SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
1


Deficiência visual


       A redução ou perda total da capacidade de ver com o melhor olho e após a melhor
correção ótica. Manifesta-se como: Cegueira: perda da visão, em ambos os olhos, de menos
de 0,1 no melhor olho após correção, ou um campo visual não excedente a 20 graus, no maior
meridiano do melhor olho, mesmo com o uso de lentes de correção. Sob o enfoque
educacional, a cegueira representa a perda total ou o resíduo mínimo da visão que leva o
individuo a necessitar do Sistema Braile como meio de leitura e escrita, além de outros
recursos didáticos e equipamentos especiais para a sua educação; Visão reduzidabaixa visão:
acuidade visual dentre 620 e 660, no melhor olho, após correção máxima. Sob o enfoque
educacional, trata-se de resíduo visual que permite ao educando ler impressos a tinta, desde
que se empreguem recursos didáticos e equipamentos especiais.

Introdução

       Alguns sinais característicos da presença da deficiência visual na criança são: desvio
de um dos olhos, não seguimento visual de objetos, não reconhecimento visual de familiares,
baixo aproveitamento escolar e atraso de desenvolvimento. No adulto, pode ser o borramento
súbito ou paulatino da visão. Em ambos os casos, são: vermelhidão, mancha branca nos olhos,
dor, lacrimejamento, flashes, retração do campo de visão que pode provocar esbarrões e
tropeços em móveis. Em todos os casos, deve ser realizada avaliação oftalmológica para
diagnóstico do processo e possíveis tratamentos, em caráter de urgência.

Pontos Principais

1. Dados estatísticos:

       Segundo a OMS-Organização Mundial de Saúde, cerca de 1% da população mundial
apresenta algum grau de deficiência visual. Mais de 90% encontram-se nos países em
desenvolvimento. Nos países desenvolvidos, a população com deficiência visual é composta
por cerca de 5% de crianças, enquanto os idosos são 75% desse contingente. Segundo o Censo
escolar (1998) – 337.326 alunos com necessidades especiais matriculados em todo país,
destes 15.473 (4,6%) apresenta deficiência visual.


Etiologia:
2


       De maneira genérica, podemos considerar que nos países em desenvolvimento as
principais causas são infecciosas, nutricionais, traumáticas e causadas por doenças como as
cataratas. Nos países desenvolvidos são mais importantes as causas genéticas e degenerativas.
As causas podem ser divididas também em: congênitas ou adquiridas. Causas congênitas:
amaurose congênita de Leber, malformações oculares, glaucoma congênito, catarata
congênita. Causas adquiridas: traumas oculares, catarata, degeneração senil de mácula,
glaucoma, alterações retinianas relacionadas à hipertensão arterial ou diabetes



Níveis de deficiência visual

       Baixa visão ou visão subnormal – acuidade visual de 0,3 a 0,05 (Escala optométrica de
Snellen) no melhor olho, com a máxima correção óptica.


       Cegueira – Diminuição da acuidade visual central desde cegueira total (nenhuma
presença de luz) até acuidade visual menor que 0,05 (- de 1%).


Sistema braille

       O Sistema Braille é o sistema de leitura e escrita tátil utilizado por deficientes
visuais e representa um código universal.


Pontos Principais


1. Cela Braille.
A partir de seis pontos, podem ser realizadas 64 combinações diferentes.


Habilidades formais de orientação e mobilidade.


       Posteriormente a aquisição dos pré-requisitos, inicia-se após avaliação, o
programa de instrução de habilidades formais de orientação e mobilidade. A orientação
básica é de realizar esta instrução o mais cedo possível. Fonte: (Coín e Enríquez, 2003).
       Sendo assim, torna-se possível a determinação de pontos de referência para a
correta localização do ambiente. Posteriormente segue referência para o aprendizado
das técnicas de proteção pessoal, de seguimento pelo tato, de guia vidente, de
3


mobilidade com bengala longa e auxiliares pré-bengala, de planos de mobilidade, de
cães guia e para a utilização de auxiliares eletrônicos.
       A educação de cegos teve início no século XVIII em Paris, com Valentin Haüy
(fundador do Instituto Real dos Jovens Cegos). Era homem de ciência e influenciado
pelas filosofias sensistas, segundo as quais, tudo vinha dos sentidos. Depois de haver
contemplado, na feira de Santo Ovídio, em Paris, a um espetáculo que o chocou
profundamente em que sobre um estrado, um empresário exibia dez cegos, como
fantoches, teve a ideia de instruir os cegos, fundando em 1784 o Instituto Real dos
Jovens Cegos. Defendia o principio de que, tanto quanto fosse possível, a educação dos
cegos não poderia diferenciar-se da dos normovisuais, como eram chamados os
videntes, naquela época. Adotou o alfabeto comum em relevo, na expectativa de que as
letras fossem percebidas pelos dedos dos deficientes visuais. Para a escrita, trabalhavam
com caracteres móveis, com os quais os alunos aprendiam a conhecer as letras e os
algarismos, a combinar os caracteres para formar palavras e números e a construir
frases. Em 15 de fevereiro de 1819, ingressou no Instituto Real dos Jovens Cegos, um
jovem de 10 anos chamado Louis Braille (1809-1852). Louis feriu um dos olhos,
quando brincava na oficina do pai. A infecção progrediu, atingindo o outro olho,
deixando Louis completamente cego algum tempo depois. Louis Braille criou o sistema
braille a partir da sonografia de Charles Barbier (Idealizou o sistema de sinais em relevo
que inspirou Louis Braille a criar o Sistema Braille ), Capitão de artilharia que
apaixonado pelos problemas da escrita rápida e secreta, idealizou um processo de leitura
tátil destinado a velar os segredo das mensagens militares e diplomáticas. Consistia na
sonografia constituída por trinta e seis sinais representativos de outros tantos sons e
distribuídos por 6 linhas e 6 sinais cada uma, formando igual número de colunas. Na
verdade este sistema representava fonemas, o que dificultava bastante para a escrita de
textos e representação de algarismos. O sistema de Charles Barbier nunca foi usado na
instituição, mas a partir dele, Louis Braille reconheceu que os sinais com mais de três
pontos em cada fila ultrapassavam as possibilidades de uma única percepção tátil.
Reduziu suas proporções de maneira que os sinais pudessem formar uma imagem
verdadeira debaixo dos dedos. Atribuiu a cada símbolo valor ortográfico e não fonético,
semelhante ao alfabeto comum.


Referências e links interessantes
4


BRUNO, Marilda Moraes Garcia. O desenvolvimento integral do portador de
deficiência visual: da intervenção precoce a integração pré- escolar. São Paulo: Loyola,
1992. v.1, 144p.


Minas Gerais. Secretaria de Estado da Educação. Coleção veredas: guia de estudo:
Educação Inclusiva. Belo Horizonte, 2005.


MARTIN, Manuel Bueno et al. Deficiência visual: aspectos psicoevolutivos e
educativos. São Paulo: Editora Santos, 2003.


MARTINS, J.G. A cegueira às claras. Belo Horizonte: O Lutador, 2007.



VEIGA, José Espinnola. O que é ser cego. Rio de Janeiro: José Olympio, 1993.




Dicas de Convivência

      Evite utilizar os advérbios, aqui, lá, cá, etc, de maneira inadequada.

      Ofereça sua ajuda sempre que uma pessoa cega necessitar. Mas não ajude sem
       que ela concorde.

      Sempre pergunte antes de agir. Se não souber em que e como ajudar, peça
       explicações a ela de como fazê-lo.

      Para guiar uma pessoa cega, ela deve lhe segurar pelo braço, de preferência no
       cotovelo ou no ombro. Não a pegue pelo braço: além de perigoso, isso pode
       assustá-la. À medida que encontrar degraus, meios-fios e outros obstáculos, vá
       orientando-a. Em lugares muito estreitos para duas pessoas caminharem lado a
       lado, ponha seu braço para trás de modo que a pessoa cega possa lhe seguir.

      Ao sair de uma sala, informe à pessoa cega; é desagradável para qualquer pessoa
       falar para o vazio. Não evite palavras como "cego", "olhar" ou "ver", as pessoas
       cegas também as usam.
5


   Ao explicar direções para uma pessoa cega, seja o mais claro e específico
    possível. Não se esqueça de indicar os obstáculos que existem no caminho que
    ela vai seguir.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (13)

Musica e inclusao
Musica e inclusaoMusica e inclusao
Musica e inclusao
 
Deficiência visual
Deficiência visualDeficiência visual
Deficiência visual
 
Manual Novos Rumos
Manual Novos RumosManual Novos Rumos
Manual Novos Rumos
 
DIA MUNDIAL DO BRAILLE
DIA MUNDIAL DO BRAILLEDIA MUNDIAL DO BRAILLE
DIA MUNDIAL DO BRAILLE
 
Deficiência Visual e o Processo de Aprendizagem
Deficiência Visual e o Processo de AprendizagemDeficiência Visual e o Processo de Aprendizagem
Deficiência Visual e o Processo de Aprendizagem
 
Slide de inst. de cegos novo
Slide de inst. de cegos novoSlide de inst. de cegos novo
Slide de inst. de cegos novo
 
Deficiencia Visual
Deficiencia VisualDeficiencia Visual
Deficiencia Visual
 
Ot Deficiencias Multiplas
Ot Deficiencias MultiplasOt Deficiencias Multiplas
Ot Deficiencias Multiplas
 
21 olho humano
21  olho humano21  olho humano
21 olho humano
 
Palestra sobre Deficiências realizada em Empresa Inclusiva
Palestra sobre Deficiências realizada em Empresa InclusivaPalestra sobre Deficiências realizada em Empresa Inclusiva
Palestra sobre Deficiências realizada em Empresa Inclusiva
 
Deficiente Visual e Escalada
Deficiente Visual e EscaladaDeficiente Visual e Escalada
Deficiente Visual e Escalada
 
Deficiências e Tecnologias Assistivas
Deficiências e Tecnologias AssistivasDeficiências e Tecnologias Assistivas
Deficiências e Tecnologias Assistivas
 
A Cegueira
A CegueiraA Cegueira
A Cegueira
 

Semelhante a Deficiência visual

O Desafio de Viver com as Diferenças
O Desafio de Viver com as DiferençasO Desafio de Viver com as Diferenças
O Desafio de Viver com as Diferenças
lagunaedu
 
Sensibilização de pessoas
Sensibilização de pessoasSensibilização de pessoas
Sensibilização de pessoas
Ailton Barcelos
 
Ser diferente é normal
Ser diferente  é normalSer diferente  é normal
Ser diferente é normal
Suzana Duraes
 
Louis braile e deficiência visual
Louis braile e deficiência visualLouis braile e deficiência visual
Louis braile e deficiência visual
Ivan Machado
 
Análise Inqueritos Tecnicos Comercio
Análise Inqueritos Tecnicos ComercioAnálise Inqueritos Tecnicos Comercio
Análise Inqueritos Tecnicos Comercio
Madalena Joaninho
 

Semelhante a Deficiência visual (20)

O Desafio de Viver com as Diferenças
O Desafio de Viver com as DiferençasO Desafio de Viver com as Diferenças
O Desafio de Viver com as Diferenças
 
CADERNO TV ESCOLA - DEFICIÊNCIA VISUAL
CADERNO TV ESCOLA - DEFICIÊNCIA VISUALCADERNO TV ESCOLA - DEFICIÊNCIA VISUAL
CADERNO TV ESCOLA - DEFICIÊNCIA VISUAL
 
O talento além das diferenças
O talento além das diferençasO talento além das diferenças
O talento além das diferenças
 
Deficiência visual
Deficiência visualDeficiência visual
Deficiência visual
 
Deficiência visual
Deficiência visualDeficiência visual
Deficiência visual
 
Sensibilização de pessoas
Sensibilização de pessoasSensibilização de pessoas
Sensibilização de pessoas
 
Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiencia
Dicas de relacionamento com as pessoas com deficienciaDicas de relacionamento com as pessoas com deficiencia
Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiencia
 
Ser diferente é normal
Ser diferente  é normalSer diferente  é normal
Ser diferente é normal
 
Visaosubnormal
VisaosubnormalVisaosubnormal
Visaosubnormal
 
Louis braile e deficiência visual
Louis braile e deficiência visualLouis braile e deficiência visual
Louis braile e deficiência visual
 
Como ajudar umcego
Como ajudar umcegoComo ajudar umcego
Como ajudar umcego
 
DIA MUNDIAL DO BRAILLE
DIA MUNDIAL DO BRAILLEDIA MUNDIAL DO BRAILLE
DIA MUNDIAL DO BRAILLE
 
Como ajudar umcego
Como ajudar umcegoComo ajudar umcego
Como ajudar umcego
 
Em Março Aconteceu
Em Março AconteceuEm Março Aconteceu
Em Março Aconteceu
 
Em Março Aconteceu
Em Março AconteceuEm Março Aconteceu
Em Março Aconteceu
 
Análise Inqueritos Tecnicos Comercio
Análise Inqueritos Tecnicos ComercioAnálise Inqueritos Tecnicos Comercio
Análise Inqueritos Tecnicos Comercio
 
DIA MUNDIAL DO BRAILLE
DIA MUNDIAL DO BRAILLEDIA MUNDIAL DO BRAILLE
DIA MUNDIAL DO BRAILLE
 
Em MarçO Aconteceu
Em MarçO AconteceuEm MarçO Aconteceu
Em MarçO Aconteceu
 
Sem barreiras
Sem barreirasSem barreiras
Sem barreiras
 
Livreto libras sb_diana_juliana_mara_micheli
Livreto libras sb_diana_juliana_mara_micheliLivreto libras sb_diana_juliana_mara_micheli
Livreto libras sb_diana_juliana_mara_micheli
 

Mais de Valdemar Júnior

Mais de Valdemar Júnior (7)

Metodologia Voltada para a Educação de Surdos
Metodologia Voltada para a Educação de Surdos Metodologia Voltada para a Educação de Surdos
Metodologia Voltada para a Educação de Surdos
 
Conceitos dos profissionais da libras
Conceitos dos profissionais da librasConceitos dos profissionais da libras
Conceitos dos profissionais da libras
 
Acessibilidade para as pessoas com necessidades comunicativas especiais
Acessibilidade para as pessoas com necessidades comunicativas especiaisAcessibilidade para as pessoas com necessidades comunicativas especiais
Acessibilidade para as pessoas com necessidades comunicativas especiais
 
Cultura e identidade surda
Cultura e identidade surdaCultura e identidade surda
Cultura e identidade surda
 
Surdez e desafios
Surdez e desafiosSurdez e desafios
Surdez e desafios
 
Legislação acerca da Libras
Legislação acerca da LibrasLegislação acerca da Libras
Legislação acerca da Libras
 
O surdo na educação infantil
O surdo na educação infantilO surdo na educação infantil
O surdo na educação infantil
 

Último

ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 

Deficiência visual

  • 1. 1 Deficiência visual A redução ou perda total da capacidade de ver com o melhor olho e após a melhor correção ótica. Manifesta-se como: Cegueira: perda da visão, em ambos os olhos, de menos de 0,1 no melhor olho após correção, ou um campo visual não excedente a 20 graus, no maior meridiano do melhor olho, mesmo com o uso de lentes de correção. Sob o enfoque educacional, a cegueira representa a perda total ou o resíduo mínimo da visão que leva o individuo a necessitar do Sistema Braile como meio de leitura e escrita, além de outros recursos didáticos e equipamentos especiais para a sua educação; Visão reduzidabaixa visão: acuidade visual dentre 620 e 660, no melhor olho, após correção máxima. Sob o enfoque educacional, trata-se de resíduo visual que permite ao educando ler impressos a tinta, desde que se empreguem recursos didáticos e equipamentos especiais. Introdução Alguns sinais característicos da presença da deficiência visual na criança são: desvio de um dos olhos, não seguimento visual de objetos, não reconhecimento visual de familiares, baixo aproveitamento escolar e atraso de desenvolvimento. No adulto, pode ser o borramento súbito ou paulatino da visão. Em ambos os casos, são: vermelhidão, mancha branca nos olhos, dor, lacrimejamento, flashes, retração do campo de visão que pode provocar esbarrões e tropeços em móveis. Em todos os casos, deve ser realizada avaliação oftalmológica para diagnóstico do processo e possíveis tratamentos, em caráter de urgência. Pontos Principais 1. Dados estatísticos: Segundo a OMS-Organização Mundial de Saúde, cerca de 1% da população mundial apresenta algum grau de deficiência visual. Mais de 90% encontram-se nos países em desenvolvimento. Nos países desenvolvidos, a população com deficiência visual é composta por cerca de 5% de crianças, enquanto os idosos são 75% desse contingente. Segundo o Censo escolar (1998) – 337.326 alunos com necessidades especiais matriculados em todo país, destes 15.473 (4,6%) apresenta deficiência visual. Etiologia:
  • 2. 2 De maneira genérica, podemos considerar que nos países em desenvolvimento as principais causas são infecciosas, nutricionais, traumáticas e causadas por doenças como as cataratas. Nos países desenvolvidos são mais importantes as causas genéticas e degenerativas. As causas podem ser divididas também em: congênitas ou adquiridas. Causas congênitas: amaurose congênita de Leber, malformações oculares, glaucoma congênito, catarata congênita. Causas adquiridas: traumas oculares, catarata, degeneração senil de mácula, glaucoma, alterações retinianas relacionadas à hipertensão arterial ou diabetes Níveis de deficiência visual Baixa visão ou visão subnormal – acuidade visual de 0,3 a 0,05 (Escala optométrica de Snellen) no melhor olho, com a máxima correção óptica. Cegueira – Diminuição da acuidade visual central desde cegueira total (nenhuma presença de luz) até acuidade visual menor que 0,05 (- de 1%). Sistema braille O Sistema Braille é o sistema de leitura e escrita tátil utilizado por deficientes visuais e representa um código universal. Pontos Principais 1. Cela Braille. A partir de seis pontos, podem ser realizadas 64 combinações diferentes. Habilidades formais de orientação e mobilidade. Posteriormente a aquisição dos pré-requisitos, inicia-se após avaliação, o programa de instrução de habilidades formais de orientação e mobilidade. A orientação básica é de realizar esta instrução o mais cedo possível. Fonte: (Coín e Enríquez, 2003). Sendo assim, torna-se possível a determinação de pontos de referência para a correta localização do ambiente. Posteriormente segue referência para o aprendizado das técnicas de proteção pessoal, de seguimento pelo tato, de guia vidente, de
  • 3. 3 mobilidade com bengala longa e auxiliares pré-bengala, de planos de mobilidade, de cães guia e para a utilização de auxiliares eletrônicos. A educação de cegos teve início no século XVIII em Paris, com Valentin Haüy (fundador do Instituto Real dos Jovens Cegos). Era homem de ciência e influenciado pelas filosofias sensistas, segundo as quais, tudo vinha dos sentidos. Depois de haver contemplado, na feira de Santo Ovídio, em Paris, a um espetáculo que o chocou profundamente em que sobre um estrado, um empresário exibia dez cegos, como fantoches, teve a ideia de instruir os cegos, fundando em 1784 o Instituto Real dos Jovens Cegos. Defendia o principio de que, tanto quanto fosse possível, a educação dos cegos não poderia diferenciar-se da dos normovisuais, como eram chamados os videntes, naquela época. Adotou o alfabeto comum em relevo, na expectativa de que as letras fossem percebidas pelos dedos dos deficientes visuais. Para a escrita, trabalhavam com caracteres móveis, com os quais os alunos aprendiam a conhecer as letras e os algarismos, a combinar os caracteres para formar palavras e números e a construir frases. Em 15 de fevereiro de 1819, ingressou no Instituto Real dos Jovens Cegos, um jovem de 10 anos chamado Louis Braille (1809-1852). Louis feriu um dos olhos, quando brincava na oficina do pai. A infecção progrediu, atingindo o outro olho, deixando Louis completamente cego algum tempo depois. Louis Braille criou o sistema braille a partir da sonografia de Charles Barbier (Idealizou o sistema de sinais em relevo que inspirou Louis Braille a criar o Sistema Braille ), Capitão de artilharia que apaixonado pelos problemas da escrita rápida e secreta, idealizou um processo de leitura tátil destinado a velar os segredo das mensagens militares e diplomáticas. Consistia na sonografia constituída por trinta e seis sinais representativos de outros tantos sons e distribuídos por 6 linhas e 6 sinais cada uma, formando igual número de colunas. Na verdade este sistema representava fonemas, o que dificultava bastante para a escrita de textos e representação de algarismos. O sistema de Charles Barbier nunca foi usado na instituição, mas a partir dele, Louis Braille reconheceu que os sinais com mais de três pontos em cada fila ultrapassavam as possibilidades de uma única percepção tátil. Reduziu suas proporções de maneira que os sinais pudessem formar uma imagem verdadeira debaixo dos dedos. Atribuiu a cada símbolo valor ortográfico e não fonético, semelhante ao alfabeto comum. Referências e links interessantes
  • 4. 4 BRUNO, Marilda Moraes Garcia. O desenvolvimento integral do portador de deficiência visual: da intervenção precoce a integração pré- escolar. São Paulo: Loyola, 1992. v.1, 144p. Minas Gerais. Secretaria de Estado da Educação. Coleção veredas: guia de estudo: Educação Inclusiva. Belo Horizonte, 2005. MARTIN, Manuel Bueno et al. Deficiência visual: aspectos psicoevolutivos e educativos. São Paulo: Editora Santos, 2003. MARTINS, J.G. A cegueira às claras. Belo Horizonte: O Lutador, 2007. VEIGA, José Espinnola. O que é ser cego. Rio de Janeiro: José Olympio, 1993. Dicas de Convivência  Evite utilizar os advérbios, aqui, lá, cá, etc, de maneira inadequada.  Ofereça sua ajuda sempre que uma pessoa cega necessitar. Mas não ajude sem que ela concorde.  Sempre pergunte antes de agir. Se não souber em que e como ajudar, peça explicações a ela de como fazê-lo.  Para guiar uma pessoa cega, ela deve lhe segurar pelo braço, de preferência no cotovelo ou no ombro. Não a pegue pelo braço: além de perigoso, isso pode assustá-la. À medida que encontrar degraus, meios-fios e outros obstáculos, vá orientando-a. Em lugares muito estreitos para duas pessoas caminharem lado a lado, ponha seu braço para trás de modo que a pessoa cega possa lhe seguir.  Ao sair de uma sala, informe à pessoa cega; é desagradável para qualquer pessoa falar para o vazio. Não evite palavras como "cego", "olhar" ou "ver", as pessoas cegas também as usam.
  • 5. 5  Ao explicar direções para uma pessoa cega, seja o mais claro e específico possível. Não se esqueça de indicar os obstáculos que existem no caminho que ela vai seguir.