SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
1
GUIA DO PRÓ-LETRAMENTO – 2010
1. Caracterização do Pró-Letramento
O Pró-Letramento - Mobilização pela Qualidade da Educação - é um programa de formação
continuada de professores para a melhoria da qualidade de aprendizagem da leitura/escrita e matemática
nos anos/séries iniciais do ensino fundamental. O Programa será realizado pelo Ministério da Educação
(MEC), Universidades Parceiras e com adesão dos estados e municípios. Podem participar todos os pro-
fessores que estiverem em exercício nos anos/séries iniciais do ensino fundamental das escolas públicas.
O Pró-Letramento funcionará na modalidade semipresencial. Para isso, utilizará material
impresso e em vídeo e contará com atividades presenciais e a distância, que serão acompanhadas por
professores orientadores, também chamados tutores.
Os objetivos do PRÓ-LETRAMENTO são:
oferecer•	 suporte à ação pedagógica dos professores dos anos/séries iniciais do ensino
fundamental, contribuindo para elevar a qualidade do ensino e da aprendizagem de
língua portuguesa e matemática;
propor situações que incentivem a reflexão e a construção do conhecimento como•	
processo contínuo de formação docente;
desenvolver conhecimentos que possibilitem a compreensão da matemática e da lin-•	
guagem e de seus processos de ensino e aprendizagem;
contribuir para que se desenvolva nas escolas uma cultura de formação continuada;•	
desencadear ações de formação continuada em rede, envolvendo Universidades, Se-•	
cretarias de Educação e Escolas Públicas dos Sistemas de Ensino.
2. Por que formação continuada?
A formação continuada é uma exigência da atividade profissional no mundo atual
não podendo ser reduzida a uma ação compensatória de fragilidades da formação inicial.
O conhecimento adquirido no início da formação se reelabora e se especifica na ativida-
de profissional para atender a mobilidade, a complexidade e a diversidade das situações
que solicitam intervenções adequadas. Assim, a formação continuada deve desenvolver
uma atitude investigativa e reflexiva, tendo em vista que a atividade profissional é um
campo de produção do conhecimento, envolvendo aprendizagens que ultrapassem a sim-
ples aplicação do que foi estudado.
Aformação continuada de caráter reflexivo considera o professor o sujeito da ação,
valoriza suas experiências pessoais, suas incursões teóricas, seus saberes da prática e
possibilita-lhe que, durante o processo, atribua novos significados a ela, compreenda e
enfrente as dificuldades com as quais irá se defrontar no dia-a-dia.
É importante que não se perca de vista a articulação entre formação e profissio-
nalização, na medida em que uma política de formação implica ações efetivas, com a
finalidade de melhorar a qualidade do ensino, as condições de trabalho e ainda contribuir
para a evolução funcional e o aprimoramento das competências dos professores.
2
GUIA DO PRÓ-LETRAMENTO – 2010
3. Estrutura organizacional
No contexto federativo em que se reafirma a autonomia crescente das formas de gestão e o
regime de colaboração entre as instâncias dos governos federal, estadual e municipal, a implemen-
tação do Pró-Letramento prevê uma estrutura organizacional em instâncias que deverão funcionar
de maneira integrada, com competências específicas, a saber:
Ministério da Educação (•	 MEC), por meio da Secretaria de Educação Básica (SEB)
e da Secretaria de Educação a Distância (SEED);
Universidades, por meio dos Centros de Pesquisa e Desenvolvimento da Educação.•	
Sistemas de Ensino, por meio de adesão•	 das Secretarias de Educação.
4. Participantes do Programa
O Programa é executado com a participação de quatro atores essenciais que são responsáveis
pela execução das ações nos Estados. São eles:
Coordenador Geral do Programa: deve ser, de preferência, um profissional da Secretaria
de Educação, responsável pela organização do Programa no município e pela articulação entre o tutor
e a Secretaria de Educação;
Professor Orientador de Estudos/Tutor: deve ser professor efetivo do município, que
recebe a formação das Universidades e trabalha com, no máximo, duas turmas. Sua indicação é
feita pela Secretaria de Educação e deverá ser pautada em sua experiência profissional e formação
acadêmica. Este ator é peça-chave no projeto, pois ele será o articulador entre as Universidades e
os cursistas.
Professor Cursista: deve ser professor das séries/anos iniciais do ensino fundamental (1ª a
4ª série ou 1º ao 5º ano), que esteja atuando em sala de aula e que tenha se inscrito no curso.
Formador de Professor Tutor: é vinculado à universidade parceira, responsável pela
formação.
A Resolução FNDE que dispõe sobre a concessão de Bolsas para os Tutores estabelece as
responsabilidades e competências de cada um dos setores envolvidos no Programa: IES, Sistemas de
ensino, MEC e professores orientadores (tutores) do Programa.
Recomenda-se a todos os participantes o estudo detalhado da referida Resolução estabele-
cendo-se os compromissos solidários no processo formativo.
3
GUIA DO PRÓ-LETRAMENTO – 2010
5. Especificação dos Cursos
O curso do Pró-Letramento é formado de sete etapas, descritas a seguir:
I-	 Apresentação do Programa: momento em que os Secretários de Educação e Coor-
denadores do Programa entram em contato com a dinâmica do Pró-Letramento.
II-	 Seleção dos Tutores – Os tutores devem ser escolhidos mediante seleção pública
que considere o currículo, experiência e habilidade didática dos candidatos. O tutor também deverá
ter reconhecimento por parte do grupo de professores do município.
No processo de seleção deverá ser considerado ainda o conhecimento do tutor acerca do
material do Pró-Letramento e das Orientações Gerais do Programa.
O município obrigatoriamente deve indicar o mesmo número de tutores para a área de Al-
fabetização e Linguagem e para a área de Matemática. Não é permitida a participação do município
em apenas uma área de formação.
III-	 Adesão – período em que o Secretário de Educação adere ao Programa e assume
os compromissos indicado na resolução do programa. Nesse momento, o Secretário de Educação já
deve informar quem serão os tutores de Alfabetização e Linguagem e de Matemática.
IV-	 Formação dos Tutores: o curso terá duração de 180 horas distribuídas da se-
guinte forma:
Formação Inicial dos Tutores: seminário inicial do Programa no qual os tutores têm par-•	
ticipação obrigatória. A partir deste seminário o tutor estará apto a iniciar a formação de
cursistas em seu município.
A carga horária da formação inicial é de 40 horas, realizadas em cinco dias de encontro.•	
A não participação do tutor nesse encontro inviabiliza a realização do Programa no mu-•	
nicípio ou estado.
O tutor poderá trabalhar com até 50 cursistas. Cada turma de cursistas pode ter até 25•	
professores cursistas.
Seminários de Acompanhamento dos Professores Tutores: após a formação inicial dos•	
tutores, estes retornarão para seus municípios e iniciarão a formação dos cursistas. Du-
rante o trabalho, em um período que dura de seis a oito meses, serão realizados dois se-
minários de acompanhamento junto com as Universidades Formadoras. Esses encontros
têm por finalidade o acompanhamento do trabalho realizado pelos tutores pelas universi-
dades, esclarecimentos de dúvidas dos tutores quanto aos cursos ministrados e continu-
ação da formação iniciada nos encontros anteriores.
A carga horária de cada seminário de acompanhamento é de 28 horas realizadas em três•	
dias e meio de encontro.
Seminário de Avaliação Final do Programa: destinado às apresentações dos trabalhos•	
realizados e à entrega dos relatórios finais. Terá carga horária de 24 horas/aula e se rea-
lizará em 3 dias de encontro.
4
GUIA DO PRÓ-LETRAMENTO – 2010
V-	 Formação dos Cursistas: A formação dos cursistas é dividida em 84 horas presen-
ciais e 36 horas à distância, totalizando 120 horas.
A formação dos cursistas começa imediatamente após a formação inicial dos tutores, e ocor-
re ao mesmo tempo em que acontece a formação do tutor.
O cursista participará de uma área de formação por vez, podendo frequentar a outra área na
etapa do revezamento.
O cursista deverá ter no mínimo 75% de presença nos encontros presenciais com o tutor.
Os cursos de Alfabetização e Linguagem e Matemática serão desenvolvidos paralelamente e
serão realizados num período de seis a oito meses.
O quadro a seguir é sugerido para o desenvolvimento das atividades do Pró-Letramento no
município:
Matemática Alfabetização e Linguagem
4 horas semanais totalizando 21 encontros.
Ou
8 horas quinzenais totalizando 10 encontros
mais um encontro de 4 horas.
4 horas semanais totalizando 21 encontros.
Ou
8 horas quinzenais totalizando 10 encontros
mais um encontro de 4 horas.
VI - Revezamento: após a realização das quatro etapas anteriores, haverá um revezamento
de áreas entre os professores cursistas. A partir da estrutura montada, os professores cursistas que
fizeram o curso de Matemática poderão fazer também o de Alfabetização e Linguagem e vice-versa.
Isso contribuirá para que se desenvolva nas escolas a cultura de formação continuada, que é um dos
objetivos do Pró-Letramento.
Para o revezamento não haverá formação inicial de tutores. Os tutores já formados trabalha-
rão com as novas turmas e terão mais encontros de acompanhamento com as universidades formado-
ras, conforme carga horária descrita abaixo.
Essa etapa do curso tem uma duração de seis a oito meses, com a carga horária de 120 horas
divididas assim:
Para Tutores – 72 horas presenciais realizadas entre 3 encontros de 24 horas e mais 48
horas a distância. As atividades presenciais da etapa do revezamento, desde que o município tenha
interesse de participar delas, são obrigatórias para os professores tutores.
Para Cursistas – 84 horas presenciais e 36 horas a distância, divididas de acordo com o
quadro descrito no item V.
No revezamento é imprescindível que o tutor que vem trabalhando na primeira etapa
dê continuidade à formação, portanto não serão aceitas substituições de tutores nesta etapa.
Caso tenha interesse e disponibilidade para desenvolver as tarefas solicitadas, o professor
tutor de Matemática poderá participar como cursista no curso de Alfabetização e Linguagem e vice-
versa, na fase do revezamento.
5
GUIA DO PRÓ-LETRAMENTO – 2010
6- Bolsas de estudo
Os tutores que participarem dos encontros de formação, que desenvolverem adequada-
mente as atividades propostas e entregarem tempestivamente as atividades solicitadas, receberão
a bolsa de estudo.
	A conta-benefício para o recebimento da bolsa será aberta pelo FNDE em uma agência do
Banco do Brasil S/A indicada pelo tutor no cadastro feito junto à universidade. O número do benefício
poderá ser consultado, assim que a conta for aberta, no site www.fnde.gov.br/pesquisabeneficio/.
	O pagamento das parcelas da bolsa será autorizado pelas universidades formadoras para os
tutores que cumprirem os requisitos definidos durante o curso.
	Os tutores devem informar às universidades os seus dados cadastrais completos e sem abre-
viações, responsabilizando-se pelas informações prestadas.
	O pagamento das bolsas é regulamentado pela Resolução do Programa.
7- Certificação
O Programa Pró-Letramento é um curso de aperfeiçoamento. O certificado é proferido pelas
Universidades Formadoras tanto para os professores orientadores de estudos (tutores) quanto para os
professores cursistas, com as seguintes indicações:
Para Tutores:
“Curso de Aperfeiçoamento Para Formação de Tutores em Linguagem e Alfabetização
para as Séries Iniciais do Ensino Fundamental” e “Curso de Aperfeiçoamento Para For-
mação de Tutores em Matemática para as Séries Iniciais do Ensino Fundamental”.
Para Cursistas:
“Curso de Aperfeiçoamento Para Professores em Linguagem e Alfabetização para as
Séries Iniciais do Ensino Fundamental” e “Curso de Aperfeiçoamento Para Professores
em Matemática para as Séries Iniciais do Ensino Fundamental”.
A carga horária dos certificados será:
Para Tutores:
• Certificado de 180 horas na primeira etapa.
• Certificado de 120 horas no revezamento.
Para Cursistas:
• Certificado de 120 horas na primeira etapa.
• Certificado de 120 horas no revezamento.
6
GUIA DO PRÓ-LETRAMENTO – 2010
8- Material do Pró-Letramento
O material do Pró-Letramento foi elaborado por dez universidades e está dividido segundo
os fascículos abaixo:
Os cursos de Alfabetização e Linguagem terão oito fascículos em que serão abordados os
seguintes temas:
Capacidades linguísticas da alfabetização e avaliação•	
Alfabetização e letramento: questões sobre avaliação•	
A organização do tempo pedagógico e o planejamento de ensino•	
Organização e uso da biblioteca escolar e das salas de leitura•	
O lúdico na sala de aula: projetos e jogos•	
O livro didático em sala de aula: algumas reflexões•	
Modos de falar/Modos de escrever•	
Fascículo complementar•	
Cada fascículo será estudado em três encontros de quatro horas semanais.
Os fascículos serão distribuídos a cada professor cursista. Aos professores tutores serão en-
tregues os fascículos acompanhados de DVDs que complementarão os momentos presenciais.
Os cursos de Matemática contarão com oito fascículos, a saber:
Números naturais•	
Operações com números naturais•	
Espaço e forma•	
Frações•	
Grandezas e medidas•	
Tratamento da informação•	
Resolver problemas: o lado lúdico do ensino da matemática•	
Avaliação da aprendizagem em matemática nos anos iniciais•	
Cada fascículo será estudado, quinzenalmente, em um encontro de oito horas, no mesmo
dia, ou dois encontros de quatro horas em dias seguidos da semana.
7
GUIA DO PRÓ-LETRAMENTO – 2010
O material do programa já foi enviado para todas as escolas do Brasil no ano de 2007 e para
todas as Secretarias de Educação no ano de 2008. Ao aderir ao curso é necessário que os gestores
verifiquem a quantidade de material que possuem no município e solicitem ao MEC a quantidade que
ainda precisarem antes da formação inicial de tutores.
Os tutores deverão ler todo o material do Programa antes da formação inicial indicada no
item 5 deste guia.
9 – Substituição de tutores
	Para que os objetivos propostos pelo Pró-Letramento sejam alcançados, é necessário que os
tutores inscritos que tenham participado da formação inicial permaneçam no curso. Assim sendo,
somente nos casos listados serão aceitas substituições de tutores:
Doença grave que impossibilite a continuidade do trabalho do tutor regularmente ins-•	
crito ou de algum dependente familiar que necessite de sua assistência.
O tutor, de cargo efetivo, pedir exoneração.•	
Gravidez.•	
Em qualquer dos casos, para que se proceda à substituição, devem ser encaminhados ao
MEC e à Universidade Formadora documentos que comprovem essas situações.
Para que o tutor substituto possa atuar regularmente como tutor, deverá realizar todas as
atividades compensatórias solicitadas pela Universidade Formadora.
10- Avaliação
Os professores, tanto os tutores quanto os cursistas, serão avaliados a partir dos seguintes
critérios:
frequência aos encontros presenciais;•	
realização satisfatória das tarefas previstas em cada fascículo;•	
autoavaliação do professor, considerando o percurso durante o Pró-Letramento, as•	
contribuições do curso e as mudanças em sua prática pedagógica.
Anotações

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação Programa de Reestruturação Mais Educação SP
Apresentação Programa de Reestruturação Mais Educação SPApresentação Programa de Reestruturação Mais Educação SP
Apresentação Programa de Reestruturação Mais Educação SPFabio Rogerio Nepomuceno
 
PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA (PIBID): UM PANORAMA...
PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA (PIBID): UM PANORAMA...PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA (PIBID): UM PANORAMA...
PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA (PIBID): UM PANORAMA...ProfessorPrincipiante
 
Material Prova Brasil
Material Prova BrasilMaterial Prova Brasil
Material Prova BrasilAna Claudia
 
PROVINHA BRASIL: UM OLHAR SOBRE A SUA APLICAÇÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS DE CUIABÁ
PROVINHA BRASIL: UM OLHAR SOBRE A SUA APLICAÇÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS DE CUIABÁPROVINHA BRASIL: UM OLHAR SOBRE A SUA APLICAÇÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS DE CUIABÁ
PROVINHA BRASIL: UM OLHAR SOBRE A SUA APLICAÇÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS DE CUIABÁAcilene Tandinha
 
GESTAR II Guia geral
GESTAR II Guia geralGESTAR II Guia geral
GESTAR II Guia geraljoshuajasf
 
Apresentação marilza plano
Apresentação marilza planoApresentação marilza plano
Apresentação marilza planoRuth Sílvia
 
Planejamento 2012
Planejamento 2012Planejamento 2012
Planejamento 2012Pet Esef
 
1203078170 an2 qimfc_profs
1203078170 an2 qimfc_profs1203078170 an2 qimfc_profs
1203078170 an2 qimfc_profsAbel Antunes
 
O computador na sociedade do conhecimento cap6
O computador na sociedade do conhecimento   cap6O computador na sociedade do conhecimento   cap6
O computador na sociedade do conhecimento cap6Renata de Sousa
 
2W DIDATICA JENIFA-converted.pdf
2W DIDATICA JENIFA-converted.pdf2W DIDATICA JENIFA-converted.pdf
2W DIDATICA JENIFA-converted.pdfSamuel Zefanias
 
Plano de melhoria 2012
Plano de melhoria 2012Plano de melhoria 2012
Plano de melhoria 2012guidalucena
 
Apresentação do Projeto de Doutoramento (em seminário) - junho de 2012
Apresentação do Projeto de Doutoramento (em seminário) - junho de 2012Apresentação do Projeto de Doutoramento (em seminário) - junho de 2012
Apresentação do Projeto de Doutoramento (em seminário) - junho de 2012Susana Lemos
 
Correo de las Lenguas # 2
Correo de las Lenguas # 2Correo de las Lenguas # 2
Correo de las Lenguas # 2Graciela Bilat
 
ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2020
ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2020ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2020
ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2020Carlos Ferreira
 

Mais procurados (19)

Apresentação Programa de Reestruturação Mais Educação SP
Apresentação Programa de Reestruturação Mais Educação SPApresentação Programa de Reestruturação Mais Educação SP
Apresentação Programa de Reestruturação Mais Educação SP
 
PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA (PIBID): UM PANORAMA...
PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA (PIBID): UM PANORAMA...PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA (PIBID): UM PANORAMA...
PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA (PIBID): UM PANORAMA...
 
Material Prova Brasil
Material Prova BrasilMaterial Prova Brasil
Material Prova Brasil
 
PROVINHA BRASIL: UM OLHAR SOBRE A SUA APLICAÇÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS DE CUIABÁ
PROVINHA BRASIL: UM OLHAR SOBRE A SUA APLICAÇÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS DE CUIABÁPROVINHA BRASIL: UM OLHAR SOBRE A SUA APLICAÇÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS DE CUIABÁ
PROVINHA BRASIL: UM OLHAR SOBRE A SUA APLICAÇÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS DE CUIABÁ
 
GESTAR II Guia geral
GESTAR II Guia geralGESTAR II Guia geral
GESTAR II Guia geral
 
Catalogo br-fp
Catalogo br-fpCatalogo br-fp
Catalogo br-fp
 
Apresentação marilza plano
Apresentação marilza planoApresentação marilza plano
Apresentação marilza plano
 
Planejamento 2012
Planejamento 2012Planejamento 2012
Planejamento 2012
 
1203078170 an2 qimfc_profs
1203078170 an2 qimfc_profs1203078170 an2 qimfc_profs
1203078170 an2 qimfc_profs
 
2W MIC JENIFA.docx
2W MIC JENIFA.docx2W MIC JENIFA.docx
2W MIC JENIFA.docx
 
O computador na sociedade do conhecimento cap6
O computador na sociedade do conhecimento   cap6O computador na sociedade do conhecimento   cap6
O computador na sociedade do conhecimento cap6
 
2W DIDATICA JENIFA-converted.pdf
2W DIDATICA JENIFA-converted.pdf2W DIDATICA JENIFA-converted.pdf
2W DIDATICA JENIFA-converted.pdf
 
Plano de melhoria 2012
Plano de melhoria 2012Plano de melhoria 2012
Plano de melhoria 2012
 
Livreto ana
Livreto anaLivreto ana
Livreto ana
 
Prog 1 cicloeb
Prog  1 cicloebProg  1 cicloeb
Prog 1 cicloeb
 
Provas públicas de doutoramento
Provas públicas de doutoramentoProvas públicas de doutoramento
Provas públicas de doutoramento
 
Apresentação do Projeto de Doutoramento (em seminário) - junho de 2012
Apresentação do Projeto de Doutoramento (em seminário) - junho de 2012Apresentação do Projeto de Doutoramento (em seminário) - junho de 2012
Apresentação do Projeto de Doutoramento (em seminário) - junho de 2012
 
Correo de las Lenguas # 2
Correo de las Lenguas # 2Correo de las Lenguas # 2
Correo de las Lenguas # 2
 
ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2020
ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2020ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2020
ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2020
 

Semelhante a guiageral

Apresentação do Pró-letramento
Apresentação do Pró-letramentoApresentação do Pró-letramento
Apresentação do Pró-letramentoElieneDias
 
Guia Geral 3 Passo
Guia Geral 3 PassoGuia Geral 3 Passo
Guia Geral 3 Passoguest3480c
 
Apresentação geral do GESTAR II
Apresentação geral do GESTAR IIApresentação geral do GESTAR II
Apresentação geral do GESTAR IIguestc94c2b91
 
Proformaçãoarial
ProformaçãoarialProformaçãoarial
Proformaçãoarialacladalike
 
Guia Geral Gestar Ii Cidaadrianarosi
Guia Geral Gestar Ii   CidaadrianarosiGuia Geral Gestar Ii   Cidaadrianarosi
Guia Geral Gestar Ii Cidaadrianarosiguest5727987
 
Projeto para Formação continuada na escola 2016
Projeto para Formação continuada na escola 2016 Projeto para Formação continuada na escola 2016
Projeto para Formação continuada na escola 2016 Maria Cecilia Silva
 
Apresentação - Tempo de Aprender.pdf
Apresentação - Tempo de Aprender.pdfApresentação - Tempo de Aprender.pdf
Apresentação - Tempo de Aprender.pdfrosemeirebarbosa31
 
Apresenta visita técnica mt
Apresenta   visita técnica  mtApresenta   visita técnica  mt
Apresenta visita técnica mtjcmerij
 
Projeto didáticas e práticas de ensino
Projeto didáticas e práticas de ensinoProjeto didáticas e práticas de ensino
Projeto didáticas e práticas de ensinoMaria Cecilia Silva
 
ensino integral slides_nivelamento_-15-03-2018.pptx
ensino integral slides_nivelamento_-15-03-2018.pptxensino integral slides_nivelamento_-15-03-2018.pptx
ensino integral slides_nivelamento_-15-03-2018.pptxTulioSousa7
 
Parecer orientativo 2011 último
Parecer orientativo 2011   últimoParecer orientativo 2011   último
Parecer orientativo 2011 últimoCoordPedPoloBG
 
Parecer orientativo 2011_sala do educador
Parecer orientativo 2011_sala do educadorParecer orientativo 2011_sala do educador
Parecer orientativo 2011_sala do educadorescolamuller
 
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docxCópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docxProfLeandrodosSantos
 
Pacto apresentacao padrao_06_jul12_com_mapa
Pacto apresentacao padrao_06_jul12_com_mapaPacto apresentacao padrao_06_jul12_com_mapa
Pacto apresentacao padrao_06_jul12_com_mapaRosemary Batista
 
Aprendendo a ser professor contribuições de um programa de iniciação à docênc...
Aprendendo a ser professor contribuições de um programa de iniciação à docênc...Aprendendo a ser professor contribuições de um programa de iniciação à docênc...
Aprendendo a ser professor contribuições de um programa de iniciação à docênc...curujao
 
Plano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdf
Plano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdfPlano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdf
Plano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdfFreiheit Ribeiro
 
Apres gestar ii araçoiaba pe
Apres gestar ii araçoiaba peApres gestar ii araçoiaba pe
Apres gestar ii araçoiaba pejoshuajasf
 

Semelhante a guiageral (20)

Apresentação do Pró-letramento
Apresentação do Pró-letramentoApresentação do Pró-letramento
Apresentação do Pró-letramento
 
Guia Geral 3 Passo
Guia Geral 3 PassoGuia Geral 3 Passo
Guia Geral 3 Passo
 
Guia Geral
Guia GeralGuia Geral
Guia Geral
 
Apresentação geral do GESTAR II
Apresentação geral do GESTAR IIApresentação geral do GESTAR II
Apresentação geral do GESTAR II
 
Proformaçãoarial
ProformaçãoarialProformaçãoarial
Proformaçãoarial
 
Guia Geral Gestar Ii Cidaadrianarosi
Guia Geral Gestar Ii   CidaadrianarosiGuia Geral Gestar Ii   Cidaadrianarosi
Guia Geral Gestar Ii Cidaadrianarosi
 
Projeto para Formação continuada na escola 2016
Projeto para Formação continuada na escola 2016 Projeto para Formação continuada na escola 2016
Projeto para Formação continuada na escola 2016
 
Apresentação - Tempo de Aprender.pdf
Apresentação - Tempo de Aprender.pdfApresentação - Tempo de Aprender.pdf
Apresentação - Tempo de Aprender.pdf
 
Apresenta visita técnica mt
Apresenta   visita técnica  mtApresenta   visita técnica  mt
Apresenta visita técnica mt
 
Projeto didáticas e práticas de ensino
Projeto didáticas e práticas de ensinoProjeto didáticas e práticas de ensino
Projeto didáticas e práticas de ensino
 
Orientaço..[1] pro 2012 2013
Orientaço..[1] pro 2012 2013Orientaço..[1] pro 2012 2013
Orientaço..[1] pro 2012 2013
 
ensino integral slides_nivelamento_-15-03-2018.pptx
ensino integral slides_nivelamento_-15-03-2018.pptxensino integral slides_nivelamento_-15-03-2018.pptx
ensino integral slides_nivelamento_-15-03-2018.pptx
 
Parecer orientativo 2011 último
Parecer orientativo 2011   últimoParecer orientativo 2011   último
Parecer orientativo 2011 último
 
Parecer orientativo 2011_sala do educador
Parecer orientativo 2011_sala do educadorParecer orientativo 2011_sala do educador
Parecer orientativo 2011_sala do educador
 
30 de junho (1)
30 de junho (1)30 de junho (1)
30 de junho (1)
 
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docxCópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
 
Pacto apresentacao padrao_06_jul12_com_mapa
Pacto apresentacao padrao_06_jul12_com_mapaPacto apresentacao padrao_06_jul12_com_mapa
Pacto apresentacao padrao_06_jul12_com_mapa
 
Aprendendo a ser professor contribuições de um programa de iniciação à docênc...
Aprendendo a ser professor contribuições de um programa de iniciação à docênc...Aprendendo a ser professor contribuições de um programa de iniciação à docênc...
Aprendendo a ser professor contribuições de um programa de iniciação à docênc...
 
Plano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdf
Plano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdfPlano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdf
Plano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdf
 
Apres gestar ii araçoiaba pe
Apres gestar ii araçoiaba peApres gestar ii araçoiaba pe
Apres gestar ii araçoiaba pe
 

Mais de joelmaelucio

NOITE CRONOGRAMA JUNHO 2010 - Agende ...
NOITE CRONOGRAMA JUNHO 2010 - Agende ...NOITE CRONOGRAMA JUNHO 2010 - Agende ...
NOITE CRONOGRAMA JUNHO 2010 - Agende ...joelmaelucio
 
RECIBO CAPCITAÇÃO PDE ESOCOLA - LUZIA JOELMA
RECIBO CAPCITAÇÃO PDE ESOCOLA - LUZIA JOELMARECIBO CAPCITAÇÃO PDE ESOCOLA - LUZIA JOELMA
RECIBO CAPCITAÇÃO PDE ESOCOLA - LUZIA JOELMAjoelmaelucio
 
NOITE CRONOGRAMA MAIO 2010 - Agende s...
NOITE CRONOGRAMA MAIO 2010 - Agende s...NOITE CRONOGRAMA MAIO 2010 - Agende s...
NOITE CRONOGRAMA MAIO 2010 - Agende s...joelmaelucio
 
Noite Outubro 2010
Noite Outubro 2010Noite Outubro 2010
Noite Outubro 2010joelmaelucio
 
Tarde - Cronograma de Aulas no LEI – Turno da...
Tarde - Cronograma de Aulas no LEI – Turno da...Tarde - Cronograma de Aulas no LEI – Turno da...
Tarde - Cronograma de Aulas no LEI – Turno da...joelmaelucio
 
TARDE CRONOGRAMA JUNHO 2010 - Agende ...
TARDE CRONOGRAMA JUNHO 2010 - Agende ...TARDE CRONOGRAMA JUNHO 2010 - Agende ...
TARDE CRONOGRAMA JUNHO 2010 - Agende ...joelmaelucio
 
PL - Informçãos para simulação do orçamento - Ceará
PL - Informçãos para simulação do orçamento - CearáPL - Informçãos para simulação do orçamento - Ceará
PL - Informçãos para simulação do orçamento - Cearájoelmaelucio
 
Caros colegas Professores,
Caros colegas Professores,Caros colegas Professores,
Caros colegas Professores,joelmaelucio
 
NOITE - AGOSTO 2010
NOITE - AGOSTO 2010NOITE - AGOSTO 2010
NOITE - AGOSTO 2010joelmaelucio
 
Tarde Outubro 2010
Tarde Outubro 2010Tarde Outubro 2010
Tarde Outubro 2010joelmaelucio
 
TARDE CRONOGRAMA MAIO 2010 - Agende s...
TARDE CRONOGRAMA MAIO 2010 - Agende s...TARDE CRONOGRAMA MAIO 2010 - Agende s...
TARDE CRONOGRAMA MAIO 2010 - Agende s...joelmaelucio
 
Noite - Cronograma de Aulas no LEI – Turno da...
Noite - Cronograma de Aulas no LEI – Turno da...Noite - Cronograma de Aulas no LEI – Turno da...
Noite - Cronograma de Aulas no LEI – Turno da...joelmaelucio
 
ESCUELA DE ENSINO MÉDIO FRANCISCO DE MOURA
ESCUELA DE ENSINO MÉDIO FRANCISCO DE MOURAESCUELA DE ENSINO MÉDIO FRANCISCO DE MOURA
ESCUELA DE ENSINO MÉDIO FRANCISCO DE MOURAjoelmaelucio
 
TARDE - AGOSTO 2010
TARDE - AGOSTO 2010TARDE - AGOSTO 2010
TARDE - AGOSTO 2010joelmaelucio
 
Realização da Semana da Leitura
Realização da Semana da LeituraRealização da Semana da Leitura
Realização da Semana da Leiturajoelmaelucio
 

Mais de joelmaelucio (18)

Oficina
OficinaOficina
Oficina
 
hablando español
hablando españolhablando español
hablando español
 
NOITE CRONOGRAMA JUNHO 2010 - Agende ...
NOITE CRONOGRAMA JUNHO 2010 - Agende ...NOITE CRONOGRAMA JUNHO 2010 - Agende ...
NOITE CRONOGRAMA JUNHO 2010 - Agende ...
 
RECIBO CAPCITAÇÃO PDE ESOCOLA - LUZIA JOELMA
RECIBO CAPCITAÇÃO PDE ESOCOLA - LUZIA JOELMARECIBO CAPCITAÇÃO PDE ESOCOLA - LUZIA JOELMA
RECIBO CAPCITAÇÃO PDE ESOCOLA - LUZIA JOELMA
 
NOITE CRONOGRAMA MAIO 2010 - Agende s...
NOITE CRONOGRAMA MAIO 2010 - Agende s...NOITE CRONOGRAMA MAIO 2010 - Agende s...
NOITE CRONOGRAMA MAIO 2010 - Agende s...
 
Noite Outubro 2010
Noite Outubro 2010Noite Outubro 2010
Noite Outubro 2010
 
Tarde - Cronograma de Aulas no LEI – Turno da...
Tarde - Cronograma de Aulas no LEI – Turno da...Tarde - Cronograma de Aulas no LEI – Turno da...
Tarde - Cronograma de Aulas no LEI – Turno da...
 
TARDE CRONOGRAMA JUNHO 2010 - Agende ...
TARDE CRONOGRAMA JUNHO 2010 - Agende ...TARDE CRONOGRAMA JUNHO 2010 - Agende ...
TARDE CRONOGRAMA JUNHO 2010 - Agende ...
 
PL - Informçãos para simulação do orçamento - Ceará
PL - Informçãos para simulação do orçamento - CearáPL - Informçãos para simulação do orçamento - Ceará
PL - Informçãos para simulação do orçamento - Ceará
 
fasciculo_port
fasciculo_portfasciculo_port
fasciculo_port
 
Caros colegas Professores,
Caros colegas Professores,Caros colegas Professores,
Caros colegas Professores,
 
NOITE - AGOSTO 2010
NOITE - AGOSTO 2010NOITE - AGOSTO 2010
NOITE - AGOSTO 2010
 
Tarde Outubro 2010
Tarde Outubro 2010Tarde Outubro 2010
Tarde Outubro 2010
 
TARDE CRONOGRAMA MAIO 2010 - Agende s...
TARDE CRONOGRAMA MAIO 2010 - Agende s...TARDE CRONOGRAMA MAIO 2010 - Agende s...
TARDE CRONOGRAMA MAIO 2010 - Agende s...
 
Noite - Cronograma de Aulas no LEI – Turno da...
Noite - Cronograma de Aulas no LEI – Turno da...Noite - Cronograma de Aulas no LEI – Turno da...
Noite - Cronograma de Aulas no LEI – Turno da...
 
ESCUELA DE ENSINO MÉDIO FRANCISCO DE MOURA
ESCUELA DE ENSINO MÉDIO FRANCISCO DE MOURAESCUELA DE ENSINO MÉDIO FRANCISCO DE MOURA
ESCUELA DE ENSINO MÉDIO FRANCISCO DE MOURA
 
TARDE - AGOSTO 2010
TARDE - AGOSTO 2010TARDE - AGOSTO 2010
TARDE - AGOSTO 2010
 
Realização da Semana da Leitura
Realização da Semana da LeituraRealização da Semana da Leitura
Realização da Semana da Leitura
 

Último

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 

Último (20)

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 

guiageral

  • 1. 1 GUIA DO PRÓ-LETRAMENTO – 2010 1. Caracterização do Pró-Letramento O Pró-Letramento - Mobilização pela Qualidade da Educação - é um programa de formação continuada de professores para a melhoria da qualidade de aprendizagem da leitura/escrita e matemática nos anos/séries iniciais do ensino fundamental. O Programa será realizado pelo Ministério da Educação (MEC), Universidades Parceiras e com adesão dos estados e municípios. Podem participar todos os pro- fessores que estiverem em exercício nos anos/séries iniciais do ensino fundamental das escolas públicas. O Pró-Letramento funcionará na modalidade semipresencial. Para isso, utilizará material impresso e em vídeo e contará com atividades presenciais e a distância, que serão acompanhadas por professores orientadores, também chamados tutores. Os objetivos do PRÓ-LETRAMENTO são: oferecer• suporte à ação pedagógica dos professores dos anos/séries iniciais do ensino fundamental, contribuindo para elevar a qualidade do ensino e da aprendizagem de língua portuguesa e matemática; propor situações que incentivem a reflexão e a construção do conhecimento como• processo contínuo de formação docente; desenvolver conhecimentos que possibilitem a compreensão da matemática e da lin-• guagem e de seus processos de ensino e aprendizagem; contribuir para que se desenvolva nas escolas uma cultura de formação continuada;• desencadear ações de formação continuada em rede, envolvendo Universidades, Se-• cretarias de Educação e Escolas Públicas dos Sistemas de Ensino. 2. Por que formação continuada? A formação continuada é uma exigência da atividade profissional no mundo atual não podendo ser reduzida a uma ação compensatória de fragilidades da formação inicial. O conhecimento adquirido no início da formação se reelabora e se especifica na ativida- de profissional para atender a mobilidade, a complexidade e a diversidade das situações que solicitam intervenções adequadas. Assim, a formação continuada deve desenvolver uma atitude investigativa e reflexiva, tendo em vista que a atividade profissional é um campo de produção do conhecimento, envolvendo aprendizagens que ultrapassem a sim- ples aplicação do que foi estudado. Aformação continuada de caráter reflexivo considera o professor o sujeito da ação, valoriza suas experiências pessoais, suas incursões teóricas, seus saberes da prática e possibilita-lhe que, durante o processo, atribua novos significados a ela, compreenda e enfrente as dificuldades com as quais irá se defrontar no dia-a-dia. É importante que não se perca de vista a articulação entre formação e profissio- nalização, na medida em que uma política de formação implica ações efetivas, com a finalidade de melhorar a qualidade do ensino, as condições de trabalho e ainda contribuir para a evolução funcional e o aprimoramento das competências dos professores.
  • 2. 2 GUIA DO PRÓ-LETRAMENTO – 2010 3. Estrutura organizacional No contexto federativo em que se reafirma a autonomia crescente das formas de gestão e o regime de colaboração entre as instâncias dos governos federal, estadual e municipal, a implemen- tação do Pró-Letramento prevê uma estrutura organizacional em instâncias que deverão funcionar de maneira integrada, com competências específicas, a saber: Ministério da Educação (• MEC), por meio da Secretaria de Educação Básica (SEB) e da Secretaria de Educação a Distância (SEED); Universidades, por meio dos Centros de Pesquisa e Desenvolvimento da Educação.• Sistemas de Ensino, por meio de adesão• das Secretarias de Educação. 4. Participantes do Programa O Programa é executado com a participação de quatro atores essenciais que são responsáveis pela execução das ações nos Estados. São eles: Coordenador Geral do Programa: deve ser, de preferência, um profissional da Secretaria de Educação, responsável pela organização do Programa no município e pela articulação entre o tutor e a Secretaria de Educação; Professor Orientador de Estudos/Tutor: deve ser professor efetivo do município, que recebe a formação das Universidades e trabalha com, no máximo, duas turmas. Sua indicação é feita pela Secretaria de Educação e deverá ser pautada em sua experiência profissional e formação acadêmica. Este ator é peça-chave no projeto, pois ele será o articulador entre as Universidades e os cursistas. Professor Cursista: deve ser professor das séries/anos iniciais do ensino fundamental (1ª a 4ª série ou 1º ao 5º ano), que esteja atuando em sala de aula e que tenha se inscrito no curso. Formador de Professor Tutor: é vinculado à universidade parceira, responsável pela formação. A Resolução FNDE que dispõe sobre a concessão de Bolsas para os Tutores estabelece as responsabilidades e competências de cada um dos setores envolvidos no Programa: IES, Sistemas de ensino, MEC e professores orientadores (tutores) do Programa. Recomenda-se a todos os participantes o estudo detalhado da referida Resolução estabele- cendo-se os compromissos solidários no processo formativo.
  • 3. 3 GUIA DO PRÓ-LETRAMENTO – 2010 5. Especificação dos Cursos O curso do Pró-Letramento é formado de sete etapas, descritas a seguir: I- Apresentação do Programa: momento em que os Secretários de Educação e Coor- denadores do Programa entram em contato com a dinâmica do Pró-Letramento. II- Seleção dos Tutores – Os tutores devem ser escolhidos mediante seleção pública que considere o currículo, experiência e habilidade didática dos candidatos. O tutor também deverá ter reconhecimento por parte do grupo de professores do município. No processo de seleção deverá ser considerado ainda o conhecimento do tutor acerca do material do Pró-Letramento e das Orientações Gerais do Programa. O município obrigatoriamente deve indicar o mesmo número de tutores para a área de Al- fabetização e Linguagem e para a área de Matemática. Não é permitida a participação do município em apenas uma área de formação. III- Adesão – período em que o Secretário de Educação adere ao Programa e assume os compromissos indicado na resolução do programa. Nesse momento, o Secretário de Educação já deve informar quem serão os tutores de Alfabetização e Linguagem e de Matemática. IV- Formação dos Tutores: o curso terá duração de 180 horas distribuídas da se- guinte forma: Formação Inicial dos Tutores: seminário inicial do Programa no qual os tutores têm par-• ticipação obrigatória. A partir deste seminário o tutor estará apto a iniciar a formação de cursistas em seu município. A carga horária da formação inicial é de 40 horas, realizadas em cinco dias de encontro.• A não participação do tutor nesse encontro inviabiliza a realização do Programa no mu-• nicípio ou estado. O tutor poderá trabalhar com até 50 cursistas. Cada turma de cursistas pode ter até 25• professores cursistas. Seminários de Acompanhamento dos Professores Tutores: após a formação inicial dos• tutores, estes retornarão para seus municípios e iniciarão a formação dos cursistas. Du- rante o trabalho, em um período que dura de seis a oito meses, serão realizados dois se- minários de acompanhamento junto com as Universidades Formadoras. Esses encontros têm por finalidade o acompanhamento do trabalho realizado pelos tutores pelas universi- dades, esclarecimentos de dúvidas dos tutores quanto aos cursos ministrados e continu- ação da formação iniciada nos encontros anteriores. A carga horária de cada seminário de acompanhamento é de 28 horas realizadas em três• dias e meio de encontro. Seminário de Avaliação Final do Programa: destinado às apresentações dos trabalhos• realizados e à entrega dos relatórios finais. Terá carga horária de 24 horas/aula e se rea- lizará em 3 dias de encontro.
  • 4. 4 GUIA DO PRÓ-LETRAMENTO – 2010 V- Formação dos Cursistas: A formação dos cursistas é dividida em 84 horas presen- ciais e 36 horas à distância, totalizando 120 horas. A formação dos cursistas começa imediatamente após a formação inicial dos tutores, e ocor- re ao mesmo tempo em que acontece a formação do tutor. O cursista participará de uma área de formação por vez, podendo frequentar a outra área na etapa do revezamento. O cursista deverá ter no mínimo 75% de presença nos encontros presenciais com o tutor. Os cursos de Alfabetização e Linguagem e Matemática serão desenvolvidos paralelamente e serão realizados num período de seis a oito meses. O quadro a seguir é sugerido para o desenvolvimento das atividades do Pró-Letramento no município: Matemática Alfabetização e Linguagem 4 horas semanais totalizando 21 encontros. Ou 8 horas quinzenais totalizando 10 encontros mais um encontro de 4 horas. 4 horas semanais totalizando 21 encontros. Ou 8 horas quinzenais totalizando 10 encontros mais um encontro de 4 horas. VI - Revezamento: após a realização das quatro etapas anteriores, haverá um revezamento de áreas entre os professores cursistas. A partir da estrutura montada, os professores cursistas que fizeram o curso de Matemática poderão fazer também o de Alfabetização e Linguagem e vice-versa. Isso contribuirá para que se desenvolva nas escolas a cultura de formação continuada, que é um dos objetivos do Pró-Letramento. Para o revezamento não haverá formação inicial de tutores. Os tutores já formados trabalha- rão com as novas turmas e terão mais encontros de acompanhamento com as universidades formado- ras, conforme carga horária descrita abaixo. Essa etapa do curso tem uma duração de seis a oito meses, com a carga horária de 120 horas divididas assim: Para Tutores – 72 horas presenciais realizadas entre 3 encontros de 24 horas e mais 48 horas a distância. As atividades presenciais da etapa do revezamento, desde que o município tenha interesse de participar delas, são obrigatórias para os professores tutores. Para Cursistas – 84 horas presenciais e 36 horas a distância, divididas de acordo com o quadro descrito no item V. No revezamento é imprescindível que o tutor que vem trabalhando na primeira etapa dê continuidade à formação, portanto não serão aceitas substituições de tutores nesta etapa. Caso tenha interesse e disponibilidade para desenvolver as tarefas solicitadas, o professor tutor de Matemática poderá participar como cursista no curso de Alfabetização e Linguagem e vice- versa, na fase do revezamento.
  • 5. 5 GUIA DO PRÓ-LETRAMENTO – 2010 6- Bolsas de estudo Os tutores que participarem dos encontros de formação, que desenvolverem adequada- mente as atividades propostas e entregarem tempestivamente as atividades solicitadas, receberão a bolsa de estudo. A conta-benefício para o recebimento da bolsa será aberta pelo FNDE em uma agência do Banco do Brasil S/A indicada pelo tutor no cadastro feito junto à universidade. O número do benefício poderá ser consultado, assim que a conta for aberta, no site www.fnde.gov.br/pesquisabeneficio/. O pagamento das parcelas da bolsa será autorizado pelas universidades formadoras para os tutores que cumprirem os requisitos definidos durante o curso. Os tutores devem informar às universidades os seus dados cadastrais completos e sem abre- viações, responsabilizando-se pelas informações prestadas. O pagamento das bolsas é regulamentado pela Resolução do Programa. 7- Certificação O Programa Pró-Letramento é um curso de aperfeiçoamento. O certificado é proferido pelas Universidades Formadoras tanto para os professores orientadores de estudos (tutores) quanto para os professores cursistas, com as seguintes indicações: Para Tutores: “Curso de Aperfeiçoamento Para Formação de Tutores em Linguagem e Alfabetização para as Séries Iniciais do Ensino Fundamental” e “Curso de Aperfeiçoamento Para For- mação de Tutores em Matemática para as Séries Iniciais do Ensino Fundamental”. Para Cursistas: “Curso de Aperfeiçoamento Para Professores em Linguagem e Alfabetização para as Séries Iniciais do Ensino Fundamental” e “Curso de Aperfeiçoamento Para Professores em Matemática para as Séries Iniciais do Ensino Fundamental”. A carga horária dos certificados será: Para Tutores: • Certificado de 180 horas na primeira etapa. • Certificado de 120 horas no revezamento. Para Cursistas: • Certificado de 120 horas na primeira etapa. • Certificado de 120 horas no revezamento.
  • 6. 6 GUIA DO PRÓ-LETRAMENTO – 2010 8- Material do Pró-Letramento O material do Pró-Letramento foi elaborado por dez universidades e está dividido segundo os fascículos abaixo: Os cursos de Alfabetização e Linguagem terão oito fascículos em que serão abordados os seguintes temas: Capacidades linguísticas da alfabetização e avaliação• Alfabetização e letramento: questões sobre avaliação• A organização do tempo pedagógico e o planejamento de ensino• Organização e uso da biblioteca escolar e das salas de leitura• O lúdico na sala de aula: projetos e jogos• O livro didático em sala de aula: algumas reflexões• Modos de falar/Modos de escrever• Fascículo complementar• Cada fascículo será estudado em três encontros de quatro horas semanais. Os fascículos serão distribuídos a cada professor cursista. Aos professores tutores serão en- tregues os fascículos acompanhados de DVDs que complementarão os momentos presenciais. Os cursos de Matemática contarão com oito fascículos, a saber: Números naturais• Operações com números naturais• Espaço e forma• Frações• Grandezas e medidas• Tratamento da informação• Resolver problemas: o lado lúdico do ensino da matemática• Avaliação da aprendizagem em matemática nos anos iniciais• Cada fascículo será estudado, quinzenalmente, em um encontro de oito horas, no mesmo dia, ou dois encontros de quatro horas em dias seguidos da semana.
  • 7. 7 GUIA DO PRÓ-LETRAMENTO – 2010 O material do programa já foi enviado para todas as escolas do Brasil no ano de 2007 e para todas as Secretarias de Educação no ano de 2008. Ao aderir ao curso é necessário que os gestores verifiquem a quantidade de material que possuem no município e solicitem ao MEC a quantidade que ainda precisarem antes da formação inicial de tutores. Os tutores deverão ler todo o material do Programa antes da formação inicial indicada no item 5 deste guia. 9 – Substituição de tutores Para que os objetivos propostos pelo Pró-Letramento sejam alcançados, é necessário que os tutores inscritos que tenham participado da formação inicial permaneçam no curso. Assim sendo, somente nos casos listados serão aceitas substituições de tutores: Doença grave que impossibilite a continuidade do trabalho do tutor regularmente ins-• crito ou de algum dependente familiar que necessite de sua assistência. O tutor, de cargo efetivo, pedir exoneração.• Gravidez.• Em qualquer dos casos, para que se proceda à substituição, devem ser encaminhados ao MEC e à Universidade Formadora documentos que comprovem essas situações. Para que o tutor substituto possa atuar regularmente como tutor, deverá realizar todas as atividades compensatórias solicitadas pela Universidade Formadora. 10- Avaliação Os professores, tanto os tutores quanto os cursistas, serão avaliados a partir dos seguintes critérios: frequência aos encontros presenciais;• realização satisfatória das tarefas previstas em cada fascículo;• autoavaliação do professor, considerando o percurso durante o Pró-Letramento, as• contribuições do curso e as mudanças em sua prática pedagógica.