Arquitetura moderna e contemporanea parte 1

4.191 visualizações

Publicada em

arte contemporânea, arquitetura contemporânea, Niemeyer, Courbusier, Dubai, construções, Rohe, Brasília, Art Nouveau, Gaudi, Lucio Costa, Curitiba, São Paulo, Bardi, Rio de Janeiro, Los Angeles e etc

Publicada em: Educação
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.191
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
472
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
652
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Arquitetura moderna e contemporanea parte 1

  1. 1. A ARQUITETURA MODERNA E CONTEMPORÂNEA Professora Denise Maria Ramos Lugli
  2. 2. O Art Nouveau, Século XIX Integração entre as chamadas artes aplicadas e a arquitetura; tendência decorativa; compreenderam que com o ferro e o vidro era possível criar formas novas. Empregou amplamente o ferro em linhas sinuosas; clara intenção decorativa nas grades dos corrimãos da escada e no piso. CAP 17 – P. 186
  3. 3.  Museu da Música – Bruxelas Belgica
  4. 4. Interior da Casa Tassel, Victor Horta Bruxelas CAP 17 – P. 191
  5. 5. Casa do Povo, Victor Horta Bruxelas Usou grandes vitrais e ferro aparente na cobertura interna do edifício. CAP 17 – P. 191
  6. 6. Entrada do Metrô Parisiense, Hector Guimard  Emprego do ferro e vidro;  excessivo floralismo na decoração;  foi um dos mais importantes arquitetos franceses ligados ao Art- Nouveau. CAP 17 – P. 192
  7. 7. Casa Milá e sua Escadaria, Antônio Gaudí, Barcelona  Final do século XIX e início do século XX;  ganhou caráter decorativo e fantasioso sem limites;  o inusitado das formas e da decoração;  a casa parece ter sido construída de pedra pomes;  predominância de linhas sinuosas. CAP 17 – P. 192
  8. 8. Casa Milá, Antônio Gaudí, Barcelona CAP 17 – P. 192
  9. 9. Escadaria Casa Milá, Antônio Gaudí, Barcelona CAP 17 – P. 193
  10. 10. Parque Güell, Antônio Gaudí Barcelona (1900-1904)
  11. 11. Igreja da Sagrada Família Antônio Gaudí, Barcelona  Formas e decoração surpreendentes;  inacabada. CAP 17 – P. 193
  12. 12. A Arquitetura Moderna, Século XIX  Segunda metade do século XIX;  utilização de novos materiais, como o ferro, o vidro, o cimento e o alumínio, que permitiram o nascimento de novas formas arquitetônicas;  o final do século XIX, rompeu com as formas tradicionais das construções.  A produção em larga escala de novos materiais de construção afetou, paulatinamente, a prática da arquitetura CAP 24 – P. 276
  13. 13. Crystal Palace, Joseph Paxton (1851) CAP 24 – P. 277 Foi um marco na história da arquitetura do século XIX. Palácio de Cristal, inteiramente montado em módulos de ferro e vidro para a primeira das grandes exposições internacionais, foi considerado um precursor da construção pré- fabricada
  14. 14. Torre Eiffel, A.G.Eiffel (1889) CAP 24 – P. 277 Torre Eiffel, construída por um engenheiro como um marco monumental totalmente em estrutura metálica para a exposição de Paris de 1889, embora duramente criticada por artistas, representava a modernidade e os novos processos industriais e construtivos.
  15. 15. Europa, após a Segunda Grande Guerra, deixa de ser o centro mais influente de produção artística moderna. Nova York passa a ser o centro de irradiação dessa produção, ao mesmo tempo em que regiões periféricas, como o Japão e a América Latina, começam a despontar como produtoras de arte moderna
  16. 16. Louis Sullivan  Pai da moderna arquitetura americana;  ornamentação muito próxima do Art- Nouveau europeu;  propôs o princípio fundamental da arquitetura: “a forma segue a função”, perfeita adequação do espaço à função a que se destina;  projetou prédios de escritórios e conjuntos comerciais em grandes cidades americanas. CAP 24 – P. 278
  17. 17. Louis Sullivan Louis Sullivan, considerado o pai da arquitetura moderna nos Estados Unidos, criou a expressão “a forma segue a função”, preconizando que os edifícios deveriam ser projetados levando em conta a adequação do espaço ao uso a que se destinaria.
  18. 18. A Arquitetura do Século XX  O Art Nouveau no final do século XIX rompeu com a formas tradicionais da construção, transformando-se num estilo com excessos ornamentais;  foi superado (no século XX) por nova tendência arquitetônica denominada racionalismo;  mais tarde, a Bauhaus, a arquitetura orgânica e a planta livre de Le Corbusier deram novos rumos à arquitetura do século. CAP 24 – P. 278
  19. 19. A Casa da Michaelerplatz Adolf Loos, Viena  É considerada a representante da tendência racionalista;  concretiza perfeitamente a intenção de negar toda ornamentação e de tornar evidente a praticidade e destinação social do edifício. CAP 24 – P. 278 A obra do arquiteto vienense Adolf Loos representou uma ruptura com o movimento Art Nouveau, ao renunciar a toda ornamentação nas partes externas do edifício e ao evidenciar a utilidade e a destinação social da edificação.
  20. 20. Arranha - Céus  Na América, essa concepção racionalista toma forma nos modernos arranha – céus;  criação típica dos Estado Unidos;  posteriormente espalha-se por todas as grandes metrópoles do século XX;  progresso técnico: a estrutura dos edifícios passou a ser feita em ferro, e, consequentemente, as paredes laterais perderam a função de sustentar o teto. CAP 24 – P. 278
  21. 21. PSF, William Lescaze e George Hove Filadélfia, 1932  Início da era dos arranha – céus. CAP 24 – P. 278
  22. 22. Empire State Building (1930-31) Seagram Building (1954-58) Ludwig Rohe CAP 24 – P. 278-9
  23. 23. CASA TUGENDHAT Mies van der Rohe  Linhas horizontais;  de pouca altura.
  24. 24. Galeria do século XX, Mies van der Rohe, Berlim (1962) CAP 24 – P. 279
  25. 25. Bauhaus Escola de arte que propunha a integração da arte na indústria;  a arte deveria superar a fase artesanal e servir-se dos meios de produção industrial para ser uma atividade adequada ao modo de vida do século XX;  levar os alunos a dominar as possibilidades de materiais como a pedra, a madeira, o metal, a argila, o vidro e as tintas, além do ensino do desenho e da geometria CAP 24 – P. 280
  26. 26. Bauhaus Não descuidava do estudo convencional da natureza, da geometria, do desenho, dos volumes e das cores;  seu objetivo maior era adquirir a respeitabilidade que lhe permitisse influir no trabalho dos desenhistas que criavam os modelos dos objetos da vida cotidiana, industrializados. CAP 24 – P. 280
  27. 27. Bauhaus  Em 1926, mudou-se para Dessau e aí continuou a existir como um centro de artes e ofícios, cuja atenção estava voltada para projetos que poderiam ser produzidos pelas industrias;  Baby Cradle (bercinho).
  28. 28. Bauhaus  Em 1926, ao lado de Walter Gropius estavam: Moholy- Nagy, Breuer, Kandinsky, Paul Klee e Schemmer;  Difundia a teoria de que, quando um edifício ou objeto corresponde à sua função, sua beleza aparece por si própria.  A Bauhaus se tornou um grande centro irradiador de novas ideias, não apenas no campo da arquitetura, mas, também, do urbanismo e do desenho industrial.  a Bauhaus existiu durante tempos difíceis (1919- 1933) quando foi dissolvida, e passou por três sedes em três diferente cidades alemães (Weimar, Dessau e Berlim) mas seu espírito criativo e inovador, permaneceu atuante: “a Bauhaus não pretende criar um estilo mas fomentar um processo de contínua evolução”, Gropius. CAP 24 – P. 280
  29. 29.  foi fundada por Walter Gropius e difundia a teoria de que, quando um edifício ou objeto corresponde à sua função, sua beleza aparece por si própria.  02) a Bauhaus se tornou um grande centro irradiador de novas ideias, não apenas no campo da arquitetura, mas, também, do urbanismo e do desenho industrial.  A Bauhaus foi fechada durante o regime nazista, e muitos dos seus professores emigraram para os Estados Unidos da América, país no qual continuaram a exercer a sua profissão
  30. 30. Arquitetura Orgânica  Integração do edifício na natureza (valorização de materiais como a madeira e a pedra);  humanização da arquitetura (formas mais humanas, independentes de uma rígida ordem geométrica);  “ a forma deve ser baseada no espaço em movimento”, Frank Lloyd Wright (o arquiteto mais representativo da arquitetura modernista dos E.U.A CAP 24 – P. 281
  31. 31. Falling Water (Casa da Cascata) Wright, Pensilvânia (1936)  Residência individual;  permite ao arquiteto maior liberdade de criação;  espaços desiguais, harmônicos e linhas dinâmicas. CAP 24 – P. 281
  32. 32. Museu Guggenheim, Wright Nova York  Linhas dinâmicas;  grande liberdade de concepção do espaço; CAP 24 – P. 282
  33. 33. Uma Cidade Moderna, Segundo Le Corbusier  Deve integrar perfeitamente sua arquitetura e sua urbanização;  os espaços devem ser claramente definidos;  separação dos centro residenciais dos setores administrativos e políticos;  reunião das áreas de lazer em um vale. CAP 24 – P. 286
  34. 34. Uma Cidade Moderna, Segundo Le Corbusier  Traçado de grande artérias retilíneas para o tráfego, de tal forma que não apresentem os problemas das metrópoles que crescem desordenadamente; propõe uma nova linguagem urbanística, segundo a qual uma cidade moderna deveria integrar perfeitamente sua arquitetura e urbanização  essas idéias influenciaram a arquitetura moderna brasileira, principalmente nos projetos de Lúcio Costa e Oscar Niemeyer, para a construção de Brasília. CAP 24 – P. 286
  35. 35. Vila savoy, Le Corbusier Poissy, França  Uso de pilotis;  concreto armado;  integração do ambiente  interno com a natureza por meio de amplas paredes de vidro.  Lançou os cinco pontos da arquitetura moderna que a diferenciavam por só serem possíveis nos tempos modernos. Entre esses pontos, que defendia como essenciais na nova forma de projetar e construir, estavam os pilotis, o sistema de janelas horizontais e a planta livre.  As obras pelas quais se tornou famoso só foram possíveis com o uso do concreto armado, que possibilitava a construção de lajes extensas sobre um número reduzido de pilares que separavam a construção do solo, além de permitir a independência da estrutura das paredes. CAP 24 – P. 285
  36. 36. Vila savoy, Le Corbusier Poissy, França CAP 24 – P. 285
  37. 37. Notre Dame du Haut, Le Corbusier CAP 24 – P. 285 embora no início da carreira seus edifícios fossem predominantemente brancos e retilíneos, após a Segunda Guerra Mundial o arquiteto passou a propor formas mais livres e escultóricas.
  38. 38. Pavilhão Takara, Expo 1970 (Osaka) Noriaki Kirokawa  Composto por elementos pré-fabricados.
  39. 39. Primeiras manifestações modernistas no Brasil -Primeiro rompimento acontece por Victor Dubugras. -Rompe com o ecletismo e com o Art Nouveau. -Primeira vez que se usa concreto armado na Estação da Estrada de ferro de Sorocaba (1907) CAP 27 – P. 332
  40. 40. Casa da rua Santa Cruz Gregori Warchavchick CAP 27 – P. 332
  41. 41. Gregori Warchavchick Divulgou o estilo futurista. Formas geométricas com intenção decorativa. Neste edifício residencial soube eliminar a sensação de confinamento de apartamentos pequenos. CAP 27 – P. 333
  42. 42. Edifício Martinelli – 1922-29 (Giuseppe Martinelli) (130 metros – 30 andares) CAP 27 – P. 334
  43. 43. Ministério da Educação e da Saúde (Edifício Capanema) – 1930 Lucio Costa – arquiteto Burle Marx – paisagista Portinari – Painéis Bruno Giorgi - escultor CAP 27 – P. 335
  44. 44. Burle Marx – paisagista valorizava a pintura e por isso concebia a forma de seus jardins como um gesto, antes de tudo, decorativo. Bruno Giorgi - escultor
  45. 45. Anos 30 no Brasil - Prevalece as linhas retas. - Simplicidade da forma. - Evita-se edifícios multifuncionais. - Preocupação com a finalidade da obra. - Abandonam exageros decorativos. - Superação do Art Nouveau e do Ecletismo. - Preocupação dos arquitetos com questões sociais decorrentes da industrialização do país. - Modernização da arquitetura se refletiu na modernização da paisagem urbana
  46. 46. Edificio Esther 1938 - com garagens subterrâneas que liberam o pavimento térreo para outras atividades - Faixas de cor escura (quebrar monotonia) CAP 27 – P. 336
  47. 47. A Moderna arquitetura brasileira Oscar Niemeyer 1907-2012  É um arquiteto brasileiro, considerado um dos nomes mais influentes na Arquitetura Moderna internacional. Foi pioneiro na exploração das possibilidades construtivas e plásticas do concreto armado.  Oscar Niemeyer e Paulo Mendes da Rocha foram os únicos arquitetos brasileiros agraciados com o Prêmio Pritzker (prêmio internacional de arquitetura). (Oscar Ribeiro de Almeida de Niemeyer Soares Filho)

×