SlideShare uma empresa Scribd logo
CURSO PROFISSIONAL DE MECATRÓNICA
Ano Letivo 2015-2016
Disciplina Área de Integração
Nome: Bruno Rafael
Nº do processo: 21173
Cidadania
Europeia
União
Europeia
A História da União EuropeiaA História da União Europeia
•O Porquê de uma Comunidade Europeia;O Porquê de uma Comunidade Europeia;
•Tratados da UE e medidas tomadas;Tratados da UE e medidas tomadas;
•Alargamentos.Alargamentos.
O Porquê de umaO Porquê de uma
Comunidade EuropeiaComunidade Europeia
Os principais motivos que levaram à formação da UE
foram os seguintes:
•A paz e a segurança entre os países que fazemA paz e a segurança entre os países que fazem
parte desta integração económica;parte desta integração económica;
•Uma maior solidariedade social e cooperaçãoUma maior solidariedade social e cooperação
economicamente entre os países;economicamente entre os países;
•Maiores possibilidades de crescimento económico;Maiores possibilidades de crescimento económico;
•Criação de um grande mercado, o que provocaCriação de um grande mercado, o que provoca
aumento da produção e do emprego.aumento da produção e do emprego.
1º Alargamento1º Alargamento
Irlanda, Reino Unido
e Dinamarca
aderiram à CEE em
1973, constituindo a
Europa dos 9
Irlanda
Reino UnidoDinamarca
Antes da CEEAntes da CEE
BeneluxBenelux
Benelux foi uma das
primeiras organizações
económicas da Europa,
que gerou o embrião do
que seria mais tarde a
União Europeia. Começou
como a área de livre
comércio entre Bélgica,
Países Baixos e Luxemburgo
OECEOECE
Depois da Segunda Guerra
Mundial, os Estados Unidos
da América ajudaram
economicamente a Europa
através do Plano Marshall. Foi
então criada ,por 16 países
europeus associados aos EUA
e Canadá, a OECE
(Organização Europeia de
Cooperação Económica),
que teve uma dupla
importância: administrou a
ajuda americana, e lançou
os primeiros indícios de
como era viável e vantajosa
uma integração europeia.
CECACECA
A CECA, fundada pela
França, Alemanha e
Itália no Tratado de
Paris de 1951, tinha
como objetivo a
integração das
indústrias do carvão e
do aço dos países
europeus ocidentais e
é também a primeira
vez que havia
transferência dos
direitos de soberania
de alguns estados para
uma instituição
europeia.
Tratado de RomaTratado de Roma – fundação da– fundação da
Comunidade Económica Europeia (CEE)Comunidade Económica Europeia (CEE)
Em 1957, foi assinado o Tratado de
Roma que institui a CEE
(Comunidade Económica Europeia)
e a Euratom (Comunidade Europeia
da Energia Atómica) por França,
Itália, Luxemburgo, Bélgica, Holanda
e Alemanha Ocidental.
A CEE tinha como principais
objetivos a criação de uma união
aduaneira, um mercado comum e a
adoção de politicas comuns.
Robert Schuman e
Jean Monnet
Assinatura do Tratado
de Roma
Os países que fundaram a
CEE: França, Alemanha,
Itália, Holanda, Bélgica e
Luxemburgo
Países Fundadores da CEEPaíses Fundadores da CEE
França
Luxemburgo
Itália
Alemanha
Holanda
Bélgica
Década de 70 e AtoDécada de 70 e Ato
Único EuropeuÚnico Europeu
Na década de 70, a Europa passou por uma crise. Esta
teve como origem razões como a crise petrolífera, o
aumento da concorrência mundial, nomeadamente do
Sudeste Asiático, e a pouca flexibilidade do mercado de
trabalho. Mais uma vez, a Integração surge como
resposta à crise na Europa.
Em 1986, é assinado o Ato Único Europeu, tendo em
vista o reforço da integração económica e politica dos
países da Europa.
Ato Único Europeu -Ato Único Europeu -
ObjetivosObjetivos
 Abolição de todas as barreiras físicas,
técnicas e fiscais;
 Reforço da cooperação económica e
social;
 Reforço da investigação e
desenvolvimento;
 Harmonização de regras em vários
setores;
 Criação do Conselho Europeu e reforço
dos poderes do Parlamento Europeu;
 Proteção do ambiente.
2º e 3º Alargamento2º e 3º Alargamento
A adesão da Grécia deu-
se em 1981, formando a
Europa dos 10.
Portugal e Espanha
aderiram em 1986,
formando a Europa dos 12.
Portugal
Espanha
Grécia
Portugal na UEPortugal na UE
•Portugal já assumiu a presidência da
União Europeia, e voltará a assumir no
2º semestre de 2007
• O atual presidente da Comissão
Europeia é o ex-Primeiro Ministro
português Durão Barroso
•Portugal é representado no Parlamento
Europeu por 24 euro deputados.
As principais vantagens de
Portugal em pertencer à UE
são as ajudas monetárias
dos programas comunitários
europeus, como por exemplo
em áreas como a agricultura
(FEOGA).
Tratado de Maastrichts
Em 1992 é assinado o Tratado de
Maastricht, também conhecido
como Tratado da União
Europeia (TUE), assinado na
cidade holandesa que lhe deu
o nome. Foi o tratado que
instituiu a União Europeia.
Em 1995, Finlândia,
Áustria e Suécia aderem à
UE, formando-se assim a
Europa dos 15.
4º Alargamento4º Alargamento
Finlândia
Áustria
Suécia
Este tratado, pela primeira vez, ultrapassa
o objetivo económico inicial da
Comunidade de constituir um mercado
comum e vai mais longe, com a criação de
uma união política e social e consagra
oficialmente o nome de “União Europeia”
que a partir daí substituirá o de
Comunidade Europeia.
O Tratado de Maastricht tem dois
objetivos principais:
•A criação de uma UniãoA criação de uma União
Económica e MonetáriaEconómica e Monetária
•Criação de uma União PolíticaCriação de uma União Política
Tratado de Maastricht - Objetivos
União Económica e MonetáriaUnião Económica e Monetária
Com o Tratado de Maastricht,
surge também a moeda única. O
Euro foi um dos maiores e mais
difíceis passos dados pela União
Europeia com vista à integração
Europeia. Com ele, pretendeu-se
a abolição de todas as
fronteiras monetárias da UE,
com a substituição de todas as
moedas oficiais da União
Europeia por uma moeda
única.
As vantagens do Euro são:
•A diminuição dos custos nas transacções com os países da zona euro;
•Uma maior transparência de preços, porque como todos os bens estão
marcados em euros, isso provoca um incremento na concorrência do
mercado único;
•As viagens a outros países da União tornam-se mais fáceis e mais
baratas porque não é necessário fazer câmbios;
•Pode-se comparar melhor os preços dos mesmos produtos nos
diferentes países, porque estão todos marcados em EUROS;
•Maior estabilidade dos preços;
•A promoção da integração económica que torna as finanças europeias
mais eficientes;
•Torna a Europa mais competitiva no comércio internacional;
•Facilita o comércio e, portanto, contribui para o desenvolvimento de
todas as actividades e para a criação de emprego;
•Torna a economia de cada país mais estável.
O Euro – Vantagens eO Euro – Vantagens e
DesvantagensDesvantagens
O Euro – Vantagens eO Euro – Vantagens e
DesvantagensDesvantagens
Os inconvenientes desta transição já estão
maioritariamente ultrapassados. Foram a
adaptação à nova moeda e a perda de
autonomia no controlo das taxas de
cambio para o banco central europeu.
O Euro teve três fases:
•A primeira (1990-1994), foi o lançamento da UEM. Esta fase
caracterizou-se pela adopção de legislação e reformas com o
objectivo da livre circulação de bens, e harmonização do desempenho
económico dos Estados-Membros candidatos ao euro;
•A segunda (1994-1998), caracterizou-se pela criação do Instituto
Monetário Europeu (IEM) composto pelos Governadores dos Bancos
Centrais da União Europeia, preparação da criação do Banco Central
Europeu (BCE) e os Bancos Centrais Nacionais. No ano de 1998 foram
definidos os países aptos a passar à terceira fase da UEM, ou seja, os
que tinham cumprido os critérios de convergência estabelecidos no
Tratado de Maastricht;
•A terceira e última, iniciada a 1 de Janeiro de 1999, marcou a entrada
em funcionamento da UEM. Foram afixadas as taxas de conversão
das moedas nacionais ao Euro. A 1 de Janeiro de 2002 entrou em
circulação o Euro nos países aderentes.
O Euro – FasesO Euro – Fases
União PolíticaUnião Política
Na vertente da União Política,
estabeleceram-se os seguintes objetivos:
 Criação de uma Política Externa e de
Segurança Comum (PESC);
 Reforço de cooperação nos domínios da
Justiça e Assuntos Internos;
 Construção de uma Europa social;
 Novos campos de ação comunitária (fundos
comunitários)
 Reforço da legitimidade democrática.
 Instauração de uma cidadania Europeia;Instauração de uma cidadania Europeia;
Em 2004 dá-se a maior adesão
de sempre à UE: Estónia,
Eslováquia, Rep. Checa, Polónia,
Chipre, Letónia, Malta, Hungria,
Lituânia e Eslovénia, formando a
Europa dos 25.
5º Alargamento5º Alargamento
República checa
Polónia
Malta
Estónia
Eslováquia
LetóniaLituânia
Chipre
Hungria
Eslovénia
6º Alargamento6º Alargamento
Em 2007, a Roménia
e a Bulgária aderem
à União Europeia,
formando a Europa
dos 27
Roménia
Bulgária
7º Alargamento7º Alargamento
Em 2013, a Ucrânia
adere à União
Europeia, formando
a Europa dos 28
Ucrânia
O alargamento da União Europeia tem diversas vantagens para
esta:
•Aumento do número de consumidores, formando um mercado
único ainda maior, tornando-se um dos maiores do mundo;
•Reforço do crescimento económico e da criação de novos
empregos;
•Melhoria da qualidade de vida dos cidadãos, pois há uma maior
organização e esforço na defesa do ambiente, luta contra o crime
internacional, tráfico de droga e imigração ilegal;
•Reforço da UE no plano internacional, pois representará mais
países e mais cidadãos no contexto mundial;
•Reforço da paz, segurança, estabilidade e da prosperidade da
Europa;
•Reforço das novas democracias resultantes da sua descolagem do
bloco de Leste.
Existe, contudo, também um conjunto de desvantagens
trazidas pelo alargamento:
•Aumento das disparidades económico-sociais entre as regiões da
União Europeia.
•Dificuldade de reajustamento de:
-As políticas da União e reformas das instituições da União
– com o alargamento, as politicas e as instituições europeias
têm que se reajustar aos novos países, como o feito em 2001
com o Tratado de Nice.
-Os fundos estruturais da União – com a adesão de novos
países, têm que se fazer reajustamentos aos fundos estruturais.
O Alargamento da União EuropeiaO Alargamento da União Europeia
Cidadania europeia.
Cidadania EuropeiaCidadania Europeia
A Cidadania é o “vínculo jurídico entre o indivíduo e o respectivo
Estado, traduz-se num conjunto de direitos e deveres” (in Cidadania
Europeia, de Centro de Informação Europeia Jacques Delors)
O conceito de Cidadania Europeia surgiu com o Tratado de Maastricht em
1992 e, tal como o nome transmite, esta estabelece uma interligação
entre a União Europeia e os cidadãos dos seus países, e confere aos
cidadãos europeus direitos e deveres.
Com este passo, a Europa passa então de uma Europa de negócios a
uma Europa dos cidadãos, uma Europa Social, e que procura transmitir
o sentimento de pertença a uma entidade supranacional.
“É instituída a cidadania da União. É cidadão da União qualquer
pessoa que tenha a nacionalidade de um Estado-Membro. A
cidadania da União é complementar da cidadania nacional e não a
substitui.” (in Art.º17 Tratado UE)
Direitos dos CidadãosDireitos dos Cidadãos
EuropeusEuropeus
Os direitos dos cidadãos da União Europeia mais
importantes são:
•Livre circulação de pessoas;
•Capacidade eleitoral;
•Direito à protecção diplomática
•Direito de petição;
•Acesso ao Provedor de justiça;
•Direito à transparência;
•Protecção dos dados;
•Direito dos consumidores;
Livre circulação de pessoas noLivre circulação de pessoas no
Espaço EuropeuEspaço Europeu
•Liberdade de entrada, circulação e residência em
qualquer país da UE, sem necessidade de visto;
•Liberdade de trabalhar em qualquer país da UE nas
mesmas condições do que os nacionais desse
Estado;
•Liberdade de residência para qualquer outro fim que
não o trabalho;
•Liberdade de votar e ser eleito nas eleições
municipais e europeias no país da UE da sua
residência.
Livre circulação de pessoas noLivre circulação de pessoas no
Espaço EuropeuEspaço Europeu
O primeiro direito
reconhecido ao cidadão
europeu é o de circular e
de permanecer
livremente no território
dos Estados-Membros.
O cidadão europeu tem
assim os seguintes
direitos:
Capacidade EleitoralCapacidade Eleitoral
Todo o cidadão europeu tem o direito de voto e
de ser eleito nas eleições autárquicas e europeias
no Estado-membro de residência. Os cidadãos
estrangeiros têm o mesmo direito que os cidadãos
nacionais nestas duas eleições.
Assim, um cidadão europeu pode-se candidatar a
uma Câmara Municipal de outro país que não o seu
de origem, desde que seja recenseado nessa
mesma Câmara Municipal. Um cidadão Europeu
pode-se também candidatar ao Parlamento Europeu
quer pelo seu país de origem quer pelo seu país de
residência.
Direito à protecção diplomáticaDireito à protecção diplomática
Um dos direitos de um cidadão europeu num país terceiro à
União é de, caso o seu país de origem não tenha representação
diplomática, ser representado por outro país da UE.
Esta situação pode surgir com a necessidade de
protecção consular, e assim caso não haja uma embaixada ou
consulado do seu país, o cidadão europeu pode-se dirigir à de
qualquer outro país da UE.
O tipo de assistência que se pode obter é
de, por exemplo, a assistência em caso de:
•Morte, doença ou acidente grave;
•Prisão ou detenção;
•Vitima de actos violência;
•Repatriação, se necessário, como por
exemplo em caso de desastre natural.
Direito de Petição aoDireito de Petição ao
Parlamento EuropeuParlamento Europeu
O Direito de Petição constitui um elo de ligação
entre os representantes e os cidadãos de cada
Estado-membro. Podem apresentar petições ao
Parlamento Europeu qualquer cidadão ou
residente na UE, e sociedades, organizações ou
associações.
Os assuntos que podem ser objeto de petição são:
•A livre circulação de pessoas, mercadorias;
•Não descriminação em razão de nacionalidade;
•Igualdade de tratamento entre homens e mulheres;
•Harmonização fiscal;
•Direito à educação, à formação e saúde;
•Proteção do ambiente.
Acesso ao Provedor de JustiçaAcesso ao Provedor de Justiça
P. Nikiforos
Diamandouros,
actual
Provedor de
Justiça Europeu
Direito à transparênciaDireito à transparência
O direito à transparência traduz-se pelo
acesso aos documentos do Parlamento,
Concelho e Comissão Europeia por todos
os cidadãos e associações residentes ou
com sede na União Europeia, salvo
algumas excepções como a violação da
vida privada, o interesse público e
interesses comerciais, entre outros.
Protecção dos dadosProtecção dos dados
O Cidadão tem direito a:
•Ser informado, no momento em que os seus
dados são recolhidos, tendo acesso à identidade
e contacto do responsável;
•Exigir a clarificação de todas as condições de
utilização posterior dos dados;
•Exigir que o seu nome e endereço sejam
eliminados dos ficheiros utilizados pelo
marketing/mailing direto;
•Ter acesso às informações sobre si registadas.
Direito dos consumidores
Existem vários direitos que o cidadão europeu tem relacionado com o
consumo. São eles:
Direito à reparação de danos
Os compradores de bens ou serviços devem
estar protegidos contra os abusos de poder do
vendedor.
O consumidor deve poder beneficiar, em
relação aos bens de consumo duradouros, de
um serviço pós-venda de qualidade.
A gama de mercadorias colocadas à disposição
dos consumidores deve possibilitar uma
escolha razoável, e não monopolística;
Direito dos consumidores
Direito à protecção da saúde e
segurança:
Quando utilizados em condições
normais, os bens e serviços não
deverão ser perigosos.
Em caso de perigo, deverão ser
retirados do mercado mediante
processos rápidos e simples
O consumidor deverá estar
protegido face a danos causados
por produtos e/ou serviços
defeituosos.
Existem vários direitos que o cidadão europeu tem relacionado com o
consumo. São eles:
Direito dos consumidores
Existem vários direitos que o cidadão europeu tem relacionado com o
consumo. São eles:
Direito à representação
Os consumidores devem ser
associados ao processo de
tomada de decisões, em
particular, através das suas
associações, como a defesas
dos consumidores.
Direito dos consumidores
Existem vários direitos que o cidadão europeu tem relacionado com o
consumo. São eles:
Direito à informação e à educação
Os consumidores devem ser
capazes de efetuar escolhas
adequadas e conscientes, pelo que
têm direito à informação relevante.
Um exemplo é a informação dada
nas caixas dos cigarros.
Os Deveres dos Cidadãos
Europeus
O cidadão europeu tem, além destes direitos
todos, deveres para com a União Europeia. Todos
eles derivam de um principal: o dever da
participação. São eles:
Os Deveres dos Cidadãos
Europeus
Assumir a identidade europeia: O cidadão tem o dever
de conhecer a História da Europa, assumir-se como
Europeu e defender a Europa;
•Aplicar na prática os valores europeus: Partilhar,
Trabalhar e o Dever Democrático;
•Reclamar o Direito à justiça: o cidadão deve contribuir
para construir uma ordem mundial mais justa;
Assim, constituem a base dos deveres dos cidadãos
europeus o Conhecimento, a Responsabilização e a
Participação. Este é o contributo que cada cidadão pode
e deve dar para a construção de uma Cidadania
Europeia.
A União Europeia constitui-se hoje numa grande
potência económica e líder mundial na ajuda ao
desenvolvimento. O número dos seus Estados-
Membros passou de seis para nove, de nove para
dez, de dez para doze, de doze para quinze,
de quinze para vinte e cinco, de vinte e cinco
para vinte e sete e de vinte e sete para vinte e oito,
está prevista a adesão a mais países…
Conclusão
FIM!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As instituições da união europeia
As instituições da união europeiaAs instituições da união europeia
As instituições da união europeia
João Couto
 
Cidadania da União Europeia
Cidadania da União EuropeiaCidadania da União Europeia
Cidadania da União Europeia
Júlia Carolina Miranda
 
União Europeia
União EuropeiaUnião Europeia
União Europeia
Tiago Teixeira
 
A integração de portugal na união europeia
A integração de portugal na união europeiaA integração de portugal na união europeia
A integração de portugal na união europeia
Gabriel Cristiano
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
Ilda Bicacro
 
UNIÃO EUROPEIA - Trabalho da turma do 5ºB
UNIÃO EUROPEIA - Trabalho da turma do 5ºBUNIÃO EUROPEIA - Trabalho da turma do 5ºB
UNIÃO EUROPEIA - Trabalho da turma do 5ºB
omundonumsolugar
 
A união europeia
A união europeiaA união europeia
A união europeia
sr adil
 
Resumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - GeografiaResumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - Geografia
Ana Delgado
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
Teresa Furtado Coelho
 
Uniao europeia
Uniao europeiaUniao europeia
Uniao europeia
Sara Patinha
 
Construção da União Europeia 12º ano
Construção da União Europeia 12º anoConstrução da União Europeia 12º ano
Construção da União Europeia 12º ano
Daniela Azevedo
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º Ano
Hneves
 
Construcao da uniao_europeia
Construcao da uniao_europeiaConstrucao da uniao_europeia
Construcao da uniao_europeia
Jorge Pereira
 
A cidadania europeia
A cidadania europeiaA cidadania europeia
A cidadania europeia
Daniela Sequeira
 
Apresentação | Portugal na União Europeia
Apresentação | Portugal na União EuropeiaApresentação | Portugal na União Europeia
Apresentação | Portugal na União Europeia
Centro Jacques Delors
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
Pocarolas
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
Turismo Esdas
 
O Papel das Organizações Internacionais
O Papel das Organizações InternacionaisO Papel das Organizações Internacionais
O Papel das Organizações Internacionais
Jorge Barbosa
 
Power point a união europeia passo a passo
Power point a  união europeia passo a passoPower point a  união europeia passo a passo
Power point a união europeia passo a passo
geostuart7
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
Francisco Oliveira
 

Mais procurados (20)

As instituições da união europeia
As instituições da união europeiaAs instituições da união europeia
As instituições da união europeia
 
Cidadania da União Europeia
Cidadania da União EuropeiaCidadania da União Europeia
Cidadania da União Europeia
 
União Europeia
União EuropeiaUnião Europeia
União Europeia
 
A integração de portugal na união europeia
A integração de portugal na união europeiaA integração de portugal na união europeia
A integração de portugal na união europeia
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
 
UNIÃO EUROPEIA - Trabalho da turma do 5ºB
UNIÃO EUROPEIA - Trabalho da turma do 5ºBUNIÃO EUROPEIA - Trabalho da turma do 5ºB
UNIÃO EUROPEIA - Trabalho da turma do 5ºB
 
A união europeia
A união europeiaA união europeia
A união europeia
 
Resumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - GeografiaResumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - Geografia
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
 
Uniao europeia
Uniao europeiaUniao europeia
Uniao europeia
 
Construção da União Europeia 12º ano
Construção da União Europeia 12º anoConstrução da União Europeia 12º ano
Construção da União Europeia 12º ano
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º Ano
 
Construcao da uniao_europeia
Construcao da uniao_europeiaConstrucao da uniao_europeia
Construcao da uniao_europeia
 
A cidadania europeia
A cidadania europeiaA cidadania europeia
A cidadania europeia
 
Apresentação | Portugal na União Europeia
Apresentação | Portugal na União EuropeiaApresentação | Portugal na União Europeia
Apresentação | Portugal na União Europeia
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
 
O Papel das Organizações Internacionais
O Papel das Organizações InternacionaisO Papel das Organizações Internacionais
O Papel das Organizações Internacionais
 
Power point a união europeia passo a passo
Power point a  união europeia passo a passoPower point a  união europeia passo a passo
Power point a união europeia passo a passo
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
 

Destaque

Cidadania Europeia
Cidadania EuropeiaCidadania Europeia
Cidadania Europeia
carlaafaria
 
A cidadania europeia
A cidadania europeiaA cidadania europeia
A cidadania europeia
Adriana Duarte
 
Cidadania Europeia
Cidadania EuropeiaCidadania Europeia
Cidadania Europeia
Tony Abreu
 
União Europeia
União EuropeiaUnião Europeia
União Europeia
Jorge Pereira
 
Os Direitos e Deveres
Os Direitos e DeveresOs Direitos e Deveres
Os Direitos e Deveres
Luisa Lamas
 
Direitos e deveres
Direitos e deveresDireitos e deveres
Direitos e deveres
figo
 
Evolução territorial da europa
Evolução territorial da europaEvolução territorial da europa
Evolução territorial da europa
Abner de Paula
 
Cidadania Europeia e Clube Europeu
Cidadania Europeia e Clube EuropeuCidadania Europeia e Clube Europeu
Cidadania Europeia e Clube Europeu
Joao35
 
Criação da CEE
Criação da CEECriação da CEE
Criação da CEE
João Lima
 
Europa
EuropaEuropa
Area de integraçao modulo 4
Area de integraçao modulo 4Area de integraçao modulo 4
Area de integraçao modulo 4
Rubenterencio
 
União Europeia
União EuropeiaUnião Europeia
União Europeia
Turismo Esdas
 
Apresentação sobre o provedor de justiça
Apresentação sobre o provedor de justiçaApresentação sobre o provedor de justiça
Apresentação sobre o provedor de justiça
James Xavier
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
pdforti
 
Prémios Nobel da PAz
Prémios Nobel da PAzPrémios Nobel da PAz
Prémios Nobel da PAz
bibliotecalvarogomes
 
Power point espaço europeu
Power point espaço europeuPower point espaço europeu
Power point espaço europeu
mariasilva3851
 
Economia
EconomiaEconomia
Economia
jojochacha
 
Luis de sttau monteiro – vida e obra
Luis de sttau monteiro – vida e obraLuis de sttau monteiro – vida e obra
Luis de sttau monteiro – vida e obra
Maria Batista
 
União Europeia
União EuropeiaUnião Europeia
União Europeia
Paulinha Barbosa
 
Trabalho de Geografia A, As Regiões Portuguesas e a Política Regional da U.E...
Trabalho de Geografia A,  As Regiões Portuguesas e a Política Regional da U.E...Trabalho de Geografia A,  As Regiões Portuguesas e a Política Regional da U.E...
Trabalho de Geografia A, As Regiões Portuguesas e a Política Regional da U.E...
MadalenaRui
 

Destaque (20)

Cidadania Europeia
Cidadania EuropeiaCidadania Europeia
Cidadania Europeia
 
A cidadania europeia
A cidadania europeiaA cidadania europeia
A cidadania europeia
 
Cidadania Europeia
Cidadania EuropeiaCidadania Europeia
Cidadania Europeia
 
União Europeia
União EuropeiaUnião Europeia
União Europeia
 
Os Direitos e Deveres
Os Direitos e DeveresOs Direitos e Deveres
Os Direitos e Deveres
 
Direitos e deveres
Direitos e deveresDireitos e deveres
Direitos e deveres
 
Evolução territorial da europa
Evolução territorial da europaEvolução territorial da europa
Evolução territorial da europa
 
Cidadania Europeia e Clube Europeu
Cidadania Europeia e Clube EuropeuCidadania Europeia e Clube Europeu
Cidadania Europeia e Clube Europeu
 
Criação da CEE
Criação da CEECriação da CEE
Criação da CEE
 
Europa
EuropaEuropa
Europa
 
Area de integraçao modulo 4
Area de integraçao modulo 4Area de integraçao modulo 4
Area de integraçao modulo 4
 
União Europeia
União EuropeiaUnião Europeia
União Europeia
 
Apresentação sobre o provedor de justiça
Apresentação sobre o provedor de justiçaApresentação sobre o provedor de justiça
Apresentação sobre o provedor de justiça
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
 
Prémios Nobel da PAz
Prémios Nobel da PAzPrémios Nobel da PAz
Prémios Nobel da PAz
 
Power point espaço europeu
Power point espaço europeuPower point espaço europeu
Power point espaço europeu
 
Economia
EconomiaEconomia
Economia
 
Luis de sttau monteiro – vida e obra
Luis de sttau monteiro – vida e obraLuis de sttau monteiro – vida e obra
Luis de sttau monteiro – vida e obra
 
União Europeia
União EuropeiaUnião Europeia
União Europeia
 
Trabalho de Geografia A, As Regiões Portuguesas e a Política Regional da U.E...
Trabalho de Geografia A,  As Regiões Portuguesas e a Política Regional da U.E...Trabalho de Geografia A,  As Regiões Portuguesas e a Política Regional da U.E...
Trabalho de Geografia A, As Regiões Portuguesas e a Política Regional da U.E...
 

Semelhante a Cidadania europeia.

Cidadania europeia.ppt; size
Cidadania europeia.ppt; sizeCidadania europeia.ppt; size
Cidadania europeia.ppt; size
jose oliveira
 
Cidadania europeia
Cidadania europeiaCidadania europeia
Economia
EconomiaEconomia
Economia
Ciornei Cezar
 
Economia
EconomiaEconomia
Economia
Ciornei Cezar
 
Powerpoint Economia Tema 12 Completo 11B
Powerpoint Economia Tema 12 Completo 11BPowerpoint Economia Tema 12 Completo 11B
Powerpoint Economia Tema 12 Completo 11B
AdamIssa11
 
O processo de construção da ue
O processo de construção da ueO processo de construção da ue
O processo de construção da ue
Rita Sousa
 
Consolidacao_eu.pptx
Consolidacao_eu.pptxConsolidacao_eu.pptx
Consolidacao_eu.pptx
Pedro Silva
 
Europa
EuropaEuropa
Trabalhouniao Europeia
Trabalhouniao EuropeiaTrabalhouniao Europeia
Trabalhouniao Europeia
Maria Filomena
 
1 enquadramento histórico alargamento_desafios e oportunidades
1 enquadramento histórico  alargamento_desafios e oportunidades1 enquadramento histórico  alargamento_desafios e oportunidades
1 enquadramento histórico alargamento_desafios e oportunidades
Ministério da Educação
 
Ue
UeUe
Areafirmaoda europa[1]
Areafirmaoda europa[1]Areafirmaoda europa[1]
Areafirmaoda europa[1]
borgesnuria
 
UniãO EuropéIa 2010
UniãO  EuropéIa  2010UniãO  EuropéIa  2010
UniãO EuropéIa 2010
alfredo1ssa
 
União EuropéIa 2010
União  EuropéIa  2010União  EuropéIa  2010
União EuropéIa 2010
alfredo1ssa
 
União EuropéIa 2010
União  EuropéIa  2010União  EuropéIa  2010
União EuropéIa 2010
alfredo1ssa
 
UniãO EuropéIa 2010
UniãO  EuropéIa  2010UniãO  EuropéIa  2010
UniãO EuropéIa 2010
guest3f4c03
 
UniãO EuropéIa
UniãO EuropéIaUniãO EuropéIa
UniãO EuropéIa
guest2dbb57
 
Privest - Europa III - 3º Ano EM
Privest - Europa III - 3º Ano EMPrivest - Europa III - 3º Ano EM
Privest - Europa III - 3º Ano EM
profrodrigoribeiro
 
Slides dip
Slides dipSlides dip
Slides dip
Hermencondelaque
 
Casa Comum Europa
Casa Comum EuropaCasa Comum Europa
Casa Comum Europa
Helena
 

Semelhante a Cidadania europeia. (20)

Cidadania europeia.ppt; size
Cidadania europeia.ppt; sizeCidadania europeia.ppt; size
Cidadania europeia.ppt; size
 
Cidadania europeia
Cidadania europeiaCidadania europeia
Cidadania europeia
 
Economia
EconomiaEconomia
Economia
 
Economia
EconomiaEconomia
Economia
 
Powerpoint Economia Tema 12 Completo 11B
Powerpoint Economia Tema 12 Completo 11BPowerpoint Economia Tema 12 Completo 11B
Powerpoint Economia Tema 12 Completo 11B
 
O processo de construção da ue
O processo de construção da ueO processo de construção da ue
O processo de construção da ue
 
Consolidacao_eu.pptx
Consolidacao_eu.pptxConsolidacao_eu.pptx
Consolidacao_eu.pptx
 
Europa
EuropaEuropa
Europa
 
Trabalhouniao Europeia
Trabalhouniao EuropeiaTrabalhouniao Europeia
Trabalhouniao Europeia
 
1 enquadramento histórico alargamento_desafios e oportunidades
1 enquadramento histórico  alargamento_desafios e oportunidades1 enquadramento histórico  alargamento_desafios e oportunidades
1 enquadramento histórico alargamento_desafios e oportunidades
 
Ue
UeUe
Ue
 
Areafirmaoda europa[1]
Areafirmaoda europa[1]Areafirmaoda europa[1]
Areafirmaoda europa[1]
 
UniãO EuropéIa 2010
UniãO  EuropéIa  2010UniãO  EuropéIa  2010
UniãO EuropéIa 2010
 
União EuropéIa 2010
União  EuropéIa  2010União  EuropéIa  2010
União EuropéIa 2010
 
União EuropéIa 2010
União  EuropéIa  2010União  EuropéIa  2010
União EuropéIa 2010
 
UniãO EuropéIa 2010
UniãO  EuropéIa  2010UniãO  EuropéIa  2010
UniãO EuropéIa 2010
 
UniãO EuropéIa
UniãO EuropéIaUniãO EuropéIa
UniãO EuropéIa
 
Privest - Europa III - 3º Ano EM
Privest - Europa III - 3º Ano EMPrivest - Europa III - 3º Ano EM
Privest - Europa III - 3º Ano EM
 
Slides dip
Slides dipSlides dip
Slides dip
 
Casa Comum Europa
Casa Comum EuropaCasa Comum Europa
Casa Comum Europa
 

Último

A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 

Cidadania europeia.

  • 1. CURSO PROFISSIONAL DE MECATRÓNICA Ano Letivo 2015-2016 Disciplina Área de Integração Nome: Bruno Rafael Nº do processo: 21173
  • 3. A História da União EuropeiaA História da União Europeia •O Porquê de uma Comunidade Europeia;O Porquê de uma Comunidade Europeia; •Tratados da UE e medidas tomadas;Tratados da UE e medidas tomadas; •Alargamentos.Alargamentos.
  • 4. O Porquê de umaO Porquê de uma Comunidade EuropeiaComunidade Europeia Os principais motivos que levaram à formação da UE foram os seguintes: •A paz e a segurança entre os países que fazemA paz e a segurança entre os países que fazem parte desta integração económica;parte desta integração económica; •Uma maior solidariedade social e cooperaçãoUma maior solidariedade social e cooperação economicamente entre os países;economicamente entre os países; •Maiores possibilidades de crescimento económico;Maiores possibilidades de crescimento económico; •Criação de um grande mercado, o que provocaCriação de um grande mercado, o que provoca aumento da produção e do emprego.aumento da produção e do emprego.
  • 5. 1º Alargamento1º Alargamento Irlanda, Reino Unido e Dinamarca aderiram à CEE em 1973, constituindo a Europa dos 9 Irlanda Reino UnidoDinamarca
  • 6. Antes da CEEAntes da CEE BeneluxBenelux Benelux foi uma das primeiras organizações económicas da Europa, que gerou o embrião do que seria mais tarde a União Europeia. Começou como a área de livre comércio entre Bélgica, Países Baixos e Luxemburgo OECEOECE Depois da Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos da América ajudaram economicamente a Europa através do Plano Marshall. Foi então criada ,por 16 países europeus associados aos EUA e Canadá, a OECE (Organização Europeia de Cooperação Económica), que teve uma dupla importância: administrou a ajuda americana, e lançou os primeiros indícios de como era viável e vantajosa uma integração europeia. CECACECA A CECA, fundada pela França, Alemanha e Itália no Tratado de Paris de 1951, tinha como objetivo a integração das indústrias do carvão e do aço dos países europeus ocidentais e é também a primeira vez que havia transferência dos direitos de soberania de alguns estados para uma instituição europeia.
  • 7. Tratado de RomaTratado de Roma – fundação da– fundação da Comunidade Económica Europeia (CEE)Comunidade Económica Europeia (CEE) Em 1957, foi assinado o Tratado de Roma que institui a CEE (Comunidade Económica Europeia) e a Euratom (Comunidade Europeia da Energia Atómica) por França, Itália, Luxemburgo, Bélgica, Holanda e Alemanha Ocidental. A CEE tinha como principais objetivos a criação de uma união aduaneira, um mercado comum e a adoção de politicas comuns. Robert Schuman e Jean Monnet Assinatura do Tratado de Roma
  • 8. Os países que fundaram a CEE: França, Alemanha, Itália, Holanda, Bélgica e Luxemburgo Países Fundadores da CEEPaíses Fundadores da CEE França Luxemburgo Itália Alemanha Holanda Bélgica
  • 9. Década de 70 e AtoDécada de 70 e Ato Único EuropeuÚnico Europeu Na década de 70, a Europa passou por uma crise. Esta teve como origem razões como a crise petrolífera, o aumento da concorrência mundial, nomeadamente do Sudeste Asiático, e a pouca flexibilidade do mercado de trabalho. Mais uma vez, a Integração surge como resposta à crise na Europa. Em 1986, é assinado o Ato Único Europeu, tendo em vista o reforço da integração económica e politica dos países da Europa.
  • 10. Ato Único Europeu -Ato Único Europeu - ObjetivosObjetivos  Abolição de todas as barreiras físicas, técnicas e fiscais;  Reforço da cooperação económica e social;  Reforço da investigação e desenvolvimento;  Harmonização de regras em vários setores;  Criação do Conselho Europeu e reforço dos poderes do Parlamento Europeu;  Proteção do ambiente.
  • 11. 2º e 3º Alargamento2º e 3º Alargamento A adesão da Grécia deu- se em 1981, formando a Europa dos 10. Portugal e Espanha aderiram em 1986, formando a Europa dos 12. Portugal Espanha Grécia
  • 12. Portugal na UEPortugal na UE •Portugal já assumiu a presidência da União Europeia, e voltará a assumir no 2º semestre de 2007 • O atual presidente da Comissão Europeia é o ex-Primeiro Ministro português Durão Barroso •Portugal é representado no Parlamento Europeu por 24 euro deputados. As principais vantagens de Portugal em pertencer à UE são as ajudas monetárias dos programas comunitários europeus, como por exemplo em áreas como a agricultura (FEOGA).
  • 13. Tratado de Maastrichts Em 1992 é assinado o Tratado de Maastricht, também conhecido como Tratado da União Europeia (TUE), assinado na cidade holandesa que lhe deu o nome. Foi o tratado que instituiu a União Europeia.
  • 14. Em 1995, Finlândia, Áustria e Suécia aderem à UE, formando-se assim a Europa dos 15. 4º Alargamento4º Alargamento Finlândia Áustria Suécia
  • 15. Este tratado, pela primeira vez, ultrapassa o objetivo económico inicial da Comunidade de constituir um mercado comum e vai mais longe, com a criação de uma união política e social e consagra oficialmente o nome de “União Europeia” que a partir daí substituirá o de Comunidade Europeia. O Tratado de Maastricht tem dois objetivos principais: •A criação de uma UniãoA criação de uma União Económica e MonetáriaEconómica e Monetária •Criação de uma União PolíticaCriação de uma União Política Tratado de Maastricht - Objetivos
  • 16. União Económica e MonetáriaUnião Económica e Monetária Com o Tratado de Maastricht, surge também a moeda única. O Euro foi um dos maiores e mais difíceis passos dados pela União Europeia com vista à integração Europeia. Com ele, pretendeu-se a abolição de todas as fronteiras monetárias da UE, com a substituição de todas as moedas oficiais da União Europeia por uma moeda única.
  • 17. As vantagens do Euro são: •A diminuição dos custos nas transacções com os países da zona euro; •Uma maior transparência de preços, porque como todos os bens estão marcados em euros, isso provoca um incremento na concorrência do mercado único; •As viagens a outros países da União tornam-se mais fáceis e mais baratas porque não é necessário fazer câmbios; •Pode-se comparar melhor os preços dos mesmos produtos nos diferentes países, porque estão todos marcados em EUROS; •Maior estabilidade dos preços; •A promoção da integração económica que torna as finanças europeias mais eficientes; •Torna a Europa mais competitiva no comércio internacional; •Facilita o comércio e, portanto, contribui para o desenvolvimento de todas as actividades e para a criação de emprego; •Torna a economia de cada país mais estável. O Euro – Vantagens eO Euro – Vantagens e DesvantagensDesvantagens
  • 18. O Euro – Vantagens eO Euro – Vantagens e DesvantagensDesvantagens Os inconvenientes desta transição já estão maioritariamente ultrapassados. Foram a adaptação à nova moeda e a perda de autonomia no controlo das taxas de cambio para o banco central europeu.
  • 19. O Euro teve três fases: •A primeira (1990-1994), foi o lançamento da UEM. Esta fase caracterizou-se pela adopção de legislação e reformas com o objectivo da livre circulação de bens, e harmonização do desempenho económico dos Estados-Membros candidatos ao euro; •A segunda (1994-1998), caracterizou-se pela criação do Instituto Monetário Europeu (IEM) composto pelos Governadores dos Bancos Centrais da União Europeia, preparação da criação do Banco Central Europeu (BCE) e os Bancos Centrais Nacionais. No ano de 1998 foram definidos os países aptos a passar à terceira fase da UEM, ou seja, os que tinham cumprido os critérios de convergência estabelecidos no Tratado de Maastricht; •A terceira e última, iniciada a 1 de Janeiro de 1999, marcou a entrada em funcionamento da UEM. Foram afixadas as taxas de conversão das moedas nacionais ao Euro. A 1 de Janeiro de 2002 entrou em circulação o Euro nos países aderentes. O Euro – FasesO Euro – Fases
  • 20. União PolíticaUnião Política Na vertente da União Política, estabeleceram-se os seguintes objetivos:  Criação de uma Política Externa e de Segurança Comum (PESC);  Reforço de cooperação nos domínios da Justiça e Assuntos Internos;  Construção de uma Europa social;  Novos campos de ação comunitária (fundos comunitários)  Reforço da legitimidade democrática.  Instauração de uma cidadania Europeia;Instauração de uma cidadania Europeia;
  • 21. Em 2004 dá-se a maior adesão de sempre à UE: Estónia, Eslováquia, Rep. Checa, Polónia, Chipre, Letónia, Malta, Hungria, Lituânia e Eslovénia, formando a Europa dos 25. 5º Alargamento5º Alargamento República checa Polónia Malta Estónia Eslováquia LetóniaLituânia Chipre Hungria Eslovénia
  • 22. 6º Alargamento6º Alargamento Em 2007, a Roménia e a Bulgária aderem à União Europeia, formando a Europa dos 27 Roménia Bulgária
  • 23. 7º Alargamento7º Alargamento Em 2013, a Ucrânia adere à União Europeia, formando a Europa dos 28 Ucrânia
  • 24. O alargamento da União Europeia tem diversas vantagens para esta: •Aumento do número de consumidores, formando um mercado único ainda maior, tornando-se um dos maiores do mundo; •Reforço do crescimento económico e da criação de novos empregos; •Melhoria da qualidade de vida dos cidadãos, pois há uma maior organização e esforço na defesa do ambiente, luta contra o crime internacional, tráfico de droga e imigração ilegal; •Reforço da UE no plano internacional, pois representará mais países e mais cidadãos no contexto mundial; •Reforço da paz, segurança, estabilidade e da prosperidade da Europa; •Reforço das novas democracias resultantes da sua descolagem do bloco de Leste. Existe, contudo, também um conjunto de desvantagens trazidas pelo alargamento: •Aumento das disparidades económico-sociais entre as regiões da União Europeia. •Dificuldade de reajustamento de: -As políticas da União e reformas das instituições da União – com o alargamento, as politicas e as instituições europeias têm que se reajustar aos novos países, como o feito em 2001 com o Tratado de Nice. -Os fundos estruturais da União – com a adesão de novos países, têm que se fazer reajustamentos aos fundos estruturais. O Alargamento da União EuropeiaO Alargamento da União Europeia
  • 26. Cidadania EuropeiaCidadania Europeia A Cidadania é o “vínculo jurídico entre o indivíduo e o respectivo Estado, traduz-se num conjunto de direitos e deveres” (in Cidadania Europeia, de Centro de Informação Europeia Jacques Delors) O conceito de Cidadania Europeia surgiu com o Tratado de Maastricht em 1992 e, tal como o nome transmite, esta estabelece uma interligação entre a União Europeia e os cidadãos dos seus países, e confere aos cidadãos europeus direitos e deveres. Com este passo, a Europa passa então de uma Europa de negócios a uma Europa dos cidadãos, uma Europa Social, e que procura transmitir o sentimento de pertença a uma entidade supranacional. “É instituída a cidadania da União. É cidadão da União qualquer pessoa que tenha a nacionalidade de um Estado-Membro. A cidadania da União é complementar da cidadania nacional e não a substitui.” (in Art.º17 Tratado UE)
  • 27. Direitos dos CidadãosDireitos dos Cidadãos EuropeusEuropeus Os direitos dos cidadãos da União Europeia mais importantes são: •Livre circulação de pessoas; •Capacidade eleitoral; •Direito à protecção diplomática •Direito de petição; •Acesso ao Provedor de justiça; •Direito à transparência; •Protecção dos dados; •Direito dos consumidores;
  • 28. Livre circulação de pessoas noLivre circulação de pessoas no Espaço EuropeuEspaço Europeu •Liberdade de entrada, circulação e residência em qualquer país da UE, sem necessidade de visto; •Liberdade de trabalhar em qualquer país da UE nas mesmas condições do que os nacionais desse Estado; •Liberdade de residência para qualquer outro fim que não o trabalho; •Liberdade de votar e ser eleito nas eleições municipais e europeias no país da UE da sua residência.
  • 29. Livre circulação de pessoas noLivre circulação de pessoas no Espaço EuropeuEspaço Europeu O primeiro direito reconhecido ao cidadão europeu é o de circular e de permanecer livremente no território dos Estados-Membros. O cidadão europeu tem assim os seguintes direitos:
  • 30. Capacidade EleitoralCapacidade Eleitoral Todo o cidadão europeu tem o direito de voto e de ser eleito nas eleições autárquicas e europeias no Estado-membro de residência. Os cidadãos estrangeiros têm o mesmo direito que os cidadãos nacionais nestas duas eleições. Assim, um cidadão europeu pode-se candidatar a uma Câmara Municipal de outro país que não o seu de origem, desde que seja recenseado nessa mesma Câmara Municipal. Um cidadão Europeu pode-se também candidatar ao Parlamento Europeu quer pelo seu país de origem quer pelo seu país de residência.
  • 31. Direito à protecção diplomáticaDireito à protecção diplomática Um dos direitos de um cidadão europeu num país terceiro à União é de, caso o seu país de origem não tenha representação diplomática, ser representado por outro país da UE. Esta situação pode surgir com a necessidade de protecção consular, e assim caso não haja uma embaixada ou consulado do seu país, o cidadão europeu pode-se dirigir à de qualquer outro país da UE. O tipo de assistência que se pode obter é de, por exemplo, a assistência em caso de: •Morte, doença ou acidente grave; •Prisão ou detenção; •Vitima de actos violência; •Repatriação, se necessário, como por exemplo em caso de desastre natural.
  • 32. Direito de Petição aoDireito de Petição ao Parlamento EuropeuParlamento Europeu O Direito de Petição constitui um elo de ligação entre os representantes e os cidadãos de cada Estado-membro. Podem apresentar petições ao Parlamento Europeu qualquer cidadão ou residente na UE, e sociedades, organizações ou associações. Os assuntos que podem ser objeto de petição são: •A livre circulação de pessoas, mercadorias; •Não descriminação em razão de nacionalidade; •Igualdade de tratamento entre homens e mulheres; •Harmonização fiscal; •Direito à educação, à formação e saúde; •Proteção do ambiente.
  • 33. Acesso ao Provedor de JustiçaAcesso ao Provedor de Justiça P. Nikiforos Diamandouros, actual Provedor de Justiça Europeu
  • 34. Direito à transparênciaDireito à transparência O direito à transparência traduz-se pelo acesso aos documentos do Parlamento, Concelho e Comissão Europeia por todos os cidadãos e associações residentes ou com sede na União Europeia, salvo algumas excepções como a violação da vida privada, o interesse público e interesses comerciais, entre outros.
  • 35. Protecção dos dadosProtecção dos dados O Cidadão tem direito a: •Ser informado, no momento em que os seus dados são recolhidos, tendo acesso à identidade e contacto do responsável; •Exigir a clarificação de todas as condições de utilização posterior dos dados; •Exigir que o seu nome e endereço sejam eliminados dos ficheiros utilizados pelo marketing/mailing direto; •Ter acesso às informações sobre si registadas.
  • 36. Direito dos consumidores Existem vários direitos que o cidadão europeu tem relacionado com o consumo. São eles: Direito à reparação de danos Os compradores de bens ou serviços devem estar protegidos contra os abusos de poder do vendedor. O consumidor deve poder beneficiar, em relação aos bens de consumo duradouros, de um serviço pós-venda de qualidade. A gama de mercadorias colocadas à disposição dos consumidores deve possibilitar uma escolha razoável, e não monopolística;
  • 37. Direito dos consumidores Direito à protecção da saúde e segurança: Quando utilizados em condições normais, os bens e serviços não deverão ser perigosos. Em caso de perigo, deverão ser retirados do mercado mediante processos rápidos e simples O consumidor deverá estar protegido face a danos causados por produtos e/ou serviços defeituosos. Existem vários direitos que o cidadão europeu tem relacionado com o consumo. São eles:
  • 38. Direito dos consumidores Existem vários direitos que o cidadão europeu tem relacionado com o consumo. São eles: Direito à representação Os consumidores devem ser associados ao processo de tomada de decisões, em particular, através das suas associações, como a defesas dos consumidores.
  • 39. Direito dos consumidores Existem vários direitos que o cidadão europeu tem relacionado com o consumo. São eles: Direito à informação e à educação Os consumidores devem ser capazes de efetuar escolhas adequadas e conscientes, pelo que têm direito à informação relevante. Um exemplo é a informação dada nas caixas dos cigarros.
  • 40. Os Deveres dos Cidadãos Europeus O cidadão europeu tem, além destes direitos todos, deveres para com a União Europeia. Todos eles derivam de um principal: o dever da participação. São eles:
  • 41. Os Deveres dos Cidadãos Europeus Assumir a identidade europeia: O cidadão tem o dever de conhecer a História da Europa, assumir-se como Europeu e defender a Europa; •Aplicar na prática os valores europeus: Partilhar, Trabalhar e o Dever Democrático; •Reclamar o Direito à justiça: o cidadão deve contribuir para construir uma ordem mundial mais justa; Assim, constituem a base dos deveres dos cidadãos europeus o Conhecimento, a Responsabilização e a Participação. Este é o contributo que cada cidadão pode e deve dar para a construção de uma Cidadania Europeia.
  • 42. A União Europeia constitui-se hoje numa grande potência económica e líder mundial na ajuda ao desenvolvimento. O número dos seus Estados- Membros passou de seis para nove, de nove para dez, de dez para doze, de doze para quinze, de quinze para vinte e cinco, de vinte e cinco para vinte e sete e de vinte e sete para vinte e oito, está prevista a adesão a mais países… Conclusão

Notas do Editor

  1. Fim da parte histórica e inicio da cidadania