SlideShare uma empresa Scribd logo
1
História dos Transportes
na Cidade do Porto
Uma Jornada pelos Meios de
Transporte na Cidade Invicta
Artur Filipe dos Santos
MAGUSTO TRADICIONAL DA
UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA 1 Dia I
Venha festejar com a Universidade Sénior Contemporânea uma das mais antigas
tradições de Portugal, o Magusto, venha comer as castanhas e provar o vinho.
Descubra o património da Feira de S. Martinho de Penafiel, uma das mais antigas do
País. Almoço (com bebidas incluídas) e magusto tradicional na Quinta da Ponte,
Lousada. Participe na já tradicional Queimada Galega preparada pelo Prof. Artur Filipe
dos Santos e pela Prof. Marta Loureiro Santos.
10 de novembro
Data limite de inscrição: 7 de novembro
Informações e inscrições:
Universidade Sénior Contemporânea
Telm: 964 068 452 / 964 75 6736
Web: www.usc.pt / Email: usc@usc.pt
2023
Sessão
Solene
de Abertura
A n o - L e t i v o 2 0 2 3 / 2 0 2 4
Porto de Honra
de recepção aos atuais e novos alunos
Oradora convidada:
Professora Doutora
C a r l a S e r r ã o
Escola Superior de
Educação
Instituto Politécnico do
Porto
Atuação: Coro da USC
1 7 d e n o v e m b r o , 1 5 h
S a l ã o N o b r e
MERCADOS E LUZES DE NATAL DE VIGO 1 Dia I
Data limite de inscrição: 5 de dezembro
Informações e inscrições:
Universidade Sénior Contemporânea
Telm: 964 068 452 / 964 75 6736
Web: www.usc.pt / Email: usc@usc.pt
2023
Venha celebrar o Natal com a Universidade Sénior Contemporânea descobrindo os
mercados e as Luzes de Natal de Vigo, um dos mais concorridos de Espanha,
passeando por lugares emblemáticos da cidade como a Alameda, a Praza de
Compostela e Praza Porta do Sol. Conheça com o Prof. Artur Filipe dos Santos a Co-
Catedral de Santa Maria, onde se encontra a imagem religiosa mais venerada pelos
pescadores galegos, o Cristo da Vitória.
7 de dezembro
Iniciativas de
Natal da
Universidade
Sénior
Contemporânea
Bibliografia
• https://www.igeoe.pt/index.php?id=5
5
Cadeira de Património Mundial e Turismo Cultural
Património Mundial Natural de África
• Artur Filipe dos Santos
• Doutorado em Comunicação, Publicidade, Relações Públicas e Protocolo pela Faculdade de
Ciências Sociais e da Comunicação da Universidade de Vigo, é atualmente professor adjunto
no ISLA Instituto Politécnico de Gestão e Tecnologia, coordenador da licenciatura de
Comunicação e Tecnologia Digital e do CTesP de Comunicação Digital, e docente na
Universidade Lusófona do Porto. Atua como docente e investigador nas área(s de Ciências
Sociais com ênfase em Ciências da Comunicação, Comunicação e Divulgação do Património.
Perito em Protocolo (de Estado, Universitário, Multicultural e Empresarial) é membro da
Associação Portuguesa de Estudos de Protocolo (APOREP), membro da Sociedad de Estudios
Institucionales, UNED, Espanha, investigador e membro da Direção do Observatório
Iberoamericano de Investigação e Desenvolvimento em Comunicação (OIDECOM-
Iberoamérica), Espanha, membro do Centro de Investigação em Comunicação (ICOM-X1) da
Universidade de Vigo, Espanha, membro da Associação Portuguesa de Ciências da
Comunicação (SOPCOM). É ainda divulgador dos Caminhos Portugueses a Santiago de
Compostela. É membro do ICOMOS (INTERNATIONAL COUNCIL OF MONUMENTS AND SITES),
organismo pertencente à UNESCO, responsável pela avaliação das candidaturas dos bens
culturais universais a Património Mundial Como jornalista fez parte da TV Galiza, jornal A Bola,
Rádio Sim (grupo Renascença), O Primeiro de Janeiro, Matosinhos Hoje, Jornal da Maia.
6
Artur Filipe dos Santos – artursantos.com.pt@gmail.com
•https://omeucaminhodesantiago.wordpress.com/ (Blogue)
•https://politicsandflags.wordpress.com/about/ (Blogue)
•https://arturfilipesantos.wixsite.com/arturfilipesantos (Académico)
•https://comunicacionpatrimoniomundial.blogia.com/ (Académico)
•Email: artursantos.com.pt@gmail.com
•Desde tempos
imemoriais, os
transportes
desempenham
um papel
fundamental na
evolução das
cidades.
7
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
8
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• A cidade do Porto, em
Portugal, não é
exceção. Ao longo da
sua rica história, esta
cidade costeira tem
testemunhado uma
transformação notável
nos seus sistemas de
transporte.
•A história dos
transportes no
Porto remonta aos
tempos romanos,
quando a cidade
era conhecida
como "Portus
Cale".
9
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
Malaposta
10
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Naquela época, as
estradas eram de
fundamental
importância para o
comércio e a
mobilidade. A rede de
estradas ligava a cidade
ao interior, facilitando a
circulação de
mercadorias e pessoas.
Consultar a seguinte apresentação:
https://pt.slideshare.net/arturfilipesantos/
estradas-do-porto-vias-romanas-
circunvalao-artur-filipe-dos-santos-histria-
do-porto
•A importância dos
transportes para a
cidade ao longo
dos séculos.
11
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Fonte: STCP
12
A origem da STCP data de 15 de maio de 1872, marcada pela realização
da viagem de inauguração oficial da primeira linha de transporte público
urbano, pelo sistema "americano" instalada em Portugal, pela empresa
"Companhia Carril Americano do Porto à Foz e Matosinhos".
•O primeiro meio
de transporte
coletivo
documentado na
cidade do Porto
era conhecido
como "carroção".
13
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
14
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Essencialmente,
tratava-se de uma
adaptação de carros de
bois em carruagens
fechadas, equipadas
com portas, janelas
laterais e dois assentos
alinhados
longitudinalmente.
•Devido à escassez
de cavalos
causada pelas
invasões
francesas, os bois
eram usados
como força de
tração para essas
carruagens.
15
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
16
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Supostamente, o
"inventor" por trás
dessa inovação foi um
indivíduo conhecido
como Manuel José de
Oliveira, apelidado de
"Manel-Zé".
• Alguns intelectuais da
época, que estavam
atentos às mudanças
sociais e
frequentemente
críticos das mesmas,
deixaram registros
mordazes sobre as
viagens demoradas e
frustrantes realizadas
no "carroção".
17
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
18
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Camilo Castelo Branco, em
seu livro "Coisas Leves e
Pesadas", ironizou sobre as
viagens intermináveis no
carroção, comparando-as a
um tempo infinito, uma
vida tão longa quanto a dos
prisioneiros e um
movimento imperceptível,
semelhante à rotação do
globo.
• O "carroção" parece ter
dominado a primeira
metade do século XIX,
mas entrou em declínio
com o surgimento de
meios de transporte
mais ágeis e
confortáveis, como os
"omnibus" e os veículos
conhecidos como
"americanos".
19
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
20
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Foram introduzidos na
cidade com a fundação
da Companhia de
Transportes União, em
1839.
•Consistiam em
caixas de madeira
envidraçadas
montadas sobre
dois pares de
rodas, puxadas
por cavalos em
vez de bois.
21
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
22
23
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Além dos omnibus, outros
meios de transporte
público estavam disponíveis
na cidade, incluindo o
"char-à-Bancs", muito
semelhante aos omnibus, e
os "Trens de Praça", que
poderiam ser comparados
aos táxis da época, pois
aguardavam os passageiros
e até mesmo bagagens em
pontos estratégicos da
cidade.
24
• Os "Ripert", veículos de
tração animal
semelhantes ao "char-
à-Bancs", criaram
conflitos com a
administração da
Companhia Carris e
com os cocheiros,
devido à largura dos
trilhos, que era idêntica
à dos "americanos".
25
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
26
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Tal levou a disputas e,
eventualmente, à
substituição dos trilhos
de aço, mais
resistentes, que não
eram compatíveis com
os "Ripert". Esses
veículos foram
retirados de circulação
em 1910.
•No entanto, a
verdadeira
revolução nos
transportes
ocorreu com o
surgimento dos
"americanos".
27
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
28
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Esses veículos de
transporte público,
puxados por uma ou
mais duplas de mulas
ou cavalos, circulavam
sobre trilhos, uma
característica que os
tornava
verdadeiramente
inovadores para a
época.
•O Porto foi
pioneiro em
Portugal a colher
os benefícios
proporcionados
pelos carros
“americanos".
29
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• O Americano
30
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Em 1858, Albino
Francisco de Paiva
Araújo buscou obter
uma "concessão para
estabelecer um
caminho-de-ferro,
conhecido como
Americano",
conectando a cidade do
Porto à vila da Foz.
•No entanto, essa
autorização não
foi concedida a
Paiva Araújo, mas
sim ao Barão da
Trovisqueira doze
anos depois.
31
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
José Francisco da Cruz Trovisqueira
(freguesia de Gavião, Vila Nova de Famalicão, 15
de março de 1824 - freguesia de Vila Nova de
Famalicão, Vila Nova de Famalicão, 1 de
novembro de 1898) foi um médico, juiz,
empresário e político português.
32
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Em agosto de 1870, foram
estabelecidas cláusulas e
condições que permitiram
ao Barão iniciar, por sua
conta, a construção de um
sistema de transporte
ferroviário de passageiros e
mercadorias, operado por
cavalos, conhecido como
"rail road".
•Essa linha seguia
pela estrada
pública que ligava
a cidade do Porto
à vila da Foz, e
tinha a
possibilidade de
se estender até
Matosinhos.
33
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
34
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Para apoiar a
construção e operação
desse caminho-de-
ferro, foi concedida
uma isenção de direitos
alfandegários na
importação de todos os
materiais fixos e móveis
necessários, válida até
30 de junho de 1872.
• As obras para a construção
da linha marginal
começaram no final de
junho de 1871 e, até 29 de
setembro do mesmo ano, a
linha do caminho-de-ferro
americano entre a
Alfândega Nova e a Foz foi
concluída em sua
totalidade.
35
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
36
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• A abertura ao público
estava iminente,
mesmo sem uma
cerimónia oficial de
inauguração.
• O primeiro percurso
realizado por esse
novo sistema de
transporte ocorreu
da Rua da Alfândega
Nova até o Passeio
Alegre, e
posteriormente se
estendeu até a Foz e
Matosinhos.
37
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
38
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Foi a iniciativa privada
que deu origem à
criação da primeira
linha na Marginal,
inaugurada em 15 de
maio de 1872.
• Após a conclusão da
linha, a concessão
passou para as mãos
de outros dois
empresários, José de
Melo e António
Tavares Basto, que
fundaram a
Companhia Carril de
Ferro Americano.
39
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
40
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Um ano depois, surgiu
outra empresa, a
Companhia Carris de
Ferro do Porto,
estabelecida por Vieira
de Castro e Evaristo
Pinto.
• A primeira empresa ficou
conhecida entre a
população como a
"companhia da beira-mar",
já que suas linhas
percorriam a Marginal,
enquanto a segunda,
conhecida como Carris,
manteve os "Americanos"
em circulação no centro da
cidade.
41
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Em 27 de julho de
1878, a Câmara
Municipal do Porto
(CMP) concedeu
autorização às duas
Companhias de
transporte então
existentes para
implementar a
tração a vapor.
42
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• A máquina a vapor da
Carris do Porto
43
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
A “Máquina” a passar junto da
Rua de Gondarém.
•No entanto,
somente a
Companhia Carris
de Ferro do Porto
optou por adotar
esse sistema, que
se manteve em
vigor até 1914.
44
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
45
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• A tecnologia envolvia o
uso de pequenas
locomotivas a vapor,
conhecidas como
"máquinas", que
puxavam uma série de
carruagens.
•A tração a vapor
foi descontinuada
a partir de 9 de
novembro de
1914.
46
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
Fonte: Coleção Centro Português de Fotografia
47
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Mesmo operando por
um período de 36 anos,
este sistema de
transporte não
granjeou grande
popularidade e não se
difundiu como
inicialmente se
esperava pelas ruas da
cidade.
48
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• O carro elétrico • A eletrificação dos
transportes públicos foi
introduzida na cidade do
Porto em 1895, graças à
fusão da Companhia Carril
de Ferro do Porto com a
Companhia Carril de Ferro
Americano do Porto à Foz e
Matosinhos, com a
prevalência do nome da
primeira.
A imagem Esta Fotografia de Autor Desconhecido está licenciada ao abrigo da CC BY-NC-ND
49
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• O processo de fusão
resultou em um
aumento de capital, o
que possibilitou a
aquisição de novos
veículos e o
investimento na
instalação de linhas
elétricas aéreas.
50
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• O objetivo fundamental
era encontrar um meio
de transporte
revolucionário,
económico e prático
para as íngremes e
sinuosas ruas do Porto.
51
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Inicialmente, em 1892,
considerou-se a
possibilidade de
instalar ascensores
semelhantes aos de
Lisboa nas ruas mais
íngremes, como
Clérigos, Santo António
(atualmente conhecida
como 31 de janeiro) e
Mouzinho da Silveira. Imagem Museu do Carro Elétrico
52
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• No entanto, um ano
depois, em 1893, o
pensamento do gerente
da Companhia, um
homem dinâmico e
empreendedor, sofreu
uma reviravolta radical,
levando-o a afirmar que
a melhor solução seria
a adoção da tração
elétrica.
Imagem Museu do Carro Elétrico
53
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• José Ribeiro Vieira de Castro
dirige à Câmara Municipal do
Porto um requerimento, a 17 de
janeiro de 1894, pedindo
licença para - como ensaio –
"substituir, na tração dos seus
carros, a força animal pela
elétrica, nas linhas marginal e
da Restauração, desde a rua do
Infante D. Henrique até o
extremo do concelho e desde o
Passeio da Graça (Cordoaria) até
Matosinhos”
Imagem Museu do Carro Elétrico
54
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• O novo sistema de
transporte elétrico
trouxe uma série de
vantagens: os horários
puderam ser mais
regulares, uma vez que
as velocidades estavam
predefinidas.
Ermesinde no término da linha 9
https://electricosnoporto.blogs.sapo.pt/
55
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Facilitou a expansão da
frota, uma vez que não
dependia mais de grandes
quantidades de animais,
melhorando
consideravelmente a
circulação nas ruas mais
íngremes da cidade. Além
disso, era um meio de
transporte que usava
energia limpa, contribuindo
para a melhoria da higiene
urbana.
Carro Eléctrico nº252 na Linha
9 para Ermesinde
https://electricosnoporto.blogs.sapo.pt/
56
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Isso permitiu uma
reorganização do
espaço urbano, com a
expansão do perímetro
da cidade, a anexação
de antigos subúrbios e
a criação de novos
bairros
simultaneamente.
CE 255 no terminús da linha 10 em Rio
Tinto. Foto
https://electricosnoporto.blogs.sapo.pt/
57
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• A primeira linha de
carros elétricos foi
inaugurada em 1895,
percorrendo o trajeto
do Carmo à Arrábida, e
posteriormente se
estendendo até a Foz e
Matosinhos.
58
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• A partir desse marco, as
linhas de carros elétricos se
espalharam por toda a
cidade e municípios
vizinhos, tornando-se o
principal meio de
transporte urbano desde o
final da primeira década do
século XX até 1950 quando
atinge o auge.
59
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Nesse ano o porto
conta com 150 km de
via, distribuídas em 38
linhas, num total de
193 elétricos.
60
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• No ano subsequente,
um protótipo de uma
nova geração de carros
elétricos, identificado
pelo número 500, foi
construído.
61
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Estes carros
apresentavam um
design mais moderno e
inovador, incluindo
portas automáticas
operadas
pneumaticamente pelo
condutor, além de
assentos destinados ao
condutor e ao técnico
de manutenção.
62
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• No entanto, não foram
produzidos mais veículos
dessa série. Em 1957, a
estação de geração de
eletricidade de Massarelos
foi desativada, e no ano
seguinte, a rede de trilhos
em funcionamento foi
reduzida para apenas 81
quilómetros, com 192
carros elétricos em
circulação.
63
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• As primeiras rotas de
carros elétricos foram
encerradas em 1 de
janeiro de 1959,
enquanto as primeiras
quatro rotas de tróleis
começaram a operar
em 3 de maio do
mesmo ano.
A partir de 1958 e até à década de 70, a rede de
troleicarros no distrito do Porto foi gradualmente
crescendo, desde o seu aparecimento, sendo Vila
Nova de Gaia o primeiro concelho a receber
troleicarros, ou os “pantufas” – como eram
popularmente conhecidos os veículos BUT (British
United Trolley) – com passagem pelos dois
tabuleiros da ponte Luiz I., tendo os mesmos como
principais destinos Santo Ovídio (31)
e Coimbrões (linha 33)
64
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Além da concorrência
apresentada por essas
novas formas de
transporte, o serviço de
carros elétricos
também enfrentou
desafios económicos e
técnicos, como a
circulação em ruas
estreitas e avenidas da
cidade.
65
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Em 1966, ainda
existiam 72 quilómetros
de trilhos em operação,
percorridos por 184
elétricos. Os últimos
carros atrelados foram
retirados de serviço em
31 de dezembro
daquele ano.
66
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• No ano seguinte, as
primeiras rotas de
elétricos foram
substituídas por
autocarros, reduzindo a
rede para apenas 44
quilómetros de trilhos e
130 veículos em
circulação.
67
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Em 1968, o serviço de
carros foi novamente
reduzido, com um total
de 127 veículos
circulando em 38
quilómetros de trilhos.
68
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• A partir de 1978, todos
os serviços de carros
elétricos que operavam
após as 21 horas foram
descontinuados.
69
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Nesse ano, a rede
contava com 84
veículos e 21
quilómetros de trilhos.
Em 1983, os serviços de
elétricos aos domingos
foram eliminados.
70
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Em 1988, a Estação de
Recolha da Boavista foi
substituída pela de
Massarelos para o
serviço regular, e a rede
de carros elétricos tinha
apenas 18 quilómetros
de trilhos e 50 veículos.
71
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• O regresso dos
elétricos à cidade:
• Em 4 de maio de 1992,
um desfile de carros
históricos foi
organizado, com a
participação de vários
veículos antigos.
72
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Em 18 de maio do
mesmo ano, o Museu
do Carro Elétrico foi
inaugurado nas
instalações de
Massarelos.
73
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Nesse contexto, a STCP
e a delegação do Porto
da Associação
Portuguesa dos Amigos
dos Caminhos de Ferro
realizaram uma reunião
de entusiastas na
Boavista.
74
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Neste ano, apenas três
rotas de elétricos
estavam em operação,
usando 19 dos 35
veículos em condições
de funcionamento.
75
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Essas rotas serviam
principalmente áreas
periféricas da cidade.
Havia planos de
substituir toda a rede
por uma única linha
turística ao longo da
margem do Rio Douro,
conectando a cidade às
praias do Oceano
Atlântico.
76
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Em 11 de setembro de
1993, a Linha 19, que
ligava a Boavista a
Matosinhos, foi
encerrada devido à
falta de rentabilidade
dos autocarros, devido
aos altos custos de
manutenção e consumo
de energia elétrica.
77
78
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Com o fechamento da
Linha 19, apenas duas
rotas permaneceram
em operação: a Linha
18, que ligava o Carmo,
Foz e Boavista, e a
Linha 1, do Infante ao
Castelo do Queijo.
79
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Na época, previa-se o
fecho da Linha 18,
mantendo a outra
apenas para fins
turísticos.
80
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Em 1996, apenas uma
rota de elétricos, a
Linha 18, com 14
quilómetros de trilhos,
operava com três
veículos, funcionando
das 9h às 19h, com
intervalos de 35
minutos, e os serviços
aos domingos foram
retomados.
81
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Na metade da década de
1990, grande parte dos
elétricos remanescentes
foi vendida a particulares,
museus e outros sistemas
de transporte, em
consonância com a
redução planeada da
rede e dos serviços de
elétricos, semelhante ao
que ocorreu em Lisboa.
82
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Até o final de 1996, várias
unidades foram vendidas
para sete destinos,
incluindo Estados Unidos
(31 veículos), Inglaterra
(oito carros de linha e
quatro veículos especiais),
Canadá, Argentina,
Escócia, Espanha e Itália
(uma ou duas unidades
para cada destino).
83
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Os preços de venda
variaram de 1,5 a 5 milhões
de escudos, dependendo
do estado de conservação
de cada veículo, um valor
substancialmente mais alto
do que o praticado em
Lisboa na mesma época,
devido à possibilidade de
adaptação à bitola
internacional na maioria
das vias de destino.
84
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Entre junho e novembro de
1998 e entre fevereiro e
maio de 1999, foram
realizadas obras nas ruas, e
os elétricos foram
temporariamente reunidos
na antiga Remise da
Boavista. No último ano da
década começou a
demolição dessas
instalações para dar lugar à
Casa da Música.
85
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Em 2005, a Linha 18 foi
reaberta até o Carmo
(Cordoaria), e três
elétricos foram doados
à cidade de Santos, no
Brasil. Em 21 de
setembro de 2007, a
Linha 22 foi inaugurada,
ligando a Praça da
Batalha ao Funicular
dos Guindais.
86
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
A história do autocarro e
os troleicarros
• A partir da década de
1930, veículos
adaptados para o
transporte de
passageiros,
conhecidos como
camionetas,
começaram a competir
abertamente com os
carros elétricos.
• A concessão exclusiva
para operar serviços de
transporte público foi
dada à Companhia
Carris de Ferro do Porto
(CCFP), o que impedia
qualquer outra forma
de transporte de
passageiros que não
fosse a CCFP.
87
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• No entanto, com a
conivência da Câmara
Municipal, as
camionetas começaram
a operar na cidade,
especialmente durante
os horários de maior
movimento, causando
sérios prejuízos à CCFP.
88
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
89
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Mesmo estando do lado da
razão, a CCFP não
conseguiu eliminar a
concorrência das
camionetas, que
continuaram a proliferar
pelas ruas da cidade, como
evidenciado no trecho a
seguir retirado do relatório
e contas da CCFP de 1933:
"(...)
• No ano de 1933, a direção da
CCFP, ao examinar o estado
atual do sistema de transporte
público da cidade, chegou à
conclusão de que o primeiro
conjunto de recursos,
incluindo veículos, instalações
centrais, subestações e rotas,
encontrava-se em um estado
de declínio total,
demandando, portanto, sua
substituição integral.
90
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
91
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• O aumento no número de
passageiros também foi notável,
tornando impossível atender às
numerosas demandas dos
passageiros. Como resultado, os
carros elétricos frequentemente
alinhavam-se em filas,
conhecidas na época como
"rosário", seja devido a bloqueios
nas vias ou interrupções
frequentes no fornecimento de
energia.
•Os anos 40 do
século XX
trouxeram
alterações
profundas aos
transportes
públicos do Porto.
92
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
Fundação Dr. António Cupertino de Miranda -
Ações
93
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Em 1936, a Câmara do
Porto avisa a CCFP, com
base no artigo
trigésimo primeiro da
escritura da concessão
para a exploração da
viação elétrica na
cidade do Porto, que o
contrato de concessão
seria rescindido em
1941.
• Esta pretensão da CMP só não se concretizou em
1941 porque deflagrou na altura a tão
famigerada 2ª Guerra Mundial, o que levou a
Câmara e o Governo a adiar por mais 5 anos a
situação.
94
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Em 1946, uma nova era
começou nos
transportes públicos.
Após 73 anos de
operação, a CCFP foi
substituída pelo STCP
(Serviço de Transportes
Coletivos do Porto),
que passou a ser
liderado pela Câmara
Municipal do Porto.
95
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
96
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Foi o momento em que
a CMP assumiu um
papel direto na gestão
dos transportes
públicos da cidade,
elaborando um
plano/programa que
estabeleceu prioridades
para os anos seguintes.
• Uma das principais
prioridades era a aquisição
de autocarros, para a qual
foi previsto um gasto
extraordinário de 3.850
contos, além de 1.300
contos para a compra de
terrenos destinados à
construção da primeira fase
da garagem e das oficinas.
97
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
98
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• No mesmo ano de
1946, foram estudadas
e estabelecidas as
bases para a aquisição
de 15 autocarros,
sendo que a
adjudicação acabou por
ser feita a uma empresa
da capital, a Auto-
Triunfo.
99
•O plano traçado
pelo STCP em
1946 para a
aquisição de
autocarros seria
implementado ao
longo de 1948.
100
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
101
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• No entanto, nem tudo
correu como planejado,
pois dos 15 autocarros
inicialmente planeados
para a aquisição em
1946, apenas dois
estavam disponíveis em
março de 1948.
• Para não atrasar mais o
processo e prejudicar o
público, a
Administração
inaugurou em 1º de
abril do mesmo ano a
linha "C", que partia da
Avenida dos Aliados e
tinha como destino o
Carvalhido.
102
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
103
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Os primeiros “bus” a
circular na cidade do
Porto eram da marca
Daimler, com
carrocerias produzidas
pela empresa DALFA,
Lda. em Ovar.
• Os chassis eram importados
da Inglaterra e custaram
aproximadamente 1.000
contos cada um quando já
estavam prontos para uso.
Inicialmente, os autocarros
eram pintados de amarelo,
mas em 1959, a cor foi
alterada para verde.
104
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
105
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Durante o ano de 1948, a
evolução das rotas de autocarros
foi notável, à medida que os
autocarros encomendados iam
sendo entregues, novas rotas
eram inauguradas. No final do
ano, a rede de transporte já
contava com quatro rotas em
operação, cobrindo uma
extensão total de 26 quilómetros.
Com uma frota de 10 veículos em
circulação, a média diária de
passageiros transportados
atingiu a marca de 5.000.
• Carreiras de autocarros
inauguradas em 1948:
• C - Carvalhido - 1 de abril
• D - Antas - 1 de junho
• A - Foz - 24 de junho
• E - Paranhos - 23 de
outubro
106
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
107
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
Os Trolleycarros
•Os veículos
movidos a
eletricidade
chegaram a
Portugal pela
porta do Porto
• Embora a instalação da
Tracção Eléctrica nas
cidades de Portugal se
tenha iniciado com carros
eléctricos no Porto em
1894, prosseguiu em Lisboa
6 anos depois, em Coimbra
em 1911 e em Braga em
1914, as linhas com
troleicarros só se instalaram
em 1947 em Coimbra, em
1959 no Porto e em 1961
em Braga.
108
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
109
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Os troleicarros
operaram na cidade do
Porto, em Portugal, no
período de 1959 a
1997, sob a gestão dos
STCP, responsáveis
também pela operação
de autocarros e
elétricos.
• A sua introdução ocorreu
em janeiro de 1959, com o
propósito de substituir os
tradicionais eléctricos que
circulavam na cidade do
Porto desde 1895.
Inicialmente, as primeiras
linhas de eléctricos a serem
convertidas para
troleicarros incluíram as
rotas para Vila Nova de
Gaia, Campanhã e Lordelo
do Ouro.
110
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
111
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• A expansão da rede
ocorreu
progressivamente em
direção ao leste e
nordeste da cidade do
Porto, resultando na
criação de novas linhas
que alcançavam áreas
anteriormente não
atendidas pelos
eléctricos.
• O auge da rede de
troleicarros ocorreu
nas décadas de 1970
e 80, quando ela
atingiu uma
extensão superior a
40 km e contou com
uma frota de mais
de 100 troleicarros
em serviço.
112
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
113
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Vamos explorar um
pouco da história dos
emblemáticos
trolleycarros do Porto.
• Na década de 1950, a
Sociedade de
Transportes Coletivos
do Porto, responsável
pelos sistemas de
transporte público da
cidade, enfrentou uma
série de desafios
operacionais e de
segurança.
114
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
115
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Tal ocorreu devido ao
sistema de alimentação
elétrica dos carros elétricos
que atravessavam o rio
Douro em direção a Vila
Nova de Gaia pela icônica
Ponte Luís I, que
supostamente estava
causando uma corrosão
acelerada nos pilares da
ponte devido a processos
eletrolíticos.
• O problema levou
à necessidade de
substituição desse
meio de
transporte por
outro que não
causasse o tipo de
dano detetado.
116
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
117
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Além disso, a
infraestrutura do
sistema de carros
elétricos existente em
Vila Nova de Gaia
também estava
visivelmente
desgastada,
requerendo rápida
substituição.
• Diante da presença
de diversas
infraestruturas de
distribuição de
energia elétrica para
o transporte público
nessa região, foi
tomada a decisão de
continuar utilizando
a tração elétrica.
118
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• A solução adotada foi a introdução dos troleicarros,
veículos que já haviam demonstrado sucesso em
Portugal, mais especificamente em Coimbra, desde
1947.
119
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
120
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Apesar de seu sucesso
inicial, começaram a
surgir desafios
operacionais
significativos na década
de 1990 devido ao
aumento do tráfego de
veículos na cidade.
•Como resultado, a
rede de
troleicarros foi
encerrada por
completo na noite
de 27 de
dezembro de
1997.
121
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
122
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Depois de mais de dois
anos estacionados na
Estação de Recolha da
Areosa, no Porto, que
servia como depósito
tradicional e, nos
últimos anos, exclusivo
para esses veículos, 23
dos 25 troleicarros
Efacec foram vendidos.
•Essa venda
ocorreu após
várias tentativas
malsucedidas de
vender os veículos
para diferentes
países e cidades.
123
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
124
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Surpreendentemente,
houve um desinteresse
notável por parte dos
SMTUC de Coimbra, o único
operador remanescente de
troleicarros no país e, até
então, a única cidade onde
esses troleicarros desse
modelo estavam em
operação.
•Apenas dois dos
troleicarros de
Porto ainda
circulam nas ruas
de Coimbra.
125
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
126
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto
• Felizmente, um
exemplar de cada um
dos modelos que
operaram na cidade foi
preservado e
permanece em perfeito
estado de
funcionamento.
•Esses veículos
estão destinados a
compor um futuro
Museu do
Troleicarro do
Porto, semelhante
ao Museu do
Carro Elétrico.
127
Cadeira de História do Porto
História dos Transportes na Cidade do Porto

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gasodutos
GasodutosGasodutos
Gasodutos
Pedro Peixoto
 
Transp maritimos 12-7
Transp maritimos 12-7Transp maritimos 12-7
Transp maritimos 12-7
Joao Paulo Curto
 
Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...
Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...
Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...
Artur Filipe dos Santos
 
Evolução dos meios de transporte
Evolução  dos meios de  transporteEvolução  dos meios de  transporte
Evolução dos meios de transporte
desdenta
 
Trajesépocadescobrimentos
TrajesépocadescobrimentosTrajesépocadescobrimentos
Trajesépocadescobrimentos
Maria Gomes
 
Trabalho para geografia transportes tubulares. iva leão. 9º g.
Trabalho para geografia   transportes tubulares. iva leão. 9º g.Trabalho para geografia   transportes tubulares. iva leão. 9º g.
Trabalho para geografia transportes tubulares. iva leão. 9º g.
Iva Leão
 
Trabalho escravatura
Trabalho escravaturaTrabalho escravatura
Trabalho escravatura
André Castro
 
A Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De InvasõesA Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De Invasões
Isidro Santos
 
Evolução dos transportes
Evolução dos transportesEvolução dos transportes
Evolução dos transportes
ManuelaGuerreiro6
 
A Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIXA Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIX
Jorge Almeida
 
Trabalho da espanha
Trabalho da espanhaTrabalho da espanha
Trabalho da espanha
Paloma Morais
 
Trabalho De Historia Joana
Trabalho De Historia JoanaTrabalho De Historia Joana
Trabalho De Historia Joana
carolejuh
 
Transportes marítimos em portugal
Transportes marítimos em portugalTransportes marítimos em portugal
Transportes marítimos em portugal
Mayjö .
 
Escravatura
EscravaturaEscravatura
A Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do FerroA Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do Ferro
Michele Pó
 
Novas fontes de energia e industria
Novas fontes de energia e industriaNovas fontes de energia e industria
Novas fontes de energia e industria
maria40
 
Policleto artista grego - história
Policleto   artista grego - históriaPolicleto   artista grego - história
Policleto artista grego - história
antoniopedropinheiro
 
Renascimento (2)
Renascimento (2)Renascimento (2)
Renascimento (2)
cattonia
 
Auto da Barca do Inferno
Auto da Barca do InfernoAuto da Barca do Inferno
Auto da Barca do Inferno
Rosalina Simão Nunes
 
Construção do império marítimo português
Construção do império marítimo portuguêsConstrução do império marítimo português
Construção do império marítimo português
Ramiro Bicca
 

Mais procurados (20)

Gasodutos
GasodutosGasodutos
Gasodutos
 
Transp maritimos 12-7
Transp maritimos 12-7Transp maritimos 12-7
Transp maritimos 12-7
 
Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...
Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...
Artur Filipe dos Santos - Património Cultural - Danças Guerreiras Portuguesa...
 
Evolução dos meios de transporte
Evolução  dos meios de  transporteEvolução  dos meios de  transporte
Evolução dos meios de transporte
 
Trajesépocadescobrimentos
TrajesépocadescobrimentosTrajesépocadescobrimentos
Trajesépocadescobrimentos
 
Trabalho para geografia transportes tubulares. iva leão. 9º g.
Trabalho para geografia   transportes tubulares. iva leão. 9º g.Trabalho para geografia   transportes tubulares. iva leão. 9º g.
Trabalho para geografia transportes tubulares. iva leão. 9º g.
 
Trabalho escravatura
Trabalho escravaturaTrabalho escravatura
Trabalho escravatura
 
A Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De InvasõesA Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De Invasões
 
Evolução dos transportes
Evolução dos transportesEvolução dos transportes
Evolução dos transportes
 
A Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIXA Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIX
 
Trabalho da espanha
Trabalho da espanhaTrabalho da espanha
Trabalho da espanha
 
Trabalho De Historia Joana
Trabalho De Historia JoanaTrabalho De Historia Joana
Trabalho De Historia Joana
 
Transportes marítimos em portugal
Transportes marítimos em portugalTransportes marítimos em portugal
Transportes marítimos em portugal
 
Escravatura
EscravaturaEscravatura
Escravatura
 
A Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do FerroA Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do Ferro
 
Novas fontes de energia e industria
Novas fontes de energia e industriaNovas fontes de energia e industria
Novas fontes de energia e industria
 
Policleto artista grego - história
Policleto   artista grego - históriaPolicleto   artista grego - história
Policleto artista grego - história
 
Renascimento (2)
Renascimento (2)Renascimento (2)
Renascimento (2)
 
Auto da Barca do Inferno
Auto da Barca do InfernoAuto da Barca do Inferno
Auto da Barca do Inferno
 
Construção do império marítimo português
Construção do império marítimo portuguêsConstrução do império marítimo português
Construção do império marítimo português
 

Semelhante a Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf

História do porto palacete conde silva monteiro - artur filipe dos santos
História do porto   palacete conde silva monteiro - artur filipe dos santosHistória do porto   palacete conde silva monteiro - artur filipe dos santos
História do porto palacete conde silva monteiro - artur filipe dos santos
Artur Filipe dos Santos
 
Praça dos Poveiros - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Praça dos Poveiros - Artur Filipe dos Santos - História do PortoPraça dos Poveiros - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Praça dos Poveiros - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Artur Filipe dos Santos
 
Tragédia do vapor "Porto" - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Tragédia do vapor "Porto" - Artur Filipe dos Santos - História do PortoTragédia do vapor "Porto" - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Tragédia do vapor "Porto" - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Artur Filipe dos Santos
 
Estradas do Porto - Vias Romanas -Circunvalação- Artur Filipe dos Santos - Hi...
Estradas do Porto - Vias Romanas -Circunvalação- Artur Filipe dos Santos - Hi...Estradas do Porto - Vias Romanas -Circunvalação- Artur Filipe dos Santos - Hi...
Estradas do Porto - Vias Romanas -Circunvalação- Artur Filipe dos Santos - Hi...
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - Ruinas de Conímbriga - Contributos para a história ...
Artur Filipe dos Santos - Ruinas de Conímbriga - Contributos para a história ...Artur Filipe dos Santos - Ruinas de Conímbriga - Contributos para a história ...
Artur Filipe dos Santos - Ruinas de Conímbriga - Contributos para a história ...
Artur Filipe dos Santos
 
Praça da Batalha - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Praça da Batalha - Artur Filipe dos Santos - História do PortoPraça da Batalha - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Praça da Batalha - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Artur Filipe dos Santos
 
HISTÓRIA DA CIDADE E DOS MONUMENTOS PORTUENSES - Rua de Costa Cabral - Artur ...
HISTÓRIA DA CIDADE E DOS MONUMENTOS PORTUENSES - Rua de Costa Cabral - Artur ...HISTÓRIA DA CIDADE E DOS MONUMENTOS PORTUENSES - Rua de Costa Cabral - Artur ...
HISTÓRIA DA CIDADE E DOS MONUMENTOS PORTUENSES - Rua de Costa Cabral - Artur ...
Artur Filipe dos Santos
 
História dos jornais portuenses artur filipe dos santos - universidade séni...
História dos jornais portuenses   artur filipe dos santos - universidade séni...História dos jornais portuenses   artur filipe dos santos - universidade séni...
História dos jornais portuenses artur filipe dos santos - universidade séni...
Artur Filipe dos Santos
 
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
História do porto as pontes da cidade do porto - Ponte D. Maria Pia
História do porto   as pontes da cidade do porto - Ponte D. Maria PiaHistória do porto   as pontes da cidade do porto - Ponte D. Maria Pia
História do porto as pontes da cidade do porto - Ponte D. Maria Pia
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
História do Porto Os miradouros da cidade do Porto - Artur Filipe dos Santos ...
História do Porto Os miradouros da cidade do Porto - Artur Filipe dos Santos ...História do Porto Os miradouros da cidade do Porto - Artur Filipe dos Santos ...
História do Porto Os miradouros da cidade do Porto - Artur Filipe dos Santos ...
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
Casa-Museu Guerra Junqueiro - Artur Filipe dos Santos
Casa-Museu Guerra Junqueiro - Artur Filipe dos SantosCasa-Museu Guerra Junqueiro - Artur Filipe dos Santos
Casa-Museu Guerra Junqueiro - Artur Filipe dos Santos
Artur Filipe dos Santos
 
História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...
História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...
História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de águaHistória do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de águaHistória do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
Artur Filipe dos Santos
 
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de águaHistória do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
Artur Filipe dos Santos
 
História do porto jardins do porto - jardim teófilo braga - artur filipe do...
História do porto   jardins do porto - jardim teófilo braga - artur filipe do...História do porto   jardins do porto - jardim teófilo braga - artur filipe do...
História do porto jardins do porto - jardim teófilo braga - artur filipe do...
Artur Filipe dos Santos
 
História do porto jardins do porto - jardim teófilo braga - artur filipe do...
História do porto   jardins do porto - jardim teófilo braga - artur filipe do...História do porto   jardins do porto - jardim teófilo braga - artur filipe do...
História do porto jardins do porto - jardim teófilo braga - artur filipe do...
Artur Filipe dos Santos
 
História do porto s. joão do porto
História do porto   s. joão do portoHistória do porto   s. joão do porto
História do porto s. joão do porto
Artur Filipe dos Santos
 
história do Porto - As Pontes da cidade do Porto - Ponte D. Luis (Luiz I) - A...
história do Porto - As Pontes da cidade do Porto - Ponte D. Luis (Luiz I) - A...história do Porto - As Pontes da cidade do Porto - Ponte D. Luis (Luiz I) - A...
história do Porto - As Pontes da cidade do Porto - Ponte D. Luis (Luiz I) - A...
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 

Semelhante a Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf (20)

História do porto palacete conde silva monteiro - artur filipe dos santos
História do porto   palacete conde silva monteiro - artur filipe dos santosHistória do porto   palacete conde silva monteiro - artur filipe dos santos
História do porto palacete conde silva monteiro - artur filipe dos santos
 
Praça dos Poveiros - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Praça dos Poveiros - Artur Filipe dos Santos - História do PortoPraça dos Poveiros - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Praça dos Poveiros - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
 
Tragédia do vapor "Porto" - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Tragédia do vapor "Porto" - Artur Filipe dos Santos - História do PortoTragédia do vapor "Porto" - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Tragédia do vapor "Porto" - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
 
Estradas do Porto - Vias Romanas -Circunvalação- Artur Filipe dos Santos - Hi...
Estradas do Porto - Vias Romanas -Circunvalação- Artur Filipe dos Santos - Hi...Estradas do Porto - Vias Romanas -Circunvalação- Artur Filipe dos Santos - Hi...
Estradas do Porto - Vias Romanas -Circunvalação- Artur Filipe dos Santos - Hi...
 
Artur Filipe dos Santos - Ruinas de Conímbriga - Contributos para a história ...
Artur Filipe dos Santos - Ruinas de Conímbriga - Contributos para a história ...Artur Filipe dos Santos - Ruinas de Conímbriga - Contributos para a história ...
Artur Filipe dos Santos - Ruinas de Conímbriga - Contributos para a história ...
 
Praça da Batalha - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Praça da Batalha - Artur Filipe dos Santos - História do PortoPraça da Batalha - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Praça da Batalha - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
 
HISTÓRIA DA CIDADE E DOS MONUMENTOS PORTUENSES - Rua de Costa Cabral - Artur ...
HISTÓRIA DA CIDADE E DOS MONUMENTOS PORTUENSES - Rua de Costa Cabral - Artur ...HISTÓRIA DA CIDADE E DOS MONUMENTOS PORTUENSES - Rua de Costa Cabral - Artur ...
HISTÓRIA DA CIDADE E DOS MONUMENTOS PORTUENSES - Rua de Costa Cabral - Artur ...
 
História dos jornais portuenses artur filipe dos santos - universidade séni...
História dos jornais portuenses   artur filipe dos santos - universidade séni...História dos jornais portuenses   artur filipe dos santos - universidade séni...
História dos jornais portuenses artur filipe dos santos - universidade séni...
 
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...
PATRIMÓNIO CULTURAL -CITÂNIA DE BRITEIROS- Artur Filipe dos Santos - Universi...
 
História do porto as pontes da cidade do porto - Ponte D. Maria Pia
História do porto   as pontes da cidade do porto - Ponte D. Maria PiaHistória do porto   as pontes da cidade do porto - Ponte D. Maria Pia
História do porto as pontes da cidade do porto - Ponte D. Maria Pia
 
História do Porto Os miradouros da cidade do Porto - Artur Filipe dos Santos ...
História do Porto Os miradouros da cidade do Porto - Artur Filipe dos Santos ...História do Porto Os miradouros da cidade do Porto - Artur Filipe dos Santos ...
História do Porto Os miradouros da cidade do Porto - Artur Filipe dos Santos ...
 
Casa-Museu Guerra Junqueiro - Artur Filipe dos Santos
Casa-Museu Guerra Junqueiro - Artur Filipe dos SantosCasa-Museu Guerra Junqueiro - Artur Filipe dos Santos
Casa-Museu Guerra Junqueiro - Artur Filipe dos Santos
 
História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...
História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...
História do Porto - O Caminho Português de Santiago - do Porto a Compostela -...
 
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de águaHistória do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
 
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de águaHistória do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
 
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de águaHistória do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
 
História do porto jardins do porto - jardim teófilo braga - artur filipe do...
História do porto   jardins do porto - jardim teófilo braga - artur filipe do...História do porto   jardins do porto - jardim teófilo braga - artur filipe do...
História do porto jardins do porto - jardim teófilo braga - artur filipe do...
 
História do porto jardins do porto - jardim teófilo braga - artur filipe do...
História do porto   jardins do porto - jardim teófilo braga - artur filipe do...História do porto   jardins do porto - jardim teófilo braga - artur filipe do...
História do porto jardins do porto - jardim teófilo braga - artur filipe do...
 
História do porto s. joão do porto
História do porto   s. joão do portoHistória do porto   s. joão do porto
História do porto s. joão do porto
 
história do Porto - As Pontes da cidade do Porto - Ponte D. Luis (Luiz I) - A...
história do Porto - As Pontes da cidade do Porto - Ponte D. Luis (Luiz I) - A...história do Porto - As Pontes da cidade do Porto - Ponte D. Luis (Luiz I) - A...
história do Porto - As Pontes da cidade do Porto - Ponte D. Luis (Luiz I) - A...
 

Mais de Artur Filipe dos Santos

Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos GaiteirosArtur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos
 
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptxA Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
Artur Filipe dos Santos
 
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptxA Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
Artur Filipe dos Santos
 
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptxA Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
Artur Filipe dos Santos
 
À descoberta do património dos Alpes Orientais1
À descoberta do património dos Alpes Orientais1À descoberta do património dos Alpes Orientais1
À descoberta do património dos Alpes Orientais1
Artur Filipe dos Santos
 
Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu...
 Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu... Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu...
Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu...
Artur Filipe dos Santos
 
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
Artur Filipe dos Santos
 
Património Cultural Português -Festa das Cruzes- Artur Filipe dos Santos.pdf
Património Cultural Português -Festa das Cruzes-  Artur Filipe dos Santos.pdfPatrimónio Cultural Português -Festa das Cruzes-  Artur Filipe dos Santos.pdf
Património Cultural Português -Festa das Cruzes- Artur Filipe dos Santos.pdf
Artur Filipe dos Santos
 
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdfOs mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdfArtur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...
Artur Filipe dos Santos
 
Património Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdf
Património Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdfPatrimónio Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdf
Património Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdf
Artur Filipe dos Santos
 
Partrimónio Cultural da Occitânia-Carcassonne - Artur Filipe dos Santos .pdf
Partrimónio Cultural da Occitânia-Carcassonne - Artur Filipe dos Santos .pdfPartrimónio Cultural da Occitânia-Carcassonne - Artur Filipe dos Santos .pdf
Partrimónio Cultural da Occitânia-Carcassonne - Artur Filipe dos Santos .pdf
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - GUIMARÃES - Senhora da Penha...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - GUIMARÃES - Senhora da Penha...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - GUIMARÃES - Senhora da Penha...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - GUIMARÃES - Senhora da Penha...
Artur Filipe dos Santos
 
Património Cultural da Occitânia-Toulouse - Artur Filipe dos Santos .pdf
Património Cultural da Occitânia-Toulouse - Artur Filipe dos Santos .pdfPatrimónio Cultural da Occitânia-Toulouse - Artur Filipe dos Santos .pdf
Património Cultural da Occitânia-Toulouse - Artur Filipe dos Santos .pdf
Artur Filipe dos Santos
 
Guimarães Museu Alberto Sampaio e Fundação Martins Sarmento - Artur Filipe ...
Guimarães  Museu Alberto Sampaio e  Fundação Martins Sarmento - Artur Filipe ...Guimarães  Museu Alberto Sampaio e  Fundação Martins Sarmento - Artur Filipe ...
Guimarães Museu Alberto Sampaio e Fundação Martins Sarmento - Artur Filipe ...
Artur Filipe dos Santos
 
Santuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos Santos
Santuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos SantosSantuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos Santos
Santuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos Santos
Artur Filipe dos Santos
 

Mais de Artur Filipe dos Santos (20)

Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos GaiteirosArtur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
 
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptxA Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
 
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptxA Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
 
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptxA Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
 
À descoberta do património dos Alpes Orientais1
À descoberta do património dos Alpes Orientais1À descoberta do património dos Alpes Orientais1
À descoberta do património dos Alpes Orientais1
 
Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu...
 Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu... Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu...
Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu...
 
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
 
Património Cultural Português -Festa das Cruzes- Artur Filipe dos Santos.pdf
Património Cultural Português -Festa das Cruzes-  Artur Filipe dos Santos.pdfPatrimónio Cultural Português -Festa das Cruzes-  Artur Filipe dos Santos.pdf
Património Cultural Português -Festa das Cruzes- Artur Filipe dos Santos.pdf
 
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdfOs mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdfArtur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - a paisagem natural e cultural...
 
Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...
Artur Filipe dos Santos - Património cultural - a paisagem natural e cultural...
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - o Património de Vila do Cond...
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - paisagens outonais de Portuga...
 
Património Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdf
Património Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdfPatrimónio Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdf
Património Cultural da Occitânia-Avignon - Artur Filipe dos Santos .pdf
 
Partrimónio Cultural da Occitânia-Carcassonne - Artur Filipe dos Santos .pdf
Partrimónio Cultural da Occitânia-Carcassonne - Artur Filipe dos Santos .pdfPartrimónio Cultural da Occitânia-Carcassonne - Artur Filipe dos Santos .pdf
Partrimónio Cultural da Occitânia-Carcassonne - Artur Filipe dos Santos .pdf
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - GUIMARÃES - Senhora da Penha...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - GUIMARÃES - Senhora da Penha...Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - GUIMARÃES - Senhora da Penha...
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - GUIMARÃES - Senhora da Penha...
 
Património Cultural da Occitânia-Toulouse - Artur Filipe dos Santos .pdf
Património Cultural da Occitânia-Toulouse - Artur Filipe dos Santos .pdfPatrimónio Cultural da Occitânia-Toulouse - Artur Filipe dos Santos .pdf
Património Cultural da Occitânia-Toulouse - Artur Filipe dos Santos .pdf
 
Guimarães Museu Alberto Sampaio e Fundação Martins Sarmento - Artur Filipe ...
Guimarães  Museu Alberto Sampaio e  Fundação Martins Sarmento - Artur Filipe ...Guimarães  Museu Alberto Sampaio e  Fundação Martins Sarmento - Artur Filipe ...
Guimarães Museu Alberto Sampaio e Fundação Martins Sarmento - Artur Filipe ...
 
Santuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos Santos
Santuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos SantosSantuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos Santos
Santuário de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego - Artur Filipe dos Santos
 

Último

FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 

Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf

  • 1. 1 História dos Transportes na Cidade do Porto Uma Jornada pelos Meios de Transporte na Cidade Invicta Artur Filipe dos Santos
  • 2. MAGUSTO TRADICIONAL DA UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA 1 Dia I Venha festejar com a Universidade Sénior Contemporânea uma das mais antigas tradições de Portugal, o Magusto, venha comer as castanhas e provar o vinho. Descubra o património da Feira de S. Martinho de Penafiel, uma das mais antigas do País. Almoço (com bebidas incluídas) e magusto tradicional na Quinta da Ponte, Lousada. Participe na já tradicional Queimada Galega preparada pelo Prof. Artur Filipe dos Santos e pela Prof. Marta Loureiro Santos. 10 de novembro Data limite de inscrição: 7 de novembro Informações e inscrições: Universidade Sénior Contemporânea Telm: 964 068 452 / 964 75 6736 Web: www.usc.pt / Email: usc@usc.pt 2023
  • 3. Sessão Solene de Abertura A n o - L e t i v o 2 0 2 3 / 2 0 2 4 Porto de Honra de recepção aos atuais e novos alunos Oradora convidada: Professora Doutora C a r l a S e r r ã o Escola Superior de Educação Instituto Politécnico do Porto Atuação: Coro da USC 1 7 d e n o v e m b r o , 1 5 h S a l ã o N o b r e
  • 4. MERCADOS E LUZES DE NATAL DE VIGO 1 Dia I Data limite de inscrição: 5 de dezembro Informações e inscrições: Universidade Sénior Contemporânea Telm: 964 068 452 / 964 75 6736 Web: www.usc.pt / Email: usc@usc.pt 2023 Venha celebrar o Natal com a Universidade Sénior Contemporânea descobrindo os mercados e as Luzes de Natal de Vigo, um dos mais concorridos de Espanha, passeando por lugares emblemáticos da cidade como a Alameda, a Praza de Compostela e Praza Porta do Sol. Conheça com o Prof. Artur Filipe dos Santos a Co- Catedral de Santa Maria, onde se encontra a imagem religiosa mais venerada pelos pescadores galegos, o Cristo da Vitória. 7 de dezembro Iniciativas de Natal da Universidade Sénior Contemporânea
  • 5. Bibliografia • https://www.igeoe.pt/index.php?id=5 5 Cadeira de Património Mundial e Turismo Cultural Património Mundial Natural de África
  • 6. • Artur Filipe dos Santos • Doutorado em Comunicação, Publicidade, Relações Públicas e Protocolo pela Faculdade de Ciências Sociais e da Comunicação da Universidade de Vigo, é atualmente professor adjunto no ISLA Instituto Politécnico de Gestão e Tecnologia, coordenador da licenciatura de Comunicação e Tecnologia Digital e do CTesP de Comunicação Digital, e docente na Universidade Lusófona do Porto. Atua como docente e investigador nas área(s de Ciências Sociais com ênfase em Ciências da Comunicação, Comunicação e Divulgação do Património. Perito em Protocolo (de Estado, Universitário, Multicultural e Empresarial) é membro da Associação Portuguesa de Estudos de Protocolo (APOREP), membro da Sociedad de Estudios Institucionales, UNED, Espanha, investigador e membro da Direção do Observatório Iberoamericano de Investigação e Desenvolvimento em Comunicação (OIDECOM- Iberoamérica), Espanha, membro do Centro de Investigação em Comunicação (ICOM-X1) da Universidade de Vigo, Espanha, membro da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação (SOPCOM). É ainda divulgador dos Caminhos Portugueses a Santiago de Compostela. É membro do ICOMOS (INTERNATIONAL COUNCIL OF MONUMENTS AND SITES), organismo pertencente à UNESCO, responsável pela avaliação das candidaturas dos bens culturais universais a Património Mundial Como jornalista fez parte da TV Galiza, jornal A Bola, Rádio Sim (grupo Renascença), O Primeiro de Janeiro, Matosinhos Hoje, Jornal da Maia. 6 Artur Filipe dos Santos – artursantos.com.pt@gmail.com •https://omeucaminhodesantiago.wordpress.com/ (Blogue) •https://politicsandflags.wordpress.com/about/ (Blogue) •https://arturfilipesantos.wixsite.com/arturfilipesantos (Académico) •https://comunicacionpatrimoniomundial.blogia.com/ (Académico) •Email: artursantos.com.pt@gmail.com
  • 7. •Desde tempos imemoriais, os transportes desempenham um papel fundamental na evolução das cidades. 7 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 8. 8 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • A cidade do Porto, em Portugal, não é exceção. Ao longo da sua rica história, esta cidade costeira tem testemunhado uma transformação notável nos seus sistemas de transporte.
  • 9. •A história dos transportes no Porto remonta aos tempos romanos, quando a cidade era conhecida como "Portus Cale". 9 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto Malaposta
  • 10. 10 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Naquela época, as estradas eram de fundamental importância para o comércio e a mobilidade. A rede de estradas ligava a cidade ao interior, facilitando a circulação de mercadorias e pessoas. Consultar a seguinte apresentação: https://pt.slideshare.net/arturfilipesantos/ estradas-do-porto-vias-romanas- circunvalao-artur-filipe-dos-santos-histria- do-porto
  • 11. •A importância dos transportes para a cidade ao longo dos séculos. 11 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 12. • Fonte: STCP 12 A origem da STCP data de 15 de maio de 1872, marcada pela realização da viagem de inauguração oficial da primeira linha de transporte público urbano, pelo sistema "americano" instalada em Portugal, pela empresa "Companhia Carril Americano do Porto à Foz e Matosinhos".
  • 13. •O primeiro meio de transporte coletivo documentado na cidade do Porto era conhecido como "carroção". 13 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 14. 14 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Essencialmente, tratava-se de uma adaptação de carros de bois em carruagens fechadas, equipadas com portas, janelas laterais e dois assentos alinhados longitudinalmente.
  • 15. •Devido à escassez de cavalos causada pelas invasões francesas, os bois eram usados como força de tração para essas carruagens. 15 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 16. 16 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Supostamente, o "inventor" por trás dessa inovação foi um indivíduo conhecido como Manuel José de Oliveira, apelidado de "Manel-Zé".
  • 17. • Alguns intelectuais da época, que estavam atentos às mudanças sociais e frequentemente críticos das mesmas, deixaram registros mordazes sobre as viagens demoradas e frustrantes realizadas no "carroção". 17 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 18. 18 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Camilo Castelo Branco, em seu livro "Coisas Leves e Pesadas", ironizou sobre as viagens intermináveis no carroção, comparando-as a um tempo infinito, uma vida tão longa quanto a dos prisioneiros e um movimento imperceptível, semelhante à rotação do globo.
  • 19. • O "carroção" parece ter dominado a primeira metade do século XIX, mas entrou em declínio com o surgimento de meios de transporte mais ágeis e confortáveis, como os "omnibus" e os veículos conhecidos como "americanos". 19 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 20. 20 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Foram introduzidos na cidade com a fundação da Companhia de Transportes União, em 1839.
  • 21. •Consistiam em caixas de madeira envidraçadas montadas sobre dois pares de rodas, puxadas por cavalos em vez de bois. 21 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 22. 22
  • 23. 23 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Além dos omnibus, outros meios de transporte público estavam disponíveis na cidade, incluindo o "char-à-Bancs", muito semelhante aos omnibus, e os "Trens de Praça", que poderiam ser comparados aos táxis da época, pois aguardavam os passageiros e até mesmo bagagens em pontos estratégicos da cidade.
  • 24. 24
  • 25. • Os "Ripert", veículos de tração animal semelhantes ao "char- à-Bancs", criaram conflitos com a administração da Companhia Carris e com os cocheiros, devido à largura dos trilhos, que era idêntica à dos "americanos". 25 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 26. 26 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Tal levou a disputas e, eventualmente, à substituição dos trilhos de aço, mais resistentes, que não eram compatíveis com os "Ripert". Esses veículos foram retirados de circulação em 1910.
  • 27. •No entanto, a verdadeira revolução nos transportes ocorreu com o surgimento dos "americanos". 27 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 28. 28 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Esses veículos de transporte público, puxados por uma ou mais duplas de mulas ou cavalos, circulavam sobre trilhos, uma característica que os tornava verdadeiramente inovadores para a época.
  • 29. •O Porto foi pioneiro em Portugal a colher os benefícios proporcionados pelos carros “americanos". 29 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • O Americano
  • 30. 30 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Em 1858, Albino Francisco de Paiva Araújo buscou obter uma "concessão para estabelecer um caminho-de-ferro, conhecido como Americano", conectando a cidade do Porto à vila da Foz.
  • 31. •No entanto, essa autorização não foi concedida a Paiva Araújo, mas sim ao Barão da Trovisqueira doze anos depois. 31 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto José Francisco da Cruz Trovisqueira (freguesia de Gavião, Vila Nova de Famalicão, 15 de março de 1824 - freguesia de Vila Nova de Famalicão, Vila Nova de Famalicão, 1 de novembro de 1898) foi um médico, juiz, empresário e político português.
  • 32. 32 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Em agosto de 1870, foram estabelecidas cláusulas e condições que permitiram ao Barão iniciar, por sua conta, a construção de um sistema de transporte ferroviário de passageiros e mercadorias, operado por cavalos, conhecido como "rail road".
  • 33. •Essa linha seguia pela estrada pública que ligava a cidade do Porto à vila da Foz, e tinha a possibilidade de se estender até Matosinhos. 33 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 34. 34 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Para apoiar a construção e operação desse caminho-de- ferro, foi concedida uma isenção de direitos alfandegários na importação de todos os materiais fixos e móveis necessários, válida até 30 de junho de 1872.
  • 35. • As obras para a construção da linha marginal começaram no final de junho de 1871 e, até 29 de setembro do mesmo ano, a linha do caminho-de-ferro americano entre a Alfândega Nova e a Foz foi concluída em sua totalidade. 35 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 36. 36 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • A abertura ao público estava iminente, mesmo sem uma cerimónia oficial de inauguração.
  • 37. • O primeiro percurso realizado por esse novo sistema de transporte ocorreu da Rua da Alfândega Nova até o Passeio Alegre, e posteriormente se estendeu até a Foz e Matosinhos. 37 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 38. 38 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Foi a iniciativa privada que deu origem à criação da primeira linha na Marginal, inaugurada em 15 de maio de 1872.
  • 39. • Após a conclusão da linha, a concessão passou para as mãos de outros dois empresários, José de Melo e António Tavares Basto, que fundaram a Companhia Carril de Ferro Americano. 39 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 40. 40 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Um ano depois, surgiu outra empresa, a Companhia Carris de Ferro do Porto, estabelecida por Vieira de Castro e Evaristo Pinto.
  • 41. • A primeira empresa ficou conhecida entre a população como a "companhia da beira-mar", já que suas linhas percorriam a Marginal, enquanto a segunda, conhecida como Carris, manteve os "Americanos" em circulação no centro da cidade. 41 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 42. • Em 27 de julho de 1878, a Câmara Municipal do Porto (CMP) concedeu autorização às duas Companhias de transporte então existentes para implementar a tração a vapor. 42 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • A máquina a vapor da Carris do Porto
  • 43. 43 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto A “Máquina” a passar junto da Rua de Gondarém.
  • 44. •No entanto, somente a Companhia Carris de Ferro do Porto optou por adotar esse sistema, que se manteve em vigor até 1914. 44 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 45. 45 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • A tecnologia envolvia o uso de pequenas locomotivas a vapor, conhecidas como "máquinas", que puxavam uma série de carruagens.
  • 46. •A tração a vapor foi descontinuada a partir de 9 de novembro de 1914. 46 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto Fonte: Coleção Centro Português de Fotografia
  • 47. 47 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Mesmo operando por um período de 36 anos, este sistema de transporte não granjeou grande popularidade e não se difundiu como inicialmente se esperava pelas ruas da cidade.
  • 48. 48 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • O carro elétrico • A eletrificação dos transportes públicos foi introduzida na cidade do Porto em 1895, graças à fusão da Companhia Carril de Ferro do Porto com a Companhia Carril de Ferro Americano do Porto à Foz e Matosinhos, com a prevalência do nome da primeira. A imagem Esta Fotografia de Autor Desconhecido está licenciada ao abrigo da CC BY-NC-ND
  • 49. 49 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • O processo de fusão resultou em um aumento de capital, o que possibilitou a aquisição de novos veículos e o investimento na instalação de linhas elétricas aéreas.
  • 50. 50 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • O objetivo fundamental era encontrar um meio de transporte revolucionário, económico e prático para as íngremes e sinuosas ruas do Porto.
  • 51. 51 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Inicialmente, em 1892, considerou-se a possibilidade de instalar ascensores semelhantes aos de Lisboa nas ruas mais íngremes, como Clérigos, Santo António (atualmente conhecida como 31 de janeiro) e Mouzinho da Silveira. Imagem Museu do Carro Elétrico
  • 52. 52 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • No entanto, um ano depois, em 1893, o pensamento do gerente da Companhia, um homem dinâmico e empreendedor, sofreu uma reviravolta radical, levando-o a afirmar que a melhor solução seria a adoção da tração elétrica. Imagem Museu do Carro Elétrico
  • 53. 53 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • José Ribeiro Vieira de Castro dirige à Câmara Municipal do Porto um requerimento, a 17 de janeiro de 1894, pedindo licença para - como ensaio – "substituir, na tração dos seus carros, a força animal pela elétrica, nas linhas marginal e da Restauração, desde a rua do Infante D. Henrique até o extremo do concelho e desde o Passeio da Graça (Cordoaria) até Matosinhos” Imagem Museu do Carro Elétrico
  • 54. 54 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • O novo sistema de transporte elétrico trouxe uma série de vantagens: os horários puderam ser mais regulares, uma vez que as velocidades estavam predefinidas. Ermesinde no término da linha 9 https://electricosnoporto.blogs.sapo.pt/
  • 55. 55 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Facilitou a expansão da frota, uma vez que não dependia mais de grandes quantidades de animais, melhorando consideravelmente a circulação nas ruas mais íngremes da cidade. Além disso, era um meio de transporte que usava energia limpa, contribuindo para a melhoria da higiene urbana. Carro Eléctrico nº252 na Linha 9 para Ermesinde https://electricosnoporto.blogs.sapo.pt/
  • 56. 56 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Isso permitiu uma reorganização do espaço urbano, com a expansão do perímetro da cidade, a anexação de antigos subúrbios e a criação de novos bairros simultaneamente. CE 255 no terminús da linha 10 em Rio Tinto. Foto https://electricosnoporto.blogs.sapo.pt/
  • 57. 57 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • A primeira linha de carros elétricos foi inaugurada em 1895, percorrendo o trajeto do Carmo à Arrábida, e posteriormente se estendendo até a Foz e Matosinhos.
  • 58. 58 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • A partir desse marco, as linhas de carros elétricos se espalharam por toda a cidade e municípios vizinhos, tornando-se o principal meio de transporte urbano desde o final da primeira década do século XX até 1950 quando atinge o auge.
  • 59. 59 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Nesse ano o porto conta com 150 km de via, distribuídas em 38 linhas, num total de 193 elétricos.
  • 60. 60 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • No ano subsequente, um protótipo de uma nova geração de carros elétricos, identificado pelo número 500, foi construído.
  • 61. 61 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Estes carros apresentavam um design mais moderno e inovador, incluindo portas automáticas operadas pneumaticamente pelo condutor, além de assentos destinados ao condutor e ao técnico de manutenção.
  • 62. 62 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • No entanto, não foram produzidos mais veículos dessa série. Em 1957, a estação de geração de eletricidade de Massarelos foi desativada, e no ano seguinte, a rede de trilhos em funcionamento foi reduzida para apenas 81 quilómetros, com 192 carros elétricos em circulação.
  • 63. 63 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • As primeiras rotas de carros elétricos foram encerradas em 1 de janeiro de 1959, enquanto as primeiras quatro rotas de tróleis começaram a operar em 3 de maio do mesmo ano. A partir de 1958 e até à década de 70, a rede de troleicarros no distrito do Porto foi gradualmente crescendo, desde o seu aparecimento, sendo Vila Nova de Gaia o primeiro concelho a receber troleicarros, ou os “pantufas” – como eram popularmente conhecidos os veículos BUT (British United Trolley) – com passagem pelos dois tabuleiros da ponte Luiz I., tendo os mesmos como principais destinos Santo Ovídio (31) e Coimbrões (linha 33)
  • 64. 64 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Além da concorrência apresentada por essas novas formas de transporte, o serviço de carros elétricos também enfrentou desafios económicos e técnicos, como a circulação em ruas estreitas e avenidas da cidade.
  • 65. 65 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Em 1966, ainda existiam 72 quilómetros de trilhos em operação, percorridos por 184 elétricos. Os últimos carros atrelados foram retirados de serviço em 31 de dezembro daquele ano.
  • 66. 66 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • No ano seguinte, as primeiras rotas de elétricos foram substituídas por autocarros, reduzindo a rede para apenas 44 quilómetros de trilhos e 130 veículos em circulação.
  • 67. 67 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Em 1968, o serviço de carros foi novamente reduzido, com um total de 127 veículos circulando em 38 quilómetros de trilhos.
  • 68. 68 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • A partir de 1978, todos os serviços de carros elétricos que operavam após as 21 horas foram descontinuados.
  • 69. 69 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Nesse ano, a rede contava com 84 veículos e 21 quilómetros de trilhos. Em 1983, os serviços de elétricos aos domingos foram eliminados.
  • 70. 70 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Em 1988, a Estação de Recolha da Boavista foi substituída pela de Massarelos para o serviço regular, e a rede de carros elétricos tinha apenas 18 quilómetros de trilhos e 50 veículos.
  • 71. 71 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • O regresso dos elétricos à cidade: • Em 4 de maio de 1992, um desfile de carros históricos foi organizado, com a participação de vários veículos antigos.
  • 72. 72 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Em 18 de maio do mesmo ano, o Museu do Carro Elétrico foi inaugurado nas instalações de Massarelos.
  • 73. 73 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Nesse contexto, a STCP e a delegação do Porto da Associação Portuguesa dos Amigos dos Caminhos de Ferro realizaram uma reunião de entusiastas na Boavista.
  • 74. 74 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Neste ano, apenas três rotas de elétricos estavam em operação, usando 19 dos 35 veículos em condições de funcionamento.
  • 75. 75 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Essas rotas serviam principalmente áreas periféricas da cidade. Havia planos de substituir toda a rede por uma única linha turística ao longo da margem do Rio Douro, conectando a cidade às praias do Oceano Atlântico.
  • 76. 76 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Em 11 de setembro de 1993, a Linha 19, que ligava a Boavista a Matosinhos, foi encerrada devido à falta de rentabilidade dos autocarros, devido aos altos custos de manutenção e consumo de energia elétrica.
  • 77. 77
  • 78. 78 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Com o fechamento da Linha 19, apenas duas rotas permaneceram em operação: a Linha 18, que ligava o Carmo, Foz e Boavista, e a Linha 1, do Infante ao Castelo do Queijo.
  • 79. 79 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Na época, previa-se o fecho da Linha 18, mantendo a outra apenas para fins turísticos.
  • 80. 80 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Em 1996, apenas uma rota de elétricos, a Linha 18, com 14 quilómetros de trilhos, operava com três veículos, funcionando das 9h às 19h, com intervalos de 35 minutos, e os serviços aos domingos foram retomados.
  • 81. 81 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Na metade da década de 1990, grande parte dos elétricos remanescentes foi vendida a particulares, museus e outros sistemas de transporte, em consonância com a redução planeada da rede e dos serviços de elétricos, semelhante ao que ocorreu em Lisboa.
  • 82. 82 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Até o final de 1996, várias unidades foram vendidas para sete destinos, incluindo Estados Unidos (31 veículos), Inglaterra (oito carros de linha e quatro veículos especiais), Canadá, Argentina, Escócia, Espanha e Itália (uma ou duas unidades para cada destino).
  • 83. 83 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Os preços de venda variaram de 1,5 a 5 milhões de escudos, dependendo do estado de conservação de cada veículo, um valor substancialmente mais alto do que o praticado em Lisboa na mesma época, devido à possibilidade de adaptação à bitola internacional na maioria das vias de destino.
  • 84. 84 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Entre junho e novembro de 1998 e entre fevereiro e maio de 1999, foram realizadas obras nas ruas, e os elétricos foram temporariamente reunidos na antiga Remise da Boavista. No último ano da década começou a demolição dessas instalações para dar lugar à Casa da Música.
  • 85. 85 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Em 2005, a Linha 18 foi reaberta até o Carmo (Cordoaria), e três elétricos foram doados à cidade de Santos, no Brasil. Em 21 de setembro de 2007, a Linha 22 foi inaugurada, ligando a Praça da Batalha ao Funicular dos Guindais.
  • 86. 86 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto A história do autocarro e os troleicarros • A partir da década de 1930, veículos adaptados para o transporte de passageiros, conhecidos como camionetas, começaram a competir abertamente com os carros elétricos.
  • 87. • A concessão exclusiva para operar serviços de transporte público foi dada à Companhia Carris de Ferro do Porto (CCFP), o que impedia qualquer outra forma de transporte de passageiros que não fosse a CCFP. 87 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 88. • No entanto, com a conivência da Câmara Municipal, as camionetas começaram a operar na cidade, especialmente durante os horários de maior movimento, causando sérios prejuízos à CCFP. 88 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 89. 89 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Mesmo estando do lado da razão, a CCFP não conseguiu eliminar a concorrência das camionetas, que continuaram a proliferar pelas ruas da cidade, como evidenciado no trecho a seguir retirado do relatório e contas da CCFP de 1933: "(...)
  • 90. • No ano de 1933, a direção da CCFP, ao examinar o estado atual do sistema de transporte público da cidade, chegou à conclusão de que o primeiro conjunto de recursos, incluindo veículos, instalações centrais, subestações e rotas, encontrava-se em um estado de declínio total, demandando, portanto, sua substituição integral. 90 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 91. 91 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • O aumento no número de passageiros também foi notável, tornando impossível atender às numerosas demandas dos passageiros. Como resultado, os carros elétricos frequentemente alinhavam-se em filas, conhecidas na época como "rosário", seja devido a bloqueios nas vias ou interrupções frequentes no fornecimento de energia.
  • 92. •Os anos 40 do século XX trouxeram alterações profundas aos transportes públicos do Porto. 92 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto Fundação Dr. António Cupertino de Miranda - Ações
  • 93. 93 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Em 1936, a Câmara do Porto avisa a CCFP, com base no artigo trigésimo primeiro da escritura da concessão para a exploração da viação elétrica na cidade do Porto, que o contrato de concessão seria rescindido em 1941.
  • 94. • Esta pretensão da CMP só não se concretizou em 1941 porque deflagrou na altura a tão famigerada 2ª Guerra Mundial, o que levou a Câmara e o Governo a adiar por mais 5 anos a situação. 94 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 95. • Em 1946, uma nova era começou nos transportes públicos. Após 73 anos de operação, a CCFP foi substituída pelo STCP (Serviço de Transportes Coletivos do Porto), que passou a ser liderado pela Câmara Municipal do Porto. 95 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 96. 96 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Foi o momento em que a CMP assumiu um papel direto na gestão dos transportes públicos da cidade, elaborando um plano/programa que estabeleceu prioridades para os anos seguintes.
  • 97. • Uma das principais prioridades era a aquisição de autocarros, para a qual foi previsto um gasto extraordinário de 3.850 contos, além de 1.300 contos para a compra de terrenos destinados à construção da primeira fase da garagem e das oficinas. 97 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 98. 98 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • No mesmo ano de 1946, foram estudadas e estabelecidas as bases para a aquisição de 15 autocarros, sendo que a adjudicação acabou por ser feita a uma empresa da capital, a Auto- Triunfo.
  • 99. 99
  • 100. •O plano traçado pelo STCP em 1946 para a aquisição de autocarros seria implementado ao longo de 1948. 100 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 101. 101 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • No entanto, nem tudo correu como planejado, pois dos 15 autocarros inicialmente planeados para a aquisição em 1946, apenas dois estavam disponíveis em março de 1948.
  • 102. • Para não atrasar mais o processo e prejudicar o público, a Administração inaugurou em 1º de abril do mesmo ano a linha "C", que partia da Avenida dos Aliados e tinha como destino o Carvalhido. 102 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 103. 103 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Os primeiros “bus” a circular na cidade do Porto eram da marca Daimler, com carrocerias produzidas pela empresa DALFA, Lda. em Ovar.
  • 104. • Os chassis eram importados da Inglaterra e custaram aproximadamente 1.000 contos cada um quando já estavam prontos para uso. Inicialmente, os autocarros eram pintados de amarelo, mas em 1959, a cor foi alterada para verde. 104 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 105. 105 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Durante o ano de 1948, a evolução das rotas de autocarros foi notável, à medida que os autocarros encomendados iam sendo entregues, novas rotas eram inauguradas. No final do ano, a rede de transporte já contava com quatro rotas em operação, cobrindo uma extensão total de 26 quilómetros. Com uma frota de 10 veículos em circulação, a média diária de passageiros transportados atingiu a marca de 5.000.
  • 106. • Carreiras de autocarros inauguradas em 1948: • C - Carvalhido - 1 de abril • D - Antas - 1 de junho • A - Foz - 24 de junho • E - Paranhos - 23 de outubro 106 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 107. 107 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto Os Trolleycarros •Os veículos movidos a eletricidade chegaram a Portugal pela porta do Porto
  • 108. • Embora a instalação da Tracção Eléctrica nas cidades de Portugal se tenha iniciado com carros eléctricos no Porto em 1894, prosseguiu em Lisboa 6 anos depois, em Coimbra em 1911 e em Braga em 1914, as linhas com troleicarros só se instalaram em 1947 em Coimbra, em 1959 no Porto e em 1961 em Braga. 108 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 109. 109 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Os troleicarros operaram na cidade do Porto, em Portugal, no período de 1959 a 1997, sob a gestão dos STCP, responsáveis também pela operação de autocarros e elétricos.
  • 110. • A sua introdução ocorreu em janeiro de 1959, com o propósito de substituir os tradicionais eléctricos que circulavam na cidade do Porto desde 1895. Inicialmente, as primeiras linhas de eléctricos a serem convertidas para troleicarros incluíram as rotas para Vila Nova de Gaia, Campanhã e Lordelo do Ouro. 110 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 111. 111 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • A expansão da rede ocorreu progressivamente em direção ao leste e nordeste da cidade do Porto, resultando na criação de novas linhas que alcançavam áreas anteriormente não atendidas pelos eléctricos.
  • 112. • O auge da rede de troleicarros ocorreu nas décadas de 1970 e 80, quando ela atingiu uma extensão superior a 40 km e contou com uma frota de mais de 100 troleicarros em serviço. 112 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 113. 113 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Vamos explorar um pouco da história dos emblemáticos trolleycarros do Porto.
  • 114. • Na década de 1950, a Sociedade de Transportes Coletivos do Porto, responsável pelos sistemas de transporte público da cidade, enfrentou uma série de desafios operacionais e de segurança. 114 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 115. 115 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Tal ocorreu devido ao sistema de alimentação elétrica dos carros elétricos que atravessavam o rio Douro em direção a Vila Nova de Gaia pela icônica Ponte Luís I, que supostamente estava causando uma corrosão acelerada nos pilares da ponte devido a processos eletrolíticos.
  • 116. • O problema levou à necessidade de substituição desse meio de transporte por outro que não causasse o tipo de dano detetado. 116 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 117. 117 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Além disso, a infraestrutura do sistema de carros elétricos existente em Vila Nova de Gaia também estava visivelmente desgastada, requerendo rápida substituição.
  • 118. • Diante da presença de diversas infraestruturas de distribuição de energia elétrica para o transporte público nessa região, foi tomada a decisão de continuar utilizando a tração elétrica. 118 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 119. • A solução adotada foi a introdução dos troleicarros, veículos que já haviam demonstrado sucesso em Portugal, mais especificamente em Coimbra, desde 1947. 119 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 120. 120 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Apesar de seu sucesso inicial, começaram a surgir desafios operacionais significativos na década de 1990 devido ao aumento do tráfego de veículos na cidade.
  • 121. •Como resultado, a rede de troleicarros foi encerrada por completo na noite de 27 de dezembro de 1997. 121 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 122. 122 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Depois de mais de dois anos estacionados na Estação de Recolha da Areosa, no Porto, que servia como depósito tradicional e, nos últimos anos, exclusivo para esses veículos, 23 dos 25 troleicarros Efacec foram vendidos.
  • 123. •Essa venda ocorreu após várias tentativas malsucedidas de vender os veículos para diferentes países e cidades. 123 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 124. 124 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Surpreendentemente, houve um desinteresse notável por parte dos SMTUC de Coimbra, o único operador remanescente de troleicarros no país e, até então, a única cidade onde esses troleicarros desse modelo estavam em operação.
  • 125. •Apenas dois dos troleicarros de Porto ainda circulam nas ruas de Coimbra. 125 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto
  • 126. 126 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto • Felizmente, um exemplar de cada um dos modelos que operaram na cidade foi preservado e permanece em perfeito estado de funcionamento.
  • 127. •Esses veículos estão destinados a compor um futuro Museu do Troleicarro do Porto, semelhante ao Museu do Carro Elétrico. 127 Cadeira de História do Porto História dos Transportes na Cidade do Porto