SlideShare uma empresa Scribd logo
1
UNIVERSIDADE DE SOROCABA
PRÓ-REITORIA ACADÊMICA
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO
EM COMUNICAÇÃO E CULTURA
FICHAMENTO: ROMANO, Vicente. Ecología de la Comunicación. Editora Hiru,
20041.
ORIENTADOR: Professor Doutor Paulo Celso da Silva
ALUNO: Luiz Guilherme Leite Amaral. E-mail: luiz.amaral.mestrado@gmail.com
p. 9 Como é bem sabido, toda mudança tecnológica radical implica em uma
mudança nos modos de produção e de consumo, ou seja, cria-se uma
revolução. A prática ecologista se contrapõe claramente ao modo atual
de produção, tão depredador tanto para a matéria quanto o espírito.
Surge assim a consciência de que “a revolução social moderna sugere
pontos de vista ecologistas”.
p. 10 Como se sabe, as intervenções técnicas do ser humano não se limitam à
biosfera. Também afetam a sociosfera e o âmbito da comunicação, o
meio social humano.
p. 11 As intervenções tecnológicas na esfera da comunicação têm
consequências para os indivíduos e a sociedade. A organização atual
das comunicações, qualificada como “revolução comunicacional” por
alguns, apresenta as seguintes tendências: 1) a sociedade dispõe de
mais aparatos técnicos, de mais comunicação tecnicamente difundida e
canalizada e 2) de mais informação. Mas também ouve-se mais vozes
que, precisamente por isso ou pelo uso de Tecnologias de Informação e
Comunicação (TIC), afirmam que 3) há cada vez menos contatos
pessoais, menos comunicação primária. Altera-se a relação entre a
função informativa e a função socializadora da comunicação. Mais
aparato tecnológico e mais informações normalmente traduzem-se em
simples luxo de poucas sociedades avançadas e ricas do Primeiro
1 Escrito originalmente em espanhole traduzido para o português neste fichamento.
2
Mundo em detrimento de tantas pobres e atrasadas do Terceiro Mundo.
A redução dos contatos pessoais, quer dizer, o aumento da solidão,
afeta sempre a saúde mental.
p. 12 A ecologia da comunicação estabelece assim uma ponte entre a teoria
da comunicação e a ecologia humana. No fundo, trata-se de estudar a
relação entre o meio humano interno e o meio comunicativo externo.
Sob esta perspectiva, cabe perguntar: 1) Como querem comunicar-se os
seres humanos, que atitude tomar ante o meio interno, social e natural?;
2) Que exigências derivam disto para a organização das condições
tecnológicas da comunicação?; 3) Até que ponto é factível criar ou
conservar relações satisfatórias com o meio interno, social e natural?;
4) Quais são as necessidades humanas de informação e comunicação?;
5) Como sensibilizar a percepção para as necessidades comunicativas,
como orientar a ação comunicativa de modo que dê conta não somente
do aspecto tecnológico, mas também do espiritual, social e ecológico?
p. 16 Os interesses econômicos também produzem mudanças. As
infraestruturas custam muito dinheiro. Daí que para torná-las rentáveis
utilize-se o princípio de economia de sinais (Pross). Neste sentido
desempenham um papel decisivo na superação de espaço, como fator
de consome tempo, e o emprego racional de tempo no processo de
trabalho. Ambas exigem inovação constante, ainda que na atualidade
são as tecnologias relacionadas com a informação e comunicação que
exercem papel importante.
p. 17 Pelas teorias de socialização e de psicologia social sabe-se como são
essenciais as relações comunicativas para a formação da identidade, a
capacidade de relacionar-se com outros e a competência comunicativa.
A saúde mental e a capacidade para delimitar o trato com outras
pessoas e declarar-se solidário a elas aprende-se na interação direta
com o entorno natural e social. E isto não pode acontecer de maneira
abstrata ou medial, já que implica em ação direta no aqui e agora,
interação direta em um espaço e tempo dados, no curso dos sentidos e
possibilidades expressivas. Requer a qualidade especial do intercâmbio
direto, do princípio dialógico (Freire). Requer o espaço da experiência
3
sensorial concreta; a comunicação contextualizada e situacional. Exige
a resposta, a reação humana, que amplia a visão, a compreensão
individual do entorno social e do mundo.
p. 17-18 É mister o entorno natural e social vivo, em vez de sistemas
tecnológicos rígidos nos quais os seres humanos estão fixados no
sentido do diálogo pessoa-máquina. Requer espaços sensorialmente
perceptíveis onde se possa implantar a profusão social e humana do
instante. Trata-se de “lugares do tempo”, lugares de encontro, de entrar
em contato: mercados, praças, campos desportivos, pátios, cafés,
igrejas, etc. Este tipo de lugares de atividade simultânea parece
desaparecer cada vez mais do cenário, seja no trabalho, em público ou
em casa. O diálogo com o companheiro ou companheira de trabalho foi
substituído pelo diálogo com a tela do computador. No lugar da
cozinha e da mesa como centro cálido da família e a refeição em
comum foi ocupado pela cozinha rápida. A vendinha que convidava a
bater papo com o vizinho foi substituída pelo supermercado impessoal.
p. 27 Se se limita à origem da burguesia de o mercantilismo europeu, a partir
de 1500, em uma data redonda e aproximada, a natureza é considerada
como algo passivo, inerte, como uma soma de coisas, como algo que
existe para o benefício dos seres humanos. (...)
p. 28 Com a conquista da América começa a se consolidar a ideia de que o
homem é proprietário da natureza. Vaidoso por sua superioridade
absoluta, e a partir dos séculos XVI e XVII, o europeu se converte em
depredador do espaço, da natureza e de quem neles habitam. (...) No
século XVIII apareceram conceitos de ‘estado primitivo do homem’ e
‘cenário natural’, que tiveram seu apogeu no século XIX. (...) O
‘natural’ se define como ‘selvagem’, o ‘rural’ como ‘ingênuo’, ideias
que ainda persistem na consciência social (...). O romantismo dá,
portanto, um sentido de unidade entre os seres humanos e a natureza,
ainda que seja conveniente esquecer que esta atitude cultural era
idealista, não materialista.
p. 37 A evolução é a lei básica de toda realidade. Por isso, para entender bem
algo deve-se relacioná-lo. Uma coisa é por todas as outras, dizia Hegel.
4
Deve-se entender o processo de onde ele surgiu, o que o mantém e o
modifica com o tempo.
p. 39 A ideia do progresso é indubitavelmente uma das conquistas mais
velhas da burguesia. Se não se compreende unicamente como mera
acumulação de meios técnicos, o progresso também significa a
superação de prejuízos, produção de juízo crítico, aumento da
emancipação, extensão da autodeterminação em detrimento da
heterodeterminação, em suma, na liberdade do homem. É evidente que
não se trata então de um contínuo processo de subida, mas que avança
em ziguezague. A “Dialética de la Ilustración” consistia, e ainda
consiste, em conhecer os desenvolvimentos contrários ao progresso
propriamente ditos, ou seja, o progresso social. Progresso e regresso,
avanço e retorno ao velho são os aspectos condicionantes de uma
cultura que parece ter perdido a capacidade de descobrir e superar suas
próprias contradições. O verdadeiro progresso parece consistir hoje na
conservação do velho esquecido e deslocado, de uma natureza que não
foi mutilada, da dignidade humana, da participação.
p. 40 Para estudar a evolução humana deve-se considerar dois processos
inseparáveis, complementares, que empurram um ao outro
continuamente: de uma lado, a evolução do meio humano em função
dos seus indivíduos e, por outro, a evolução dos indivíduos humanos
em função do meio. Como em todas as outras épocas da evolução
biológica, a evolução humana avança em uma direção determinada, em
uma linha de progresso.
(...) O futuro evolutivo só depende da direção que tomam os processos
das relações dos homens entre si, únicos seres vivos abertos à
liberdade, de agora em diante, neste planeta. A natureza do homem, seu
futuro depende da evolução de sua ação e experiência em termos de
organização (ou seja, da sociedade, do meio humano). A única maneira
de entender o homem e influir racionalmente sobre ele, sob qualquer
aspecto, é atuar sobre seu meio congruente, a sociedade (...).
p. 41 A evolução não é nenhum deus ex machina capaz de resolver os
problemas, mas que foi, é e será um resultado da ação e experiência dos
5
próprios homens: só nas mãos do homem está determinada a marcha
dos assuntos humanos. A direção da história é um processo
determinado pelas intenções de um todo (a sociedade) e os agentes que
o constituem e o modificam (os homens). É um resultado e não um fim.
p. 46 O termo “ecologia” vem do grego oikos (casa, lugar) e logos (doutrina,
ciência). Em 1866, o zoólogo e filósofo da ciência Ernst Haeckel
(1834-1919) definiu a ecologia como a ciência que estuda “as relações
do organismo com o mundo exterior que o rodeia, entre as quais pode-
se encontrar, em um sentido amplo, todas as condições de vida”.
p. 47 A característica do discurso ecológico está na interação recíproca. Por
conseguinte, como disse Leonardo Boff, “a ecologia é um saber sobre
as relações, interconexões, interdependências e intercâmbios em todos
os pontos e a todo momento”.
p. 47-48 K. Marx e F. Engels previam a sociedade comunista do futuro como
uma organização social, “em que os produtores associados regulam
racionalmente e por si próprios suas relações com a natureza”.
Apontaram também uma possível solução ao problema ecológico com
o desenvolvimento de seu método dialético, o questionamento da
propriedade privada como direito ilimitado de uso e abuso da terra, as
ideias de planificação central, etc. Desgraçadamente, o
desenvolvimentismo intransigente imposto por J. Stalin e seus
seguidores esquivou-se destas abordagens, empreendendo práticas de
competição com o capitalismo que conduziram às conhecidas
catástrofes ecológicas e sociais da extinta URSS e dos outros países do
“socialismo realmente existente”.
p. 58 A função qualitativamente nova da consciência humana é ser órgão de
transformação ativa e criadora do mundo, instrumento da direção e
regulação da vida social e individual. A consciência não é, pois,
nenhum reflexo passivo da realidade objetiva, mas atividade criadora e
transformadora. A consciência humana é um processo ativo da
conquista intelectual do mundo pelo ser humano.
p. 59 A comunicação é o processo e o resultado da relação, mediada pelo
intercâmbio de informações e sentimentos, entre indivíduos (humanos),
6
seus grupos e organizações sociais, instituições, etc. Por um lado, trata-
se do processo de compreensão entre indivíduos e grupos sociais,
processo que se desenvolve com o objetivo de facilitar a atividade
social e transformadora do ser humano. Através desta atividade
contribui-se para a criação, estabilização e modificação das relações e
condições sociais. O objetivo final da comunicação é a compreensão
dos seres humanos para a cooperação no conhecimento, emprego e/ou
modificação da natureza, a fim de garantir sua existência e seu
desenvolvimento físico e espiritual. Por outro lado, a comunicação é o
resultado do intercâmbio de informação e sentimentos. A comunicação
é um fator essencial da divisão de trabalho e cooperação, ou seja, um
dos pressupostos e condições da existência social do homem. O reflexo
adequado da realidade na consciência dos indivíduos, o intercâmbio de
conteúdos de consciência, sua verificação social e, por consequência,
sua aplicação na práxis social, só é possível através da comunicação. A
comunicação é, se não, um elemento constituinte da práxis e das
relações sociais.
p. 73 O desenvolvimento tecnológico das comunicações seguiu o que Harry
Pross chama de “economia de sinais”, que caminha junto à economia
política. Segundo Pross, as inovações técnicas se difundem em quatro
fases: 1) algumas cabeças geniais elevam as técnicas existentes e outras
novas; 2) os comerciantes levam a inovação aos mercados geralmente
com a ajuda de empréstimos. Para isso necessita-se da propaganda
tanto como a religião ou a política; 3) o público se apodera
maciçamente da nova técnica e a generaliza; 4) os preços diminuem
com o aumento crescente das vendas e afundam. Aumenta o tédio. A
curiosidade inventa outras novidades. O jogo recomeça.
P. 75 A “sociedade da informação” pressupõe processos globais retificados
que se encadeiam entre si com um gasto mínimo de energia. Mas há
opiniões diversas sobre se a “sociedade da informação” pode se
converter em uma “sociedade informada”. De acordo com o Media
Vision Trend 1997, os saber sobre os novos meios aumenta com mais
rapidez do que sua utilidade tanto em termos gerais como em alguns
7
ramos específicos porque o acesso é demasiado complicado e as
garantias são pequenas.
p. 89-90 O desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação
motivaram que a evolução social atual se qualifique como “sociedade
da informação”, “sociedade dos meios”, “sociedade da comunicação”
ou ainda de “revolução”, como disse Bill Gates e outros. Com estes
adjetivos se pretende dizer que o setor da comunicação se converteu em
um fator determinante para a sociedade. No entanto, também se
levantam algumas vozes críticas que questionam se os seres humanos
se comunicam mais que antes. O certo é que os interesses econômicos
prestam cada vez mais atenção na comunicação e que se desenvolvam
novas formas e sistemas de uma comunicação tecnicista. A
comunicação se industrializa, comercializa, mediatiza.
p. 91 A “sociedade da comunicação” pode ser, em última instância, uma
sociedade de pessoas inativas e submissas, convertidas em apêndices de
mercado. O “novo mundo feliz”, cheio de entretenimento, adormece a
atitude crítica. O entretenimento compensa os déficits emocionais de
uma sociedade geradora de angústias. Nisso está o êxito da indústria, a
“indústria da tensão”, como denomina H. Broch. As cotas de audiência
se baseiam inclusive no fato de que há cada vez mais pessoas que
coíbem o contato e a interação com os outros. Além disso, quanto
maior é a oferta de programas simultâneos, tanto maior é a
possibilidade de que os consumidores selecionem aquilo com que eles
concordam e reforcem sua cosmovisão. É provável, assim mesmo, que
a inflação da comunicação diminua o conhecimento em vez de
enriquecê-lo, porque a hiberabundância de sinais carrega sobremaneira
a capacidade de percepção e deixa a interpretação insegura, que é
iniciada na percepção.
p. 108 A linguagem dos computadores tornou-se mais acessível, de modo que
podem desempenhar uma série de funções no âmbito do
entretenimento, da educação, do lugar e dos negócios. Deste modo, a
“tecnologia da informação” desenhada para a grande indústria, a
administração pública, o exército e a gestão das grande empresas
8
converteu-se em um bem de consumo maciço. Em segundo lugar, esta
“revolução” das telecomunicações permitiu a transmissão de novos
tipos de informações em quantidades e velocidades antes impensáveis.
Os símbolos populares desta “revolução” são o fax, a TV a cabo ou
satélite, a internet, a telefonia celular, a combinação de vários destes
instrumentos conhecida pelo termo “multimeios”, etc. A transmissão
praticamente instantânea de dados e a interação entre computadores
individuais é um feito em nível mundial. A quantidade foi traduzida em
qualidade.
p. 109 Mas a interatividade mais chamativa reside nas conversações em
“tempo real” feitas pela tela. Isso supõe uma nova mescla de
comunicação: “oral” em escala temporal, “escrita” pela sua forma e
“eletrônica” por extensão.
p.145-146 A ecologia da comunicação é um ramo da ciência relativamente novo.
No âmbito espanhol, o autor deste trabalho [Vicente Romano] utilizou
este conceito em relação com os meios de comunicação em 1989 e
quatro anos mais tarde, aplicado à comunicação em geral. No mundo
anglófono estão os livros de David L. Altheide, An Ecology of
Communication: cultural formats of control (New York, 1995), e o
volume coletivo do International Institute of Communications Cultural
Ecology: the changing dynamics of communications (Londres, 1997).
O primeiro se ocupa a falar sobre pode e controle. Entende a ecologia
da comunicação como estrutura, organização e acessibilidade de
diversos foros, meios e canais de informação. Ocupa-se da relação
entre tecnologia da informação e formatos de comunicação e
atividades. (...) O segundo é um trabalho em conjunto do Instituto
Internacional de Comunicação que analisa as repercussões
socioculturais das Tecnologia das Comunicação em diversas parte do
mundo. Aqui se segue a linha empreendida pela professora B. Mettler
von Meibom, seus discípulos e seus colaboradores agrupados em torno
do Instituto de Ecologia da Informação e Comunicação, fundado em
1989, em Duisburg, Alemanha.
p. 147 Para Thomas Muntschick, “ecologia da comunicação” é um termo
9
técnico para uma nova crítica da economia política da comunicação.
Segundo este pesquisador, a tecnificação e comercialização da
comunicação levaram à industrialização, com o objetivo de converter o
indivíduo em receptor ideal. Os meios aparecem como instrumento
sistemático para a dissolução da comunicação pessoal. A colonização
tecnológica e cultural do Terceiro Mundo se corresponde com a
colonização da vida cotidiana do Primeiro Mundo, acelerada pela troca
na estrutura perceptiva, provocado pelas estruturas produtivas das
sociedades altamente desenvolvidas.
p. 147 A ciência da comunicação não só se remete aqui às relações e
estruturas, às situações cara a cara, assim como a seus meios técnicos,
mas que também considera a diferença entre os objetos como objetos
materiais e como símbolos, integrando assim a relação espaço-
comunicação. Como ciência histórica concreta inclui o estudo crítico
dos meios. Assim como a ecologia remete a lugares nos quais a história
da natureza se relaciona com os seres humanos, o estudo concreto,
histórico e tecnológico dos meios remete a lugares onde a história dos
meios técnicos de entendimento e a história direta do intercâmbio
humano podem ser investigadas em conexão com a história da
natureza.
p. 148-149 O valor de uso político da ecologia da comunicação reside em liberá-la
do jugo de simples meio de produção útil, dos seus aspectos técnicos e
valores, para transformá-la em comunicação que produz e conserva
relações de experiências. Comunicação semelhante seria a premissa
para o processo amplo de formação de opinião pública, premissa para a
apropriação plena da história. Como novo ramo científico, a ecologia
da comunicação estabelece um vínculo entre comunicologia e ecologia
humana. Ocupa-se, por um lado, dos efeitos da técnica na comunicação
humana e, por outro, da repercussão da comunicação tecnificada na
natureza humana, na sociedade e no entorno físico. Como dizia B.
Newitt, um discípulo de McLuhan em 1982: até agora os estudiosos de
comunicação só reagiram às trocas que o meio ambiente produziu nas
mentes, corpos e sociedades. Hoje estabelece-se uma ecologia global da
10
comunicação em que o ritmo alcançou a velocidade da luz. Por isso
temos que aprender a prever, não só os efeitos materiais, mas também
os espirituais e sociais das extensões tecnológicas. Marx dizia que o ser
humano não cria problemas que não possa solucionar. Por isso, a
criação de um problema é a premissa para a solução. Criticar os efeitos
negativos não significa ser um apocalíptico, no sentido pejorativo em
que este termo de U. Eco é aplicado. Não deveríamos interpretar como
um mero pessimismo, mas como um primeiro passo para uma
estratégia construtiva para aumentar a qualidade de vida dos seres
humanos.
p. 149 No sentido original de oikos, casa, lugar, refúgio, segurança, bem-estar,
etc., a ecologia da comunicação pretende averiguar até que ponto pode-
se criar, com a comunicação, comunidades onde o mundo apareça
como um meio próprio em que o ser humano sinta-se à vontade. Assim
é como se concretiza a ponte entre teoria da comunicação e teoria
humana. A pertinência de tomar em consideração a dimensão ecológica
da comunicação foi criada pela primeira vez por Claus Eurich em 1980,
como reação à comunicação tecnológica. Ante o predomínio dos meios
tecnológicos, do que há vários decênios vem-se denominando
Tecnologia de Informação e Comunicação, Eurich e, pouco depois, a
professora B. Mettler von Meibom, criaram a questão da “conservação
ou recreação de um mundo comunicacional intacto, adequado à
natureza humana, ou seja, espaços individuais de ação e experiência, de
redes interpessoais de contato e, por consequência de comunicação. Sua
condição básica é a capacidade de interação com uma visão de conjunto
e descentralização. Quando a comunicação se vê limitada, quando se
criam barreiras sociais, ideológicas, políticas e arquitetônicas, deve-se
estabelecer as condições para uma comunicação exitosa.
p. 149-150 Surge, então a exigência de que os seres humanos tomem consciência e
assumam sua responsabilidade em seu entorno comunicacional. Neste
contexto torna-se relevante a educação das crianças e jovens para uma
existência comunicativa e um trato razoável com os meios. Para B.
Mettler von Meibom, o objetivo da ecologia da comunicação consiste
11
em “tematizar e analisar as correções que acontecem além das
subdivisões das disciplinas científicas e dos setores sociais”. De modo
análogo como tem ocorrido com o domínio da natureza graças aos
avanços da técnica e da industrialização nos últimos 150 anos, domínio
que se tem traduzido em um experimento falido, também se pode
observar uma experiência semelhante na esfera da comunicação. Pois
bem, a comunicação deve se aprimorada tecnicamente, mas os
domínios dos processos comunicativos mediante a racionalização
técnico-econômica poderia ter também consequências desastrosas. Ante
os efeitos nocivos de algumas intervenções tecnológicas da biosfera,
surge o temor se a tecnificação atual pode ter repercussões análogas no
âmbito da comunicação. Se, e até que ponto, a onda atual de
desenvolvimento tecnológico e de apropriação de técnicas de
informação e comunicação de meios de massa, tão elogiada por Toffler,
não pode transportar também efeitos não desejados ou previstos.
150-151 Por outro lado, deve-se dar conta das questões de poder e de domínio,
uma vez que o desenvolvimento e apropriação tecnológicos estão
submetidos em grande parte a interesses econômicos. Daí que a
ecologia da comunicação seja concebida como tese teórica e
investigadora que trata, por um lado, da repercussão da técnica na
índole da comunicação humana (relação tecnologia-comunicação), e,
por outro, dos efeitos da comunicação tecnificada na natureza humana
(relação comunicação tecnificada-ser humano), na sociedade (relação
comunicação tecnificada-sociedade/cultura/civilização), e a natureza
extra-humana (relação comunicação tecnificada-natureza extra-
humana).
p. 151 Nestas relações se dão duas perspectivas: a) macroscópica, e b)
microscópica. A) A perspectiva macroscópica estuda como incide a
técnica na comunicação como um todo. Assim, por exemplo, pode-se
afirmar que a vinculação espaço-temporal natural da comunicação
humana se dissolve com alguns sistemas tecnológicos (o telefone supre
o lugar e a secretária eletrônica o tempo). B) A perspectiva
microscópica analisa os efeitos da técnica nos elementos de um
12
processo específico de comunicação. Trata-se, logo, da relação entre a
técnica e os elementos estruturais tempo, espaço, atores (emissor-
receptor, produtor-consumidor), meio, mensagem; assim como a
relação entre a técnica e os elementos funcionais dos processos que
transmitem sinais, informações, estabelecem relações e criam
comunidade.
p. 152 Em segundo lugar, a ecologia da comunicação, enquanto bioecologia,
ecologia humana, enquanto tese humanista, trata das consequências que
se derivam das intervenções tecnológicas da comunicação (das
tecnologias da comunicação) para os seres humanos, a natureza extra-
humana, a sociedade, a cultura e a comunicação. Aqui também se pode
distinguir entre perspectiva macro e microscópica. Em nível macro, a
relação comunicação tecnificada-ser humano cria questões como a
influência da comunicação tecnificada em conjunto dos seres humanos,
se amplia ou restringe a liberdade, se favorece ou prejudica a saúde, a
competência cognitiva, social, comunicativa, se reduz ou prolonga a
infância, se sobrecarrega, alivia ou instrui os sentidos, se limita ou
fomenta a sensorialidade, etc. Em nível microscópico estuda as relações
entre comunicação tecnificada e os processos físicos, psíquicos, sociais
e espirituais do ser humano. Criam aqui questões como quais processos
se desencadeiam ou não do uso de um sistema tecnológico e quais
consequências implicam. De todas estas considerações deriva-se o
conceito de comunicação ecológica, ou seja, formas duradouras de
comunicação compatíveis com o ser humano, a sociedade, a cultura e o
meio natural.
152-153 Do ponto de vista técnico, a comunicação ecológica não apenas
transmite sinais e informações, mas também estabelece
necessariamente relações e cria comunidades com meios próprios.
Compreende o aspecto sígnico, informativo, relacional e meio
ambiental da comunicação humana. Representa assim a suprema
cultura comunicativa. A comunicação ecológica pode e deve figurar
como ideia reitora de toda atuação comunicativa. A comunicação
ecológica implica atenção e sinceridade recíprocas, confiança, e surge
13
do respeito igualitário a partir do interlocutor. Corre paralela com a
renúncia ao uso da violência linguística, seja na expressão, entonação,
velocidade, etc. Subordina os interesses próprios dos interlocutores aos
de sua comunicação conjunta. Quem só pensa em si mesmo é
irremediavelmente mal educado, por mais erudito que seja. A
fundamentação de uma comunidade, a adaptação dos comunicadores à
comunidade pressupõe a adaptação de uns aos outros. De uma
perspectiva ecológica, T. Donath distingue entre a) comunicação
natural; b) comunicação tecnificada e c) comunicação técnica.
p. 155-156 Existem, pois, razões suficientes para aplicar e desenvolver um modelo
ecológico da cultura e da comunicação como um processo, ou seja,
como uma relação dinâmica entre as tecnologias que regulam e
desenham o mercado e os efeitos que têm na sociedade. Ignorar esta
dinâmica conduz a criar problemas, não apenas sociopolíticos e
comerciais como também meio ambientais e culturais. O modelo de
ecologia cultural representa uma maneira sábia de compreender, e
talvez retificar, a loucura mundial atual, afirma Danielle Cliche. A
ecologia cultural, contínua, é um modo analítico com o qual se pode
entender, estimar e reconfigurar signos, sistemas de símbolos, pautas de
propriedade, controle para criar um futuro mais sustentável, justo e
humano. O paradigma ecológico cria duas dimensões, uma material e
outra simbólica. A primeira compreende as ciências meio ambientais e
a segunda é o que se denomina ecologia cultural. Robert E. Babe
desenvolveu um modelo de ecologia cultural que se resume a
continuação. A crise ecológica atual é tanto cultural como biológica.
Hoje em dia predomina uma ideologia da morte, tão destruidora ao
planeta como à humanidade. Os elementos distintivos desta ideologia
são: 1) a doutrina de que a realidade é uma mera construção social. As
simulações (realidades virtuais) substituem o real cada vez mais. 2) A
velocidade crescente com que se comercializam formas simbólicas.
Uma parte considerável da informatização da sociedade é que cada vez
mais se dá importância ao dinheiro como sistema simbólico e que os
outros sistemas simbólicos se colocam a serviço do dinheiro, o que
14
afeta a saúde meio ambiental e a comunidade humana. 3) A
globalização da comunicação, que tem implicações negativas para a
democracia, a diversidade cultural, a relação trabalho-capital, a ética,
etc. 4) A natureza percebida como algo duro e improdutivo, que deve
ser submetida apenas à vontade humana e à tecnologia. 5) A concepção
de tempo e termos de eficiência e velocidade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tendência liberal tradicional
Tendência liberal tradicionalTendência liberal tradicional
Tendência liberal tradicional
Sérgio Guilherme Gomes De Almeida Alves
 
Pensadores da Educação.
Pensadores da Educação.Pensadores da Educação.
Louis althusser
Louis althusserLouis althusser
Louis althusser
Lílian Reis
 
Planejamento da Ação Docente
Planejamento da Ação DocentePlanejamento da Ação Docente
Planejamento da Ação Docente
Daniel Augustin Pereira
 
Tendência Crítico Social dos Conteúdos
Tendência Crítico Social dos Conteúdos Tendência Crítico Social dos Conteúdos
Tendência Crítico Social dos Conteúdos
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Agricultura sustentável
Agricultura sustentável Agricultura sustentável
Agricultura sustentável
Samanta Lacerda
 
Durkheim: a educação como fato social!
Durkheim: a educação como fato social!Durkheim: a educação como fato social!
Durkheim: a educação como fato social!
Marcelo Saturnino da Silva
 
Apresentação degradação ambiental - fusar
Apresentação   degradação ambiental - fusarApresentação   degradação ambiental - fusar
Apresentação degradação ambiental - fusar
Rita S. de Souza
 
Princípios da Conferência de Estocolmo
Princípios da Conferência de EstocolmoPrincípios da Conferência de Estocolmo
Princípios da Conferência de Estocolmo
Débora Solsikke
 
O papel do professor nas diferentes concepções de escola e educação escolar
O papel do professor nas diferentes concepções de escola e educação escolarO papel do professor nas diferentes concepções de escola e educação escolar
O papel do professor nas diferentes concepções de escola e educação escolar
INSTITUTO GENS
 
Grupos sociais
Grupos sociaisGrupos sociais
Grupos sociais
Vinícius Vieira
 
Gestão democrática
Gestão democráticaGestão democrática
Gestão democrática
guestba32bfa
 
Ditadura e-servico-social 1
Ditadura e-servico-social 1Ditadura e-servico-social 1
Ditadura e-servico-social 1
Rosile
 
tendências pedagógicas, (Papel da Escola / Conteúdos /Métodos/ Professor x a...
tendências pedagógicas, (Papel da Escola	/ Conteúdos	/Métodos/	Professor x  a...tendências pedagógicas, (Papel da Escola	/ Conteúdos	/Métodos/	Professor x  a...
tendências pedagógicas, (Papel da Escola / Conteúdos /Métodos/ Professor x a...
Robson S
 
Portifólio milena
 Portifólio   milena Portifólio   milena
Portifólio milena
familiaestagio
 
História da pedagogia e da didática
História da pedagogia e da didáticaHistória da pedagogia e da didática
História da pedagogia e da didática
Prof. Antônio Martins de Almeida Filho
 
METODOLOGIAS ATIVAS FERRAMENTAS PARA EDUCACAO INCLUSIVA
METODOLOGIAS ATIVAS FERRAMENTAS PARA EDUCACAO INCLUSIVAMETODOLOGIAS ATIVAS FERRAMENTAS PARA EDUCACAO INCLUSIVA
METODOLOGIAS ATIVAS FERRAMENTAS PARA EDUCACAO INCLUSIVA
SuperTec1
 
Planos_de_Aula_CHSA 6.pptx
Planos_de_Aula_CHSA 6.pptxPlanos_de_Aula_CHSA 6.pptx
Planos_de_Aula_CHSA 6.pptx
GernciadeProduodeMat
 
História da educação ii renascimento
História da educação ii renascimentoHistória da educação ii renascimento
História da educação ii renascimento
renanmedonho
 
PESQUISA PARTICIPANTE (seminário)
PESQUISA PARTICIPANTE (seminário)PESQUISA PARTICIPANTE (seminário)
PESQUISA PARTICIPANTE (seminário)
Virna Salgado Barra
 

Mais procurados (20)

Tendência liberal tradicional
Tendência liberal tradicionalTendência liberal tradicional
Tendência liberal tradicional
 
Pensadores da Educação.
Pensadores da Educação.Pensadores da Educação.
Pensadores da Educação.
 
Louis althusser
Louis althusserLouis althusser
Louis althusser
 
Planejamento da Ação Docente
Planejamento da Ação DocentePlanejamento da Ação Docente
Planejamento da Ação Docente
 
Tendência Crítico Social dos Conteúdos
Tendência Crítico Social dos Conteúdos Tendência Crítico Social dos Conteúdos
Tendência Crítico Social dos Conteúdos
 
Agricultura sustentável
Agricultura sustentável Agricultura sustentável
Agricultura sustentável
 
Durkheim: a educação como fato social!
Durkheim: a educação como fato social!Durkheim: a educação como fato social!
Durkheim: a educação como fato social!
 
Apresentação degradação ambiental - fusar
Apresentação   degradação ambiental - fusarApresentação   degradação ambiental - fusar
Apresentação degradação ambiental - fusar
 
Princípios da Conferência de Estocolmo
Princípios da Conferência de EstocolmoPrincípios da Conferência de Estocolmo
Princípios da Conferência de Estocolmo
 
O papel do professor nas diferentes concepções de escola e educação escolar
O papel do professor nas diferentes concepções de escola e educação escolarO papel do professor nas diferentes concepções de escola e educação escolar
O papel do professor nas diferentes concepções de escola e educação escolar
 
Grupos sociais
Grupos sociaisGrupos sociais
Grupos sociais
 
Gestão democrática
Gestão democráticaGestão democrática
Gestão democrática
 
Ditadura e-servico-social 1
Ditadura e-servico-social 1Ditadura e-servico-social 1
Ditadura e-servico-social 1
 
tendências pedagógicas, (Papel da Escola / Conteúdos /Métodos/ Professor x a...
tendências pedagógicas, (Papel da Escola	/ Conteúdos	/Métodos/	Professor x  a...tendências pedagógicas, (Papel da Escola	/ Conteúdos	/Métodos/	Professor x  a...
tendências pedagógicas, (Papel da Escola / Conteúdos /Métodos/ Professor x a...
 
Portifólio milena
 Portifólio   milena Portifólio   milena
Portifólio milena
 
História da pedagogia e da didática
História da pedagogia e da didáticaHistória da pedagogia e da didática
História da pedagogia e da didática
 
METODOLOGIAS ATIVAS FERRAMENTAS PARA EDUCACAO INCLUSIVA
METODOLOGIAS ATIVAS FERRAMENTAS PARA EDUCACAO INCLUSIVAMETODOLOGIAS ATIVAS FERRAMENTAS PARA EDUCACAO INCLUSIVA
METODOLOGIAS ATIVAS FERRAMENTAS PARA EDUCACAO INCLUSIVA
 
Planos_de_Aula_CHSA 6.pptx
Planos_de_Aula_CHSA 6.pptxPlanos_de_Aula_CHSA 6.pptx
Planos_de_Aula_CHSA 6.pptx
 
História da educação ii renascimento
História da educação ii renascimentoHistória da educação ii renascimento
História da educação ii renascimento
 
PESQUISA PARTICIPANTE (seminário)
PESQUISA PARTICIPANTE (seminário)PESQUISA PARTICIPANTE (seminário)
PESQUISA PARTICIPANTE (seminário)
 

Destaque

Fichamento - Stig Hjarvard
Fichamento - Stig HjarvardFichamento - Stig Hjarvard
Fichamento - Stig Hjarvard
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
ArchiMate® 3.0 - Trick or Treat?
ArchiMate® 3.0 - Trick or Treat?ArchiMate® 3.0 - Trick or Treat?
ArchiMate® 3.0 - Trick or Treat?
Real IRM
 
TIC sesión 1 Leidy Johana Montoya Ocampo
TIC sesión 1 Leidy Johana Montoya OcampoTIC sesión 1 Leidy Johana Montoya Ocampo
TIC sesión 1 Leidy Johana Montoya Ocampo
Johamontoyaocampo
 
Rad za javni natječaj krajobrazno-urbanističkog uređenja parka Selska - Bašti...
Rad za javni natječaj krajobrazno-urbanističkog uređenja parka Selska - Bašti...Rad za javni natječaj krajobrazno-urbanističkog uređenja parka Selska - Bašti...
Rad za javni natječaj krajobrazno-urbanističkog uređenja parka Selska - Bašti...
Marina Butorac
 
Cristóbal cobo
Cristóbal coboCristóbal cobo
Cristóbal cobo
Liida JÖhana
 
Innovation @ Google
Innovation @ GoogleInnovation @ Google
Matai open education resources in quality assurance
Matai open education resources in quality assuranceMatai open education resources in quality assurance
Matai open education resources in quality assurance
The University of the South Pacific
 
SISTEMAS DE INFORMACION
SISTEMAS DE INFORMACIONSISTEMAS DE INFORMACION
SISTEMAS DE INFORMACION
jenkellyz suarez
 
Lecteur empreinte-digitale
Lecteur empreinte-digitaleLecteur empreinte-digitale
Lecteur empreinte-digitale
frvoya
 
Ensaio sobre O mito e o Mundo Moderno (Joseph Campbell)
Ensaio sobre O mito e o Mundo Moderno (Joseph Campbell)Ensaio sobre O mito e o Mundo Moderno (Joseph Campbell)
Ensaio sobre O mito e o Mundo Moderno (Joseph Campbell)
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Crisis Communication & Implication for Organization
Crisis Communication & Implication for OrganizationCrisis Communication & Implication for Organization
Crisis Communication & Implication for Organization
Mohammad Mohtashim
 
La importancia de la calidad y la sosteniblidad en la arquitectura en la rein...
La importancia de la calidad y la sosteniblidad en la arquitectura en la rein...La importancia de la calidad y la sosteniblidad en la arquitectura en la rein...
La importancia de la calidad y la sosteniblidad en la arquitectura en la rein...
Flor Ruiz
 

Destaque (13)

Fichamento - Stig Hjarvard
Fichamento - Stig HjarvardFichamento - Stig Hjarvard
Fichamento - Stig Hjarvard
 
ArchiMate® 3.0 - Trick or Treat?
ArchiMate® 3.0 - Trick or Treat?ArchiMate® 3.0 - Trick or Treat?
ArchiMate® 3.0 - Trick or Treat?
 
TIC sesión 1 Leidy Johana Montoya Ocampo
TIC sesión 1 Leidy Johana Montoya OcampoTIC sesión 1 Leidy Johana Montoya Ocampo
TIC sesión 1 Leidy Johana Montoya Ocampo
 
Rad za javni natječaj krajobrazno-urbanističkog uređenja parka Selska - Bašti...
Rad za javni natječaj krajobrazno-urbanističkog uređenja parka Selska - Bašti...Rad za javni natječaj krajobrazno-urbanističkog uređenja parka Selska - Bašti...
Rad za javni natječaj krajobrazno-urbanističkog uređenja parka Selska - Bašti...
 
Cristóbal cobo
Cristóbal coboCristóbal cobo
Cristóbal cobo
 
Innovation @ Google
Innovation @ GoogleInnovation @ Google
Innovation @ Google
 
Kleur op de M muur!
Kleur op de M muur!Kleur op de M muur!
Kleur op de M muur!
 
Matai open education resources in quality assurance
Matai open education resources in quality assuranceMatai open education resources in quality assurance
Matai open education resources in quality assurance
 
SISTEMAS DE INFORMACION
SISTEMAS DE INFORMACIONSISTEMAS DE INFORMACION
SISTEMAS DE INFORMACION
 
Lecteur empreinte-digitale
Lecteur empreinte-digitaleLecteur empreinte-digitale
Lecteur empreinte-digitale
 
Ensaio sobre O mito e o Mundo Moderno (Joseph Campbell)
Ensaio sobre O mito e o Mundo Moderno (Joseph Campbell)Ensaio sobre O mito e o Mundo Moderno (Joseph Campbell)
Ensaio sobre O mito e o Mundo Moderno (Joseph Campbell)
 
Crisis Communication & Implication for Organization
Crisis Communication & Implication for OrganizationCrisis Communication & Implication for Organization
Crisis Communication & Implication for Organization
 
La importancia de la calidad y la sosteniblidad en la arquitectura en la rein...
La importancia de la calidad y la sosteniblidad en la arquitectura en la rein...La importancia de la calidad y la sosteniblidad en la arquitectura en la rein...
La importancia de la calidad y la sosteniblidad en la arquitectura en la rein...
 

Semelhante a Fichamento - Ecologia da Comunicação - Vicente Romano

EcoformaçãO
EcoformaçãOEcoformaçãO
EcoformaçãO
Wedson Bezerra Pereira
 
02 EA como ferramenta p uma engenharia mais conciente
02   EA como ferramenta p uma engenharia mais conciente02   EA como ferramenta p uma engenharia mais conciente
02 EA como ferramenta p uma engenharia mais conciente
Edio Neto Lemes
 
Aula 2 A singularidade do ser humano - Prof. Noe Assunção
Aula 2  A singularidade do ser humano - Prof. Noe AssunçãoAula 2  A singularidade do ser humano - Prof. Noe Assunção
Aula 2 A singularidade do ser humano - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Rios Urbanos 2012
Rios Urbanos 2012Rios Urbanos 2012
Rios Urbanos 2012
CLELIO SANTOS
 
Resumo dimas floriani
Resumo dimas florianiResumo dimas floriani
Resumo dimas floriani
Marta Sousa
 
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
AleTavares2
 
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
MARIADAASSUNOSIMOESF
 
Texto trans 6 dimensões
Texto trans 6 dimensõesTexto trans 6 dimensões
Texto trans 6 dimensões
Edson Demarch
 
Pensar o Mundo Virtual: Personalização ou Massificação?
Pensar o Mundo Virtual: Personalização ou Massificação?Pensar o Mundo Virtual: Personalização ou Massificação?
Pensar o Mundo Virtual: Personalização ou Massificação?
Cecília Tomás
 
Artigo revista pedagogia em foco_solange_ribeiro
Artigo revista pedagogia em foco_solange_ribeiroArtigo revista pedagogia em foco_solange_ribeiro
Artigo revista pedagogia em foco_solange_ribeiro
Solange Ribeiro
 
Revista interfaces -_discursos_virtuais_sobre_o_concreto_-_prof._dostoiewski
Revista interfaces -_discursos_virtuais_sobre_o_concreto_-_prof._dostoiewskiRevista interfaces -_discursos_virtuais_sobre_o_concreto_-_prof._dostoiewski
Revista interfaces -_discursos_virtuais_sobre_o_concreto_-_prof._dostoiewski
Tico Dostoiewski
 
COLÉGIO OLAVO BILAC - 2ª série IV nota de filosofia
COLÉGIO OLAVO BILAC - 2ª série   IV nota de filosofiaCOLÉGIO OLAVO BILAC - 2ª série   IV nota de filosofia
COLÉGIO OLAVO BILAC - 2ª série IV nota de filosofia
Jorge Marcos Oliveira
 
Ambiente e desenvolvimento regional cd-2005
Ambiente e desenvolvimento regional cd-2005Ambiente e desenvolvimento regional cd-2005
Ambiente e desenvolvimento regional cd-2005
blogarlete
 
Ambiente e desenvolvimento regional cd-2005
Ambiente e desenvolvimento regional cd-2005Ambiente e desenvolvimento regional cd-2005
Ambiente e desenvolvimento regional cd-2005
blogarlete
 
Elementos processo comunicação
Elementos processo comunicaçãoElementos processo comunicação
Elementos processo comunicação
MNTB / Instituto Antropos
 
Clc5 e dr4 cultura e redes sociais
Clc5  e dr4 cultura e redes sociaisClc5  e dr4 cultura e redes sociais
Clc5 e dr4 cultura e redes sociais
Belmira Lourenço
 
Aula a singularidade do ser humano - Prof. Noe Assunção
Aula   a singularidade do ser humano - Prof. Noe AssunçãoAula   a singularidade do ser humano - Prof. Noe Assunção
Aula a singularidade do ser humano - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Aula a singularidade do ser humano- Prof. Noe Assunção
Aula   a singularidade do ser humano- Prof. Noe AssunçãoAula   a singularidade do ser humano- Prof. Noe Assunção
Aula a singularidade do ser humano- Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
A tecnociencia no mundo vulneravel
A tecnociencia no mundo vulneravelA tecnociencia no mundo vulneravel
A tecnociencia no mundo vulneravel
Afonso Murad (FAJE)
 
O imperativo da revolução no pensamento humano
O imperativo da revolução no pensamento humanoO imperativo da revolução no pensamento humano
O imperativo da revolução no pensamento humano
Fernando Alcoforado
 

Semelhante a Fichamento - Ecologia da Comunicação - Vicente Romano (20)

EcoformaçãO
EcoformaçãOEcoformaçãO
EcoformaçãO
 
02 EA como ferramenta p uma engenharia mais conciente
02   EA como ferramenta p uma engenharia mais conciente02   EA como ferramenta p uma engenharia mais conciente
02 EA como ferramenta p uma engenharia mais conciente
 
Aula 2 A singularidade do ser humano - Prof. Noe Assunção
Aula 2  A singularidade do ser humano - Prof. Noe AssunçãoAula 2  A singularidade do ser humano - Prof. Noe Assunção
Aula 2 A singularidade do ser humano - Prof. Noe Assunção
 
Rios Urbanos 2012
Rios Urbanos 2012Rios Urbanos 2012
Rios Urbanos 2012
 
Resumo dimas floriani
Resumo dimas florianiResumo dimas floriani
Resumo dimas floriani
 
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
 
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
1.-A-educacao-como-objeto-de-estudo-sociologico.ppt
 
Texto trans 6 dimensões
Texto trans 6 dimensõesTexto trans 6 dimensões
Texto trans 6 dimensões
 
Pensar o Mundo Virtual: Personalização ou Massificação?
Pensar o Mundo Virtual: Personalização ou Massificação?Pensar o Mundo Virtual: Personalização ou Massificação?
Pensar o Mundo Virtual: Personalização ou Massificação?
 
Artigo revista pedagogia em foco_solange_ribeiro
Artigo revista pedagogia em foco_solange_ribeiroArtigo revista pedagogia em foco_solange_ribeiro
Artigo revista pedagogia em foco_solange_ribeiro
 
Revista interfaces -_discursos_virtuais_sobre_o_concreto_-_prof._dostoiewski
Revista interfaces -_discursos_virtuais_sobre_o_concreto_-_prof._dostoiewskiRevista interfaces -_discursos_virtuais_sobre_o_concreto_-_prof._dostoiewski
Revista interfaces -_discursos_virtuais_sobre_o_concreto_-_prof._dostoiewski
 
COLÉGIO OLAVO BILAC - 2ª série IV nota de filosofia
COLÉGIO OLAVO BILAC - 2ª série   IV nota de filosofiaCOLÉGIO OLAVO BILAC - 2ª série   IV nota de filosofia
COLÉGIO OLAVO BILAC - 2ª série IV nota de filosofia
 
Ambiente e desenvolvimento regional cd-2005
Ambiente e desenvolvimento regional cd-2005Ambiente e desenvolvimento regional cd-2005
Ambiente e desenvolvimento regional cd-2005
 
Ambiente e desenvolvimento regional cd-2005
Ambiente e desenvolvimento regional cd-2005Ambiente e desenvolvimento regional cd-2005
Ambiente e desenvolvimento regional cd-2005
 
Elementos processo comunicação
Elementos processo comunicaçãoElementos processo comunicação
Elementos processo comunicação
 
Clc5 e dr4 cultura e redes sociais
Clc5  e dr4 cultura e redes sociaisClc5  e dr4 cultura e redes sociais
Clc5 e dr4 cultura e redes sociais
 
Aula a singularidade do ser humano - Prof. Noe Assunção
Aula   a singularidade do ser humano - Prof. Noe AssunçãoAula   a singularidade do ser humano - Prof. Noe Assunção
Aula a singularidade do ser humano - Prof. Noe Assunção
 
Aula a singularidade do ser humano- Prof. Noe Assunção
Aula   a singularidade do ser humano- Prof. Noe AssunçãoAula   a singularidade do ser humano- Prof. Noe Assunção
Aula a singularidade do ser humano- Prof. Noe Assunção
 
A tecnociencia no mundo vulneravel
A tecnociencia no mundo vulneravelA tecnociencia no mundo vulneravel
A tecnociencia no mundo vulneravel
 
O imperativo da revolução no pensamento humano
O imperativo da revolução no pensamento humanoO imperativo da revolução no pensamento humano
O imperativo da revolução no pensamento humano
 

Mais de Luiz Guilherme Leite Amaral

Escritos Mestrandos
Escritos MestrandosEscritos Mestrandos
Escritos Mestrandos
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Man's Search for Meaning (Book Report)
Man's Search for Meaning (Book Report)Man's Search for Meaning (Book Report)
Man's Search for Meaning (Book Report)
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Lattes Luiz Guilherme Leite Amaral
Lattes Luiz Guilherme Leite AmaralLattes Luiz Guilherme Leite Amaral
Lattes Luiz Guilherme Leite Amaral
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
NAMI - Grupo de Pesquisa em Narrativas Midiáticas
NAMI - Grupo de Pesquisa em Narrativas MidiáticasNAMI - Grupo de Pesquisa em Narrativas Midiáticas
NAMI - Grupo de Pesquisa em Narrativas Midiáticas
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
EBOOK CHILE - TERRITORIO(S), GÉNERO, TRABAJO y POLÍTICAS PÚBLICAS EN AMÉRICA...
EBOOK CHILE - TERRITORIO(S), GÉNERO, TRABAJO y  POLÍTICAS PÚBLICAS EN AMÉRICA...EBOOK CHILE - TERRITORIO(S), GÉNERO, TRABAJO y  POLÍTICAS PÚBLICAS EN AMÉRICA...
EBOOK CHILE - TERRITORIO(S), GÉNERO, TRABAJO y POLÍTICAS PÚBLICAS EN AMÉRICA...
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Azul da vaidade: o selo de verificação do Twitter
Azul da vaidade: o selo de verificação do TwitterAzul da vaidade: o selo de verificação do Twitter
Azul da vaidade: o selo de verificação do Twitter
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Ensaio sobre O Caçado sabendo Caçar (Edgar Morin)
Ensaio sobre O Caçado sabendo Caçar (Edgar Morin)Ensaio sobre O Caçado sabendo Caçar (Edgar Morin)
Ensaio sobre O Caçado sabendo Caçar (Edgar Morin)
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Ensaio sobre A Fundação e os Fundamentos das novas Cidades (Marshall Berman)
Ensaio sobre A Fundação e os Fundamentos das novas Cidades (Marshall Berman)Ensaio sobre A Fundação e os Fundamentos das novas Cidades (Marshall Berman)
Ensaio sobre A Fundação e os Fundamentos das novas Cidades (Marshall Berman)
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
A Igreja Segundo o Dispositivo de Foucault
A Igreja Segundo o Dispositivo de FoucaultA Igreja Segundo o Dispositivo de Foucault
A Igreja Segundo o Dispositivo de Foucault
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Blue screen of death: A experiência comunicacional da Tela Azul do Windows
Blue screen of death: A experiência comunicacional da Tela Azul do WindowsBlue screen of death: A experiência comunicacional da Tela Azul do Windows
Blue screen of death: A experiência comunicacional da Tela Azul do Windows
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Interference of Religious Beliefs
Interference of Religious BeliefsInterference of Religious Beliefs
Interference of Religious Beliefs
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Religion as an Amalgam of Societies
Religion as an Amalgam of SocietiesReligion as an Amalgam of Societies
Religion as an Amalgam of Societies
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Descartes Bloom Dualism
Descartes Bloom DualismDescartes Bloom Dualism
Descartes Bloom Dualism
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Darwinism Today
Darwinism TodayDarwinism Today
Core Beliefs
Core BeliefsCore Beliefs
Fichamento - Roberta Brandalise
Fichamento - Roberta BrandaliseFichamento - Roberta Brandalise
Fichamento - Roberta Brandalise
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Fichamento - Lucien Sfez - A comunicação
Fichamento - Lucien Sfez - A comunicaçãoFichamento - Lucien Sfez - A comunicação
Fichamento - Lucien Sfez - A comunicação
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências SociaisFichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Fichamento - Carla Ladeira Pimentel Águas
Fichamento - Carla Ladeira Pimentel ÁguasFichamento - Carla Ladeira Pimentel Águas
Fichamento - Carla Ladeira Pimentel Águas
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
Fichamento - Jornalismo Internacional
Fichamento - Jornalismo InternacionalFichamento - Jornalismo Internacional
Fichamento - Jornalismo Internacional
Luiz Guilherme Leite Amaral
 

Mais de Luiz Guilherme Leite Amaral (20)

Escritos Mestrandos
Escritos MestrandosEscritos Mestrandos
Escritos Mestrandos
 
Man's Search for Meaning (Book Report)
Man's Search for Meaning (Book Report)Man's Search for Meaning (Book Report)
Man's Search for Meaning (Book Report)
 
Lattes Luiz Guilherme Leite Amaral
Lattes Luiz Guilherme Leite AmaralLattes Luiz Guilherme Leite Amaral
Lattes Luiz Guilherme Leite Amaral
 
NAMI - Grupo de Pesquisa em Narrativas Midiáticas
NAMI - Grupo de Pesquisa em Narrativas MidiáticasNAMI - Grupo de Pesquisa em Narrativas Midiáticas
NAMI - Grupo de Pesquisa em Narrativas Midiáticas
 
EBOOK CHILE - TERRITORIO(S), GÉNERO, TRABAJO y POLÍTICAS PÚBLICAS EN AMÉRICA...
EBOOK CHILE - TERRITORIO(S), GÉNERO, TRABAJO y  POLÍTICAS PÚBLICAS EN AMÉRICA...EBOOK CHILE - TERRITORIO(S), GÉNERO, TRABAJO y  POLÍTICAS PÚBLICAS EN AMÉRICA...
EBOOK CHILE - TERRITORIO(S), GÉNERO, TRABAJO y POLÍTICAS PÚBLICAS EN AMÉRICA...
 
Azul da vaidade: o selo de verificação do Twitter
Azul da vaidade: o selo de verificação do TwitterAzul da vaidade: o selo de verificação do Twitter
Azul da vaidade: o selo de verificação do Twitter
 
Ensaio sobre O Caçado sabendo Caçar (Edgar Morin)
Ensaio sobre O Caçado sabendo Caçar (Edgar Morin)Ensaio sobre O Caçado sabendo Caçar (Edgar Morin)
Ensaio sobre O Caçado sabendo Caçar (Edgar Morin)
 
Ensaio sobre A Fundação e os Fundamentos das novas Cidades (Marshall Berman)
Ensaio sobre A Fundação e os Fundamentos das novas Cidades (Marshall Berman)Ensaio sobre A Fundação e os Fundamentos das novas Cidades (Marshall Berman)
Ensaio sobre A Fundação e os Fundamentos das novas Cidades (Marshall Berman)
 
A Igreja Segundo o Dispositivo de Foucault
A Igreja Segundo o Dispositivo de FoucaultA Igreja Segundo o Dispositivo de Foucault
A Igreja Segundo o Dispositivo de Foucault
 
Blue screen of death: A experiência comunicacional da Tela Azul do Windows
Blue screen of death: A experiência comunicacional da Tela Azul do WindowsBlue screen of death: A experiência comunicacional da Tela Azul do Windows
Blue screen of death: A experiência comunicacional da Tela Azul do Windows
 
Interference of Religious Beliefs
Interference of Religious BeliefsInterference of Religious Beliefs
Interference of Religious Beliefs
 
Religion as an Amalgam of Societies
Religion as an Amalgam of SocietiesReligion as an Amalgam of Societies
Religion as an Amalgam of Societies
 
Descartes Bloom Dualism
Descartes Bloom DualismDescartes Bloom Dualism
Descartes Bloom Dualism
 
Darwinism Today
Darwinism TodayDarwinism Today
Darwinism Today
 
Core Beliefs
Core BeliefsCore Beliefs
Core Beliefs
 
Fichamento - Roberta Brandalise
Fichamento - Roberta BrandaliseFichamento - Roberta Brandalise
Fichamento - Roberta Brandalise
 
Fichamento - Lucien Sfez - A comunicação
Fichamento - Lucien Sfez - A comunicaçãoFichamento - Lucien Sfez - A comunicação
Fichamento - Lucien Sfez - A comunicação
 
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências SociaisFichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
 
Fichamento - Carla Ladeira Pimentel Águas
Fichamento - Carla Ladeira Pimentel ÁguasFichamento - Carla Ladeira Pimentel Águas
Fichamento - Carla Ladeira Pimentel Águas
 
Fichamento - Jornalismo Internacional
Fichamento - Jornalismo InternacionalFichamento - Jornalismo Internacional
Fichamento - Jornalismo Internacional
 

Último

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 

Fichamento - Ecologia da Comunicação - Vicente Romano

  • 1. 1 UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E CULTURA FICHAMENTO: ROMANO, Vicente. Ecología de la Comunicación. Editora Hiru, 20041. ORIENTADOR: Professor Doutor Paulo Celso da Silva ALUNO: Luiz Guilherme Leite Amaral. E-mail: luiz.amaral.mestrado@gmail.com p. 9 Como é bem sabido, toda mudança tecnológica radical implica em uma mudança nos modos de produção e de consumo, ou seja, cria-se uma revolução. A prática ecologista se contrapõe claramente ao modo atual de produção, tão depredador tanto para a matéria quanto o espírito. Surge assim a consciência de que “a revolução social moderna sugere pontos de vista ecologistas”. p. 10 Como se sabe, as intervenções técnicas do ser humano não se limitam à biosfera. Também afetam a sociosfera e o âmbito da comunicação, o meio social humano. p. 11 As intervenções tecnológicas na esfera da comunicação têm consequências para os indivíduos e a sociedade. A organização atual das comunicações, qualificada como “revolução comunicacional” por alguns, apresenta as seguintes tendências: 1) a sociedade dispõe de mais aparatos técnicos, de mais comunicação tecnicamente difundida e canalizada e 2) de mais informação. Mas também ouve-se mais vozes que, precisamente por isso ou pelo uso de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), afirmam que 3) há cada vez menos contatos pessoais, menos comunicação primária. Altera-se a relação entre a função informativa e a função socializadora da comunicação. Mais aparato tecnológico e mais informações normalmente traduzem-se em simples luxo de poucas sociedades avançadas e ricas do Primeiro 1 Escrito originalmente em espanhole traduzido para o português neste fichamento.
  • 2. 2 Mundo em detrimento de tantas pobres e atrasadas do Terceiro Mundo. A redução dos contatos pessoais, quer dizer, o aumento da solidão, afeta sempre a saúde mental. p. 12 A ecologia da comunicação estabelece assim uma ponte entre a teoria da comunicação e a ecologia humana. No fundo, trata-se de estudar a relação entre o meio humano interno e o meio comunicativo externo. Sob esta perspectiva, cabe perguntar: 1) Como querem comunicar-se os seres humanos, que atitude tomar ante o meio interno, social e natural?; 2) Que exigências derivam disto para a organização das condições tecnológicas da comunicação?; 3) Até que ponto é factível criar ou conservar relações satisfatórias com o meio interno, social e natural?; 4) Quais são as necessidades humanas de informação e comunicação?; 5) Como sensibilizar a percepção para as necessidades comunicativas, como orientar a ação comunicativa de modo que dê conta não somente do aspecto tecnológico, mas também do espiritual, social e ecológico? p. 16 Os interesses econômicos também produzem mudanças. As infraestruturas custam muito dinheiro. Daí que para torná-las rentáveis utilize-se o princípio de economia de sinais (Pross). Neste sentido desempenham um papel decisivo na superação de espaço, como fator de consome tempo, e o emprego racional de tempo no processo de trabalho. Ambas exigem inovação constante, ainda que na atualidade são as tecnologias relacionadas com a informação e comunicação que exercem papel importante. p. 17 Pelas teorias de socialização e de psicologia social sabe-se como são essenciais as relações comunicativas para a formação da identidade, a capacidade de relacionar-se com outros e a competência comunicativa. A saúde mental e a capacidade para delimitar o trato com outras pessoas e declarar-se solidário a elas aprende-se na interação direta com o entorno natural e social. E isto não pode acontecer de maneira abstrata ou medial, já que implica em ação direta no aqui e agora, interação direta em um espaço e tempo dados, no curso dos sentidos e possibilidades expressivas. Requer a qualidade especial do intercâmbio direto, do princípio dialógico (Freire). Requer o espaço da experiência
  • 3. 3 sensorial concreta; a comunicação contextualizada e situacional. Exige a resposta, a reação humana, que amplia a visão, a compreensão individual do entorno social e do mundo. p. 17-18 É mister o entorno natural e social vivo, em vez de sistemas tecnológicos rígidos nos quais os seres humanos estão fixados no sentido do diálogo pessoa-máquina. Requer espaços sensorialmente perceptíveis onde se possa implantar a profusão social e humana do instante. Trata-se de “lugares do tempo”, lugares de encontro, de entrar em contato: mercados, praças, campos desportivos, pátios, cafés, igrejas, etc. Este tipo de lugares de atividade simultânea parece desaparecer cada vez mais do cenário, seja no trabalho, em público ou em casa. O diálogo com o companheiro ou companheira de trabalho foi substituído pelo diálogo com a tela do computador. No lugar da cozinha e da mesa como centro cálido da família e a refeição em comum foi ocupado pela cozinha rápida. A vendinha que convidava a bater papo com o vizinho foi substituída pelo supermercado impessoal. p. 27 Se se limita à origem da burguesia de o mercantilismo europeu, a partir de 1500, em uma data redonda e aproximada, a natureza é considerada como algo passivo, inerte, como uma soma de coisas, como algo que existe para o benefício dos seres humanos. (...) p. 28 Com a conquista da América começa a se consolidar a ideia de que o homem é proprietário da natureza. Vaidoso por sua superioridade absoluta, e a partir dos séculos XVI e XVII, o europeu se converte em depredador do espaço, da natureza e de quem neles habitam. (...) No século XVIII apareceram conceitos de ‘estado primitivo do homem’ e ‘cenário natural’, que tiveram seu apogeu no século XIX. (...) O ‘natural’ se define como ‘selvagem’, o ‘rural’ como ‘ingênuo’, ideias que ainda persistem na consciência social (...). O romantismo dá, portanto, um sentido de unidade entre os seres humanos e a natureza, ainda que seja conveniente esquecer que esta atitude cultural era idealista, não materialista. p. 37 A evolução é a lei básica de toda realidade. Por isso, para entender bem algo deve-se relacioná-lo. Uma coisa é por todas as outras, dizia Hegel.
  • 4. 4 Deve-se entender o processo de onde ele surgiu, o que o mantém e o modifica com o tempo. p. 39 A ideia do progresso é indubitavelmente uma das conquistas mais velhas da burguesia. Se não se compreende unicamente como mera acumulação de meios técnicos, o progresso também significa a superação de prejuízos, produção de juízo crítico, aumento da emancipação, extensão da autodeterminação em detrimento da heterodeterminação, em suma, na liberdade do homem. É evidente que não se trata então de um contínuo processo de subida, mas que avança em ziguezague. A “Dialética de la Ilustración” consistia, e ainda consiste, em conhecer os desenvolvimentos contrários ao progresso propriamente ditos, ou seja, o progresso social. Progresso e regresso, avanço e retorno ao velho são os aspectos condicionantes de uma cultura que parece ter perdido a capacidade de descobrir e superar suas próprias contradições. O verdadeiro progresso parece consistir hoje na conservação do velho esquecido e deslocado, de uma natureza que não foi mutilada, da dignidade humana, da participação. p. 40 Para estudar a evolução humana deve-se considerar dois processos inseparáveis, complementares, que empurram um ao outro continuamente: de uma lado, a evolução do meio humano em função dos seus indivíduos e, por outro, a evolução dos indivíduos humanos em função do meio. Como em todas as outras épocas da evolução biológica, a evolução humana avança em uma direção determinada, em uma linha de progresso. (...) O futuro evolutivo só depende da direção que tomam os processos das relações dos homens entre si, únicos seres vivos abertos à liberdade, de agora em diante, neste planeta. A natureza do homem, seu futuro depende da evolução de sua ação e experiência em termos de organização (ou seja, da sociedade, do meio humano). A única maneira de entender o homem e influir racionalmente sobre ele, sob qualquer aspecto, é atuar sobre seu meio congruente, a sociedade (...). p. 41 A evolução não é nenhum deus ex machina capaz de resolver os problemas, mas que foi, é e será um resultado da ação e experiência dos
  • 5. 5 próprios homens: só nas mãos do homem está determinada a marcha dos assuntos humanos. A direção da história é um processo determinado pelas intenções de um todo (a sociedade) e os agentes que o constituem e o modificam (os homens). É um resultado e não um fim. p. 46 O termo “ecologia” vem do grego oikos (casa, lugar) e logos (doutrina, ciência). Em 1866, o zoólogo e filósofo da ciência Ernst Haeckel (1834-1919) definiu a ecologia como a ciência que estuda “as relações do organismo com o mundo exterior que o rodeia, entre as quais pode- se encontrar, em um sentido amplo, todas as condições de vida”. p. 47 A característica do discurso ecológico está na interação recíproca. Por conseguinte, como disse Leonardo Boff, “a ecologia é um saber sobre as relações, interconexões, interdependências e intercâmbios em todos os pontos e a todo momento”. p. 47-48 K. Marx e F. Engels previam a sociedade comunista do futuro como uma organização social, “em que os produtores associados regulam racionalmente e por si próprios suas relações com a natureza”. Apontaram também uma possível solução ao problema ecológico com o desenvolvimento de seu método dialético, o questionamento da propriedade privada como direito ilimitado de uso e abuso da terra, as ideias de planificação central, etc. Desgraçadamente, o desenvolvimentismo intransigente imposto por J. Stalin e seus seguidores esquivou-se destas abordagens, empreendendo práticas de competição com o capitalismo que conduziram às conhecidas catástrofes ecológicas e sociais da extinta URSS e dos outros países do “socialismo realmente existente”. p. 58 A função qualitativamente nova da consciência humana é ser órgão de transformação ativa e criadora do mundo, instrumento da direção e regulação da vida social e individual. A consciência não é, pois, nenhum reflexo passivo da realidade objetiva, mas atividade criadora e transformadora. A consciência humana é um processo ativo da conquista intelectual do mundo pelo ser humano. p. 59 A comunicação é o processo e o resultado da relação, mediada pelo intercâmbio de informações e sentimentos, entre indivíduos (humanos),
  • 6. 6 seus grupos e organizações sociais, instituições, etc. Por um lado, trata- se do processo de compreensão entre indivíduos e grupos sociais, processo que se desenvolve com o objetivo de facilitar a atividade social e transformadora do ser humano. Através desta atividade contribui-se para a criação, estabilização e modificação das relações e condições sociais. O objetivo final da comunicação é a compreensão dos seres humanos para a cooperação no conhecimento, emprego e/ou modificação da natureza, a fim de garantir sua existência e seu desenvolvimento físico e espiritual. Por outro lado, a comunicação é o resultado do intercâmbio de informação e sentimentos. A comunicação é um fator essencial da divisão de trabalho e cooperação, ou seja, um dos pressupostos e condições da existência social do homem. O reflexo adequado da realidade na consciência dos indivíduos, o intercâmbio de conteúdos de consciência, sua verificação social e, por consequência, sua aplicação na práxis social, só é possível através da comunicação. A comunicação é, se não, um elemento constituinte da práxis e das relações sociais. p. 73 O desenvolvimento tecnológico das comunicações seguiu o que Harry Pross chama de “economia de sinais”, que caminha junto à economia política. Segundo Pross, as inovações técnicas se difundem em quatro fases: 1) algumas cabeças geniais elevam as técnicas existentes e outras novas; 2) os comerciantes levam a inovação aos mercados geralmente com a ajuda de empréstimos. Para isso necessita-se da propaganda tanto como a religião ou a política; 3) o público se apodera maciçamente da nova técnica e a generaliza; 4) os preços diminuem com o aumento crescente das vendas e afundam. Aumenta o tédio. A curiosidade inventa outras novidades. O jogo recomeça. P. 75 A “sociedade da informação” pressupõe processos globais retificados que se encadeiam entre si com um gasto mínimo de energia. Mas há opiniões diversas sobre se a “sociedade da informação” pode se converter em uma “sociedade informada”. De acordo com o Media Vision Trend 1997, os saber sobre os novos meios aumenta com mais rapidez do que sua utilidade tanto em termos gerais como em alguns
  • 7. 7 ramos específicos porque o acesso é demasiado complicado e as garantias são pequenas. p. 89-90 O desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação motivaram que a evolução social atual se qualifique como “sociedade da informação”, “sociedade dos meios”, “sociedade da comunicação” ou ainda de “revolução”, como disse Bill Gates e outros. Com estes adjetivos se pretende dizer que o setor da comunicação se converteu em um fator determinante para a sociedade. No entanto, também se levantam algumas vozes críticas que questionam se os seres humanos se comunicam mais que antes. O certo é que os interesses econômicos prestam cada vez mais atenção na comunicação e que se desenvolvam novas formas e sistemas de uma comunicação tecnicista. A comunicação se industrializa, comercializa, mediatiza. p. 91 A “sociedade da comunicação” pode ser, em última instância, uma sociedade de pessoas inativas e submissas, convertidas em apêndices de mercado. O “novo mundo feliz”, cheio de entretenimento, adormece a atitude crítica. O entretenimento compensa os déficits emocionais de uma sociedade geradora de angústias. Nisso está o êxito da indústria, a “indústria da tensão”, como denomina H. Broch. As cotas de audiência se baseiam inclusive no fato de que há cada vez mais pessoas que coíbem o contato e a interação com os outros. Além disso, quanto maior é a oferta de programas simultâneos, tanto maior é a possibilidade de que os consumidores selecionem aquilo com que eles concordam e reforcem sua cosmovisão. É provável, assim mesmo, que a inflação da comunicação diminua o conhecimento em vez de enriquecê-lo, porque a hiberabundância de sinais carrega sobremaneira a capacidade de percepção e deixa a interpretação insegura, que é iniciada na percepção. p. 108 A linguagem dos computadores tornou-se mais acessível, de modo que podem desempenhar uma série de funções no âmbito do entretenimento, da educação, do lugar e dos negócios. Deste modo, a “tecnologia da informação” desenhada para a grande indústria, a administração pública, o exército e a gestão das grande empresas
  • 8. 8 converteu-se em um bem de consumo maciço. Em segundo lugar, esta “revolução” das telecomunicações permitiu a transmissão de novos tipos de informações em quantidades e velocidades antes impensáveis. Os símbolos populares desta “revolução” são o fax, a TV a cabo ou satélite, a internet, a telefonia celular, a combinação de vários destes instrumentos conhecida pelo termo “multimeios”, etc. A transmissão praticamente instantânea de dados e a interação entre computadores individuais é um feito em nível mundial. A quantidade foi traduzida em qualidade. p. 109 Mas a interatividade mais chamativa reside nas conversações em “tempo real” feitas pela tela. Isso supõe uma nova mescla de comunicação: “oral” em escala temporal, “escrita” pela sua forma e “eletrônica” por extensão. p.145-146 A ecologia da comunicação é um ramo da ciência relativamente novo. No âmbito espanhol, o autor deste trabalho [Vicente Romano] utilizou este conceito em relação com os meios de comunicação em 1989 e quatro anos mais tarde, aplicado à comunicação em geral. No mundo anglófono estão os livros de David L. Altheide, An Ecology of Communication: cultural formats of control (New York, 1995), e o volume coletivo do International Institute of Communications Cultural Ecology: the changing dynamics of communications (Londres, 1997). O primeiro se ocupa a falar sobre pode e controle. Entende a ecologia da comunicação como estrutura, organização e acessibilidade de diversos foros, meios e canais de informação. Ocupa-se da relação entre tecnologia da informação e formatos de comunicação e atividades. (...) O segundo é um trabalho em conjunto do Instituto Internacional de Comunicação que analisa as repercussões socioculturais das Tecnologia das Comunicação em diversas parte do mundo. Aqui se segue a linha empreendida pela professora B. Mettler von Meibom, seus discípulos e seus colaboradores agrupados em torno do Instituto de Ecologia da Informação e Comunicação, fundado em 1989, em Duisburg, Alemanha. p. 147 Para Thomas Muntschick, “ecologia da comunicação” é um termo
  • 9. 9 técnico para uma nova crítica da economia política da comunicação. Segundo este pesquisador, a tecnificação e comercialização da comunicação levaram à industrialização, com o objetivo de converter o indivíduo em receptor ideal. Os meios aparecem como instrumento sistemático para a dissolução da comunicação pessoal. A colonização tecnológica e cultural do Terceiro Mundo se corresponde com a colonização da vida cotidiana do Primeiro Mundo, acelerada pela troca na estrutura perceptiva, provocado pelas estruturas produtivas das sociedades altamente desenvolvidas. p. 147 A ciência da comunicação não só se remete aqui às relações e estruturas, às situações cara a cara, assim como a seus meios técnicos, mas que também considera a diferença entre os objetos como objetos materiais e como símbolos, integrando assim a relação espaço- comunicação. Como ciência histórica concreta inclui o estudo crítico dos meios. Assim como a ecologia remete a lugares nos quais a história da natureza se relaciona com os seres humanos, o estudo concreto, histórico e tecnológico dos meios remete a lugares onde a história dos meios técnicos de entendimento e a história direta do intercâmbio humano podem ser investigadas em conexão com a história da natureza. p. 148-149 O valor de uso político da ecologia da comunicação reside em liberá-la do jugo de simples meio de produção útil, dos seus aspectos técnicos e valores, para transformá-la em comunicação que produz e conserva relações de experiências. Comunicação semelhante seria a premissa para o processo amplo de formação de opinião pública, premissa para a apropriação plena da história. Como novo ramo científico, a ecologia da comunicação estabelece um vínculo entre comunicologia e ecologia humana. Ocupa-se, por um lado, dos efeitos da técnica na comunicação humana e, por outro, da repercussão da comunicação tecnificada na natureza humana, na sociedade e no entorno físico. Como dizia B. Newitt, um discípulo de McLuhan em 1982: até agora os estudiosos de comunicação só reagiram às trocas que o meio ambiente produziu nas mentes, corpos e sociedades. Hoje estabelece-se uma ecologia global da
  • 10. 10 comunicação em que o ritmo alcançou a velocidade da luz. Por isso temos que aprender a prever, não só os efeitos materiais, mas também os espirituais e sociais das extensões tecnológicas. Marx dizia que o ser humano não cria problemas que não possa solucionar. Por isso, a criação de um problema é a premissa para a solução. Criticar os efeitos negativos não significa ser um apocalíptico, no sentido pejorativo em que este termo de U. Eco é aplicado. Não deveríamos interpretar como um mero pessimismo, mas como um primeiro passo para uma estratégia construtiva para aumentar a qualidade de vida dos seres humanos. p. 149 No sentido original de oikos, casa, lugar, refúgio, segurança, bem-estar, etc., a ecologia da comunicação pretende averiguar até que ponto pode- se criar, com a comunicação, comunidades onde o mundo apareça como um meio próprio em que o ser humano sinta-se à vontade. Assim é como se concretiza a ponte entre teoria da comunicação e teoria humana. A pertinência de tomar em consideração a dimensão ecológica da comunicação foi criada pela primeira vez por Claus Eurich em 1980, como reação à comunicação tecnológica. Ante o predomínio dos meios tecnológicos, do que há vários decênios vem-se denominando Tecnologia de Informação e Comunicação, Eurich e, pouco depois, a professora B. Mettler von Meibom, criaram a questão da “conservação ou recreação de um mundo comunicacional intacto, adequado à natureza humana, ou seja, espaços individuais de ação e experiência, de redes interpessoais de contato e, por consequência de comunicação. Sua condição básica é a capacidade de interação com uma visão de conjunto e descentralização. Quando a comunicação se vê limitada, quando se criam barreiras sociais, ideológicas, políticas e arquitetônicas, deve-se estabelecer as condições para uma comunicação exitosa. p. 149-150 Surge, então a exigência de que os seres humanos tomem consciência e assumam sua responsabilidade em seu entorno comunicacional. Neste contexto torna-se relevante a educação das crianças e jovens para uma existência comunicativa e um trato razoável com os meios. Para B. Mettler von Meibom, o objetivo da ecologia da comunicação consiste
  • 11. 11 em “tematizar e analisar as correções que acontecem além das subdivisões das disciplinas científicas e dos setores sociais”. De modo análogo como tem ocorrido com o domínio da natureza graças aos avanços da técnica e da industrialização nos últimos 150 anos, domínio que se tem traduzido em um experimento falido, também se pode observar uma experiência semelhante na esfera da comunicação. Pois bem, a comunicação deve se aprimorada tecnicamente, mas os domínios dos processos comunicativos mediante a racionalização técnico-econômica poderia ter também consequências desastrosas. Ante os efeitos nocivos de algumas intervenções tecnológicas da biosfera, surge o temor se a tecnificação atual pode ter repercussões análogas no âmbito da comunicação. Se, e até que ponto, a onda atual de desenvolvimento tecnológico e de apropriação de técnicas de informação e comunicação de meios de massa, tão elogiada por Toffler, não pode transportar também efeitos não desejados ou previstos. 150-151 Por outro lado, deve-se dar conta das questões de poder e de domínio, uma vez que o desenvolvimento e apropriação tecnológicos estão submetidos em grande parte a interesses econômicos. Daí que a ecologia da comunicação seja concebida como tese teórica e investigadora que trata, por um lado, da repercussão da técnica na índole da comunicação humana (relação tecnologia-comunicação), e, por outro, dos efeitos da comunicação tecnificada na natureza humana (relação comunicação tecnificada-ser humano), na sociedade (relação comunicação tecnificada-sociedade/cultura/civilização), e a natureza extra-humana (relação comunicação tecnificada-natureza extra- humana). p. 151 Nestas relações se dão duas perspectivas: a) macroscópica, e b) microscópica. A) A perspectiva macroscópica estuda como incide a técnica na comunicação como um todo. Assim, por exemplo, pode-se afirmar que a vinculação espaço-temporal natural da comunicação humana se dissolve com alguns sistemas tecnológicos (o telefone supre o lugar e a secretária eletrônica o tempo). B) A perspectiva microscópica analisa os efeitos da técnica nos elementos de um
  • 12. 12 processo específico de comunicação. Trata-se, logo, da relação entre a técnica e os elementos estruturais tempo, espaço, atores (emissor- receptor, produtor-consumidor), meio, mensagem; assim como a relação entre a técnica e os elementos funcionais dos processos que transmitem sinais, informações, estabelecem relações e criam comunidade. p. 152 Em segundo lugar, a ecologia da comunicação, enquanto bioecologia, ecologia humana, enquanto tese humanista, trata das consequências que se derivam das intervenções tecnológicas da comunicação (das tecnologias da comunicação) para os seres humanos, a natureza extra- humana, a sociedade, a cultura e a comunicação. Aqui também se pode distinguir entre perspectiva macro e microscópica. Em nível macro, a relação comunicação tecnificada-ser humano cria questões como a influência da comunicação tecnificada em conjunto dos seres humanos, se amplia ou restringe a liberdade, se favorece ou prejudica a saúde, a competência cognitiva, social, comunicativa, se reduz ou prolonga a infância, se sobrecarrega, alivia ou instrui os sentidos, se limita ou fomenta a sensorialidade, etc. Em nível microscópico estuda as relações entre comunicação tecnificada e os processos físicos, psíquicos, sociais e espirituais do ser humano. Criam aqui questões como quais processos se desencadeiam ou não do uso de um sistema tecnológico e quais consequências implicam. De todas estas considerações deriva-se o conceito de comunicação ecológica, ou seja, formas duradouras de comunicação compatíveis com o ser humano, a sociedade, a cultura e o meio natural. 152-153 Do ponto de vista técnico, a comunicação ecológica não apenas transmite sinais e informações, mas também estabelece necessariamente relações e cria comunidades com meios próprios. Compreende o aspecto sígnico, informativo, relacional e meio ambiental da comunicação humana. Representa assim a suprema cultura comunicativa. A comunicação ecológica pode e deve figurar como ideia reitora de toda atuação comunicativa. A comunicação ecológica implica atenção e sinceridade recíprocas, confiança, e surge
  • 13. 13 do respeito igualitário a partir do interlocutor. Corre paralela com a renúncia ao uso da violência linguística, seja na expressão, entonação, velocidade, etc. Subordina os interesses próprios dos interlocutores aos de sua comunicação conjunta. Quem só pensa em si mesmo é irremediavelmente mal educado, por mais erudito que seja. A fundamentação de uma comunidade, a adaptação dos comunicadores à comunidade pressupõe a adaptação de uns aos outros. De uma perspectiva ecológica, T. Donath distingue entre a) comunicação natural; b) comunicação tecnificada e c) comunicação técnica. p. 155-156 Existem, pois, razões suficientes para aplicar e desenvolver um modelo ecológico da cultura e da comunicação como um processo, ou seja, como uma relação dinâmica entre as tecnologias que regulam e desenham o mercado e os efeitos que têm na sociedade. Ignorar esta dinâmica conduz a criar problemas, não apenas sociopolíticos e comerciais como também meio ambientais e culturais. O modelo de ecologia cultural representa uma maneira sábia de compreender, e talvez retificar, a loucura mundial atual, afirma Danielle Cliche. A ecologia cultural, contínua, é um modo analítico com o qual se pode entender, estimar e reconfigurar signos, sistemas de símbolos, pautas de propriedade, controle para criar um futuro mais sustentável, justo e humano. O paradigma ecológico cria duas dimensões, uma material e outra simbólica. A primeira compreende as ciências meio ambientais e a segunda é o que se denomina ecologia cultural. Robert E. Babe desenvolveu um modelo de ecologia cultural que se resume a continuação. A crise ecológica atual é tanto cultural como biológica. Hoje em dia predomina uma ideologia da morte, tão destruidora ao planeta como à humanidade. Os elementos distintivos desta ideologia são: 1) a doutrina de que a realidade é uma mera construção social. As simulações (realidades virtuais) substituem o real cada vez mais. 2) A velocidade crescente com que se comercializam formas simbólicas. Uma parte considerável da informatização da sociedade é que cada vez mais se dá importância ao dinheiro como sistema simbólico e que os outros sistemas simbólicos se colocam a serviço do dinheiro, o que
  • 14. 14 afeta a saúde meio ambiental e a comunidade humana. 3) A globalização da comunicação, que tem implicações negativas para a democracia, a diversidade cultural, a relação trabalho-capital, a ética, etc. 4) A natureza percebida como algo duro e improdutivo, que deve ser submetida apenas à vontade humana e à tecnologia. 5) A concepção de tempo e termos de eficiência e velocidade.