SlideShare uma empresa Scribd logo
Lições Adultos Carta de Tiago
Lição 13 - Evangelho eterno 20 a 27 de dezembro
❉ Sábado - “De longe se me deixou ver o Senhor, dizendo: Com amor eterno Eu te amei; por isso, com
benignidade te atraí. Jr 31:3.
Em todos os atos de benignidade praticados por Jesus, Ele procurou impressionar os homens quanto aos
atributos benévolos e paternais de Deus. ... Jesus deseja que compreendamos o amor do Pai, e procura
atrair-nos para Ele apresentando a Sua graça paternal. Deseja que todo o âmbito de nossa visão se encha
com a perfeição do caráter de Deus. ... Era unicamente vivendo entre os homens que Ele podia revelar
a misericórdia, compaixão e amor de Seu Pai celeste; pois apenas por atos de beneficência podia Ele
salientar a graça de Deus. The Youth's Instructor, 15 de dezembro de 1892.
Cristo veio para manifestar o amor de Deus ao mundo, para atrair a Si o coração de todos os homens. ...
Disse Ele: "Eu, quando for levantado da terra, todos atrairei a Mim." João 12:32. O primeiro passo rumo da
salvação é corresponder à atração do amor de Cristo. ... É para que os homens compreendam a alegria
do perdão e da paz de Deus, que Cristo os atrai mediante a manifestação de Seu amor. Se
correspondem à Sua atração, rendendo o coração a Sua graça, Ele os guiará passo a passo, a um
pleno conhecimento dEle, e isto é vida eterna. Mensagens Escolhidas, vol. 1, págs. 323 e 324.
❉ Domingo - O evangelho no Antigo Testamento Ano Bíblico: 2 João; 3 João; Judas
“Também a nós foram anunciadas as boas-novas, como se deu com eles; mas a palavra que ouviram
não lhes aproveitou, visto não ter sido acompanhada pela fé naqueles que a ouviram”. Hb 4:2.
► 1. Considere as seguintes passagens e resuma a mensagem do evangelho em cada uma delas: Gn 3:15:
Êx 19:4-6; Sl 130:3, 4; Sl 32:1-5; Is 53:4-11; Jr 31:31-34.
Gn 3:15, JFA-RC; 15 E porei inimizade entre ti e a mulher e entre a tua semente e a sua semente; esta
te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.
Ex 19:4-6, JFA-RC; 4 Vós tendes visto o que fiz aos egípcios, como vos levei sobre asas de águias, e vos
trouxe a mim; 5 agora, pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes o meu concerto,
então, sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos; porque toda a terra é minha. 6 E
vós me sereis reino sacerdotal e povo santo. Estas são as palavras que falarás aos filhos de Israel.
Sl 130:3-4, JFA-RC; 3 Se tu, SENHOR, observares as iniquidades, Senhor, quem subsistirá? 4 Mas
contigo está o perdão, para que sejas temido.
Sl 32:1-5, JFA-RC; 1 Bem-aventurado aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto. 2
Bem-aventurado o homem a quem o SENHOR não imputa maldade, e em cujo espírito não há engano. 3
Enquanto eu me calei, envelheceram os meus ossos pelo meu bramido em todo o dia. 4 Porque de dia e de
noite a tua mão pesava sobre mim; o meu humor se tornou em sequidão de estio. (Selá) 5 Confessei-te o
meu pecado e a minha maldade não encobri; dizia eu: Confessarei ao SENHOR as minhas
transgressões; e tu perdoaste a maldade do meu pecado. (Selá)
Is 53:4-11, JFA-RC; 4 Verdadeiramente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores
levou sobre si; e nós o reputamos por aflito, ferido de Deus e oprimido. 5 Mas ele foi ferido pelas nossas
transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e,
pelas suas pisaduras, fomos sarados. 6 Todos nós andamos desgarrados como ovelhas; cada um se
desviava pelo seu caminho, mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos. 7 Ele foi
oprimido, mas não abriu a boca; como um cordeiro, foi levado ao matadouro e, como a ovelha muda
perante os seus tosquiadores, ele não abriu a boca. 8 Da opressão e do juízo foi tirado; e quem contará
o tempo da sua vida? Porquanto foi cortado da terra dos viventes e pela transgressão do meu povo foi
ele atingido. 9 E puseram a sua sepultura com os ímpios e com o rico, na sua morte; porquanto nunca fez
ramos@advir.comramos@advir.com
injustiça, nem houve engano na sua boca. 10 Todavia, ao SENHOR agradou o moê-lo, fazendo-o
enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado, verá a sua posteridade, prolongará
os dias, e o bom prazer do SENHOR prosperará na sua mão. 11 O trabalho da sua alma ele verá e
ficará satisfeito; com o seu conhecimento, o meu servo, o justo, justificará a muitos, porque as
iniquidades deles levará sobre si.
Jr 31:31-34, JFA-RC; 31 Eis que dias vêm, diz o SENHOR, em que farei um concerto novo com a casa de
Israel e com a casa de Judá. 32 Não conforme o concerto que fiz com seus pais, no dia em que os tomei
pela mão, para os tirar da terra do Egito, porquanto eles invalidaram o meu concerto, apesar de eu os haver
desposado, diz o SENHOR. 33 Mas este é o concerto que farei com a casa de Israel depois daqueles
dias, diz o SENHOR: porei a minha lei no seu interior e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu
Deus, e eles serão o meu povo. 34 E não ensinará alguém mais a seu próximo, nem alguém, a seu irmão,
dizendo: Conhecei ao SENHOR; porque todos me conhecerão, desde o menor deles até ao maior, diz o
SENHOR; porque perdoarei a sua maldade e nunca mais me lembrarei dos seus pecados.
► A primeira indicação do evangelho (As boas novas de esperança) foi dada a Adão e Eva.
Através dos longos séculos de "angústia e escuridão" (Isa. 8:22) que marcaram a história da humanidade
desde o dia em que nossos primeiros pais perderam o seu lar no Éden até o tempo em que o Filho de Deus
apareceu como o Salvador dos pecadores, a esperança da raça caída esteve centralizada na vinda de um
Libertador para livrar a homens e mulheres do cativeiro do pecado e da sepultura.
A primeira indicação de tal esperança foi dada a Adão e Eva na sentença pronunciada sobre a serpente
no Éden, quando o Senhor declarou a Satanás aos ouvidos de nossos primeiros pais: "E porei inimizade
entre ti e a mulher e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o
calcanhar." Gên. 3:15.
Ao atentar o culpado par para estas palavras, foram inspirados com esperança; pois na profecia concernente
ao aniquilamento do poder de Satanás eles discerniram uma promessa de libertação da ruína que a
transgressão havia operado. Embora devessem sofrer o poder de seu adversário, dado que tinham caído
sob sua sedutora influência e haviam escolhido desobedecer aos claros mandamentos de Jeová, não
precisavam contudo entregar-se ao completo desespero. O Filho de Deus Se oferecia para expiar com o
Seu próprio sangue as transgressões deles. Ser-lhes-ia permitido um período de graça, durante o
qual, pela fé no poder de Cristo para salvar, poderiam tornar-se uma vez mais filhos de Deus.
Satanás, em virtude do êxito que teve em desviar o homem do caminho da obediência, tornou-se "o deus
deste século". II Cor. 4:4. O domínio que uma vez pertenceu a Adão passou ao usurpador. Mas o Filho de
Deus Se propôs vir à Terra a fim de pagar a penalidade do pecado, e assim não apenas redimir o homem,
mas recobrar o domínio usurpado. É desta restauração que Miquéias profetizou quando disse: "E a ti, ó torre
do rebanho, monte da filha de Sião, a ti virá; sim, a ti virá o primeiro domínio." Miq. 4:8.
Esta esperança de redenção por meio do advento do Filho de Deus como Salvador e Rei, jamais se
extinguiu no coração dos homens. Desde o início tem havido alguns cuja fé tem alcançado além das
sombras do presente penetrando as realidades do futuro. Adão, Sete, Enoque, Matusalém, Noé, Sem,
Abraão, Isaque, e Jacó - por meio destes e outros homens dignos o Senhor tem preservado as preciosas
revelações de Sua vontade. Assim foi que aos filhos de Israel, povo escolhido por cujo intermédio devia ser
dado ao mundo o Messias prometido, Deus partilhou o conhecimento dos reclamos de Sua lei, e da
salvação a ser realizada graças ao sacrifício expiatório do Seu amado Filho. Profetas e Reis, págs.
681-683.
❉ Segunda - O evangelho encarnado Ano Bíblico: Ap 1–3
Jo 3:3-5, (ACF); 3 Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não
nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. 4 Disse-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer,
sendo velho? Pode, porventura, tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer? 5 Jesus respondeu: Na
verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no
reino de Deus.
Mt 5:20, (ACF); 20 Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de
modo nenhum entrareis no reino dos céus.
ramos@advir.comramos@advir.com
► 2. Leia Lucas 15:11-32 e 18:9-17. De que maneira essas parábolas ilustram o evangelho?
❉ O Filho pródigo - Lucas 15:11-32
❉ O Fariseu e o publicano Lucas 18:9-17
Quão grande é a redenção que foi feita para nós! Tão grande, que o Filho de Deus morreu a cruel morte da
cruz, para nos trazer vida e imortalidade pela fé nEle.
Esse maravilhoso problema - como Deus podia ser justo, e ainda justificador de pecadores - está além do
alcance humano. Ao tentarmos sondá-lo, ele se amplia e aprofunda para além de nossa compreensão.
Quando olhamos com os olhos da fé à cruz do Calvário, e vemos nossos pecados colocados sobre a vítima
ali pendente, em fraqueza e ignomínia - quando aprendemos o fato de que esse é Deus, o Pai da
eternidade, o Príncipe da Paz - somos levados a exclamar: "Vede quão grande amor nos tem concedido
o Pai"! I João 3:1. …
Quando o homem puder avaliar o exaltado caráter do Senhor dos Exércitos, e discernir entre o Deus
eterno e a humanidade finita, ele saberá quão grande foi o sacrifício do Céu para levar o homem, de
onde ele havia caído pela desobediência, a se tornar parte da família de Deus. ... A divindade de Cristo
é nossa certeza de vida eterna. ... Ele, o portador dos pecados do mundo, é o nosso único mediador de
reconciliação com um Deus santo. Youth's Instructor, 11 de fevereiro de 1897.
❉ Terça - O evangelho em Paulo Ano Bíblico: Ap 4–6
► 3. Leia 2 Coríntios 3:14-16 nessa perspectiva e, em seguida, os versos 2-6. O que Paulo identifica como o
passo crucial?
2Co 3:7-18, (ACF); 7 E, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, veio em glória, de
maneira que os filhos de Israel não podiam fitar os olhos na face de Moisés, por causa da glória do seu
rosto, a qual era transitória, 8 Como não será de maior glória o ministério do Espírito? 9 Porque, se o
ministério da condenação foi glorioso, muito mais excederá em glória o ministério da justiça. 10
Porque também o que foi glorificado nesta parte não foi glorificado, por causa desta excelente glória. 11
Porque, se o que era transitório foi para glória, muito mais é em glória o que permanece. 12 Tendo,
pois, tal esperança, usamos de muita ousadia no falar. 13 E não somos como Moisés, que punha um véu
sobre a sua face, para que os filhos de Israel não olhassem firmemente para o fim daquilo que era
transitório. 14 Mas os seus sentidos foram endurecidos; porque até hoje o mesmo véu está por levantar na
lição do velho testamento, o qual foi por Cristo abolido; 15 E até hoje, quando é lido Moisés, o véu está posto
sobre o coração deles. 16 Mas, quando se converterem ao Senhor, então o véu se tirará. 17 Ora, o
Senhor é Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade. 18 Mas todos nós, com rosto
descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na
mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.
2Co 3:2-6, JFA-RC; 2 Vós sois a nossa carta, escrita em nossos corações, conhecida e lida por todos
os homens, 3 porque já é manifesto que vós sois a carta de Cristo, ministrada por nós e escrita não
com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas nas tábuas de carne do
coração. 4 E é por Cristo que temos tal confiança em Deus; 5 não que sejamos capazes, por nós, de pensar
alguma coisa, como de nós mesmos; mas a nossa capacidade vem de Deus, 6 o qual nos fez também
capazes de ser ministros dum Novo Testamento, não da letra, mas do Espírito; porque a letra mata, e
o Espírito vivifica.
O perdão do pecado, a justificação pela fé em Jesus Cristo, o acesso a Deus unicamente por meio de
um Mediador (por causa de sua condição de perdidos), sua culpa e pecado - destas verdades o povo
pouco entendia. Haviam perdido, em grande medida, o conhecimento de Deus e do único modo de
aproximarem-se dEle. Haviam perdido quase todo o sentido do que constitui pecado e do que constitui
justiça. O perdão do pecado por meio de Cristo, o Messias prometido, a quem suas ofertas
representavam, era compreendido apenas vagamente.
Declarou Paulo: "Tendo, pois, tal esperança, usamos de muita ousadia no falar. E não somos como Moisés,
que punha um véu sobre a sua face, para que os filhos de Israel não olhassem firmemente para o fim
daquilo que era transitório. Mas os seus sentidos foram endurecidos. Porque até hoje o mesmo véu está por
levantar na lição do Antigo Testamento, o qual [véu] foi por Cristo abolido; e até hoje, quando é lido Moisés, o
véu está posto sobre o coração deles. Mas, quando se converterem ao Senhor, então o véu se tirará." II Cor.
ramos@advir.comramos@advir.com
3:12-16.
Os judeus recusaram-se a aceitar a Cristo como o Messias, e não podem ver que suas cerimônias
são sem sentido, que os sacrifícios e ofertas perderam sua significação. O véu com que eles
mesmos se cobriram em obstinada incredulidade, está ainda ante seu espírito. Seria removido se
aceitassem a Cristo, a justiça da lei.
Muitos, no mundo cristão, têm também um véu ante os olhos e o coração. Não vêem a terminação do
que era transitório. Não veem que foi tão-somente a lei cerimonial que foi abolida, quando Cristo
morreu. Pretendem que a lei moral tenha sido pregada à cruz. Pesado é o véu que lhes obscurece o
entendimento. O coração de muitos está em guerra contra Deus. Não se submetem a Sua lei. Unicamente à
medida que cheguem à harmonia com a regra de Seu governo, pode Cristo ser-lhes de qualquer valia.
Podem falar de Cristo como seu Salvador; Ele, porém, afinal lhes dirá: Não vos conheço. Não exercestes
genuíno arrependimento para com Deus, pela transgressão de Sua santa lei, e não podeis ter genuína fé em
Mim, pois foi Minha missão exaltar a lei de Deus. Mensagens Escolhidas, v. 1. pp. 238-239.
► 4. Leia Romanos 1:16, 17; 3:24-26. Como Paulo define o evangelho? O que recebemos por meio de
Cristo, pela fé?
Rm 1:16-17, JFA-RC; 16 Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus
para salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego. 17 Porque nele se
descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá da fé.
Rm 3:24-26, JFA-RC; 24 sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em
Cristo Jesus, 25 ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua
justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus; 26 para demonstração da
sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus.
Aquele que deseja tornar-se filho de Deus tem de receber a verdade de que o arrependimento e o
perdão devem ser obtidos por meio de nada menos que a expiação de Cristo. Certo disto, o pecador
tem de fazer um esforço em harmonia com a obra feita em seu favor, e com súplicas incansáveis recorrer ao
trono da graça, para que o poder renovador de Deus possa vir a sua alma. Cristo não perdoa a ninguém
senão ao penitente, mas àquele a quem Ele perdoa, primeiro faz penitente. A providência tomada é
completa, e a eterna justiça de Cristo é colocada ao crédito de toda alma crente. As vestes, preciosas e
sem mácula, tecidas nos teares do Céu, foram providas para o pecador arrependido e crente, e ele
poderá dizer: "Regozijar-me-ei muito no Senhor, a minha alma se alegra no meu Deus; porque me vestiu de
vestidos de salvação, me cobriu com o manto de justiça, como o noivo que se adorna com atavios, e como
noiva que se enfeita com as suas jóias." Isa. 61:10.
Abundante graça foi provida para que o crente possa manter-se livre do pecado; pois todo o Céu, com seus
recursos ilimitados, foi posto à nossa disposição. Devemos servir-nos da fonte da salvação. Cristo é o fim da
lei, para justiça a todo aquele que crê. Em nós mesmos somos pecadores; mas em Cristo somos justos.
Tendo-nos feito justos, mediante a imputada justiça de Cristo, Deus nos pronuncia justos e nos trata
como justos. Considera-nos Seus filhos amados. Cristo atua contra o poder do pecado, e onde este
abundava, muito mais abundante é a graça. (Rom. 5:20.) "Sendo pois justificados pela fé, temos paz com
Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo; pelo qual também temos entrada pela fé a esta graça, na qual
estamos firmes, e nos gloriamos na esperança da glória de Deus." Rom. 5:1 e 2.
"Sendo justificados gratuitamente pela Sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus, ao qual Deus
propôs para propiciação pela fé no Seu sangue, para demonstrar a Sua justiça pela remissão dos pecados
dantes cometidos, sob a paciência de Deus; para demonstração da Sua justiça neste tempo presente, para
que Ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus." Rom. 3:24-26. "Porque pela graça sois
salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus." Efés. 2:8. [Cita João 1:14-16.] Mensagens
Escolhidas, v. 1. pp. 393-394.
❉ Quarta - A “nova” aliança Ano Bíblico: Ap 7–9
A epístola aos Hebreus descreve a nova aliança como “superior” à antiga (Hb 8:1, 2, 6). A pergunta óbvia é:
Por que Deus estabeleceu a antiga aliança se ela era imperfeita? O problema, porém, não estava com a
aliança, mas com a resposta do povo a ela.
Hb 8:1-2, (ACF); 1 Ora, a suma do que temos dito é que temos um sumo sacerdote tal, que está assentado
ramos@advir.comramos@advir.com
nos céus à destra do trono da majestade, 2 Ministro do santuário, e do verdadeiro tabernáculo, o qual o
Senhor fundou, e não o homem.
Hb 8:6, (ACF); 6 Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de uma
melhor aliança que está confirmada em melhores promessas.
► 5. Leia Hebreus 7:19; 8:9; 10:1-4. Que problemas com a antiga aliança são mencionados?
Hb 7:19 JFA-RC; 19 (pois a lei nenhuma coisa aperfeiçoou), e desta sorte é introduzida uma melhor
esperança, pela qual chegamos a Deus.
Hb 8:9 JFA-RC; 9 não segundo o concerto que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os
tirar da terra do Egito; como não permaneceram naquele meu concerto, eu para eles não atentei, diz o
Senhor.
Hb 10:1-4, JFA-RC; 1 Porque, tendo a lei a sombra dos bens futuros e não a imagem exata das coisas,
nunca, pelos mesmos sacrifícios que continuamente se oferecem cada ano, pode aperfeiçoar os que
a eles se chegam. 2 Doutra maneira, teriam deixado de se oferecer, porque, purificados uma vez os
ministrantes, nunca mais teriam consciência de pecado. 3 Nesses sacrifícios, porém, cada ano, se faz
comemoração dos pecados, 4 porque é impossível que o sangue dos touros e dos bodes tire
pecados.
► Jesus Cristo é a nossa única esperança, nosso único refúgio.
"Carregando Ele mesmo em Seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados, para que nós, mortos para
os pecados, vivamos para a justiça." I Ped. 2:24.
"Portanto, se o sangue de bode e de touros e a cinza de uma novilha, aspergidos sobre os contaminados, os
santificam, quanto à purificação da carne, muito mais o sangue de Cristo, que, pelo Espírito eterno, a Si
mesmo Se ofereceu sem mácula a Deus, purificará a nossa consciência de obras mortas, para
servirmos ao Deus vivo! Por isso mesmo, Ele é o Mediador da nova aliança, a fim de que, intervindo a
morte para remissão das transgressões que havia sob a primeira aliança, recebam a promessa da eterna
herança aqueles que têm sido chamados." Heb. 9:13-15. Manuscrito 3, 1903.
Assim como a Bíblia apresenta duas leis, uma imutável e eterna a outra provisória e temporária,
assim há dois concertos. O concerto da graça foi feito primeiramente com o homem no Éden quando,
depois da queda, foi dada uma promessa divina de que a semente da mulher feriria a cabeça da serpente. A
todos os homens este concerto oferecia perdão e a graça auxiliadora de Deus para a futura
obediência mediante a fé em Cristo. Prometia-lhes também vida eterna sob condição de fidelidade
para com a lei de Deus. Assim receberam os patriarcas a esperança da salvação.
Este mesmo concerto foi renovado a Abraão, na promessa: "Em tua semente serão benditas todas as
nações da Terra." Gên. 22:18. Essa promessa apontava para Cristo. Assim Abraão a compreendeu (Gál. 3:8
e 16), e confiou em Cristo para o perdão dos pecados. Foi esta fé que lhe foi atribuída como justiça. O
concerto com Abraão mantinha também a autoridade da lei de Deus. O Senhor apareceu a Abraão e disse:
"Eu sou o Deus todo-poderoso, anda em minha presença e sê perfeito." Gên. 17:1. O testemunho de Deus
concernente a Seu fiel servo foi: "Abraão obedeceu à Minha voz, e guardou o Meu mandado, os Meus
preceitos, os Meus estatutos, e as Minhas leis." Gên. 26:5.
O concerto abraâmico foi ratificado pelo sangue de Cristo, e é chamado o "segundo", ou o "novo"
concerto, porque o sangue pelo qual foi selado foi vertido depois do sangue do primeiro concerto.
Patriarcas e Profetas, pág. 371.
O concerto da graça não é uma verdade nova, porque desde a eternidade existira na mente de Deus. Por
essa razão é chamado o concerto eterno. Signs of the Times, 24 de agosto de 1891.
Somente há esperança para nós quando nos colocamos debaixo do concerto abraâmico, que é o concerto
da graça pela fé em Cristo Jesus. O evangelho pregado a Abraão, mediante o qual teve esperança, é o
mesmo evangelho que nos é pregado hoje, e pelo qual temos esperança. Abraão olhava para Jesus,
que é o Autor e Consumador de nossa fé. SDA Bible Commentary, vol. 6, pág. 1.077.
ramos@advir.comramos@advir.com
❉ Quinta - O ponto culminante do evangelho Ano Bíblico: Ap 10, 11
“Nos dias em que o sétimo anjo estiver para tocar sua trombeta, vai cumprir-se o mistério de Deus, da forma
como Ele o anunciou aos Seus servos, os profetas.” Ap 10:7, NVI.
► 6. No contexto do evangelho eterno, qual é a importância da guarda dos mandamentos, do testemunho
de Jesus e da fé de Jesus? Ap 12:17; 14:12
Ap 12:14 JFA-RC; 14 E foram dadas à mulher duas asas de grande águia, para que voasse para o deserto,
ao seu lugar, onde é sustentada por um tempo, e tempos, e metade de um tempo, fora da vista da
serpente.
Ap 14:12, JFA-RC; 12 Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos
de Deus e a fé em Jesus.
Na mensagem do primeiro anjo os homens são chamados a adorar a Deus, nosso Criador, que fez o
mundo e tudo quanto nele há. Eles têm rendido homenagem a uma instituição do Papado, anulando a
lei de Jeová, mas deve haver um aumento do conhecimento nesse assunto.
A mensagem proclamada pelo anjo voando pelo meio do céu é o evangelho eterno, o mesmo evangelho que
foi anunciado no Éden quando Deus disse à serpente: "Porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua
semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar." Gên. 3:15. Aí está a primeira
promessa de um Salvador que havia de erguer-Se no campo de batalha para contestar o poder de
Satanás e prevalecer contra ele. Cristo veio ao nosso mundo a fim de representar o caráter de Deus assim
como ele é representado em Sua santa lei; pois esta é uma transcrição de Seu caráter. Cristo era tanto a
lei como o evangelho. O anjo que proclama o evangelho eterno proclama a lei de Deus; pois o
evangelho da salvação leva os homens à obediência da lei, pela qual seu caráter é formado segundo
a semelhança divina.
No capítulo cinqüenta e oito de Isaías, é especificada a obra dos que adoram a Deus, o Criador dos céus e
da Terra: "E os que de ti procederem edificarão os lugares antigamente assolados; e levantarás os
fundamentos de geração em geração." Isa. 58:12. [Diz a versão atualizada: "Levantarás os fundamentos de
muitas gerações."] O memorial de Deus, Seu sábado do sétimo dia, será erguido. "Serás chamado
reparador de brechas, e restaurador de veredas para que o país se tome habitável. Se desviares o teu pé de
profanar o sábado [não mais o pisares sob teus pés], e de cuidar dos teus próprios interesses no Meu santo
dia, mas se chamares ao sábado deleitoso e santo dia do Senhor digno de honra, e o honrares...; Eu te farei
cavalgar sobre os altos da Terra, e te sustentarei com a herança de Jacó, teu pai, porque a boca do Senhor
o disse." Isa. 58:12-14.
A história da igreja e do mundo, os leais e os desleais, é aqui plenamente revelada. Os fiéis, sob a
proclamação da mensagem do terceiro anjo, puseram os pés no caminho dos mandamentos de
Deus, para respeitar, honrar e glorificar Aquele que criou os céus e a Terra. As forças da oposição têm
desonrado a Deus fazendo uma brecha em Sua lei, e quando a luz de Sua Palavra tem chamado a atenção
para Seus santos mandamentos, revelando a brecha feita na lei pela autoridade papal, então, para se
livrarem da convicção, os homens têm buscado destruir toda a lei. Podem eles, porém, destruí-la? Não; pois
todos os que examinarem as Escrituras verão por si mesmos que a lei de Deus permanece imutável,
eterna, e Seu memorial, o sábado, durará pelos séculos eternos, apontando ao único Deus
verdadeiro em distinção de todos os deuses falsos. Mensagens Escolhidas, v. 2. pp. 105-107.
Ap 14:7, (ACF); 7 Dizendo com grande voz: Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é vinda a hora do seu
juízo. E adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas.
“Embora frequentemente em meio de ignomínia e perseguição, constante testemunho tem sido dado da
perpetuidade da lei de Deus e da obrigação sagrada relativa ao sábado da Criação.
“Estas verdades, conforme são apresentadas no capítulo 14 de Apocalipse, em relação ao “evangelho
eterno”, distinguirão a igreja de Cristo no tempo de Seu aparecimento. Pois, como resultado da tríplice
mensagem, é anunciado: “Aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus” E esta
mensagem é a última a ser dada antes da vinda do Senhor. Seguindo-se imediatamente à sua
proclamação, pelo profeta é visto o Filho do homem vindo em glória, para ceifar a colheita da Terra. Ap
14:12. ARC; O Grande Conflito, p. 453, 454.
ramos@advir.comramos@advir.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Leituras: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Leituras: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano CLeituras: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Leituras: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano C
José Lima
 
LIVRE ARBÍTRIO
LIVRE ARBÍTRIOLIVRE ARBÍTRIO
LIVRE ARBÍTRIO
Lc Passold
 
34. apocalipse 1
34. apocalipse 134. apocalipse 1
34. apocalipse 1
pohlos
 
O julgamento misericordioso de deus
O julgamento misericordioso de deusO julgamento misericordioso de deus
O julgamento misericordioso de deus
Eduardo Sousa Gomes
 
DOUTRINA DA GRAÇA
DOUTRINA DA GRAÇADOUTRINA DA GRAÇA
DOUTRINA DA GRAÇA
ibpd
 
3)Escatologia principio do fim - principio das dores
3)Escatologia principio do fim - principio das dores3)Escatologia principio do fim - principio das dores
3)Escatologia principio do fim - principio das dores
Jean Jorge Silva
 
Estudo adicional_As bênçãos dos justos_512015
Estudo adicional_As bênçãos dos justos_512015Estudo adicional_As bênçãos dos justos_512015
Estudo adicional_As bênçãos dos justos_512015
Gerson G. Ramos
 
Salvação_432014_GGR
Salvação_432014_GGRSalvação_432014_GGR
Salvação_432014_GGR
Gerson G. Ramos
 
Escatologia cap. 01
Escatologia cap. 01Escatologia cap. 01
Escatologia cap. 01
Welem C Lourenço
 
Qual o segredo para...
Qual o segredo para...Qual o segredo para...
Qual o segredo para...
Eduardo Sousa Gomes
 
Casamento e divórcio revisado
Casamento e divórcio revisadoCasamento e divórcio revisado
Casamento e divórcio revisado
Eduardo Sousa Gomes
 
O selamento
O selamentoO selamento
O selamento
Eduardo Sousa Gomes
 
32 Adventismo (Parte 5)
32   Adventismo (Parte 5)32   Adventismo (Parte 5)
32 Adventismo (Parte 5)
Robson Tavares Fernandes
 
Confissão e arrependimento: as condições do reavivamento_Resumo_632013
Confissão e arrependimento: as condições do reavivamento_Resumo_632013Confissão e arrependimento: as condições do reavivamento_Resumo_632013
Confissão e arrependimento: as condições do reavivamento_Resumo_632013
Gerson G. Ramos
 
36. o reino da graça
36. o reino da graça36. o reino da graça
36. o reino da graça
pohlos
 
1)Escatologia principio do fim -Os impérios mundiais e o reino de Jesus
1)Escatologia principio do fim -Os impérios mundiais e o reino de Jesus1)Escatologia principio do fim -Os impérios mundiais e o reino de Jesus
1)Escatologia principio do fim -Os impérios mundiais e o reino de Jesus
Jean Jorge Silva
 
Ofertas & dizimo
Ofertas & dizimo  Ofertas & dizimo
Ofertas & dizimo
marco elizeu
 
O Espírito Santo_332014_GGR
O Espírito Santo_332014_GGRO Espírito Santo_332014_GGR
O Espírito Santo_332014_GGR
Gerson G. Ramos
 
Caminho a cristo´Holy Books
Caminho a cristo´Holy BooksCaminho a cristo´Holy Books
Caminho a cristo´Holy Books
Lutio
 
As Revelacoes do Santuario - estudo 21.ppt
As Revelacoes do Santuario - estudo 21.pptAs Revelacoes do Santuario - estudo 21.ppt
As Revelacoes do Santuario - estudo 21.ppt
Herbert de Carvalho
 

Mais procurados (20)

Leituras: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Leituras: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano CLeituras: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano C
Leituras: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano C
 
LIVRE ARBÍTRIO
LIVRE ARBÍTRIOLIVRE ARBÍTRIO
LIVRE ARBÍTRIO
 
34. apocalipse 1
34. apocalipse 134. apocalipse 1
34. apocalipse 1
 
O julgamento misericordioso de deus
O julgamento misericordioso de deusO julgamento misericordioso de deus
O julgamento misericordioso de deus
 
DOUTRINA DA GRAÇA
DOUTRINA DA GRAÇADOUTRINA DA GRAÇA
DOUTRINA DA GRAÇA
 
3)Escatologia principio do fim - principio das dores
3)Escatologia principio do fim - principio das dores3)Escatologia principio do fim - principio das dores
3)Escatologia principio do fim - principio das dores
 
Estudo adicional_As bênçãos dos justos_512015
Estudo adicional_As bênçãos dos justos_512015Estudo adicional_As bênçãos dos justos_512015
Estudo adicional_As bênçãos dos justos_512015
 
Salvação_432014_GGR
Salvação_432014_GGRSalvação_432014_GGR
Salvação_432014_GGR
 
Escatologia cap. 01
Escatologia cap. 01Escatologia cap. 01
Escatologia cap. 01
 
Qual o segredo para...
Qual o segredo para...Qual o segredo para...
Qual o segredo para...
 
Casamento e divórcio revisado
Casamento e divórcio revisadoCasamento e divórcio revisado
Casamento e divórcio revisado
 
O selamento
O selamentoO selamento
O selamento
 
32 Adventismo (Parte 5)
32   Adventismo (Parte 5)32   Adventismo (Parte 5)
32 Adventismo (Parte 5)
 
Confissão e arrependimento: as condições do reavivamento_Resumo_632013
Confissão e arrependimento: as condições do reavivamento_Resumo_632013Confissão e arrependimento: as condições do reavivamento_Resumo_632013
Confissão e arrependimento: as condições do reavivamento_Resumo_632013
 
36. o reino da graça
36. o reino da graça36. o reino da graça
36. o reino da graça
 
1)Escatologia principio do fim -Os impérios mundiais e o reino de Jesus
1)Escatologia principio do fim -Os impérios mundiais e o reino de Jesus1)Escatologia principio do fim -Os impérios mundiais e o reino de Jesus
1)Escatologia principio do fim -Os impérios mundiais e o reino de Jesus
 
Ofertas & dizimo
Ofertas & dizimo  Ofertas & dizimo
Ofertas & dizimo
 
O Espírito Santo_332014_GGR
O Espírito Santo_332014_GGRO Espírito Santo_332014_GGR
O Espírito Santo_332014_GGR
 
Caminho a cristo´Holy Books
Caminho a cristo´Holy BooksCaminho a cristo´Holy Books
Caminho a cristo´Holy Books
 
As Revelacoes do Santuario - estudo 21.ppt
As Revelacoes do Santuario - estudo 21.pptAs Revelacoes do Santuario - estudo 21.ppt
As Revelacoes do Santuario - estudo 21.ppt
 

Destaque

12519
1251912519
Felicitación navidad
Felicitación navidadFelicitación navidad
Felicitación navidad
Mary Hedz
 
Seabee eCourier June 13, 2013
Seabee eCourier June 13, 2013Seabee eCourier June 13, 2013
Seabee eCourier June 13, 2013
United States Navy
 
Estadística 1
Estadística 1Estadística 1
Estadística 1
Ingreso Unc Abogacia
 
Nur 3042 chapter004
Nur 3042 chapter004Nur 3042 chapter004
Nur 3042 chapter004
stanbridge
 
הטיוטה המלאה של חוק ההסדרים
הטיוטה המלאה של חוק ההסדריםהטיוטה המלאה של חוק ההסדרים
הטיוטה המלאה של חוק ההסדרים
yoavst
 
NTSB presents: Making the Right Decisions
NTSB presents: Making the Right DecisionsNTSB presents: Making the Right Decisions
NTSB presents: Making the Right Decisions
FAA Safety Team Central Florida
 
GFM Service Presentation_Ver S
GFM Service Presentation_Ver SGFM Service Presentation_Ver S
GFM Service Presentation_Ver S
Tran Dinh Thuan
 
Tema 6. Los paisajes vegetales españoles. La vegetación en Castilla y León.
Tema 6. Los paisajes vegetales españoles. La vegetación en Castilla y León.Tema 6. Los paisajes vegetales españoles. La vegetación en Castilla y León.
Tema 6. Los paisajes vegetales españoles. La vegetación en Castilla y León.
antoniocm1969
 
óLeo de coco e seus benefícios
óLeo de coco e seus benefíciosóLeo de coco e seus benefícios
óLeo de coco e seus benefícios
Óleo de Coco
 

Destaque (13)

Gt de quy
Gt de quyGt de quy
Gt de quy
 
12519
1251912519
12519
 
Felicitación navidad
Felicitación navidadFelicitación navidad
Felicitación navidad
 
Seabee eCourier June 13, 2013
Seabee eCourier June 13, 2013Seabee eCourier June 13, 2013
Seabee eCourier June 13, 2013
 
Estadística 1
Estadística 1Estadística 1
Estadística 1
 
Nur 3042 chapter004
Nur 3042 chapter004Nur 3042 chapter004
Nur 3042 chapter004
 
Gt de quy_2
Gt de quy_2Gt de quy_2
Gt de quy_2
 
הטיוטה המלאה של חוק ההסדרים
הטיוטה המלאה של חוק ההסדריםהטיוטה המלאה של חוק ההסדרים
הטיוטה המלאה של חוק ההסדרים
 
NTSB presents: Making the Right Decisions
NTSB presents: Making the Right DecisionsNTSB presents: Making the Right Decisions
NTSB presents: Making the Right Decisions
 
GFM Service Presentation_Ver S
GFM Service Presentation_Ver SGFM Service Presentation_Ver S
GFM Service Presentation_Ver S
 
Tema 6. Los paisajes vegetales españoles. La vegetación en Castilla y León.
Tema 6. Los paisajes vegetales españoles. La vegetación en Castilla y León.Tema 6. Los paisajes vegetales españoles. La vegetación en Castilla y León.
Tema 6. Los paisajes vegetales españoles. La vegetación en Castilla y León.
 
óLeo de coco e seus benefícios
óLeo de coco e seus benefíciosóLeo de coco e seus benefícios
óLeo de coco e seus benefícios
 
Prova
ProvaProva
Prova
 

Semelhante a Evangelho eterno_1342014_GGR

Esta escrito
Esta escritoEsta escrito
Esta escrito
Edilson Gomes
 
00 a justica de cristo
00 a justica de cristo00 a justica de cristo
00 a justica de cristo
Julio Simões
 
A obra da expiação propósito e alcance
A obra da expiação propósito e alcanceA obra da expiação propósito e alcance
A obra da expiação propósito e alcance
dimas campos
 
JESUS FILHO DE DEUS
JESUS FILHO DE DEUSJESUS FILHO DE DEUS
JESUS FILHO DE DEUS
ASD Remanescentes
 
João 17
João 17João 17
27. apostasia
27. apostasia27. apostasia
27. apostasia
pohlos
 
Lição 4 - Repreensão e represália + textos_GGR
Lição 4 - Repreensão e represália + textos_GGRLição 4 - Repreensão e represália + textos_GGR
Lição 4 - Repreensão e represália + textos_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição 7 – A crise continua + Textos_GGR
Lição 7 – A crise continua + Textos_GGRLição 7 – A crise continua + Textos_GGR
Lição 7 – A crise continua + Textos_GGR
Gerson G. Ramos
 
Apostasia
ApostasiaApostasia
Evangelho eterno_Lição_original com textos_1342014
Evangelho eterno_Lição_original com textos_1342014Evangelho eterno_Lição_original com textos_1342014
Evangelho eterno_Lição_original com textos_1342014
Gerson G. Ramos
 
Estudando plano salvacao
Estudando plano salvacaoEstudando plano salvacao
Estudando plano salvacao
Elias Nogueira
 
Triunfo da ressurreicao
Triunfo da ressurreicaoTriunfo da ressurreicao
Triunfo da ressurreicao
Joary Jossué Carlesso
 
Triunfo da ressurreicao
Triunfo da ressurreicaoTriunfo da ressurreicao
Triunfo da ressurreicao
Joary Jossué Carlesso
 
A grandeza que antecede o perdão
A grandeza que antecede o perdãoA grandeza que antecede o perdão
A grandeza que antecede o perdão
Natanael Araujo
 
Jesus filho deus
Jesus filho deusJesus filho deus
Jesus filho deus
Histórico Angola
 
Jesus o filho de deus
Jesus o filho de deusJesus o filho de deus
Jesus o filho de deus
Monteiro07
 
Voz da Paróquia Março 2015
Voz da Paróquia Março 2015Voz da Paróquia Março 2015
Voz da Paróquia Março 2015
jesmioma
 
Nosso amado Pai celestial_132014_GGR
Nosso amado Pai celestial_132014_GGRNosso amado Pai celestial_132014_GGR
Nosso amado Pai celestial_132014_GGR
Gerson G. Ramos
 
E S C A T O L O G I A
E S C A T O L O G I AE S C A T O L O G I A
E S C A T O L O G I A
Feitosa Lima
 
Jesus filho deus
Jesus filho deusJesus filho deus
Jesus filho deus
Jose Moraes
 

Semelhante a Evangelho eterno_1342014_GGR (20)

Esta escrito
Esta escritoEsta escrito
Esta escrito
 
00 a justica de cristo
00 a justica de cristo00 a justica de cristo
00 a justica de cristo
 
A obra da expiação propósito e alcance
A obra da expiação propósito e alcanceA obra da expiação propósito e alcance
A obra da expiação propósito e alcance
 
JESUS FILHO DE DEUS
JESUS FILHO DE DEUSJESUS FILHO DE DEUS
JESUS FILHO DE DEUS
 
João 17
João 17João 17
João 17
 
27. apostasia
27. apostasia27. apostasia
27. apostasia
 
Lição 4 - Repreensão e represália + textos_GGR
Lição 4 - Repreensão e represália + textos_GGRLição 4 - Repreensão e represália + textos_GGR
Lição 4 - Repreensão e represália + textos_GGR
 
Lição 7 – A crise continua + Textos_GGR
Lição 7 – A crise continua + Textos_GGRLição 7 – A crise continua + Textos_GGR
Lição 7 – A crise continua + Textos_GGR
 
Apostasia
ApostasiaApostasia
Apostasia
 
Evangelho eterno_Lição_original com textos_1342014
Evangelho eterno_Lição_original com textos_1342014Evangelho eterno_Lição_original com textos_1342014
Evangelho eterno_Lição_original com textos_1342014
 
Estudando plano salvacao
Estudando plano salvacaoEstudando plano salvacao
Estudando plano salvacao
 
Triunfo da ressurreicao
Triunfo da ressurreicaoTriunfo da ressurreicao
Triunfo da ressurreicao
 
Triunfo da ressurreicao
Triunfo da ressurreicaoTriunfo da ressurreicao
Triunfo da ressurreicao
 
A grandeza que antecede o perdão
A grandeza que antecede o perdãoA grandeza que antecede o perdão
A grandeza que antecede o perdão
 
Jesus filho deus
Jesus filho deusJesus filho deus
Jesus filho deus
 
Jesus o filho de deus
Jesus o filho de deusJesus o filho de deus
Jesus o filho de deus
 
Voz da Paróquia Março 2015
Voz da Paróquia Março 2015Voz da Paróquia Março 2015
Voz da Paróquia Março 2015
 
Nosso amado Pai celestial_132014_GGR
Nosso amado Pai celestial_132014_GGRNosso amado Pai celestial_132014_GGR
Nosso amado Pai celestial_132014_GGR
 
E S C A T O L O G I A
E S C A T O L O G I AE S C A T O L O G I A
E S C A T O L O G I A
 
Jesus filho deus
Jesus filho deusJesus filho deus
Jesus filho deus
 

Mais de Gerson G. Ramos

Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGRLição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGRLição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRRespostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRLição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRRespostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRLição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRRespostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRLição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRRespostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRLição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGRRespostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGRLição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRRespostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRLição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGRLição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRRespostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRLição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGRRespostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGRLição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGRRespostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Gerson G. Ramos
 

Mais de Gerson G. Ramos (20)

Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGRLição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR
 
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGRLição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
 
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRRespostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
 
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRLição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
 
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRRespostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
 
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRLição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
 
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRRespostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
 
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRLição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
 
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRRespostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
 
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRLição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Lição_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
 
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGRRespostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
Respostas_63201_ Jesus se misturava com as pessoas_GGR
 
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGRLição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
Lição_632016_Jesus Se misturava com as pessoas_GGR
 
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRRespostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
 
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRLição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
 
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGRLição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
 
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRRespostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
 
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRLição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
 
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGRRespostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
 
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGRLição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
 
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGRRespostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
 

Último

PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
SrgioLinsPessoa
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 

Último (18)

PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 

Evangelho eterno_1342014_GGR

  • 1. Lições Adultos Carta de Tiago Lição 13 - Evangelho eterno 20 a 27 de dezembro ❉ Sábado - “De longe se me deixou ver o Senhor, dizendo: Com amor eterno Eu te amei; por isso, com benignidade te atraí. Jr 31:3. Em todos os atos de benignidade praticados por Jesus, Ele procurou impressionar os homens quanto aos atributos benévolos e paternais de Deus. ... Jesus deseja que compreendamos o amor do Pai, e procura atrair-nos para Ele apresentando a Sua graça paternal. Deseja que todo o âmbito de nossa visão se encha com a perfeição do caráter de Deus. ... Era unicamente vivendo entre os homens que Ele podia revelar a misericórdia, compaixão e amor de Seu Pai celeste; pois apenas por atos de beneficência podia Ele salientar a graça de Deus. The Youth's Instructor, 15 de dezembro de 1892. Cristo veio para manifestar o amor de Deus ao mundo, para atrair a Si o coração de todos os homens. ... Disse Ele: "Eu, quando for levantado da terra, todos atrairei a Mim." João 12:32. O primeiro passo rumo da salvação é corresponder à atração do amor de Cristo. ... É para que os homens compreendam a alegria do perdão e da paz de Deus, que Cristo os atrai mediante a manifestação de Seu amor. Se correspondem à Sua atração, rendendo o coração a Sua graça, Ele os guiará passo a passo, a um pleno conhecimento dEle, e isto é vida eterna. Mensagens Escolhidas, vol. 1, págs. 323 e 324. ❉ Domingo - O evangelho no Antigo Testamento Ano Bíblico: 2 João; 3 João; Judas “Também a nós foram anunciadas as boas-novas, como se deu com eles; mas a palavra que ouviram não lhes aproveitou, visto não ter sido acompanhada pela fé naqueles que a ouviram”. Hb 4:2. ► 1. Considere as seguintes passagens e resuma a mensagem do evangelho em cada uma delas: Gn 3:15: Êx 19:4-6; Sl 130:3, 4; Sl 32:1-5; Is 53:4-11; Jr 31:31-34. Gn 3:15, JFA-RC; 15 E porei inimizade entre ti e a mulher e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar. Ex 19:4-6, JFA-RC; 4 Vós tendes visto o que fiz aos egípcios, como vos levei sobre asas de águias, e vos trouxe a mim; 5 agora, pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes o meu concerto, então, sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos; porque toda a terra é minha. 6 E vós me sereis reino sacerdotal e povo santo. Estas são as palavras que falarás aos filhos de Israel. Sl 130:3-4, JFA-RC; 3 Se tu, SENHOR, observares as iniquidades, Senhor, quem subsistirá? 4 Mas contigo está o perdão, para que sejas temido. Sl 32:1-5, JFA-RC; 1 Bem-aventurado aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto. 2 Bem-aventurado o homem a quem o SENHOR não imputa maldade, e em cujo espírito não há engano. 3 Enquanto eu me calei, envelheceram os meus ossos pelo meu bramido em todo o dia. 4 Porque de dia e de noite a tua mão pesava sobre mim; o meu humor se tornou em sequidão de estio. (Selá) 5 Confessei-te o meu pecado e a minha maldade não encobri; dizia eu: Confessarei ao SENHOR as minhas transgressões; e tu perdoaste a maldade do meu pecado. (Selá) Is 53:4-11, JFA-RC; 4 Verdadeiramente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputamos por aflito, ferido de Deus e oprimido. 5 Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e, pelas suas pisaduras, fomos sarados. 6 Todos nós andamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho, mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos. 7 Ele foi oprimido, mas não abriu a boca; como um cordeiro, foi levado ao matadouro e, como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, ele não abriu a boca. 8 Da opressão e do juízo foi tirado; e quem contará o tempo da sua vida? Porquanto foi cortado da terra dos viventes e pela transgressão do meu povo foi ele atingido. 9 E puseram a sua sepultura com os ímpios e com o rico, na sua morte; porquanto nunca fez ramos@advir.comramos@advir.com
  • 2. injustiça, nem houve engano na sua boca. 10 Todavia, ao SENHOR agradou o moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado, verá a sua posteridade, prolongará os dias, e o bom prazer do SENHOR prosperará na sua mão. 11 O trabalho da sua alma ele verá e ficará satisfeito; com o seu conhecimento, o meu servo, o justo, justificará a muitos, porque as iniquidades deles levará sobre si. Jr 31:31-34, JFA-RC; 31 Eis que dias vêm, diz o SENHOR, em que farei um concerto novo com a casa de Israel e com a casa de Judá. 32 Não conforme o concerto que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito, porquanto eles invalidaram o meu concerto, apesar de eu os haver desposado, diz o SENHOR. 33 Mas este é o concerto que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o SENHOR: porei a minha lei no seu interior e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. 34 E não ensinará alguém mais a seu próximo, nem alguém, a seu irmão, dizendo: Conhecei ao SENHOR; porque todos me conhecerão, desde o menor deles até ao maior, diz o SENHOR; porque perdoarei a sua maldade e nunca mais me lembrarei dos seus pecados. ► A primeira indicação do evangelho (As boas novas de esperança) foi dada a Adão e Eva. Através dos longos séculos de "angústia e escuridão" (Isa. 8:22) que marcaram a história da humanidade desde o dia em que nossos primeiros pais perderam o seu lar no Éden até o tempo em que o Filho de Deus apareceu como o Salvador dos pecadores, a esperança da raça caída esteve centralizada na vinda de um Libertador para livrar a homens e mulheres do cativeiro do pecado e da sepultura. A primeira indicação de tal esperança foi dada a Adão e Eva na sentença pronunciada sobre a serpente no Éden, quando o Senhor declarou a Satanás aos ouvidos de nossos primeiros pais: "E porei inimizade entre ti e a mulher e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar." Gên. 3:15. Ao atentar o culpado par para estas palavras, foram inspirados com esperança; pois na profecia concernente ao aniquilamento do poder de Satanás eles discerniram uma promessa de libertação da ruína que a transgressão havia operado. Embora devessem sofrer o poder de seu adversário, dado que tinham caído sob sua sedutora influência e haviam escolhido desobedecer aos claros mandamentos de Jeová, não precisavam contudo entregar-se ao completo desespero. O Filho de Deus Se oferecia para expiar com o Seu próprio sangue as transgressões deles. Ser-lhes-ia permitido um período de graça, durante o qual, pela fé no poder de Cristo para salvar, poderiam tornar-se uma vez mais filhos de Deus. Satanás, em virtude do êxito que teve em desviar o homem do caminho da obediência, tornou-se "o deus deste século". II Cor. 4:4. O domínio que uma vez pertenceu a Adão passou ao usurpador. Mas o Filho de Deus Se propôs vir à Terra a fim de pagar a penalidade do pecado, e assim não apenas redimir o homem, mas recobrar o domínio usurpado. É desta restauração que Miquéias profetizou quando disse: "E a ti, ó torre do rebanho, monte da filha de Sião, a ti virá; sim, a ti virá o primeiro domínio." Miq. 4:8. Esta esperança de redenção por meio do advento do Filho de Deus como Salvador e Rei, jamais se extinguiu no coração dos homens. Desde o início tem havido alguns cuja fé tem alcançado além das sombras do presente penetrando as realidades do futuro. Adão, Sete, Enoque, Matusalém, Noé, Sem, Abraão, Isaque, e Jacó - por meio destes e outros homens dignos o Senhor tem preservado as preciosas revelações de Sua vontade. Assim foi que aos filhos de Israel, povo escolhido por cujo intermédio devia ser dado ao mundo o Messias prometido, Deus partilhou o conhecimento dos reclamos de Sua lei, e da salvação a ser realizada graças ao sacrifício expiatório do Seu amado Filho. Profetas e Reis, págs. 681-683. ❉ Segunda - O evangelho encarnado Ano Bíblico: Ap 1–3 Jo 3:3-5, (ACF); 3 Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. 4 Disse-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer? 5 Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. Mt 5:20, (ACF); 20 Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus. ramos@advir.comramos@advir.com
  • 3. ► 2. Leia Lucas 15:11-32 e 18:9-17. De que maneira essas parábolas ilustram o evangelho? ❉ O Filho pródigo - Lucas 15:11-32 ❉ O Fariseu e o publicano Lucas 18:9-17 Quão grande é a redenção que foi feita para nós! Tão grande, que o Filho de Deus morreu a cruel morte da cruz, para nos trazer vida e imortalidade pela fé nEle. Esse maravilhoso problema - como Deus podia ser justo, e ainda justificador de pecadores - está além do alcance humano. Ao tentarmos sondá-lo, ele se amplia e aprofunda para além de nossa compreensão. Quando olhamos com os olhos da fé à cruz do Calvário, e vemos nossos pecados colocados sobre a vítima ali pendente, em fraqueza e ignomínia - quando aprendemos o fato de que esse é Deus, o Pai da eternidade, o Príncipe da Paz - somos levados a exclamar: "Vede quão grande amor nos tem concedido o Pai"! I João 3:1. … Quando o homem puder avaliar o exaltado caráter do Senhor dos Exércitos, e discernir entre o Deus eterno e a humanidade finita, ele saberá quão grande foi o sacrifício do Céu para levar o homem, de onde ele havia caído pela desobediência, a se tornar parte da família de Deus. ... A divindade de Cristo é nossa certeza de vida eterna. ... Ele, o portador dos pecados do mundo, é o nosso único mediador de reconciliação com um Deus santo. Youth's Instructor, 11 de fevereiro de 1897. ❉ Terça - O evangelho em Paulo Ano Bíblico: Ap 4–6 ► 3. Leia 2 Coríntios 3:14-16 nessa perspectiva e, em seguida, os versos 2-6. O que Paulo identifica como o passo crucial? 2Co 3:7-18, (ACF); 7 E, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, veio em glória, de maneira que os filhos de Israel não podiam fitar os olhos na face de Moisés, por causa da glória do seu rosto, a qual era transitória, 8 Como não será de maior glória o ministério do Espírito? 9 Porque, se o ministério da condenação foi glorioso, muito mais excederá em glória o ministério da justiça. 10 Porque também o que foi glorificado nesta parte não foi glorificado, por causa desta excelente glória. 11 Porque, se o que era transitório foi para glória, muito mais é em glória o que permanece. 12 Tendo, pois, tal esperança, usamos de muita ousadia no falar. 13 E não somos como Moisés, que punha um véu sobre a sua face, para que os filhos de Israel não olhassem firmemente para o fim daquilo que era transitório. 14 Mas os seus sentidos foram endurecidos; porque até hoje o mesmo véu está por levantar na lição do velho testamento, o qual foi por Cristo abolido; 15 E até hoje, quando é lido Moisés, o véu está posto sobre o coração deles. 16 Mas, quando se converterem ao Senhor, então o véu se tirará. 17 Ora, o Senhor é Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade. 18 Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor. 2Co 3:2-6, JFA-RC; 2 Vós sois a nossa carta, escrita em nossos corações, conhecida e lida por todos os homens, 3 porque já é manifesto que vós sois a carta de Cristo, ministrada por nós e escrita não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas nas tábuas de carne do coração. 4 E é por Cristo que temos tal confiança em Deus; 5 não que sejamos capazes, por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos; mas a nossa capacidade vem de Deus, 6 o qual nos fez também capazes de ser ministros dum Novo Testamento, não da letra, mas do Espírito; porque a letra mata, e o Espírito vivifica. O perdão do pecado, a justificação pela fé em Jesus Cristo, o acesso a Deus unicamente por meio de um Mediador (por causa de sua condição de perdidos), sua culpa e pecado - destas verdades o povo pouco entendia. Haviam perdido, em grande medida, o conhecimento de Deus e do único modo de aproximarem-se dEle. Haviam perdido quase todo o sentido do que constitui pecado e do que constitui justiça. O perdão do pecado por meio de Cristo, o Messias prometido, a quem suas ofertas representavam, era compreendido apenas vagamente. Declarou Paulo: "Tendo, pois, tal esperança, usamos de muita ousadia no falar. E não somos como Moisés, que punha um véu sobre a sua face, para que os filhos de Israel não olhassem firmemente para o fim daquilo que era transitório. Mas os seus sentidos foram endurecidos. Porque até hoje o mesmo véu está por levantar na lição do Antigo Testamento, o qual [véu] foi por Cristo abolido; e até hoje, quando é lido Moisés, o véu está posto sobre o coração deles. Mas, quando se converterem ao Senhor, então o véu se tirará." II Cor. ramos@advir.comramos@advir.com
  • 4. 3:12-16. Os judeus recusaram-se a aceitar a Cristo como o Messias, e não podem ver que suas cerimônias são sem sentido, que os sacrifícios e ofertas perderam sua significação. O véu com que eles mesmos se cobriram em obstinada incredulidade, está ainda ante seu espírito. Seria removido se aceitassem a Cristo, a justiça da lei. Muitos, no mundo cristão, têm também um véu ante os olhos e o coração. Não vêem a terminação do que era transitório. Não veem que foi tão-somente a lei cerimonial que foi abolida, quando Cristo morreu. Pretendem que a lei moral tenha sido pregada à cruz. Pesado é o véu que lhes obscurece o entendimento. O coração de muitos está em guerra contra Deus. Não se submetem a Sua lei. Unicamente à medida que cheguem à harmonia com a regra de Seu governo, pode Cristo ser-lhes de qualquer valia. Podem falar de Cristo como seu Salvador; Ele, porém, afinal lhes dirá: Não vos conheço. Não exercestes genuíno arrependimento para com Deus, pela transgressão de Sua santa lei, e não podeis ter genuína fé em Mim, pois foi Minha missão exaltar a lei de Deus. Mensagens Escolhidas, v. 1. pp. 238-239. ► 4. Leia Romanos 1:16, 17; 3:24-26. Como Paulo define o evangelho? O que recebemos por meio de Cristo, pela fé? Rm 1:16-17, JFA-RC; 16 Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego. 17 Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá da fé. Rm 3:24-26, JFA-RC; 24 sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus, 25 ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus; 26 para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus. Aquele que deseja tornar-se filho de Deus tem de receber a verdade de que o arrependimento e o perdão devem ser obtidos por meio de nada menos que a expiação de Cristo. Certo disto, o pecador tem de fazer um esforço em harmonia com a obra feita em seu favor, e com súplicas incansáveis recorrer ao trono da graça, para que o poder renovador de Deus possa vir a sua alma. Cristo não perdoa a ninguém senão ao penitente, mas àquele a quem Ele perdoa, primeiro faz penitente. A providência tomada é completa, e a eterna justiça de Cristo é colocada ao crédito de toda alma crente. As vestes, preciosas e sem mácula, tecidas nos teares do Céu, foram providas para o pecador arrependido e crente, e ele poderá dizer: "Regozijar-me-ei muito no Senhor, a minha alma se alegra no meu Deus; porque me vestiu de vestidos de salvação, me cobriu com o manto de justiça, como o noivo que se adorna com atavios, e como noiva que se enfeita com as suas jóias." Isa. 61:10. Abundante graça foi provida para que o crente possa manter-se livre do pecado; pois todo o Céu, com seus recursos ilimitados, foi posto à nossa disposição. Devemos servir-nos da fonte da salvação. Cristo é o fim da lei, para justiça a todo aquele que crê. Em nós mesmos somos pecadores; mas em Cristo somos justos. Tendo-nos feito justos, mediante a imputada justiça de Cristo, Deus nos pronuncia justos e nos trata como justos. Considera-nos Seus filhos amados. Cristo atua contra o poder do pecado, e onde este abundava, muito mais abundante é a graça. (Rom. 5:20.) "Sendo pois justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo; pelo qual também temos entrada pela fé a esta graça, na qual estamos firmes, e nos gloriamos na esperança da glória de Deus." Rom. 5:1 e 2. "Sendo justificados gratuitamente pela Sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus, ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no Seu sangue, para demonstrar a Sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus; para demonstração da Sua justiça neste tempo presente, para que Ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus." Rom. 3:24-26. "Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus." Efés. 2:8. [Cita João 1:14-16.] Mensagens Escolhidas, v. 1. pp. 393-394. ❉ Quarta - A “nova” aliança Ano Bíblico: Ap 7–9 A epístola aos Hebreus descreve a nova aliança como “superior” à antiga (Hb 8:1, 2, 6). A pergunta óbvia é: Por que Deus estabeleceu a antiga aliança se ela era imperfeita? O problema, porém, não estava com a aliança, mas com a resposta do povo a ela. Hb 8:1-2, (ACF); 1 Ora, a suma do que temos dito é que temos um sumo sacerdote tal, que está assentado ramos@advir.comramos@advir.com
  • 5. nos céus à destra do trono da majestade, 2 Ministro do santuário, e do verdadeiro tabernáculo, o qual o Senhor fundou, e não o homem. Hb 8:6, (ACF); 6 Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de uma melhor aliança que está confirmada em melhores promessas. ► 5. Leia Hebreus 7:19; 8:9; 10:1-4. Que problemas com a antiga aliança são mencionados? Hb 7:19 JFA-RC; 19 (pois a lei nenhuma coisa aperfeiçoou), e desta sorte é introduzida uma melhor esperança, pela qual chegamos a Deus. Hb 8:9 JFA-RC; 9 não segundo o concerto que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; como não permaneceram naquele meu concerto, eu para eles não atentei, diz o Senhor. Hb 10:1-4, JFA-RC; 1 Porque, tendo a lei a sombra dos bens futuros e não a imagem exata das coisas, nunca, pelos mesmos sacrifícios que continuamente se oferecem cada ano, pode aperfeiçoar os que a eles se chegam. 2 Doutra maneira, teriam deixado de se oferecer, porque, purificados uma vez os ministrantes, nunca mais teriam consciência de pecado. 3 Nesses sacrifícios, porém, cada ano, se faz comemoração dos pecados, 4 porque é impossível que o sangue dos touros e dos bodes tire pecados. ► Jesus Cristo é a nossa única esperança, nosso único refúgio. "Carregando Ele mesmo em Seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados, para que nós, mortos para os pecados, vivamos para a justiça." I Ped. 2:24. "Portanto, se o sangue de bode e de touros e a cinza de uma novilha, aspergidos sobre os contaminados, os santificam, quanto à purificação da carne, muito mais o sangue de Cristo, que, pelo Espírito eterno, a Si mesmo Se ofereceu sem mácula a Deus, purificará a nossa consciência de obras mortas, para servirmos ao Deus vivo! Por isso mesmo, Ele é o Mediador da nova aliança, a fim de que, intervindo a morte para remissão das transgressões que havia sob a primeira aliança, recebam a promessa da eterna herança aqueles que têm sido chamados." Heb. 9:13-15. Manuscrito 3, 1903. Assim como a Bíblia apresenta duas leis, uma imutável e eterna a outra provisória e temporária, assim há dois concertos. O concerto da graça foi feito primeiramente com o homem no Éden quando, depois da queda, foi dada uma promessa divina de que a semente da mulher feriria a cabeça da serpente. A todos os homens este concerto oferecia perdão e a graça auxiliadora de Deus para a futura obediência mediante a fé em Cristo. Prometia-lhes também vida eterna sob condição de fidelidade para com a lei de Deus. Assim receberam os patriarcas a esperança da salvação. Este mesmo concerto foi renovado a Abraão, na promessa: "Em tua semente serão benditas todas as nações da Terra." Gên. 22:18. Essa promessa apontava para Cristo. Assim Abraão a compreendeu (Gál. 3:8 e 16), e confiou em Cristo para o perdão dos pecados. Foi esta fé que lhe foi atribuída como justiça. O concerto com Abraão mantinha também a autoridade da lei de Deus. O Senhor apareceu a Abraão e disse: "Eu sou o Deus todo-poderoso, anda em minha presença e sê perfeito." Gên. 17:1. O testemunho de Deus concernente a Seu fiel servo foi: "Abraão obedeceu à Minha voz, e guardou o Meu mandado, os Meus preceitos, os Meus estatutos, e as Minhas leis." Gên. 26:5. O concerto abraâmico foi ratificado pelo sangue de Cristo, e é chamado o "segundo", ou o "novo" concerto, porque o sangue pelo qual foi selado foi vertido depois do sangue do primeiro concerto. Patriarcas e Profetas, pág. 371. O concerto da graça não é uma verdade nova, porque desde a eternidade existira na mente de Deus. Por essa razão é chamado o concerto eterno. Signs of the Times, 24 de agosto de 1891. Somente há esperança para nós quando nos colocamos debaixo do concerto abraâmico, que é o concerto da graça pela fé em Cristo Jesus. O evangelho pregado a Abraão, mediante o qual teve esperança, é o mesmo evangelho que nos é pregado hoje, e pelo qual temos esperança. Abraão olhava para Jesus, que é o Autor e Consumador de nossa fé. SDA Bible Commentary, vol. 6, pág. 1.077. ramos@advir.comramos@advir.com
  • 6. ❉ Quinta - O ponto culminante do evangelho Ano Bíblico: Ap 10, 11 “Nos dias em que o sétimo anjo estiver para tocar sua trombeta, vai cumprir-se o mistério de Deus, da forma como Ele o anunciou aos Seus servos, os profetas.” Ap 10:7, NVI. ► 6. No contexto do evangelho eterno, qual é a importância da guarda dos mandamentos, do testemunho de Jesus e da fé de Jesus? Ap 12:17; 14:12 Ap 12:14 JFA-RC; 14 E foram dadas à mulher duas asas de grande águia, para que voasse para o deserto, ao seu lugar, onde é sustentada por um tempo, e tempos, e metade de um tempo, fora da vista da serpente. Ap 14:12, JFA-RC; 12 Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus. Na mensagem do primeiro anjo os homens são chamados a adorar a Deus, nosso Criador, que fez o mundo e tudo quanto nele há. Eles têm rendido homenagem a uma instituição do Papado, anulando a lei de Jeová, mas deve haver um aumento do conhecimento nesse assunto. A mensagem proclamada pelo anjo voando pelo meio do céu é o evangelho eterno, o mesmo evangelho que foi anunciado no Éden quando Deus disse à serpente: "Porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar." Gên. 3:15. Aí está a primeira promessa de um Salvador que havia de erguer-Se no campo de batalha para contestar o poder de Satanás e prevalecer contra ele. Cristo veio ao nosso mundo a fim de representar o caráter de Deus assim como ele é representado em Sua santa lei; pois esta é uma transcrição de Seu caráter. Cristo era tanto a lei como o evangelho. O anjo que proclama o evangelho eterno proclama a lei de Deus; pois o evangelho da salvação leva os homens à obediência da lei, pela qual seu caráter é formado segundo a semelhança divina. No capítulo cinqüenta e oito de Isaías, é especificada a obra dos que adoram a Deus, o Criador dos céus e da Terra: "E os que de ti procederem edificarão os lugares antigamente assolados; e levantarás os fundamentos de geração em geração." Isa. 58:12. [Diz a versão atualizada: "Levantarás os fundamentos de muitas gerações."] O memorial de Deus, Seu sábado do sétimo dia, será erguido. "Serás chamado reparador de brechas, e restaurador de veredas para que o país se tome habitável. Se desviares o teu pé de profanar o sábado [não mais o pisares sob teus pés], e de cuidar dos teus próprios interesses no Meu santo dia, mas se chamares ao sábado deleitoso e santo dia do Senhor digno de honra, e o honrares...; Eu te farei cavalgar sobre os altos da Terra, e te sustentarei com a herança de Jacó, teu pai, porque a boca do Senhor o disse." Isa. 58:12-14. A história da igreja e do mundo, os leais e os desleais, é aqui plenamente revelada. Os fiéis, sob a proclamação da mensagem do terceiro anjo, puseram os pés no caminho dos mandamentos de Deus, para respeitar, honrar e glorificar Aquele que criou os céus e a Terra. As forças da oposição têm desonrado a Deus fazendo uma brecha em Sua lei, e quando a luz de Sua Palavra tem chamado a atenção para Seus santos mandamentos, revelando a brecha feita na lei pela autoridade papal, então, para se livrarem da convicção, os homens têm buscado destruir toda a lei. Podem eles, porém, destruí-la? Não; pois todos os que examinarem as Escrituras verão por si mesmos que a lei de Deus permanece imutável, eterna, e Seu memorial, o sábado, durará pelos séculos eternos, apontando ao único Deus verdadeiro em distinção de todos os deuses falsos. Mensagens Escolhidas, v. 2. pp. 105-107. Ap 14:7, (ACF); 7 Dizendo com grande voz: Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é vinda a hora do seu juízo. E adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas. “Embora frequentemente em meio de ignomínia e perseguição, constante testemunho tem sido dado da perpetuidade da lei de Deus e da obrigação sagrada relativa ao sábado da Criação. “Estas verdades, conforme são apresentadas no capítulo 14 de Apocalipse, em relação ao “evangelho eterno”, distinguirão a igreja de Cristo no tempo de Seu aparecimento. Pois, como resultado da tríplice mensagem, é anunciado: “Aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus” E esta mensagem é a última a ser dada antes da vinda do Senhor. Seguindo-se imediatamente à sua proclamação, pelo profeta é visto o Filho do homem vindo em glória, para ceifar a colheita da Terra. Ap 14:12. ARC; O Grande Conflito, p. 453, 454. ramos@advir.comramos@advir.com