SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
A memóriaA memória
Escola Secundária José Saramago
Trabalho elaborado por:
Jéssica Ferreira, nº9
Maria Inês, nº14
Sofia Neves, nº20
Olena Kolodiy, nº21
Disciplina: Psicologia B
Professora: Isabel Amorim
-- Co nvive r co m oCo nvive r co m o
passadopassado
 Memória ( Introdução)
• Princípios básicos
 Relação entre aprendizagem e
memória
 Memória a curto prazo
 Memória a longo prazo
 Esquecimento e memória
• Interferência
• Falha na recuperação do conteúdo
mnésico
• Esquecimento motivado
 Doenças relacionadas com a memória
 Conclusão
Índice
“ Se a aprendizagem é uma mudança de comportamento, cabe a memória a
retenção dessa mudança (ela é o suporte de todos os processos de
aprendizagem).”
Woodworth
•A memória está inerente aos processos de aprendizagem.
•Só a memória nos possibilita reter o que aprendemos, para responder adequadamente à
situação presente e proporcionar a possibilidade de projetar o futuro.
•A memória é a condição que torna possíveis os processos de aprendizagem.
Relação entre aprendizagem e memória
“É preciso começar por perder a
memória, nem que sejam só
fragmentos para perceber que ela é a
essência da vida. A nossa memória é a
nossa coerência, a nossa razão, o nosso
sentir até as nossas ações. Sem
memória não somos nada”.
Luis Buñuel
Teoria da Inteligência Multifocal
A leitura da memória (humana) é multifocal e não unilateral
(como nos computadores).
O registo informativo é feito por um complexo sistema de
significado ou conteúdo (RPS).
“A experiencia mais bela que temos hoje tem de morrer, de
se desorganizar e de ser armazenada fisicamente no
córtex cerebral.”
Augusto Jorge Cury é um médico, psiquiatra,
psicoterapeuta e escritor.
“Para enriquecermos a memória e os pensamentos, as emoções do
presente tem de «morrer» e de se registar na memória.
«Morrendo» , descaracterizando-se, estes abrem espaços para novas
leituras da memória e para a produção de novos pensamentos e
emoções.”
Memória
A memória é o processo dinâmico que
consiste:
-codificação,
-armazenamento
-recuperação
Adquirimos e armazenamos informação para a utilizarmos nas mais diversas situações da
vida.
Conteúdos
mnésicos
Princípios básicos da memória
Codificação
•É a primeira fase do processo de formação de novas memórias;
•Toda a aquisição de informação implica a codificação dos dados informativos, isto é, a
sua transformação de modo a poder ser armazenada na memória,
•Nova informação é introduzida, umas vezes automaticamente e outras mediante repetição
ou elaboração na memória.
ArmazenamentoArmazenamento
•É o processo mediante o qual mantemos na memória a informação que foi adquirida.
•A melhor forma de reter informação consiste em analisar o significado da nova
informação relacionando-a com informação já existente na memória (repetição elaborada).
•Somente a informação registada de forma elaborada são transferidas para os armazéns da
memória.
Reactualização ou recuperaçãoReactualização ou recuperação
•A reactualização implica a recuperação dos conteúdos mnésicos de acordo com o modo
como foram adquiridos e armazenados.
•Ao reactualizar, reconstruímos os dados mnésicos.
•Reactualizar a informação depende do modo como a mesma está organizada na Memória
de Longo Prazo e do recurso a indicios que permitam iniciar a procura do que desejamos
recuperar.
Ex:
Os estudantes ao fazem testes recorrem a ritualização da
informação aprendida.
Memória Sensorial
• Geralmente demora cerca de 0,5 seg. para armazenar a
informação.
• Todos os órgãos sensoriais a registam
• Não é necessária nenhuma atenção para inserir os
dados
• O material é codificado de forma paralela à
experiência sensorial
• Recuperam-se os dados, atentando-se neles antes que
se apaguem; o material é automaticamente transferido
para a memória a curto prazo
Memória a curto prazo
•Sistema temporário de armazenamento que guarda a
informação durante o tempo que ela é utilizada.
•É a área onde se atualizam e são utilizados os
conteúdos mnésicos necessários em dados momentos.
•A informação selecionada para determinados efeitos
pela memória a curto prazo encontra-se na memória a
longo prazo.
Ver videos:
http://www.youtube.com/watch?v=Msrnzo5wNCc
http://www.youtube.com/watch?v=H5GYAJMXrWY
Memória de Curto Prazo
M. ImediataM. Imediata M. de TrabalhoM. de Trabalho
Memória de trabalho
•A memória de trabalho é a área onde se colocam e são utilizados os conteúdos mnésicos
necessários em dados momentos.
•Esta é uma forma de memória caracterizada por ser um espaço ativo de trabalho onde a
informação está acessível para uso temporário.
Memória
imediata
Memória
imediata
•A memória imediata é uma forma de memória com fraca capacidade de
armazenamento e de reduzida durabilidade, apenas consegue fixar 7 peças ou
itens e, tem a capacidade de manter a informação captada num espaço de
tempo de cerca de 20 a 30 segundos.
•A memória imediata é uma forma de memória com fraca capacidade de
armazenamento e de reduzida durabilidade, apenas consegue fixar 7 peças ou
itens e, tem a capacidade de manter a informação captada num espaço de
tempo de cerca de 20 a 30 segundos.
Recordação livre
Apresenta-se a uma lista de itens não relacionados.
Pede-se para os designar de forma livre.
Apresenta-se a uma lista de itens não relacionados.
Pede-se para os designar de forma livre.
O sujeito não irá reproduzi-los a todos.O sujeito não irá reproduzi-los a todos.
Efeito de primaziaEfeito de primazia Efeito de recênciaEfeito de recência
Daí advém:
Memória imediata
• Para melhor reter a informação podemos retê-la em agrupamentos, como por exemplo:
Um sujeito tenta decorar a seguinte série de dígitos:
1 4 9 1 6 2 5 3 6 4 9
Se tratar esta informação como uma série de quinze dígitos não relacionados, o mais
provável é falhar, no entanto se lhe reconhecer um padrão, ser-lhe-á fácil, pois, terá
apenas de saber “os quadrados dos dígitos de 1 a 9.
1 4 9 16 25 36 49
Um sujeito tenta decorar a seguinte série de dígitos:
1 4 9 1 6 2 5 3 6 4 9
Se tratar esta informação como uma série de quinze dígitos não relacionados, o mais
provável é falhar, no entanto se lhe reconhecer um padrão, ser-lhe-á fácil, pois, terá
apenas de saber “os quadrados dos dígitos de 1 a 9.
1 4 9 16 25 36 49
Tendo a série de letras:
CIAFBIIBMTWA
CIA FBI IBM TWA
Tendo a série de letras:
CIAFBIIBMTWA
CIA FBI IBM TWA
Memória a longo prazo
•Tipo de memória relativamente duradoura na qual a informação é armazenada para ser
utilizada posteriormente.
•A M.L.P. tem a capacidade de armazenar grandes quantidades de informação durante
longos períodos de tempo.
•A informação é armazenada sobretudo mediante uma codificação semântica, que
assenta no significado da informação.
•Trata-se de um sistema composto por redes de associações entre conceitos.
Memória de
Longo Prazo
Memória não
declarativa
Memória
declarativa
•Episódicas
•Semântica
“Uma boa memória é útil, mas também o é a capacidade de
esquecer”
Myers
Esquecimento e memória
•O esquecimento é uma condição necessária à memória, não sendo considerada uma
doença.
•Sem o esquecimento muita informação inútil, incómoda e conflituosa não poderia ser
afastada, o que perturbaria a nossa adaptação à realidade.
•O esquecimento pode ocorrer devido a :
-interferências entre os conteúdos aprendidos;
-a falhas na recuperação dos conteúdos mnésicos;
-esquecimento motivado (esquecimento de recordações desagradáveis).
A interferência
• Ocorre quando certos conteúdos mnésicos perturbam e impedem a reactualização da
informação que procuramos.
• O esquecimento não significa que a recordação de algo desapareceu mas sim que outro
conteúdo mnésico semelhante ao que tentamos recuperar provocou uma confusão entre
elementos informativos tornando-se assim uma barreira à reactualização da informação
pretendida.
Interferência proactiva
Interferência
retroactiva
Passado --»
Presente
Passado «--Presente
Falha na recuperação do conteúdo mnésico
•A informação armazenada na memória permanece intacta e disponível estando, contudo,
perdida (temporariamente, em muitos casos) a pista adequada que a tornaria acessível.
•Os defensores desta hipótese defendem que, não estando o material memorizado
perdido, não se trata tanto de o relembrar mas si de o reconhecer.
•As falhas de recuperação devem-se essencialmente ao modo deficiente como a
informação é codificada.
Decadência
• Os traços mnésicos sofrem, com a
passagem do tempo, uma decadência.
• Na origem da erosão da memória estão
processos metabólicos normais, por
ação dos quais o traçado mnésico vai
enfraquecendo até acabar por se
desintegrar.
• O mais importante no esquecimento são
os acontecimentos e as atividades, e
não a mera passagem do tempo.
Sigmund Freud – Índice biográfico
•1856-----------------Nasceu em Freiberg
•1881-----------------Licenciatura em Medicina
•1885-----------------Estuda em Paris com o professor Jean
Charcot
•1887-1896---------Estuda com Breuer
•obras publicadas:
•1900------------------“A Interpretação dos Sonhos”
•1901------------------“Psicopatologia da vida quotidiana”
•1905------------------“3 Ensaios sobre a teoria da sexualidade”
•1912------------------“Totem e tabu”
•1915------------------“Pulsões e destino das pulsões”
•1923------------------“Ensaios de Psicanálise”
•1930------------------“Mal-estar na civilização”
•Continua as suas pesquisas ao nível psíquico ate á data da
sua morte-1939
Sigmund Freud
Desenvolveu um conjunto
de conceções que integram
uma teoria sobre o
psiquismo humano e uma
técnica terapêutica: a
psicanálise
Desenvolveu um conjunto
de conceções que integram
uma teoria sobre o
psiquismo humano e uma
técnica terapêutica: a
psicanálise
• Recalcamento é o “pilar” de sustentação
sobre a qual repousa todo o edifício da
psicanálise.
• Este conceito é referenciado como um
mecanismo de defesa.
• Através do recalcamento os conteúdos do
inconsciente são impedidos de aceder a
consciência.
Pensamentos,
Desejos,
recordações dolorosas
Inconsciente
•Redução da tensão provocada pelos
mecanismos inconscientes
Promoção do equilíbrio psíquico
Supressão
• Esforço deliberado e
consciente para esquecer
factos, pessoas e experiências
que podem provocar
ansiedade, sentimentos de
culpa e outras perturbações.
Repressão
• Os pensamentos, sentimentos
e recordações dolorosas são
afastadas da consciência com
o objetivo de reduzir tensão
provocada pelos conflitos
internos.
•Existem duas formas de esquecimento motivado:
Plausibilidade da hipnose
• Alguns investigadores propuseram o uso da hipnose como técnica
de melhoramento da memória.
• Trata-se de um método implausível para averiguar a verdade.
• A hipnose torna os indivíduos desejosos de acreditar e cooperar
com a outra pessoa, prontificando-se a fazer o que este lhes pedir.
• Os indivíduos sob a hipnose tornam-se confiantes na realidade
das suas recordações. Chegando a “construir” memórias,
acrescentando e reconstruindo criativamente na base de algo que
já sabem.
Doenças relacionadas com a memória
•Amnésia
•Perda parcial ou total da capacidade de reter informações.
•Qualquer processo que prejudique a formação de uma memória a curto prazo ou a sua
fixação em memória a longo prazo pode resultar em amnésia.
Anterógrada
Retrógrada
Amnesia anterógrada
• Perda de memória de um
período relativo a época
posterior a lesão
cerebral.
Amnésia retrograda
• Perda de memória de um
período relativo a época
anterior a lesão cerebral.
Alzheimer
•Afeta, maioritariamente, a população cuja faixa etária se situa acima dos 55 anos.
•Trata-se de uma perda gradativa da memória, em consequência de lesões nas áreas
cerebrais responsáveis pela memória declarativa, seguidas de outras partes do cérebro.
O que aprendemos com as perturbações de memória?
Investigadores defendem que os pacientes com amnésia anterógrada não podem
adquirir quaisquer memórias a longo prazo.
Estudos demonstram que alguns tipos de memória
forma poupados na amnesia anterógrada.
• As memórias procedimentais e
declarativas dependem de sistemas
neuronais diferentes e que, nos doentes
amnésicos só um desses sistemas está
afetado.
Fig.
Exemplo de que os amnésicos conseguem
aprender.
No desenho em espelho, os sujeitos tem de
traçar uma linha entre duas linhas-limite de
uma figura, olhando apenas a imagem da
sua propria mão refletida num espelho
(Kolb e Whishaw, 1990)
No desenho em espelho, os sujeitos tem de
traçar uma linha entre duas linhas-limite de
uma figura, olhando apenas a imagem da
sua propria mão refletida num espelho
(Kolb e Whishaw, 1990)
• Conhecimento procedimental = Conhecimento declarativo
“Saber como” “Saber o quê”
•Pode ter-se conhecimento procedimental numa numa área sem qualquer sem
conhecimentos declarativos correspondentes.
•Conclusão
A memória consiste numa capacidade essencial para a nossa vida.
Permite-nos adquirir e armazenar informação para a utilizarmos nas mais diversas
situações da vida.
Sem a memória, seriamos incapazes de existir, pois é através dela que conseguimos
realizar até os mais básicos movimentos psicomotores.
http://www.youtube.com/watch?
v=rnwIC78axDA
Bibliografia:
• RODRIGUES, Luís ― Psicologia B, Platano Editores, 2004
• ABRUNHOSA, Maria; LEITAO, Miguel ― Psicologia B, ASA
Editores, 2011
• MONTEIRO, Manuela; FERREIRA, Pedro ― Ser Humano, Porto
Editora, 2009
• CURY, Augusto ― Inteligencia Multifocal, Pergaminho Editora,
2007
• GLEITMAN, Henry; REISBERG, Daniel; FRIDLUND, Alan ―
Psicologia, Fundação Calouste Gulbenkian, 2011
23
Webgrafia:
 PONTES, Inês. “Psicologia B”.
Disponível em: http://psicologiab.wordpress.com/ Acedido no dia 10 de
outubro de 2013
 “TED”.
Disponível em: http://www.ted.com/ Acedido no dia 16 de outubro de
2013
 Imagens do “Google”.
Disponível em: http://www.google.com Acedido entre 18 outubro de
31 de outubro.
24
Anexos:
• http://www.youtube.com/watch?v=SoxsMMV538U
(vídeo excecional sobre a “dificuldade” de esquecer)
• Embora nos recordemos pouco
dos primeiros tres anos de vida,
permanecem algumas
recordações antigas.
• Pintura do artista russo e
emigrado Marc Chagall (1887-
1985) apresenta imagens da sua
vida numa aldeia russa.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Esquecimento e memoria
Esquecimento e memoriaEsquecimento e memoria
Esquecimento e memoria
 
A aprendizagem
A aprendizagem A aprendizagem
A aprendizagem
 
A perceção
A perceçãoA perceção
A perceção
 
A Memória 12ºANO
A Memória 12ºANOA Memória 12ºANO
A Memória 12ºANO
 
A memória
A  memória A  memória
A memória
 
Percepção
PercepçãoPercepção
Percepção
 
As leis da perceção
As leis da perceçãoAs leis da perceção
As leis da perceção
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
 
Processos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - ResumoProcessos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - Resumo
 
Cérebro - psicologia 12ºano AR
Cérebro - psicologia 12ºano ARCérebro - psicologia 12ºano AR
Cérebro - psicologia 12ºano AR
 
A memoria
A memoriaA memoria
A memoria
 
A motivação
A motivaçãoA motivação
A motivação
 
António Damásio
António Damásio  António Damásio
António Damásio
 
Filogénese e Ontogénese
Filogénese e OntogéneseFilogénese e Ontogénese
Filogénese e Ontogénese
 
Principais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto CaeiroPrincipais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto Caeiro
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
 
Psicologia B
Psicologia  BPsicologia  B
Psicologia B
 
Processos Conativos
Processos ConativosProcessos Conativos
Processos Conativos
 
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
 

Semelhante a Memória 40

Memoria e o esquecimento
Memoria e o esquecimentoMemoria e o esquecimento
Memoria e o esquecimentoPedro Alves
 
Memória & Memorização
Memória & Memorização Memória & Memorização
Memória & Memorização Sergio Manjate
 
Memória e aprendizagem
Memória e aprendizagemMemória e aprendizagem
Memória e aprendizagemCaio Maximino
 
Estimulando as competências para o aprendizado de leitura
Estimulando as competências para o aprendizado de leituraEstimulando as competências para o aprendizado de leitura
Estimulando as competências para o aprendizado de leituraMara Silvia Fonseca Fonseca
 
psicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
psicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaapsicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
psicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaRafaelaQueiros
 
Cognicao humana para sala de aula
Cognicao humana para sala de aulaCognicao humana para sala de aula
Cognicao humana para sala de aulaAmyris Fernandez
 
Exercite seu cerebro
Exercite seu cerebroExercite seu cerebro
Exercite seu cerebroAdinei Omais
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdfPROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdfvilcielepazebem
 
Os principios de Memorização para melhor absorver os conteúdos!
Os principios de Memorização para melhor absorver os conteúdos!Os principios de Memorização para melhor absorver os conteúdos!
Os principios de Memorização para melhor absorver os conteúdos!Maicon Dario Colombo
 
5 Estratégias Infalíveis para Memorizar Rapidamente para os Estudos
5 Estratégias Infalíveis para Memorizar Rapidamente para os Estudos5 Estratégias Infalíveis para Memorizar Rapidamente para os Estudos
5 Estratégias Infalíveis para Memorizar Rapidamente para os Estudosdillserva12
 

Semelhante a Memória 40 (20)

Memoria e o esquecimento
Memoria e o esquecimentoMemoria e o esquecimento
Memoria e o esquecimento
 
Mente Humana 5
Mente Humana 5 Mente Humana 5
Mente Humana 5
 
Bases neurais da memória e aprendizagem
Bases neurais da memória e aprendizagem  Bases neurais da memória e aprendizagem
Bases neurais da memória e aprendizagem
 
AULA_4_Memória.pptx
AULA_4_Memória.pptxAULA_4_Memória.pptx
AULA_4_Memória.pptx
 
Pro cog a_memória
Pro cog a_memóriaPro cog a_memória
Pro cog a_memória
 
Memória & Memorização
Memória & Memorização Memória & Memorização
Memória & Memorização
 
Memória e aprendizagem
Memória e aprendizagemMemória e aprendizagem
Memória e aprendizagem
 
Estimulando as competências para o aprendizado de leitura
Estimulando as competências para o aprendizado de leituraEstimulando as competências para o aprendizado de leitura
Estimulando as competências para o aprendizado de leitura
 
psicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
psicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaapsicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
psicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
 
A memória
A memóriaA memória
A memória
 
Cognicao humana para sala de aula
Cognicao humana para sala de aulaCognicao humana para sala de aula
Cognicao humana para sala de aula
 
Exercite seu cerebro
Exercite seu cerebroExercite seu cerebro
Exercite seu cerebro
 
A memória a curto prazo
A memória a curto prazoA memória a curto prazo
A memória a curto prazo
 
A memória
A memóriaA memória
A memória
 
Memória
MemóriaMemória
Memória
 
Curso de memorizacao
Curso de memorizacaoCurso de memorizacao
Curso de memorizacao
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdfPROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
 
Memória e Aprendizagem
Memória e AprendizagemMemória e Aprendizagem
Memória e Aprendizagem
 
Os principios de Memorização para melhor absorver os conteúdos!
Os principios de Memorização para melhor absorver os conteúdos!Os principios de Memorização para melhor absorver os conteúdos!
Os principios de Memorização para melhor absorver os conteúdos!
 
5 Estratégias Infalíveis para Memorizar Rapidamente para os Estudos
5 Estratégias Infalíveis para Memorizar Rapidamente para os Estudos5 Estratégias Infalíveis para Memorizar Rapidamente para os Estudos
5 Estratégias Infalíveis para Memorizar Rapidamente para os Estudos
 

Último

Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 

Último (20)

Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 

Memória 40

  • 1. A memóriaA memória Escola Secundária José Saramago Trabalho elaborado por: Jéssica Ferreira, nº9 Maria Inês, nº14 Sofia Neves, nº20 Olena Kolodiy, nº21 Disciplina: Psicologia B Professora: Isabel Amorim -- Co nvive r co m oCo nvive r co m o passadopassado
  • 2.  Memória ( Introdução) • Princípios básicos  Relação entre aprendizagem e memória  Memória a curto prazo  Memória a longo prazo  Esquecimento e memória • Interferência • Falha na recuperação do conteúdo mnésico • Esquecimento motivado  Doenças relacionadas com a memória  Conclusão Índice
  • 3. “ Se a aprendizagem é uma mudança de comportamento, cabe a memória a retenção dessa mudança (ela é o suporte de todos os processos de aprendizagem).” Woodworth
  • 4. •A memória está inerente aos processos de aprendizagem. •Só a memória nos possibilita reter o que aprendemos, para responder adequadamente à situação presente e proporcionar a possibilidade de projetar o futuro. •A memória é a condição que torna possíveis os processos de aprendizagem. Relação entre aprendizagem e memória
  • 5. “É preciso começar por perder a memória, nem que sejam só fragmentos para perceber que ela é a essência da vida. A nossa memória é a nossa coerência, a nossa razão, o nosso sentir até as nossas ações. Sem memória não somos nada”. Luis Buñuel
  • 6. Teoria da Inteligência Multifocal A leitura da memória (humana) é multifocal e não unilateral (como nos computadores). O registo informativo é feito por um complexo sistema de significado ou conteúdo (RPS). “A experiencia mais bela que temos hoje tem de morrer, de se desorganizar e de ser armazenada fisicamente no córtex cerebral.” Augusto Jorge Cury é um médico, psiquiatra, psicoterapeuta e escritor. “Para enriquecermos a memória e os pensamentos, as emoções do presente tem de «morrer» e de se registar na memória. «Morrendo» , descaracterizando-se, estes abrem espaços para novas leituras da memória e para a produção de novos pensamentos e emoções.”
  • 7. Memória A memória é o processo dinâmico que consiste: -codificação, -armazenamento -recuperação Adquirimos e armazenamos informação para a utilizarmos nas mais diversas situações da vida. Conteúdos mnésicos
  • 8. Princípios básicos da memória Codificação •É a primeira fase do processo de formação de novas memórias; •Toda a aquisição de informação implica a codificação dos dados informativos, isto é, a sua transformação de modo a poder ser armazenada na memória, •Nova informação é introduzida, umas vezes automaticamente e outras mediante repetição ou elaboração na memória.
  • 9. ArmazenamentoArmazenamento •É o processo mediante o qual mantemos na memória a informação que foi adquirida. •A melhor forma de reter informação consiste em analisar o significado da nova informação relacionando-a com informação já existente na memória (repetição elaborada). •Somente a informação registada de forma elaborada são transferidas para os armazéns da memória.
  • 10. Reactualização ou recuperaçãoReactualização ou recuperação •A reactualização implica a recuperação dos conteúdos mnésicos de acordo com o modo como foram adquiridos e armazenados. •Ao reactualizar, reconstruímos os dados mnésicos. •Reactualizar a informação depende do modo como a mesma está organizada na Memória de Longo Prazo e do recurso a indicios que permitam iniciar a procura do que desejamos recuperar. Ex: Os estudantes ao fazem testes recorrem a ritualização da informação aprendida.
  • 11. Memória Sensorial • Geralmente demora cerca de 0,5 seg. para armazenar a informação. • Todos os órgãos sensoriais a registam • Não é necessária nenhuma atenção para inserir os dados • O material é codificado de forma paralela à experiência sensorial • Recuperam-se os dados, atentando-se neles antes que se apaguem; o material é automaticamente transferido para a memória a curto prazo
  • 12. Memória a curto prazo •Sistema temporário de armazenamento que guarda a informação durante o tempo que ela é utilizada. •É a área onde se atualizam e são utilizados os conteúdos mnésicos necessários em dados momentos. •A informação selecionada para determinados efeitos pela memória a curto prazo encontra-se na memória a longo prazo. Ver videos: http://www.youtube.com/watch?v=Msrnzo5wNCc http://www.youtube.com/watch?v=H5GYAJMXrWY
  • 13. Memória de Curto Prazo M. ImediataM. Imediata M. de TrabalhoM. de Trabalho
  • 14. Memória de trabalho •A memória de trabalho é a área onde se colocam e são utilizados os conteúdos mnésicos necessários em dados momentos. •Esta é uma forma de memória caracterizada por ser um espaço ativo de trabalho onde a informação está acessível para uso temporário.
  • 15. Memória imediata Memória imediata •A memória imediata é uma forma de memória com fraca capacidade de armazenamento e de reduzida durabilidade, apenas consegue fixar 7 peças ou itens e, tem a capacidade de manter a informação captada num espaço de tempo de cerca de 20 a 30 segundos. •A memória imediata é uma forma de memória com fraca capacidade de armazenamento e de reduzida durabilidade, apenas consegue fixar 7 peças ou itens e, tem a capacidade de manter a informação captada num espaço de tempo de cerca de 20 a 30 segundos.
  • 16. Recordação livre Apresenta-se a uma lista de itens não relacionados. Pede-se para os designar de forma livre. Apresenta-se a uma lista de itens não relacionados. Pede-se para os designar de forma livre. O sujeito não irá reproduzi-los a todos.O sujeito não irá reproduzi-los a todos. Efeito de primaziaEfeito de primazia Efeito de recênciaEfeito de recência Daí advém: Memória imediata
  • 17. • Para melhor reter a informação podemos retê-la em agrupamentos, como por exemplo: Um sujeito tenta decorar a seguinte série de dígitos: 1 4 9 1 6 2 5 3 6 4 9 Se tratar esta informação como uma série de quinze dígitos não relacionados, o mais provável é falhar, no entanto se lhe reconhecer um padrão, ser-lhe-á fácil, pois, terá apenas de saber “os quadrados dos dígitos de 1 a 9. 1 4 9 16 25 36 49 Um sujeito tenta decorar a seguinte série de dígitos: 1 4 9 1 6 2 5 3 6 4 9 Se tratar esta informação como uma série de quinze dígitos não relacionados, o mais provável é falhar, no entanto se lhe reconhecer um padrão, ser-lhe-á fácil, pois, terá apenas de saber “os quadrados dos dígitos de 1 a 9. 1 4 9 16 25 36 49
  • 18. Tendo a série de letras: CIAFBIIBMTWA CIA FBI IBM TWA Tendo a série de letras: CIAFBIIBMTWA CIA FBI IBM TWA
  • 19. Memória a longo prazo •Tipo de memória relativamente duradoura na qual a informação é armazenada para ser utilizada posteriormente. •A M.L.P. tem a capacidade de armazenar grandes quantidades de informação durante longos períodos de tempo. •A informação é armazenada sobretudo mediante uma codificação semântica, que assenta no significado da informação. •Trata-se de um sistema composto por redes de associações entre conceitos.
  • 20. Memória de Longo Prazo Memória não declarativa Memória declarativa •Episódicas •Semântica
  • 21. “Uma boa memória é útil, mas também o é a capacidade de esquecer” Myers
  • 22. Esquecimento e memória •O esquecimento é uma condição necessária à memória, não sendo considerada uma doença. •Sem o esquecimento muita informação inútil, incómoda e conflituosa não poderia ser afastada, o que perturbaria a nossa adaptação à realidade. •O esquecimento pode ocorrer devido a : -interferências entre os conteúdos aprendidos; -a falhas na recuperação dos conteúdos mnésicos; -esquecimento motivado (esquecimento de recordações desagradáveis).
  • 23. A interferência • Ocorre quando certos conteúdos mnésicos perturbam e impedem a reactualização da informação que procuramos. • O esquecimento não significa que a recordação de algo desapareceu mas sim que outro conteúdo mnésico semelhante ao que tentamos recuperar provocou uma confusão entre elementos informativos tornando-se assim uma barreira à reactualização da informação pretendida. Interferência proactiva Interferência retroactiva Passado --» Presente Passado «--Presente
  • 24. Falha na recuperação do conteúdo mnésico •A informação armazenada na memória permanece intacta e disponível estando, contudo, perdida (temporariamente, em muitos casos) a pista adequada que a tornaria acessível. •Os defensores desta hipótese defendem que, não estando o material memorizado perdido, não se trata tanto de o relembrar mas si de o reconhecer. •As falhas de recuperação devem-se essencialmente ao modo deficiente como a informação é codificada.
  • 25. Decadência • Os traços mnésicos sofrem, com a passagem do tempo, uma decadência. • Na origem da erosão da memória estão processos metabólicos normais, por ação dos quais o traçado mnésico vai enfraquecendo até acabar por se desintegrar. • O mais importante no esquecimento são os acontecimentos e as atividades, e não a mera passagem do tempo.
  • 26. Sigmund Freud – Índice biográfico •1856-----------------Nasceu em Freiberg •1881-----------------Licenciatura em Medicina •1885-----------------Estuda em Paris com o professor Jean Charcot •1887-1896---------Estuda com Breuer •obras publicadas: •1900------------------“A Interpretação dos Sonhos” •1901------------------“Psicopatologia da vida quotidiana” •1905------------------“3 Ensaios sobre a teoria da sexualidade” •1912------------------“Totem e tabu” •1915------------------“Pulsões e destino das pulsões” •1923------------------“Ensaios de Psicanálise” •1930------------------“Mal-estar na civilização” •Continua as suas pesquisas ao nível psíquico ate á data da sua morte-1939 Sigmund Freud Desenvolveu um conjunto de conceções que integram uma teoria sobre o psiquismo humano e uma técnica terapêutica: a psicanálise Desenvolveu um conjunto de conceções que integram uma teoria sobre o psiquismo humano e uma técnica terapêutica: a psicanálise
  • 27. • Recalcamento é o “pilar” de sustentação sobre a qual repousa todo o edifício da psicanálise. • Este conceito é referenciado como um mecanismo de defesa. • Através do recalcamento os conteúdos do inconsciente são impedidos de aceder a consciência. Pensamentos, Desejos, recordações dolorosas Inconsciente •Redução da tensão provocada pelos mecanismos inconscientes Promoção do equilíbrio psíquico
  • 28. Supressão • Esforço deliberado e consciente para esquecer factos, pessoas e experiências que podem provocar ansiedade, sentimentos de culpa e outras perturbações. Repressão • Os pensamentos, sentimentos e recordações dolorosas são afastadas da consciência com o objetivo de reduzir tensão provocada pelos conflitos internos. •Existem duas formas de esquecimento motivado:
  • 29. Plausibilidade da hipnose • Alguns investigadores propuseram o uso da hipnose como técnica de melhoramento da memória. • Trata-se de um método implausível para averiguar a verdade. • A hipnose torna os indivíduos desejosos de acreditar e cooperar com a outra pessoa, prontificando-se a fazer o que este lhes pedir. • Os indivíduos sob a hipnose tornam-se confiantes na realidade das suas recordações. Chegando a “construir” memórias, acrescentando e reconstruindo criativamente na base de algo que já sabem.
  • 30. Doenças relacionadas com a memória •Amnésia •Perda parcial ou total da capacidade de reter informações. •Qualquer processo que prejudique a formação de uma memória a curto prazo ou a sua fixação em memória a longo prazo pode resultar em amnésia. Anterógrada Retrógrada
  • 31. Amnesia anterógrada • Perda de memória de um período relativo a época posterior a lesão cerebral. Amnésia retrograda • Perda de memória de um período relativo a época anterior a lesão cerebral.
  • 32. Alzheimer •Afeta, maioritariamente, a população cuja faixa etária se situa acima dos 55 anos. •Trata-se de uma perda gradativa da memória, em consequência de lesões nas áreas cerebrais responsáveis pela memória declarativa, seguidas de outras partes do cérebro.
  • 33. O que aprendemos com as perturbações de memória? Investigadores defendem que os pacientes com amnésia anterógrada não podem adquirir quaisquer memórias a longo prazo. Estudos demonstram que alguns tipos de memória forma poupados na amnesia anterógrada.
  • 34. • As memórias procedimentais e declarativas dependem de sistemas neuronais diferentes e que, nos doentes amnésicos só um desses sistemas está afetado. Fig. Exemplo de que os amnésicos conseguem aprender. No desenho em espelho, os sujeitos tem de traçar uma linha entre duas linhas-limite de uma figura, olhando apenas a imagem da sua propria mão refletida num espelho (Kolb e Whishaw, 1990) No desenho em espelho, os sujeitos tem de traçar uma linha entre duas linhas-limite de uma figura, olhando apenas a imagem da sua propria mão refletida num espelho (Kolb e Whishaw, 1990)
  • 35. • Conhecimento procedimental = Conhecimento declarativo “Saber como” “Saber o quê” •Pode ter-se conhecimento procedimental numa numa área sem qualquer sem conhecimentos declarativos correspondentes.
  • 36. •Conclusão A memória consiste numa capacidade essencial para a nossa vida. Permite-nos adquirir e armazenar informação para a utilizarmos nas mais diversas situações da vida. Sem a memória, seriamos incapazes de existir, pois é através dela que conseguimos realizar até os mais básicos movimentos psicomotores. http://www.youtube.com/watch? v=rnwIC78axDA
  • 37. Bibliografia: • RODRIGUES, Luís ― Psicologia B, Platano Editores, 2004 • ABRUNHOSA, Maria; LEITAO, Miguel ― Psicologia B, ASA Editores, 2011 • MONTEIRO, Manuela; FERREIRA, Pedro ― Ser Humano, Porto Editora, 2009 • CURY, Augusto ― Inteligencia Multifocal, Pergaminho Editora, 2007 • GLEITMAN, Henry; REISBERG, Daniel; FRIDLUND, Alan ― Psicologia, Fundação Calouste Gulbenkian, 2011 23
  • 38. Webgrafia:  PONTES, Inês. “Psicologia B”. Disponível em: http://psicologiab.wordpress.com/ Acedido no dia 10 de outubro de 2013  “TED”. Disponível em: http://www.ted.com/ Acedido no dia 16 de outubro de 2013  Imagens do “Google”. Disponível em: http://www.google.com Acedido entre 18 outubro de 31 de outubro. 24
  • 40. • Embora nos recordemos pouco dos primeiros tres anos de vida, permanecem algumas recordações antigas. • Pintura do artista russo e emigrado Marc Chagall (1887- 1985) apresenta imagens da sua vida numa aldeia russa.