SlideShare uma empresa Scribd logo
Artur Filipe dos Santos-artur.filipe@uvigo.es
http://arturfilipesantos.wixsite.com/arturfilipesantos
Professor Doutor
Artur Filipe dos Santos
Cadeira de
PATRIMÓNIO CULTURAL PORTUGUÊS
Festa das Cruzes de Barcelos
A primeira Romaria do Minho
www.usc.pt
A Universidade Sénior
Contemporânea
Web: www.usc.pt
Email: usc@usc.pt
Edições online: www.edicoesuscontemporanea.webnode.com
• A Universidade Sénior Contemporânea é uma instituição vocacionada
para a ocupação de tempos livres dos indivíduos que se sintam motivados
para a aprendizagem constante de diversas matérias teóricas e práticas,
adquirindo conhecimentos em múltiplas áreas, como línguas, ciências
sociais, saúde, informática, internet, dança, teatro, entre outras, tendo
ainda a oportunidade de participação em actividades como o Grupo de
Teatro, Coro da USC, USC Web TV, conferências, colóquios, visitas de
estudo. Desenvolve manuais didáticos das próprias cadeiras
lecionadas(23), acessíveis a seniores, estudantes e profissionais através
de livraria online.
2
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.pt
3
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• É a primeira romaria do
ano no Minho. A Festa
das Cruzes, em
Barcelos, é uma
celebração com mais de
300 anos, que une
religiosidade e profano
em torno da Igreja do
Bom Jesus da Cruz.
4
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• Entre um e três de maio
a “cidade do Galo”
enche-se para
comemorar a primeira
grande romaria do ano,
a Festa das Cruzes,
cujas tradições
remontam ao séc. XVI, à
lenda de João Pires, o
sapateiro.
5
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• A lenda do Bom Jesus
da Cruz de Barcelos.
• Como em qualquer boa
lenda existe mais do
que uma versão. A mais
simples é a seguinte:
6
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• Rezam as crónicas que, em 1504, o sapateiro João
Pires, regressado da missa, terá avistado na terra
batida, em pleno Campo da Feira, uma cruz de cor
negra.
7
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• O que considerou ser um
sinal divino, depressa o
milagre ganhou
contornos populares,
nascendo despertando
desta forma a evocação
ao “Senhor da Cruz”,
materializada na
construção do Templo do
Bom Jesus da Cruz,
atualmente epicentro da
Festa das Cruzes.
8
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• A segunda versão, mais
romântica e complexa,
introduz dois
personagens à história:
Luizinha e o fidalgo
Pedro Martins.
9
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• A lenda narra que, no
início da centúria XV da
nossa era, viviam em
Barcelos duas figuras
completamente
antagónicas:
10
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• João Pires, o referido
artesão dos sapatos e
um fidalgo, de seu
nome Pedro Martins.
Não morriam de
amores um pelo outro,
mas Pedro Martins
suspirava por Luizinha,
filha do mestre
sapateiro.
11
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• Por não ser
correspondido por
Luizinha, não raras
vezes o fidalgo
perseguia e injuriava a
jovem.
12
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• Numa dessas ocasiões,
João Pires presenciou
tamanho desrespeito,
esbofeteando D. Pedro
na esperança que este
deixasse de importunar
a sua filha.
13
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• A notícia espalhou-se e
o nobre passou a ser
alvo da risada alheia,
pois as marcas das
bofetadas teimavam em
não desaparecer.
Despeitado, engendrou
pesada vingança contra
o velho sapateiro.
14
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• A história ganha novo
contorno quando
Luizinha encontra, junto
à praia de Esposende,
um estranho pedaço de
madeira que seria
proveniente de um
navio que, vindo da
Flandres, terá
naufragado ali perto.
15
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• Estranhamente, o
madeiro exalava um
perfume e um calor
sobrenaturais. A
rapariga terá levado o
pedaço para casa e
mostrado ao pai, que
não fez caso, atirando o
toro para a lareira.
16
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• De repente, a habitação
encheu-se de luz e no
chão da casa apareceu,
desenhada, uma cruz
luminescente.
Campo da Feira
17
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• O milagre espalhou-se
rapidamente, mas não
por bons motivos.
Esperando a
oportunidade certa para
se vingar do sapateiro e
da sua prole, D. Pedro
acusou-os de bruxaria,
instigando a população
para que fossem
queimados na fogueira.
18
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• E como quem conta um
conto aumenta um
ponto, muitas versões
divergem, sendo que a
mais “romântica” refere
que os dois foram
arrastados para o
campo da Feira a
mando do fidalgo.
19
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• Subitamente, a estranha
cruz terá novamente
surgido, desta feita na
terra batida do recinto
feiral para espanto de
todos e temor de D.
Pedro. Talvez com medo
da ira de Deus, o nobre
pediu perdão e jurou
nunca mais importunar
Luizinha e o seu pai.
20
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• Perante tais promessas,
as marcas das bofetadas
desapareceram e todos
continuaram a sua vida.
Passos do Concelho
21
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• E como uma boa lenda tem
sempre um fundo de verdade,
ainda hoje podemos
contemplar a bela igreja do
Bom Jesus da Cruz, ali junto ao
campo da feira, de evocação
ao milagre da Cruz luminosa
(outros relatos falam de uma
cruz negra), cuja construção
inicial viria a ser substituída
pelo atual templo, um projeto
do virtuoso arquiteto barroco,
João Antunes, de Lisboa,
inaugurado em 1710.
22
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• No século XIX, as
festas tinham um cariz
vincadamente religioso.
Centenas de romeiros
das freguesias rurais
de Barcelos, de todo o
país e da vizinha Galiza,
cantavam e dançavam,
alguns descalços com
a “condessa” à cabeça,
onde transportavam o
farnel.
23
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• No século XX, a
componente religiosa
mesclou-se com
elementos
remanescentes de cariz
profano visíveis nos
carrosséis, barraquinhas
de comes e bebes, nas
corridas de cavalos, nos
cortejos etnográficos, no
fogo de artifício no rio
Cávado, nos cantares ao
desafio nas ruas da
cidade.
24
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• Nos dias que leva a Festa
das Cruzes vale a pena
contemplar de forma
demorada os
impressionantes tapetes
de flores que cobrem o
chão dos altares daquele
que é um dos mais
importantes depositários
da religiosidade minhota.
25
Tapete de flores “Barcelos, o Eixo do Caminho Português”, realizado pela Associação
dos Alfombristas do Corpus Christi de Ponteares, no largo Dr. D. José Novais, junto ao
posto de turismo e torre medieval/centro Interpretativo do Figurado de Barcelos.
26
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• Hoje em dia, a Festa
das Cruzes é um
ponto de romagem de
visitantes nacionais e
internacionais.
Barcelos ganha ainda
mais vida com a
romaria e os seus
arcos.
27
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• Uma tradição bem
enraizada no imaginário
minhoto em que fazem
parte outras
manifestações como as
Alvoradas Gaiteiras, as
arruadas dos Zés-
Pereiras, a feira, o
artesanato, a procissão,
os tapetes de pétalas de
flores naturais no interior
da igreja, as atuações de
grupos folclóricos e
bandas filarmónicas.
28
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• A tradicional batalha
das flores, as bandas
de música e os Zés-
Pereiras refletem o
pulsar da cultura e
das tradições
barcelenses.
29
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• Os Arcos de Romaria,
os Tapetes de
Pétalas Naturais e a
Procissão da
Invenção da Santa
Cruz são os pontos
cimeiros da Festa das
Cruzes. Barcelos em
festa, dia e noite,
durante uma semana.
30
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• A Igreja do Senhor Bom
Jesus da Cruz
• Também designada por
Igreja do Senhor da Cruz
ou Igreja das Cruzes,
localiza-se na freguesia de
Barcelos, Vila Boa e Vila
Frescainha (São Martinho
e São Pedro), cidade e
município de Barcelos,
distrito de Braga.
31
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• Constitui um dos mais
notáveis exemplares de
arquitetura barroca de
influência italiana no
país. Encontra-se
classificada como
Imóvel de Interesse
Público desde 1958.
32
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• História
• A sua origem está ligada
ao chamado "Milagre
da Cruz", prodígio
religioso ocorrido em 20
de dezembro de 1504,
ligado ao surgimento de
uma cruz negra no
carvalhal do "Campo da
Feira".
33
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• Com o intuito de
proteger essa cruz, foi
erguido um pequeno
templo de planta
quadrada, coberto por
uma abóbada e aberto
por quatro arcos.
34
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• Em data incerta, os
arcos foram fechados e
ao seu redor erguida
uma arcaria coberta
com telhado.
35
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• Em 1698 o arcebispo de
Braga, D. João de Sousa
organizou um pequeno
concurso para a traça de
uma nova igreja que
substituiria a construção
quinhentista. Em 1701
apresentam trabalhos o
arquiteto lisboeta João
Antunes (duas plantas], e
o arquiteto nortenho
Manuel Fernandes da
Silva (três plantas).
36
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• Todos os projetos
previam uma igreja de
planta centralizada, o
que corresponde a uma
tradição pré-medieval
ainda em vigor de
assinalar lugares
especiais ou sagrados
com ermidas de planta
deste tipo.
37
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• Foi escolhida uma das
propostas de João
Antunes (ver obras
deste arquiteto) e a
construção iniciou-se
em 1705, tendo sido
aberta ao culto em
1710.
38
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• Características
• É um templo em estilo
barroco, com planta centrada
em cruz grega recoberto por
cúpula. Internamente
apresenta paredes revestidas
com painéis de azulejos azuis e
brancos, com cenas da Via
Sacra e motivos vegetais (da
autoria de João Neto, de
Lisboa), e talha dourada
(essencialmente da autoria do
escultor e entalhador
barcelense Miguel Coelho).
39
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• Nele se destaca ainda a
imagem do padroeiro, o
Senhor Bom Jesus da
Cruz, uma escultura
quase em tamanho
natural em madeira de
carvalho, exemplar de
arte flamenga do início
do século XVI. Apenas o
rosto e as mãos da
imagem estão pintados.
40
F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s
• De destacar uma
imagem de grande
veneração para os
peregrinos de Santiago
que passam pela
“Cidade do Galo” no
Caminho Português
Central, a da Virgem
Peregrina, oferecida
pela paróquia de
Pontevedra.
• Bibliografia
• AltoMinho
• a flor do monte [PDF] | Documents
Community Sharing (xdocz.com.br)
• Instrumentos Musicais Populares Portugueses
(uminho.pt)
https://restosdecoleccao.blogspot.com/2011/
09/farois-portugueses-5.html
41
´ P a t r i m ó n i o d o s F a r ó i s P o r t u g u e s e s
Artur Filipe dos Santos – Blogues e Redes Sociais
www.arturfilipesantos.wix.com/arturfilipesantos
https://www.facebook.com/arturfilipe.santos
https://twitter.com/arturfilipesant
https://politicsandflags.wordpress.com
https://omeucaminhodesantiago.wordpress.com
http://comunicacionpatrimoniomundial.blogia.com
https://pt.linkedin.com/pub/artur-filipe-dos-santos/1a/aa9/b09
http://pt.slideshare.net/arturfilipesantos
http://www.doyoubuzz.com/artur-filipe-dos-santos
http://orcid.org/0000-0002-5635-0531
http://uvigo.academia.edu/ArturFilipedosSantos
https://www.draft-worldmagazine.com/profile/artur-filipe-dos-
santos-608a8f1e1d68e
HASHTAGS: #arturfilipedossantos; #patrimoniomundial; #historiadoporto; #patrimoniocultural, #caminodesantiago;
#patrimoniodahumanidade; #uscontemporanea; #vexilologia; #protocolo; #cerimonial
Página Pessoal
Facebook
Twitter
Wordpress
Wordpress
Blogia
Linkedin
Slideshare
Doyobuzz
ORCID
Academia.edu
Draft World Magazine
43
Grato pela
sua atenção
Artur Filipe dos Santos
artur.filipe@uvigo.es
www.arturfilipesantos.wix.com/arturfilipesantos

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Património Cultural Português -Festa das Cruzes- Artur Filipe dos Santos.pdf

História do porto zimbório do senhor do padrão
História do porto   zimbório do senhor do padrãoHistória do porto   zimbório do senhor do padrão
História do porto zimbório do senhor do padrão
Artur Filipe dos Santos
 
A festa das cruzes
A festa das cruzesA festa das cruzes
A festa das cruzes
creixomil
 
Idademdi Aok
Idademdi AokIdademdi Aok
Cabo Frio pontos turisticos
Cabo Frio pontos turisticosCabo Frio pontos turisticos
Cabo Frio pontos turisticos
E. M. Prof Márcia Francesconi Pereira
 
Igreja do terço 12-04-2013
Igreja do terço   12-04-2013Igreja do terço   12-04-2013
Igreja do terço 12-04-2013
Joaquim Vinhas
 
Memórias e tradições
Memórias e tradiçõesMemórias e tradições
Memórias e tradições
8Egrupo3
 
Santa teresa rj
Santa teresa rjSanta teresa rj
Santa teresa rj
Ariana Martins
 
006 cidade do porto roteiro 3ª parte
006 cidade do porto roteiro 3ª parte006 cidade do porto roteiro 3ª parte
006 cidade do porto roteiro 3ª parte
venture-spain
 
Cabo frio 400 anos atividade do curso
Cabo frio 400 anos atividade do cursoCabo frio 400 anos atividade do curso
Cabo frio 400 anos atividade do curso
elaine myrtes
 
Santa Teresa
Santa TeresaSanta Teresa
Santa Teresa
Santa TeresaSanta Teresa
Santa Teresa
sgomescarneiro
 
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - os lugares da forca- História do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos - os lugares da forca- História do Porto.pdfArtur Filipe dos Santos - os lugares da forca- História do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos - os lugares da forca- História do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos
 
Pirabeiraba 150 anos
Pirabeiraba 150 anosPirabeiraba 150 anos
Pirabeiraba 150 anos
FERNANDO HINSCHING
 
Festas do Povo de Campo Maior - Artur Filipe dos Santos - Património Cultural
Festas do Povo de Campo Maior - Artur Filipe dos Santos - Património CulturalFestas do Povo de Campo Maior - Artur Filipe dos Santos - Património Cultural
Festas do Povo de Campo Maior - Artur Filipe dos Santos - Património Cultural
Artur Filipe dos Santos
 
O Barroco no Brasil, Parte 1
O Barroco no Brasil,  Parte 1O Barroco no Brasil,  Parte 1
O Barroco no Brasil, Parte 1
Professor Gilson Nunes
 
Os Santos Populares
Os Santos PopularesOs Santos Populares
Os Santos Populares
Cristina Alves
 
Em Vila Do Conde Pode Ver2
Em Vila Do Conde Pode Ver2Em Vila Do Conde Pode Ver2
Em Vila Do Conde Pode Ver2
netescrita
 
O ouro e o barroco
O ouro e o barrocoO ouro e o barroco
Abelezapontiguarpartei betemaciel-amigos-120530163109-phpapp02
Abelezapontiguarpartei betemaciel-amigos-120530163109-phpapp02Abelezapontiguarpartei betemaciel-amigos-120530163109-phpapp02
Abelezapontiguarpartei betemaciel-amigos-120530163109-phpapp02
Mô...Moema Anita Conceição
 

Semelhante a Património Cultural Português -Festa das Cruzes- Artur Filipe dos Santos.pdf (20)

História do porto zimbório do senhor do padrão
História do porto   zimbório do senhor do padrãoHistória do porto   zimbório do senhor do padrão
História do porto zimbório do senhor do padrão
 
A festa das cruzes
A festa das cruzesA festa das cruzes
A festa das cruzes
 
Idademdi Aok
Idademdi AokIdademdi Aok
Idademdi Aok
 
Cabo Frio pontos turisticos
Cabo Frio pontos turisticosCabo Frio pontos turisticos
Cabo Frio pontos turisticos
 
Igreja do terço 12-04-2013
Igreja do terço   12-04-2013Igreja do terço   12-04-2013
Igreja do terço 12-04-2013
 
Memórias e tradições
Memórias e tradiçõesMemórias e tradições
Memórias e tradições
 
Santa teresa rj
Santa teresa rjSanta teresa rj
Santa teresa rj
 
006 cidade do porto roteiro 3ª parte
006 cidade do porto roteiro 3ª parte006 cidade do porto roteiro 3ª parte
006 cidade do porto roteiro 3ª parte
 
Cabo frio 400 anos atividade do curso
Cabo frio 400 anos atividade do cursoCabo frio 400 anos atividade do curso
Cabo frio 400 anos atividade do curso
 
Santa Teresa
Santa TeresaSanta Teresa
Santa Teresa
 
Santa Teresa
Santa TeresaSanta Teresa
Santa Teresa
 
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
 
Artur Filipe dos Santos - os lugares da forca- História do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos - os lugares da forca- História do Porto.pdfArtur Filipe dos Santos - os lugares da forca- História do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos - os lugares da forca- História do Porto.pdf
 
Pirabeiraba 150 anos
Pirabeiraba 150 anosPirabeiraba 150 anos
Pirabeiraba 150 anos
 
Festas do Povo de Campo Maior - Artur Filipe dos Santos - Património Cultural
Festas do Povo de Campo Maior - Artur Filipe dos Santos - Património CulturalFestas do Povo de Campo Maior - Artur Filipe dos Santos - Património Cultural
Festas do Povo de Campo Maior - Artur Filipe dos Santos - Património Cultural
 
O Barroco no Brasil, Parte 1
O Barroco no Brasil,  Parte 1O Barroco no Brasil,  Parte 1
O Barroco no Brasil, Parte 1
 
Os Santos Populares
Os Santos PopularesOs Santos Populares
Os Santos Populares
 
Em Vila Do Conde Pode Ver2
Em Vila Do Conde Pode Ver2Em Vila Do Conde Pode Ver2
Em Vila Do Conde Pode Ver2
 
O ouro e o barroco
O ouro e o barrocoO ouro e o barroco
O ouro e o barroco
 
Abelezapontiguarpartei betemaciel-amigos-120530163109-phpapp02
Abelezapontiguarpartei betemaciel-amigos-120530163109-phpapp02Abelezapontiguarpartei betemaciel-amigos-120530163109-phpapp02
Abelezapontiguarpartei betemaciel-amigos-120530163109-phpapp02
 

Mais de Artur Filipe dos Santos

Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdfArtur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos
 
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptxA Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
Artur Filipe dos Santos
 
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptxA Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
Artur Filipe dos Santos
 
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptxA Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
Artur Filipe dos Santos
 
À descoberta do património dos Alpes Orientais1
À descoberta do património dos Alpes Orientais1À descoberta do património dos Alpes Orientais1
À descoberta do património dos Alpes Orientais1
Artur Filipe dos Santos
 
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdfOs mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdfArtur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...
Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...
Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...
Artur Filipe dos Santos
 
Património Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdf
Património Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdfPatrimónio Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdf
Património Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdf
Artur Filipe dos Santos
 
Partrimónio Cultural da Occitânia-Carcassonne - Artur Filipe dos Santos .pdf
Partrimónio Cultural da Occitânia-Carcassonne - Artur Filipe dos Santos .pdfPartrimónio Cultural da Occitânia-Carcassonne - Artur Filipe dos Santos .pdf
Partrimónio Cultural da Occitânia-Carcassonne - Artur Filipe dos Santos .pdf
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - GUIMARÃES - Senhora da Penha...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - GUIMARÃES - Senhora da Penha...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - GUIMARÃES - Senhora da Penha...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - GUIMARÃES - Senhora da Penha...
Artur Filipe dos Santos
 
Património Cultural da Occitânia-Toulouse - Artur Filipe dos Santos .pdf
Património Cultural da Occitânia-Toulouse - Artur Filipe dos Santos .pdfPatrimónio Cultural da Occitânia-Toulouse - Artur Filipe dos Santos .pdf
Património Cultural da Occitânia-Toulouse - Artur Filipe dos Santos .pdf
Artur Filipe dos Santos
 
Guimarães Museu Alberto Sampaio e Fundação Martins Sarmento - Artur Filipe ...
Guimarães  Museu Alberto Sampaio e  Fundação Martins Sarmento - Artur Filipe ...Guimarães  Museu Alberto Sampaio e  Fundação Martins Sarmento - Artur Filipe ...
Guimarães Museu Alberto Sampaio e Fundação Martins Sarmento - Artur Filipe ...
Artur Filipe dos Santos
 
Santuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos Santos
Santuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos SantosSantuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos Santos
Santuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos Santos
Artur Filipe dos Santos
 
Islândia Terra do Fogo e do Gelo - Artur Filipe dos Santos .pdf
Islândia Terra do Fogo e do Gelo - Artur Filipe dos Santos .pdfIslândia Terra do Fogo e do Gelo - Artur Filipe dos Santos .pdf
Islândia Terra do Fogo e do Gelo - Artur Filipe dos Santos .pdf
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paço dos duques de Bragança...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paço dos duques de Bragança...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paço dos duques de Bragança...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paço dos duques de Bragança...
Artur Filipe dos Santos
 

Mais de Artur Filipe dos Santos (20)

Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdfArtur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
 
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptxA Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
 
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptxA Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
 
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptxA Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
 
À descoberta do património dos Alpes Orientais1
À descoberta do património dos Alpes Orientais1À descoberta do património dos Alpes Orientais1
À descoberta do património dos Alpes Orientais1
 
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdfOs mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdfArtur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...
 
Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
 
Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...
Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...
Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...
 
Património Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdf
Património Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdfPatrimónio Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdf
Património Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdf
 
Partrimónio Cultural da Occitânia-Carcassonne - Artur Filipe dos Santos .pdf
Partrimónio Cultural da Occitânia-Carcassonne - Artur Filipe dos Santos .pdfPartrimónio Cultural da Occitânia-Carcassonne - Artur Filipe dos Santos .pdf
Partrimónio Cultural da Occitânia-Carcassonne - Artur Filipe dos Santos .pdf
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - GUIMARÃES - Senhora da Penha...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - GUIMARÃES - Senhora da Penha...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - GUIMARÃES - Senhora da Penha...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - GUIMARÃES - Senhora da Penha...
 
Património Cultural da Occitânia-Toulouse - Artur Filipe dos Santos .pdf
Património Cultural da Occitânia-Toulouse - Artur Filipe dos Santos .pdfPatrimónio Cultural da Occitânia-Toulouse - Artur Filipe dos Santos .pdf
Património Cultural da Occitânia-Toulouse - Artur Filipe dos Santos .pdf
 
Guimarães Museu Alberto Sampaio e Fundação Martins Sarmento - Artur Filipe ...
Guimarães  Museu Alberto Sampaio e  Fundação Martins Sarmento - Artur Filipe ...Guimarães  Museu Alberto Sampaio e  Fundação Martins Sarmento - Artur Filipe ...
Guimarães Museu Alberto Sampaio e Fundação Martins Sarmento - Artur Filipe ...
 
Santuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos Santos
Santuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos SantosSantuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos Santos
Santuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos Santos
 
Islândia Terra do Fogo e do Gelo - Artur Filipe dos Santos .pdf
Islândia Terra do Fogo e do Gelo - Artur Filipe dos Santos .pdfIslândia Terra do Fogo e do Gelo - Artur Filipe dos Santos .pdf
Islândia Terra do Fogo e do Gelo - Artur Filipe dos Santos .pdf
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paço dos duques de Bragança...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paço dos duques de Bragança...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paço dos duques de Bragança...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paço dos duques de Bragança...
 

Último

Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 

Último (20)

Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 

Património Cultural Português -Festa das Cruzes- Artur Filipe dos Santos.pdf

  • 1. Artur Filipe dos Santos-artur.filipe@uvigo.es http://arturfilipesantos.wixsite.com/arturfilipesantos Professor Doutor Artur Filipe dos Santos Cadeira de PATRIMÓNIO CULTURAL PORTUGUÊS Festa das Cruzes de Barcelos A primeira Romaria do Minho www.usc.pt
  • 2. A Universidade Sénior Contemporânea Web: www.usc.pt Email: usc@usc.pt Edições online: www.edicoesuscontemporanea.webnode.com • A Universidade Sénior Contemporânea é uma instituição vocacionada para a ocupação de tempos livres dos indivíduos que se sintam motivados para a aprendizagem constante de diversas matérias teóricas e práticas, adquirindo conhecimentos em múltiplas áreas, como línguas, ciências sociais, saúde, informática, internet, dança, teatro, entre outras, tendo ainda a oportunidade de participação em actividades como o Grupo de Teatro, Coro da USC, USC Web TV, conferências, colóquios, visitas de estudo. Desenvolve manuais didáticos das próprias cadeiras lecionadas(23), acessíveis a seniores, estudantes e profissionais através de livraria online. 2 Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.pt
  • 3. 3 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • É a primeira romaria do ano no Minho. A Festa das Cruzes, em Barcelos, é uma celebração com mais de 300 anos, que une religiosidade e profano em torno da Igreja do Bom Jesus da Cruz.
  • 4. 4 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • Entre um e três de maio a “cidade do Galo” enche-se para comemorar a primeira grande romaria do ano, a Festa das Cruzes, cujas tradições remontam ao séc. XVI, à lenda de João Pires, o sapateiro.
  • 5. 5 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • A lenda do Bom Jesus da Cruz de Barcelos. • Como em qualquer boa lenda existe mais do que uma versão. A mais simples é a seguinte:
  • 6. 6 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • Rezam as crónicas que, em 1504, o sapateiro João Pires, regressado da missa, terá avistado na terra batida, em pleno Campo da Feira, uma cruz de cor negra.
  • 7. 7 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • O que considerou ser um sinal divino, depressa o milagre ganhou contornos populares, nascendo despertando desta forma a evocação ao “Senhor da Cruz”, materializada na construção do Templo do Bom Jesus da Cruz, atualmente epicentro da Festa das Cruzes.
  • 8. 8 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • A segunda versão, mais romântica e complexa, introduz dois personagens à história: Luizinha e o fidalgo Pedro Martins.
  • 9. 9 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • A lenda narra que, no início da centúria XV da nossa era, viviam em Barcelos duas figuras completamente antagónicas:
  • 10. 10 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • João Pires, o referido artesão dos sapatos e um fidalgo, de seu nome Pedro Martins. Não morriam de amores um pelo outro, mas Pedro Martins suspirava por Luizinha, filha do mestre sapateiro.
  • 11. 11 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • Por não ser correspondido por Luizinha, não raras vezes o fidalgo perseguia e injuriava a jovem.
  • 12. 12 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • Numa dessas ocasiões, João Pires presenciou tamanho desrespeito, esbofeteando D. Pedro na esperança que este deixasse de importunar a sua filha.
  • 13. 13 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • A notícia espalhou-se e o nobre passou a ser alvo da risada alheia, pois as marcas das bofetadas teimavam em não desaparecer. Despeitado, engendrou pesada vingança contra o velho sapateiro.
  • 14. 14 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • A história ganha novo contorno quando Luizinha encontra, junto à praia de Esposende, um estranho pedaço de madeira que seria proveniente de um navio que, vindo da Flandres, terá naufragado ali perto.
  • 15. 15 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • Estranhamente, o madeiro exalava um perfume e um calor sobrenaturais. A rapariga terá levado o pedaço para casa e mostrado ao pai, que não fez caso, atirando o toro para a lareira.
  • 16. 16 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • De repente, a habitação encheu-se de luz e no chão da casa apareceu, desenhada, uma cruz luminescente. Campo da Feira
  • 17. 17 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • O milagre espalhou-se rapidamente, mas não por bons motivos. Esperando a oportunidade certa para se vingar do sapateiro e da sua prole, D. Pedro acusou-os de bruxaria, instigando a população para que fossem queimados na fogueira.
  • 18. 18 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • E como quem conta um conto aumenta um ponto, muitas versões divergem, sendo que a mais “romântica” refere que os dois foram arrastados para o campo da Feira a mando do fidalgo.
  • 19. 19 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • Subitamente, a estranha cruz terá novamente surgido, desta feita na terra batida do recinto feiral para espanto de todos e temor de D. Pedro. Talvez com medo da ira de Deus, o nobre pediu perdão e jurou nunca mais importunar Luizinha e o seu pai.
  • 20. 20 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • Perante tais promessas, as marcas das bofetadas desapareceram e todos continuaram a sua vida. Passos do Concelho
  • 21. 21 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • E como uma boa lenda tem sempre um fundo de verdade, ainda hoje podemos contemplar a bela igreja do Bom Jesus da Cruz, ali junto ao campo da feira, de evocação ao milagre da Cruz luminosa (outros relatos falam de uma cruz negra), cuja construção inicial viria a ser substituída pelo atual templo, um projeto do virtuoso arquiteto barroco, João Antunes, de Lisboa, inaugurado em 1710.
  • 22. 22 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • No século XIX, as festas tinham um cariz vincadamente religioso. Centenas de romeiros das freguesias rurais de Barcelos, de todo o país e da vizinha Galiza, cantavam e dançavam, alguns descalços com a “condessa” à cabeça, onde transportavam o farnel.
  • 23. 23 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • No século XX, a componente religiosa mesclou-se com elementos remanescentes de cariz profano visíveis nos carrosséis, barraquinhas de comes e bebes, nas corridas de cavalos, nos cortejos etnográficos, no fogo de artifício no rio Cávado, nos cantares ao desafio nas ruas da cidade.
  • 24. 24 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • Nos dias que leva a Festa das Cruzes vale a pena contemplar de forma demorada os impressionantes tapetes de flores que cobrem o chão dos altares daquele que é um dos mais importantes depositários da religiosidade minhota.
  • 25. 25 Tapete de flores “Barcelos, o Eixo do Caminho Português”, realizado pela Associação dos Alfombristas do Corpus Christi de Ponteares, no largo Dr. D. José Novais, junto ao posto de turismo e torre medieval/centro Interpretativo do Figurado de Barcelos.
  • 26. 26 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • Hoje em dia, a Festa das Cruzes é um ponto de romagem de visitantes nacionais e internacionais. Barcelos ganha ainda mais vida com a romaria e os seus arcos.
  • 27. 27 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • Uma tradição bem enraizada no imaginário minhoto em que fazem parte outras manifestações como as Alvoradas Gaiteiras, as arruadas dos Zés- Pereiras, a feira, o artesanato, a procissão, os tapetes de pétalas de flores naturais no interior da igreja, as atuações de grupos folclóricos e bandas filarmónicas.
  • 28. 28 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • A tradicional batalha das flores, as bandas de música e os Zés- Pereiras refletem o pulsar da cultura e das tradições barcelenses.
  • 29. 29 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • Os Arcos de Romaria, os Tapetes de Pétalas Naturais e a Procissão da Invenção da Santa Cruz são os pontos cimeiros da Festa das Cruzes. Barcelos em festa, dia e noite, durante uma semana.
  • 30. 30 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • A Igreja do Senhor Bom Jesus da Cruz • Também designada por Igreja do Senhor da Cruz ou Igreja das Cruzes, localiza-se na freguesia de Barcelos, Vila Boa e Vila Frescainha (São Martinho e São Pedro), cidade e município de Barcelos, distrito de Braga.
  • 31. 31 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • Constitui um dos mais notáveis exemplares de arquitetura barroca de influência italiana no país. Encontra-se classificada como Imóvel de Interesse Público desde 1958.
  • 32. 32 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • História • A sua origem está ligada ao chamado "Milagre da Cruz", prodígio religioso ocorrido em 20 de dezembro de 1504, ligado ao surgimento de uma cruz negra no carvalhal do "Campo da Feira".
  • 33. 33 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • Com o intuito de proteger essa cruz, foi erguido um pequeno templo de planta quadrada, coberto por uma abóbada e aberto por quatro arcos.
  • 34. 34 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • Em data incerta, os arcos foram fechados e ao seu redor erguida uma arcaria coberta com telhado.
  • 35. 35 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • Em 1698 o arcebispo de Braga, D. João de Sousa organizou um pequeno concurso para a traça de uma nova igreja que substituiria a construção quinhentista. Em 1701 apresentam trabalhos o arquiteto lisboeta João Antunes (duas plantas], e o arquiteto nortenho Manuel Fernandes da Silva (três plantas).
  • 36. 36 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • Todos os projetos previam uma igreja de planta centralizada, o que corresponde a uma tradição pré-medieval ainda em vigor de assinalar lugares especiais ou sagrados com ermidas de planta deste tipo.
  • 37. 37 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • Foi escolhida uma das propostas de João Antunes (ver obras deste arquiteto) e a construção iniciou-se em 1705, tendo sido aberta ao culto em 1710.
  • 38. 38 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • Características • É um templo em estilo barroco, com planta centrada em cruz grega recoberto por cúpula. Internamente apresenta paredes revestidas com painéis de azulejos azuis e brancos, com cenas da Via Sacra e motivos vegetais (da autoria de João Neto, de Lisboa), e talha dourada (essencialmente da autoria do escultor e entalhador barcelense Miguel Coelho).
  • 39. 39 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • Nele se destaca ainda a imagem do padroeiro, o Senhor Bom Jesus da Cruz, uma escultura quase em tamanho natural em madeira de carvalho, exemplar de arte flamenga do início do século XVI. Apenas o rosto e as mãos da imagem estão pintados.
  • 40. 40 F e s t a d a s C r u ze s , B a r c e l o s • De destacar uma imagem de grande veneração para os peregrinos de Santiago que passam pela “Cidade do Galo” no Caminho Português Central, a da Virgem Peregrina, oferecida pela paróquia de Pontevedra.
  • 41. • Bibliografia • AltoMinho • a flor do monte [PDF] | Documents Community Sharing (xdocz.com.br) • Instrumentos Musicais Populares Portugueses (uminho.pt) https://restosdecoleccao.blogspot.com/2011/ 09/farois-portugueses-5.html 41 ´ P a t r i m ó n i o d o s F a r ó i s P o r t u g u e s e s
  • 42. Artur Filipe dos Santos – Blogues e Redes Sociais www.arturfilipesantos.wix.com/arturfilipesantos https://www.facebook.com/arturfilipe.santos https://twitter.com/arturfilipesant https://politicsandflags.wordpress.com https://omeucaminhodesantiago.wordpress.com http://comunicacionpatrimoniomundial.blogia.com https://pt.linkedin.com/pub/artur-filipe-dos-santos/1a/aa9/b09 http://pt.slideshare.net/arturfilipesantos http://www.doyoubuzz.com/artur-filipe-dos-santos http://orcid.org/0000-0002-5635-0531 http://uvigo.academia.edu/ArturFilipedosSantos https://www.draft-worldmagazine.com/profile/artur-filipe-dos- santos-608a8f1e1d68e HASHTAGS: #arturfilipedossantos; #patrimoniomundial; #historiadoporto; #patrimoniocultural, #caminodesantiago; #patrimoniodahumanidade; #uscontemporanea; #vexilologia; #protocolo; #cerimonial Página Pessoal Facebook Twitter Wordpress Wordpress Blogia Linkedin Slideshare Doyobuzz ORCID Academia.edu Draft World Magazine
  • 43. 43 Grato pela sua atenção Artur Filipe dos Santos artur.filipe@uvigo.es www.arturfilipesantos.wix.com/arturfilipesantos