SlideShare uma empresa Scribd logo
Curso de Tecnicos de Farmacia-6
FARMÁ
CIA 6
5o GRUPO
EMULSÕES
EMULSÕES
 É a mistura entre dois líquidos imiscíveis em que um deles (a
fase dispersa) encontra-se na forma de finos glóbulos no seio
do outro líquido (a fase contínua), formando uma mistura
estável.
 Exemplos de emulsões incluem manteiga e margarina,
maionese, café expresso e alguns cosméticos. As emulsões
mais conhecidas consistem de água e óleo.
CONTIN.
 São sistemas dispersos constituídos de duas fases
líquidas imiscíveis (oleosa e aquosa), onde a fase
dispersa ou interna é finamente dividida e distribuída em
outra fase contínua ou externa. Temos emulsões do tipo
óleo em água (O/A: fase externa aquosa) e água em óleo
(A/O: fase externa oleosa).
CONTIN.
CONT
 São formas farmacêuticas líquidas ou semi-sólidas, de
aspecto cremoso, resultante da dispersão de um líquido
no seio do outro no qual é imiscível a custa de um agente
emulsificante.
 As emulsões são formas obtidas pela dispersão mecânica
de líquidos imiscíveis entre si, estabilizadas através do
uso de tensioactivos. Na forma líquida para uso tópico
recebe a
 denominação de loção. Para massagem, denomina-se
linimento. Na forma semi-sólida, recebe o nome de
creme.
VANTAGENS
 Formulação medicamentos hidrossolúveis e lipossolúveis
juntos
 Uso oral: permite mascarar sabor desagradável
 Permite diminuir irritabilidade dérmica de certos
fármacos
 Administração de óleos e gorduras via endovenosa para
nutrição Parenteral
 Administração I. V. de fármacos lipossolúveis
ESTABILIDADE DAS EMULSÕES
As emulsoes devem manter-se estaveis
durante um prazo mais ou menos longo, apos
a sua preparacao. Contudo por vezes alteram-
se algum tempo depois da sua preparacao.
Existem tres categorias de alteracoes das
emulsoes sem incluir as alteracoes de ordem
microbiana:
CONTIN.
 Floculacao e formação de crème;
 Coalescência e separação das fases;
 Alterações físicas e químicas diversas.
CONTIN.
 Floculaҫão - processo onde colóides saem de suspensão
na forma de agregados, formando partículas maiores,
ditos "flocos" ou "flóculos".
 Coalescência - quando em uma mistura multifásica,
ocorre a união de duas ou mais parcelas de uma fase em
prol da formação de uma única (unidade ou parcela).
CONTIN.
 As emulsões são instáveis termodinamicamente e,
portanto não se formam espontaneamente, sendo
necessário fornecer energia para formá-las através de
agitação, de homogeneizadores, ou de processos de
spray. Com o tempo, as emulsões tendem a retornar
para o estado estável de óleo separado da água.
 Os agentes emulsificantes (ou surfactantes) são
substâncias adicionadas às emulsões para aumentar a
sua estabilidade cinética tornando-as razoavelmente
estáveis e homogéneas. Um exemplo de alimento
emulsionado é a maionese, na qual a gema de ovo
contém o fosfolipídeo lecitina que estabiliza a
emulsão do azeite na água.
CONT
 A estabilidade de uma emulsão depende
essencialmente de três fenómenos: sedimentação,
floculação e quebra da emulsão devido a
coalescência das gotículas dispersas.
 A sedimentação resulta de uma diferença de
densidade entre as duas fases e consiste na migração
de uma das substâncias para o topo da emulsão, não
sendo necessariamente acompanhada de floculação
das gotas.
CONTIN.
 As colisões entre as gotas podem resultar em floculação,
que pode levar a coalescência em glóbulos maiores.
CONTIN.
 Eventualmente, a fase dispersa pode se tornar a fase
contínua, separada da dispersão média por uma única
interface. O tempo levado para tal separação de fases
pode ser de segundos ou até anos, dependendo da
formulação da emulsão
CONT.
 Para aumentar a estabilidade cinética das emulsões tornando-
as razoavelmente estáveis, um terceiro componente, o agente
emulsificante, pode ser adicionado. Os materiais mais
eficientes como agentes emulsificantes são os tensioactivos,
alguns materiais naturais e certos sólidos finamente divididos.
Esses materiais formam um filme adsorvido ao redor das
gotas dispersas e ajudam a prevenir a floculação e a
coalescência
COMPOSIÇÃO BÁSICA DA EMULSÃO
 Fase aquosa
 Fase Oleosa
 Tensioactivo (Agente emulsificante)
 Agentes Antioxidantes
 Conservantes
 Flavorizantes e Corantes (Emulsões Orais)
FASE OLEOSA
 Oleos vegetais: soja, amendoim, amêndoas, algodão,
semente de uva, macadâmia, girassol, outros
 Ésteres graxos (MIP)
 Acidos graxos
 Álcoois graxos
 Silicones
 Ceras de abelhas e carnaúba
TENSOACTIVO
O tensoactivo é o agente emulsivo e torna a
emulsão mais estável, pois, interpõe-se entre a fase
dispersa e dispersante, retardando assim, a
separação. O tipo de emulsão é determinado pela
solubilidade do agente emulsificante:
Apresentam a propriedade de reduzir a tensão
superficial da água e de outros líquidos.
Sua molécula apresenta um componente hidrofílico
(polar) e lipofílico (apolar).
TENSOACTIVO
 Se o agente emulsificante é mais solúvel na água
(hidrofílico, a água será a fase contínua, se formará
emulsão do tipo O/A).
 Se o agente emulsificante é mais solúvel na óleo
(lipofílico, o óleo será a fase contínua, se formará
emulsão do tipo A/O).
CONT.
 Agentes de detergência ou limpeza;
 Emulsionantes;
 Agentes de tratamento, condicionamento ou
sobreengordurante;
 Agentes espumantes;
 Agentes de viscosidade ou de espessamento da formulação;
 Agentes de redução de irritação de pele e olhos.
TENSOACTIVOS PODEM SER CLASSIFICADOS
 Aniônico
Fornece íons orgânicos carregados
negativamente.
Apresentam um óptimo poder de detergência e
espuma.
Ex: Sabões de ácidos graxos, Lauril sulfato de
sódio, Alquil éter sulfonatos
NÃO IÓNICOS
Em solução aquosa não sofrem ionização,
não possuem carga.
 Aplicação em emulsionantes para cremes,
loções, óleos de banho, auxiliar de
espessamento para xampus.
Ex: Mono e diestearato de etilenoglicol,
Lanolina etoxiladas, Ésteres de sorbitan,
óxidos de amina graxa e outros.
CATIÔNICOS
Ao se ionizar em solução aquosa, fornece
íons orgânicos carregados positivamente.
São incompatíveis com aniônicos, não
toleram água dura, íons ferro e metais
pesados.
São usados na preparação de condicionadores
e como agentes bactericidas em sabonetes.
Ex: Compostos quartenários de amónios,
Polímeros quartenários (Cloreto de
benazalconio)
ANFÓTEROS
 Possuem grupos funcionais com carácter aniônico e catiônico.
 Ex: Anfótero betaínicotaína (betaína de coco) - Tem aplicação com
co-tensoativo para aumento da espuma, viscosidade e redução da
irritação
 dos xampus, sabonetes líquidos e loções higenizantes.
 Ex: Anfótero imidazolínico (ácidos graxos de coco) - Tem
propriedades de suavidade da pele e
 olhos. Aplicação em xampus e sabonetes infantis.
SELECÇÃO E USO DE TENSOACTIVO
Detergência
É um processo complexo que implica na
umectação de um substrato (pele ou cabelo), na
eliminação das sujidades
Umectância
Todos os agentes tensoactivos possuem certa
propriedade umectante
Emulsificante
Um bom agente emulsificante requer uma unidade
hidrofóbica ligeiramente maior que a de um
umectante.
SELECÇÃO E USO DE TENSOACTIVO
Solubilização
Todos os agentes tensoactivos acima de sua
concentracao. Micelar possuem propriedades
solubilizantes. Ex: Incorporar um
componente orgânico insolúvel em um
produto transparente, como um xampu
MICELA
Após uma certa concentração, as moléculas
de tensoactivo, na solução, passam a se
agregar sob a forma de micelas. São as
micelas os “entes” da solução responsáveis
pela catálise micelar e pela solubilização da
gorduras
OS SEGUINTES FACTORES FAVORECEM A
ESTABILIDADE DE EMULSÕES:
 Tensão superficial baixa: a adsorção de surfactantes nas interfaces
óleo-água diminui a energia interfacil, facilitando o desenvolvimento
e aumentando a estabilidade das grandes áreas interfaciais
associadas com as emulsões;
 Filme interfacial mecanicamente forte e elástico: a estabilidade
das emulsões é favorecida pela protecção mecânica dada pelo filme
adsorvido ao redor da gota. A elasticidade do filme também é
importante para permitir a recuperação após distúrbios locais;
CONT.
Repulsão das duplas camadas eléctricas: a
repulsão entre as partículas diminui os choques
evitando a floculação. Quando agentes
emulsificantes iônicos são usados, a repulsão da
dupla camada eléctrica lateral pode prevenir a
formação de filmes compactos. O efeito de
expansão dos filmes pode ser minimizado usando
uma mistura de um filme iônico com um não-iônico
e/ou aumentando a concentração electrolítica na
fase aquosa;
Volume pequeno da fase dispersa: favorece a
formação de gotículas pequenas;
CONT.
Gotículas pequenas: gotas grandes são
menos estáveis devido a sua menor razão de
área/volume, que aumentam a tendência da
gota crescer;
Viscosidade alta: diminui as colisões
retardando a floculação e sedimentação.
CONT.
 O tipo de emulsão formada quando dois líquidos
imiscíveis são homogeneizados depende dos volumes
relativos das duas fases e da natureza do agente
emulsificante. Quanto maior for o volume da fase,
maior é a probabilidade do líquido se tornar a fase
contínua. Sabões de metais alcalinos favorecem a
formação de emulsões óleo em água, enquanto que
sabões de metais pesados favorecem a formação de
emulsões água em óleo. Além disso, a fase na qual o
agente emulsificante é mais solúvel tende a ser a fase
contínua.
VERIFICAÇÃO DAS EMULSÕES
O controle das emulsões deve ter, especialmente, o controlo e
apreciação de:
 Determinação do teor em agua;
 Determinação do teor em gordura total;
 Determinação do pH
 Avaliação da estabilidade;
 Determinação da viscosidade;
 Determinação do diâmetro das partículas dispersas
CLASSIFICAÇÃO DAS EMULSÕES
1.Quanto a carga:
 Iônicas +
 Não iônicas -
2. Quanto ao tipo de emulsões
Quanto ao tipo de emulsoes podem ser:
a) Quanto à fase interna
 A/O (fase interna água/ fase externa óleo)
 O/A (fase interna óleo/fase externa água)
 Múltiplas O/A/O e A/O/A (fase interna é uma
emulsão)
CONT.
b) Quanto ao tamanho da fase interna elas
podem ser:
-Macroemulsões
-leitosas
-gotícula :> 400 nm
-Miniemulsões
-gotícula: 100-400 nm
CONT.
Microemulsões
-transparentes
-termodinamicamente estáveis
-gotícula: < 100 nm
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DAS EMULSÕES
Emulsões orais
As emulsões orais são normalmente emulsões
do tipo O/A.
 Utiliza-se com frequência no preparo destas
formulações as gomas ou surfactantes não
iônico como agentes emulsivos.
 Exemplos de Emulsões Orais :
- Emulsão com Óleo de Fígado de
Bacalhau
- Emulsão de Óleo Mineral

EMULSÕES TÓPICAS (CREMES E LOÇÕES
CREMOSAS)
Os cremes são emulsões O/A ou A/O de alta
viscosidade e constituída de uma fase aquosa e oleosa
homogeneizadas através da utilização de um terceiro
componente que possui afinidade por ambas as fases
(tensoactivo).
Sua aparência geralmente é branca, devido o maior
tamanho dos glóbulos oleosos.
As loções são emulsões O/A ou A/O de média e baixa
viscosidade podendo utilizar além do tensoactivo um
solvente alcoólico.
A aparência das loções pode ser branca
(macroemulsão) ou transparente ( microemulsão)
dependendo do dos glóbulos oleosos emulsionados.
CONT.
Emulsões gel
• Creme clássico- 12% ceras;
• Creme gel – 8% ceras;
• Custo menor;
• Confere toque mais suave.
Preparo:
• Preparar o gel aquoso;
• Adicionar 1 a 2% de Microemulsão de silicone;
• Homogeneizar até ocorrer turvação
CARACTERÍSTICAS DAS EMULSÕES O/A
 Tacto menos oleoso;
 Secagem rápida;
 Condutividade eléctrica semelhante à fase aquosa;
 São coloridas por corantes hidrossolúveis;
 Podem formar um espuma branca quando aplicados sobre a
pele;
 É obrigatório de uso de conservantes;
 Exigem necessariamente a adição de umectantes.
NO PREPARO DAS EMULSÕES TÓPICAS DEVEMOS:
Aquecer os componentes hidrossolúveis e
lipossolúveis á uma temperatura em torno de
80º a 85º.
Adicionar uma fase à outra (a fase de maior
quantidade sobre a de menor) agitando até a
formação da emulsão.
Adicionar activos, essências quando a
temperatura esfriar a cerca de 30º.
PREPARAÇÃO DAS EMULSOES
Adicionar fase dispersa na fase contínua, sob
agitação
Outros componentes -dissolvidos antes da mistura,
na fase em que são solúveis
Emulsões O/A: -Podem ser obtidas pela técnica
inversa (F.A. add. F. O.)
Componentes oleosos sólidos/semi-sólido
 devem ser previamente fundidos
 fase aquosa deve ser aquecida na mesma
temperatura
CONT.
Ingredientes voláteis -adicionados após
resfriamento da emulsão
Componentes que possam influenciar na
estabilidade - devem ser diluídos ao
máximo/adicionados lentamente
Escolha do equipamento (homogeneizadores,
“mixers”) - depende da intensidade de agitação
requerida para obter o tamanho de partícula
desejável.
BIBLIOGRAFIA
 PRISTA, Luís Vasco Nogueira; ALVES, António Correia; ett
all; Tecnologia farmacêutica 4a edição; volume 1. editora
fundação Calouste. Portugal. 1996.pg.633
 HIR, A. Le. Noções da Farmácia Galénica; 6a edição; André
editora. São Paulo, 1997.pg.176, 269,379, 407, 426.
 MINISTERIO DA SAUDE. Tecnologia farmacêutica. Vol.I; 1ª
edição. Maputo. 2011.p.g.36;37.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

FARMACOTECNICA - Isotonicidade – Preparacoes Oftalmicas, Nasais E Otologicas
FARMACOTECNICA - Isotonicidade – Preparacoes Oftalmicas, Nasais E OtologicasFARMACOTECNICA - Isotonicidade – Preparacoes Oftalmicas, Nasais E Otologicas
FARMACOTECNICA - Isotonicidade – Preparacoes Oftalmicas, Nasais E OtologicasJose Carlos
 
Métodos de extração
Métodos de extraçãoMétodos de extração
Métodos de extraçãovanessaracele
 
Manual de cosmetologia
Manual de cosmetologiaManual de cosmetologia
Manual de cosmetologiaAngela Guerra
 
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabadoControle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabadoVanessa Rodrigues
 
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e DrágeasTecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e DrágeasGuilherme Becker
 
Introdução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnicaIntrodução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnicakaiorochars
 
Excipientes 29.08
Excipientes 29.08Excipientes 29.08
Excipientes 29.08ettidavi
 
36854375 apostila-pratica-farmacotecnica
36854375 apostila-pratica-farmacotecnica36854375 apostila-pratica-farmacotecnica
36854375 apostila-pratica-farmacotecnicaMarcia Cristina
 
Cosmetologia corporal Fisioterapia Dermato Funcional
Cosmetologia corporal   Fisioterapia Dermato FuncionalCosmetologia corporal   Fisioterapia Dermato Funcional
Cosmetologia corporal Fisioterapia Dermato FuncionalMayara Rodrigues
 
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )Marcelo Gomes
 
Controle de Qualidade em Cosmeticos
Controle de Qualidade em CosmeticosControle de Qualidade em Cosmeticos
Controle de Qualidade em CosmeticosSafia Naser
 

Mais procurados (20)

Farmacotecnica 03
Farmacotecnica 03Farmacotecnica 03
Farmacotecnica 03
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
 
FARMACOTECNICA - Isotonicidade – Preparacoes Oftalmicas, Nasais E Otologicas
FARMACOTECNICA - Isotonicidade – Preparacoes Oftalmicas, Nasais E OtologicasFARMACOTECNICA - Isotonicidade – Preparacoes Oftalmicas, Nasais E Otologicas
FARMACOTECNICA - Isotonicidade – Preparacoes Oftalmicas, Nasais E Otologicas
 
10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos10.calculos farmaceuticos
10.calculos farmaceuticos
 
Métodos de extração
Métodos de extraçãoMétodos de extração
Métodos de extração
 
Manual de cosmetologia
Manual de cosmetologiaManual de cosmetologia
Manual de cosmetologia
 
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabadoControle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
 
Cosmetologia
CosmetologiaCosmetologia
Cosmetologia
 
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e DrágeasTecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
 
Introdução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnicaIntrodução a farmacotécnica
Introdução a farmacotécnica
 
Pop manipulação de xaropes
Pop   manipulação de xaropesPop   manipulação de xaropes
Pop manipulação de xaropes
 
Excipientes 29.08
Excipientes 29.08Excipientes 29.08
Excipientes 29.08
 
36854375 apostila-pratica-farmacotecnica
36854375 apostila-pratica-farmacotecnica36854375 apostila-pratica-farmacotecnica
36854375 apostila-pratica-farmacotecnica
 
Cosmetologia corporal Fisioterapia Dermato Funcional
Cosmetologia corporal   Fisioterapia Dermato FuncionalCosmetologia corporal   Fisioterapia Dermato Funcional
Cosmetologia corporal Fisioterapia Dermato Funcional
 
13 alcaloides
13 alcaloides13 alcaloides
13 alcaloides
 
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
 
Antraquinonas
AntraquinonasAntraquinonas
Antraquinonas
 
Controle de Qualidade em Cosmeticos
Controle de Qualidade em CosmeticosControle de Qualidade em Cosmeticos
Controle de Qualidade em Cosmeticos
 
Aula metabolismo-vegetal-secundario
Aula metabolismo-vegetal-secundarioAula metabolismo-vegetal-secundario
Aula metabolismo-vegetal-secundario
 
Farmacotécnica
FarmacotécnicaFarmacotécnica
Farmacotécnica
 

Semelhante a Emulsoes

Semelhante a Emulsoes (9)

EMULSÕES.pptx
EMULSÕES.pptxEMULSÕES.pptx
EMULSÕES.pptx
 
2º ano EM - Apostila de Química
2º ano EM - Apostila de Química2º ano EM - Apostila de Química
2º ano EM - Apostila de Química
 
Coloides
ColoidesColoides
Coloides
 
Componentes de uma formulação cosmética.pptx
Componentes de uma formulação cosmética.pptxComponentes de uma formulação cosmética.pptx
Componentes de uma formulação cosmética.pptx
 
31198522 apostila-cosmeticos (1)
31198522 apostila-cosmeticos (1)31198522 apostila-cosmeticos (1)
31198522 apostila-cosmeticos (1)
 
Apostila cosméticos
Apostila cosméticosApostila cosméticos
Apostila cosméticos
 
1. dispersões
1. dispersões1. dispersões
1. dispersões
 
"Somos Físicos" Saponificação
"Somos Físicos" Saponificação "Somos Físicos" Saponificação
"Somos Físicos" Saponificação
 
Relatório3 bioq.i
Relatório3   bioq.iRelatório3   bioq.i
Relatório3 bioq.i
 

Último

Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40vitoriaalyce2011
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoPedroFerreira53928
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfPastor Robson Colaço
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédioifbauab
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetosLeonardoHenrique931183
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosbiancaborges0906
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisValéria Shoujofan
 

Último (20)

Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 

Emulsoes

  • 1. Curso de Tecnicos de Farmacia-6
  • 4.
  • 5. EMULSÕES  É a mistura entre dois líquidos imiscíveis em que um deles (a fase dispersa) encontra-se na forma de finos glóbulos no seio do outro líquido (a fase contínua), formando uma mistura estável.  Exemplos de emulsões incluem manteiga e margarina, maionese, café expresso e alguns cosméticos. As emulsões mais conhecidas consistem de água e óleo.
  • 6. CONTIN.  São sistemas dispersos constituídos de duas fases líquidas imiscíveis (oleosa e aquosa), onde a fase dispersa ou interna é finamente dividida e distribuída em outra fase contínua ou externa. Temos emulsões do tipo óleo em água (O/A: fase externa aquosa) e água em óleo (A/O: fase externa oleosa).
  • 8. CONT  São formas farmacêuticas líquidas ou semi-sólidas, de aspecto cremoso, resultante da dispersão de um líquido no seio do outro no qual é imiscível a custa de um agente emulsificante.  As emulsões são formas obtidas pela dispersão mecânica de líquidos imiscíveis entre si, estabilizadas através do uso de tensioactivos. Na forma líquida para uso tópico recebe a  denominação de loção. Para massagem, denomina-se linimento. Na forma semi-sólida, recebe o nome de creme.
  • 9. VANTAGENS  Formulação medicamentos hidrossolúveis e lipossolúveis juntos  Uso oral: permite mascarar sabor desagradável  Permite diminuir irritabilidade dérmica de certos fármacos  Administração de óleos e gorduras via endovenosa para nutrição Parenteral  Administração I. V. de fármacos lipossolúveis
  • 10. ESTABILIDADE DAS EMULSÕES As emulsoes devem manter-se estaveis durante um prazo mais ou menos longo, apos a sua preparacao. Contudo por vezes alteram- se algum tempo depois da sua preparacao. Existem tres categorias de alteracoes das emulsoes sem incluir as alteracoes de ordem microbiana:
  • 11. CONTIN.  Floculacao e formação de crème;  Coalescência e separação das fases;  Alterações físicas e químicas diversas.
  • 12. CONTIN.  Floculaҫão - processo onde colóides saem de suspensão na forma de agregados, formando partículas maiores, ditos "flocos" ou "flóculos".  Coalescência - quando em uma mistura multifásica, ocorre a união de duas ou mais parcelas de uma fase em prol da formação de uma única (unidade ou parcela).
  • 13. CONTIN.  As emulsões são instáveis termodinamicamente e, portanto não se formam espontaneamente, sendo necessário fornecer energia para formá-las através de agitação, de homogeneizadores, ou de processos de spray. Com o tempo, as emulsões tendem a retornar para o estado estável de óleo separado da água.  Os agentes emulsificantes (ou surfactantes) são substâncias adicionadas às emulsões para aumentar a sua estabilidade cinética tornando-as razoavelmente estáveis e homogéneas. Um exemplo de alimento emulsionado é a maionese, na qual a gema de ovo contém o fosfolipídeo lecitina que estabiliza a emulsão do azeite na água.
  • 14. CONT  A estabilidade de uma emulsão depende essencialmente de três fenómenos: sedimentação, floculação e quebra da emulsão devido a coalescência das gotículas dispersas.  A sedimentação resulta de uma diferença de densidade entre as duas fases e consiste na migração de uma das substâncias para o topo da emulsão, não sendo necessariamente acompanhada de floculação das gotas.
  • 15. CONTIN.  As colisões entre as gotas podem resultar em floculação, que pode levar a coalescência em glóbulos maiores.
  • 16. CONTIN.  Eventualmente, a fase dispersa pode se tornar a fase contínua, separada da dispersão média por uma única interface. O tempo levado para tal separação de fases pode ser de segundos ou até anos, dependendo da formulação da emulsão
  • 17. CONT.  Para aumentar a estabilidade cinética das emulsões tornando- as razoavelmente estáveis, um terceiro componente, o agente emulsificante, pode ser adicionado. Os materiais mais eficientes como agentes emulsificantes são os tensioactivos, alguns materiais naturais e certos sólidos finamente divididos. Esses materiais formam um filme adsorvido ao redor das gotas dispersas e ajudam a prevenir a floculação e a coalescência
  • 18. COMPOSIÇÃO BÁSICA DA EMULSÃO  Fase aquosa  Fase Oleosa  Tensioactivo (Agente emulsificante)  Agentes Antioxidantes  Conservantes  Flavorizantes e Corantes (Emulsões Orais)
  • 19. FASE OLEOSA  Oleos vegetais: soja, amendoim, amêndoas, algodão, semente de uva, macadâmia, girassol, outros  Ésteres graxos (MIP)  Acidos graxos  Álcoois graxos  Silicones  Ceras de abelhas e carnaúba
  • 20. TENSOACTIVO O tensoactivo é o agente emulsivo e torna a emulsão mais estável, pois, interpõe-se entre a fase dispersa e dispersante, retardando assim, a separação. O tipo de emulsão é determinado pela solubilidade do agente emulsificante: Apresentam a propriedade de reduzir a tensão superficial da água e de outros líquidos. Sua molécula apresenta um componente hidrofílico (polar) e lipofílico (apolar).
  • 21. TENSOACTIVO  Se o agente emulsificante é mais solúvel na água (hidrofílico, a água será a fase contínua, se formará emulsão do tipo O/A).  Se o agente emulsificante é mais solúvel na óleo (lipofílico, o óleo será a fase contínua, se formará emulsão do tipo A/O).
  • 22. CONT.  Agentes de detergência ou limpeza;  Emulsionantes;  Agentes de tratamento, condicionamento ou sobreengordurante;  Agentes espumantes;  Agentes de viscosidade ou de espessamento da formulação;  Agentes de redução de irritação de pele e olhos.
  • 23. TENSOACTIVOS PODEM SER CLASSIFICADOS  Aniônico Fornece íons orgânicos carregados negativamente. Apresentam um óptimo poder de detergência e espuma. Ex: Sabões de ácidos graxos, Lauril sulfato de sódio, Alquil éter sulfonatos
  • 24. NÃO IÓNICOS Em solução aquosa não sofrem ionização, não possuem carga.  Aplicação em emulsionantes para cremes, loções, óleos de banho, auxiliar de espessamento para xampus. Ex: Mono e diestearato de etilenoglicol, Lanolina etoxiladas, Ésteres de sorbitan, óxidos de amina graxa e outros.
  • 25. CATIÔNICOS Ao se ionizar em solução aquosa, fornece íons orgânicos carregados positivamente. São incompatíveis com aniônicos, não toleram água dura, íons ferro e metais pesados. São usados na preparação de condicionadores e como agentes bactericidas em sabonetes. Ex: Compostos quartenários de amónios, Polímeros quartenários (Cloreto de benazalconio)
  • 26. ANFÓTEROS  Possuem grupos funcionais com carácter aniônico e catiônico.  Ex: Anfótero betaínicotaína (betaína de coco) - Tem aplicação com co-tensoativo para aumento da espuma, viscosidade e redução da irritação  dos xampus, sabonetes líquidos e loções higenizantes.  Ex: Anfótero imidazolínico (ácidos graxos de coco) - Tem propriedades de suavidade da pele e  olhos. Aplicação em xampus e sabonetes infantis.
  • 27. SELECÇÃO E USO DE TENSOACTIVO Detergência É um processo complexo que implica na umectação de um substrato (pele ou cabelo), na eliminação das sujidades Umectância Todos os agentes tensoactivos possuem certa propriedade umectante Emulsificante Um bom agente emulsificante requer uma unidade hidrofóbica ligeiramente maior que a de um umectante.
  • 28. SELECÇÃO E USO DE TENSOACTIVO Solubilização Todos os agentes tensoactivos acima de sua concentracao. Micelar possuem propriedades solubilizantes. Ex: Incorporar um componente orgânico insolúvel em um produto transparente, como um xampu
  • 29. MICELA Após uma certa concentração, as moléculas de tensoactivo, na solução, passam a se agregar sob a forma de micelas. São as micelas os “entes” da solução responsáveis pela catálise micelar e pela solubilização da gorduras
  • 30. OS SEGUINTES FACTORES FAVORECEM A ESTABILIDADE DE EMULSÕES:  Tensão superficial baixa: a adsorção de surfactantes nas interfaces óleo-água diminui a energia interfacil, facilitando o desenvolvimento e aumentando a estabilidade das grandes áreas interfaciais associadas com as emulsões;  Filme interfacial mecanicamente forte e elástico: a estabilidade das emulsões é favorecida pela protecção mecânica dada pelo filme adsorvido ao redor da gota. A elasticidade do filme também é importante para permitir a recuperação após distúrbios locais;
  • 31. CONT. Repulsão das duplas camadas eléctricas: a repulsão entre as partículas diminui os choques evitando a floculação. Quando agentes emulsificantes iônicos são usados, a repulsão da dupla camada eléctrica lateral pode prevenir a formação de filmes compactos. O efeito de expansão dos filmes pode ser minimizado usando uma mistura de um filme iônico com um não-iônico e/ou aumentando a concentração electrolítica na fase aquosa; Volume pequeno da fase dispersa: favorece a formação de gotículas pequenas;
  • 32. CONT. Gotículas pequenas: gotas grandes são menos estáveis devido a sua menor razão de área/volume, que aumentam a tendência da gota crescer; Viscosidade alta: diminui as colisões retardando a floculação e sedimentação.
  • 33. CONT.  O tipo de emulsão formada quando dois líquidos imiscíveis são homogeneizados depende dos volumes relativos das duas fases e da natureza do agente emulsificante. Quanto maior for o volume da fase, maior é a probabilidade do líquido se tornar a fase contínua. Sabões de metais alcalinos favorecem a formação de emulsões óleo em água, enquanto que sabões de metais pesados favorecem a formação de emulsões água em óleo. Além disso, a fase na qual o agente emulsificante é mais solúvel tende a ser a fase contínua.
  • 34. VERIFICAÇÃO DAS EMULSÕES O controle das emulsões deve ter, especialmente, o controlo e apreciação de:  Determinação do teor em agua;  Determinação do teor em gordura total;  Determinação do pH  Avaliação da estabilidade;  Determinação da viscosidade;  Determinação do diâmetro das partículas dispersas
  • 35. CLASSIFICAÇÃO DAS EMULSÕES 1.Quanto a carga:  Iônicas +  Não iônicas - 2. Quanto ao tipo de emulsões Quanto ao tipo de emulsoes podem ser: a) Quanto à fase interna  A/O (fase interna água/ fase externa óleo)  O/A (fase interna óleo/fase externa água)  Múltiplas O/A/O e A/O/A (fase interna é uma emulsão)
  • 36. CONT. b) Quanto ao tamanho da fase interna elas podem ser: -Macroemulsões -leitosas -gotícula :> 400 nm -Miniemulsões -gotícula: 100-400 nm
  • 38. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DAS EMULSÕES Emulsões orais As emulsões orais são normalmente emulsões do tipo O/A.  Utiliza-se com frequência no preparo destas formulações as gomas ou surfactantes não iônico como agentes emulsivos.  Exemplos de Emulsões Orais : - Emulsão com Óleo de Fígado de Bacalhau - Emulsão de Óleo Mineral 
  • 39. EMULSÕES TÓPICAS (CREMES E LOÇÕES CREMOSAS) Os cremes são emulsões O/A ou A/O de alta viscosidade e constituída de uma fase aquosa e oleosa homogeneizadas através da utilização de um terceiro componente que possui afinidade por ambas as fases (tensoactivo). Sua aparência geralmente é branca, devido o maior tamanho dos glóbulos oleosos. As loções são emulsões O/A ou A/O de média e baixa viscosidade podendo utilizar além do tensoactivo um solvente alcoólico. A aparência das loções pode ser branca (macroemulsão) ou transparente ( microemulsão) dependendo do dos glóbulos oleosos emulsionados.
  • 40. CONT. Emulsões gel • Creme clássico- 12% ceras; • Creme gel – 8% ceras; • Custo menor; • Confere toque mais suave. Preparo: • Preparar o gel aquoso; • Adicionar 1 a 2% de Microemulsão de silicone; • Homogeneizar até ocorrer turvação
  • 41. CARACTERÍSTICAS DAS EMULSÕES O/A  Tacto menos oleoso;  Secagem rápida;  Condutividade eléctrica semelhante à fase aquosa;  São coloridas por corantes hidrossolúveis;  Podem formar um espuma branca quando aplicados sobre a pele;  É obrigatório de uso de conservantes;  Exigem necessariamente a adição de umectantes.
  • 42. NO PREPARO DAS EMULSÕES TÓPICAS DEVEMOS: Aquecer os componentes hidrossolúveis e lipossolúveis á uma temperatura em torno de 80º a 85º. Adicionar uma fase à outra (a fase de maior quantidade sobre a de menor) agitando até a formação da emulsão. Adicionar activos, essências quando a temperatura esfriar a cerca de 30º.
  • 43. PREPARAÇÃO DAS EMULSOES Adicionar fase dispersa na fase contínua, sob agitação Outros componentes -dissolvidos antes da mistura, na fase em que são solúveis Emulsões O/A: -Podem ser obtidas pela técnica inversa (F.A. add. F. O.) Componentes oleosos sólidos/semi-sólido  devem ser previamente fundidos  fase aquosa deve ser aquecida na mesma temperatura
  • 44. CONT. Ingredientes voláteis -adicionados após resfriamento da emulsão Componentes que possam influenciar na estabilidade - devem ser diluídos ao máximo/adicionados lentamente Escolha do equipamento (homogeneizadores, “mixers”) - depende da intensidade de agitação requerida para obter o tamanho de partícula desejável.
  • 45. BIBLIOGRAFIA  PRISTA, Luís Vasco Nogueira; ALVES, António Correia; ett all; Tecnologia farmacêutica 4a edição; volume 1. editora fundação Calouste. Portugal. 1996.pg.633  HIR, A. Le. Noções da Farmácia Galénica; 6a edição; André editora. São Paulo, 1997.pg.176, 269,379, 407, 426.  MINISTERIO DA SAUDE. Tecnologia farmacêutica. Vol.I; 1ª edição. Maputo. 2011.p.g.36;37.