SlideShare uma empresa Scribd logo
Grupo: Eduardo,
 Luan e Roger.
 Turma: 2º 01 T.
Profº: Bernhard de
     Andrade.
Fibras musculares
JUSTIFICATIVA
INTRODUÇÃO
São os feixes que formam os músculos.
Podem ser classificadas por meio de sua
propriedade contráctil e por sua coloração:
fibras lentas e fibras vermelhas (são as de
Tipo I - responsáveis pela RESISTÊNCIA) e
fibras de contração rápida e brancas (Tipo II
- FORÇA E VELOCIDADE).
As fibras podem ser classificadas
 tendo em vista várias categorias,
    mas a principal maneira de
    classificação é devido à cor
correspondente do músculo ao que
  elas fazem parte. Dessa forma,
para fins didáticos, as fibras foram
  separadas em fibras brancas e
         fibras vermelhas.
Fibras Vermelhas

São mais comumente usadas em atividades
que demandem intensidade baixa à moderada,
com longa duração, com pequena contração
muscular e de forma lenta.


Seu metabolismo é o aeróbico, tendo em vista a
grande quantidade de mitocôndrias, produzindo
muito ATP, o qual permite que o músculo seja
utilizado para trabalhos de resistência.
Fibras brancas

 De contração rápida, Possuem uma proliferação
 de enzimas ligadas ao metabolismo anaeróbico,
 que ocorre no interior das fibras. Elas são mais
 usadas quando o indivíduo exerce atividades de
 curta duração e com alta intensidade. Além
 disso, velocidade e força são, também,
 relacionadas a esse grupo de fibras.

Todas as pessoas, sem exceção, têm todos os
         tipos de fibras em seu corpo.
HOMENS E MULHERES

 A gente sabe que homens e mulheres
são diferentes, mas nesse ponto, não
existe diferenças significativas. Ambos
têm um percentual próximo de 45/55% de
fibras tipo I e II.
Cada ser humano tem essas
   fibras em quantidades
 diferenciadas, alguns tem
  predominância de fibras
brancas, enquanto outros de
         vermelhas.
A raça negra tem como
 característica genética uma
maior quantidade de fibras de
 contração rápida (brancas),
   observe nas olimpíadas,
 dificilmente se vê um atleta
branco vencer uma corrida de
          velocidade.
Contração

No fim do estímulo feito pelo sistema
nervoso, as fibras musculares retornam a
uma posição de descanso, onde actina e
miosina não estão sendo exigidas. Isso
acontece com todos os
músculos, independentemente da duração
da contração.
Relaxamento

 O sistema nervoso ordena o músculo,
não importa qual o tipo, a encurtar. Para
criar contração, uma molécula de cálcio é
liberado o que permite a actina e miosina
se reunirem e sobrepõem uns aos outros,
gerando um momento de força e gerando
a contração muscular.
Curiosidade

 Os maratonistas podem ter até 90% de
fibras vermelhas ( lentas ) em
seus músculos gêmeos ( famosa batata
da perna) Campeões nos 100 metros
rasos só 20-25 por cento.
Considerações finais
Testosterona é um hormônio
produzido naturalmente por
nosso organismo. E encontrado
tanto nos homens quanto nas
mulheres apesar de ser um
hormônio masculino.
Uma boa alimentação e prática de
exercícios diário tem um papel
Referências bibliográficas
www.corpoperfeito.com.br
  www.infoescola.com
  www.wikipedia.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fibras
FibrasFibras
Fibras
aula123456
 
Diferentes modos de hipertrofia
Diferentes modos de hipertrofiaDiferentes modos de hipertrofia
Diferentes modos de hipertrofia
washington carlos vieira
 
Adaptações do sistema neuromuscular ao treinamento
Adaptações do sistema neuromuscular ao treinamentoAdaptações do sistema neuromuscular ao treinamento
Adaptações do sistema neuromuscular ao treinamento
Claudio Pereira
 
Fisiologia: Contração e Controle Motor
Fisiologia: Contração e Controle MotorFisiologia: Contração e Controle Motor
Fisiologia: Contração e Controle Motor
Everton Henrique
 
Hipertrofia
HipertrofiaHipertrofia
Adaptações neuromusculares ao exercício físico síntese de uma
Adaptações neuromusculares ao exercício físico síntese de umaAdaptações neuromusculares ao exercício físico síntese de uma
Adaptações neuromusculares ao exercício físico síntese de uma
Thiago Apolinário
 
Hipertrofia hiperplasia - suplementos
Hipertrofia   hiperplasia - suplementosHipertrofia   hiperplasia - suplementos
Hipertrofia hiperplasia - suplementos
Queimadarquivo
 
Análise da falha concêntrica na execução de exercícios contra-resistidos
Análise da falha concêntrica na execução de  exercícios contra-resistidos Análise da falha concêntrica na execução de  exercícios contra-resistidos
Análise da falha concêntrica na execução de exercícios contra-resistidos
Fernando Farias
 
Fisiologia muscular
Fisiologia muscularFisiologia muscular
Fisiologia muscular
Margarete de Sousa
 
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamentoAdaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Fernando Farias
 
Micro lesão muscular
Micro lesão muscularMicro lesão muscular
Micro lesão muscular
washington carlos vieira
 
201 f ibras muscul. brancas e verme. [reparado]
201 f ibras muscul. brancas e verme. [reparado]201 f ibras muscul. brancas e verme. [reparado]
201 f ibras muscul. brancas e verme. [reparado]
Alemo Lopes
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscular
whybells
 
1EM #34 Tecido muscular
1EM #34 Tecido muscular1EM #34 Tecido muscular
1EM #34 Tecido muscular
Professô Kyoshi
 
Anexo ii desenvolvimento do tema tecido muscular
Anexo ii desenvolvimento do tema tecido muscularAnexo ii desenvolvimento do tema tecido muscular
Anexo ii desenvolvimento do tema tecido muscular
Evelyn Fernandes
 
Slaide contração muscular
Slaide contração muscularSlaide contração muscular
Slaide contração muscular
Lusiane Carvalho da Silva
 
Metabolismo anaeróbico
Metabolismo anaeróbicoMetabolismo anaeróbico
Metabolismo anaeróbico
Paulo Faria
 
Contraçao muscular
Contraçao muscularContraçao muscular
Contraçao muscular
Cléssia Lima
 
Creatina quinase
Creatina quinaseCreatina quinase
Creatina quinase
TBQ-RLORC
 
Fisiologia da contração muscular
Fisiologia da contração muscularFisiologia da contração muscular
Fisiologia da contração muscular
Nathalia Fuga
 

Mais procurados (20)

Fibras
FibrasFibras
Fibras
 
Diferentes modos de hipertrofia
Diferentes modos de hipertrofiaDiferentes modos de hipertrofia
Diferentes modos de hipertrofia
 
Adaptações do sistema neuromuscular ao treinamento
Adaptações do sistema neuromuscular ao treinamentoAdaptações do sistema neuromuscular ao treinamento
Adaptações do sistema neuromuscular ao treinamento
 
Fisiologia: Contração e Controle Motor
Fisiologia: Contração e Controle MotorFisiologia: Contração e Controle Motor
Fisiologia: Contração e Controle Motor
 
Hipertrofia
HipertrofiaHipertrofia
Hipertrofia
 
Adaptações neuromusculares ao exercício físico síntese de uma
Adaptações neuromusculares ao exercício físico síntese de umaAdaptações neuromusculares ao exercício físico síntese de uma
Adaptações neuromusculares ao exercício físico síntese de uma
 
Hipertrofia hiperplasia - suplementos
Hipertrofia   hiperplasia - suplementosHipertrofia   hiperplasia - suplementos
Hipertrofia hiperplasia - suplementos
 
Análise da falha concêntrica na execução de exercícios contra-resistidos
Análise da falha concêntrica na execução de  exercícios contra-resistidos Análise da falha concêntrica na execução de  exercícios contra-resistidos
Análise da falha concêntrica na execução de exercícios contra-resistidos
 
Fisiologia muscular
Fisiologia muscularFisiologia muscular
Fisiologia muscular
 
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamentoAdaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
Adaptação Neural: Principal fator para ganho de força no inicio do treinamento
 
Micro lesão muscular
Micro lesão muscularMicro lesão muscular
Micro lesão muscular
 
201 f ibras muscul. brancas e verme. [reparado]
201 f ibras muscul. brancas e verme. [reparado]201 f ibras muscul. brancas e verme. [reparado]
201 f ibras muscul. brancas e verme. [reparado]
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscular
 
1EM #34 Tecido muscular
1EM #34 Tecido muscular1EM #34 Tecido muscular
1EM #34 Tecido muscular
 
Anexo ii desenvolvimento do tema tecido muscular
Anexo ii desenvolvimento do tema tecido muscularAnexo ii desenvolvimento do tema tecido muscular
Anexo ii desenvolvimento do tema tecido muscular
 
Slaide contração muscular
Slaide contração muscularSlaide contração muscular
Slaide contração muscular
 
Metabolismo anaeróbico
Metabolismo anaeróbicoMetabolismo anaeróbico
Metabolismo anaeróbico
 
Contraçao muscular
Contraçao muscularContraçao muscular
Contraçao muscular
 
Creatina quinase
Creatina quinaseCreatina quinase
Creatina quinase
 
Fisiologia da contração muscular
Fisiologia da contração muscularFisiologia da contração muscular
Fisiologia da contração muscular
 

Destaque

Presentacion extrema dpar
Presentacion extrema dparPresentacion extrema dpar
Presentacion extrema dpar
TonyStark777
 
Eletricista 01
Eletricista 01Eletricista 01
Eletricista 01
alessandro oliveira
 
Educacion para la salud
Educacion para la saludEducacion para la salud
Educacion para la salud
Angie CalderonGuzman
 
Unidad 7
Unidad 7Unidad 7
Unidad 7
luisitofranklin
 
Tu kaiserslautern
Tu kaiserslauternTu kaiserslautern
Katy maldonado
Katy maldonadoKaty maldonado
Katy maldonado
Angie CalderonGuzman
 
F E L I P E J A R A M I L L O Y Y E N V E R S O N L O N D O Ñ O
F E L I P E  J A R A M I L L O Y Y E N V E R S O N L O N D O Ñ OF E L I P E  J A R A M I L L O Y Y E N V E R S O N L O N D O Ñ O
F E L I P E J A R A M I L L O Y Y E N V E R S O N L O N D O Ñ O
guestbdaed4e
 
JOHN CHACON wikis
JOHN CHACON wikisJOHN CHACON wikis
JOHN CHACON wikis
John Chacon
 
1. Um guia à felicidade
1. Um guia à felicidade1. Um guia à felicidade
1. Um guia à felicidade
iasdbosque
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
rosimarcamacho
 
TDC 2013 - POA - Blind Counter-Strike: um caso de uso do Arduino
TDC 2013 - POA - Blind Counter-Strike: um caso de uso do ArduinoTDC 2013 - POA - Blind Counter-Strike: um caso de uso do Arduino
TDC 2013 - POA - Blind Counter-Strike: um caso de uso do Arduino
Diogo714
 
Textos Tecnologias
Textos TecnologiasTextos Tecnologias
Textos Tecnologias
formacaocontinuada
 
Pesquisa Marcas Humanitárias Parte 03
Pesquisa Marcas Humanitárias Parte 03Pesquisa Marcas Humanitárias Parte 03
Pesquisa Marcas Humanitárias Parte 03
Vitor Drumond
 
Tiago Teixeira - VULCANO
Tiago Teixeira - VULCANOTiago Teixeira - VULCANO
Tiago Teixeira - VULCANO
Construção Sustentável
 
Emaptia e definição2
Emaptia e definição2Emaptia e definição2
Emaptia e definição2
mariafernandes
 
Receita racao humana
Receita racao humanaReceita racao humana
Receita racao humana
racaohumana
 
되라
되라되라
되라
nes2forever
 
Come to Me O My Love
Come to Me O My LoveCome to Me O My Love
Come to Me O My Love
parkernani
 
Fennelly africa wild_dog
Fennelly africa wild_dogFennelly africa wild_dog
Fennelly africa wild_dog
ksolender
 

Destaque (20)

Presentacion extrema dpar
Presentacion extrema dparPresentacion extrema dpar
Presentacion extrema dpar
 
Eletricista 01
Eletricista 01Eletricista 01
Eletricista 01
 
Educacion para la salud
Educacion para la saludEducacion para la salud
Educacion para la salud
 
Unidad 7
Unidad 7Unidad 7
Unidad 7
 
Tu kaiserslautern
Tu kaiserslauternTu kaiserslautern
Tu kaiserslautern
 
Katy maldonado
Katy maldonadoKaty maldonado
Katy maldonado
 
F E L I P E J A R A M I L L O Y Y E N V E R S O N L O N D O Ñ O
F E L I P E  J A R A M I L L O Y Y E N V E R S O N L O N D O Ñ OF E L I P E  J A R A M I L L O Y Y E N V E R S O N L O N D O Ñ O
F E L I P E J A R A M I L L O Y Y E N V E R S O N L O N D O Ñ O
 
JOHN CHACON wikis
JOHN CHACON wikisJOHN CHACON wikis
JOHN CHACON wikis
 
1. Um guia à felicidade
1. Um guia à felicidade1. Um guia à felicidade
1. Um guia à felicidade
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
TDC 2013 - POA - Blind Counter-Strike: um caso de uso do Arduino
TDC 2013 - POA - Blind Counter-Strike: um caso de uso do ArduinoTDC 2013 - POA - Blind Counter-Strike: um caso de uso do Arduino
TDC 2013 - POA - Blind Counter-Strike: um caso de uso do Arduino
 
Textos Tecnologias
Textos TecnologiasTextos Tecnologias
Textos Tecnologias
 
Pesquisa Marcas Humanitárias Parte 03
Pesquisa Marcas Humanitárias Parte 03Pesquisa Marcas Humanitárias Parte 03
Pesquisa Marcas Humanitárias Parte 03
 
Tiago Teixeira - VULCANO
Tiago Teixeira - VULCANOTiago Teixeira - VULCANO
Tiago Teixeira - VULCANO
 
Emaptia e definição2
Emaptia e definição2Emaptia e definição2
Emaptia e definição2
 
Receita racao humana
Receita racao humanaReceita racao humana
Receita racao humana
 
os meus blogs 2
os meus blogs 2os meus blogs 2
os meus blogs 2
 
되라
되라되라
되라
 
Come to Me O My Love
Come to Me O My LoveCome to Me O My Love
Come to Me O My Love
 
Fennelly africa wild_dog
Fennelly africa wild_dogFennelly africa wild_dog
Fennelly africa wild_dog
 

Semelhante a Grupo

Apostila é hora de praticar esportes
Apostila é hora de praticar esportes Apostila é hora de praticar esportes
Apostila é hora de praticar esportes
Reniton Oliveira Santos
 
Treinamento de-forca
Treinamento de-forcaTreinamento de-forca
Treinamento de-forca
Nuno Amaro
 
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de forçaAdaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Aline Villa Nova Bacurau
 
Fisiologia neuromuscular 01
Fisiologia neuromuscular 01Fisiologia neuromuscular 01
Fisiologia neuromuscular 01
washington carlos vieira
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscular
Matheus Faria do Valle
 
Fisiologia Muscular
Fisiologia MuscularFisiologia Muscular
Fisiologia Muscular
Hugo Pedrosa
 
4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptx
4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptx4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptx
4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptx
Washington Luiz Lima
 
O SISTEMA MUSCULAR.000000000011111111111
O SISTEMA MUSCULAR.000000000011111111111O SISTEMA MUSCULAR.000000000011111111111
O SISTEMA MUSCULAR.000000000011111111111
LryaGhan
 
Músculos - Leno
Músculos - LenoMúsculos - Leno
Músculos - Leno
valdetepiazera
 
O corpo humano e o exercício físico adaptações e aplicações
O corpo humano e o exercício físico   adaptações e aplicaçõesO corpo humano e o exercício físico   adaptações e aplicações
O corpo humano e o exercício físico adaptações e aplicações
Suelen Azln
 
Sistema Muscular
Sistema MuscularSistema Muscular
Sistema Muscular
Alexandre Correia
 
FISIOLOGIA DO ESFORÇO
FISIOLOGIA DO ESFORÇOFISIOLOGIA DO ESFORÇO
FISIOLOGIA DO ESFORÇO
LUCIANO SOUSA FISIOLOGISTA
 
Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno.
Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno. Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno.
Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno.
Karen Zanferrari
 
Fisiologia do esforço .pptx
Fisiologia do esforço .pptxFisiologia do esforço .pptx
Fisiologia do esforço .pptx
BrunoSantos671106
 

Semelhante a Grupo (14)

Apostila é hora de praticar esportes
Apostila é hora de praticar esportes Apostila é hora de praticar esportes
Apostila é hora de praticar esportes
 
Treinamento de-forca
Treinamento de-forcaTreinamento de-forca
Treinamento de-forca
 
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de forçaAdaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
 
Fisiologia neuromuscular 01
Fisiologia neuromuscular 01Fisiologia neuromuscular 01
Fisiologia neuromuscular 01
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscular
 
Fisiologia Muscular
Fisiologia MuscularFisiologia Muscular
Fisiologia Muscular
 
4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptx
4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptx4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptx
4SISTEMA MUSCULAR PDF OBJETIVO.pptx
 
O SISTEMA MUSCULAR.000000000011111111111
O SISTEMA MUSCULAR.000000000011111111111O SISTEMA MUSCULAR.000000000011111111111
O SISTEMA MUSCULAR.000000000011111111111
 
Músculos - Leno
Músculos - LenoMúsculos - Leno
Músculos - Leno
 
O corpo humano e o exercício físico adaptações e aplicações
O corpo humano e o exercício físico   adaptações e aplicaçõesO corpo humano e o exercício físico   adaptações e aplicações
O corpo humano e o exercício físico adaptações e aplicações
 
Sistema Muscular
Sistema MuscularSistema Muscular
Sistema Muscular
 
FISIOLOGIA DO ESFORÇO
FISIOLOGIA DO ESFORÇOFISIOLOGIA DO ESFORÇO
FISIOLOGIA DO ESFORÇO
 
Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno.
Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno. Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno.
Carnes - Bioqúimica das carnes: Frango, Gado, Suíno.
 
Fisiologia do esforço .pptx
Fisiologia do esforço .pptxFisiologia do esforço .pptx
Fisiologia do esforço .pptx
 

Mais de Alemo Lopes

207 testosterona
207 testosterona207 testosterona
207 testosterona
Alemo Lopes
 
207 sedentarismo
207 sedentarismo207 sedentarismo
207 sedentarismo
Alemo Lopes
 
207 gorduras marrom e brancas
207 gorduras marrom e brancas207 gorduras marrom e brancas
207 gorduras marrom e brancas
Alemo Lopes
 
207 atitude antidesportiva
207 atitude                             antidesportiva 207 atitude                             antidesportiva
207 atitude antidesportiva
Alemo Lopes
 
207 esportes de aventura x drogas lícitas e ilícitas.
207  esportes de aventura x drogas lícitas e ilícitas.207  esportes de aventura x drogas lícitas e ilícitas.
207 esportes de aventura x drogas lícitas e ilícitas.
Alemo Lopes
 
201p testosterona
201p testosterona  201p testosterona
201p testosterona
Alemo Lopes
 
201p andropausa
201p andropausa201p andropausa
201p andropausa
Alemo Lopes
 
201 testosterona
201 testosterona201 testosterona
201 testosterona
Alemo Lopes
 
201 sedentarismo
201 sedentarismo201 sedentarismo
201 sedentarismo
Alemo Lopes
 
Escola de educação básica
Escola de educação básicaEscola de educação básica
Escola de educação básica
Alemo Lopes
 
Anorexia
AnorexiaAnorexia
Anorexia
Alemo Lopes
 
106 bulimia
106 bulimia106 bulimia
106 bulimia
Alemo Lopes
 
106 histor das olimpiadas
106  histor das olimpiadas106  histor das olimpiadas
106 histor das olimpiadas
Alemo Lopes
 
106 bulimia
106 bulimia106 bulimia
106 bulimia
Alemo Lopes
 
106 crack
106 crack106 crack
106 crack
Alemo Lopes
 
106 estress, 23.10 [reparado]
106 estress, 23.10 [reparado]106 estress, 23.10 [reparado]
106 estress, 23.10 [reparado]
Alemo Lopes
 
Dopping, decepçoes e acidentes
Dopping, decepçoes e acidentesDopping, decepçoes e acidentes
Dopping, decepçoes e acidentes
Alemo Lopes
 
107 lança perfume
107 lança perfume107 lança perfume
107 lança perfume
Alemo Lopes
 
Dopping, decepçoes e acidentes
Dopping, decepçoes e acidentesDopping, decepçoes e acidentes
Dopping, decepçoes e acidentes
Alemo Lopes
 
106 partic. brasil olimp
106 partic. brasil  olimp106 partic. brasil  olimp
106 partic. brasil olimp
Alemo Lopes
 

Mais de Alemo Lopes (20)

207 testosterona
207 testosterona207 testosterona
207 testosterona
 
207 sedentarismo
207 sedentarismo207 sedentarismo
207 sedentarismo
 
207 gorduras marrom e brancas
207 gorduras marrom e brancas207 gorduras marrom e brancas
207 gorduras marrom e brancas
 
207 atitude antidesportiva
207 atitude                             antidesportiva 207 atitude                             antidesportiva
207 atitude antidesportiva
 
207 esportes de aventura x drogas lícitas e ilícitas.
207  esportes de aventura x drogas lícitas e ilícitas.207  esportes de aventura x drogas lícitas e ilícitas.
207 esportes de aventura x drogas lícitas e ilícitas.
 
201p testosterona
201p testosterona  201p testosterona
201p testosterona
 
201p andropausa
201p andropausa201p andropausa
201p andropausa
 
201 testosterona
201 testosterona201 testosterona
201 testosterona
 
201 sedentarismo
201 sedentarismo201 sedentarismo
201 sedentarismo
 
Escola de educação básica
Escola de educação básicaEscola de educação básica
Escola de educação básica
 
Anorexia
AnorexiaAnorexia
Anorexia
 
106 bulimia
106 bulimia106 bulimia
106 bulimia
 
106 histor das olimpiadas
106  histor das olimpiadas106  histor das olimpiadas
106 histor das olimpiadas
 
106 bulimia
106 bulimia106 bulimia
106 bulimia
 
106 crack
106 crack106 crack
106 crack
 
106 estress, 23.10 [reparado]
106 estress, 23.10 [reparado]106 estress, 23.10 [reparado]
106 estress, 23.10 [reparado]
 
Dopping, decepçoes e acidentes
Dopping, decepçoes e acidentesDopping, decepçoes e acidentes
Dopping, decepçoes e acidentes
 
107 lança perfume
107 lança perfume107 lança perfume
107 lança perfume
 
Dopping, decepçoes e acidentes
Dopping, decepçoes e acidentesDopping, decepçoes e acidentes
Dopping, decepçoes e acidentes
 
106 partic. brasil olimp
106 partic. brasil  olimp106 partic. brasil  olimp
106 partic. brasil olimp
 

Grupo

  • 1. Grupo: Eduardo, Luan e Roger. Turma: 2º 01 T. Profº: Bernhard de Andrade.
  • 4. INTRODUÇÃO São os feixes que formam os músculos. Podem ser classificadas por meio de sua propriedade contráctil e por sua coloração: fibras lentas e fibras vermelhas (são as de Tipo I - responsáveis pela RESISTÊNCIA) e fibras de contração rápida e brancas (Tipo II - FORÇA E VELOCIDADE).
  • 5. As fibras podem ser classificadas tendo em vista várias categorias, mas a principal maneira de classificação é devido à cor correspondente do músculo ao que elas fazem parte. Dessa forma, para fins didáticos, as fibras foram separadas em fibras brancas e fibras vermelhas.
  • 6. Fibras Vermelhas São mais comumente usadas em atividades que demandem intensidade baixa à moderada, com longa duração, com pequena contração muscular e de forma lenta. Seu metabolismo é o aeróbico, tendo em vista a grande quantidade de mitocôndrias, produzindo muito ATP, o qual permite que o músculo seja utilizado para trabalhos de resistência.
  • 7. Fibras brancas De contração rápida, Possuem uma proliferação de enzimas ligadas ao metabolismo anaeróbico, que ocorre no interior das fibras. Elas são mais usadas quando o indivíduo exerce atividades de curta duração e com alta intensidade. Além disso, velocidade e força são, também, relacionadas a esse grupo de fibras. Todas as pessoas, sem exceção, têm todos os tipos de fibras em seu corpo.
  • 8. HOMENS E MULHERES A gente sabe que homens e mulheres são diferentes, mas nesse ponto, não existe diferenças significativas. Ambos têm um percentual próximo de 45/55% de fibras tipo I e II.
  • 9. Cada ser humano tem essas fibras em quantidades diferenciadas, alguns tem predominância de fibras brancas, enquanto outros de vermelhas.
  • 10. A raça negra tem como característica genética uma maior quantidade de fibras de contração rápida (brancas), observe nas olimpíadas, dificilmente se vê um atleta branco vencer uma corrida de velocidade.
  • 11. Contração No fim do estímulo feito pelo sistema nervoso, as fibras musculares retornam a uma posição de descanso, onde actina e miosina não estão sendo exigidas. Isso acontece com todos os músculos, independentemente da duração da contração.
  • 12. Relaxamento O sistema nervoso ordena o músculo, não importa qual o tipo, a encurtar. Para criar contração, uma molécula de cálcio é liberado o que permite a actina e miosina se reunirem e sobrepõem uns aos outros, gerando um momento de força e gerando a contração muscular.
  • 13. Curiosidade Os maratonistas podem ter até 90% de fibras vermelhas ( lentas ) em seus músculos gêmeos ( famosa batata da perna) Campeões nos 100 metros rasos só 20-25 por cento.
  • 14. Considerações finais Testosterona é um hormônio produzido naturalmente por nosso organismo. E encontrado tanto nos homens quanto nas mulheres apesar de ser um hormônio masculino. Uma boa alimentação e prática de exercícios diário tem um papel
  • 15. Referências bibliográficas www.corpoperfeito.com.br www.infoescola.com www.wikipedia.com