SlideShare uma empresa Scribd logo
CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA
             Gabinete de Desenvolvimento Estratégico
                                      IV Congresso Internacional sobre
                    Ordenamento do Território: Infra-Estruturas e Desenvolvimento Regional
                              Instituto Superior de Ciências e Políticas da UTL
                          Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27 de Novembro de 2009




  O IMPACTO DOS GRANDES PROJECTOS
  ESTRUTURANTES NO CONCELHO DE
PALMELA AO NÍVEL DO ORDENAMENTO E
 DO DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL

Bruno Pereira Marques | Geógrafo | bmarques@cm-palmela.pt
Ana Filipa Coelho | Arquitecta | acoelho@cm-palmela.pt
Carla Piteira | Arquitecta | cpiteira@cm-palmela.pt
ENQUADRAMENTO TERRITORIAL
Concelho de Palmela:
- um dos 18 municípios da AML,
sendo o maior em dimensão com
462,8 km2 (0,5% do território
nacional, 15,7% da AML e 29,6%
da Península de Setúbal);                                       ÁREA METROPOLITANA
- um dos 9 concelhos da sub-                                         DE LISBOA

região (NUT III) da Península de
Setúbal, onde ocupa uma posição
central;
                                                                                        PALMELA
- Limites: N-Benavente, NE-parte
nascente do município de Montijo,                                          PENÍNSULA
                                                                           DE SETÚBAL
E-Vendas Novas, SE-Alcácer do
Sal, S-Setúbal, O-Barreiro e a NO-
Moita, parte poente do Montijo e
Alcochete.
C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira
ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
POPULAÇÃO E ECONOMIA
   População:
   2001: 53353 habitantes (Censos);
   2008: 62820 habitantes (Estimativas);
   ∆ 2001-2008: 17,7%;
   Freguesias (2001):
   - Pinhal Novo (20993 h.);
   - Palmela (16116 h.);
   - Qta. do Anjo (8354 h.);
   - Poceirão (4304 h.);
   - Marateca (3586 h.).
   Economia:
   - Importância da Indústria, nomeadamente Automóvel, com destaque para a
   AutoEuropa e parque industrial associado (~2% do PIB e ~10% das Exportações);
   - Alguma importância dos sectores económicos tradicionais/rurais: vinho
   (Moscatel), queijo de ovelha (Azeitão), fruta (Maça Riscadinha), doçaria, etc.
C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira
ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
FREGUESIAS – PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

     O Concelho encontra-se dividido em cinco freguesias, com as seguintes
     características
     - Palmela: sede do concelho, centro histórico alicerçado no Castelo (antiga sede
     da Ordem Militar de Santiago em Portugal);
     - Pinhal Novo: principal aglomerado urbano do concelho, crescimento ligado
     ao caminho-de-ferro;
     - Quinta do Anjo: área de produção pecuária/leiteira e vitivinícola, principais
     áreas industriais do concelho (i.e. AutoEuropa), existência de Áreas Urbanas de
     Génese Ilegal (AUGI);
     - Poceirão e Marateca: freguesias rurais com baixa densidade demográfica,
     importância do montado de sobro e da vitivinicultura, surgimento de alguma
     edificação dispersa e clandestina.


C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira
ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
QUATRO GRANDES PROJECTOS ESTRUTURANTES
  Concelho estará no centro dos
  grandes             projectos                                               1. Terceira Travessia do Tejo
                                                                              2. Rede de Alta Velocidade
  estruturantes:                                                              3. Novo Aeroporto de Lisboa
                                                                              4. Plataforma Logística e Multimodal

  - Plataforma Logística e                                                    do Poçeirão


  Multimodal     do    Poceirão
  (PLMP);
  - Rede Ferroviária de Alta
  Velocidade (RAVE) entre                                                           3
  Lisboa-Madrid;                                                          1

  - Novo Aeroporto de Lisboa
                                                                          2
  (NAL) no Campo de Tiro de                                                   4
  Alcochete (CTA);
  - Terceira Travessia do Tejo
  (TTT) entre Chelas-Barreiro.


C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira
ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
PLATAFORMA LOGÍSTICA DO POCEIRÃO
Características:
- 600 ha (262 na primeira fase);
- intermodalidade - rodoviário,
ferroviário (RAVE e rede convencional),
marítimo (Portos de Lisboa, Setúbal e
Sines) e ligação ao Shuttle do NAL;
- incompatibilidade com o uso de solo
definido no PDM em vigor, levou a
classificação como PIN e implementação
de Medidas Preventivas;
-constituída por naves ou lotes, para
aluguer ou venda;
- várias tipologias de espaços: Área de
Logística de Distribuição, Agrupamento e
Transformação, Área de Logística e Exposição,
Centro de Apoio ao Transporte Rodoviário,
Área Logística Multifuncional, Área
Intermodal, Centro de Serviços Integrados, Área
Comercial e Outras Infra-estruturas;
C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira
ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
PLATAFORMA LOGÍSTICA DO POCEIRÃO
- possibilidade da criação de cerca de 10800
empregos directos;
- reforço e desenvolvimento das ligações
rodoviárias:
• Ponte 25 de Abril / A2 e Ponte Vasco da
Gama / A12 que garantem as ligações a
Lisboa, ao seu porto, ao actual aeroporto e
ao MARL;
• A12 no acesso a Setúbal e respectivo porto
marítimo;
• A2 para o acesso ao Sul e Porto de Sines;
• A2 / A6 nas ligações ao interior de Portugal
e a Espanha;
• IC32 permite ligações de pontos diversos
do Concelho à rede de Auto-Estradas
• importância da construção de uma variante
ao Pinhal Novo.
C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira
ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
REDE DE ALTA VELOCIDADE FERROVIÁRIA
Características:
- Permite reduzir tempo de
ligação Lisboa-Madrid para
2h45m;
- Bitola Europeia facilita a
ligação directa ao resto da
Europa;
- Estação da PLMP permite o
transporte de passageiros e de
mercadorias, bem como a
intermodalidade entre o Shuttle
do NAL, os transportes
rodoviário, ferroviário (RAVE
[bitola   europeia]    e    rede
convencional [bitola ibérica]) e
marítimo, o que neste último
ponto          reforça         a
competitividades dos Portos
de Lisboa, Setúbal e Sines no
contexto peninsular;
C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira
ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
REDE DE ALTA VELOCIDADE FERROVIÁRIA
      - calendarização da execução prevê a concretização numa 1.ª fase do troço
      Poceirão-Caia, funcionando então, pelo menos temporariamente, o interface
      da PLMP como a estação de “entrada” em Lisboa, nomeadamente
      enquanto não for concluída a TTT e a respectiva ligação à Estação do Oriente,
      em Lisboa;
      - estimativa de cerca de 9,3 milhões de passageiros/ano em 2033;
      - estimativa de transporte de cerca de 1,5 milhões de toneladas em 2020, das
      quais cerca de 1 milhão de toneladas em alta velocidade;
      - Ponto positivo: transferência de passageiros e de mercadorias do modo
      rodoviário e, em menor escala, do modo aéreo, para o modo ferroviário –
      maior eficiência energética (?);
      - Ponto negativo: efeito-barreira provoca ruptura de sistemas ambientais e
      sociais, com relevo para alguns troços da rede viária, não obstante a C.M. de
      Palmela tem procurado que a RAVE construa alternativas ou pontos de
      passagem e as mais-valias do ponto de vista socioeconómico a nível
      nacional, regional e até local são francamente superiores .

C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira
ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
NOVO AEROPORTO DE LISBOA NO CTA
Características:
- o CTA é uma instalação da Força Aérea
Portuguesa, com cerca de 7450 ha, destinada
ao treino militar;
- encontra-se dividido entre o Concelho de
Benavente (freg. de Samora Correia) e o
concelho do Montijo (freg. de Canha). Apesar
de o CTA não abranger terrenos pertencentes
ao concelho de Palmela existem medidas
preventivas em vigor para o território
municipal;
- conceito de “cidade-aeroportuária”. Se
entendermos este conceito como sendo uma
infra-estrutura polinucleada e interligada, que
pode aproveitar a rede urbana já existente no
território, existe a expectativa de que o
aglomerado urbano do Pinhal Novo possa ser
um dos pólos dessa “cidade”;
C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira
ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
NOVO AEROPORTO DE LISBOA NO CTA
     - Estimativas : 19 milhões de passageiros/ano e 134000 toneladas de carga em
     2017 e 43 milhões de passageiros/ano e 405000 toneladas de carga em 2050, bem
     como 29300 postos de trabalho em 2030 e de 50100 em 2050;
     - Pontos positivos:
     • aumento das oportunidades de desenvolvimento, nomeadamente ao nível da
     geração de emprego;
     • oportunidade para promover o crescimento do perímetro urbano no Pinhal
     Novo, considerando a localização estratégica supracitada;
     • possibilidades de desenvolvimento turístico, nomeadamente para os
     empreendimentos de maior dimensão e qualidade, em Rio Frio e Zambujal;
     • em termos de acessibilidades, o acesso ao NAL será garantido por novas
     infra-estruturas rodo-ferroviárias a criar;
     - Pontos negativos: aumento do ruído provocado pelos aviões, nomeadamente
     na área norte do concelho mais próxima do aeroporto, e o acréscimo do
     tráfego rodoviário.

C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira
ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
3.A TRAVESSIA DO TEJO – CHELAS-BARREIRO
Características:
- ponte rodo-ferroviária entre Lisboa
(Chelas, na margem direita do Tejo) e o
Barreiro (na margem esquerda);
- componente ferroviária compatibiliza a
rede convencional (de bitola ibérica) e a
rede de alta velocidade (de bitola
europeia);
- principais efeitos desta infra-estrutura
deverão sentir-se na área central do Arco
Ribeirinho Sul (Barreiro e Moita), não
obstante, toda a Península de Setúbal, onde
se inclui naturalmente Palmela e os
projectos da PLMF e do NAL, deverão
conhecer importantes melhorias ao nível
da acessibilidade.
C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira
ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
IMPACTOS EXPECTÁVEIS NO OT E NO DR
  De entre os impactos expectáveis para o Concelho de Palmela ao nível do
  Ordenamento e do Desenvolvimento Territorial, podemos apresentar os seguintes
  aspectos positivos:
  - ao nível do emprego, prevê-se que vários milhares de postos de trabalho possam
  ser criados no Concelho;
  - da criação de uma dinâmica demográfica positiva (por via migratória), ligada ao
  aumento da oferta de emprego e à melhoria das acessibilidades;
  - aumentem as áreas urbanizadas, nomeadamente habitacionais, designadamente
  no Pinhal Novo;
  - a implementação destes projectos na margem sul permitirá “recentrar” a
  Península de Setúbal, e o concelho de Palmela, no contexto da AML,
  concretizando a ideia da “cidade de duas margens” presente na actual revisão do
  PROT-AML;
  - a simultaneidade temporal e espacial da execução deste projectos, tem a vantagem
  de permitir um processo de planeamento mais integrado, nomeadamente em sede
  das presentes revisões do PROT-AML e do PDM de Palmela.
C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira
ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
IMPACTOS EXPECTÁVEIS NO OT E NO DR
                                                                                        Projecção Demográfica realizada no âmbito da
                                                                                                         revisão do PDM de Palmela
 A perspectiva de que ocorra um                                                              2001    2005    2010    2015    2020
 crescimento populacional significativo                                   C. Natural        53353   54512   55527   55728   55537

 pode ser comprovada, por exemplo, pela                                   C. Migrat. I A    53353   58923   64521   69754   74833
                                                                          C. Migrat. I B    53353   59532   65763   71685   77483
 comparação      entre    as     projecções                               C. Migrat. II     53353   60787   68337   75691   82949
 demográficas, para o concelho de Palmela,                                C. Migrat. III    53353   61205   69193   77022   84816

 realizadas no âmbito da revisão do PROT-                                 C. Migrat. IV     53353   62042   70905   79654   88287

 AML e as projecções calculadas pelo
                                                                               Projecção Demográfica, para o concelho de Palmela,
 Gabinete de Desenvolvimento Estratégico da                                          realizada no âmbito da revisão do PROT-AML
 CMP. Neste sentido, os cenários médios,                                                     2001    2006    2011    2016    2021
                                                                          Cenário I         53353   58864   64298   69524    74384
 mais prováveis, são bastante coincidentes
                                                                          Cenário II        53353   61463   70143   79279    89521
 e apontam para que o município, em 2020,                                 Cenário III       53353   66340   81600   99489   119745
 possa ter entre cerca de 85000 e 90000
 habitantes.

C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira
ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
IMPACTOS EXPECTÁVEIS NO OT E NO DR
    No que diz respeito aos aspectos negativos:
    - ao nível do ruído, o NAL e, em menor grau, a RAVE e a PLMP, bem como o
    aumento generalizado do tráfego rodoviário;
    - os projectos em análise são importantes “consumidores” de território e de
    solo;
    - a RAVE cria um efeito-barreira que provoca algumas rupturas ao nível dos
    sistemas sociais e ambientais. No caso dos sistemas sociais tem especial relevo a
    perturbação de algumas actividades agrícolas e o cruzamento da rede viária
    existente, que será minorado com a construção de algumas passagens;
    - o aumento da pressão urbanística, nomeadamente em termos habitacionais,
    poderá acarretar problemas a nível dos perímetros urbanos existentes, bem como
    conduzir ao aumento das áreas com uma ocupação dispersa e clandestina;
    - a infra-estruturação urbana, ao nível do abastecimento de água e do saneamento
    básico, e o alargamento das redes de equipamentos colectivos provocam uma
    subcarga adicional dos orçamentos municipais.
C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira
ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
IMPACTOS EXPECTÁVEIS NO OT E NO DR

       Em resumo podemos dizer que são extremamente positivas as
       expectativas resultantes da concretização dos projectos que foram
       explanados ao longo da presente comunicação. De facto, malgrado a
       presente situação económica, tanto a nível nacional como internacional ,
       e alguns aspectos negativos previstos e apresentados, a materialização destas
       iniciativas representa a alavancagem de processos de crescimento e
       desenvolvimento económico muito importantes, tanto a nível local, do
       concelho de Palmela, como regional, da Península de Setúbal e da
       AML, e nacional.

       Não obstante apenas dentro de 10 ou 15 anos estaremos então em condições
       de analisar os reais impactos dos projectos em análise…



C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira
ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

BlueBiz - Logística
BlueBiz - LogísticaBlueBiz - Logística
Porto maravilha bahia out2012 destaques
Porto maravilha bahia out2012 destaquesPorto maravilha bahia out2012 destaques
Porto maravilha bahia out2012 destaques
aditbrasil
 
CAIS MAUÁ- PORTO ALEGRE X PORTO MARAVILHA -RIO DE JANEIRO
CAIS MAUÁ- PORTO ALEGRE X PORTO MARAVILHA -RIO DE JANEIROCAIS MAUÁ- PORTO ALEGRE X PORTO MARAVILHA -RIO DE JANEIRO
CAIS MAUÁ- PORTO ALEGRE X PORTO MARAVILHA -RIO DE JANEIRO
PLANORS
 
Ota versus Alcochete
Ota versus AlcocheteOta versus Alcochete
Ota versus Alcochete
L L P
 
Sede mg desenvolvimento regional sustentável 02 02 2012 sete lagoas
Sede mg desenvolvimento regional sustentável 02 02 2012 sete lagoasSede mg desenvolvimento regional sustentável 02 02 2012 sete lagoas
Sede mg desenvolvimento regional sustentável 02 02 2012 sete lagoas
Rafael Salerno
 
Projeto Centro-Oeste Competitivo
Projeto Centro-Oeste CompetitivoProjeto Centro-Oeste Competitivo
Projeto Centro-Oeste Competitivo
Portal Canal Rural
 
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
Idalina Leite
 
Bahia Infraestrutura Existente e Projetada
Bahia Infraestrutura Existente e ProjetadaBahia Infraestrutura Existente e Projetada
Bahia Infraestrutura Existente e Projetada
Romeu Temporal
 
2º ano geografia brasil economica_transportes_comunicacoes_exercicios
2º ano geografia brasil economica_transportes_comunicacoes_exercicios2º ano geografia brasil economica_transportes_comunicacoes_exercicios
2º ano geografia brasil economica_transportes_comunicacoes_exercicios
Maria Inedi Leite
 
Logistica
LogisticaLogistica
Logistica
amattos76
 
ZILS monofolha Sines Tech
ZILS monofolha Sines TechZILS monofolha Sines Tech
Apresentação porto maravilha adit
Apresentação porto maravilha   aditApresentação porto maravilha   adit
Apresentação porto maravilha adit
Karina Moraes
 
ZILS - Indústria
ZILS - Indústria ZILS - Indústria
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
Cláudio Carneiro
 
Plataformas logisticas
Plataformas logisticasPlataformas logisticas
Plataformas logisticas
amattos76
 
TFG_OPERA PRIMA_FINAL
TFG_OPERA PRIMA_FINALTFG_OPERA PRIMA_FINAL
TFG_OPERA PRIMA_FINAL
Luiza Maciel
 
Rte t2014.20
Rte t2014.20Rte t2014.20
Rte t2014.20
Idalina Leite
 
ZILS - Energia
ZILS - EnergiaZILS - Energia
Plataforma Logística
Plataforma LogísticaPlataforma Logística
Plataforma Logística
Danilo Araujo
 
PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DO PORTO DE LISBOA
PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DO PORTO DE LISBOAPLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DO PORTO DE LISBOA
PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DO PORTO DE LISBOA
Cláudio Carneiro
 

Mais procurados (20)

BlueBiz - Logística
BlueBiz - LogísticaBlueBiz - Logística
BlueBiz - Logística
 
Porto maravilha bahia out2012 destaques
Porto maravilha bahia out2012 destaquesPorto maravilha bahia out2012 destaques
Porto maravilha bahia out2012 destaques
 
CAIS MAUÁ- PORTO ALEGRE X PORTO MARAVILHA -RIO DE JANEIRO
CAIS MAUÁ- PORTO ALEGRE X PORTO MARAVILHA -RIO DE JANEIROCAIS MAUÁ- PORTO ALEGRE X PORTO MARAVILHA -RIO DE JANEIRO
CAIS MAUÁ- PORTO ALEGRE X PORTO MARAVILHA -RIO DE JANEIRO
 
Ota versus Alcochete
Ota versus AlcocheteOta versus Alcochete
Ota versus Alcochete
 
Sede mg desenvolvimento regional sustentável 02 02 2012 sete lagoas
Sede mg desenvolvimento regional sustentável 02 02 2012 sete lagoasSede mg desenvolvimento regional sustentável 02 02 2012 sete lagoas
Sede mg desenvolvimento regional sustentável 02 02 2012 sete lagoas
 
Projeto Centro-Oeste Competitivo
Projeto Centro-Oeste CompetitivoProjeto Centro-Oeste Competitivo
Projeto Centro-Oeste Competitivo
 
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
Política de transportes da União Europeia - 2014/2020
 
Bahia Infraestrutura Existente e Projetada
Bahia Infraestrutura Existente e ProjetadaBahia Infraestrutura Existente e Projetada
Bahia Infraestrutura Existente e Projetada
 
2º ano geografia brasil economica_transportes_comunicacoes_exercicios
2º ano geografia brasil economica_transportes_comunicacoes_exercicios2º ano geografia brasil economica_transportes_comunicacoes_exercicios
2º ano geografia brasil economica_transportes_comunicacoes_exercicios
 
Logistica
LogisticaLogistica
Logistica
 
ZILS monofolha Sines Tech
ZILS monofolha Sines TechZILS monofolha Sines Tech
ZILS monofolha Sines Tech
 
Apresentação porto maravilha adit
Apresentação porto maravilha   aditApresentação porto maravilha   adit
Apresentação porto maravilha adit
 
ZILS - Indústria
ZILS - Indústria ZILS - Indústria
ZILS - Indústria
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
 
Plataformas logisticas
Plataformas logisticasPlataformas logisticas
Plataformas logisticas
 
TFG_OPERA PRIMA_FINAL
TFG_OPERA PRIMA_FINALTFG_OPERA PRIMA_FINAL
TFG_OPERA PRIMA_FINAL
 
Rte t2014.20
Rte t2014.20Rte t2014.20
Rte t2014.20
 
ZILS - Energia
ZILS - EnergiaZILS - Energia
ZILS - Energia
 
Plataforma Logística
Plataforma LogísticaPlataforma Logística
Plataforma Logística
 
PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DO PORTO DE LISBOA
PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DO PORTO DE LISBOAPLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DO PORTO DE LISBOA
PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DO PORTO DE LISBOA
 

Destaque

O 2º Aeroporto de Lisboa no Montijo
O 2º Aeroporto de Lisboa no MontijoO 2º Aeroporto de Lisboa no Montijo
O 2º Aeroporto de Lisboa no Montijo
MPAlves
 
O passado do meio local montijo
O  passado do meio local   montijoO  passado do meio local   montijo
O passado do meio local montijo
profgaspar
 
Os problemas urbanos no concelho do montijo
Os problemas urbanos no concelho do montijoOs problemas urbanos no concelho do montijo
Os problemas urbanos no concelho do montijo
Danniel Pereira
 
Choro E Ansiedade
Choro E AnsiedadeChoro E Ansiedade
Choro E Ansiedade
guest1f39a4
 
Mensagem para Mãe Adotiva
Mensagem para Mãe AdotivaMensagem para Mãe Adotiva
Mensagem para Mãe Adotiva
Mensagens Poemas
 
Distrito De SetúBal
Distrito De SetúBalDistrito De SetúBal
Distrito De SetúBal
rafaelcalha
 
Aula 9º Ano (Ensino Fundamental) Fontes de energia 9 ano
Aula 9º Ano (Ensino Fundamental) Fontes de energia 9 anoAula 9º Ano (Ensino Fundamental) Fontes de energia 9 ano
Aula 9º Ano (Ensino Fundamental) Fontes de energia 9 ano
Ronaldo Santana
 
Física e química introdução
Física e química introduçãoFísica e química introdução
Física e química introdução
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
Introdução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaIntrodução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção Farmacêutica
Cassyano Correr
 
Atenção farmacêutica aula i
Atenção farmacêutica    aula iAtenção farmacêutica    aula i
Atenção farmacêutica aula i
Larissa Oliveira Rocha
 
Desigualdade De GéNero
Desigualdade De GéNeroDesigualdade De GéNero
Desigualdade De GéNero
guestf0ccd3
 
Resumo EquaçõEs 8º Ano
Resumo EquaçõEs 8º AnoResumo EquaçõEs 8º Ano
Resumo EquaçõEs 8º Ano
nescalda
 
Igualdade de Género
Igualdade de GéneroIgualdade de Género
Igualdade de Género
dianaraquelleitecosta
 
Igualdade de Género
Igualdade de GéneroIgualdade de Género
Igualdade de Género
Ana Lúcia Francisco
 
Ciclo da água - AULA DE CIÊNCIAS 5º ANO 23-06-14
Ciclo da água - AULA DE CIÊNCIAS 5º ANO 23-06-14Ciclo da água - AULA DE CIÊNCIAS 5º ANO 23-06-14
Ciclo da água - AULA DE CIÊNCIAS 5º ANO 23-06-14
Rosane Mayer
 
A matéria e suas transformações
A matéria e suas transformaçõesA matéria e suas transformações
A matéria e suas transformações
Karol Maia
 
Matéria e energia 9º ano Prof. Jucicleia
Matéria e energia 9º ano Prof. JucicleiaMatéria e energia 9º ano Prof. Jucicleia
Matéria e energia 9º ano Prof. Jucicleia
Jucicleia Mariano
 
Propriedades da Matéria - Química
Propriedades da Matéria - QuímicaPropriedades da Matéria - Química
Propriedades da Matéria - Química
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
Carolina Suisso
 
Slides agua
Slides   aguaSlides   agua
Slides agua
marllacristtina
 

Destaque (20)

O 2º Aeroporto de Lisboa no Montijo
O 2º Aeroporto de Lisboa no MontijoO 2º Aeroporto de Lisboa no Montijo
O 2º Aeroporto de Lisboa no Montijo
 
O passado do meio local montijo
O  passado do meio local   montijoO  passado do meio local   montijo
O passado do meio local montijo
 
Os problemas urbanos no concelho do montijo
Os problemas urbanos no concelho do montijoOs problemas urbanos no concelho do montijo
Os problemas urbanos no concelho do montijo
 
Choro E Ansiedade
Choro E AnsiedadeChoro E Ansiedade
Choro E Ansiedade
 
Mensagem para Mãe Adotiva
Mensagem para Mãe AdotivaMensagem para Mãe Adotiva
Mensagem para Mãe Adotiva
 
Distrito De SetúBal
Distrito De SetúBalDistrito De SetúBal
Distrito De SetúBal
 
Aula 9º Ano (Ensino Fundamental) Fontes de energia 9 ano
Aula 9º Ano (Ensino Fundamental) Fontes de energia 9 anoAula 9º Ano (Ensino Fundamental) Fontes de energia 9 ano
Aula 9º Ano (Ensino Fundamental) Fontes de energia 9 ano
 
Física e química introdução
Física e química introduçãoFísica e química introdução
Física e química introdução
 
Introdução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaIntrodução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção Farmacêutica
 
Atenção farmacêutica aula i
Atenção farmacêutica    aula iAtenção farmacêutica    aula i
Atenção farmacêutica aula i
 
Desigualdade De GéNero
Desigualdade De GéNeroDesigualdade De GéNero
Desigualdade De GéNero
 
Resumo EquaçõEs 8º Ano
Resumo EquaçõEs 8º AnoResumo EquaçõEs 8º Ano
Resumo EquaçõEs 8º Ano
 
Igualdade de Género
Igualdade de GéneroIgualdade de Género
Igualdade de Género
 
Igualdade de Género
Igualdade de GéneroIgualdade de Género
Igualdade de Género
 
Ciclo da água - AULA DE CIÊNCIAS 5º ANO 23-06-14
Ciclo da água - AULA DE CIÊNCIAS 5º ANO 23-06-14Ciclo da água - AULA DE CIÊNCIAS 5º ANO 23-06-14
Ciclo da água - AULA DE CIÊNCIAS 5º ANO 23-06-14
 
A matéria e suas transformações
A matéria e suas transformaçõesA matéria e suas transformações
A matéria e suas transformações
 
Matéria e energia 9º ano Prof. Jucicleia
Matéria e energia 9º ano Prof. JucicleiaMatéria e energia 9º ano Prof. Jucicleia
Matéria e energia 9º ano Prof. Jucicleia
 
Propriedades da Matéria - Química
Propriedades da Matéria - QuímicaPropriedades da Matéria - Química
Propriedades da Matéria - Química
 
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
9º ano - 1º bimestre - Matéria e suas propriedades
 
Slides agua
Slides   aguaSlides   agua
Slides agua
 

Semelhante a Cm palmela congresso_iscsp

João Pedro Gomes -PT
João Pedro Gomes -PTJoão Pedro Gomes -PT
João Pedro Gomes -PT
joao gomes
 
Rio Info 2010 - Seminário das Cidades Digitais às Cidades Inteligentes - Port...
Rio Info 2010 - Seminário das Cidades Digitais às Cidades Inteligentes - Port...Rio Info 2010 - Seminário das Cidades Digitais às Cidades Inteligentes - Port...
Rio Info 2010 - Seminário das Cidades Digitais às Cidades Inteligentes - Port...
Rio Info
 
A engenharia civil portuguesa: que futuro?
A engenharia civil portuguesa: que futuro?A engenharia civil portuguesa: que futuro?
A engenharia civil portuguesa: que futuro?
Cláudio Carneiro
 
Logística – tem uma rodovia ou um aeroporto no meio do caminho da minha encom...
Logística – tem uma rodovia ou um aeroporto no meio do caminho da minha encom...Logística – tem uma rodovia ou um aeroporto no meio do caminho da minha encom...
Logística – tem uma rodovia ou um aeroporto no meio do caminho da minha encom...
E-Commerce Brasil
 
Rodoviária Novo Rio em audiência da Comissão de Turismo
Rodoviária Novo Rio em audiência da Comissão de TurismoRodoviária Novo Rio em audiência da Comissão de Turismo
Rodoviária Novo Rio em audiência da Comissão de Turismo
Alerj
 
Sines Novo HUB Europeu para o Agronegócio
Sines Novo HUB Europeu para o Agronegócio Sines Novo HUB Europeu para o Agronegócio
E-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário Lopes
E-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário LopesE-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário Lopes
E-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário Lopes
portodeaveiro
 
Sines Logística Automóvel e Aeronáutica
Sines  Logística Automóvel e AeronáuticaSines  Logística Automóvel e Aeronáutica
Projeto Centro-Oeste Competitivo
Projeto Centro-Oeste CompetitivoProjeto Centro-Oeste Competitivo
Projeto Centro-Oeste Competitivo
Sistema Famato
 
Program logistica portugal (19 04-2016)
Program logistica portugal (19 04-2016)Program logistica portugal (19 04-2016)
Program logistica portugal (19 04-2016)
ananabeto
 
O Parque das Nações - a Grande Atracção Turística
O Parque das Nações - a Grande Atracção TurísticaO Parque das Nações - a Grande Atracção Turística
O Parque das Nações - a Grande Atracção Turística
Cláudia Samouqueiro e Vasconcellos
 
Sines é muito mais do que um terminal de contentores
Sines é muito mais do que um terminal de contentoresSines é muito mais do que um terminal de contentores
Sines é muito mais do que um terminal de contentores
Cláudio Carneiro
 
Seminário "Partilha de Experiências entre a AESM e os Agentes Portuários Naci...
Seminário "Partilha de Experiências entre a AESM e os Agentes Portuários Naci...Seminário "Partilha de Experiências entre a AESM e os Agentes Portuários Naci...
Seminário "Partilha de Experiências entre a AESM e os Agentes Portuários Naci...
portodeaveiro
 
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º AnoAs redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
713773
 
Revista APS N.º 62 – Junho 2014
Revista APS N.º 62 – Junho 2014Revista APS N.º 62 – Junho 2014
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Idalina Leite
 
Apresentacao padrao v53(câmara)an
Apresentacao padrao v53(câmara)anApresentacao padrao v53(câmara)an
Apresentacao padrao v53(câmara)an
Seplan_Bahia
 
Estudo Sobre Vila Olimpia Como Polo Gerador De TráFego
Estudo Sobre Vila Olimpia Como Polo Gerador De TráFegoEstudo Sobre Vila Olimpia Como Polo Gerador De TráFego
Estudo Sobre Vila Olimpia Como Polo Gerador De TráFego
Chico Macena
 
Carta Nautica julho 2019
Carta Nautica julho 2019Carta Nautica julho 2019
Revista APS N.º 80 – Dezembro 2020
Revista APS N.º 80 – Dezembro 2020Revista APS N.º 80 – Dezembro 2020

Semelhante a Cm palmela congresso_iscsp (20)

João Pedro Gomes -PT
João Pedro Gomes -PTJoão Pedro Gomes -PT
João Pedro Gomes -PT
 
Rio Info 2010 - Seminário das Cidades Digitais às Cidades Inteligentes - Port...
Rio Info 2010 - Seminário das Cidades Digitais às Cidades Inteligentes - Port...Rio Info 2010 - Seminário das Cidades Digitais às Cidades Inteligentes - Port...
Rio Info 2010 - Seminário das Cidades Digitais às Cidades Inteligentes - Port...
 
A engenharia civil portuguesa: que futuro?
A engenharia civil portuguesa: que futuro?A engenharia civil portuguesa: que futuro?
A engenharia civil portuguesa: que futuro?
 
Logística – tem uma rodovia ou um aeroporto no meio do caminho da minha encom...
Logística – tem uma rodovia ou um aeroporto no meio do caminho da minha encom...Logística – tem uma rodovia ou um aeroporto no meio do caminho da minha encom...
Logística – tem uma rodovia ou um aeroporto no meio do caminho da minha encom...
 
Rodoviária Novo Rio em audiência da Comissão de Turismo
Rodoviária Novo Rio em audiência da Comissão de TurismoRodoviária Novo Rio em audiência da Comissão de Turismo
Rodoviária Novo Rio em audiência da Comissão de Turismo
 
Sines Novo HUB Europeu para o Agronegócio
Sines Novo HUB Europeu para o Agronegócio Sines Novo HUB Europeu para o Agronegócio
Sines Novo HUB Europeu para o Agronegócio
 
E-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário Lopes
E-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário LopesE-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário Lopes
E-80, CORREDOR MULTIMODAL PARA A EUROPA – Apresentação de Mário Lopes
 
Sines Logística Automóvel e Aeronáutica
Sines  Logística Automóvel e AeronáuticaSines  Logística Automóvel e Aeronáutica
Sines Logística Automóvel e Aeronáutica
 
Projeto Centro-Oeste Competitivo
Projeto Centro-Oeste CompetitivoProjeto Centro-Oeste Competitivo
Projeto Centro-Oeste Competitivo
 
Program logistica portugal (19 04-2016)
Program logistica portugal (19 04-2016)Program logistica portugal (19 04-2016)
Program logistica portugal (19 04-2016)
 
O Parque das Nações - a Grande Atracção Turística
O Parque das Nações - a Grande Atracção TurísticaO Parque das Nações - a Grande Atracção Turística
O Parque das Nações - a Grande Atracção Turística
 
Sines é muito mais do que um terminal de contentores
Sines é muito mais do que um terminal de contentoresSines é muito mais do que um terminal de contentores
Sines é muito mais do que um terminal de contentores
 
Seminário "Partilha de Experiências entre a AESM e os Agentes Portuários Naci...
Seminário "Partilha de Experiências entre a AESM e os Agentes Portuários Naci...Seminário "Partilha de Experiências entre a AESM e os Agentes Portuários Naci...
Seminário "Partilha de Experiências entre a AESM e os Agentes Portuários Naci...
 
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º AnoAs redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
 
Revista APS N.º 62 – Junho 2014
Revista APS N.º 62 – Junho 2014Revista APS N.º 62 – Junho 2014
Revista APS N.º 62 – Junho 2014
 
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
Autoestradas do Mar - Mobilidade e Comunicação 2
 
Apresentacao padrao v53(câmara)an
Apresentacao padrao v53(câmara)anApresentacao padrao v53(câmara)an
Apresentacao padrao v53(câmara)an
 
Estudo Sobre Vila Olimpia Como Polo Gerador De TráFego
Estudo Sobre Vila Olimpia Como Polo Gerador De TráFegoEstudo Sobre Vila Olimpia Como Polo Gerador De TráFego
Estudo Sobre Vila Olimpia Como Polo Gerador De TráFego
 
Carta Nautica julho 2019
Carta Nautica julho 2019Carta Nautica julho 2019
Carta Nautica julho 2019
 
Revista APS N.º 80 – Dezembro 2020
Revista APS N.º 80 – Dezembro 2020Revista APS N.º 80 – Dezembro 2020
Revista APS N.º 80 – Dezembro 2020
 

Mais de Bruno Pereira Marques

Mestgt
MestgtMestgt
M mpes-territ stratplan-bmpmarques
M mpes-territ stratplan-bmpmarquesM mpes-territ stratplan-bmpmarques
M mpes-territ stratplan-bmpmarques
Bruno Pereira Marques
 
Reab habit pt
Reab habit ptReab habit pt
Reab habit pt
Bruno Pereira Marques
 
Final iniciativas locais_desenvolvimento
Final iniciativas locais_desenvolvimentoFinal iniciativas locais_desenvolvimento
Final iniciativas locais_desenvolvimento
Bruno Pereira Marques
 
Encontros interdisciplinares da fcsh geopolitica do petroleo
Encontros interdisciplinares da fcsh geopolitica do petroleoEncontros interdisciplinares da fcsh geopolitica do petroleo
Encontros interdisciplinares da fcsh geopolitica do petroleo
Bruno Pereira Marques
 
Amelat bm pereira_marques
Amelat bm pereira_marquesAmelat bm pereira_marques
Amelat bm pereira_marques
Bruno Pereira Marques
 

Mais de Bruno Pereira Marques (6)

Mestgt
MestgtMestgt
Mestgt
 
M mpes-territ stratplan-bmpmarques
M mpes-territ stratplan-bmpmarquesM mpes-territ stratplan-bmpmarques
M mpes-territ stratplan-bmpmarques
 
Reab habit pt
Reab habit ptReab habit pt
Reab habit pt
 
Final iniciativas locais_desenvolvimento
Final iniciativas locais_desenvolvimentoFinal iniciativas locais_desenvolvimento
Final iniciativas locais_desenvolvimento
 
Encontros interdisciplinares da fcsh geopolitica do petroleo
Encontros interdisciplinares da fcsh geopolitica do petroleoEncontros interdisciplinares da fcsh geopolitica do petroleo
Encontros interdisciplinares da fcsh geopolitica do petroleo
 
Amelat bm pereira_marques
Amelat bm pereira_marquesAmelat bm pereira_marques
Amelat bm pereira_marques
 

Último

Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 

Último (20)

Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 

Cm palmela congresso_iscsp

  • 1. CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA Gabinete de Desenvolvimento Estratégico IV Congresso Internacional sobre Ordenamento do Território: Infra-Estruturas e Desenvolvimento Regional Instituto Superior de Ciências e Políticas da UTL Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27 de Novembro de 2009 O IMPACTO DOS GRANDES PROJECTOS ESTRUTURANTES NO CONCELHO DE PALMELA AO NÍVEL DO ORDENAMENTO E DO DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL Bruno Pereira Marques | Geógrafo | bmarques@cm-palmela.pt Ana Filipa Coelho | Arquitecta | acoelho@cm-palmela.pt Carla Piteira | Arquitecta | cpiteira@cm-palmela.pt
  • 2. ENQUADRAMENTO TERRITORIAL Concelho de Palmela: - um dos 18 municípios da AML, sendo o maior em dimensão com 462,8 km2 (0,5% do território nacional, 15,7% da AML e 29,6% da Península de Setúbal); ÁREA METROPOLITANA - um dos 9 concelhos da sub- DE LISBOA região (NUT III) da Península de Setúbal, onde ocupa uma posição central; PALMELA - Limites: N-Benavente, NE-parte nascente do município de Montijo, PENÍNSULA DE SETÚBAL E-Vendas Novas, SE-Alcácer do Sal, S-Setúbal, O-Barreiro e a NO- Moita, parte poente do Montijo e Alcochete. C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
  • 3. POPULAÇÃO E ECONOMIA População: 2001: 53353 habitantes (Censos); 2008: 62820 habitantes (Estimativas); ∆ 2001-2008: 17,7%; Freguesias (2001): - Pinhal Novo (20993 h.); - Palmela (16116 h.); - Qta. do Anjo (8354 h.); - Poceirão (4304 h.); - Marateca (3586 h.). Economia: - Importância da Indústria, nomeadamente Automóvel, com destaque para a AutoEuropa e parque industrial associado (~2% do PIB e ~10% das Exportações); - Alguma importância dos sectores económicos tradicionais/rurais: vinho (Moscatel), queijo de ovelha (Azeitão), fruta (Maça Riscadinha), doçaria, etc. C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
  • 4. FREGUESIAS – PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS O Concelho encontra-se dividido em cinco freguesias, com as seguintes características - Palmela: sede do concelho, centro histórico alicerçado no Castelo (antiga sede da Ordem Militar de Santiago em Portugal); - Pinhal Novo: principal aglomerado urbano do concelho, crescimento ligado ao caminho-de-ferro; - Quinta do Anjo: área de produção pecuária/leiteira e vitivinícola, principais áreas industriais do concelho (i.e. AutoEuropa), existência de Áreas Urbanas de Génese Ilegal (AUGI); - Poceirão e Marateca: freguesias rurais com baixa densidade demográfica, importância do montado de sobro e da vitivinicultura, surgimento de alguma edificação dispersa e clandestina. C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
  • 5. QUATRO GRANDES PROJECTOS ESTRUTURANTES Concelho estará no centro dos grandes projectos 1. Terceira Travessia do Tejo 2. Rede de Alta Velocidade estruturantes: 3. Novo Aeroporto de Lisboa 4. Plataforma Logística e Multimodal - Plataforma Logística e do Poçeirão Multimodal do Poceirão (PLMP); - Rede Ferroviária de Alta Velocidade (RAVE) entre 3 Lisboa-Madrid; 1 - Novo Aeroporto de Lisboa 2 (NAL) no Campo de Tiro de 4 Alcochete (CTA); - Terceira Travessia do Tejo (TTT) entre Chelas-Barreiro. C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
  • 6. PLATAFORMA LOGÍSTICA DO POCEIRÃO Características: - 600 ha (262 na primeira fase); - intermodalidade - rodoviário, ferroviário (RAVE e rede convencional), marítimo (Portos de Lisboa, Setúbal e Sines) e ligação ao Shuttle do NAL; - incompatibilidade com o uso de solo definido no PDM em vigor, levou a classificação como PIN e implementação de Medidas Preventivas; -constituída por naves ou lotes, para aluguer ou venda; - várias tipologias de espaços: Área de Logística de Distribuição, Agrupamento e Transformação, Área de Logística e Exposição, Centro de Apoio ao Transporte Rodoviário, Área Logística Multifuncional, Área Intermodal, Centro de Serviços Integrados, Área Comercial e Outras Infra-estruturas; C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
  • 7. PLATAFORMA LOGÍSTICA DO POCEIRÃO - possibilidade da criação de cerca de 10800 empregos directos; - reforço e desenvolvimento das ligações rodoviárias: • Ponte 25 de Abril / A2 e Ponte Vasco da Gama / A12 que garantem as ligações a Lisboa, ao seu porto, ao actual aeroporto e ao MARL; • A12 no acesso a Setúbal e respectivo porto marítimo; • A2 para o acesso ao Sul e Porto de Sines; • A2 / A6 nas ligações ao interior de Portugal e a Espanha; • IC32 permite ligações de pontos diversos do Concelho à rede de Auto-Estradas • importância da construção de uma variante ao Pinhal Novo. C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
  • 8. REDE DE ALTA VELOCIDADE FERROVIÁRIA Características: - Permite reduzir tempo de ligação Lisboa-Madrid para 2h45m; - Bitola Europeia facilita a ligação directa ao resto da Europa; - Estação da PLMP permite o transporte de passageiros e de mercadorias, bem como a intermodalidade entre o Shuttle do NAL, os transportes rodoviário, ferroviário (RAVE [bitola europeia] e rede convencional [bitola ibérica]) e marítimo, o que neste último ponto reforça a competitividades dos Portos de Lisboa, Setúbal e Sines no contexto peninsular; C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
  • 9. REDE DE ALTA VELOCIDADE FERROVIÁRIA - calendarização da execução prevê a concretização numa 1.ª fase do troço Poceirão-Caia, funcionando então, pelo menos temporariamente, o interface da PLMP como a estação de “entrada” em Lisboa, nomeadamente enquanto não for concluída a TTT e a respectiva ligação à Estação do Oriente, em Lisboa; - estimativa de cerca de 9,3 milhões de passageiros/ano em 2033; - estimativa de transporte de cerca de 1,5 milhões de toneladas em 2020, das quais cerca de 1 milhão de toneladas em alta velocidade; - Ponto positivo: transferência de passageiros e de mercadorias do modo rodoviário e, em menor escala, do modo aéreo, para o modo ferroviário – maior eficiência energética (?); - Ponto negativo: efeito-barreira provoca ruptura de sistemas ambientais e sociais, com relevo para alguns troços da rede viária, não obstante a C.M. de Palmela tem procurado que a RAVE construa alternativas ou pontos de passagem e as mais-valias do ponto de vista socioeconómico a nível nacional, regional e até local são francamente superiores . C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
  • 10. NOVO AEROPORTO DE LISBOA NO CTA Características: - o CTA é uma instalação da Força Aérea Portuguesa, com cerca de 7450 ha, destinada ao treino militar; - encontra-se dividido entre o Concelho de Benavente (freg. de Samora Correia) e o concelho do Montijo (freg. de Canha). Apesar de o CTA não abranger terrenos pertencentes ao concelho de Palmela existem medidas preventivas em vigor para o território municipal; - conceito de “cidade-aeroportuária”. Se entendermos este conceito como sendo uma infra-estrutura polinucleada e interligada, que pode aproveitar a rede urbana já existente no território, existe a expectativa de que o aglomerado urbano do Pinhal Novo possa ser um dos pólos dessa “cidade”; C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
  • 11. NOVO AEROPORTO DE LISBOA NO CTA - Estimativas : 19 milhões de passageiros/ano e 134000 toneladas de carga em 2017 e 43 milhões de passageiros/ano e 405000 toneladas de carga em 2050, bem como 29300 postos de trabalho em 2030 e de 50100 em 2050; - Pontos positivos: • aumento das oportunidades de desenvolvimento, nomeadamente ao nível da geração de emprego; • oportunidade para promover o crescimento do perímetro urbano no Pinhal Novo, considerando a localização estratégica supracitada; • possibilidades de desenvolvimento turístico, nomeadamente para os empreendimentos de maior dimensão e qualidade, em Rio Frio e Zambujal; • em termos de acessibilidades, o acesso ao NAL será garantido por novas infra-estruturas rodo-ferroviárias a criar; - Pontos negativos: aumento do ruído provocado pelos aviões, nomeadamente na área norte do concelho mais próxima do aeroporto, e o acréscimo do tráfego rodoviário. C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
  • 12. 3.A TRAVESSIA DO TEJO – CHELAS-BARREIRO Características: - ponte rodo-ferroviária entre Lisboa (Chelas, na margem direita do Tejo) e o Barreiro (na margem esquerda); - componente ferroviária compatibiliza a rede convencional (de bitola ibérica) e a rede de alta velocidade (de bitola europeia); - principais efeitos desta infra-estrutura deverão sentir-se na área central do Arco Ribeirinho Sul (Barreiro e Moita), não obstante, toda a Península de Setúbal, onde se inclui naturalmente Palmela e os projectos da PLMF e do NAL, deverão conhecer importantes melhorias ao nível da acessibilidade. C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
  • 13. IMPACTOS EXPECTÁVEIS NO OT E NO DR De entre os impactos expectáveis para o Concelho de Palmela ao nível do Ordenamento e do Desenvolvimento Territorial, podemos apresentar os seguintes aspectos positivos: - ao nível do emprego, prevê-se que vários milhares de postos de trabalho possam ser criados no Concelho; - da criação de uma dinâmica demográfica positiva (por via migratória), ligada ao aumento da oferta de emprego e à melhoria das acessibilidades; - aumentem as áreas urbanizadas, nomeadamente habitacionais, designadamente no Pinhal Novo; - a implementação destes projectos na margem sul permitirá “recentrar” a Península de Setúbal, e o concelho de Palmela, no contexto da AML, concretizando a ideia da “cidade de duas margens” presente na actual revisão do PROT-AML; - a simultaneidade temporal e espacial da execução deste projectos, tem a vantagem de permitir um processo de planeamento mais integrado, nomeadamente em sede das presentes revisões do PROT-AML e do PDM de Palmela. C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
  • 14. IMPACTOS EXPECTÁVEIS NO OT E NO DR Projecção Demográfica realizada no âmbito da revisão do PDM de Palmela A perspectiva de que ocorra um   2001 2005 2010 2015 2020 crescimento populacional significativo C. Natural 53353 54512 55527 55728 55537 pode ser comprovada, por exemplo, pela C. Migrat. I A 53353 58923 64521 69754 74833 C. Migrat. I B 53353 59532 65763 71685 77483 comparação entre as projecções C. Migrat. II 53353 60787 68337 75691 82949 demográficas, para o concelho de Palmela, C. Migrat. III 53353 61205 69193 77022 84816 realizadas no âmbito da revisão do PROT- C. Migrat. IV 53353 62042 70905 79654 88287 AML e as projecções calculadas pelo Projecção Demográfica, para o concelho de Palmela, Gabinete de Desenvolvimento Estratégico da realizada no âmbito da revisão do PROT-AML CMP. Neste sentido, os cenários médios,   2001 2006 2011 2016 2021 Cenário I 53353 58864 64298 69524 74384 mais prováveis, são bastante coincidentes Cenário II 53353 61463 70143 79279 89521 e apontam para que o município, em 2020, Cenário III 53353 66340 81600 99489 119745 possa ter entre cerca de 85000 e 90000 habitantes. C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
  • 15. IMPACTOS EXPECTÁVEIS NO OT E NO DR No que diz respeito aos aspectos negativos: - ao nível do ruído, o NAL e, em menor grau, a RAVE e a PLMP, bem como o aumento generalizado do tráfego rodoviário; - os projectos em análise são importantes “consumidores” de território e de solo; - a RAVE cria um efeito-barreira que provoca algumas rupturas ao nível dos sistemas sociais e ambientais. No caso dos sistemas sociais tem especial relevo a perturbação de algumas actividades agrícolas e o cruzamento da rede viária existente, que será minorado com a construção de algumas passagens; - o aumento da pressão urbanística, nomeadamente em termos habitacionais, poderá acarretar problemas a nível dos perímetros urbanos existentes, bem como conduzir ao aumento das áreas com uma ocupação dispersa e clandestina; - a infra-estruturação urbana, ao nível do abastecimento de água e do saneamento básico, e o alargamento das redes de equipamentos colectivos provocam uma subcarga adicional dos orçamentos municipais. C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09
  • 16. IMPACTOS EXPECTÁVEIS NO OT E NO DR Em resumo podemos dizer que são extremamente positivas as expectativas resultantes da concretização dos projectos que foram explanados ao longo da presente comunicação. De facto, malgrado a presente situação económica, tanto a nível nacional como internacional , e alguns aspectos negativos previstos e apresentados, a materialização destas iniciativas representa a alavancagem de processos de crescimento e desenvolvimento económico muito importantes, tanto a nível local, do concelho de Palmela, como regional, da Península de Setúbal e da AML, e nacional. Não obstante apenas dentro de 10 ou 15 anos estaremos então em condições de analisar os reais impactos dos projectos em análise… C.M. de Palmela – GDE: Bruno P. Marques | Ana F. Coelho | Carla Piteira ISCSP – Alto da Ajuda – Lisboa – 25, 26 e 27/11/09