SlideShare uma empresa Scribd logo
Práticas Recomendadas - SOBECC – 5ª Edição 2009
CAPÍTULO I
CENTRO CIRURGICO
1. INTRODUÇÃO .................................................................................................................................... 18
2. RECOMENDAÇÕES PARA ARQUITETURA E ÁREA FÍSICA DO CENTRO CIRÚRGICO................. 19
2.1. Configuração física do Centro Cirúrgico ........................................................................................... 20
2.1.1. Centro Cirúrgico em corredor único............................................................................................... 20
2.1.2. Centro Cirúrgico em corredor duplo............................................................................................... 21
2.1.3. Centro Cirúrgico em corredor periférico......................................................................................... 21
2.2. Instalações do Centro Cirúrgico........................................................................................................ 21
2.3. Centro Cirúrgico Ambulatorial e Centro Cirúrgico não Ambulatorial.................................................. 22
2.4. Alvará de funcionamento e autoridades sanitárias............................................................................ 23
3. RECURSOS HUMANOS NO CENTRO CIRÚRGICO.......................................................................... 25
3.1. Dimensionamento de pessoal........................................................................................................... 26
3.1.1. Cálculo de pessoal baseado na estrutura do serviço..................................................................... 26
3.2. Enfermeiro........................................................................................................................................ 26
3.2.1. Atribuições do Enfermeiro Coordenador........................................................................................ 27
3.2.1.1. Atividades do Enfermeiro Coordenador relacionadas ao funcionamento da unidade.................. 27
3.2.1.2. Atividades técnico-administrativas do Enfermeiro Coordenador ................................................. 27
3.2.1.3. Atividades assistenciais do Enfermeiro Coordenador ................................................................. 27
3.2.1.4. Atividades de administração de pessoal do Enfermeiro Coordenador ........................................ 28
3.2.2. Atribuições do Enfermeiro Assistencial.......................................................................................... 28
3.3. Técnico de Enfermagem................................................................................................................... 29
3.3.1. Atribuições do Técnico de Enfermagem no Centro Cirúrgico......................................................... 30
3.4. Auxiliar de Enfermagem ................................................................................................................... 31
3.4.1. Atribuições do Auxiliar de Enfermagem no Centro Cirúrgico.......................................................... 32
3.5. Instrumentador Cirúrgico .................................................................................................................. 34
3.5.1. Atribuições do Instrumentador Cirúrgico........................................................................................ 34
3.6. Auxiliar-administrativo....................................................................................................................... 34
4. RECOMENDAÇÕES PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO NO AMBIENTE CIRÚRGICO................. 35
4.1. Introdução ........................................................................................................................................ 35
4.2. Fisiopatogenia.................................................................................................................................. 35
4.3. Fontes de microrganismos causadores de infecções do sítio cirúrgico............................................. 35
4.4. Agentes infecciosos causadores da infecção do sítio cirúrgico......................................................... 36
4.5. Fatores de predisposição ................................................................................................................. 36
4.6. Critérios de definição de infecção do sítio cirúrgico .......................................................................... 37
4.7. Recomendações para prevenção de infecções do sítio cirúrgico...................................................... 38
5. BIOSSEGURANÇA ............................................................................................................................ 45
5.1. Introdução ........................................................................................................................................ 45
5.2. Definição .......................................................................................................................................... 46
5.3. Recomendações............................................................................................................................... 47
5.3.1. Ergonomia..................................................................................................................................... 47
5.3.2. Equipamento de Proteção Individual (EPI) .................................................................................... 47
5.3.3. Descarte de materiais.................................................................................................................... 47
5.3.4. Preparação para situação de emergências e catástrofes .............................................................. 47
5.3.5. Riscos elétricos e de incêndio ...................................................................................................... 48
Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
5.3.6. Líquidos voláteis............................................................................................................................ 48
5.3.7. Radiação ....................................................................................................................................... 49
5.3.8. Laser ............................................................................................................................................. 49
5.3.9. Quimioterápicos............................................................................................................................. 50
5.3.10. Alergia ao látex............................................................................................................................ 51
5.3.11. Estresse e burnout ...................................................................................................................... 51
5.4. Considerações finais ........................................................................................................................ 52
6. RECOMENDAÇÕES PARA LIMPEZA EM CENTRO CIRÚRGICO ..................................................... 52
6.1. Introdução ........................................................................................................................................ 52
6.2. Limpeza das áreas não restritas e semirrestritas.............................................................................. 53
6.3. Limpeza das áreas restritas.............................................................................................................. 53
6.3.1. Sala de operações......................................................................................................................... 53
6.3.2 Sala de pré-operatório e recuperação anestésica........................................................................... 55
6.4. Manuseio de material perfurocortante .............................................................................................. 55
7. SALA DE OPERAÇÕES: MONTAGEM, DESMONTAGEM E CIRCULAÇÃO...................................... 56
7.1. Introdução ........................................................................................................................................ 56
7.2. Montagem da sala de operações...................................................................................................... 56
7.3. Circulação da sala de operações...................................................................................................... 56
7.4. Desmontagem da sala de operações ............................................................................................... 57
7.5. Recomendações............................................................................................................................... 57
7.5.1. Montagem da sala cirúrgica........................................................................................................... 57
7.5.2. Circulação da sala cirúrgica........................................................................................................... 58
7.5.3. Desmontagem da sala cirúrgica .................................................................................................... 61
8. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM............................................................... 62
8.1. Introdução ........................................................................................................................................ 62
8.2. Consulta de enfermagem ................................................................................................................. 63
8.3. Histórico de enfermagem.................................................................................................................. 63
8.4. Exame físico..................................................................................................................................... 63
8.5. Diagnóstico de enfermagem............................................................................................................. 63
8.6. Prescrição de enfermagem .............................................................................................................. 64
8.7. Evolução de enfermagem................................................................................................................. 64
8.8. Sistema de Assistência de Enfermagem Perioperatória ................................................................... 64
8.8.1. Recomendações para a viabilização do processo ......................................................................... 64
8.9. Fases do Sistema de Assistência de Enfermagem Perioperatória ................................................... 65
8.9.1. Período transoperatório................................................................................................................. 67
8.9.2. Período pós-operatório.................................................................................................................. 68
8.10. Recomendações para atuação do enfermeiro na aplicação da SAEP ............................................ 68
8.10.1. 1ª Fase: Recomendações para avaliação do enfermeiro no pré-operatório imediato.................. 69
8.10.2. 2ª Fase: Recomendações para avaliação do enfermeiro no transoperatório e no intraoperatório 70
8.10.3. 3ª FASE: Recomendações para avaliação do enfermeiro no pós-operatório.............................. 71
8.10.3.1. Recomendações gerais para o período pós-operatório ............................................................ 72
8.10.3.2. Recomendações para aplicação da SAEP ............................................................................... 72
9. POSIÇÃO DO PACIENTE PARA O PROCESSO CIRÚRGICO........................................................... 74
9.1. Introdução ........................................................................................................................................ 74
9.2. Aspectos relevantes relacionados à posição do paciente para a cirurgia ......................................... 74
9.3. Recomendações para a adequada posição cirúrgica ....................................................................... 77
Trendelenburg: decúbito dorsal, com céfalo-declive de 30 a 45° e flexão dos joelhos a 45° ................... 84
9.4. Recomendações para mudança de posição do paciente.................................................................. 88
Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
10. RECOMENDAÇÕES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E ARTIGOS
NO CENTRO CIRÚRGICO...................................................................................................................... 88
10.1 Introdução ....................................................................................................................................... 88
10.2. Recomendações............................................................................................................................. 88
11. RECOMENDAÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CIRÚRGICOS.............................. 89
11.1. Recomendações gerais.................................................................................................................. 89
11.2. Bisturi elétrico................................................................................................................................. 90
11.2.1. Bisturi elétrico monopolar ............................................................................................................ 91
11.2.1.1. Recomendações para utilização do bisturi elétrico monopolar:................................................. 91
11.2.2. Bisturi elétrico bipolar ................................................................................................................. 92
11.2.3. Bisturi ultrassônico....................................................................................................................... 92
11.2.3.1 Recomendações para utilização do bisturi ultrassônico............................................................. 93
11.2.4. Bisturi de argônio......................................................................................................................... 93
11.2.4.1. Recomendações para a utilização do bisturi de argônio ........................................................... 94
11.3. Gerador de radiofrequência............................................................................................................ 94
11.3.1. Recomendações para utilização do gerador de radiofrequência.................................................. 94
11.3.2. Gerador de radiofrequência para somnoplastia (Somnus)........................................................... 95
11.4 .Laser .............................................................................................................................................. 95
11.4.1. Tipos de laser.............................................................................................................................. 96
11.4.2. Classificação do laser.................................................................................................................. 97
11.4.3. Recomendações para utilização laser ......................................................................................... 97
11.5. Aspirador cirúrgico ultrassônico ..................................................................................................... 98
11.5.1. Recomendações para utilização do aspirador ultrassônico ......................................................... 98
11.6. Equipamentos de videocirurgia....................................................................................................... 99
11.6.1. Sistema de luz............................................................................................................................. 99
11.6.2. Microcâmeras............................................................................................................................ 100
11.6.3. Insufladores............................................................................................................................... 100
11.6.4 Recomendações para utilização dos equipamentos de videocirurgia ......................................... 100
11.7. Morcelador ................................................................................................................................... 103
11.7.1. Recomendações para utilização do morcelador ........................................................................ 103
11.8. Shaver.......................................................................................................................................... 103
11.8.1. Recomendações para utilização do shaver ............................................................................... 103
11.9. Garrote pneumático...................................................................................................................... 103
11.9.1. Recomendações para utilização do garrote pneumático............................................................ 103
11.10. Equipamentos de radiologia ....................................................................................................... 104
11.10.1. Recomendações para utilização de equipamentos de radiologia............................................. 104
12. ANESTESIA: TIPOS, RISCOS, MEDICAÇÕES E EQUIPAMENTOS ............................................. 105
12.1. Introdução .................................................................................................................................... 105
12.2. Tipos de anestesia ....................................................................................................................... 105
12.2.1. Anestesia geral.......................................................................................................................... 105
12.2.2. Bloqueios regionais ................................................................................................................... 106
12.2.2.1. Anestesia raquideana, intradural, bloqueio subaracnóideo ou raquianestesia ........................ 106
12.2.2.2. Anestesia epidural, peridural ou extradural............................................................................. 107
12.2.2.3. Bloqueio caudal...................................................................................................................... 108
12.2.2.4. Bloqueio de nervos periféricos................................................................................................ 108
12.2.2.5. Anestesia regional intravenosa............................................................................................... 108
12.2.3. Anestesia local .......................................................................................................................... 109
12.2.4. Máscara laríngea....................................................................................................................... 109
12.3. Assistência de enfermagem.......................................................................................................... 110
12.4. Principais medicações utilizadas em anestesia ............................................................................ 110
12.4.1. Anestésicos inalatórios ............................................................................................................. 110
12.4.2. Anestésicos intravenosos.......................................................................................................... 111
12.5. Aparelho de anestesia.................................................................................................................. 111
Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
13. HIPERTERMIA MALIGNA - HM ...................................................................................................... 111
13.1. Conceito....................................................................................................................................... 111
13.2. Drogas seguras e inseguras na HM.............................................................................................. 112
13.3. Protocolo de atendimento da HM ................................................................................................. 112
13.3.1. Tratamento da HM na fase aguda ............................................................................................. 112
13.3.2. Tratamento da HM na fase tardia .............................................................................................. 113
13.4. Recomendações........................................................................................................................... 113
14. TERAPIA ANTINEOPLÁSICA EM CENTRO CIRÚRGICO .............................................................. 113
14.1 Introdução ..................................................................................................................................... 113
14.2. Utilização da quimioterapia antineoplásica ................................................................................... 114
14.3. Como proceder no caso de contaminação ou derramamento do quimioterápico.......................... 115
14.4. Quimioterapia e Centro Cirúrgico ................................................................................................. 116
14.4.1. Quimioterapia intraperitoneal hipertérmica ................................................................................ 116
14.4.2. Quimioembolização ................................................................................................................... 116
14.4.3. Perfusão isolada de membro e infusão de membro................................................................... 116
14.5. Precauções padrão para quimioterapia em Centro Cirúrgico........................................................ 116
15. CONSIDERAÇÕES FINAIS............................................................................................................. 117
Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
CAPÍTULO II
RECUPERAÇÃO PÓS-ANESTÉSICA
1. INTRODUÇÃO .................................................................................................................................. 121
2. ÁREA FÍSICA.................................................................................................................................... 124
3. RECURSOS HUMANOS................................................................................................................... 126
3.1. Enfermeiro assistencial................................................................................................................... 126
3.1.1. Atividades do enfermeiro assistencial.......................................................................................... 126
3.2. Técnico de Enfermagem................................................................................................................. 127
3.2.1. Atividades do Técnico de Enfermagem........................................................................................ 127
3.3. Auxiliar administrativo..................................................................................................................... 128
3.3.1. Atividades do auxiliar administrativo............................................................................................ 128
4. ADMISSÃO DO PACIENTE E ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM................................................... 128
4.1. Recomendações para a assistência de Enfermagem.................................................................... 129
4.1.1. Recomendações para admissão do paciente na SRPA............................................................... 130
4.2. Índice de Aldrete e Kroulik.............................................................................................................. 131
4.3. Índice de Steward........................................................................................................................... 134
4.4. Escala de sedação de Ramsey ...................................................................................................... 135
4.5. Alta da SRPA ................................................................................................................................. 135
5. COMPLICAÇÕES NA RECUPERAÇÃO PÓS-ANESTÉSICA ........................................................... 135
5.1. Dor ................................................................................................................................................. 136
5.1.1. Assistência de Enfermagem na abordagem da dor ..................................................................... 138
5.2. Complicações respiratórias ............................................................................................................ 138
5.2.1. Hipóxia ........................................................................................................................................ 139
5.2.2. Obstrução das vias aéreas superiores......................................................................................... 139
5.2.3. Hipoventilação............................................................................................................................. 139
5.2.4. Apnéia pós-operatória ................................................................................................................. 139
5.2.5. Pneumotórax / hemotórax / hemopneumotórax ........................................................................... 139
5.2.6 .Aspiração do conteúdo gástrico................................................................................................... 140
5.2.7. Broncoespasmo........................................................................................................................... 140
5.2.8. Recomendações para a prevenção de complicações respiratórias.............................................. 140
5.3. Complicações cardiovasculares ..................................................................................................... 140
5.3.1. Hipotensão arterial ...................................................................................................................... 140
5.3.1.1. Recomendações na hipotensão................................................................................................ 141
5.3.2. Hipertensão arterial sistêmica (HAS)........................................................................................... 141
5.3.2.1. Recomendações na HAS.......................................................................................................... 142
5.3.3. Disritmias cardíacas .................................................................................................................... 142
5.3.3.1. Taquicardia sinusal................................................................................................................... 142
5.3.3.1.1. Causas .................................................................................................................................. 143
5.3.3.1.2. Recomendações na taquicardia sinusal................................................................................. 143
5.3.3.2. Bradicardia sinusal ................................................................................................................... 143
5.3.3.2.1. Causas .................................................................................................................................. 143
5.3.3.2.2. Recomendações na bradicardia ............................................................................................ 143
5.3.4. Choque hipovolêmico .................................................................................................................. 143
5.3.4.1. Recomendações na hipovolemia.............................................................................................. 144
5.4. Complicações renais ...................................................................................................................... 144
5.4.1. Oliguria........................................................................................................................................ 144
5.4.1.1. Recomendações na oliguria ..................................................................................................... 144
5.4.2. Poliuria ........................................................................................................................................ 144
5.4.2.1. Recomendações na poliuria ..................................................................................................... 144
Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
5.4.3. Retenção urinária ........................................................................................................................ 145
5.4.3.1. Recomendações para retenção urinária .................................................................................. 145
5.5. Complicações térmicas................................................................................................................... 145
5.5.1. Hipotermia................................................................................................................................... 145
5.5.1.1. Recomendações na hipotermia ................................................................................................ 146
5.5.2. Hipertemia................................................................................................................................... 146
5.5.2.1. Recomendações na hipertermia ............................................................................................... 147
5.6. Náuseas e vômitos......................................................................................................................... 147
5.6.1. Recomendações em caso de náuseas e vômitos........................................................................ 148
5.7. Soluço ............................................................................................................................................ 149
5.7.1. Recomendações em caso de soluço ........................................................................................... 149
5.8. Distensão abdominal...................................................................................................................... 149
5.8.1. Recomendações na distensão abdominal ................................................................................... 149
5.9 .Alterações neurológicas ................................................................................................................. 150
5.9.1. Demora na recuperação da consciência...................................................................................... 150
5.9.1.1. Recomendações em caso de demora na recuperação da consciência..................................... 150
5.9.2. Bloqueio neuromuscular.............................................................................................................. 150
5.9.2.1. Recomendações no bloqueio neuromuscular........................................................................... 150
5.10. Alterações da glicemia.................................................................................................................. 150
5.10.1. Recomendações em alterações glicêmicas ............................................................................... 150
6. RECOMENDAÇÕES PARA O PLANEJAMENTO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA SRPA151
6.1. Intervenções de Enfermagem na RA.............................................................................................. 155
7. ACOMPANHANTE OU FAMILIAR NA RECUPERAÇÃO PÓS-ANESTÉSICA................................... 156
7.1. Recomendações para envolver a família na SRPA ........................................................................ 163
8. Alta para a unidade de destino.......................................................................................................... 164
8.1. Passagem de plantão para o setor de origem ................................................................................ 164
8.2. Recomendações para a alta do paciente para sua unidade de origem........................................... 165
9. RECOMENDAÇÕES DE ALTA PARA O DOMICÍLIO........................................................................ 166
9.1. Recomendações para a alta domiciliar do paciente........................................................................ 166
Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
CAPÍTULO III
CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO
1. INTRODUÇÃO .................................................................................................................................. 178
2. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO CME ....................................................................................... 179
3. RECURSOS HUMANOS NO CME.................................................................................................... 179
3.1. Enfermeiro...................................................................................................................................... 179
3.1.1. Divisão das atividades desenvolvidas pelos enfermeiros do CME............................................... 180
3.1.1.1. Atividades de coordenação da unidade .................................................................................... 180
3.1.1.2. Atividades técnico-administrativas............................................................................................ 180
3.1.1.3. Atividades de administração de pessoal................................................................................... 181
3.2.. Técnico de Enfermagem................................................................................................................ 181
3.3. Auxiliar de Enfermagem ................................................................................................................. 181
3.3.1. Atividades do Técnico de Enfermagem/Auxiliar de Enfermagem em CME .................................. 181
3.4. Auxiliar-administrativo..................................................................................................................... 182
4. VALORES DO PROFISSIONAL ENFERMEIRO ............................................................................... 182
5. VALORES DOS DEMAIS MEMBROS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM........................................... 182
6. ÁREA FÍSICA DO CME..................................................................................................................... 183
6.1. Ambientes de apoio........................................................................................................................ 185
6.2. Localização .................................................................................................................................... 185
6.3. Dinâmica e fluxo no CME ............................................................................................................... 186
6.4. Aspectos construtivos..................................................................................................................... 187
7. CRITÉRIOS MÍNIMOS RECOMENDADOS PARA PROCESSAMENTO DOS PRODUTOS
PARA SAÚDE ....................................................................................................................................... 190
7.1. Definição e objetivos ...................................................................................................................... 190
7.2. Classificação dos artigos segundo o potencial de transmissão de infecção.................................... 191
7.2.1. Artigos críticos............................................................................................................................. 191
7.2.2. Artigos semicríticos ..................................................................................................................... 191
7.2.3. Artigos não-críticos...................................................................................................................... 191
7.3. Outros conceitos importantes nas recomendações de processamento .......................................... 191
7.3.1. Reprocessamento ....................................................................................................................... 192
7.3.2. Reesterilização............................................................................................................................ 192
7.3.3. Serviço de saúde......................................................................................................................... 192
7.3.4. Produto médico ........................................................................................................................... 192
8. LIMPEZA DE PRODUTOS PARA SAÚDE ....................................................................................... 192
8.1. Introdução ...................................................................................................................................... 192
8.2. Definição ........................................................................................................................................ 193
8.3. Objetivos ........................................................................................................................................ 193
8.4. Morte microbiana............................................................................................................................ 193
8.5. Qualidade da água ......................................................................................................................... 194
8.5.1. Introdução ................................................................................................................................... 194
8.5.2. Recomendações de tratamento de água para limpeza de produtos para saúde.......................... 195
8.5.3. Recomendações para melhorar a qualidade da água e do vapor................................................ 196
Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
8.6. Seleção de produtos de limpeza para produtos para saúde ........................................................... 196
8.6.1. Detergentes................................................................................................................................. 196
8.6.2. Detergentes enzimáticos ............................................................................................................. 196
8.6.2.1. Definição .................................................................................................................................. 196
8.6.2.2. Recomendações para o uso de detergentes enzimáticos......................................................... 197
8.6.3. Detergentes alcalinos .................................................................................................................. 197
8.6.3.1. Benefícios................................................................................................................................. 197
8.6.4. Detergentes e desincrustantes .................................................................................................... 198
8.6.4.1. Definição .................................................................................................................................. 198
8.6.4.2. Recomendações para o uso de detergentes e desincrustantes................................................ 198
8.7. Métodos de limpeza de produtos para saúde ................................................................................. 199
8.7.1. Limpeza manual .......................................................................................................................... 199
8.7.1.1. Definição .................................................................................................................................. 199
8.7.1.2. Recomendações para a limpeza manual.................................................................................. 199
8.7.2. Limpeza automatizada................................................................................................................. 199
8.7.2.1. Definição .................................................................................................................................. 199
8.7.2.2. Tipos de equipamentos para a limpeza de produtos para saúde .............................................. 199
8.7.2.2.1. Lavadora ultrassônica............................................................................................................ 200
8.7.2.2.2. Lavadora esterilizadora.......................................................................................................... 200
8.7.2.2.3. Lavadora termodesinfetadora ................................................................................................ 200
8.7.2.2.4. Lavadora de descarga........................................................................................................... 200
8.7.2.2.5. Lavadora pasteurizadora ....................................................................................................... 201
8.7.2.2.6. Lavadora de túnel.................................................................................................................. 201
8.7.2.2.7. Lavadora de endoscópios...................................................................................................... 201
8.7.3. Recomendações para a limpeza automatizada ........................................................................... 201
8.7.4. Limpeza manual versus limpeza automatizada............................................................................ 202
8.7.5. Verificação da eficácia de limpeza............................................................................................... 202
8.7.5.1. Controle microbiológico ............................................................................................................ 203
8.7.5.2. Controle químico ...................................................................................................................... 204
8.7.5.3. Controle visual da limpeza dos produtos para saúde................................................................ 205
8.7.5.4 .Validação do processo de limpeza automatizada ..................................................................... 205
8.8. Recomendações para a limpeza de instrumental cirúrgico e de outros produtos de uso geral ....... 206
8.8.1. Instrumental cirúrgico .................................................................................................................. 206
8.8.1.1. Introdução ................................................................................................................................ 206
8.8.1.2. Fatores que danificam os instrumentais.................................................................................... 206
8.8.1.3. Ciclo do instrumental cirúrgico.................................................................................................. 206
8.8.1.4. Recomendações para a limpeza de instrumental cirúrgico ....................................................... 207
8.8.1.5. Cuidados específicos com o instrumental cirúrgico................................................................... 208
8.8.1.6. Tipos de corrosão do instrumental cirúrgico.............................................................................. 208
8.8.1.7. Como determinar se um instrumental está corroído ou manchado ........................................... 208
8.8.1.8. Tipos de manchas no instrumental cirúrgico............................................................................. 209
8.8.1.9. Recomendações para a manutenção da qualidade do instrumental cirúrgico........................... 209
8.8.2 .Artigos endoscópicos................................................................................................................... 210
8.8.2.1. Definição .................................................................................................................................. 210
8.8.2.2. Recomendações para limpeza de videocirurgia........................................................................ 210
8.8.2.2.1. Microcâmera.......................................................................................................................... 210
8.8.2.2.2. Cabos ópticos........................................................................................................................ 211
8.8.2.2.3. Telescópios ou óptica (rígidos).............................................................................................. 212
8.8.2.2.4. Morcelador............................................................................................................................. 213
8.8.2.2.5. Shaver................................................................................................................................... 213
Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
8.8.2.2.6. Instrumentais para videocirurgias .......................................................................................... 213
8.8.2.2.6.1. Limpeza manual dos instrumentais de videocirugias no Centro Cirúrgico ......................... 213
8.8.2.2.6.2. Limpeza manual dos instrumentais de videocirugias no CME............................................. 214
8.8.2.2.6.3. Limpeza automatizada: termodesinfetadora ou lavadora ultrassônica para canulados ....... 214
8.8.3. Endoscópios flexíveis .................................................................................................................. 215
8.8.3.1. Introdução ................................................................................................................................ 215
8.8.3.2. Garantia da qualidade .............................................................................................................. 215
8.8.3.3.Limpeza e desinfecção manual de endoscópios flexíveis.......................................................... 216
8.8.3.4. Limpeza e desinfecção automatizada de endoscópios flexíveis ............................................... 217
8.8.4. Artigos de assistência respiratória ............................................................................................... 218
8.8.4.1. Definição .................................................................................................................................. 218
8.8.4.2. Recomendações para a limpeza de artigos de assistência respiratória .................................... 218
8.8.4.2.1. Limpeza manual .................................................................................................................... 218
8.8.4.2.2. Limpeza automatizada........................................................................................................... 219
8.8.5. Motores, serras e aparelhos elétricos, pneumáticos e com bateria.............................................. 219
8.8.5.1. Definição .................................................................................................................................. 219
8.8.5.2. Recomendações para a limpeza de motores, serras e aparelhos elétricos,
pneumáticos e com bateria.................................................................................................................... 219
8.8.5.2.1. Equipamentos pneumáticos................................................................................................... 220
8.8.5.2.2. Equipamentos elétricos.......................................................................................................... 220
8.8.5.2.3. Equipamentos com bateria .................................................................................................... 220
8.8.6. Artigos tubulares.......................................................................................................................... 221
8.8.6.1. Definição .................................................................................................................................. 221
8.8.6.2. Recomendações para a limpeza de artigos tubulares............................................................... 221
8.9. Recomendações gerais para a limpeza de produtos para saúde.................................................... 222
9. DESINFECÇÃO DE PRODUTOS PARA SAÚDE.............................................................................. 224
9.1. Desinfecção.................................................................................................................................... 224
9.2. Objetivo.......................................................................................................................................... 224
9.3. Fatores que afetam a desinfecção................................................................................................. 224
9.4. Educação e treinamento................................................................................................................. 224
9.5. Classificação da desinfecção.......................................................................................................... 224
9.5.1. Desinfecção de alto nível............................................................................................................. 225
9.5.2. Desinfecção de nível intermediário.............................................................................................. 225
9.5.3. Desinfecção de baixo nível.......................................................................................................... 225
9.6. Saneantes ...................................................................................................................................... 225
9.7. Aspectos legais .............................................................................................................................. 225
9.8. Definição de artigos,pois é segundo Portaria.................................................................................. 227
9.9. Desinfetantes ................................................................................................................................. 227
9.9.1. Desinfetantes hospitalares para artigos semicríticos ................................................................... 228
9.9.2. Comprovação da eficácia ............................................................................................................ 228
9.9.3. Microrganismos para a avaliação da ação antimicrobiana........................................................... 229
9.10. Avaliação toxicológica .................................................................................................................. 229
9.11. Rotulagem................................................................................................................................... 229
9.12. Testes microbiológicos ............................................................................................................... 229
9.13. Consenso .................................................................................................................................... 229
9.13.1. Características para seleção de agentes químicos.................................................................... 230
9.14. Fatores que influenciam na eficácia dos agentes químicos ......................................................... 231
9.15. Precauções na utilização dos agentes químicos.......................................................................... 231
9.16. Métodos de desinfecção............................................................................................................. 232
Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
9.16.1. Desinfecção por processo físico ................................................................................................ 232
9.16.2. Desinfecção química ................................................................................................................. 232
9.17. Aspectos de segurança .............................................................................................................. 233
9.18. Seleção do agente desinfetante ................................................................................................. 233
9.19. Monitoramento da solução desinfetante ..................................................................................... 233
9.20. Recomendações para desinfetantes........................................................................................... 234
9.21. Desinfecção manual................................................................................................................... 234
9.22. Desinfecção automatizada.......................................................................................................... 234
9.23. Aspectos normativos .................................................................................................................. 235
9.24. Monitoramento do processo de desinfecção................................................................................ 236
9.25. Pasteurização............................................................................................................................. 236
9.25.1. Definição ................................................................................................................................... 236
9.25.2. Parâmetros do processo............................................................................................................ 236
9.25.3. Indicação de uso ....................................................................................................................... 236
9.25.4. Mecanismo de ação................................................................................................................... 236
9.25.5. Ciclo de pasteurização .............................................................................................................. 236
9.25.6. Recomendações para pasteurização......................................................................................... 236
9.25.7. Vantagens e desvantagens ....................................................................................................... 237
10. PREPARO E EMPACOTAMENTO DE PRODUTOS PARA SAÚDE ............................................... 239
10.1. Definição ...................................................................................................................................... 239
10.2. Objetivo........................................................................................................................................ 239
10.3 Recomendações para o preparo e o empacotamento de produtos para saúde ............................ 239
11. SELEÇÃO DE EMBALAGENS PARA OS PRODUTOS PARA SAÚDE........................................... 239
11.1. Características das embalagens:.................................................................................................. 240
11.2. Objetivo........................................................................................................................................ 240
11.3. Tipos de embalagem.................................................................................................................... 240
11.3.1. Tecido de algodão..................................................................................................................... 240
11.3.1.1. Problemas no uso de embalagem de tecido ........................................................................... 241
11.3.1.2 Recomendações para o uso de embalagem de tecido............................................................ 241
11.3.2. Embalagem composta de papel grau cirúrgico e filme laminado................................................ 242
11.3.3. Papel grau cirúrgico encrespado conhecido como papel crepado. ............................................ 243
11.3.4. Papel kraft ................................................................................................................................. 243
11.3.5. Filmes transparentes ................................................................................................................. 244
11.3.6. Tyvek......................................................................................................................................... 244
11.3.7. Lâminas de alumínio e caixas metálicas.................................................................................... 244
11.3.8. Sistema de contêineres rígidos.................................................................................................. 244
11.3.8.1. Vantagens do uso de contêineres rígidos: .............................................................................. 245
11.3.9. Vidros refratários ....................................................................................................................... 245
11.3.10. Não-tecido – spunbonded / meltblown / spunbonded (SMS).................................................... 245
11.4. Recomendações para a seleção de embalagens ......................................................................... 246
12. PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO DE PRODUTOS PARA SAÚDE ............................................ 248
12.1. Definição ...................................................................................................................................... 248
12.2. Tipos de processos de esterilização............................................................................................. 248
12.2.1. Processos físicos....................................................................................................................... 248
12.2.1.1. Esterilização por vapor saturado sob pressão ........................................................................ 248
12.2.1.1.1. Definição.............................................................................................................................. 248
12.2.1.1.2. Tipos de autoclave............................................................................................................... 249
Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
12.2.1.1.3. Mecanismo de ação............................................................................................................. 249
12.2.1.1.4. Parâmetros do processo...................................................................................................... 249
12.2.1.1.5. Monitoramento do processo................................................................................................. 250
12.2.1.1.6. Vantagens ........................................................................................................................... 251
12.2.1.1.7. Desvantagens...................................................................................................................... 251
12.2.1.1.8. Recomendações para a esterilização de produtos para saúde por
vapor saturado sob pressão .................................................................................................................. 251
12.2.1.2. Esterilização rápida (flash sterilization)................................................................................... 252
12.2.1.2.1. Definição.............................................................................................................................. 252
12.2.1.2.2. Mecanismo de ação............................................................................................................. 252
12.2.1.2.3. Parâmetros do processo...................................................................................................... 252
12.2.1.2.4. Recomendações para a esterilização de produtos para saúde por ciclo flash ..................... 252
12.2.1.3. Esterilização por calor seco.................................................................................................... 254
12.2.1.3.1. Definição.............................................................................................................................. 254
12.2.1.3.2. Mecanismo de ação............................................................................................................. 255
12.2.1.3.3. Parâmetros do processo...................................................................................................... 255
12.2.1.3.4. Monitoramento do processo................................................................................................. 255
12.2.1.3.5. Recomendações para a esterilização de produtos para saúde por calor seco..................... 255
12.2.1.4. Esterilização por cobalto 60.................................................................................................... 256
12.2.1.4.1. Definição.............................................................................................................................. 256
12.2.1.4.2. Mecanismo de ação............................................................................................................. 256
12.2.1.4.3. Risco de exposição ambiental ............................................................................................. 256
12.2.1.4.4. Parâmetros do processo...................................................................................................... 257
12.2.1.4.5. Monitoramento do processo................................................................................................. 257
12.2.1.4.6. Vantagens ........................................................................................................................... 257
12.2.1.4.7. Desvantagens...................................................................................................................... 257
12.2.1.4.8. Recomendações para esterilização de produtos para saúde por cobalto 60........................ 258
12.2.2. Processos físico-químicos ......................................................................................................... 258
12.2.2.1. Esterilização por vapor de baixa temperatura com formaldeído gasoso (VBTF)..................... 258
12.2.2.1.1. Definição.............................................................................................................................. 258
12.2.2.1.2. Mecanismo de ação............................................................................................................. 258
12.2.2.1.3. Toxicidade ........................................................................................................................... 259
12.2.2.1.4. Parâmetros do processo...................................................................................................... 259
12.2.2.1.5. Fases da esterilização por VBTF......................................................................................... 259
12.2.2.1.6. Monitoramento do processo de esterilização....................................................................... 260
12.2.2.1.7. Vantagens ........................................................................................................................... 261
12.2.2.1.8. Desvantagens...................................................................................................................... 261
12.2.2.1.9. Recomendações para a esterilização de produtos para saúde por VBTF............................ 261
12.2.2.3. Esterilização por óxido de etileno (ETO)................................................................................. 262
12.2.2.3.1. Definição.............................................................................................................................. 262
12.2.2.3.2. Mecanismo de ação............................................................................................................. 262
12.2.2.3.3. Toxicidade ........................................................................................................................... 262
12.2.2.3.4. Parâmetros do processo...................................................................................................... 263
12.2.2.3.5. Monitoramento do processo................................................................................................. 264
12.2.2.3.6. Vantagens ........................................................................................................................... 264
12.2.2.3.7. Desvantagens...................................................................................................................... 264
12.2.2.3.8. Cuidados especiais no manuseio de produtos para saúde esterilizados
por óxido de etileno que devem ser seguidos:...................................................................................... 265
12.2.2.3.9. Recomendações para a esterilização de artigos por óxido de etileno.................................. 265
12.2.2.4. Esterilização por plasma de peróxido de hidrogênio............................................................... 265
Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
12.2.2.4.1. Definição.............................................................................................................................. 265
12.2.2.4.2. Mecanismo de ação............................................................................................................. 266
12.2.2.4.3. Toxicidade ........................................................................................................................... 266
12.2.2.4.4. Vantagens ........................................................................................................................... 266
12.2.2.4.5. Desvantagens...................................................................................................................... 266
12.2.2.4.6. Parâmetros do processo...................................................................................................... 267
12.2.2.4.7. Fases de esterilização por plasma de peróxido de hidrogênio............................................. 267
12.2.2.4.8. Recomendações para a esterilização de produtos para saúde por plasma de peróxido
de hidrogênio ........................................................................................................................................ 267
12.2.2.4.9. Monitoramento do processo de esterilização....................................................................... 267
13. RECOMENDAÇÕES PARA O ARMAZENAMENTO E A DISTRIBUIÇÃO DOS ARTIGOS
ESTERILIZADOS.................................................................................................................................. 269
13.1. Definição e objetivos .................................................................................................................... 269
13.2. Recomendações para o armazenamento e a distribuição dos artigos esterilizados...................... 270
14. MONITORAMENTO DOS PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO...................................................... 271
14.1. Monitoramento mecânico ............................................................................................................. 271
14.1.2. Vantagens do monitoramento mecânico por instrumento eletrônico.......................................... 271
14.2. Monitoramento químico ................................................................................................................ 271
14.2.1. Classificação dos indicadores químicos..................................................................................... 272
14.2.2. Características de cada classe dos indicadores químicos ......................................................... 272
14.2.3. Controles microbiológicos.......................................................................................................... 274
14.2.3.1. Indicadores de primeira geração............................................................................................. 274
14.2.3.2. Indicadores de segunda geração............................................................................................ 274
14.2.3.3. Indicadores de terceira geração.............................................................................................. 274
14.2.3.4. Testes para avaliar a penetração do agente esterilizante ....................................................... 274
14.2.3.5. Recomendação para realização de testes Bowie e Dick em autoclaves com
sistema de pré-vácuo. ........................................................................................................................... 275
14.2.3.5.1. Confecção do pacote conforme padrão AAMI...................................................................... 275
14.2.3.6. Ferramentas de monitoramento:............................................................................................. 275
15. POR QUE É TESTADO O PROCESSO DE ESTERILIZAÇÃO A VAPOR?..................................... 277
16. POR QUE SE FAZ O TESTE DE BOWIE&DICK?........................................................................... 277
17. POR QUE SE DEVE TER ATENÇÃO À PRESENÇA DE AR OU DE GASES
NÃO CONDENSÁVEIS (NCG)?............................................................................................................ 277
18. POR QUE UTILIZAR MONITORES FÍSICOS?................................................................................ 278
19. POR QUE SÃO TÃO IMPORTANTES TODAS ESTAS MEDIÇÕES? ............................................. 278
20. POR QUE USAR TANTOS TIPOS DE MONITORES PARA UM CICLO? POR QUE USAR FITA
INDICADORA NO LADO EXTERNO DE UM PACOTE?....................................................................... 278
21. POR QUE UTILIZAR INDICADORES QUÍMICOS INTERNOS?..................................................... 279
22. POR QUE UTILIZAR INDICADORES BIOLÓGICOS?..................................................................... 279
Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
23. CONTROLE E DOCUMENTAÇÃO DOS PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO............................... 279
23.1. Definição ...................................................................................................................................... 280
23.2. Tipos de registro........................................................................................................................... 280
23.2.1. Quanto aos processos de esterilização ..................................................................................... 280
23.2.2. Quanto à manutenção do equipamento..................................................................................... 280
23.3. Recomendações para o controle e a documentação dos processos de esterilização................... 280
24. VALIDAÇÃO DOS PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO DE PRODUTOS PARA SAÙDE.............. 281
24.1. Definição ...................................................................................................................................... 281
24.2. Objetivos da validação.................................................................................................................. 281
24.3. Etapas da validação ..................................................................................................................... 281
24.3.1. Qualificação do projeto.............................................................................................................. 281
24.3.2. Qualificação da instalação......................................................................................................... 281
24.3.3. Qualificação da operação de esterilização................................................................................. 282
24.3.4. Qualificação do desempenho do equipamento .......................................................................... 282
24.4. Recomendações para a validação dos processos de esterilização............................................... 283
24.5. Requalificação e revalidação dos processos de esterilização....................................................... 283
24.5.1. Recomendações........................................................................................................................ 283
25. VALIDAÇÃO DOS PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO POR CALOR SECO................................. 283
26. REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS DE USO ÚNICO ................................................................. 283
26.1. Legislação sobre reprocessamento de materiais médicos no Brasil ............................................. 285
26.2. Elaboração, validação e implantação de protocolos de reprocessamento de
artigos de uso único. ............................................................................................................................. 285
26.3. Critérios a serem analisados para a tomada de decisão quanto ao
reprocessamento de artigos de uso único ............................................................................................. 286
27. TERCEIRIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ESTERILIZAÇÃO............................................................ 287
27.1. Definição ...................................................................................................................................... 287
27.2. Objetivo........................................................................................................................................ 287
27.3. Recomendações para a terceirização da esterilização ................................................................ 287
28. PRODUTO RECALL........................................................................................................................ 289
28.1. Recall de produtos para saúde processados em uma instituição médico-hospitalar..................... 289
28.1.1. Políticas e procedimentos.......................................................................................................... 289
28.2. Quando realizar o recall................................................................................................................ 290
28.3. Como fazer um recall.................................................................................................................... 290
28.4. Como evitar um recall................................................................................................................... 290
28.5. Recalls de produtos para saúde, notificações e alertas de segurança.......................................... 290
28.6. Resumo........................................................................................................................................ 291
29. INDICADORES DE QUALIDADE PARA AVALIAÇÃO DO TRABALHO EM CME ........................... 291
29.1. Indicadores para limpeza de produtos para saúde ..................................................................... 293
29.2. Indicadores para área de preparo e acondicionamento de produtos para saúde.......................... 294
ANEXOS ............................................................................................................................................... 295
Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzAula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Proqualis
 
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxCIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
EvelineMachado3
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
Luana Santos
 
Slidesclinicacirurgica2
Slidesclinicacirurgica2Slidesclinicacirurgica2
Slidesclinicacirurgica2
Leidiãne Rocha
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
FatianeSantos
 
Terminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgicaTerminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgica
Fernando de Oliveira Dutra
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
resenfe2013
 
Tempos cirurgicos
Tempos cirurgicosTempos cirurgicos
Tempos cirurgicos
Edilaine Torrecilha
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgico
shaxa
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
Cacilda Peixoto
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesia
Garrote Leal
 
Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)
ANDRESSA POUBEL
 
Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
Rosimeyre Lira
 
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
Francisco da silva Torres
 
Aula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgicoAula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgico
4523ppp
 
Centro cirurgico
Centro cirurgico Centro cirurgico
Centro cirurgico
Alexandre Reis
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Aline Bandeira
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
Ivanete Dias
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Heraldo Maia
 
Sala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésicaSala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésica
Rivanilcede
 

Mais procurados (20)

Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzAula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
 
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxCIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
 
Slidesclinicacirurgica2
Slidesclinicacirurgica2Slidesclinicacirurgica2
Slidesclinicacirurgica2
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
 
Terminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgicaTerminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgica
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
 
Tempos cirurgicos
Tempos cirurgicosTempos cirurgicos
Tempos cirurgicos
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgico
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesia
 
Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)
 
Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
 
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
 
Aula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgicoAula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgico
 
Centro cirurgico
Centro cirurgico Centro cirurgico
Centro cirurgico
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
 
Sala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésicaSala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésica
 

Semelhante a Enfermagem em centro cirurgico

Plano segurancasaude
Plano segurancasaudePlano segurancasaude
Plano segurancasaude
glauciaseg
 
Auditoria Contábil (Aspectos Teóricos e Práticos) - IOB e-Store
Auditoria Contábil (Aspectos Teóricos e Práticos) - IOB e-StoreAuditoria Contábil (Aspectos Teóricos e Práticos) - IOB e-Store
Auditoria Contábil (Aspectos Teóricos e Práticos) - IOB e-Store
IOB News
 
Itur Manual
Itur ManualItur Manual
Itur Manual
João Morim
 
Estrutura e Análise de Balanço - IOB e-Store
Estrutura e Análise de Balanço - IOB e-StoreEstrutura e Análise de Balanço - IOB e-Store
Estrutura e Análise de Balanço - IOB e-Store
IOB News
 
guia_portugues- inmetro.pdf
guia_portugues- inmetro.pdfguia_portugues- inmetro.pdf
guia_portugues- inmetro.pdf
1youssef
 
Biossegurança FACID
Biossegurança   FACIDBiossegurança   FACID
Biossegurança FACID
kandarpagalas
 
34772711 a-saude-dos-edificios-check-up-predial
34772711 a-saude-dos-edificios-check-up-predial34772711 a-saude-dos-edificios-check-up-predial
34772711 a-saude-dos-edificios-check-up-predial
mjmcreatore
 
Sht2009
Sht2009Sht2009
Apostila de higiene e segurança do trabalho
Apostila de higiene e segurança do trabalhoApostila de higiene e segurança do trabalho
Apostila de higiene e segurança do trabalho
Sergio Silva
 
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalarReteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
home
 
Pontes Ferroviárias
Pontes FerroviáriasPontes Ferroviárias
Pontes Ferroviárias
Daniel Campos
 
Gestão da produção e materiais
Gestão da produção e materiaisGestão da produção e materiais
Gestão da produção e materiais
Mateus Oliveira
 
51
5151
Pca conservação auditiva
Pca conservação auditivaPca conservação auditiva
Pca conservação auditiva
Alex Vieira
 
Norma 02 2013
Norma 02 2013Norma 02 2013
Norma 02 2013
eb23briteiros
 
Norma 02 2013
Norma 02 2013Norma 02 2013
Norma 02 2013
Leonor Alves
 
Apostila itil
Apostila itilApostila itil
Apostila itil
aleks_mura
 
Sinalização-e-Amarração.pdf
Sinalização-e-Amarração.pdfSinalização-e-Amarração.pdf
Sinalização-e-Amarração.pdf
DanielFernandes632507
 
Ufcd 6562 prevenção e controlo da infeção_princípios básicos a considerar na ...
Ufcd 6562 prevenção e controlo da infeção_princípios básicos a considerar na ...Ufcd 6562 prevenção e controlo da infeção_princípios básicos a considerar na ...
Ufcd 6562 prevenção e controlo da infeção_princípios básicos a considerar na ...
Manuais Formação
 
Coleção IOB Trabalhista e Previdenciária - Contrato de Trabalho - Aspectos Ju...
Coleção IOB Trabalhista e Previdenciária - Contrato de Trabalho - Aspectos Ju...Coleção IOB Trabalhista e Previdenciária - Contrato de Trabalho - Aspectos Ju...
Coleção IOB Trabalhista e Previdenciária - Contrato de Trabalho - Aspectos Ju...
IOB News
 

Semelhante a Enfermagem em centro cirurgico (20)

Plano segurancasaude
Plano segurancasaudePlano segurancasaude
Plano segurancasaude
 
Auditoria Contábil (Aspectos Teóricos e Práticos) - IOB e-Store
Auditoria Contábil (Aspectos Teóricos e Práticos) - IOB e-StoreAuditoria Contábil (Aspectos Teóricos e Práticos) - IOB e-Store
Auditoria Contábil (Aspectos Teóricos e Práticos) - IOB e-Store
 
Itur Manual
Itur ManualItur Manual
Itur Manual
 
Estrutura e Análise de Balanço - IOB e-Store
Estrutura e Análise de Balanço - IOB e-StoreEstrutura e Análise de Balanço - IOB e-Store
Estrutura e Análise de Balanço - IOB e-Store
 
guia_portugues- inmetro.pdf
guia_portugues- inmetro.pdfguia_portugues- inmetro.pdf
guia_portugues- inmetro.pdf
 
Biossegurança FACID
Biossegurança   FACIDBiossegurança   FACID
Biossegurança FACID
 
34772711 a-saude-dos-edificios-check-up-predial
34772711 a-saude-dos-edificios-check-up-predial34772711 a-saude-dos-edificios-check-up-predial
34772711 a-saude-dos-edificios-check-up-predial
 
Sht2009
Sht2009Sht2009
Sht2009
 
Apostila de higiene e segurança do trabalho
Apostila de higiene e segurança do trabalhoApostila de higiene e segurança do trabalho
Apostila de higiene e segurança do trabalho
 
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalarReteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
 
Pontes Ferroviárias
Pontes FerroviáriasPontes Ferroviárias
Pontes Ferroviárias
 
Gestão da produção e materiais
Gestão da produção e materiaisGestão da produção e materiais
Gestão da produção e materiais
 
51
5151
51
 
Pca conservação auditiva
Pca conservação auditivaPca conservação auditiva
Pca conservação auditiva
 
Norma 02 2013
Norma 02 2013Norma 02 2013
Norma 02 2013
 
Norma 02 2013
Norma 02 2013Norma 02 2013
Norma 02 2013
 
Apostila itil
Apostila itilApostila itil
Apostila itil
 
Sinalização-e-Amarração.pdf
Sinalização-e-Amarração.pdfSinalização-e-Amarração.pdf
Sinalização-e-Amarração.pdf
 
Ufcd 6562 prevenção e controlo da infeção_princípios básicos a considerar na ...
Ufcd 6562 prevenção e controlo da infeção_princípios básicos a considerar na ...Ufcd 6562 prevenção e controlo da infeção_princípios básicos a considerar na ...
Ufcd 6562 prevenção e controlo da infeção_princípios básicos a considerar na ...
 
Coleção IOB Trabalhista e Previdenciária - Contrato de Trabalho - Aspectos Ju...
Coleção IOB Trabalhista e Previdenciária - Contrato de Trabalho - Aspectos Ju...Coleção IOB Trabalhista e Previdenciária - Contrato de Trabalho - Aspectos Ju...
Coleção IOB Trabalhista e Previdenciária - Contrato de Trabalho - Aspectos Ju...
 

Último

Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
Daniel273024
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
menesabi
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 

Enfermagem em centro cirurgico

  • 1. Práticas Recomendadas - SOBECC – 5ª Edição 2009 CAPÍTULO I CENTRO CIRURGICO 1. INTRODUÇÃO .................................................................................................................................... 18 2. RECOMENDAÇÕES PARA ARQUITETURA E ÁREA FÍSICA DO CENTRO CIRÚRGICO................. 19 2.1. Configuração física do Centro Cirúrgico ........................................................................................... 20 2.1.1. Centro Cirúrgico em corredor único............................................................................................... 20 2.1.2. Centro Cirúrgico em corredor duplo............................................................................................... 21 2.1.3. Centro Cirúrgico em corredor periférico......................................................................................... 21 2.2. Instalações do Centro Cirúrgico........................................................................................................ 21 2.3. Centro Cirúrgico Ambulatorial e Centro Cirúrgico não Ambulatorial.................................................. 22 2.4. Alvará de funcionamento e autoridades sanitárias............................................................................ 23 3. RECURSOS HUMANOS NO CENTRO CIRÚRGICO.......................................................................... 25 3.1. Dimensionamento de pessoal........................................................................................................... 26 3.1.1. Cálculo de pessoal baseado na estrutura do serviço..................................................................... 26 3.2. Enfermeiro........................................................................................................................................ 26 3.2.1. Atribuições do Enfermeiro Coordenador........................................................................................ 27 3.2.1.1. Atividades do Enfermeiro Coordenador relacionadas ao funcionamento da unidade.................. 27 3.2.1.2. Atividades técnico-administrativas do Enfermeiro Coordenador ................................................. 27 3.2.1.3. Atividades assistenciais do Enfermeiro Coordenador ................................................................. 27 3.2.1.4. Atividades de administração de pessoal do Enfermeiro Coordenador ........................................ 28 3.2.2. Atribuições do Enfermeiro Assistencial.......................................................................................... 28 3.3. Técnico de Enfermagem................................................................................................................... 29 3.3.1. Atribuições do Técnico de Enfermagem no Centro Cirúrgico......................................................... 30 3.4. Auxiliar de Enfermagem ................................................................................................................... 31 3.4.1. Atribuições do Auxiliar de Enfermagem no Centro Cirúrgico.......................................................... 32 3.5. Instrumentador Cirúrgico .................................................................................................................. 34 3.5.1. Atribuições do Instrumentador Cirúrgico........................................................................................ 34 3.6. Auxiliar-administrativo....................................................................................................................... 34 4. RECOMENDAÇÕES PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO NO AMBIENTE CIRÚRGICO................. 35 4.1. Introdução ........................................................................................................................................ 35 4.2. Fisiopatogenia.................................................................................................................................. 35 4.3. Fontes de microrganismos causadores de infecções do sítio cirúrgico............................................. 35 4.4. Agentes infecciosos causadores da infecção do sítio cirúrgico......................................................... 36 4.5. Fatores de predisposição ................................................................................................................. 36 4.6. Critérios de definição de infecção do sítio cirúrgico .......................................................................... 37 4.7. Recomendações para prevenção de infecções do sítio cirúrgico...................................................... 38 5. BIOSSEGURANÇA ............................................................................................................................ 45 5.1. Introdução ........................................................................................................................................ 45 5.2. Definição .......................................................................................................................................... 46 5.3. Recomendações............................................................................................................................... 47 5.3.1. Ergonomia..................................................................................................................................... 47 5.3.2. Equipamento de Proteção Individual (EPI) .................................................................................... 47 5.3.3. Descarte de materiais.................................................................................................................... 47 5.3.4. Preparação para situação de emergências e catástrofes .............................................................. 47 5.3.5. Riscos elétricos e de incêndio ...................................................................................................... 48 Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
  • 2. 5.3.6. Líquidos voláteis............................................................................................................................ 48 5.3.7. Radiação ....................................................................................................................................... 49 5.3.8. Laser ............................................................................................................................................. 49 5.3.9. Quimioterápicos............................................................................................................................. 50 5.3.10. Alergia ao látex............................................................................................................................ 51 5.3.11. Estresse e burnout ...................................................................................................................... 51 5.4. Considerações finais ........................................................................................................................ 52 6. RECOMENDAÇÕES PARA LIMPEZA EM CENTRO CIRÚRGICO ..................................................... 52 6.1. Introdução ........................................................................................................................................ 52 6.2. Limpeza das áreas não restritas e semirrestritas.............................................................................. 53 6.3. Limpeza das áreas restritas.............................................................................................................. 53 6.3.1. Sala de operações......................................................................................................................... 53 6.3.2 Sala de pré-operatório e recuperação anestésica........................................................................... 55 6.4. Manuseio de material perfurocortante .............................................................................................. 55 7. SALA DE OPERAÇÕES: MONTAGEM, DESMONTAGEM E CIRCULAÇÃO...................................... 56 7.1. Introdução ........................................................................................................................................ 56 7.2. Montagem da sala de operações...................................................................................................... 56 7.3. Circulação da sala de operações...................................................................................................... 56 7.4. Desmontagem da sala de operações ............................................................................................... 57 7.5. Recomendações............................................................................................................................... 57 7.5.1. Montagem da sala cirúrgica........................................................................................................... 57 7.5.2. Circulação da sala cirúrgica........................................................................................................... 58 7.5.3. Desmontagem da sala cirúrgica .................................................................................................... 61 8. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM............................................................... 62 8.1. Introdução ........................................................................................................................................ 62 8.2. Consulta de enfermagem ................................................................................................................. 63 8.3. Histórico de enfermagem.................................................................................................................. 63 8.4. Exame físico..................................................................................................................................... 63 8.5. Diagnóstico de enfermagem............................................................................................................. 63 8.6. Prescrição de enfermagem .............................................................................................................. 64 8.7. Evolução de enfermagem................................................................................................................. 64 8.8. Sistema de Assistência de Enfermagem Perioperatória ................................................................... 64 8.8.1. Recomendações para a viabilização do processo ......................................................................... 64 8.9. Fases do Sistema de Assistência de Enfermagem Perioperatória ................................................... 65 8.9.1. Período transoperatório................................................................................................................. 67 8.9.2. Período pós-operatório.................................................................................................................. 68 8.10. Recomendações para atuação do enfermeiro na aplicação da SAEP ............................................ 68 8.10.1. 1ª Fase: Recomendações para avaliação do enfermeiro no pré-operatório imediato.................. 69 8.10.2. 2ª Fase: Recomendações para avaliação do enfermeiro no transoperatório e no intraoperatório 70 8.10.3. 3ª FASE: Recomendações para avaliação do enfermeiro no pós-operatório.............................. 71 8.10.3.1. Recomendações gerais para o período pós-operatório ............................................................ 72 8.10.3.2. Recomendações para aplicação da SAEP ............................................................................... 72 9. POSIÇÃO DO PACIENTE PARA O PROCESSO CIRÚRGICO........................................................... 74 9.1. Introdução ........................................................................................................................................ 74 9.2. Aspectos relevantes relacionados à posição do paciente para a cirurgia ......................................... 74 9.3. Recomendações para a adequada posição cirúrgica ....................................................................... 77 Trendelenburg: decúbito dorsal, com céfalo-declive de 30 a 45° e flexão dos joelhos a 45° ................... 84 9.4. Recomendações para mudança de posição do paciente.................................................................. 88 Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
  • 3. 10. RECOMENDAÇÕES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E ARTIGOS NO CENTRO CIRÚRGICO...................................................................................................................... 88 10.1 Introdução ....................................................................................................................................... 88 10.2. Recomendações............................................................................................................................. 88 11. RECOMENDAÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CIRÚRGICOS.............................. 89 11.1. Recomendações gerais.................................................................................................................. 89 11.2. Bisturi elétrico................................................................................................................................. 90 11.2.1. Bisturi elétrico monopolar ............................................................................................................ 91 11.2.1.1. Recomendações para utilização do bisturi elétrico monopolar:................................................. 91 11.2.2. Bisturi elétrico bipolar ................................................................................................................. 92 11.2.3. Bisturi ultrassônico....................................................................................................................... 92 11.2.3.1 Recomendações para utilização do bisturi ultrassônico............................................................. 93 11.2.4. Bisturi de argônio......................................................................................................................... 93 11.2.4.1. Recomendações para a utilização do bisturi de argônio ........................................................... 94 11.3. Gerador de radiofrequência............................................................................................................ 94 11.3.1. Recomendações para utilização do gerador de radiofrequência.................................................. 94 11.3.2. Gerador de radiofrequência para somnoplastia (Somnus)........................................................... 95 11.4 .Laser .............................................................................................................................................. 95 11.4.1. Tipos de laser.............................................................................................................................. 96 11.4.2. Classificação do laser.................................................................................................................. 97 11.4.3. Recomendações para utilização laser ......................................................................................... 97 11.5. Aspirador cirúrgico ultrassônico ..................................................................................................... 98 11.5.1. Recomendações para utilização do aspirador ultrassônico ......................................................... 98 11.6. Equipamentos de videocirurgia....................................................................................................... 99 11.6.1. Sistema de luz............................................................................................................................. 99 11.6.2. Microcâmeras............................................................................................................................ 100 11.6.3. Insufladores............................................................................................................................... 100 11.6.4 Recomendações para utilização dos equipamentos de videocirurgia ......................................... 100 11.7. Morcelador ................................................................................................................................... 103 11.7.1. Recomendações para utilização do morcelador ........................................................................ 103 11.8. Shaver.......................................................................................................................................... 103 11.8.1. Recomendações para utilização do shaver ............................................................................... 103 11.9. Garrote pneumático...................................................................................................................... 103 11.9.1. Recomendações para utilização do garrote pneumático............................................................ 103 11.10. Equipamentos de radiologia ....................................................................................................... 104 11.10.1. Recomendações para utilização de equipamentos de radiologia............................................. 104 12. ANESTESIA: TIPOS, RISCOS, MEDICAÇÕES E EQUIPAMENTOS ............................................. 105 12.1. Introdução .................................................................................................................................... 105 12.2. Tipos de anestesia ....................................................................................................................... 105 12.2.1. Anestesia geral.......................................................................................................................... 105 12.2.2. Bloqueios regionais ................................................................................................................... 106 12.2.2.1. Anestesia raquideana, intradural, bloqueio subaracnóideo ou raquianestesia ........................ 106 12.2.2.2. Anestesia epidural, peridural ou extradural............................................................................. 107 12.2.2.3. Bloqueio caudal...................................................................................................................... 108 12.2.2.4. Bloqueio de nervos periféricos................................................................................................ 108 12.2.2.5. Anestesia regional intravenosa............................................................................................... 108 12.2.3. Anestesia local .......................................................................................................................... 109 12.2.4. Máscara laríngea....................................................................................................................... 109 12.3. Assistência de enfermagem.......................................................................................................... 110 12.4. Principais medicações utilizadas em anestesia ............................................................................ 110 12.4.1. Anestésicos inalatórios ............................................................................................................. 110 12.4.2. Anestésicos intravenosos.......................................................................................................... 111 12.5. Aparelho de anestesia.................................................................................................................. 111 Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
  • 4. 13. HIPERTERMIA MALIGNA - HM ...................................................................................................... 111 13.1. Conceito....................................................................................................................................... 111 13.2. Drogas seguras e inseguras na HM.............................................................................................. 112 13.3. Protocolo de atendimento da HM ................................................................................................. 112 13.3.1. Tratamento da HM na fase aguda ............................................................................................. 112 13.3.2. Tratamento da HM na fase tardia .............................................................................................. 113 13.4. Recomendações........................................................................................................................... 113 14. TERAPIA ANTINEOPLÁSICA EM CENTRO CIRÚRGICO .............................................................. 113 14.1 Introdução ..................................................................................................................................... 113 14.2. Utilização da quimioterapia antineoplásica ................................................................................... 114 14.3. Como proceder no caso de contaminação ou derramamento do quimioterápico.......................... 115 14.4. Quimioterapia e Centro Cirúrgico ................................................................................................. 116 14.4.1. Quimioterapia intraperitoneal hipertérmica ................................................................................ 116 14.4.2. Quimioembolização ................................................................................................................... 116 14.4.3. Perfusão isolada de membro e infusão de membro................................................................... 116 14.5. Precauções padrão para quimioterapia em Centro Cirúrgico........................................................ 116 15. CONSIDERAÇÕES FINAIS............................................................................................................. 117 Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
  • 5. CAPÍTULO II RECUPERAÇÃO PÓS-ANESTÉSICA 1. INTRODUÇÃO .................................................................................................................................. 121 2. ÁREA FÍSICA.................................................................................................................................... 124 3. RECURSOS HUMANOS................................................................................................................... 126 3.1. Enfermeiro assistencial................................................................................................................... 126 3.1.1. Atividades do enfermeiro assistencial.......................................................................................... 126 3.2. Técnico de Enfermagem................................................................................................................. 127 3.2.1. Atividades do Técnico de Enfermagem........................................................................................ 127 3.3. Auxiliar administrativo..................................................................................................................... 128 3.3.1. Atividades do auxiliar administrativo............................................................................................ 128 4. ADMISSÃO DO PACIENTE E ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM................................................... 128 4.1. Recomendações para a assistência de Enfermagem.................................................................... 129 4.1.1. Recomendações para admissão do paciente na SRPA............................................................... 130 4.2. Índice de Aldrete e Kroulik.............................................................................................................. 131 4.3. Índice de Steward........................................................................................................................... 134 4.4. Escala de sedação de Ramsey ...................................................................................................... 135 4.5. Alta da SRPA ................................................................................................................................. 135 5. COMPLICAÇÕES NA RECUPERAÇÃO PÓS-ANESTÉSICA ........................................................... 135 5.1. Dor ................................................................................................................................................. 136 5.1.1. Assistência de Enfermagem na abordagem da dor ..................................................................... 138 5.2. Complicações respiratórias ............................................................................................................ 138 5.2.1. Hipóxia ........................................................................................................................................ 139 5.2.2. Obstrução das vias aéreas superiores......................................................................................... 139 5.2.3. Hipoventilação............................................................................................................................. 139 5.2.4. Apnéia pós-operatória ................................................................................................................. 139 5.2.5. Pneumotórax / hemotórax / hemopneumotórax ........................................................................... 139 5.2.6 .Aspiração do conteúdo gástrico................................................................................................... 140 5.2.7. Broncoespasmo........................................................................................................................... 140 5.2.8. Recomendações para a prevenção de complicações respiratórias.............................................. 140 5.3. Complicações cardiovasculares ..................................................................................................... 140 5.3.1. Hipotensão arterial ...................................................................................................................... 140 5.3.1.1. Recomendações na hipotensão................................................................................................ 141 5.3.2. Hipertensão arterial sistêmica (HAS)........................................................................................... 141 5.3.2.1. Recomendações na HAS.......................................................................................................... 142 5.3.3. Disritmias cardíacas .................................................................................................................... 142 5.3.3.1. Taquicardia sinusal................................................................................................................... 142 5.3.3.1.1. Causas .................................................................................................................................. 143 5.3.3.1.2. Recomendações na taquicardia sinusal................................................................................. 143 5.3.3.2. Bradicardia sinusal ................................................................................................................... 143 5.3.3.2.1. Causas .................................................................................................................................. 143 5.3.3.2.2. Recomendações na bradicardia ............................................................................................ 143 5.3.4. Choque hipovolêmico .................................................................................................................. 143 5.3.4.1. Recomendações na hipovolemia.............................................................................................. 144 5.4. Complicações renais ...................................................................................................................... 144 5.4.1. Oliguria........................................................................................................................................ 144 5.4.1.1. Recomendações na oliguria ..................................................................................................... 144 5.4.2. Poliuria ........................................................................................................................................ 144 5.4.2.1. Recomendações na poliuria ..................................................................................................... 144 Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
  • 6. 5.4.3. Retenção urinária ........................................................................................................................ 145 5.4.3.1. Recomendações para retenção urinária .................................................................................. 145 5.5. Complicações térmicas................................................................................................................... 145 5.5.1. Hipotermia................................................................................................................................... 145 5.5.1.1. Recomendações na hipotermia ................................................................................................ 146 5.5.2. Hipertemia................................................................................................................................... 146 5.5.2.1. Recomendações na hipertermia ............................................................................................... 147 5.6. Náuseas e vômitos......................................................................................................................... 147 5.6.1. Recomendações em caso de náuseas e vômitos........................................................................ 148 5.7. Soluço ............................................................................................................................................ 149 5.7.1. Recomendações em caso de soluço ........................................................................................... 149 5.8. Distensão abdominal...................................................................................................................... 149 5.8.1. Recomendações na distensão abdominal ................................................................................... 149 5.9 .Alterações neurológicas ................................................................................................................. 150 5.9.1. Demora na recuperação da consciência...................................................................................... 150 5.9.1.1. Recomendações em caso de demora na recuperação da consciência..................................... 150 5.9.2. Bloqueio neuromuscular.............................................................................................................. 150 5.9.2.1. Recomendações no bloqueio neuromuscular........................................................................... 150 5.10. Alterações da glicemia.................................................................................................................. 150 5.10.1. Recomendações em alterações glicêmicas ............................................................................... 150 6. RECOMENDAÇÕES PARA O PLANEJAMENTO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA SRPA151 6.1. Intervenções de Enfermagem na RA.............................................................................................. 155 7. ACOMPANHANTE OU FAMILIAR NA RECUPERAÇÃO PÓS-ANESTÉSICA................................... 156 7.1. Recomendações para envolver a família na SRPA ........................................................................ 163 8. Alta para a unidade de destino.......................................................................................................... 164 8.1. Passagem de plantão para o setor de origem ................................................................................ 164 8.2. Recomendações para a alta do paciente para sua unidade de origem........................................... 165 9. RECOMENDAÇÕES DE ALTA PARA O DOMICÍLIO........................................................................ 166 9.1. Recomendações para a alta domiciliar do paciente........................................................................ 166 Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
  • 7. CAPÍTULO III CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO 1. INTRODUÇÃO .................................................................................................................................. 178 2. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO CME ....................................................................................... 179 3. RECURSOS HUMANOS NO CME.................................................................................................... 179 3.1. Enfermeiro...................................................................................................................................... 179 3.1.1. Divisão das atividades desenvolvidas pelos enfermeiros do CME............................................... 180 3.1.1.1. Atividades de coordenação da unidade .................................................................................... 180 3.1.1.2. Atividades técnico-administrativas............................................................................................ 180 3.1.1.3. Atividades de administração de pessoal................................................................................... 181 3.2.. Técnico de Enfermagem................................................................................................................ 181 3.3. Auxiliar de Enfermagem ................................................................................................................. 181 3.3.1. Atividades do Técnico de Enfermagem/Auxiliar de Enfermagem em CME .................................. 181 3.4. Auxiliar-administrativo..................................................................................................................... 182 4. VALORES DO PROFISSIONAL ENFERMEIRO ............................................................................... 182 5. VALORES DOS DEMAIS MEMBROS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM........................................... 182 6. ÁREA FÍSICA DO CME..................................................................................................................... 183 6.1. Ambientes de apoio........................................................................................................................ 185 6.2. Localização .................................................................................................................................... 185 6.3. Dinâmica e fluxo no CME ............................................................................................................... 186 6.4. Aspectos construtivos..................................................................................................................... 187 7. CRITÉRIOS MÍNIMOS RECOMENDADOS PARA PROCESSAMENTO DOS PRODUTOS PARA SAÚDE ....................................................................................................................................... 190 7.1. Definição e objetivos ...................................................................................................................... 190 7.2. Classificação dos artigos segundo o potencial de transmissão de infecção.................................... 191 7.2.1. Artigos críticos............................................................................................................................. 191 7.2.2. Artigos semicríticos ..................................................................................................................... 191 7.2.3. Artigos não-críticos...................................................................................................................... 191 7.3. Outros conceitos importantes nas recomendações de processamento .......................................... 191 7.3.1. Reprocessamento ....................................................................................................................... 192 7.3.2. Reesterilização............................................................................................................................ 192 7.3.3. Serviço de saúde......................................................................................................................... 192 7.3.4. Produto médico ........................................................................................................................... 192 8. LIMPEZA DE PRODUTOS PARA SAÚDE ....................................................................................... 192 8.1. Introdução ...................................................................................................................................... 192 8.2. Definição ........................................................................................................................................ 193 8.3. Objetivos ........................................................................................................................................ 193 8.4. Morte microbiana............................................................................................................................ 193 8.5. Qualidade da água ......................................................................................................................... 194 8.5.1. Introdução ................................................................................................................................... 194 8.5.2. Recomendações de tratamento de água para limpeza de produtos para saúde.......................... 195 8.5.3. Recomendações para melhorar a qualidade da água e do vapor................................................ 196 Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
  • 8. 8.6. Seleção de produtos de limpeza para produtos para saúde ........................................................... 196 8.6.1. Detergentes................................................................................................................................. 196 8.6.2. Detergentes enzimáticos ............................................................................................................. 196 8.6.2.1. Definição .................................................................................................................................. 196 8.6.2.2. Recomendações para o uso de detergentes enzimáticos......................................................... 197 8.6.3. Detergentes alcalinos .................................................................................................................. 197 8.6.3.1. Benefícios................................................................................................................................. 197 8.6.4. Detergentes e desincrustantes .................................................................................................... 198 8.6.4.1. Definição .................................................................................................................................. 198 8.6.4.2. Recomendações para o uso de detergentes e desincrustantes................................................ 198 8.7. Métodos de limpeza de produtos para saúde ................................................................................. 199 8.7.1. Limpeza manual .......................................................................................................................... 199 8.7.1.1. Definição .................................................................................................................................. 199 8.7.1.2. Recomendações para a limpeza manual.................................................................................. 199 8.7.2. Limpeza automatizada................................................................................................................. 199 8.7.2.1. Definição .................................................................................................................................. 199 8.7.2.2. Tipos de equipamentos para a limpeza de produtos para saúde .............................................. 199 8.7.2.2.1. Lavadora ultrassônica............................................................................................................ 200 8.7.2.2.2. Lavadora esterilizadora.......................................................................................................... 200 8.7.2.2.3. Lavadora termodesinfetadora ................................................................................................ 200 8.7.2.2.4. Lavadora de descarga........................................................................................................... 200 8.7.2.2.5. Lavadora pasteurizadora ....................................................................................................... 201 8.7.2.2.6. Lavadora de túnel.................................................................................................................. 201 8.7.2.2.7. Lavadora de endoscópios...................................................................................................... 201 8.7.3. Recomendações para a limpeza automatizada ........................................................................... 201 8.7.4. Limpeza manual versus limpeza automatizada............................................................................ 202 8.7.5. Verificação da eficácia de limpeza............................................................................................... 202 8.7.5.1. Controle microbiológico ............................................................................................................ 203 8.7.5.2. Controle químico ...................................................................................................................... 204 8.7.5.3. Controle visual da limpeza dos produtos para saúde................................................................ 205 8.7.5.4 .Validação do processo de limpeza automatizada ..................................................................... 205 8.8. Recomendações para a limpeza de instrumental cirúrgico e de outros produtos de uso geral ....... 206 8.8.1. Instrumental cirúrgico .................................................................................................................. 206 8.8.1.1. Introdução ................................................................................................................................ 206 8.8.1.2. Fatores que danificam os instrumentais.................................................................................... 206 8.8.1.3. Ciclo do instrumental cirúrgico.................................................................................................. 206 8.8.1.4. Recomendações para a limpeza de instrumental cirúrgico ....................................................... 207 8.8.1.5. Cuidados específicos com o instrumental cirúrgico................................................................... 208 8.8.1.6. Tipos de corrosão do instrumental cirúrgico.............................................................................. 208 8.8.1.7. Como determinar se um instrumental está corroído ou manchado ........................................... 208 8.8.1.8. Tipos de manchas no instrumental cirúrgico............................................................................. 209 8.8.1.9. Recomendações para a manutenção da qualidade do instrumental cirúrgico........................... 209 8.8.2 .Artigos endoscópicos................................................................................................................... 210 8.8.2.1. Definição .................................................................................................................................. 210 8.8.2.2. Recomendações para limpeza de videocirurgia........................................................................ 210 8.8.2.2.1. Microcâmera.......................................................................................................................... 210 8.8.2.2.2. Cabos ópticos........................................................................................................................ 211 8.8.2.2.3. Telescópios ou óptica (rígidos).............................................................................................. 212 8.8.2.2.4. Morcelador............................................................................................................................. 213 8.8.2.2.5. Shaver................................................................................................................................... 213 Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
  • 9. 8.8.2.2.6. Instrumentais para videocirurgias .......................................................................................... 213 8.8.2.2.6.1. Limpeza manual dos instrumentais de videocirugias no Centro Cirúrgico ......................... 213 8.8.2.2.6.2. Limpeza manual dos instrumentais de videocirugias no CME............................................. 214 8.8.2.2.6.3. Limpeza automatizada: termodesinfetadora ou lavadora ultrassônica para canulados ....... 214 8.8.3. Endoscópios flexíveis .................................................................................................................. 215 8.8.3.1. Introdução ................................................................................................................................ 215 8.8.3.2. Garantia da qualidade .............................................................................................................. 215 8.8.3.3.Limpeza e desinfecção manual de endoscópios flexíveis.......................................................... 216 8.8.3.4. Limpeza e desinfecção automatizada de endoscópios flexíveis ............................................... 217 8.8.4. Artigos de assistência respiratória ............................................................................................... 218 8.8.4.1. Definição .................................................................................................................................. 218 8.8.4.2. Recomendações para a limpeza de artigos de assistência respiratória .................................... 218 8.8.4.2.1. Limpeza manual .................................................................................................................... 218 8.8.4.2.2. Limpeza automatizada........................................................................................................... 219 8.8.5. Motores, serras e aparelhos elétricos, pneumáticos e com bateria.............................................. 219 8.8.5.1. Definição .................................................................................................................................. 219 8.8.5.2. Recomendações para a limpeza de motores, serras e aparelhos elétricos, pneumáticos e com bateria.................................................................................................................... 219 8.8.5.2.1. Equipamentos pneumáticos................................................................................................... 220 8.8.5.2.2. Equipamentos elétricos.......................................................................................................... 220 8.8.5.2.3. Equipamentos com bateria .................................................................................................... 220 8.8.6. Artigos tubulares.......................................................................................................................... 221 8.8.6.1. Definição .................................................................................................................................. 221 8.8.6.2. Recomendações para a limpeza de artigos tubulares............................................................... 221 8.9. Recomendações gerais para a limpeza de produtos para saúde.................................................... 222 9. DESINFECÇÃO DE PRODUTOS PARA SAÚDE.............................................................................. 224 9.1. Desinfecção.................................................................................................................................... 224 9.2. Objetivo.......................................................................................................................................... 224 9.3. Fatores que afetam a desinfecção................................................................................................. 224 9.4. Educação e treinamento................................................................................................................. 224 9.5. Classificação da desinfecção.......................................................................................................... 224 9.5.1. Desinfecção de alto nível............................................................................................................. 225 9.5.2. Desinfecção de nível intermediário.............................................................................................. 225 9.5.3. Desinfecção de baixo nível.......................................................................................................... 225 9.6. Saneantes ...................................................................................................................................... 225 9.7. Aspectos legais .............................................................................................................................. 225 9.8. Definição de artigos,pois é segundo Portaria.................................................................................. 227 9.9. Desinfetantes ................................................................................................................................. 227 9.9.1. Desinfetantes hospitalares para artigos semicríticos ................................................................... 228 9.9.2. Comprovação da eficácia ............................................................................................................ 228 9.9.3. Microrganismos para a avaliação da ação antimicrobiana........................................................... 229 9.10. Avaliação toxicológica .................................................................................................................. 229 9.11. Rotulagem................................................................................................................................... 229 9.12. Testes microbiológicos ............................................................................................................... 229 9.13. Consenso .................................................................................................................................... 229 9.13.1. Características para seleção de agentes químicos.................................................................... 230 9.14. Fatores que influenciam na eficácia dos agentes químicos ......................................................... 231 9.15. Precauções na utilização dos agentes químicos.......................................................................... 231 9.16. Métodos de desinfecção............................................................................................................. 232 Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
  • 10. 9.16.1. Desinfecção por processo físico ................................................................................................ 232 9.16.2. Desinfecção química ................................................................................................................. 232 9.17. Aspectos de segurança .............................................................................................................. 233 9.18. Seleção do agente desinfetante ................................................................................................. 233 9.19. Monitoramento da solução desinfetante ..................................................................................... 233 9.20. Recomendações para desinfetantes........................................................................................... 234 9.21. Desinfecção manual................................................................................................................... 234 9.22. Desinfecção automatizada.......................................................................................................... 234 9.23. Aspectos normativos .................................................................................................................. 235 9.24. Monitoramento do processo de desinfecção................................................................................ 236 9.25. Pasteurização............................................................................................................................. 236 9.25.1. Definição ................................................................................................................................... 236 9.25.2. Parâmetros do processo............................................................................................................ 236 9.25.3. Indicação de uso ....................................................................................................................... 236 9.25.4. Mecanismo de ação................................................................................................................... 236 9.25.5. Ciclo de pasteurização .............................................................................................................. 236 9.25.6. Recomendações para pasteurização......................................................................................... 236 9.25.7. Vantagens e desvantagens ....................................................................................................... 237 10. PREPARO E EMPACOTAMENTO DE PRODUTOS PARA SAÚDE ............................................... 239 10.1. Definição ...................................................................................................................................... 239 10.2. Objetivo........................................................................................................................................ 239 10.3 Recomendações para o preparo e o empacotamento de produtos para saúde ............................ 239 11. SELEÇÃO DE EMBALAGENS PARA OS PRODUTOS PARA SAÚDE........................................... 239 11.1. Características das embalagens:.................................................................................................. 240 11.2. Objetivo........................................................................................................................................ 240 11.3. Tipos de embalagem.................................................................................................................... 240 11.3.1. Tecido de algodão..................................................................................................................... 240 11.3.1.1. Problemas no uso de embalagem de tecido ........................................................................... 241 11.3.1.2 Recomendações para o uso de embalagem de tecido............................................................ 241 11.3.2. Embalagem composta de papel grau cirúrgico e filme laminado................................................ 242 11.3.3. Papel grau cirúrgico encrespado conhecido como papel crepado. ............................................ 243 11.3.4. Papel kraft ................................................................................................................................. 243 11.3.5. Filmes transparentes ................................................................................................................. 244 11.3.6. Tyvek......................................................................................................................................... 244 11.3.7. Lâminas de alumínio e caixas metálicas.................................................................................... 244 11.3.8. Sistema de contêineres rígidos.................................................................................................. 244 11.3.8.1. Vantagens do uso de contêineres rígidos: .............................................................................. 245 11.3.9. Vidros refratários ....................................................................................................................... 245 11.3.10. Não-tecido – spunbonded / meltblown / spunbonded (SMS).................................................... 245 11.4. Recomendações para a seleção de embalagens ......................................................................... 246 12. PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO DE PRODUTOS PARA SAÚDE ............................................ 248 12.1. Definição ...................................................................................................................................... 248 12.2. Tipos de processos de esterilização............................................................................................. 248 12.2.1. Processos físicos....................................................................................................................... 248 12.2.1.1. Esterilização por vapor saturado sob pressão ........................................................................ 248 12.2.1.1.1. Definição.............................................................................................................................. 248 12.2.1.1.2. Tipos de autoclave............................................................................................................... 249 Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
  • 11. 12.2.1.1.3. Mecanismo de ação............................................................................................................. 249 12.2.1.1.4. Parâmetros do processo...................................................................................................... 249 12.2.1.1.5. Monitoramento do processo................................................................................................. 250 12.2.1.1.6. Vantagens ........................................................................................................................... 251 12.2.1.1.7. Desvantagens...................................................................................................................... 251 12.2.1.1.8. Recomendações para a esterilização de produtos para saúde por vapor saturado sob pressão .................................................................................................................. 251 12.2.1.2. Esterilização rápida (flash sterilization)................................................................................... 252 12.2.1.2.1. Definição.............................................................................................................................. 252 12.2.1.2.2. Mecanismo de ação............................................................................................................. 252 12.2.1.2.3. Parâmetros do processo...................................................................................................... 252 12.2.1.2.4. Recomendações para a esterilização de produtos para saúde por ciclo flash ..................... 252 12.2.1.3. Esterilização por calor seco.................................................................................................... 254 12.2.1.3.1. Definição.............................................................................................................................. 254 12.2.1.3.2. Mecanismo de ação............................................................................................................. 255 12.2.1.3.3. Parâmetros do processo...................................................................................................... 255 12.2.1.3.4. Monitoramento do processo................................................................................................. 255 12.2.1.3.5. Recomendações para a esterilização de produtos para saúde por calor seco..................... 255 12.2.1.4. Esterilização por cobalto 60.................................................................................................... 256 12.2.1.4.1. Definição.............................................................................................................................. 256 12.2.1.4.2. Mecanismo de ação............................................................................................................. 256 12.2.1.4.3. Risco de exposição ambiental ............................................................................................. 256 12.2.1.4.4. Parâmetros do processo...................................................................................................... 257 12.2.1.4.5. Monitoramento do processo................................................................................................. 257 12.2.1.4.6. Vantagens ........................................................................................................................... 257 12.2.1.4.7. Desvantagens...................................................................................................................... 257 12.2.1.4.8. Recomendações para esterilização de produtos para saúde por cobalto 60........................ 258 12.2.2. Processos físico-químicos ......................................................................................................... 258 12.2.2.1. Esterilização por vapor de baixa temperatura com formaldeído gasoso (VBTF)..................... 258 12.2.2.1.1. Definição.............................................................................................................................. 258 12.2.2.1.2. Mecanismo de ação............................................................................................................. 258 12.2.2.1.3. Toxicidade ........................................................................................................................... 259 12.2.2.1.4. Parâmetros do processo...................................................................................................... 259 12.2.2.1.5. Fases da esterilização por VBTF......................................................................................... 259 12.2.2.1.6. Monitoramento do processo de esterilização....................................................................... 260 12.2.2.1.7. Vantagens ........................................................................................................................... 261 12.2.2.1.8. Desvantagens...................................................................................................................... 261 12.2.2.1.9. Recomendações para a esterilização de produtos para saúde por VBTF............................ 261 12.2.2.3. Esterilização por óxido de etileno (ETO)................................................................................. 262 12.2.2.3.1. Definição.............................................................................................................................. 262 12.2.2.3.2. Mecanismo de ação............................................................................................................. 262 12.2.2.3.3. Toxicidade ........................................................................................................................... 262 12.2.2.3.4. Parâmetros do processo...................................................................................................... 263 12.2.2.3.5. Monitoramento do processo................................................................................................. 264 12.2.2.3.6. Vantagens ........................................................................................................................... 264 12.2.2.3.7. Desvantagens...................................................................................................................... 264 12.2.2.3.8. Cuidados especiais no manuseio de produtos para saúde esterilizados por óxido de etileno que devem ser seguidos:...................................................................................... 265 12.2.2.3.9. Recomendações para a esterilização de artigos por óxido de etileno.................................. 265 12.2.2.4. Esterilização por plasma de peróxido de hidrogênio............................................................... 265 Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
  • 12. 12.2.2.4.1. Definição.............................................................................................................................. 265 12.2.2.4.2. Mecanismo de ação............................................................................................................. 266 12.2.2.4.3. Toxicidade ........................................................................................................................... 266 12.2.2.4.4. Vantagens ........................................................................................................................... 266 12.2.2.4.5. Desvantagens...................................................................................................................... 266 12.2.2.4.6. Parâmetros do processo...................................................................................................... 267 12.2.2.4.7. Fases de esterilização por plasma de peróxido de hidrogênio............................................. 267 12.2.2.4.8. Recomendações para a esterilização de produtos para saúde por plasma de peróxido de hidrogênio ........................................................................................................................................ 267 12.2.2.4.9. Monitoramento do processo de esterilização....................................................................... 267 13. RECOMENDAÇÕES PARA O ARMAZENAMENTO E A DISTRIBUIÇÃO DOS ARTIGOS ESTERILIZADOS.................................................................................................................................. 269 13.1. Definição e objetivos .................................................................................................................... 269 13.2. Recomendações para o armazenamento e a distribuição dos artigos esterilizados...................... 270 14. MONITORAMENTO DOS PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO...................................................... 271 14.1. Monitoramento mecânico ............................................................................................................. 271 14.1.2. Vantagens do monitoramento mecânico por instrumento eletrônico.......................................... 271 14.2. Monitoramento químico ................................................................................................................ 271 14.2.1. Classificação dos indicadores químicos..................................................................................... 272 14.2.2. Características de cada classe dos indicadores químicos ......................................................... 272 14.2.3. Controles microbiológicos.......................................................................................................... 274 14.2.3.1. Indicadores de primeira geração............................................................................................. 274 14.2.3.2. Indicadores de segunda geração............................................................................................ 274 14.2.3.3. Indicadores de terceira geração.............................................................................................. 274 14.2.3.4. Testes para avaliar a penetração do agente esterilizante ....................................................... 274 14.2.3.5. Recomendação para realização de testes Bowie e Dick em autoclaves com sistema de pré-vácuo. ........................................................................................................................... 275 14.2.3.5.1. Confecção do pacote conforme padrão AAMI...................................................................... 275 14.2.3.6. Ferramentas de monitoramento:............................................................................................. 275 15. POR QUE É TESTADO O PROCESSO DE ESTERILIZAÇÃO A VAPOR?..................................... 277 16. POR QUE SE FAZ O TESTE DE BOWIE&DICK?........................................................................... 277 17. POR QUE SE DEVE TER ATENÇÃO À PRESENÇA DE AR OU DE GASES NÃO CONDENSÁVEIS (NCG)?............................................................................................................ 277 18. POR QUE UTILIZAR MONITORES FÍSICOS?................................................................................ 278 19. POR QUE SÃO TÃO IMPORTANTES TODAS ESTAS MEDIÇÕES? ............................................. 278 20. POR QUE USAR TANTOS TIPOS DE MONITORES PARA UM CICLO? POR QUE USAR FITA INDICADORA NO LADO EXTERNO DE UM PACOTE?....................................................................... 278 21. POR QUE UTILIZAR INDICADORES QUÍMICOS INTERNOS?..................................................... 279 22. POR QUE UTILIZAR INDICADORES BIOLÓGICOS?..................................................................... 279 Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer
  • 13. 23. CONTROLE E DOCUMENTAÇÃO DOS PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO............................... 279 23.1. Definição ...................................................................................................................................... 280 23.2. Tipos de registro........................................................................................................................... 280 23.2.1. Quanto aos processos de esterilização ..................................................................................... 280 23.2.2. Quanto à manutenção do equipamento..................................................................................... 280 23.3. Recomendações para o controle e a documentação dos processos de esterilização................... 280 24. VALIDAÇÃO DOS PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO DE PRODUTOS PARA SAÙDE.............. 281 24.1. Definição ...................................................................................................................................... 281 24.2. Objetivos da validação.................................................................................................................. 281 24.3. Etapas da validação ..................................................................................................................... 281 24.3.1. Qualificação do projeto.............................................................................................................. 281 24.3.2. Qualificação da instalação......................................................................................................... 281 24.3.3. Qualificação da operação de esterilização................................................................................. 282 24.3.4. Qualificação do desempenho do equipamento .......................................................................... 282 24.4. Recomendações para a validação dos processos de esterilização............................................... 283 24.5. Requalificação e revalidação dos processos de esterilização....................................................... 283 24.5.1. Recomendações........................................................................................................................ 283 25. VALIDAÇÃO DOS PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO POR CALOR SECO................................. 283 26. REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS DE USO ÚNICO ................................................................. 283 26.1. Legislação sobre reprocessamento de materiais médicos no Brasil ............................................. 285 26.2. Elaboração, validação e implantação de protocolos de reprocessamento de artigos de uso único. ............................................................................................................................. 285 26.3. Critérios a serem analisados para a tomada de decisão quanto ao reprocessamento de artigos de uso único ............................................................................................. 286 27. TERCEIRIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ESTERILIZAÇÃO............................................................ 287 27.1. Definição ...................................................................................................................................... 287 27.2. Objetivo........................................................................................................................................ 287 27.3. Recomendações para a terceirização da esterilização ................................................................ 287 28. PRODUTO RECALL........................................................................................................................ 289 28.1. Recall de produtos para saúde processados em uma instituição médico-hospitalar..................... 289 28.1.1. Políticas e procedimentos.......................................................................................................... 289 28.2. Quando realizar o recall................................................................................................................ 290 28.3. Como fazer um recall.................................................................................................................... 290 28.4. Como evitar um recall................................................................................................................... 290 28.5. Recalls de produtos para saúde, notificações e alertas de segurança.......................................... 290 28.6. Resumo........................................................................................................................................ 291 29. INDICADORES DE QUALIDADE PARA AVALIAÇÃO DO TRABALHO EM CME ........................... 291 29.1. Indicadores para limpeza de produtos para saúde ..................................................................... 293 29.2. Indicadores para área de preparo e acondicionamento de produtos para saúde.......................... 294 ANEXOS ............................................................................................................................................... 295 Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer