Psicologia
Rituais de Passagem: os Aborígenes e os indios
Sateré-Mawé
Margaret Mead foi uma antropóloga
cultural norte americana que viveu no
Séc. XX (1901/1978) e que ficou
conhecida pelo seu...
Os Aborígenes
A palavra “aborígene” significa o primeiro povo que
viveu num determinado lugar. Presentemente é
usada para ...
O Bumerangue é um pau de arremeso em
madeira. Há duas espécies: uma é muito pesada e
é atirada diretamente ao alvo; a outr...
Os clãs identificam-se com um totem, que é a
representação da divindade de que se dizem
descendentes. Tem a figura de um a...
Há cerca de 30-40 anos passou a ser
obrigatório que as mulheres aborígenes no
final de gravidez fossem para um hospital pa...
Os aborígines Mardudjara
●
Estes aborígenes levam os rapazes de uma
certa idade à reclusão, onde são depois
imobilizados p...
Os índios Sateré-Mawé
Os índios Sateré-Mawé são nativos da
Amazónia, divididos em vários clãs
cujo território fica na regi...
As suas principais ocupações são a caça,
pesca e o cultivo do Guaraná, uma
trepadeira silvestre que os Sateré-Mawé
transfo...
O comércio do guaraná sempre foi
intenso na região, atualmente não só
realizado pelos Sateré-Mawé como
também por “brancos...
Ritual de passagem a guerreiro
A tribo dos Sateré-Mawé tem um dos mais
dolorosos rituais indígenas de iniciação
masculina ...
Durante o ritual os membros da tribo
cantam e dançam para distrair e dar
coragem ao futuro guerreiro.
Para completar o rit...
Embora o ritual da Tuncadeira seja
tradicionalmente masculino, nos
últimos anos tem sido aceite que
algumas meninas/mulher...
● Bibliografia:
● http://hypescience.com/10-diferentes-ritos-de-passagem-de-todo-o-mundo/
● http://pt.wikipedia
● http://a...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Psicologia duas sociedades

577 visualizações

Publicada em

Rituais de passagem: Aborígenes e os Índios Sateré-mawé

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Psicologia duas sociedades

  1. 1. Psicologia Rituais de Passagem: os Aborígenes e os indios Sateré-Mawé
  2. 2. Margaret Mead foi uma antropóloga cultural norte americana que viveu no Séc. XX (1901/1978) e que ficou conhecida pelo seu trabalho de campo na Polinésia. Concentrou os estudos em problemas de crianças, personalidade e cultura. No seu livro “Adolescência, Sexo e Cultura em Samoa” estudou os costumes desse povo e a passagem das crianças à vida adulta, verificando que essa transição era mais suave do que nos jovens americanos. Assim, estudou mais três sociedades primitivas, na Nova Guiné, verificando que essa transição era diferente dependendo dos diferentes hábitos culturais. Assim, foi-nos proposto que fizessemos um trabalho sobre essa transição em duas culturas diversas.
  3. 3. Os Aborígenes A palavra “aborígene” significa o primeiro povo que viveu num determinado lugar. Presentemente é usada para designar os nativos da Austrália. Estes são negros e magros, têm nariz largo e cabelo escuro ondulado. Chegaram à Austrália há milhares de anos, vindos provavelmente das ilhas do Pacífico. Há várias etnias como os Aljauara, os Aranda, os Gurindji, os Mudbara, os Pintubi e os Uarramunga, entre outras. Algumas tribos abandonaram o nomadismo e trabalham em quintas, fazendo trabalho remunerado. Os outros não têm residência permanente, vagueiam pelo deserto caçando e apanhando os seus alimentos. As suas armas são os Bumerangues.
  4. 4. O Bumerangue é um pau de arremeso em madeira. Há duas espécies: uma é muito pesada e é atirada diretamente ao alvo; a outra é mais leve e tem uma forma especial de modo a que, quando é habilmente lançado, seja possível fazê- lo regressar ao atirador. Os Aborígenes foram muito maltratados pelos primeiros homens brancos que foram para a Austrália, originários da Grã-Bretanha. Presentemente, têm direitos de cidadania australianos. Na cultura e nas crenças Aborigenes a terra e toda a criação formaram-se por espíritos totêmicos ancestrais e sagrados. Esse acontecimento é referido como “o Tempo do Sonho”, numa tentativa de tradução aproximada.
  5. 5. Os clãs identificam-se com um totem, que é a representação da divindade de que se dizem descendentes. Tem a figura de um animal, uma planta ou de um objeto, que não podem ser mortos, comidos ou destruídos, porque são sagrados. A criança recebe logo à nascença um tóteme, que a liga diretamente com o tempo da criação e o mundo espiritual (o Tempo dos Sonhos) e com todos os seres vivos. O parto é considerado “coisa de mulher” e era realizado com todos os rituais e tradições como ficar de cócoras sobre um buraco preparado no chão coberto de folhas macias. A parturiente era ajudada por outras mulheres que lhe davam apoio físico e emocional.
  6. 6. Há cerca de 30-40 anos passou a ser obrigatório que as mulheres aborígenes no final de gravidez fossem para um hospital para reduzir a mortalidade materna e neonatal. Se essa decisão ajudou a salvar muitas vidas, destruíu os rituais tradicionais do nascimento e aumentou a ansiedade nas jovens mães, tornando os partos mais complicados e prolongados. O ideal, talvez, fosse uma “mistura” de tradição e ciência; o médico respeitar os rituais tradicionais, intervindo apenas nas situações mais complicadas. Os casamentos fazem-se entre segundos primos. Só muito excepcionalmente são possíveis uniões entre clãs.
  7. 7. Os aborígines Mardudjara ● Estes aborígenes levam os rapazes de uma certa idade à reclusão, onde são depois imobilizados por um ancião, enquanto outro retira o prepúcio do pênis sem anestesia. Depois, o rapaz ajoelha-se sobre um escudo próximo a uma fogueira e tem que comer a própria pele crua, sem mastigar. Assim, segundo a tradição, ele livra-se da criança e torna-se um homem completo. Depois da circuncisão estar cicatrizada , os homens sofrem outra intervenção cirúrgica: o pênis é cortado na parte inferior, próximo aos testículos, e o sangue que escorre deve cair sobre uma fogueira, para o purificar.
  8. 8. Os índios Sateré-Mawé Os índios Sateré-Mawé são nativos da Amazónia, divididos em vários clãs cujo território fica na região das terras altas do rio Maués-Açu. São chamados regionalmente "Mawés''. O primeiro nome - Sateré - quer dizer "lagarta de fogo" e é uma referência ao clã mais importante dessas tribos, de onde tradicionalmente vem a linha sucessória dos chefes políticos. O segundo nome - Mawé - quer dizer "papagaio inteligente e curioso". A sua língua integra o tronco linguístico Tupi. São pacíficos, valentes, corajosos e destemidos.
  9. 9. As suas principais ocupações são a caça, pesca e o cultivo do Guaraná, uma trepadeira silvestre que os Sateré-Mawé transformam em arbusto cultivado, introduzindo a sua plantação. O guaraná é uma planta nativa daquela região e é muito importante para a economia e alimentação dessas tribos. Depois de secarem e pisarem os frutos com uma pedra, obtêm uma bebida que dá tanta força que os índios podem ir à caça sem ter necessidade de outros alimentos de um dia para o outro. Tem também efeitos terapêuticos pois é diurético, baixa a febre e é analgésico. É ainda conhecido pelas suas propriedades de bebida estimulante, regulador intestinal, tônico cardio-vascular e afrodisíaco.
  10. 10. O comércio do guaraná sempre foi intenso na região, atualmente não só realizado pelos Sateré-Mawé como também por “brancos” instalados em cidades vizinhas. No entanto há uma diferença na qualidade do produto, sendo o dos índios de inegualável qualidade pois é produzido com os conhecimentos e apuro das suas práticas tradicionais. Também o artesanato dos Sateré-Mawé é muito rico e procurado. A sua alimentação é baseada em farinha de mandioca, peixe, carne, banana, feijão, guaraná e arroz.
  11. 11. Ritual de passagem a guerreiro A tribo dos Sateré-Mawé tem um dos mais dolorosos rituais indígenas de iniciação masculina à vida de adultos/guerreiros, que é o ritual da formiga Tucandeira (também conhecida por formiga 24, pois são as horas de dor intensa que aqueles que são picados sofrem). Além da dor, a vítima fica nauseas, vómitos e arritmia cardíaca; e isto só com a picada de uma formiga. As luvas são construídas com folhas e várias formigas aprisionadas que, desesperadas por se libertarem, dão ferroadas muito dolorosas. O jovem guerreiro irá sofrer os sintomas dessas picadas por vários dias, mas só assim será considerado um guerreiro da tribo pois prova a sua força, coragem e resistência à dor.
  12. 12. Durante o ritual os membros da tribo cantam e dançam para distrair e dar coragem ao futuro guerreiro. Para completar o ritual são necessárias cerca de 20 sessões. Os jovens começam o ritual cedo para o terminarem perto dos 18 anos. É considerado como “uma vacina” pois acreditam que essas picadas funcionam também como proteção contra várias doenças.
  13. 13. Embora o ritual da Tuncadeira seja tradicionalmente masculino, nos últimos anos tem sido aceite que algumas meninas/mulheres, ou até mesmo pessoas que não sejam indígeneas participem. Tornou-se assim um género de batismo, chamado “Encontro dos Guerreiros” e uma forma dos Sateré-Mawé perservarem a sua cultura e tradições.
  14. 14. ● Bibliografia: ● http://hypescience.com/10-diferentes-ritos-de-passagem-de-todo-o-mundo/ ● http://pt.wikipedia ● http://amazoniareal.com.br/aldeia-satere-mawe-preserva-cultura-com-ritual-da-tucandeira/ Trabalho realizado por: Fernanda Esteves EFA Secundário com Ação Educativa

×