SlideShare uma empresa Scribd logo
ESPERMATOGÊNESE
Piracicaba
2014
IREMOS FALAR SOBRE:
- A importância da Meiose;
- Definição;
- Primeira, Segunda, Terceira e Quarta Fase da
Espermatogênese;
- -Curiosidades;
INTRODUÇÃO
Neste trabalho iremos falar sobre a gametogênese
feminina, o processo pelo qual os gametas são produzidos nos
organismos dotados de reprodução sexuada. O evento
fundamental da gametogênese é a meiose, que reduz à
metade a quantidade de cromossomos das células, originando
células haplóides.
Daremos foco a gametogênese masculina, também
conhecida como Espermatogênese.
IMPORTÂNCIA DA MEIOSE
Crossing-
Over: Variabilidade
genética;
ESPERMATOGÊNESE
- Durante puberdade até o fim
do indivíduo;
- Ocorre nos tubos seminíferos,
encontrados no testículo;
- A temperatura ideal para o
processo é 1ºC menor que a
temperatura corporal;
- Dividi-se em quatro etapas;
ESPERMATOGÊNESE
PRIMEIRA FASE
• Período germinativo;
- As células primordiais se
multiplicam;
- Originam as
espermatogônias;
- A partir da puberdade as
espermatogônias sofrem
ainda mais mitoses;
SEGUNDA FASE
• Fase de crescimento;
- Aumento do volume
do citoplasma das
espermatogônias;
Se transformam em
Espermatócitos I;
TERCEIRA FASE
• Fase de maturação;
- Em 24 dias os Epermatócitos I
terminam a Meiose I e são
designados agora Epermatócitos II;
- Nas próximas 8 horas ocorre a
Meiose II;
- Origina-se as Espermátides, que
já são haplóides;
1- Espermatogônias 2-Espermatócitos I 3- Espermatócitos II
TERCEIRA FASE
TERCEIRA FASE
• Espermiogênese;
QUARTA FASE
- Durante 40 dias as
espermátides sofrem
um amadurecimento;
- Perdem quase todo
o citoplasma e se
transformam em
Espermatozóides;
Centríolos
formam os
flagelos;
Acrossomo é
formado pela
fusão do
complexo de
Golgi;
Flagelo possuí
mitocondrias
para fornecer
energia ao seu
movimento;
Acrossomo
possui enzimas
para facilitar a
entrada no
Óvulo;
QUARTA FASE
ESPERMATOGÊNESE
CONCLUSÃO
Com este trabalho aprendemos como funciona a formação dos
gametas masculinos dentro dos testículos. Aprendemos que é um
processo que começa na puberdade e vai até o fim da vida do
indivíduo.
É através desse processo que a meiose proporciona uma
variabilidade genética, e todo o caminho que a espermatogônia
percorre origina espermatozóides com todo o citoplasma alterado
para facilitar sua movimentação.
Por fim, vimos como todo o processo de espermatogênese
parece perfeitamente planejado, uma vez que o processo exige
uma temperatura de 1ºC inferior que a do corpo e isso é
proporcionado pelo fato dos testículos ficarem separados da
camada abdominal numa bolsa de pele denominada saco escrotal.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Fontes de pesquisa, acesso dia 23/02/14
http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Citologia2/nucleo15.php
http://pt.slideshare.net/Maiconbio/ovognese-15223355
http://www.biomania.com.br/bio/conteudo.asp?cod=3754
http://www.infoescola.com/biologia/formacao-de-espermatozoides/
http://www.brasilescola.com/biologia/espermatogenese.htm
Fonte de pesquisa de imagens, acesso dia 23/02/14
http://dc228.4shared.com/doc/PVe2tosF/preview_html_m2f2a751b.jpg
http://minerva.ufpel.edu.br/~mgrheing/cd_histologia/especial/O5_400x_linh
agem_esperm2.jpg
http://2.bp.blogspot.com/-7z4-
WasavnE/T8wZ1wlFgPI/AAAAAAAAAJA/hg6I0SMBU2Y/s1600/tubulosem_
hist_detalhe.jpg
http://www.brasilescola.com/upload/conteudo/images/estrutura-de-um-
espermatozoide.jpg
CRÉDITOS
Nathalia Ganeo
Eduardo Gomes
Heloisa Gozetto
Victor Tornisiello
Vinicius Bena
Viviane Sabadoti
Trabalho apresentado a disciplina de Biologia, do 3º do Ensino
Médio, sob a orientação da professora Taciana Borghesi.
Piracicaba
2014

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução Humana
Sérgio Luiz
 
fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida
Isabel Lopes
 
Embriologia - Espermatogênese
Embriologia - EspermatogêneseEmbriologia - Espermatogênese
Embriologia - Espermatogênese
Julia Berardo
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
César Milani
 
Embriologia
Embriologia Embriologia
Embriologia
Daniela Silveira
 
Fecundação
FecundaçãoFecundação
Fecundação
rosapolly
 
Fecundação e Desenvolvimento Embrionário
Fecundação e Desenvolvimento EmbrionárioFecundação e Desenvolvimento Embrionário
Fecundação e Desenvolvimento Embrionário
marco :)
 
7ª aula gametogênese
7ª aula   gametogênese7ª aula   gametogênese
7ª aula gametogênese
preuniversitarioitab
 
Fisiologia Ciclo Menstrual
Fisiologia Ciclo MenstrualFisiologia Ciclo Menstrual
Fisiologia Ciclo Menstrual
chirlei ferreira
 
Sistema reprodutor (masculino e feminino)
Sistema reprodutor (masculino e feminino)Sistema reprodutor (masculino e feminino)
Sistema reprodutor (masculino e feminino)
Lucas Fontes
 
Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrual
Gladyanny Veras
 
Ciclos de vida
Ciclos de vidaCiclos de vida
Ciclos de vida
Mariana Cordeiro
 
Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)
Bio
 
Reprodução assexuada e sexuada
Reprodução assexuada  e sexuadaReprodução assexuada  e sexuada
Reprodução assexuada e sexuada
Matheus Faria do Valle
 
Reprodução humana - 8º ano
Reprodução humana - 8º anoReprodução humana - 8º ano
Reprodução humana - 8º ano
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
Regulação hormonal
Regulação hormonalRegulação hormonal
Regulação hormonal
Tânia Reis
 
Aula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Aula 2 Puberdade, hormônios e reproduçãoAula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Aula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Ana Filadelfi
 
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
Hugo Martins
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Werner Mendoza Blanco
 

Mais procurados (20)

Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução Humana
 
fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida
 
Embriologia - Espermatogênese
Embriologia - EspermatogêneseEmbriologia - Espermatogênese
Embriologia - Espermatogênese
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
Embriologia
Embriologia Embriologia
Embriologia
 
Fecundação
FecundaçãoFecundação
Fecundação
 
Fecundação e Desenvolvimento Embrionário
Fecundação e Desenvolvimento EmbrionárioFecundação e Desenvolvimento Embrionário
Fecundação e Desenvolvimento Embrionário
 
7ª aula gametogênese
7ª aula   gametogênese7ª aula   gametogênese
7ª aula gametogênese
 
Fisiologia Ciclo Menstrual
Fisiologia Ciclo MenstrualFisiologia Ciclo Menstrual
Fisiologia Ciclo Menstrual
 
Sistema reprodutor (masculino e feminino)
Sistema reprodutor (masculino e feminino)Sistema reprodutor (masculino e feminino)
Sistema reprodutor (masculino e feminino)
 
Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrual
 
Ciclos de vida
Ciclos de vidaCiclos de vida
Ciclos de vida
 
Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)
 
Reprodução assexuada e sexuada
Reprodução assexuada  e sexuadaReprodução assexuada  e sexuada
Reprodução assexuada e sexuada
 
Reprodução humana - 8º ano
Reprodução humana - 8º anoReprodução humana - 8º ano
Reprodução humana - 8º ano
 
Regulação hormonal
Regulação hormonalRegulação hormonal
Regulação hormonal
 
Aula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Aula 2 Puberdade, hormônios e reproduçãoAula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Aula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
 
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 

Semelhante a Espermatogênese

Aula teórica 3 e 4 Gametogênese
Aula teórica 3 e 4 GametogêneseAula teórica 3 e 4 Gametogênese
Aula teórica 3 e 4 Gametogênese
orildo santos
 
UCM-FCS-Enfermagem-Palestra de Gametogenese-Filipe Gustavo, Enf..pptx
UCM-FCS-Enfermagem-Palestra de Gametogenese-Filipe Gustavo, Enf..pptxUCM-FCS-Enfermagem-Palestra de Gametogenese-Filipe Gustavo, Enf..pptx
UCM-FCS-Enfermagem-Palestra de Gametogenese-Filipe Gustavo, Enf..pptx
Filipe Francisco
 
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade
Hugo Martins
 
Embrio Ia
Embrio IaEmbrio Ia
Embrio Ia
Natalianeto
 
Gametogênese
GametogêneseGametogênese
Gametogênese
Carla Costa
 
Embriologia básica
Embriologia básicaEmbriologia básica
Embriologia básica
Marco Antonio
 
Meiose
MeioseMeiose
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Daniela Silveira
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Daniela Silveira
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Daniela Silveira
 
aula 3 reprodução.pdf
aula 3 reprodução.pdfaula 3 reprodução.pdf
aula 3 reprodução.pdf
LaianaLessaTeixeiraP
 
estrutura dos espermatozoides.docx
estrutura dos espermatozoides.docxestrutura dos espermatozoides.docx
estrutura dos espermatozoides.docx
LetciaMary
 
Sexualidade..
Sexualidade..Sexualidade..
Sexualidade..
daniela
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
Liliana Silva
 
A Sexualidade
 A Sexualidade A Sexualidade
A Sexualidade
Liliana Silva
 
A Sexualidade
A SexualidadeA Sexualidade
A Sexualidade
Liliana Silva
 
Estudo de embrio - cels germinativas primordiais
Estudo de embrio - cels germinativas primordiaisEstudo de embrio - cels germinativas primordiais
Estudo de embrio - cels germinativas primordiais
Tamara Garcia
 
Reprodução
Reprodução Reprodução
Reprodução
ReproduçãoReprodução
meiose_didatico.ppt
meiose_didatico.pptmeiose_didatico.ppt
meiose_didatico.ppt
Rico Ricardo
 

Semelhante a Espermatogênese (20)

Aula teórica 3 e 4 Gametogênese
Aula teórica 3 e 4 GametogêneseAula teórica 3 e 4 Gametogênese
Aula teórica 3 e 4 Gametogênese
 
UCM-FCS-Enfermagem-Palestra de Gametogenese-Filipe Gustavo, Enf..pptx
UCM-FCS-Enfermagem-Palestra de Gametogenese-Filipe Gustavo, Enf..pptxUCM-FCS-Enfermagem-Palestra de Gametogenese-Filipe Gustavo, Enf..pptx
UCM-FCS-Enfermagem-Palestra de Gametogenese-Filipe Gustavo, Enf..pptx
 
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade
(1) reprodução humana e manipulação da ferilidade
 
Embrio Ia
Embrio IaEmbrio Ia
Embrio Ia
 
Gametogênese
GametogêneseGametogênese
Gametogênese
 
Embriologia básica
Embriologia básicaEmbriologia básica
Embriologia básica
 
Meiose
MeioseMeiose
Meiose
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
aula 3 reprodução.pdf
aula 3 reprodução.pdfaula 3 reprodução.pdf
aula 3 reprodução.pdf
 
estrutura dos espermatozoides.docx
estrutura dos espermatozoides.docxestrutura dos espermatozoides.docx
estrutura dos espermatozoides.docx
 
Sexualidade..
Sexualidade..Sexualidade..
Sexualidade..
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
A Sexualidade
 A Sexualidade A Sexualidade
A Sexualidade
 
A Sexualidade
A SexualidadeA Sexualidade
A Sexualidade
 
Estudo de embrio - cels germinativas primordiais
Estudo de embrio - cels germinativas primordiaisEstudo de embrio - cels germinativas primordiais
Estudo de embrio - cels germinativas primordiais
 
Reprodução
Reprodução Reprodução
Reprodução
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
meiose_didatico.ppt
meiose_didatico.pptmeiose_didatico.ppt
meiose_didatico.ppt
 

Último

APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 

Último (20)

APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 

Espermatogênese

  • 2. IREMOS FALAR SOBRE: - A importância da Meiose; - Definição; - Primeira, Segunda, Terceira e Quarta Fase da Espermatogênese; - -Curiosidades;
  • 3. INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos falar sobre a gametogênese feminina, o processo pelo qual os gametas são produzidos nos organismos dotados de reprodução sexuada. O evento fundamental da gametogênese é a meiose, que reduz à metade a quantidade de cromossomos das células, originando células haplóides. Daremos foco a gametogênese masculina, também conhecida como Espermatogênese.
  • 4. IMPORTÂNCIA DA MEIOSE Crossing- Over: Variabilidade genética;
  • 5. ESPERMATOGÊNESE - Durante puberdade até o fim do indivíduo; - Ocorre nos tubos seminíferos, encontrados no testículo; - A temperatura ideal para o processo é 1ºC menor que a temperatura corporal; - Dividi-se em quatro etapas;
  • 7. PRIMEIRA FASE • Período germinativo; - As células primordiais se multiplicam; - Originam as espermatogônias; - A partir da puberdade as espermatogônias sofrem ainda mais mitoses;
  • 8. SEGUNDA FASE • Fase de crescimento; - Aumento do volume do citoplasma das espermatogônias; Se transformam em Espermatócitos I;
  • 9. TERCEIRA FASE • Fase de maturação; - Em 24 dias os Epermatócitos I terminam a Meiose I e são designados agora Epermatócitos II; - Nas próximas 8 horas ocorre a Meiose II; - Origina-se as Espermátides, que já são haplóides;
  • 10. 1- Espermatogônias 2-Espermatócitos I 3- Espermatócitos II TERCEIRA FASE
  • 12. • Espermiogênese; QUARTA FASE - Durante 40 dias as espermátides sofrem um amadurecimento; - Perdem quase todo o citoplasma e se transformam em Espermatozóides;
  • 13. Centríolos formam os flagelos; Acrossomo é formado pela fusão do complexo de Golgi; Flagelo possuí mitocondrias para fornecer energia ao seu movimento; Acrossomo possui enzimas para facilitar a entrada no Óvulo; QUARTA FASE
  • 15. CONCLUSÃO Com este trabalho aprendemos como funciona a formação dos gametas masculinos dentro dos testículos. Aprendemos que é um processo que começa na puberdade e vai até o fim da vida do indivíduo. É através desse processo que a meiose proporciona uma variabilidade genética, e todo o caminho que a espermatogônia percorre origina espermatozóides com todo o citoplasma alterado para facilitar sua movimentação. Por fim, vimos como todo o processo de espermatogênese parece perfeitamente planejado, uma vez que o processo exige uma temperatura de 1ºC inferior que a do corpo e isso é proporcionado pelo fato dos testículos ficarem separados da camada abdominal numa bolsa de pele denominada saco escrotal.
  • 16. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Fontes de pesquisa, acesso dia 23/02/14 http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Citologia2/nucleo15.php http://pt.slideshare.net/Maiconbio/ovognese-15223355 http://www.biomania.com.br/bio/conteudo.asp?cod=3754 http://www.infoescola.com/biologia/formacao-de-espermatozoides/ http://www.brasilescola.com/biologia/espermatogenese.htm Fonte de pesquisa de imagens, acesso dia 23/02/14 http://dc228.4shared.com/doc/PVe2tosF/preview_html_m2f2a751b.jpg http://minerva.ufpel.edu.br/~mgrheing/cd_histologia/especial/O5_400x_linh agem_esperm2.jpg http://2.bp.blogspot.com/-7z4- WasavnE/T8wZ1wlFgPI/AAAAAAAAAJA/hg6I0SMBU2Y/s1600/tubulosem_ hist_detalhe.jpg http://www.brasilescola.com/upload/conteudo/images/estrutura-de-um- espermatozoide.jpg
  • 17. CRÉDITOS Nathalia Ganeo Eduardo Gomes Heloisa Gozetto Victor Tornisiello Vinicius Bena Viviane Sabadoti Trabalho apresentado a disciplina de Biologia, do 3º do Ensino Médio, sob a orientação da professora Taciana Borghesi. Piracicaba 2014