SlideShare uma empresa Scribd logo
dade Média – 476- 1453
•Alta Idade média (Séculos V ao
X)
CARACTERÍSTICAS GERAIS
OS POVOS BÁRBAROS
O FEUDALISMO
O IMPÉRIO CAROLÍNGEO ou REINO CRISTÃO DOS FRANCO
O IMPÉRIO BIZANTINO:
O IMPÉRIO ÁRABE

Baixa Idade Média (Séculos XI ao
XV)
CARACTERÍSTICAS GERAIS
CRESCIMENTO POPULACIONAL
O MOVIMENTO CRUZADISTA (séc. XI – XIII)
O RENASCIMENTO COMERCIAL
O RENASCIMENTO URBANO
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS
A CRISE DOS SÉCULOS XIV E XV
ALTA (séc.V a X)                  BAIXA (séc.X a XV)
    • invasões bárbaras                • Cruzadas
    • descentralização política        • renascimento comercial
    • ruralização da sociedade         • ressurgimento urbano
    • formação do feudalismo           • crise do feudalismo
    • consolidação da Igreja           • surgimento da burguesia




ANTIGA
                  IDADE MÉDIA                                 MODERNA


    476 dC                                               1453
  Queda de Roma          ORIENTE                Queda de Constantinopla




                          CIVILIZAÇÃO ÁRABE (séc.VII: Imp Islâmico)
FEUDALISMO
                  CONCEITO
 • Idade Média: modo de produção feudal
 • feudo: propriedade & privilégio
 • relações de dependência pessoal

                  ORIGENS
• síntese de instituições romanas e bárbaras



                    +
 ROMANAS:                        GERMÂNICAS:
 • villa: feudo             • comitatus: lealdade
 • colonato: servidão   • beneficium:recompensa
 • cristianismo         • direito consuetudinário
1 – CARACTERÍSTICAS
GERAIS:
• Formação e apogeu do
Feudalismo.
• Período de constantes
invasões e deslocamentos
populacionais.
• Síntese de elementos do
antigo Império Romano +
povos bárbaros +
cristianismo.
2 – OS POVOS BÁRBAROS:
• Povos fora das fronteiras (sem cultura greco-romana).
• Germânicos – principal grupo (suevos, lombardos,
  teutônicos, francos, godos, visigodos, ostrogodos,
  vândalos, burgúndios, anglos, saxões...).
• Economia agropastoril.
• Ausência de comércio e moeda.
• Ausência de escrita.
• Politeístas.
• Inicialmente sem propriedade privada.
• Poder político = casta de guerreiros.
• Direito Consuetudinário (tradição).
• COMITATUS (laços de dependência entre guerreiros).
Idade média 1 ano
3 – O FEUDALISMO
• Economia: agrícola, auto-suficiente (subsistência), sem comércio e
   moeda.
• Unidade econômica básica: FEUDO (benefício).
    – MANSO SENHORIAL – castelo + melhores terras.
    – MANSO SERVIL – terras arrendadas (lotes = glebas ou tenências).
    – MANSO COMUNAL – bosques e pastos (uso comum)




      Visão interna da casa dos servos
• Sociedade:
   – Estamental (posição social definida pelo nascimento).
   – Poder vinculado à posse e extensão da terra.
   – Laços de dependência pessoal:
       SUSERANIA e VASSALAGEM (entre nobres);
       SENHOR e SERVOS.

          CLERO: terra + poder político + poder ideológico (salvação)

            NOBREZA: terra + poder político (defesa)

                    SERVOS: obrigações (corvéia, talha, banalidades, tostão
                    de Pedro, dízimo, mão-morta, capitação, formariage...) e
                    VILÕES: quase servos, porém com menos obrigações
• Feudalismo:
• Política: descentralização.
• Ideologia:
   – Teocentrismo
   – IGREJA: maior instituição (atuante em todos os setores)
   – Conformismo, continuismo
   – Ética paternalista cristã
• Elementos feudais:
            ROMANOS                               GERMÂNICOS
Clientela (dependência entre servos e    Comitatus (dependência entre nobres –
senhores)                                base da suserania e vassalagem)
Colonato (fixação na terra – origem da   Subsistência (ausência de comércio e
servidão)                                moeda)
Vilas (grandes propriedades rurais –     Economia agropastoril
origem dos feudos)
Igreja                                   Direito consuetudinário (tradição oral)
4 – O IMPÉRIO CAROLÍNGEO ou REINO CRISTÃO
  DOS FRANCOS
• Atual França.
• Único reino bárbaro relativamente duradouro.
• Dinastia Merovíngea:
    –   Clóvis (496) – conversão ao cristianismo.
    –   Conquista da Gália.
    –   Ruralização.
    –   Distribuição de terras entre clero e nobreza.
         • Fragmentação do poder.
    – Últimos reis da dinastia: Reis Indolentes (incompetência administrativa).
    – Poder de fato: Mordomos do Paço ou do Palácio (espécies de “prefeitos” ou
      primeiro ministro).
    – Carlos Martel (732) – Bloqueio aos árabes na França (Batalha de Poitiers).
• Dinastia Carolíngea
    – Pepino, o Breve (751 –
      768):
        • Expulsão dos lombardos da
          Península Itálica.
        • Doação para a Igreja
          (Patrimônio de São Pedro).
        • Apoio da Igreja.
    – Carlos Magno (768 –
      814):
        • Auge.
        • Guerras de conquista.
        • Doações para nobres
        (laços de dependência).
        • Centralização relativa.
• Apoio da Igreja (expansão do cristianismo).
                  • Tentativa de reconstruir o Império Romano do
                     Ocidente.
                  • Divisão imperial em 300 partes (condados, ducados
                     e marcas).
                  • Missi Dominici – funcionários imperiais (burocracia).
                  • Capitulares – leis imperiais.
                  • Renascimento carolíngeo – preservação de obras
                     clássicas em escolas eclesiásticas.
CARLOS MAGNO
               – Luís, o Piedoso (814 – 841)
                  • Enfraquecimento.
                  • Agravamento da descentralização política.
               – Disputas pela sucessão imperial após morte de Luís, o
                 Piedoso.
Tratado de Verdum 843
1 – O IMPÉRIO BIZANTINO:

•   Império Romano do Oriente ou Império Grego.
•   Constantinopla – capital.
     – Antiga Bizâncio, hoje Istambul (TUR).
     – Local privilegiado estrategicamente – contatos entre Oriente e
       Ocidente, rota de comércio.
•   Comércio ativo + produção agrícola próspera = riquezas.
•   Resistência às invasões bárbaras.
•   Centralização política: Imperador.

     – CESAROPAPISMO: Imperador = chefe do exército + Igreja
JUSTINIANO (527 – 565) – auge do Império.

– Conquistas territoriais.
    • Península Itálica + Península Ibérica + Norte da África.
– Compilação do Direito Romano a partir do séc. II.
                                                       JUSTINIANO
    • CORPUS JURIS CÍVILIS
    • Poderes ilimitados ao imperador.
    • Privilégios para a Igreja e para a nobreza.
    • Marginalização de colonos e escravos.
– Burocracia centralizada + gastos militares + impostos.
    • Revoltas populares (Sedição de Nike)
– Igreja de Santa Sofia (estilo bizantino – majestosidade)
CATEDRAL DE SANTA SOFIA
EXTENSÃO MÁXIMA DO IMPÉRIO BIZANTINO (JUSTINIANO)
Império Bizantino:
• Influência de valores orientais.
• Grego – língua a partir do séc. VII.
• Surgimento de heresias:
   – MONOFISISTAS – negação da santíssima
     trindade (Cristo apenas com natureza divina);
   – ICONOCLASTAS – destruição de imagens
     (ícones).
• 1054: CISMA DO ORIENTE:
   – Igreja Cristã Ortodoxa (Patriarca de
     Constantinopla);
   – Igreja Católica Apostólica Romana (Papa).
• Decadência do Império Bizantino.

  – séc. VII e VIII – invasões de bárbaros e árabes;
  – séc. XI – XIII – alvo das Cruzadas;
  – 1453 – Conquistados pelos Turcos Otomanos
    (marco histórico que delimita oficialmente o fim
    da Idade Média e início da Idade Moderna.
2 – O IMPÉRIO ÁRABE:
• Península arábica.
• Deserto predominante.
• Até o séc. VI: divididos em aproximadamente 300 tribos.
• Beduínos – nômades, dedicados a saques, habitavam o
   deserto.
• Tribos urbanas – habitantes das margens do Mar Vermelho
   ou ao sul da Península. Dedicavam-se a agricultura e acima
   de tudo ao comércio. Formaram as principais cidades da
   região (Meca e Iatreb).
• Comando em ambas: xeques (sheiks)
• Meca: centro comercial e religioso.
• Caaba (cubo) – santuário e depósito de imagens de deuses
   politeístas das diferentes tribos.
• Administrada pela tribo dos coraixitas.
A CAABA - MECA
• MAOMÉ (570 – 632) – membro do ramo pobre dos
  coraixitas.
   – Profeta que segue a linhagem de Noé, Abraão, Moisés
      e Jesus.
• 610 – REVELAÇÃO: “Só há um Deus que é Alá, e Maomé
  é seu profeta”.
   – Oposição dos administradores coraixitas de Meca.
   – Repressão aos seguidores de Maomé.
• 622 – HÉGIRA: fuga de Maomé e seus seguidores para
  Iatreb (posteriormente conhecida como Medina – a cidade
  do profeta).
   – Início do calendário muçulmano.
   – População local é convertida.
   – Proclamação da primeira Jihad (esforço coletivo).
•   630 – Retorno a Meca com exército de populações convertidas.
     – Destruição de divindades politeístas da Caaba.
     – Anistia a antigos opositores.
     – Península Arábica é completamente convertida ao
       islamismo.
•   632 – Maomé morre.
     –   Califas continuam expansão do islamismo.
     –   1º Califa: ABU BAKR – sogro de Maomé.
     –   Motivações: crescimento populacional + busca de terras.
     –   Justificativa ideológica: Jihad.
     –   Amplas conquistas territoriais: Norte da África, Península
         Ibérica, Império Persa até parte da Índia, Império
         Bizantino.
•   Séc. XIII – território comparável ao do Império Romano.
EXTENSÃO MÁXIMA DO IMPÉRIO ÁRABE:
•   Livro sagrado: AL CORÃO.

•   SUNA: livro de ditos e atos de Maomé.

•   Divisão entre muçulmanos:

     – Após o 4º califa: ALI ABU TALIB (genro e primo de Maomé);
     – MAOWIYA (Síria) – apoio da maioria – Sunitas (Suna + Al
       Corão);
     – HASSAN e HUSSEIN – filhos de ALI – apoio da minoria – Xiitas
       (Al Corão);
     – Ambos assassinados. Hassan (669) e Hussein (680). Este último
       em Karbala (atual Iraque), um dos principais centros xiitas do
       mundo.
SUNITAS E XIITAS NO MUNDO HOJE:
• Única unidade: religiosa.
• Politicamente fragmentados em vários
  califados.
• Cultura muçulmana:
  – Assimilação de valores de outros povos (hindus,
    persas, chineses e bizantinos).
  – Tradução e conservação de obras clássicas
    (Aristóteles e Platão).
   Medicina: AVICENA (980 – 1037) –
  referência mundial até o século XVII com
  seu compêndio sobre o corpo humano.
   Matemática: números arábicos, zero,
  avanços em trigonometria e álgebra.           AVICENA
   Física: fundamentos da óptica.
– Química: descrição dos processos de destilação,
  filtração e sublimação; desenvolvimento do carbonato
  de sódio, nitrato de prata, ácidos nítrico e sulfúrico e
  álcool. Todas estas descobertas para tentar criar a
  “pedra filosofal” e o elixir da longa vida.
– Arquitetura: cúpulas, minaretes, arcos em ferradura,
  decoração com motivos geométricos e vegetais.
Baixa Idade Média
1 – CARACTERÍSTICAS GERAIS:
• Decadência do feudalismo.
• Estruturação do modo de produção capitalista.
• Transformações básicas:
  – auto-suficiência para economia de mercado;
  – novo grupo social: burguesia;
  – formação das monarquias nacionais.
2 – CRESCIMENTO POPULACIONAL:
• Fim das invasões.
• Maior consumo.
• Excedentes populacionais expulsos dos feudos.
  – Retomada das cidades.
  – Aumento do comércio.
  – Aumento da criminalidade.
• Aperfeiçoamento de técnicas
 agrícolas.
  – Moinho hidráulico, arado de ferro...
• Busca de mais terras para
cultivo.
3 – O MOVIMENTO CRUZADISTA (séc. XI – XIII):
• Movimento religioso e militar dos cristãos para
  retomar a Terra Santa (Jerusalém), em poder dos
  muçulmanos.
• Acomodação de excedentes populacionais.
• Busca de terras (nobreza).
• Busca de aventura ou enriquecimento (pilhagens).
• Absolvição dos pecados ou cura de enfermidades.
• Interesse comercial (mercadores italianos).
• 8 cruzadas oficiais e 2 extra oficiais.
• Fracasso militar.
Idade média 1 ano
Idade média 1 ano
INSTRUMENTOS DE TORTURA UTILIZADOS CONTRA AS
HERESIAS, CONSOLIDANDO O TRIBUNAL DA INQUISIÇÃO




    CADEIRA      ESMAGA
  INQUISITÓRIA                    CINTO DE      ESMAGA SEIOS
                 CRÂNEOS      ESTRANGULAMENTO




                   FORQUILHA DO
                      HEREGE


                  Caixinha para as
                        mãos
• Sucesso comercial (reabertura do Mar
  Mediterrâneo e das rotas de comércio
  entre o Oriente e o Ocidente).
4 – O RENASCIMENTO COMERCIAL:
• Cidades italianas.
• Surgimento de rotas de comércio ligando o continente
  europeu.
• Cruzamento de rotas: feiras.
    - Champanhe (FRA) e Flandres (BEL).
• Retomada da moeda.
• Atividades de crédito e bancárias.
• Séc. XII – HANSAS ou LIGAS: associações de comerciantes.
    - Comércio em grande escala.
    - LIGA HANSEÁTICA (ALE) – Mar do Norte
ROTAS DE COMÉRCIO MEDIEVAIS:
5 – O RENASCIMENTO URBANO:
 • Retomada do comércio impulsiona o
   renascimento urbano.
 • Burgos (fortalezas).
• Burgueses: habitantes dos burgos
(artesãos e comerciantes).
• Movimento comunal (séc. XI – XIII):
libertação das cidades da autoridade
dos senhores feudais.
    CARTAS DE FRANQUIA:
    autonomia.
    Guerras ou indenizações.
• GUILDAS: associações de mercadores (monopólio do
  comércio local, controle da concorrência estrangeira,
  regulamentação de preços).
• CORPORAÇÕES DE OFÍCIO: associações de artesãos
  (monopólio das atividades artesanais, controle da
  concorrência, regulamentação de preços,
  estabelecimento de normas de produção, controle de
  qualidade e assistência aos membros).
• Formação de grupo de grandes comerciantes e artesãos
  que se sobrepunham aos demais, impondo seu poder
  econômico.
• Trabalho assalariado.
6 – FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS:
• Aliança entre reis e burgueses.
• Reis: redução de poderes dos nobres e da Igreja.
• Burguesia: unificação de impostos, moeda e
  sistema de pesos e medidas.
• Nobreza e clero: cargos e pensões concedidos pelo
  rei.
• A monarquia francesa:
  – Capetíngeos (987 – 1328): medidas que fortaleceram o poder real
    em detrimento da autoridade descentralizadora dos senhores
    feudais.
• Felipe Augusto (1180 – 1223): exército nacional, conquistas
     territoriais, controle de subvassalos, concessão de cartas de
     franquia (maior renda), criação de impostos nacionais.
   • Luís IX (1226 – 1270): maior poder para tribunais reais, moeda
     nacional, engajamento no movimento cruzadista (São Luís).
   • Filipe IV, o Belo (1285 – 1314): atritos com a Igreja, convocação
     dos Estados Gerais, Cativeiro de Avignon (1307 – 1377),
     CISMA DO OCIDENTE.
– Guerra dos Cem Anos (1337 – 1453):
   • Enfraquecimento da nobreza.
   • Nacionalismo francês.
   • Consolidação do poder real.
• A monarquia Inglesa:
  –   Enfraquecimento da nobreza.
  –   Guerra dos Cem Anos.
  –   Guerra das 2 Rosas (1455 – 1485): YORK X   LANCASTER
  –   Henrique VII – centralização monárquica.
• As monarquias Ibéricas:
  – Guerra de Reconquista (espírito cruzadista).
  – ESP: Reis Católicos: Fernando (Aragão) e Isabel (Castela).
  – POR:
     • Dinastia de Borgonha – Reconquista
     • Dinastia de Avis (1385) – Estado Nacional com aliança da
       burguesia.
7 – A CRISE DOS SÉCULOS XIV E XV:
• Guerra dos Cem Anos (1337 – 1453):
  –   FRA*       X        ING
  –   Sucessão do trono francês
  –   Filipe IV (Dinastia Valois – FRA)   X Eduardo III (ING)
  –   Controle de Flandres (comércio de tecidos)
  –   1ª fase – vantagem da ING
  –   Carlos V (FRA) – recuperação parcial francesa
  –   Disputa interna pelo poder na FRA: Armagnacs* X Borghinhões
  –   ING + Borguinhões: controle de quase metade da FRA.
  –   Recuperação francesa: Joana D’Arc + Carlos VII
  –   Centralização política da FRA.
• Peste Negra (1347 – 1350):
  – Peste bubônica.
  – Morte de 1/3 dos europeus (25 milhões).
  – Enfraquecimento dos nobres.
Idade média 1 ano
Idade média 1 ano
8 – A CULTURA MEDIEVAL:
•   Simplicidade, rusticidade.
•   Igreja – controle cultural (mosteiros).
•   Teocentrismo.
•   Séc XII – Universidades (renascimento comercial).
•   Filosofia:
    – Alta Idade Média: Santo Agostinho.
       • Filosofia Clássica + Cristianismo.
       • Natureza humana é corrompida.
       • Fé em Deus = Salvação
– Baixa Idade Média: Escolástica (São Tomás de Aquino).
     • Harmonia entre razão e fé.
     • Valorização do esforço humano.
     • Livre arbítrio.
     • Clero = orientador moral e espiritual.
     • Liberdade de escolha = concepções da Igreja.
     • “preço justo” – condenação da usura.
• Arquitetura
  – Alta Idade Média: ROMÂNICA – construção maciça, pesada,
    linhas simples, horizontalidade, poucas janelas (idéia de
    segurança e tranqüilidade).
– Baixa Idade Média: GÓTICA – leveza, graciosidade,
     verticalidade, grandes janelas, vitrais, luminosidade.




                               ESTILO GÓTICO
ESTILO ROMÂNICO
ARQUITETURA: O ROMÂNICO E O GÓTICO
         O românico teve seu
apogeu durante o século XII.
Apresentava      as     paredes
maciças e as janelas pequenas,
prevalecendo interiores escuros,
com    linhas   horizontais    e
grandes e pesadas pilastras,
lembrando a construção dos
mosteiros medievais.                        O gótico desenvolveu-se
                                   mais tarde, durante o século XIII,
                                   constituindo       uma         arte
                                   essencialmente    urbana.     Seus
                                   elementos, que caracterizam a
                                   construção de grandes catedrais,
                                   como a de Notre-Dame, de Paris,
                                   são o arco ogival, a abóbada
                                   nervurada e a decoração exterior,
                                   além da utilização de vitrais, que
                                   permitem     melhor    iluminação
                                   interna.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias NacionaisA Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias Nacionais
Gilmar Rodrigues
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
Daniel Alves Bronstrup
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
Daniel Alves Bronstrup
 
Modernos estados nacionais
Modernos estados nacionaisModernos estados nacionais
Modernos estados nacionais
Eduard Henry
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Privada
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
Dirair
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
Rodrigo HistóriaGeografia
 
Slide reinos africanos
Slide reinos africanosSlide reinos africanos
Slide reinos africanos
Isabel Aguiar
 
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
Daniel Alves Bronstrup
 
Povos germânicos
Povos germânicosPovos germânicos
Povos germânicos
Eduard Henry
 
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romanoRoma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
Munis Pedro
 
Povos bárbaros
Povos bárbarosPovos bárbaros
Povos bárbaros
Profernanda
 
Romanos monarquia e república
Romanos   monarquia e repúblicaRomanos   monarquia e república
Romanos monarquia e república
Fatima Freitas
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
Douglas Barraqui
 
Igreja e cultura medieval
Igreja e cultura medievalIgreja e cultura medieval
Igreja e cultura medieval
Marilia Pimentel
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Alê Maldonado
 
Império Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. MédioImpério Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. Médio
Daniel Alves Bronstrup
 
Brasil república
Brasil repúblicaBrasil república
Brasil república
dmflores21
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
cattonia
 
Idade média: Alta Idade Média (séc. v- x)
Idade média:   Alta Idade Média (séc. v- x)Idade média:   Alta Idade Média (séc. v- x)
Idade média: Alta Idade Média (séc. v- x)
Edenilson Morais
 

Mais procurados (20)

A Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias NacionaisA Formação das Monarquias Nacionais
A Formação das Monarquias Nacionais
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
 
Modernos estados nacionais
Modernos estados nacionaisModernos estados nacionais
Modernos estados nacionais
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
 
Slide reinos africanos
Slide reinos africanosSlide reinos africanos
Slide reinos africanos
 
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
 
Povos germânicos
Povos germânicosPovos germânicos
Povos germânicos
 
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romanoRoma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
 
Povos bárbaros
Povos bárbarosPovos bárbaros
Povos bárbaros
 
Romanos monarquia e república
Romanos   monarquia e repúblicaRomanos   monarquia e república
Romanos monarquia e república
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
Igreja e cultura medieval
Igreja e cultura medievalIgreja e cultura medieval
Igreja e cultura medieval
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Império Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. MédioImpério Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. Médio
 
Brasil república
Brasil repúblicaBrasil república
Brasil república
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
 
Idade média: Alta Idade Média (séc. v- x)
Idade média:   Alta Idade Média (séc. v- x)Idade média:   Alta Idade Média (séc. v- x)
Idade média: Alta Idade Média (séc. v- x)
 

Destaque

PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOSPRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
carlosbidu
 
His7ano1tri 947-4d6ea56da7cdf
His7ano1tri 947-4d6ea56da7cdfHis7ano1tri 947-4d6ea56da7cdf
His7ano1tri 947-4d6ea56da7cdf
Luciana Lyra de Aguiar
 
Idade Media1
Idade Media1Idade Media1
Idade Media1
Semone
 
3 - Idade Média à Idade Moderna
3 - Idade Média à Idade Moderna3 - Idade Média à Idade Moderna
3 - Idade Média à Idade Moderna
Marcel Gois
 
Teoria da historia
Teoria da historiaTeoria da historia
Teoria da historia
Marcio Cicchelli
 
Aula i média baixa idade média
Aula i média baixa idade médiaAula i média baixa idade média
Aula i média baixa idade média
De Janks
 
O que é o Neolítico?
O que é o Neolítico?O que é o Neolítico?
O que é o Neolítico?
Inês Salsinha
 
Conceitos básicos do ensino de história
Conceitos básicos do ensino de históriaConceitos básicos do ensino de história
Conceitos básicos do ensino de história
André Augusto da Fonseca
 
EXPANSÃO 8ºano
EXPANSÃO 8ºanoEXPANSÃO 8ºano
EXPANSÃO 8ºano
Joao Guerra
 
História conceitos
História   conceitosHistória   conceitos
História conceitos
Neryvann Cliff
 
O surgimento dos seres humanos
O surgimento dos seres humanosO surgimento dos seres humanos
O surgimento dos seres humanos
João Marcelo
 
Expansão colonial portuguesa
Expansão colonial portuguesaExpansão colonial portuguesa
Expansão colonial portuguesa
José Eustáquio Chaves
 
Aula 1º a no teoria da história e Pré-História
Aula 1º a no teoria da história e Pré-HistóriaAula 1º a no teoria da história e Pré-História
Aula 1º a no teoria da história e Pré-História
felipewatz
 
O declínio do Imperio Romano
O declínio do Imperio RomanoO declínio do Imperio Romano
O declínio do Imperio Romano
Janayna Lira
 
Mudança na europa feudal
Mudança na europa feudalMudança na europa feudal
Mudança na europa feudal
PROFºWILTONREIS
 
Os Povos Bárbaros e inicio do Feudalismo
Os Povos Bárbaros e inicio do FeudalismoOs Povos Bárbaros e inicio do Feudalismo
Os Povos Bárbaros e inicio do Feudalismo
Edenilson Morais
 
Renascimento comercial idade média
Renascimento comercial idade médiaRenascimento comercial idade média
Renascimento comercial idade média
Isabel Aguiar
 
Brasil expansão territorial
Brasil expansão territorialBrasil expansão territorial
A expansão territorial na américa portuguesa
A expansão territorial na américa portuguesaA expansão territorial na américa portuguesa
A expansão territorial na américa portuguesa
Vitor Ferreira
 
Conceito de História
Conceito de HistóriaConceito de História
Conceito de História
João Medeiros
 

Destaque (20)

PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOSPRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
 
His7ano1tri 947-4d6ea56da7cdf
His7ano1tri 947-4d6ea56da7cdfHis7ano1tri 947-4d6ea56da7cdf
His7ano1tri 947-4d6ea56da7cdf
 
Idade Media1
Idade Media1Idade Media1
Idade Media1
 
3 - Idade Média à Idade Moderna
3 - Idade Média à Idade Moderna3 - Idade Média à Idade Moderna
3 - Idade Média à Idade Moderna
 
Teoria da historia
Teoria da historiaTeoria da historia
Teoria da historia
 
Aula i média baixa idade média
Aula i média baixa idade médiaAula i média baixa idade média
Aula i média baixa idade média
 
O que é o Neolítico?
O que é o Neolítico?O que é o Neolítico?
O que é o Neolítico?
 
Conceitos básicos do ensino de história
Conceitos básicos do ensino de históriaConceitos básicos do ensino de história
Conceitos básicos do ensino de história
 
EXPANSÃO 8ºano
EXPANSÃO 8ºanoEXPANSÃO 8ºano
EXPANSÃO 8ºano
 
História conceitos
História   conceitosHistória   conceitos
História conceitos
 
O surgimento dos seres humanos
O surgimento dos seres humanosO surgimento dos seres humanos
O surgimento dos seres humanos
 
Expansão colonial portuguesa
Expansão colonial portuguesaExpansão colonial portuguesa
Expansão colonial portuguesa
 
Aula 1º a no teoria da história e Pré-História
Aula 1º a no teoria da história e Pré-HistóriaAula 1º a no teoria da história e Pré-História
Aula 1º a no teoria da história e Pré-História
 
O declínio do Imperio Romano
O declínio do Imperio RomanoO declínio do Imperio Romano
O declínio do Imperio Romano
 
Mudança na europa feudal
Mudança na europa feudalMudança na europa feudal
Mudança na europa feudal
 
Os Povos Bárbaros e inicio do Feudalismo
Os Povos Bárbaros e inicio do FeudalismoOs Povos Bárbaros e inicio do Feudalismo
Os Povos Bárbaros e inicio do Feudalismo
 
Renascimento comercial idade média
Renascimento comercial idade médiaRenascimento comercial idade média
Renascimento comercial idade média
 
Brasil expansão territorial
Brasil expansão territorialBrasil expansão territorial
Brasil expansão territorial
 
A expansão territorial na américa portuguesa
A expansão territorial na américa portuguesaA expansão territorial na américa portuguesa
A expansão territorial na américa portuguesa
 
Conceito de História
Conceito de HistóriaConceito de História
Conceito de História
 

Semelhante a Idade média 1 ano

Idade Média - Feudalismo - Reino Franco
Idade Média - Feudalismo - Reino FrancoIdade Média - Feudalismo - Reino Franco
Idade Média - Feudalismo - Reino Franco
Portal do Vestibulando
 
Idade media
Idade mediaIdade media
Idade media
Sarah Lima
 
Alta Idade Média
Alta Idade MédiaAlta Idade Média
Alta Idade Média
cecilianoclaro
 
Feudalimo 3
Feudalimo 3Feudalimo 3
Feudalimo 3
Jorge Basílio
 
5
55
Resumo alta idade média
Resumo   alta idade médiaResumo   alta idade média
Resumo alta idade média
Claudenilson da Silva
 
Imperio bizantino e islã 2013
Imperio bizantino e islã 2013Imperio bizantino e islã 2013
Imperio bizantino e islã 2013
Fabio Salvari
 
História medieval francos, bizantinos
História medieval   francos, bizantinosHistória medieval   francos, bizantinos
História medieval francos, bizantinos
pmarisa
 
Idade média ´revisão
Idade média ´revisãoIdade média ´revisão
Idade média ´revisão
Fernando Sergio Leão Castilho
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Eliphas Rodrigues
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
Kerol Brombal
 
Império Bizantino e Carolingeo
Império Bizantino e CarolingeoImpério Bizantino e Carolingeo
Império Bizantino e Carolingeo
Lú Carvalho
 
Feudalismo e Bárbaros
Feudalismo e BárbarosFeudalismo e Bárbaros
Feudalismo e Bárbaros
dmflores21
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Luana Alves
 
O feudalismo 2015
O feudalismo 2015O feudalismo 2015
O feudalismo 2015
Denis Gasco
 
A idade média no ocidente
A idade média no ocidenteA idade média no ocidente
A idade média no ocidente
guest85fbf7c
 
A idade média no ocidente
A idade média no ocidenteA idade média no ocidente
A idade média no ocidente
guest85fbf7c
 
3 Bimestre
3 Bimestre3 Bimestre
3 Bimestre
dmflores21
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Bizantinos bárbaros - árabes - 3º Ano
Bizantinos   bárbaros - árabes - 3º AnoBizantinos   bárbaros - árabes - 3º Ano
Bizantinos bárbaros - árabes - 3º Ano
Auxiliadora
 

Semelhante a Idade média 1 ano (20)

Idade Média - Feudalismo - Reino Franco
Idade Média - Feudalismo - Reino FrancoIdade Média - Feudalismo - Reino Franco
Idade Média - Feudalismo - Reino Franco
 
Idade media
Idade mediaIdade media
Idade media
 
Alta Idade Média
Alta Idade MédiaAlta Idade Média
Alta Idade Média
 
Feudalimo 3
Feudalimo 3Feudalimo 3
Feudalimo 3
 
5
55
5
 
Resumo alta idade média
Resumo   alta idade médiaResumo   alta idade média
Resumo alta idade média
 
Imperio bizantino e islã 2013
Imperio bizantino e islã 2013Imperio bizantino e islã 2013
Imperio bizantino e islã 2013
 
História medieval francos, bizantinos
História medieval   francos, bizantinosHistória medieval   francos, bizantinos
História medieval francos, bizantinos
 
Idade média ´revisão
Idade média ´revisãoIdade média ´revisão
Idade média ´revisão
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
 
Império Bizantino e Carolingeo
Império Bizantino e CarolingeoImpério Bizantino e Carolingeo
Império Bizantino e Carolingeo
 
Feudalismo e Bárbaros
Feudalismo e BárbarosFeudalismo e Bárbaros
Feudalismo e Bárbaros
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
O feudalismo 2015
O feudalismo 2015O feudalismo 2015
O feudalismo 2015
 
A idade média no ocidente
A idade média no ocidenteA idade média no ocidente
A idade média no ocidente
 
A idade média no ocidente
A idade média no ocidenteA idade média no ocidente
A idade média no ocidente
 
3 Bimestre
3 Bimestre3 Bimestre
3 Bimestre
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
Bizantinos bárbaros - árabes - 3º Ano
Bizantinos   bárbaros - árabes - 3º AnoBizantinos   bárbaros - árabes - 3º Ano
Bizantinos bárbaros - árabes - 3º Ano
 

Mais de Over Lane

Cultura
CulturaCultura
Cultura
Over Lane
 
Mensalão - Para não esquecer.
Mensalão - Para não esquecer.Mensalão - Para não esquecer.
Mensalão - Para não esquecer.
Over Lane
 
Filosofia moderna
Filosofia moderna Filosofia moderna
Filosofia moderna
Over Lane
 
Arte romana para blog
Arte romana para blogArte romana para blog
Arte romana para blog
Over Lane
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
Over Lane
 
Felicidade 3 ano
Felicidade 3 anoFelicidade 3 ano
Felicidade 3 ano
Over Lane
 
História do cinema blog
História do cinema blogHistória do cinema blog
História do cinema blog
Over Lane
 
A semana de arte moderna
A semana de arte modernaA semana de arte moderna
A semana de arte moderna
Over Lane
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
Over Lane
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
Over Lane
 
Linguagem e pensamento 2 ano
Linguagem e pensamento 2 anoLinguagem e pensamento 2 ano
Linguagem e pensamento 2 ano
Over Lane
 
Patristica e escolastica
Patristica e escolasticaPatristica e escolastica
Patristica e escolastica
Over Lane
 
Arte naif
Arte naifArte naif
Arte naif
Over Lane
 
Aula ideologia 3 ano
Aula ideologia 3 anoAula ideologia 3 ano
Aula ideologia 3 ano
Over Lane
 
Aula ideologia 3 ano
Aula ideologia 3 anoAula ideologia 3 ano
Aula ideologia 3 ano
Over Lane
 
Aula liberalismo
Aula liberalismoAula liberalismo
Aula liberalismo
Over Lane
 
Artes pre-historia para blog
Artes   pre-historia para blogArtes   pre-historia para blog
Artes pre-historia para blog
Over Lane
 
Democracia 2 ano
Democracia 2 anoDemocracia 2 ano
Democracia 2 ano
Over Lane
 
Durkhein
DurkheinDurkhein
Durkhein
Over Lane
 
Socrates 1 ano
Socrates 1 anoSocrates 1 ano
Socrates 1 ano
Over Lane
 

Mais de Over Lane (20)

Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Mensalão - Para não esquecer.
Mensalão - Para não esquecer.Mensalão - Para não esquecer.
Mensalão - Para não esquecer.
 
Filosofia moderna
Filosofia moderna Filosofia moderna
Filosofia moderna
 
Arte romana para blog
Arte romana para blogArte romana para blog
Arte romana para blog
 
Idade média 1 ano
Idade média 1 anoIdade média 1 ano
Idade média 1 ano
 
Felicidade 3 ano
Felicidade 3 anoFelicidade 3 ano
Felicidade 3 ano
 
História do cinema blog
História do cinema blogHistória do cinema blog
História do cinema blog
 
A semana de arte moderna
A semana de arte modernaA semana de arte moderna
A semana de arte moderna
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
 
Linguagem e pensamento 2 ano
Linguagem e pensamento 2 anoLinguagem e pensamento 2 ano
Linguagem e pensamento 2 ano
 
Patristica e escolastica
Patristica e escolasticaPatristica e escolastica
Patristica e escolastica
 
Arte naif
Arte naifArte naif
Arte naif
 
Aula ideologia 3 ano
Aula ideologia 3 anoAula ideologia 3 ano
Aula ideologia 3 ano
 
Aula ideologia 3 ano
Aula ideologia 3 anoAula ideologia 3 ano
Aula ideologia 3 ano
 
Aula liberalismo
Aula liberalismoAula liberalismo
Aula liberalismo
 
Artes pre-historia para blog
Artes   pre-historia para blogArtes   pre-historia para blog
Artes pre-historia para blog
 
Democracia 2 ano
Democracia 2 anoDemocracia 2 ano
Democracia 2 ano
 
Durkhein
DurkheinDurkhein
Durkhein
 
Socrates 1 ano
Socrates 1 anoSocrates 1 ano
Socrates 1 ano
 

Idade média 1 ano

  • 1. dade Média – 476- 1453
  • 2. •Alta Idade média (Séculos V ao X) CARACTERÍSTICAS GERAIS OS POVOS BÁRBAROS O FEUDALISMO O IMPÉRIO CAROLÍNGEO ou REINO CRISTÃO DOS FRANCO O IMPÉRIO BIZANTINO: O IMPÉRIO ÁRABE Baixa Idade Média (Séculos XI ao XV) CARACTERÍSTICAS GERAIS CRESCIMENTO POPULACIONAL O MOVIMENTO CRUZADISTA (séc. XI – XIII) O RENASCIMENTO COMERCIAL O RENASCIMENTO URBANO FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS A CRISE DOS SÉCULOS XIV E XV
  • 3. ALTA (séc.V a X) BAIXA (séc.X a XV) • invasões bárbaras • Cruzadas • descentralização política • renascimento comercial • ruralização da sociedade • ressurgimento urbano • formação do feudalismo • crise do feudalismo • consolidação da Igreja • surgimento da burguesia ANTIGA IDADE MÉDIA MODERNA 476 dC 1453 Queda de Roma ORIENTE Queda de Constantinopla CIVILIZAÇÃO ÁRABE (séc.VII: Imp Islâmico)
  • 4. FEUDALISMO CONCEITO • Idade Média: modo de produção feudal • feudo: propriedade & privilégio • relações de dependência pessoal ORIGENS • síntese de instituições romanas e bárbaras + ROMANAS: GERMÂNICAS: • villa: feudo • comitatus: lealdade • colonato: servidão • beneficium:recompensa • cristianismo • direito consuetudinário
  • 5. 1 – CARACTERÍSTICAS GERAIS: • Formação e apogeu do Feudalismo. • Período de constantes invasões e deslocamentos populacionais. • Síntese de elementos do antigo Império Romano + povos bárbaros + cristianismo.
  • 6. 2 – OS POVOS BÁRBAROS: • Povos fora das fronteiras (sem cultura greco-romana). • Germânicos – principal grupo (suevos, lombardos, teutônicos, francos, godos, visigodos, ostrogodos, vândalos, burgúndios, anglos, saxões...). • Economia agropastoril. • Ausência de comércio e moeda. • Ausência de escrita. • Politeístas. • Inicialmente sem propriedade privada. • Poder político = casta de guerreiros. • Direito Consuetudinário (tradição). • COMITATUS (laços de dependência entre guerreiros).
  • 8. 3 – O FEUDALISMO • Economia: agrícola, auto-suficiente (subsistência), sem comércio e moeda. • Unidade econômica básica: FEUDO (benefício). – MANSO SENHORIAL – castelo + melhores terras. – MANSO SERVIL – terras arrendadas (lotes = glebas ou tenências). – MANSO COMUNAL – bosques e pastos (uso comum) Visão interna da casa dos servos
  • 9. • Sociedade: – Estamental (posição social definida pelo nascimento). – Poder vinculado à posse e extensão da terra. – Laços de dependência pessoal: SUSERANIA e VASSALAGEM (entre nobres); SENHOR e SERVOS. CLERO: terra + poder político + poder ideológico (salvação) NOBREZA: terra + poder político (defesa) SERVOS: obrigações (corvéia, talha, banalidades, tostão de Pedro, dízimo, mão-morta, capitação, formariage...) e VILÕES: quase servos, porém com menos obrigações
  • 10. • Feudalismo: • Política: descentralização. • Ideologia: – Teocentrismo – IGREJA: maior instituição (atuante em todos os setores) – Conformismo, continuismo – Ética paternalista cristã
  • 11. • Elementos feudais: ROMANOS GERMÂNICOS Clientela (dependência entre servos e Comitatus (dependência entre nobres – senhores) base da suserania e vassalagem) Colonato (fixação na terra – origem da Subsistência (ausência de comércio e servidão) moeda) Vilas (grandes propriedades rurais – Economia agropastoril origem dos feudos) Igreja Direito consuetudinário (tradição oral)
  • 12. 4 – O IMPÉRIO CAROLÍNGEO ou REINO CRISTÃO DOS FRANCOS • Atual França. • Único reino bárbaro relativamente duradouro. • Dinastia Merovíngea: – Clóvis (496) – conversão ao cristianismo. – Conquista da Gália. – Ruralização. – Distribuição de terras entre clero e nobreza. • Fragmentação do poder. – Últimos reis da dinastia: Reis Indolentes (incompetência administrativa). – Poder de fato: Mordomos do Paço ou do Palácio (espécies de “prefeitos” ou primeiro ministro). – Carlos Martel (732) – Bloqueio aos árabes na França (Batalha de Poitiers).
  • 13. • Dinastia Carolíngea – Pepino, o Breve (751 – 768): • Expulsão dos lombardos da Península Itálica. • Doação para a Igreja (Patrimônio de São Pedro). • Apoio da Igreja. – Carlos Magno (768 – 814): • Auge. • Guerras de conquista. • Doações para nobres (laços de dependência). • Centralização relativa.
  • 14. • Apoio da Igreja (expansão do cristianismo). • Tentativa de reconstruir o Império Romano do Ocidente. • Divisão imperial em 300 partes (condados, ducados e marcas). • Missi Dominici – funcionários imperiais (burocracia). • Capitulares – leis imperiais. • Renascimento carolíngeo – preservação de obras clássicas em escolas eclesiásticas. CARLOS MAGNO – Luís, o Piedoso (814 – 841) • Enfraquecimento. • Agravamento da descentralização política. – Disputas pela sucessão imperial após morte de Luís, o Piedoso.
  • 16. 1 – O IMPÉRIO BIZANTINO: • Império Romano do Oriente ou Império Grego. • Constantinopla – capital. – Antiga Bizâncio, hoje Istambul (TUR). – Local privilegiado estrategicamente – contatos entre Oriente e Ocidente, rota de comércio. • Comércio ativo + produção agrícola próspera = riquezas. • Resistência às invasões bárbaras. • Centralização política: Imperador. – CESAROPAPISMO: Imperador = chefe do exército + Igreja
  • 17. JUSTINIANO (527 – 565) – auge do Império. – Conquistas territoriais. • Península Itálica + Península Ibérica + Norte da África. – Compilação do Direito Romano a partir do séc. II. JUSTINIANO • CORPUS JURIS CÍVILIS • Poderes ilimitados ao imperador. • Privilégios para a Igreja e para a nobreza. • Marginalização de colonos e escravos. – Burocracia centralizada + gastos militares + impostos. • Revoltas populares (Sedição de Nike) – Igreja de Santa Sofia (estilo bizantino – majestosidade)
  • 19. EXTENSÃO MÁXIMA DO IMPÉRIO BIZANTINO (JUSTINIANO)
  • 20. Império Bizantino: • Influência de valores orientais. • Grego – língua a partir do séc. VII. • Surgimento de heresias: – MONOFISISTAS – negação da santíssima trindade (Cristo apenas com natureza divina); – ICONOCLASTAS – destruição de imagens (ícones). • 1054: CISMA DO ORIENTE: – Igreja Cristã Ortodoxa (Patriarca de Constantinopla); – Igreja Católica Apostólica Romana (Papa).
  • 21. • Decadência do Império Bizantino. – séc. VII e VIII – invasões de bárbaros e árabes; – séc. XI – XIII – alvo das Cruzadas; – 1453 – Conquistados pelos Turcos Otomanos (marco histórico que delimita oficialmente o fim da Idade Média e início da Idade Moderna.
  • 22. 2 – O IMPÉRIO ÁRABE: • Península arábica. • Deserto predominante. • Até o séc. VI: divididos em aproximadamente 300 tribos. • Beduínos – nômades, dedicados a saques, habitavam o deserto. • Tribos urbanas – habitantes das margens do Mar Vermelho ou ao sul da Península. Dedicavam-se a agricultura e acima de tudo ao comércio. Formaram as principais cidades da região (Meca e Iatreb). • Comando em ambas: xeques (sheiks) • Meca: centro comercial e religioso. • Caaba (cubo) – santuário e depósito de imagens de deuses politeístas das diferentes tribos. • Administrada pela tribo dos coraixitas.
  • 23. A CAABA - MECA
  • 24. • MAOMÉ (570 – 632) – membro do ramo pobre dos coraixitas. – Profeta que segue a linhagem de Noé, Abraão, Moisés e Jesus. • 610 – REVELAÇÃO: “Só há um Deus que é Alá, e Maomé é seu profeta”. – Oposição dos administradores coraixitas de Meca. – Repressão aos seguidores de Maomé. • 622 – HÉGIRA: fuga de Maomé e seus seguidores para Iatreb (posteriormente conhecida como Medina – a cidade do profeta). – Início do calendário muçulmano. – População local é convertida. – Proclamação da primeira Jihad (esforço coletivo).
  • 25. 630 – Retorno a Meca com exército de populações convertidas. – Destruição de divindades politeístas da Caaba. – Anistia a antigos opositores. – Península Arábica é completamente convertida ao islamismo. • 632 – Maomé morre. – Califas continuam expansão do islamismo. – 1º Califa: ABU BAKR – sogro de Maomé. – Motivações: crescimento populacional + busca de terras. – Justificativa ideológica: Jihad. – Amplas conquistas territoriais: Norte da África, Península Ibérica, Império Persa até parte da Índia, Império Bizantino. • Séc. XIII – território comparável ao do Império Romano.
  • 26. EXTENSÃO MÁXIMA DO IMPÉRIO ÁRABE:
  • 27. Livro sagrado: AL CORÃO. • SUNA: livro de ditos e atos de Maomé. • Divisão entre muçulmanos: – Após o 4º califa: ALI ABU TALIB (genro e primo de Maomé); – MAOWIYA (Síria) – apoio da maioria – Sunitas (Suna + Al Corão); – HASSAN e HUSSEIN – filhos de ALI – apoio da minoria – Xiitas (Al Corão); – Ambos assassinados. Hassan (669) e Hussein (680). Este último em Karbala (atual Iraque), um dos principais centros xiitas do mundo.
  • 28. SUNITAS E XIITAS NO MUNDO HOJE:
  • 29. • Única unidade: religiosa. • Politicamente fragmentados em vários califados. • Cultura muçulmana: – Assimilação de valores de outros povos (hindus, persas, chineses e bizantinos). – Tradução e conservação de obras clássicas (Aristóteles e Platão). Medicina: AVICENA (980 – 1037) – referência mundial até o século XVII com seu compêndio sobre o corpo humano. Matemática: números arábicos, zero, avanços em trigonometria e álgebra. AVICENA Física: fundamentos da óptica.
  • 30. – Química: descrição dos processos de destilação, filtração e sublimação; desenvolvimento do carbonato de sódio, nitrato de prata, ácidos nítrico e sulfúrico e álcool. Todas estas descobertas para tentar criar a “pedra filosofal” e o elixir da longa vida. – Arquitetura: cúpulas, minaretes, arcos em ferradura, decoração com motivos geométricos e vegetais.
  • 31. Baixa Idade Média 1 – CARACTERÍSTICAS GERAIS: • Decadência do feudalismo. • Estruturação do modo de produção capitalista. • Transformações básicas: – auto-suficiência para economia de mercado; – novo grupo social: burguesia; – formação das monarquias nacionais.
  • 32. 2 – CRESCIMENTO POPULACIONAL: • Fim das invasões. • Maior consumo. • Excedentes populacionais expulsos dos feudos. – Retomada das cidades. – Aumento do comércio. – Aumento da criminalidade. • Aperfeiçoamento de técnicas agrícolas. – Moinho hidráulico, arado de ferro... • Busca de mais terras para cultivo.
  • 33. 3 – O MOVIMENTO CRUZADISTA (séc. XI – XIII): • Movimento religioso e militar dos cristãos para retomar a Terra Santa (Jerusalém), em poder dos muçulmanos. • Acomodação de excedentes populacionais. • Busca de terras (nobreza). • Busca de aventura ou enriquecimento (pilhagens). • Absolvição dos pecados ou cura de enfermidades. • Interesse comercial (mercadores italianos). • 8 cruzadas oficiais e 2 extra oficiais. • Fracasso militar.
  • 36. INSTRUMENTOS DE TORTURA UTILIZADOS CONTRA AS HERESIAS, CONSOLIDANDO O TRIBUNAL DA INQUISIÇÃO CADEIRA ESMAGA INQUISITÓRIA CINTO DE ESMAGA SEIOS CRÂNEOS ESTRANGULAMENTO FORQUILHA DO HEREGE Caixinha para as mãos
  • 37. • Sucesso comercial (reabertura do Mar Mediterrâneo e das rotas de comércio entre o Oriente e o Ocidente).
  • 38. 4 – O RENASCIMENTO COMERCIAL: • Cidades italianas. • Surgimento de rotas de comércio ligando o continente europeu. • Cruzamento de rotas: feiras. - Champanhe (FRA) e Flandres (BEL). • Retomada da moeda. • Atividades de crédito e bancárias. • Séc. XII – HANSAS ou LIGAS: associações de comerciantes. - Comércio em grande escala. - LIGA HANSEÁTICA (ALE) – Mar do Norte
  • 39. ROTAS DE COMÉRCIO MEDIEVAIS:
  • 40. 5 – O RENASCIMENTO URBANO: • Retomada do comércio impulsiona o renascimento urbano. • Burgos (fortalezas). • Burgueses: habitantes dos burgos (artesãos e comerciantes). • Movimento comunal (séc. XI – XIII): libertação das cidades da autoridade dos senhores feudais. CARTAS DE FRANQUIA: autonomia. Guerras ou indenizações.
  • 41. • GUILDAS: associações de mercadores (monopólio do comércio local, controle da concorrência estrangeira, regulamentação de preços). • CORPORAÇÕES DE OFÍCIO: associações de artesãos (monopólio das atividades artesanais, controle da concorrência, regulamentação de preços, estabelecimento de normas de produção, controle de qualidade e assistência aos membros). • Formação de grupo de grandes comerciantes e artesãos que se sobrepunham aos demais, impondo seu poder econômico. • Trabalho assalariado.
  • 42. 6 – FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS: • Aliança entre reis e burgueses. • Reis: redução de poderes dos nobres e da Igreja. • Burguesia: unificação de impostos, moeda e sistema de pesos e medidas. • Nobreza e clero: cargos e pensões concedidos pelo rei. • A monarquia francesa: – Capetíngeos (987 – 1328): medidas que fortaleceram o poder real em detrimento da autoridade descentralizadora dos senhores feudais.
  • 43. • Felipe Augusto (1180 – 1223): exército nacional, conquistas territoriais, controle de subvassalos, concessão de cartas de franquia (maior renda), criação de impostos nacionais. • Luís IX (1226 – 1270): maior poder para tribunais reais, moeda nacional, engajamento no movimento cruzadista (São Luís). • Filipe IV, o Belo (1285 – 1314): atritos com a Igreja, convocação dos Estados Gerais, Cativeiro de Avignon (1307 – 1377), CISMA DO OCIDENTE. – Guerra dos Cem Anos (1337 – 1453): • Enfraquecimento da nobreza. • Nacionalismo francês. • Consolidação do poder real.
  • 44. • A monarquia Inglesa: – Enfraquecimento da nobreza. – Guerra dos Cem Anos. – Guerra das 2 Rosas (1455 – 1485): YORK X LANCASTER – Henrique VII – centralização monárquica. • As monarquias Ibéricas: – Guerra de Reconquista (espírito cruzadista). – ESP: Reis Católicos: Fernando (Aragão) e Isabel (Castela). – POR: • Dinastia de Borgonha – Reconquista • Dinastia de Avis (1385) – Estado Nacional com aliança da burguesia.
  • 45. 7 – A CRISE DOS SÉCULOS XIV E XV: • Guerra dos Cem Anos (1337 – 1453): – FRA* X ING – Sucessão do trono francês – Filipe IV (Dinastia Valois – FRA) X Eduardo III (ING) – Controle de Flandres (comércio de tecidos) – 1ª fase – vantagem da ING – Carlos V (FRA) – recuperação parcial francesa – Disputa interna pelo poder na FRA: Armagnacs* X Borghinhões – ING + Borguinhões: controle de quase metade da FRA. – Recuperação francesa: Joana D’Arc + Carlos VII – Centralização política da FRA.
  • 46. • Peste Negra (1347 – 1350): – Peste bubônica. – Morte de 1/3 dos europeus (25 milhões). – Enfraquecimento dos nobres.
  • 49. 8 – A CULTURA MEDIEVAL: • Simplicidade, rusticidade. • Igreja – controle cultural (mosteiros). • Teocentrismo. • Séc XII – Universidades (renascimento comercial). • Filosofia: – Alta Idade Média: Santo Agostinho. • Filosofia Clássica + Cristianismo. • Natureza humana é corrompida. • Fé em Deus = Salvação
  • 50. – Baixa Idade Média: Escolástica (São Tomás de Aquino). • Harmonia entre razão e fé. • Valorização do esforço humano. • Livre arbítrio. • Clero = orientador moral e espiritual. • Liberdade de escolha = concepções da Igreja. • “preço justo” – condenação da usura. • Arquitetura – Alta Idade Média: ROMÂNICA – construção maciça, pesada, linhas simples, horizontalidade, poucas janelas (idéia de segurança e tranqüilidade).
  • 51. – Baixa Idade Média: GÓTICA – leveza, graciosidade, verticalidade, grandes janelas, vitrais, luminosidade. ESTILO GÓTICO ESTILO ROMÂNICO
  • 52. ARQUITETURA: O ROMÂNICO E O GÓTICO O românico teve seu apogeu durante o século XII. Apresentava as paredes maciças e as janelas pequenas, prevalecendo interiores escuros, com linhas horizontais e grandes e pesadas pilastras, lembrando a construção dos mosteiros medievais. O gótico desenvolveu-se mais tarde, durante o século XIII, constituindo uma arte essencialmente urbana. Seus elementos, que caracterizam a construção de grandes catedrais, como a de Notre-Dame, de Paris, são o arco ogival, a abóbada nervurada e a decoração exterior, além da utilização de vitrais, que permitem melhor iluminação interna.