SlideShare uma empresa Scribd logo
Cadeira de
HISTÓRIA DO PORTO
Coleção de Manuais da Universidade
Sénior Contemporânea
Professor Doutor
Artur Filipe dos Santos
1
CONVENTO CORPUS CHRISTI
2
• Situado na margem
esquerda do rio Douro,
junto ao Cais de Vila
Nova de Gaia, no Largo
de Aljubarrota, as suas
origens remontam a
1345.
3
• Local singular que se
caracteriza pela
paisagem natural e pelo
casario que o circunda.
4
• O Espaço Corpus Christi
é constituído pelo coro
alto, coro baixo, ante -
coro e capela do séc.
XVII.
5
• Exemplo ímpar da
Arquitectura e da Arte,
a capela conventual é
invulgar, pela planta
octogonal de inspiração
italianizante, coberta
por uma cúpula de
pedra, cuja traça é de
autoria de Pantaleão
Vieira.
6
• No passado lugar de
culto, hoje lugar de
cultura. Exposições,
concertos, espectáculos
de expressão corporal,
seminários e congressos
fazem parte da sua
programação.
7
• O Mosteiro de São
Domingos das Donas de
Vila Nova de Gaia,
também referido como
Convento de Corpus
Christi e Instituto do Bom
Pastor, localiza-se junto
ao Cais de Gaia, na
freguesia de Santa
Marinha, em Vila Nova de
Gaia, no distrito do Porto,
em Portugal.
8
• O mosteiro foi fundado em
1345 por D. Maria Mendes
Petite, uma fidalga de Gaia,
filha de Soeiro Mendes
Petite, viúva do trovador
dionisino Estevão Coelho, e
mãe de Pero Coelho, um
dos responsáveis pelo
assassínio de D. Inês de
Castro. A família estava
ligada à fundação do
poderoso Mosteiro de Grijó.
9
• A fundadora dedicou o
mosteiro ao Augusto
Sacramento da Eucaristia,
dotou-o de avultados bens e
entregou-o à Ordem de São
Domingos, filiando-se no
Mosteiro de São Domingos das
Donas de Santarém. Um
conflito jurídico com o Bispo
do Porto, que à época se opôs
à sua fundação, provocou
atraso significativo na abertura
do mosteiro, o que veio a
acontecer apenas em 1354.
10
• A primitiva igreja do convento sofreu
uma degradação gradual devido às
cheias do rio Douro (junto ao qual se
localizava), o que levou à edificação de
um novo templo, cujas obras tiveram
início na segunda metade do século
XVII com traça do padre Pantaleão da
Rocha de Magalhães - responsável por
várias obras no Porto e arredores -,
seguindo o modelo do templo lisboeta
do Mosteiro do Bom Sucesso de Santa
Maria de Belém, pertencente à mesma
ordem, e ajustado, nos coros, ao local e
às necessidades da congregação, por
Gregório Fernandes.
11
• Já no século XVIII foi
construída a fachada
em estilo barroco que
antecede o portal da
igreja, e onde é patente
a influência de Nicolau
Nasoni.
12
• As funções conventuais
extinguiram-se em 1894
com a morte da última
freira, Marcelina
Cândida Viana.
13
• Em 1930, o edifício foi
entregue às irmãs do
Instituto do Bom Pastor
que criaram um Instituto
Feminino de Educação e
Regeneração. O aumento
das internadas levou à
construção, em 1940, da
ala poente do convento,
de arquitetura
tipicamente Estado Novo.
14
• No início da década de
1990, tendo-se retirado
as Religiosas, foi o
conjunto entregue à
Ordem Soberana e Militar
de Malta, que através da
Fundação Frei Manuel
Pinto da Fonseca,
continuou a afirmar o
antigo convento como
centro de apostolado.
15
• Revertendo para a
Câmara Municipal de Vila
Nova de Gaia em 2003, o
convento sofreu recentes
obras de remodelação,
albergando agora um
espaço cultural - o Espaço
Corpus Christi - e ainda
um pólo de mestrado da
Faculdade de Belas-Artes
da Universidade do Porto.
16
• Características
A igreja, de concepção
centralizada, organiza-
se ao longo de um eixo,
com nave de planta
octogonal abobadada,
capela-mor a nascente
e coros a poente,
rematada por uma
cúpula.
17
• Em termos artísticos,
destacam-se os quatro
altares laterais (com
imagens de rara beleza], o
Coro-Alto (espaço da
primeira fase do barroco,
constituído por um cadeiral
distribuído em dois níveis,
com formato de "U" e talha
dourada), o teto formado
por 49 caixotões decorados
com pinturas a óleo sobre
madeira.
18
• A pintura e a imaginária que
decoram a igreja (teto do
coro alto, espaldar do
cadeiral e retábulos)
apresentam uma
iconografia que se enquadra
nas temáticas da Ordem,
representando Santos,
Doutores da Igreja, figuras
Dominicanas e outras, com
destaque para três
devoções principais: o Santo
Rosário, o nome de Jesus e
a Eucaristia.
19
• Cadeiral, da primeira
metade do século XVII, para
as horas do ofício e para as
reuniões conventuais,
apresenta a particularidade
de, em cada assento, existir
uma carranca diferente,
representando negros ou
exóticos, e espécies animais
e vegetais e, cada voluta ser
uma máscara esculpida,
cada uma diferente das
demais, sugerindo
influências do Império
Ultramarino.
20
• Encontram-se aqui
sepultadas D. Leonor de
Alvim, esposa do
Condestável D. Nuno
Álvares Pereira, e sua avó,
D. Maria Mendes Aboim,
falecida em 1355 e
fundadora do convento;
também se encontra aqui a
arca tumular de Álvaro Anes
de Cernache, primeiro
senhor de Gaia, que foi
alferes da bandeira da Ala
dos Namorados na batalha
de Aljubarrota (1385).
21
• Construída no século XIV
(1345), a igreja do convento
de Corpus Christi de Gaia,
de religiosas dominicanas,
conheceu uma degradação
gradual provocada pelas
constantes cheias do rio
Douro, o que originou a
edificação de um novo
templo, desenhado pelo
Padre Pantaleão da Rocha
de Magalhães, na segunda
metade do século XVII
(RODRIGUES, 1998).
22
• Este arquitecto foi
responsável por várias
obras no Porto e
arredores, a primeira
das quais o Corpus
Christi.
23
• A nova igreja das
dominicanas de Gaia, de
planta centralizada
octogonal (com capela-
mor rectangular e
profunda, e dois coros
sobrepostos, do lado
oposto), repete o modelo
do templo lisboeta do
convento do Bom Sucesso
de Belém, concluído em
1670 e pertencente à
mesma ordem.
24
• Esta opção planimétrica
integra Corpus Christi no
conjunto de igrejas de
planta centralizada que
tomaram um modelo
"quase" abandonado desde
a primeira metade do
século XV e que conheceu
grande fortuna a partir de
1640, principalmente nas
obras directamente
relacionadas com o círculo
da Rainha D. Luísa de
Gusmão.
25
• Por outro lado, denuncia a
concepção centralizada,
subjacente à edificação das
igrejas das religiosas
dominicanas entre o início
do século XVI e o final do
século XVII, ou ainda com a
tipologia dos sacrários, a
partir do Concílio de Trento
colocados,
preferencialmente, em lugar
de destaque no altar-mor.
26
• À luz do exposto, a
invocação do convento
de Gaia "impunha" uma
planimetria
centralizada, plena de
simbolismo e eficácia
litúrgica.
27
• O templo resultante do
traço de Pantaleão da Rocha
de Magalhães, cujas obras
tiveram início em 1675 e se
prolongaram até ao final do
século, tem sido
considerado uma
interpretação menor do
modelo lisboeta, uma vez
que muitas das soluções
revelaram alguns
problemas, principalmente
ao nível da ligação dos
coros, de planta rectangular,
a uma igreja poligonal.
28
• Esta questão acabaria
por ser resolvida entre
1677 e 1680, mas pelo
pedreiro Gregório
Fernandes, responsável
pelo alargamento das
paredes do coro, que
em planta sugerem uma
tenaz a segurar o
polígono da igreja
29
• Num dos braços dessa
tenaz encontra-se uma
construção de três
arcos, que veio
solucionar o problema
da regularização do
pátio, e "esconder" a
escadaria de acesso à
divisão que liga a igreja
aos coros.
30
• No interior, destaque para o
cadeiral do coro em talha,
que remonta à segunda
metade de Seiscentos, onde
sobressai a expressividade
de determinadas máscaras
e animais. A pintura e a
imaginária que decoram a
igreja (tecto do coro alto,
espaldar do cadeiral e
retábulos), apresentam uma
iconografia que se enquadra
nas temáticas da Ordem.
31
• Representam santos
dominicanos
acompanhados de outros
que não pertencem à
Ordem, mas que se
enquadram na
espiritualidade da época,
destacando-se três
devoções principais - o
Santo Rosário, o nome de
Jesus e a Eucaristia
32
Bibliografia
• http://www.igespar.pt/pt/patrimonio/pesquisa/geral/patrim
onioimovel/detail/71776/
• http://www.gaianima.pt/gaia/portal/user/anon/page/_GA_D
300.psml?categoryOID=6183808080F282GC&contentid=ED8
3801780CO&nl=pt
• http://pt.wikipedia.org/wiki/Convento_de_Corpus_Christi
• https://www.google.pt/search?q=convento+corpus+christi+p
orto&espv=210&es_sm=93&source=lnms&tbm=isch&sa=X&
ei=Uao6U868H9GIhQfvqoHQBg&ved=0CAgQ_AUoAQ&biw=9
88&bih=619
• http://portoarc.blogspot.pt/2012/12/bairros-da-cidade-
xxv.html
33

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Patrimonio ana-silva_e_yuliya_pavelko
Patrimonio  ana-silva_e_yuliya_pavelkoPatrimonio  ana-silva_e_yuliya_pavelko
Patrimonio ana-silva_e_yuliya_pavelko
yuliyapavelko
 
Românico
RomânicoRomânico
Românico
Fernando Veloso
 
Igreja do terço 12-04-2013
Igreja do terço   12-04-2013Igreja do terço   12-04-2013
Igreja do terço 12-04-2013
Joaquim Vinhas
 
Arte religiosa do rio
Arte religiosa do rioArte religiosa do rio
Arte religiosa do rio
Fatima de Luzie Cavalcante
 
Roteiro religioso
Roteiro religiosoRoteiro religioso
Roteiro religioso
Glaucia Aparecida Be Bento
 
Mosteiro dos Jeronimos
Mosteiro dos JeronimosMosteiro dos Jeronimos
Mosteiro dos Jeronimos
Carlos Vieira
 
Cultura do Mosteiro - S. Pedro de Rates
Cultura do Mosteiro - S. Pedro de RatesCultura do Mosteiro - S. Pedro de Rates
Cultura do Mosteiro - S. Pedro de Rates
Carlos Vieira
 
Cultura do Mosteiro - Escultura Românica
Cultura do Mosteiro - Escultura RomânicaCultura do Mosteiro - Escultura Românica
Cultura do Mosteiro - Escultura Românica
Carlos Vieira
 
MosteirodosjeróNimos M Psom
MosteirodosjeróNimos M PsomMosteirodosjeróNimos M Psom
MosteirodosjeróNimos M Psom
cab3032
 
Mosteirodos Jeronimos
Mosteirodos JeronimosMosteirodos Jeronimos
Mosteirodos Jeronimos
lanapaiva
 
Portal sul dos jerónimos
Portal sul dos jerónimosPortal sul dos jerónimos
Portal sul dos jerónimos
Sara Oliveira
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românica
Carla Freitas
 
História de arte - Periodo Românico/ Gótico/ Manuelino
História de arte - Periodo Românico/ Gótico/ ManuelinoHistória de arte - Periodo Românico/ Gótico/ Manuelino
História de arte - Periodo Românico/ Gótico/ Manuelino
Cristiana Marques
 
Cultura do Mosteiro - St. Sernin de Toulouse
Cultura do Mosteiro - St. Sernin de ToulouseCultura do Mosteiro - St. Sernin de Toulouse
Cultura do Mosteiro - St. Sernin de Toulouse
Carlos Vieira
 
O Barroco e a Igreja São Francisco de Assis
O Barroco e a Igreja São Francisco de AssisO Barroco e a Igreja São Francisco de Assis
O Barroco e a Igreja São Francisco de Assis
Thaís Rodrigues
 
Mosteiro
MosteiroMosteiro
Mosteiro
OvidioMauricio
 
Igreja Dos Clerigos Porto
Igreja Dos Clerigos PortoIgreja Dos Clerigos Porto
Igreja Dos Clerigos Porto
Luisa Lamas
 
Cultura da Catedral - Arte Mudejar
Cultura da Catedral - Arte MudejarCultura da Catedral - Arte Mudejar
Cultura da Catedral - Arte Mudejar
Carlos Vieira
 
Rates
RatesRates
Rates
cattonia
 

Mais procurados (19)

Patrimonio ana-silva_e_yuliya_pavelko
Patrimonio  ana-silva_e_yuliya_pavelkoPatrimonio  ana-silva_e_yuliya_pavelko
Patrimonio ana-silva_e_yuliya_pavelko
 
Românico
RomânicoRomânico
Românico
 
Igreja do terço 12-04-2013
Igreja do terço   12-04-2013Igreja do terço   12-04-2013
Igreja do terço 12-04-2013
 
Arte religiosa do rio
Arte religiosa do rioArte religiosa do rio
Arte religiosa do rio
 
Roteiro religioso
Roteiro religiosoRoteiro religioso
Roteiro religioso
 
Mosteiro dos Jeronimos
Mosteiro dos JeronimosMosteiro dos Jeronimos
Mosteiro dos Jeronimos
 
Cultura do Mosteiro - S. Pedro de Rates
Cultura do Mosteiro - S. Pedro de RatesCultura do Mosteiro - S. Pedro de Rates
Cultura do Mosteiro - S. Pedro de Rates
 
Cultura do Mosteiro - Escultura Românica
Cultura do Mosteiro - Escultura RomânicaCultura do Mosteiro - Escultura Românica
Cultura do Mosteiro - Escultura Românica
 
MosteirodosjeróNimos M Psom
MosteirodosjeróNimos M PsomMosteirodosjeróNimos M Psom
MosteirodosjeróNimos M Psom
 
Mosteirodos Jeronimos
Mosteirodos JeronimosMosteirodos Jeronimos
Mosteirodos Jeronimos
 
Portal sul dos jerónimos
Portal sul dos jerónimosPortal sul dos jerónimos
Portal sul dos jerónimos
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românica
 
História de arte - Periodo Românico/ Gótico/ Manuelino
História de arte - Periodo Românico/ Gótico/ ManuelinoHistória de arte - Periodo Românico/ Gótico/ Manuelino
História de arte - Periodo Românico/ Gótico/ Manuelino
 
Cultura do Mosteiro - St. Sernin de Toulouse
Cultura do Mosteiro - St. Sernin de ToulouseCultura do Mosteiro - St. Sernin de Toulouse
Cultura do Mosteiro - St. Sernin de Toulouse
 
O Barroco e a Igreja São Francisco de Assis
O Barroco e a Igreja São Francisco de AssisO Barroco e a Igreja São Francisco de Assis
O Barroco e a Igreja São Francisco de Assis
 
Mosteiro
MosteiroMosteiro
Mosteiro
 
Igreja Dos Clerigos Porto
Igreja Dos Clerigos PortoIgreja Dos Clerigos Porto
Igreja Dos Clerigos Porto
 
Cultura da Catedral - Arte Mudejar
Cultura da Catedral - Arte MudejarCultura da Catedral - Arte Mudejar
Cultura da Catedral - Arte Mudejar
 
Rates
RatesRates
Rates
 

Semelhante a Artur Filipe dos Santos - História do porto - convento corpus christi vila nova de gaia - Universidade Senior Contemporanea

Paco de sousa. mosteiro. pp 250 279
Paco de sousa. mosteiro. pp 250 279Paco de sousa. mosteiro. pp 250 279
Paco de sousa. mosteiro. pp 250 279
Catarina_marques
 
S, Bento da Vitória e estátua do Porto - Artur Filipe dos Santos - História d...
S, Bento da Vitória e estátua do Porto - Artur Filipe dos Santos - História d...S, Bento da Vitória e estátua do Porto - Artur Filipe dos Santos - História d...
S, Bento da Vitória e estátua do Porto - Artur Filipe dos Santos - História d...
Artur Filipe dos Santos
 
Património cultural aula 39 - igreja de S. Domingos - sé de vila real e tor...
Património cultural   aula 39 - igreja de S. Domingos - sé de vila real e tor...Património cultural   aula 39 - igreja de S. Domingos - sé de vila real e tor...
Património cultural aula 39 - igreja de S. Domingos - sé de vila real e tor...
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
Património cultural aula 39 - igreja de S. Domingos - Sé de Vila Real e Tor...
Património cultural   aula 39 - igreja de S. Domingos - Sé de Vila Real e Tor...Património cultural   aula 39 - igreja de S. Domingos - Sé de Vila Real e Tor...
Património cultural aula 39 - igreja de S. Domingos - Sé de Vila Real e Tor...
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
Professor Doutor Artur Filipe dos Santos - Património Cultural e Paisagístico...
Professor Doutor Artur Filipe dos Santos - Património Cultural e Paisagístico...Professor Doutor Artur Filipe dos Santos - Património Cultural e Paisagístico...
Professor Doutor Artur Filipe dos Santos - Património Cultural e Paisagístico...
Artur Filipe dos Santos
 
Arquitectura Romântica em Sintra
Arquitectura Romântica em SintraArquitectura Romântica em Sintra
Arquitectura Romântica em Sintra
hcaslides
 
Artur Filipe dos Santos - História do Porto Igreja Nossa Senhora do Patroci...
Artur Filipe dos Santos - História do Porto   Igreja Nossa Senhora do Patroci...Artur Filipe dos Santos - História do Porto   Igreja Nossa Senhora do Patroci...
Artur Filipe dos Santos - História do Porto Igreja Nossa Senhora do Patroci...
Artur Filipe dos Santos
 
Romanico final 2
Romanico final 2Romanico final 2
Romanico final 2
Eduardo Sousa
 
Renascimento,maneirismo e barroco
Renascimento,maneirismo e barrocoRenascimento,maneirismo e barroco
Renascimento,maneirismo e barroco
mariosilva1989
 
Igrejas
IgrejasIgrejas
História do porto igreja de s. nicolau - artur filipe dos santos
História do porto   igreja de s. nicolau - artur filipe dos santosHistória do porto   igreja de s. nicolau - artur filipe dos santos
História do porto igreja de s. nicolau - artur filipe dos santos
Artur Filipe dos Santos
 
O Porto: a reconquista cristã, o papel dos cristãos face
O Porto: a reconquista cristã, o papel dos cristãos faceO Porto: a reconquista cristã, o papel dos cristãos face
O Porto: a reconquista cristã, o papel dos cristãos face
Maria Gomes
 
O Porto: a reconquista cristã, o papel dos cristãos face aos Muçulamos
O Porto: a reconquista cristã, o papel dos cristãos face aos MuçulamosO Porto: a reconquista cristã, o papel dos cristãos face aos Muçulamos
O Porto: a reconquista cristã, o papel dos cristãos face aos Muçulamos
Maria Gomes
 
Convento de Mafra
Convento de MafraConvento de Mafra
Convento de Mafra
MariaOliveira551
 
História do porto igreja de nicolau - artur filipe dos santos
História do porto   igreja de nicolau - artur filipe dos santosHistória do porto   igreja de nicolau - artur filipe dos santos
História do porto igreja de nicolau - artur filipe dos santos
Artur Filipe dos Santos
 
Inventário: Igrejas e Capelas de Guaratinguetá
Inventário: Igrejas e Capelas de GuaratinguetáInventário: Igrejas e Capelas de Guaratinguetá
Inventário: Igrejas e Capelas de Guaratinguetá
Natália Mendes
 
História do porto Igreja de S. Nicolau - artur filipe dos santos
História do porto   Igreja de S. Nicolau - artur filipe dos santosHistória do porto   Igreja de S. Nicolau - artur filipe dos santos
História do porto Igreja de S. Nicolau - artur filipe dos santos
Artur Filipe dos Santos
 
História do Porto-Igreja de S. Nicolau - Universidade Sénior Contemporânea - ...
História do Porto-Igreja de S. Nicolau - Universidade Sénior Contemporânea - ...História do Porto-Igreja de S. Nicolau - Universidade Sénior Contemporânea - ...
História do Porto-Igreja de S. Nicolau - Universidade Sénior Contemporânea - ...
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
Santuário do Bom Jesus do Monte - Património Cultural - Artur Filipe dos Sant...
Santuário do Bom Jesus do Monte - Património Cultural - Artur Filipe dos Sant...Santuário do Bom Jesus do Monte - Património Cultural - Artur Filipe dos Sant...
Santuário do Bom Jesus do Monte - Património Cultural - Artur Filipe dos Sant...
Artur Filipe dos Santos
 
Santuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos Santos
Santuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos SantosSantuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos Santos
Santuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos Santos
Artur Filipe dos Santos
 

Semelhante a Artur Filipe dos Santos - História do porto - convento corpus christi vila nova de gaia - Universidade Senior Contemporanea (20)

Paco de sousa. mosteiro. pp 250 279
Paco de sousa. mosteiro. pp 250 279Paco de sousa. mosteiro. pp 250 279
Paco de sousa. mosteiro. pp 250 279
 
S, Bento da Vitória e estátua do Porto - Artur Filipe dos Santos - História d...
S, Bento da Vitória e estátua do Porto - Artur Filipe dos Santos - História d...S, Bento da Vitória e estátua do Porto - Artur Filipe dos Santos - História d...
S, Bento da Vitória e estátua do Porto - Artur Filipe dos Santos - História d...
 
Património cultural aula 39 - igreja de S. Domingos - sé de vila real e tor...
Património cultural   aula 39 - igreja de S. Domingos - sé de vila real e tor...Património cultural   aula 39 - igreja de S. Domingos - sé de vila real e tor...
Património cultural aula 39 - igreja de S. Domingos - sé de vila real e tor...
 
Património cultural aula 39 - igreja de S. Domingos - Sé de Vila Real e Tor...
Património cultural   aula 39 - igreja de S. Domingos - Sé de Vila Real e Tor...Património cultural   aula 39 - igreja de S. Domingos - Sé de Vila Real e Tor...
Património cultural aula 39 - igreja de S. Domingos - Sé de Vila Real e Tor...
 
Professor Doutor Artur Filipe dos Santos - Património Cultural e Paisagístico...
Professor Doutor Artur Filipe dos Santos - Património Cultural e Paisagístico...Professor Doutor Artur Filipe dos Santos - Património Cultural e Paisagístico...
Professor Doutor Artur Filipe dos Santos - Património Cultural e Paisagístico...
 
Arquitectura Romântica em Sintra
Arquitectura Romântica em SintraArquitectura Romântica em Sintra
Arquitectura Romântica em Sintra
 
Artur Filipe dos Santos - História do Porto Igreja Nossa Senhora do Patroci...
Artur Filipe dos Santos - História do Porto   Igreja Nossa Senhora do Patroci...Artur Filipe dos Santos - História do Porto   Igreja Nossa Senhora do Patroci...
Artur Filipe dos Santos - História do Porto Igreja Nossa Senhora do Patroci...
 
Romanico final 2
Romanico final 2Romanico final 2
Romanico final 2
 
Renascimento,maneirismo e barroco
Renascimento,maneirismo e barrocoRenascimento,maneirismo e barroco
Renascimento,maneirismo e barroco
 
Igrejas
IgrejasIgrejas
Igrejas
 
História do porto igreja de s. nicolau - artur filipe dos santos
História do porto   igreja de s. nicolau - artur filipe dos santosHistória do porto   igreja de s. nicolau - artur filipe dos santos
História do porto igreja de s. nicolau - artur filipe dos santos
 
O Porto: a reconquista cristã, o papel dos cristãos face
O Porto: a reconquista cristã, o papel dos cristãos faceO Porto: a reconquista cristã, o papel dos cristãos face
O Porto: a reconquista cristã, o papel dos cristãos face
 
O Porto: a reconquista cristã, o papel dos cristãos face aos Muçulamos
O Porto: a reconquista cristã, o papel dos cristãos face aos MuçulamosO Porto: a reconquista cristã, o papel dos cristãos face aos Muçulamos
O Porto: a reconquista cristã, o papel dos cristãos face aos Muçulamos
 
Convento de Mafra
Convento de MafraConvento de Mafra
Convento de Mafra
 
História do porto igreja de nicolau - artur filipe dos santos
História do porto   igreja de nicolau - artur filipe dos santosHistória do porto   igreja de nicolau - artur filipe dos santos
História do porto igreja de nicolau - artur filipe dos santos
 
Inventário: Igrejas e Capelas de Guaratinguetá
Inventário: Igrejas e Capelas de GuaratinguetáInventário: Igrejas e Capelas de Guaratinguetá
Inventário: Igrejas e Capelas de Guaratinguetá
 
História do porto Igreja de S. Nicolau - artur filipe dos santos
História do porto   Igreja de S. Nicolau - artur filipe dos santosHistória do porto   Igreja de S. Nicolau - artur filipe dos santos
História do porto Igreja de S. Nicolau - artur filipe dos santos
 
História do Porto-Igreja de S. Nicolau - Universidade Sénior Contemporânea - ...
História do Porto-Igreja de S. Nicolau - Universidade Sénior Contemporânea - ...História do Porto-Igreja de S. Nicolau - Universidade Sénior Contemporânea - ...
História do Porto-Igreja de S. Nicolau - Universidade Sénior Contemporânea - ...
 
Santuário do Bom Jesus do Monte - Património Cultural - Artur Filipe dos Sant...
Santuário do Bom Jesus do Monte - Património Cultural - Artur Filipe dos Sant...Santuário do Bom Jesus do Monte - Património Cultural - Artur Filipe dos Sant...
Santuário do Bom Jesus do Monte - Património Cultural - Artur Filipe dos Sant...
 
Santuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos Santos
Santuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos SantosSantuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos Santos
Santuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos Santos
 

Mais de Artur Filipe dos Santos

Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol - Como funci...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol  - Como funci...Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol  - Como funci...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol - Como funci...
Artur Filipe dos Santos
 
Ciências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetos
Ciências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetosCiências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetos
Ciências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetos
Artur Filipe dos Santos
 
Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...
Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...
Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...
Artur Filipe dos Santos
 
ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...
ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...
ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...
Artur Filipe dos Santos
 
Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros - o fim dos dinossa...
Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros -  o fim dos dinossa...Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros -  o fim dos dinossa...
Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros - o fim dos dinossa...
Artur Filipe dos Santos
 
Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -
Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -
Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -
Artur Filipe dos Santos
 
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...
Artur Filipe dos Santos
 
ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra - Fo...
ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra  - Fo...ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra  - Fo...
ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra - Fo...
Artur Filipe dos Santos
 
Ciências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossauros
Ciências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossaurosCiências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossauros
Ciências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossauros
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos GaiteirosArtur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdfArtur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos
 
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptxA Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
Artur Filipe dos Santos
 
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptxA Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
Artur Filipe dos Santos
 
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptxA Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
Artur Filipe dos Santos
 
À descoberta do património dos Alpes Orientais1
À descoberta do património dos Alpes Orientais1À descoberta do património dos Alpes Orientais1
À descoberta do património dos Alpes Orientais1
Artur Filipe dos Santos
 
Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu...
 Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu... Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu...
Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu...
Artur Filipe dos Santos
 
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
Artur Filipe dos Santos
 
Património Cultural Português -Festa das Cruzes- Artur Filipe dos Santos.pdf
Património Cultural Português -Festa das Cruzes-  Artur Filipe dos Santos.pdfPatrimónio Cultural Português -Festa das Cruzes-  Artur Filipe dos Santos.pdf
Património Cultural Português -Festa das Cruzes- Artur Filipe dos Santos.pdf
Artur Filipe dos Santos
 
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdfOs mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdfArtur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos
 

Mais de Artur Filipe dos Santos (20)

Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol - Como funci...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol  - Como funci...Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol  - Como funci...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol - Como funci...
 
Ciências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetos
Ciências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetosCiências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetos
Ciências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetos
 
Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...
Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...
Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...
 
ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...
ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...
ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...
 
Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros - o fim dos dinossa...
Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros -  o fim dos dinossa...Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros -  o fim dos dinossa...
Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros - o fim dos dinossa...
 
Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -
Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -
Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -
 
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...
 
ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra - Fo...
ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra  - Fo...ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra  - Fo...
ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra - Fo...
 
Ciências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossauros
Ciências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossaurosCiências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossauros
Ciências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossauros
 
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos GaiteirosArtur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
 
Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdfArtur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
 
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptxA Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
 
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptxA Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
 
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptxA Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
 
À descoberta do património dos Alpes Orientais1
À descoberta do património dos Alpes Orientais1À descoberta do património dos Alpes Orientais1
À descoberta do património dos Alpes Orientais1
 
Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu...
 Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu... Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu...
Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu...
 
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
 
Património Cultural Português -Festa das Cruzes- Artur Filipe dos Santos.pdf
Património Cultural Português -Festa das Cruzes-  Artur Filipe dos Santos.pdfPatrimónio Cultural Português -Festa das Cruzes-  Artur Filipe dos Santos.pdf
Património Cultural Português -Festa das Cruzes- Artur Filipe dos Santos.pdf
 
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdfOs mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdfArtur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
 

Último

Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 

Artur Filipe dos Santos - História do porto - convento corpus christi vila nova de gaia - Universidade Senior Contemporanea

  • 1. Cadeira de HISTÓRIA DO PORTO Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Professor Doutor Artur Filipe dos Santos 1
  • 3. • Situado na margem esquerda do rio Douro, junto ao Cais de Vila Nova de Gaia, no Largo de Aljubarrota, as suas origens remontam a 1345. 3
  • 4. • Local singular que se caracteriza pela paisagem natural e pelo casario que o circunda. 4
  • 5. • O Espaço Corpus Christi é constituído pelo coro alto, coro baixo, ante - coro e capela do séc. XVII. 5
  • 6. • Exemplo ímpar da Arquitectura e da Arte, a capela conventual é invulgar, pela planta octogonal de inspiração italianizante, coberta por uma cúpula de pedra, cuja traça é de autoria de Pantaleão Vieira. 6
  • 7. • No passado lugar de culto, hoje lugar de cultura. Exposições, concertos, espectáculos de expressão corporal, seminários e congressos fazem parte da sua programação. 7
  • 8. • O Mosteiro de São Domingos das Donas de Vila Nova de Gaia, também referido como Convento de Corpus Christi e Instituto do Bom Pastor, localiza-se junto ao Cais de Gaia, na freguesia de Santa Marinha, em Vila Nova de Gaia, no distrito do Porto, em Portugal. 8
  • 9. • O mosteiro foi fundado em 1345 por D. Maria Mendes Petite, uma fidalga de Gaia, filha de Soeiro Mendes Petite, viúva do trovador dionisino Estevão Coelho, e mãe de Pero Coelho, um dos responsáveis pelo assassínio de D. Inês de Castro. A família estava ligada à fundação do poderoso Mosteiro de Grijó. 9
  • 10. • A fundadora dedicou o mosteiro ao Augusto Sacramento da Eucaristia, dotou-o de avultados bens e entregou-o à Ordem de São Domingos, filiando-se no Mosteiro de São Domingos das Donas de Santarém. Um conflito jurídico com o Bispo do Porto, que à época se opôs à sua fundação, provocou atraso significativo na abertura do mosteiro, o que veio a acontecer apenas em 1354. 10
  • 11. • A primitiva igreja do convento sofreu uma degradação gradual devido às cheias do rio Douro (junto ao qual se localizava), o que levou à edificação de um novo templo, cujas obras tiveram início na segunda metade do século XVII com traça do padre Pantaleão da Rocha de Magalhães - responsável por várias obras no Porto e arredores -, seguindo o modelo do templo lisboeta do Mosteiro do Bom Sucesso de Santa Maria de Belém, pertencente à mesma ordem, e ajustado, nos coros, ao local e às necessidades da congregação, por Gregório Fernandes. 11
  • 12. • Já no século XVIII foi construída a fachada em estilo barroco que antecede o portal da igreja, e onde é patente a influência de Nicolau Nasoni. 12
  • 13. • As funções conventuais extinguiram-se em 1894 com a morte da última freira, Marcelina Cândida Viana. 13
  • 14. • Em 1930, o edifício foi entregue às irmãs do Instituto do Bom Pastor que criaram um Instituto Feminino de Educação e Regeneração. O aumento das internadas levou à construção, em 1940, da ala poente do convento, de arquitetura tipicamente Estado Novo. 14
  • 15. • No início da década de 1990, tendo-se retirado as Religiosas, foi o conjunto entregue à Ordem Soberana e Militar de Malta, que através da Fundação Frei Manuel Pinto da Fonseca, continuou a afirmar o antigo convento como centro de apostolado. 15
  • 16. • Revertendo para a Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia em 2003, o convento sofreu recentes obras de remodelação, albergando agora um espaço cultural - o Espaço Corpus Christi - e ainda um pólo de mestrado da Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto. 16
  • 17. • Características A igreja, de concepção centralizada, organiza- se ao longo de um eixo, com nave de planta octogonal abobadada, capela-mor a nascente e coros a poente, rematada por uma cúpula. 17
  • 18. • Em termos artísticos, destacam-se os quatro altares laterais (com imagens de rara beleza], o Coro-Alto (espaço da primeira fase do barroco, constituído por um cadeiral distribuído em dois níveis, com formato de "U" e talha dourada), o teto formado por 49 caixotões decorados com pinturas a óleo sobre madeira. 18
  • 19. • A pintura e a imaginária que decoram a igreja (teto do coro alto, espaldar do cadeiral e retábulos) apresentam uma iconografia que se enquadra nas temáticas da Ordem, representando Santos, Doutores da Igreja, figuras Dominicanas e outras, com destaque para três devoções principais: o Santo Rosário, o nome de Jesus e a Eucaristia. 19
  • 20. • Cadeiral, da primeira metade do século XVII, para as horas do ofício e para as reuniões conventuais, apresenta a particularidade de, em cada assento, existir uma carranca diferente, representando negros ou exóticos, e espécies animais e vegetais e, cada voluta ser uma máscara esculpida, cada uma diferente das demais, sugerindo influências do Império Ultramarino. 20
  • 21. • Encontram-se aqui sepultadas D. Leonor de Alvim, esposa do Condestável D. Nuno Álvares Pereira, e sua avó, D. Maria Mendes Aboim, falecida em 1355 e fundadora do convento; também se encontra aqui a arca tumular de Álvaro Anes de Cernache, primeiro senhor de Gaia, que foi alferes da bandeira da Ala dos Namorados na batalha de Aljubarrota (1385). 21
  • 22. • Construída no século XIV (1345), a igreja do convento de Corpus Christi de Gaia, de religiosas dominicanas, conheceu uma degradação gradual provocada pelas constantes cheias do rio Douro, o que originou a edificação de um novo templo, desenhado pelo Padre Pantaleão da Rocha de Magalhães, na segunda metade do século XVII (RODRIGUES, 1998). 22
  • 23. • Este arquitecto foi responsável por várias obras no Porto e arredores, a primeira das quais o Corpus Christi. 23
  • 24. • A nova igreja das dominicanas de Gaia, de planta centralizada octogonal (com capela- mor rectangular e profunda, e dois coros sobrepostos, do lado oposto), repete o modelo do templo lisboeta do convento do Bom Sucesso de Belém, concluído em 1670 e pertencente à mesma ordem. 24
  • 25. • Esta opção planimétrica integra Corpus Christi no conjunto de igrejas de planta centralizada que tomaram um modelo "quase" abandonado desde a primeira metade do século XV e que conheceu grande fortuna a partir de 1640, principalmente nas obras directamente relacionadas com o círculo da Rainha D. Luísa de Gusmão. 25
  • 26. • Por outro lado, denuncia a concepção centralizada, subjacente à edificação das igrejas das religiosas dominicanas entre o início do século XVI e o final do século XVII, ou ainda com a tipologia dos sacrários, a partir do Concílio de Trento colocados, preferencialmente, em lugar de destaque no altar-mor. 26
  • 27. • À luz do exposto, a invocação do convento de Gaia "impunha" uma planimetria centralizada, plena de simbolismo e eficácia litúrgica. 27
  • 28. • O templo resultante do traço de Pantaleão da Rocha de Magalhães, cujas obras tiveram início em 1675 e se prolongaram até ao final do século, tem sido considerado uma interpretação menor do modelo lisboeta, uma vez que muitas das soluções revelaram alguns problemas, principalmente ao nível da ligação dos coros, de planta rectangular, a uma igreja poligonal. 28
  • 29. • Esta questão acabaria por ser resolvida entre 1677 e 1680, mas pelo pedreiro Gregório Fernandes, responsável pelo alargamento das paredes do coro, que em planta sugerem uma tenaz a segurar o polígono da igreja 29
  • 30. • Num dos braços dessa tenaz encontra-se uma construção de três arcos, que veio solucionar o problema da regularização do pátio, e "esconder" a escadaria de acesso à divisão que liga a igreja aos coros. 30
  • 31. • No interior, destaque para o cadeiral do coro em talha, que remonta à segunda metade de Seiscentos, onde sobressai a expressividade de determinadas máscaras e animais. A pintura e a imaginária que decoram a igreja (tecto do coro alto, espaldar do cadeiral e retábulos), apresentam uma iconografia que se enquadra nas temáticas da Ordem. 31
  • 32. • Representam santos dominicanos acompanhados de outros que não pertencem à Ordem, mas que se enquadram na espiritualidade da época, destacando-se três devoções principais - o Santo Rosário, o nome de Jesus e a Eucaristia 32
  • 33. Bibliografia • http://www.igespar.pt/pt/patrimonio/pesquisa/geral/patrim onioimovel/detail/71776/ • http://www.gaianima.pt/gaia/portal/user/anon/page/_GA_D 300.psml?categoryOID=6183808080F282GC&contentid=ED8 3801780CO&nl=pt • http://pt.wikipedia.org/wiki/Convento_de_Corpus_Christi • https://www.google.pt/search?q=convento+corpus+christi+p orto&espv=210&es_sm=93&source=lnms&tbm=isch&sa=X& ei=Uao6U868H9GIhQfvqoHQBg&ved=0CAgQ_AUoAQ&biw=9 88&bih=619 • http://portoarc.blogspot.pt/2012/12/bairros-da-cidade- xxv.html 33