SlideShare uma empresa Scribd logo
Cultos Afro
Os cultos afro-brasileiros tiveram sua
origem no Brasil com a chegada dos
escravos africanos. Cresceram tanto, que
hoje calcula-se que há no Brasil mais de 70
milhões de pessoas envolvidas em alguma
forma de espiritismo. Quem ainda não
ouviu expressões como “macumba”, “axé”,
“pomba-gira” ou “meu santo é forte”?
Estes são, antes de tudo uma cultura
religiosa oral, de caráter mágico, que se
manifesta por meio da crença em seres
mitológicos, danças, músicas, rituais e
símbolos.
Cultos Afro
A Região Sul é a que apresenta a maior
população relativa (0,6%), enquanto as
regiões Norte e Centro-Oeste apresentaram as
menores (0,1%).
Os cinco estados com a maior proporção de
afro-religiosos são o Rio de Janeiro (1,61% ),
Rio Grande do Sul (0,94%), São Paulo (0,42%),
Bahia (0,33%) e Mato Grosso do Sul (0,26%).
O censo revelou ainda uma forte
concentração no Triângulo Mineiro, e nas
proximidades da cidade de Codó (Maranhão).
HISTÓRIA
História
Os cultos-afro tiveram origem com a
escravidão africana no Brasil. A produção
de açúcar fez com que, na primeira metade
do século XVI, os portugueses importassem
da África mulheres e homens para utilizar
como mão-de-obra escrava nos engenhos
de açúcar do Nordeste. Juntamente com
eles vieram sua cultura e religião de cunho
animista.
“Em quatro séculos de tráfico negreiro,
cerca de 3,5 milhões de africanos
aportaram no Brasil na condição de
escravos, o equivalente a 37% do total do
continente americano”.
História
Os escravos saíram de três grandes áreas: Do Congo, do Golfo da
Guiné e do Sudão Ocidental e vieram para os estados da BA, PE, RJ,
MA, MG e SP.
Dos negros Sudaneses, os mais importantes foram:
Iorubás ou Nagôs;
Gêges (Ewes, Jejes ou Daometanos);
Minas;
Hauçás;
Tapas;
Bornus;
Gruncis ou Galinhas.
vinham
História
História
Com esses negros sudaneses, entraram dois povos de
influência maometana (muçulmana), os Fulas e os Malês
(Também chamados de Mandingas*). Os outros advinham
de várias influências religiosas das províncias dos povos
bantos.
Estes, eram vendidos separadamente (famílias e patrícios),
para que não pudessem interagir nem cultivar seus valores
religiosos tão distintos, até que, com a chegada de escravos
adivinhos, médico-feiticeiros e sacerdotes, as religiões foram
unificadas no que tinham em comum, a crença nos Orixás.
Estes vários rituais que os negros trouxeram para o Brasil, de
suas nações de origem, chamados de culto africano,
sofreram adaptações, dando origem ao Candomblé.
História
História - Orixás
De acordo com o Dicionário de Cultos Afro-Brasileiros, de
Olga Cacciatore, os orixás são divindades intermediárias
entre Olorum (o deus supremo) e os homens. Na África
eram cerca de 600 — para o Brasil vieram talvez uns 50,
que estão reduzidos a 16 no Candomblé, dos quais só 8
passaram à Umbanda. Muitos deles são antigos reis,
rainhas ou heróis divinizados, os quais representam:
as vibrações das forças elementares da Natureza — raios,
trovões, tempestades, água;
atividades econômicas – caça, agricultura etc.;
e ainda os grandes ceifadores de vidas – doenças
epidêmicas, como varíola, malária, dengue etc.
História - Orixás
Quanto à origem dos orixás, uma das lendas mais
populares diz que Obatalá (o céu) uniu-se a Odudua (a
terra), e desta união nasceram Aganju (a rocha) e Iemanjá
(as águas). Iemanjá casou-se com seu irmão Aganju, de
quem teve um filho, chamado Orungã. Orungã
apaixonou-se loucamente por sua mãe, procurando
sempre uma oportunidade para possuí-la, até que um dia,
aproveitando-se da ausência do pai, violentou-a. Iemanjá
pôs-se a fugir, perseguida par Orungã. Na fuga Iemanjá
caiu de costas, e ao pedir socorro a Obatalá, seu corpo
começou a dilatar-se grandemente, até que de seus seios
começaram a jorrar dois rios que formaram um lago, e
quando o seu ventre se rompeu, saíram a maioria dos
orixás. Por Isto Iemanjá é chamada “a mãe dos orixás”.
História - Orixás
Também presentes nos cultos afro-brasileiros, estão
espíritos que representam diversos tipos de humanos
falecidos, tais como: caboclos (índios), pretos-velhos
(escravos), crianças, marinheiros, boiadeiros, ciganos, etc.
Para o candomblé, são divindades controladoras do
universo.
História - Sincretismo
A Igreja Católica aceitava a escravidão, com a
condição de que os escravos fossem
catequizados. Quando a igreja percebeu que
não seria possível fazer desaparecer a
religiosidade africana, passou a adaptar os
costumes dos negros ao catolicismo, daí nasceu
o sincretismo.
Segundo Bastide, para poder subsistir durante
todo o período escravagista, os deuses negros
foram obrigados a se disfarçar por trás da figura
de um santo ou virgem católica. Este foi o ponto
de partida para o casamento entre o
Catolicismo e o culto africano.
História - Umbanda
A umbanda é uma religião surgida nos subúrbios do
Rio de Janeiro.
Em 15 de novembro de 1908, Zélio Fernandino de
Moraes, nascido em São Gonçalo/RJ, teria incorporado
do Caboclo das Sete Encruzilhadas. Este espírito o
teria ajudado a criar a religião de Umbanda.
Rapidamente, ela se espalhou por todo Brasil e outros
países da América Latina.
Suas crenças misturam elementos do candomblé, do
espiritismo e do catolicismo. Por isso, para muitos
estudiosos, a Umbanda seria apenas o candomblé sem
sacrifícios de animais que seria mais aceito pela
população branca e urbana.
História - Umbanda
Ainda pegou conceitos do kardecismo, que estava
chegando ao país, como o de “evolução” e
“reencarnação”.
Também tem Jesus como referência espiritual e não é
raro encontrar sua imagem em lugar destacado nos
altares das casas ou de terreiros de umbanda.
História – Quimbanda (kim)
A Quimbanda é uma religião afro-brasileira independente de
quaisquer outras, que surge no Rio Grande do Sul a partir de meados
dos anos 1960. Antes desse período outras tradições e religiões já
prestavam culto a Exu e Povo de Rua, porém a Quimbanda se firma
como religião ao cultuá-los de forma independente, estabelecendo
símbolos e ritos iniciáticos, bem como dogmas que a organizam
social e religiosamente, com grande influência dos ritos africanistas
do Batuque afro-gaúcho.
Além do culto a Exu e sua contraparte feminina Pomba-gira,
Malandros, Povo Cigano, Caboclos e Pretos Velhos Quimbandeiros e
todo o "Povo de Rua", o principal ponto que diferencia a Quimbanda
das demais religiões de matriz africana é a pratica do culto direto às
almas de pessoas falecidas e entes queridos - o Culto de Egun.
História – Quimbanda (kim)
História
A Quimbanda, embora seus
teóricos neguem, é fortemente
associada à magia negra, aos
trabalhos para o mal e, além de
para espíritos humanos
desencarnados, como na
Umbanda, também se utiliza de
seres não-humanos: larvas
[criações da mente dos sacerdotes-
magistas], demônios [Espíritos
obcessores] e elementais.
História
Existem também outros cultos, como:
Babaçuê: uma religião presente no estado especialmente no Pará,
mas também no Amazonas e no Maranhão. De tradição jeje-nagô,
possui fortes elementos indígenas (como a pajelança). Está
intimamente ligada ao tambor de mina e ao terecô do Maranhão.
Batuque: religião afro-brasileira de culto aos orixás, encontrada
principalmente no estado do Rio Grande do Sul, de onde se estendeu
para estados e países vizinhos tais como Uruguai e Argentina. O
Batuque é fruto dos povos oriundos de regiões onde hoje se situam
Nigéria e o Benim.
Xambá: uma religião de origem africana ativa em Olinda, em
Pernambuco. O povo Xambá ou Tchambá habitava a região norte da
região de Ashanti e também a região do Planalto de Adamawa.
DIVINDADES
No Candomblé, os cultuados, os
Orixás são considerados deuses;
na Quimbanda e na Umbanda,
ainda que o culto também
invoque e evoque Orixás, estes
são considerados meros
espíritos ancestrais mais antigos
ao lado de numerosas outras
entidades representativas de
ancestrais mais modernos e/ou
contemporâneos.
Divindades
Divindades
As principais divindades
são:
Zambi – É “deus” a suprema
divindade, senhor do céu e
de todos os orixás. Também
chamado Olorum (Nagôs).
Oxalá – o filho de Olorum.
Um Orixá-Maior. Dentro do
sincretismo religioso
corresponde a Jesus Cristo
(Ou Senhor-do-Bonfim).
Divindades
Yemanjá – Orixá que
domina as águas salgadas ou
o mar, deusa das águas,
simboliza maternidade (N. S.
da Glória ou N.S. da
Conceição).
Oxum – divindade que
domina rios, cachoeiras e
águas doces. (Imaculada
conceição).
Divindades
Xangô – deus do trovão, dos
raios e das tempestades
(fogo celeste) – (S.
Jerônimo).
Oxossi – orixá que preside a
caça, as matas, as florestas e
todos os vegetais (S.
Sebastião).
Divindades
Ogum – divindade
guerreira, deus da guerra,
das lutas e das demandas
(Sto. Antônio ou S. Jorge).
Iansã – divindade dos
ventos, raios e tempestades
(S. Bárbara).
Divindades
Omulu – divindade cultuada
com temor, pois domina e
promove as doenças. É o
orixá da varíola, peste etc.
Também chamado de
Abalau-aiê ou Obaluayê (S.
Lázaro, S. Roque e S. Bento).
Nanã-Buruque – orixá mãe
de todos os orixás. Deusa da
lama e dos elementos
pantanosos (N.S Santana).
Divindades
Exu – considerado menor,
mensageiro dos outros
orixás, principalmente para
Ifá. Guardião dos guerreiros,
casas e pessoas (S. Antônio).
Ibêjis – divindades
consideradas como orixás
meninos, também
chamados de Erês (Cosme e
Damião).
Divindades
Ifá – (Orumilá) Orixá-
oráculo, o mensageiro dos
deuses, o adivinhador
(Espírito Santo).
Ossãe – Orixá feminino,
dona das folhas.
Divindades
Lôkô – (Irôko) Orixá pouco
cultuado nos terreiros,
sendo mais na sua árvore
sagrada, que é a gameleira.
Oxumaré – deus
encarregado de levar as
águas da chuva de volta para
as nuvens, através do arco-
íris. É o orixá dos
movimentos, da
transformação e evolução.
Panteão
Existem ainda, diversas entidades entre o deus dos
cultos-afro e os orixás, chamadas de exus, sendo uma
Pomba-Gira, um exu mulher (também chamada Maria
Padilha):
Caboclos: são espíritos de índios que voltam ao mundo
terreno para ajudar pessoas com problemas de saúde.
Pretos velhos: são pessoas que foram trazidos da África
para serem escravos no Brasil. Apesar de terem sofrido
em vida, agora são espíritos ditos evoluídos que dão
ótimos conselhos a quem os procuram.
Baianos: pessoas que viveram na Bahia e que
escolheram serem guias e ajudar a quem precisa.
Trabalham com emprego, saúde, força moral.
Panteão
Marinheiros/Marujos: em algumas
regiões essa linha não existe.
Trabalham com limpeza psicológica,
física, espiritual, que sabem o que fala,
sempre falam a verdade. Estão sempre
balançando por que vem do mar,
tiveram uma vida sofrida, mas de muito
aprendizado.
Erês: são os espíritos das crianças.
Risonhos e adoram brincar. Consolam
os aflitos, os pais e mães e, às vezes,
cometem algumas travessuras.
Panteão
Zé Pelintra: Nasceu em Pernambuco e foi para Recife e
tinha quatro irmãos. Ficou órfão de pai e mãe e para
sobreviver começou a realizar pequenos roubos e
trapaças. Veio para o Rio de Janeiro onde continuou a
frequentar o ambiente da malandragem e prostitutas.
Cuida das mulheres viciadas, das maltratadas, das
prostitutas, esquecidas.
Maria Padilha: em vida foi uma prostituta de luxo e
cafetina. Sempre retratada como mulher sensual, bem-
vestida e sedutora. Uma pomba gira que ajuda as
mulheres em depressão, com seus problemas, solitárias.
Há também outras entidades como os Boiadeiros,
Ciganos, Orientais, etc.
Despachos
Os despachos, que encontramos
nas encruzilhadas são justamente
oferendas para o orixá Exu,
geralmente pedindo proteção. São
colocados em encruzilhadas
porque esses lugares representam
a passagem entre dois mundos.
Existem, sim, despachos feitos
para fazer mal aos outros (mais no
candomblé e quimbanda, onde
não existe distinção entre o bem e
o mal, diferentemente da
umbanda), “mas nenhuma das
religiões incentiva essa prática”.
E o que é a Macumba?
Macumba é uma espécie de árvore
africana e também um instrumento
musical utilizado em cerimônias de
religiões afro-brasileiras, como o
candomblé e a umbanda. O termo,
porém, acabou se tornando uma
forma pejorativa de se referir a essas
religiões – e, sobretudo, aos
despachos feitos por alguns
seguidores. Na árvore genealógica
das religiões africanas, macumba é
uma forma variante do candomblé
que existe só no Rio de Janeiro.
CULTO AFRO
X
BÍBLIA
Culto afro X Bíblia
O candomblé é uma religião politeísta,
mágica e ritual, sem a ideia de salvação,
julgamento moral ou pecado, tampouco céu
ou inferno, mais direcionada à interferência
direta do sobrenatural neste mundo, através
da invocação de potências divinas, chamadas
Orixás.
O Aiyê é todo o espaço que vivemos, já o
orun é o espaço oculto, desconhecido. As
almas que estão na terra devem apenas
cumprir o seu destino, caso contrário vagarão
entre céu e terra até se realizar plenamente
como um ser consciente e eterno. (Egum) =
Espírito sem osso, ancestral.
Culto afro X Bíblia
Na Umbanda e Quimbanda existe a ideia de evolução
espiritual, carma, reencarnação, advindos do catolicismo e
espiritismo kardecista, como se vê nesta declaração de fé:
"Creio em OLÓRUN Onipotente e Supremo; creio nos Orixás
e nos Espíritos Divinos que nos trouxeram para a vida por
vontade majestosa do Pai. Creio nas Falanges Espirituais,
orientando os Homens na vida terrena; creio na Lei da
Reencarnação e na Justiça Divina segundo a Lei do Carma;
creio na comunicação dos Guias Astrais encaminhando-nos
para a Caridade e a prática do bem; creio na Invocação, na
Prece e na Oferenda, como atos de fé, e creio na Umbanda
como religião redentora, capaz de nos levar pelo caminho
da Evolução até nosso pai OLÓRUN. Glória a OLÓRUN!"
Culto afro X Bíblia
A Bíblia, no entanto, é enfática na afirmativa absoluta de que
Jesus Cristo é o único salvador exclusivo de Deus (João 14.6; 1
Timóteo 2.5). Pois além de Deus ser o criador e, portanto, dono
de toda a criação, fazendo dela o que bem entende... Só Ele
poderia suscitar um redentor, uma vez que o pecado foi um
atentado contra Sua santidade e o homem é completamente
incompetente e incapaz de redimir-se (Romanos 3.9-23).
Assim sendo, o próprio Deus, num acordo entre suas três
Pessoas, resolve na eternidade enviar o Filho que se oferecera
para pagar a ofensa que levantamos contra o Santo e Justo Deus,
recebendo a ira que era a nós merecida, proporcionando o
perdão do Pai por meio do derramamento do Seu sangue
(Hebreus 9.22, Romanos 3.24-26).
Culto afro X Bíblia
Assim sendo, é anulada qualquer possibilidade de qualquer outra
religião, por mais bem intencionada que pareça, levar o homem a
Deus e consequentemente a salvação. A estas, a Bíblia diz que são
falsas, incapazes, nulas. E neste contexto insere-se religiões de
matrizes africanas (Romanos 1. 18-25).
Além deste aspecto, temos as figuras de Olorum e seus orixás,
exus e espíritos montadores. Todas estas coisas se constituem em
idolatria, algo abominável aos olhos do Único Deus Verdadeiro.
Paulo, falando aos coríntios afirma que a adoração a deuses
estranhos é na verdade adoração aos demônios e que, como
cristãos não podemos compactuar com elas, como se lê em I
Coríntios 10:14-22. Estas se alinham aos “cultos de mistério” tão
condenados em Colossenses.
Culto afro X Bíblia
Além do aspecto supracitado, podemos ver heresias antibíblicas
como a reencarnação (Hebreus 9.27), a lei do carma, meritocracia
soteriológica (obras como atributo de salvação) e invocação de
espíritos (Levítico 19.31, 20.6).
Vemos que estes cultos são uma demonstração da falsa religião,
aquela inventada pelos homens, que tão somente é uma saída do
coração enganoso (Jeremias 17.9) ao fato de estar longe do
propósito do Criador. Todavia, Javé é o Deus que se revela, e em Sua
soberania, determina como deve ser adorado (Isaías 42.8; 45:5).
Enquanto povo escolhido para anunciar as virtudes do Deus
Verdadeiro (1 Pedro 2.9), é nosso dever pregar o Evangelho a todos
os adeptos de religiões africanas, para que se convertam a Jesus
Cristo, o único e verdadeiro salvador (Atos 4.12).
CONCLUSÃO
Conclusão
Podemos observar características
extremamente peculiares nos cultos
africanos, embora eles se assemelhem a
qualquer falsa religião, na tentativa
frustrada de ir a Deus. Este é dos pontos
que os diferenciam do Evangelho. E estas
diferenças são um fator preponderante
para a evangelização dos seus adeptos:
Nos cultos afro, os orixás tem a função de
aproximar seu adepto de Olorum. Além
disso, os filhos-de-santo, uma vez
comprometidos com os orixás, vivem em
constante medo de suas represálias.
Conclusão
No Cristianismo, é somente pela obra redentora do Calvário que
somos reconciliados com Deus (Efésios 2.11-22). Temos um Pai
amável que conhece a nossa estrutura e sabe que somos pó (Salmo
14). Deus não nos deu o espírito de medo (2Timóteo 1.7), e o
cristão não é forçado a seguir a Cristo, mas o faz espontaneamente
(João 6.67-69). A Bíblia diz que aquele que teme não é perfeito em
amor, pois no mor não há temor (1 João 4.18). Ainda que haja
fracassos na vida do cristão, ele não precisa ter medo de Deus, pois
Ele é grandioso em perdoar (Isaías 55.7), e que temos um sumo-
sacerdote que se compadece de nossas fraquezas (Hebreus 4.15).
Este é o perfil do Deus da Bíblia — bem diferente dos orixás, que na
maioria das vezes são vingativos e cruéis com seus “cavalos”.
Conclusão
Nos cultos afro, o Ebó é o sacrifício feito aos orixás, pedindo o bem
ou mal de alguém. Todavia, na Bíblia, vemos que o sacrifício de
Jesus Cristo foi perfeito e eficaz para salvar o Seu povo, como
nenhum poderia ser (Hebreus 10.4; 1 João 1.7). Não há mais
necessidade de oferendas e sacrifícios, pois Jesus já pagou todo o
preço, oferecendo-se como sacrifício vicário (Hebreus 10.12);
Nos cultos afro, Quando um filho ou filha-de-santo está próximo da
morte, seu orixá praticamente o abandona. Esta pessoa já não fica
mais possessa, pois seu orixá procura evitá-la, pois estes tem medo
da morte. Nosso Deus, por causa de Jesus Cristo, não nos abandona
em nenhum momento de nossas vidas, e muito menos na hora de
nossa morte (Hebreus 13.5; Salmos 23.4). Glória a Deus!
ConclusãoNos Cultos Afro, frequentemente, as pessoas têm medo de deixar a
religião para buscar outra alternativa. É-lhes dito que se
abandonarem seus orixás (ou outros “guias”) e não cumprirem com
suas obrigações, terão consequências desastrosas em suas vidas.
No Cristianismo, entretanto, isto não acontece. As pessoas podem
encontrar a liberdade e uma nova vida em Cristo, que liberta de toda
a maldição (1 João 3.8; Números 23.23; Lucas 10.19; João 8.32-36 e 1
João 4.4, 5.18).
É preciso anunciarmos a razão da nossa esperança (1 Pedro 3.15),
para que o mundo creia. Hoje, com o advento do marxismo cultural,
as religiões afro tem ganhado espaço na mídia e universidades, sob a
alcunha de valorização e afirmação (“empoderamento”) da cultura
negra, tão suprimida por questões político-religiosas, tornando-se
quase que obrigatória a adesão nestes âmbitos.
Conclusão
Conclusão
Também, faz-se mister, os discipularmos para que louvem ao Senhor,
prestando-lhe agora, um culto racional, no qual o único sacrifício,
deve ser vivo, santo e agradável a Deus (Romanos 12.1-2). A falta de
um correto discipulado, é a principal causa do sincretismo visto nos
âmbitos neopentecostais:
Conclusão
Precisamos, sobretudo, comunicar a verdade com
amor, pois muitos tem lançado mão da intolerância,
que tem sido um fator gritante em nossa sociedade
e contribuinte para o preconceito contra os cristãos.
 Como crentes, não podemos agir com violência
contra praticantes de seitas, pois defendemos a
liberdade religiosa. No entanto, não podemos
compactuar com elas, tampouco sermos coniventes
com seus falsos ensinos. O melhor a se fazer é
respeitar a escolha do outro, mas em tempo e em
fora de tempo, informá-los do caminho de morte
que seguem, anunciando-lhes o Evangelho de Cristo
Jesus como única forma de redenção humana.
Conclusão
O desafio dos cultos afro em geral está diante da
Igreja de Jesus Cristo no Brasil, que até hoje não se
despertou suficientemente para reconhecê-los e
considerar e calcular o preço envolvido em aceitar
o desafio de evangeliza-los com amor e respeito.
Os praticantes destas religiões de alguma forma
entram em compromisso direto com demônios,
pactuando-se com Satanás que se transforma em
“anjo de luz” (2 Coríntios 11.14). Para piorar, o
movimento gospel dos neopentecostais está
imitando práticas e costumes destes cultos e
causando confusão entre o povo.
Que o Senhor nos dê empenho em ganha-los para
Cristo!
Referências
Wikipedia: Religiões afro-brasileiras
https://pt.wikipedia.org/wiki/Religi%C3%B5es_afro-brasileiras
Umbanda EAD: 16 diferenças entre Umbanda e Candomblé que
você ainda não sabia
https://umbandaead.blog.br/2017/09/22/umbanda-e-candomble-
temos-semelhancas-mas-nao-somos-iguais-2/
Toda Matéria: Umbanda
https://www.todamateria.com.br/umbanda/
Umbanda do Brasil: Aspectos históricos da Umbanda
http://www.umbandadobrasil.com.br/aspectos-historicos-da-
umbanda
Referências
CACP: Exus do Candomblé e seus nomes no Catolicismo
http://www.cacp.org.br/exus-do-candomble-e-seus-nomes-no-catolicismo/
CACP: A Bíblia e os cultos afro-brasileiros
http://www.cacp.org.br/a-biblia-e-os-cultos-afro-brasileiros/
Mundo Estranho: O que é macumba?
https://mundoestranho.abril.com.br/religiao/o-que-e-macumba/
Umbanda do Brasil: Os Sete Orixás – Linhas ou vibrações
http://www.umbandadobrasil.com.br/os-7-orixas-linhas-ou-vibracoes
Retalhos Teológicos (Facebook): Como se posicionar ante as religiões de
matriz africana?
https://www.facebook.com/retalhosteologicos/photos/a.364552433693028.1
073741826.364284177053187/393565227458415/?type=3&theater

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apocalipse aula 20-08-2016
Apocalipse   aula 20-08-2016 Apocalipse   aula 20-08-2016
Apocalipse aula 20-08-2016
Daniel de Carvalho Luz
 
TESTEMUNHAS DE JEOVÁ
TESTEMUNHAS DE JEOVÁTESTEMUNHAS DE JEOVÁ
TESTEMUNHAS DE JEOVÁ
Virna Salgado Barra
 
Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro   Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Paulo Dias Nogueira
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
Romulo Roosemberg
 
Tema 6 seitas e heresias - parte 2
Tema 6   seitas e heresias - parte 2Tema 6   seitas e heresias - parte 2
Tema 6 seitas e heresias - parte 2
magnao2
 
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja ApostólicaAula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Adriano Pascoa
 
Paulo De Tarso
Paulo De TarsoPaulo De Tarso
Paulo De Tarso
Francisco Lacerda
 
17
1717
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e ConstantinoplaHistória da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
Glauco Gonçalves
 
4 Introdução Aos Evangelhos
4 Introdução Aos Evangelhos4 Introdução Aos Evangelhos
4 Introdução Aos Evangelhos
tomdeamor
 
A Igreja corpo de Cristo.ppt
A Igreja corpo de Cristo.pptA Igreja corpo de Cristo.ppt
A Igreja corpo de Cristo.ppt
Rev. Jouberto Heringer
 
A NATUREZA HUMANA DE CRISTO
A NATUREZA HUMANA DE CRISTOA NATUREZA HUMANA DE CRISTO
A NATUREZA HUMANA DE CRISTO
ASD Remanescentes
 
ÉFESO A IGREJA QUE ABANDONOU O PRIMEIRO AMOR.
ÉFESO A IGREJA QUE ABANDONOU O PRIMEIRO AMOR.ÉFESO A IGREJA QUE ABANDONOU O PRIMEIRO AMOR.
ÉFESO A IGREJA QUE ABANDONOU O PRIMEIRO AMOR.
Elias Farias
 
Evangelho de Marcos - Introdução Geral
Evangelho de Marcos - Introdução GeralEvangelho de Marcos - Introdução Geral
Evangelho de Marcos - Introdução Geral
Pajano
 
Seitas e Heresias
Seitas e HeresiasSeitas e Heresias
Seitas e Heresias
Ricardo Gondim
 
Seitas e heresias
Seitas e heresiasSeitas e heresias
Seitas e heresias
Taciano Cassimiro Cassimiro
 
Visão do Trono de Deus: Apocalipse 4
Visão do Trono de Deus: Apocalipse 4Visão do Trono de Deus: Apocalipse 4
Visão do Trono de Deus: Apocalipse 4
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Aula 6 eclesiologia
Aula 6   eclesiologiaAula 6   eclesiologia
Aula 6 eclesiologia
magnao2
 
História da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos Tempos
História da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos TemposHistória da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos Tempos
História da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos Tempos
Andre Nascimento
 
Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna
Adriano Pascoa
 

Mais procurados (20)

Apocalipse aula 20-08-2016
Apocalipse   aula 20-08-2016 Apocalipse   aula 20-08-2016
Apocalipse aula 20-08-2016
 
TESTEMUNHAS DE JEOVÁ
TESTEMUNHAS DE JEOVÁTESTEMUNHAS DE JEOVÁ
TESTEMUNHAS DE JEOVÁ
 
Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro   Reforma protestante e protestantismo brasileiro
Reforma protestante e protestantismo brasileiro
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
 
Tema 6 seitas e heresias - parte 2
Tema 6   seitas e heresias - parte 2Tema 6   seitas e heresias - parte 2
Tema 6 seitas e heresias - parte 2
 
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja ApostólicaAula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
Aula 1 - Primeiro Período - A Igreja Apostólica
 
Paulo De Tarso
Paulo De TarsoPaulo De Tarso
Paulo De Tarso
 
17
1717
17
 
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e ConstantinoplaHistória da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
História da Igreja - Concílios de Nicéia e Constantinopla
 
4 Introdução Aos Evangelhos
4 Introdução Aos Evangelhos4 Introdução Aos Evangelhos
4 Introdução Aos Evangelhos
 
A Igreja corpo de Cristo.ppt
A Igreja corpo de Cristo.pptA Igreja corpo de Cristo.ppt
A Igreja corpo de Cristo.ppt
 
A NATUREZA HUMANA DE CRISTO
A NATUREZA HUMANA DE CRISTOA NATUREZA HUMANA DE CRISTO
A NATUREZA HUMANA DE CRISTO
 
ÉFESO A IGREJA QUE ABANDONOU O PRIMEIRO AMOR.
ÉFESO A IGREJA QUE ABANDONOU O PRIMEIRO AMOR.ÉFESO A IGREJA QUE ABANDONOU O PRIMEIRO AMOR.
ÉFESO A IGREJA QUE ABANDONOU O PRIMEIRO AMOR.
 
Evangelho de Marcos - Introdução Geral
Evangelho de Marcos - Introdução GeralEvangelho de Marcos - Introdução Geral
Evangelho de Marcos - Introdução Geral
 
Seitas e Heresias
Seitas e HeresiasSeitas e Heresias
Seitas e Heresias
 
Seitas e heresias
Seitas e heresiasSeitas e heresias
Seitas e heresias
 
Visão do Trono de Deus: Apocalipse 4
Visão do Trono de Deus: Apocalipse 4Visão do Trono de Deus: Apocalipse 4
Visão do Trono de Deus: Apocalipse 4
 
Aula 6 eclesiologia
Aula 6   eclesiologiaAula 6   eclesiologia
Aula 6 eclesiologia
 
História da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos Tempos
História da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos TemposHistória da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos Tempos
História da Igreja I: Aula 2 - Cristo e a Plenitude dos Tempos
 
Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna
 

Semelhante a Cultos Afro - Seitas e Heresias

Candomblé
Candomblé Candomblé
Candomblé
fespiritacrista
 
Religiões Afro Macumba, Umbanda e Candomblé em Bom Jardim - MA
Religiões Afro   Macumba, Umbanda e Candomblé  em Bom Jardim - MAReligiões Afro   Macumba, Umbanda e Candomblé  em Bom Jardim - MA
Religiões Afro Macumba, Umbanda e Candomblé em Bom Jardim - MA
Adilson P Motta Motta
 
Paper sobre Sincretismo Afro Brasileiro
Paper sobre Sincretismo Afro BrasileiroPaper sobre Sincretismo Afro Brasileiro
Paper sobre Sincretismo Afro Brasileiro
Edson L
 
VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...
VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...
VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...
ProfessoresMS
 
Introdução ao Candomblé e seus Orixás
Introdução ao Candomblé e seus OrixásIntrodução ao Candomblé e seus Orixás
Introdução ao Candomblé e seus Orixás
nina rizzi
 
6as. séries copa do mundo 2014
6as. séries copa do mundo 20146as. séries copa do mundo 2014
6as. séries copa do mundo 2014
Celia Martínez
 
Curso de introducao ao candomble
Curso de introducao ao candombleCurso de introducao ao candomble
Curso de introducao ao candomble
Stanley Domeniquini
 
Religiões..
Religiões..Religiões..
Religiões..
Emerson Mathias
 
Religiões afro brasileiras
Religiões afro brasileirasReligiões afro brasileiras
Religiões afro brasileiras
Claudio Duarte Sá
 
Umbanda
UmbandaUmbanda
Trabalho religioes afro brasileira
Trabalho religioes afro brasileiraTrabalho religioes afro brasileira
Trabalho religioes afro brasileira
Gabriel Mayer
 
Trabalho religioes afro brasileira
Trabalho religioes afro brasileiraTrabalho religioes afro brasileira
Trabalho religioes afro brasileira
Gabriel Mayer
 
Religiões de matriz africana
Religiões de matriz africanaReligiões de matriz africana
Religiões de matriz africana
Portal do Vestibulando
 
As religiões de matriz africana e a escola
As religiões de matriz africana e a escolaAs religiões de matriz africana e a escola
As religiões de matriz africana e a escola
Carmen Prisco
 
Psicologia duas sociedades
Psicologia   duas sociedadesPsicologia   duas sociedades
Psicologia duas sociedades
fergwen
 
Curso de Introdução ao Candomblé
Curso de Introdução ao CandombléCurso de Introdução ao Candomblé
Curso de Introdução ao Candomblé
Eliana Pacco
 
Cursodeintroducaoaocandomble 120328221052-phpapp01
Cursodeintroducaoaocandomble 120328221052-phpapp01Cursodeintroducaoaocandomble 120328221052-phpapp01
Cursodeintroducaoaocandomble 120328221052-phpapp01
Regina Freitas
 
UMBANDA- PONTOS CANTADOS E MEMÓRIAS DA ESCRAVIDÃO.
UMBANDA- PONTOS CANTADOS E MEMÓRIAS DA ESCRAVIDÃO.UMBANDA- PONTOS CANTADOS E MEMÓRIAS DA ESCRAVIDÃO.
UMBANDA- PONTOS CANTADOS E MEMÓRIAS DA ESCRAVIDÃO.
Emerson Mathias
 
Matrizes Africanas
Matrizes AfricanasMatrizes Africanas
Matrizes Africanas
Joemille Leal
 
Religião afro brasileiras
Religião afro brasileirasReligião afro brasileiras
Religião afro brasileiras
Denise Aguiar
 

Semelhante a Cultos Afro - Seitas e Heresias (20)

Candomblé
Candomblé Candomblé
Candomblé
 
Religiões Afro Macumba, Umbanda e Candomblé em Bom Jardim - MA
Religiões Afro   Macumba, Umbanda e Candomblé  em Bom Jardim - MAReligiões Afro   Macumba, Umbanda e Candomblé  em Bom Jardim - MA
Religiões Afro Macumba, Umbanda e Candomblé em Bom Jardim - MA
 
Paper sobre Sincretismo Afro Brasileiro
Paper sobre Sincretismo Afro BrasileiroPaper sobre Sincretismo Afro Brasileiro
Paper sobre Sincretismo Afro Brasileiro
 
VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...
VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...
VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...
 
Introdução ao Candomblé e seus Orixás
Introdução ao Candomblé e seus OrixásIntrodução ao Candomblé e seus Orixás
Introdução ao Candomblé e seus Orixás
 
6as. séries copa do mundo 2014
6as. séries copa do mundo 20146as. séries copa do mundo 2014
6as. séries copa do mundo 2014
 
Curso de introducao ao candomble
Curso de introducao ao candombleCurso de introducao ao candomble
Curso de introducao ao candomble
 
Religiões..
Religiões..Religiões..
Religiões..
 
Religiões afro brasileiras
Religiões afro brasileirasReligiões afro brasileiras
Religiões afro brasileiras
 
Umbanda
UmbandaUmbanda
Umbanda
 
Trabalho religioes afro brasileira
Trabalho religioes afro brasileiraTrabalho religioes afro brasileira
Trabalho religioes afro brasileira
 
Trabalho religioes afro brasileira
Trabalho religioes afro brasileiraTrabalho religioes afro brasileira
Trabalho religioes afro brasileira
 
Religiões de matriz africana
Religiões de matriz africanaReligiões de matriz africana
Religiões de matriz africana
 
As religiões de matriz africana e a escola
As religiões de matriz africana e a escolaAs religiões de matriz africana e a escola
As religiões de matriz africana e a escola
 
Psicologia duas sociedades
Psicologia   duas sociedadesPsicologia   duas sociedades
Psicologia duas sociedades
 
Curso de Introdução ao Candomblé
Curso de Introdução ao CandombléCurso de Introdução ao Candomblé
Curso de Introdução ao Candomblé
 
Cursodeintroducaoaocandomble 120328221052-phpapp01
Cursodeintroducaoaocandomble 120328221052-phpapp01Cursodeintroducaoaocandomble 120328221052-phpapp01
Cursodeintroducaoaocandomble 120328221052-phpapp01
 
UMBANDA- PONTOS CANTADOS E MEMÓRIAS DA ESCRAVIDÃO.
UMBANDA- PONTOS CANTADOS E MEMÓRIAS DA ESCRAVIDÃO.UMBANDA- PONTOS CANTADOS E MEMÓRIAS DA ESCRAVIDÃO.
UMBANDA- PONTOS CANTADOS E MEMÓRIAS DA ESCRAVIDÃO.
 
Matrizes Africanas
Matrizes AfricanasMatrizes Africanas
Matrizes Africanas
 
Religião afro brasileiras
Religião afro brasileirasReligião afro brasileiras
Religião afro brasileiras
 

Mais de Luan Almeida

5 solas da Reforma Protestante
5 solas da Reforma Protestante5 solas da Reforma Protestante
5 solas da Reforma Protestante
Luan Almeida
 
Eleições 2018 - TCG
Eleições 2018 - TCGEleições 2018 - TCG
Eleições 2018 - TCG
Luan Almeida
 
O cristão e a política
O cristão e a políticaO cristão e a política
O cristão e a política
Luan Almeida
 
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeiraPor que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Luan Almeida
 
A importância do culto doméstico
A importância do culto domésticoA importância do culto doméstico
A importância do culto doméstico
Luan Almeida
 
Finanças da Família
Finanças da FamíliaFinanças da Família
Finanças da Família
Luan Almeida
 
Conflitos no Lar
Conflitos no LarConflitos no Lar
Conflitos no Lar
Luan Almeida
 
A Família e a Igreja
A Família e a IgrejaA Família e a Igreja
A Família e a Igreja
Luan Almeida
 
O Propósito de Deus para a Família - Pr. David Merkh
O Propósito de Deus para a Família - Pr. David MerkhO Propósito de Deus para a Família - Pr. David Merkh
O Propósito de Deus para a Família - Pr. David Merkh
Luan Almeida
 
Movimento celular (G12, M12, MIR, MDA, Encontro com Deus) - Seitas e Heresias
Movimento celular (G12, M12, MIR, MDA, Encontro com Deus) - Seitas e HeresiasMovimento celular (G12, M12, MIR, MDA, Encontro com Deus) - Seitas e Heresias
Movimento celular (G12, M12, MIR, MDA, Encontro com Deus) - Seitas e Heresias
Luan Almeida
 
O cristão e a sexualidade
O cristão e a sexualidadeO cristão e a sexualidade
O cristão e a sexualidade
Luan Almeida
 
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e HeresiasAdventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Luan Almeida
 
Liberalismo Teológico - Seitas e Heresias
Liberalismo Teológico - Seitas e HeresiasLiberalismo Teológico - Seitas e Heresias
Liberalismo Teológico - Seitas e Heresias
Luan Almeida
 
O cristão e a Rede (O cristão e a Internet)
O cristão e a Rede (O cristão e a Internet)O cristão e a Rede (O cristão e a Internet)
O cristão e a Rede (O cristão e a Internet)
Luan Almeida
 
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e HeresiasMormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
Luan Almeida
 
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e HeresiasCatolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
Luan Almeida
 
Islamismo - Seitas e Heresias
Islamismo - Seitas e HeresiasIslamismo - Seitas e Heresias
Islamismo - Seitas e Heresias
Luan Almeida
 
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e HeresiasAdventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Luan Almeida
 
Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - IntroduçãoSeitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Luan Almeida
 
O cristão e as drogas
O cristão e as drogasO cristão e as drogas
O cristão e as drogas
Luan Almeida
 

Mais de Luan Almeida (20)

5 solas da Reforma Protestante
5 solas da Reforma Protestante5 solas da Reforma Protestante
5 solas da Reforma Protestante
 
Eleições 2018 - TCG
Eleições 2018 - TCGEleições 2018 - TCG
Eleições 2018 - TCG
 
O cristão e a política
O cristão e a políticaO cristão e a política
O cristão e a política
 
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeiraPor que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
 
A importância do culto doméstico
A importância do culto domésticoA importância do culto doméstico
A importância do culto doméstico
 
Finanças da Família
Finanças da FamíliaFinanças da Família
Finanças da Família
 
Conflitos no Lar
Conflitos no LarConflitos no Lar
Conflitos no Lar
 
A Família e a Igreja
A Família e a IgrejaA Família e a Igreja
A Família e a Igreja
 
O Propósito de Deus para a Família - Pr. David Merkh
O Propósito de Deus para a Família - Pr. David MerkhO Propósito de Deus para a Família - Pr. David Merkh
O Propósito de Deus para a Família - Pr. David Merkh
 
Movimento celular (G12, M12, MIR, MDA, Encontro com Deus) - Seitas e Heresias
Movimento celular (G12, M12, MIR, MDA, Encontro com Deus) - Seitas e HeresiasMovimento celular (G12, M12, MIR, MDA, Encontro com Deus) - Seitas e Heresias
Movimento celular (G12, M12, MIR, MDA, Encontro com Deus) - Seitas e Heresias
 
O cristão e a sexualidade
O cristão e a sexualidadeO cristão e a sexualidade
O cristão e a sexualidade
 
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e HeresiasAdventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
 
Liberalismo Teológico - Seitas e Heresias
Liberalismo Teológico - Seitas e HeresiasLiberalismo Teológico - Seitas e Heresias
Liberalismo Teológico - Seitas e Heresias
 
O cristão e a Rede (O cristão e a Internet)
O cristão e a Rede (O cristão e a Internet)O cristão e a Rede (O cristão e a Internet)
O cristão e a Rede (O cristão e a Internet)
 
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e HeresiasMormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
 
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e HeresiasCatolicismo Romano - Seitas e Heresias
Catolicismo Romano - Seitas e Heresias
 
Islamismo - Seitas e Heresias
Islamismo - Seitas e HeresiasIslamismo - Seitas e Heresias
Islamismo - Seitas e Heresias
 
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e HeresiasAdventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
Adventistas do Sétimo Dia - Seitas e Heresias
 
Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - IntroduçãoSeitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
 
O cristão e as drogas
O cristão e as drogasO cristão e as drogas
O cristão e as drogas
 

Último

PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 

Último (10)

PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 

Cultos Afro - Seitas e Heresias

  • 1.
  • 2. Cultos Afro Os cultos afro-brasileiros tiveram sua origem no Brasil com a chegada dos escravos africanos. Cresceram tanto, que hoje calcula-se que há no Brasil mais de 70 milhões de pessoas envolvidas em alguma forma de espiritismo. Quem ainda não ouviu expressões como “macumba”, “axé”, “pomba-gira” ou “meu santo é forte”? Estes são, antes de tudo uma cultura religiosa oral, de caráter mágico, que se manifesta por meio da crença em seres mitológicos, danças, músicas, rituais e símbolos.
  • 3. Cultos Afro A Região Sul é a que apresenta a maior população relativa (0,6%), enquanto as regiões Norte e Centro-Oeste apresentaram as menores (0,1%). Os cinco estados com a maior proporção de afro-religiosos são o Rio de Janeiro (1,61% ), Rio Grande do Sul (0,94%), São Paulo (0,42%), Bahia (0,33%) e Mato Grosso do Sul (0,26%). O censo revelou ainda uma forte concentração no Triângulo Mineiro, e nas proximidades da cidade de Codó (Maranhão).
  • 5. História Os cultos-afro tiveram origem com a escravidão africana no Brasil. A produção de açúcar fez com que, na primeira metade do século XVI, os portugueses importassem da África mulheres e homens para utilizar como mão-de-obra escrava nos engenhos de açúcar do Nordeste. Juntamente com eles vieram sua cultura e religião de cunho animista. “Em quatro séculos de tráfico negreiro, cerca de 3,5 milhões de africanos aportaram no Brasil na condição de escravos, o equivalente a 37% do total do continente americano”.
  • 6. História Os escravos saíram de três grandes áreas: Do Congo, do Golfo da Guiné e do Sudão Ocidental e vieram para os estados da BA, PE, RJ, MA, MG e SP. Dos negros Sudaneses, os mais importantes foram: Iorubás ou Nagôs; Gêges (Ewes, Jejes ou Daometanos); Minas; Hauçás; Tapas; Bornus; Gruncis ou Galinhas.
  • 8. História Com esses negros sudaneses, entraram dois povos de influência maometana (muçulmana), os Fulas e os Malês (Também chamados de Mandingas*). Os outros advinham de várias influências religiosas das províncias dos povos bantos. Estes, eram vendidos separadamente (famílias e patrícios), para que não pudessem interagir nem cultivar seus valores religiosos tão distintos, até que, com a chegada de escravos adivinhos, médico-feiticeiros e sacerdotes, as religiões foram unificadas no que tinham em comum, a crença nos Orixás. Estes vários rituais que os negros trouxeram para o Brasil, de suas nações de origem, chamados de culto africano, sofreram adaptações, dando origem ao Candomblé.
  • 10. História - Orixás De acordo com o Dicionário de Cultos Afro-Brasileiros, de Olga Cacciatore, os orixás são divindades intermediárias entre Olorum (o deus supremo) e os homens. Na África eram cerca de 600 — para o Brasil vieram talvez uns 50, que estão reduzidos a 16 no Candomblé, dos quais só 8 passaram à Umbanda. Muitos deles são antigos reis, rainhas ou heróis divinizados, os quais representam: as vibrações das forças elementares da Natureza — raios, trovões, tempestades, água; atividades econômicas – caça, agricultura etc.; e ainda os grandes ceifadores de vidas – doenças epidêmicas, como varíola, malária, dengue etc.
  • 11. História - Orixás Quanto à origem dos orixás, uma das lendas mais populares diz que Obatalá (o céu) uniu-se a Odudua (a terra), e desta união nasceram Aganju (a rocha) e Iemanjá (as águas). Iemanjá casou-se com seu irmão Aganju, de quem teve um filho, chamado Orungã. Orungã apaixonou-se loucamente por sua mãe, procurando sempre uma oportunidade para possuí-la, até que um dia, aproveitando-se da ausência do pai, violentou-a. Iemanjá pôs-se a fugir, perseguida par Orungã. Na fuga Iemanjá caiu de costas, e ao pedir socorro a Obatalá, seu corpo começou a dilatar-se grandemente, até que de seus seios começaram a jorrar dois rios que formaram um lago, e quando o seu ventre se rompeu, saíram a maioria dos orixás. Por Isto Iemanjá é chamada “a mãe dos orixás”.
  • 12. História - Orixás Também presentes nos cultos afro-brasileiros, estão espíritos que representam diversos tipos de humanos falecidos, tais como: caboclos (índios), pretos-velhos (escravos), crianças, marinheiros, boiadeiros, ciganos, etc. Para o candomblé, são divindades controladoras do universo.
  • 13. História - Sincretismo A Igreja Católica aceitava a escravidão, com a condição de que os escravos fossem catequizados. Quando a igreja percebeu que não seria possível fazer desaparecer a religiosidade africana, passou a adaptar os costumes dos negros ao catolicismo, daí nasceu o sincretismo. Segundo Bastide, para poder subsistir durante todo o período escravagista, os deuses negros foram obrigados a se disfarçar por trás da figura de um santo ou virgem católica. Este foi o ponto de partida para o casamento entre o Catolicismo e o culto africano.
  • 14. História - Umbanda A umbanda é uma religião surgida nos subúrbios do Rio de Janeiro. Em 15 de novembro de 1908, Zélio Fernandino de Moraes, nascido em São Gonçalo/RJ, teria incorporado do Caboclo das Sete Encruzilhadas. Este espírito o teria ajudado a criar a religião de Umbanda. Rapidamente, ela se espalhou por todo Brasil e outros países da América Latina. Suas crenças misturam elementos do candomblé, do espiritismo e do catolicismo. Por isso, para muitos estudiosos, a Umbanda seria apenas o candomblé sem sacrifícios de animais que seria mais aceito pela população branca e urbana.
  • 15. História - Umbanda Ainda pegou conceitos do kardecismo, que estava chegando ao país, como o de “evolução” e “reencarnação”. Também tem Jesus como referência espiritual e não é raro encontrar sua imagem em lugar destacado nos altares das casas ou de terreiros de umbanda.
  • 16. História – Quimbanda (kim) A Quimbanda é uma religião afro-brasileira independente de quaisquer outras, que surge no Rio Grande do Sul a partir de meados dos anos 1960. Antes desse período outras tradições e religiões já prestavam culto a Exu e Povo de Rua, porém a Quimbanda se firma como religião ao cultuá-los de forma independente, estabelecendo símbolos e ritos iniciáticos, bem como dogmas que a organizam social e religiosamente, com grande influência dos ritos africanistas do Batuque afro-gaúcho. Além do culto a Exu e sua contraparte feminina Pomba-gira, Malandros, Povo Cigano, Caboclos e Pretos Velhos Quimbandeiros e todo o "Povo de Rua", o principal ponto que diferencia a Quimbanda das demais religiões de matriz africana é a pratica do culto direto às almas de pessoas falecidas e entes queridos - o Culto de Egun.
  • 18. História A Quimbanda, embora seus teóricos neguem, é fortemente associada à magia negra, aos trabalhos para o mal e, além de para espíritos humanos desencarnados, como na Umbanda, também se utiliza de seres não-humanos: larvas [criações da mente dos sacerdotes- magistas], demônios [Espíritos obcessores] e elementais.
  • 19. História Existem também outros cultos, como: Babaçuê: uma religião presente no estado especialmente no Pará, mas também no Amazonas e no Maranhão. De tradição jeje-nagô, possui fortes elementos indígenas (como a pajelança). Está intimamente ligada ao tambor de mina e ao terecô do Maranhão. Batuque: religião afro-brasileira de culto aos orixás, encontrada principalmente no estado do Rio Grande do Sul, de onde se estendeu para estados e países vizinhos tais como Uruguai e Argentina. O Batuque é fruto dos povos oriundos de regiões onde hoje se situam Nigéria e o Benim. Xambá: uma religião de origem africana ativa em Olinda, em Pernambuco. O povo Xambá ou Tchambá habitava a região norte da região de Ashanti e também a região do Planalto de Adamawa.
  • 21. No Candomblé, os cultuados, os Orixás são considerados deuses; na Quimbanda e na Umbanda, ainda que o culto também invoque e evoque Orixás, estes são considerados meros espíritos ancestrais mais antigos ao lado de numerosas outras entidades representativas de ancestrais mais modernos e/ou contemporâneos. Divindades
  • 22. Divindades As principais divindades são: Zambi – É “deus” a suprema divindade, senhor do céu e de todos os orixás. Também chamado Olorum (Nagôs). Oxalá – o filho de Olorum. Um Orixá-Maior. Dentro do sincretismo religioso corresponde a Jesus Cristo (Ou Senhor-do-Bonfim).
  • 23. Divindades Yemanjá – Orixá que domina as águas salgadas ou o mar, deusa das águas, simboliza maternidade (N. S. da Glória ou N.S. da Conceição). Oxum – divindade que domina rios, cachoeiras e águas doces. (Imaculada conceição).
  • 24. Divindades Xangô – deus do trovão, dos raios e das tempestades (fogo celeste) – (S. Jerônimo). Oxossi – orixá que preside a caça, as matas, as florestas e todos os vegetais (S. Sebastião).
  • 25. Divindades Ogum – divindade guerreira, deus da guerra, das lutas e das demandas (Sto. Antônio ou S. Jorge). Iansã – divindade dos ventos, raios e tempestades (S. Bárbara).
  • 26. Divindades Omulu – divindade cultuada com temor, pois domina e promove as doenças. É o orixá da varíola, peste etc. Também chamado de Abalau-aiê ou Obaluayê (S. Lázaro, S. Roque e S. Bento). Nanã-Buruque – orixá mãe de todos os orixás. Deusa da lama e dos elementos pantanosos (N.S Santana).
  • 27. Divindades Exu – considerado menor, mensageiro dos outros orixás, principalmente para Ifá. Guardião dos guerreiros, casas e pessoas (S. Antônio). Ibêjis – divindades consideradas como orixás meninos, também chamados de Erês (Cosme e Damião).
  • 28. Divindades Ifá – (Orumilá) Orixá- oráculo, o mensageiro dos deuses, o adivinhador (Espírito Santo). Ossãe – Orixá feminino, dona das folhas.
  • 29. Divindades Lôkô – (Irôko) Orixá pouco cultuado nos terreiros, sendo mais na sua árvore sagrada, que é a gameleira. Oxumaré – deus encarregado de levar as águas da chuva de volta para as nuvens, através do arco- íris. É o orixá dos movimentos, da transformação e evolução.
  • 30. Panteão Existem ainda, diversas entidades entre o deus dos cultos-afro e os orixás, chamadas de exus, sendo uma Pomba-Gira, um exu mulher (também chamada Maria Padilha): Caboclos: são espíritos de índios que voltam ao mundo terreno para ajudar pessoas com problemas de saúde. Pretos velhos: são pessoas que foram trazidos da África para serem escravos no Brasil. Apesar de terem sofrido em vida, agora são espíritos ditos evoluídos que dão ótimos conselhos a quem os procuram. Baianos: pessoas que viveram na Bahia e que escolheram serem guias e ajudar a quem precisa. Trabalham com emprego, saúde, força moral.
  • 31. Panteão Marinheiros/Marujos: em algumas regiões essa linha não existe. Trabalham com limpeza psicológica, física, espiritual, que sabem o que fala, sempre falam a verdade. Estão sempre balançando por que vem do mar, tiveram uma vida sofrida, mas de muito aprendizado. Erês: são os espíritos das crianças. Risonhos e adoram brincar. Consolam os aflitos, os pais e mães e, às vezes, cometem algumas travessuras.
  • 32. Panteão Zé Pelintra: Nasceu em Pernambuco e foi para Recife e tinha quatro irmãos. Ficou órfão de pai e mãe e para sobreviver começou a realizar pequenos roubos e trapaças. Veio para o Rio de Janeiro onde continuou a frequentar o ambiente da malandragem e prostitutas. Cuida das mulheres viciadas, das maltratadas, das prostitutas, esquecidas. Maria Padilha: em vida foi uma prostituta de luxo e cafetina. Sempre retratada como mulher sensual, bem- vestida e sedutora. Uma pomba gira que ajuda as mulheres em depressão, com seus problemas, solitárias. Há também outras entidades como os Boiadeiros, Ciganos, Orientais, etc.
  • 33. Despachos Os despachos, que encontramos nas encruzilhadas são justamente oferendas para o orixá Exu, geralmente pedindo proteção. São colocados em encruzilhadas porque esses lugares representam a passagem entre dois mundos. Existem, sim, despachos feitos para fazer mal aos outros (mais no candomblé e quimbanda, onde não existe distinção entre o bem e o mal, diferentemente da umbanda), “mas nenhuma das religiões incentiva essa prática”.
  • 34. E o que é a Macumba? Macumba é uma espécie de árvore africana e também um instrumento musical utilizado em cerimônias de religiões afro-brasileiras, como o candomblé e a umbanda. O termo, porém, acabou se tornando uma forma pejorativa de se referir a essas religiões – e, sobretudo, aos despachos feitos por alguns seguidores. Na árvore genealógica das religiões africanas, macumba é uma forma variante do candomblé que existe só no Rio de Janeiro.
  • 36. Culto afro X Bíblia O candomblé é uma religião politeísta, mágica e ritual, sem a ideia de salvação, julgamento moral ou pecado, tampouco céu ou inferno, mais direcionada à interferência direta do sobrenatural neste mundo, através da invocação de potências divinas, chamadas Orixás. O Aiyê é todo o espaço que vivemos, já o orun é o espaço oculto, desconhecido. As almas que estão na terra devem apenas cumprir o seu destino, caso contrário vagarão entre céu e terra até se realizar plenamente como um ser consciente e eterno. (Egum) = Espírito sem osso, ancestral.
  • 37. Culto afro X Bíblia Na Umbanda e Quimbanda existe a ideia de evolução espiritual, carma, reencarnação, advindos do catolicismo e espiritismo kardecista, como se vê nesta declaração de fé: "Creio em OLÓRUN Onipotente e Supremo; creio nos Orixás e nos Espíritos Divinos que nos trouxeram para a vida por vontade majestosa do Pai. Creio nas Falanges Espirituais, orientando os Homens na vida terrena; creio na Lei da Reencarnação e na Justiça Divina segundo a Lei do Carma; creio na comunicação dos Guias Astrais encaminhando-nos para a Caridade e a prática do bem; creio na Invocação, na Prece e na Oferenda, como atos de fé, e creio na Umbanda como religião redentora, capaz de nos levar pelo caminho da Evolução até nosso pai OLÓRUN. Glória a OLÓRUN!"
  • 38. Culto afro X Bíblia A Bíblia, no entanto, é enfática na afirmativa absoluta de que Jesus Cristo é o único salvador exclusivo de Deus (João 14.6; 1 Timóteo 2.5). Pois além de Deus ser o criador e, portanto, dono de toda a criação, fazendo dela o que bem entende... Só Ele poderia suscitar um redentor, uma vez que o pecado foi um atentado contra Sua santidade e o homem é completamente incompetente e incapaz de redimir-se (Romanos 3.9-23). Assim sendo, o próprio Deus, num acordo entre suas três Pessoas, resolve na eternidade enviar o Filho que se oferecera para pagar a ofensa que levantamos contra o Santo e Justo Deus, recebendo a ira que era a nós merecida, proporcionando o perdão do Pai por meio do derramamento do Seu sangue (Hebreus 9.22, Romanos 3.24-26).
  • 39. Culto afro X Bíblia Assim sendo, é anulada qualquer possibilidade de qualquer outra religião, por mais bem intencionada que pareça, levar o homem a Deus e consequentemente a salvação. A estas, a Bíblia diz que são falsas, incapazes, nulas. E neste contexto insere-se religiões de matrizes africanas (Romanos 1. 18-25). Além deste aspecto, temos as figuras de Olorum e seus orixás, exus e espíritos montadores. Todas estas coisas se constituem em idolatria, algo abominável aos olhos do Único Deus Verdadeiro. Paulo, falando aos coríntios afirma que a adoração a deuses estranhos é na verdade adoração aos demônios e que, como cristãos não podemos compactuar com elas, como se lê em I Coríntios 10:14-22. Estas se alinham aos “cultos de mistério” tão condenados em Colossenses.
  • 40. Culto afro X Bíblia Além do aspecto supracitado, podemos ver heresias antibíblicas como a reencarnação (Hebreus 9.27), a lei do carma, meritocracia soteriológica (obras como atributo de salvação) e invocação de espíritos (Levítico 19.31, 20.6). Vemos que estes cultos são uma demonstração da falsa religião, aquela inventada pelos homens, que tão somente é uma saída do coração enganoso (Jeremias 17.9) ao fato de estar longe do propósito do Criador. Todavia, Javé é o Deus que se revela, e em Sua soberania, determina como deve ser adorado (Isaías 42.8; 45:5). Enquanto povo escolhido para anunciar as virtudes do Deus Verdadeiro (1 Pedro 2.9), é nosso dever pregar o Evangelho a todos os adeptos de religiões africanas, para que se convertam a Jesus Cristo, o único e verdadeiro salvador (Atos 4.12).
  • 42. Conclusão Podemos observar características extremamente peculiares nos cultos africanos, embora eles se assemelhem a qualquer falsa religião, na tentativa frustrada de ir a Deus. Este é dos pontos que os diferenciam do Evangelho. E estas diferenças são um fator preponderante para a evangelização dos seus adeptos: Nos cultos afro, os orixás tem a função de aproximar seu adepto de Olorum. Além disso, os filhos-de-santo, uma vez comprometidos com os orixás, vivem em constante medo de suas represálias.
  • 43. Conclusão No Cristianismo, é somente pela obra redentora do Calvário que somos reconciliados com Deus (Efésios 2.11-22). Temos um Pai amável que conhece a nossa estrutura e sabe que somos pó (Salmo 14). Deus não nos deu o espírito de medo (2Timóteo 1.7), e o cristão não é forçado a seguir a Cristo, mas o faz espontaneamente (João 6.67-69). A Bíblia diz que aquele que teme não é perfeito em amor, pois no mor não há temor (1 João 4.18). Ainda que haja fracassos na vida do cristão, ele não precisa ter medo de Deus, pois Ele é grandioso em perdoar (Isaías 55.7), e que temos um sumo- sacerdote que se compadece de nossas fraquezas (Hebreus 4.15). Este é o perfil do Deus da Bíblia — bem diferente dos orixás, que na maioria das vezes são vingativos e cruéis com seus “cavalos”.
  • 44. Conclusão Nos cultos afro, o Ebó é o sacrifício feito aos orixás, pedindo o bem ou mal de alguém. Todavia, na Bíblia, vemos que o sacrifício de Jesus Cristo foi perfeito e eficaz para salvar o Seu povo, como nenhum poderia ser (Hebreus 10.4; 1 João 1.7). Não há mais necessidade de oferendas e sacrifícios, pois Jesus já pagou todo o preço, oferecendo-se como sacrifício vicário (Hebreus 10.12); Nos cultos afro, Quando um filho ou filha-de-santo está próximo da morte, seu orixá praticamente o abandona. Esta pessoa já não fica mais possessa, pois seu orixá procura evitá-la, pois estes tem medo da morte. Nosso Deus, por causa de Jesus Cristo, não nos abandona em nenhum momento de nossas vidas, e muito menos na hora de nossa morte (Hebreus 13.5; Salmos 23.4). Glória a Deus!
  • 45. ConclusãoNos Cultos Afro, frequentemente, as pessoas têm medo de deixar a religião para buscar outra alternativa. É-lhes dito que se abandonarem seus orixás (ou outros “guias”) e não cumprirem com suas obrigações, terão consequências desastrosas em suas vidas. No Cristianismo, entretanto, isto não acontece. As pessoas podem encontrar a liberdade e uma nova vida em Cristo, que liberta de toda a maldição (1 João 3.8; Números 23.23; Lucas 10.19; João 8.32-36 e 1 João 4.4, 5.18). É preciso anunciarmos a razão da nossa esperança (1 Pedro 3.15), para que o mundo creia. Hoje, com o advento do marxismo cultural, as religiões afro tem ganhado espaço na mídia e universidades, sob a alcunha de valorização e afirmação (“empoderamento”) da cultura negra, tão suprimida por questões político-religiosas, tornando-se quase que obrigatória a adesão nestes âmbitos.
  • 47. Conclusão Também, faz-se mister, os discipularmos para que louvem ao Senhor, prestando-lhe agora, um culto racional, no qual o único sacrifício, deve ser vivo, santo e agradável a Deus (Romanos 12.1-2). A falta de um correto discipulado, é a principal causa do sincretismo visto nos âmbitos neopentecostais:
  • 48. Conclusão Precisamos, sobretudo, comunicar a verdade com amor, pois muitos tem lançado mão da intolerância, que tem sido um fator gritante em nossa sociedade e contribuinte para o preconceito contra os cristãos.  Como crentes, não podemos agir com violência contra praticantes de seitas, pois defendemos a liberdade religiosa. No entanto, não podemos compactuar com elas, tampouco sermos coniventes com seus falsos ensinos. O melhor a se fazer é respeitar a escolha do outro, mas em tempo e em fora de tempo, informá-los do caminho de morte que seguem, anunciando-lhes o Evangelho de Cristo Jesus como única forma de redenção humana.
  • 49. Conclusão O desafio dos cultos afro em geral está diante da Igreja de Jesus Cristo no Brasil, que até hoje não se despertou suficientemente para reconhecê-los e considerar e calcular o preço envolvido em aceitar o desafio de evangeliza-los com amor e respeito. Os praticantes destas religiões de alguma forma entram em compromisso direto com demônios, pactuando-se com Satanás que se transforma em “anjo de luz” (2 Coríntios 11.14). Para piorar, o movimento gospel dos neopentecostais está imitando práticas e costumes destes cultos e causando confusão entre o povo. Que o Senhor nos dê empenho em ganha-los para Cristo!
  • 50. Referências Wikipedia: Religiões afro-brasileiras https://pt.wikipedia.org/wiki/Religi%C3%B5es_afro-brasileiras Umbanda EAD: 16 diferenças entre Umbanda e Candomblé que você ainda não sabia https://umbandaead.blog.br/2017/09/22/umbanda-e-candomble- temos-semelhancas-mas-nao-somos-iguais-2/ Toda Matéria: Umbanda https://www.todamateria.com.br/umbanda/ Umbanda do Brasil: Aspectos históricos da Umbanda http://www.umbandadobrasil.com.br/aspectos-historicos-da- umbanda
  • 51. Referências CACP: Exus do Candomblé e seus nomes no Catolicismo http://www.cacp.org.br/exus-do-candomble-e-seus-nomes-no-catolicismo/ CACP: A Bíblia e os cultos afro-brasileiros http://www.cacp.org.br/a-biblia-e-os-cultos-afro-brasileiros/ Mundo Estranho: O que é macumba? https://mundoestranho.abril.com.br/religiao/o-que-e-macumba/ Umbanda do Brasil: Os Sete Orixás – Linhas ou vibrações http://www.umbandadobrasil.com.br/os-7-orixas-linhas-ou-vibracoes Retalhos Teológicos (Facebook): Como se posicionar ante as religiões de matriz africana? https://www.facebook.com/retalhosteologicos/photos/a.364552433693028.1 073741826.364284177053187/393565227458415/?type=3&theater