Mosteiros

1.038 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.038
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • NOTA INTRODUTÓRIA: A apresentação em powerpoint pode servir, nos dias de hoje, como uma forte e poderosa ferramenta, na aprendizagem das crianças, muito estimuladas por e para a multimédia. Contudo, tal como um bom jogo de computador, também uma apresentação em powerpoint deve ser bem explorada, não esquecendo o mais ínfimo pormenor, de modo que a atenção dos alunos esteja focalizada no tema a abordar. Uma outra ferramenta que pode estar ao serviço do ensino de qualquer disciplina é o humor. No entanto, ele deve ser doseado e bem aplicado, caso contrário poderá ter um poder destrutivo, contra o/a professor/a. Ao longo da presente apresentação, em todos os diapositivos, haverá sempre uma nota de exploração técnica e pedagógica, para que os objectivos a que se propõe a apresentação sejam alcançados em pleno. Do ponto de vista técnico, quer a sucessão de imagens, quer de diapositivos é feita manualmente, isto é, basta clicar na tecla  (para a frente) ou  (para voltar a trás). Apenas o diapositivo 2 tem a sucessão em modo automático, não sendo necessário clicar em qualquer tecla. Para a projecção do powerpoint é necessário possuir um kit data show (computador e projector) para que a projecção seja feita numa tela e não num sistema de rede de computadores. Assim, poderá controlar a atenção/concentração dos alunos, apelando igualmente a uma dinâmica de observação e análise das imagens. Do ponto de vista pedagógico-científico, a apresentação poderá constituir uma ferramenta de motivação ou de consolidação da aprendizagem. Cada imagem/diapositivo tem que ser bem explorado, não só para cativar a atenção dos alunos, como também para que eles possam compreender os conteúdos, uma vez que nestas idades as crianças têm uma grande dificuldade de abstracção.
  • Ao som do Canto Gregoriano, o professor apresenta o tema em estudo. Antes de avançar, o professor deverá explicar o que a imagem apresentada significa. Assim, ao referir o claustro e a importância na vida monástica estará a fazer uma antevisão da importância dos mosteiros na sociedade medieval.
  • A imagem apresentada é acompanhada automaticamente pelo respectivo título – Reconstituição de um mosteiro . O professor deverá em primeiro lugar questionar os alunos sobre o grupo social que viveria nos mosteiros e qual a sua função social. No entanto, é necessário que o professor faça a destrinça entre alto e baixo clero. Seguidamente, o professor deve explorar a imagem apresentando as diferentes dependências de um mosteiro (enfermaria, scriptorium , albergaria, claustro), focalizando a atenção dos alunos para a Igreja, uma vez que era ela a principal dependência de um mosteiro e exercia sobre os restantes grupos sociais um poder muito forte e determinante. Chama-se a atenção do professor para o facto de explicar a dinâmica do mosteiro, não como um edifício único, mas como um complexo de infra-estruturas que cresceram e se desenvolveram em torno das Igrejas monásticas e respectivas peregrinações, tão importantes na Idade Média.
  • A partir deste diapositivo serão apresentados os diferentes trabalhos desenvolvidos num mosteiro, para além do culto religioso.
  • Começamos então pela principal actividade do clero – o serviço religioso – cuja acção se desenrola em primeiro lugar na Igreja – “coração” do mosteiro. A imagem sugere que as igrejas de peregrinação eram grandiosas e com um forte sentido simbólico. O professor deverá chamar a atenção dos seus alunos para as esculturas patentes nos capitéis e principalmente no tímpano do portal, onde temos Cristo como que a convidar os seus fiéis irmãos a entrar na sua casa – a casa de Deus. Também é importante explicar que num mundo onde o analfabetismo imperava, a arte tinha um papel pedagógico-didáctico na implementação e interiorização da doutrina cristã. Com o aparecimento do bispo no seu púlpito, o professor poderá falar da importância das homilias dominicais, cujos temas preponderantes se baseavam essencialmente no paradigma do bem e do mal, do Céu e do Inferno, do mundo terreno e do mundo celeste, de Deus e do Diabo. Outras curiosidades, como o local destinado, no interior da Igreja, para homens e mulheres, da luz praticamente inexistente nas igrejas românicas, poderão ser alvo de maior reflexão por parte do professor.
  • A partir deste ponto da apresentação o professor dará a conhecer os diferentes trabalhos desenvolvidos no mosteiro, para além do serviço religioso. É chegado o momento para se falar da Sala do Capítulo, enquanto local de reunião de toda a comunidade monástica, não só para a tomada de decisões, como também para, em alguns casos, se realizarem confissões públicas.
  • O ensino era controlado pelo clero, uma vez que era o único grupo social que sabia ler e escrever. A imagem é bem elucidativa quanto ao tipo de ensino – o Mestre, à esquerda, e os jovens aprendizes, à direita, rodeados por muitos livros expostos em escaparates. O professor deverá explicitar não só o tipo de ensino – dirigista e baseado na memorização, como também os métodos pedagógicos aplicados (em muitos casos violentos) e compará-los com os actuais.
  • Neste diapositivo, o professor poderá deter-se sobre a importância do livro na Idade Média e relacioná-la com o próprio prestígio social do clero. Falar do Livro medieval é falar sobretudo dos Textos Sagrados, isto é, a Bíblia (o Velho e o Novo Testamento) e da sua popularidade junto dos privilegiados. Mas… qual a importância do Livro para um nobre, por exemplo, se ele não sabia ler? Mais importante que ler o livro era tê-lo, uma vez que ele era manuscrito, feito em pergaminho e profusamente decorado (com iluminuras e até pedras preciosas), facto que tornava o livro um verdadeiro tesouro. Possui-lo era uma forma de provar a capacidade financeira do encomendador. A primeira imagem descreve o trabalho dos monges-copistas na árdua e longa tarefa de copiar os livros e de os iluminar. A dependência onde se realizava este trabalho era no scriptorium . A segunda imagem representa uma iluminura. O professor deverá explorá-la quanto às cores utilizadas, bem como os temas representados. Dever-se-á referir também que já que a maior parte das pessoas, incluindo os nobres, não sabiam ler nem escrever, também as iluminuras tinham um forte papel doutrinal. Finalmente, e apenas por curiosidade o professor poderá falar do lugar de destaque que a Bíblia tinha na Igreja – aberto ou fechado, na mesa do altar, ladeado por velas cuja luz reflectida nas pedras preciosas embutidas na capa de couro, ou nas iluminuras originavam um colorido e luminoso efeito cenográfico.
  • Outra das funções dos monges era a assistência aos doentes, peregrinos e mendigos, uma vez que os mosteiros faziam parte do roteiro das grandes peregrinações, como Santiago de Compostela. Na primeira imagem, pode-se ver um doente ou muribundo que poderá estar a receber ou a extrema unção ( confissão, absolvição os pecados e comunhão) ou a ser medicado. Relativamente a este último tema, o professor poderá apresentar algumas curiosidades sobre os medicamentos e as mezinhas caseiras feitas com mel, ervas variadas e até mesmo aguardente. A segunda imagem que surge representa alguns peregrinos de Santiago de Compostela. O professor deverá falar da importância de Santiago de Compostela, como o principal centro de peregrinação da Europa, que originava grandes movimentações populacionais. No entanto, deve-se falar dos perigos que os peregrinos estavam sujeitos, como por exemplo os assaltos, mas também o encontro cultural que estava por detrás deste movimento religioso e sazonal, cujos símbolos eram a concha, o cajado e a cabaça.
  • Ao som de música medieval e antes de terminar a apresentação, o professor poderá fazer algumas sugestões de leitura para os alunos que desejem aprofundar os seus conhecimentos sobre este tema e ao mesmo tempo estimular a leitura entre os alunos.
  • Neste diapositivo, o professor tem a oportunidade de dar uma sugestão musical, destinada aos amantes do Canto Gregoriano.
  • Este diapositivo finaliza a apresentação deste tema, no entanto o professor poderá explicá-la, uma vez que se trata da reprodução de uma página de um livro de salmos, com pauta musical, para serem cantados. No apresentação, o professor poderá criar uma pequena ficha de consolidação dos conhecimentos, para testar se os alunos adquiriram ou não os conteúdos propostos e apresentados no powerpoint.
  • Mosteiros

    1. 2. A vida nos Mosteiros
    2. 3. Reconstituição de um Mosteiro
    3. 4. Os trabalhos no Mosteiro
    4. 5. O Serviço Religioso
    5. 6. A Sala do Capítulo
    6. 7. O Ensino
    7. 8. Os Monges-Copistas
    8. 9. Assistência a doentes, peregrinos e mendigos
    9. 10. A Idade Média , Fleurus Livros e Livros, 1ª Edição, Lisboa, 2002. A Idade Média , Editorial Caminho, Lisboa, 2002. A Idade Média , Colecção Mundos do Saber, Dinalivro, 1ª edição, Lisboa, 2002. A Vida na Idade Média , Editorial Verbo, Lisboa, 1999. Em nome de Deus agradecemos os muy singelos copistas:
    10. 11. Agradecimentos especiais à banda Gregorianus Magnum... Monastic Chant 12th e 13th European Sacres Music, Harmini Mundi,2003. © Ângela Malheiro

    ×