SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Iluminuras 
Iluminura é o nome que se dá às 
imagens que ilustram as páginas 
dos livros na Idade Média. Era 
comum que os reis ou nobres 
muito ricos fizessem encomendas 
desses livros, caríssimos, no 
local onde eram produzidos: os 
Scriptoriums.
• As iluminuras Iluminuras 
eram produzidas 
pelos monges e 
padres, detentores 
do saber da leitura 
e da escrita nesse 
tempo onde 
praticamente toda 
população era 
analfabeta. Scriptoria Medieval
• Todo trabalho Iluminuras 
manual na Idade 
Média era 
considerado inferior, 
inclusive o trabalho 
da escrita. Os 
monges copistas 
(que copiavam os 
documentos), 
faziam essa 
atividade por 
penitência, pois era 
muito dolorosa.
• Escrever era muito doloroso, pois toda 
a atividade era feita à pena, em 
pergaminho (nome dado a uma pele de 
animal, geralmente de cabra, carneiro, 
cordeiro ou ovelha, preparada para nela 
se escrever) , o que dificultava a 
escrita. Outra dificuldade é que a 
escrita era feita em posição inclinada 
àquele que estava escrevendo.
• Muitos monges copistas 
desenvolviam artrites, tendinites e 
outras dores nas articulações pela 
repetição de movimentos. Observe 
bem a posição das mãos do monge 
a seguir e imagine escrever assim 
durante horas a fio!
Scriptorium
• Nesse tempo não Iluminuras 
existia a imprensa, 
então todo livro era 
feito à mão. Depois 
do trabalho do 
monge copista, o 
livro era 
encaminhado para 
um iluminador, que 
faria nele as 
iluminuras, figuras 
que enfeitariam o 
livro.
• O livro, nessa época, Iluminuras 
era considerado uma 
raridade, e por serem 
muito caros, apenas 
os reis, a alta 
nobreza e as próprias 
Igrejas que os 
produziam poderiam 
possuir esse bem. 
Ao lado uma 
iluminura francesa.
• Além de ser destinado 
aos poucos que 
poderiam pagar por 
ele, o livro era uma 
verdadeira obra de 
arte, muitas vezes 
banhado a ouro e 
decorado com pedras 
preciosas. A tinta 
também encarecia o 
produto e quanto mais 
colorido, mais caro 
um livro.
• As iluminuras que 
decoram os livros 
guardam sempre uma 
relação com o texto. Por 
exemplo, se o texto fala 
de guerra, a iluminura 
vai ser uma iluminura de 
guerra. Se o texto fala de 
religião, a imagem vai se 
remeter ao campo 
religioso, se fala de 
amor, ao campo 
amoroso, etc.
• Outra característica 
da iluminura é que 
quase sempre o 
iluminador 
desenhava na 
imagem da letra 
capital (a primeira 
de um texto), outras 
imagens, como no 
desenho da letra “C” 
ao lado.
Iluminuras 
• As iluminuras são repletas de 
detalhes e pequenos desenhos que 
saltam do texto – sejam eles 
figurativos (que representam algo ou 
alguma coisa), ou não (apenas e a 
imagem de um triângulo, por 
exemplo). Vamos analisar algumas 
delas?
Página de 
um livro 
medieval 
iluminada
Detalhe: capital iluminada
Imagem de uma Crônica Francesa
Detalhe: o texto fala 
sobre trabalho e note a 
imagem.
Detalhe: Trabalho medieval
Atividade integrada 
• A atividade agora será integrada entre 
Contextos e Artes. Na aula de Contextos 
escolheremos uma frase do livro “Tristão e 
Isolda” para colocar em nosso “pergaminho”. 
Na aula de Artes faremos as iluminuras que 
rodeiam o texto. Como vimos as imagens das 
iluminuras possuem relação direta com o texto: 
portanto se você escolher uma frase sobre o 
amor, a iluminura precisará falar sobre amor, se 
escolher uma frase sobre guerra, a imagem será 
de guerra, e assim por diante. Vamos lá?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ana Barreiros
 
Módulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura GóticaMódulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura GóticaCarla Freitas
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaAna Barreiros
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaCarlos Pinheiro
 
O gótico em portugal
O gótico em portugalO gótico em portugal
O gótico em portugalAna Barreiros
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaCarla Teixeira
 
Módulo 2 escultura romana
Módulo 2   escultura romanaMódulo 2   escultura romana
Módulo 2 escultura romanaCarla Freitas
 
Arte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xixArte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xixAna Barreiros
 
Módulo 6 contextualização
Módulo 6   contextualizaçãoMódulo 6   contextualização
Módulo 6 contextualizaçãoCarla Freitas
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regimecattonia
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaCarla Freitas
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura góticaAna Barreiros
 

Mais procurados (20)

Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Módulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura GóticaMódulo 4 - Pintura Gótica
Módulo 4 - Pintura Gótica
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pintura
 
O gótico em portugal
O gótico em portugalO gótico em portugal
O gótico em portugal
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romana
 
Módulo 2 escultura romana
Módulo 2   escultura romanaMódulo 2   escultura romana
Módulo 2 escultura romana
 
A pólis de atenas
A pólis de atenasA pólis de atenas
A pólis de atenas
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xixArte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xix
 
Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
 
26 - Renascimento
26 - Renascimento26 - Renascimento
26 - Renascimento
 
Escultura barroca
Escultura barrocaEscultura barroca
Escultura barroca
 
Maneirismo
ManeirismoManeirismo
Maneirismo
 
Módulo 6 contextualização
Módulo 6   contextualizaçãoMódulo 6   contextualização
Módulo 6 contextualização
 
Arte pre historia
Arte pre historiaArte pre historia
Arte pre historia
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românica
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
 

Destaque

C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\iluminuras
C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\iluminurasC:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\iluminuras
C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\iluminurasFrantito
 
História da escrita
História da escritaHistória da escrita
História da escritaracrbe
 
A arte românica
A arte românicaA arte românica
A arte românicabecresforte
 
Arte Romanica
Arte RomanicaArte Romanica
Arte Romanicatorga
 
Atlântico negro na rota dos orixás
Atlântico negro na rota dos orixásAtlântico negro na rota dos orixás
Atlântico negro na rota dos orixásRenan Matos
 
Da antiguidade à atualidade
Da antiguidade à atualidadeDa antiguidade à atualidade
Da antiguidade à atualidadeTiago94
 
As mais belas bibliotecas do mundo
As mais belas bibliotecas do mundoAs mais belas bibliotecas do mundo
As mais belas bibliotecas do mundoPaula Andrade
 
Cultura do mosteiro_4_arte_muçulmana
Cultura do mosteiro_4_arte_muçulmanaCultura do mosteiro_4_arte_muçulmana
Cultura do mosteiro_4_arte_muçulmanaVítor Santos
 
Santo agostinho e são tomás de aquino 23 mmm
Santo agostinho e são tomás de aquino 23 mmmSanto agostinho e são tomás de aquino 23 mmm
Santo agostinho e são tomás de aquino 23 mmmAlexandre Misturini
 
1 cronologia básica da história do brasil e do brasil império
1   cronologia básica da história do brasil e do brasil império1   cronologia básica da história do brasil e do brasil império
1 cronologia básica da história do brasil e do brasil impérioaridu18
 

Destaque (20)

C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\iluminuras
C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\iluminurasC:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\iluminuras
C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\iluminuras
 
História da escrita
História da escritaHistória da escrita
História da escrita
 
A arte românica
A arte românicaA arte românica
A arte românica
 
História do livro
História do livroHistória do livro
História do livro
 
Evolução da Escrita
Evolução da EscritaEvolução da Escrita
Evolução da Escrita
 
Arte Romanica
Arte RomanicaArte Romanica
Arte Romanica
 
Cultura do mosteiro
Cultura do mosteiroCultura do mosteiro
Cultura do mosteiro
 
oo
oooo
oo
 
Atlântico negro na rota dos orixás
Atlântico negro na rota dos orixásAtlântico negro na rota dos orixás
Atlântico negro na rota dos orixás
 
Da antiguidade à atualidade
Da antiguidade à atualidadeDa antiguidade à atualidade
Da antiguidade à atualidade
 
As mais belas bibliotecas do mundo
As mais belas bibliotecas do mundoAs mais belas bibliotecas do mundo
As mais belas bibliotecas do mundo
 
As formas do livro
As formas do livroAs formas do livro
As formas do livro
 
Mosteiros
MosteirosMosteiros
Mosteiros
 
Biblioteca
BibliotecaBiblioteca
Biblioteca
 
Cultura do mosteiro_4_arte_muçulmana
Cultura do mosteiro_4_arte_muçulmanaCultura do mosteiro_4_arte_muçulmana
Cultura do mosteiro_4_arte_muçulmana
 
Santo agostinho e são tomás de aquino 23 mmm
Santo agostinho e são tomás de aquino 23 mmmSanto agostinho e são tomás de aquino 23 mmm
Santo agostinho e são tomás de aquino 23 mmm
 
1 cronologia básica da história do brasil e do brasil império
1   cronologia básica da história do brasil e do brasil império1   cronologia básica da história do brasil e do brasil império
1 cronologia básica da história do brasil e do brasil império
 
Mosteiro
MosteiroMosteiro
Mosteiro
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
 
A EVOLUÇÃO DO LIVRO
A EVOLUÇÃO DO LIVROA EVOLUÇÃO DO LIVRO
A EVOLUÇÃO DO LIVRO
 

Semelhante a Iluminuras[2][1]

Cordel - a origem nas feiras medievais
Cordel - a origem nas feiras medievaisCordel - a origem nas feiras medievais
Cordel - a origem nas feiras medievaisnextfiocruzbsm
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 1-2
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 1-2Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 1-2
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 1-2luisprista
 
Destaques Enciclopédicos 11 08-2014 a 16-08-2014 - Umberto Neves
Destaques Enciclopédicos 11 08-2014 a 16-08-2014 - Umberto NevesDestaques Enciclopédicos 11 08-2014 a 16-08-2014 - Umberto Neves
Destaques Enciclopédicos 11 08-2014 a 16-08-2014 - Umberto NevesUmberto Neves
 

Semelhante a Iluminuras[2][1] (6)

Cordel - a origem nas feiras medievais
Cordel - a origem nas feiras medievaisCordel - a origem nas feiras medievais
Cordel - a origem nas feiras medievais
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 1-2
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 1-2Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 1-2
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 1-2
 
Que é tanca
Que é tancaQue é tanca
Que é tanca
 
Destaques Enciclopédicos 11 08-2014 a 16-08-2014 - Umberto Neves
Destaques Enciclopédicos 11 08-2014 a 16-08-2014 - Umberto NevesDestaques Enciclopédicos 11 08-2014 a 16-08-2014 - Umberto Neves
Destaques Enciclopédicos 11 08-2014 a 16-08-2014 - Umberto Neves
 
Teoria literária
Teoria literáriaTeoria literária
Teoria literária
 
Alice
AliceAlice
Alice
 

Último

5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanomarla71199
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSPedro Luis Moraes
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaCentro Jacques Delors
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxAntonioVieira539017
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 

Último (20)

5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 

Iluminuras[2][1]

  • 1. Iluminuras Iluminura é o nome que se dá às imagens que ilustram as páginas dos livros na Idade Média. Era comum que os reis ou nobres muito ricos fizessem encomendas desses livros, caríssimos, no local onde eram produzidos: os Scriptoriums.
  • 2. • As iluminuras Iluminuras eram produzidas pelos monges e padres, detentores do saber da leitura e da escrita nesse tempo onde praticamente toda população era analfabeta. Scriptoria Medieval
  • 3. • Todo trabalho Iluminuras manual na Idade Média era considerado inferior, inclusive o trabalho da escrita. Os monges copistas (que copiavam os documentos), faziam essa atividade por penitência, pois era muito dolorosa.
  • 4. • Escrever era muito doloroso, pois toda a atividade era feita à pena, em pergaminho (nome dado a uma pele de animal, geralmente de cabra, carneiro, cordeiro ou ovelha, preparada para nela se escrever) , o que dificultava a escrita. Outra dificuldade é que a escrita era feita em posição inclinada àquele que estava escrevendo.
  • 5. • Muitos monges copistas desenvolviam artrites, tendinites e outras dores nas articulações pela repetição de movimentos. Observe bem a posição das mãos do monge a seguir e imagine escrever assim durante horas a fio!
  • 7. • Nesse tempo não Iluminuras existia a imprensa, então todo livro era feito à mão. Depois do trabalho do monge copista, o livro era encaminhado para um iluminador, que faria nele as iluminuras, figuras que enfeitariam o livro.
  • 8. • O livro, nessa época, Iluminuras era considerado uma raridade, e por serem muito caros, apenas os reis, a alta nobreza e as próprias Igrejas que os produziam poderiam possuir esse bem. Ao lado uma iluminura francesa.
  • 9. • Além de ser destinado aos poucos que poderiam pagar por ele, o livro era uma verdadeira obra de arte, muitas vezes banhado a ouro e decorado com pedras preciosas. A tinta também encarecia o produto e quanto mais colorido, mais caro um livro.
  • 10. • As iluminuras que decoram os livros guardam sempre uma relação com o texto. Por exemplo, se o texto fala de guerra, a iluminura vai ser uma iluminura de guerra. Se o texto fala de religião, a imagem vai se remeter ao campo religioso, se fala de amor, ao campo amoroso, etc.
  • 11. • Outra característica da iluminura é que quase sempre o iluminador desenhava na imagem da letra capital (a primeira de um texto), outras imagens, como no desenho da letra “C” ao lado.
  • 12. Iluminuras • As iluminuras são repletas de detalhes e pequenos desenhos que saltam do texto – sejam eles figurativos (que representam algo ou alguma coisa), ou não (apenas e a imagem de um triângulo, por exemplo). Vamos analisar algumas delas?
  • 13. Página de um livro medieval iluminada
  • 15. Imagem de uma Crônica Francesa
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21. Detalhe: o texto fala sobre trabalho e note a imagem.
  • 23.
  • 24. Atividade integrada • A atividade agora será integrada entre Contextos e Artes. Na aula de Contextos escolheremos uma frase do livro “Tristão e Isolda” para colocar em nosso “pergaminho”. Na aula de Artes faremos as iluminuras que rodeiam o texto. Como vimos as imagens das iluminuras possuem relação direta com o texto: portanto se você escolher uma frase sobre o amor, a iluminura precisará falar sobre amor, se escolher uma frase sobre guerra, a imagem será de guerra, e assim por diante. Vamos lá?