SlideShare uma empresa Scribd logo
GUSTAVO THEODORO LASKOSKI
PADRÕES DE CABEAMENTO ANSI/TIA/EIA-568
Trabalho referente à disciplina de redes de
comunicações 1 do Curso Superior de
Tecnologia em Eletrônica da Universidade
Tecnológica Federal do Paraná e realizado
pelo aluno Gustavo Theodoro Laskoski.
Orientado pelo Dr. Jean Carlos Cardozo.
CURITIBA
DEZEMBRO 2005
LISTA DE FIGURAS
FIGURA 1 – CABO ScTP E UTP RESPECTIVAMENTE .........................................06
FIGURA 2 – FIBRA ÓPTICA MONOMODO ............................................................07
FIGURA 3 – TOPOLOGIA ESTRELA HIERÁRQUICA ...........................................08
FIGURA 4 – TOMADA DE TELECOMUNICAÇÕES MULTIUSUÁRIO ...........09
FIGURA 5 – PONTO DE CONSOLIDAÇÃO ............................................................10
FIGURA 6 – CONECTOR PARA PAR TRANÇADO ...............................................12
FIGURA 7 – CONECTOR DE FIBRA ÓPTICA DUPLEX SFF ................................13
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO ........................................................................................................05
2 CABOS RECONHECIDOS PELO PADRÃO ........................................................06
2.1 Cabos horizontais de par trançado .............................................................06
2.2 Cabos de backbone de par trançado ..........................................................06
2.3 Cabos de fibra óptica .................................................................................07
3 RECOMENDAÇÕES PARA CABEAMENTO ......................................................07
3.1 Cabeamento Horizontal .............................................................................07
3.2 Cabeamento de Backbone .........................................................................08
3.3 Cabeamento em escritórios abertos ...........................................................09
3.4 Cabeamento de fibra óptica centralizado ..................................................10
4 REQUISITOS PARA A INSTALAÇÃO DOS CABOS .........................................11
4.1 Raio de curvatura para cabeamento de par trançado .................................11
4.2 Raio de curvatura para cabeamento de fibra óptica ..................................12
4.3 Tomada de telecomunicações para par trançado .......................................12
4.4 Tomada de telecomunicações para fibra óptica ........................................13
4.5 Terminação de hardware de conexão ........................................................13
5 PARÂMETROS PARA TESTE DE CABEAMENTO ..........................................14
5.1 Requisitos para testes de fibra óptica ........................................................15
5.2 Medição de links horizontais .....................................................................15
5.3 Medição de links de backbone ...................................................................15
5.4 Medição de links de fibra óptica centralizados ..........................................15
5.5 Equação para atenuação de links ...............................................................16
6 CONCLUSÃO .........................................................................................................18
5
1 INTRODUÇÃO
A padronização de cabeamento tem contribuído para o desenvolvimento e a
expansão das redes de comunicações. Esses padrões são utilizados desde 1995 e tem
contribuído para a interoperabilidade de redes. Esses padrões são determinados
principalmente pela TIA (Telecommunications Industry Association) e EIA
(Electronic Industries Alliance), sendo o padrão TIA/EIA-568-A e TIA/EIA-569-A, os
mais utilizados em redes. Eles determinam respectivamente o padrão para cabeamento,
espaços e caminhos de telecomunicações em prédios comerciais. Esse padrão está
sendo substituído gradativamente pelos padrões 568-B.1, B.2 e B.3.
As organizações TIA e EIA são americanas, por esse motivo o padrão
TIA/EIA-568A está de acordo com o padrão ANSI, porém não seguem as normas
internacionais. Já os novos padrões estão mais próximos das normas internacionais
(ISO). O padrão ANSI/TIA/EIA-568-B.1 determina os requisitos gerais para
cabeamento e testes de campo em sistemas de cobre e fibra óptica. O padrão 568-B.2
trata de requisitos para cabeamento e conectores para sistemas com cobre. E o padrão
568-B.3 refere-se à padrões de cabeamento e conectores para sistemas com fibra
óptica. Esses novos padrões permitem a instalação de redes formadas por cabos de
cobre e fibra óptica com largura de banda mais elevada.
6
2 CABOS RECONHECIDOS PELO PADRÃO
2.1 Cabos horizontais de par trançado
De acordo com o padrão ANSI/TIA/EIA-568-B.2 podem utilizar os cabo de
par trançado isolado (ScTP) ou par trançado sem blindagem (UTP) de 100Ω de quatro
pares de 22 e 24 AWG.
FIGURA 1 – CABO ScTP E UTP RESPECTIVAMENTE
Para cabeamento UTP são reconhecidas as duas categorias:
– Categoria 5e: para cabos UTP de 100Ω e transmissão de 100 MHz.
– Categoria 3: para cabos UTP de 100Ω e transmissão de 16 MHz.
Também é possível utilizar fibra óptica multimodo de 62.5/125μm ou
50/125μm em cabeamentos horizontais, desde que o cabos de fibra óptica estejam de
acordo com o padrão ANSI/TIA/EIA-568-B.3.
2.2 Cabos de backbone de par trançado
No cabeamento de backbone é disponibilizado vários padrões pela norma, pois
o backbone suporta um grande número de serviços. Sendo os principais:
– Cabo de par trançado ANSI/TIA/EIA-568-B.2 de 100Ω.
– Cabo de fibra óptica multimodo padrão ANSI/TIA/EIA-568-B.3.
– Cabo de fibra óptica monomodo padrão ANSI/TIA/EIA-568-B.3.
7
2.3 Cabos de fibra óptica
Os cabos de fibra óptica são determinados pelo padrão ANSI/TIA/EIA-568-
B.3, são eles:
– Fibra óptica monomodo.
– Fibra óptica multimodo de 62.5/125μm ou 50/125μm.
FIGURA 2 – FIBRA ÓPTICA MONOMODO
Também é possível utilizar as fibras individualmente ou uma combinação
delas, desde que estejam de acordo com o padrão ANSI/TIA/EIA-598-A.
3 RECOMENDAÇÕES PARA CABEAMENTO
3.1 Cabeamento Horizontal
Para cada estação de trabalho é recomendado no mínimo dois conectores,
podendo ser ampliando dependendo da aplicação. Os conectores devem estar ligados a:
– Um cabo de quatro pares de 100Ω, categoria 3 ou superior de acordo com o
padrão ANSI/TIA/EIA/-568-B.2.
– O outro conector deve estar ligado à um cabo de quatro pares de 100Ω
categoria 5e de acordo com o padrão ANSI/TIA/EIA/-568-B.2; ou um cabo de
fibra óptica multimodo.
8
Os limites são baseados de no comprimento do cabo a partir da terminação da
estação central de telecomunicações até o conector localizado na área de trabalho. Os
limites são:
– O comprimento máximo permitido é de 90 m, independente do meio.
– O comprimento total para cada canal horizontal, incluindo cabos na área de
trabalho, patch cable, jumpers e equipamentos na sala de telecomunicações não
deve exceder 10 metros, com exceção se for utilizado tomadas multiusuários.
– Recomenda-se que os patch cable e jumpers em conexão horizontal , incluindo
conexões cruzadas horizontais e com backbones e outros equipamentos não
deve exceder 5 metros.
3.2 Cabeamento de Backbone
Esse cabeamento de backbone deve seguir a topologia de estrela hierárquica,
cada conexão cruzada horizontal é conectada diretamente ou por uma conexão
horizontal intermediária à conexão horizontal principal.
FIGURA 3 – TOPOLOGIA ESTRELA HIERÁRQUICA
– Não deve existir mais de dois níveis hierárquicos no cabeamento de backbone.
– As conexões entre duas conexões horizontais devem passar no máximo por
três instalações de conexões horizontais.
– Derivações de bridge não deve ser usado no backbone.
9
As limitações de cabeamento de backbone dentro e entre edifícios incluem os
comprimentos do cabo de backbone, patch cable, jumpers e os cabos dos
equipamentos. O comprimento do cabeamento de backbone de 100Ω de Categoria 3,
que suporta aplicações de até 16 MHz, e categoria 5e de 100MHz deve ser limitado a
um total de 90 m. Sendo permitido adicionar 5 metros em cada extremidade que estiver
conectado ao backbone.
O comprimento máximo de patch cables e de jumpers de conexão horizontal
em conexões horizontais intermediárias e principais não deve ultrapassar 20 metros, e
para conectar equipamentos de telecomunicações diretamente a conexões horizontais
intermediárias e principais não deve passar de 30 metros.
3.3 Cabeamento em escritórios abertos
Em escritórios abertos pelo fato de que o ambiente é frequentemente
reorganizado, existem configurações que permitem reorganizar o ambiente sem
atrapalhar a configuração dos cabos. Uma solução é utilizar as tomadas de
telecomunicações multiusuário.
FIGURA 4 – TOMADA DE TELECOMUNICAÇÕES MULTIUSUÁRIO
As tomadas devem estar instaladas em lugares fixos e de fácil acesso, podendo
atender no máximo 12 áreas de trabalho. Os cabos que estão conectados nas tomadas
multiusuário devem ser conectados diretamente ao equipamento de trabalho e
identificados por uma etiqueta em ambas extremidades conforme sua aplicação. Outros
requisitos como comprimento dos cabos da área de trabalho devem ser considerados.
10
Outra solução é utilizar pontos de consolidação. Esse equipamento se difere
dos conectores multiusuário pois necessitam de uma conexão adicional para cada lance
de cabo horizontal.
FIGURA 5 – PONTO DE CONSOLIDAÇÃO
Os pontos de consolidação devem ser instalados em lugares fixos de fácil
acesso, não podendo ser conectados diretamente em equipamentos ativos. Assim como
as tomadas multiusuários podem ser conectados à doze áreas de trabalho distintas.
Nesse equipamento é recomendado utilizar conexões horizontais e deve ser instalado
de acordo com a norma ANSI/TIA/EIA-568-B.1 e classificado para 200 ciclos de
reconexão.
3.4 Cabeamento de fibra óptica centralizado
Esse cabeamento é utilizado em redes de dados com equipamentos eletrônicos
centralizados, geralmente são instalados na sala de telecomunicações e se estendem à
área de trabalho por cabos pull-through, devendo obedecer alguns parâmetros:
– O cabo pull-through deve ter comprimento máximo de 90 metros e atender
aos mesmos parâmetros de cabos ópticos horizontais, ANSI/TIA/EIA-568-B.3.
– A instalação deve ser limitado a um comprimento total de 300 metros,
incluindo o comprimento de patch cables e backbone.
– O gerenciamento de mudanças deve ser feito na conexão horizontal central.
11
– As instalações de cabeamentos centralizados devem estar localizadas no
mesmo prédio.
– O projeto de cabeamento centralizado deve permitir a migração total ou
parcial para um cabeamento horizontal, sendo necessário deixar espaço
suficiente na sala de telecomunicações para permitir essa migração.
4 REQUISITOS PARA A INSTALAÇÃO DOS CABOS
Os cabos e seus componentes devem inspecionados visualmente. A tensão no
cabo deve ser minimizada, e amarrações devem estar frouxamente aplicada evitando
deformações no cabo.
4.1 Raio de curvatura para cabeamento de par trançado
O raio mínimo de curvatura varia de acordo com a carga de tensão durante a
instalação e em repouso quando o cabo já esta devidamente instalado. Devendo seguir
as seguintes condicões:
– Cabeamento Horizontal: o raio mínimo de curvatura (sem carga) para cabos
UTP de quatro pares deve ser maior que 4 vezes o diâmetro do cabo, e para
cabos ScTP de quatro pares deve ser maior que 8 vezes o diâmetro do cabos.
– Cabeamento de backbone: o raio mínimo de curvatura sem aplicação de carga
deve ser dez vezes o diâmetro do cabo.
A tensão máxima aplicada sobre os cabos UTP de 4 pares é de 110N, e para
cabos de backbone recomenda-se utilizar os parâmetros do fabricante. Outro fator
extremamente importante durante a instalação é o aterramento de cabos ScTP. Um
bom aterramento ajuda a reduzir o nível de interferências (EMI) e tensões induzidas. O
aterramento deve seguir os requisitos ANSI/TIA/EIA-607; a blindagem do cabo ScTP
deve ser ligado no barramento de aterramento de telecomunicações (TGB), e as temsão
medida entre a blindagem e a tomada de energia não deve ultrapassar 1,0 V(RMS).
12
4.2 Raio de curvatura para cabeamento de fibra óptica
– Cabeamento horizontal: o raio de curvatura mínimo de um cabo de fibra
óptica horizontal de 2 a 4 fibras sem carga é menor que 25 mm. Quando estiver
com uma carga de tensão máxima de 222N o raio de curvatura mínimo é de 50 mm.
– Cabeamento de backbone: o raio de curvatura mínimo deve ser utilizado com
padrão o recomendado pelo fabricante. Se nenhuma recomendação for
especificada pelo fabricante, o raio de curvatura mínimo deve ser 10 vezes o
diâmetro externo do cabo sem carga e 15 vezes sobre aplicação de tensão para
instalações internas e entre edifícios recomenda-se no mínimo 20 vezes o
diâmetro externo do cabo quando estiver sob uma carga de tensão até sua
capacidade máxima.
4.3 Tomada de telecomunicações para par trançado
Os conectores para cabos de UTP e ScTP de 100Ω devem atender aos
requisitos do padrão ANSI/TIA/EIA-568-B.2 e a instalação deve seguir o padrão
ANSI/TIA/EIA-570-A. As atribuições de pinos e pares devem estar de acordo com a
seguinte figura:
FIGURA 6 – CONECTOR PARA PAR TRANÇADO
13
4.4 Tomada de telecomunicações para fibra óptica
Os conectores de fibra óptica devem estar de acordo com os parâmetros de
desempenho do padrão ANSI/TIA/EIA-568-B.3. O projeto com conectores de fibra
óptica deve estar de acordo com a documentação Fiber Optic Connector
Intermateability Standart (FOCIS) do padrão TIA. O conector e adaptador multimodo
deve ser identificado pela cor bege, e para fibra monomodo deve estar na cor azul.
4.5 Terminação de hardware de conexão
Os seguintes parâmetros devem ser seguidos para não prejudicar o
desempenho de transmissão. Para cabos de par trançado deve-se seguir os requisitos:
– Para retirar a capa do cabo deve seguir as instruções do fabricante.
– A terminação de cabos de categoria 3 deve ter as tranças dos pares numa
distância menor que 75 mm a partir do ponto de terminação.
– A terminação de cabos de categoria 5e e categorias superiores deve ter a
tranças dos pares à uma distância menor que 13 mm a partir do ponto de
terminação.
Para cabos de fibra óptica deve-se seguir os seguintes requisitos:
– Cada segmento do cabeamento deve estar configurado de tal forma que as
fibras de número ímpar fiquem conectadas com as fibras de número par de
outro segmento em ambas extremidades.
– Para os conectores de fibra óptica SFF a polaridade dos pinos deve ser 1,2,3 e
4 respectivamente e para o par reverso a ordem é 2,1,4,3 respectivamente.
FIGURA 7 – CONECTOR DE FIBRA ÓPTICA DUPLEX SFF
14
5 PARÂMETROS PARA TESTE DE CABEAMENTO
Os principais parâmetros de teste são:
– Mapa de fios: tem a finalidade de verificar a terminação de cada pino em cada
extremidade, a conectividade. Além de verificar para cada condutor a
continuidade, curto entre os condutores, pares divididos, transpostos
einvertidos.
– Comprimento: define a partir do comprimento físico o atraso do de propagação
dos sinais.
– Perda por inserção: é a medida de perda dos sinais no canal, sendo
determinado pela soma das perdas de inserção dos hardwares de conexão, do
segmento do cabo e dos equipamentos e patch cables.
– Near-and cross talk (NEXT): é a medida de acoplamento do sinal de um par
para outro de um enlace de cabeamento de par trançado.
– Power sum near-and cross talk (PSNEXT): mede a diafonia em um par de
recepção a partir de perturbadores próximo operando simultaneamente. O
calculo é feito com o ASTM4566.
– Equal-level far-end cross talk (ELFEXT): é medida em dB e expressa a
diferença entre a medição de acoplamento de sinal indesejado e a perda por
inserção.
– Power sum equal-level far-end cross talk (PSELFEXT): é a razão que expressa
a diafonia combinada em um par de recepção a partir dos elementos
perturbadores na outra extremidade operando simultaneamente.
– Perda de retorno: é a medida de energia refletida provocada pela variação de
impedância do cabeamento.
– Atraso de propagação: é o tempo que o sinal leva para se propagar de uma
extremidade até a outra.
– Desvio de atraso: é a diferença do atraso de sinalização dos pares mais rápido
e lento.
15
5.1 Requisitos para testes de fibra óptica
Esses requisitos para teste e desempenho de cabeamento óptico deve estar de
acordo com o padrão ANSI/TIA/EIA-568B.1. Os testes são realizados no segmento de
enlace, ou seja, um cabeamento passivo que inclui cabos, conectores e emendas. Sendo
classificado em três segmentos de links de backbone típicos: cabeamento horizontal
principal até a conexão horizontal intermediária, cabeamento horizontal principal até a
conexão cruzada horizontal, e conexão horizontal intermediária até a conexão cruzada
horizontal.
5.2 Medição de links horizontais
Os segmentos de links horizontais podem ser testados em 1 comprimento de
onda. Devendo ser testados em 850nm ou 1300nm em uma determinada direção de acordo
com o padrão ANSI/TIA/EIA-526-14-A. O teste de atenuação deve ser menor que 2 dB, para
instalações com dois pares de conectores, um par na tomada de telecomunicações e um par na
conexão cruzada horizontal para mais de 90m de fibra óptica. Para escritórios abertos com
ponto de consolidação a atenuação deve ser menor que 2,75 dB e com tomada multiusuário
deve ser menor que 2 dB.
5.3 Medição de links de backbone
Os segmentos de links de backbone devem ser testados em ambos os
comprimentos de onda de operação. Sendo testados os links backbone de fibras
monomodo em 1310nm e 1550nm de acordo com os requisitos ANSI/TIA/EIA-526-7.
Para segmentos de links de backbone com fibra multimodo os comprimentos de onda
testados são 850nm e 1300nm de acordo com o requisitos ANSI/TIA/EIA-526-14-A.
5.4 Medição de links de fibra óptica centralizados
Os links de fibra óptica centralizado deve ser medido em apenas um
comprimento de onda, sendo testado em 850nm ou 1300nm.
16
Os resultados da atenuação devem ser menores que 3,3 dB para um sistema de três
pares de conectores ( um par de tomada de telecomunicações, um par no centro da
interconexão sala de telecomunicações e um par na conexão horizontal centralizada para mais
de 300m de fibra óptica. Para escritórios abertos com ponto de consolidação a atenuação deve
ser menor que 4,1 dB.
5.5 Equação para atenuação de links
Atenuação do link é obtida a partir do seguinte cálculo:
Atenuação total [dB]= atenuação do cabo + perda do conector +perda por emenda
Atenuação do cabo [dB] = coeficiente de atenuação [dB/Km] * comprimento [Km]
Os principais coeficientes de atenuação são:
– 3,5 dB/Km para fibra óptica multimodo de 850nm.
– 1,5 dB/Km para fibra óptica multimodo de 1330nm.
– 0,5 dB/Km para cabo de planta externa monomodo de 1310nm.
– 0,5 dB/Km para cabo de planta externa monomodo de 1550nm.
– 1,0 dB/Km para cabo de planta interna monomodo de 1310nm.
– 1,0 dB/Km para cabo de planta interna monomodo de 1550nm.
Perda do conector [dB] = número de pares de conectores * perda de cada conector.
A atenuação dos conectores não deve ultrapassar 0,75 dB de acordo com os
padrões de testes de campo ANSI/TIA/EIA-455-59 e método de teste de referência de
um jumper ANSI/TIA/EIA-526-14-A.
Perda por emenda [dB] = número de emendas * perda de cada emenda
A atenuação de emendas não deve ultrapassar 0,3 dB de acordo com os
parâmetros de testes de campo ANSI/TIA/EIA-455-59 e testes de fábrica
ANSI/TIA/EIA-455-34.
17
Outro parâmetro importante é a perda de retorno, sendo determinada pelo
padrão ANSI/TIA/EIA-455-107. Para fibras ópticas multimodo a perda de 20 dB, e 26
dB para fibras ópticas monomodo.
18
CONCLUSÃO
Esse trabalho apresentou os principais requisitos para cabeamento de
telecomunicações. Esses requisitos foram elaborados de acordo com o padrão
americano (ANSI) em conjunto com a associação da indústrias de telecomunicações
(TIA) e com a aliança das indústrias de eletrônica (EIA), tendo como principal objetivo
determinar os novos padrões de cabeamento devido as surgimento de novas tecnologias
que vem contribuindo para o desenvolvimento das redes de comunicações. Outra
vantagem desse novo padrão é proximidade com o padrão internacional, além de
facilitar a interoperabilidade entre sistemas de cabeamento de prédios comerciais.. Com
o surgimento dessas novas tecnologias em conectores, equipamentos e cabos
contribuíram para as transmissões na faixa de Giga Hertz. Esses fatores contribuíram
para o aumento e capacidade e velocidade de transmissão, além do custo-benefício.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cabeamento estruturado
Cabeamento estruturadoCabeamento estruturado
Cabeamento estruturado
Ricardo Akerman
 
Distribuidores telefônicos (dg’s)
Distribuidores telefônicos (dg’s)Distribuidores telefônicos (dg’s)
Distribuidores telefônicos (dg’s)
Marcio
 
Treinamento boas práticas de instalação rev02-2011
Treinamento boas práticas de instalação   rev02-2011Treinamento boas práticas de instalação   rev02-2011
Treinamento boas práticas de instalação rev02-2011
Renan Amicuchi
 
Cabeamento metálico tudo o que você precisa saber – parte 2 redes&cia-slide s...
Cabeamento metálico tudo o que você precisa saber – parte 2 redes&cia-slide s...Cabeamento metálico tudo o que você precisa saber – parte 2 redes&cia-slide s...
Cabeamento metálico tudo o que você precisa saber – parte 2 redes&cia-slide s...
Redes & Cia
 
Cabeamento Estruturado - Rede Lógica x Rede Elétrica
Cabeamento Estruturado - Rede Lógica x Rede ElétricaCabeamento Estruturado - Rede Lógica x Rede Elétrica
Cabeamento Estruturado - Rede Lógica x Rede Elétrica
Eduardo D'Avila
 
Teleco.com cabeamentoestruturado1
Teleco.com cabeamentoestruturado1Teleco.com cabeamentoestruturado1
Teleco.com cabeamentoestruturado1
robertowa
 
Cd a5 072
Cd a5 072Cd a5 072
Cd a5 072
redesinforma
 
FIBRA ÓPTICA INFRAESTRUTURAS
FIBRA ÓPTICA INFRAESTRUTURAS  FIBRA ÓPTICA INFRAESTRUTURAS
FIBRA ÓPTICA INFRAESTRUTURAS
WELLINGTON MARTINS
 
Guia basico-infra-v04
Guia basico-infra-v04Guia basico-infra-v04
Guia basico-infra-v04
JJXAVIER
 
OLT GPON
OLT GPONOLT GPON
OLT GPON
Marco Coghi
 
802.3z ab
802.3z ab802.3z ab
802.3z ab
netcax
 
Gerência de Redes - 10.TMN e GIRS
Gerência de Redes - 10.TMN e GIRSGerência de Redes - 10.TMN e GIRS
Gerência de Redes - 10.TMN e GIRS
Mauro Tapajós
 
Instalação e configuração de redes locais
Instalação e configuração de redes locaisInstalação e configuração de redes locais
Instalação e configuração de redes locais
sampaiopimp
 
Artigo sobre a Fipa na Revista Robótica 87
Artigo sobre a Fipa na Revista Robótica 87Artigo sobre a Fipa na Revista Robótica 87
Artigo sobre a Fipa na Revista Robótica 87
fluidotronica
 
Apostila do treinamento profibus 2 configuração
Apostila do treinamento profibus 2  configuraçãoApostila do treinamento profibus 2  configuração
Apostila do treinamento profibus 2 configuração
confidencial
 
Protocolo de rede industrial
Protocolo de rede industrialProtocolo de rede industrial
Protocolo de rede industrial
Agenor Filho
 
09 compatibilidade
09 compatibilidade09 compatibilidade
09 compatibilidade
Arlindo Pereira
 

Mais procurados (17)

Cabeamento estruturado
Cabeamento estruturadoCabeamento estruturado
Cabeamento estruturado
 
Distribuidores telefônicos (dg’s)
Distribuidores telefônicos (dg’s)Distribuidores telefônicos (dg’s)
Distribuidores telefônicos (dg’s)
 
Treinamento boas práticas de instalação rev02-2011
Treinamento boas práticas de instalação   rev02-2011Treinamento boas práticas de instalação   rev02-2011
Treinamento boas práticas de instalação rev02-2011
 
Cabeamento metálico tudo o que você precisa saber – parte 2 redes&cia-slide s...
Cabeamento metálico tudo o que você precisa saber – parte 2 redes&cia-slide s...Cabeamento metálico tudo o que você precisa saber – parte 2 redes&cia-slide s...
Cabeamento metálico tudo o que você precisa saber – parte 2 redes&cia-slide s...
 
Cabeamento Estruturado - Rede Lógica x Rede Elétrica
Cabeamento Estruturado - Rede Lógica x Rede ElétricaCabeamento Estruturado - Rede Lógica x Rede Elétrica
Cabeamento Estruturado - Rede Lógica x Rede Elétrica
 
Teleco.com cabeamentoestruturado1
Teleco.com cabeamentoestruturado1Teleco.com cabeamentoestruturado1
Teleco.com cabeamentoestruturado1
 
Cd a5 072
Cd a5 072Cd a5 072
Cd a5 072
 
FIBRA ÓPTICA INFRAESTRUTURAS
FIBRA ÓPTICA INFRAESTRUTURAS  FIBRA ÓPTICA INFRAESTRUTURAS
FIBRA ÓPTICA INFRAESTRUTURAS
 
Guia basico-infra-v04
Guia basico-infra-v04Guia basico-infra-v04
Guia basico-infra-v04
 
OLT GPON
OLT GPONOLT GPON
OLT GPON
 
802.3z ab
802.3z ab802.3z ab
802.3z ab
 
Gerência de Redes - 10.TMN e GIRS
Gerência de Redes - 10.TMN e GIRSGerência de Redes - 10.TMN e GIRS
Gerência de Redes - 10.TMN e GIRS
 
Instalação e configuração de redes locais
Instalação e configuração de redes locaisInstalação e configuração de redes locais
Instalação e configuração de redes locais
 
Artigo sobre a Fipa na Revista Robótica 87
Artigo sobre a Fipa na Revista Robótica 87Artigo sobre a Fipa na Revista Robótica 87
Artigo sobre a Fipa na Revista Robótica 87
 
Apostila do treinamento profibus 2 configuração
Apostila do treinamento profibus 2  configuraçãoApostila do treinamento profibus 2  configuração
Apostila do treinamento profibus 2 configuração
 
Protocolo de rede industrial
Protocolo de rede industrialProtocolo de rede industrial
Protocolo de rede industrial
 
09 compatibilidade
09 compatibilidade09 compatibilidade
09 compatibilidade
 

Semelhante a Doc1(2)

568 a
568 a568 a
IFRN - Cabeamento Estrurturado.pdf
IFRN - Cabeamento Estrurturado.pdfIFRN - Cabeamento Estrurturado.pdf
IFRN - Cabeamento Estrurturado.pdf
wrsconsultoria1
 
redes de computadores normas-120928114841-phpapp02.pdf
redes de computadores normas-120928114841-phpapp02.pdfredes de computadores normas-120928114841-phpapp02.pdf
redes de computadores normas-120928114841-phpapp02.pdf
anamatos271406
 
Cabeamento estruturado
Cabeamento estruturadoCabeamento estruturado
Cabeamento estruturado
João Alves
 
Ficha de trabalho 2 equipamento passivo
Ficha de trabalho 2   equipamento passivoFicha de trabalho 2   equipamento passivo
Ficha de trabalho 2 equipamento passivo
Gonçalo Amaral
 
Modulo1p5 081
Modulo1p5 081Modulo1p5 081
Modulo1p5 081
redesinforma
 
Memorial descritivo montadora
Memorial descritivo montadoraMemorial descritivo montadora
Memorial descritivo montadora
SandroIndustriais
 
Cabos de rede
Cabos de redeCabos de rede
Cabos de rede
Pedro Canteiro
 
Cabos conectores
Cabos conectoresCabos conectores
Cabos conectores
Luiz Carlos Müller
 
Cabos conectores
Cabos conectoresCabos conectores
Cabos conectores
nunesgilvicente
 
Id 4005
Id 4005Id 4005
Id 4005
felipem413
 
Rede de Computadores - Cabo Coaxial
Rede de Computadores - Cabo CoaxialRede de Computadores - Cabo Coaxial
Rede de Computadores - Cabo Coaxial
Marcelo Carvalho
 
Arquitectura de computadores
Arquitectura de computadoresArquitectura de computadores
Arquitectura de computadores
Gustavo Fernandes
 
05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf
05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf
05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf
RaphaelBarradas1
 
05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf
05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf
05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf
Rômulo Sanzio Rodrigues Xavier
 
Cabeamento.ppt
Cabeamento.pptCabeamento.ppt
Cabeamento.ppt
ssuser76f49e
 
Tipos de cabos
Tipos de cabosTipos de cabos
Tipos de cabos
Gonçalo
 
2 ficehiro
2 ficehiro2 ficehiro
2 ficehiro
sharik27
 
Meios fisicos
Meios fisicosMeios fisicos
Meios fisicos
sharik27
 
Cabeamento estruturado
Cabeamento estruturadoCabeamento estruturado
Cabeamento estruturado
macedovidal
 

Semelhante a Doc1(2) (20)

568 a
568 a568 a
568 a
 
IFRN - Cabeamento Estrurturado.pdf
IFRN - Cabeamento Estrurturado.pdfIFRN - Cabeamento Estrurturado.pdf
IFRN - Cabeamento Estrurturado.pdf
 
redes de computadores normas-120928114841-phpapp02.pdf
redes de computadores normas-120928114841-phpapp02.pdfredes de computadores normas-120928114841-phpapp02.pdf
redes de computadores normas-120928114841-phpapp02.pdf
 
Cabeamento estruturado
Cabeamento estruturadoCabeamento estruturado
Cabeamento estruturado
 
Ficha de trabalho 2 equipamento passivo
Ficha de trabalho 2   equipamento passivoFicha de trabalho 2   equipamento passivo
Ficha de trabalho 2 equipamento passivo
 
Modulo1p5 081
Modulo1p5 081Modulo1p5 081
Modulo1p5 081
 
Memorial descritivo montadora
Memorial descritivo montadoraMemorial descritivo montadora
Memorial descritivo montadora
 
Cabos de rede
Cabos de redeCabos de rede
Cabos de rede
 
Cabos conectores
Cabos conectoresCabos conectores
Cabos conectores
 
Cabos conectores
Cabos conectoresCabos conectores
Cabos conectores
 
Id 4005
Id 4005Id 4005
Id 4005
 
Rede de Computadores - Cabo Coaxial
Rede de Computadores - Cabo CoaxialRede de Computadores - Cabo Coaxial
Rede de Computadores - Cabo Coaxial
 
Arquitectura de computadores
Arquitectura de computadoresArquitectura de computadores
Arquitectura de computadores
 
05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf
05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf
05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf
 
05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf
05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf
05-Subsistemas de Cabeamento Estruturado.pdf
 
Cabeamento.ppt
Cabeamento.pptCabeamento.ppt
Cabeamento.ppt
 
Tipos de cabos
Tipos de cabosTipos de cabos
Tipos de cabos
 
2 ficehiro
2 ficehiro2 ficehiro
2 ficehiro
 
Meios fisicos
Meios fisicosMeios fisicos
Meios fisicos
 
Cabeamento estruturado
Cabeamento estruturadoCabeamento estruturado
Cabeamento estruturado
 

Último

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 

Último (20)

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 

Doc1(2)

  • 1. GUSTAVO THEODORO LASKOSKI PADRÕES DE CABEAMENTO ANSI/TIA/EIA-568 Trabalho referente à disciplina de redes de comunicações 1 do Curso Superior de Tecnologia em Eletrônica da Universidade Tecnológica Federal do Paraná e realizado pelo aluno Gustavo Theodoro Laskoski. Orientado pelo Dr. Jean Carlos Cardozo. CURITIBA DEZEMBRO 2005
  • 2.
  • 3. LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 – CABO ScTP E UTP RESPECTIVAMENTE .........................................06 FIGURA 2 – FIBRA ÓPTICA MONOMODO ............................................................07 FIGURA 3 – TOPOLOGIA ESTRELA HIERÁRQUICA ...........................................08 FIGURA 4 – TOMADA DE TELECOMUNICAÇÕES MULTIUSUÁRIO ...........09 FIGURA 5 – PONTO DE CONSOLIDAÇÃO ............................................................10 FIGURA 6 – CONECTOR PARA PAR TRANÇADO ...............................................12 FIGURA 7 – CONECTOR DE FIBRA ÓPTICA DUPLEX SFF ................................13
  • 4. SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO ........................................................................................................05 2 CABOS RECONHECIDOS PELO PADRÃO ........................................................06 2.1 Cabos horizontais de par trançado .............................................................06 2.2 Cabos de backbone de par trançado ..........................................................06 2.3 Cabos de fibra óptica .................................................................................07 3 RECOMENDAÇÕES PARA CABEAMENTO ......................................................07 3.1 Cabeamento Horizontal .............................................................................07 3.2 Cabeamento de Backbone .........................................................................08 3.3 Cabeamento em escritórios abertos ...........................................................09 3.4 Cabeamento de fibra óptica centralizado ..................................................10 4 REQUISITOS PARA A INSTALAÇÃO DOS CABOS .........................................11 4.1 Raio de curvatura para cabeamento de par trançado .................................11 4.2 Raio de curvatura para cabeamento de fibra óptica ..................................12 4.3 Tomada de telecomunicações para par trançado .......................................12 4.4 Tomada de telecomunicações para fibra óptica ........................................13 4.5 Terminação de hardware de conexão ........................................................13 5 PARÂMETROS PARA TESTE DE CABEAMENTO ..........................................14 5.1 Requisitos para testes de fibra óptica ........................................................15 5.2 Medição de links horizontais .....................................................................15 5.3 Medição de links de backbone ...................................................................15 5.4 Medição de links de fibra óptica centralizados ..........................................15 5.5 Equação para atenuação de links ...............................................................16 6 CONCLUSÃO .........................................................................................................18
  • 5. 5 1 INTRODUÇÃO A padronização de cabeamento tem contribuído para o desenvolvimento e a expansão das redes de comunicações. Esses padrões são utilizados desde 1995 e tem contribuído para a interoperabilidade de redes. Esses padrões são determinados principalmente pela TIA (Telecommunications Industry Association) e EIA (Electronic Industries Alliance), sendo o padrão TIA/EIA-568-A e TIA/EIA-569-A, os mais utilizados em redes. Eles determinam respectivamente o padrão para cabeamento, espaços e caminhos de telecomunicações em prédios comerciais. Esse padrão está sendo substituído gradativamente pelos padrões 568-B.1, B.2 e B.3. As organizações TIA e EIA são americanas, por esse motivo o padrão TIA/EIA-568A está de acordo com o padrão ANSI, porém não seguem as normas internacionais. Já os novos padrões estão mais próximos das normas internacionais (ISO). O padrão ANSI/TIA/EIA-568-B.1 determina os requisitos gerais para cabeamento e testes de campo em sistemas de cobre e fibra óptica. O padrão 568-B.2 trata de requisitos para cabeamento e conectores para sistemas com cobre. E o padrão 568-B.3 refere-se à padrões de cabeamento e conectores para sistemas com fibra óptica. Esses novos padrões permitem a instalação de redes formadas por cabos de cobre e fibra óptica com largura de banda mais elevada.
  • 6. 6 2 CABOS RECONHECIDOS PELO PADRÃO 2.1 Cabos horizontais de par trançado De acordo com o padrão ANSI/TIA/EIA-568-B.2 podem utilizar os cabo de par trançado isolado (ScTP) ou par trançado sem blindagem (UTP) de 100Ω de quatro pares de 22 e 24 AWG. FIGURA 1 – CABO ScTP E UTP RESPECTIVAMENTE Para cabeamento UTP são reconhecidas as duas categorias: – Categoria 5e: para cabos UTP de 100Ω e transmissão de 100 MHz. – Categoria 3: para cabos UTP de 100Ω e transmissão de 16 MHz. Também é possível utilizar fibra óptica multimodo de 62.5/125μm ou 50/125μm em cabeamentos horizontais, desde que o cabos de fibra óptica estejam de acordo com o padrão ANSI/TIA/EIA-568-B.3. 2.2 Cabos de backbone de par trançado No cabeamento de backbone é disponibilizado vários padrões pela norma, pois o backbone suporta um grande número de serviços. Sendo os principais: – Cabo de par trançado ANSI/TIA/EIA-568-B.2 de 100Ω. – Cabo de fibra óptica multimodo padrão ANSI/TIA/EIA-568-B.3. – Cabo de fibra óptica monomodo padrão ANSI/TIA/EIA-568-B.3.
  • 7. 7 2.3 Cabos de fibra óptica Os cabos de fibra óptica são determinados pelo padrão ANSI/TIA/EIA-568- B.3, são eles: – Fibra óptica monomodo. – Fibra óptica multimodo de 62.5/125μm ou 50/125μm. FIGURA 2 – FIBRA ÓPTICA MONOMODO Também é possível utilizar as fibras individualmente ou uma combinação delas, desde que estejam de acordo com o padrão ANSI/TIA/EIA-598-A. 3 RECOMENDAÇÕES PARA CABEAMENTO 3.1 Cabeamento Horizontal Para cada estação de trabalho é recomendado no mínimo dois conectores, podendo ser ampliando dependendo da aplicação. Os conectores devem estar ligados a: – Um cabo de quatro pares de 100Ω, categoria 3 ou superior de acordo com o padrão ANSI/TIA/EIA/-568-B.2. – O outro conector deve estar ligado à um cabo de quatro pares de 100Ω categoria 5e de acordo com o padrão ANSI/TIA/EIA/-568-B.2; ou um cabo de fibra óptica multimodo.
  • 8. 8 Os limites são baseados de no comprimento do cabo a partir da terminação da estação central de telecomunicações até o conector localizado na área de trabalho. Os limites são: – O comprimento máximo permitido é de 90 m, independente do meio. – O comprimento total para cada canal horizontal, incluindo cabos na área de trabalho, patch cable, jumpers e equipamentos na sala de telecomunicações não deve exceder 10 metros, com exceção se for utilizado tomadas multiusuários. – Recomenda-se que os patch cable e jumpers em conexão horizontal , incluindo conexões cruzadas horizontais e com backbones e outros equipamentos não deve exceder 5 metros. 3.2 Cabeamento de Backbone Esse cabeamento de backbone deve seguir a topologia de estrela hierárquica, cada conexão cruzada horizontal é conectada diretamente ou por uma conexão horizontal intermediária à conexão horizontal principal. FIGURA 3 – TOPOLOGIA ESTRELA HIERÁRQUICA – Não deve existir mais de dois níveis hierárquicos no cabeamento de backbone. – As conexões entre duas conexões horizontais devem passar no máximo por três instalações de conexões horizontais. – Derivações de bridge não deve ser usado no backbone.
  • 9. 9 As limitações de cabeamento de backbone dentro e entre edifícios incluem os comprimentos do cabo de backbone, patch cable, jumpers e os cabos dos equipamentos. O comprimento do cabeamento de backbone de 100Ω de Categoria 3, que suporta aplicações de até 16 MHz, e categoria 5e de 100MHz deve ser limitado a um total de 90 m. Sendo permitido adicionar 5 metros em cada extremidade que estiver conectado ao backbone. O comprimento máximo de patch cables e de jumpers de conexão horizontal em conexões horizontais intermediárias e principais não deve ultrapassar 20 metros, e para conectar equipamentos de telecomunicações diretamente a conexões horizontais intermediárias e principais não deve passar de 30 metros. 3.3 Cabeamento em escritórios abertos Em escritórios abertos pelo fato de que o ambiente é frequentemente reorganizado, existem configurações que permitem reorganizar o ambiente sem atrapalhar a configuração dos cabos. Uma solução é utilizar as tomadas de telecomunicações multiusuário. FIGURA 4 – TOMADA DE TELECOMUNICAÇÕES MULTIUSUÁRIO As tomadas devem estar instaladas em lugares fixos e de fácil acesso, podendo atender no máximo 12 áreas de trabalho. Os cabos que estão conectados nas tomadas multiusuário devem ser conectados diretamente ao equipamento de trabalho e identificados por uma etiqueta em ambas extremidades conforme sua aplicação. Outros requisitos como comprimento dos cabos da área de trabalho devem ser considerados.
  • 10. 10 Outra solução é utilizar pontos de consolidação. Esse equipamento se difere dos conectores multiusuário pois necessitam de uma conexão adicional para cada lance de cabo horizontal. FIGURA 5 – PONTO DE CONSOLIDAÇÃO Os pontos de consolidação devem ser instalados em lugares fixos de fácil acesso, não podendo ser conectados diretamente em equipamentos ativos. Assim como as tomadas multiusuários podem ser conectados à doze áreas de trabalho distintas. Nesse equipamento é recomendado utilizar conexões horizontais e deve ser instalado de acordo com a norma ANSI/TIA/EIA-568-B.1 e classificado para 200 ciclos de reconexão. 3.4 Cabeamento de fibra óptica centralizado Esse cabeamento é utilizado em redes de dados com equipamentos eletrônicos centralizados, geralmente são instalados na sala de telecomunicações e se estendem à área de trabalho por cabos pull-through, devendo obedecer alguns parâmetros: – O cabo pull-through deve ter comprimento máximo de 90 metros e atender aos mesmos parâmetros de cabos ópticos horizontais, ANSI/TIA/EIA-568-B.3. – A instalação deve ser limitado a um comprimento total de 300 metros, incluindo o comprimento de patch cables e backbone. – O gerenciamento de mudanças deve ser feito na conexão horizontal central.
  • 11. 11 – As instalações de cabeamentos centralizados devem estar localizadas no mesmo prédio. – O projeto de cabeamento centralizado deve permitir a migração total ou parcial para um cabeamento horizontal, sendo necessário deixar espaço suficiente na sala de telecomunicações para permitir essa migração. 4 REQUISITOS PARA A INSTALAÇÃO DOS CABOS Os cabos e seus componentes devem inspecionados visualmente. A tensão no cabo deve ser minimizada, e amarrações devem estar frouxamente aplicada evitando deformações no cabo. 4.1 Raio de curvatura para cabeamento de par trançado O raio mínimo de curvatura varia de acordo com a carga de tensão durante a instalação e em repouso quando o cabo já esta devidamente instalado. Devendo seguir as seguintes condicões: – Cabeamento Horizontal: o raio mínimo de curvatura (sem carga) para cabos UTP de quatro pares deve ser maior que 4 vezes o diâmetro do cabo, e para cabos ScTP de quatro pares deve ser maior que 8 vezes o diâmetro do cabos. – Cabeamento de backbone: o raio mínimo de curvatura sem aplicação de carga deve ser dez vezes o diâmetro do cabo. A tensão máxima aplicada sobre os cabos UTP de 4 pares é de 110N, e para cabos de backbone recomenda-se utilizar os parâmetros do fabricante. Outro fator extremamente importante durante a instalação é o aterramento de cabos ScTP. Um bom aterramento ajuda a reduzir o nível de interferências (EMI) e tensões induzidas. O aterramento deve seguir os requisitos ANSI/TIA/EIA-607; a blindagem do cabo ScTP deve ser ligado no barramento de aterramento de telecomunicações (TGB), e as temsão medida entre a blindagem e a tomada de energia não deve ultrapassar 1,0 V(RMS).
  • 12. 12 4.2 Raio de curvatura para cabeamento de fibra óptica – Cabeamento horizontal: o raio de curvatura mínimo de um cabo de fibra óptica horizontal de 2 a 4 fibras sem carga é menor que 25 mm. Quando estiver com uma carga de tensão máxima de 222N o raio de curvatura mínimo é de 50 mm. – Cabeamento de backbone: o raio de curvatura mínimo deve ser utilizado com padrão o recomendado pelo fabricante. Se nenhuma recomendação for especificada pelo fabricante, o raio de curvatura mínimo deve ser 10 vezes o diâmetro externo do cabo sem carga e 15 vezes sobre aplicação de tensão para instalações internas e entre edifícios recomenda-se no mínimo 20 vezes o diâmetro externo do cabo quando estiver sob uma carga de tensão até sua capacidade máxima. 4.3 Tomada de telecomunicações para par trançado Os conectores para cabos de UTP e ScTP de 100Ω devem atender aos requisitos do padrão ANSI/TIA/EIA-568-B.2 e a instalação deve seguir o padrão ANSI/TIA/EIA-570-A. As atribuições de pinos e pares devem estar de acordo com a seguinte figura: FIGURA 6 – CONECTOR PARA PAR TRANÇADO
  • 13. 13 4.4 Tomada de telecomunicações para fibra óptica Os conectores de fibra óptica devem estar de acordo com os parâmetros de desempenho do padrão ANSI/TIA/EIA-568-B.3. O projeto com conectores de fibra óptica deve estar de acordo com a documentação Fiber Optic Connector Intermateability Standart (FOCIS) do padrão TIA. O conector e adaptador multimodo deve ser identificado pela cor bege, e para fibra monomodo deve estar na cor azul. 4.5 Terminação de hardware de conexão Os seguintes parâmetros devem ser seguidos para não prejudicar o desempenho de transmissão. Para cabos de par trançado deve-se seguir os requisitos: – Para retirar a capa do cabo deve seguir as instruções do fabricante. – A terminação de cabos de categoria 3 deve ter as tranças dos pares numa distância menor que 75 mm a partir do ponto de terminação. – A terminação de cabos de categoria 5e e categorias superiores deve ter a tranças dos pares à uma distância menor que 13 mm a partir do ponto de terminação. Para cabos de fibra óptica deve-se seguir os seguintes requisitos: – Cada segmento do cabeamento deve estar configurado de tal forma que as fibras de número ímpar fiquem conectadas com as fibras de número par de outro segmento em ambas extremidades. – Para os conectores de fibra óptica SFF a polaridade dos pinos deve ser 1,2,3 e 4 respectivamente e para o par reverso a ordem é 2,1,4,3 respectivamente. FIGURA 7 – CONECTOR DE FIBRA ÓPTICA DUPLEX SFF
  • 14. 14 5 PARÂMETROS PARA TESTE DE CABEAMENTO Os principais parâmetros de teste são: – Mapa de fios: tem a finalidade de verificar a terminação de cada pino em cada extremidade, a conectividade. Além de verificar para cada condutor a continuidade, curto entre os condutores, pares divididos, transpostos einvertidos. – Comprimento: define a partir do comprimento físico o atraso do de propagação dos sinais. – Perda por inserção: é a medida de perda dos sinais no canal, sendo determinado pela soma das perdas de inserção dos hardwares de conexão, do segmento do cabo e dos equipamentos e patch cables. – Near-and cross talk (NEXT): é a medida de acoplamento do sinal de um par para outro de um enlace de cabeamento de par trançado. – Power sum near-and cross talk (PSNEXT): mede a diafonia em um par de recepção a partir de perturbadores próximo operando simultaneamente. O calculo é feito com o ASTM4566. – Equal-level far-end cross talk (ELFEXT): é medida em dB e expressa a diferença entre a medição de acoplamento de sinal indesejado e a perda por inserção. – Power sum equal-level far-end cross talk (PSELFEXT): é a razão que expressa a diafonia combinada em um par de recepção a partir dos elementos perturbadores na outra extremidade operando simultaneamente. – Perda de retorno: é a medida de energia refletida provocada pela variação de impedância do cabeamento. – Atraso de propagação: é o tempo que o sinal leva para se propagar de uma extremidade até a outra. – Desvio de atraso: é a diferença do atraso de sinalização dos pares mais rápido e lento.
  • 15. 15 5.1 Requisitos para testes de fibra óptica Esses requisitos para teste e desempenho de cabeamento óptico deve estar de acordo com o padrão ANSI/TIA/EIA-568B.1. Os testes são realizados no segmento de enlace, ou seja, um cabeamento passivo que inclui cabos, conectores e emendas. Sendo classificado em três segmentos de links de backbone típicos: cabeamento horizontal principal até a conexão horizontal intermediária, cabeamento horizontal principal até a conexão cruzada horizontal, e conexão horizontal intermediária até a conexão cruzada horizontal. 5.2 Medição de links horizontais Os segmentos de links horizontais podem ser testados em 1 comprimento de onda. Devendo ser testados em 850nm ou 1300nm em uma determinada direção de acordo com o padrão ANSI/TIA/EIA-526-14-A. O teste de atenuação deve ser menor que 2 dB, para instalações com dois pares de conectores, um par na tomada de telecomunicações e um par na conexão cruzada horizontal para mais de 90m de fibra óptica. Para escritórios abertos com ponto de consolidação a atenuação deve ser menor que 2,75 dB e com tomada multiusuário deve ser menor que 2 dB. 5.3 Medição de links de backbone Os segmentos de links de backbone devem ser testados em ambos os comprimentos de onda de operação. Sendo testados os links backbone de fibras monomodo em 1310nm e 1550nm de acordo com os requisitos ANSI/TIA/EIA-526-7. Para segmentos de links de backbone com fibra multimodo os comprimentos de onda testados são 850nm e 1300nm de acordo com o requisitos ANSI/TIA/EIA-526-14-A. 5.4 Medição de links de fibra óptica centralizados Os links de fibra óptica centralizado deve ser medido em apenas um comprimento de onda, sendo testado em 850nm ou 1300nm.
  • 16. 16 Os resultados da atenuação devem ser menores que 3,3 dB para um sistema de três pares de conectores ( um par de tomada de telecomunicações, um par no centro da interconexão sala de telecomunicações e um par na conexão horizontal centralizada para mais de 300m de fibra óptica. Para escritórios abertos com ponto de consolidação a atenuação deve ser menor que 4,1 dB. 5.5 Equação para atenuação de links Atenuação do link é obtida a partir do seguinte cálculo: Atenuação total [dB]= atenuação do cabo + perda do conector +perda por emenda Atenuação do cabo [dB] = coeficiente de atenuação [dB/Km] * comprimento [Km] Os principais coeficientes de atenuação são: – 3,5 dB/Km para fibra óptica multimodo de 850nm. – 1,5 dB/Km para fibra óptica multimodo de 1330nm. – 0,5 dB/Km para cabo de planta externa monomodo de 1310nm. – 0,5 dB/Km para cabo de planta externa monomodo de 1550nm. – 1,0 dB/Km para cabo de planta interna monomodo de 1310nm. – 1,0 dB/Km para cabo de planta interna monomodo de 1550nm. Perda do conector [dB] = número de pares de conectores * perda de cada conector. A atenuação dos conectores não deve ultrapassar 0,75 dB de acordo com os padrões de testes de campo ANSI/TIA/EIA-455-59 e método de teste de referência de um jumper ANSI/TIA/EIA-526-14-A. Perda por emenda [dB] = número de emendas * perda de cada emenda A atenuação de emendas não deve ultrapassar 0,3 dB de acordo com os parâmetros de testes de campo ANSI/TIA/EIA-455-59 e testes de fábrica ANSI/TIA/EIA-455-34.
  • 17. 17 Outro parâmetro importante é a perda de retorno, sendo determinada pelo padrão ANSI/TIA/EIA-455-107. Para fibras ópticas multimodo a perda de 20 dB, e 26 dB para fibras ópticas monomodo.
  • 18. 18 CONCLUSÃO Esse trabalho apresentou os principais requisitos para cabeamento de telecomunicações. Esses requisitos foram elaborados de acordo com o padrão americano (ANSI) em conjunto com a associação da indústrias de telecomunicações (TIA) e com a aliança das indústrias de eletrônica (EIA), tendo como principal objetivo determinar os novos padrões de cabeamento devido as surgimento de novas tecnologias que vem contribuindo para o desenvolvimento das redes de comunicações. Outra vantagem desse novo padrão é proximidade com o padrão internacional, além de facilitar a interoperabilidade entre sistemas de cabeamento de prédios comerciais.. Com o surgimento dessas novas tecnologias em conectores, equipamentos e cabos contribuíram para as transmissões na faixa de Giga Hertz. Esses fatores contribuíram para o aumento e capacidade e velocidade de transmissão, além do custo-benefício.