SlideShare uma empresa Scribd logo
Capítulo 2
Características Essenciais da Resiliência
Avelino Ferreira Gomes Filho
Júlio Cezar Rodrigues dos Santos
Nenhum sistema pode
evitar mudanças.
[FUJITA, 2006]
Resiliência é a capacidade do sistema absorver ou se
adaptar à mudança
Mas, como todos os sistemas se adaptam, a Engenharia de
Resiliência não deve ficar atada a essa definição
O foco aqui deve ser o quanto um sistema pode suportar
rupturas e variações.
“A resiliência pode ser definida como a
habilidade do sistema ou organização de reagir
e recuperar-se de distúrbios nos seus estágios
iniciais”.
(Hollnagel)
Resiliência preocupa-se com habilidade de reconhecer e adaptar-
se para lidar com perturbações inesperadas que põe o modelo de
competências à prova e demanda mudança de processos,
estratégias e coordenação.
A capacidade adaptativa é essencial para a resiliência do
sistema.
Aplicar repostas normativas a situações que demandam
uma mudança de estratégia pode ser desastrosa.
Ian Mitroff chama isso de Error of the third kind ou
Resolver o problema errado.
“pessoas, geralmente, são adversas a risco
(...) preferem falhar de forma conservadora
do que ter sucesso de forma diferente”.
[COCKBURN, 2000, p. 49]
Para fazer a correta Engenharia de Resiliência é
necessário monitorar as decisões para medir se elas
estão dentro do limite de segurança da organização
Tamanho e tipo de perturbações que o sistema pode
absorver ou adaptar-se sem quebrar a performance ou
sua estrutura.
Buffering capacity
A capacidade do sistema de se reestruturar em resposta
a mudanças externas ou pressões.
Flexibilidade X Rigidez
Quão próximo ou quão precário o sistema está
operando próximo ao limite da performance.
Margem
Como o sistema se comporta próximo aos limites. Se o
sistema degrada-se com suavidade conforme o stress
ou a pressão aumentam ou se ele entra em colapso
quando a pressão excede a sua capacidade de
adaptação.
Tolerância
A Resiliência das organizações também está sujeita a 2
forças de influência.
Como o contexto da organização cria ou facilita a
solução de pressão, conflitos e dilêmas
Descendente
Como as adaptações feitas por atores locais em forma
de soluções alternativas (gambiarras :-) ou táticas
inovadoras reverberam e influenciam os objetivos
estratégicos e as interações.
Ascendente
Gráfico da Resiliência
Faster, Better, Cheaper
FBC - NASA
Corte de Reuniões e
Reflexões sobre
decisões Essenciais
Manutenção do sucesso
Redução dos Custos
Columbia
Mars Climate
Orbiter
Fim do ônibus
espacial
Tensão de Ruptura
Aumento na
tensão
Flexão
Atos de Balanceamento Dinâmico
Quanto mais próximo de atingir um objetivo (Acute goal), mais distante o
outro ficará (Chronic Goal).
Chronic Goal – Propriedades do sistema que emergem a partir da interação
de elementos do sistema e ficam por prazos mais longos (Safety, access,
patient-centeredness).
Acute Goal – Oportunos, eficientes e eficazes.
O Balanceamento efetivo parece chegar quando a
organização muda sua visão e deixa de enxergar a
segurança (safety) como um conjunto de objetivos
a ser medido e passa a considerá-la um valor
básico.
(WOODS, 2006)
Sacrifice Judgments
Balancear os objetivos agudos com os objetivos Crônicos não é fácil.
Sacrifice Judgments
Pressão de prazos X Segurança
Sacrifice Judgments
Vale a pena a organização ignorar os avisos e alertas de que a
segurança será comprometida (Crônico) por redução de custo ou
prazo (agudos)?
Sacrifice Judgments
Ao mesmo tempo se a incerteza dos sinais de alerta sempre levarem
ao sacrifício dos objetivos agudos, a empresa operará em
parâmetros razoáveis ou de demanda dos interessados?
É comum há empresas preferirem manter seus
objetivos agudos do que cuidar da incerteza de
sinais de avisos de que o sistema está erodindo ou
entrando em colapso.
Segundo pesquisas, se pressionados, indivíduos
tendem a agir de uma forma muito mais arriscada do
que eles próprio desejariam.
Outra dificuldade de sacrificar alguns dos objetivos é
que uma retrospectiva sobre esse pode parecer
desnecessária uma vez que nada aconteceu.
A Engenharia de Resiliência deve prover meios para
ajustar dinamicamente o balanço entre o conjunto de
objetivos agudos e crônicos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fcsi601 Linux Firewall Nat
Fcsi601 Linux Firewall NatFcsi601 Linux Firewall Nat
Fcsi601 Linux Firewall Nat
narayannpp
 
Implementation & Comparison Of Rdma Over Ethernet
Implementation & Comparison Of Rdma Over EthernetImplementation & Comparison Of Rdma Over Ethernet
Implementation & Comparison Of Rdma Over Ethernet
James Wernicke
 
Sollicitations composées
Sollicitations composéesSollicitations composées
Sollicitations composéesMouna Souissi
 
Cour traitement du signal.pdf
Cour traitement du signal.pdfCour traitement du signal.pdf
Cour traitement du signal.pdf
stock8602
 
Exercices vhdl
Exercices vhdlExercices vhdl
Exercices vhdlyassinesmz
 
L’innovation pédagogique et l’apprentissage à l’ère du numérique: une perspec...
L’innovation pédagogique et l’apprentissage à l’ère du numérique: une perspec...L’innovation pédagogique et l’apprentissage à l’ère du numérique: une perspec...
L’innovation pédagogique et l’apprentissage à l’ère du numérique: une perspec...
Raynauld Jacques
 
le-courant-electrique-continu-cours-ppt-3.pdf
le-courant-electrique-continu-cours-ppt-3.pdfle-courant-electrique-continu-cours-ppt-3.pdf
le-courant-electrique-continu-cours-ppt-3.pdf
Abdo Brahmi
 
Cahier Meca 4 ST Part 1/2
Cahier Meca 4 ST Part 1/2Cahier Meca 4 ST Part 1/2
Cahier Meca 4 ST Part 1/2
Mohamed Mtaallah
 
Cours1 Représentation des systèmes dynamiques continus LTI
Cours1 Représentation des systèmes dynamiques continus LTI Cours1 Représentation des systèmes dynamiques continus LTI
Cours1 Représentation des systèmes dynamiques continus LTI
sarah Benmerzouk
 
Cours transistor
Cours transistorCours transistor
Cours transistor
Ahmed HA
 
Polycopie Analyse Numérique
Polycopie Analyse NumériquePolycopie Analyse Numérique
Polycopie Analyse Numérique
Jaouad Dabounou
 
Suite exercice
Suite exerciceSuite exercice
Suite exercice
hassan1488
 
How Linux Processes Your Network Packet - Elazar Leibovich
How Linux Processes Your Network Packet - Elazar LeibovichHow Linux Processes Your Network Packet - Elazar Leibovich
How Linux Processes Your Network Packet - Elazar Leibovich
DevOpsDays Tel Aviv
 
Introduction au traitement de signal
Introduction au traitement de signalIntroduction au traitement de signal
Introduction au traitement de signalmanahil2012
 
Chap4
Chap4Chap4
Hardware & Software Platforms for HPC, AI and ML
Hardware & Software Platforms for HPC, AI and MLHardware & Software Platforms for HPC, AI and ML
Hardware & Software Platforms for HPC, AI and ML
inside-BigData.com
 
Programmation de systèmes embarqués : Bus et périphériques de communication
Programmation de systèmes embarqués : Bus et périphériques de communicationProgrammation de systèmes embarqués : Bus et périphériques de communication
Programmation de systèmes embarqués : Bus et périphériques de communication
ECAM Brussels Engineering School
 
HKG18-318 - OpenAMP Workshop
HKG18-318 - OpenAMP WorkshopHKG18-318 - OpenAMP Workshop
HKG18-318 - OpenAMP Workshop
Linaro
 

Mais procurados (20)

Fcsi601 Linux Firewall Nat
Fcsi601 Linux Firewall NatFcsi601 Linux Firewall Nat
Fcsi601 Linux Firewall Nat
 
Implementation & Comparison Of Rdma Over Ethernet
Implementation & Comparison Of Rdma Over EthernetImplementation & Comparison Of Rdma Over Ethernet
Implementation & Comparison Of Rdma Over Ethernet
 
Sollicitations composées
Sollicitations composéesSollicitations composées
Sollicitations composées
 
Cour traitement du signal.pdf
Cour traitement du signal.pdfCour traitement du signal.pdf
Cour traitement du signal.pdf
 
Exercices vhdl
Exercices vhdlExercices vhdl
Exercices vhdl
 
La commande numerique
La commande numeriqueLa commande numerique
La commande numerique
 
L’innovation pédagogique et l’apprentissage à l’ère du numérique: une perspec...
L’innovation pédagogique et l’apprentissage à l’ère du numérique: une perspec...L’innovation pédagogique et l’apprentissage à l’ère du numérique: une perspec...
L’innovation pédagogique et l’apprentissage à l’ère du numérique: une perspec...
 
le-courant-electrique-continu-cours-ppt-3.pdf
le-courant-electrique-continu-cours-ppt-3.pdfle-courant-electrique-continu-cours-ppt-3.pdf
le-courant-electrique-continu-cours-ppt-3.pdf
 
Cahier Meca 4 ST Part 1/2
Cahier Meca 4 ST Part 1/2Cahier Meca 4 ST Part 1/2
Cahier Meca 4 ST Part 1/2
 
Cours1 Représentation des systèmes dynamiques continus LTI
Cours1 Représentation des systèmes dynamiques continus LTI Cours1 Représentation des systèmes dynamiques continus LTI
Cours1 Représentation des systèmes dynamiques continus LTI
 
Chap2 laplace
Chap2 laplaceChap2 laplace
Chap2 laplace
 
Cours transistor
Cours transistorCours transistor
Cours transistor
 
Polycopie Analyse Numérique
Polycopie Analyse NumériquePolycopie Analyse Numérique
Polycopie Analyse Numérique
 
Suite exercice
Suite exerciceSuite exercice
Suite exercice
 
How Linux Processes Your Network Packet - Elazar Leibovich
How Linux Processes Your Network Packet - Elazar LeibovichHow Linux Processes Your Network Packet - Elazar Leibovich
How Linux Processes Your Network Packet - Elazar Leibovich
 
Introduction au traitement de signal
Introduction au traitement de signalIntroduction au traitement de signal
Introduction au traitement de signal
 
Chap4
Chap4Chap4
Chap4
 
Hardware & Software Platforms for HPC, AI and ML
Hardware & Software Platforms for HPC, AI and MLHardware & Software Platforms for HPC, AI and ML
Hardware & Software Platforms for HPC, AI and ML
 
Programmation de systèmes embarqués : Bus et périphériques de communication
Programmation de systèmes embarqués : Bus et périphériques de communicationProgrammation de systèmes embarqués : Bus et périphériques de communication
Programmation de systèmes embarqués : Bus et périphériques de communication
 
HKG18-318 - OpenAMP Workshop
HKG18-318 - OpenAMP WorkshopHKG18-318 - OpenAMP Workshop
HKG18-318 - OpenAMP Workshop
 

Destaque

Engenharia de Resiliência - Resiliência o Desafio do Instável
Engenharia de Resiliência - Resiliência o Desafio do InstávelEngenharia de Resiliência - Resiliência o Desafio do Instável
Engenharia de Resiliência - Resiliência o Desafio do Instável
Avelino Ferreira Gomes Filho
 
Engenharia de Resiliência - Estrutura para a gestão de sinais fracos e difusos
Engenharia de Resiliência - Estrutura para a gestão de sinais fracos e difusosEngenharia de Resiliência - Estrutura para a gestão de sinais fracos e difusos
Engenharia de Resiliência - Estrutura para a gestão de sinais fracos e difusos
Avelino Ferreira Gomes Filho
 
WCM 2009-TT09-GESTÃO ESTRATÉGICA DA MANUTENÇÃO UTILIZANDO O TPM E A CONFIABIL...
WCM 2009-TT09-GESTÃO ESTRATÉGICA DA MANUTENÇÃO UTILIZANDO O TPM E A CONFIABIL...WCM 2009-TT09-GESTÃO ESTRATÉGICA DA MANUTENÇÃO UTILIZANDO O TPM E A CONFIABIL...
WCM 2009-TT09-GESTÃO ESTRATÉGICA DA MANUTENÇÃO UTILIZANDO O TPM E A CONFIABIL...
guest12d3024
 
Fmea versao final
Fmea versao finalFmea versao final
Fmea versao final
emc5714
 
Apresentação fmea
Apresentação fmeaApresentação fmea
Apresentação fmea
emc5714
 
FMEA e FTA
FMEA e FTAFMEA e FTA
FMEA e FTA
Carlos Yukimura
 
Gerenciamento crises completo
Gerenciamento crises completoGerenciamento crises completo
Gerenciamento crises completo
marcelinhanet
 
Tipologia de eventos
Tipologia de eventosTipologia de eventos
Tipologia de eventos
Paulo Marquêz
 
Apostila gerenciamento de_crises
Apostila gerenciamento de_crisesApostila gerenciamento de_crises
Apostila gerenciamento de_crises
Louene Saríah
 
Gerenciamento de Crises-2
Gerenciamento de Crises-2Gerenciamento de Crises-2
Gerenciamento de Crises-2
Milton R. Almeida
 
Build Features, Not Apps
Build Features, Not AppsBuild Features, Not Apps
Build Features, Not Apps
Natasha Murashev
 

Destaque (11)

Engenharia de Resiliência - Resiliência o Desafio do Instável
Engenharia de Resiliência - Resiliência o Desafio do InstávelEngenharia de Resiliência - Resiliência o Desafio do Instável
Engenharia de Resiliência - Resiliência o Desafio do Instável
 
Engenharia de Resiliência - Estrutura para a gestão de sinais fracos e difusos
Engenharia de Resiliência - Estrutura para a gestão de sinais fracos e difusosEngenharia de Resiliência - Estrutura para a gestão de sinais fracos e difusos
Engenharia de Resiliência - Estrutura para a gestão de sinais fracos e difusos
 
WCM 2009-TT09-GESTÃO ESTRATÉGICA DA MANUTENÇÃO UTILIZANDO O TPM E A CONFIABIL...
WCM 2009-TT09-GESTÃO ESTRATÉGICA DA MANUTENÇÃO UTILIZANDO O TPM E A CONFIABIL...WCM 2009-TT09-GESTÃO ESTRATÉGICA DA MANUTENÇÃO UTILIZANDO O TPM E A CONFIABIL...
WCM 2009-TT09-GESTÃO ESTRATÉGICA DA MANUTENÇÃO UTILIZANDO O TPM E A CONFIABIL...
 
Fmea versao final
Fmea versao finalFmea versao final
Fmea versao final
 
Apresentação fmea
Apresentação fmeaApresentação fmea
Apresentação fmea
 
FMEA e FTA
FMEA e FTAFMEA e FTA
FMEA e FTA
 
Gerenciamento crises completo
Gerenciamento crises completoGerenciamento crises completo
Gerenciamento crises completo
 
Tipologia de eventos
Tipologia de eventosTipologia de eventos
Tipologia de eventos
 
Apostila gerenciamento de_crises
Apostila gerenciamento de_crisesApostila gerenciamento de_crises
Apostila gerenciamento de_crises
 
Gerenciamento de Crises-2
Gerenciamento de Crises-2Gerenciamento de Crises-2
Gerenciamento de Crises-2
 
Build Features, Not Apps
Build Features, Not AppsBuild Features, Not Apps
Build Features, Not Apps
 

Semelhante a Engenharia de Resiliência - Características Essenciais da Resiliência

Teoria da Contingência
Teoria da ContingênciaTeoria da Contingência
Teoria da Contingência
Izaura Nogueira
 
MÉTRICAS DE REDE EM EMPRESAS
MÉTRICAS DE REDE EM EMPRESASMÉTRICAS DE REDE EM EMPRESAS
MÉTRICAS DE REDE EM EMPRESAS
augustodefranco .
 
TEAM AGILITY HYPERTEXT 20220829.pdf
TEAM AGILITY HYPERTEXT 20220829.pdfTEAM AGILITY HYPERTEXT 20220829.pdf
TEAM AGILITY HYPERTEXT 20220829.pdf
MarcoPellegatti1
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
Érlei José de Araújo
 
Amalberti Capítulo 03.ppt
Amalberti Capítulo 03.pptAmalberti Capítulo 03.ppt
Amalberti Capítulo 03.ppt
TimoteoManuel
 
Amalberti Capítulo 03.ppt
Amalberti Capítulo 03.pptAmalberti Capítulo 03.ppt
Amalberti Capítulo 03.ppt
naimmoreira
 
Amalberti Capítulo 03.ppt
Amalberti Capítulo 03.pptAmalberti Capítulo 03.ppt
Amalberti Capítulo 03.ppt
MonicaAlves95
 
Engenharia de Resiliência - Narrando a emergência de um consenso confuso.
Engenharia de Resiliência - Narrando a emergência de um consenso confuso.Engenharia de Resiliência - Narrando a emergência de um consenso confuso.
Engenharia de Resiliência - Narrando a emergência de um consenso confuso.
Avelino Ferreira Gomes Filho
 
Tomada de decisoes.ppt
Tomada de decisoes.pptTomada de decisoes.ppt
Tomada de decisoes.ppt
RafaelCardozo29
 
Td parte1 e_2
Td parte1 e_2Td parte1 e_2
Td parte1 e_2
Leandro Escobar
 
Mudanca Organizacional Final
Mudanca Organizacional FinalMudanca Organizacional Final
Mudanca Organizacional Final
Nany Ortiz
 
DO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura Organizacional
DO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura OrganizacionalDO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura Organizacional
DO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura Organizacional
Milton Henrique do Couto Neto
 
11a Reuniao da Subcomissao de Riscos -ORSA Tema 3
11a Reuniao da Subcomissao de Riscos -ORSA Tema 311a Reuniao da Subcomissao de Riscos -ORSA Tema 3
11a Reuniao da Subcomissao de Riscos -ORSA Tema 3
Rui Cabral
 
O Arquiteto de Informação como um Agente de Mudança
O  Arquiteto de  Informação como um  Agente de  MudançaO  Arquiteto de  Informação como um  Agente de  Mudança
O Arquiteto de Informação como um Agente de Mudança
Luiz Agner
 
Resiliência
ResiliênciaResiliência
Capitulo 01 sistemas
Capitulo 01   sistemasCapitulo 01   sistemas
Capitulo 01 sistemas
Luciano Morato
 
Estratégias
EstratégiasEstratégias
Estratégias
Antony Franc
 
9013774
90137749013774
9013774
Julio Iacia
 

Semelhante a Engenharia de Resiliência - Características Essenciais da Resiliência (18)

Teoria da Contingência
Teoria da ContingênciaTeoria da Contingência
Teoria da Contingência
 
MÉTRICAS DE REDE EM EMPRESAS
MÉTRICAS DE REDE EM EMPRESASMÉTRICAS DE REDE EM EMPRESAS
MÉTRICAS DE REDE EM EMPRESAS
 
TEAM AGILITY HYPERTEXT 20220829.pdf
TEAM AGILITY HYPERTEXT 20220829.pdfTEAM AGILITY HYPERTEXT 20220829.pdf
TEAM AGILITY HYPERTEXT 20220829.pdf
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Amalberti Capítulo 03.ppt
Amalberti Capítulo 03.pptAmalberti Capítulo 03.ppt
Amalberti Capítulo 03.ppt
 
Amalberti Capítulo 03.ppt
Amalberti Capítulo 03.pptAmalberti Capítulo 03.ppt
Amalberti Capítulo 03.ppt
 
Amalberti Capítulo 03.ppt
Amalberti Capítulo 03.pptAmalberti Capítulo 03.ppt
Amalberti Capítulo 03.ppt
 
Engenharia de Resiliência - Narrando a emergência de um consenso confuso.
Engenharia de Resiliência - Narrando a emergência de um consenso confuso.Engenharia de Resiliência - Narrando a emergência de um consenso confuso.
Engenharia de Resiliência - Narrando a emergência de um consenso confuso.
 
Tomada de decisoes.ppt
Tomada de decisoes.pptTomada de decisoes.ppt
Tomada de decisoes.ppt
 
Td parte1 e_2
Td parte1 e_2Td parte1 e_2
Td parte1 e_2
 
Mudanca Organizacional Final
Mudanca Organizacional FinalMudanca Organizacional Final
Mudanca Organizacional Final
 
DO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura Organizacional
DO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura OrganizacionalDO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura Organizacional
DO Unidade 3 - Resiliência e Arquitetura Organizacional
 
11a Reuniao da Subcomissao de Riscos -ORSA Tema 3
11a Reuniao da Subcomissao de Riscos -ORSA Tema 311a Reuniao da Subcomissao de Riscos -ORSA Tema 3
11a Reuniao da Subcomissao de Riscos -ORSA Tema 3
 
O Arquiteto de Informação como um Agente de Mudança
O  Arquiteto de  Informação como um  Agente de  MudançaO  Arquiteto de  Informação como um  Agente de  Mudança
O Arquiteto de Informação como um Agente de Mudança
 
Resiliência
ResiliênciaResiliência
Resiliência
 
Capitulo 01 sistemas
Capitulo 01   sistemasCapitulo 01   sistemas
Capitulo 01 sistemas
 
Estratégias
EstratégiasEstratégias
Estratégias
 
9013774
90137749013774
9013774
 

Mais de Avelino Ferreira Gomes Filho

Lean kanban Polo digital de manaus
Lean kanban   Polo digital de manausLean kanban   Polo digital de manaus
Lean kanban Polo digital de manaus
Avelino Ferreira Gomes Filho
 
Despencando do Olimpo: As difíceis lições que aprendi ao tentar implantar Mét...
Despencando do Olimpo: As difíceis lições que aprendi ao tentar implantar Mét...Despencando do Olimpo: As difíceis lições que aprendi ao tentar implantar Mét...
Despencando do Olimpo: As difíceis lições que aprendi ao tentar implantar Mét...
Avelino Ferreira Gomes Filho
 
Metodologia de gestão visual acessível para deficientes visuais
Metodologia de gestão visual acessível para deficientes visuaisMetodologia de gestão visual acessível para deficientes visuais
Metodologia de gestão visual acessível para deficientes visuais
Avelino Ferreira Gomes Filho
 
Agilequebrando mais paradigmas: a inclusão de um desenvolvedor cego em um tim...
Agilequebrando mais paradigmas: a inclusão de um desenvolvedor cego em um tim...Agilequebrando mais paradigmas: a inclusão de um desenvolvedor cego em um tim...
Agilequebrando mais paradigmas: a inclusão de um desenvolvedor cego em um tim...
Avelino Ferreira Gomes Filho
 
Levando a Agilidade para além do Desenvolvimento de Software na Administração...
Levando a Agilidade para além do Desenvolvimento de Software na Administração...Levando a Agilidade para além do Desenvolvimento de Software na Administração...
Levando a Agilidade para além do Desenvolvimento de Software na Administração...
Avelino Ferreira Gomes Filho
 
One Laptop per Child: Análise sobre as implementações no Brasil e no Uruguai
One Laptop per Child: Análise sobre as implementações no Brasil e no UruguaiOne Laptop per Child: Análise sobre as implementações no Brasil e no Uruguai
One Laptop per Child: Análise sobre as implementações no Brasil e no Uruguai
Avelino Ferreira Gomes Filho
 
Pornografia na internet: Come ela chega aos seus filhos e como evitá-la
Pornografia na internet: Come ela chega aos seus filhos e como evitá-laPornografia na internet: Come ela chega aos seus filhos e como evitá-la
Pornografia na internet: Come ela chega aos seus filhos e como evitá-la
Avelino Ferreira Gomes Filho
 
Visual Management and Blind Software Developer
Visual Management and Blind Software DeveloperVisual Management and Blind Software Developer
Visual Management and Blind Software Developer
Avelino Ferreira Gomes Filho
 
Agilidade no governo 02
Agilidade no governo 02Agilidade no governo 02
Agilidade no governo 02
Avelino Ferreira Gomes Filho
 
Iscram 2014 Presentation
Iscram 2014 PresentationIscram 2014 Presentation
Iscram 2014 Presentation
Avelino Ferreira Gomes Filho
 
Resumo sobre Recovering from a decade: a systematic mapping of information re...
Resumo sobre Recovering from a decade: a systematic mapping of information re...Resumo sobre Recovering from a decade: a systematic mapping of information re...
Resumo sobre Recovering from a decade: a systematic mapping of information re...
Avelino Ferreira Gomes Filho
 
Engenharia de Resiliência - Incidentes, indicadores de resiliência ou fragili...
Engenharia de Resiliência - Incidentes, indicadores de resiliência ou fragili...Engenharia de Resiliência - Incidentes, indicadores de resiliência ou fragili...
Engenharia de Resiliência - Incidentes, indicadores de resiliência ou fragili...
Avelino Ferreira Gomes Filho
 
Engenharia de Resiliência - Complexidade, Emergência e Resiliência
Engenharia de Resiliência - Complexidade, Emergência e ResiliênciaEngenharia de Resiliência - Complexidade, Emergência e Resiliência
Engenharia de Resiliência - Complexidade, Emergência e Resiliência
Avelino Ferreira Gomes Filho
 
Coding Dojo Aplicado ao Ambiente Organizacional
Coding Dojo Aplicado ao Ambiente OrganizacionalCoding Dojo Aplicado ao Ambiente Organizacional
Coding Dojo Aplicado ao Ambiente Organizacional
Avelino Ferreira Gomes Filho
 

Mais de Avelino Ferreira Gomes Filho (14)

Lean kanban Polo digital de manaus
Lean kanban   Polo digital de manausLean kanban   Polo digital de manaus
Lean kanban Polo digital de manaus
 
Despencando do Olimpo: As difíceis lições que aprendi ao tentar implantar Mét...
Despencando do Olimpo: As difíceis lições que aprendi ao tentar implantar Mét...Despencando do Olimpo: As difíceis lições que aprendi ao tentar implantar Mét...
Despencando do Olimpo: As difíceis lições que aprendi ao tentar implantar Mét...
 
Metodologia de gestão visual acessível para deficientes visuais
Metodologia de gestão visual acessível para deficientes visuaisMetodologia de gestão visual acessível para deficientes visuais
Metodologia de gestão visual acessível para deficientes visuais
 
Agilequebrando mais paradigmas: a inclusão de um desenvolvedor cego em um tim...
Agilequebrando mais paradigmas: a inclusão de um desenvolvedor cego em um tim...Agilequebrando mais paradigmas: a inclusão de um desenvolvedor cego em um tim...
Agilequebrando mais paradigmas: a inclusão de um desenvolvedor cego em um tim...
 
Levando a Agilidade para além do Desenvolvimento de Software na Administração...
Levando a Agilidade para além do Desenvolvimento de Software na Administração...Levando a Agilidade para além do Desenvolvimento de Software na Administração...
Levando a Agilidade para além do Desenvolvimento de Software na Administração...
 
One Laptop per Child: Análise sobre as implementações no Brasil e no Uruguai
One Laptop per Child: Análise sobre as implementações no Brasil e no UruguaiOne Laptop per Child: Análise sobre as implementações no Brasil e no Uruguai
One Laptop per Child: Análise sobre as implementações no Brasil e no Uruguai
 
Pornografia na internet: Come ela chega aos seus filhos e como evitá-la
Pornografia na internet: Come ela chega aos seus filhos e como evitá-laPornografia na internet: Come ela chega aos seus filhos e como evitá-la
Pornografia na internet: Come ela chega aos seus filhos e como evitá-la
 
Visual Management and Blind Software Developer
Visual Management and Blind Software DeveloperVisual Management and Blind Software Developer
Visual Management and Blind Software Developer
 
Agilidade no governo 02
Agilidade no governo 02Agilidade no governo 02
Agilidade no governo 02
 
Iscram 2014 Presentation
Iscram 2014 PresentationIscram 2014 Presentation
Iscram 2014 Presentation
 
Resumo sobre Recovering from a decade: a systematic mapping of information re...
Resumo sobre Recovering from a decade: a systematic mapping of information re...Resumo sobre Recovering from a decade: a systematic mapping of information re...
Resumo sobre Recovering from a decade: a systematic mapping of information re...
 
Engenharia de Resiliência - Incidentes, indicadores de resiliência ou fragili...
Engenharia de Resiliência - Incidentes, indicadores de resiliência ou fragili...Engenharia de Resiliência - Incidentes, indicadores de resiliência ou fragili...
Engenharia de Resiliência - Incidentes, indicadores de resiliência ou fragili...
 
Engenharia de Resiliência - Complexidade, Emergência e Resiliência
Engenharia de Resiliência - Complexidade, Emergência e ResiliênciaEngenharia de Resiliência - Complexidade, Emergência e Resiliência
Engenharia de Resiliência - Complexidade, Emergência e Resiliência
 
Coding Dojo Aplicado ao Ambiente Organizacional
Coding Dojo Aplicado ao Ambiente OrganizacionalCoding Dojo Aplicado ao Ambiente Organizacional
Coding Dojo Aplicado ao Ambiente Organizacional
 

Último

Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Jonathas Muniz
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 

Último (7)

Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 

Engenharia de Resiliência - Características Essenciais da Resiliência

  • 1. Capítulo 2 Características Essenciais da Resiliência Avelino Ferreira Gomes Filho Júlio Cezar Rodrigues dos Santos
  • 2. Nenhum sistema pode evitar mudanças. [FUJITA, 2006]
  • 3. Resiliência é a capacidade do sistema absorver ou se adaptar à mudança
  • 4. Mas, como todos os sistemas se adaptam, a Engenharia de Resiliência não deve ficar atada a essa definição O foco aqui deve ser o quanto um sistema pode suportar rupturas e variações.
  • 5. “A resiliência pode ser definida como a habilidade do sistema ou organização de reagir e recuperar-se de distúrbios nos seus estágios iniciais”. (Hollnagel)
  • 6. Resiliência preocupa-se com habilidade de reconhecer e adaptar- se para lidar com perturbações inesperadas que põe o modelo de competências à prova e demanda mudança de processos, estratégias e coordenação.
  • 7. A capacidade adaptativa é essencial para a resiliência do sistema. Aplicar repostas normativas a situações que demandam uma mudança de estratégia pode ser desastrosa. Ian Mitroff chama isso de Error of the third kind ou Resolver o problema errado.
  • 8. “pessoas, geralmente, são adversas a risco (...) preferem falhar de forma conservadora do que ter sucesso de forma diferente”. [COCKBURN, 2000, p. 49]
  • 9. Para fazer a correta Engenharia de Resiliência é necessário monitorar as decisões para medir se elas estão dentro do limite de segurança da organização
  • 10. Tamanho e tipo de perturbações que o sistema pode absorver ou adaptar-se sem quebrar a performance ou sua estrutura. Buffering capacity
  • 11. A capacidade do sistema de se reestruturar em resposta a mudanças externas ou pressões. Flexibilidade X Rigidez
  • 12. Quão próximo ou quão precário o sistema está operando próximo ao limite da performance. Margem
  • 13. Como o sistema se comporta próximo aos limites. Se o sistema degrada-se com suavidade conforme o stress ou a pressão aumentam ou se ele entra em colapso quando a pressão excede a sua capacidade de adaptação. Tolerância
  • 14. A Resiliência das organizações também está sujeita a 2 forças de influência.
  • 15. Como o contexto da organização cria ou facilita a solução de pressão, conflitos e dilêmas Descendente
  • 16. Como as adaptações feitas por atores locais em forma de soluções alternativas (gambiarras :-) ou táticas inovadoras reverberam e influenciam os objetivos estratégicos e as interações. Ascendente
  • 19. FBC - NASA Corte de Reuniões e Reflexões sobre decisões Essenciais Manutenção do sucesso Redução dos Custos Columbia Mars Climate Orbiter Fim do ônibus espacial Tensão de Ruptura Aumento na tensão Flexão
  • 20. Atos de Balanceamento Dinâmico Quanto mais próximo de atingir um objetivo (Acute goal), mais distante o outro ficará (Chronic Goal). Chronic Goal – Propriedades do sistema que emergem a partir da interação de elementos do sistema e ficam por prazos mais longos (Safety, access, patient-centeredness). Acute Goal – Oportunos, eficientes e eficazes.
  • 21. O Balanceamento efetivo parece chegar quando a organização muda sua visão e deixa de enxergar a segurança (safety) como um conjunto de objetivos a ser medido e passa a considerá-la um valor básico. (WOODS, 2006)
  • 22. Sacrifice Judgments Balancear os objetivos agudos com os objetivos Crônicos não é fácil.
  • 23. Sacrifice Judgments Pressão de prazos X Segurança
  • 24. Sacrifice Judgments Vale a pena a organização ignorar os avisos e alertas de que a segurança será comprometida (Crônico) por redução de custo ou prazo (agudos)?
  • 25. Sacrifice Judgments Ao mesmo tempo se a incerteza dos sinais de alerta sempre levarem ao sacrifício dos objetivos agudos, a empresa operará em parâmetros razoáveis ou de demanda dos interessados?
  • 26. É comum há empresas preferirem manter seus objetivos agudos do que cuidar da incerteza de sinais de avisos de que o sistema está erodindo ou entrando em colapso.
  • 27. Segundo pesquisas, se pressionados, indivíduos tendem a agir de uma forma muito mais arriscada do que eles próprio desejariam.
  • 28. Outra dificuldade de sacrificar alguns dos objetivos é que uma retrospectiva sobre esse pode parecer desnecessária uma vez que nada aconteceu.
  • 29. A Engenharia de Resiliência deve prover meios para ajustar dinamicamente o balanço entre o conjunto de objetivos agudos e crônicos.