SlideShare uma empresa Scribd logo
1




Apostila de Dons Espirituais e Dons do Espírito
2




               A Igreja Cristã e os Dons Espirituais Rom.12.3-8.


Rom.12.2b Para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de
Deus.


A igreja é a base para o derramamento dos dons espirituais. At. 2

É pela igreja “não é o espaço físico” que Deus opera e o Espírito Santo age.
A historia confirma o uso dos dons através da igreja.
É na diversidade própria de cada cultura que há uma unidade na Palavra e no
Espírito. “Multiforme Graça de Deus”



● O que é a igreja:

É o espaço físico no qual os crentes em Jesus Cristo se reúnem.
É corpo (trabalha em harmonia) místico de Jesus onde Ele é o cabeça (Senhor
absoluto).
Assim sendo, que ousa se apresentar como Igreja do Senhor, mas rejeita o Seu
Senhorio, Comando, está se enganando, não é Igreja.

● A igreja hoje:

→ Aponta para o passado . No propósito de Deus na Criação de Habitar com o
homem. Gn.3.8

 → No presente . É uma extensão do Reino dos Céus. Onde Deus cumpri seu
propósito.
“De tornar a congregar em Cristo todas as coisas”. Ef.1.10.

 → Sinaliza para o futuro. Onde viveremos com ele para toda a eternidade. Apoc.
21.3

● Quem é a igreja? Somos nós.

● Quem pode pertencer a igreja? Todos, a igreja é multicultural.
3



● Qual o requisito? Crer e ser batizado. Mc.16.16

Ex: Assim como não existe como pessoa um individuo que não possui uma certidão
de nascimento. Também não existe como cristão quem não pertence ao corpo de
Cristo.

→ Uma coisa e se reunir para fazer uma oração. Outra bem diferente é se reunir
para congregar. Hb.10. 25

A igreja também é um marco fundamental neste mundo do poder de Deus sobre o
diabo. Ef.3.10

● O que significa ser um cristão

O verdadeiro significado da palavra “cristão” não está tanto neste lindo apelido. Está
na pessoa que aceita Jesus como seu salvador e vive dignamente como um verdadeiro
discípulo do Senhor Jesus Cristo.
 O apelido “cristão” surgiu pela primeira vez na cidade de Antioquia em referencia
aos discípulos de Cristo naquela cidade At 11,26..

E este apelido referia-se aos crentes que andavam de uma forma digna.
O termo hoje é bem diferente do significado usado nas escrituras. Hoje, qualquer um
que segue uma religião denominada “cristã”, acha se no direito de dizer que é um
cristão. O que violenta um principio bíblico fundamental. Quem segue a Cristo se
parece com Ele.




                 Dons Naturais/Espirituais


“Todo movimento de renovação espiritual, para ser legítimo,
precisa aceitar e pôr em prática, de forma irrestrita,
as doutrinas bíblicas relacionadas à ação do Espírito Santo”.


● São dons naturais

Definindo a palavra dons : dádiva, dote natural, merecimento, privilégio, poder, etc...
alguns casos de dons naturais na bíblia , usando a palavra dote natural ou
habilidade.

No jardim do Éden , o senhor Deus colocou Adão para lavrar e guardar a terra
Gn:2:15

Jubal , tinha extraordinária habilidade para fabricar instrumentos musicais.
Gn:4.21
4

Ainda lemos no livro de Ex. 35:31-32 , que :

O Espírito de Deus encheu homens de habilidade ; inteligência e conhecimento em
todo artifício . Para inventar obras artísticas; para trabalhar em ouro; em prata e em
bronze .

Neste texto nós vemos que o próprio Deus encheu-os de habilidade naturais para que
trabalhassem na construção de objetos para o Tabernáculo do senhor. Mas esse
enchimento de Deus sobre esses homens ; não foi com dons espirituais , mas sim com
dons naturais para realizarem uma tarefa especifica .


● São dons espirituais

Recursos extraordinário que o senhor Jesus Cristo , colocou a disposição da igreja ,
mediante a ação do Espírito Santo pelo Batismo, com os seguintes propósitos :

• aperfeiçoamento dos santos Ef. 4:12
• A ampliação do conhecimento , do poder para a proclamação da palavra de Deus
pelo seu povo.

Os dons do Espírito são ferramentas que o Espírito de Deus entrega aos crentes,
conforme sua vontade e propósito, sempre visando à edificação do Corpo de Cristo.
É através dos dons que o Espírito Santo opera de forma harmônica, para o bem estar
da igreja local.

Todo crente possui um Dom. I PE.4.10
A cada membro do corpo de Cristo é dada uma capacidade específica para o serviço.

→ O desejo de Deus é que cada membro possua um ministério.
Que saiba para que foi chamado.
Um membro que não funciona é um corpo doente!



“Nem todo crente sabe o dom que possui”

Os dons não tem uma finalidade pessoal particular, mas são para o beneficio da
comunidade cristã.




                    Fruto do Espírito

Assim como existe diferença entre dons naturais e espirituais, também há
diferença entre fruto do Espírito e dom do Espírito.

● Dons do Espírito: Resultado do batismo com o Espírito Santo. Rom.12.4-18; I
Co.12.
5



● Fruto do Espírito: resultado do novo nascimento, onde o fruto se desenvolve
gradualmente. Gal.5.22-26

→ O que valida uma vida cristã são os frutos, e não o dom.
Pois este é o critério básico da vida e do caráter cristão.

→ Não é possível escolher entre o fruto e o dom; ambos são essenciais para que a
igreja seja completa.

Por quê? Como pentecostais cremos no batismo com o Espírito Santo. E, como
crentes em Jesus desenvolvemos o fruto do Espírito que é resultado do novo
nascimento.




Realizar o Trabalho em equipe:
A dinâmica do ensino




Lição 02



                      Dons do Espírito Santo


       Dom Espiritual para o crente

Os Dons Espirituais têm o objetivo de capacitar o crente para servir a Deus e à Igreja
na esfera espiritual. Todos temos um dom 1 Pe.4.10
Nem todo dom se evidencia de forma externa. Ex: Falar em línguas, profetizar e etc.


    Dons ministeriais para a igreja

É a DISTINÇÃO ESPECIAL concedida por Deus que marca, separa e capacita
alguns crentes para ministérios específicos no Reino de Deus e na Igreja Local,
sendo que para isso o Espírito Santo relaciona-se com eles num grau e numa
dimensão muito maior.

→ Os escritos de Paulo sobre Dons, não são uma ação proibitiva. Mas, orientadora
que, visa o aperfeiçoamento do corpo de Cristo e o amadurecimento espiritual de
seu povo. I Tes. 5.19
6



Rom.12. 1-8

V: 1 Culto Racional (culto não é um êxtase)
Uma mente renovada. (tornar nova)

V: 2 Conformeis com este mundo (tomar a forma deste)

V: 3 Segundo a medida de fé. (Graça de Cristo)

V: 4,5 Considerando que os dons espirituais são dados para o benefício do corpo, e
eles devem ser regulados de maneira que esta finalidade seja alcançada. O preceito
geral é permitir que o amor para com os outros controle as nossas ações.

O amor é tão importante no exercício de dons espirituais que a maior exposição de
amor na Bíblia é encontrada em meio a uma discussão sobre dons espirituais
1 Cor.13:1-13

V:6 Dom de Profecia
Capacidade de dar uma mensagem ou revelação imediata de Deus para seu povo.
(Porção de fé) coerência com a Palavra de Deus.

Profeta é aquele que fala por outro; que entrega uma mensagem alheia.
Para edificação, exortação (encorajar, aconselhar) e consolação 1 Co 14.3
Mas os profetas devem ter cuidado em falar somente aquilo que Deus mandou.
“Se alguém falar, fale segundo as palavras de Deus”. 1 Pe. 4.11
Falar uma falsa profecia em nome do Senhor significa transgredir o 3º mandamento:
“Não usarás o nome do Senhor em vão” Ex 20.7



Provas da profecia:

● A profecia verdadeira deve se cumprir Dt 18.21,22
●A profecia deve estar de acordo com a Bíblia Ap 22.18,19
● A mensagem de Deus gera paz no coração Cl 3.15
●O Testemunho de experientes servos de Deus é útil para ajudar-nos a discernir.

● A profecia deve ser para glória de Deus e não para mostrar a espiritualidade do
profeta.
● Deve ter cuidado para ser fiel à revelação recebida de Deus.
● Se a mensagem é particular, não precisa ser dada em público Mt 18.15-17

→Revelação é aquilo que Deus diz (por meio da Bíblia ou profecia).
 Interpretação é o que eu digo que Deus diz.
 Analfabetismo funcional



V:7 Ministério (Serviço)
7

O possuidor deste dom recebe do Espírito Santo a motivação para ser um canal de
benção, para uma pessoa ou um grupo.


Características de quem possui este dom:

● discerne as necessidades e toma iniciativa para supri-las.

● tem o cuidado de não deixar faltar nada.

● Pontualidade

● Assume as responsabilidades


Dom de Ensino

É a capacidade conferida pelo Espírito Santo de comunicar informações relevantes
para a saúde e o ministério do Corpo de Cristo e seus membros, fazendo-o de tal
maneira que outros sejam capazes de aprender.
Este dom, usualmente, é um dom que envolve tempo integral. Ao inverso de outros
dons que usualmente só são utilizados ocasionalmente.

→ O dom de ensino merece ser destacado porque a essência da vida cristã é o
aprendizado. 2 Pe. 3.18; Os. 4.6; 6.3

John Locke: Teoria da tabula rasa.

Descartes: O aprendizado só é possível através do dialogo. Sendo a fala o
instrumento de interação.
Porém, o conteúdo dito representa apenas 7% comunicação.
55% da comunicação esta na expressão corporal (postura, gestos, contato visual).
Pessoas com uma boa expressão corporal possuem maiores facilidades de interagir
com outras pessoas. Restando apenas 38% pela voz. (entoação, volume, timbre)

Tomas de Aquino: Somos a favor do desenvolvimento tecnológico, cientifico e
continuamos a diminuir o papel da mente ou do intelecto, especialmente no âmbito
religioso.

Características de quem possui este dom:

● É preparado por Deus para transmitir de maneira atraente e compreensível a
Palavra de Deus.

● Faz do ensino um palco onde envolve cada aluno.


V:8 Dom de Exortação
8

É a habilidade espiritual de colocar-se ao lado de alguém com os mais variados
problemas e ajudá-lo a encontrar soluções para seu caso.
A pessoa com o dom de exortar coloca-se ao lado para
caminhar com a outra pessoa, buscando soluções através do aconselhamento, da
repreensão, da denúncia do pecado, da promoção do perdão e da reconciliação.

Características de quem possui este dom:

● dirigi palavras de ânimo, encorajamento, consolo e conforto aos que se sentem
espiritualmente abatidos.
● frequentemente tem um ministério de aconselhamento.
● Está sempre disponível para atender a necessidade de quem solicita.




Dom de contribuição


As pessoas portadoras deste dom são normalmente espontâneas e reservadas
no exercício deste ministério. Não é necessário que lhe peçam para ajudar aqui ou
ali, nem buscam fazê-lo publicamente, como forma de auto-promoção.
Sua ação de desprendimento material é motivo de gozo e edificação espiritual. Dá
porque gosta e não por constrangimento.
Não está relacionado às posses materiais do seu portador. Se assim fosse, só os ricos
o teriam.
Os portadores deste dom têm uma habilidade toda especial de “fabricar recursos”.
São capazes de emprestar dinheiro ou deixar de fazer algo para si para que possam
ajudar a outros.

Características de quem possui em dom:


● Sente alegria em contribuir e ser um canal de benção para a igreja e seus irmãos.
● e um patrocinador da obra missionária.


Dom de Liderança


O dom de liderança é aquela capacidade especial que Deus dá a certos membros do
Corpo de Cristo para estabelecer alvos harmônicos com o propósito de Deus para o
futuro. Todo líder precisa de seguidor. A qualidade de liderança se deve a um dom
(em contraste com algum mero diploma ou poder legal), e seus seguidores o farão de
forma voluntária. Os líderes dotados por Deus nem manipulam e nem coagem.
Antes, geram a confiança própria de quem sabe para onde está indo e qual será o
próximo passo.

Características de quem possui este dom:
9

● Exerce autoridade com amor e cuidado

● É uma pessoa de visão

● Tem capacidade para tomar decisões



Dom de misericórdia

O dom de misericórdia é a habilidade dada por Deus aos seus filhos de sentir com o
outro as suas lutas, angústias, dores ou alegria. É a capacidade de chorar com os que
choram e se alegrar com os que se alegram.

Quem tem o dom de misericórdia tem uma sensibilidade toda especial para descobrir
os aflitos e os angustiados, de colocar-se ao lado deles em solidariedade, mostrando
assim, de forma concreta e palpável o amor de Cristo. É uma pessoa genuinamente
preocupada com os sentimentos dos outros, sejam crentes ou não e são capazes de
detectar situações, gestos, atos ou palavras que possam ter ferido alguém, colocando-
se solidariamente ao lado deles. Tem grande capacidade para

discernir quem é sincero ou hipócrita. Tem facilidade para relacionar-se com pessoas
problemáticas, criadoras de caso ou extremamente sensíveis, pois pode entender suas
motivações.

Características de quem possui este dom:

● Sente se realizado quando pode fazer algo por alguém.

● Identifica se com os outros em suas tribulações.




Realizar a dinâmica: O feitiço contra o feiticeiro




Lição 03

                                 Unidade do Espírito

                                      Ef.4.1-11

O que é a Unidade do Espírito:
10

A unidade do Espírito é o resultado proveniente da união dos desiguais. (Cultura,
etnias, sexo, idade, posição social, educação e geografia). Paulo assim escreve para
demonstrar que é na DIFERENÇA que formamos um corpo. O cristianismo é,
sobretudo, uma religião baseada na união de todos em uma só fé. Gl. 3.27-28

A união proveniente do Espírito não tolera a conjunção entre o certo e o errado, a
verdade e a mentira, a luz e a escuridão. Se não for PELA Palavra de Deus não
haverá unidade cristã verdadeira. Essa unidade não depende do crente ela já existe
no Espírito. Jo.17

→ Essa união não é o ECUMENISMO. O que prega o movimento da Nova Era de
unir todas as religiões.

V. 1. Rogar: Implorar, suplicar.

Andar: O verbo andar e viver são sinônimos no grego. Esta metáfora se refere ao
comportamento é a conduta. O que também dá a idéia de progredir, movimentar-
se em direção ao objetivo. Chegar à plena maturidade de Cristo. Gn.5.24

Digno: Aquilo que é apropriado, adequado. Só que dignidade na bíblia significa ter
uma justa medida na balança. Ou seja, nem mais nem menos. Dn.5.27

Vocação: Ato de Chamar, escolha. Porém, a vocação divina é dividida em dois
níveis.

a) Geral: Toda humanidade e chamada ao arrependimento através do ato de
Cristo na Cruz. Jo. 3.16 O caráter expiatório de Cristo é universal. Já sua aceitação
é individual.

b) Específica: Nem todos são chamados ao Ministério da Palavra. Esse chamado
depende única e exclusivamente de Deus. Ef. 4.11

→ Pregar o Evangelho é um imperativo. Para todos.
Ministrar o evangelho é privilégio de alguns.

→ Não existe chamado sem uma missão.

Toda VISÃO (chamado). Tem uma MISSÃO (objetivo). Ex:Ganhar almas.
E toda missão para ser executada precisa de mão de obra qualificada. (Ministério)

→ Deus não chamou ninguém para conquista o mundo sozinho. Mike Murdock




Nesta passagem antes de começar um discurso sobre dons ministeriais. Paulo de
maneira antecipada trata dos frutos do Espírito (Gal. 5.22,23)
Ou seja, sinaliza para aqueles que desejam o ministério que é preciso
cultivar(desenvolver) os frutos do Espírito.
11

V.2 Humildade: despojamento; simplicidade. No campo bíblico a humildade é
essencial para quem quer se aproximar de Deus. 1 Pe.5.5

Mansidão: Não é fraqueza. Mas, uma força controlada. Ex: Um cavalo que freado
pela rédea.

Longanimidade “Longo ânimo” e Suportar “Tolerância Mútua”: São virtudes
essenciais para suportar os erros e fraquezas alheias. Cuja ausência impede que
qualquer comunidade viva pacificamente.

Amor: É a coroa de todos os dons é a soma de todas as virtudes cristã.



V.3 A unidade já existe pelo Espírito. Porém, cada cristão tem a incumbência de
preservá-la. Essa responsabilidade é ao mesmo tempo individual e coletiva.

V.4-6 As figura ilustrativas destes versículos representam a unidade do Espírito.

V.7 Graça: Não é a salvação em Cristo. É a porção individual do Dom de Cristo
para o exercício do ministério. Proporção: (Medida) Aquilo que é repartido
segundo a vontade daquele que distribui.

V.8-10 Ilustra a vitória de Cristo sobre seus inimigos. (Sl.68.18) Como numa
conquista militar ele distribui aos homens os despojos desta conquista. (Os Dons)

“Cativo o cativeiro” figura do homem vendido sob o pecado. Rom.7.14

V.11 Apóstolo:

Segundo o NT ninguém podia ser um apóstolo pela própria vontade ou desejo, eles
deveriam ser pessoalmente chamados pelo Senhor Jesus Cristo para este ofício.
(Lucas 6:13). De acordo com a bíblia (Atos 1:21-22), para que alguém se tornasse
um apóstolo, era necessário ter sido testemunha ocular durante todo o ministério
público de Cristo incluindo depois da Sua ressurreição.
Era permitido a igreja primitiva nomear diáconos (Atos 6:5) e pastores (Atos
14:23), mas esta não podiam nomear apóstolos. Tal prerrogativa veio diretamente
e tão somente de Cristo.
A exemplo do apóstolo Paulo que desfrutou de um chamado único ou exclusivo.
Embora ele não tivesse acompanhado Cristo durante Seu ministério público, ele
viu Cristo ressuscitado e foi especialmente designado por Ele, como vemos em
Gal.1.1
O ofício de apóstolo foi temporário, pois seu trabalho estava limitado ao período de
estruturação da igreja. Os apóstolos originais do NT não têm sucessores.
Sendo os apóstolos hoje implantadores de igrejas. Ou, um líder sobre uma
denominação.

Profetas:
12

    Os profetas eram homens que falavam sob o impulso direto do Espírito Santo,
e cuja motivação e interesse principais eram a vida espiritual e a pureza da igreja.
Era dever do profeta do NT, assim como para o do AT, desmascarar o pecado,
proclamar a justiça, advertir do juízo vindouro e combater o mundanismo e frieza
espiritual entre o povo de Deus. A mensagem do profeta não deve ser considerada
infalível. Ela está sujeita ao julgamento da igreja, doutros profetas e da Palavra de
Deus. A congregação tem o dever de discernir e julgar o conteúdo da mensagem
profética, se ela é de Deus. 1 Co 14.29-33; 1 Jo 4.1



Evangelistas:

 No NT, evangelistas eram homens de Deus, capacitados e comissionados por Deus
para anunciar o evangelho, i.e., as boas novas da salvação aos perdidos e ajudar a
estabelecer uma nova obra numa localidade.
O evangelista é essencial no propósito de Deus para a igreja. A igreja que deixar de
apoiar e promover o ministério evangelístico cessará de ganhar convertidos
segundo o desejo de Deus. Tornar-se-á uma igreja estática, sem crescimento e
indiferente à obra missionária. A igreja que reconhece o DOM ESPIRITUAL DE
EVANGELISTA (não é um cargo eclesiástico) e tem amor intenso pelos perdidos
proclamara a mensagem da salvação com poder convincente e redentor.
At 2.14-41.
Hoje em dia são poucos os Evangelistas de verdade na sua real função, de explorar
campos inexplorados, buscar os que ainda não foram alcançados e entregar os
convertidos aos pastores.

Pastores:

    Os pastores são aqueles que dirigem a congregação local e cuidam das suas
necessidades espirituais.
A tarefa do pastor é cuidar da sã doutrina, refutar a heresia (Tt 1.9-11), ensinar a
Palavra de Deus exercendo a direção da igreja local. Sua missão é salvaguardar a
verdade do evangelho e o rebanho de Deus contra as falsas doutrinas e os falsos
mestres que surgem dentro da igreja. (At. 20.28-31).
Pastores são ministros que cuidam do rebanho, tendo como modelo Jesus, o Bom
Pastor (Jo 10.11-16; 1 Pe 2.25; 5.2-41).
Segundo o NT, os pastores eram escolhidos pela igreja através da orientação do
Espírito concedida à igreja.




Doutores ou Mestres:

    Os mestres são aqueles que têm de Deus um dom especial para esclarecer,
expor e proclamar a Palavra de Deus, a fim de edificar o corpo de Cristo (Ef 4.12).
13

  A missão dos mestres bíblicos é defender e preservar, mediante a ajuda do
Espírito Santo, o evangelho que lhes foi confiado (2 Tm 1.11-14). Tendo o dever de
fielmente conduzir a igreja à revelação bíblica e à mensagem original de Cristo e
dos apóstolos, e nisto perseverar.
Os mestres são essenciais ao propósito de Deus para a igreja. A igreja que rejeita,
ou se descuida de um ensino teológico fiel à revelação bíblica, não se preocupará
pela autenticidade e qualidade da mensagem bíblica nem pela interpretação
correta dos ensinos bíblicos.

→ A idéia do ensino através dos mestres e doutores: É fazer com que a igreja veja à
bíblia como Palavra de Deus e autoridade suprema.

Lição 04



Perspectiva Geral 1ªCo.12.1-11

Uma das maneiras do Espírito Santo manifestar-se é através de uma variedade de
dons espirituais concedidos aos crentes (1ªCo.12.7-11). Essas manifestações do
Espírito visam à edificação e à santificação da igreja (1ªCo.12.7; 14.26). Esses dons
e ministérios não são os mesmos de Rm 12.6-8 e Ef 4.11.
Mediante os quais o crente recebe poder e capacidade para servir na igreja de
modo mais permanente. A lista em 1ª Co.12.8-10 não é completa. Os dons aí
tratados podem operar em conjunto, e de diferentes maneiras.

V.1-3 visão geral; isto é, o que a igreja precisa saber a respeito de antemão. Por
isto o termo “ignorante”.
O culto pentecostal não é um êxtase espiritual. 1ªCo.14.32;Tg.3.12

V.4-6 A partilha do Espírito visa a unidade e a harmonia da igreja. Essa partilha e
dada pela graça divina e não por mérito.

V.7 o termo manifestação significa o AGIR do Espírito santo.


Os Dons Espirituais

Em 1ª Co 12.8-10, o apóstolo Paulo apresenta uma diversidade de dons que o
Espírito Santo concede aos crentes. Nesta passagem, ele não descreve as
características desses dons, mas noutros trechos das Escrituras temos ensino sobre
os mesmos.

V.8 Palavra da Sabedoria . Trata-se de uma mensagem vocal sábia, enunciada
mediante a operação sobrenatural do Espírito Santo. Tal mensagem aplica a
revelação da Palavra de Deus ou a sabedoria do Espírito Santo a uma situação ou
problema específico (At 6.10; 15.13-22). É este o dom que devemos usar quando
temos decisões difíceis para tomar e problemas árduos para resolver. Mt. 10.19
O rei Salomão foi agraciado com esse dom quando teve de julgar qual das
mulheres era a mãe da criança. 1ºRs.3.16-28
14



Palavra do Conhecimento. Trata-se de uma mensagem vocal, inspirada pelo
Espírito Santo, revelando conhecimento a respeito de pessoas, de circunstâncias,
ou de verdades bíblicas. Freqüentemente, este dom tem estreito relacionamento
com o de profecia (At 5.1-10; 1ªCo. 14.24,25).

V.9 Dom da Fé. Não se trata da fé para salvação, mas de uma fé sobrenatural
especial, comunicada pelo Espírito Santo, capacitando o crente a crer em Deus
para a realização de coisas extraordinárias e milagrosas. É a fé que remove
montanhas (1ªCo.13.2) e que freqüentemente opera em conjunto com outras
manifestações do Espírito, tais como as curas e os milagres (Mt 17.20; Mc 11.22-24;
Lc 17.6).

Dons de Curas. Esses dons são concedidos à igreja para a restauração da saúde
física, por meios divinos e sobrenaturais (Mt 4.23-25; 10.1; At 3.6-8; 4.30). O plural
(“dons”) indica curas de diferentes enfermidades e sugere que cada ato de cura
vem de um dom especial de Deus. Os dons de curas não são concedidos a todos os
membros do corpo de Cristo (cf. 1ª Co. 12.11,30), todavia, todos eles podem orar
pelos enfermos. Havendo fé, os enfermos serão curados.

→ Cura Divina: É a 3ª doutrina da IEQ, E como tal, não pode ser negligenciada
por aqueles que ministram o Evangelho.
A enfermidade teve origem com o pecado no inicio. Gn.3
A ordem da enfermidade: física, espiritual e disciplinar.
A cura divina revela a vontade de Deus Pai. Lc.4.18; Lc.5.12,13
A cura divina esta relacionada ao sacrifício de Jesus. Is.53
A cura divina e perdão de pecados caminham juntos. Êx. 15.26; Sl.103.2,3 e
Tg.5.15
Deus também cura por meio dos remédios – O modo mais comum em todos os
tempos; não é pecado nem falta de fé usar remédios.
Nem toda cura é divina.

V.10. Dom de Operação de Milagres. Trata-se de atos sobrenaturais de poder, que
intervêm nas leis da natureza. Incluem atos divinos em que se manifesta o reino de
Deus contra Satanás e os espíritos malignos (Jo 6.2).

Dom de Profecia. É preciso distinguir a profecia aqui mencionada, como
manifestação momentânea do Espírito da profecia sobre o profeta cf. Ef 4.11.
Como manifestação do Espírito, a profecia está potencialmente disponível a todo
cristão cheio dEle (At 2.16-18).

Quanto à profecia, como manifestação do Espírito, observe o seguinte:

(a) Trata-se de um dom que capacita o crente a transmitir uma palavra ou
revelação diretamente de Deus, sob o impulso do Espírito Santo (1ªCo.14.24,25,
29-31). Aqui, não se trata da entrega de sermão previamente preparado.
(b) Tanto no AT, como no NT, profetizar não é primariamente predizer o futuro,
mas proclamar a vontade de Deus e exortar e levar o seu povo à retidão, à
fidelidade e à paciência (1ªCo.14.3).
15

(c) A mensagem profética pode desmascarar a condição do coração de uma pessoa
(1ªCo.14.25), ou prover edificação, exortação, consolo, advertência e julgamento
(1ªCo.14.3, 25,26, 31).
(d) A igreja não deve ter como infalível toda profecia deste tipo, porque muitos
falsos profetas estarão na igreja (1ªJo 4.1). Daí, toda profecia deve ser julgada
quanto à sua autenticidade e conteúdo (1ªCo.14.29, 32; 1ªTs 5.20,21). Ela deverá
enquadrar-se na Palavra de Deus (1ªJo 4.1), contribuir para a santidade de vida
dos ouvintes e ser transmitida por alguém que de fato vive submisso e obediente a
Cristo (1ªCo.12.3).
 (e) O dom de profecia manifesta-se segundo a vontade de Deus e não a do homem.
Não há no NT um só texto mostrando que a igreja de então buscava revelação ou
orientação através dos profetas. A mensagem profética ocorria na igreja somente
quando Deus tomava o profeta para isso (1ªCo.12.11).

Discernimento de Espíritos. Trata-se de uma dotação especial dada pelo Espírito,
para o portador do dom discernir e julgar corretamente as profecias e distinguir se
uma mensagem provém do Espírito Santo ou não (1ªCo.14.29; 1ªJo 4.1). No fim dos
tempos, quando os falsos mestres (Mt 24.5) e a distorção do cristianismo bíblico
aumentarão muito (1ªTm 4.1), esse dom espiritual será extremamente importante
para a igreja.

→ Pode um crente batizado com o Espírito Santo ser possuído por demônios?

Dom de Variedades de Línguas. No tocante às “línguas” como manifestação
sobrenatural do Espírito, notemos os seguintes fatos:
(a) Essas línguas podem ser humanas e vivas (At 2.4-6), ou uma língua
desconhecida na terra, e.g., “línguas... dos anjos” (1ªCo.13.1). A língua falada
através deste dom não é aprendida, e quase sempre não é entendida, tanto por
quem fala (1ªCo.14.14), como pelos ouvintes (1ªCo.14.16).
(b) O falar noutras línguas como dom abrange o espírito do homem e o Espírito de
Deus, que entrando em mútua comunhão, faculta ao crente a comunicação direta
com Deus (i.e., na oração, no louvor, no bendizer e na ação de graças),
expressando-se através do espírito mais do que da mente (1ªCo.14.2, 14) e orando
por si mesmo ou pelo próximo sob a influência direta do Espírito Santo, à parte da
atividade da mente (cf. 1ªCo.14.2, 15, 28; Jd 20).
(c) Línguas estranhas faladas no culto devem ser seguidas de sua interpretação,
também pelo Espírito, para que a congregação conheça o conteúdo e o significado
da mensagem (1ªCo.14.3, 27,28). Ela pode conter revelação, advertência, profecia
ou ensino para a igreja (cf. 1ªCo.14.6).
(d) Deve haver ordem quanto ao falar em línguas em voz alta durante o culto.
Quem fala em línguas pelo Espírito, nunca fica em “êxtase” ou “fora de controle”
(1ªCo.14.27,28).

Interpretação de Línguas. Trata-se da capacidade concedida pelo Espírito Santo,
para o portador deste dom compreender e transmitir o significado de uma
mensagem dada em línguas. Tal mensagem interpretada para a igreja reunida,
pode conter ensino sobre a adoração e a oração, ou pode ser uma profecia. Toda a
congregação pode assim desfrutar dessa revelação vinda do Espírito Santo. A
interpretação de uma mensagem em línguas pode ser um meio de edificação da
congregação inteira, pois toda ela recebe a mensagem (1ªCo.14.6, 13, 26). A
16

interpretação pode vir através de quem deu a mensagem em línguas, ou de outra
pessoa. Quem fala em línguas deve orar para que possa interpretá-las (1ªCo.14.13).


Lição 05



A NECESSIDADE DO AMOR (1ªCo.13.1-3)


O contraste neste capítulo é entre os dons espirituais sem amor e os dons
espirituais com amor. Paulo demonstra que o amor é visto em ação, especialmente
no dom de Deus. Paulo não degrada os dons, nem diz que o amor é melhor que os
dons.

→ O ponto é que sem amor os melhores dons perdem sua apropriada eficácia,
valor e recompensa.

O amor é sofredor (paciente) para com as pessoas que nos provocam ou ferem. Não
permite que surjam ressentimentos, mesmo quando os males assolam. Ele caminha
a segunda milha, oferece a outra face, suporta o insulto, é paciente com os que
discordam, ou escarnecem, ou zombam (Mt 5.39,41).

O amor não é invejoso, nunca tem ciúmes, nunca expressa má vontade, malícia ou
mau humor. Seu coração é muito grande para se ocupar com insignificâncias, ou
rivalidade, ou competições provocadas por ciúmes.

O amor não se ensoberbece, não é orgulhoso, inchado ou convencido, buscando sua
própria honra.

O amor não se porta com indecência, desonra ou vergonhosamente; nunca é rude
ou impróprio. Jesus era um perfeito cavalheiro.

O amor não busca os seus interesses, não é egoísta, cobiçoso ou avararento.

O amor não se irrita. O amor não se enfurece, pouco importando as circunstâncias.

O amor não folga com a injustiça, com o mal, nem com a queda ou infortúnios dos
outros. O amor nunca diz “Eu te disse” ou “Bem feito”. Nem desenterra os
pecados do passado ou deseja expor ou ridicularizar os erros dos outros.

              O AMOR PRIMEIRO (1ªCo.13.8-13)


As profecias sem amor serão “suprimidas”.
As línguas sem amor “cessarão”, serão silenciadas ou acabarão. O dom espiritual
da palavra da ciência também desaparecerá, cessará.
17

→ Assim como cada crente em particular, a igreja como organismo vivo caminha
rumo ao amadurecimento, ou seja, a plenitude de Cristo.

- Temos basicamente 4 palavras gregas para se traduzir como amor. São elas: Eros
(físico, sexual), Storge (familiar), Philos (amizade) e Ágape (amor incondicional).

Eros - Sentimento entre duas pessoas

Philos - Amor Amizade. É aquilo que sentimos pelos outros.

Ágape - Amor que devora, amor incondicional.

Ágape é o amor total, o amor que devora quem experimenta. Quem conhece
Ágape, vê que nada mais neste mundo tem importância, apenas amar.

Este foi o amor que Jesus sentiu pela humanidade, e foi tão grande que sacudiu as
estrelas e mudou o curso da história. Sua vida solitária conseguiu fazer o que reis,
exércitos e impérios não conseguiram.

FALAR EM LÍNGUAS OU PROFETIZAR. 1ªCo.14

A exemplo dos instrumentos que precisam ser afinados. Assim, também a igreja
precisa ser orientada sobre os Dons.
As línguas: Edificam os homens.
As Profecias: Edificam a Igreja.
Seja tudo para a EDIFICAÇÃO. 1ªCo.14.26;
Com ORDEM e DECÊNCIA. 1ªCo.14.40



                               BIBLIOGRAFIA


HORTON, S.M - Teologia Sistemática. CPAD
                Rio de Janeiro – RJ – 1996
MENZIES, W.W – Doutrinas Bíblicas. CPAD
                Rio de Janeiro – RJ – 1995
STAMPS, D.C - Bíblia de estudo Pentecostal. CPAD
                Rio de Janeiro – RJ – 1995
DUFFIELD, G.P – Fundamento da Teologia Pentecostal. Vol.II. Editora
Quadrangular.   São Paulo – SP – 2000


Elaborada pelo Pr Rubens Bastos. Teólogo e Membro do Conselho Federal e
Regional de Teologia do RJ. Mat. 877/0-07.
18

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Intercessão e batalha espiritual
Intercessão e batalha espiritualIntercessão e batalha espiritual
Intercessão e batalha espiritual
Marcos Fernando Moreira
 
Batalha espiritual
Batalha espiritualBatalha espiritual
Batalha espiritual
Carlos Cirleno Neves
 
Dons espirituais
Dons espirituaisDons espirituais
Dons espirituais
Dagmar Wendt
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
Ednilson do Valle
 
Batismo nas águas
Batismo nas águasBatismo nas águas
Batismo nas águas
Pr Neto
 
Treinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliaresTreinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliares
Carlos Cirleno Neves
 
Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]
Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]
Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]
TH
 
Lição 1 - O que é Ética Cristã
Lição 1 - O que é Ética Cristã Lição 1 - O que é Ética Cristã
Lição 1 - O que é Ética Cristã
Éder Tomé
 
Dons do espirito santo
Dons do espirito santoDons do espirito santo
Dons do espirito santo
WebExecutivo1
 
Arrependimento e fe para salvacao
Arrependimento e fe para salvacaoArrependimento e fe para salvacao
Arrependimento e fe para salvacao
Jessé Lopes
 
Lição 10ª Dons espirituais
Lição 10ª Dons espirituaisLição 10ª Dons espirituais
Lição 10ª Dons espirituais
Igreja Presbiteriana Zona Sul
 
Dons do Espírito Santo
Dons do Espírito SantoDons do Espírito Santo
Dons do Espírito Santo
Rogério Nunes
 
Pregação crescimento Espiritual
Pregação crescimento EspiritualPregação crescimento Espiritual
Pregação crescimento Espiritual
suzyanne2010
 
MISSIOLOGIA - IBADEP - LIÇÃO 1
MISSIOLOGIA - IBADEP - LIÇÃO 1MISSIOLOGIA - IBADEP - LIÇÃO 1
MISSIOLOGIA - IBADEP - LIÇÃO 1
Natalino das Neves Neves
 
O desafio de ser um cristão contemporâneo,
O desafio de ser um cristão contemporâneo,O desafio de ser um cristão contemporâneo,
O desafio de ser um cristão contemporâneo,
Felicio Araujo
 
Evangelismo e Discipulado - Pr. Jonas Freitas de Jesus
Evangelismo e Discipulado - Pr. Jonas Freitas de JesusEvangelismo e Discipulado - Pr. Jonas Freitas de Jesus
Evangelismo e Discipulado - Pr. Jonas Freitas de Jesus
jonasfreitasdejesus
 
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristãLição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
Joanilson França Garcia
 
12 LIÇÕES DO DISCIPULADO - NOVA.pdf
12 LIÇÕES DO DISCIPULADO - NOVA.pdf12 LIÇÕES DO DISCIPULADO - NOVA.pdf
12 LIÇÕES DO DISCIPULADO - NOVA.pdf
SEDUC-PA
 
Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - IntroduçãoSeitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Luan Almeida
 
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
Moisés Sampaio
 

Mais procurados (20)

Intercessão e batalha espiritual
Intercessão e batalha espiritualIntercessão e batalha espiritual
Intercessão e batalha espiritual
 
Batalha espiritual
Batalha espiritualBatalha espiritual
Batalha espiritual
 
Dons espirituais
Dons espirituaisDons espirituais
Dons espirituais
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
 
Batismo nas águas
Batismo nas águasBatismo nas águas
Batismo nas águas
 
Treinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliaresTreinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliares
 
Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]
Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]
Aula #001 Dons do Espírito Santo[2011]
 
Lição 1 - O que é Ética Cristã
Lição 1 - O que é Ética Cristã Lição 1 - O que é Ética Cristã
Lição 1 - O que é Ética Cristã
 
Dons do espirito santo
Dons do espirito santoDons do espirito santo
Dons do espirito santo
 
Arrependimento e fe para salvacao
Arrependimento e fe para salvacaoArrependimento e fe para salvacao
Arrependimento e fe para salvacao
 
Lição 10ª Dons espirituais
Lição 10ª Dons espirituaisLição 10ª Dons espirituais
Lição 10ª Dons espirituais
 
Dons do Espírito Santo
Dons do Espírito SantoDons do Espírito Santo
Dons do Espírito Santo
 
Pregação crescimento Espiritual
Pregação crescimento EspiritualPregação crescimento Espiritual
Pregação crescimento Espiritual
 
MISSIOLOGIA - IBADEP - LIÇÃO 1
MISSIOLOGIA - IBADEP - LIÇÃO 1MISSIOLOGIA - IBADEP - LIÇÃO 1
MISSIOLOGIA - IBADEP - LIÇÃO 1
 
O desafio de ser um cristão contemporâneo,
O desafio de ser um cristão contemporâneo,O desafio de ser um cristão contemporâneo,
O desafio de ser um cristão contemporâneo,
 
Evangelismo e Discipulado - Pr. Jonas Freitas de Jesus
Evangelismo e Discipulado - Pr. Jonas Freitas de JesusEvangelismo e Discipulado - Pr. Jonas Freitas de Jesus
Evangelismo e Discipulado - Pr. Jonas Freitas de Jesus
 
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristãLição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
 
12 LIÇÕES DO DISCIPULADO - NOVA.pdf
12 LIÇÕES DO DISCIPULADO - NOVA.pdf12 LIÇÕES DO DISCIPULADO - NOVA.pdf
12 LIÇÕES DO DISCIPULADO - NOVA.pdf
 
Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - IntroduçãoSeitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
 
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
 

Semelhante a Apostila de dons espirituais

Lição 2 o proposito dos dons espirituais
Lição 2 o proposito dos dons espirituaisLição 2 o proposito dos dons espirituais
Lição 2 o proposito dos dons espirituais
pralucianaevangelista
 
Lição 12 - Dons Espirituais
Lição 12 - Dons EspirituaisLição 12 - Dons Espirituais
Lição 12 - Dons Espirituais
Márcio Pereira
 
A evidência e a atualidade dos dons espirituais (parte final)
A evidência e a atualidade dos dons espirituais (parte final)A evidência e a atualidade dos dons espirituais (parte final)
A evidência e a atualidade dos dons espirituais (parte final)
Instituto Teológico Gamaliel
 
Dons e ministerios
Dons e ministeriosDons e ministerios
Dons e ministerios
Wellington Pires
 
Donsespirituais pg
Donsespirituais pgDonsespirituais pg
Lição 2 os propósitos dos dons espirituais
Lição 2 os propósitos dos dons espirituaisLição 2 os propósitos dos dons espirituais
Lição 2 os propósitos dos dons espirituais
Pr. Andre Luiz
 
Lição 13 - A atualidade dos dons espirituaisl
Lição 13 - A atualidade dos dons espirituaislLição 13 - A atualidade dos dons espirituaisl
Lição 13 - A atualidade dos dons espirituaisl
Éder Tomé
 
Conheçam os Dons do Espírito Santo.pptx
Conheçam  os Dons do Espírito Santo.pptxConheçam  os Dons do Espírito Santo.pptx
Conheçam os Dons do Espírito Santo.pptx
Claudio Rivelle
 
Qvcc 02 - O Que São Dons Espirituais - A Vontade de Deus para Cada um
Qvcc   02 - O Que São Dons Espirituais - A Vontade de Deus para Cada umQvcc   02 - O Que São Dons Espirituais - A Vontade de Deus para Cada um
Qvcc 02 - O Que São Dons Espirituais - A Vontade de Deus para Cada um
Cleudson Corrêa
 
Os meios da graça
Os meios da graçaOs meios da graça
Os meios da graça
Guilherme Souza Oliveira
 
Lição 08- A Igreja e Os Dons Espirituais
Lição 08- A Igreja e Os Dons EspirituaisLição 08- A Igreja e Os Dons Espirituais
Lição 08- A Igreja e Os Dons Espirituais
Maxsuel Aquino
 
Estudo biblico 24 dons espirituais - part2
Estudo biblico 24  dons espirituais - part2Estudo biblico 24  dons espirituais - part2
Estudo biblico 24 dons espirituais - part2
Edilson Jose Barbosa Barbosa
 
Lição 2 o propósito dos dons espirituais
Lição 2   o  propósito dos dons espirituaisLição 2   o  propósito dos dons espirituais
Lição 2 o propósito dos dons espirituais
Ismael Isidio
 
ESTUDO 02 - A IGREJA - DIVERSIDADE NA UNIDADE.docx
ESTUDO 02 - A IGREJA - DIVERSIDADE NA UNIDADE.docxESTUDO 02 - A IGREJA - DIVERSIDADE NA UNIDADE.docx
ESTUDO 02 - A IGREJA - DIVERSIDADE NA UNIDADE.docx
ssusere38a4a
 
O que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely Lage
O que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely LageO que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely Lage
O que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely Lage
Igreja Presbiteriana Renovada de Castelo Branco
 
Licao 1 - 2T - 2021 - CPAD.pptx
Licao 1 - 2T - 2021 - CPAD.pptxLicao 1 - 2T - 2021 - CPAD.pptx
Licao 1 - 2T - 2021 - CPAD.pptx
DassayevSilva
 
Meios de graça na igreja
Meios de graça na igrejaMeios de graça na igreja
Meios de graça na igreja
Ivan Barreto
 
Meios de graça na igreja
Meios de graça na igrejaMeios de graça na igreja
Meios de graça na igreja
Ivan Barreto
 
Dons espirituais
Dons espirituaisDons espirituais
Dons espirituais
Pr Pedro
 
Dons-Espirituais-Ministeriais-Assistenciais.pdf
Dons-Espirituais-Ministeriais-Assistenciais.pdfDons-Espirituais-Ministeriais-Assistenciais.pdf
Dons-Espirituais-Ministeriais-Assistenciais.pdf
Pecador Confesso
 

Semelhante a Apostila de dons espirituais (20)

Lição 2 o proposito dos dons espirituais
Lição 2 o proposito dos dons espirituaisLição 2 o proposito dos dons espirituais
Lição 2 o proposito dos dons espirituais
 
Lição 12 - Dons Espirituais
Lição 12 - Dons EspirituaisLição 12 - Dons Espirituais
Lição 12 - Dons Espirituais
 
A evidência e a atualidade dos dons espirituais (parte final)
A evidência e a atualidade dos dons espirituais (parte final)A evidência e a atualidade dos dons espirituais (parte final)
A evidência e a atualidade dos dons espirituais (parte final)
 
Dons e ministerios
Dons e ministeriosDons e ministerios
Dons e ministerios
 
Donsespirituais pg
Donsespirituais pgDonsespirituais pg
Donsespirituais pg
 
Lição 2 os propósitos dos dons espirituais
Lição 2 os propósitos dos dons espirituaisLição 2 os propósitos dos dons espirituais
Lição 2 os propósitos dos dons espirituais
 
Lição 13 - A atualidade dos dons espirituaisl
Lição 13 - A atualidade dos dons espirituaislLição 13 - A atualidade dos dons espirituaisl
Lição 13 - A atualidade dos dons espirituaisl
 
Conheçam os Dons do Espírito Santo.pptx
Conheçam  os Dons do Espírito Santo.pptxConheçam  os Dons do Espírito Santo.pptx
Conheçam os Dons do Espírito Santo.pptx
 
Qvcc 02 - O Que São Dons Espirituais - A Vontade de Deus para Cada um
Qvcc   02 - O Que São Dons Espirituais - A Vontade de Deus para Cada umQvcc   02 - O Que São Dons Espirituais - A Vontade de Deus para Cada um
Qvcc 02 - O Que São Dons Espirituais - A Vontade de Deus para Cada um
 
Os meios da graça
Os meios da graçaOs meios da graça
Os meios da graça
 
Lição 08- A Igreja e Os Dons Espirituais
Lição 08- A Igreja e Os Dons EspirituaisLição 08- A Igreja e Os Dons Espirituais
Lição 08- A Igreja e Os Dons Espirituais
 
Estudo biblico 24 dons espirituais - part2
Estudo biblico 24  dons espirituais - part2Estudo biblico 24  dons espirituais - part2
Estudo biblico 24 dons espirituais - part2
 
Lição 2 o propósito dos dons espirituais
Lição 2   o  propósito dos dons espirituaisLição 2   o  propósito dos dons espirituais
Lição 2 o propósito dos dons espirituais
 
ESTUDO 02 - A IGREJA - DIVERSIDADE NA UNIDADE.docx
ESTUDO 02 - A IGREJA - DIVERSIDADE NA UNIDADE.docxESTUDO 02 - A IGREJA - DIVERSIDADE NA UNIDADE.docx
ESTUDO 02 - A IGREJA - DIVERSIDADE NA UNIDADE.docx
 
O que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely Lage
O que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely LageO que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely Lage
O que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely Lage
 
Licao 1 - 2T - 2021 - CPAD.pptx
Licao 1 - 2T - 2021 - CPAD.pptxLicao 1 - 2T - 2021 - CPAD.pptx
Licao 1 - 2T - 2021 - CPAD.pptx
 
Meios de graça na igreja
Meios de graça na igrejaMeios de graça na igreja
Meios de graça na igreja
 
Meios de graça na igreja
Meios de graça na igrejaMeios de graça na igreja
Meios de graça na igreja
 
Dons espirituais
Dons espirituaisDons espirituais
Dons espirituais
 
Dons-Espirituais-Ministeriais-Assistenciais.pdf
Dons-Espirituais-Ministeriais-Assistenciais.pdfDons-Espirituais-Ministeriais-Assistenciais.pdf
Dons-Espirituais-Ministeriais-Assistenciais.pdf
 

Apostila de dons espirituais

  • 1. 1 Apostila de Dons Espirituais e Dons do Espírito
  • 2. 2 A Igreja Cristã e os Dons Espirituais Rom.12.3-8. Rom.12.2b Para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. A igreja é a base para o derramamento dos dons espirituais. At. 2 É pela igreja “não é o espaço físico” que Deus opera e o Espírito Santo age. A historia confirma o uso dos dons através da igreja. É na diversidade própria de cada cultura que há uma unidade na Palavra e no Espírito. “Multiforme Graça de Deus” ● O que é a igreja: É o espaço físico no qual os crentes em Jesus Cristo se reúnem. É corpo (trabalha em harmonia) místico de Jesus onde Ele é o cabeça (Senhor absoluto). Assim sendo, que ousa se apresentar como Igreja do Senhor, mas rejeita o Seu Senhorio, Comando, está se enganando, não é Igreja. ● A igreja hoje: → Aponta para o passado . No propósito de Deus na Criação de Habitar com o homem. Gn.3.8 → No presente . É uma extensão do Reino dos Céus. Onde Deus cumpri seu propósito. “De tornar a congregar em Cristo todas as coisas”. Ef.1.10. → Sinaliza para o futuro. Onde viveremos com ele para toda a eternidade. Apoc. 21.3 ● Quem é a igreja? Somos nós. ● Quem pode pertencer a igreja? Todos, a igreja é multicultural.
  • 3. 3 ● Qual o requisito? Crer e ser batizado. Mc.16.16 Ex: Assim como não existe como pessoa um individuo que não possui uma certidão de nascimento. Também não existe como cristão quem não pertence ao corpo de Cristo. → Uma coisa e se reunir para fazer uma oração. Outra bem diferente é se reunir para congregar. Hb.10. 25 A igreja também é um marco fundamental neste mundo do poder de Deus sobre o diabo. Ef.3.10 ● O que significa ser um cristão O verdadeiro significado da palavra “cristão” não está tanto neste lindo apelido. Está na pessoa que aceita Jesus como seu salvador e vive dignamente como um verdadeiro discípulo do Senhor Jesus Cristo. O apelido “cristão” surgiu pela primeira vez na cidade de Antioquia em referencia aos discípulos de Cristo naquela cidade At 11,26.. E este apelido referia-se aos crentes que andavam de uma forma digna. O termo hoje é bem diferente do significado usado nas escrituras. Hoje, qualquer um que segue uma religião denominada “cristã”, acha se no direito de dizer que é um cristão. O que violenta um principio bíblico fundamental. Quem segue a Cristo se parece com Ele. Dons Naturais/Espirituais “Todo movimento de renovação espiritual, para ser legítimo, precisa aceitar e pôr em prática, de forma irrestrita, as doutrinas bíblicas relacionadas à ação do Espírito Santo”. ● São dons naturais Definindo a palavra dons : dádiva, dote natural, merecimento, privilégio, poder, etc... alguns casos de dons naturais na bíblia , usando a palavra dote natural ou habilidade. No jardim do Éden , o senhor Deus colocou Adão para lavrar e guardar a terra Gn:2:15 Jubal , tinha extraordinária habilidade para fabricar instrumentos musicais. Gn:4.21
  • 4. 4 Ainda lemos no livro de Ex. 35:31-32 , que : O Espírito de Deus encheu homens de habilidade ; inteligência e conhecimento em todo artifício . Para inventar obras artísticas; para trabalhar em ouro; em prata e em bronze . Neste texto nós vemos que o próprio Deus encheu-os de habilidade naturais para que trabalhassem na construção de objetos para o Tabernáculo do senhor. Mas esse enchimento de Deus sobre esses homens ; não foi com dons espirituais , mas sim com dons naturais para realizarem uma tarefa especifica . ● São dons espirituais Recursos extraordinário que o senhor Jesus Cristo , colocou a disposição da igreja , mediante a ação do Espírito Santo pelo Batismo, com os seguintes propósitos : • aperfeiçoamento dos santos Ef. 4:12 • A ampliação do conhecimento , do poder para a proclamação da palavra de Deus pelo seu povo. Os dons do Espírito são ferramentas que o Espírito de Deus entrega aos crentes, conforme sua vontade e propósito, sempre visando à edificação do Corpo de Cristo. É através dos dons que o Espírito Santo opera de forma harmônica, para o bem estar da igreja local. Todo crente possui um Dom. I PE.4.10 A cada membro do corpo de Cristo é dada uma capacidade específica para o serviço. → O desejo de Deus é que cada membro possua um ministério. Que saiba para que foi chamado. Um membro que não funciona é um corpo doente! “Nem todo crente sabe o dom que possui” Os dons não tem uma finalidade pessoal particular, mas são para o beneficio da comunidade cristã. Fruto do Espírito Assim como existe diferença entre dons naturais e espirituais, também há diferença entre fruto do Espírito e dom do Espírito. ● Dons do Espírito: Resultado do batismo com o Espírito Santo. Rom.12.4-18; I Co.12.
  • 5. 5 ● Fruto do Espírito: resultado do novo nascimento, onde o fruto se desenvolve gradualmente. Gal.5.22-26 → O que valida uma vida cristã são os frutos, e não o dom. Pois este é o critério básico da vida e do caráter cristão. → Não é possível escolher entre o fruto e o dom; ambos são essenciais para que a igreja seja completa. Por quê? Como pentecostais cremos no batismo com o Espírito Santo. E, como crentes em Jesus desenvolvemos o fruto do Espírito que é resultado do novo nascimento. Realizar o Trabalho em equipe: A dinâmica do ensino Lição 02 Dons do Espírito Santo Dom Espiritual para o crente Os Dons Espirituais têm o objetivo de capacitar o crente para servir a Deus e à Igreja na esfera espiritual. Todos temos um dom 1 Pe.4.10 Nem todo dom se evidencia de forma externa. Ex: Falar em línguas, profetizar e etc. Dons ministeriais para a igreja É a DISTINÇÃO ESPECIAL concedida por Deus que marca, separa e capacita alguns crentes para ministérios específicos no Reino de Deus e na Igreja Local, sendo que para isso o Espírito Santo relaciona-se com eles num grau e numa dimensão muito maior. → Os escritos de Paulo sobre Dons, não são uma ação proibitiva. Mas, orientadora que, visa o aperfeiçoamento do corpo de Cristo e o amadurecimento espiritual de seu povo. I Tes. 5.19
  • 6. 6 Rom.12. 1-8 V: 1 Culto Racional (culto não é um êxtase) Uma mente renovada. (tornar nova) V: 2 Conformeis com este mundo (tomar a forma deste) V: 3 Segundo a medida de fé. (Graça de Cristo) V: 4,5 Considerando que os dons espirituais são dados para o benefício do corpo, e eles devem ser regulados de maneira que esta finalidade seja alcançada. O preceito geral é permitir que o amor para com os outros controle as nossas ações. O amor é tão importante no exercício de dons espirituais que a maior exposição de amor na Bíblia é encontrada em meio a uma discussão sobre dons espirituais 1 Cor.13:1-13 V:6 Dom de Profecia Capacidade de dar uma mensagem ou revelação imediata de Deus para seu povo. (Porção de fé) coerência com a Palavra de Deus. Profeta é aquele que fala por outro; que entrega uma mensagem alheia. Para edificação, exortação (encorajar, aconselhar) e consolação 1 Co 14.3 Mas os profetas devem ter cuidado em falar somente aquilo que Deus mandou. “Se alguém falar, fale segundo as palavras de Deus”. 1 Pe. 4.11 Falar uma falsa profecia em nome do Senhor significa transgredir o 3º mandamento: “Não usarás o nome do Senhor em vão” Ex 20.7 Provas da profecia: ● A profecia verdadeira deve se cumprir Dt 18.21,22 ●A profecia deve estar de acordo com a Bíblia Ap 22.18,19 ● A mensagem de Deus gera paz no coração Cl 3.15 ●O Testemunho de experientes servos de Deus é útil para ajudar-nos a discernir. ● A profecia deve ser para glória de Deus e não para mostrar a espiritualidade do profeta. ● Deve ter cuidado para ser fiel à revelação recebida de Deus. ● Se a mensagem é particular, não precisa ser dada em público Mt 18.15-17 →Revelação é aquilo que Deus diz (por meio da Bíblia ou profecia). Interpretação é o que eu digo que Deus diz. Analfabetismo funcional V:7 Ministério (Serviço)
  • 7. 7 O possuidor deste dom recebe do Espírito Santo a motivação para ser um canal de benção, para uma pessoa ou um grupo. Características de quem possui este dom: ● discerne as necessidades e toma iniciativa para supri-las. ● tem o cuidado de não deixar faltar nada. ● Pontualidade ● Assume as responsabilidades Dom de Ensino É a capacidade conferida pelo Espírito Santo de comunicar informações relevantes para a saúde e o ministério do Corpo de Cristo e seus membros, fazendo-o de tal maneira que outros sejam capazes de aprender. Este dom, usualmente, é um dom que envolve tempo integral. Ao inverso de outros dons que usualmente só são utilizados ocasionalmente. → O dom de ensino merece ser destacado porque a essência da vida cristã é o aprendizado. 2 Pe. 3.18; Os. 4.6; 6.3 John Locke: Teoria da tabula rasa. Descartes: O aprendizado só é possível através do dialogo. Sendo a fala o instrumento de interação. Porém, o conteúdo dito representa apenas 7% comunicação. 55% da comunicação esta na expressão corporal (postura, gestos, contato visual). Pessoas com uma boa expressão corporal possuem maiores facilidades de interagir com outras pessoas. Restando apenas 38% pela voz. (entoação, volume, timbre) Tomas de Aquino: Somos a favor do desenvolvimento tecnológico, cientifico e continuamos a diminuir o papel da mente ou do intelecto, especialmente no âmbito religioso. Características de quem possui este dom: ● É preparado por Deus para transmitir de maneira atraente e compreensível a Palavra de Deus. ● Faz do ensino um palco onde envolve cada aluno. V:8 Dom de Exortação
  • 8. 8 É a habilidade espiritual de colocar-se ao lado de alguém com os mais variados problemas e ajudá-lo a encontrar soluções para seu caso. A pessoa com o dom de exortar coloca-se ao lado para caminhar com a outra pessoa, buscando soluções através do aconselhamento, da repreensão, da denúncia do pecado, da promoção do perdão e da reconciliação. Características de quem possui este dom: ● dirigi palavras de ânimo, encorajamento, consolo e conforto aos que se sentem espiritualmente abatidos. ● frequentemente tem um ministério de aconselhamento. ● Está sempre disponível para atender a necessidade de quem solicita. Dom de contribuição As pessoas portadoras deste dom são normalmente espontâneas e reservadas no exercício deste ministério. Não é necessário que lhe peçam para ajudar aqui ou ali, nem buscam fazê-lo publicamente, como forma de auto-promoção. Sua ação de desprendimento material é motivo de gozo e edificação espiritual. Dá porque gosta e não por constrangimento. Não está relacionado às posses materiais do seu portador. Se assim fosse, só os ricos o teriam. Os portadores deste dom têm uma habilidade toda especial de “fabricar recursos”. São capazes de emprestar dinheiro ou deixar de fazer algo para si para que possam ajudar a outros. Características de quem possui em dom: ● Sente alegria em contribuir e ser um canal de benção para a igreja e seus irmãos. ● e um patrocinador da obra missionária. Dom de Liderança O dom de liderança é aquela capacidade especial que Deus dá a certos membros do Corpo de Cristo para estabelecer alvos harmônicos com o propósito de Deus para o futuro. Todo líder precisa de seguidor. A qualidade de liderança se deve a um dom (em contraste com algum mero diploma ou poder legal), e seus seguidores o farão de forma voluntária. Os líderes dotados por Deus nem manipulam e nem coagem. Antes, geram a confiança própria de quem sabe para onde está indo e qual será o próximo passo. Características de quem possui este dom:
  • 9. 9 ● Exerce autoridade com amor e cuidado ● É uma pessoa de visão ● Tem capacidade para tomar decisões Dom de misericórdia O dom de misericórdia é a habilidade dada por Deus aos seus filhos de sentir com o outro as suas lutas, angústias, dores ou alegria. É a capacidade de chorar com os que choram e se alegrar com os que se alegram. Quem tem o dom de misericórdia tem uma sensibilidade toda especial para descobrir os aflitos e os angustiados, de colocar-se ao lado deles em solidariedade, mostrando assim, de forma concreta e palpável o amor de Cristo. É uma pessoa genuinamente preocupada com os sentimentos dos outros, sejam crentes ou não e são capazes de detectar situações, gestos, atos ou palavras que possam ter ferido alguém, colocando- se solidariamente ao lado deles. Tem grande capacidade para discernir quem é sincero ou hipócrita. Tem facilidade para relacionar-se com pessoas problemáticas, criadoras de caso ou extremamente sensíveis, pois pode entender suas motivações. Características de quem possui este dom: ● Sente se realizado quando pode fazer algo por alguém. ● Identifica se com os outros em suas tribulações. Realizar a dinâmica: O feitiço contra o feiticeiro Lição 03 Unidade do Espírito Ef.4.1-11 O que é a Unidade do Espírito:
  • 10. 10 A unidade do Espírito é o resultado proveniente da união dos desiguais. (Cultura, etnias, sexo, idade, posição social, educação e geografia). Paulo assim escreve para demonstrar que é na DIFERENÇA que formamos um corpo. O cristianismo é, sobretudo, uma religião baseada na união de todos em uma só fé. Gl. 3.27-28 A união proveniente do Espírito não tolera a conjunção entre o certo e o errado, a verdade e a mentira, a luz e a escuridão. Se não for PELA Palavra de Deus não haverá unidade cristã verdadeira. Essa unidade não depende do crente ela já existe no Espírito. Jo.17 → Essa união não é o ECUMENISMO. O que prega o movimento da Nova Era de unir todas as religiões. V. 1. Rogar: Implorar, suplicar. Andar: O verbo andar e viver são sinônimos no grego. Esta metáfora se refere ao comportamento é a conduta. O que também dá a idéia de progredir, movimentar- se em direção ao objetivo. Chegar à plena maturidade de Cristo. Gn.5.24 Digno: Aquilo que é apropriado, adequado. Só que dignidade na bíblia significa ter uma justa medida na balança. Ou seja, nem mais nem menos. Dn.5.27 Vocação: Ato de Chamar, escolha. Porém, a vocação divina é dividida em dois níveis. a) Geral: Toda humanidade e chamada ao arrependimento através do ato de Cristo na Cruz. Jo. 3.16 O caráter expiatório de Cristo é universal. Já sua aceitação é individual. b) Específica: Nem todos são chamados ao Ministério da Palavra. Esse chamado depende única e exclusivamente de Deus. Ef. 4.11 → Pregar o Evangelho é um imperativo. Para todos. Ministrar o evangelho é privilégio de alguns. → Não existe chamado sem uma missão. Toda VISÃO (chamado). Tem uma MISSÃO (objetivo). Ex:Ganhar almas. E toda missão para ser executada precisa de mão de obra qualificada. (Ministério) → Deus não chamou ninguém para conquista o mundo sozinho. Mike Murdock Nesta passagem antes de começar um discurso sobre dons ministeriais. Paulo de maneira antecipada trata dos frutos do Espírito (Gal. 5.22,23) Ou seja, sinaliza para aqueles que desejam o ministério que é preciso cultivar(desenvolver) os frutos do Espírito.
  • 11. 11 V.2 Humildade: despojamento; simplicidade. No campo bíblico a humildade é essencial para quem quer se aproximar de Deus. 1 Pe.5.5 Mansidão: Não é fraqueza. Mas, uma força controlada. Ex: Um cavalo que freado pela rédea. Longanimidade “Longo ânimo” e Suportar “Tolerância Mútua”: São virtudes essenciais para suportar os erros e fraquezas alheias. Cuja ausência impede que qualquer comunidade viva pacificamente. Amor: É a coroa de todos os dons é a soma de todas as virtudes cristã. V.3 A unidade já existe pelo Espírito. Porém, cada cristão tem a incumbência de preservá-la. Essa responsabilidade é ao mesmo tempo individual e coletiva. V.4-6 As figura ilustrativas destes versículos representam a unidade do Espírito. V.7 Graça: Não é a salvação em Cristo. É a porção individual do Dom de Cristo para o exercício do ministério. Proporção: (Medida) Aquilo que é repartido segundo a vontade daquele que distribui. V.8-10 Ilustra a vitória de Cristo sobre seus inimigos. (Sl.68.18) Como numa conquista militar ele distribui aos homens os despojos desta conquista. (Os Dons) “Cativo o cativeiro” figura do homem vendido sob o pecado. Rom.7.14 V.11 Apóstolo: Segundo o NT ninguém podia ser um apóstolo pela própria vontade ou desejo, eles deveriam ser pessoalmente chamados pelo Senhor Jesus Cristo para este ofício. (Lucas 6:13). De acordo com a bíblia (Atos 1:21-22), para que alguém se tornasse um apóstolo, era necessário ter sido testemunha ocular durante todo o ministério público de Cristo incluindo depois da Sua ressurreição. Era permitido a igreja primitiva nomear diáconos (Atos 6:5) e pastores (Atos 14:23), mas esta não podiam nomear apóstolos. Tal prerrogativa veio diretamente e tão somente de Cristo. A exemplo do apóstolo Paulo que desfrutou de um chamado único ou exclusivo. Embora ele não tivesse acompanhado Cristo durante Seu ministério público, ele viu Cristo ressuscitado e foi especialmente designado por Ele, como vemos em Gal.1.1 O ofício de apóstolo foi temporário, pois seu trabalho estava limitado ao período de estruturação da igreja. Os apóstolos originais do NT não têm sucessores. Sendo os apóstolos hoje implantadores de igrejas. Ou, um líder sobre uma denominação. Profetas:
  • 12. 12 Os profetas eram homens que falavam sob o impulso direto do Espírito Santo, e cuja motivação e interesse principais eram a vida espiritual e a pureza da igreja. Era dever do profeta do NT, assim como para o do AT, desmascarar o pecado, proclamar a justiça, advertir do juízo vindouro e combater o mundanismo e frieza espiritual entre o povo de Deus. A mensagem do profeta não deve ser considerada infalível. Ela está sujeita ao julgamento da igreja, doutros profetas e da Palavra de Deus. A congregação tem o dever de discernir e julgar o conteúdo da mensagem profética, se ela é de Deus. 1 Co 14.29-33; 1 Jo 4.1 Evangelistas: No NT, evangelistas eram homens de Deus, capacitados e comissionados por Deus para anunciar o evangelho, i.e., as boas novas da salvação aos perdidos e ajudar a estabelecer uma nova obra numa localidade. O evangelista é essencial no propósito de Deus para a igreja. A igreja que deixar de apoiar e promover o ministério evangelístico cessará de ganhar convertidos segundo o desejo de Deus. Tornar-se-á uma igreja estática, sem crescimento e indiferente à obra missionária. A igreja que reconhece o DOM ESPIRITUAL DE EVANGELISTA (não é um cargo eclesiástico) e tem amor intenso pelos perdidos proclamara a mensagem da salvação com poder convincente e redentor. At 2.14-41. Hoje em dia são poucos os Evangelistas de verdade na sua real função, de explorar campos inexplorados, buscar os que ainda não foram alcançados e entregar os convertidos aos pastores. Pastores: Os pastores são aqueles que dirigem a congregação local e cuidam das suas necessidades espirituais. A tarefa do pastor é cuidar da sã doutrina, refutar a heresia (Tt 1.9-11), ensinar a Palavra de Deus exercendo a direção da igreja local. Sua missão é salvaguardar a verdade do evangelho e o rebanho de Deus contra as falsas doutrinas e os falsos mestres que surgem dentro da igreja. (At. 20.28-31). Pastores são ministros que cuidam do rebanho, tendo como modelo Jesus, o Bom Pastor (Jo 10.11-16; 1 Pe 2.25; 5.2-41). Segundo o NT, os pastores eram escolhidos pela igreja através da orientação do Espírito concedida à igreja. Doutores ou Mestres: Os mestres são aqueles que têm de Deus um dom especial para esclarecer, expor e proclamar a Palavra de Deus, a fim de edificar o corpo de Cristo (Ef 4.12).
  • 13. 13 A missão dos mestres bíblicos é defender e preservar, mediante a ajuda do Espírito Santo, o evangelho que lhes foi confiado (2 Tm 1.11-14). Tendo o dever de fielmente conduzir a igreja à revelação bíblica e à mensagem original de Cristo e dos apóstolos, e nisto perseverar. Os mestres são essenciais ao propósito de Deus para a igreja. A igreja que rejeita, ou se descuida de um ensino teológico fiel à revelação bíblica, não se preocupará pela autenticidade e qualidade da mensagem bíblica nem pela interpretação correta dos ensinos bíblicos. → A idéia do ensino através dos mestres e doutores: É fazer com que a igreja veja à bíblia como Palavra de Deus e autoridade suprema. Lição 04 Perspectiva Geral 1ªCo.12.1-11 Uma das maneiras do Espírito Santo manifestar-se é através de uma variedade de dons espirituais concedidos aos crentes (1ªCo.12.7-11). Essas manifestações do Espírito visam à edificação e à santificação da igreja (1ªCo.12.7; 14.26). Esses dons e ministérios não são os mesmos de Rm 12.6-8 e Ef 4.11. Mediante os quais o crente recebe poder e capacidade para servir na igreja de modo mais permanente. A lista em 1ª Co.12.8-10 não é completa. Os dons aí tratados podem operar em conjunto, e de diferentes maneiras. V.1-3 visão geral; isto é, o que a igreja precisa saber a respeito de antemão. Por isto o termo “ignorante”. O culto pentecostal não é um êxtase espiritual. 1ªCo.14.32;Tg.3.12 V.4-6 A partilha do Espírito visa a unidade e a harmonia da igreja. Essa partilha e dada pela graça divina e não por mérito. V.7 o termo manifestação significa o AGIR do Espírito santo. Os Dons Espirituais Em 1ª Co 12.8-10, o apóstolo Paulo apresenta uma diversidade de dons que o Espírito Santo concede aos crentes. Nesta passagem, ele não descreve as características desses dons, mas noutros trechos das Escrituras temos ensino sobre os mesmos. V.8 Palavra da Sabedoria . Trata-se de uma mensagem vocal sábia, enunciada mediante a operação sobrenatural do Espírito Santo. Tal mensagem aplica a revelação da Palavra de Deus ou a sabedoria do Espírito Santo a uma situação ou problema específico (At 6.10; 15.13-22). É este o dom que devemos usar quando temos decisões difíceis para tomar e problemas árduos para resolver. Mt. 10.19 O rei Salomão foi agraciado com esse dom quando teve de julgar qual das mulheres era a mãe da criança. 1ºRs.3.16-28
  • 14. 14 Palavra do Conhecimento. Trata-se de uma mensagem vocal, inspirada pelo Espírito Santo, revelando conhecimento a respeito de pessoas, de circunstâncias, ou de verdades bíblicas. Freqüentemente, este dom tem estreito relacionamento com o de profecia (At 5.1-10; 1ªCo. 14.24,25). V.9 Dom da Fé. Não se trata da fé para salvação, mas de uma fé sobrenatural especial, comunicada pelo Espírito Santo, capacitando o crente a crer em Deus para a realização de coisas extraordinárias e milagrosas. É a fé que remove montanhas (1ªCo.13.2) e que freqüentemente opera em conjunto com outras manifestações do Espírito, tais como as curas e os milagres (Mt 17.20; Mc 11.22-24; Lc 17.6). Dons de Curas. Esses dons são concedidos à igreja para a restauração da saúde física, por meios divinos e sobrenaturais (Mt 4.23-25; 10.1; At 3.6-8; 4.30). O plural (“dons”) indica curas de diferentes enfermidades e sugere que cada ato de cura vem de um dom especial de Deus. Os dons de curas não são concedidos a todos os membros do corpo de Cristo (cf. 1ª Co. 12.11,30), todavia, todos eles podem orar pelos enfermos. Havendo fé, os enfermos serão curados. → Cura Divina: É a 3ª doutrina da IEQ, E como tal, não pode ser negligenciada por aqueles que ministram o Evangelho. A enfermidade teve origem com o pecado no inicio. Gn.3 A ordem da enfermidade: física, espiritual e disciplinar. A cura divina revela a vontade de Deus Pai. Lc.4.18; Lc.5.12,13 A cura divina esta relacionada ao sacrifício de Jesus. Is.53 A cura divina e perdão de pecados caminham juntos. Êx. 15.26; Sl.103.2,3 e Tg.5.15 Deus também cura por meio dos remédios – O modo mais comum em todos os tempos; não é pecado nem falta de fé usar remédios. Nem toda cura é divina. V.10. Dom de Operação de Milagres. Trata-se de atos sobrenaturais de poder, que intervêm nas leis da natureza. Incluem atos divinos em que se manifesta o reino de Deus contra Satanás e os espíritos malignos (Jo 6.2). Dom de Profecia. É preciso distinguir a profecia aqui mencionada, como manifestação momentânea do Espírito da profecia sobre o profeta cf. Ef 4.11. Como manifestação do Espírito, a profecia está potencialmente disponível a todo cristão cheio dEle (At 2.16-18). Quanto à profecia, como manifestação do Espírito, observe o seguinte: (a) Trata-se de um dom que capacita o crente a transmitir uma palavra ou revelação diretamente de Deus, sob o impulso do Espírito Santo (1ªCo.14.24,25, 29-31). Aqui, não se trata da entrega de sermão previamente preparado. (b) Tanto no AT, como no NT, profetizar não é primariamente predizer o futuro, mas proclamar a vontade de Deus e exortar e levar o seu povo à retidão, à fidelidade e à paciência (1ªCo.14.3).
  • 15. 15 (c) A mensagem profética pode desmascarar a condição do coração de uma pessoa (1ªCo.14.25), ou prover edificação, exortação, consolo, advertência e julgamento (1ªCo.14.3, 25,26, 31). (d) A igreja não deve ter como infalível toda profecia deste tipo, porque muitos falsos profetas estarão na igreja (1ªJo 4.1). Daí, toda profecia deve ser julgada quanto à sua autenticidade e conteúdo (1ªCo.14.29, 32; 1ªTs 5.20,21). Ela deverá enquadrar-se na Palavra de Deus (1ªJo 4.1), contribuir para a santidade de vida dos ouvintes e ser transmitida por alguém que de fato vive submisso e obediente a Cristo (1ªCo.12.3). (e) O dom de profecia manifesta-se segundo a vontade de Deus e não a do homem. Não há no NT um só texto mostrando que a igreja de então buscava revelação ou orientação através dos profetas. A mensagem profética ocorria na igreja somente quando Deus tomava o profeta para isso (1ªCo.12.11). Discernimento de Espíritos. Trata-se de uma dotação especial dada pelo Espírito, para o portador do dom discernir e julgar corretamente as profecias e distinguir se uma mensagem provém do Espírito Santo ou não (1ªCo.14.29; 1ªJo 4.1). No fim dos tempos, quando os falsos mestres (Mt 24.5) e a distorção do cristianismo bíblico aumentarão muito (1ªTm 4.1), esse dom espiritual será extremamente importante para a igreja. → Pode um crente batizado com o Espírito Santo ser possuído por demônios? Dom de Variedades de Línguas. No tocante às “línguas” como manifestação sobrenatural do Espírito, notemos os seguintes fatos: (a) Essas línguas podem ser humanas e vivas (At 2.4-6), ou uma língua desconhecida na terra, e.g., “línguas... dos anjos” (1ªCo.13.1). A língua falada através deste dom não é aprendida, e quase sempre não é entendida, tanto por quem fala (1ªCo.14.14), como pelos ouvintes (1ªCo.14.16). (b) O falar noutras línguas como dom abrange o espírito do homem e o Espírito de Deus, que entrando em mútua comunhão, faculta ao crente a comunicação direta com Deus (i.e., na oração, no louvor, no bendizer e na ação de graças), expressando-se através do espírito mais do que da mente (1ªCo.14.2, 14) e orando por si mesmo ou pelo próximo sob a influência direta do Espírito Santo, à parte da atividade da mente (cf. 1ªCo.14.2, 15, 28; Jd 20). (c) Línguas estranhas faladas no culto devem ser seguidas de sua interpretação, também pelo Espírito, para que a congregação conheça o conteúdo e o significado da mensagem (1ªCo.14.3, 27,28). Ela pode conter revelação, advertência, profecia ou ensino para a igreja (cf. 1ªCo.14.6). (d) Deve haver ordem quanto ao falar em línguas em voz alta durante o culto. Quem fala em línguas pelo Espírito, nunca fica em “êxtase” ou “fora de controle” (1ªCo.14.27,28). Interpretação de Línguas. Trata-se da capacidade concedida pelo Espírito Santo, para o portador deste dom compreender e transmitir o significado de uma mensagem dada em línguas. Tal mensagem interpretada para a igreja reunida, pode conter ensino sobre a adoração e a oração, ou pode ser uma profecia. Toda a congregação pode assim desfrutar dessa revelação vinda do Espírito Santo. A interpretação de uma mensagem em línguas pode ser um meio de edificação da congregação inteira, pois toda ela recebe a mensagem (1ªCo.14.6, 13, 26). A
  • 16. 16 interpretação pode vir através de quem deu a mensagem em línguas, ou de outra pessoa. Quem fala em línguas deve orar para que possa interpretá-las (1ªCo.14.13). Lição 05 A NECESSIDADE DO AMOR (1ªCo.13.1-3) O contraste neste capítulo é entre os dons espirituais sem amor e os dons espirituais com amor. Paulo demonstra que o amor é visto em ação, especialmente no dom de Deus. Paulo não degrada os dons, nem diz que o amor é melhor que os dons. → O ponto é que sem amor os melhores dons perdem sua apropriada eficácia, valor e recompensa. O amor é sofredor (paciente) para com as pessoas que nos provocam ou ferem. Não permite que surjam ressentimentos, mesmo quando os males assolam. Ele caminha a segunda milha, oferece a outra face, suporta o insulto, é paciente com os que discordam, ou escarnecem, ou zombam (Mt 5.39,41). O amor não é invejoso, nunca tem ciúmes, nunca expressa má vontade, malícia ou mau humor. Seu coração é muito grande para se ocupar com insignificâncias, ou rivalidade, ou competições provocadas por ciúmes. O amor não se ensoberbece, não é orgulhoso, inchado ou convencido, buscando sua própria honra. O amor não se porta com indecência, desonra ou vergonhosamente; nunca é rude ou impróprio. Jesus era um perfeito cavalheiro. O amor não busca os seus interesses, não é egoísta, cobiçoso ou avararento. O amor não se irrita. O amor não se enfurece, pouco importando as circunstâncias. O amor não folga com a injustiça, com o mal, nem com a queda ou infortúnios dos outros. O amor nunca diz “Eu te disse” ou “Bem feito”. Nem desenterra os pecados do passado ou deseja expor ou ridicularizar os erros dos outros. O AMOR PRIMEIRO (1ªCo.13.8-13) As profecias sem amor serão “suprimidas”. As línguas sem amor “cessarão”, serão silenciadas ou acabarão. O dom espiritual da palavra da ciência também desaparecerá, cessará.
  • 17. 17 → Assim como cada crente em particular, a igreja como organismo vivo caminha rumo ao amadurecimento, ou seja, a plenitude de Cristo. - Temos basicamente 4 palavras gregas para se traduzir como amor. São elas: Eros (físico, sexual), Storge (familiar), Philos (amizade) e Ágape (amor incondicional). Eros - Sentimento entre duas pessoas Philos - Amor Amizade. É aquilo que sentimos pelos outros. Ágape - Amor que devora, amor incondicional. Ágape é o amor total, o amor que devora quem experimenta. Quem conhece Ágape, vê que nada mais neste mundo tem importância, apenas amar. Este foi o amor que Jesus sentiu pela humanidade, e foi tão grande que sacudiu as estrelas e mudou o curso da história. Sua vida solitária conseguiu fazer o que reis, exércitos e impérios não conseguiram. FALAR EM LÍNGUAS OU PROFETIZAR. 1ªCo.14 A exemplo dos instrumentos que precisam ser afinados. Assim, também a igreja precisa ser orientada sobre os Dons. As línguas: Edificam os homens. As Profecias: Edificam a Igreja. Seja tudo para a EDIFICAÇÃO. 1ªCo.14.26; Com ORDEM e DECÊNCIA. 1ªCo.14.40 BIBLIOGRAFIA HORTON, S.M - Teologia Sistemática. CPAD Rio de Janeiro – RJ – 1996 MENZIES, W.W – Doutrinas Bíblicas. CPAD Rio de Janeiro – RJ – 1995 STAMPS, D.C - Bíblia de estudo Pentecostal. CPAD Rio de Janeiro – RJ – 1995 DUFFIELD, G.P – Fundamento da Teologia Pentecostal. Vol.II. Editora Quadrangular. São Paulo – SP – 2000 Elaborada pelo Pr Rubens Bastos. Teólogo e Membro do Conselho Federal e Regional de Teologia do RJ. Mat. 877/0-07.
  • 18. 18