SlideShare uma empresa Scribd logo
Evolução histórica do conceito
de trabalho
Área de Integração 11º R Tony Abreu
Origem etimológica
• A origem etimológica de “trabalho” deriva da palavra latina tripalus (três paus).
• No latim popular, era um instrumento feito de três paus aguçados e com pontas de ferro, utilizado
como forma de ferrar os animais de grande porte físico ou para debulhar os cereais e o linho.
• Além disso, era visto também como um instrumento para torturar, e daí ter surgido a palavra
“tripaliare”, torturar, que mais tarde veio a ser associada a algo penoso, a sofrimento, a fadiga e a
trabalho.
• Durante bastante tempo, o trabalho foi mesmo considerado algo penoso ou um castigo. Este era
praticado pelos escravos (esclavagismo) ou pelas classes socias mais baixas como os servos da
gleba (servilismo).
• Os homens livres, que se dedicavam ao lazer, à contemplação, à reflexão e ao ócio, eram
naquele tempo considerados homens pouco dignos de praticar este “castigo”.
• Agora, este “castigo”, passa a ser encarado como uma visão otimista para o trabalhador, onde o
trabalho é fonte de libertação, de progresso e de auto-realização, assim:
D i g n i f i c a o s e r H u m a n o !
Evolução Histórica
• No ínicio, o homem primitivo vivia principalmente da recolha de
alimentos, da caça e da pesca.
• Estas atividades eram feitas coletivamente utilizando instrumentos
muito rudimentares.
• É aqui que o homem era um recoletor, ou seja, dependendo
apenas do que a natureza lhe oferecia, onde o trabalho era
particularmente cooperativo, isto porque o homem tinha de lutar
pela sua sobrevivência, enfrentando as contrariedades da
natureza e os animais.
• As tarefas eram repartidas por sexo ou idade, onde os homens se
limitavam à caça e as mulheres à recolha de vegetais e de frutos.
• Surgia assim, uma primeira divisão do trabalho, uma divisão
natural.
• Porém, com o decorrer do tempo, o homem começa a criar e a
aperfeiçoar os utensílios de trabalho, como as lanças ou os
machados, primeiro em pedra e mais tarde em bronze ou ferro.
• O homem começa a dominar a natureza com a descoberta da
agricultura e da pecuária.
• Com isto, os frutos e os cereais nascem onde o homem quer e os
animais vivem junto às suas habitações, não tendo agora que se
deslocar à procura de alimentos, tornando-se assim, sedentário
e produtor.
• Após novas especializações, ou seja, indivíduos dentro de uma
comunidade ou até mesmo comunidades que se dedicam só à
pecuária ou só à agricultura, iniciando-se assim uma segunda
divisão do trabalho, uma divisão social.
• A terceira divisão do trabalho, uma nova divisão social, viria
a surgir com o aperfeiçoamento do trabalho dos metais que
fizeram emergir ofícios especializados e outros ofícios como o de
tecelão ou o de oleiro, cada vez mais especializados; onde os
ofícios se separaram da agricultura e da pecuária.
A Antiguidade
• Na Antiguidade, isto é, desde a invenção da escrita (séc. II a.c) até ao séc. V, a sociedade dividia-
se em homens livres e escravos, sendo estes que asseguraram a realização de todas as tarefas
necessárias ao funcionamento da sociedade e da economia.
• Os escravos, realizavam os trabalhos manuais, os trabalhos “maus”, aqueles mais pesados e
exaustivos, vivendo assim para servir os homens livres que por outro lado se dedicavam ao ócio,
ao lazer e à contemplação, nada faziam.
• Com isto, o conceito de trabalho passa a ser associado a algo duro, penoso e a atividades
subalternas.
• As más condições de vida, as más condições de trabalho, fizeram com que os escravos
começassem a produzir pouco, começassem a existir revoltas e até mesmo fugas por parte dos
mesmos.
Feudalismo
• Feudalismo (séc. XI ; XII ; XII), época onde os escravos ganham a sua liberdade, a dignidade de se
tornarem cidadãos livres, como servos da gleba.
• Os servos da gleba pagavam pesados tributos para trabalhar nas terras dos grandes proprietários, ficando
com o restante, o que era pouco, pois não chegava para a sua própria sobrevivência, tão-pouco para a
sua família.
• De certa forma, o estatuto de escravo pode ter mudado, mas a sua condição de servir não; Dito isto,
passam da escravidão para o servilismo, algo caraterístico das sociedades feudais.
• Servilismo é de igual forma, sinónimo de escravidão, mas agora, uma escravidão mais branda, onde o
servo da gleba não exercia quaisquer direitos, viviam dependentes do seu “dono”, dos grandes
proprietários, do senhor feudal e das suas terras.
• Trabalhavam longa e arduamente, dois ou três dias, nessas mesmas terras e sem qualquer pagamento
em troca.
• No regime feudal, o trabalho continuou a ser visto como um castigo e algo de degradante, próprio dos
estratos mais baixos, uma vez que os nobres não trabalhavam.
• Contudo, o servilismo começou a desaparecer no final da Idade Média, devido : às epidemias, que
afetaram grande parte da população; tais epidemias, fizeram com que o trabalhador se tivesse
tornado mais raro, mas também, mais valorizado. Devido ao crescimento do comércio, que fez
surgir a burguesia, uma nova classe social; Devido ao crescimento das cidades, que atraiu as
populações dos campos, a população rural; Devido também, ao surgimento de atividades ligadas à
pequena indústria.
• A fuga do campo para as cidades e o aparecimento de novas atividades e ofícios fazem “nascer” as
corporações, uma organização de produtores, reunidos por ofícios e de forma mais ou menos rígida,
com o objetivo de garantir os privilégios dos mestres e de controlar o mercado e a concorrência.
• Estas corporações regulavam toda a atividade produtiva e as técnicas de produção e estabeleciam as
suas próprias leis profissionais. Um trabalhador que não fizesse parte do “grupo” não poderia exercer
a sua atividade livremente.
• Contudo, com a Revolução Francesa, as corporações de ofícios acabam por ser suprimidas,
isto porque eram consideradas incompatíveis com os ideias da liberdade.
• Outro motivo que “ganhou força” para esta supressão, foi o grande impulso sentido pelo comércio,
mais propriamente no intercontinental.
Revolução Industrial
• A Revolução Industrial , iniciou-se em meados do séc. XVIII na Inglaterra e prolongou-se até ao início
do século XIX.
• Com o seu aparecimento, o artesão foi sendo substituído pelo operário e a oficina pela fábrica,
surgindo a manufatura, o trabalho manual feito pelo operário. Surgia assim, a 1ª forma que o
capitalismo assumiu na indústria.
• O capitalismo, sistema econômico caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção, e
pela existência de mercados livres em que prevalecem as relações de trabalho assalariado.
• O capitalismo caraterizava-se por:
 Existência da propriedade privada dos meios de produção;
 O lucro ser a grande finalidade;
 Oposição entre assalariado e o capitalista;
 Apropriação privada dos meios de produção;
• A Revolução Industrial, traduziu-se na mecanização dos meios de produção.
• Esta revolução, operou uma verdadeira mudança económica, social, política e cultural,
marcando a passagem de um novo regime, o capitalismo.
• O que era anteriormente produzido em pequenas quantidades, passara a ser produzido em massa,
uma vez que o trabalho artesanal foi substituído pelas máquinas.
• O, até agora, trabalho escravo, servil e corporativo foi substituído pelo trabalho assalariado em
grande escala.
• A manufatura dá lugar à fábrica, onde se
concentravam um grande número de trabalhadores
assalariados, operários, que trabalhavam durante
muitas horas em condições desonrosas e de sobre-
exploração, não podendo usufruir de qualquer direito.
• Este trabalho era duro, sem condições de higiene
e segurança, exigindo um enorme esforço físico e
mental por parte do operário.
• Essas mesmas condições desonrosas/miseráveis, de trabalho e de vida das classes
trabalhadoras fez “despertar” os operários, que fizeram revoltas e greves para lutarem pelos
seus direitos de trabalho.
• Os trabalhadores passaram a ser representados pelos sindicatos, que lutam pelos direitos dos
trabalhadores.
Séc. XX e XXI
• Sucede-se a Segunda Revolução Industrial, com a descoberta da eletricidade, do motor de
explosão (petróleo) e da invenção do telefone.
• O mercado de trabalho era dominado pelo trabalho manual, desenvolvido por operários
especializados e semiespecializados das grandes fábricas de produção em massa.
• A partir dos anos 70, nos países mais desenvolvidos, assistiu-se a uma crescente automação da
produção.
• Em algumas fábricas, os robôs chegaram mesmo a substituir o homem nas tarefas repetitivas,
pesadas ou perigosas, com o objetivo de aumentar a produtividade do trabalho, que viria a dar
resultado, e assim, foi posto em prática noutros sectores.
• Apesar do crescimento económico, o desemprego aumentou, até porque o que 2 ou 3 homens
faziam, apenas 1 robô era capaz de fazer o mesmo, e em menos tempo.
 Estudos publicados pela OCDE, entre 1973 e 1991, provam que o número de desempregados, no
conjunto de países da OCDE, passou de 11,3 milhões para 30 milhões.
• Este estudo ilustra bem o quão devastador foi, em termos de empregabilidade, a
implementação dos robôs ao invés do homem!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As Transformações no Mundo do Trabalho
As Transformações no Mundo do TrabalhoAs Transformações no Mundo do Trabalho
As Transformações no Mundo do Trabalho
Daniel Rossi
 
O trabalho ao longo da história
O trabalho ao longo da históriaO trabalho ao longo da história
O trabalho ao longo da história
Kamila Joyce
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Edenilson Morais
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho
Jeane Santos
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Fatima Freitas
 
Slide consumo-e-consumismo
Slide consumo-e-consumismoSlide consumo-e-consumismo
Slide consumo-e-consumismo
Cristina Meireles
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Janaína Tavares
 
Cultura
CulturaCultura
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
ProfMario De Mori
 
Consumismo
ConsumismoConsumismo
Consumismo
Larissa Pereira
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
Janaína Tavares
 
A Construção do Social
A Construção do SocialA Construção do Social
A Construção do Social
Jorge Barbosa
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
Dirair
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
Luciano Pessanha
 
A mulher nos anos 20
A mulher  nos anos 20A mulher  nos anos 20
A mulher nos anos 20
Carla Teixeira
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
Elaine Bogo Pavani
 
Desigualdade Social
Desigualdade SocialDesigualdade Social
Desigualdade Social
Marcos Alencar
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
Moacyr Anício
 

Mais procurados (20)

As Transformações no Mundo do Trabalho
As Transformações no Mundo do TrabalhoAs Transformações no Mundo do Trabalho
As Transformações no Mundo do Trabalho
 
O trabalho ao longo da história
O trabalho ao longo da históriaO trabalho ao longo da história
O trabalho ao longo da história
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Slide consumo-e-consumismo
Slide consumo-e-consumismoSlide consumo-e-consumismo
Slide consumo-e-consumismo
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
 
Consumismo
ConsumismoConsumismo
Consumismo
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
 
A Construção do Social
A Construção do SocialA Construção do Social
A Construção do Social
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
A mulher nos anos 20
A mulher  nos anos 20A mulher  nos anos 20
A mulher nos anos 20
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Desigualdade Social
Desigualdade SocialDesigualdade Social
Desigualdade Social
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
 

Semelhante a Evolução histórica do conceito de trabalho

PP_O TRAB, EVOLUÇÃO E ESTATUTO OCIDENTE.pptx
PP_O TRAB, EVOLUÇÃO E ESTATUTO OCIDENTE.pptxPP_O TRAB, EVOLUÇÃO E ESTATUTO OCIDENTE.pptx
PP_O TRAB, EVOLUÇÃO E ESTATUTO OCIDENTE.pptx
600RuiDrioTeixeiraSo
 
Aula 1 história do direito do trabalho
Aula 1   história do direito do trabalhoAula 1   história do direito do trabalho
Aula 1 história do direito do trabalho
professorluizhenrique
 
Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2
Carla Prestes
 
Classes sociais 14t 01111
Classes sociais 14t 01111Classes sociais 14t 01111
Classes sociais 14t 01111
Alexandre Misturini
 
Revisao historia
Revisao historiaRevisao historia
Revisao historia
Sarah Guimarães Portela
 
A história do trabalho é tão antiga quanto à do homem
A história do trabalho é tão antiga quanto à do homemA história do trabalho é tão antiga quanto à do homem
A história do trabalho é tão antiga quanto à do homem
Betânia Pereira
 
A origem agrária do capitalismo
A origem agrária do capitalismo A origem agrária do capitalismo
A origem agrária do capitalismo
Marta Assenza
 
IECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EM
IECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EMIECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EM
IECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EM
profrodrigoribeiro
 
O trabalho
O trabalhoO trabalho
O trabalho
samuel araujo
 
Sociedade
SociedadeSociedade
Sociedade
Weverson Gomes
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
TrabalhosdeEscola
 
Sistemas Economicos E Sociais
Sistemas Economicos E SociaisSistemas Economicos E Sociais
Sistemas Economicos E Sociais
Luciano Pessanha
 
Slides a revolução industrial 2º. ano
Slides a revolução industrial   2º. anoSlides a revolução industrial   2º. ano
Slides a revolução industrial 2º. ano
Fatima Freitas
 
Doutrinas sociais
Doutrinas sociaisDoutrinas sociais
Doutrinas sociais
Adriana Gomes Messias
 
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k huntHistória do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
Daniele Rubim
 
Trabalho e Sociedade
Trabalho e SociedadeTrabalho e Sociedade
Trabalho e Sociedade
Portal do Vestibulando
 
O QUE É TRABALHO - DEFINIÇÃO DE TRABALHO.pptx
O QUE É TRABALHO - DEFINIÇÃO DE TRABALHO.pptxO QUE É TRABALHO - DEFINIÇÃO DE TRABALHO.pptx
O QUE É TRABALHO - DEFINIÇÃO DE TRABALHO.pptx
MarlenePastor2
 
Cartismo
CartismoCartismo
Resumo de história
Resumo de históriaResumo de história
Resumo de história
Marcos Schwartz
 
Tcc
TccTcc

Semelhante a Evolução histórica do conceito de trabalho (20)

PP_O TRAB, EVOLUÇÃO E ESTATUTO OCIDENTE.pptx
PP_O TRAB, EVOLUÇÃO E ESTATUTO OCIDENTE.pptxPP_O TRAB, EVOLUÇÃO E ESTATUTO OCIDENTE.pptx
PP_O TRAB, EVOLUÇÃO E ESTATUTO OCIDENTE.pptx
 
Aula 1 história do direito do trabalho
Aula 1   história do direito do trabalhoAula 1   história do direito do trabalho
Aula 1 história do direito do trabalho
 
Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2Revolucao industrial editado 2
Revolucao industrial editado 2
 
Classes sociais 14t 01111
Classes sociais 14t 01111Classes sociais 14t 01111
Classes sociais 14t 01111
 
Revisao historia
Revisao historiaRevisao historia
Revisao historia
 
A história do trabalho é tão antiga quanto à do homem
A história do trabalho é tão antiga quanto à do homemA história do trabalho é tão antiga quanto à do homem
A história do trabalho é tão antiga quanto à do homem
 
A origem agrária do capitalismo
A origem agrária do capitalismo A origem agrária do capitalismo
A origem agrária do capitalismo
 
IECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EM
IECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EMIECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EM
IECJ - Cap. 04 - Trabalho - 1º ano - EM
 
O trabalho
O trabalhoO trabalho
O trabalho
 
Sociedade
SociedadeSociedade
Sociedade
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Sistemas Economicos E Sociais
Sistemas Economicos E SociaisSistemas Economicos E Sociais
Sistemas Economicos E Sociais
 
Slides a revolução industrial 2º. ano
Slides a revolução industrial   2º. anoSlides a revolução industrial   2º. ano
Slides a revolução industrial 2º. ano
 
Doutrinas sociais
Doutrinas sociaisDoutrinas sociais
Doutrinas sociais
 
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k huntHistória do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
 
Trabalho e Sociedade
Trabalho e SociedadeTrabalho e Sociedade
Trabalho e Sociedade
 
O QUE É TRABALHO - DEFINIÇÃO DE TRABALHO.pptx
O QUE É TRABALHO - DEFINIÇÃO DE TRABALHO.pptxO QUE É TRABALHO - DEFINIÇÃO DE TRABALHO.pptx
O QUE É TRABALHO - DEFINIÇÃO DE TRABALHO.pptx
 
Cartismo
CartismoCartismo
Cartismo
 
Resumo de história
Resumo de históriaResumo de história
Resumo de história
 
Tcc
TccTcc
Tcc
 

Mais de Tony Abreu

Cidadania Europeia
Cidadania EuropeiaCidadania Europeia
Cidadania Europeia
Tony Abreu
 
Obesity
ObesityObesity
Obesity
Tony Abreu
 
Pollution
PollutionPollution
Pollution
Tony Abreu
 
Obesity
ObesityObesity
Obesity
Tony Abreu
 
Vida e obra de eça de queirós
Vida e obra de eça de queirósVida e obra de eça de queirós
Vida e obra de eça de queirós
Tony Abreu
 
Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
Tony Abreu
 
Ginástica de Solo
Ginástica de SoloGinástica de Solo
Ginástica de Solo
Tony Abreu
 

Mais de Tony Abreu (7)

Cidadania Europeia
Cidadania EuropeiaCidadania Europeia
Cidadania Europeia
 
Obesity
ObesityObesity
Obesity
 
Pollution
PollutionPollution
Pollution
 
Obesity
ObesityObesity
Obesity
 
Vida e obra de eça de queirós
Vida e obra de eça de queirósVida e obra de eça de queirós
Vida e obra de eça de queirós
 
Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
 
Ginástica de Solo
Ginástica de SoloGinástica de Solo
Ginástica de Solo
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 

Evolução histórica do conceito de trabalho

  • 1. Evolução histórica do conceito de trabalho Área de Integração 11º R Tony Abreu
  • 2. Origem etimológica • A origem etimológica de “trabalho” deriva da palavra latina tripalus (três paus). • No latim popular, era um instrumento feito de três paus aguçados e com pontas de ferro, utilizado como forma de ferrar os animais de grande porte físico ou para debulhar os cereais e o linho. • Além disso, era visto também como um instrumento para torturar, e daí ter surgido a palavra “tripaliare”, torturar, que mais tarde veio a ser associada a algo penoso, a sofrimento, a fadiga e a trabalho. • Durante bastante tempo, o trabalho foi mesmo considerado algo penoso ou um castigo. Este era praticado pelos escravos (esclavagismo) ou pelas classes socias mais baixas como os servos da gleba (servilismo). • Os homens livres, que se dedicavam ao lazer, à contemplação, à reflexão e ao ócio, eram naquele tempo considerados homens pouco dignos de praticar este “castigo”. • Agora, este “castigo”, passa a ser encarado como uma visão otimista para o trabalhador, onde o trabalho é fonte de libertação, de progresso e de auto-realização, assim: D i g n i f i c a o s e r H u m a n o !
  • 3. Evolução Histórica • No ínicio, o homem primitivo vivia principalmente da recolha de alimentos, da caça e da pesca. • Estas atividades eram feitas coletivamente utilizando instrumentos muito rudimentares. • É aqui que o homem era um recoletor, ou seja, dependendo apenas do que a natureza lhe oferecia, onde o trabalho era particularmente cooperativo, isto porque o homem tinha de lutar pela sua sobrevivência, enfrentando as contrariedades da natureza e os animais. • As tarefas eram repartidas por sexo ou idade, onde os homens se limitavam à caça e as mulheres à recolha de vegetais e de frutos. • Surgia assim, uma primeira divisão do trabalho, uma divisão natural.
  • 4. • Porém, com o decorrer do tempo, o homem começa a criar e a aperfeiçoar os utensílios de trabalho, como as lanças ou os machados, primeiro em pedra e mais tarde em bronze ou ferro. • O homem começa a dominar a natureza com a descoberta da agricultura e da pecuária. • Com isto, os frutos e os cereais nascem onde o homem quer e os animais vivem junto às suas habitações, não tendo agora que se deslocar à procura de alimentos, tornando-se assim, sedentário e produtor. • Após novas especializações, ou seja, indivíduos dentro de uma comunidade ou até mesmo comunidades que se dedicam só à pecuária ou só à agricultura, iniciando-se assim uma segunda divisão do trabalho, uma divisão social. • A terceira divisão do trabalho, uma nova divisão social, viria a surgir com o aperfeiçoamento do trabalho dos metais que fizeram emergir ofícios especializados e outros ofícios como o de tecelão ou o de oleiro, cada vez mais especializados; onde os ofícios se separaram da agricultura e da pecuária.
  • 5. A Antiguidade • Na Antiguidade, isto é, desde a invenção da escrita (séc. II a.c) até ao séc. V, a sociedade dividia- se em homens livres e escravos, sendo estes que asseguraram a realização de todas as tarefas necessárias ao funcionamento da sociedade e da economia. • Os escravos, realizavam os trabalhos manuais, os trabalhos “maus”, aqueles mais pesados e exaustivos, vivendo assim para servir os homens livres que por outro lado se dedicavam ao ócio, ao lazer e à contemplação, nada faziam. • Com isto, o conceito de trabalho passa a ser associado a algo duro, penoso e a atividades subalternas. • As más condições de vida, as más condições de trabalho, fizeram com que os escravos começassem a produzir pouco, começassem a existir revoltas e até mesmo fugas por parte dos mesmos.
  • 6. Feudalismo • Feudalismo (séc. XI ; XII ; XII), época onde os escravos ganham a sua liberdade, a dignidade de se tornarem cidadãos livres, como servos da gleba. • Os servos da gleba pagavam pesados tributos para trabalhar nas terras dos grandes proprietários, ficando com o restante, o que era pouco, pois não chegava para a sua própria sobrevivência, tão-pouco para a sua família. • De certa forma, o estatuto de escravo pode ter mudado, mas a sua condição de servir não; Dito isto, passam da escravidão para o servilismo, algo caraterístico das sociedades feudais. • Servilismo é de igual forma, sinónimo de escravidão, mas agora, uma escravidão mais branda, onde o servo da gleba não exercia quaisquer direitos, viviam dependentes do seu “dono”, dos grandes proprietários, do senhor feudal e das suas terras. • Trabalhavam longa e arduamente, dois ou três dias, nessas mesmas terras e sem qualquer pagamento em troca.
  • 7. • No regime feudal, o trabalho continuou a ser visto como um castigo e algo de degradante, próprio dos estratos mais baixos, uma vez que os nobres não trabalhavam. • Contudo, o servilismo começou a desaparecer no final da Idade Média, devido : às epidemias, que afetaram grande parte da população; tais epidemias, fizeram com que o trabalhador se tivesse tornado mais raro, mas também, mais valorizado. Devido ao crescimento do comércio, que fez surgir a burguesia, uma nova classe social; Devido ao crescimento das cidades, que atraiu as populações dos campos, a população rural; Devido também, ao surgimento de atividades ligadas à pequena indústria. • A fuga do campo para as cidades e o aparecimento de novas atividades e ofícios fazem “nascer” as corporações, uma organização de produtores, reunidos por ofícios e de forma mais ou menos rígida, com o objetivo de garantir os privilégios dos mestres e de controlar o mercado e a concorrência. • Estas corporações regulavam toda a atividade produtiva e as técnicas de produção e estabeleciam as suas próprias leis profissionais. Um trabalhador que não fizesse parte do “grupo” não poderia exercer a sua atividade livremente. • Contudo, com a Revolução Francesa, as corporações de ofícios acabam por ser suprimidas, isto porque eram consideradas incompatíveis com os ideias da liberdade. • Outro motivo que “ganhou força” para esta supressão, foi o grande impulso sentido pelo comércio, mais propriamente no intercontinental.
  • 8. Revolução Industrial • A Revolução Industrial , iniciou-se em meados do séc. XVIII na Inglaterra e prolongou-se até ao início do século XIX. • Com o seu aparecimento, o artesão foi sendo substituído pelo operário e a oficina pela fábrica, surgindo a manufatura, o trabalho manual feito pelo operário. Surgia assim, a 1ª forma que o capitalismo assumiu na indústria. • O capitalismo, sistema econômico caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção, e pela existência de mercados livres em que prevalecem as relações de trabalho assalariado. • O capitalismo caraterizava-se por:  Existência da propriedade privada dos meios de produção;  O lucro ser a grande finalidade;  Oposição entre assalariado e o capitalista;  Apropriação privada dos meios de produção;
  • 9. • A Revolução Industrial, traduziu-se na mecanização dos meios de produção. • Esta revolução, operou uma verdadeira mudança económica, social, política e cultural, marcando a passagem de um novo regime, o capitalismo. • O que era anteriormente produzido em pequenas quantidades, passara a ser produzido em massa, uma vez que o trabalho artesanal foi substituído pelas máquinas. • O, até agora, trabalho escravo, servil e corporativo foi substituído pelo trabalho assalariado em grande escala. • A manufatura dá lugar à fábrica, onde se concentravam um grande número de trabalhadores assalariados, operários, que trabalhavam durante muitas horas em condições desonrosas e de sobre- exploração, não podendo usufruir de qualquer direito. • Este trabalho era duro, sem condições de higiene e segurança, exigindo um enorme esforço físico e mental por parte do operário.
  • 10. • Essas mesmas condições desonrosas/miseráveis, de trabalho e de vida das classes trabalhadoras fez “despertar” os operários, que fizeram revoltas e greves para lutarem pelos seus direitos de trabalho. • Os trabalhadores passaram a ser representados pelos sindicatos, que lutam pelos direitos dos trabalhadores.
  • 11. Séc. XX e XXI • Sucede-se a Segunda Revolução Industrial, com a descoberta da eletricidade, do motor de explosão (petróleo) e da invenção do telefone. • O mercado de trabalho era dominado pelo trabalho manual, desenvolvido por operários especializados e semiespecializados das grandes fábricas de produção em massa. • A partir dos anos 70, nos países mais desenvolvidos, assistiu-se a uma crescente automação da produção. • Em algumas fábricas, os robôs chegaram mesmo a substituir o homem nas tarefas repetitivas, pesadas ou perigosas, com o objetivo de aumentar a produtividade do trabalho, que viria a dar resultado, e assim, foi posto em prática noutros sectores. • Apesar do crescimento económico, o desemprego aumentou, até porque o que 2 ou 3 homens faziam, apenas 1 robô era capaz de fazer o mesmo, e em menos tempo.  Estudos publicados pela OCDE, entre 1973 e 1991, provam que o número de desempregados, no conjunto de países da OCDE, passou de 11,3 milhões para 30 milhões. • Este estudo ilustra bem o quão devastador foi, em termos de empregabilidade, a implementação dos robôs ao invés do homem!