SlideShare uma empresa Scribd logo
Como interpretar a Bíblia
Pr. Handerson Xavier
Introdução
O que é INTERPRETAR?
 O “ler” precede o interpretar.
• Vários sentidos na leitura.
• Vários textos (letras, imagens, sons, sinais).
• O explícito e o implícito.
 Buscamos dar sentido a nossa realidade.
 É um ato constante.
 Normalmente é um ato automático.
 Pode ser um ato deliberado.
 Pode sofrer influências (nosso contexto pessoal, nosso
estado de ânimo, etc.).
Introdução
O que é INTERPRETAR?
 Como você “interpreta” sua realidade?
 Quais as ferramentas?
• Os sentidos, o intelecto, noções pré-concebidas,
cultural, pressupostos, etc.
 Como você interpreta naturalmente a Bíblia?
• Além dos expostos acima, utiliza sua cultura
hermenêutica.
• Você reproduz a interpretação que outras pessoas
fizeram.
Introdução
O que é HERMENÊUTICA?
 Vem do verbo grego hermeneuein: interpretar.
 É uma ciência: tem objeto e método.
 Fundamental para a compreensão correta da Bíblia.
• Alguns adulteram (2 Co 4:2): Antes, renunciamos
aos procedimentos secretos e vergonhosos; não
usamos de engano nem torcemos a palavra de
Deus. Pelo contrário, mediante a clara exposição da
verdade, recomendamo-nos à consciência de todos,
diante de Deus.
Introdução
O que é HERMENÊUTICA?
• Há pontos difíceis: “Tenham em mente que a
paciência de nosso Senhor significa salvação, como
também o nosso amado irmão Paulo lhes escreveu,
com a sabedoria que Deus lhe deu. Ele escreve da
mesma forma em todas as suas cartas, falando nelas
destes assuntos. Suas cartas contêm algumas coisas
difíceis de entender, as quais os ignorantes e
instáveis torcem, como também o fazem com as
demais Escrituras, para a própria destruição deles.”
2 Pe 3:16
Introdução
O que é HERMENÊUTICA?
 Somos convidados a conhece-la e fazê-la conhecida.
• “Ele decretou estatutos para Jacó, e em Israel
estabeleceu a lei, e ordenou aos nossos
antepassados que a ensinassem aos seus filhos, de
modo que a geração seguinte a conhecesse, e
também os filhos que ainda nasceriam, e eles, por
sua vez, contassem aos seus próprios filhos. Então
eles porão a confiança em Deus; não esquecerão os
seus feitos e obedecerão aos seus mandamentos.”
Sl 78:5-7
Introdução
O que é HERMENÊUTICA?
 Somos convidados a conhecê-la e fazê-la conhecida.
• Precisamos de ajuda: “Então Filipe correu para a
carruagem, ouviu o homem lendo o profeta Isaías e
lhe perguntou: O senhor entende o que está
lendo?” (At 8:30)
• Há nobreza no estudo: “Os bereanos eram mais
nobres do que os tessalonicenses, pois receberam a
mensagem com grande interesse, examinando
todos os dias as Escrituras, para ver se tudo era
assim mesmo.” (At 17:11)
Introdução
A necessidade da HERMENÊUTICA.
 A maioria dos textos são de fácil compreensão.
• “Façam tudo sem queixas nem discussões.” Fp 2:14
• “Este é o meu mandamento: amem-se uns aos
outros.” Jo 15:17
• “Não furtem. Não mintam. Não enganem uns aos
outros.” Lv 19:11
“A maioria das pessoas preocupa-se com passagens da
Bíblia que não entende, mas as que me preocupam são
as que eu entendo.” (Martk Twain)
Introdução
A necessidade da HERMENÊUTICA.
 Alguns textos necessitam de atenção.
 Tanto pela interpretação quanto pela aplicação.
• Se a mulher não cobre a cabeça, deve também cortar o
cabelo; se, porém, é vergonhoso para a mulher ter o
cabelo cortado ou rapado, ela deve cobrir a cabeça. 1 Co
11:6
• No qual também foi e pregou aos espíritos em prisão que
há muito tempo desobedeceram, quando Deus esperava
pacientemente nos dias de Noé. 1 Pe 3:19, 20
Introdução
A falta que a boa HERMENÊUTICA BÍBLICA faz.
 Aceitação cega ou irracional (At 17:11).
• Os outros que interpretam podem estar errados.
 Problemas doutrinários.
• Pela má hermenêutica surgem as heresias e as seitas.
 Facilidade em ser manipulado.
• Escravidão espiritual.
 Viver sobre princípios errados.
• Expectativas erradas.
• Vive o que não precisa e não vive o que precisa.
 Experiência acima das Escrituras.
• Fundamenta a compreensão.
Introdução
Os pressupostos da hermenêutica bíblica
 Quem Deus é?
• Deus existe.
• Deus é pessoal.
• Deus se revelou na Sua Palavra.
 O que é a Bíblia?
• Revelação de Deus.
• É inspirada e inerrante.
• É humana e divina.
• Sua revelação é progressiva e compõe um todo.
• Utiliza linguagem comum.
• Determina a fé e a doutrina.
Os pressupostos da hermenêutica bíblica
 O que é o homem?
• O homem é capaz de compreendê-la.
• Por causa da queda precisa de iluminação.
• Cabe ao leitor orar.
• A hermenêutica demanda trabalho.
 Qual o propósito do conhecimento bíblico?
• Conhecer verdadeiramente a Deus.
• Desenvolver uma vida piedosa.
• Capacitar para o serviço cristão.
• Proteger contra os falsos ensinos.
• Proclamar o verdadeiro Evangelho.
Os pressupostos da hermenêutica bíblica
As lacunas preenchidas pela hermenêutica
 Lacuna temporal: Um grande espaço de tempo separa o
leitor atual do autor original.
As lacunas preenchidas pela hermenêutica
 Lacuna geográfica: Os eventos ocorreram em lugares
diferentes dos nossos.
• Desertos (Gn 21:21).
• Vales (2 Cr 28:3).
• Montes (Lv 25:1; Jo 8:1).
• Rios, lagos e mares (Jo 6:1).
• Cidades (Mt 4:5).
• Vau (Gn 32:22).
• Clima (Jr 5:24; Tg 5:7).
• Planícies (1 Rs 7:46).
• Estrutura da cidade de Jerusalém e do templo.
As lacunas preenchidas pela hermenêutica
 Lacuna cultural: É preciso entender a cultura envolvida no
texto.
• Política (Gn 42:6; Dn 6:1).
• Economia (Mt 22:17-21).
• Instituições (Mt 16:6).
• Leis (Dt 25:5-10 e Rt).
• Sociedade (At 17:17).
• Cultura em geral (Mt 25:1-13;
as leis de Levítico; etc.).
• Vestimentas (Ef 6:14).
• Alimentação (Mc 1:6).
• Morte (Jo 12 – Lázaro).
As lacunas preenchidas pela hermenêutica
 Lacuna linguística: Língua, palavras, construções frasais,
poesias, eram diferentes.
• A Bíblia foi escrita em hebraico, aramaico e grego.
• Há o desafio de traduzir as línguas mortas.
• Algumas expressões só fazem sentido dentro da cultura
judaica:
Filhos de belial (1 Sm 2:12)
Conhecer (Gn 4:1; Gn 3:7)
Entranhas (Jr 4:19; Lc 1:78; Cl 3:12)
As lacunas preenchidas pela hermenêutica
 Lacuna teológica: Deve-se levar em consideração a
revelação progressiva.
• A revelação se expande no decorrer da história.
• Há um aprofundamento gradativo.
• Não invalida a revelação anterior.
• O exemplo em Cristo:
 Gn 3:15
 Is 53
 Mc 15
 Gl 1:4
As lacunas preenchidas pela hermenêutica
Erros comuns ao se interpretar a Bíblia
1. Deixar de buscar a intenção do autor original.
• O que este texto significa para mim?
• Esta é a pergunta mais feita e a mais
equivocada.
• O que o texto significou para o autor original?
• Esta é a pergunta essencial da hermenêutica.
• A Bíblia tem apenas um sentido válido, que é
o sentido do autor original.
• Cuidado com a leitura ideológica da Bíblia.
Erros comuns ao se interpretar a Bíblia
2. Descontextualizar palavras ou textos.
• Texto fora de contexto é pretexto.
• Palavras, frases e expressões tiradas do seu
contexto levam à interpretações erradas.
• Provavelmente é o erro mais comum.
“Eu batizo vocês com água, para arrependimento; mas aquele que vem depois
de mim é mais poderoso do que eu, do qual não sou digno de carregar as
sandálias. Ele os batizará com o Espírito Santo e com fogo.” Mt 3:11
“Eles responderam: Creia no Senhor Jesus e você será salvo — você e toda a
sua casa.” At 16:31
“Eis que estou à porta e bato;se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta,
entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo.” Ap 3:20
Erros comuns ao se interpretar a Bíblia
2. Descontextualizar palavras ou textos.
“Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, ali estou eu com eles.” Mt
18:20
“O qual nos capacitou para sermos ministros de uma nova aliança, não da
letra, mas do Espírito; porque a letra mata, mas o Espírito vivifica.” 2 Co 3:6
“Assim, porque você é morno, e não é nem quente nem frio, estou a ponto de
vomitá-lo da minha boca.” Ap 3:16
“Assim, não é da vontade do Pai de vocês, que está nos céus, que se perca um
só destes pequeninos.” Mt 18:14
“Refiro-me ao fato de cada um de vocês dizer: "Eu sou de Paulo", "Eu sou de
Apolo", "Eu sou de Cefas", "Eu sou de Cristo".” 1 Co 1:12
“O ladrão vem somente para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham
vida e a tenham em abundância.” Jo 10:10
Erros comuns ao se interpretar a Bíblia
3. Espirituralizar textos.
• Dar um sentido espiritual ao texto.
• Todo texto tem apenas um sentido.
• Não há verdade oculta nem “código oculto”.
• Ler o literal como literal e o metafórico como
metafórico.
“E os gafanhotos se espalharam por toda a terra do Egito e pousaram sobre
todo o seu território. Eram muito numerosos. Antes destes, nunca houve tantos
gafanhotos, nem depois deles virão outros assim.” Ex 10:14
“O aspecto dos gafanhotos era semelhante a cavalos preparados para a
batalha. Na cabeça deles havia como que coroas parecendo de ouro, e o rosto
deles era como rosto de um ser humano.” Ap 9:7
Erros comuns ao se interpretar a Bíblia
4. Tomar como verdadeiro ou recomendado tudo
o que está escrito.
• Parte do conteúdo é apenas narrativo e
descritivo.
• A Bíblia narra alguns eventos sem fazer juízo
de valor ou afirmar que sejam verdadeiros.
Gideão e a prova com Deus em Juízes 6.
“Deus, pelas mãos de Paulo, fazia milagres extraordinários, a ponto de
levarem aos enfermos lenços e aventais do seu uso pessoal, diante dos quais as
enfermidades fugiam das suas vítimas, e os espíritos malignos se retiravam.”
At 19:11,12
Erros comuns ao se interpretar a Bíblia
5. Atribuir a detalhes eventuais algum sentido não
dado no texto.
• Nem todo detalhe do texto deve ser
interpretado.
• Ocorre muito em parábolas e metáforas.
A parábola das virgens em Mt 25:1-13. O que é o azeite?
“Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta,
entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo.” Ap 3:20. O que é a
porta?
“Então os olhos de ambos se abriram; e, percebendo que estavam nus,
costuraram folhas de figueira e fizeram cintas para si.” Gn 3:7
Erros comuns ao se interpretar a Bíblia
6. Atribuir significado geral ao que é específico.
• Determinadas profecias e bênçãos foram para
pessoas ou povos específicos.
• Algumas circunstâncias bíblicas não voltarão
a se repetir.
• Envolve interpretação e aplicação.
A prosperidade de Jó.
“Todo lugar em que puserem a planta do pé eu darei a vocês, como prometi a
Moisés.” Js 1:3
“Com isto, o diabo deixou Jesus, e eis que vieram anjos e o serviram.” Mt 4:11
“Então Moisés disse: — Peço que me mostres a tua glória.” Êx 33:18
Erros comuns ao se interpretar a Bíblia
7. Experiência pessoal como critério de
interpretação.
• “Eu sinto”; “Deus falou comigo”; “Deus me
revelou”; “Deus usou esse texto para falar
comigo”.
• A experiência como norma interpretativa.
• A vivência da fé e do amor a Deus podem
aproximar o cristão da Bíblia, mas também
podem distorcê-la.
Erros comuns ao se interpretar a Bíblia
Regras fundamentais da hermenêutica
1. A Escritura interpreta a si mesma.
 Chamada de “regra de ouro”.
 A Bíblia não entra em contradição.
 Deve harmonizar com o todo.
2. Há um só sentido em cada texto.
 É aquele pretendido pelo autor original.
 Não há um sentido oculto ou alegórico.
 O que o autor queria dizer?
 Como seus leitores originais entenderam?
 A hermenêutica se fundamenta na intenção do autor
e não do intérprete.
Regras fundamentais da hermenêutica
3. Tome as palavras no sentido usual e comum.
 Não significa sentido “literal”, mas o sentido dado
pela frase e pelo contexto.
 “Quem é dominado pela carne não pode agradar a
Deus.” Rm 8:8
 “A carne e o couro, porém, queimou fora do
acampamento”. Lv 9:11
 Deve levar em consideração o gênero linguístico e
a figura de linguagem.
Regras fundamentais da hermenêutica
4. Tome as palavras de acordo com o sentido da frase.
 O contexto imediato determina se a palavra tem sentido
literal ou metafórico.
 “Porque agora a nossa salvação está mais próxima do que
quando cremos.” Rm 13:11
 “Mas os outros disseram: “Deixem-no. Vejamos se Elias
vem salvá-lo”.” Mt 27:49
 “Enquanto comiam, Jesus tomou o pão, deu graças,
partiu-o, e o deu aos seus discípulos, dizendo: “Tomem e
comam; isto é o meu corpo”.” Mt 26:26
Regras fundamentais da hermenêutica
5. Tome as palavras de acordo com o contexto.
 O contexto é formado pelos versículos anteriores e
posteriores (imeditado e extendido).
 “Porque, como, pela desobediência de um só
homem, muitos se tornaram pecadores, assim
também, por meio da obediência de um só, muitos
se tornarão justos.” Rm 5:19
 “Porque a rebelião é como o pecado da feitiçaria, e
a obstinação é como a idolatria e o culto a ídolos do
lar.” 1 Sm 15:23a
Regras fundamentais da hermenêutica
6. Leve em contra o propósito da passagem ou livro.
 A razão da escrita da passagem ou do livro inteiro
ajudam a esclarecer pontos obscuros.
 “Vocês podem reconhecer o Espírito de Deus deste
modo: todo espírito que confessa que Jesus Cristo
veio em carne procede de Deus”. 1 Jo 4:2.
 O livro de 1 João foi escrito para combater falsos
ensinos, dentre eles o gnosticismo.
 O gnosticismo afirmava que a matéria é má e por
isso Jesus não poderia ter um corpo físico. Assim
negavam a humanidade de Jesus.
Regras fundamentais da hermenêutica
7. É necessário consultar as passagens paralelas.
 Preferência:
• No contexto.
• Mesmo livro.
• Mesmo autor mas em livro diferente.
• Autor diferente num mesmo contexto.
• Autores diferentes em contextos diferentes.
 Os paralelos podem ser:
• Palavras.
• Ideias.
• Ensinos gerais.
Regras fundamentais da hermenêutica
7. É necessário consultar as passagens paralelas.
 Paralelo de palavras.
 “Por isso digo: vivam pelo Espírito, e de modo
nenhum satisfarão os desejos da carne.” Gl 5:16
 “Ora, as obras da carne são manifestas: imoralidade
sexual, impureza e libertinagem.” Gl 5:19
 Clarificamos o sentido da palavra dentro do mesmo
contexto.
Regras fundamentais da hermenêutica
7. É necessário consultar as passagens paralelas.
 Paralelo de palavras.
 “Pois os que em Cristo foram batizados, de Cristo se
revestiram.” Gl 3:27
 “Comportemo-nos com decência, como quem age à luz do
dia, não em orgias e bebedeiras, não em imoralidade
sexual e depravação, não em desavença e inveja. Pelo
contrário, revistam-se do Senhor Jesus Cristo, e não
fiquem premeditando como satisfazer os desejos da
carne.” Rm 13:13, 14
 Paralelo no mesmo autor, mas em outro livro.
Regras fundamentais da hermenêutica
7. É necessário consultar as passagens paralelas.
 Paralelo de ideias.
 Às vezes é preciso compreender a passagem não
pela palavra, mas pela ideia transmitida.
 Atente para este exemplo:
• “Portanto, que todos nos considerem como
servos de Cristo e encarregados dos mistérios de
Deus.” 1 Co 4:1
• “Eis que eu lhes digo um mistério: nem todos
dormiremos, mas todos seremos transformados.”
1 Co 15:51
Regras fundamentais da hermenêutica
7. É necessário consultar as passagens paralelas.
 Paralelo de ideias.
 Nos textos de 1 Co 4:1 e 15:51 temos a palavra
“mistério” utilizada pelo mesmo autor, num mesmo
livro, mas com sentidos diferentes.
 1 Co 4:1 com 1 Co 2:1: “Eu mesmo, irmãos,
quando estive entre vocês, não fui com discurso
eloquente nem com muita sabedoria para lhes
proclamar o mistério de Deus.”
 “Mistério” seria o ensino de Deus através de Paulo.
Regras fundamentais da hermenêutica
7. É necessário consultar as passagens paralelas.
 Paralelo de ideias.
 “...não tendo a minha própria justiça que procede
da lei, mas a que vem mediante a fé em Cristo, a
justiça que procede de Deus e se baseia na fé.” Fp
3:9
 É preciso consultar textos em Romanos e Gálatas.
 “A promessa de que seria herdeiro do mundo não
veio a Abraão ou à sua descendência por meio da
lei, e sim por meio da justiça da fé.” Rm 4:13
Regras fundamentais da hermenêutica
7. É necessário consultar as passagens paralelas.
 Paralelo de ensinos gerais.
 Para compreender certas passagens é preciso levar
em consideração todo o ensino bíblico.
 “De que adianta, meus irmãos, alguém dizer que
tem fé, se não tem obras? Acaso a fé pode salvá-
lo?” Tg 2:14
 “E, se é pela graça, já não é mais pelas obras; se
fosse, a graça já não seria graça”. Rm 11:6
 A consulta ao ensino geral sobre “justificação pela
fé” resolve a aparente contradição.
Regras fundamentais da hermenêutica
8. O implícito deve ser explicado pelo explícito.
 Cuidado ao interpretar o que foi dito e o que não foi
dito: as inferências ao texto.
 Inferências são deduções feitas com base nas
informações explícitas.
 Um exemplo é a inferência de não orar pelos
pecados que conduzem à morte em 1 Jo 5:16.
 A pergunta é: O texto faz esta afirmação?
 A informação explícita tem primazia para a
interpretação.
Regras fundamentais da hermenêutica
8. O implícito deve ser explicado pelo explícito.
 Erros de inferência podem gerar especulações.
 Especulações são explicações sem fundamento
adequado e podem gerar a alegorização.
• A pessoa de Satanás. (Is 14:12)
• Quem é a besta do Apocalipse? (Ap 13:18)
• Qual a marca da besta? (Ap 13:16)
 Especulação podem servir como uma “resposta
provisória” e jamais deve fundamentar uma
doutrina.
 Sem amparo, a especulação deve ser descartada.
Regras fundamentais da hermenêutica
Regras fundamentais da HERMENÊUTICA.
palavra
frase
contexto
livro
paralelos
Escritura
Regras fundamentais da hermenêutica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Disciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo TestamentoDisciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
faculdadeteologica
 
Introdução á bíblia
Introdução á bíbliaIntrodução á bíblia
Introdução á bíblia
Lucilene G.O. Adonai
 
3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
7. O Livro de Levítico
7. O Livro de Levítico7. O Livro de Levítico
7. O Livro de Levítico
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Panorama do AT - Josué
Panorama do AT - JosuéPanorama do AT - Josué
Panorama do AT - Josué
Respirando Deus
 
Curso de Bibliologia
Curso de BibliologiaCurso de Bibliologia
Curso de Bibliologia
Sergio Silva
 
Bibliologia
BibliologiaBibliologia
Bibliologia
CursosTeologicos
 
Estudo biblia
Estudo bibliaEstudo biblia
Estudo biblia
Jocarli Junior
 
Homilética arte de pregar
Homilética   arte de pregar Homilética   arte de pregar
Homilética arte de pregar
Paulo Ferreira
 
Panorama do NT - João
Panorama do NT - JoãoPanorama do NT - João
Panorama do NT - João
Respirando Deus
 
Apocalipse
ApocalipseApocalipse
Pentateuco
PentateucoPentateuco
Pentateuco
Rogério Nunes
 
Bibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblicoBibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblico
RODRIGO FERREIRA
 
estudo do evangelho de Mateus
estudo do evangelho de Mateusestudo do evangelho de Mateus
estudo do evangelho de Mateus
RODRIGO FERREIRA
 
Hermenêutica x Exegese
Hermenêutica x ExegeseHermenêutica x Exegese
Hermenêutica x Exegese
Jonas Francelino Cândido
 
Educação cristã
Educação cristãEducação cristã
Educação cristã
José Ribeiro
 
Panorama[1]
Panorama[1]Panorama[1]
Panorama[1]
Bruno Da Ros
 
Pos modernidade e cristianismo
Pos modernidade e cristianismoPos modernidade e cristianismo
Pos modernidade e cristianismo
Daniel de Carvalho Luz
 
Profetas menores lição 1
Profetas menores   lição 1 Profetas menores   lição 1
Profetas menores lição 1
Escola Bíblica Sem Fronteiras
 
Panorama do AT - Levítico
Panorama do AT - LevíticoPanorama do AT - Levítico
Panorama do AT - Levítico
Respirando Deus
 

Mais procurados (20)

Disciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo TestamentoDisciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
 
Introdução á bíblia
Introdução á bíbliaIntrodução á bíblia
Introdução á bíblia
 
3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus
 
7. O Livro de Levítico
7. O Livro de Levítico7. O Livro de Levítico
7. O Livro de Levítico
 
Panorama do AT - Josué
Panorama do AT - JosuéPanorama do AT - Josué
Panorama do AT - Josué
 
Curso de Bibliologia
Curso de BibliologiaCurso de Bibliologia
Curso de Bibliologia
 
Bibliologia
BibliologiaBibliologia
Bibliologia
 
Estudo biblia
Estudo bibliaEstudo biblia
Estudo biblia
 
Homilética arte de pregar
Homilética   arte de pregar Homilética   arte de pregar
Homilética arte de pregar
 
Panorama do NT - João
Panorama do NT - JoãoPanorama do NT - João
Panorama do NT - João
 
Apocalipse
ApocalipseApocalipse
Apocalipse
 
Pentateuco
PentateucoPentateuco
Pentateuco
 
Bibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblicoBibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblico
 
estudo do evangelho de Mateus
estudo do evangelho de Mateusestudo do evangelho de Mateus
estudo do evangelho de Mateus
 
Hermenêutica x Exegese
Hermenêutica x ExegeseHermenêutica x Exegese
Hermenêutica x Exegese
 
Educação cristã
Educação cristãEducação cristã
Educação cristã
 
Panorama[1]
Panorama[1]Panorama[1]
Panorama[1]
 
Pos modernidade e cristianismo
Pos modernidade e cristianismoPos modernidade e cristianismo
Pos modernidade e cristianismo
 
Profetas menores lição 1
Profetas menores   lição 1 Profetas menores   lição 1
Profetas menores lição 1
 
Panorama do AT - Levítico
Panorama do AT - LevíticoPanorama do AT - Levítico
Panorama do AT - Levítico
 

Semelhante a Como interpretar a Bíblia 1

Bibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxx
Bibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx         xxxxxBibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx         xxxxx
Bibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxx
Sergio Nunes
 
Ebd escrituras sagradas 01
Ebd escrituras sagradas 01Ebd escrituras sagradas 01
Ebd escrituras sagradas 01
Dagmar Wendt
 
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras SagradasBibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Erivelton Rodrigues Nunes
 
Unidade 2 - Descobrindo um Método para Estudar a Bíblia - versão 2018
Unidade 2 - Descobrindo um Método para Estudar a Bíblia - versão 2018Unidade 2 - Descobrindo um Método para Estudar a Bíblia - versão 2018
Unidade 2 - Descobrindo um Método para Estudar a Bíblia - versão 2018
Ramón Zazatt
 
Biblia Facil
Biblia FacilBiblia Facil
Biblia Facil
Gilson Marcomini
 
Andre 3 - como estudar a bíblia
Andre 3 - como estudar a bíbliaAndre 3 - como estudar a bíblia
Andre 3 - como estudar a bíblia
Andre Nascimento
 
Como Interpretar as Escrituras
Como Interpretar as EscriturasComo Interpretar as Escrituras
Como Interpretar as Escrituras
Igreja Nazareno
 
Workshop basico hermeneutica bíblica
Workshop basico hermeneutica bíblicaWorkshop basico hermeneutica bíblica
Workshop basico hermeneutica bíblica
Fernando Lino
 
Como interpretar a Bíblia 2
Como interpretar a Bíblia 2Como interpretar a Bíblia 2
Como interpretar a Bíblia 2
Viva a Igreja
 
Biblia facil
Biblia facilBiblia facil
Biblia facil
Adilson Lima Costa
 
Biblia facil
Biblia facilBiblia facil
Biblia facil
Biblia facilBiblia facil
Biblia facil
Biblia facilBiblia facil
Biblia facil
Angelo Nhar
 
Biblia facil temas biblicos
Biblia facil temas biblicosBiblia facil temas biblicos
Biblia facil temas biblicos
SEC DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DA BAHIA
 
Profecias - Eis que te digo: Leia a Bíblia
Profecias - Eis que te digo: Leia a BíbliaProfecias - Eis que te digo: Leia a Bíblia
Profecias - Eis que te digo: Leia a Bíblia
Harbety Júnior
 
1 apresentacao livros poeticos
1   apresentacao livros poeticos1   apresentacao livros poeticos
1 apresentacao livros poeticos
PIB Penha
 
Biblia facil
Biblia facilBiblia facil
Biblia facil
Renato Bordoni
 
bibliologia.pdf
bibliologia.pdfbibliologia.pdf
bibliologia.pdf
monetizadotiktok5
 
[EBD Maranata] Lição 06 - Neemias lidera um genuíno avivamento | Revista: Nee...
[EBD Maranata] Lição 06 - Neemias lidera um genuíno avivamento | Revista: Nee...[EBD Maranata] Lição 06 - Neemias lidera um genuíno avivamento | Revista: Nee...
[EBD Maranata] Lição 06 - Neemias lidera um genuíno avivamento | Revista: Nee...
José Carlos Polozi
 
1ªaula de hermenêutica
1ªaula de hermenêutica1ªaula de hermenêutica
1ªaula de hermenêutica
Gabriel Rodrigues
 

Semelhante a Como interpretar a Bíblia 1 (20)

Bibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxx
Bibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx         xxxxxBibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx         xxxxx
Bibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxx
 
Ebd escrituras sagradas 01
Ebd escrituras sagradas 01Ebd escrituras sagradas 01
Ebd escrituras sagradas 01
 
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras SagradasBibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
 
Unidade 2 - Descobrindo um Método para Estudar a Bíblia - versão 2018
Unidade 2 - Descobrindo um Método para Estudar a Bíblia - versão 2018Unidade 2 - Descobrindo um Método para Estudar a Bíblia - versão 2018
Unidade 2 - Descobrindo um Método para Estudar a Bíblia - versão 2018
 
Biblia Facil
Biblia FacilBiblia Facil
Biblia Facil
 
Andre 3 - como estudar a bíblia
Andre 3 - como estudar a bíbliaAndre 3 - como estudar a bíblia
Andre 3 - como estudar a bíblia
 
Como Interpretar as Escrituras
Como Interpretar as EscriturasComo Interpretar as Escrituras
Como Interpretar as Escrituras
 
Workshop basico hermeneutica bíblica
Workshop basico hermeneutica bíblicaWorkshop basico hermeneutica bíblica
Workshop basico hermeneutica bíblica
 
Como interpretar a Bíblia 2
Como interpretar a Bíblia 2Como interpretar a Bíblia 2
Como interpretar a Bíblia 2
 
Biblia facil
Biblia facilBiblia facil
Biblia facil
 
Biblia facil
Biblia facilBiblia facil
Biblia facil
 
Biblia facil
Biblia facilBiblia facil
Biblia facil
 
Biblia facil
Biblia facilBiblia facil
Biblia facil
 
Biblia facil temas biblicos
Biblia facil temas biblicosBiblia facil temas biblicos
Biblia facil temas biblicos
 
Profecias - Eis que te digo: Leia a Bíblia
Profecias - Eis que te digo: Leia a BíbliaProfecias - Eis que te digo: Leia a Bíblia
Profecias - Eis que te digo: Leia a Bíblia
 
1 apresentacao livros poeticos
1   apresentacao livros poeticos1   apresentacao livros poeticos
1 apresentacao livros poeticos
 
Biblia facil
Biblia facilBiblia facil
Biblia facil
 
bibliologia.pdf
bibliologia.pdfbibliologia.pdf
bibliologia.pdf
 
[EBD Maranata] Lição 06 - Neemias lidera um genuíno avivamento | Revista: Nee...
[EBD Maranata] Lição 06 - Neemias lidera um genuíno avivamento | Revista: Nee...[EBD Maranata] Lição 06 - Neemias lidera um genuíno avivamento | Revista: Nee...
[EBD Maranata] Lição 06 - Neemias lidera um genuíno avivamento | Revista: Nee...
 
1ªaula de hermenêutica
1ªaula de hermenêutica1ªaula de hermenêutica
1ªaula de hermenêutica
 

Mais de Viva a Igreja

Como interpretar a Bíblia 4
Como interpretar a Bíblia 4Como interpretar a Bíblia 4
Como interpretar a Bíblia 4
Viva a Igreja
 
Como interpretar a Bíblia 3
Como interpretar a Bíblia 3Como interpretar a Bíblia 3
Como interpretar a Bíblia 3
Viva a Igreja
 
Termo de compromisso
Termo de compromissoTermo de compromisso
Termo de compromisso
Viva a Igreja
 
Curso para novos membros
Curso para novos membrosCurso para novos membros
Curso para novos membros
Viva a Igreja
 
Regimento Interno
Regimento InternoRegimento Interno
Regimento Interno
Viva a Igreja
 
Regras Parlamentares
Regras ParlamentaresRegras Parlamentares
Regras Parlamentares
Viva a Igreja
 
Estatuto da Igreja Batista do Natal
Estatuto da Igreja Batista do NatalEstatuto da Igreja Batista do Natal
Estatuto da Igreja Batista do Natal
Viva a Igreja
 
Pacto e Comunhão Batistas
Pacto e Comunhão BatistasPacto e Comunhão Batistas
Pacto e Comunhão Batistas
Viva a Igreja
 
Uma igreja vivendo em pequenos grupos
Uma igreja vivendo em pequenos gruposUma igreja vivendo em pequenos grupos
Uma igreja vivendo em pequenos grupos
Viva a Igreja
 
5 Solas da Reforma Protestante
5 Solas da Reforma Protestante5 Solas da Reforma Protestante
5 Solas da Reforma Protestante
Viva a Igreja
 
Discipulado: uma necessidade urgente!
Discipulado: uma necessidade urgente!Discipulado: uma necessidade urgente!
Discipulado: uma necessidade urgente!
Viva a Igreja
 
Vivendo em Pequenos Grupos
Vivendo em Pequenos GruposVivendo em Pequenos Grupos
Vivendo em Pequenos Grupos
Viva a Igreja
 
Pode ou não pode?
Pode ou não pode?Pode ou não pode?
Pode ou não pode?
Viva a Igreja
 
Os livros Apócrifos
Os livros ApócrifosOs livros Apócrifos
Os livros Apócrifos
Viva a Igreja
 
Hermenêutica III - Hermenêutica especial
Hermenêutica III - Hermenêutica especialHermenêutica III - Hermenêutica especial
Hermenêutica III - Hermenêutica especial
Viva a Igreja
 
Hermenêutica II - Hermenêutica Geral
Hermenêutica II - Hermenêutica GeralHermenêutica II - Hermenêutica Geral
Hermenêutica II - Hermenêutica Geral
Viva a Igreja
 
Hermenêutica I - Regras Fundamentais
Hermenêutica I - Regras FundamentaisHermenêutica I - Regras Fundamentais
Hermenêutica I - Regras Fundamentais
Viva a Igreja
 
Introdução Bíblica - atualizado
Introdução Bíblica - atualizadoIntrodução Bíblica - atualizado
Introdução Bíblica - atualizado
Viva a Igreja
 
Os Profetas Maiores: estudo introdutório
Os Profetas Maiores: estudo introdutórioOs Profetas Maiores: estudo introdutório
Os Profetas Maiores: estudo introdutório
Viva a Igreja
 
Reforma: Hoje e Amanhã
Reforma: Hoje e AmanhãReforma: Hoje e Amanhã
Reforma: Hoje e Amanhã
Viva a Igreja
 

Mais de Viva a Igreja (20)

Como interpretar a Bíblia 4
Como interpretar a Bíblia 4Como interpretar a Bíblia 4
Como interpretar a Bíblia 4
 
Como interpretar a Bíblia 3
Como interpretar a Bíblia 3Como interpretar a Bíblia 3
Como interpretar a Bíblia 3
 
Termo de compromisso
Termo de compromissoTermo de compromisso
Termo de compromisso
 
Curso para novos membros
Curso para novos membrosCurso para novos membros
Curso para novos membros
 
Regimento Interno
Regimento InternoRegimento Interno
Regimento Interno
 
Regras Parlamentares
Regras ParlamentaresRegras Parlamentares
Regras Parlamentares
 
Estatuto da Igreja Batista do Natal
Estatuto da Igreja Batista do NatalEstatuto da Igreja Batista do Natal
Estatuto da Igreja Batista do Natal
 
Pacto e Comunhão Batistas
Pacto e Comunhão BatistasPacto e Comunhão Batistas
Pacto e Comunhão Batistas
 
Uma igreja vivendo em pequenos grupos
Uma igreja vivendo em pequenos gruposUma igreja vivendo em pequenos grupos
Uma igreja vivendo em pequenos grupos
 
5 Solas da Reforma Protestante
5 Solas da Reforma Protestante5 Solas da Reforma Protestante
5 Solas da Reforma Protestante
 
Discipulado: uma necessidade urgente!
Discipulado: uma necessidade urgente!Discipulado: uma necessidade urgente!
Discipulado: uma necessidade urgente!
 
Vivendo em Pequenos Grupos
Vivendo em Pequenos GruposVivendo em Pequenos Grupos
Vivendo em Pequenos Grupos
 
Pode ou não pode?
Pode ou não pode?Pode ou não pode?
Pode ou não pode?
 
Os livros Apócrifos
Os livros ApócrifosOs livros Apócrifos
Os livros Apócrifos
 
Hermenêutica III - Hermenêutica especial
Hermenêutica III - Hermenêutica especialHermenêutica III - Hermenêutica especial
Hermenêutica III - Hermenêutica especial
 
Hermenêutica II - Hermenêutica Geral
Hermenêutica II - Hermenêutica GeralHermenêutica II - Hermenêutica Geral
Hermenêutica II - Hermenêutica Geral
 
Hermenêutica I - Regras Fundamentais
Hermenêutica I - Regras FundamentaisHermenêutica I - Regras Fundamentais
Hermenêutica I - Regras Fundamentais
 
Introdução Bíblica - atualizado
Introdução Bíblica - atualizadoIntrodução Bíblica - atualizado
Introdução Bíblica - atualizado
 
Os Profetas Maiores: estudo introdutório
Os Profetas Maiores: estudo introdutórioOs Profetas Maiores: estudo introdutório
Os Profetas Maiores: estudo introdutório
 
Reforma: Hoje e Amanhã
Reforma: Hoje e AmanhãReforma: Hoje e Amanhã
Reforma: Hoje e Amanhã
 

Último

10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
PIB Penha
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
PIB Penha
 
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
LEILANEGOUVEIA1
 
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
Sammis Reachers
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
GuilhermeCerqueira17
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 

Último (14)

10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
13 - Estudo dos Relacionamentos do Cristão
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
14 - Um Convite à Oração. Incentivar a orar
 
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
 
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
PREGUE A MISSÃO - 15 Esboços de Sermões sobre Missões e Evangelização - Sammi...
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 

Como interpretar a Bíblia 1

  • 1. Como interpretar a Bíblia Pr. Handerson Xavier
  • 3. O que é INTERPRETAR?  O “ler” precede o interpretar. • Vários sentidos na leitura. • Vários textos (letras, imagens, sons, sinais). • O explícito e o implícito.  Buscamos dar sentido a nossa realidade.  É um ato constante.  Normalmente é um ato automático.  Pode ser um ato deliberado.  Pode sofrer influências (nosso contexto pessoal, nosso estado de ânimo, etc.). Introdução
  • 4. O que é INTERPRETAR?  Como você “interpreta” sua realidade?  Quais as ferramentas? • Os sentidos, o intelecto, noções pré-concebidas, cultural, pressupostos, etc.  Como você interpreta naturalmente a Bíblia? • Além dos expostos acima, utiliza sua cultura hermenêutica. • Você reproduz a interpretação que outras pessoas fizeram. Introdução
  • 5. O que é HERMENÊUTICA?  Vem do verbo grego hermeneuein: interpretar.  É uma ciência: tem objeto e método.  Fundamental para a compreensão correta da Bíblia. • Alguns adulteram (2 Co 4:2): Antes, renunciamos aos procedimentos secretos e vergonhosos; não usamos de engano nem torcemos a palavra de Deus. Pelo contrário, mediante a clara exposição da verdade, recomendamo-nos à consciência de todos, diante de Deus. Introdução
  • 6. O que é HERMENÊUTICA? • Há pontos difíceis: “Tenham em mente que a paciência de nosso Senhor significa salvação, como também o nosso amado irmão Paulo lhes escreveu, com a sabedoria que Deus lhe deu. Ele escreve da mesma forma em todas as suas cartas, falando nelas destes assuntos. Suas cartas contêm algumas coisas difíceis de entender, as quais os ignorantes e instáveis torcem, como também o fazem com as demais Escrituras, para a própria destruição deles.” 2 Pe 3:16 Introdução
  • 7. O que é HERMENÊUTICA?  Somos convidados a conhece-la e fazê-la conhecida. • “Ele decretou estatutos para Jacó, e em Israel estabeleceu a lei, e ordenou aos nossos antepassados que a ensinassem aos seus filhos, de modo que a geração seguinte a conhecesse, e também os filhos que ainda nasceriam, e eles, por sua vez, contassem aos seus próprios filhos. Então eles porão a confiança em Deus; não esquecerão os seus feitos e obedecerão aos seus mandamentos.” Sl 78:5-7 Introdução
  • 8. O que é HERMENÊUTICA?  Somos convidados a conhecê-la e fazê-la conhecida. • Precisamos de ajuda: “Então Filipe correu para a carruagem, ouviu o homem lendo o profeta Isaías e lhe perguntou: O senhor entende o que está lendo?” (At 8:30) • Há nobreza no estudo: “Os bereanos eram mais nobres do que os tessalonicenses, pois receberam a mensagem com grande interesse, examinando todos os dias as Escrituras, para ver se tudo era assim mesmo.” (At 17:11) Introdução
  • 9. A necessidade da HERMENÊUTICA.  A maioria dos textos são de fácil compreensão. • “Façam tudo sem queixas nem discussões.” Fp 2:14 • “Este é o meu mandamento: amem-se uns aos outros.” Jo 15:17 • “Não furtem. Não mintam. Não enganem uns aos outros.” Lv 19:11 “A maioria das pessoas preocupa-se com passagens da Bíblia que não entende, mas as que me preocupam são as que eu entendo.” (Martk Twain) Introdução
  • 10. A necessidade da HERMENÊUTICA.  Alguns textos necessitam de atenção.  Tanto pela interpretação quanto pela aplicação. • Se a mulher não cobre a cabeça, deve também cortar o cabelo; se, porém, é vergonhoso para a mulher ter o cabelo cortado ou rapado, ela deve cobrir a cabeça. 1 Co 11:6 • No qual também foi e pregou aos espíritos em prisão que há muito tempo desobedeceram, quando Deus esperava pacientemente nos dias de Noé. 1 Pe 3:19, 20 Introdução
  • 11. A falta que a boa HERMENÊUTICA BÍBLICA faz.  Aceitação cega ou irracional (At 17:11). • Os outros que interpretam podem estar errados.  Problemas doutrinários. • Pela má hermenêutica surgem as heresias e as seitas.  Facilidade em ser manipulado. • Escravidão espiritual.  Viver sobre princípios errados. • Expectativas erradas. • Vive o que não precisa e não vive o que precisa.  Experiência acima das Escrituras. • Fundamenta a compreensão. Introdução
  • 12. Os pressupostos da hermenêutica bíblica
  • 13.  Quem Deus é? • Deus existe. • Deus é pessoal. • Deus se revelou na Sua Palavra.  O que é a Bíblia? • Revelação de Deus. • É inspirada e inerrante. • É humana e divina. • Sua revelação é progressiva e compõe um todo. • Utiliza linguagem comum. • Determina a fé e a doutrina. Os pressupostos da hermenêutica bíblica
  • 14.  O que é o homem? • O homem é capaz de compreendê-la. • Por causa da queda precisa de iluminação. • Cabe ao leitor orar. • A hermenêutica demanda trabalho.  Qual o propósito do conhecimento bíblico? • Conhecer verdadeiramente a Deus. • Desenvolver uma vida piedosa. • Capacitar para o serviço cristão. • Proteger contra os falsos ensinos. • Proclamar o verdadeiro Evangelho. Os pressupostos da hermenêutica bíblica
  • 15. As lacunas preenchidas pela hermenêutica
  • 16.  Lacuna temporal: Um grande espaço de tempo separa o leitor atual do autor original. As lacunas preenchidas pela hermenêutica
  • 17.  Lacuna geográfica: Os eventos ocorreram em lugares diferentes dos nossos. • Desertos (Gn 21:21). • Vales (2 Cr 28:3). • Montes (Lv 25:1; Jo 8:1). • Rios, lagos e mares (Jo 6:1). • Cidades (Mt 4:5). • Vau (Gn 32:22). • Clima (Jr 5:24; Tg 5:7). • Planícies (1 Rs 7:46). • Estrutura da cidade de Jerusalém e do templo. As lacunas preenchidas pela hermenêutica
  • 18.  Lacuna cultural: É preciso entender a cultura envolvida no texto. • Política (Gn 42:6; Dn 6:1). • Economia (Mt 22:17-21). • Instituições (Mt 16:6). • Leis (Dt 25:5-10 e Rt). • Sociedade (At 17:17). • Cultura em geral (Mt 25:1-13; as leis de Levítico; etc.). • Vestimentas (Ef 6:14). • Alimentação (Mc 1:6). • Morte (Jo 12 – Lázaro). As lacunas preenchidas pela hermenêutica
  • 19.  Lacuna linguística: Língua, palavras, construções frasais, poesias, eram diferentes. • A Bíblia foi escrita em hebraico, aramaico e grego. • Há o desafio de traduzir as línguas mortas. • Algumas expressões só fazem sentido dentro da cultura judaica: Filhos de belial (1 Sm 2:12) Conhecer (Gn 4:1; Gn 3:7) Entranhas (Jr 4:19; Lc 1:78; Cl 3:12) As lacunas preenchidas pela hermenêutica
  • 20.  Lacuna teológica: Deve-se levar em consideração a revelação progressiva. • A revelação se expande no decorrer da história. • Há um aprofundamento gradativo. • Não invalida a revelação anterior. • O exemplo em Cristo:  Gn 3:15  Is 53  Mc 15  Gl 1:4 As lacunas preenchidas pela hermenêutica
  • 21. Erros comuns ao se interpretar a Bíblia
  • 22. 1. Deixar de buscar a intenção do autor original. • O que este texto significa para mim? • Esta é a pergunta mais feita e a mais equivocada. • O que o texto significou para o autor original? • Esta é a pergunta essencial da hermenêutica. • A Bíblia tem apenas um sentido válido, que é o sentido do autor original. • Cuidado com a leitura ideológica da Bíblia. Erros comuns ao se interpretar a Bíblia
  • 23. 2. Descontextualizar palavras ou textos. • Texto fora de contexto é pretexto. • Palavras, frases e expressões tiradas do seu contexto levam à interpretações erradas. • Provavelmente é o erro mais comum. “Eu batizo vocês com água, para arrependimento; mas aquele que vem depois de mim é mais poderoso do que eu, do qual não sou digno de carregar as sandálias. Ele os batizará com o Espírito Santo e com fogo.” Mt 3:11 “Eles responderam: Creia no Senhor Jesus e você será salvo — você e toda a sua casa.” At 16:31 “Eis que estou à porta e bato;se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo.” Ap 3:20 Erros comuns ao se interpretar a Bíblia
  • 24. 2. Descontextualizar palavras ou textos. “Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, ali estou eu com eles.” Mt 18:20 “O qual nos capacitou para sermos ministros de uma nova aliança, não da letra, mas do Espírito; porque a letra mata, mas o Espírito vivifica.” 2 Co 3:6 “Assim, porque você é morno, e não é nem quente nem frio, estou a ponto de vomitá-lo da minha boca.” Ap 3:16 “Assim, não é da vontade do Pai de vocês, que está nos céus, que se perca um só destes pequeninos.” Mt 18:14 “Refiro-me ao fato de cada um de vocês dizer: "Eu sou de Paulo", "Eu sou de Apolo", "Eu sou de Cefas", "Eu sou de Cristo".” 1 Co 1:12 “O ladrão vem somente para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância.” Jo 10:10 Erros comuns ao se interpretar a Bíblia
  • 25. 3. Espirituralizar textos. • Dar um sentido espiritual ao texto. • Todo texto tem apenas um sentido. • Não há verdade oculta nem “código oculto”. • Ler o literal como literal e o metafórico como metafórico. “E os gafanhotos se espalharam por toda a terra do Egito e pousaram sobre todo o seu território. Eram muito numerosos. Antes destes, nunca houve tantos gafanhotos, nem depois deles virão outros assim.” Ex 10:14 “O aspecto dos gafanhotos era semelhante a cavalos preparados para a batalha. Na cabeça deles havia como que coroas parecendo de ouro, e o rosto deles era como rosto de um ser humano.” Ap 9:7 Erros comuns ao se interpretar a Bíblia
  • 26. 4. Tomar como verdadeiro ou recomendado tudo o que está escrito. • Parte do conteúdo é apenas narrativo e descritivo. • A Bíblia narra alguns eventos sem fazer juízo de valor ou afirmar que sejam verdadeiros. Gideão e a prova com Deus em Juízes 6. “Deus, pelas mãos de Paulo, fazia milagres extraordinários, a ponto de levarem aos enfermos lenços e aventais do seu uso pessoal, diante dos quais as enfermidades fugiam das suas vítimas, e os espíritos malignos se retiravam.” At 19:11,12 Erros comuns ao se interpretar a Bíblia
  • 27. 5. Atribuir a detalhes eventuais algum sentido não dado no texto. • Nem todo detalhe do texto deve ser interpretado. • Ocorre muito em parábolas e metáforas. A parábola das virgens em Mt 25:1-13. O que é o azeite? “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo.” Ap 3:20. O que é a porta? “Então os olhos de ambos se abriram; e, percebendo que estavam nus, costuraram folhas de figueira e fizeram cintas para si.” Gn 3:7 Erros comuns ao se interpretar a Bíblia
  • 28. 6. Atribuir significado geral ao que é específico. • Determinadas profecias e bênçãos foram para pessoas ou povos específicos. • Algumas circunstâncias bíblicas não voltarão a se repetir. • Envolve interpretação e aplicação. A prosperidade de Jó. “Todo lugar em que puserem a planta do pé eu darei a vocês, como prometi a Moisés.” Js 1:3 “Com isto, o diabo deixou Jesus, e eis que vieram anjos e o serviram.” Mt 4:11 “Então Moisés disse: — Peço que me mostres a tua glória.” Êx 33:18 Erros comuns ao se interpretar a Bíblia
  • 29. 7. Experiência pessoal como critério de interpretação. • “Eu sinto”; “Deus falou comigo”; “Deus me revelou”; “Deus usou esse texto para falar comigo”. • A experiência como norma interpretativa. • A vivência da fé e do amor a Deus podem aproximar o cristão da Bíblia, mas também podem distorcê-la. Erros comuns ao se interpretar a Bíblia
  • 30. Regras fundamentais da hermenêutica
  • 31. 1. A Escritura interpreta a si mesma.  Chamada de “regra de ouro”.  A Bíblia não entra em contradição.  Deve harmonizar com o todo. 2. Há um só sentido em cada texto.  É aquele pretendido pelo autor original.  Não há um sentido oculto ou alegórico.  O que o autor queria dizer?  Como seus leitores originais entenderam?  A hermenêutica se fundamenta na intenção do autor e não do intérprete. Regras fundamentais da hermenêutica
  • 32. 3. Tome as palavras no sentido usual e comum.  Não significa sentido “literal”, mas o sentido dado pela frase e pelo contexto.  “Quem é dominado pela carne não pode agradar a Deus.” Rm 8:8  “A carne e o couro, porém, queimou fora do acampamento”. Lv 9:11  Deve levar em consideração o gênero linguístico e a figura de linguagem. Regras fundamentais da hermenêutica
  • 33. 4. Tome as palavras de acordo com o sentido da frase.  O contexto imediato determina se a palavra tem sentido literal ou metafórico.  “Porque agora a nossa salvação está mais próxima do que quando cremos.” Rm 13:11  “Mas os outros disseram: “Deixem-no. Vejamos se Elias vem salvá-lo”.” Mt 27:49  “Enquanto comiam, Jesus tomou o pão, deu graças, partiu-o, e o deu aos seus discípulos, dizendo: “Tomem e comam; isto é o meu corpo”.” Mt 26:26 Regras fundamentais da hermenêutica
  • 34. 5. Tome as palavras de acordo com o contexto.  O contexto é formado pelos versículos anteriores e posteriores (imeditado e extendido).  “Porque, como, pela desobediência de um só homem, muitos se tornaram pecadores, assim também, por meio da obediência de um só, muitos se tornarão justos.” Rm 5:19  “Porque a rebelião é como o pecado da feitiçaria, e a obstinação é como a idolatria e o culto a ídolos do lar.” 1 Sm 15:23a Regras fundamentais da hermenêutica
  • 35. 6. Leve em contra o propósito da passagem ou livro.  A razão da escrita da passagem ou do livro inteiro ajudam a esclarecer pontos obscuros.  “Vocês podem reconhecer o Espírito de Deus deste modo: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne procede de Deus”. 1 Jo 4:2.  O livro de 1 João foi escrito para combater falsos ensinos, dentre eles o gnosticismo.  O gnosticismo afirmava que a matéria é má e por isso Jesus não poderia ter um corpo físico. Assim negavam a humanidade de Jesus. Regras fundamentais da hermenêutica
  • 36. 7. É necessário consultar as passagens paralelas.  Preferência: • No contexto. • Mesmo livro. • Mesmo autor mas em livro diferente. • Autor diferente num mesmo contexto. • Autores diferentes em contextos diferentes.  Os paralelos podem ser: • Palavras. • Ideias. • Ensinos gerais. Regras fundamentais da hermenêutica
  • 37. 7. É necessário consultar as passagens paralelas.  Paralelo de palavras.  “Por isso digo: vivam pelo Espírito, e de modo nenhum satisfarão os desejos da carne.” Gl 5:16  “Ora, as obras da carne são manifestas: imoralidade sexual, impureza e libertinagem.” Gl 5:19  Clarificamos o sentido da palavra dentro do mesmo contexto. Regras fundamentais da hermenêutica
  • 38. 7. É necessário consultar as passagens paralelas.  Paralelo de palavras.  “Pois os que em Cristo foram batizados, de Cristo se revestiram.” Gl 3:27  “Comportemo-nos com decência, como quem age à luz do dia, não em orgias e bebedeiras, não em imoralidade sexual e depravação, não em desavença e inveja. Pelo contrário, revistam-se do Senhor Jesus Cristo, e não fiquem premeditando como satisfazer os desejos da carne.” Rm 13:13, 14  Paralelo no mesmo autor, mas em outro livro. Regras fundamentais da hermenêutica
  • 39. 7. É necessário consultar as passagens paralelas.  Paralelo de ideias.  Às vezes é preciso compreender a passagem não pela palavra, mas pela ideia transmitida.  Atente para este exemplo: • “Portanto, que todos nos considerem como servos de Cristo e encarregados dos mistérios de Deus.” 1 Co 4:1 • “Eis que eu lhes digo um mistério: nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados.” 1 Co 15:51 Regras fundamentais da hermenêutica
  • 40. 7. É necessário consultar as passagens paralelas.  Paralelo de ideias.  Nos textos de 1 Co 4:1 e 15:51 temos a palavra “mistério” utilizada pelo mesmo autor, num mesmo livro, mas com sentidos diferentes.  1 Co 4:1 com 1 Co 2:1: “Eu mesmo, irmãos, quando estive entre vocês, não fui com discurso eloquente nem com muita sabedoria para lhes proclamar o mistério de Deus.”  “Mistério” seria o ensino de Deus através de Paulo. Regras fundamentais da hermenêutica
  • 41. 7. É necessário consultar as passagens paralelas.  Paralelo de ideias.  “...não tendo a minha própria justiça que procede da lei, mas a que vem mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus e se baseia na fé.” Fp 3:9  É preciso consultar textos em Romanos e Gálatas.  “A promessa de que seria herdeiro do mundo não veio a Abraão ou à sua descendência por meio da lei, e sim por meio da justiça da fé.” Rm 4:13 Regras fundamentais da hermenêutica
  • 42. 7. É necessário consultar as passagens paralelas.  Paralelo de ensinos gerais.  Para compreender certas passagens é preciso levar em consideração todo o ensino bíblico.  “De que adianta, meus irmãos, alguém dizer que tem fé, se não tem obras? Acaso a fé pode salvá- lo?” Tg 2:14  “E, se é pela graça, já não é mais pelas obras; se fosse, a graça já não seria graça”. Rm 11:6  A consulta ao ensino geral sobre “justificação pela fé” resolve a aparente contradição. Regras fundamentais da hermenêutica
  • 43. 8. O implícito deve ser explicado pelo explícito.  Cuidado ao interpretar o que foi dito e o que não foi dito: as inferências ao texto.  Inferências são deduções feitas com base nas informações explícitas.  Um exemplo é a inferência de não orar pelos pecados que conduzem à morte em 1 Jo 5:16.  A pergunta é: O texto faz esta afirmação?  A informação explícita tem primazia para a interpretação. Regras fundamentais da hermenêutica
  • 44. 8. O implícito deve ser explicado pelo explícito.  Erros de inferência podem gerar especulações.  Especulações são explicações sem fundamento adequado e podem gerar a alegorização. • A pessoa de Satanás. (Is 14:12) • Quem é a besta do Apocalipse? (Ap 13:18) • Qual a marca da besta? (Ap 13:16)  Especulação podem servir como uma “resposta provisória” e jamais deve fundamentar uma doutrina.  Sem amparo, a especulação deve ser descartada. Regras fundamentais da hermenêutica
  • 45. Regras fundamentais da HERMENÊUTICA. palavra frase contexto livro paralelos Escritura Regras fundamentais da hermenêutica