SlideShare uma empresa Scribd logo
http://cna.uc.edu/embryology Desenvolvimento humano pré-natal
Oocitação Fecundação Célula-ovo Zigoto 38semanas 266 dias 40semanas 280 dias 10 meses lunares 9meses e 7 dias solares DUM LNMP X Inicio Desenvolvimento pré-natal ?
Oocitação Fecundação Célula-ovo Zigoto 38semanas 266 dias 40semanas 280 dias 10 meses lunares 9meses e 7 dias solares DUM LNMP X Inicio Desenvolvimento pré-natal P. Embrionário P. Fetal 56° dia 1° dia
 
Fatores que regulam o desenvolvimento
Fatores que regulam o desenvolvimento ,[object Object],[object Object],[object Object]
Fatores epigenéticos ou ambientais Positiva Negativa Retardo do crescimento intra-uterino e prematuridade Anomalias congênitas TERATÔGENOS Estrutural Funcional
Fatores que regulam o desenvolvimento
Mecanismos biológicos que dirigem o desenvolvimento ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Primeiras semanas... ,[object Object],[object Object]
PRIMEIRA SEMANA DO  DESENVOLVIMENTO HUMANO    Clivagem ou Segmentação
PRIMEIRA SEMANA DO  DESENVOLVIMENTO HUMANO (~30 horas depois da fecundação )   Processo prolongado, uma mitose por dia
Volume do embrião Quantidade de células Tamanho das células Presença da zona pelúcida Observar:
 
Trofoblasto
Embrioblasto
 
[object Object],[object Object]
Final da primeira semana...~ dias 6 e 7 Segunda diferenciação celular Ligação ao endométrio: pólo embrionário Início da nidação Trofoblasto em contato com o endométrio
* HCG * Substâncias imunossupressoras
Fim da 1ª semana   implantação superficial  /  nutrição via tecido materno   continuação da erosão pelo sinciciotrofoblasto   término durante 2ª semana
SEGUNDA SEMANA DO  DESENVOLVIMENTO HUMANO
 
Decidualização Fatores imunossupressores
Mesoderma extra-embrionário  somático Mesoderma extra-embrionário  esplancnico Celoma extra-embrionario Ou Cavidade corionica Decídua: Basal Capsular Parietal
 
Gêmeos Conceitos e terminologia
Diagrams illustrating how dizygotic (DZ) twins develop from two zygotes. The relations of the fetal membranes and placentas are shown for instances in which A, the blastocysts implant separately, and B, the blastocysts implant close together. In both cases there are two amnions and two chorions. The placentas are usually fused when they implant close together.
Diagrams illustrating how about 35% of monozygotic (MZ) twins develop from one zygote. Separation of the blastomeres may occur anywhere from the two-cell stage to the morula stage, producing two identical blastocysts. Each embryo subsequently develops its own amniotic and chorionic sacs. The placentas may be separate or fused. In 25% of cases there is a single placenta resulting from secondary fusion and in 10% of cases there are two placentas. In the latter cases, examination of the placenta would suggest that they were dizygotic (DZ) twins. This explains why some MZ twins are wrongly stated to be DZ twins at birth.
Diagrams illustrating how about 65% of monozygotic (MZ) twins develop from one zygote by division of the embryoblast (inner cell mass) of the blastocyst. These twins always have separate amnions, a single chorionic sac, and a common placenta. If there is anastomosis of the placental vessels, one twin may receive most of the nutrition from the placenta. Inset, monozygotic twins, 17-weeks gestation. (Courtesy of Dr. Robert Jordan.).
 
Diagrams illustrating how some monozygotic (MZ) twins develop. This method of development is very uncommon. Division of the embryonic disc results in two embryos within one amniotic sac. A, Complete division of the embryonic disc gives rise to twins. Such twins rarely survive because their umbilical cords are often so entangled that interruption of the blood supply to the fetuses occurs. B and C, Incomplete division of the disc results in various types of conjoined twins.
 
 
 
Semana que se segue a ausência do primeiro período menstrual Gravidez já pode ser diagnosticada por  ultra-som Se ocorreu sangramento de implantação Confusão na determinação da data esperada do parto 3ª semana
 
Entrada das células da linha primitiva entre o hipoblasto e o epiblasto Sulco primitivo  Células formando um tecido frouxo: mesoderma intraembrionário Até o início da 4ª semana
 
 
 
Fechamento total só a partir da 4ª semana
 
angioblastos hemocitoblastos Fim da 3ª semana!
Cavidade Pericárdica
Formação das camadas germinativas e início da diferenciação dos tecidos e órgãos Neurulação: formação do tubo neural Gastrulação: formação camadas germinativas Desenvolvimento dos somitos Desenvolvimento do celoma intra-embrionário Desenvolvimento inicial do Sistema Cardiovascular Desenvolvimento ulterior das vilosidades coriônicas Formação notocorda
4ª a 8ª semana do desenvolvimento pré-natal ,[object Object],[object Object]
Modificação de forma plana para tubular Dobramento do corpo
 
 
Neuróporo anterior fechado Embrião em C Brotamento membro anterior Cauda 4ª semana Brotamento membro posterior
5ª semana 32 dias Modificações no corpo são mínimas Desenvolvimento da cabeça! Face em contato com eminência cardíaca
6ª semana 42 dias Membros desenvolvem-se consideravelmente punhos cotovelos Mãos em forma de pá Flexura cervical cefálica
7ª semana 48 dias
8ª semana 52 dias Membros alongados pescoço
8ª semana 56 dias
A maior comprimento ou cmprimento máximo B e C comprimento  Crown-rump (vértice-nádegas) D comprimento topo da cabeça – calcanhar  (7 a 8 semanas) Comprimento máximo Cálculo de idade embrionária
4ª a 8ª semana – adquirindo forma humana
4,5 semanas 5 semanas 7 semanas
Período Fetal 9ª semana ao Nascimento   Caracteriza-se por rápido crescimento corporal e pela diferenciação dos sistemas
Período Fetal 9ª semana até o nascimento
As alterações que ocorrem no período fetal não são tão dramáticas quanto as que se dão na fase embrionária, mas são muito importantes.  O feto é menos vulnerável aos efeitos teratogênicos de drogas, vírus e radiação, mas estes fatores podem interferir com o desenvolvimento funcional normal, sobretudo do cérebro e dos olhos.
VIABILIDADE ,[object Object],[object Object]
ABORTO ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
9ª a 12ªsemana ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
13ª a 16ªsemana ,[object Object],[object Object],[object Object]
 
17ª a 20ªsemana ,[object Object],[object Object],[object Object]
Ouve ruídos do exterior, sobre todo os mais agudos e altos – pode assustar-se e chutar a barriga da mãe, além dos mais graves como a voz do papai.
 
 
 
20 Semanas                                     Move os dedos, começa a nascer suas unhas, sua boca está preparada para alimentar-se. Começa a beber líquido amniótico. Ouve alguns ruidos do exterior, sobre todo os mais agudos e altos – pode assustar-se e chutar a barriga da mãe Pesa 310-330 gr.    Mede 23 cm.                                        
21ª a 25ªsemana ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object]
25 semanas 700 a 800 gr.
26ª a 29ªsemana ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],30ª a 38ªsemana
Durante toda a gravidez...  Não há evidências que o bebê possa sentir odores. Há um aumento na freqüência cardíaca e da movimentação fetal durante procedimentos invasivos causam dor e por isso há necessidade de sedativos. As terminações nervosas livres está em maior densidade, sugerindo maior suceptibilidade a dor. O nível de atividade aumenta quando a mãe está estressada ou após a ingestão de grande quantidade de carboidratos O nível de atividade diminui quando ouve música relaxante ou depois da mãe consumir álcool ou cigarro.
[object Object],[object Object]
Será que a  vida lá fora é difícil? Não sei, nunca ninguém voltou pra contar!
[object Object],Freud –  Inibição, sintoma e angústia , 1926
Diante de tudo isso... Qual o seu papel como futuro naturólogo?
Conto com você!
Obrigada!
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Gametogênese, Fecundação e Embriologia HumanaGametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Gametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.
Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.
Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.
Martha Gislayne
 
Introdução a embriologia aula oficial
Introdução a embriologia aula  oficialIntrodução a embriologia aula  oficial
Introdução a embriologia aula oficial
Daiane Costa
 
Embriologia desenvolvimento membros
Embriologia desenvolvimento membrosEmbriologia desenvolvimento membros
Embriologia desenvolvimento membros
Lincolm Aguiar
 
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento FetalGravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
professorasima
 
Primeira e segunda semanas
Primeira e segunda semanasPrimeira e segunda semanas
Primeira e segunda semanas
João Monteiro
 
Embriologia - Super Super Med
Embriologia - Super Super MedEmbriologia - Super Super Med
Embriologia - Super Super Med
emanuel
 
Embriogenese
EmbriogeneseEmbriogenese
Embriogenese
César Milani
 
Quarta à oitava semana
Quarta à oitava semanaQuarta à oitava semana
Quarta à oitava semana
João Monteiro
 
Malformação Congênitas
Malformação CongênitasMalformação Congênitas
Malformação Congênitas
Universidade Norte do Paraná
 
Embriologia slides
Embriologia  slidesEmbriologia  slides
Embriologia slides
Gabriel de Oliveira
 
Morfo I - Desenvolvimento Embrionário
Morfo I - Desenvolvimento  EmbrionárioMorfo I - Desenvolvimento  Embrionário
Morfo I - Desenvolvimento Embrionário
Paulo Tsai - Unime
 
Mitose e Meiose
Mitose e MeioseMitose e Meiose
Mitose e Meiose
Gisele A. Barbosa
 
Anexos Embrionários (Power Point)
Anexos Embrionários (Power Point)Anexos Embrionários (Power Point)
Anexos Embrionários (Power Point)
Bio
 
Fecundação
FecundaçãoFecundação
Fecundação
rosapolly
 
Desenvolvimento embrionário dos mamíferos
Desenvolvimento embrionário dos mamíferosDesenvolvimento embrionário dos mamíferos
Desenvolvimento embrionário dos mamíferos
Rosalia Azambuja
 
Desenvolvimento embrionrio e fetal
Desenvolvimento embrionrio e fetalDesenvolvimento embrionrio e fetal
Desenvolvimento embrionrio e fetal
miguelpim
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Aula de Embriologia e Reprodução Assistida - Sistema urogenital
Aula de Embriologia e Reprodução Assistida - Sistema urogenitalAula de Embriologia e Reprodução Assistida - Sistema urogenital
Aula de Embriologia e Reprodução Assistida - Sistema urogenital
Jaqueline Almeida
 
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Isabel Lopes
 

Mais procurados (20)

Gametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Gametogênese, Fecundação e Embriologia HumanaGametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Gametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
 
Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.
Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.
Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.
 
Introdução a embriologia aula oficial
Introdução a embriologia aula  oficialIntrodução a embriologia aula  oficial
Introdução a embriologia aula oficial
 
Embriologia desenvolvimento membros
Embriologia desenvolvimento membrosEmbriologia desenvolvimento membros
Embriologia desenvolvimento membros
 
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento FetalGravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
 
Primeira e segunda semanas
Primeira e segunda semanasPrimeira e segunda semanas
Primeira e segunda semanas
 
Embriologia - Super Super Med
Embriologia - Super Super MedEmbriologia - Super Super Med
Embriologia - Super Super Med
 
Embriogenese
EmbriogeneseEmbriogenese
Embriogenese
 
Quarta à oitava semana
Quarta à oitava semanaQuarta à oitava semana
Quarta à oitava semana
 
Malformação Congênitas
Malformação CongênitasMalformação Congênitas
Malformação Congênitas
 
Embriologia slides
Embriologia  slidesEmbriologia  slides
Embriologia slides
 
Morfo I - Desenvolvimento Embrionário
Morfo I - Desenvolvimento  EmbrionárioMorfo I - Desenvolvimento  Embrionário
Morfo I - Desenvolvimento Embrionário
 
Mitose e Meiose
Mitose e MeioseMitose e Meiose
Mitose e Meiose
 
Anexos Embrionários (Power Point)
Anexos Embrionários (Power Point)Anexos Embrionários (Power Point)
Anexos Embrionários (Power Point)
 
Fecundação
FecundaçãoFecundação
Fecundação
 
Desenvolvimento embrionário dos mamíferos
Desenvolvimento embrionário dos mamíferosDesenvolvimento embrionário dos mamíferos
Desenvolvimento embrionário dos mamíferos
 
Desenvolvimento embrionrio e fetal
Desenvolvimento embrionrio e fetalDesenvolvimento embrionrio e fetal
Desenvolvimento embrionrio e fetal
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Aula de Embriologia e Reprodução Assistida - Sistema urogenital
Aula de Embriologia e Reprodução Assistida - Sistema urogenitalAula de Embriologia e Reprodução Assistida - Sistema urogenital
Aula de Embriologia e Reprodução Assistida - Sistema urogenital
 
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionário
 

Destaque

Desenvolvimento pré natal
Desenvolvimento pré natalDesenvolvimento pré natal
Desenvolvimento pré natal
Sarah Noleto
 
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
Desenvolvimento infância
Desenvolvimento infânciaDesenvolvimento infância
Desenvolvimento infância
psicologiaazambuja
 
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento FetalGravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
luandrade
 
A Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-NatalA Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-Natal
UEA - Universidade do Estado do Amazonas
 
Desenvolvimento psicossocial na infância
Desenvolvimento psicossocial na infância Desenvolvimento psicossocial na infância
Desenvolvimento psicossocial na infância
Ana Costa
 
Pré natal-e-recém-nascido
Pré natal-e-recém-nascidoPré natal-e-recém-nascido
Pré natal-e-recém-nascido
Astra Veículos
 
A criança em desenvolvimento 2013
A criança em desenvolvimento 2013A criança em desenvolvimento 2013
A criança em desenvolvimento 2013
Ana Lúcia Pereira
 
Fecundação, desenvolvimento embrionário e parto
Fecundação, desenvolvimento embrionário e partoFecundação, desenvolvimento embrionário e parto
Fecundação, desenvolvimento embrionário e parto
Catir
 
DIFERENÇAS DE CRESCER FETAL-PÓS-FETAL;CRIANÇA,INFANTIL:HORMÔNIO GH CLASSICO,C...
DIFERENÇAS DE CRESCER FETAL-PÓS-FETAL;CRIANÇA,INFANTIL:HORMÔNIO GH CLASSICO,C...DIFERENÇAS DE CRESCER FETAL-PÓS-FETAL;CRIANÇA,INFANTIL:HORMÔNIO GH CLASSICO,C...
DIFERENÇAS DE CRESCER FETAL-PÓS-FETAL;CRIANÇA,INFANTIL:HORMÔNIO GH CLASSICO,C...
Van Der Häägen Brazil
 
Da fecundação ao nascimento
Da fecundação ao nascimentoDa fecundação ao nascimento
Da fecundação ao nascimento
5eeugeiocastro
 
Pre Natal
Pre NatalPre Natal
Pre Natal
ITPAC PORTO
 
Pré Natal
Pré  NatalPré  Natal
Pré Natal
Gláucia Marchini
 
Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!
Rosalia Azambuja
 
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criançaAcompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
EDSON ALAN QUEIROZ
 
Grupo com gestantes
Grupo com gestantesGrupo com gestantes
Grupo com gestantes
Alinebrauna Brauna
 
Embriologia - 4 semana ao nascimento!
Embriologia - 4 semana ao nascimento! Embriologia - 4 semana ao nascimento!
Embriologia - 4 semana ao nascimento!
Victor Hugo
 
Fatores Genéticos na Síndrome Metabólica
Fatores Genéticos na Síndrome MetabólicaFatores Genéticos na Síndrome Metabólica
Fatores Genéticos na Síndrome Metabólica
Van Der Häägen Brazil
 
Crescer infantil, Juvenil: O Crescer Depende de Hormônios e de Outros Fatores
Crescer infantil, Juvenil: O Crescer Depende de Hormônios e de Outros FatoresCrescer infantil, Juvenil: O Crescer Depende de Hormônios e de Outros Fatores
Crescer infantil, Juvenil: O Crescer Depende de Hormônios e de Outros Fatores
Van Der Häägen Brazil
 
Matrices perinatales power point
Matrices perinatales power pointMatrices perinatales power point
Matrices perinatales power point
marialydmendez
 

Destaque (20)

Desenvolvimento pré natal
Desenvolvimento pré natalDesenvolvimento pré natal
Desenvolvimento pré natal
 
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
Pré-Natal
 
Desenvolvimento infância
Desenvolvimento infânciaDesenvolvimento infância
Desenvolvimento infância
 
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento FetalGravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
 
A Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-NatalA Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-Natal
 
Desenvolvimento psicossocial na infância
Desenvolvimento psicossocial na infância Desenvolvimento psicossocial na infância
Desenvolvimento psicossocial na infância
 
Pré natal-e-recém-nascido
Pré natal-e-recém-nascidoPré natal-e-recém-nascido
Pré natal-e-recém-nascido
 
A criança em desenvolvimento 2013
A criança em desenvolvimento 2013A criança em desenvolvimento 2013
A criança em desenvolvimento 2013
 
Fecundação, desenvolvimento embrionário e parto
Fecundação, desenvolvimento embrionário e partoFecundação, desenvolvimento embrionário e parto
Fecundação, desenvolvimento embrionário e parto
 
DIFERENÇAS DE CRESCER FETAL-PÓS-FETAL;CRIANÇA,INFANTIL:HORMÔNIO GH CLASSICO,C...
DIFERENÇAS DE CRESCER FETAL-PÓS-FETAL;CRIANÇA,INFANTIL:HORMÔNIO GH CLASSICO,C...DIFERENÇAS DE CRESCER FETAL-PÓS-FETAL;CRIANÇA,INFANTIL:HORMÔNIO GH CLASSICO,C...
DIFERENÇAS DE CRESCER FETAL-PÓS-FETAL;CRIANÇA,INFANTIL:HORMÔNIO GH CLASSICO,C...
 
Da fecundação ao nascimento
Da fecundação ao nascimentoDa fecundação ao nascimento
Da fecundação ao nascimento
 
Pre Natal
Pre NatalPre Natal
Pre Natal
 
Pré Natal
Pré  NatalPré  Natal
Pré Natal
 
Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!
 
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criançaAcompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
 
Grupo com gestantes
Grupo com gestantesGrupo com gestantes
Grupo com gestantes
 
Embriologia - 4 semana ao nascimento!
Embriologia - 4 semana ao nascimento! Embriologia - 4 semana ao nascimento!
Embriologia - 4 semana ao nascimento!
 
Fatores Genéticos na Síndrome Metabólica
Fatores Genéticos na Síndrome MetabólicaFatores Genéticos na Síndrome Metabólica
Fatores Genéticos na Síndrome Metabólica
 
Crescer infantil, Juvenil: O Crescer Depende de Hormônios e de Outros Fatores
Crescer infantil, Juvenil: O Crescer Depende de Hormônios e de Outros FatoresCrescer infantil, Juvenil: O Crescer Depende de Hormônios e de Outros Fatores
Crescer infantil, Juvenil: O Crescer Depende de Hormônios e de Outros Fatores
 
Matrices perinatales power point
Matrices perinatales power pointMatrices perinatales power point
Matrices perinatales power point
 

Semelhante a Etapas do desenvolvimento pré natal2011

Susanita
SusanitaSusanita
4_fecundação_nascimento.pptx
4_fecundação_nascimento.pptx4_fecundação_nascimento.pptx
4_fecundação_nascimento.pptx
Teresa Cardoso
 
Fecundação, gravidez e parto
Fecundação, gravidez e partoFecundação, gravidez e parto
Fecundação, gravidez e parto
Maria Carolina Esteves
 
sistema reprodutor
sistema reprodutorsistema reprodutor
sistema reprodutor
kapekode
 
feb714422ac5ba86795744d4d376b4f0-1-EMBRIOLOGIA-FISSURADOS.pdf
feb714422ac5ba86795744d4d376b4f0-1-EMBRIOLOGIA-FISSURADOS.pdffeb714422ac5ba86795744d4d376b4f0-1-EMBRIOLOGIA-FISSURADOS.pdf
feb714422ac5ba86795744d4d376b4f0-1-EMBRIOLOGIA-FISSURADOS.pdf
AyrttonAnacleto2
 
Cél.sex.desenv.embrionário,parto
Cél.sex.desenv.embrionário,partoCél.sex.desenv.embrionário,parto
Cél.sex.desenv.embrionário,parto
Rosa Pereira
 
Embriologia básica
Embriologia básicaEmbriologia básica
Embriologia básica
Marco Antonio
 
Embriologia humana 1a a 3a semana
Embriologia humana 1a a 3a semana Embriologia humana 1a a 3a semana
Embriologia humana 1a a 3a semana
Diego Magalhães
 
Embrio091107 resumo para 3s2011
Embrio091107 resumo para 3s2011Embrio091107 resumo para 3s2011
Embrio091107 resumo para 3s2011
Ionara Urrutia Moura
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Daniela Silveira
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Daniela Silveira
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Daniela Silveira
 
Sistema Reprodutor
Sistema ReprodutorSistema Reprodutor
Sistema Reprodutor
Helena Borralho
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Zé Luís
 
8 ano: Desenvolvimento e maturidade
8 ano: Desenvolvimento e maturidade8 ano: Desenvolvimento e maturidade
8 ano: Desenvolvimento e maturidade
Sarah Lemes
 
ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptxANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
WeslleyMaia3
 
Anomalias genéticas e congênitas
Anomalias genéticas e congênitasAnomalias genéticas e congênitas
Anomalias genéticas e congênitas
Adila Trubat
 
Eu nos contextos margarida grupo 4
Eu nos contextos  margarida   grupo 4Eu nos contextos  margarida   grupo 4
Eu nos contextos margarida grupo 4
Pratica Matemática
 
Desenv._pre_natal_(aula_1).pptx
Desenv._pre_natal_(aula_1).pptxDesenv._pre_natal_(aula_1).pptx
Desenv._pre_natal_(aula_1).pptx
MauricioBandeira4
 
Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução Humana
anarita2
 

Semelhante a Etapas do desenvolvimento pré natal2011 (20)

Susanita
SusanitaSusanita
Susanita
 
4_fecundação_nascimento.pptx
4_fecundação_nascimento.pptx4_fecundação_nascimento.pptx
4_fecundação_nascimento.pptx
 
Fecundação, gravidez e parto
Fecundação, gravidez e partoFecundação, gravidez e parto
Fecundação, gravidez e parto
 
sistema reprodutor
sistema reprodutorsistema reprodutor
sistema reprodutor
 
feb714422ac5ba86795744d4d376b4f0-1-EMBRIOLOGIA-FISSURADOS.pdf
feb714422ac5ba86795744d4d376b4f0-1-EMBRIOLOGIA-FISSURADOS.pdffeb714422ac5ba86795744d4d376b4f0-1-EMBRIOLOGIA-FISSURADOS.pdf
feb714422ac5ba86795744d4d376b4f0-1-EMBRIOLOGIA-FISSURADOS.pdf
 
Cél.sex.desenv.embrionário,parto
Cél.sex.desenv.embrionário,partoCél.sex.desenv.embrionário,parto
Cél.sex.desenv.embrionário,parto
 
Embriologia básica
Embriologia básicaEmbriologia básica
Embriologia básica
 
Embriologia humana 1a a 3a semana
Embriologia humana 1a a 3a semana Embriologia humana 1a a 3a semana
Embriologia humana 1a a 3a semana
 
Embrio091107 resumo para 3s2011
Embrio091107 resumo para 3s2011Embrio091107 resumo para 3s2011
Embrio091107 resumo para 3s2011
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Sistema Reprodutor
Sistema ReprodutorSistema Reprodutor
Sistema Reprodutor
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
8 ano: Desenvolvimento e maturidade
8 ano: Desenvolvimento e maturidade8 ano: Desenvolvimento e maturidade
8 ano: Desenvolvimento e maturidade
 
ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptxANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
 
Anomalias genéticas e congênitas
Anomalias genéticas e congênitasAnomalias genéticas e congênitas
Anomalias genéticas e congênitas
 
Eu nos contextos margarida grupo 4
Eu nos contextos  margarida   grupo 4Eu nos contextos  margarida   grupo 4
Eu nos contextos margarida grupo 4
 
Desenv._pre_natal_(aula_1).pptx
Desenv._pre_natal_(aula_1).pptxDesenv._pre_natal_(aula_1).pptx
Desenv._pre_natal_(aula_1).pptx
 
Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução Humana
 

Etapas do desenvolvimento pré natal2011

  • 2. Oocitação Fecundação Célula-ovo Zigoto 38semanas 266 dias 40semanas 280 dias 10 meses lunares 9meses e 7 dias solares DUM LNMP X Inicio Desenvolvimento pré-natal ?
  • 3. Oocitação Fecundação Célula-ovo Zigoto 38semanas 266 dias 40semanas 280 dias 10 meses lunares 9meses e 7 dias solares DUM LNMP X Inicio Desenvolvimento pré-natal P. Embrionário P. Fetal 56° dia 1° dia
  • 4.  
  • 5. Fatores que regulam o desenvolvimento
  • 6.
  • 7. Fatores epigenéticos ou ambientais Positiva Negativa Retardo do crescimento intra-uterino e prematuridade Anomalias congênitas TERATÔGENOS Estrutural Funcional
  • 8. Fatores que regulam o desenvolvimento
  • 9.
  • 10.
  • 11. PRIMEIRA SEMANA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO  Clivagem ou Segmentação
  • 12. PRIMEIRA SEMANA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO (~30 horas depois da fecundação ) Processo prolongado, uma mitose por dia
  • 13. Volume do embrião Quantidade de células Tamanho das células Presença da zona pelúcida Observar:
  • 14.  
  • 17.  
  • 18.
  • 19. Final da primeira semana...~ dias 6 e 7 Segunda diferenciação celular Ligação ao endométrio: pólo embrionário Início da nidação Trofoblasto em contato com o endométrio
  • 20. * HCG * Substâncias imunossupressoras
  • 21. Fim da 1ª semana implantação superficial / nutrição via tecido materno continuação da erosão pelo sinciciotrofoblasto   término durante 2ª semana
  • 22. SEGUNDA SEMANA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO
  • 23.  
  • 25. Mesoderma extra-embrionário somático Mesoderma extra-embrionário esplancnico Celoma extra-embrionario Ou Cavidade corionica Decídua: Basal Capsular Parietal
  • 26.  
  • 27. Gêmeos Conceitos e terminologia
  • 28. Diagrams illustrating how dizygotic (DZ) twins develop from two zygotes. The relations of the fetal membranes and placentas are shown for instances in which A, the blastocysts implant separately, and B, the blastocysts implant close together. In both cases there are two amnions and two chorions. The placentas are usually fused when they implant close together.
  • 29. Diagrams illustrating how about 35% of monozygotic (MZ) twins develop from one zygote. Separation of the blastomeres may occur anywhere from the two-cell stage to the morula stage, producing two identical blastocysts. Each embryo subsequently develops its own amniotic and chorionic sacs. The placentas may be separate or fused. In 25% of cases there is a single placenta resulting from secondary fusion and in 10% of cases there are two placentas. In the latter cases, examination of the placenta would suggest that they were dizygotic (DZ) twins. This explains why some MZ twins are wrongly stated to be DZ twins at birth.
  • 30. Diagrams illustrating how about 65% of monozygotic (MZ) twins develop from one zygote by division of the embryoblast (inner cell mass) of the blastocyst. These twins always have separate amnions, a single chorionic sac, and a common placenta. If there is anastomosis of the placental vessels, one twin may receive most of the nutrition from the placenta. Inset, monozygotic twins, 17-weeks gestation. (Courtesy of Dr. Robert Jordan.).
  • 31.  
  • 32. Diagrams illustrating how some monozygotic (MZ) twins develop. This method of development is very uncommon. Division of the embryonic disc results in two embryos within one amniotic sac. A, Complete division of the embryonic disc gives rise to twins. Such twins rarely survive because their umbilical cords are often so entangled that interruption of the blood supply to the fetuses occurs. B and C, Incomplete division of the disc results in various types of conjoined twins.
  • 33.  
  • 34.  
  • 35.  
  • 36. Semana que se segue a ausência do primeiro período menstrual Gravidez já pode ser diagnosticada por ultra-som Se ocorreu sangramento de implantação Confusão na determinação da data esperada do parto 3ª semana
  • 37.  
  • 38. Entrada das células da linha primitiva entre o hipoblasto e o epiblasto Sulco primitivo Células formando um tecido frouxo: mesoderma intraembrionário Até o início da 4ª semana
  • 39.  
  • 40.  
  • 41.  
  • 42. Fechamento total só a partir da 4ª semana
  • 43.  
  • 46. Formação das camadas germinativas e início da diferenciação dos tecidos e órgãos Neurulação: formação do tubo neural Gastrulação: formação camadas germinativas Desenvolvimento dos somitos Desenvolvimento do celoma intra-embrionário Desenvolvimento inicial do Sistema Cardiovascular Desenvolvimento ulterior das vilosidades coriônicas Formação notocorda
  • 47.
  • 48. Modificação de forma plana para tubular Dobramento do corpo
  • 49.  
  • 50.  
  • 51. Neuróporo anterior fechado Embrião em C Brotamento membro anterior Cauda 4ª semana Brotamento membro posterior
  • 52. 5ª semana 32 dias Modificações no corpo são mínimas Desenvolvimento da cabeça! Face em contato com eminência cardíaca
  • 53. 6ª semana 42 dias Membros desenvolvem-se consideravelmente punhos cotovelos Mãos em forma de pá Flexura cervical cefálica
  • 55. 8ª semana 52 dias Membros alongados pescoço
  • 57. A maior comprimento ou cmprimento máximo B e C comprimento Crown-rump (vértice-nádegas) D comprimento topo da cabeça – calcanhar (7 a 8 semanas) Comprimento máximo Cálculo de idade embrionária
  • 58. 4ª a 8ª semana – adquirindo forma humana
  • 59. 4,5 semanas 5 semanas 7 semanas
  • 60. Período Fetal 9ª semana ao Nascimento Caracteriza-se por rápido crescimento corporal e pela diferenciação dos sistemas
  • 61. Período Fetal 9ª semana até o nascimento
  • 62. As alterações que ocorrem no período fetal não são tão dramáticas quanto as que se dão na fase embrionária, mas são muito importantes. O feto é menos vulnerável aos efeitos teratogênicos de drogas, vírus e radiação, mas estes fatores podem interferir com o desenvolvimento funcional normal, sobretudo do cérebro e dos olhos.
  • 63.
  • 64.
  • 65.
  • 66.
  • 67.  
  • 68.
  • 69. Ouve ruídos do exterior, sobre todo os mais agudos e altos – pode assustar-se e chutar a barriga da mãe, além dos mais graves como a voz do papai.
  • 70.  
  • 71.  
  • 72.  
  • 73. 20 Semanas                                     Move os dedos, começa a nascer suas unhas, sua boca está preparada para alimentar-se. Começa a beber líquido amniótico. Ouve alguns ruidos do exterior, sobre todo os mais agudos e altos – pode assustar-se e chutar a barriga da mãe Pesa 310-330 gr.  Mede 23 cm.                                      
  • 74.
  • 75.
  • 76. 25 semanas 700 a 800 gr.
  • 77.
  • 78.  
  • 79.
  • 80. Durante toda a gravidez... Não há evidências que o bebê possa sentir odores. Há um aumento na freqüência cardíaca e da movimentação fetal durante procedimentos invasivos causam dor e por isso há necessidade de sedativos. As terminações nervosas livres está em maior densidade, sugerindo maior suceptibilidade a dor. O nível de atividade aumenta quando a mãe está estressada ou após a ingestão de grande quantidade de carboidratos O nível de atividade diminui quando ouve música relaxante ou depois da mãe consumir álcool ou cigarro.
  • 81.
  • 82. Será que a vida lá fora é difícil? Não sei, nunca ninguém voltou pra contar!
  • 83.
  • 84. Diante de tudo isso... Qual o seu papel como futuro naturólogo?
  • 87.