SlideShare uma empresa Scribd logo
SINCRETISMO AFRO-BRASILEIRO
Antonio Marcos Souza de Oliveira
Edson Leal de Sousa
Erika dos Santos Araújo
Jose Leal da Silva
Sumaia dos Santos Curi
Theago Teles Souza
Prof. Rodrigo Fróes
Centro Universitário Leonardo da Vinci – UNIASSELVI
Licenciatura em Historia (HID O390) – Desenvolvimento da Prática
16/03/2015
RESUMO
Neste Paper abordamos que com a chegada dos negros trazidos da África nos anos coloniais,
ocorreu uma mistura e a formação de religiões, no entanto, com todas as dificuldades a que foram
submetidos, eles não perderam sua fé em suas crenças, proibidos de usa-las, pois infringiam as leis
religiosas da época, que era soberana, não tendo como cultuar suas divindades ou entidades,
assimilaram estar cultuando os deuses católicos em seus altares, mas que na verdade, escondidos
debaixo dos altares dos santos católicos, estavam suas entidades, no qual faziam a verdadeira
adoração de suas crenças, para não serem perseguidos pela igreja, que poderia acusa-los de
hereges, e sentencia-los a morte. Essa cultura só foi aceita a partir do Século XX. E a partir de um
decreto que saiu em 2003 tornou-se obrigatório em escolas brasileiras como cultura afro-
brasileira no ensino fundamental e médio.
Palavras-chave: Sincretismo, Religião, África.
1 INTRODUÇÃO
Sincretismo o termo veio da ilha grega Creta, significa mistura de crenças ou elementos de
uma religião na outra. Com a vinda dos escravos africanos para o Brasil, os europeus decidiram
doutrina-los, não somente nas questões sociais, mas também, na religiosidade. Os europeus
elaboraram uma serie de matérias para a catequização ao catolicismo, e aplicaram a força na cultura
dos escravos.
Porém os escravos foram mais espertos, e com sutileza, encontraram um jeito para continuar
seus ritos de berço, o que deu origem ao sincretismo no Brasil. Os escravos rezavam diante de uma
2
imagem de santo católico, porem em dialeto iorubá, quando na verdade prestavam suas devoções
aos deuses africanos, e os europeus eram ludibriados, e acabavam acreditando mesmo na
catequização dos negros.
3 CAMDOMBLE E UMBANDA: RELIGIOES AFRICANAS E SINCRETISMO
RELIGIOSO
Em pouco mais de quinhentos anos de história, praticamente quatrocentos foram de
escravidão no Brasil. Por isso, parte da história arte afro-brasileira trás consigo a banzo1, a opressão
e o anseio pela liberdade.
Quando os negros chegaram ao Brasil traziam consigo sua cultura religiosa com o nome de
Candomblé.
Entre eles se destacavam dois grupos; os bantos (que vinham de regiões como o Congo,
Angola e Moçambique) e os sudaneses, que vinham da Nigéria e do Benin (e que são os iorubas, ou
nagôs, e os jejês).
O candomblé era encarado como bruxaria, por isso era proibido e sua prática era reprimida
pelas autoridades policiais. Assim os negros passavam a cultuar suas divindades e seguir seus
costumes religiosos secretamente, para disfarçar, identificavam seus deuses com os santos da
religião católica. Exemplo: quando rezavam em sua língua para Santa Barbara, estavam cultuando
Iansã, quando se dirigiam a Nossa Senhora da Conceição estavam falando com Iemanjá. Esse
processo foi chamado de sincretismo religioso.
Dentro dos rituais do candomblé, existe muita beleza em suas realizações nos ritmos de
atabaques, cantos em idioma ioruba ou nagô, que variam conforme o Orixá que esta sendo cultuado.
As cerimônias do Candomblé são realizadas nos terreiros que hoje são casas ou templos, mas
expressam no nome suas origens.
4 CANDOMBLE E SEUS ORIXAS:
1
«Processo psicológico causado pela desculturação, que levava os negros africanos escravizados, transportados para
terras distantes, a um estado inicial de forte excitação, seguido de ímpetos de destruição e depois de uma nostalgia
profunda, que induzia à apatia, à inanição e, por vezes, à loucura ou à morte». («Banzo», 2012)
3
Logum, Obá, Ogum, Oxalá, Oxum, Tempo, Xangô, Nanã, Obalauê, Ossae, Oxóssi,
Oxumare, Vunji. Os ritos são dirigidos por um pai de santo que tem o nome africano de babalorixa
ou mãe de santo ialorixa.
Também são feitas oferendas e consultas espirituais, através do jogo de búzios um tipo de
concha do mar que e usado como um oráculo para orientar e fazer precisões.
Atualmente os terreiros de candomblé mais próximos estão na Bahia2, no ano de 1897 a
imprensa de alguns dos principais estados marginalizaram a religião dos escravos trazidos para o
Brasil.
Candomblé, durante todo o dia de ontem houve infernal candomblé em uma casa de africanos a rua
do poço, como, infelizmente, não existe lei que garanta o sossego publico, não e de admirar que
dentro da cidade tenham lugar vergonhosos espetáculos que depõem contra os costumes.
APÊNDICE
2
A Bahia, de 04 de janeiro de 1900:
“No gantois, 02 distritos da vitoria, há dias esta funcionando um selvagem candomblé que ate às 11 horas da noite
incomoda o sossego publico, dizem que há ordens expressas do chefe da policia contra semelhante divertimento
africano. Contudo, a orgia vai por diante a quase sempre se repete ali, no gantois”.
4
Ajalá: orixá da Criação responsável pela cabeça dos seres humanos.
Erinlé: orixá da mata que margeia os rios; caçador pai de Logum Edé.
Euá: orixá das fontes, guardiã dos segredos.
Exu: orixá mensageiro; dono das encruzilhadas e guardião da porta de entrada das casas.
Iansã ou Oiá: orixá dos ventos, do raio, da tempestade, uma das esposas de Xangô.
Ibejis: orixás gêmeos, protetores da infância.
Iemanjá: orixá do mar, mãe dos orixás e mãe da humanidade.
Ifá ou Orunmilá: orixá do jogo de búzios, o senhor do oráculo.
Iroco: orixá da gameleira branca.
Logum Edé: orixá da caça e da pesca; filho de Erinlé com Oxum.
Nanã: orixá da lama, a mais antiga divindade do candomblé, mãe de Omulu e Oxumarê.
Obá: orixá dos serviços domésticos, uma das esposas de Xangô.
Odudua: orixá criador da Terra.
Ogum: orixá do ferro, da metalurgia, da agricultura e da guerra.
Omulu ou Obaluaê: orixá da varíola, protetor contra as pestes.
Oquê: orixá da montanha.
Oraniã: orixá das profundezas da Terra.
Orixá Ocô: orixá da agricultura.
Ossaim: orixá das folhas; herborista que cura com as ervas.
Oxaguiã: orixá criador da cultura material; Oxalá quando jovem.
Oxalá ou Obatalá: orixá da Criação, o que criou a humanidade.
Oxalufã: Oxalá quando velho.
Oxóssi: orixá da caça e da fartura.
Oxum: orixá das águas doces, da fertilidade e da beleza; uma das esposas de Xangô.
Oxumarê: orixá do arco-íris.
Xangô: orixá do trovão e da justiça.
5 ORIXÁS E SANTOS NO SINCRETISMO:
Orixá Santo católico Em que se relacionam o que há de comum entre eles
Exu O diabo Os traços sexuais explícitos de Exu, sua liberdade em aceitar qualquer
pedido de devotos e clientes, e seu gosto em provocar confusão,criaram
uma imagem errônea, que o associou ao mal e ao diabo cristão.
5
Ogum SantoAntonio Sãoduas as facesdo santoguerreiro,lembrandoque santo
AntoniodefendeuaBahiadas invasõesestrangeiras.
SãoJorge Os doisguerreirosarmadosse identificamnummesmoherói que
derrotaos dragõesde todoo dia.
Oxóssi SãoJorge Porque SãoJorge matouo dragão da maldade,e Oxóssi matouo
pássaromaléfico,osdoisheróisse fizeramum.
SãoSebastião As flechasdoOrixá caçadore as flechasdosanto mártirse
confundemnumacoisasó.
Ossaim SantoOnofre Santoe Orixá se juntampor causa dasfolhas,que Ossaimusa
para curar, e o santo,para cobrir sua nudezeremita.
Omulu SãoRoque e
SãoLázaro
Doençasterríveisque corroema pele sãoa marca comumde
Omulu,SãoRoque e SãoLázaro.
Xangô SãoJerônimo O poderde defenderohomemdastempestades é oatributo
compartilhadoporXangôe SãoJerônimo.
SãoJoão O fogo,elementode Xangô,estapresente nafogueiradafesta
juninade SãoJoão.
Ibejis SãoCosme e
SãoDamião
Os santosCosme e DamiãodividemcomosIbejisosagrado
mistériodosgêmeos.
Iansã Santa Bárbara A proteçãocontrao raiopode ser alcançadainvocando-seIansã
ou Santa Bárbara.
Oxum NossaSenhora
da Conceição
Oxumé umadas grandesmãesdoCandomblé,assimcomoa
NossaSenhoraé a grande mãe doscatólicos.
Nanã Santana A idade avançadade Nanã e de Santana,mãe da virgemMariae
avó de Jesus,fezdelasumasó.
Iemanjá NossaSenhora
da Conceição
Iemanjá,agrande mãe dosOrixáse da humanidade,se confunde
com NossaSenhora, mãe de Deuse mãe dos homens.
NossaSenhora
dos Navegantes
O mar aproximao Orixá e a santa, igualmente padroeiras dos
navegantese pescadores.
Oxaguiã MeninoJesus Oxaguiã,consideradoOxalá quandojovem,sópodiaacabar
identificadocomJesusquando menino.
Oxalá JesusCristo Oxalá é o maiordos Orixás,ocriadordo homeme filhomaisvelho
de Olorum, O deussupremo,Jesus é ofilhode DeusPai,ocriador.
6
6 UMBANDA
Décadas depois da abolição da escravatura, no início do Século XX neste país, na cidade de
Niterói, originou se no Rio de Janeiro, um culto afro-brasileiro muito importante: A Umbanda, ela
inclui práticas de Candomblé, do Catolicismo, e do espiritismo. É um culto mais brasileiro, mais
simples e mais popular, até porque seu idioma é o português, e não a língua, ou dialetos africanos.
A Umbanda também sofreu perseguições, muitos terreiros foram invadidos pela policia e
seus praticantes foram presos, e todos os objetos de seus rituais apreendidos, muitos tiveram pena
de morte, outros prisão perpetua. Com a proclamação da republica, a igreja e o estado se separaram,
a partir daí, tornou se um contrassenso a policia discriminar uma religião, desse modo a Umbanda
deixou de ser perseguida e foi conquistando muitos seguidores.
Para a Umbanda, o Universo esta povoado de entidades espirituais que são chamadas de
guias e se comunicam através de uma pessoa iniciada, o médium. As guias se apresentam como
pomba-gira ou preto-velho, caboclo. O caboclo é a representação do índio brasileiro, o preto-velho
representa o negro no cativeiro. Existem muitas diferenças na maneira como a religião é praticada
nos diversos templos e terreiros de Umbanda, e nas diversas regiões do Brasil.
Princípios: amor, caridade, respeito ao próximo e fé. Os Orixás da Umbanda: Iansã,
Iemanjá, Nanã, Ogum, Oxalá, Obalaué, Oxossi, Oxum, Xangô.
7 CONSIDERAÇÕES FINAIS
Ao longo dos séculos, os negros africanos eram escravizados e trazidos para o Brasil,
cruzando o oceano numa viagem sem retorno, com eles também vinham seus Deuses, seus rituais
suas crenças, um universo que sobreviveria mantendo um historia no Brasil, muitas vezes
clandestina e se adequando ao contato com o cristianismo e à cultura indígena, transformando se em
uma das religiões populares do Brasil e deixando algum legado no Brasil e assim desde então é
conhecida como sincretismo mistura de religiões chamada sincretismo afro-brasileira.
8 REFERENCIAS
As religiões africanas do Brasil. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1989.
7
SILVA, VAGNER GONÇALVES. Candomblé e Umbanda. Caminhos da devoção brasileira.
São Paulo, Ática 1994.
GALVAO, OTÁVIO N. As faces da devoção no tambor de criolo: um estudo nos terreiros de
tambor de mina e no catolicismo, monografia em C. Sociais, Uma, 2008.
RODRIGUES N. Os africanos no Brasil. 4. ED. São Paulo: Cia Editora Nacional, 1976.
WWW.brasilescola.com/religião/candomblé.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Religião Afro-brasileira. Orixas mitos
Religião Afro-brasileira. Orixas mitosReligião Afro-brasileira. Orixas mitos
Religião Afro-brasileira. Orixas mitos
Denise Aguiar
 
Seminário de Antropologia Cultural: candomblé
Seminário de Antropologia Cultural: candombléSeminário de Antropologia Cultural: candomblé
Seminário de Antropologia Cultural: candomblé
Alysson Rocha
 
Pranchas Orixás
Pranchas OrixásPranchas Orixás
Pranchas Orixás
culturaafro
 
O exu desvendado web
O exu desvendado webO exu desvendado web
O exu desvendado web
José Manuel Miranda
 
6as. séries copa do mundo 2014
6as. séries copa do mundo 20146as. séries copa do mundo 2014
6as. séries copa do mundo 2014
Celia Martínez
 
Candomblé e umbanda reginaldo prandi
Candomblé e umbanda reginaldo prandiCandomblé e umbanda reginaldo prandi
Candomblé e umbanda reginaldo prandi
Moacir Carvalho
 
Religião afro brasileiras
Religião afro brasileirasReligião afro brasileiras
Religião afro brasileiras
Denise Aguiar
 
Candomblé (intolerância religiosa)
Candomblé (intolerância religiosa)Candomblé (intolerância religiosa)
Candomblé (intolerância religiosa)
Suany Reis
 
Curso de introducao ao candomble
Curso de introducao ao candombleCurso de introducao ao candomble
Curso de introducao ao candomble
Stanley Domeniquini
 
Candomblé modo-de-compatibilidade
Candomblé modo-de-compatibilidadeCandomblé modo-de-compatibilidade
Candomblé modo-de-compatibilidade
Joaquim Wilmar
 
Candomble
CandombleCandomble
Candomble
27101992
 
Um candomblé em Fortaleza-CE
Um candomblé em Fortaleza-CEUm candomblé em Fortaleza-CE
Um candomblé em Fortaleza-CE
José Alberto Almeida Junior
 
O candomblé e seus fundamentos abebes
O candomblé e seus fundamentos abebesO candomblé e seus fundamentos abebes
O candomblé e seus fundamentos abebes
Anna Silva
 
A quimbanda-no-rs
A quimbanda-no-rsA quimbanda-no-rs
A quimbanda-no-rs
eliasoxala
 
Umbanda
UmbandaUmbanda
Candomblé
CandombléCandomblé
Candomblé
J. Alfredo Bião
 
Ritos afro
Ritos afroRitos afro
Ritos afro
alcatia
 
199258253 quimbanda-pdf
199258253 quimbanda-pdf199258253 quimbanda-pdf
199258253 quimbanda-pdf
oxala79
 
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostilaAs religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
MODER85
 
O Candomblé e o Tempo - Reginaldo Prandi
O Candomblé e o Tempo - Reginaldo PrandiO Candomblé e o Tempo - Reginaldo Prandi
O Candomblé e o Tempo - Reginaldo Prandi
ENJT | Encontro Nacional da Juventude de Terreiro
 

Mais procurados (20)

Religião Afro-brasileira. Orixas mitos
Religião Afro-brasileira. Orixas mitosReligião Afro-brasileira. Orixas mitos
Religião Afro-brasileira. Orixas mitos
 
Seminário de Antropologia Cultural: candomblé
Seminário de Antropologia Cultural: candombléSeminário de Antropologia Cultural: candomblé
Seminário de Antropologia Cultural: candomblé
 
Pranchas Orixás
Pranchas OrixásPranchas Orixás
Pranchas Orixás
 
O exu desvendado web
O exu desvendado webO exu desvendado web
O exu desvendado web
 
6as. séries copa do mundo 2014
6as. séries copa do mundo 20146as. séries copa do mundo 2014
6as. séries copa do mundo 2014
 
Candomblé e umbanda reginaldo prandi
Candomblé e umbanda reginaldo prandiCandomblé e umbanda reginaldo prandi
Candomblé e umbanda reginaldo prandi
 
Religião afro brasileiras
Religião afro brasileirasReligião afro brasileiras
Religião afro brasileiras
 
Candomblé (intolerância religiosa)
Candomblé (intolerância religiosa)Candomblé (intolerância religiosa)
Candomblé (intolerância religiosa)
 
Curso de introducao ao candomble
Curso de introducao ao candombleCurso de introducao ao candomble
Curso de introducao ao candomble
 
Candomblé modo-de-compatibilidade
Candomblé modo-de-compatibilidadeCandomblé modo-de-compatibilidade
Candomblé modo-de-compatibilidade
 
Candomble
CandombleCandomble
Candomble
 
Um candomblé em Fortaleza-CE
Um candomblé em Fortaleza-CEUm candomblé em Fortaleza-CE
Um candomblé em Fortaleza-CE
 
O candomblé e seus fundamentos abebes
O candomblé e seus fundamentos abebesO candomblé e seus fundamentos abebes
O candomblé e seus fundamentos abebes
 
A quimbanda-no-rs
A quimbanda-no-rsA quimbanda-no-rs
A quimbanda-no-rs
 
Umbanda
UmbandaUmbanda
Umbanda
 
Candomblé
CandombléCandomblé
Candomblé
 
Ritos afro
Ritos afroRitos afro
Ritos afro
 
199258253 quimbanda-pdf
199258253 quimbanda-pdf199258253 quimbanda-pdf
199258253 quimbanda-pdf
 
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostilaAs religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
 
O Candomblé e o Tempo - Reginaldo Prandi
O Candomblé e o Tempo - Reginaldo PrandiO Candomblé e o Tempo - Reginaldo Prandi
O Candomblé e o Tempo - Reginaldo Prandi
 

Semelhante a Paper sobre Sincretismo Afro Brasileiro

VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...
VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...
VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...
ProfessoresMS
 
Curso de Introdução ao Candomblé
Curso de Introdução ao CandombléCurso de Introdução ao Candomblé
Curso de Introdução ao Candomblé
Eliana Pacco
 
02 o que é umbanda a
02   o que é umbanda a02   o que é umbanda a
02 o que é umbanda a
02   o que é umbanda a02   o que é umbanda a
02 o que é umbanda a
02   o que é umbanda a02   o que é umbanda a
02 o que umbanda
02   o que  umbanda02   o que  umbanda
02 o que umbanda
02   o que  umbanda02   o que  umbanda
02 o que umbanda
02   o que  umbanda02   o que  umbanda
Cursodeintroducaoaocandomble 120328221052-phpapp01
Cursodeintroducaoaocandomble 120328221052-phpapp01Cursodeintroducaoaocandomble 120328221052-phpapp01
Cursodeintroducaoaocandomble 120328221052-phpapp01
Regina Freitas
 
RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA
RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANARELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA
RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA
Enerliz
 
Religiões Afro Macumba, Umbanda e Candomblé em Bom Jardim - MA
Religiões Afro   Macumba, Umbanda e Candomblé  em Bom Jardim - MAReligiões Afro   Macumba, Umbanda e Candomblé  em Bom Jardim - MA
Religiões Afro Macumba, Umbanda e Candomblé em Bom Jardim - MA
Adilson P Motta Motta
 
Falando de-axe
Falando de-axeFalando de-axe
Falando de-axe
Babakèrèjú William
 
302465623 livro-oxumare
302465623 livro-oxumare302465623 livro-oxumare
302465623 livro-oxumare
Demetrius Graciano
 
Religiões afro brasileiras
Religiões afro brasileirasReligiões afro brasileiras
Religiões afro brasileiras
Claudio Duarte Sá
 
Religiões..
Religiões..Religiões..
Religiões..
Emerson Mathias
 
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostilaAs religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
Fátima Brito
 
Pdf artigo6
Pdf artigo6Pdf artigo6
Pdf artigo6
Hebert Silva
 
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No BrasilInfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
guestb74f0c
 
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No BrasilInfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
josé Augusto Dias
 
Africa ApresentaÇÃO
Africa ApresentaÇÃOAfrica ApresentaÇÃO
Africa ApresentaÇÃO
guestb74f0c
 

Semelhante a Paper sobre Sincretismo Afro Brasileiro (20)

VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...
VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...
VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...
 
Curso de Introdução ao Candomblé
Curso de Introdução ao CandombléCurso de Introdução ao Candomblé
Curso de Introdução ao Candomblé
 
02 o que é umbanda a
02   o que é umbanda a02   o que é umbanda a
02 o que é umbanda a
 
02 o que é umbanda a
02   o que é umbanda a02   o que é umbanda a
02 o que é umbanda a
 
02 o que é umbanda a
02   o que é umbanda a02   o que é umbanda a
02 o que é umbanda a
 
02 o que umbanda
02   o que  umbanda02   o que  umbanda
02 o que umbanda
 
02 o que umbanda
02   o que  umbanda02   o que  umbanda
02 o que umbanda
 
02 o que umbanda
02   o que  umbanda02   o que  umbanda
02 o que umbanda
 
Cursodeintroducaoaocandomble 120328221052-phpapp01
Cursodeintroducaoaocandomble 120328221052-phpapp01Cursodeintroducaoaocandomble 120328221052-phpapp01
Cursodeintroducaoaocandomble 120328221052-phpapp01
 
RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA
RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANARELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA
RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA
 
Religiões Afro Macumba, Umbanda e Candomblé em Bom Jardim - MA
Religiões Afro   Macumba, Umbanda e Candomblé  em Bom Jardim - MAReligiões Afro   Macumba, Umbanda e Candomblé  em Bom Jardim - MA
Religiões Afro Macumba, Umbanda e Candomblé em Bom Jardim - MA
 
Falando de-axe
Falando de-axeFalando de-axe
Falando de-axe
 
302465623 livro-oxumare
302465623 livro-oxumare302465623 livro-oxumare
302465623 livro-oxumare
 
Religiões afro brasileiras
Religiões afro brasileirasReligiões afro brasileiras
Religiões afro brasileiras
 
Religiões..
Religiões..Religiões..
Religiões..
 
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostilaAs religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
As religiões-de-matriz-africana-e-a-escola apostila
 
Pdf artigo6
Pdf artigo6Pdf artigo6
Pdf artigo6
 
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No BrasilInfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
 
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No BrasilInfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
InfluêNcia Da Cultura Africana No Brasil
 
Africa ApresentaÇÃO
Africa ApresentaÇÃOAfrica ApresentaÇÃO
Africa ApresentaÇÃO
 

Último

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 

Último (20)

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 

Paper sobre Sincretismo Afro Brasileiro

  • 1. SINCRETISMO AFRO-BRASILEIRO Antonio Marcos Souza de Oliveira Edson Leal de Sousa Erika dos Santos Araújo Jose Leal da Silva Sumaia dos Santos Curi Theago Teles Souza Prof. Rodrigo Fróes Centro Universitário Leonardo da Vinci – UNIASSELVI Licenciatura em Historia (HID O390) – Desenvolvimento da Prática 16/03/2015 RESUMO Neste Paper abordamos que com a chegada dos negros trazidos da África nos anos coloniais, ocorreu uma mistura e a formação de religiões, no entanto, com todas as dificuldades a que foram submetidos, eles não perderam sua fé em suas crenças, proibidos de usa-las, pois infringiam as leis religiosas da época, que era soberana, não tendo como cultuar suas divindades ou entidades, assimilaram estar cultuando os deuses católicos em seus altares, mas que na verdade, escondidos debaixo dos altares dos santos católicos, estavam suas entidades, no qual faziam a verdadeira adoração de suas crenças, para não serem perseguidos pela igreja, que poderia acusa-los de hereges, e sentencia-los a morte. Essa cultura só foi aceita a partir do Século XX. E a partir de um decreto que saiu em 2003 tornou-se obrigatório em escolas brasileiras como cultura afro- brasileira no ensino fundamental e médio. Palavras-chave: Sincretismo, Religião, África. 1 INTRODUÇÃO Sincretismo o termo veio da ilha grega Creta, significa mistura de crenças ou elementos de uma religião na outra. Com a vinda dos escravos africanos para o Brasil, os europeus decidiram doutrina-los, não somente nas questões sociais, mas também, na religiosidade. Os europeus elaboraram uma serie de matérias para a catequização ao catolicismo, e aplicaram a força na cultura dos escravos. Porém os escravos foram mais espertos, e com sutileza, encontraram um jeito para continuar seus ritos de berço, o que deu origem ao sincretismo no Brasil. Os escravos rezavam diante de uma
  • 2. 2 imagem de santo católico, porem em dialeto iorubá, quando na verdade prestavam suas devoções aos deuses africanos, e os europeus eram ludibriados, e acabavam acreditando mesmo na catequização dos negros. 3 CAMDOMBLE E UMBANDA: RELIGIOES AFRICANAS E SINCRETISMO RELIGIOSO Em pouco mais de quinhentos anos de história, praticamente quatrocentos foram de escravidão no Brasil. Por isso, parte da história arte afro-brasileira trás consigo a banzo1, a opressão e o anseio pela liberdade. Quando os negros chegaram ao Brasil traziam consigo sua cultura religiosa com o nome de Candomblé. Entre eles se destacavam dois grupos; os bantos (que vinham de regiões como o Congo, Angola e Moçambique) e os sudaneses, que vinham da Nigéria e do Benin (e que são os iorubas, ou nagôs, e os jejês). O candomblé era encarado como bruxaria, por isso era proibido e sua prática era reprimida pelas autoridades policiais. Assim os negros passavam a cultuar suas divindades e seguir seus costumes religiosos secretamente, para disfarçar, identificavam seus deuses com os santos da religião católica. Exemplo: quando rezavam em sua língua para Santa Barbara, estavam cultuando Iansã, quando se dirigiam a Nossa Senhora da Conceição estavam falando com Iemanjá. Esse processo foi chamado de sincretismo religioso. Dentro dos rituais do candomblé, existe muita beleza em suas realizações nos ritmos de atabaques, cantos em idioma ioruba ou nagô, que variam conforme o Orixá que esta sendo cultuado. As cerimônias do Candomblé são realizadas nos terreiros que hoje são casas ou templos, mas expressam no nome suas origens. 4 CANDOMBLE E SEUS ORIXAS: 1 «Processo psicológico causado pela desculturação, que levava os negros africanos escravizados, transportados para terras distantes, a um estado inicial de forte excitação, seguido de ímpetos de destruição e depois de uma nostalgia profunda, que induzia à apatia, à inanição e, por vezes, à loucura ou à morte». («Banzo», 2012)
  • 3. 3 Logum, Obá, Ogum, Oxalá, Oxum, Tempo, Xangô, Nanã, Obalauê, Ossae, Oxóssi, Oxumare, Vunji. Os ritos são dirigidos por um pai de santo que tem o nome africano de babalorixa ou mãe de santo ialorixa. Também são feitas oferendas e consultas espirituais, através do jogo de búzios um tipo de concha do mar que e usado como um oráculo para orientar e fazer precisões. Atualmente os terreiros de candomblé mais próximos estão na Bahia2, no ano de 1897 a imprensa de alguns dos principais estados marginalizaram a religião dos escravos trazidos para o Brasil. Candomblé, durante todo o dia de ontem houve infernal candomblé em uma casa de africanos a rua do poço, como, infelizmente, não existe lei que garanta o sossego publico, não e de admirar que dentro da cidade tenham lugar vergonhosos espetáculos que depõem contra os costumes. APÊNDICE 2 A Bahia, de 04 de janeiro de 1900: “No gantois, 02 distritos da vitoria, há dias esta funcionando um selvagem candomblé que ate às 11 horas da noite incomoda o sossego publico, dizem que há ordens expressas do chefe da policia contra semelhante divertimento africano. Contudo, a orgia vai por diante a quase sempre se repete ali, no gantois”.
  • 4. 4 Ajalá: orixá da Criação responsável pela cabeça dos seres humanos. Erinlé: orixá da mata que margeia os rios; caçador pai de Logum Edé. Euá: orixá das fontes, guardiã dos segredos. Exu: orixá mensageiro; dono das encruzilhadas e guardião da porta de entrada das casas. Iansã ou Oiá: orixá dos ventos, do raio, da tempestade, uma das esposas de Xangô. Ibejis: orixás gêmeos, protetores da infância. Iemanjá: orixá do mar, mãe dos orixás e mãe da humanidade. Ifá ou Orunmilá: orixá do jogo de búzios, o senhor do oráculo. Iroco: orixá da gameleira branca. Logum Edé: orixá da caça e da pesca; filho de Erinlé com Oxum. Nanã: orixá da lama, a mais antiga divindade do candomblé, mãe de Omulu e Oxumarê. Obá: orixá dos serviços domésticos, uma das esposas de Xangô. Odudua: orixá criador da Terra. Ogum: orixá do ferro, da metalurgia, da agricultura e da guerra. Omulu ou Obaluaê: orixá da varíola, protetor contra as pestes. Oquê: orixá da montanha. Oraniã: orixá das profundezas da Terra. Orixá Ocô: orixá da agricultura. Ossaim: orixá das folhas; herborista que cura com as ervas. Oxaguiã: orixá criador da cultura material; Oxalá quando jovem. Oxalá ou Obatalá: orixá da Criação, o que criou a humanidade. Oxalufã: Oxalá quando velho. Oxóssi: orixá da caça e da fartura. Oxum: orixá das águas doces, da fertilidade e da beleza; uma das esposas de Xangô. Oxumarê: orixá do arco-íris. Xangô: orixá do trovão e da justiça. 5 ORIXÁS E SANTOS NO SINCRETISMO: Orixá Santo católico Em que se relacionam o que há de comum entre eles Exu O diabo Os traços sexuais explícitos de Exu, sua liberdade em aceitar qualquer pedido de devotos e clientes, e seu gosto em provocar confusão,criaram uma imagem errônea, que o associou ao mal e ao diabo cristão.
  • 5. 5 Ogum SantoAntonio Sãoduas as facesdo santoguerreiro,lembrandoque santo AntoniodefendeuaBahiadas invasõesestrangeiras. SãoJorge Os doisguerreirosarmadosse identificamnummesmoherói que derrotaos dragõesde todoo dia. Oxóssi SãoJorge Porque SãoJorge matouo dragão da maldade,e Oxóssi matouo pássaromaléfico,osdoisheróisse fizeramum. SãoSebastião As flechasdoOrixá caçadore as flechasdosanto mártirse confundemnumacoisasó. Ossaim SantoOnofre Santoe Orixá se juntampor causa dasfolhas,que Ossaimusa para curar, e o santo,para cobrir sua nudezeremita. Omulu SãoRoque e SãoLázaro Doençasterríveisque corroema pele sãoa marca comumde Omulu,SãoRoque e SãoLázaro. Xangô SãoJerônimo O poderde defenderohomemdastempestades é oatributo compartilhadoporXangôe SãoJerônimo. SãoJoão O fogo,elementode Xangô,estapresente nafogueiradafesta juninade SãoJoão. Ibejis SãoCosme e SãoDamião Os santosCosme e DamiãodividemcomosIbejisosagrado mistériodosgêmeos. Iansã Santa Bárbara A proteçãocontrao raiopode ser alcançadainvocando-seIansã ou Santa Bárbara. Oxum NossaSenhora da Conceição Oxumé umadas grandesmãesdoCandomblé,assimcomoa NossaSenhoraé a grande mãe doscatólicos. Nanã Santana A idade avançadade Nanã e de Santana,mãe da virgemMariae avó de Jesus,fezdelasumasó. Iemanjá NossaSenhora da Conceição Iemanjá,agrande mãe dosOrixáse da humanidade,se confunde com NossaSenhora, mãe de Deuse mãe dos homens. NossaSenhora dos Navegantes O mar aproximao Orixá e a santa, igualmente padroeiras dos navegantese pescadores. Oxaguiã MeninoJesus Oxaguiã,consideradoOxalá quandojovem,sópodiaacabar identificadocomJesusquando menino. Oxalá JesusCristo Oxalá é o maiordos Orixás,ocriadordo homeme filhomaisvelho de Olorum, O deussupremo,Jesus é ofilhode DeusPai,ocriador.
  • 6. 6 6 UMBANDA Décadas depois da abolição da escravatura, no início do Século XX neste país, na cidade de Niterói, originou se no Rio de Janeiro, um culto afro-brasileiro muito importante: A Umbanda, ela inclui práticas de Candomblé, do Catolicismo, e do espiritismo. É um culto mais brasileiro, mais simples e mais popular, até porque seu idioma é o português, e não a língua, ou dialetos africanos. A Umbanda também sofreu perseguições, muitos terreiros foram invadidos pela policia e seus praticantes foram presos, e todos os objetos de seus rituais apreendidos, muitos tiveram pena de morte, outros prisão perpetua. Com a proclamação da republica, a igreja e o estado se separaram, a partir daí, tornou se um contrassenso a policia discriminar uma religião, desse modo a Umbanda deixou de ser perseguida e foi conquistando muitos seguidores. Para a Umbanda, o Universo esta povoado de entidades espirituais que são chamadas de guias e se comunicam através de uma pessoa iniciada, o médium. As guias se apresentam como pomba-gira ou preto-velho, caboclo. O caboclo é a representação do índio brasileiro, o preto-velho representa o negro no cativeiro. Existem muitas diferenças na maneira como a religião é praticada nos diversos templos e terreiros de Umbanda, e nas diversas regiões do Brasil. Princípios: amor, caridade, respeito ao próximo e fé. Os Orixás da Umbanda: Iansã, Iemanjá, Nanã, Ogum, Oxalá, Obalaué, Oxossi, Oxum, Xangô. 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao longo dos séculos, os negros africanos eram escravizados e trazidos para o Brasil, cruzando o oceano numa viagem sem retorno, com eles também vinham seus Deuses, seus rituais suas crenças, um universo que sobreviveria mantendo um historia no Brasil, muitas vezes clandestina e se adequando ao contato com o cristianismo e à cultura indígena, transformando se em uma das religiões populares do Brasil e deixando algum legado no Brasil e assim desde então é conhecida como sincretismo mistura de religiões chamada sincretismo afro-brasileira. 8 REFERENCIAS As religiões africanas do Brasil. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1989.
  • 7. 7 SILVA, VAGNER GONÇALVES. Candomblé e Umbanda. Caminhos da devoção brasileira. São Paulo, Ática 1994. GALVAO, OTÁVIO N. As faces da devoção no tambor de criolo: um estudo nos terreiros de tambor de mina e no catolicismo, monografia em C. Sociais, Uma, 2008. RODRIGUES N. Os africanos no Brasil. 4. ED. São Paulo: Cia Editora Nacional, 1976. WWW.brasilescola.com/religião/candomblé.html