SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
ESTUDO DAS FALHAS
Nomenclatura das Falhas
A determinação do nome a ser utilizado para uma
determinada falha implica no conhecimento da
direção exata e do sentido do movimento relativo
dos compartimentos. Esta determinação é
impossível em duas dimensões e a figura à direita
mostra que uma falha transcorrente pode, num
plano vertical, parecer uma falha vertical.
Neste caso, utiliza-se o termo separação antes do
nome da falha (no exemplo ao lado, falha
transcorrente sinistral com separação vertical),
para caracterizar que se trata de uma classificação
visual da falha, baseada num rejeito aparente.
Terminologia complementar
É possível observar no perfil vertical
à esquerda, que as falhas normais
podem provocar a omissão de
camadas enquanto que as falhas
inversas podem provocar a sua
duplicação. As primeiras são ditas
subtrativas, as últimas sendo
aditivas.
As falhas que provocam uma
diminuição global do comprimento das camadas paralelamente à estratificação são
falhas contracionais e as falhas que provocam um aumento global do comprimento
das camadas paralelamente à estratificação são falhas extensionais.
Quando uma falha inclinada recorta camadas
também inclinadas, a falha é dita conforme
(a) quando o seu plano e a camada
mergulham na mesma direção, e contrária
(b) quando eles mergulham em sentido
oposto.
Falhas que apresentam uma rotação interna (que
caracteriza o movimento relativo dos blocos) e
externa (que caracteriza a rotação das camadas)
idênticas são falhas sintéticas (b). Quando
rotações interna e externa são de sentidos
contrários, as falhas são antitéticas (a).
Determinação do sentido do movimento das falhas
A determinação da direção do movimento relativo dos compartimentos de falha é
geralmente possível com a utilização das estrias. O sentido do movimento ao longo
desta direção pode ser identificado utilizando-se vários indicadores. Os principais
critérios que podem ser utilizados com esta finalidade estão representados nas figuras
a seguir.
Deslocamento relativo de um marcador: é a situação mais
simples. Observa-se, de cada lado do plano de ruptura, um
mesmo objeto (p. ex. uma camada), deslocado pelo
falhamento, como na figura ao lado, que exibe um seixo
deslocado por uma falha. É, entretanto, necessário ter um
grande cuidado: num plano, observa-se apenas um rejeito
aparente que não pode corresponder à realidade.
Dobras de arrasto (ou drag folds)
As dobras de arrasto são feições que acompanham frequentemente falhas que afetam
materiais de plasticidade limitada (p. ex. ao se aproximar da transição rúptil/dúctil). A
deformação inicia-se por um encurvamento das camadas e evolui posteriormente para
uma ruptura. A forma da dobra de arrasto caracteriza o sentido do deslocamento.
Tectóglifos
Na ausência dos dois critérios anteriores, são utilizadas feições associadas ao plano de
falha: os tectóglifos ou marcas tectônicas. A literatura geológica é rica em exemplos
destas feições; entretanto, elas são de observação às vezes difícil e de interpretação
frequentemente ambígua. A observação de critérios diversificados em vários planos
cogenéticos é recomendada para se chegar a conclusões seguras.
Os tectóglifos podem ser agrupados em várias famílias:
- marcadores ligados a irregularidades do plano de falha: geralmente, a superfície de
falha não é perfeitamente lisa. Em certos casos, ela pode se apresentar mais ou menos
escalonada, com degraus milimétricos a decimétricos. Esses degraus, dependendo da
sua orientação, tendem a ser eliminados pelo deslocamento da falha ou, pelo
contrário, a ser preservados. Passando o dedo ao longo das estrias, a superfície parece
lisa quando o movimento do dedo é idêntico ao da falha e áspera quando ele se
desloca em sentido oposto ao dos blocos de falha.
Frequentemente, os movimentos ao longo de planos irregulares provocam o
aparecimento de aberturas, ou de zonas de superposição. As primeiras podem permitir
a recristalização de lentes de minerais, muitas vezes fibrosos (quartzo, calcita, etc.); já,
as zonas de superposição se transformam em zonas esmagadas ou são marcadas pelo
aparecimento de estilólitos.
Os degraus podem corresponder não a irregularidades iniciais do plano de falha, mas a
material arrancado do plano no decorrer do movimento. Os relevos assim formados
têm geralmente uma forma característica, semi-elíptica (meia lua).
Em outros casos, enfim, os degraus podem ser formados a partir da torção da foliação
da rocha quando ela apresenta uma certa obliqüidade em relação ao plano de falha.
Nestas três situações, também, o aspecto dos degraus é característico do sentido do
movimento.
- marcadores ligados à elementos estriadores: objetos duros (minerais, fragmentos de
rocha) podem provocar uma estriação do plano de falha. O objeto pode continuar
preso no sulco que ele cavou ou pode ser progressivamente triturado e eliminado. Nos
dois casos, a forma do sulco é característica do sentido do movimento.
- fraturas de segunda ordem: associados aos planos de cisalhamento principais,
desenvolvem-se frequentemente planos de cisalhamento de segunda ordem (Riedel e
Skempton) e fendas de tração. A disposição destas feições, quando comprovadamente
cogenéticas da falha, permite a delimitação do sentido do seu movimento.
Muitas outras feições podem ser utilizadas como indicadoras para o sentido de
cisalhamento, sempre com o devido cuidado.
As rochas formadas nas zonas de falha
A movimentação dos blocos, no decorrer do falhamento, pode provocar profundas
alterações nos materiais afetados, levando à formação de uma categoria específica de
rochas, as rochas cataclásticas, enquadradas no conjunto das rochas metamórficas
(metamorfismo dinâmico).
Essas rochas se formam por evolução de um
microfraturamento inicial. A coalescência das
microfraturas provoca uma partição da rocha em blocos
angulosos de tamanho variável. Com o adensamento da
rede de fraturas, o tamanho dos blocos tende a
diminuir. Essa diminuição pode ser acompanhada de
arredondamento progressivo dos elementos, induzido
pela sua rotação em conseqüência da movimentação
dos blocos de falha. Esse processo de trituração
(crushing), totalmente frágil (rúptil), chamado
cominuição ou cataclisação, leva à formação de rochas
constituídas por uma matriz englobando fragmentos
(clastos) da rocha inicial, conforme a figura ao lado.
As rochas formadas nessas condições podem ou não sofrer uma litificação,
apresentando-se coesas ou não. Em função da intensidade da deformação, tanto a
proporção fragmentos/matriz como o tamanho dos fragmentos varia.
No caso de falhas sísmicas (falhas ligadas a
terremotos, acompanhadas de uma
movimentação muito rápida), a energia
liberada pelo atrito dos blocos pode ser
suficiente para provocar uma fusão parcial
limitada nas rochas encaixantes ao longo
do plano de falha. O material líquido assim
formado, geralmente em volume pequeno,
provoca um aumento de pressão que pode
gerar um fraturamento hidráulico das
encaixantes. Esse material é injetado
nas fraturas assim formadas, onde ele
se resfria imediatamente, adquirindo
uma textura vítrea. Por conta da
semelhança com os taquilitos (vidros
vulcânicos), como observado na figura
acima, estas rochas são chamadas
pseudotaquilitos.
As rochas cataclásticas, agrupadas na
série cataclástica, podem ser
classificadas de acordo com a sua
coesão, tamanho dos seus clastos e
percentagem relativa clastos/matriz.
Esta classificação dá uma ideia
aproximada da intensidade da
deformação.
Observe, ao lado, a classificação das
rochas formadas em zonas de falha,
segundo Sibson.
O ESTUDO DAS FALHAS
De um ponto de vista estrutural aplicado, as falhas podem ser consideradas
descontinuidades quaisquer e serem descritas como tais. A maior parte das
observações aplicáveis às juntas podem também ser aplicadas às falhas.
Algumas características, entretanto, são peculiares:
- irregularidades características na superfície do plano (estrias, degraus, meia luas
etc.);
- associação frequente com rochas cataclásticas;
- intensificação das juntas nas proximidades do plano de falha que se comporta como
um corredor de fraturamento;
- persistência e espaçamento geralmente maiores do que no caso das juntas;
- geometria geralmente mais clara e analisável.
Representação Cartográfica das Falhas
Para tornar mais fácil a leitura e a interpretação das informações oferecidas pelos
mapas e perfis geológicos, tornou-se necessária a utilização de uma simbologia
complexa e rica.
Não existe, para representar feições estruturais em mapa, uma simbologia
normalizada universalmente aceita, mas, no caso das falhas, alguns símbolos são de
uso consagrado. Os principais deles estão representados na figura abaixo.
A figura abaixo mostra exemplos da utilização destes símbolos.
No caso dos perfis, a situação é mais complexa: a simbologia não é específica do tipo
de falha e indica apenas, por setas, o sentido do deslocamento relativo dos blocos
(figura abaixo – a). A figuras b e c mostram que esta prática pode levar a leituras
dúbias (na figura c, um trecho de falha inversa com movimento relativo a favor do
mergulho pode ser interpretado como uma falha normal. O prolongamento do traçado
da falha em linha tracejada acima da topografia, como foi feito na figura b, elimina
qualquer dúvida).
Falhas que, pelo seu tamanho, não podem ser representadas no mapa, mas que, pela
sua frequência, são consideradas relevantes, podem ser representadas, como as
juntas, através de projeções estereográficas caracterizando os domínios homogêneos.
É importante diferenciar, através de simbologias diversificadas, nestas projeções, os
tipos básicos de falhas. Podem ser representados tanto os polos de planos de falha
como as estrias, caracterizadas pelo seu sentido de movimento.
Geometria das Falhas em Regime Extensional
Os sistemas extensionais são geralmente geralmente caracterizados por associações
de falhas normais, conjugadas ou não. Duas geometrias básicas de superfícies de
falhas podem ser observadas:
- superfícies planas, correspondendo à geometria
em dominós (a) e
- superfícies curvas, caracterizadas por uma
atenuação do mergulho com o aumento da
profundidade, correspondendo à geometria lístrica
(b).
Nos dois casos, o falhamento implica numa rotação
do bloco falhado.
É frequente o plano de falha apresentar
variações locais de mergulho. As parte mais
suaves são os patamares e as partes mais
íngremes são as rampas, como se vê na
figura ao lado
A rampas perpendiculares à direção do
movimento são frontais; as paralelas
são laterais e as demais são oblíquas.
Na ilustração à direita observam-se
rampas frontais associadas a falhas
inversas.
Essas irregularidades locais do plano de falha tendem a ser eliminadas no decorrer do
movimento pelo aparecimento de uma
diverticulação do plano de falha original, um
segmento deste passando a ser inativo. A
imbricação assim formada é um duplex
extensional, limitado por um cisalhamento de
teto e um cisalhamento basal. Os duplexes
podem ser formados por uma ou várias
escamas, ou horses, imbricadas, conforme visto
na figura à esquerda.
Existem feições comuns à maioria dos sistemas
extensionais. A figura abaixo ilustra essas feições.
O limite entre o domínio estirado e o domínio não deformado é marcado por uma
falha principal, o detachment. As falhas do sistema paralelas ao detachment são
sintéticas, as falhas mergulhando em direção oposta são antitéticas.
Frequentemente, as falhas formam escamas imbricadas, ou imbricações: os leques
lístricos (que podem ser sintéticos ou antitéticos). As escamas (porção de terreno
incluída entre duas falhas consecutivas) são chamadas risers. Duas falhas com
mergulhos convergentes limitam um bloco rebaixado chamado graben, e duas falhas
divergentes limiam um bloco chamado horst.
Apesar das falhas normais representarem as principais feições encontradas em
sistemas extensionais, elas não são as únicas. É comum, por exemplo, encontrar, ao
longo dos rifts, variações da taxa de extensão.
Estas variações devem ser acomodadas por
feições de transferência que permitem passar
dos domínios mais estirados para domínios
menos estirados. A figura ao lado mostra um
exemplo dessas feições de transferência
(neste caso, trata-se de uma falha
transcorrente, feição extremamente comum
em todo sistema extensional, onde elas
recebem o nome consagrado de falha de
transferência (transfer fault).
Sendo geralmente desenvolvido em regime de cisalhamento puro, os sistemas
extensionais apresentam-se originalmente
quase simétricos. Entretanto, em certos
casos, o sistema é caracterizado de um lado
por um detachment e, do outro, por um
simples arqueamento, formando um meio
graben, conforme se vê na figura á
esquerda.
O afinamento crustal ligado a um regime extensional,
quando acentuado, leva à formação de uma depressão
propícia à deposição de sedimentos e, geralmente, existe
uma estreita associação entre falhamento e sedimentação
nas bacias sedimentares. As falhas ativas durante a
sedimentação são chamadas falhas de crescimetno (growth
fault). A associação dos processos de deposição, de
compactação diferencial, de subsidência e deformacionais
pode levar, no caso destas falhas, à geometrias complexas
(variação de espessura das camadas, discordância angular
progressiva ao longo do plano de falha etc.) A figura ao lado
exemplifica de modo simples a evolução de falha de
crescimento.
Os sistemas extensionais foram detalhadamente estudados no decorrer das últimas
décadas, principalmente em função do seu potencial petrolífero e numerosos são os
exemplos disponíveis na literatura. A figura a seguir mostra alguns desses exemplos.
Referência:
Texto extraído e modificado a partir de ARTHAUD, Michel H. Elementos de Geologia
Estrutural. Fortaleza, 1998.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1Camila Brito
 
Geologia estrutural foliações em rochas
Geologia estrutural   foliações em rochasGeologia estrutural   foliações em rochas
Geologia estrutural foliações em rochasmarciotecsoma
 
Gravimetria
GravimetriaGravimetria
GravimetriaREAL
 
Geologia estrutural lineações em rocha
Geologia estrutural   lineações em rochaGeologia estrutural   lineações em rocha
Geologia estrutural lineações em rochamarciotecsoma
 
Geologia estrutural Falhas
Geologia estrutural   FalhasGeologia estrutural   Falhas
Geologia estrutural Falhasmarciotecsoma
 
7 metamorfismo de rochas pelíticas 2012
7   metamorfismo de rochas pelíticas 20127   metamorfismo de rochas pelíticas 2012
7 metamorfismo de rochas pelíticas 2012Alex Ramires
 
Processos físico químicos do metamorfismo
Processos físico químicos do metamorfismoProcessos físico químicos do metamorfismo
Processos físico químicos do metamorfismoMarcio Santos
 
Progradação, agradação e retrogradação
Progradação, agradação e retrogradaçãoProgradação, agradação e retrogradação
Progradação, agradação e retrogradaçãoEzequias Guimaraes
 
Dobras elementos de uma dobra
Dobras   elementos de uma dobraDobras   elementos de uma dobra
Dobras elementos de uma dobramarciotecsoma
 
Geologia estrutural zonas de cisalhamento dúctil
Geologia estrutural   zonas de cisalhamento dúctilGeologia estrutural   zonas de cisalhamento dúctil
Geologia estrutural zonas de cisalhamento dúctilmarciotecsoma
 
Fracionamento de isótopos estáveis
Fracionamento de isótopos estáveisFracionamento de isótopos estáveis
Fracionamento de isótopos estáveisMarcio Santos
 
Propriedades minerais
Propriedades mineraisPropriedades minerais
Propriedades mineraisPublicaTUDO
 
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)UFRJ
 
Identificação de Rochas 1
Identificação de Rochas 1Identificação de Rochas 1
Identificação de Rochas 1Luiz C. da Silva
 

Mais procurados (20)

GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
 
Geologia estrutural foliações em rochas
Geologia estrutural   foliações em rochasGeologia estrutural   foliações em rochas
Geologia estrutural foliações em rochas
 
Texturas magmaticas
Texturas magmaticasTexturas magmaticas
Texturas magmaticas
 
Gravimetria
GravimetriaGravimetria
Gravimetria
 
Geologia estrutural lineações em rocha
Geologia estrutural   lineações em rochaGeologia estrutural   lineações em rocha
Geologia estrutural lineações em rocha
 
Geologia estrutural Falhas
Geologia estrutural   FalhasGeologia estrutural   Falhas
Geologia estrutural Falhas
 
Rochas Metamórficas
Rochas MetamórficasRochas Metamórficas
Rochas Metamórficas
 
Falhas e dobras
Falhas e dobrasFalhas e dobras
Falhas e dobras
 
As rochas ígneas
As rochas ígneasAs rochas ígneas
As rochas ígneas
 
7 metamorfismo de rochas pelíticas 2012
7   metamorfismo de rochas pelíticas 20127   metamorfismo de rochas pelíticas 2012
7 metamorfismo de rochas pelíticas 2012
 
2 minerais
2  minerais2  minerais
2 minerais
 
Processos físico químicos do metamorfismo
Processos físico químicos do metamorfismoProcessos físico químicos do metamorfismo
Processos físico químicos do metamorfismo
 
Progradação, agradação e retrogradação
Progradação, agradação e retrogradaçãoProgradação, agradação e retrogradação
Progradação, agradação e retrogradação
 
Dobras elementos de uma dobra
Dobras   elementos de uma dobraDobras   elementos de uma dobra
Dobras elementos de uma dobra
 
Aula minerais
Aula mineraisAula minerais
Aula minerais
 
Geologia estrutural zonas de cisalhamento dúctil
Geologia estrutural   zonas de cisalhamento dúctilGeologia estrutural   zonas de cisalhamento dúctil
Geologia estrutural zonas de cisalhamento dúctil
 
Fracionamento de isótopos estáveis
Fracionamento de isótopos estáveisFracionamento de isótopos estáveis
Fracionamento de isótopos estáveis
 
Propriedades minerais
Propriedades mineraisPropriedades minerais
Propriedades minerais
 
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
 
Identificação de Rochas 1
Identificação de Rochas 1Identificação de Rochas 1
Identificação de Rochas 1
 

Semelhante a Estudo das Falhas 1

Resumorochasmetamrficas
ResumorochasmetamrficasResumorochasmetamrficas
ResumorochasmetamrficasGiovani Lucca
 
Resumo 11º ano - rochas metamórficas
Resumo   11º ano - rochas metamórficasResumo   11º ano - rochas metamórficas
Resumo 11º ano - rochas metamórficasHugo Martins
 
Manual No.28 - Talude rochoso – estabilidade de uma cunha de rocha
Manual No.28 - Talude rochoso – estabilidade de uma cunha de rochaManual No.28 - Talude rochoso – estabilidade de uma cunha de rocha
Manual No.28 - Talude rochoso – estabilidade de uma cunha de rochaGEO5 Software - PT
 
Falhas e dobras
Falhas e dobrasFalhas e dobras
Falhas e dobrasanabela
 
Topografia representação do relevo notas de aula
Topografia representação do relevo notas de aulaTopografia representação do relevo notas de aula
Topografia representação do relevo notas de aulaHenrique Prado
 
13 cisalhamento
13 cisalhamento13 cisalhamento
13 cisalhamentogabioa
 
Cartografia_projeções.pdf
Cartografia_projeções.pdfCartografia_projeções.pdf
Cartografia_projeções.pdfetopoagrimensura
 
Estabilidadede taludes
Estabilidadede taludesEstabilidadede taludes
Estabilidadede taludesTamires Sales
 
Drenagem de Taludes
Drenagem de TaludesDrenagem de Taludes
Drenagem de Taludescamilapasta
 

Semelhante a Estudo das Falhas 1 (17)

Falhas atitude-dobras
Falhas atitude-dobrasFalhas atitude-dobras
Falhas atitude-dobras
 
Falhas atitude-dobras
Falhas atitude-dobrasFalhas atitude-dobras
Falhas atitude-dobras
 
Resumorochasmetamrficas
ResumorochasmetamrficasResumorochasmetamrficas
Resumorochasmetamrficas
 
Resumo 11º ano - rochas metamórficas
Resumo   11º ano - rochas metamórficasResumo   11º ano - rochas metamórficas
Resumo 11º ano - rochas metamórficas
 
Capítulo 3 fundição
Capítulo 3   fundiçãoCapítulo 3   fundição
Capítulo 3 fundição
 
582866 macro estruturas-revisao1a
582866 macro estruturas-revisao1a582866 macro estruturas-revisao1a
582866 macro estruturas-revisao1a
 
AULAS PRÁTICAS .pdf
AULAS PRÁTICAS .pdfAULAS PRÁTICAS .pdf
AULAS PRÁTICAS .pdf
 
Manual No.28 - Talude rochoso – estabilidade de uma cunha de rocha
Manual No.28 - Talude rochoso – estabilidade de uma cunha de rochaManual No.28 - Talude rochoso – estabilidade de uma cunha de rocha
Manual No.28 - Talude rochoso – estabilidade de uma cunha de rocha
 
Falhas e dobras
Falhas e dobrasFalhas e dobras
Falhas e dobras
 
O terreno e sua representação
O terreno e sua representaçãoO terreno e sua representação
O terreno e sua representação
 
dobras e falhas
dobras e falhasdobras e falhas
dobras e falhas
 
Topografia representação do relevo notas de aula
Topografia representação do relevo notas de aulaTopografia representação do relevo notas de aula
Topografia representação do relevo notas de aula
 
13 cisalhamento
13 cisalhamento13 cisalhamento
13 cisalhamento
 
Cartografia_projeções.pdf
Cartografia_projeções.pdfCartografia_projeções.pdf
Cartografia_projeções.pdf
 
Estabilidadede taludes
Estabilidadede taludesEstabilidadede taludes
Estabilidadede taludes
 
Estabilidadede taludes
Estabilidadede taludesEstabilidadede taludes
Estabilidadede taludes
 
Drenagem de Taludes
Drenagem de TaludesDrenagem de Taludes
Drenagem de Taludes
 

Mais de marciotecsoma

Hidrologia sustentabilidade dos aquíferos
Hidrologia   sustentabilidade dos aquíferosHidrologia   sustentabilidade dos aquíferos
Hidrologia sustentabilidade dos aquíferosmarciotecsoma
 
Geoquímica do solo aula 6
Geoquímica do solo   aula 6Geoquímica do solo   aula 6
Geoquímica do solo aula 6marciotecsoma
 
Geoquímica do solo aula 5
Geoquímica do solo   aula 5Geoquímica do solo   aula 5
Geoquímica do solo aula 5marciotecsoma
 
Impactos sobre os aquiferos
Impactos sobre os aquiferosImpactos sobre os aquiferos
Impactos sobre os aquiferosmarciotecsoma
 
Hidrologia aquíferos
Hidrologia   aquíferosHidrologia   aquíferos
Hidrologia aquíferosmarciotecsoma
 
Hidrologiqa permeabiliade e infiltração
Hidrologiqa   permeabiliade e infiltraçãoHidrologiqa   permeabiliade e infiltração
Hidrologiqa permeabiliade e infiltraçãomarciotecsoma
 
Geoquímica sedimentação e intemperismo
Geoquímica   sedimentação e intemperismoGeoquímica   sedimentação e intemperismo
Geoquímica sedimentação e intemperismomarciotecsoma
 
Hidrologia permeabilidade
Hidrologia   permeabilidadeHidrologia   permeabilidade
Hidrologia permeabilidademarciotecsoma
 
Hidrologia porosidade
Hidrologia   porosidadeHidrologia   porosidade
Hidrologia porosidademarciotecsoma
 
Geoquímica - Dispersão Geoquímica
Geoquímica - Dispersão GeoquímicaGeoquímica - Dispersão Geoquímica
Geoquímica - Dispersão Geoquímicamarciotecsoma
 
Geoquímica Distribuição dos elementos químicos
Geoquímica   Distribuição dos elementos químicosGeoquímica   Distribuição dos elementos químicos
Geoquímica Distribuição dos elementos químicosmarciotecsoma
 
Hidrologia escoamento superficial
Hidrologia   escoamento superficialHidrologia   escoamento superficial
Hidrologia escoamento superficialmarciotecsoma
 
Agua subterrânea aquíferos
Agua subterrânea   aquíferosAgua subterrânea   aquíferos
Agua subterrânea aquíferosmarciotecsoma
 
Ação geológica da água subterrânea
Ação geológica da água subterrâneaAção geológica da água subterrânea
Ação geológica da água subterrâneamarciotecsoma
 
Água subterrânea infiltração
Água subterrânea   infiltraçãoÁgua subterrânea   infiltração
Água subterrânea infiltraçãomarciotecsoma
 
Mapas topográficos e geológicos
Mapas topográficos e geológicosMapas topográficos e geológicos
Mapas topográficos e geológicosmarciotecsoma
 
A geologia de Paracatu - MG
A geologia de Paracatu - MGA geologia de Paracatu - MG
A geologia de Paracatu - MGmarciotecsoma
 
Hidrologia - Água Subterrânea 1
Hidrologia -  Água Subterrânea 1Hidrologia -  Água Subterrânea 1
Hidrologia - Água Subterrânea 1marciotecsoma
 

Mais de marciotecsoma (20)

Hidrologia sustentabilidade dos aquíferos
Hidrologia   sustentabilidade dos aquíferosHidrologia   sustentabilidade dos aquíferos
Hidrologia sustentabilidade dos aquíferos
 
Geoquímica do solo aula 6
Geoquímica do solo   aula 6Geoquímica do solo   aula 6
Geoquímica do solo aula 6
 
Geoquímica do solo aula 5
Geoquímica do solo   aula 5Geoquímica do solo   aula 5
Geoquímica do solo aula 5
 
Impactos sobre os aquiferos
Impactos sobre os aquiferosImpactos sobre os aquiferos
Impactos sobre os aquiferos
 
Hidrologia aquíferos
Hidrologia   aquíferosHidrologia   aquíferos
Hidrologia aquíferos
 
Hidrologiqa permeabiliade e infiltração
Hidrologiqa   permeabiliade e infiltraçãoHidrologiqa   permeabiliade e infiltração
Hidrologiqa permeabiliade e infiltração
 
Geoquímica sedimentação e intemperismo
Geoquímica   sedimentação e intemperismoGeoquímica   sedimentação e intemperismo
Geoquímica sedimentação e intemperismo
 
Hidrologia permeabilidade
Hidrologia   permeabilidadeHidrologia   permeabilidade
Hidrologia permeabilidade
 
Hdrologia aplicada
Hdrologia aplicadaHdrologia aplicada
Hdrologia aplicada
 
Hidrologia porosidade
Hidrologia   porosidadeHidrologia   porosidade
Hidrologia porosidade
 
Geoquímica - Dispersão Geoquímica
Geoquímica - Dispersão GeoquímicaGeoquímica - Dispersão Geoquímica
Geoquímica - Dispersão Geoquímica
 
Geoquímica Distribuição dos elementos químicos
Geoquímica   Distribuição dos elementos químicosGeoquímica   Distribuição dos elementos químicos
Geoquímica Distribuição dos elementos químicos
 
Geoquímica Aula 1
Geoquímica   Aula 1Geoquímica   Aula 1
Geoquímica Aula 1
 
Hidrologia escoamento superficial
Hidrologia   escoamento superficialHidrologia   escoamento superficial
Hidrologia escoamento superficial
 
Agua subterrânea aquíferos
Agua subterrânea   aquíferosAgua subterrânea   aquíferos
Agua subterrânea aquíferos
 
Ação geológica da água subterrânea
Ação geológica da água subterrâneaAção geológica da água subterrânea
Ação geológica da água subterrânea
 
Água subterrânea infiltração
Água subterrânea   infiltraçãoÁgua subterrânea   infiltração
Água subterrânea infiltração
 
Mapas topográficos e geológicos
Mapas topográficos e geológicosMapas topográficos e geológicos
Mapas topográficos e geológicos
 
A geologia de Paracatu - MG
A geologia de Paracatu - MGA geologia de Paracatu - MG
A geologia de Paracatu - MG
 
Hidrologia - Água Subterrânea 1
Hidrologia -  Água Subterrânea 1Hidrologia -  Água Subterrânea 1
Hidrologia - Água Subterrânea 1
 

Último

Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfAntonio Barros
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 

Último (20)

Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 

Estudo das Falhas 1

  • 1. ESTUDO DAS FALHAS Nomenclatura das Falhas A determinação do nome a ser utilizado para uma determinada falha implica no conhecimento da direção exata e do sentido do movimento relativo dos compartimentos. Esta determinação é impossível em duas dimensões e a figura à direita mostra que uma falha transcorrente pode, num plano vertical, parecer uma falha vertical. Neste caso, utiliza-se o termo separação antes do nome da falha (no exemplo ao lado, falha transcorrente sinistral com separação vertical), para caracterizar que se trata de uma classificação visual da falha, baseada num rejeito aparente. Terminologia complementar É possível observar no perfil vertical à esquerda, que as falhas normais podem provocar a omissão de camadas enquanto que as falhas inversas podem provocar a sua duplicação. As primeiras são ditas subtrativas, as últimas sendo aditivas. As falhas que provocam uma diminuição global do comprimento das camadas paralelamente à estratificação são falhas contracionais e as falhas que provocam um aumento global do comprimento das camadas paralelamente à estratificação são falhas extensionais. Quando uma falha inclinada recorta camadas também inclinadas, a falha é dita conforme (a) quando o seu plano e a camada mergulham na mesma direção, e contrária (b) quando eles mergulham em sentido oposto. Falhas que apresentam uma rotação interna (que caracteriza o movimento relativo dos blocos) e externa (que caracteriza a rotação das camadas) idênticas são falhas sintéticas (b). Quando rotações interna e externa são de sentidos contrários, as falhas são antitéticas (a).
  • 2. Determinação do sentido do movimento das falhas A determinação da direção do movimento relativo dos compartimentos de falha é geralmente possível com a utilização das estrias. O sentido do movimento ao longo desta direção pode ser identificado utilizando-se vários indicadores. Os principais critérios que podem ser utilizados com esta finalidade estão representados nas figuras a seguir.
  • 3. Deslocamento relativo de um marcador: é a situação mais simples. Observa-se, de cada lado do plano de ruptura, um mesmo objeto (p. ex. uma camada), deslocado pelo falhamento, como na figura ao lado, que exibe um seixo deslocado por uma falha. É, entretanto, necessário ter um grande cuidado: num plano, observa-se apenas um rejeito aparente que não pode corresponder à realidade. Dobras de arrasto (ou drag folds) As dobras de arrasto são feições que acompanham frequentemente falhas que afetam materiais de plasticidade limitada (p. ex. ao se aproximar da transição rúptil/dúctil). A deformação inicia-se por um encurvamento das camadas e evolui posteriormente para uma ruptura. A forma da dobra de arrasto caracteriza o sentido do deslocamento. Tectóglifos Na ausência dos dois critérios anteriores, são utilizadas feições associadas ao plano de falha: os tectóglifos ou marcas tectônicas. A literatura geológica é rica em exemplos destas feições; entretanto, elas são de observação às vezes difícil e de interpretação frequentemente ambígua. A observação de critérios diversificados em vários planos cogenéticos é recomendada para se chegar a conclusões seguras. Os tectóglifos podem ser agrupados em várias famílias: - marcadores ligados a irregularidades do plano de falha: geralmente, a superfície de falha não é perfeitamente lisa. Em certos casos, ela pode se apresentar mais ou menos escalonada, com degraus milimétricos a decimétricos. Esses degraus, dependendo da sua orientação, tendem a ser eliminados pelo deslocamento da falha ou, pelo contrário, a ser preservados. Passando o dedo ao longo das estrias, a superfície parece lisa quando o movimento do dedo é idêntico ao da falha e áspera quando ele se desloca em sentido oposto ao dos blocos de falha. Frequentemente, os movimentos ao longo de planos irregulares provocam o aparecimento de aberturas, ou de zonas de superposição. As primeiras podem permitir a recristalização de lentes de minerais, muitas vezes fibrosos (quartzo, calcita, etc.); já,
  • 4. as zonas de superposição se transformam em zonas esmagadas ou são marcadas pelo aparecimento de estilólitos. Os degraus podem corresponder não a irregularidades iniciais do plano de falha, mas a material arrancado do plano no decorrer do movimento. Os relevos assim formados têm geralmente uma forma característica, semi-elíptica (meia lua). Em outros casos, enfim, os degraus podem ser formados a partir da torção da foliação da rocha quando ela apresenta uma certa obliqüidade em relação ao plano de falha. Nestas três situações, também, o aspecto dos degraus é característico do sentido do movimento. - marcadores ligados à elementos estriadores: objetos duros (minerais, fragmentos de rocha) podem provocar uma estriação do plano de falha. O objeto pode continuar preso no sulco que ele cavou ou pode ser progressivamente triturado e eliminado. Nos dois casos, a forma do sulco é característica do sentido do movimento. - fraturas de segunda ordem: associados aos planos de cisalhamento principais, desenvolvem-se frequentemente planos de cisalhamento de segunda ordem (Riedel e Skempton) e fendas de tração. A disposição destas feições, quando comprovadamente cogenéticas da falha, permite a delimitação do sentido do seu movimento. Muitas outras feições podem ser utilizadas como indicadoras para o sentido de cisalhamento, sempre com o devido cuidado. As rochas formadas nas zonas de falha A movimentação dos blocos, no decorrer do falhamento, pode provocar profundas alterações nos materiais afetados, levando à formação de uma categoria específica de rochas, as rochas cataclásticas, enquadradas no conjunto das rochas metamórficas (metamorfismo dinâmico). Essas rochas se formam por evolução de um microfraturamento inicial. A coalescência das microfraturas provoca uma partição da rocha em blocos angulosos de tamanho variável. Com o adensamento da rede de fraturas, o tamanho dos blocos tende a diminuir. Essa diminuição pode ser acompanhada de arredondamento progressivo dos elementos, induzido pela sua rotação em conseqüência da movimentação dos blocos de falha. Esse processo de trituração (crushing), totalmente frágil (rúptil), chamado cominuição ou cataclisação, leva à formação de rochas constituídas por uma matriz englobando fragmentos (clastos) da rocha inicial, conforme a figura ao lado.
  • 5. As rochas formadas nessas condições podem ou não sofrer uma litificação, apresentando-se coesas ou não. Em função da intensidade da deformação, tanto a proporção fragmentos/matriz como o tamanho dos fragmentos varia. No caso de falhas sísmicas (falhas ligadas a terremotos, acompanhadas de uma movimentação muito rápida), a energia liberada pelo atrito dos blocos pode ser suficiente para provocar uma fusão parcial limitada nas rochas encaixantes ao longo do plano de falha. O material líquido assim formado, geralmente em volume pequeno, provoca um aumento de pressão que pode gerar um fraturamento hidráulico das encaixantes. Esse material é injetado nas fraturas assim formadas, onde ele se resfria imediatamente, adquirindo uma textura vítrea. Por conta da semelhança com os taquilitos (vidros vulcânicos), como observado na figura acima, estas rochas são chamadas pseudotaquilitos. As rochas cataclásticas, agrupadas na série cataclástica, podem ser classificadas de acordo com a sua coesão, tamanho dos seus clastos e percentagem relativa clastos/matriz. Esta classificação dá uma ideia aproximada da intensidade da deformação. Observe, ao lado, a classificação das rochas formadas em zonas de falha, segundo Sibson. O ESTUDO DAS FALHAS De um ponto de vista estrutural aplicado, as falhas podem ser consideradas descontinuidades quaisquer e serem descritas como tais. A maior parte das observações aplicáveis às juntas podem também ser aplicadas às falhas. Algumas características, entretanto, são peculiares: - irregularidades características na superfície do plano (estrias, degraus, meia luas etc.); - associação frequente com rochas cataclásticas;
  • 6. - intensificação das juntas nas proximidades do plano de falha que se comporta como um corredor de fraturamento; - persistência e espaçamento geralmente maiores do que no caso das juntas; - geometria geralmente mais clara e analisável. Representação Cartográfica das Falhas Para tornar mais fácil a leitura e a interpretação das informações oferecidas pelos mapas e perfis geológicos, tornou-se necessária a utilização de uma simbologia complexa e rica. Não existe, para representar feições estruturais em mapa, uma simbologia normalizada universalmente aceita, mas, no caso das falhas, alguns símbolos são de uso consagrado. Os principais deles estão representados na figura abaixo. A figura abaixo mostra exemplos da utilização destes símbolos.
  • 7. No caso dos perfis, a situação é mais complexa: a simbologia não é específica do tipo de falha e indica apenas, por setas, o sentido do deslocamento relativo dos blocos (figura abaixo – a). A figuras b e c mostram que esta prática pode levar a leituras dúbias (na figura c, um trecho de falha inversa com movimento relativo a favor do mergulho pode ser interpretado como uma falha normal. O prolongamento do traçado da falha em linha tracejada acima da topografia, como foi feito na figura b, elimina qualquer dúvida). Falhas que, pelo seu tamanho, não podem ser representadas no mapa, mas que, pela sua frequência, são consideradas relevantes, podem ser representadas, como as juntas, através de projeções estereográficas caracterizando os domínios homogêneos. É importante diferenciar, através de simbologias diversificadas, nestas projeções, os tipos básicos de falhas. Podem ser representados tanto os polos de planos de falha como as estrias, caracterizadas pelo seu sentido de movimento. Geometria das Falhas em Regime Extensional Os sistemas extensionais são geralmente geralmente caracterizados por associações de falhas normais, conjugadas ou não. Duas geometrias básicas de superfícies de falhas podem ser observadas: - superfícies planas, correspondendo à geometria em dominós (a) e - superfícies curvas, caracterizadas por uma atenuação do mergulho com o aumento da profundidade, correspondendo à geometria lístrica (b). Nos dois casos, o falhamento implica numa rotação do bloco falhado.
  • 8. É frequente o plano de falha apresentar variações locais de mergulho. As parte mais suaves são os patamares e as partes mais íngremes são as rampas, como se vê na figura ao lado A rampas perpendiculares à direção do movimento são frontais; as paralelas são laterais e as demais são oblíquas. Na ilustração à direita observam-se rampas frontais associadas a falhas inversas. Essas irregularidades locais do plano de falha tendem a ser eliminadas no decorrer do movimento pelo aparecimento de uma diverticulação do plano de falha original, um segmento deste passando a ser inativo. A imbricação assim formada é um duplex extensional, limitado por um cisalhamento de teto e um cisalhamento basal. Os duplexes podem ser formados por uma ou várias escamas, ou horses, imbricadas, conforme visto na figura à esquerda. Existem feições comuns à maioria dos sistemas extensionais. A figura abaixo ilustra essas feições. O limite entre o domínio estirado e o domínio não deformado é marcado por uma falha principal, o detachment. As falhas do sistema paralelas ao detachment são sintéticas, as falhas mergulhando em direção oposta são antitéticas.
  • 9. Frequentemente, as falhas formam escamas imbricadas, ou imbricações: os leques lístricos (que podem ser sintéticos ou antitéticos). As escamas (porção de terreno incluída entre duas falhas consecutivas) são chamadas risers. Duas falhas com mergulhos convergentes limitam um bloco rebaixado chamado graben, e duas falhas divergentes limiam um bloco chamado horst. Apesar das falhas normais representarem as principais feições encontradas em sistemas extensionais, elas não são as únicas. É comum, por exemplo, encontrar, ao longo dos rifts, variações da taxa de extensão. Estas variações devem ser acomodadas por feições de transferência que permitem passar dos domínios mais estirados para domínios menos estirados. A figura ao lado mostra um exemplo dessas feições de transferência (neste caso, trata-se de uma falha transcorrente, feição extremamente comum em todo sistema extensional, onde elas recebem o nome consagrado de falha de transferência (transfer fault). Sendo geralmente desenvolvido em regime de cisalhamento puro, os sistemas extensionais apresentam-se originalmente quase simétricos. Entretanto, em certos casos, o sistema é caracterizado de um lado por um detachment e, do outro, por um simples arqueamento, formando um meio graben, conforme se vê na figura á esquerda. O afinamento crustal ligado a um regime extensional, quando acentuado, leva à formação de uma depressão propícia à deposição de sedimentos e, geralmente, existe uma estreita associação entre falhamento e sedimentação nas bacias sedimentares. As falhas ativas durante a sedimentação são chamadas falhas de crescimetno (growth fault). A associação dos processos de deposição, de compactação diferencial, de subsidência e deformacionais pode levar, no caso destas falhas, à geometrias complexas (variação de espessura das camadas, discordância angular progressiva ao longo do plano de falha etc.) A figura ao lado exemplifica de modo simples a evolução de falha de crescimento. Os sistemas extensionais foram detalhadamente estudados no decorrer das últimas décadas, principalmente em função do seu potencial petrolífero e numerosos são os exemplos disponíveis na literatura. A figura a seguir mostra alguns desses exemplos.
  • 10. Referência: Texto extraído e modificado a partir de ARTHAUD, Michel H. Elementos de Geologia Estrutural. Fortaleza, 1998.