SlideShare uma empresa Scribd logo
PROJETOS E PRÁTICAS
EDUCACIONAIS 2
ALUNOS
Alan Roberto Mello da Silva
Amanda Pereira da Silva Costa
Juliana Batista de Queiroz
Maria de Jesus Souza Pinho
Raul Flávio Ferreira Lobato
PROFESSORA
Fernanda Correia
<data/hora> <rodapé> 2
ANÁLISE INTRODUTÓRIA
 O Presente trabalho foi elaborado a partir de
uma curadoria digital a ser realizada na
Disciplina Projetos e Práticas Educacionais II
 O objetivo desta curadoria digital foi de fazer o
levantamento de materiais que tratassem de
Espaços de Memórias, Patrimônio e Territórios
visando a promoção da Educação Integral,
cidadã que valorize a cultura brasileira e
fomente o sentido de pertencimento.
<data/hora> <rodapé> 3
 O que é Educação Integral?
 A Educação Integral é uma concepção que
compreende que a educação deve garantir o
desenvolvimento dos sujeitos em todas as
suas dimensões – intelectual, física, emocional,
social e cultural e se constituir como projeto
coletivo, compartilhado por crianças, jovens,
famílias, educadores, gestores e comunidades
locais.
<data/hora> <rodapé> 4
EDUCAÇÃO INTEGRAL
 A Educação Integral:
 é uma proposta contemporânea porque, alinhada as demandas do século XXI, tem como foco a formação de sujeitos críticos, autônomos e responsáveis consigo mesmos e com o mundo;
 é inclusiva porque reconhece a singularidade dos sujeitos, suas múltiplas identidades e se sustenta na construção da pertinência do projeto educativo para todos e todas;
 é uma proposta alinhada com a noção de sustentabilidade porque se compromete com processos educativos contextualizados e com a interação permanente entre o que se aprende e o que se pratica;
 promove a equidade ao reconhecer o direito de todos e todas de aprender e acessar oportunidades educativas diferenciadas e diversificadas a partir da interação com múltiplas linguagens, recursos, espaços, saberes e agentes,
condição fundamental para o enfrentamento das desigualdades educacionais
<data/hora> <rodapé> 5
ESPAÇOS DE MEMÓRIA
 Os “lugares de memória” também educam!
 A expressão “lugares de memória” foi cunhada por
Pierre Nora (1993) e englobam socialmente os
museus, escolas, universidades, sindicatos,
fundações culturais, ruínas, conjuntos arquitetônicos,
agremiações, clubes, arquivos, centros de
documentação, dentre outros. Esses são produzidos
pelas diferentes sociedades através do tempo para
guardar a história a ser contada.
<data/hora> <rodapé> 6
ESPAÇOS DE MEMÓRIA
Para Nora (id) os “lugares de memória” são os lugares onde se ancora a nossa
memória coletiva. É neles que se entrelaçam memórias individuais e coletivas,
que se materializam as memórias de camadas populares ou elites. Eles podem
ser materiais ou
não materiais, como o sabor da comida, os ritmos musicais, os valores
religiosos etc.
Concluindo, os “lugares de memória” nos dão a possibilidade de reconstruir o
passado, relembrá-lo, logo lembrar ou esquecer o que determinados grupos
sociais desejam e querem ensinar. Sendo assim, por excelência os “lugares de
memória” são espaços educativos não formais que permitem “guardar” o
passado (id), ressignificar a história, construir a memória e fortalecer valores,
práticas sociais e culturais, logo identidades culturais por extensão
<data/hora> <rodapé> 7
EDUCAÇÃO PATRIMONIAL
 Educação Patrimonial constitui-se de todos os processos educativos formais e não formais que têm como
foco o Patrimônio Cultural, apropriado socialmente como recurso para a compreensão sócio-histórica das
referências culturais em todas as suas manifestações, a fim de colaborar para seu reconhecimento, sua
valorização e preservação. Considera ainda que os processos educativos devem primar pela construção
coletiva e democrática do conhecimento, por meio do diálogo permanente entre os agentes culturais e
sociais e pela participação efetiva das comunidades detentoras e produtoras das referências culturais,
onde convivem diversas noções de Patrimônio Cultural.
<data/hora> <rodapé> 8
EDUCAÇÃO PATRIMONIAL
 Esse é um dos desafios do conceito de
educação patrimonial, um instrumento e uma
metodologia de conhecimento da cultura, que
incentiva a leitura do mundo que nos cerca, de
nossas relações com nosso ambiente. Ou
como define a publicação “Educação
Patrimonial: Histórico, conceitos e processos”,
do IPHAN
<data/hora> <rodapé> 9
TERRITÓRIOS DE
APRENDIZAGEM
Entre as diversas mudanças necessárias, que incluem a diversificação do
currículo, a incorporação de novos agentes educativos e a ampliação e
qualificação do tempo escolar, destaca-se a utilização do território como espaço
de aprendizagem. Mas, afinal, por que utilizar o território como espaço de
aprendizagem? Por que educar no território? Que aprendizagens se constroem
a partir dessa estratégia?
Um dos objetivos é que os estudantes conheçam o lugar em que vivem. Como
é o bairro, que pessoas moram ali, que formas de expressão cultural os
moradores utilizam, que histórias são contadas (e que histórias não são).
Conhecer o lugar em que vivem é fundamental para que os sujeitos se
entendam e a suas próprias histórias, ajudando-os a construir sua identidade.
<data/hora> <rodapé> 10
TERRITÓRIOS DE
APRENDIZAGEM
Além disso, sair do território próximo e circular por outros lugares da cidade
permite que os estudantes tenham contato com outras culturas e experiências.
Circular pela cidade e ver outras formas de organização do espaço, outras
manifestações culturais, outra oferta de serviços públicos na cidade auxilia na
compreensão da diversidade e das desigualdades que caracterizam nossa
sociedade.
Estamos falando então que não apenas os museus, teatros ou outros espaços
culturais são importantes, mas também o espaço urbano, as lojas, os
shoppings, os estádios, os restaurantes, enfim, todos os lugares onde as
pessoas transitam, trabalham, se encontram, se desencontram e se divertem
propiciam oportunidades de aprendizagens e ampliação do repertório cultural
das pessoas.
<data/hora> <rodapé> 11
TERRITÓRIOS DE
APRENDIZAGEM
Chamamos educação integral os processos formativos que buscam o
desenvolvimento dos indivíduos em suas múltiplas dimensões – física,
intelectual, social, afetiva e simbólica. Isso significa que na educação integral,
além do desenvolvimento cognitivo privilegiado no modelo educacional
tradicional, a educação passa a se ocupar também das demais dimensões do
desenvolvimento humano.
Mas, para que tais processos se efetivem, algumas mudanças precisam ocorrer
na forma de organização da escola, a fim de promover situações de
aprendizagem que permitam aos estudantes seu pleno desenvolvimento.
PROJETOS E PRÁTICAS
EDUCACIONAIS 2
OBRIGADO!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a slides.ppe2

Os lugares de memória: para além das políticas públicas de preservação do pat...
Os lugares de memória: para além das políticas públicas de preservação do pat...Os lugares de memória: para além das políticas públicas de preservação do pat...
Os lugares de memória: para além das políticas públicas de preservação do pat...
Ivanilda Junqueira
 
[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
Andréia De Bernardi
 
Jornada de gestão cultural - Minom
Jornada de gestão cultural - MinomJornada de gestão cultural - Minom
Jornada de gestão cultural - Minom
Cultura e Mercado
 
Kelly ppt liberdade de expressao e diversidade cultural
Kelly ppt liberdade de expressao e diversidade culturalKelly ppt liberdade de expressao e diversidade cultural
Kelly ppt liberdade de expressao e diversidade cultural
Kelly Castro
 
Material --educao-para-o-patrimnio
Material --educao-para-o-patrimnioMaterial --educao-para-o-patrimnio
Material --educao-para-o-patrimnio
Lourdes Alves Leite
 
Apresentacao da curadoria_digital_-_projetos_e_praticas_ii
Apresentacao da curadoria_digital_-_projetos_e_praticas_iiApresentacao da curadoria_digital_-_projetos_e_praticas_ii
Apresentacao da curadoria_digital_-_projetos_e_praticas_ii
Dirce Cristiane Camilotti
 
Projeto educação patrimonial espno pps
Projeto educação patrimonial espno ppsProjeto educação patrimonial espno pps
Projeto educação patrimonial espno pps
MARCIA GOMES FREIRE
 
Anais 20o. ANPAP. 2012
Anais 20o. ANPAP. 2012Anais 20o. ANPAP. 2012
Anais 20o. ANPAP. 2012
Alice Fonseca
 
A diversidade cultural e o ensino inter 3° per
A diversidade cultural e o ensino  inter 3° perA diversidade cultural e o ensino  inter 3° per
A diversidade cultural e o ensino inter 3° per
Claudia Martins
 
Ação Cultural em bibliotecas públicas e escolares - Prof. Maria Helena T.C. ...
Ação Cultural em bibliotecas públicas e escolares - Prof. Maria Helena T.C. ...Ação Cultural em bibliotecas públicas e escolares - Prof. Maria Helena T.C. ...
Ação Cultural em bibliotecas públicas e escolares - Prof. Maria Helena T.C. ...
Regina Fazioli
 
Situando o uso da mídia em contextos educacionais
Situando o uso da mídia em contextos educacionaisSituando o uso da mídia em contextos educacionais
Situando o uso da mídia em contextos educacionais
SergioMarcos
 
Projetos e Práticas educacionais II
Projetos e Práticas educacionais IIProjetos e Práticas educacionais II
Projetos e Práticas educacionais II
Uesliane Mara Santos
 
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
ivanizehonorato
 
SLIDES CURRÍCULO CFH CONCEPÇÕES EIXOS AVALIAÇÃO.pptx
SLIDES CURRÍCULO CFH CONCEPÇÕES EIXOS AVALIAÇÃO.pptxSLIDES CURRÍCULO CFH CONCEPÇÕES EIXOS AVALIAÇÃO.pptx
SLIDES CURRÍCULO CFH CONCEPÇÕES EIXOS AVALIAÇÃO.pptx
FlviaMonteiro33
 
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURALPROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
Aline Martendal
 
BNCC Linguagens e suas Tecnologias.pdf
BNCC Linguagens e suas Tecnologias.pdfBNCC Linguagens e suas Tecnologias.pdf
BNCC Linguagens e suas Tecnologias.pdf
Nágela Mila De Mesquita Melo
 
Manifestacoes ludicas de lazer e a escola
Manifestacoes ludicas de lazer e a escolaManifestacoes ludicas de lazer e a escola
Manifestacoes ludicas de lazer e a escola
Robson Godeguezi
 
Manifestacoes ludicas de lazer e a escola
Manifestacoes ludicas de lazer e a escolaManifestacoes ludicas de lazer e a escola
Manifestacoes ludicas de lazer e a escola
Robson Godeguezi
 
Etapa2 1 situando_uso_midias_beth
Etapa2 1 situando_uso_midias_bethEtapa2 1 situando_uso_midias_beth
Etapa2 1 situando_uso_midias_beth
Alda Guedes
 
Direitos de aprendizagem fundamentos legais
Direitos de aprendizagem fundamentos legaisDireitos de aprendizagem fundamentos legais
Direitos de aprendizagem fundamentos legais
Daniela Menezes
 

Semelhante a slides.ppe2 (20)

Os lugares de memória: para além das políticas públicas de preservação do pat...
Os lugares de memória: para além das políticas públicas de preservação do pat...Os lugares de memória: para além das políticas públicas de preservação do pat...
Os lugares de memória: para além das políticas públicas de preservação do pat...
 
[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
 
Jornada de gestão cultural - Minom
Jornada de gestão cultural - MinomJornada de gestão cultural - Minom
Jornada de gestão cultural - Minom
 
Kelly ppt liberdade de expressao e diversidade cultural
Kelly ppt liberdade de expressao e diversidade culturalKelly ppt liberdade de expressao e diversidade cultural
Kelly ppt liberdade de expressao e diversidade cultural
 
Material --educao-para-o-patrimnio
Material --educao-para-o-patrimnioMaterial --educao-para-o-patrimnio
Material --educao-para-o-patrimnio
 
Apresentacao da curadoria_digital_-_projetos_e_praticas_ii
Apresentacao da curadoria_digital_-_projetos_e_praticas_iiApresentacao da curadoria_digital_-_projetos_e_praticas_ii
Apresentacao da curadoria_digital_-_projetos_e_praticas_ii
 
Projeto educação patrimonial espno pps
Projeto educação patrimonial espno ppsProjeto educação patrimonial espno pps
Projeto educação patrimonial espno pps
 
Anais 20o. ANPAP. 2012
Anais 20o. ANPAP. 2012Anais 20o. ANPAP. 2012
Anais 20o. ANPAP. 2012
 
A diversidade cultural e o ensino inter 3° per
A diversidade cultural e o ensino  inter 3° perA diversidade cultural e o ensino  inter 3° per
A diversidade cultural e o ensino inter 3° per
 
Ação Cultural em bibliotecas públicas e escolares - Prof. Maria Helena T.C. ...
Ação Cultural em bibliotecas públicas e escolares - Prof. Maria Helena T.C. ...Ação Cultural em bibliotecas públicas e escolares - Prof. Maria Helena T.C. ...
Ação Cultural em bibliotecas públicas e escolares - Prof. Maria Helena T.C. ...
 
Situando o uso da mídia em contextos educacionais
Situando o uso da mídia em contextos educacionaisSituando o uso da mídia em contextos educacionais
Situando o uso da mídia em contextos educacionais
 
Projetos e Práticas educacionais II
Projetos e Práticas educacionais IIProjetos e Práticas educacionais II
Projetos e Práticas educacionais II
 
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
 
SLIDES CURRÍCULO CFH CONCEPÇÕES EIXOS AVALIAÇÃO.pptx
SLIDES CURRÍCULO CFH CONCEPÇÕES EIXOS AVALIAÇÃO.pptxSLIDES CURRÍCULO CFH CONCEPÇÕES EIXOS AVALIAÇÃO.pptx
SLIDES CURRÍCULO CFH CONCEPÇÕES EIXOS AVALIAÇÃO.pptx
 
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURALPROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
PROJETO EDUCAÇÃO: DIVERSIDADE CULTURAL
 
BNCC Linguagens e suas Tecnologias.pdf
BNCC Linguagens e suas Tecnologias.pdfBNCC Linguagens e suas Tecnologias.pdf
BNCC Linguagens e suas Tecnologias.pdf
 
Manifestacoes ludicas de lazer e a escola
Manifestacoes ludicas de lazer e a escolaManifestacoes ludicas de lazer e a escola
Manifestacoes ludicas de lazer e a escola
 
Manifestacoes ludicas de lazer e a escola
Manifestacoes ludicas de lazer e a escolaManifestacoes ludicas de lazer e a escola
Manifestacoes ludicas de lazer e a escola
 
Etapa2 1 situando_uso_midias_beth
Etapa2 1 situando_uso_midias_bethEtapa2 1 situando_uso_midias_beth
Etapa2 1 situando_uso_midias_beth
 
Direitos de aprendizagem fundamentos legais
Direitos de aprendizagem fundamentos legaisDireitos de aprendizagem fundamentos legais
Direitos de aprendizagem fundamentos legais
 

Último

Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 

Último (20)

Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 

slides.ppe2

  • 1. PROJETOS E PRÁTICAS EDUCACIONAIS 2 ALUNOS Alan Roberto Mello da Silva Amanda Pereira da Silva Costa Juliana Batista de Queiroz Maria de Jesus Souza Pinho Raul Flávio Ferreira Lobato PROFESSORA Fernanda Correia
  • 2. <data/hora> <rodapé> 2 ANÁLISE INTRODUTÓRIA  O Presente trabalho foi elaborado a partir de uma curadoria digital a ser realizada na Disciplina Projetos e Práticas Educacionais II  O objetivo desta curadoria digital foi de fazer o levantamento de materiais que tratassem de Espaços de Memórias, Patrimônio e Territórios visando a promoção da Educação Integral, cidadã que valorize a cultura brasileira e fomente o sentido de pertencimento.
  • 3. <data/hora> <rodapé> 3  O que é Educação Integral?  A Educação Integral é uma concepção que compreende que a educação deve garantir o desenvolvimento dos sujeitos em todas as suas dimensões – intelectual, física, emocional, social e cultural e se constituir como projeto coletivo, compartilhado por crianças, jovens, famílias, educadores, gestores e comunidades locais.
  • 4. <data/hora> <rodapé> 4 EDUCAÇÃO INTEGRAL  A Educação Integral:  é uma proposta contemporânea porque, alinhada as demandas do século XXI, tem como foco a formação de sujeitos críticos, autônomos e responsáveis consigo mesmos e com o mundo;  é inclusiva porque reconhece a singularidade dos sujeitos, suas múltiplas identidades e se sustenta na construção da pertinência do projeto educativo para todos e todas;  é uma proposta alinhada com a noção de sustentabilidade porque se compromete com processos educativos contextualizados e com a interação permanente entre o que se aprende e o que se pratica;  promove a equidade ao reconhecer o direito de todos e todas de aprender e acessar oportunidades educativas diferenciadas e diversificadas a partir da interação com múltiplas linguagens, recursos, espaços, saberes e agentes, condição fundamental para o enfrentamento das desigualdades educacionais
  • 5. <data/hora> <rodapé> 5 ESPAÇOS DE MEMÓRIA  Os “lugares de memória” também educam!  A expressão “lugares de memória” foi cunhada por Pierre Nora (1993) e englobam socialmente os museus, escolas, universidades, sindicatos, fundações culturais, ruínas, conjuntos arquitetônicos, agremiações, clubes, arquivos, centros de documentação, dentre outros. Esses são produzidos pelas diferentes sociedades através do tempo para guardar a história a ser contada.
  • 6. <data/hora> <rodapé> 6 ESPAÇOS DE MEMÓRIA Para Nora (id) os “lugares de memória” são os lugares onde se ancora a nossa memória coletiva. É neles que se entrelaçam memórias individuais e coletivas, que se materializam as memórias de camadas populares ou elites. Eles podem ser materiais ou não materiais, como o sabor da comida, os ritmos musicais, os valores religiosos etc. Concluindo, os “lugares de memória” nos dão a possibilidade de reconstruir o passado, relembrá-lo, logo lembrar ou esquecer o que determinados grupos sociais desejam e querem ensinar. Sendo assim, por excelência os “lugares de memória” são espaços educativos não formais que permitem “guardar” o passado (id), ressignificar a história, construir a memória e fortalecer valores, práticas sociais e culturais, logo identidades culturais por extensão
  • 7. <data/hora> <rodapé> 7 EDUCAÇÃO PATRIMONIAL  Educação Patrimonial constitui-se de todos os processos educativos formais e não formais que têm como foco o Patrimônio Cultural, apropriado socialmente como recurso para a compreensão sócio-histórica das referências culturais em todas as suas manifestações, a fim de colaborar para seu reconhecimento, sua valorização e preservação. Considera ainda que os processos educativos devem primar pela construção coletiva e democrática do conhecimento, por meio do diálogo permanente entre os agentes culturais e sociais e pela participação efetiva das comunidades detentoras e produtoras das referências culturais, onde convivem diversas noções de Patrimônio Cultural.
  • 8. <data/hora> <rodapé> 8 EDUCAÇÃO PATRIMONIAL  Esse é um dos desafios do conceito de educação patrimonial, um instrumento e uma metodologia de conhecimento da cultura, que incentiva a leitura do mundo que nos cerca, de nossas relações com nosso ambiente. Ou como define a publicação “Educação Patrimonial: Histórico, conceitos e processos”, do IPHAN
  • 9. <data/hora> <rodapé> 9 TERRITÓRIOS DE APRENDIZAGEM Entre as diversas mudanças necessárias, que incluem a diversificação do currículo, a incorporação de novos agentes educativos e a ampliação e qualificação do tempo escolar, destaca-se a utilização do território como espaço de aprendizagem. Mas, afinal, por que utilizar o território como espaço de aprendizagem? Por que educar no território? Que aprendizagens se constroem a partir dessa estratégia? Um dos objetivos é que os estudantes conheçam o lugar em que vivem. Como é o bairro, que pessoas moram ali, que formas de expressão cultural os moradores utilizam, que histórias são contadas (e que histórias não são). Conhecer o lugar em que vivem é fundamental para que os sujeitos se entendam e a suas próprias histórias, ajudando-os a construir sua identidade.
  • 10. <data/hora> <rodapé> 10 TERRITÓRIOS DE APRENDIZAGEM Além disso, sair do território próximo e circular por outros lugares da cidade permite que os estudantes tenham contato com outras culturas e experiências. Circular pela cidade e ver outras formas de organização do espaço, outras manifestações culturais, outra oferta de serviços públicos na cidade auxilia na compreensão da diversidade e das desigualdades que caracterizam nossa sociedade. Estamos falando então que não apenas os museus, teatros ou outros espaços culturais são importantes, mas também o espaço urbano, as lojas, os shoppings, os estádios, os restaurantes, enfim, todos os lugares onde as pessoas transitam, trabalham, se encontram, se desencontram e se divertem propiciam oportunidades de aprendizagens e ampliação do repertório cultural das pessoas.
  • 11. <data/hora> <rodapé> 11 TERRITÓRIOS DE APRENDIZAGEM Chamamos educação integral os processos formativos que buscam o desenvolvimento dos indivíduos em suas múltiplas dimensões – física, intelectual, social, afetiva e simbólica. Isso significa que na educação integral, além do desenvolvimento cognitivo privilegiado no modelo educacional tradicional, a educação passa a se ocupar também das demais dimensões do desenvolvimento humano. Mas, para que tais processos se efetivem, algumas mudanças precisam ocorrer na forma de organização da escola, a fim de promover situações de aprendizagem que permitam aos estudantes seu pleno desenvolvimento.