SlideShare uma empresa Scribd logo
BIOCLIMATOLOGIA - COELHOS
VISITAS:
FAZENDA ANGOLANA E
FRIGORÍFICO COELHO REAL
Evelyn Golin Thamara Barbosa Thati Rosinha
Gisele Amorim Tassiane Leite
UM POUCO DE HISTÓRIA
Origem duvidosa uns dizem-se que foi na
Península Ibérica,mais, precisamente
Espanha outros no Sul da Ásia ou África,
bem mais o que se realmente sabe é que o
coelho conhecido hoje descende do coelho
selvagem europeu (Lepus cuniculus).
Porém, o seu berço natural é a Europa.
CARACTERÍSTICAS
A pelagem dos coelhos selvagens é grossa e
macia nas cores marrom (castanho) e cinza. O
coelho doméstico pode nascer com coloração
preteada, acastanhada, acinzentada
,branqueada, ou ter apresentação dessas cores
que combinam entre si. O alcance do
comprimento de um coelho selvagem adulto
varia entre 20 e 35 cm e sua pesagem na
balança varia entre um e 2,5 kg. Os coelhos a
serem criados podem ter muita grandeza de
tamanho e cuja pesagem seja superior a 2,5 kg.
As fêmeas geralmente tem mais grandeza de
tamanho do que os machos.
CLASSIFICAÇÃO CIENTIFICA
 Reino: Animalia
 Filo: Chordata
 Classe: Mammalia
 Ordem: Lagomorpha
 Família: Leporidae
 Género: Oryctolagus
 Espécie: Oryctolagus cuniculus
COELHO É ROEDOR?
Apesar de normalmente falarmos do coelho
como
um roedor, na verdade, não pertence à ordem
Rodentia, mas, sim Lagomorpha. Existem,
dentro
da família dos coelhos, vários gêneros como :
Lepus (lebres)
Sylvilagus (coelho americano),
Caprolagus (coelho asiático),
Nesolagus (coelho da Sumatra),
Brachylagus(coelho pigmeu) e
BIOCLIMATOLOGIA OBSERVADO
 Fazenda Angolana
GESTAÇÃO
 O período de gestação das coelhas pode variar
entre 28 e 34 dias, com media de31 dias.
Durante esse período deve haver bastante
tranquilidade para não ocorrer abortos que,
além de prejudicar a saúde do animal,
acarretam prejuízos ao criador.
 Deve haver disponibilidade de água limpa e
fresca a vontade. A alimentação deve ser
restrita nos primeiros 20 dias de gestação e a
vontade nos últimos 11 dias, período que
compreende o terço final de gestação, onde
haverá maior necessidade nutricional diária.
PARTO
 A coelha arranca pelos do seu ventre para expor
suas tetas no momento da amamentação,
acolchoar o ninho e evitar a perda de calor dos
filhotes. Os partos geralmente ocorrem a noite e
tem duração de 15 a 30 minutos, podendo ser
considerada normal a duração de até 6 horas de
parto.
 Atenção especial deve ser dada as primaria, pois
podem parir fora do ninho e não arrancar pelos
suficientes do ventre, mas isso ainda é normal,
pois serão mães pela primeira vez. O melhor
procedimento nesses casos é recolher os filhotes,
colocar capim seco no ninho e cobrir com pelos
LÁPAROS
 São considerados láparos animais com até 12 dias
de vida. Eles nascem sem pêlos, com os olhos e
ouvidos fechados. Com 4 dias o pelo começa a
crescer e a abertura dos olhos e ouvidos ocorrem
por volta dos 12 dias de idade.
 Dos 15 a 20 dias já saem do ninho e começam a
comer mesma comida que a coelha, embora ainda
estejam sendo amamentados, essa é uma fase
muito importante pois introduz uma nova dieta aos
láparos, por isso é importante não deixar faltar
comida no comedouro, pois como eles possuem o
estômago muito pequeno, as visitas ao comedouro
são espaçadas e a quantidade ingerida é muito
pequena.
QUANDO É FEITO O DESMAME?
 É a retirada dos láparos da gaiola da matriz.
Segue o seguinte período:
 28 dias para coberturas realizadas 6 horas após o
parto
 42 dias para coberturas realizadas 15 dias após o
parto
 55 dias para coberturas realizadas 30 dias após o
parto
 Após o desmame as crias devem separadas por
sexo e em número correspondente ao sistema de
criação adotado. A sexagem é feita expondo a
genitália dos animais
DIFERENÇA ENTRE MACHO E FÊMEA
CONHECENDO UM POUCO MAIS
 Os coelhos são animais mamíferos.
 Podemos encontrar esta espécie animal em
várias regiões do mundo.
 São herbívoros, ou seja, alimentam-se de
folhas, caules, raízes e alguns tipos de grãos.
 Um coelho saudável, em boas condições de
vida, pode viver entre 5 e 10 anos.
 Uma fêmea, em fase reprodutiva, pode dar de
3 a 6 ninhadas por ano. Em cada ninhada
podem nascer de 3 a 12 filhotes.
.
CONHECENDO UM POUCO MAIS
 Nas matas e florestas, vivem em buracos ou
em tocos de árvores.
 Os coelhos que vivem nas matas (coelho
selvagem) tem hábitos noturnos. Para fugir de
seus predadores, procuram alimentos durante
a noite. Já os coelhos domésticos possuem
hábitos noturnos e diurnos.
 Para se comunicarem, os coelhos emitem
sons. O som emitidos por estes animais é
chamado de guinchar
CONHECENDO UM POUCO MAIS
 O banho só deve ser dado se o coelho se sujar.
A recomendação é que esse procedimento seja
feito em uma clínica com a sedação do animal
porque ao tentar se soltar o coelho pode sofrer
fraturas, já que seus ossos são muito frágeis.
 Como rói de tudo, o coelho pode destruir
chinelos e outros objetos, mas ele não vai
ingerir o material. A intenção mesmo é só roer.
CONTENÇÃO DE COELHOS
 JAMAIS PEGAR COELHO PELAS
ORELHAS PODE CAUSAR DANOS
IRREVERSÍVEIS.
 Os coelhos devem ser manuseados de forma
gentil, nunca se deve levantá-los pelas orelhas.
As orelhas dos coelhos contem inúmeros vasos
sanguíneos para trocar calor com o ambiente e
segurando o animal pelas orelhas, vários
desses vasos se rompem, podendo, necrosar a
orelha, quebrá-la e até matar o animal
 Pegar pelas costas igual se pega gato e aparar
as patas traseiras, para lhe passar segurança.
ALIMENTAÇÃO DO COELHO
 A alimentação baseada em 80% de fibras
longas, 20% de ração peletizada especial (hoje
em dia existem várias rações inclusive com
Yuca para redução do odor de urina) para
coelhos encontrada em agropecuárias e a
complementação do cardápio com folhas
verdes escuras como couve, agrião e rúcula,
com o agravante que a urina terá um odor mais
forte de amônia. Jamais dar alface pode
ocasionar diarreia no animal.
ALIMENTAÇÃO DO COELHO
 Os coelhos não podem comer frutas ou
verduras de folhas claras. A preocupação com
a alimentação é necessária para a saúde do
animal e também para o controle no
crescimento dos dentes.
 Esses mamíferos que têm o crescimento
contínuo dos dentes e precisam de uma
alimentação adequada para desgastar esses
dentes que não param de crescer.
ALIMENTAÇÃO DO COELHO
 Devem comer capim e feno de alfafa,
prioritariamente, e ração especial também.
 A comida deve ser ofertada o dia inteiro porque
o organismo dele precisa ficar em constante
trabalho.
 A cenoura até pode entrar no cardápio, mas só
de vez em quando.
 Água em abundância.
COELHOS PRATICAM CECOTROFIA
A cecotrofia é o ato ingestão de fezes duras
(cecotrofos) simultaneamente à expulsão das
mesmas. Estes consistem nas primeiras fezes
do animal após a ingestão de alimentos, sendo
que estes começam por ser ingeridos e passam
para o estômago.
As fezes duras, ao serem excretadas, voltam a ser
ingeridas, passando por todo o processo
digestivo, desta feita, com um maior índice de
digestabilidade doa alimentos, o que permite um
maior aproveitamento do valor nutritivo dos
alimentos.
TABELA DE ALIMENTAÇÃO
COELHO E LEBRE É A MESMA COISA?
Coelhos Lebres
Nascem com os olhos fechados, que só se
abrem aos dez dias de idade.
Nascem com os olhos abertos.
Nascem desprovidos de pêlos, que só
começam a surgir aos quatro dias de idade.
Nascem cobertas de pêlos.
Têm as orelhas menores que a cabeça. As orelhas são maiores que a cabeça.
A duração da gestação é de trinta dias, em
média.
A duração da gestação é de quarenta
dias, em média.
O número de láparos nascidos por parto é
de um a dezoito.
O número de láparos nascidos por
parto é de um a quatro.
Tem maior velocidade para correr mas se
cansam depressa
São menos velozes,mas conseguem
correr por mais tempo sem se cansar.
...
Possuem carne de cor branca. Possuem carne de cor vermelha.
São animais muito sociáveis, vivendo em
colónias.
São pouco sociáveis, vivendo em
pares isolados. (casais)
Passam a maior parte do tempo no
interior de túneis ou galerias por eles
cavados no solo.
Vivem o tempo todo na superfície.
Por ocasião do parto fazem ninhos
subterrâneos.
Fazem o ninho na superfície.
Quando pressentem perigo, batem com a
pata traseira no chão para prevenir os
companheiros da colónia, abrigando-se
nos túneis ou galerias.
Quando pressentem perigo, partem
em retirada, aproveitando sua
velocidade e resistência.
Possuem 44 pares de cromossomos. Possuem 48 pares de cromossomos.
INFORMAÇÕES ÚTEIS
 É recomendado castrar as fêmeas se elas
não forem usadas para reprodução porque
esse animais podem desenvolver problemas
de infecção uterina e tumores mamários.
 São animais muito estressados e ariscos e
o ideal é deixa-los quietos sem forçar
brincadeiras ou atividades.
ANATOMIA DOS COELHOS
RAÇAS MAIS COMUNS DE COELHOS
GRADE PORTE DESCRIÇÃO
Gigante de bouscat Origem: de origem francesa, é o resultado de cruzamentos entre
as raças Gigante de Flandres, Prateado de Champagne e Angorá
Peso médio: 5 a 8 kg
Especialidade: de corpo alongado é mais indicado para
produção de carne
Pelagem: de cor branco albino, tem pelagem média macia e
sedosa.
Prolificidade: 7 a 8 láparos por parto.
Gigante de Espanha Origem: resultado de cruzamentos entre as raças Gigante de
Flandres e espanholas, teve sua origem na cidade de Valencia,
são animais muito resistentes, rústicos e bastante prolífero.
Peso médio: 5 a 8 kg.
Especialidade: carne e pele.
Pelagem: comumente na cor cinza pardo, mas com um variação
para a pelagem branca.
Prolificidade: 8 a 12 láparos por parto.
Gigante de Flandres Origem: através de melhoramento genético a Bélgica conseguiu
este elevado padrão zootécnico. Atinge a idade adulta com
aproximadamente 12 meses, tendo seu desenvolvimento mais
lento que nas raças de médio porte.
Peso médio: 5 a 10 kg, podendo atingir, em alguns relatos, até
12 a 13 kg
Especialidade: carne e pele.
Pelagem: média variando nas cores branco, negro, pardo, cinza,
azul e fulvo.
Prolificidade: 5 a 8 láparos por parto.
Borboleta Francês Origem: de origem francesa, é considerada uma raça gigante,
são animais rústicos e precoces mantendo uma característica
única em sua pelagem. Peso médio: 3 a 5 kg
Especialidade: produção de carne e pele.
Pelagem: predominantemente branca com manchas nas cores
preto, amarelo e azuis, possui uma lista alongada que vai da
calda ao pescoço, seu focinho possui uma mancha negra no
formato de uma borboleta com as asas abertas, os olhos são
evidenciados com círculos negros.
Prolificidade: 5 a 8 láparos por parto.
MÉDIO PORTE DESCRIÇÃO
Angorá Origem: alguns autores atribuem sua origem ao continente
Asiático, considerando sua pelagem semelhante aos gatos
denominados angorá, mas há quem defenda sua origem
como raça européia.
Peso médio: 3 a 4,5 kg
Especialidade: principalmente para produção de pelo,
pode também ser utilizado na produção de carne.
Pelagem: macia e sedosa, podendo atingir de 15 a 20 cm
de comprimento.
Prolificidade: ente 5 e 10 láparos por parto.
Azul de Viena Origem: de origem australiana, foi apresentado pela
primeira vez em 1895 em Viena, proveniente de
cruzamentos de raças gigantes, com o tempo foi se
firmando como porte médio.
Peso médio: 3,5 a 5,5 kg
Especialidade: pele e carne
Pelagem: de tamanho médio mantém a cor azulada escura
brilhosa
Prolificidade: 5 a 8 láparos por parto.
Belier Francês Origem: francesa
Peso médio: 4,5 a 5,5 kg
Especialidade: pele e carne, nas variações anãs, servem com animal de
estimação.
Pelagem: curta, variando de cor, predominando a cor cinza ou parda.
Prolificidade: 5 a 8 láparos por parto.
Belier Inglês Origem: raça média de origem inglesa tem como característica o evidente
tamanho e formato das orelhas que chegam a medir até 60 cm de
comprimento e 15 cm de largura.
Peso médio: 3,5 a 5 kg
Especialidade: carne e pele
Pelagem: mediana sedosa e brilhosa, podendo ser de cores escuras e
bicolor.
Prolificidade: 5 a 8 láparos por parto.
Borboleta Inglês Origem: de origem inglesa, é considerada uma raça de porte médio,
bastante semelhante ao similar francês, diferenciando-se, principalmente,
no seu tamanho.
Peso médio: 2 a 3 kg
Especialidade: carne e pele.
Pelagem: branca com manchas predominantemente negras, podendo ser
azuis, amareladas ou marrons, também possui uma longa faixa negra que
vai da calda até ao pescoço, olhos e focinho possuem manchas negras.
Prolificidade: 6 a 8 láparos por parto.
Califórnia Origem: de origem americana, é resultado de cruzamentos entre as raças
Chinchila, Russa e Nova Zelândia, foi apresenta em 1928 em uma exposição
na cidade de South Gate, estado da Califórnia. É considerada uma raça de
médio porte e muito utilizada para cruzamentos com outras raças maiores
com o intuito de obtenção de animais rústicos e precoces.
Peso médio: 4 a 5 kg
Especialidade: pele e carne
Pelagem: média na cor branco albino com coloração escura na ponta do
focinho, orelhas, calda e patas.
Prolificidade: 8 a 12 láparos por parto.
Castor Rex Origem: de origem francesa, tem como característica principal a pelagem
curta e sedosa. Foi obtida por melhoramento genético iniciando-se de raças
com pelagem média, foi apresentado pela primeira vez na Exposição
Internacional de Paris em 1924. É considerada raça médio porte.
Peso médio: 3 a 4 kg.
Especialidade: carne e pele, produzindo uma pele
Pelagem: marrom avermelhada, tendo uma variante para a cor branco.
Prolificidade: 5 a 7 láparos por parto.
Chinchila Origem: de origem alemã, seu nome é proveniente de um roedor de
pelagem acinzentada que vive nos Andes. Raça de médio porte é rústica e
bastante precoce e prolífera, bastante difundida na Europa e Estados Unidos.
Peso médio: 3 a 4,5 kg
Especialidade: por sua precocidade e prolificidade é uma raça muito
utilizada para produção de carne, tendo uma pele bastante comercial.
Fulvo de Borgonha Origem: de origem francesa é considerada uma raça de porte médio com
aptidão na produção de pele, de cor avermelhada com nuances mais clara na
parte inferior possuindo anéis da mesma tonalidade em ambos os olhos.
Peso médio: 3,5 a 4,5 kg
Especialidade: pele e carne.
Pelagem: densa na cor avermelhada de tamanho médio.
Prolificidade: 6 a 10 láparos por parto.
Nova Zelândia Origem: de origem americana, precoce e boa produtora de carne e pele,
sendo considerada a raça mais adequada para este fim, nas variedades
branco, vermelho e preto.
Peso médio: 3,5 a 5 kg, podendo atingir 1,8 a 2 kg com 8 a 10 semanas de
idade.
Especialidade: carne e pele
Pelagem: médio, sedoso e uniforme.
Prolificidade: 8 a 10 láparos por parto.
Prateado de
Champagne
Origem: de origem francesa é precoce e rústica, produzindo carne saborosa
e pele de ótima qualidade e valor.
Peso médio: 4,5 a 6 kg
Especialidade: pele e carne.
Pelagem: de cor prateada, a cor é produzida por alguns pelos de ponta
azulada e outros em menor quantidade, de cor escura, na extremidade. Os
láparos nascem escuros e só adquirem a cor característica após a primeira
muda.
Prolificidade: 5 a 8 láparos por parto.
PEQUENO PORTE DESCRIÇÃO
Holandês Origem: é uma raça holandesa, classificada como pequeno porte, são rústicos e
precoces.
Peso médio: 2 a 3 kg
Especialidade: é mais utilizado esportivamente podendo produzir carne e pele.
Pelagem: média e macia nas cores branco e preto.
Prolificidade: 7 a 10 láparos por parto.
Negro e Fogo Origem: de origem inglesa, pertence ao grupo das raças de pequeno porte.
Peso médio: 2 a 3 kg
Especialidade: é mais utilizado esportivamente podendo produzir carne e pele.
Pelagem: média, macia e sedosa possui duas cores distintas, marrom avermelhado na
barriga, peito e pescoço com dorso, cabeça e orelhas pretas, tendo os olhos circundados
na cor marrom.
Prolificidade: 5 a 6 láparos por parto.
Polonês Origem: há dúvidas quanto sua origem, alguns consideram de origem russa e outros
autores sustentam que sua origem é holandesa. É considerada a menor de todas as
raças, excetuando-se as raças anãs.
Peso médio: 1 a 1,5 kg
Especialidade: a pesar de ter carne saborosa e pelagem branco arminho seu tamanho
não o favorece pare estes fins.
Pelagem: branca, macia e sedosa.
Prolificidade: 4 a 6 láparos por parto.
COELHO ANÃO DESCRIÇÃO
Mini Angorá Origem: França.
Peso médio: Por volta de 1.500 kg.
Especialidade: Animal de estimação.
Pelagem: Densa e sedosa.
Prolificidade: 3 a 4 filhotes.
Mini Belier Origem: Alemanha
Peso médio: Quando adultos o peso ideal é de 1.500 a 1.600 kg.
Especialidade: Animal de estimação.
Pelagem: Pelagem densa, macia e com o mesmo comprimento em toda a
extensão.
Prolificidade: 2 a 3 filhotes
Mini Rex Peso médio: 1,700 a 2,040 kg.
Especialidade: Animal de estimação.
Pelagem: Fino toque de seda livre de asperezas e lanosidades. Muito densa,
textura fina, macia com toque aveludado,com um características felpudas.
Prolificidade: baixa
American Fuzzy
Lop
Origem: EUA
Peso médio: Seu peso máximo é de 1.800 kg.
Especialidade: Animal de estimação.
Pelagem: Este pequeno coelho de orelhas caídas, largas e longas possui o corpo
todo recoberto por esta fina e sedosa “penugem” semelhante à dos coelhos
Angorás e apresenta uma gama variada de cores.
Prolificidade: é baixa 4 a 5 filhotes.
ENFERMIDADES
 Mixomatosis: É um vírus altamente contagioso
é transmitida por mosquitos ou por contato
direto. O animal infectado morre sem cura
dentro de poucos dias, não tem cura eficaz. Os
sintomas são o surgimento de tumores na
cabeça, olhos, nariz, lábios, orelhas e órgãos
genitais do animal, bem como lacrimeja mento
e secreção nasal.
 Infecções oculares: O lacrimeja mento dos
olhos do coelho é muito comum e de difícil
cura. Em casos graves, podem brotar pus.
Limpe os olhos com algodão embebido em chá
ENFERMIDADES
 Coccideose de coelhos: Coccideose é
tipicamente um parasita de animais
domésticos, como aves, ovinos, caprinos,
suínos e até cães. Mas no caso do coelho é
muito específica e só serão transmitidas a partir
de um coelho para outro.
 Cocciodiosis fígado: É detectada pelo olho -
nu de ao abater o animal, são manchas
brancas no fígado do animal. Coccideose
intestinal aparecer em filhotes no desmame
uma diarréia e o animal logo morre de
ENFERMIDADES
 Pasteurelosis Coelho: É uma doença do sistema
respiratório de coelhos e aparece como um frio
intenso com espirros e descarga nasal constante.
A respiração torna-se forçada, o animal pára de
comer e morre muito enfraquecido.
 Otites: São infamações do ouvido, com grande
formação de cerume amarelo, perda ou diminuição
do apetite e emagrecimento. Os coelhos doentes
inclinam a cabeça e o pescoço para o lado
afetado. Sua capacidade de equilíbrio diminui,
sofrem quedas, andam em voltas, mantêm
posturas anormais e podem ter crises
epileptiformes. Para o seu tratamento, usar
remédios de uso humano ou veterinário, para
ouvido.
ENFERMIDADES
 Toxoplasmose: É uma doença infecciosa,
congênita ou adquirida, causada pelo
protozoário Toxoplasma gondii. É também uma
enfermidade de rápido curso, 8 a 10 dias, cuja
transmissão é ocasionada pelas pulgas e
piolhos. Os animais doentes apresentam febre,
falta de apetite, grande abatimento, muita sede,
abdome aumentado de tamanho,
emagrecimento, anemia, diarréia fedida de cor
esverdeada ou sanguinolenta e convulsões.
Muitas vezes chega a ter paralisia da região
traseira. Os animais doentes deverão ser
ENFERMIDADES
 Maloclusão --Esta é uma doença comum entre
os coelhos que será muitas vezes notada a
partir do momento do nascimento do seu
coelho. Se o seu coelho é mais velho, e você
percebe que não está comendo como deveria,
ele pode estar com maloclusão. É quando os
dentes de coelho são longos demais e muitas
vezes curvados para fora. A maloclusão é uma
doença hereditária. A melhor maneira de
identificar a maloclusão é dar uma olhada nos
dentes de seu coelho.
ENFERMIDADES
 Jarretes com ferimentos -- Esta é
provavelmente a doença mais comum dos
coelhos. Os jarretes do seu coelho estão
localizados na parte inferior de suas patas
traseiras. Muitas vezes, quando um coelho não
tem pêlos grossos no fundo do jarrete, os que
ele tem vão se desgastar, fazendo a pele
descoberta ficar exposta aos fios da gaiola. Isto
é fácil de identificar. Você vai notar que seu
coelho está desenvolvendo feridas abertas na
parte inferior dos jarretes.
AGORA... COELHO É PET OU PRODUÇÃO?
ESPECIFICIDADE DO COELHO
ENQUANTO PRODUÇÃO...
Carne - Por ser rica, principalmente em proteínas, a
carne de coelho é muito nutritiva, saborosa e mais
rica em valores nutrientes que as carnes de vaca,
porco, galinha e outros animais. Um coelho das
raças médias, com 3 a 4 meses de idade, produz
de 2 a 3 quilos de carne. Uma coelha, em 1 ano,
poderá ter filhos que forneçam um total de 50 a 60
quilos de carne. Portanto, uma família que possua
um coelho e 4 ou 5 fêmeas poderá ter uma
saborosa e nutritiva carne 2 a 3 vezes por
semana, durante todo o ano e terá, ainda, boas
peles. Como exemplo temos: Branco da Nova
Zelândia, Vermelho da Nova Zelândia,
Califórnia,Gigante de Flandres Branco e Gigante
de Bouscat.
 Bexiga cheia de urina: a bexiga pode ser
amarrada e resfriada sendo comercializada para
indústrias de cosméticos, que usam a urina como
fixador de perfume;
 Esterco:é um fertilizante de boa qualidade e muito
apreciado pelos horticultores, pois possui uma boa
relação NPK;
 Neonatos: láparos de 3 a 4 dias de idade,
geralmente vendidos a laboratórios para a
fabricação de vacinas;
 Olhos: as córneas são vendidas para empresas
que realizam testes cirúrgicos;
 Coelhos abatidos:são vendidos pelos
criadores, que geralmente vendem a unidade,
sem pesar o animal;
 Coelhos vivos para corte:são abatidos entre
90 e 120 dias com peso médio de 3,0 kg;
 Couros:são curtidos, ausentes de pelos e
geralmente usados para a fabricação de
acessórios;
 Sangue:O sangue de coelho é fundamental na
produção de meio de cultura utilizado para
diferenciar e identificar bactérias produtoras de
hemólise "tipo Beta" (rompimento total dos
glóbulos vermelhos). A "Beta hemólise" é a
principal característica das
bactérias Streptococcus pyogenes aureus e
algumas estirpes de Staphylococcusque
provocam erisipela,
faringite, escarlatina, glomerulonefrite e febre
reumática.
 Vísceras:são vendidas para fábricas de ração;
 Orelha:as orelhas são pré-cozidas e defumadas,
sendo vendidas como petiscos para cachorros;
 Pele:de um modo geral, toda pele em bom
estado pode ser aproveitada para a indústria.
Existem, no entanto, algumas raças que se
destacam pela qualidade ou beleza de suas
peles. As peles podem ser comercializadas para
empresas que vão curtir o material ou podem ser
curtidas dentro da propriedade. O preço desse
produto varia devido à qualidade do produto e ao
tipo de curtimento usado. Como exemplo, temos
as raças Chinchila, Castor-Rex, Polonesa ( cuja
pele é uma otima imitação da pele do arminho),
Negro-e-fogo e Preteado de Champagne:
 Pelo ou lã:indiscutivelmente é a raça Angorá a
que melhor lã produz e que apresenta o melhor
rendimento. No Brasil, a produção de lã de coelho
Angorá é mais desenvolvida na região Sul, devido
ao clima mais ameno, propicio para a criação
desta raça. O pelo é retirado por tosa, 3 vezes ao
ano. Cada animal pode produzir aproximadamente
150g de pelo;
 Reprodutores:é a atividade que proporciona
maiores lucros e também exige grande prática e
conhecimento, demanda maior trabalho e exige
técnicas mais apuradas de reprodução, manejo,
alimentação, seleção entre outros;
VALORES DE COELHOS
VALORES MÉDIOS DE 2014
DESVANTAGENS
 Falta de mão de obra especializada em
coelhos
 O coelho ainda não caiu no paladar dos
brasileiros como o boi e o porco;
 Falta cooperativas;
 Mercado de exportação aquecido, porém,
preço do dólar alto.
https://youtu.be/401fPj_O2lU
https://www.youtube.com/watch?v=KQDefdrKA_k&feature=youtu.be
https://www.youtube.com/watch?v=YHISlDOvLm8
REFERÊNCIAS:
 Associação Científico Brasileira de Cunicultura
 LECIFF = Lab. Experimental de Cunicultura do
Instituto Federal de Farroupilha
 Manual prático de cunicultura
 Site Coelho e Cia
 Granja dos coelhos
 Granja Bela Vista
 Cunicultura dois irmãos
 Revista Cunicultura em foco
 Granja Coelho Real

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Coelhos
CoelhosCoelhos
Coelhos
osengenhocas
 
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaBem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Marília Gomes
 
Produçao animal
Produçao animalProduçao animal
Produçao animal
mvezzone
 
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animalAula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
James Pinho Ladislau Pinho
 
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Rômulo Alexandrino Silva
 
Primeiros socorros em cães e gatos
Primeiros socorros em cães e gatosPrimeiros socorros em cães e gatos
Primeiros socorros em cães e gatos
Roberta Ribeiro de Melo
 
Instalações de aves
Instalações de avesInstalações de aves
Instalações de aves
Layane Ribeiro Mascarenhas
 
Prova n2
Prova n2Prova n2
Prova n2
Rogger Wins
 
Mapa - Bem Estar Animal
Mapa - Bem Estar AnimalMapa - Bem Estar Animal
Mapa - Bem Estar Animal
BeefPoint
 
Ovinos
OvinosOvinos
Avicultura de postura
Avicultura de posturaAvicultura de postura
Avicultura de postura
Julihilda Araujo
 
Cunicultura
CuniculturaCunicultura
Livro criação racional de caprinos
Livro criação racional de caprinosLivro criação racional de caprinos
Livro criação racional de caprinos
Raquel Maria Cury Rodrigues
 
Boa práticas de suínos 2011
Boa práticas de suínos 2011Boa práticas de suínos 2011
Boa práticas de suínos 2011
Ana Alice Gouvêa
 
Guia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosGuia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinos
Killer Max
 
Tudo sobre bufalos
Tudo sobre bufalosTudo sobre bufalos
Tudo sobre bufalos
boitomikael
 
131663983 suinos
131663983 suinos131663983 suinos
131663983 suinos
Pelo Siro
 
Cartilha de Criação de Bezerras Leiteiras
Cartilha de Criação de Bezerras LeiteirasCartilha de Criação de Bezerras Leiteiras
Cartilha de Criação de Bezerras Leiteiras
RaquelMariaCury
 
Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínos
Marília Gomes
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Marília Gomes
 

Mais procurados (20)

Coelhos
CoelhosCoelhos
Coelhos
 
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaBem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinocultura
 
Produçao animal
Produçao animalProduçao animal
Produçao animal
 
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animalAula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
 
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
 
Primeiros socorros em cães e gatos
Primeiros socorros em cães e gatosPrimeiros socorros em cães e gatos
Primeiros socorros em cães e gatos
 
Instalações de aves
Instalações de avesInstalações de aves
Instalações de aves
 
Prova n2
Prova n2Prova n2
Prova n2
 
Mapa - Bem Estar Animal
Mapa - Bem Estar AnimalMapa - Bem Estar Animal
Mapa - Bem Estar Animal
 
Ovinos
OvinosOvinos
Ovinos
 
Avicultura de postura
Avicultura de posturaAvicultura de postura
Avicultura de postura
 
Cunicultura
CuniculturaCunicultura
Cunicultura
 
Livro criação racional de caprinos
Livro criação racional de caprinosLivro criação racional de caprinos
Livro criação racional de caprinos
 
Boa práticas de suínos 2011
Boa práticas de suínos 2011Boa práticas de suínos 2011
Boa práticas de suínos 2011
 
Guia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosGuia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinos
 
Tudo sobre bufalos
Tudo sobre bufalosTudo sobre bufalos
Tudo sobre bufalos
 
131663983 suinos
131663983 suinos131663983 suinos
131663983 suinos
 
Cartilha de Criação de Bezerras Leiteiras
Cartilha de Criação de Bezerras LeiteirasCartilha de Criação de Bezerras Leiteiras
Cartilha de Criação de Bezerras Leiteiras
 
Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínos
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 

Destaque

Cunicultura
CuniculturaCunicultura
Cunicultura
matigonzalez13
 
Guia de cuidados R & S Mini Coelhos
Guia de cuidados  R & S Mini CoelhosGuia de cuidados  R & S Mini Coelhos
Guia de cuidados R & S Mini Coelhos
R Mini Coelhos
 
Livro bioclimatologia-zootc3a9cnica
Livro bioclimatologia-zootc3a9cnicaLivro bioclimatologia-zootc3a9cnica
Livro bioclimatologia-zootc3a9cnica
Iara Oliveira
 
5 Tips to Master the Concept of Relevance: Relevance and The Hoff #CannesLion...
5 Tips to Master the Concept of Relevance: Relevance and The Hoff #CannesLion...5 Tips to Master the Concept of Relevance: Relevance and The Hoff #CannesLion...
5 Tips to Master the Concept of Relevance: Relevance and The Hoff #CannesLion...
Ogilvy
 
Whiskaway Company Profile
Whiskaway Company ProfileWhiskaway Company Profile
Whiskaway Company Profile
Priya Moodley
 
Noções De Embriologia Animal - Deise Martins (Enfermeira)
Noções De Embriologia Animal - Deise Martins (Enfermeira)Noções De Embriologia Animal - Deise Martins (Enfermeira)
Noções De Embriologia Animal - Deise Martins (Enfermeira)
Danielle Siqueira
 
Cunicultura
CuniculturaCunicultura
Cunicultura
Lucas Camilo
 
Zootecnia de conejos (cunicultura)
Zootecnia de conejos (cunicultura)Zootecnia de conejos (cunicultura)
Zootecnia de conejos (cunicultura)
LA CIENCIA AL SERVICIO DE LA PATRIA
 
Manual de cunicultura
Manual de cuniculturaManual de cunicultura
Manual de cunicultura
Clara Elena Jimenez Rodriguez
 
Conejos
ConejosConejos
Championing communications
Championing communicationsChampioning communications
Championing communications
Golin
 
Relevance Theory
Relevance TheoryRelevance Theory
Relevance Theory
alexgbarros1138
 

Destaque (12)

Cunicultura
CuniculturaCunicultura
Cunicultura
 
Guia de cuidados R & S Mini Coelhos
Guia de cuidados  R & S Mini CoelhosGuia de cuidados  R & S Mini Coelhos
Guia de cuidados R & S Mini Coelhos
 
Livro bioclimatologia-zootc3a9cnica
Livro bioclimatologia-zootc3a9cnicaLivro bioclimatologia-zootc3a9cnica
Livro bioclimatologia-zootc3a9cnica
 
5 Tips to Master the Concept of Relevance: Relevance and The Hoff #CannesLion...
5 Tips to Master the Concept of Relevance: Relevance and The Hoff #CannesLion...5 Tips to Master the Concept of Relevance: Relevance and The Hoff #CannesLion...
5 Tips to Master the Concept of Relevance: Relevance and The Hoff #CannesLion...
 
Whiskaway Company Profile
Whiskaway Company ProfileWhiskaway Company Profile
Whiskaway Company Profile
 
Noções De Embriologia Animal - Deise Martins (Enfermeira)
Noções De Embriologia Animal - Deise Martins (Enfermeira)Noções De Embriologia Animal - Deise Martins (Enfermeira)
Noções De Embriologia Animal - Deise Martins (Enfermeira)
 
Cunicultura
CuniculturaCunicultura
Cunicultura
 
Zootecnia de conejos (cunicultura)
Zootecnia de conejos (cunicultura)Zootecnia de conejos (cunicultura)
Zootecnia de conejos (cunicultura)
 
Manual de cunicultura
Manual de cuniculturaManual de cunicultura
Manual de cunicultura
 
Conejos
ConejosConejos
Conejos
 
Championing communications
Championing communicationsChampioning communications
Championing communications
 
Relevance Theory
Relevance TheoryRelevance Theory
Relevance Theory
 

Semelhante a Coelhos bioclimatologia

Produção e Reprodução de Roedores e lagomorfos
Produção e Reprodução de Roedores e lagomorfosProdução e Reprodução de Roedores e lagomorfos
Produção e Reprodução de Roedores e lagomorfos
Evelyn Golin
 
Agapornis
AgapornisAgapornis
Agapornis
thalesbr
 
Biologia Dos vertebrados- EEMAK- Gravatal -SC
Biologia Dos vertebrados- EEMAK- Gravatal -SCBiologia Dos vertebrados- EEMAK- Gravatal -SC
Biologia Dos vertebrados- EEMAK- Gravatal -SC
Thiago Neves
 
Tudo sobre criação de codornas
Tudo sobre criação de codornasTudo sobre criação de codornas
Tudo sobre criação de codornas
Alexandre Franco de Faria
 
Mamíferos famosos
Mamíferos famososMamíferos famosos
Mamíferos famosos
Mluciateodoro
 
Adaptações reprodutivas
Adaptações reprodutivasAdaptações reprodutivas
Adaptações reprodutivas
unesp
 
Phototheria
PhototheriaPhototheria
Phototheria
Marisol Carneiro
 
Calopsita noturno 3 e
Calopsita noturno 3 eCalopsita noturno 3 e
Calopsita noturno 3 e
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Mamiferos
MamiferosMamiferos
Mamiferos
DANY VIEIRA
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
Ana Rita
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
jcantunes
 
Calopsitas
CalopsitasCalopsitas
Calopsitas
Victor Matias
 
Projeto os animais
Projeto os animaisProjeto os animais
Projeto os animais
Célia Pereira
 
Slide suínos
Slide suínosSlide suínos
Slide suínos
Larissa Lobo
 
Calopsitas Mansas - www.calopsitabr.blogspot.com
Calopsitas Mansas - www.calopsitabr.blogspot.comCalopsitas Mansas - www.calopsitabr.blogspot.com
Calopsitas Mansas - www.calopsitabr.blogspot.com
Antonio Silva
 
Biologia Dos Vertebrados- EEMAK Gravatal - SC
Biologia Dos Vertebrados- EEMAK Gravatal - SCBiologia Dos Vertebrados- EEMAK Gravatal - SC
Biologia Dos Vertebrados- EEMAK Gravatal - SC
Thiago Neves
 
Coala
CoalaCoala
Ring Neck Considerações Gerais - www.ringneckbr.blogspot.com
Ring Neck Considerações Gerais - www.ringneckbr.blogspot.comRing Neck Considerações Gerais - www.ringneckbr.blogspot.com
Ring Neck Considerações Gerais - www.ringneckbr.blogspot.com
Antonio Silva
 
Coala
Coala Coala
Calopsit
CalopsitCalopsit
Calopsit
Anilorac Maia
 

Semelhante a Coelhos bioclimatologia (20)

Produção e Reprodução de Roedores e lagomorfos
Produção e Reprodução de Roedores e lagomorfosProdução e Reprodução de Roedores e lagomorfos
Produção e Reprodução de Roedores e lagomorfos
 
Agapornis
AgapornisAgapornis
Agapornis
 
Biologia Dos vertebrados- EEMAK- Gravatal -SC
Biologia Dos vertebrados- EEMAK- Gravatal -SCBiologia Dos vertebrados- EEMAK- Gravatal -SC
Biologia Dos vertebrados- EEMAK- Gravatal -SC
 
Tudo sobre criação de codornas
Tudo sobre criação de codornasTudo sobre criação de codornas
Tudo sobre criação de codornas
 
Mamíferos famosos
Mamíferos famososMamíferos famosos
Mamíferos famosos
 
Adaptações reprodutivas
Adaptações reprodutivasAdaptações reprodutivas
Adaptações reprodutivas
 
Phototheria
PhototheriaPhototheria
Phototheria
 
Calopsita noturno 3 e
Calopsita noturno 3 eCalopsita noturno 3 e
Calopsita noturno 3 e
 
Mamiferos
MamiferosMamiferos
Mamiferos
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
Calopsitas
CalopsitasCalopsitas
Calopsitas
 
Projeto os animais
Projeto os animaisProjeto os animais
Projeto os animais
 
Slide suínos
Slide suínosSlide suínos
Slide suínos
 
Calopsitas Mansas - www.calopsitabr.blogspot.com
Calopsitas Mansas - www.calopsitabr.blogspot.comCalopsitas Mansas - www.calopsitabr.blogspot.com
Calopsitas Mansas - www.calopsitabr.blogspot.com
 
Biologia Dos Vertebrados- EEMAK Gravatal - SC
Biologia Dos Vertebrados- EEMAK Gravatal - SCBiologia Dos Vertebrados- EEMAK Gravatal - SC
Biologia Dos Vertebrados- EEMAK Gravatal - SC
 
Coala
CoalaCoala
Coala
 
Ring Neck Considerações Gerais - www.ringneckbr.blogspot.com
Ring Neck Considerações Gerais - www.ringneckbr.blogspot.comRing Neck Considerações Gerais - www.ringneckbr.blogspot.com
Ring Neck Considerações Gerais - www.ringneckbr.blogspot.com
 
Coala
Coala Coala
Coala
 
Calopsit
CalopsitCalopsit
Calopsit
 

Último

TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
Anderson1783
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 

Último (7)

TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 

Coelhos bioclimatologia

  • 1. BIOCLIMATOLOGIA - COELHOS VISITAS: FAZENDA ANGOLANA E FRIGORÍFICO COELHO REAL Evelyn Golin Thamara Barbosa Thati Rosinha Gisele Amorim Tassiane Leite
  • 2. UM POUCO DE HISTÓRIA Origem duvidosa uns dizem-se que foi na Península Ibérica,mais, precisamente Espanha outros no Sul da Ásia ou África, bem mais o que se realmente sabe é que o coelho conhecido hoje descende do coelho selvagem europeu (Lepus cuniculus). Porém, o seu berço natural é a Europa.
  • 3. CARACTERÍSTICAS A pelagem dos coelhos selvagens é grossa e macia nas cores marrom (castanho) e cinza. O coelho doméstico pode nascer com coloração preteada, acastanhada, acinzentada ,branqueada, ou ter apresentação dessas cores que combinam entre si. O alcance do comprimento de um coelho selvagem adulto varia entre 20 e 35 cm e sua pesagem na balança varia entre um e 2,5 kg. Os coelhos a serem criados podem ter muita grandeza de tamanho e cuja pesagem seja superior a 2,5 kg. As fêmeas geralmente tem mais grandeza de tamanho do que os machos.
  • 4. CLASSIFICAÇÃO CIENTIFICA  Reino: Animalia  Filo: Chordata  Classe: Mammalia  Ordem: Lagomorpha  Família: Leporidae  Género: Oryctolagus  Espécie: Oryctolagus cuniculus
  • 5. COELHO É ROEDOR? Apesar de normalmente falarmos do coelho como um roedor, na verdade, não pertence à ordem Rodentia, mas, sim Lagomorpha. Existem, dentro da família dos coelhos, vários gêneros como : Lepus (lebres) Sylvilagus (coelho americano), Caprolagus (coelho asiático), Nesolagus (coelho da Sumatra), Brachylagus(coelho pigmeu) e
  • 7. GESTAÇÃO  O período de gestação das coelhas pode variar entre 28 e 34 dias, com media de31 dias. Durante esse período deve haver bastante tranquilidade para não ocorrer abortos que, além de prejudicar a saúde do animal, acarretam prejuízos ao criador.  Deve haver disponibilidade de água limpa e fresca a vontade. A alimentação deve ser restrita nos primeiros 20 dias de gestação e a vontade nos últimos 11 dias, período que compreende o terço final de gestação, onde haverá maior necessidade nutricional diária.
  • 8. PARTO  A coelha arranca pelos do seu ventre para expor suas tetas no momento da amamentação, acolchoar o ninho e evitar a perda de calor dos filhotes. Os partos geralmente ocorrem a noite e tem duração de 15 a 30 minutos, podendo ser considerada normal a duração de até 6 horas de parto.  Atenção especial deve ser dada as primaria, pois podem parir fora do ninho e não arrancar pelos suficientes do ventre, mas isso ainda é normal, pois serão mães pela primeira vez. O melhor procedimento nesses casos é recolher os filhotes, colocar capim seco no ninho e cobrir com pelos
  • 9. LÁPAROS  São considerados láparos animais com até 12 dias de vida. Eles nascem sem pêlos, com os olhos e ouvidos fechados. Com 4 dias o pelo começa a crescer e a abertura dos olhos e ouvidos ocorrem por volta dos 12 dias de idade.  Dos 15 a 20 dias já saem do ninho e começam a comer mesma comida que a coelha, embora ainda estejam sendo amamentados, essa é uma fase muito importante pois introduz uma nova dieta aos láparos, por isso é importante não deixar faltar comida no comedouro, pois como eles possuem o estômago muito pequeno, as visitas ao comedouro são espaçadas e a quantidade ingerida é muito pequena.
  • 10. QUANDO É FEITO O DESMAME?  É a retirada dos láparos da gaiola da matriz. Segue o seguinte período:  28 dias para coberturas realizadas 6 horas após o parto  42 dias para coberturas realizadas 15 dias após o parto  55 dias para coberturas realizadas 30 dias após o parto  Após o desmame as crias devem separadas por sexo e em número correspondente ao sistema de criação adotado. A sexagem é feita expondo a genitália dos animais
  • 12. CONHECENDO UM POUCO MAIS  Os coelhos são animais mamíferos.  Podemos encontrar esta espécie animal em várias regiões do mundo.  São herbívoros, ou seja, alimentam-se de folhas, caules, raízes e alguns tipos de grãos.  Um coelho saudável, em boas condições de vida, pode viver entre 5 e 10 anos.  Uma fêmea, em fase reprodutiva, pode dar de 3 a 6 ninhadas por ano. Em cada ninhada podem nascer de 3 a 12 filhotes. .
  • 13. CONHECENDO UM POUCO MAIS  Nas matas e florestas, vivem em buracos ou em tocos de árvores.  Os coelhos que vivem nas matas (coelho selvagem) tem hábitos noturnos. Para fugir de seus predadores, procuram alimentos durante a noite. Já os coelhos domésticos possuem hábitos noturnos e diurnos.  Para se comunicarem, os coelhos emitem sons. O som emitidos por estes animais é chamado de guinchar
  • 14. CONHECENDO UM POUCO MAIS  O banho só deve ser dado se o coelho se sujar. A recomendação é que esse procedimento seja feito em uma clínica com a sedação do animal porque ao tentar se soltar o coelho pode sofrer fraturas, já que seus ossos são muito frágeis.  Como rói de tudo, o coelho pode destruir chinelos e outros objetos, mas ele não vai ingerir o material. A intenção mesmo é só roer.
  • 15. CONTENÇÃO DE COELHOS  JAMAIS PEGAR COELHO PELAS ORELHAS PODE CAUSAR DANOS IRREVERSÍVEIS.  Os coelhos devem ser manuseados de forma gentil, nunca se deve levantá-los pelas orelhas. As orelhas dos coelhos contem inúmeros vasos sanguíneos para trocar calor com o ambiente e segurando o animal pelas orelhas, vários desses vasos se rompem, podendo, necrosar a orelha, quebrá-la e até matar o animal  Pegar pelas costas igual se pega gato e aparar as patas traseiras, para lhe passar segurança.
  • 16. ALIMENTAÇÃO DO COELHO  A alimentação baseada em 80% de fibras longas, 20% de ração peletizada especial (hoje em dia existem várias rações inclusive com Yuca para redução do odor de urina) para coelhos encontrada em agropecuárias e a complementação do cardápio com folhas verdes escuras como couve, agrião e rúcula, com o agravante que a urina terá um odor mais forte de amônia. Jamais dar alface pode ocasionar diarreia no animal.
  • 17. ALIMENTAÇÃO DO COELHO  Os coelhos não podem comer frutas ou verduras de folhas claras. A preocupação com a alimentação é necessária para a saúde do animal e também para o controle no crescimento dos dentes.  Esses mamíferos que têm o crescimento contínuo dos dentes e precisam de uma alimentação adequada para desgastar esses dentes que não param de crescer.
  • 18. ALIMENTAÇÃO DO COELHO  Devem comer capim e feno de alfafa, prioritariamente, e ração especial também.  A comida deve ser ofertada o dia inteiro porque o organismo dele precisa ficar em constante trabalho.  A cenoura até pode entrar no cardápio, mas só de vez em quando.  Água em abundância.
  • 19. COELHOS PRATICAM CECOTROFIA A cecotrofia é o ato ingestão de fezes duras (cecotrofos) simultaneamente à expulsão das mesmas. Estes consistem nas primeiras fezes do animal após a ingestão de alimentos, sendo que estes começam por ser ingeridos e passam para o estômago. As fezes duras, ao serem excretadas, voltam a ser ingeridas, passando por todo o processo digestivo, desta feita, com um maior índice de digestabilidade doa alimentos, o que permite um maior aproveitamento do valor nutritivo dos alimentos.
  • 21. COELHO E LEBRE É A MESMA COISA? Coelhos Lebres Nascem com os olhos fechados, que só se abrem aos dez dias de idade. Nascem com os olhos abertos. Nascem desprovidos de pêlos, que só começam a surgir aos quatro dias de idade. Nascem cobertas de pêlos. Têm as orelhas menores que a cabeça. As orelhas são maiores que a cabeça. A duração da gestação é de trinta dias, em média. A duração da gestação é de quarenta dias, em média. O número de láparos nascidos por parto é de um a dezoito. O número de láparos nascidos por parto é de um a quatro. Tem maior velocidade para correr mas se cansam depressa São menos velozes,mas conseguem correr por mais tempo sem se cansar.
  • 22. ... Possuem carne de cor branca. Possuem carne de cor vermelha. São animais muito sociáveis, vivendo em colónias. São pouco sociáveis, vivendo em pares isolados. (casais) Passam a maior parte do tempo no interior de túneis ou galerias por eles cavados no solo. Vivem o tempo todo na superfície. Por ocasião do parto fazem ninhos subterrâneos. Fazem o ninho na superfície. Quando pressentem perigo, batem com a pata traseira no chão para prevenir os companheiros da colónia, abrigando-se nos túneis ou galerias. Quando pressentem perigo, partem em retirada, aproveitando sua velocidade e resistência. Possuem 44 pares de cromossomos. Possuem 48 pares de cromossomos.
  • 23. INFORMAÇÕES ÚTEIS  É recomendado castrar as fêmeas se elas não forem usadas para reprodução porque esse animais podem desenvolver problemas de infecção uterina e tumores mamários.  São animais muito estressados e ariscos e o ideal é deixa-los quietos sem forçar brincadeiras ou atividades.
  • 25. RAÇAS MAIS COMUNS DE COELHOS GRADE PORTE DESCRIÇÃO Gigante de bouscat Origem: de origem francesa, é o resultado de cruzamentos entre as raças Gigante de Flandres, Prateado de Champagne e Angorá Peso médio: 5 a 8 kg Especialidade: de corpo alongado é mais indicado para produção de carne Pelagem: de cor branco albino, tem pelagem média macia e sedosa. Prolificidade: 7 a 8 láparos por parto. Gigante de Espanha Origem: resultado de cruzamentos entre as raças Gigante de Flandres e espanholas, teve sua origem na cidade de Valencia, são animais muito resistentes, rústicos e bastante prolífero. Peso médio: 5 a 8 kg. Especialidade: carne e pele. Pelagem: comumente na cor cinza pardo, mas com um variação para a pelagem branca. Prolificidade: 8 a 12 láparos por parto.
  • 26. Gigante de Flandres Origem: através de melhoramento genético a Bélgica conseguiu este elevado padrão zootécnico. Atinge a idade adulta com aproximadamente 12 meses, tendo seu desenvolvimento mais lento que nas raças de médio porte. Peso médio: 5 a 10 kg, podendo atingir, em alguns relatos, até 12 a 13 kg Especialidade: carne e pele. Pelagem: média variando nas cores branco, negro, pardo, cinza, azul e fulvo. Prolificidade: 5 a 8 láparos por parto. Borboleta Francês Origem: de origem francesa, é considerada uma raça gigante, são animais rústicos e precoces mantendo uma característica única em sua pelagem. Peso médio: 3 a 5 kg Especialidade: produção de carne e pele. Pelagem: predominantemente branca com manchas nas cores preto, amarelo e azuis, possui uma lista alongada que vai da calda ao pescoço, seu focinho possui uma mancha negra no formato de uma borboleta com as asas abertas, os olhos são evidenciados com círculos negros. Prolificidade: 5 a 8 láparos por parto.
  • 27. MÉDIO PORTE DESCRIÇÃO Angorá Origem: alguns autores atribuem sua origem ao continente Asiático, considerando sua pelagem semelhante aos gatos denominados angorá, mas há quem defenda sua origem como raça européia. Peso médio: 3 a 4,5 kg Especialidade: principalmente para produção de pelo, pode também ser utilizado na produção de carne. Pelagem: macia e sedosa, podendo atingir de 15 a 20 cm de comprimento. Prolificidade: ente 5 e 10 láparos por parto. Azul de Viena Origem: de origem australiana, foi apresentado pela primeira vez em 1895 em Viena, proveniente de cruzamentos de raças gigantes, com o tempo foi se firmando como porte médio. Peso médio: 3,5 a 5,5 kg Especialidade: pele e carne Pelagem: de tamanho médio mantém a cor azulada escura brilhosa Prolificidade: 5 a 8 láparos por parto.
  • 28. Belier Francês Origem: francesa Peso médio: 4,5 a 5,5 kg Especialidade: pele e carne, nas variações anãs, servem com animal de estimação. Pelagem: curta, variando de cor, predominando a cor cinza ou parda. Prolificidade: 5 a 8 láparos por parto. Belier Inglês Origem: raça média de origem inglesa tem como característica o evidente tamanho e formato das orelhas que chegam a medir até 60 cm de comprimento e 15 cm de largura. Peso médio: 3,5 a 5 kg Especialidade: carne e pele Pelagem: mediana sedosa e brilhosa, podendo ser de cores escuras e bicolor. Prolificidade: 5 a 8 láparos por parto. Borboleta Inglês Origem: de origem inglesa, é considerada uma raça de porte médio, bastante semelhante ao similar francês, diferenciando-se, principalmente, no seu tamanho. Peso médio: 2 a 3 kg Especialidade: carne e pele. Pelagem: branca com manchas predominantemente negras, podendo ser azuis, amareladas ou marrons, também possui uma longa faixa negra que vai da calda até ao pescoço, olhos e focinho possuem manchas negras. Prolificidade: 6 a 8 láparos por parto.
  • 29. Califórnia Origem: de origem americana, é resultado de cruzamentos entre as raças Chinchila, Russa e Nova Zelândia, foi apresenta em 1928 em uma exposição na cidade de South Gate, estado da Califórnia. É considerada uma raça de médio porte e muito utilizada para cruzamentos com outras raças maiores com o intuito de obtenção de animais rústicos e precoces. Peso médio: 4 a 5 kg Especialidade: pele e carne Pelagem: média na cor branco albino com coloração escura na ponta do focinho, orelhas, calda e patas. Prolificidade: 8 a 12 láparos por parto. Castor Rex Origem: de origem francesa, tem como característica principal a pelagem curta e sedosa. Foi obtida por melhoramento genético iniciando-se de raças com pelagem média, foi apresentado pela primeira vez na Exposição Internacional de Paris em 1924. É considerada raça médio porte. Peso médio: 3 a 4 kg. Especialidade: carne e pele, produzindo uma pele Pelagem: marrom avermelhada, tendo uma variante para a cor branco. Prolificidade: 5 a 7 láparos por parto. Chinchila Origem: de origem alemã, seu nome é proveniente de um roedor de pelagem acinzentada que vive nos Andes. Raça de médio porte é rústica e bastante precoce e prolífera, bastante difundida na Europa e Estados Unidos. Peso médio: 3 a 4,5 kg Especialidade: por sua precocidade e prolificidade é uma raça muito utilizada para produção de carne, tendo uma pele bastante comercial.
  • 30. Fulvo de Borgonha Origem: de origem francesa é considerada uma raça de porte médio com aptidão na produção de pele, de cor avermelhada com nuances mais clara na parte inferior possuindo anéis da mesma tonalidade em ambos os olhos. Peso médio: 3,5 a 4,5 kg Especialidade: pele e carne. Pelagem: densa na cor avermelhada de tamanho médio. Prolificidade: 6 a 10 láparos por parto. Nova Zelândia Origem: de origem americana, precoce e boa produtora de carne e pele, sendo considerada a raça mais adequada para este fim, nas variedades branco, vermelho e preto. Peso médio: 3,5 a 5 kg, podendo atingir 1,8 a 2 kg com 8 a 10 semanas de idade. Especialidade: carne e pele Pelagem: médio, sedoso e uniforme. Prolificidade: 8 a 10 láparos por parto. Prateado de Champagne Origem: de origem francesa é precoce e rústica, produzindo carne saborosa e pele de ótima qualidade e valor. Peso médio: 4,5 a 6 kg Especialidade: pele e carne. Pelagem: de cor prateada, a cor é produzida por alguns pelos de ponta azulada e outros em menor quantidade, de cor escura, na extremidade. Os láparos nascem escuros e só adquirem a cor característica após a primeira muda. Prolificidade: 5 a 8 láparos por parto.
  • 31. PEQUENO PORTE DESCRIÇÃO Holandês Origem: é uma raça holandesa, classificada como pequeno porte, são rústicos e precoces. Peso médio: 2 a 3 kg Especialidade: é mais utilizado esportivamente podendo produzir carne e pele. Pelagem: média e macia nas cores branco e preto. Prolificidade: 7 a 10 láparos por parto. Negro e Fogo Origem: de origem inglesa, pertence ao grupo das raças de pequeno porte. Peso médio: 2 a 3 kg Especialidade: é mais utilizado esportivamente podendo produzir carne e pele. Pelagem: média, macia e sedosa possui duas cores distintas, marrom avermelhado na barriga, peito e pescoço com dorso, cabeça e orelhas pretas, tendo os olhos circundados na cor marrom. Prolificidade: 5 a 6 láparos por parto. Polonês Origem: há dúvidas quanto sua origem, alguns consideram de origem russa e outros autores sustentam que sua origem é holandesa. É considerada a menor de todas as raças, excetuando-se as raças anãs. Peso médio: 1 a 1,5 kg Especialidade: a pesar de ter carne saborosa e pelagem branco arminho seu tamanho não o favorece pare estes fins. Pelagem: branca, macia e sedosa. Prolificidade: 4 a 6 láparos por parto.
  • 32. COELHO ANÃO DESCRIÇÃO Mini Angorá Origem: França. Peso médio: Por volta de 1.500 kg. Especialidade: Animal de estimação. Pelagem: Densa e sedosa. Prolificidade: 3 a 4 filhotes. Mini Belier Origem: Alemanha Peso médio: Quando adultos o peso ideal é de 1.500 a 1.600 kg. Especialidade: Animal de estimação. Pelagem: Pelagem densa, macia e com o mesmo comprimento em toda a extensão. Prolificidade: 2 a 3 filhotes Mini Rex Peso médio: 1,700 a 2,040 kg. Especialidade: Animal de estimação. Pelagem: Fino toque de seda livre de asperezas e lanosidades. Muito densa, textura fina, macia com toque aveludado,com um características felpudas. Prolificidade: baixa American Fuzzy Lop Origem: EUA Peso médio: Seu peso máximo é de 1.800 kg. Especialidade: Animal de estimação. Pelagem: Este pequeno coelho de orelhas caídas, largas e longas possui o corpo todo recoberto por esta fina e sedosa “penugem” semelhante à dos coelhos Angorás e apresenta uma gama variada de cores. Prolificidade: é baixa 4 a 5 filhotes.
  • 33. ENFERMIDADES  Mixomatosis: É um vírus altamente contagioso é transmitida por mosquitos ou por contato direto. O animal infectado morre sem cura dentro de poucos dias, não tem cura eficaz. Os sintomas são o surgimento de tumores na cabeça, olhos, nariz, lábios, orelhas e órgãos genitais do animal, bem como lacrimeja mento e secreção nasal.  Infecções oculares: O lacrimeja mento dos olhos do coelho é muito comum e de difícil cura. Em casos graves, podem brotar pus. Limpe os olhos com algodão embebido em chá
  • 34. ENFERMIDADES  Coccideose de coelhos: Coccideose é tipicamente um parasita de animais domésticos, como aves, ovinos, caprinos, suínos e até cães. Mas no caso do coelho é muito específica e só serão transmitidas a partir de um coelho para outro.  Cocciodiosis fígado: É detectada pelo olho - nu de ao abater o animal, são manchas brancas no fígado do animal. Coccideose intestinal aparecer em filhotes no desmame uma diarréia e o animal logo morre de
  • 35. ENFERMIDADES  Pasteurelosis Coelho: É uma doença do sistema respiratório de coelhos e aparece como um frio intenso com espirros e descarga nasal constante. A respiração torna-se forçada, o animal pára de comer e morre muito enfraquecido.  Otites: São infamações do ouvido, com grande formação de cerume amarelo, perda ou diminuição do apetite e emagrecimento. Os coelhos doentes inclinam a cabeça e o pescoço para o lado afetado. Sua capacidade de equilíbrio diminui, sofrem quedas, andam em voltas, mantêm posturas anormais e podem ter crises epileptiformes. Para o seu tratamento, usar remédios de uso humano ou veterinário, para ouvido.
  • 36. ENFERMIDADES  Toxoplasmose: É uma doença infecciosa, congênita ou adquirida, causada pelo protozoário Toxoplasma gondii. É também uma enfermidade de rápido curso, 8 a 10 dias, cuja transmissão é ocasionada pelas pulgas e piolhos. Os animais doentes apresentam febre, falta de apetite, grande abatimento, muita sede, abdome aumentado de tamanho, emagrecimento, anemia, diarréia fedida de cor esverdeada ou sanguinolenta e convulsões. Muitas vezes chega a ter paralisia da região traseira. Os animais doentes deverão ser
  • 37. ENFERMIDADES  Maloclusão --Esta é uma doença comum entre os coelhos que será muitas vezes notada a partir do momento do nascimento do seu coelho. Se o seu coelho é mais velho, e você percebe que não está comendo como deveria, ele pode estar com maloclusão. É quando os dentes de coelho são longos demais e muitas vezes curvados para fora. A maloclusão é uma doença hereditária. A melhor maneira de identificar a maloclusão é dar uma olhada nos dentes de seu coelho.
  • 38. ENFERMIDADES  Jarretes com ferimentos -- Esta é provavelmente a doença mais comum dos coelhos. Os jarretes do seu coelho estão localizados na parte inferior de suas patas traseiras. Muitas vezes, quando um coelho não tem pêlos grossos no fundo do jarrete, os que ele tem vão se desgastar, fazendo a pele descoberta ficar exposta aos fios da gaiola. Isto é fácil de identificar. Você vai notar que seu coelho está desenvolvendo feridas abertas na parte inferior dos jarretes.
  • 39. AGORA... COELHO É PET OU PRODUÇÃO?
  • 41. ENQUANTO PRODUÇÃO... Carne - Por ser rica, principalmente em proteínas, a carne de coelho é muito nutritiva, saborosa e mais rica em valores nutrientes que as carnes de vaca, porco, galinha e outros animais. Um coelho das raças médias, com 3 a 4 meses de idade, produz de 2 a 3 quilos de carne. Uma coelha, em 1 ano, poderá ter filhos que forneçam um total de 50 a 60 quilos de carne. Portanto, uma família que possua um coelho e 4 ou 5 fêmeas poderá ter uma saborosa e nutritiva carne 2 a 3 vezes por semana, durante todo o ano e terá, ainda, boas peles. Como exemplo temos: Branco da Nova Zelândia, Vermelho da Nova Zelândia, Califórnia,Gigante de Flandres Branco e Gigante de Bouscat.
  • 42.  Bexiga cheia de urina: a bexiga pode ser amarrada e resfriada sendo comercializada para indústrias de cosméticos, que usam a urina como fixador de perfume;  Esterco:é um fertilizante de boa qualidade e muito apreciado pelos horticultores, pois possui uma boa relação NPK;  Neonatos: láparos de 3 a 4 dias de idade, geralmente vendidos a laboratórios para a fabricação de vacinas;  Olhos: as córneas são vendidas para empresas que realizam testes cirúrgicos;
  • 43.  Coelhos abatidos:são vendidos pelos criadores, que geralmente vendem a unidade, sem pesar o animal;  Coelhos vivos para corte:são abatidos entre 90 e 120 dias com peso médio de 3,0 kg;  Couros:são curtidos, ausentes de pelos e geralmente usados para a fabricação de acessórios;
  • 44.  Sangue:O sangue de coelho é fundamental na produção de meio de cultura utilizado para diferenciar e identificar bactérias produtoras de hemólise "tipo Beta" (rompimento total dos glóbulos vermelhos). A "Beta hemólise" é a principal característica das bactérias Streptococcus pyogenes aureus e algumas estirpes de Staphylococcusque provocam erisipela, faringite, escarlatina, glomerulonefrite e febre reumática.  Vísceras:são vendidas para fábricas de ração;
  • 45.  Orelha:as orelhas são pré-cozidas e defumadas, sendo vendidas como petiscos para cachorros;  Pele:de um modo geral, toda pele em bom estado pode ser aproveitada para a indústria. Existem, no entanto, algumas raças que se destacam pela qualidade ou beleza de suas peles. As peles podem ser comercializadas para empresas que vão curtir o material ou podem ser curtidas dentro da propriedade. O preço desse produto varia devido à qualidade do produto e ao tipo de curtimento usado. Como exemplo, temos as raças Chinchila, Castor-Rex, Polonesa ( cuja pele é uma otima imitação da pele do arminho), Negro-e-fogo e Preteado de Champagne:
  • 46.  Pelo ou lã:indiscutivelmente é a raça Angorá a que melhor lã produz e que apresenta o melhor rendimento. No Brasil, a produção de lã de coelho Angorá é mais desenvolvida na região Sul, devido ao clima mais ameno, propicio para a criação desta raça. O pelo é retirado por tosa, 3 vezes ao ano. Cada animal pode produzir aproximadamente 150g de pelo;  Reprodutores:é a atividade que proporciona maiores lucros e também exige grande prática e conhecimento, demanda maior trabalho e exige técnicas mais apuradas de reprodução, manejo, alimentação, seleção entre outros;
  • 49. DESVANTAGENS  Falta de mão de obra especializada em coelhos  O coelho ainda não caiu no paladar dos brasileiros como o boi e o porco;  Falta cooperativas;  Mercado de exportação aquecido, porém, preço do dólar alto. https://youtu.be/401fPj_O2lU https://www.youtube.com/watch?v=KQDefdrKA_k&feature=youtu.be https://www.youtube.com/watch?v=YHISlDOvLm8
  • 50. REFERÊNCIAS:  Associação Científico Brasileira de Cunicultura  LECIFF = Lab. Experimental de Cunicultura do Instituto Federal de Farroupilha  Manual prático de cunicultura  Site Coelho e Cia  Granja dos coelhos  Granja Bela Vista  Cunicultura dois irmãos  Revista Cunicultura em foco  Granja Coelho Real