SlideShare uma empresa Scribd logo
Origem das Festas de
Santo António de Lisboa
www.usc.pt
Cadeira de
PATRIMÓNIO CULTURAL PORTUGUÊS
Artur Filipe dos Santos
• Artur Filipe dos Santos
• Doutorado em Comunicação, Publicidade, Relações Públicas e Protocolo pela Faculdade de
Ciências Sociais e da Comunicação da Universidade de Vigo, é atualmente professor adjunto no
ISLA Instituto Politécnico de Gestão e Tecnologia, coordenador da licenciatura de Comunicação e
Tecnologia Digital e do CTesP de Comunicação Digital, e docente na Universidade Lusófona do
Porto. Atua como docente e investigador nas área(s de Ciências Sociais com ênfase em Ciências da
Comunicação, Comunicação e Divulgação do Património. Perito em Protocolo (de Estado,
Universitário, Multicultural e Empresarial) é membro da Associação Portuguesa de Estudos de
Protocolo (APOREP), membro da Sociedad de Estudios Institucionales, UNED, Espanha,
investigador e membro da Direção do Observatório Iberoamericano de Investigação e
Desenvolvimento em Comunicação (OIDECOM-Iberoamérica), Espanha, membro do Centro de
Investigação em Comunicação (ICOM-X1) da Universidade de Vigo, Espanha, membro da
Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação (SOPCOM). É membro do ICOMOS
(INTERNATIONAL COUNCIL OF MONUMENTS AND SITES), organismo pertencente à UNESCO,
responsável pela avaliação das candidaturas dos bens culturais universais a Património Mundial. É,
atualmente, um dos maiores divulgadores dos Caminhos Portugueses a Santiago de Compostela.
Como músico dedica-se ao estudo e interpretação da Gaita-de-Fole na Escola de Gaiteiros da Ponte
Velha, em Santo Tirso.
2
Artur Filipe dos Santos – artursantos.com.pt@gmail.com
•https://omeucaminhodesantiago.wordpress.com/ (Blogue)
•https://politicsandflags.wordpress.com/about/ (Blogue)
•https://arturfilipesantos.wixsite.com/arturfilipesantos (Académico)
•https://comunicacionpatrimoniomundial.blogia.com/ (Académico)
•Email: artursantos.com.pt@gmail.com
A Universidade Sénior
Contemporânea
Web: www.usc.pt
Email: usc@usc.pt
Edições online: www.edicoesuscontemporanea.webnode.com
• A Universidade Sénior Contemporânea é uma instituição vocacionada
para a ocupação de tempos livres dos indivíduos que se sintam motivados
para a aprendizagem constante de diversas matérias teóricas e práticas,
adquirindo conhecimentos em múltiplas áreas, como línguas, ciências
sociais, saúde, informática, internet, dança, teatro, entre outras, tendo
ainda a oportunidade de participação em actividades como o Grupo de
Teatro, Coro da USC, USC Web TV, conferências, colóquios, visitas de
estudo. Desenvolve manuais didáticos das próprias cadeiras
lecionadas(23), acessíveis a seniores, estudantes e profissionais através
de livraria online.
3
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.pt
4
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• As Festas de Santo
António de Lisboa e as
Marchas Populares têm
raízes históricas e
culturais profundas na
cidade de Lisboa.
5
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Como terá surgido esta
festa tão popular? E
quando começaram a
sair para a rua as
marchas?
6
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• A título de introdução
refira-se que As festas
dos santos populares,
como São João, São
António e São Pedro,
têm suas origens em
tradições católicas e
culturais que remontam
a séculos atrás.
7
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Cada uma dessas festas
tem suas próprias raízes
históricas e lendárias,
mas todas são
celebradas de maneira
semelhante, com
festividades animadas,
envoltas em cores e
uma gastronomia típica
de grande valor cultural.
8
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• São António é
celebrado em 13 de
junho e é
especialmente popular
em Lisboa. São António
é um santo muito
querido em Portugal,
conhecido como o
santo casamenteiro e o
padroeiro dos pobres.
9
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Fica a curiosidade de
sublinhar que Santo
António tanto pode ser
representado com o
menino ao colo do lado
direito como do lado
esquerdo.
10
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Segundo a tradição,
quando o santo tem o
menino jesus do lado
direito está representado
como casamenteiro e
quanto tem o menino do
lado esquerdo como
milagreiro (ou
identificado como
padroeiro dos
comerciantes e ladrões).
11
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Refira-se ainda que a
simbologia de Santo
António como menino
jesus ao colo remete
para a enorme devoção
do Santo de Lisboa (e
de Pádua) à Nossa
Senhora.
12
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Diz a tradição que
Nossa Senhora lhe
apareceu oferecendo-
lhe o menino. Dizem
também que o menino
esticou os seus braços e
entrelaçou-os ao redor
do pescoço do frade,
arrebatando o seu
coração.
13
14
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• A festa de São António
tem as suas origens nas
tradições católicas, mas
também está associada
a elementos folclóricos
e populares.
15
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Lisboeta, contudo pouco
conhecido na cidade que o
viu nascer, terá sido só
depois da sua morte que o
seu culto começou a
arrecadar crentes em
Portugal. Para isso terá
contribuído e muito o
estabelecimento e
desenvolvimento da Ordem
de São Francisco no reino,
com o apoio de certos
quadrantes da nobreza.
16
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Existem referências que
aludem ao facto de D.
Sancho II (O Capelo, ou
Piedoso), no séc. XIII,
terá pedido ser
sepultado com um
hábito semelhante ao
de Santo António.
17
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Historiadores afiançam
que é no tempo de D.
João I que a devoção a
Santo António se terá
consolidado em Lisboa e
um pouco pelo país, após
o regresso do Infante D.
Pedro ao reino depois de
uma viagem a Pádua,
trazendo consigo uma
relíquia - uma parte do
crânio – do santo.
18
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Durante as festividades,
há procissões,
casamentos simbólicos,
marchas populares,
danças tradicionais e
muita comida típica,
como o tradicional
manjerico (um vaso com
manjericão) que é
oferecido como presente
durante a festa.
19
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• São João é celebrado em
24 de junho e é
especialmente popular no
norte de Portugal,
principalmente na cidade
do Porto. Acredita-se que
essa festa tenha sido
influenciada por antigos
rituais pagãos que
celebravam a chegada do
solstício de verão,
marcando o dia mais
longo do ano.
20
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Com o passar do tempo,
essas celebrações foram
assimiladas pela Igreja
Católica e passaram a
homenagear São João
Batista, considerado o
padroeiro da festa.
21
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Durante as festividades,
as ruas são decoradas
com balões, lanternas e
guirlandas, e as pessoas
dançam, cantam,
acendem fogueiras e
soltam fogos de
artifício.
22
23
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• S. Pedro é o último dos
Santos Populares e não
menos importante.
• Pedra da Igreja Cristã
universal e considerado
primeiro Papa, é
celebrado em 29 de junho
e é comemorado em
várias regiões de
Portugal, com destaque
para as cidades costeiras.
24
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• São Pedro é
considerado o
padroeiro dos
pescadores e
marinheiros, e a festa é
marcada por procissões
religiosas, bênçãos de
barcos e outros eventos
relacionados ao mar.
25
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• As celebrações de São
Pedro incluem
atividades náuticas,
competições de pesca,
desfiles e festivais de
comida, onde peixes e
frutos do mar são
preparados e
compartilhados entre
os participantes.
26
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Aprofundando as
origens das festas de
Santo António de Lisboa
e das Marchas
Populares.
27
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Quem foi Santo António?
• Santo António, também
conhecido como Santo António
de Lisboa e Santo António de
Pádua, foi um frade franciscano,
teólogo e pregador famoso que
viveu nos séculos XII e XIII.
Nasceu em Lisboa, Portugal, em
1195, com o nome de Fernando
Martins de Bulhões, no seio de
uma família da baixa nobreza mas
com raízes na poderosa família
bolonhesa de Bulhon, de
Godofredo de Bulhão, primeiro
rei católico de Jerusalém..
28
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Após ingressar na
Ordem dos Cônegos
Regulares de Santo
Agostinho, Fernando foi
ordenado sacerdote e
lecionou teologia em
Coimbra, onde também
iniciou seu trabalho
missionário.
29
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• No entanto, ao ouvir
sobre o martírio de
cinco franciscanos em
Marrocos, decidiu
entrar para a Ordem
Franciscana e seguir
uma vida de pobreza e
serviço aos pobres.
30
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Fernando mudou o seu
nome para António em
homenagem a Santo Antão
(também conhecido como
Santo Antão do Egito, Santo
Antão, o Grande, Santo
Antão, o Eremita, Santo
Antão, o Anacoreta, ou
ainda O Pai de Todos os
Monges), um dos primeiros
eremitas do Cristianismo e
cujo nome em latim era
Antonius.
31
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• António viajou para
Marrocos, mas devido a
problemas de saúde,
teve que retornar a
Portugal. Durante uma
viagem de volta, o seu
navio foi desviado pela
tempestade,
naufragando na costa
Italiana, estabelecendo-
se em Pádua.
Basílica de S. António, Pádua
32
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Foi em Pádua que Santo
António alcançou grande
renome como pregador e
taumaturgo (realizador de
milagres). As suas
pregações eram
conhecidas pela sua
eloquência e sabedoria,
atraindo multidões de
pessoas que vinham ouvi-
lo falar sobre a fé cristã e
a mensagem do
Evangelho.
33
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• A fama de Santo António
espalhou-se por toda a
Europa, tendo sido
canonizado apenas um
ano após sua morte, em
1232, pelo Papa Gregório
IX. Foi, mais tarde,
proclamado Doutor da
Igreja, em
reconhecimento à sua
profunda compreensão
teológica.
34
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Santo António é
conhecido como o santo
casamenteiro, devido a
uma lenda que diz que o
Santo ajudou uma jovem
a encontrar um marido
adequado. É também é
considerado o padroeiro
dos namorados, dos
pobres, dos oprimidos,
dos viajantes, dos
pescadores, comerciantes
e ladrões.
35
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Tem ainda sob sua
“jurisdição” os
barqueiros os
marinheiros os
náufragos do mundo, os
velhos, as solteiras, as
grávidas e as estéreis.
36
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• As relíquias de Santo
António permanecem em
Pádua, onde a Basílica de
Santo António se tornou
um importante local de
peregrinação. Além disso,
em Lisboa, Portugal, onde
ele nasceu, a Igreja de
Santo António é um local
popular de visitação e
devoção.
37
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• A imagem de
Santo António e
os seus
símbolos
38
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• 1). O hábito Na imagem de
Santo António
• o hábito representa sua
pertença à Ordem Franciscana.
O hábito é um símbolo de
consagração a Deus e de
humildade. No século XV,
algumas representações
mostram o santo com um
hábito cinza, simbolizando os
mendicantes ou penitentes. O
hábito castanho simboliza a
certeza da sua fé em Jesus
Cristo e a sua morte para a
vida mundana.
39
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• 2. O Livro nas mãos de
Santo António
• Na imagem de Santo
António, o livro é o
símbolo mais antigo.
Representa o Evangelho,
a sabedoria do Santo e o
facto de ele ser Doutor da
Igreja. Representa,
também, o pregador
extraordinário que
congregava multidões
para o ouvir.
40
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Em atenção aos seus
conhecimentos e
sabedoria bíblica, o
Papa Gregório IX
chamava-o "Arca do
Testamento".
41
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• As pessoas convertiam-
se e os inimigos
reconciliavam-se ao
ouvi-lo pregar. E,
quando não quiseram
ouvi-lo, ele foi pregar
aos peixes.
•
42
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• 3. O Menino Jesus com
Santo António
• O menino Jesus
representa a intimidade
de Santo António com
Cristo. É mostrado de
três modos diferentes:
43
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• a). Sobre o livro.
• O Menino em cima da
Bíblia significa que
Santo António
anunciava Jesus Cristo,
o Verbo encarnado,
com numerosas
citações do Evangelho.
44
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• b). Ao colo de Santo António
• Representa a extraordinária
intimidade do santo com
Jesus. Em algumas
representações o menino
acaricia-lhe o rosto. O caráter
sublime da pregação de santo
António vem da sua
intimidade com Jesus na
oração profunda e na
Eucaristia. Daí vinha toda a
sabedoria e os dons que se
manifestavam em Santo
António.
45
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• c). Mostrado ao santo
pela Virgem Maria
• Revela a devoção de
Santo António para com
a virgem Maria. Nesta
representação, Santo
António aparece em
estado de profunda
adoração a Jesus.
46
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
3. O lírio de Santo
António
• O lírio na imagem de
Santo António
representa sua
castidade e pureza de
coração. Simboliza
também a estação do
ano na qual o santo
morreu, o verão no
hemisfério norte.
47
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• d). A tonsura de Santo
António
• O cabelo raspado no centro
da cabeça chama-se tonsura
e representa o voto de
castidade de santo António.
A tonsura era uma
cerimónia religiosa, na qual
o bispo raspava o cabelo de
quem era ordenado
diácono, o primeiro grau do
Sacramento da Ordem (os
outros dois são presbítero e
bispo).
48
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• A tonsura tinha
também o significado
de renúncia às vaidades
e ser como Jesus Cristo,
que foi coroado como
rei que se oferece ao
serviço de todos.
49
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• e). O Pão de Santo
António
• O pão na imagem de
Santo António também
é comum. Representa
um dos seus vários
milagres feitos em vida.
Em algumas obras
vimos o santo a
distribuir o "pão dos
pobres".
50
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Contudo, esta é uma
representação mais
recente, apenas do
século XIX, Surgindo
durante uma época de
muita fome em certas
regiões da Europa,
como a Itália ou a
Irlanda.
51
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• f). O Terço de Santo
António
• O Terço na imagem de
Santo António representa
a sua entrega e devoção à
Mãe de Deus. Santo
António começou por ser
representado com o Terço
à cintura, no século xvi,
para mostrar que ele era
homem de oração. O
terço também fazia parte
do hábito franciscano.
52
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• 8. O cordão de Santo
António
• O cordão faz parte do
hábito franciscano. É
um cinto de corda que
contém três nós, que
representam os votos
perpétuos de castidade,
pobreza e obediência.
53
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Já as festas, em concreto,
remonta ao século XIV,
quando algumas das
relíquias de Santo
António foram trazidas de
Pádua, na Itália, para a Sé
de Lisboa. Ao longo dos
séculos várias relíquias
foram sendo oferecidas
ora pela Igreja, ora por
monarcas.
54
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• A cidade de Lisboa
passou a celebrar o seu
santo padroeiro com
festividades religiosas,
incluindo procissões,
missas e outros eventos
de caráter mais popular,
como as marchas
populares.
55
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Com o tempo, a celebração
religiosa foi acompanhada
por elementos culturais e
populares, como arraiais
(festas populares em locais
públicos), casamentos de
Santo António (casais
populares que se casam
simbolicamente durante as
festas) e os famosos
manjericos enfeitados com
quadras populares.
56
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• A origem das Marchas
Populares remonta à
década de 1930, quando
a Câmara Municipal de
Lisboa decidiu organizar
um concurso de marchas
para animar as
festividades de Santo
António, numa altura em
que o feriado municipal
da cidade já se celebrava
a 13 de junho, dia do
Santo.
57
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• O objetivo era
promover a identidade
e o tipicismo dos
bairros e a participação
da população nas
celebrações.
58
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• As marchas são
compostas por grupos
de marchantes que
desfilam vestidos a
rigor, com trajes
temáticos que refletem
a história e cultura dos
bairros que
representam.
59
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Cada marcha é
acompanhada por
música e coreografias
elaboradas, sendo que
a competição pela
melhor marcha é um
dos pontos altos das
festividades, e muitas
vezes não isenta de
polémica.
60
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• As Marchas Populares
tornaram-se uma tradição
enraizada em Lisboa,
representando não
apenas um evento festivo,
mas também uma forma
de preservar a identidade
e o espírito comunitário
dos bairros da cidade.
•
61
62
63
64
65
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• As cerimónias religiosas
das Festas de Santo
António
• Trezena a Santo António
• Uma série de orações em
louvor do santo que
antecipam a festa em seu
nome e que começam 13
dias antes. São realizadas
ainda hoje, na Igreja de
Santo António.
66
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Te-Deum
• Mandado rezar pela
Câmara Municipal de
Lisboa na tarde de 12
de junho, compareciam
na cerimónia todos os
vereadores em traje de
gala. Já não se realiza.
Te Deum” na Igreja de Santo António em
Lisboa – RTP Arquivos
67
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Missa pontifical
• A missa era celebrada
na manhã de 13 de
junho, na Sé de Lisboa.
68
O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o
• Procissão de Santo António
• A procissão acontecia na
tarde de 13 de junho e era,
depois da Procissão do
Corpo de Deus (a 15 de
junho), a maior da cidade.
Esta partia da Igreja do
Convento de São Francisco
da Cidade, nas Janelas
Verdes, e seguia pela Baixa
em direção à Igreja de Santo
António. Desde o 25 de abril
que já não se realiza.
Artur Filipe dos Santos – Blogues e Redes Sociais
www.arturfilipesantos.wix.com/arturfilipesantos
https://www.facebook.com/arturfilipe.santos
https://twitter.com/arturfilipesant
https://politicsandflags.wordpress.com
https://omeucaminhodesantiago.wordpress.com
http://comunicacionpatrimoniomundial.blogia.com
https://pt.linkedin.com/pub/artur-filipe-dos-santos/1a/aa9/b09
http://pt.slideshare.net/arturfilipesantos
http://www.doyoubuzz.com/artur-filipe-dos-santos
http://orcid.org/0000-0002-5635-0531
http://uvigo.academia.edu/ArturFilipedosSantos
https://www.draft-worldmagazine.com/profile/artur-filipe-dos-
santos-608a8f1e1d68e
HASHTAGS: #arturfilipedossantos; #patrimoniomundial; #historiadoporto; #patrimoniocultural, #caminodesantiago;
#patrimoniodahumanidade; #uscontemporanea; #vexilologia; #protocolo; #cerimonial
Página Pessoal
Facebook
Twitter
Wordpress
Wordpress
Blogia
Linkedin
Slideshare
Doyobuzz
ORCID
Academia.edu
Draft World Magazine
70
Grato pela
sua atenção
Artur Filipe dos Santos
artur.filipe@uvigo.es
www.arturfilipesantos.wix.com/arturfilipesantos

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisboa- Artur Filipe dos Santos

1706
17061706
1706
Pelo Siro
 
turismo religioso
 turismo religioso turismo religioso
turismo religioso
Izah Menezes
 
Património cultural o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...
Património cultural   o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...Património cultural   o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...
Património cultural o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...
Artur Filipe dos Santos
 
Património cultural o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
Património cultural   o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...Património cultural   o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
Património cultural o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
Artur Filipe dos Santos
 
Origem da festa junina
Origem da festa juninaOrigem da festa junina
Origem da festa junina
Leo Costa
 
Atividade 1
Atividade 1Atividade 1
Atividade 1
Delziene Jesus
 
Cultura Capixaba.pptx
Cultura Capixaba.pptxCultura Capixaba.pptx
Cultura Capixaba.pptx
RodolfoKinupps1
 
Património Cultural Português -Festa das Cruzes- Artur Filipe dos Santos.pdf
Património Cultural Português -Festa das Cruzes-  Artur Filipe dos Santos.pdfPatrimónio Cultural Português -Festa das Cruzes-  Artur Filipe dos Santos.pdf
Património Cultural Português -Festa das Cruzes- Artur Filipe dos Santos.pdf
Artur Filipe dos Santos
 
Inf historia 10
Inf historia 10Inf historia 10
Inf historia 10
Izaac Erder
 
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptxA Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
Artur Filipe dos Santos
 
Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...
Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...
Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptxA Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
Artur Filipe dos Santos
 
A Ordem de Santiago em Portugal - Artur Filipe dos Santo - património Cultural
A Ordem de Santiago em Portugal - Artur Filipe dos Santo - património CulturalA Ordem de Santiago em Portugal - Artur Filipe dos Santo - património Cultural
A Ordem de Santiago em Portugal - Artur Filipe dos Santo - património Cultural
Artur Filipe dos Santos
 
Património cultural: o Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universid...
Património cultural: o Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universid...Património cultural: o Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universid...
Património cultural: o Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universid...
Artur Filipe dos Santos
 
MAPA ENVIAR.pptx
MAPA ENVIAR.pptxMAPA ENVIAR.pptx
MAPA ENVIAR.pptx
AlineLima384979
 
MAPA ENVIAR.pptx
MAPA ENVIAR.pptxMAPA ENVIAR.pptx
MAPA ENVIAR.pptx
AlineLima384979
 
Cartilha: História missioneira de São Borja: métodos para o ensino do patrimô...
Cartilha: História missioneira de São Borja: métodos para o ensino do patrimô...Cartilha: História missioneira de São Borja: métodos para o ensino do patrimô...
Cartilha: História missioneira de São Borja: métodos para o ensino do patrimô...
Muriel Pinto
 
Cultura Rodeense
Cultura RodeenseCultura Rodeense
Cultura Rodeense
profedalila
 
Cultura Italiana Rodeense
Cultura Italiana RodeenseCultura Italiana Rodeense
Cultura Italiana Rodeense
Fábio Busnardo
 
Agenda CAC outubro 2015
Agenda CAC outubro 2015Agenda CAC outubro 2015
Agenda CAC outubro 2015
thoughtjungle
 

Semelhante a Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisboa- Artur Filipe dos Santos (20)

1706
17061706
1706
 
turismo religioso
 turismo religioso turismo religioso
turismo religioso
 
Património cultural o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...
Património cultural   o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...Património cultural   o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...
Património cultural o caminho de santiago aula 4 - o caminho português - ar...
 
Património cultural o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
Património cultural   o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...Património cultural   o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
Património cultural o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
 
Origem da festa junina
Origem da festa juninaOrigem da festa junina
Origem da festa junina
 
Atividade 1
Atividade 1Atividade 1
Atividade 1
 
Cultura Capixaba.pptx
Cultura Capixaba.pptxCultura Capixaba.pptx
Cultura Capixaba.pptx
 
Património Cultural Português -Festa das Cruzes- Artur Filipe dos Santos.pdf
Património Cultural Português -Festa das Cruzes-  Artur Filipe dos Santos.pdfPatrimónio Cultural Português -Festa das Cruzes-  Artur Filipe dos Santos.pdf
Património Cultural Português -Festa das Cruzes- Artur Filipe dos Santos.pdf
 
Inf historia 10
Inf historia 10Inf historia 10
Inf historia 10
 
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptxA Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
 
Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...
Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...
Património Cultural - O caminho de Santiago - aula 4 - O caminho Português - ...
 
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptxA Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
 
A Ordem de Santiago em Portugal - Artur Filipe dos Santo - património Cultural
A Ordem de Santiago em Portugal - Artur Filipe dos Santo - património CulturalA Ordem de Santiago em Portugal - Artur Filipe dos Santo - património Cultural
A Ordem de Santiago em Portugal - Artur Filipe dos Santo - património Cultural
 
Património cultural: o Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universid...
Património cultural: o Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universid...Património cultural: o Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universid...
Património cultural: o Cante Alentejano - Artur Filipe dos Santos - universid...
 
MAPA ENVIAR.pptx
MAPA ENVIAR.pptxMAPA ENVIAR.pptx
MAPA ENVIAR.pptx
 
MAPA ENVIAR.pptx
MAPA ENVIAR.pptxMAPA ENVIAR.pptx
MAPA ENVIAR.pptx
 
Cartilha: História missioneira de São Borja: métodos para o ensino do patrimô...
Cartilha: História missioneira de São Borja: métodos para o ensino do patrimô...Cartilha: História missioneira de São Borja: métodos para o ensino do patrimô...
Cartilha: História missioneira de São Borja: métodos para o ensino do patrimô...
 
Cultura Rodeense
Cultura RodeenseCultura Rodeense
Cultura Rodeense
 
Cultura Italiana Rodeense
Cultura Italiana RodeenseCultura Italiana Rodeense
Cultura Italiana Rodeense
 
Agenda CAC outubro 2015
Agenda CAC outubro 2015Agenda CAC outubro 2015
Agenda CAC outubro 2015
 

Mais de Artur Filipe dos Santos

Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol - Como funci...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol  - Como funci...Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol  - Como funci...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol - Como funci...
Artur Filipe dos Santos
 
Ciências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetos
Ciências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetosCiências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetos
Ciências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetos
Artur Filipe dos Santos
 
Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...
Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...
Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...
Artur Filipe dos Santos
 
ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...
ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...
ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...
Artur Filipe dos Santos
 
Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros - o fim dos dinossa...
Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros -  o fim dos dinossa...Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros -  o fim dos dinossa...
Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros - o fim dos dinossa...
Artur Filipe dos Santos
 
Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -
Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -
Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -
Artur Filipe dos Santos
 
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...
Artur Filipe dos Santos
 
ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra - Fo...
ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra  - Fo...ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra  - Fo...
ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra - Fo...
Artur Filipe dos Santos
 
Ciências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossauros
Ciências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossaurosCiências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossauros
Ciências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossauros
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdfArtur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos
 
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptxA Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
Artur Filipe dos Santos
 
À descoberta do património dos Alpes Orientais1
À descoberta do património dos Alpes Orientais1À descoberta do património dos Alpes Orientais1
À descoberta do património dos Alpes Orientais1
Artur Filipe dos Santos
 
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdfOs mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdfArtur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...
Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...
Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...
Artur Filipe dos Santos
 
Património Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdf
Património Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdfPatrimónio Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdf
Património Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdf
Artur Filipe dos Santos
 

Mais de Artur Filipe dos Santos (20)

Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol - Como funci...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol  - Como funci...Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol  - Como funci...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol - Como funci...
 
Ciências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetos
Ciências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetosCiências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetos
Ciências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetos
 
Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...
Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...
Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...
 
ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...
ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...
ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...
 
Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros - o fim dos dinossa...
Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros -  o fim dos dinossa...Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros -  o fim dos dinossa...
Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros - o fim dos dinossa...
 
Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -
Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -
Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -
 
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...
 
ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra - Fo...
ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra  - Fo...ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra  - Fo...
ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra - Fo...
 
Ciências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossauros
Ciências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossaurosCiências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossauros
Ciências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossauros
 
Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdfArtur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
 
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptxA Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
 
À descoberta do património dos Alpes Orientais1
À descoberta do património dos Alpes Orientais1À descoberta do património dos Alpes Orientais1
À descoberta do património dos Alpes Orientais1
 
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdfOs mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdfArtur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...
 
Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
 
Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...
Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...
Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...
 
Património Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdf
Património Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdfPatrimónio Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdf
Património Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdf
 

Último

Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 

Último (20)

Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 

Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisboa- Artur Filipe dos Santos

  • 1. Origem das Festas de Santo António de Lisboa www.usc.pt Cadeira de PATRIMÓNIO CULTURAL PORTUGUÊS Artur Filipe dos Santos
  • 2. • Artur Filipe dos Santos • Doutorado em Comunicação, Publicidade, Relações Públicas e Protocolo pela Faculdade de Ciências Sociais e da Comunicação da Universidade de Vigo, é atualmente professor adjunto no ISLA Instituto Politécnico de Gestão e Tecnologia, coordenador da licenciatura de Comunicação e Tecnologia Digital e do CTesP de Comunicação Digital, e docente na Universidade Lusófona do Porto. Atua como docente e investigador nas área(s de Ciências Sociais com ênfase em Ciências da Comunicação, Comunicação e Divulgação do Património. Perito em Protocolo (de Estado, Universitário, Multicultural e Empresarial) é membro da Associação Portuguesa de Estudos de Protocolo (APOREP), membro da Sociedad de Estudios Institucionales, UNED, Espanha, investigador e membro da Direção do Observatório Iberoamericano de Investigação e Desenvolvimento em Comunicação (OIDECOM-Iberoamérica), Espanha, membro do Centro de Investigação em Comunicação (ICOM-X1) da Universidade de Vigo, Espanha, membro da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação (SOPCOM). É membro do ICOMOS (INTERNATIONAL COUNCIL OF MONUMENTS AND SITES), organismo pertencente à UNESCO, responsável pela avaliação das candidaturas dos bens culturais universais a Património Mundial. É, atualmente, um dos maiores divulgadores dos Caminhos Portugueses a Santiago de Compostela. Como músico dedica-se ao estudo e interpretação da Gaita-de-Fole na Escola de Gaiteiros da Ponte Velha, em Santo Tirso. 2 Artur Filipe dos Santos – artursantos.com.pt@gmail.com •https://omeucaminhodesantiago.wordpress.com/ (Blogue) •https://politicsandflags.wordpress.com/about/ (Blogue) •https://arturfilipesantos.wixsite.com/arturfilipesantos (Académico) •https://comunicacionpatrimoniomundial.blogia.com/ (Académico) •Email: artursantos.com.pt@gmail.com
  • 3. A Universidade Sénior Contemporânea Web: www.usc.pt Email: usc@usc.pt Edições online: www.edicoesuscontemporanea.webnode.com • A Universidade Sénior Contemporânea é uma instituição vocacionada para a ocupação de tempos livres dos indivíduos que se sintam motivados para a aprendizagem constante de diversas matérias teóricas e práticas, adquirindo conhecimentos em múltiplas áreas, como línguas, ciências sociais, saúde, informática, internet, dança, teatro, entre outras, tendo ainda a oportunidade de participação em actividades como o Grupo de Teatro, Coro da USC, USC Web TV, conferências, colóquios, visitas de estudo. Desenvolve manuais didáticos das próprias cadeiras lecionadas(23), acessíveis a seniores, estudantes e profissionais através de livraria online. 3 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.pt
  • 4. 4 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • As Festas de Santo António de Lisboa e as Marchas Populares têm raízes históricas e culturais profundas na cidade de Lisboa.
  • 5. 5 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Como terá surgido esta festa tão popular? E quando começaram a sair para a rua as marchas?
  • 6. 6 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • A título de introdução refira-se que As festas dos santos populares, como São João, São António e São Pedro, têm suas origens em tradições católicas e culturais que remontam a séculos atrás.
  • 7. 7 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Cada uma dessas festas tem suas próprias raízes históricas e lendárias, mas todas são celebradas de maneira semelhante, com festividades animadas, envoltas em cores e uma gastronomia típica de grande valor cultural.
  • 8. 8 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • São António é celebrado em 13 de junho e é especialmente popular em Lisboa. São António é um santo muito querido em Portugal, conhecido como o santo casamenteiro e o padroeiro dos pobres.
  • 9. 9 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Fica a curiosidade de sublinhar que Santo António tanto pode ser representado com o menino ao colo do lado direito como do lado esquerdo.
  • 10. 10 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Segundo a tradição, quando o santo tem o menino jesus do lado direito está representado como casamenteiro e quanto tem o menino do lado esquerdo como milagreiro (ou identificado como padroeiro dos comerciantes e ladrões).
  • 11. 11 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Refira-se ainda que a simbologia de Santo António como menino jesus ao colo remete para a enorme devoção do Santo de Lisboa (e de Pádua) à Nossa Senhora.
  • 12. 12 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Diz a tradição que Nossa Senhora lhe apareceu oferecendo- lhe o menino. Dizem também que o menino esticou os seus braços e entrelaçou-os ao redor do pescoço do frade, arrebatando o seu coração.
  • 13. 13
  • 14. 14 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • A festa de São António tem as suas origens nas tradições católicas, mas também está associada a elementos folclóricos e populares.
  • 15. 15 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Lisboeta, contudo pouco conhecido na cidade que o viu nascer, terá sido só depois da sua morte que o seu culto começou a arrecadar crentes em Portugal. Para isso terá contribuído e muito o estabelecimento e desenvolvimento da Ordem de São Francisco no reino, com o apoio de certos quadrantes da nobreza.
  • 16. 16 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Existem referências que aludem ao facto de D. Sancho II (O Capelo, ou Piedoso), no séc. XIII, terá pedido ser sepultado com um hábito semelhante ao de Santo António.
  • 17. 17 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Historiadores afiançam que é no tempo de D. João I que a devoção a Santo António se terá consolidado em Lisboa e um pouco pelo país, após o regresso do Infante D. Pedro ao reino depois de uma viagem a Pádua, trazendo consigo uma relíquia - uma parte do crânio – do santo.
  • 18. 18 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Durante as festividades, há procissões, casamentos simbólicos, marchas populares, danças tradicionais e muita comida típica, como o tradicional manjerico (um vaso com manjericão) que é oferecido como presente durante a festa.
  • 19. 19 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • São João é celebrado em 24 de junho e é especialmente popular no norte de Portugal, principalmente na cidade do Porto. Acredita-se que essa festa tenha sido influenciada por antigos rituais pagãos que celebravam a chegada do solstício de verão, marcando o dia mais longo do ano.
  • 20. 20 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Com o passar do tempo, essas celebrações foram assimiladas pela Igreja Católica e passaram a homenagear São João Batista, considerado o padroeiro da festa.
  • 21. 21 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Durante as festividades, as ruas são decoradas com balões, lanternas e guirlandas, e as pessoas dançam, cantam, acendem fogueiras e soltam fogos de artifício.
  • 22. 22
  • 23. 23 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • S. Pedro é o último dos Santos Populares e não menos importante. • Pedra da Igreja Cristã universal e considerado primeiro Papa, é celebrado em 29 de junho e é comemorado em várias regiões de Portugal, com destaque para as cidades costeiras.
  • 24. 24 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • São Pedro é considerado o padroeiro dos pescadores e marinheiros, e a festa é marcada por procissões religiosas, bênçãos de barcos e outros eventos relacionados ao mar.
  • 25. 25 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • As celebrações de São Pedro incluem atividades náuticas, competições de pesca, desfiles e festivais de comida, onde peixes e frutos do mar são preparados e compartilhados entre os participantes.
  • 26. 26 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Aprofundando as origens das festas de Santo António de Lisboa e das Marchas Populares.
  • 27. 27 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Quem foi Santo António? • Santo António, também conhecido como Santo António de Lisboa e Santo António de Pádua, foi um frade franciscano, teólogo e pregador famoso que viveu nos séculos XII e XIII. Nasceu em Lisboa, Portugal, em 1195, com o nome de Fernando Martins de Bulhões, no seio de uma família da baixa nobreza mas com raízes na poderosa família bolonhesa de Bulhon, de Godofredo de Bulhão, primeiro rei católico de Jerusalém..
  • 28. 28 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Após ingressar na Ordem dos Cônegos Regulares de Santo Agostinho, Fernando foi ordenado sacerdote e lecionou teologia em Coimbra, onde também iniciou seu trabalho missionário.
  • 29. 29 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • No entanto, ao ouvir sobre o martírio de cinco franciscanos em Marrocos, decidiu entrar para a Ordem Franciscana e seguir uma vida de pobreza e serviço aos pobres.
  • 30. 30 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Fernando mudou o seu nome para António em homenagem a Santo Antão (também conhecido como Santo Antão do Egito, Santo Antão, o Grande, Santo Antão, o Eremita, Santo Antão, o Anacoreta, ou ainda O Pai de Todos os Monges), um dos primeiros eremitas do Cristianismo e cujo nome em latim era Antonius.
  • 31. 31 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • António viajou para Marrocos, mas devido a problemas de saúde, teve que retornar a Portugal. Durante uma viagem de volta, o seu navio foi desviado pela tempestade, naufragando na costa Italiana, estabelecendo- se em Pádua. Basílica de S. António, Pádua
  • 32. 32 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Foi em Pádua que Santo António alcançou grande renome como pregador e taumaturgo (realizador de milagres). As suas pregações eram conhecidas pela sua eloquência e sabedoria, atraindo multidões de pessoas que vinham ouvi- lo falar sobre a fé cristã e a mensagem do Evangelho.
  • 33. 33 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • A fama de Santo António espalhou-se por toda a Europa, tendo sido canonizado apenas um ano após sua morte, em 1232, pelo Papa Gregório IX. Foi, mais tarde, proclamado Doutor da Igreja, em reconhecimento à sua profunda compreensão teológica.
  • 34. 34 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Santo António é conhecido como o santo casamenteiro, devido a uma lenda que diz que o Santo ajudou uma jovem a encontrar um marido adequado. É também é considerado o padroeiro dos namorados, dos pobres, dos oprimidos, dos viajantes, dos pescadores, comerciantes e ladrões.
  • 35. 35 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Tem ainda sob sua “jurisdição” os barqueiros os marinheiros os náufragos do mundo, os velhos, as solteiras, as grávidas e as estéreis.
  • 36. 36 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • As relíquias de Santo António permanecem em Pádua, onde a Basílica de Santo António se tornou um importante local de peregrinação. Além disso, em Lisboa, Portugal, onde ele nasceu, a Igreja de Santo António é um local popular de visitação e devoção.
  • 37. 37 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • A imagem de Santo António e os seus símbolos
  • 38. 38 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • 1). O hábito Na imagem de Santo António • o hábito representa sua pertença à Ordem Franciscana. O hábito é um símbolo de consagração a Deus e de humildade. No século XV, algumas representações mostram o santo com um hábito cinza, simbolizando os mendicantes ou penitentes. O hábito castanho simboliza a certeza da sua fé em Jesus Cristo e a sua morte para a vida mundana.
  • 39. 39 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • 2. O Livro nas mãos de Santo António • Na imagem de Santo António, o livro é o símbolo mais antigo. Representa o Evangelho, a sabedoria do Santo e o facto de ele ser Doutor da Igreja. Representa, também, o pregador extraordinário que congregava multidões para o ouvir.
  • 40. 40 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Em atenção aos seus conhecimentos e sabedoria bíblica, o Papa Gregório IX chamava-o "Arca do Testamento".
  • 41. 41 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • As pessoas convertiam- se e os inimigos reconciliavam-se ao ouvi-lo pregar. E, quando não quiseram ouvi-lo, ele foi pregar aos peixes. •
  • 42. 42 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • 3. O Menino Jesus com Santo António • O menino Jesus representa a intimidade de Santo António com Cristo. É mostrado de três modos diferentes:
  • 43. 43 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • a). Sobre o livro. • O Menino em cima da Bíblia significa que Santo António anunciava Jesus Cristo, o Verbo encarnado, com numerosas citações do Evangelho.
  • 44. 44 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • b). Ao colo de Santo António • Representa a extraordinária intimidade do santo com Jesus. Em algumas representações o menino acaricia-lhe o rosto. O caráter sublime da pregação de santo António vem da sua intimidade com Jesus na oração profunda e na Eucaristia. Daí vinha toda a sabedoria e os dons que se manifestavam em Santo António.
  • 45. 45 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • c). Mostrado ao santo pela Virgem Maria • Revela a devoção de Santo António para com a virgem Maria. Nesta representação, Santo António aparece em estado de profunda adoração a Jesus.
  • 46. 46 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o 3. O lírio de Santo António • O lírio na imagem de Santo António representa sua castidade e pureza de coração. Simboliza também a estação do ano na qual o santo morreu, o verão no hemisfério norte.
  • 47. 47 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • d). A tonsura de Santo António • O cabelo raspado no centro da cabeça chama-se tonsura e representa o voto de castidade de santo António. A tonsura era uma cerimónia religiosa, na qual o bispo raspava o cabelo de quem era ordenado diácono, o primeiro grau do Sacramento da Ordem (os outros dois são presbítero e bispo).
  • 48. 48 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • A tonsura tinha também o significado de renúncia às vaidades e ser como Jesus Cristo, que foi coroado como rei que se oferece ao serviço de todos.
  • 49. 49 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • e). O Pão de Santo António • O pão na imagem de Santo António também é comum. Representa um dos seus vários milagres feitos em vida. Em algumas obras vimos o santo a distribuir o "pão dos pobres".
  • 50. 50 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Contudo, esta é uma representação mais recente, apenas do século XIX, Surgindo durante uma época de muita fome em certas regiões da Europa, como a Itália ou a Irlanda.
  • 51. 51 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • f). O Terço de Santo António • O Terço na imagem de Santo António representa a sua entrega e devoção à Mãe de Deus. Santo António começou por ser representado com o Terço à cintura, no século xvi, para mostrar que ele era homem de oração. O terço também fazia parte do hábito franciscano.
  • 52. 52 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • 8. O cordão de Santo António • O cordão faz parte do hábito franciscano. É um cinto de corda que contém três nós, que representam os votos perpétuos de castidade, pobreza e obediência.
  • 53. 53 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Já as festas, em concreto, remonta ao século XIV, quando algumas das relíquias de Santo António foram trazidas de Pádua, na Itália, para a Sé de Lisboa. Ao longo dos séculos várias relíquias foram sendo oferecidas ora pela Igreja, ora por monarcas.
  • 54. 54 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • A cidade de Lisboa passou a celebrar o seu santo padroeiro com festividades religiosas, incluindo procissões, missas e outros eventos de caráter mais popular, como as marchas populares.
  • 55. 55 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Com o tempo, a celebração religiosa foi acompanhada por elementos culturais e populares, como arraiais (festas populares em locais públicos), casamentos de Santo António (casais populares que se casam simbolicamente durante as festas) e os famosos manjericos enfeitados com quadras populares.
  • 56. 56 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • A origem das Marchas Populares remonta à década de 1930, quando a Câmara Municipal de Lisboa decidiu organizar um concurso de marchas para animar as festividades de Santo António, numa altura em que o feriado municipal da cidade já se celebrava a 13 de junho, dia do Santo.
  • 57. 57 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • O objetivo era promover a identidade e o tipicismo dos bairros e a participação da população nas celebrações.
  • 58. 58 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • As marchas são compostas por grupos de marchantes que desfilam vestidos a rigor, com trajes temáticos que refletem a história e cultura dos bairros que representam.
  • 59. 59 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Cada marcha é acompanhada por música e coreografias elaboradas, sendo que a competição pela melhor marcha é um dos pontos altos das festividades, e muitas vezes não isenta de polémica.
  • 60. 60 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • As Marchas Populares tornaram-se uma tradição enraizada em Lisboa, representando não apenas um evento festivo, mas também uma forma de preservar a identidade e o espírito comunitário dos bairros da cidade. •
  • 61. 61
  • 62. 62
  • 63. 63
  • 64. 64
  • 65. 65 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • As cerimónias religiosas das Festas de Santo António • Trezena a Santo António • Uma série de orações em louvor do santo que antecipam a festa em seu nome e que começam 13 dias antes. São realizadas ainda hoje, na Igreja de Santo António.
  • 66. 66 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Te-Deum • Mandado rezar pela Câmara Municipal de Lisboa na tarde de 12 de junho, compareciam na cerimónia todos os vereadores em traje de gala. Já não se realiza. Te Deum” na Igreja de Santo António em Lisboa – RTP Arquivos
  • 67. 67 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Missa pontifical • A missa era celebrada na manhã de 13 de junho, na Sé de Lisboa.
  • 68. 68 O r i g e m d a s f e s t a s d e S a n t o A n t ó n i o • Procissão de Santo António • A procissão acontecia na tarde de 13 de junho e era, depois da Procissão do Corpo de Deus (a 15 de junho), a maior da cidade. Esta partia da Igreja do Convento de São Francisco da Cidade, nas Janelas Verdes, e seguia pela Baixa em direção à Igreja de Santo António. Desde o 25 de abril que já não se realiza.
  • 69. Artur Filipe dos Santos – Blogues e Redes Sociais www.arturfilipesantos.wix.com/arturfilipesantos https://www.facebook.com/arturfilipe.santos https://twitter.com/arturfilipesant https://politicsandflags.wordpress.com https://omeucaminhodesantiago.wordpress.com http://comunicacionpatrimoniomundial.blogia.com https://pt.linkedin.com/pub/artur-filipe-dos-santos/1a/aa9/b09 http://pt.slideshare.net/arturfilipesantos http://www.doyoubuzz.com/artur-filipe-dos-santos http://orcid.org/0000-0002-5635-0531 http://uvigo.academia.edu/ArturFilipedosSantos https://www.draft-worldmagazine.com/profile/artur-filipe-dos- santos-608a8f1e1d68e HASHTAGS: #arturfilipedossantos; #patrimoniomundial; #historiadoporto; #patrimoniocultural, #caminodesantiago; #patrimoniodahumanidade; #uscontemporanea; #vexilologia; #protocolo; #cerimonial Página Pessoal Facebook Twitter Wordpress Wordpress Blogia Linkedin Slideshare Doyobuzz ORCID Academia.edu Draft World Magazine
  • 70. 70 Grato pela sua atenção Artur Filipe dos Santos artur.filipe@uvigo.es www.arturfilipesantos.wix.com/arturfilipesantos