagem.
ETAPA 1 – Determinar a distância de visibilidade de frenagem.ETAPA 1 – Determinar a distância de visibilidade de frenagem.
ETAPA 1 – Determinar a distância de visibilidade de frenagem.PrimeAssessoriaAcadm3
 

Mais de PrimeAssessoriaAcadm3 (20)

Chegou o momento de explorar de forma PR
Chegou o momento de explorar de forma PRChegou o momento de explorar de forma PR
Chegou o momento de explorar de forma PR
 
Chegou o momento de explorar de forma PR
Chegou o momento de explorar de forma PRChegou o momento de explorar de forma PR
Chegou o momento de explorar de forma PR
 
Obs.: Caso nunca tenha trabalhado, conve
Obs.: Caso nunca tenha trabalhado, conveObs.: Caso nunca tenha trabalhado, conve
Obs.: Caso nunca tenha trabalhado, conve
 
Obs.: Caso nunca tenha trabalhado, conve
Obs.: Caso nunca tenha trabalhado, conveObs.: Caso nunca tenha trabalhado, conve
Obs.: Caso nunca tenha trabalhado, conve
 
Sobre os princípios da teoria burocrátic
Sobre os princípios da teoria burocráticSobre os princípios da teoria burocrátic
Sobre os princípios da teoria burocrátic
 
A teoria burocrática, desenvolvida por M
A teoria burocrática, desenvolvida por MA teoria burocrática, desenvolvida por M
A teoria burocrática, desenvolvida por M
 
Sobre os princípios da teoria burocrátic
Sobre os princípios da teoria burocráticSobre os princípios da teoria burocrátic
Sobre os princípios da teoria burocrátic
 
A teoria burocrática, desenvolvida por .
A teoria burocrática, desenvolvida por .A teoria burocrática, desenvolvida por .
A teoria burocrática, desenvolvida por .
 
ok
okok
ok
 
PROVA - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 54/2023
PROVA - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 54/2023PROVA - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 54/2023
PROVA - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 54/2023
 
10ª QUESTÃO Se você possui smartphone há mais de 10 anos, talvez não tenha ...
10ª  QUESTÃO  Se você possui smartphone há mais de 10 anos, talvez não tenha ...10ª  QUESTÃO  Se você possui smartphone há mais de 10 anos, talvez não tenha ...
10ª QUESTÃO Se você possui smartphone há mais de 10 anos, talvez não tenha ...
 
9ª QUESTÃO Um relatório especial da Organização das Nações Unidas para Educa...
9ª QUESTÃO  Um relatório especial da Organização das Nações Unidas para Educa...9ª QUESTÃO  Um relatório especial da Organização das Nações Unidas para Educa...
9ª QUESTÃO Um relatório especial da Organização das Nações Unidas para Educa...
 
8 ª QUESTÃO Por meio de dados de crescimento e distribuição de renda dos Es...
8 ª QUESTÃO   Por meio de dados de crescimento e distribuição de renda dos Es...8 ª QUESTÃO   Por meio de dados de crescimento e distribuição de renda dos Es...
8 ª QUESTÃO Por meio de dados de crescimento e distribuição de renda dos Es...
 
3ª QUESTÃO Considere a seguinte situação fictícia. Em 1950, década em que seu...
3ª QUESTÃO Considere a seguinte situação fictícia. Em 1950, década em que seu...3ª QUESTÃO Considere a seguinte situação fictícia. Em 1950, década em que seu...
3ª QUESTÃO Considere a seguinte situação fictícia. Em 1950, década em que seu...
 
2ª QUESTÃO Ao olharmos para o termo em si, “tecnologia”, em um conceito mais ...
2ª QUESTÃO Ao olharmos para o termo em si, “tecnologia”, em um conceito mais ...2ª QUESTÃO Ao olharmos para o termo em si, “tecnologia”, em um conceito mais ...
2ª QUESTÃO Ao olharmos para o termo em si, “tecnologia”, em um conceito mais ...
 
1ª QUESTÃO É através de um método científico que um pesquisador – seja de qua...
1ª QUESTÃO É através de um método científico que um pesquisador – seja de qua...1ª QUESTÃO É através de um método científico que um pesquisador – seja de qua...
1ª QUESTÃO É através de um método científico que um pesquisador – seja de qua...
 
Desde o período de D. João VI, o Brasil passou, portanto, a disputar parcela ...
Desde o período de D. João VI, o Brasil passou, portanto, a disputar parcela ...Desde o período de D. João VI, o Brasil passou, portanto, a disputar parcela ...
Desde o período de D. João VI, o Brasil passou, portanto, a disputar parcela ...
 
PROVA - ESTUDO CONTEMPOR NEO E TRANSVERSAL: INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL...
PROVA - ESTUDO CONTEMPOR NEO E TRANSVERSAL: INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL...PROVA - ESTUDO CONTEMPOR NEO E TRANSVERSAL: INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL...
PROVA - ESTUDO CONTEMPOR NEO E TRANSVERSAL: INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL...
 
ETAPA 1 – Determinar a distância de visibilidade de frenagem.
ETAPA 1 – Determinar a distância de visibilidade de frenagem.ETAPA 1 – Determinar a distância de visibilidade de frenagem.
ETAPA 1 – Determinar a distância de visibilidade de frenagem.
 
teste.pdf
teste.pdfteste.pdf
teste.pdf
 

Último

CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxpatriciapedroso82
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 

Último (20)

CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 

Imigração e colonização forma temas sempre presentes no debate sobre o desenvolvimento econômico e social do Brasil a partir da vinda da corte de D. João

  • 1. (99) 98525-8486 (99) 98525-8486 (99) 98525-8486 Confira nosso Instagram com diversos feedbacks dos nossos alunos! ATIVIDADE 1 - ECO - FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL - 54/2023 Imigração e colonização forma temas sempre presentes no debate sobre o desenvolvimento econômico e social do Brasil a partir da vinda da corte de D. João, ou melhor, desde o decreto de 25 de novembro de 1808, que permitiu o acesso à propriedade fundiária a estrangeiros, antes reservada apenas aos naturais da Colônia ou do Reino. Recorrer aos contingentes de emigrantes da Europa e o aproveitamento de áreas desocupadas com pequenas propriedades policultoras, trabalhadas pelos proprietários e suas famílias, eram
  • 2. processos intimamente ligados até pelo menos as primeiras medidas restritivas à imigração, já no começo do governo de Getúlio Vargas. Desde o período de D. João VI, o Brasil passou, portanto, a disputar parcela das correntes de emigrantes europeus a fim de estabelecê-los em àreas desabitadas como pequenos proprietários policultores. Em 1818 criou-se, assim, Nova Friburgo, nos arredores do Rio de Janeiro, com imigrantes suíços. Recorrendo a alemães, instalou-se próximo a Porto Alegre em 1824 o núcleo colonial de São Leopoldo. Daí para frente, até o fim da Primeira República, esses projetos de colonização com imigrantes sucederam-se, sendo vastas áreas do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina, do Paraná e do Espírito Santo ocupadas dessa maneira. A partir da década de 1840, entretanto, parcela dos imigrantes que procuravam o Brasil foi disputada pelos cafeicultores paulistas que pretendiam usar o imigrante como braço nas suas lavouras em substituição ao escravo. Os projetos de colonização com imigrantes terão, portanto, a fazenda de café, principalmente a de São Paulo, como concorrente ao destino do imigrante, sendo essa concorrência particularmente sentida nos anos que se seguem à abolição da escravidão. Migrações transoceânicas, êxodo rural, industrial e urbanização mais acelerada são aspectos de um mesmo fenômeno. A procura de trabalho e o sonho de conseguir um pedaço de terra tornavam a América, onde havia terras disponíveis em abundância, o centro das atenções de grandes massas de europeus que em muitos casos viviam em estado de pauperismo. PETRONE, M. O imigrante e a pequena propriedade (1824-1930). São Paulo: Editora Brasiliense, 1982. Um dos principais aspectos do fenômeno das migrações transoceânicas é justamente a miragem ou a possibilidade de acesso à propriedade fundiária. Nas fontes alternativas - cartas, diários e relatos dos emigrantes - aparece constantemente o fascínio que o apelo à possibilidade de acesso à terra exerceu sobre os emigrantes. Até populações urbanas, frente ao pauperismo ao qual foram relegadas pela industrialização, sonham romanticamente,em se transformar em proprietários de um pequeno pedaço de terra e assim deixar de pertencer ao proletariado. Dentro dessa temática, para o caso brasileiro, a economia cafeeira teve um papel fundamental. Diante disso, elabore um texto, que justifique o fim da escravidão com a política imigratória, no contexto