SlideShare uma empresa Scribd logo
A carta                                      pelo autor. E quem seria este? Celestina não tinha a menor
                                                                         lembrança que pudesse ligar ao autor da carta; mas, como ele dizia
                                                    Machado de Assis
                                                                         que ela mesma não lhe dera a esmola de um olhar, estava explicado
Celestina acabando de almoçar, voltou à alcova, e, indo casualmente
                                                                         o caso, e só restava agora reparar bem nos homens da rua.
à cesta de costura, achou uma cartinha de papel bordado. Não tinha
                                                                               Celestina foi ao espelho, e lançou um olhar complacente sobre
sobrescrito, mas estava aberta. Celestina, depois de hesitar um
                                                                         si. Não era bonita, mas a carta deu-lhe uma alta idéia de suas graças.
pouco, desdobrou-a e leu:
                                                                         Contava então trinta e nove anos, parece mesmo que mais um; mas
Meu anjo adorado,
                                                                         este ponto não está averiguado de modo que possa entrar na
Perdoe-me esta audácia, mas não posso mais resistir ao desejo de lhe
                                                                         história. Era simples opinião da mãe; esta senhora, porém, contando
abrir o meu coração e dizer que a adoro com todas as forças da
                                                                         sessenta e quatro anos, podia confundir as coisas. Em todo o caso,
minha alma. Mais de uma vez tenho passado pela rua, sem que a
                                                                         qualquer que fosse o exato número, a própria dona dos anos não os
senhora me dê a esmola de um olhar, e há muito tempo que suspiro
                                                                         discutiu, e limitava-se a parecer bem. Não parecia mal, nem fazia má
por lhe dizer isto e pedir-lhe que me faça o ente mais feliz do mundo.
                                                                         figura, todas as tardes, à janela.
Se não me ama, como eu a amo, creia que morrerei de desgosto. Os
                                                                               Esquecia-me dizer que isto acontecia aqui mesmo, no Rio de
seus olhos lindos como as estrelas do céu são para mim as luzes da
                                                                         Janeiro, entre 1860 e 1862. Celestina era filha de um antigo
existência, e os seus lábios, semelhantes às pétalas da rosa, têm toda
                                                                         comerciante, que morreu pobre, tendo apenas feito para a família
a frescura de um jardim de Deus...
                                                                         um pequeno pecúlio. Era dele que esta vivia e mais de algumas
      Não copio o resto; era longa a carta, e no mesmo estilo
                                                                         costuras para fora.
composto de trivialidade e imaginação. Apesar de longa, Celestina
                                                                               A idéia de casar entrou na cabeça de Celestina, desde os treze
leu-a duas vezes, e, em alguns lugares, três e quatro; naturalmente
                                                                         anos, e ali se conservou até os trinta e sete, pode ser mesmo que até
eram os que falavam da beleza dela, dos olhos, dos lábios, dos
                                                                         os trinta e oito; mas ultimamente ela a perdera de todo, e só se
cabelos, das mãos. Estas pegavam trêmulas na carta, tão comovida
                                                                         enfeitava para não desafiar o destino. Solteirona e pobre, não
ficara a dona, tão assombrada de um tal achado. Quem poria ali a
carta? Provavelmente, a escrava — a única escrava da casa, peitada
contava que ninguém se enamorasse dela. Era boa e laboriosa, e isto      vestido. Na verdade, podia ser mãe dela, viu-a nascer, ajudou-a a
podia compensar o resto; mas ainda assim não lhe dava esperanças.        criar. Nunca entre ambas trocaram nenhuma confidência de namoro;
      Foi neste ponto da vida que Celestina deu com a carta na cesta     e não é que ambas os não tivessem tido. Mas as relações eram de
de costura. Compreende-se o alvoroço do pobre coração. Afinal,           respeito e discrição.
recebia o prêmio da demora; aí aparecia um namorado, por seu                   Não sabendo como sair da dificuldade, Celestina adotou um
próprio pé, sem ela dar por ele, e dispunha-se a fazê-la feliz.          plano intermédio; procuraria primeiro descobrir a pessoa que lhe
      Já vimos que ela atribuía à escrava da casa a intervenção          mandara a carta, e se a merecesse, como era de supor, à vista da
naquele negócio, e o primeiro impulso foi ir ter com ela; mas recuou.    linguagem da carta, abrir-se-ia com a escrava, e depois com a irmã.
Era difícil tratar diretamente um tal assunto, não estando nos seus      Nessa mesma tarde, ela foi mais cedo para a janela, e mais enfeitada,
quinze anos estouvados que tudo explicassem; era arriscar a              esteve menos distraída com outras coisas. Não tirou os olhos da rua,
autoridade. Mas, por outro lado, se se calasse, arriscava o namorado,    abaixo e acima; não apontava rapaz ao longe, que não o seguisse
que, não tendo resposta, poderia desesperar e ir embora. Celestina       com curiosidade inquieta e esperançosa. Joaninha, ao pé dela,
vacilou muito no que faria, até que resolveu consultar a irmã. A irmã,   notava que a irmã não estava como de costume; e pode ser mesmo
Joaninha, tinha vinte anos, e era pessoa de muita gravidade; podia       que lhe atribuísse algum princípio de namoro. A mãe é que não via
dar-lhe um conselho.                                                     nada. Sentada na outra janela (era uma casa assobradada), ora
      — O quê? Não ouço.                                                 cochilava, ora perguntava às filhas quem era que ia passando.
      — Queria consultar você sobre uma coisa.                                 — Celestina, aquele não é o dr. Norberto?
      — Que coisa? Você hoje está assim esquisita, tão alegre, e tão           — Joaninha, parece que lá vai a família do Alvarenga.
acanhada. Que é que você quer, Titina? Diga. Já adivinhei.                     Perto das ave-marias, viu Celestina surdir da esquina um rapaz,
      — O que é?                                                         que, tão depressa entrara na rua, pôs os olhos na casa.
      — É sobre aquele vestido da baronesa.                                    Passou pelo lado oposto, lento, evidentemente abalado,
      Celestina fez um gesto de desgosto, e ia negar, mas não            olhando ora para o chão, ora para a janela. Foi até o fim da rua,
conseguindo abrir-se com a irmã, preferiu mentir, e foi buscar o         atravessou-a, e voltou pelo lado da casa. Já então era um pouco
escuro, não tanto, porém, que encobrisse a gentileza do rapaz, que      mais que contemplá-lo. Não era ele o namorado, o apaixonado, o
era positivamente um rapagão.                                           noivo próximo? Que ela planeara tudo: no dia seguinte escreveria
      Celestina ficou realmente fora de si. A irmã não viu o que era,   uma resposta ao rapaz, e dá-la-ia à escrava, para que a entregasse.
mas concluiu que alguém teria passado na rua, que enchera a alma        Estava disposta a não perder tempo.
de Celestina de uma vida desusada. Com efeito, durante a noite,               Era meia-noite, quando Celestina conseguiu adormecer; e
esteve ela como nunca, alegre, e ao mesmo tempo pensativa,              antes o fizesse há mais tempo, porque sonhou ainda com o rapaz, e
esquecendo-se de si e dos outros. Quase que não quis tomar chá, e       não perdeu nada.
só a muito custo se recolheu para dormir.                                     Sonhou que ele tornara a passar, recebera a resposta e
      “Titina viu passarinho verde” pensou Joaninha ao deitar-se.       escrevera de novo. No fim de alguns dias, pediu-lhe autorização para
      Celestina, recolhida ao quarto, meteu-se na cama, e releu a       solicitar a sua mão. Viu-se logo casada. Foi uma festa brilhante,
carta do rapaz, lentamente, saboreando as palavras de amor, e os        concorrida, à qual todas as pessoas amigas foram, cerca de dezoito
elogios à beleza dela. Interrompia a leitura, para pensar nele, vê-lo   carros. Nada mais lindo que o vestido dela, de cetim branco, um
surdir de uma esquina, ir pela rua fora do lado oposto, e tornar        ramalhete de flores de laranjeira, ao peito, algumas outras nos
depois do lado dela. Via-lhe os olhos, o andar, a figura... Depois      apanhados da saia. A grinalda era lindíssima. Toda a vizinhança nas
tornava à carta, e beijava-a muitas vezes, e numa delas, sentiu a       janelas. Na rua gente, na igreja muita gente, e ela entrando por meio
pálpebra molhada. Não se vexou da lágrima; era das que se               de alas, ao lado da madrinha... Quem seria a madrinha? D. Mariana
confessam. Quando cansou de ler a carta, meteu-a debaixo do             Pinto ou a baronesa? A baronesa... A mãe talvez quisesse D. Mariana,
travesseiro, e dispôs-se a dormir.                                      mas a baronesa... Em sonhos mesmo discutiu isso, interrompendo a
      Mas qual dormir! Fechava os olhos, mas o sono andava pelas        entrada triunfal no templo.
casas dos indiferentes, não queria nada com uma pessoa em quem as             O padrinho do noivo era o próprio ministro da Justiça, que ia
esperanças mortas reviviam com o vigor da adolescência. Celestina       ao lado dele fardado, condecorado, brilhante, e que, no fim da
recorria a todos os estratagemas para dormir; mas o rapaz da carta      cerimônia, veio cumprimentá-la com grande atenção. Celestina
fincava-lhe os olhos ardentes, e ia de um lado para outro; não tinha
estava cheia de si, a mãe também, a irmã também, e ela prometia a       poeta, viviam ao pé de um lago, ao pôr-do-sol, cisnes nadando, um
esta um casamento igual.                                                princípio da lua, e a felicidade entre eles. Foi esta a última fase do
      — Daqui a três meses, você está também casada, dizia-lhe ao       delírio.
receber dela os parabéns.                                                      Celestina acordou tarde; ergueu-se ainda com o sabor das
      Muitas rosas desfolhadas sobre ela. Eram caídas da tribuna. O     coisas imaginadas, e o pensamento no namorado, noivo próximo.
noivo deu-lhe o braço, e ela saiu como se fosse entrando no céu. Os     Embebida na imagem dele, foi às suas abluções matinais. A escrava
curiosos eram agora em maior número. Gente e mais gente. Chegam         entrou-lhe na alcova.
os carros; lacaios aprumados abrem as portinholas. Lá vai depois o             — Nhã Titina...
cortejo devagar e brilhante, todos aqueles cavalos brancos pisando o           — Que é?
chão com uma gravidade fidalga. E ela, ela, tão feliz! ao lado do              A preta hesitou.
noivo!                                                                         — Fala, fala.
      A fada branca dos sonhos continuou assim a fazer surdir do               — Nhã Titina achou na sua cesta uma carta?
nada uma porção de coisas belas. Celestina descobriu, no fim de uma            — Achei.
semana de casada, que o marido era príncipe. Celestina princesa! A             — Vosmecê me perdoe, mas a carta era para nhã Joaninha...
prova é que aqui está um palácio, e todas as portas, louça, cadeiras,          Celestina empalideceu. Quando a preta a deixou só, Celestina
coches, tudo tem armas principescas, no escudo, uma águia ou leão,      deixou cair uma lágrima — e foi a última que o amor lhe arrancou.
um animal qualquer, mas soberano.
      — Vossa Alteza se quiser...
      — Rogo a Vossa Alteza.
      — Perdão, Alteza...
      E tudo assim, até quase de manhã. Antes do sol acordou,
esteve alguns minutos esperta, mas tornou a dormir para continuar o
sonho, que então já não era de príncipe. O marido era um grande            Fonte: http://www2.uol.com.br/machadodeassis/machado.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Feiticeiro
O FeiticeiroO Feiticeiro
O Feiticeiro
Lucas Zanella
 
Dom casmurro
Dom casmurroDom casmurro
Midnight Sun de
Midnight Sun de Midnight Sun de
Midnight Sun de
vickvc
 
Pgrecolhidas
PgrecolhidasPgrecolhidas
1º capitulo
1º capitulo1º capitulo
Micrônicas, por Walmar Andrade
Micrônicas, por Walmar AndradeMicrônicas, por Walmar Andrade
Micrônicas, por Walmar Andrade
RedeMude
 
Amores complicados lilian reis
Amores complicados   lilian reisAmores complicados   lilian reis
Amores complicados lilian reis
Brunna Heiderich
 
Artur azevedo a dívida
Artur azevedo   a dívidaArtur azevedo   a dívida
Artur azevedo a dívida
Tulipa Zoá
 
Artur azevedo joão silva
Artur azevedo   joão silvaArtur azevedo   joão silva
Artur azevedo joão silva
Tulipa Zoá
 
Terry goodkind 01 - a primeira regra do mago
Terry goodkind   01 - a primeira regra do magoTerry goodkind   01 - a primeira regra do mago
Terry goodkind 01 - a primeira regra do mago
ERIBERTO SOUSA
 
Mario de Andrade e Vestida de Preto
Mario de Andrade e Vestida de PretoMario de Andrade e Vestida de Preto
Mario de Andrade e Vestida de Preto
Dani Bertollo
 
A confidente da rameira caduca
A confidente da rameira caducaA confidente da rameira caduca
A confidente da rameira caduca
Arthur Dellarubia
 
27
2727
MEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIA
MEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIAMEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIA
MEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIA
Breados Online
 
Farsadeinespereira peça
Farsadeinespereira peçaFarsadeinespereira peça
Farsadeinespereira peça
Raquel Dos Santos
 
Um EspaçO, Uma EstóRia
Um EspaçO, Uma EstóRiaUm EspaçO, Uma EstóRia
Um EspaçO, Uma EstóRia
Maria Maló
 
Omisantropo
OmisantropoOmisantropo
Omisantropo
Ariane Mafra
 

Mais procurados (17)

O Feiticeiro
O FeiticeiroO Feiticeiro
O Feiticeiro
 
Dom casmurro
Dom casmurroDom casmurro
Dom casmurro
 
Midnight Sun de
Midnight Sun de Midnight Sun de
Midnight Sun de
 
Pgrecolhidas
PgrecolhidasPgrecolhidas
Pgrecolhidas
 
1º capitulo
1º capitulo1º capitulo
1º capitulo
 
Micrônicas, por Walmar Andrade
Micrônicas, por Walmar AndradeMicrônicas, por Walmar Andrade
Micrônicas, por Walmar Andrade
 
Amores complicados lilian reis
Amores complicados   lilian reisAmores complicados   lilian reis
Amores complicados lilian reis
 
Artur azevedo a dívida
Artur azevedo   a dívidaArtur azevedo   a dívida
Artur azevedo a dívida
 
Artur azevedo joão silva
Artur azevedo   joão silvaArtur azevedo   joão silva
Artur azevedo joão silva
 
Terry goodkind 01 - a primeira regra do mago
Terry goodkind   01 - a primeira regra do magoTerry goodkind   01 - a primeira regra do mago
Terry goodkind 01 - a primeira regra do mago
 
Mario de Andrade e Vestida de Preto
Mario de Andrade e Vestida de PretoMario de Andrade e Vestida de Preto
Mario de Andrade e Vestida de Preto
 
A confidente da rameira caduca
A confidente da rameira caducaA confidente da rameira caduca
A confidente da rameira caduca
 
27
2727
27
 
MEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIA
MEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIAMEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIA
MEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIA
 
Farsadeinespereira peça
Farsadeinespereira peçaFarsadeinespereira peça
Farsadeinespereira peça
 
Um EspaçO, Uma EstóRia
Um EspaçO, Uma EstóRiaUm EspaçO, Uma EstóRia
Um EspaçO, Uma EstóRia
 
Omisantropo
OmisantropoOmisantropo
Omisantropo
 

Destaque

Diseño curricular de Lenguas Extranjeras 2001 - ciudad de buenos aires
Diseño curricular de Lenguas Extranjeras 2001 - ciudad de buenos airesDiseño curricular de Lenguas Extranjeras 2001 - ciudad de buenos aires
Diseño curricular de Lenguas Extranjeras 2001 - ciudad de buenos aires
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Apresentação3
Apresentação3Apresentação3
Apresentação3
UlyssesG
 
Oficina de contos 9º d
Oficina de contos 9º dOficina de contos 9º d
Oficina de contos 9º d
UlyssesG
 
Benveniste el aparato formal de la enunciacion
Benveniste el aparato formal de la enunciacionBenveniste el aparato formal de la enunciacion
Benveniste el aparato formal de la enunciacion
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Daniel Cassany Prácticas letradas contemporáneas - claves para su desarrollo
Daniel Cassany Prácticas letradas contemporáneas - claves para su desarrolloDaniel Cassany Prácticas letradas contemporáneas - claves para su desarrollo
Daniel Cassany Prácticas letradas contemporáneas - claves para su desarrollo
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
El valor de las narrativas docentes para repensar la escuela secundaria - Alén
El valor de las narrativas docentes para repensar la escuela secundaria - AlénEl valor de las narrativas docentes para repensar la escuela secundaria - Alén
El valor de las narrativas docentes para repensar la escuela secundaria - Alén
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Feldman 2010 Didáctica general - aportes para el desarrollo curricular
Feldman 2010 Didáctica general - aportes para el desarrollo curricularFeldman 2010 Didáctica general - aportes para el desarrollo curricular
Feldman 2010 Didáctica general - aportes para el desarrollo curricular
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Calsamiglia y Valls - Las cosas del decir - Manual de análisis del discurso
Calsamiglia y Valls - Las cosas del decir - Manual de análisis del discursoCalsamiglia y Valls - Las cosas del decir - Manual de análisis del discurso
Calsamiglia y Valls - Las cosas del decir - Manual de análisis del discurso
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Expressões idiomáticas
Expressões idiomáticasExpressões idiomáticas
Expressões idiomáticas
UlyssesG
 
Marco referencia bachiller en lenguas res cfe 142 2011
Marco referencia bachiller en lenguas res cfe 142 2011Marco referencia bachiller en lenguas res cfe 142 2011
Marco referencia bachiller en lenguas res cfe 142 2011
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Maq gram ativa_brasil_19.03.13
Maq gram ativa_brasil_19.03.13Maq gram ativa_brasil_19.03.13
Maq gram ativa_brasil_19.03.13
Lamartine Biao Oberg
 
Gramatica ativa 2 portugues PLE
Gramatica ativa 2 portugues PLEGramatica ativa 2 portugues PLE
Gramatica ativa 2 portugues PLE
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Nap lenguas extranjeras res 181 2012 anexo 01
Nap lenguas extranjeras res 181 2012 anexo 01Nap lenguas extranjeras res 181 2012 anexo 01
Nap lenguas extranjeras res 181 2012 anexo 01
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Daniel Cassany el codigo escrito
Daniel Cassany el codigo escritoDaniel Cassany el codigo escrito
Daniel Cassany el codigo escrito
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Curso Portugues para autodidactas.
Curso Portugues para autodidactas.Curso Portugues para autodidactas.
Curso Portugues para autodidactas.
university of pamplona
 
aprender-portugues
aprender-portuguesaprender-portugues
aprender-portuguesblue9090
 
Teste de memória
Teste de memóriaTeste de memória
Teste de memória
UlyssesG
 

Destaque (17)

Diseño curricular de Lenguas Extranjeras 2001 - ciudad de buenos aires
Diseño curricular de Lenguas Extranjeras 2001 - ciudad de buenos airesDiseño curricular de Lenguas Extranjeras 2001 - ciudad de buenos aires
Diseño curricular de Lenguas Extranjeras 2001 - ciudad de buenos aires
 
Apresentação3
Apresentação3Apresentação3
Apresentação3
 
Oficina de contos 9º d
Oficina de contos 9º dOficina de contos 9º d
Oficina de contos 9º d
 
Benveniste el aparato formal de la enunciacion
Benveniste el aparato formal de la enunciacionBenveniste el aparato formal de la enunciacion
Benveniste el aparato formal de la enunciacion
 
Daniel Cassany Prácticas letradas contemporáneas - claves para su desarrollo
Daniel Cassany Prácticas letradas contemporáneas - claves para su desarrolloDaniel Cassany Prácticas letradas contemporáneas - claves para su desarrollo
Daniel Cassany Prácticas letradas contemporáneas - claves para su desarrollo
 
El valor de las narrativas docentes para repensar la escuela secundaria - Alén
El valor de las narrativas docentes para repensar la escuela secundaria - AlénEl valor de las narrativas docentes para repensar la escuela secundaria - Alén
El valor de las narrativas docentes para repensar la escuela secundaria - Alén
 
Feldman 2010 Didáctica general - aportes para el desarrollo curricular
Feldman 2010 Didáctica general - aportes para el desarrollo curricularFeldman 2010 Didáctica general - aportes para el desarrollo curricular
Feldman 2010 Didáctica general - aportes para el desarrollo curricular
 
Calsamiglia y Valls - Las cosas del decir - Manual de análisis del discurso
Calsamiglia y Valls - Las cosas del decir - Manual de análisis del discursoCalsamiglia y Valls - Las cosas del decir - Manual de análisis del discurso
Calsamiglia y Valls - Las cosas del decir - Manual de análisis del discurso
 
Expressões idiomáticas
Expressões idiomáticasExpressões idiomáticas
Expressões idiomáticas
 
Marco referencia bachiller en lenguas res cfe 142 2011
Marco referencia bachiller en lenguas res cfe 142 2011Marco referencia bachiller en lenguas res cfe 142 2011
Marco referencia bachiller en lenguas res cfe 142 2011
 
Maq gram ativa_brasil_19.03.13
Maq gram ativa_brasil_19.03.13Maq gram ativa_brasil_19.03.13
Maq gram ativa_brasil_19.03.13
 
Gramatica ativa 2 portugues PLE
Gramatica ativa 2 portugues PLEGramatica ativa 2 portugues PLE
Gramatica ativa 2 portugues PLE
 
Nap lenguas extranjeras res 181 2012 anexo 01
Nap lenguas extranjeras res 181 2012 anexo 01Nap lenguas extranjeras res 181 2012 anexo 01
Nap lenguas extranjeras res 181 2012 anexo 01
 
Daniel Cassany el codigo escrito
Daniel Cassany el codigo escritoDaniel Cassany el codigo escrito
Daniel Cassany el codigo escrito
 
Curso Portugues para autodidactas.
Curso Portugues para autodidactas.Curso Portugues para autodidactas.
Curso Portugues para autodidactas.
 
aprender-portugues
aprender-portuguesaprender-portugues
aprender-portugues
 
Teste de memória
Teste de memóriaTeste de memória
Teste de memória
 

Semelhante a A carta

110
110110
Artur azevedo a tia aninha
Artur azevedo   a tia aninhaArtur azevedo   a tia aninha
Artur azevedo a tia aninha
Tulipa Zoá
 
O feretro
O feretroO feretro
O feretro
O feretroO feretro
O feretro
O feretroO feretro
Bela e a fera
Bela e a feraBela e a fera
Bela e a fera
Joice Bieger
 
A Bela e a Fera
A Bela e a FeraA Bela e a Fera
A Bela e a Fera
GQ Shows e Eventos
 
Uma Estrela Atrás Da Porta
Uma Estrela Atrás Da PortaUma Estrela Atrás Da Porta
Uma Estrela Atrás Da Porta
Maria Borges
 
A bela tenta a fera lorraine heath - livro 6 - irmãos trewlove
A bela tenta a fera   lorraine heath - livro 6 - irmãos trewloveA bela tenta a fera   lorraine heath - livro 6 - irmãos trewlove
A bela tenta a fera lorraine heath - livro 6 - irmãos trewlove
Liv Sobrenome
 
Um rouxinol cantou... (a nightingale sang) barbara cartland-www.livros grat...
Um rouxinol cantou... (a nightingale sang)   barbara cartland-www.livros grat...Um rouxinol cantou... (a nightingale sang)   barbara cartland-www.livros grat...
Um rouxinol cantou... (a nightingale sang) barbara cartland-www.livros grat...
blackink55
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
gabrielaOliveiraMarengao
 
Poemas de Manuel Felipe de Sousa
Poemas de Manuel Felipe de SousaPoemas de Manuel Felipe de Sousa
Poemas de Manuel Felipe de Sousa
Josiane Amaral
 
Tentação do guerreiro
Tentação do guerreiroTentação do guerreiro
Tentação do guerreiro
ida ap mendes mendes
 
Missa do galo
Missa do galoMissa do galo
Missa do galo
Isabella Silva
 
Missa do Galo - Machado de Assis
Missa do Galo - Machado de AssisMissa do Galo - Machado de Assis
Missa do Galo - Machado de Assis
Fran Maciel de Almeida
 
Coração, cabeça e estômago análise
Coração, cabeça e estômago   análiseCoração, cabeça e estômago   análise
Coração, cabeça e estômago análise
rafabebum
 
Livro Sexo e Destino Cap.7
Livro Sexo e Destino Cap.7Livro Sexo e Destino Cap.7
Livro Sexo e Destino Cap.7
Patricia Farias
 
1 doce de tereza
1 doce de tereza1 doce de tereza
1 doce de tereza
taboao
 
Phroybido
PhroybidoPhroybido
Phroybido
Angelo Tomasini
 
O homem que matou mona
O homem que matou monaO homem que matou mona
O homem que matou mona
Angelo Tomasini
 

Semelhante a A carta (20)

110
110110
110
 
Artur azevedo a tia aninha
Artur azevedo   a tia aninhaArtur azevedo   a tia aninha
Artur azevedo a tia aninha
 
O feretro
O feretroO feretro
O feretro
 
O feretro
O feretroO feretro
O feretro
 
O feretro
O feretroO feretro
O feretro
 
Bela e a fera
Bela e a feraBela e a fera
Bela e a fera
 
A Bela e a Fera
A Bela e a FeraA Bela e a Fera
A Bela e a Fera
 
Uma Estrela Atrás Da Porta
Uma Estrela Atrás Da PortaUma Estrela Atrás Da Porta
Uma Estrela Atrás Da Porta
 
A bela tenta a fera lorraine heath - livro 6 - irmãos trewlove
A bela tenta a fera   lorraine heath - livro 6 - irmãos trewloveA bela tenta a fera   lorraine heath - livro 6 - irmãos trewlove
A bela tenta a fera lorraine heath - livro 6 - irmãos trewlove
 
Um rouxinol cantou... (a nightingale sang) barbara cartland-www.livros grat...
Um rouxinol cantou... (a nightingale sang)   barbara cartland-www.livros grat...Um rouxinol cantou... (a nightingale sang)   barbara cartland-www.livros grat...
Um rouxinol cantou... (a nightingale sang) barbara cartland-www.livros grat...
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Poemas de Manuel Felipe de Sousa
Poemas de Manuel Felipe de SousaPoemas de Manuel Felipe de Sousa
Poemas de Manuel Felipe de Sousa
 
Tentação do guerreiro
Tentação do guerreiroTentação do guerreiro
Tentação do guerreiro
 
Missa do galo
Missa do galoMissa do galo
Missa do galo
 
Missa do Galo - Machado de Assis
Missa do Galo - Machado de AssisMissa do Galo - Machado de Assis
Missa do Galo - Machado de Assis
 
Coração, cabeça e estômago análise
Coração, cabeça e estômago   análiseCoração, cabeça e estômago   análise
Coração, cabeça e estômago análise
 
Livro Sexo e Destino Cap.7
Livro Sexo e Destino Cap.7Livro Sexo e Destino Cap.7
Livro Sexo e Destino Cap.7
 
1 doce de tereza
1 doce de tereza1 doce de tereza
1 doce de tereza
 
Phroybido
PhroybidoPhroybido
Phroybido
 
O homem que matou mona
O homem que matou monaO homem que matou mona
O homem que matou mona
 

Último

Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 

A carta

  • 1. A carta pelo autor. E quem seria este? Celestina não tinha a menor lembrança que pudesse ligar ao autor da carta; mas, como ele dizia Machado de Assis que ela mesma não lhe dera a esmola de um olhar, estava explicado Celestina acabando de almoçar, voltou à alcova, e, indo casualmente o caso, e só restava agora reparar bem nos homens da rua. à cesta de costura, achou uma cartinha de papel bordado. Não tinha Celestina foi ao espelho, e lançou um olhar complacente sobre sobrescrito, mas estava aberta. Celestina, depois de hesitar um si. Não era bonita, mas a carta deu-lhe uma alta idéia de suas graças. pouco, desdobrou-a e leu: Contava então trinta e nove anos, parece mesmo que mais um; mas Meu anjo adorado, este ponto não está averiguado de modo que possa entrar na Perdoe-me esta audácia, mas não posso mais resistir ao desejo de lhe história. Era simples opinião da mãe; esta senhora, porém, contando abrir o meu coração e dizer que a adoro com todas as forças da sessenta e quatro anos, podia confundir as coisas. Em todo o caso, minha alma. Mais de uma vez tenho passado pela rua, sem que a qualquer que fosse o exato número, a própria dona dos anos não os senhora me dê a esmola de um olhar, e há muito tempo que suspiro discutiu, e limitava-se a parecer bem. Não parecia mal, nem fazia má por lhe dizer isto e pedir-lhe que me faça o ente mais feliz do mundo. figura, todas as tardes, à janela. Se não me ama, como eu a amo, creia que morrerei de desgosto. Os Esquecia-me dizer que isto acontecia aqui mesmo, no Rio de seus olhos lindos como as estrelas do céu são para mim as luzes da Janeiro, entre 1860 e 1862. Celestina era filha de um antigo existência, e os seus lábios, semelhantes às pétalas da rosa, têm toda comerciante, que morreu pobre, tendo apenas feito para a família a frescura de um jardim de Deus... um pequeno pecúlio. Era dele que esta vivia e mais de algumas Não copio o resto; era longa a carta, e no mesmo estilo costuras para fora. composto de trivialidade e imaginação. Apesar de longa, Celestina A idéia de casar entrou na cabeça de Celestina, desde os treze leu-a duas vezes, e, em alguns lugares, três e quatro; naturalmente anos, e ali se conservou até os trinta e sete, pode ser mesmo que até eram os que falavam da beleza dela, dos olhos, dos lábios, dos os trinta e oito; mas ultimamente ela a perdera de todo, e só se cabelos, das mãos. Estas pegavam trêmulas na carta, tão comovida enfeitava para não desafiar o destino. Solteirona e pobre, não ficara a dona, tão assombrada de um tal achado. Quem poria ali a carta? Provavelmente, a escrava — a única escrava da casa, peitada
  • 2. contava que ninguém se enamorasse dela. Era boa e laboriosa, e isto vestido. Na verdade, podia ser mãe dela, viu-a nascer, ajudou-a a podia compensar o resto; mas ainda assim não lhe dava esperanças. criar. Nunca entre ambas trocaram nenhuma confidência de namoro; Foi neste ponto da vida que Celestina deu com a carta na cesta e não é que ambas os não tivessem tido. Mas as relações eram de de costura. Compreende-se o alvoroço do pobre coração. Afinal, respeito e discrição. recebia o prêmio da demora; aí aparecia um namorado, por seu Não sabendo como sair da dificuldade, Celestina adotou um próprio pé, sem ela dar por ele, e dispunha-se a fazê-la feliz. plano intermédio; procuraria primeiro descobrir a pessoa que lhe Já vimos que ela atribuía à escrava da casa a intervenção mandara a carta, e se a merecesse, como era de supor, à vista da naquele negócio, e o primeiro impulso foi ir ter com ela; mas recuou. linguagem da carta, abrir-se-ia com a escrava, e depois com a irmã. Era difícil tratar diretamente um tal assunto, não estando nos seus Nessa mesma tarde, ela foi mais cedo para a janela, e mais enfeitada, quinze anos estouvados que tudo explicassem; era arriscar a esteve menos distraída com outras coisas. Não tirou os olhos da rua, autoridade. Mas, por outro lado, se se calasse, arriscava o namorado, abaixo e acima; não apontava rapaz ao longe, que não o seguisse que, não tendo resposta, poderia desesperar e ir embora. Celestina com curiosidade inquieta e esperançosa. Joaninha, ao pé dela, vacilou muito no que faria, até que resolveu consultar a irmã. A irmã, notava que a irmã não estava como de costume; e pode ser mesmo Joaninha, tinha vinte anos, e era pessoa de muita gravidade; podia que lhe atribuísse algum princípio de namoro. A mãe é que não via dar-lhe um conselho. nada. Sentada na outra janela (era uma casa assobradada), ora — O quê? Não ouço. cochilava, ora perguntava às filhas quem era que ia passando. — Queria consultar você sobre uma coisa. — Celestina, aquele não é o dr. Norberto? — Que coisa? Você hoje está assim esquisita, tão alegre, e tão — Joaninha, parece que lá vai a família do Alvarenga. acanhada. Que é que você quer, Titina? Diga. Já adivinhei. Perto das ave-marias, viu Celestina surdir da esquina um rapaz, — O que é? que, tão depressa entrara na rua, pôs os olhos na casa. — É sobre aquele vestido da baronesa. Passou pelo lado oposto, lento, evidentemente abalado, Celestina fez um gesto de desgosto, e ia negar, mas não olhando ora para o chão, ora para a janela. Foi até o fim da rua, conseguindo abrir-se com a irmã, preferiu mentir, e foi buscar o atravessou-a, e voltou pelo lado da casa. Já então era um pouco
  • 3. escuro, não tanto, porém, que encobrisse a gentileza do rapaz, que mais que contemplá-lo. Não era ele o namorado, o apaixonado, o era positivamente um rapagão. noivo próximo? Que ela planeara tudo: no dia seguinte escreveria Celestina ficou realmente fora de si. A irmã não viu o que era, uma resposta ao rapaz, e dá-la-ia à escrava, para que a entregasse. mas concluiu que alguém teria passado na rua, que enchera a alma Estava disposta a não perder tempo. de Celestina de uma vida desusada. Com efeito, durante a noite, Era meia-noite, quando Celestina conseguiu adormecer; e esteve ela como nunca, alegre, e ao mesmo tempo pensativa, antes o fizesse há mais tempo, porque sonhou ainda com o rapaz, e esquecendo-se de si e dos outros. Quase que não quis tomar chá, e não perdeu nada. só a muito custo se recolheu para dormir. Sonhou que ele tornara a passar, recebera a resposta e “Titina viu passarinho verde” pensou Joaninha ao deitar-se. escrevera de novo. No fim de alguns dias, pediu-lhe autorização para Celestina, recolhida ao quarto, meteu-se na cama, e releu a solicitar a sua mão. Viu-se logo casada. Foi uma festa brilhante, carta do rapaz, lentamente, saboreando as palavras de amor, e os concorrida, à qual todas as pessoas amigas foram, cerca de dezoito elogios à beleza dela. Interrompia a leitura, para pensar nele, vê-lo carros. Nada mais lindo que o vestido dela, de cetim branco, um surdir de uma esquina, ir pela rua fora do lado oposto, e tornar ramalhete de flores de laranjeira, ao peito, algumas outras nos depois do lado dela. Via-lhe os olhos, o andar, a figura... Depois apanhados da saia. A grinalda era lindíssima. Toda a vizinhança nas tornava à carta, e beijava-a muitas vezes, e numa delas, sentiu a janelas. Na rua gente, na igreja muita gente, e ela entrando por meio pálpebra molhada. Não se vexou da lágrima; era das que se de alas, ao lado da madrinha... Quem seria a madrinha? D. Mariana confessam. Quando cansou de ler a carta, meteu-a debaixo do Pinto ou a baronesa? A baronesa... A mãe talvez quisesse D. Mariana, travesseiro, e dispôs-se a dormir. mas a baronesa... Em sonhos mesmo discutiu isso, interrompendo a Mas qual dormir! Fechava os olhos, mas o sono andava pelas entrada triunfal no templo. casas dos indiferentes, não queria nada com uma pessoa em quem as O padrinho do noivo era o próprio ministro da Justiça, que ia esperanças mortas reviviam com o vigor da adolescência. Celestina ao lado dele fardado, condecorado, brilhante, e que, no fim da recorria a todos os estratagemas para dormir; mas o rapaz da carta cerimônia, veio cumprimentá-la com grande atenção. Celestina fincava-lhe os olhos ardentes, e ia de um lado para outro; não tinha
  • 4. estava cheia de si, a mãe também, a irmã também, e ela prometia a poeta, viviam ao pé de um lago, ao pôr-do-sol, cisnes nadando, um esta um casamento igual. princípio da lua, e a felicidade entre eles. Foi esta a última fase do — Daqui a três meses, você está também casada, dizia-lhe ao delírio. receber dela os parabéns. Celestina acordou tarde; ergueu-se ainda com o sabor das Muitas rosas desfolhadas sobre ela. Eram caídas da tribuna. O coisas imaginadas, e o pensamento no namorado, noivo próximo. noivo deu-lhe o braço, e ela saiu como se fosse entrando no céu. Os Embebida na imagem dele, foi às suas abluções matinais. A escrava curiosos eram agora em maior número. Gente e mais gente. Chegam entrou-lhe na alcova. os carros; lacaios aprumados abrem as portinholas. Lá vai depois o — Nhã Titina... cortejo devagar e brilhante, todos aqueles cavalos brancos pisando o — Que é? chão com uma gravidade fidalga. E ela, ela, tão feliz! ao lado do A preta hesitou. noivo! — Fala, fala. A fada branca dos sonhos continuou assim a fazer surdir do — Nhã Titina achou na sua cesta uma carta? nada uma porção de coisas belas. Celestina descobriu, no fim de uma — Achei. semana de casada, que o marido era príncipe. Celestina princesa! A — Vosmecê me perdoe, mas a carta era para nhã Joaninha... prova é que aqui está um palácio, e todas as portas, louça, cadeiras, Celestina empalideceu. Quando a preta a deixou só, Celestina coches, tudo tem armas principescas, no escudo, uma águia ou leão, deixou cair uma lágrima — e foi a última que o amor lhe arrancou. um animal qualquer, mas soberano. — Vossa Alteza se quiser... — Rogo a Vossa Alteza. — Perdão, Alteza... E tudo assim, até quase de manhã. Antes do sol acordou, esteve alguns minutos esperta, mas tornou a dormir para continuar o sonho, que então já não era de príncipe. O marido era um grande Fonte: http://www2.uol.com.br/machadodeassis/machado.html