SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
SOCIEDADE BRASILEIRA DE M ÉDICOS ESCRITORES - SOBRAMES
XII CONGRESSO BRASILEIRAO DE M ÉDICOS ESCRITORES - ALAGOAS
DISCURSO DE POSSE - PRESIDENTE NACIONAL : MILTON HÊNIO NETTO DE
GOUVÊA
Maceió - 19 de Maio de 1988
Prezados amigos,
Nesta noite inesquecível, sob o céu das Alagoas, permitam os caros amigos que
eu retroceda séculos atrás e evoque a época do culto do Deus Médico, em Atenas e
outras cidades, nas quais se erigiram templos soberbos, em perfeição e beleza, então
denominados templos de Asclépio. Nesses templos as pessoas pernoitavam para sonhar,
sob as bençãos divinas, com as receitas que deveriam usar... Aqui, estamos, hoje,
reunidos neste salão, não à busca de sonhos ou receitas, mas para homenagear um
homem que foi um grande médico, um médicos que foi um grande poeta - Jorge de Lima
- e também para reunir os homens deste País que associam a Ciência com a Arte, através
da pintura, da música, da poesia e da literatura de modo geral. Serão três dias de uma
gratificante convivência a partir deste momento, em que, sem esquecermos a medicina,
expandiremos nossos sentimentos literários e filosóficos. Hipócrates dizia que todas as
qualidades de um bom filósofo deveriam ser encontradas no médico: altruismo, zelo,
modéstia, seriedade, pureza e decisão. Aqui estamos, médicos escritores do nosso
querido Brasil, para uma reunião de amigos. Hoje como ontem o homem tenta associar a
Ciência com a Literatura. Vem de muito longe. São Lucas, o grande evangelista, padroeiro
dos médicos e protetor da nossa Sociedade, escolha feliz do nosso fundador Eurico
Branco Ribeiro, é o exemplo dos primeiros médicos escritores conhecidos. A biografia
desse grande Santo e toda sua vida, minuciosamente estudada e escrita por Eurico
Ribeiro, mostra a sensibilidade artística de pintor e de poeta que possuía o Santo, Sua
disponibilidade ao serviço do próximo e sobretudo seu apaixonado culto da verdade. Em
seu Evangelho estão textos muito conhecidos incluídos na liturgia. ãAve Maria, o Angelus,
o Magnificat, o Benedictus, o Pater Noster, as Bem Aventuranças, recado de Deus para o
homem que todos os dias devemos repetir para aprofundar seu sentido e vivenciar suas
lições.
O ser verdadeiro o aforismo famoso de Buffon de que o estilo é o homem, parecerá
natural pensar-se que os escritos dos homens de ciência devem ser um rude amálgama de
fatos completamente desprovidos de poesia e arte, como geralmente se supõe que a
Ciência seja. Entretanto, no desenrolar dos tempos vamos encontrar página inesquecíveis
da literatura mundial criadas por grandes homens da Ciência: o próprio Buffon era
naturalista de profissão; Voltaire, o maior mestre da literatura francesa, não trepidou em
procurar impor-se igualmente como mestre da ciência; Dante, o inesquecível Dante
possuía todas as ciências cultivadas no seu tempo; Goldsmit, célebre pela limpidez de
seus versos e de sua prosa, era famoso e talentoso médico do seu tempo. E muitos
outros: Keats na Inglaterra, Schiller na Alemanha, Holmes na América, grande poeta e
anatomista. Augusto Conte andou estudando Medicina em Montpellier. Copérnico fez
escritos inesquecíveis, de uma inteligência privilegiada conseguiu armazenar
conhecimentos variados: cursou Teologia na Polônia, Direito em Bolonha, Medicina em
Ferrara, sempre arregalando os olhos para Astronomia. Clemanceau estudou Medicina e
fazia seus poemas continuamente. Foi tudo: orador, patriota, revolucionário e reacionário e
ainda dono de jornal. Olavo Bilac foi estudante de Medicina até o quarto ano e Guimarães
Rosa causou espanto aos colegas de Medicina quando publicou seus primeiros trabalhos
literários. É imensa a relação dos homens dedicados à ciência, aos estudos das
maravilhas do corpo humano sem deixar de cultivar a beleza do mundo através da
poesia, de uma crônica ou da música.
Caros companheiros - assumo a Presidência Nacional da SOBRAMES com a melhor das
intenções. Agradeço muitíssimo a todos vocês colegas de todo o Brasil, a gentileza na
aceitação unânime do meu nome para comandar-vos. É uma honra e uma grande
responsabiidade. Irei preparar o terreno onde semear o grão com esperança de ver não só
germinar, mas florir e frutificar.
Estamos num encontro de poesia, num encontro de lazer. A poesia é a imaginação
do poeta, é o transbordar de seus sentimentos que com ela participa, vive e se nutre de
felicidade. O poeta é o interprete da natureza, o menestrel de Deus. Nossa pequenina
Alagoas tem presenteado o Brasil com uma gama de grandes poetas de rara inspiração:
Guimarães Passos, Jorge de Lima, Cyridião Durval, Jaime de Altavilla e tantos outros
grandes nomes do passado e toda uma plêiade de novos poetas pertencentes a nossa
SOBRAMES como a outras entidades culturais do Estado. Todos vocês poetas aqui
presentes não são mais do que executores cada um a seu modo, com sua rima e com seu
ritmo, da grande sinfonia que Deus escreve no Universo.
O poeta é um homem síntese, resume em dados tudo que há de belo no mundo.
“Poeta, homem feliz. Sentem o que todos sentem, diz o que ninguém diz. Não morre a
poesia no mundo porque sempre vive o amor, onde palpita um coração humano.”
Prezados companheiros: As alegrias do cargo proporcionadas no conviver com
vocês nesses dois anos, compensa o sacrifício que ele exige. O sentimento do dever
cumprido e o prazer em fazer aquilo de que gostamos é acompanhado de satisfação total,
a única que traz a verdadeira paz da alma. O destino da humanidade e sua felicidade
depende da resposta que o homem escolher. O destino do homem não se limita a sua
existência sobre a terra, e é essencial que ele nunca se esqueça disso. O homem existe,
menos pelos atos que executa durante sua vida do que pelo rastro que venha a deixar
atrás de sí, como se fosse uma estrela cadente. Por isso, todas as suas idéias, toda a sua
imaginação, todos os seus sentimentos, meus companheiros, ficarão gravados e
inesquecíveis para os que vierem depois de nós. Ficará o rastro de sua passagem pelo
mundo. Cada um de nós deixa uma marca, modesta ou brilhante, de acordo com suas
características individuais. Os rastros de Moisés, de Buda, de Confúcio e do próprio
Cristo, exercem provavelmente em nossos dias, uma influência muito maior sobre a
humanidade do que no tempo em que esses homens se consagraram ao destino e a
felicidade dessa mesma humanidade.
Companheiro, o Homem precisa no seu dia a dia, em qualquer idade, que o
esclareçam, que o animem, que o console, e lhe dêem esperança. Na vida corrente, nas
relações com os seus semelhantes deve o homem servir-se de sua razão, mas terá menos
erros se der ouvidos ao seu coração. Meus amigos. Estou assumindo hoje um cargo de
responsabilidade em minha vida. A vida do homem é um eterno construir. Construimos
nossa personalidade, nossa cultura, nossa felicidade, nosso presente e nosso futuro. Foi
feliz que afirmo “todas as coisas para serem boas devem completar-se”. Olhar par ao
outro, ir ao encontro do outro, buscar complementação no outro é um longo caminho. A
SOBRAMES NACIONAL está aberta a todos vocês que eu chamaria de meus irmãos.
Como um navio constantemente mantido na sua rota por um piloto que corrige os seus
desvios, poderei em algum momento hesitar, vacilar, todavia alcançarei o porto com a
ajuda de Deus e compreensão de vocês. Nossa terra os recebe de braços abertos.
Usufruam das paisagens lindas que a natureza nos presenteou. Componham o seus
versos, cantem suas músicas, extravazem sua imaginação, vocês são homens de
sensibilidade. E depois desses dias de contentamento e felicidade, ao partir levem
Alagoas nos seus sentidos, como digo nosso saudoso e grande poeta Jaime Altavilla:
CANTO DA MINHA TERRA
Eu trago a minha terra nos meus olhos
Minha terra é morena como as árvores sertanejas;
Minha terra tem os olhos cor das águas das lagoas;
Minha terra tem os cabelos verdes como os coqueirais;
Eu trago a minha terra em meus ouvidos;
Minha terra é sonora como o sabiáda mata;
Minha terra tem o rumor das águas de Paulo Afonso.
Eu trago a minha terra em meu olfato:
Minha terra cheira a mel quente dos engenhos;
Minha terra tem o aroma dos cajueiros em flor;
Minha terra tem o cheiro da maresia de nossas praias.
Eu trago a minha terra nos meus lábios:
Minha terra é saborosa como os frutos de nossas árvores;
Minha terra tem o sumo agridoce da pitanga;
Minha terra tem o gosto ardente dos canaviais.
Eu trago a minha terra bem dentro do coração:
Minha terra é formosa, é voa e hospitaleira;
Minha terra vive dentro de todos os meus sentidos;
Porque a minha terra é para mim
O pedaço melhor da terra brasileira.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Espumas flutuantes, de castro alves
Espumas flutuantes, de castro alvesEspumas flutuantes, de castro alves
Espumas flutuantes, de castro alvesma.no.el.ne.ves
 
Romantismo - panorama mundial e Brasileiro
Romantismo - panorama mundial e Brasileiro Romantismo - panorama mundial e Brasileiro
Romantismo - panorama mundial e Brasileiro Barbara Falcão
 
Prova internet-pssiii-2004
Prova internet-pssiii-2004Prova internet-pssiii-2004
Prova internet-pssiii-2004Lucas Ferreira
 
Classicismo 2. revisado
Classicismo 2. revisadoClassicismo 2. revisado
Classicismo 2. revisadoRoberta Savana
 
O 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia PortuguesaO 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia PortuguesaAna Isabel Falé
 
Exposição: "O Branco No Branco" (Exhibition: White on White)
Exposição: "O Branco No Branco" (Exhibition: White on White)Exposição: "O Branco No Branco" (Exhibition: White on White)
Exposição: "O Branco No Branco" (Exhibition: White on White)Maria Sobral Mendonça
 
Navios Negreiros - Castro Alves
Navios Negreiros - Castro AlvesNavios Negreiros - Castro Alves
Navios Negreiros - Castro AlvesIsabella Ruas
 
Trabalho de portugues Geanne e Marianna
Trabalho de portugues Geanne e MariannaTrabalho de portugues Geanne e Marianna
Trabalho de portugues Geanne e Mariannapadrecoriolano
 
Trabalho de português - textos e poesias Geanne e
Trabalho de português - textos e poesias Geanne eTrabalho de português - textos e poesias Geanne e
Trabalho de português - textos e poesias Geanne ewandelvarela
 
Questões sobre canção do africano
Questões sobre canção do africanoQuestões sobre canção do africano
Questões sobre canção do africanoma.no.el.ne.ves
 
Questões fechadas sobre espumas flutuantes
Questões fechadas sobre espumas flutuantesQuestões fechadas sobre espumas flutuantes
Questões fechadas sobre espumas flutuantesma.no.el.ne.ves
 
Semana da Poesia em Miranda do Corvo
Semana da Poesia  em Miranda do CorvoSemana da Poesia  em Miranda do Corvo
Semana da Poesia em Miranda do Corvocriscouceiro
 
Unidade iv poemas e bibliografia
Unidade iv   poemas e bibliografiaUnidade iv   poemas e bibliografia
Unidade iv poemas e bibliografiauniversigatas
 

Mais procurados (20)

Meus oito anos
Meus oito anosMeus oito anos
Meus oito anos
 
Espumas flutuantes, de castro alves
Espumas flutuantes, de castro alvesEspumas flutuantes, de castro alves
Espumas flutuantes, de castro alves
 
Romantismo - panorama mundial e Brasileiro
Romantismo - panorama mundial e Brasileiro Romantismo - panorama mundial e Brasileiro
Romantismo - panorama mundial e Brasileiro
 
Prova internet-pssiii-2004
Prova internet-pssiii-2004Prova internet-pssiii-2004
Prova internet-pssiii-2004
 
Classicismo 2. revisado
Classicismo 2. revisadoClassicismo 2. revisado
Classicismo 2. revisado
 
O 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia PortuguesaO 25 de Abril na Poesia Portuguesa
O 25 de Abril na Poesia Portuguesa
 
Quinhentismo(1)
Quinhentismo(1)Quinhentismo(1)
Quinhentismo(1)
 
Exposição: "O Branco No Branco" (Exhibition: White on White)
Exposição: "O Branco No Branco" (Exhibition: White on White)Exposição: "O Branco No Branco" (Exhibition: White on White)
Exposição: "O Branco No Branco" (Exhibition: White on White)
 
Navios Negreiros - Castro Alves
Navios Negreiros - Castro AlvesNavios Negreiros - Castro Alves
Navios Negreiros - Castro Alves
 
Enem literatura
Enem  literaturaEnem  literatura
Enem literatura
 
Trabalho de portugues Geanne e Marianna
Trabalho de portugues Geanne e MariannaTrabalho de portugues Geanne e Marianna
Trabalho de portugues Geanne e Marianna
 
Trabalho de português - textos e poesias Geanne e
Trabalho de português - textos e poesias Geanne eTrabalho de português - textos e poesias Geanne e
Trabalho de português - textos e poesias Geanne e
 
Questões sobre canção do africano
Questões sobre canção do africanoQuestões sobre canção do africano
Questões sobre canção do africano
 
Questões fechadas sobre espumas flutuantes
Questões fechadas sobre espumas flutuantesQuestões fechadas sobre espumas flutuantes
Questões fechadas sobre espumas flutuantes
 
O pré modernismo no brasl
O pré modernismo no braslO pré modernismo no brasl
O pré modernismo no brasl
 
Semana da Poesia em Miranda do Corvo
Semana da Poesia  em Miranda do CorvoSemana da Poesia  em Miranda do Corvo
Semana da Poesia em Miranda do Corvo
 
Balaio do Francisco
Balaio do FranciscoBalaio do Francisco
Balaio do Francisco
 
Unidade iv poemas e bibliografia
Unidade iv   poemas e bibliografiaUnidade iv   poemas e bibliografia
Unidade iv poemas e bibliografia
 
LITERATURA SANTACRUZENSE
LITERATURA SANTACRUZENSELITERATURA SANTACRUZENSE
LITERATURA SANTACRUZENSE
 
RecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 EmRecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 Em
 

Semelhante a Milton Hênio Netto de Gouvêa Discurso de Posse na Sobrames Nacional 1998

Arcadismo - Profª Vivian Trombini
Arcadismo - Profª Vivian TrombiniArcadismo - Profª Vivian Trombini
Arcadismo - Profª Vivian TrombiniVIVIAN TROMBINI
 
Romantismo/Antologia Poética
Romantismo/Antologia PoéticaRomantismo/Antologia Poética
Romantismo/Antologia PoéticaVinicius Soco
 
Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013
Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013
Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013Sérgio Pitaki
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptxslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptxGANHADODINHEIRO
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptMnicaOliveira567571
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptaldair55
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptEdilmaBrando1
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptWandersonBarros16
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptsolsioli
 
003 palavras do infinito humberto de campos - chico xavier - ano 1936
003 palavras do infinito   humberto de campos - chico xavier - ano 1936003 palavras do infinito   humberto de campos - chico xavier - ano 1936
003 palavras do infinito humberto de campos - chico xavier - ano 1936Everton Ferreira
 
Brasil coração do mundo, pátria do evangelho (psicografia chico xavier espí...
Brasil coração do mundo, pátria do evangelho (psicografia chico xavier   espí...Brasil coração do mundo, pátria do evangelho (psicografia chico xavier   espí...
Brasil coração do mundo, pátria do evangelho (psicografia chico xavier espí...Bruno Bartholomei
 
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdfE. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdfElizeth608
 
BRJ_Celebração 14 de julho de 2017
BRJ_Celebração 14 de julho de 2017BRJ_Celebração 14 de julho de 2017
BRJ_Celebração 14 de julho de 2017Maike Loes
 
SINOPSES 2012 - GRUPO ESPECIAL DO RIO DE JANEIRO
SINOPSES 2012 - GRUPO ESPECIAL DO RIO DE JANEIROSINOPSES 2012 - GRUPO ESPECIAL DO RIO DE JANEIRO
SINOPSES 2012 - GRUPO ESPECIAL DO RIO DE JANEIROThiago Vergete
 

Semelhante a Milton Hênio Netto de Gouvêa Discurso de Posse na Sobrames Nacional 1998 (20)

Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
 
Arcadismo - Profª Vivian Trombini
Arcadismo - Profª Vivian TrombiniArcadismo - Profª Vivian Trombini
Arcadismo - Profª Vivian Trombini
 
Romantismo/Antologia Poética
Romantismo/Antologia PoéticaRomantismo/Antologia Poética
Romantismo/Antologia Poética
 
Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013
Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013
Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptxslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
Poesia do Realismo
Poesia do RealismoPoesia do Realismo
Poesia do Realismo
 
PARNASIANISMO1.pdf
PARNASIANISMO1.pdfPARNASIANISMO1.pdf
PARNASIANISMO1.pdf
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
003 palavras do infinito humberto de campos - chico xavier - ano 1936
003 palavras do infinito   humberto de campos - chico xavier - ano 1936003 palavras do infinito   humberto de campos - chico xavier - ano 1936
003 palavras do infinito humberto de campos - chico xavier - ano 1936
 
Brasil coração do mundo, pátria do evangelho (psicografia chico xavier espí...
Brasil coração do mundo, pátria do evangelho (psicografia chico xavier   espí...Brasil coração do mundo, pátria do evangelho (psicografia chico xavier   espí...
Brasil coração do mundo, pátria do evangelho (psicografia chico xavier espí...
 
Joaquim carlos travassos
Joaquim carlos travassosJoaquim carlos travassos
Joaquim carlos travassos
 
Romantismo
 Romantismo Romantismo
Romantismo
 
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdfE. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
E. MÉDIO 2 MANHÃ LITERATURA 08 03 2023 ROMANTISMO NO BRASIL (1).pdf
 
BRJ_Celebração 14 de julho de 2017
BRJ_Celebração 14 de julho de 2017BRJ_Celebração 14 de julho de 2017
BRJ_Celebração 14 de julho de 2017
 
Literatura Brasileira Histórico
Literatura Brasileira HistóricoLiteratura Brasileira Histórico
Literatura Brasileira Histórico
 
SINOPSES 2012 - GRUPO ESPECIAL DO RIO DE JANEIRO
SINOPSES 2012 - GRUPO ESPECIAL DO RIO DE JANEIROSINOPSES 2012 - GRUPO ESPECIAL DO RIO DE JANEIRO
SINOPSES 2012 - GRUPO ESPECIAL DO RIO DE JANEIRO
 

Mais de Sérgio Pitaki

Dr. Sérgio Pitaki Curriculum vitae- Bahia.docx
Dr. Sérgio Pitaki Curriculum vitae- Bahia.docxDr. Sérgio Pitaki Curriculum vitae- Bahia.docx
Dr. Sérgio Pitaki Curriculum vitae- Bahia.docxSérgio Pitaki
 
DR. PITAKI, CURRICULUM VITAE RESUMIDO 2022
DR. PITAKI, CURRICULUM VITAE RESUMIDO 2022DR. PITAKI, CURRICULUM VITAE RESUMIDO 2022
DR. PITAKI, CURRICULUM VITAE RESUMIDO 2022Sérgio Pitaki
 
BOLETIM GRALHA AZUL NO. 81 JANEIRO 2019
BOLETIM GRALHA AZUL NO. 81 JANEIRO 2019BOLETIM GRALHA AZUL NO. 81 JANEIRO 2019
BOLETIM GRALHA AZUL NO. 81 JANEIRO 2019Sérgio Pitaki
 
BOLETIM GRALHA AZUL NO. 82 - FEVEREIRO 2019
BOLETIM GRALHA AZUL NO. 82 - FEVEREIRO 2019BOLETIM GRALHA AZUL NO. 82 - FEVEREIRO 2019
BOLETIM GRALHA AZUL NO. 82 - FEVEREIRO 2019Sérgio Pitaki
 
GRALHA AZUL No.84 DEZ 2019
GRALHA AZUL No.84 DEZ 2019GRALHA AZUL No.84 DEZ 2019
GRALHA AZUL No.84 DEZ 2019Sérgio Pitaki
 
GABRIELA MISTRAL - AULA NA BIBLIOTECA PÚBLICA DO PARANÁ
GABRIELA MISTRAL - AULA NA BIBLIOTECA PÚBLICA DO PARANÁGABRIELA MISTRAL - AULA NA BIBLIOTECA PÚBLICA DO PARANÁ
GABRIELA MISTRAL - AULA NA BIBLIOTECA PÚBLICA DO PARANÁSérgio Pitaki
 
ACUPUNTURA REN MAI 4 - SEGUNDO CHAKRA - TAN TIEN
ACUPUNTURA REN MAI 4 - SEGUNDO CHAKRA - TAN TIENACUPUNTURA REN MAI 4 - SEGUNDO CHAKRA - TAN TIEN
ACUPUNTURA REN MAI 4 - SEGUNDO CHAKRA - TAN TIENSérgio Pitaki
 
VERSOS NA REDE No. 2 - JAN/MAR 2019
VERSOS NA REDE No. 2 - JAN/MAR 2019VERSOS NA REDE No. 2 - JAN/MAR 2019
VERSOS NA REDE No. 2 - JAN/MAR 2019Sérgio Pitaki
 
GRALHA AZUL No. 79 NOVEMBRO DE 2018
GRALHA AZUL No. 79 NOVEMBRO DE 2018GRALHA AZUL No. 79 NOVEMBRO DE 2018
GRALHA AZUL No. 79 NOVEMBRO DE 2018Sérgio Pitaki
 
GRALHA AZUL No. 80 - DEZEMBRO 2018
GRALHA AZUL No. 80 - DEZEMBRO 2018GRALHA AZUL No. 80 - DEZEMBRO 2018
GRALHA AZUL No. 80 - DEZEMBRO 2018Sérgio Pitaki
 
GRALHA AZUL No.81 - JANEIRO 2019
GRALHA AZUL No.81 - JANEIRO 2019GRALHA AZUL No.81 - JANEIRO 2019
GRALHA AZUL No.81 - JANEIRO 2019Sérgio Pitaki
 
Gralha azul no.82 Fevereiro - 2019
Gralha azul no.82 Fevereiro - 2019Gralha azul no.82 Fevereiro - 2019
Gralha azul no.82 Fevereiro - 2019Sérgio Pitaki
 
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018Sérgio Pitaki
 
GRALHA AZUL No. 77 - SETEMBRO - 2018
GRALHA AZUL No. 77 - SETEMBRO - 2018GRALHA AZUL No. 77 - SETEMBRO - 2018
GRALHA AZUL No. 77 - SETEMBRO - 2018Sérgio Pitaki
 
GRALHA AZUL No. 76 mai/jul 2018
GRALHA AZUL No. 76 mai/jul 2018GRALHA AZUL No. 76 mai/jul 2018
GRALHA AZUL No. 76 mai/jul 2018Sérgio Pitaki
 
GRALHA AZUL No. 75 - ABRIL 2018
GRALHA AZUL No. 75 - ABRIL 2018GRALHA AZUL No. 75 - ABRIL 2018
GRALHA AZUL No. 75 - ABRIL 2018Sérgio Pitaki
 
GRALHA AZUL No. 7 - Janeiro - 2011
GRALHA AZUL No. 7 - Janeiro - 2011GRALHA AZUL No. 7 - Janeiro - 2011
GRALHA AZUL No. 7 - Janeiro - 2011Sérgio Pitaki
 
GRALHA AZUL No. 73 - JANEIRO 2018
GRALHA AZUL No. 73 - JANEIRO 2018GRALHA AZUL No. 73 - JANEIRO 2018
GRALHA AZUL No. 73 - JANEIRO 2018Sérgio Pitaki
 
GRALHA AZUL No. 71 - NOVEMBRO - 2017
GRALHA AZUL No. 71 - NOVEMBRO -  2017GRALHA AZUL No. 71 - NOVEMBRO -  2017
GRALHA AZUL No. 71 - NOVEMBRO - 2017Sérgio Pitaki
 
JORNADA SOBRAMES PR - DEZEMBRO 2017
JORNADA SOBRAMES PR - DEZEMBRO 2017JORNADA SOBRAMES PR - DEZEMBRO 2017
JORNADA SOBRAMES PR - DEZEMBRO 2017Sérgio Pitaki
 

Mais de Sérgio Pitaki (20)

Dr. Sérgio Pitaki Curriculum vitae- Bahia.docx
Dr. Sérgio Pitaki Curriculum vitae- Bahia.docxDr. Sérgio Pitaki Curriculum vitae- Bahia.docx
Dr. Sérgio Pitaki Curriculum vitae- Bahia.docx
 
DR. PITAKI, CURRICULUM VITAE RESUMIDO 2022
DR. PITAKI, CURRICULUM VITAE RESUMIDO 2022DR. PITAKI, CURRICULUM VITAE RESUMIDO 2022
DR. PITAKI, CURRICULUM VITAE RESUMIDO 2022
 
BOLETIM GRALHA AZUL NO. 81 JANEIRO 2019
BOLETIM GRALHA AZUL NO. 81 JANEIRO 2019BOLETIM GRALHA AZUL NO. 81 JANEIRO 2019
BOLETIM GRALHA AZUL NO. 81 JANEIRO 2019
 
BOLETIM GRALHA AZUL NO. 82 - FEVEREIRO 2019
BOLETIM GRALHA AZUL NO. 82 - FEVEREIRO 2019BOLETIM GRALHA AZUL NO. 82 - FEVEREIRO 2019
BOLETIM GRALHA AZUL NO. 82 - FEVEREIRO 2019
 
GRALHA AZUL No.84 DEZ 2019
GRALHA AZUL No.84 DEZ 2019GRALHA AZUL No.84 DEZ 2019
GRALHA AZUL No.84 DEZ 2019
 
GABRIELA MISTRAL - AULA NA BIBLIOTECA PÚBLICA DO PARANÁ
GABRIELA MISTRAL - AULA NA BIBLIOTECA PÚBLICA DO PARANÁGABRIELA MISTRAL - AULA NA BIBLIOTECA PÚBLICA DO PARANÁ
GABRIELA MISTRAL - AULA NA BIBLIOTECA PÚBLICA DO PARANÁ
 
ACUPUNTURA REN MAI 4 - SEGUNDO CHAKRA - TAN TIEN
ACUPUNTURA REN MAI 4 - SEGUNDO CHAKRA - TAN TIENACUPUNTURA REN MAI 4 - SEGUNDO CHAKRA - TAN TIEN
ACUPUNTURA REN MAI 4 - SEGUNDO CHAKRA - TAN TIEN
 
VERSOS NA REDE No. 2 - JAN/MAR 2019
VERSOS NA REDE No. 2 - JAN/MAR 2019VERSOS NA REDE No. 2 - JAN/MAR 2019
VERSOS NA REDE No. 2 - JAN/MAR 2019
 
GRALHA AZUL No. 79 NOVEMBRO DE 2018
GRALHA AZUL No. 79 NOVEMBRO DE 2018GRALHA AZUL No. 79 NOVEMBRO DE 2018
GRALHA AZUL No. 79 NOVEMBRO DE 2018
 
GRALHA AZUL No. 80 - DEZEMBRO 2018
GRALHA AZUL No. 80 - DEZEMBRO 2018GRALHA AZUL No. 80 - DEZEMBRO 2018
GRALHA AZUL No. 80 - DEZEMBRO 2018
 
GRALHA AZUL No.81 - JANEIRO 2019
GRALHA AZUL No.81 - JANEIRO 2019GRALHA AZUL No.81 - JANEIRO 2019
GRALHA AZUL No.81 - JANEIRO 2019
 
Gralha azul no.82 Fevereiro - 2019
Gralha azul no.82 Fevereiro - 2019Gralha azul no.82 Fevereiro - 2019
Gralha azul no.82 Fevereiro - 2019
 
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
 
GRALHA AZUL No. 77 - SETEMBRO - 2018
GRALHA AZUL No. 77 - SETEMBRO - 2018GRALHA AZUL No. 77 - SETEMBRO - 2018
GRALHA AZUL No. 77 - SETEMBRO - 2018
 
GRALHA AZUL No. 76 mai/jul 2018
GRALHA AZUL No. 76 mai/jul 2018GRALHA AZUL No. 76 mai/jul 2018
GRALHA AZUL No. 76 mai/jul 2018
 
GRALHA AZUL No. 75 - ABRIL 2018
GRALHA AZUL No. 75 - ABRIL 2018GRALHA AZUL No. 75 - ABRIL 2018
GRALHA AZUL No. 75 - ABRIL 2018
 
GRALHA AZUL No. 7 - Janeiro - 2011
GRALHA AZUL No. 7 - Janeiro - 2011GRALHA AZUL No. 7 - Janeiro - 2011
GRALHA AZUL No. 7 - Janeiro - 2011
 
GRALHA AZUL No. 73 - JANEIRO 2018
GRALHA AZUL No. 73 - JANEIRO 2018GRALHA AZUL No. 73 - JANEIRO 2018
GRALHA AZUL No. 73 - JANEIRO 2018
 
GRALHA AZUL No. 71 - NOVEMBRO - 2017
GRALHA AZUL No. 71 - NOVEMBRO -  2017GRALHA AZUL No. 71 - NOVEMBRO -  2017
GRALHA AZUL No. 71 - NOVEMBRO - 2017
 
JORNADA SOBRAMES PR - DEZEMBRO 2017
JORNADA SOBRAMES PR - DEZEMBRO 2017JORNADA SOBRAMES PR - DEZEMBRO 2017
JORNADA SOBRAMES PR - DEZEMBRO 2017
 

Último

TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadodanieligomes4
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 

Milton Hênio Netto de Gouvêa Discurso de Posse na Sobrames Nacional 1998

  • 1. SOCIEDADE BRASILEIRA DE M ÉDICOS ESCRITORES - SOBRAMES XII CONGRESSO BRASILEIRAO DE M ÉDICOS ESCRITORES - ALAGOAS DISCURSO DE POSSE - PRESIDENTE NACIONAL : MILTON HÊNIO NETTO DE GOUVÊA Maceió - 19 de Maio de 1988 Prezados amigos, Nesta noite inesquecível, sob o céu das Alagoas, permitam os caros amigos que eu retroceda séculos atrás e evoque a época do culto do Deus Médico, em Atenas e outras cidades, nas quais se erigiram templos soberbos, em perfeição e beleza, então denominados templos de Asclépio. Nesses templos as pessoas pernoitavam para sonhar, sob as bençãos divinas, com as receitas que deveriam usar... Aqui, estamos, hoje, reunidos neste salão, não à busca de sonhos ou receitas, mas para homenagear um homem que foi um grande médico, um médicos que foi um grande poeta - Jorge de Lima - e também para reunir os homens deste País que associam a Ciência com a Arte, através da pintura, da música, da poesia e da literatura de modo geral. Serão três dias de uma gratificante convivência a partir deste momento, em que, sem esquecermos a medicina, expandiremos nossos sentimentos literários e filosóficos. Hipócrates dizia que todas as qualidades de um bom filósofo deveriam ser encontradas no médico: altruismo, zelo, modéstia, seriedade, pureza e decisão. Aqui estamos, médicos escritores do nosso querido Brasil, para uma reunião de amigos. Hoje como ontem o homem tenta associar a Ciência com a Literatura. Vem de muito longe. São Lucas, o grande evangelista, padroeiro dos médicos e protetor da nossa Sociedade, escolha feliz do nosso fundador Eurico Branco Ribeiro, é o exemplo dos primeiros médicos escritores conhecidos. A biografia desse grande Santo e toda sua vida, minuciosamente estudada e escrita por Eurico Ribeiro, mostra a sensibilidade artística de pintor e de poeta que possuía o Santo, Sua disponibilidade ao serviço do próximo e sobretudo seu apaixonado culto da verdade. Em seu Evangelho estão textos muito conhecidos incluídos na liturgia. ãAve Maria, o Angelus, o Magnificat, o Benedictus, o Pater Noster, as Bem Aventuranças, recado de Deus para o homem que todos os dias devemos repetir para aprofundar seu sentido e vivenciar suas lições. O ser verdadeiro o aforismo famoso de Buffon de que o estilo é o homem, parecerá natural pensar-se que os escritos dos homens de ciência devem ser um rude amálgama de fatos completamente desprovidos de poesia e arte, como geralmente se supõe que a Ciência seja. Entretanto, no desenrolar dos tempos vamos encontrar página inesquecíveis da literatura mundial criadas por grandes homens da Ciência: o próprio Buffon era naturalista de profissão; Voltaire, o maior mestre da literatura francesa, não trepidou em procurar impor-se igualmente como mestre da ciência; Dante, o inesquecível Dante possuía todas as ciências cultivadas no seu tempo; Goldsmit, célebre pela limpidez de seus versos e de sua prosa, era famoso e talentoso médico do seu tempo. E muitos outros: Keats na Inglaterra, Schiller na Alemanha, Holmes na América, grande poeta e anatomista. Augusto Conte andou estudando Medicina em Montpellier. Copérnico fez escritos inesquecíveis, de uma inteligência privilegiada conseguiu armazenar conhecimentos variados: cursou Teologia na Polônia, Direito em Bolonha, Medicina em Ferrara, sempre arregalando os olhos para Astronomia. Clemanceau estudou Medicina e fazia seus poemas continuamente. Foi tudo: orador, patriota, revolucionário e reacionário e ainda dono de jornal. Olavo Bilac foi estudante de Medicina até o quarto ano e Guimarães Rosa causou espanto aos colegas de Medicina quando publicou seus primeiros trabalhos literários. É imensa a relação dos homens dedicados à ciência, aos estudos das maravilhas do corpo humano sem deixar de cultivar a beleza do mundo através da poesia, de uma crônica ou da música. Caros companheiros - assumo a Presidência Nacional da SOBRAMES com a melhor das intenções. Agradeço muitíssimo a todos vocês colegas de todo o Brasil, a gentileza na aceitação unânime do meu nome para comandar-vos. É uma honra e uma grande responsabiidade. Irei preparar o terreno onde semear o grão com esperança de ver não só germinar, mas florir e frutificar. Estamos num encontro de poesia, num encontro de lazer. A poesia é a imaginação do poeta, é o transbordar de seus sentimentos que com ela participa, vive e se nutre de felicidade. O poeta é o interprete da natureza, o menestrel de Deus. Nossa pequenina
  • 2. Alagoas tem presenteado o Brasil com uma gama de grandes poetas de rara inspiração: Guimarães Passos, Jorge de Lima, Cyridião Durval, Jaime de Altavilla e tantos outros grandes nomes do passado e toda uma plêiade de novos poetas pertencentes a nossa SOBRAMES como a outras entidades culturais do Estado. Todos vocês poetas aqui presentes não são mais do que executores cada um a seu modo, com sua rima e com seu ritmo, da grande sinfonia que Deus escreve no Universo. O poeta é um homem síntese, resume em dados tudo que há de belo no mundo. “Poeta, homem feliz. Sentem o que todos sentem, diz o que ninguém diz. Não morre a poesia no mundo porque sempre vive o amor, onde palpita um coração humano.” Prezados companheiros: As alegrias do cargo proporcionadas no conviver com vocês nesses dois anos, compensa o sacrifício que ele exige. O sentimento do dever cumprido e o prazer em fazer aquilo de que gostamos é acompanhado de satisfação total, a única que traz a verdadeira paz da alma. O destino da humanidade e sua felicidade depende da resposta que o homem escolher. O destino do homem não se limita a sua existência sobre a terra, e é essencial que ele nunca se esqueça disso. O homem existe, menos pelos atos que executa durante sua vida do que pelo rastro que venha a deixar atrás de sí, como se fosse uma estrela cadente. Por isso, todas as suas idéias, toda a sua imaginação, todos os seus sentimentos, meus companheiros, ficarão gravados e inesquecíveis para os que vierem depois de nós. Ficará o rastro de sua passagem pelo mundo. Cada um de nós deixa uma marca, modesta ou brilhante, de acordo com suas características individuais. Os rastros de Moisés, de Buda, de Confúcio e do próprio Cristo, exercem provavelmente em nossos dias, uma influência muito maior sobre a humanidade do que no tempo em que esses homens se consagraram ao destino e a felicidade dessa mesma humanidade. Companheiro, o Homem precisa no seu dia a dia, em qualquer idade, que o esclareçam, que o animem, que o console, e lhe dêem esperança. Na vida corrente, nas relações com os seus semelhantes deve o homem servir-se de sua razão, mas terá menos erros se der ouvidos ao seu coração. Meus amigos. Estou assumindo hoje um cargo de responsabilidade em minha vida. A vida do homem é um eterno construir. Construimos nossa personalidade, nossa cultura, nossa felicidade, nosso presente e nosso futuro. Foi feliz que afirmo “todas as coisas para serem boas devem completar-se”. Olhar par ao outro, ir ao encontro do outro, buscar complementação no outro é um longo caminho. A SOBRAMES NACIONAL está aberta a todos vocês que eu chamaria de meus irmãos. Como um navio constantemente mantido na sua rota por um piloto que corrige os seus desvios, poderei em algum momento hesitar, vacilar, todavia alcançarei o porto com a ajuda de Deus e compreensão de vocês. Nossa terra os recebe de braços abertos. Usufruam das paisagens lindas que a natureza nos presenteou. Componham o seus versos, cantem suas músicas, extravazem sua imaginação, vocês são homens de sensibilidade. E depois desses dias de contentamento e felicidade, ao partir levem Alagoas nos seus sentidos, como digo nosso saudoso e grande poeta Jaime Altavilla: CANTO DA MINHA TERRA Eu trago a minha terra nos meus olhos Minha terra é morena como as árvores sertanejas; Minha terra tem os olhos cor das águas das lagoas; Minha terra tem os cabelos verdes como os coqueirais; Eu trago a minha terra em meus ouvidos; Minha terra é sonora como o sabiáda mata; Minha terra tem o rumor das águas de Paulo Afonso. Eu trago a minha terra em meu olfato: Minha terra cheira a mel quente dos engenhos; Minha terra tem o aroma dos cajueiros em flor;
  • 3. Minha terra tem o cheiro da maresia de nossas praias. Eu trago a minha terra nos meus lábios: Minha terra é saborosa como os frutos de nossas árvores; Minha terra tem o sumo agridoce da pitanga; Minha terra tem o gosto ardente dos canaviais. Eu trago a minha terra bem dentro do coração: Minha terra é formosa, é voa e hospitaleira; Minha terra vive dentro de todos os meus sentidos; Porque a minha terra é para mim O pedaço melhor da terra brasileira.