SlideShare uma empresa Scribd logo
#AnaliseDeSistem
as
Prof. Natanael Simões

natanaelsimoes

Descrição de Casos de Uso
Documentando formalmente os cenários elicitados
Pra que descrever?
• Diagramas não falam
• Diagramas propiciam interpretações
equivocadas
• Descrever define melhor o escopo
• Descrever define como programar

2
Casos de Uso
• Nome
Qual o nome do caso de uso?
• Objetivo
Qual o propósito principal?
• Requisitos (Funcionais)
Quais os requisitos funcionais relacionados?
• Atores
Quem são os atores envolvidos?

3
Casos de Uso
• Prioridade
Qual o prioridade de desenvolvimento?
• Pré-condições
Qual(is) estado(s) do sistema para entrar
no caso de uso?
• Frequência de uso
Com que frequência esse caso de uso
será executado?
4
Casos de Uso
• Pós-condições
Em qual(is) estado(s) o sistema está após
o término desse caso de uso?
• Campos
Quais dados estarão envolvidos?
• Fluxo principal
Quais passos serão necessários para que
ocorra com sucesso o caso?
5
Casos de Uso
• Fluxos alternativos
Que outros rumos o ator ou sistema
podem tomar dentro do fluxo principal?
• Fluxos de exceção
O que pode dar errado?
• Validações
Como o sistema vai verificar o que pode
dar errado?
6
Casos de Uso
• Protótipo das telas
Como serão as telas necessárias para
cumprir o caso de uso?

7
UC001 – Nome do caso de uso
Objetivo:
Requisitos:
Atores:
Prioridade:
Pré-condições:
Frequência de uso:
Pós-condições:
Campos:
Fluxo principal:

Fluxo alternativo:

Fluxo de exceção:

Validações:
Protótipo das telas:

[Qual propósito?]
[Quais requisitos funcionais?]
[Quais atores?]
[Qual prioridade de desenvolvimento?]
[Qual estado anterior do sistema?]
[Qual frequência do uso?]
[Qual estado posterior do sistema?]
[Quais campos serão necessários?]
a) Ação 1. (A1)
b) Ação 2. (A2)(E1)
c) Caso de uso é encerrado.
A1 – fluxo alternativo qualquer
a) Ação 1.
b) Ação 2.
c) Volta ao passo “b” do fluxo principal.
A2 – outro fluxo
...
E1 – uma exceção
a) Ação 1.
b) Volta ao passo “a” do fluxo principal.
[Como validar para saber se há exceção?]
8
Exemplo

9
Nome
• Código + Número sequenciado = ID
UC001
• Nome do caso de uso (mesmo do
diagrama)
Emprestar exemplar

UC001 – Emprestar exemplar
10
Atores
• Indicar TODOS os envolvidos no processo
• Separar com vírgula

Atendente, Usuário
11
Prioridade
• Não confundir com frequência de uso
• Cria uma ordem para ser programado
UC001 – Emprestar exemplar
UC002 – Devolver exemplar
UC003 – Reservar publicação
UC004 – Cancelar reserva

P = 3 / Alta
P = 2 / Média
P = 1 / Baixa
P = 1 / Baixa

• Se vai usar número ou nomes, você decide!
• Mesmas regras valem para FREQUÊNCIA
12
Pré-condições
• São requisitos/estados que o sistema deve
estar para que o caso aconteça
• Se (requisito_estado != esperado)
então some daqui.
Pré-condição de “UC004 – Cancelar reserva” será a
existência de uma reserva realizada em “UC003 –
Reservar publicação”

13
Pós-condições
• São requisitos/estados que o sistema deve
estar após o caso acontecer
• Aqui não tem “se”, é OBRIGATÓRIO
Pós-condição de “UC004 – Cancelar reserva” será a
inexistência da reserva antes realizada em “UC003
– Reservar publicação”

14
Campos
• Todas as características de todos os objetos
não-atores envolvidos no caso
Objetos de “UC001 – Emprestar exemplar”
• Atendente (ator)
• Usuário (ator)
• Livro
o
o
o
o
o

Nome
Autor
ISBN
Quantidade de páginas
...
15
Fluxos
• Mecânica para todos os fluxos
a) Ator faz alguma coisa
b) Sistema responde
c) Ator faz outra
d) Sistema responde
e) O caso de uso é encerrado

16
Fluxo principal
• Pode conter fluxos alternativos e de exceção
a) Cliente solicita visualizar extrato de pontuação;
b) Sistema requer o mês de referência;
c) Cliente seleciona um mês de referência e (A1) confirma
a operação;
d) Sistema exibe o extrato referente ao mês selecionado
pelo Cliente;
e) Cliente seleciona (A2) retornar ao menu principal;
f) O caso de uso é encerrado. A1 – cancelar operação/voltar
para página anterior
A2 – emitir novo extrato

17
Fluxo alternativo
• Pode apontar para outro fluxo alternativo e de
exceção
• Pode encerrar em si mesmo
• Pode voltar para o fluxo principal
A1 – cancelar operação/voltar para página anterior
a) Cliente cancela operação ou volta para a página anterior;
b) Retorna ao passo ‘f’ do fluxo principal.
A2 – emitir novo extrato
a) Cliente seleciona emitir novo extrato;
b) Retorna ao passo ‘b’ do fluxo principal.
18
Fluxo de exceção
• Pode apontar para outro fluxo alternativo e de
exceção
• Pode encerrar em si mesmo
• Pode voltar para o fluxo principal
E1 – valor inválido
a) Sistema reconhece que o valor entrado é inválido e informa
ao operador;
b) Retorna ao passo ‘e’ do fluxo principal.
19
Validações
• Algoritmo que dispara fluxos de exceção
Apenas os campos de e-mail e do representante
não são requeridos, o restante é obrigatório. O
tipo de contrato só poderá ser
MENSAL, TRIMESTRAL, SEMESTRAL e ANUAL. O
estado da loja no sistema será 0 e 1 para
desativado e ativado respectivamente.
20
Protótipo de telas

21

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula UML - Unified Modeling Language
Aula UML - Unified Modeling LanguageAula UML - Unified Modeling Language
Aula UML - Unified Modeling Language
Cloves da Rocha
 
Conceitos Básicos Sobre Analise de Sistemas
Conceitos Básicos Sobre Analise de SistemasConceitos Básicos Sobre Analise de Sistemas
Conceitos Básicos Sobre Analise de Sistemas
Clayton de Almeida Souza
 
casos de uso
casos de usocasos de uso
casos de uso
Márcia Rodrigues
 
Uml
UmlUml
UML
UMLUML
Modelo de especificação de caso de uso
Modelo de especificação de caso de usoModelo de especificação de caso de uso
Modelo de especificação de caso de uso
Leandro Rodrigues
 
Análise e Modelagem de Software
Análise e Modelagem de SoftwareAnálise e Modelagem de Software
Análise e Modelagem de Software
Marcelo Yamaguti
 
Análise Orientada a Objetos com UML
Análise Orientada a Objetos com UMLAnálise Orientada a Objetos com UML
Análise Orientada a Objetos com UML
Eliseu Castelo
 
REA- Diagramas de Casos de Uso da UML
REA- Diagramas de Casos de Uso da UMLREA- Diagramas de Casos de Uso da UML
REA- Diagramas de Casos de Uso da UML
IFFar - SVS
 
Lista de Eventos
Lista de EventosLista de Eventos
Lista de Eventos
Dalbson Paulo
 
Projeto de Software
Projeto de SoftwareProjeto de Software
Projeto de Software
Wagner Zaparoli
 
Diagrama Entidade Relacionamento - Bancos de Dados I
Diagrama Entidade Relacionamento - Bancos de Dados IDiagrama Entidade Relacionamento - Bancos de Dados I
Diagrama Entidade Relacionamento - Bancos de Dados I
Djonathas Cardoso
 
Introdução à linguagem UML
Introdução à linguagem UMLIntrodução à linguagem UML
Introdução à linguagem UML
Nécio de Lima Veras
 
Diagramas de casos de uso
Diagramas de casos de usoDiagramas de casos de uso
Diagramas de casos de uso
Sergio Chaves
 
Aula1 e aula2 - Analise e Projeto de Sistemas
Aula1 e aula2 - Analise e Projeto de SistemasAula1 e aula2 - Analise e Projeto de Sistemas
Aula1 e aula2 - Analise e Projeto de Sistemas
Gustavo Gonzalez
 
Aula 1 - Introdução a POO
Aula 1 -  Introdução a POOAula 1 -  Introdução a POO
Aula 1 - Introdução a POO
Daniel Brandão
 
SO-04 Escalonamento de Processos
SO-04 Escalonamento de ProcessosSO-04 Escalonamento de Processos
SO-04 Escalonamento de Processos
Eduardo Nicola F. Zagari
 
Algoritmos em portugol
Algoritmos em portugolAlgoritmos em portugol
Algoritmos em portugol
Evonaldo Gonçalves Vanny
 
CMMI
CMMICMMI
Algoritmos - Formas de Representação de Algoritmos
Algoritmos - Formas de Representação de AlgoritmosAlgoritmos - Formas de Representação de Algoritmos
Algoritmos - Formas de Representação de Algoritmos
Elaine Cecília Gatto
 

Mais procurados (20)

Aula UML - Unified Modeling Language
Aula UML - Unified Modeling LanguageAula UML - Unified Modeling Language
Aula UML - Unified Modeling Language
 
Conceitos Básicos Sobre Analise de Sistemas
Conceitos Básicos Sobre Analise de SistemasConceitos Básicos Sobre Analise de Sistemas
Conceitos Básicos Sobre Analise de Sistemas
 
casos de uso
casos de usocasos de uso
casos de uso
 
Uml
UmlUml
Uml
 
UML
UMLUML
UML
 
Modelo de especificação de caso de uso
Modelo de especificação de caso de usoModelo de especificação de caso de uso
Modelo de especificação de caso de uso
 
Análise e Modelagem de Software
Análise e Modelagem de SoftwareAnálise e Modelagem de Software
Análise e Modelagem de Software
 
Análise Orientada a Objetos com UML
Análise Orientada a Objetos com UMLAnálise Orientada a Objetos com UML
Análise Orientada a Objetos com UML
 
REA- Diagramas de Casos de Uso da UML
REA- Diagramas de Casos de Uso da UMLREA- Diagramas de Casos de Uso da UML
REA- Diagramas de Casos de Uso da UML
 
Lista de Eventos
Lista de EventosLista de Eventos
Lista de Eventos
 
Projeto de Software
Projeto de SoftwareProjeto de Software
Projeto de Software
 
Diagrama Entidade Relacionamento - Bancos de Dados I
Diagrama Entidade Relacionamento - Bancos de Dados IDiagrama Entidade Relacionamento - Bancos de Dados I
Diagrama Entidade Relacionamento - Bancos de Dados I
 
Introdução à linguagem UML
Introdução à linguagem UMLIntrodução à linguagem UML
Introdução à linguagem UML
 
Diagramas de casos de uso
Diagramas de casos de usoDiagramas de casos de uso
Diagramas de casos de uso
 
Aula1 e aula2 - Analise e Projeto de Sistemas
Aula1 e aula2 - Analise e Projeto de SistemasAula1 e aula2 - Analise e Projeto de Sistemas
Aula1 e aula2 - Analise e Projeto de Sistemas
 
Aula 1 - Introdução a POO
Aula 1 -  Introdução a POOAula 1 -  Introdução a POO
Aula 1 - Introdução a POO
 
SO-04 Escalonamento de Processos
SO-04 Escalonamento de ProcessosSO-04 Escalonamento de Processos
SO-04 Escalonamento de Processos
 
Algoritmos em portugol
Algoritmos em portugolAlgoritmos em portugol
Algoritmos em portugol
 
CMMI
CMMICMMI
CMMI
 
Algoritmos - Formas de Representação de Algoritmos
Algoritmos - Formas de Representação de AlgoritmosAlgoritmos - Formas de Representação de Algoritmos
Algoritmos - Formas de Representação de Algoritmos
 

Destaque

Análise Orientada a Objetos - Casos de Uso
Análise Orientada a Objetos - Casos de UsoAnálise Orientada a Objetos - Casos de Uso
Análise Orientada a Objetos - Casos de Uso
CursoSENAC
 
Especificação caso de uso
Especificação caso de usoEspecificação caso de uso
Especificação caso de uso
Gabriel Faustino
 
Aula3 casos de uso
Aula3 casos de usoAula3 casos de uso
Aula3 casos de uso
Diana Adamatti
 
Exemplo especificacaoderequisitos(locadora)
Exemplo especificacaoderequisitos(locadora)Exemplo especificacaoderequisitos(locadora)
Exemplo especificacaoderequisitos(locadora)
Bruno Santana
 
Modelo caso uso
Modelo caso usoModelo caso uso
Modelo caso uso
Gabriel Faustino
 
Resumo diagramas de classes
Resumo diagramas de classesResumo diagramas de classes
Resumo diagramas de classes
Marco Coelho
 
Exercicio de UML - Documentacao Restaurante
Exercicio de UML  - Documentacao RestauranteExercicio de UML  - Documentacao Restaurante
Exercicio de UML - Documentacao Restaurante
Juliana Cindra
 
Roteiro de elabora o de um caso de uso
Roteiro de elabora o de um caso de usoRoteiro de elabora o de um caso de uso
Roteiro de elabora o de um caso de uso
Computação Depressão
 
Especificação de requisitos
Especificação de requisitosEspecificação de requisitos
Especificação de requisitos
Fernando Palma
 
Uml diagrama de sequencia
Uml diagrama de sequenciaUml diagrama de sequencia
Uml diagrama de sequencia
Italo Costa
 
Análise Orientada a Objetos - Diagrama de Sequencia
Análise Orientada a Objetos - Diagrama de SequenciaAnálise Orientada a Objetos - Diagrama de Sequencia
Análise Orientada a Objetos - Diagrama de Sequencia
CursoSENAC
 
Uml - Exemplos de Modelagem em UML
Uml - Exemplos de Modelagem em UMLUml - Exemplos de Modelagem em UML
Uml - Exemplos de Modelagem em UML
André Constantino da Silva
 
Como especificar requisitos em metodologias ágeis?
Como especificar requisitos em metodologias ágeis?Como especificar requisitos em metodologias ágeis?
Como especificar requisitos em metodologias ágeis?
Priscilla Aguiar
 
01 introducao e conceitos basicos
01   introducao e conceitos basicos01   introducao e conceitos basicos
01 introducao e conceitos basicos
Computação Depressão
 
Aula6 diagrama casos de uso
Aula6 diagrama casos de usoAula6 diagrama casos de uso
Aula6 diagrama casos de uso
Computação Depressão
 
Casos de Uso
Casos de UsoCasos de Uso
Casos de Uso
Ranieri Trecha
 
06 linguagens livres do contexto
06   linguagens livres do contexto06   linguagens livres do contexto
06 linguagens livres do contexto
Computação Depressão
 
SCCA 2008 - Especificação V2003
SCCA 2008 - Especificação V2003SCCA 2008 - Especificação V2003
SCCA 2008 - Especificação V2003
Andre Sazonov
 
Apostila de UML UFPR
Apostila de UML UFPRApostila de UML UFPR
Apostila de UML UFPR
Tiago Vargas
 
Target BI - Soluções inteligentes para sua empresa
Target BI - Soluções inteligentes para sua empresaTarget BI - Soluções inteligentes para sua empresa
Target BI - Soluções inteligentes para sua empresa
Junior de Camargo
 

Destaque (20)

Análise Orientada a Objetos - Casos de Uso
Análise Orientada a Objetos - Casos de UsoAnálise Orientada a Objetos - Casos de Uso
Análise Orientada a Objetos - Casos de Uso
 
Especificação caso de uso
Especificação caso de usoEspecificação caso de uso
Especificação caso de uso
 
Aula3 casos de uso
Aula3 casos de usoAula3 casos de uso
Aula3 casos de uso
 
Exemplo especificacaoderequisitos(locadora)
Exemplo especificacaoderequisitos(locadora)Exemplo especificacaoderequisitos(locadora)
Exemplo especificacaoderequisitos(locadora)
 
Modelo caso uso
Modelo caso usoModelo caso uso
Modelo caso uso
 
Resumo diagramas de classes
Resumo diagramas de classesResumo diagramas de classes
Resumo diagramas de classes
 
Exercicio de UML - Documentacao Restaurante
Exercicio de UML  - Documentacao RestauranteExercicio de UML  - Documentacao Restaurante
Exercicio de UML - Documentacao Restaurante
 
Roteiro de elabora o de um caso de uso
Roteiro de elabora o de um caso de usoRoteiro de elabora o de um caso de uso
Roteiro de elabora o de um caso de uso
 
Especificação de requisitos
Especificação de requisitosEspecificação de requisitos
Especificação de requisitos
 
Uml diagrama de sequencia
Uml diagrama de sequenciaUml diagrama de sequencia
Uml diagrama de sequencia
 
Análise Orientada a Objetos - Diagrama de Sequencia
Análise Orientada a Objetos - Diagrama de SequenciaAnálise Orientada a Objetos - Diagrama de Sequencia
Análise Orientada a Objetos - Diagrama de Sequencia
 
Uml - Exemplos de Modelagem em UML
Uml - Exemplos de Modelagem em UMLUml - Exemplos de Modelagem em UML
Uml - Exemplos de Modelagem em UML
 
Como especificar requisitos em metodologias ágeis?
Como especificar requisitos em metodologias ágeis?Como especificar requisitos em metodologias ágeis?
Como especificar requisitos em metodologias ágeis?
 
01 introducao e conceitos basicos
01   introducao e conceitos basicos01   introducao e conceitos basicos
01 introducao e conceitos basicos
 
Aula6 diagrama casos de uso
Aula6 diagrama casos de usoAula6 diagrama casos de uso
Aula6 diagrama casos de uso
 
Casos de Uso
Casos de UsoCasos de Uso
Casos de Uso
 
06 linguagens livres do contexto
06   linguagens livres do contexto06   linguagens livres do contexto
06 linguagens livres do contexto
 
SCCA 2008 - Especificação V2003
SCCA 2008 - Especificação V2003SCCA 2008 - Especificação V2003
SCCA 2008 - Especificação V2003
 
Apostila de UML UFPR
Apostila de UML UFPRApostila de UML UFPR
Apostila de UML UFPR
 
Target BI - Soluções inteligentes para sua empresa
Target BI - Soluções inteligentes para sua empresaTarget BI - Soluções inteligentes para sua empresa
Target BI - Soluções inteligentes para sua empresa
 

Semelhante a Descrição formal de Casos de Uso

0040 casos de uso
0040 casos de uso0040 casos de uso
0040 casos de uso
Sandra Rocha
 
Casos de uso
Casos de usoCasos de uso
Casos de uso
carlos_neto
 
Requisitos monitoria
Requisitos monitoriaRequisitos monitoria
Requisitos monitoria
Paulo Damas
 
Fluxo de Requisitos (RUP).pdf
Fluxo de Requisitos (RUP).pdfFluxo de Requisitos (RUP).pdf
Fluxo de Requisitos (RUP).pdf
mmarolla1
 
Parte6 casos de uso
Parte6   casos de usoParte6   casos de uso
Parte6 casos de uso
Gustavo Girardon
 
4 casos-de-uso
4 casos-de-uso4 casos-de-uso
4 casos-de-uso
sou estudante
 
Aps caso uso
Aps caso usoAps caso uso
Tema 7 a_dicionario_de_dados_arvore_e_ta
Tema 7 a_dicionario_de_dados_arvore_e_taTema 7 a_dicionario_de_dados_arvore_e_ta
Tema 7 a_dicionario_de_dados_arvore_e_ta
Pedro A. Uamusse
 
1- Diagramas de caso de uso
1- Diagramas de caso de uso1- Diagramas de caso de uso
1- Diagramas de caso de uso
Cris Fidelix
 

Semelhante a Descrição formal de Casos de Uso (9)

0040 casos de uso
0040 casos de uso0040 casos de uso
0040 casos de uso
 
Casos de uso
Casos de usoCasos de uso
Casos de uso
 
Requisitos monitoria
Requisitos monitoriaRequisitos monitoria
Requisitos monitoria
 
Fluxo de Requisitos (RUP).pdf
Fluxo de Requisitos (RUP).pdfFluxo de Requisitos (RUP).pdf
Fluxo de Requisitos (RUP).pdf
 
Parte6 casos de uso
Parte6   casos de usoParte6   casos de uso
Parte6 casos de uso
 
4 casos-de-uso
4 casos-de-uso4 casos-de-uso
4 casos-de-uso
 
Aps caso uso
Aps caso usoAps caso uso
Aps caso uso
 
Tema 7 a_dicionario_de_dados_arvore_e_ta
Tema 7 a_dicionario_de_dados_arvore_e_taTema 7 a_dicionario_de_dados_arvore_e_ta
Tema 7 a_dicionario_de_dados_arvore_e_ta
 
1- Diagramas de caso de uso
1- Diagramas de caso de uso1- Diagramas de caso de uso
1- Diagramas de caso de uso
 

Mais de Natanael Simões

Criação de Material Didático EAD como Ferramenta no Ensino Presencial
Criação de Material Didático EAD como Ferramenta no Ensino PresencialCriação de Material Didático EAD como Ferramenta no Ensino Presencial
Criação de Material Didático EAD como Ferramenta no Ensino Presencial
Natanael Simões
 
Eletroeletrônica Básica - A estrutura do átomo
Eletroeletrônica Básica - A estrutura do átomoEletroeletrônica Básica - A estrutura do átomo
Eletroeletrônica Básica - A estrutura do átomo
Natanael Simões
 
Apresentação da Disciplina de Eletroeletrônica Básica
Apresentação da Disciplina de Eletroeletrônica BásicaApresentação da Disciplina de Eletroeletrônica Básica
Apresentação da Disciplina de Eletroeletrônica Básica
Natanael Simões
 
Apresentação da Disciplina de Segurança da Informação
Apresentação da Disciplina de Segurança da InformaçãoApresentação da Disciplina de Segurança da Informação
Apresentação da Disciplina de Segurança da Informação
Natanael Simões
 
Apresentação da Disciplina de Software Livre
Apresentação da Disciplina de Software LivreApresentação da Disciplina de Software Livre
Apresentação da Disciplina de Software Livre
Natanael Simões
 
Introdução à Engenharia de Software e UML
Introdução à Engenharia de Software e UMLIntrodução à Engenharia de Software e UML
Introdução à Engenharia de Software e UML
Natanael Simões
 
O que são resistores
O que são resistoresO que são resistores
O que são resistores
Natanael Simões
 
Componentes passivos e eletromecânicos
Componentes passivos e eletromecânicosComponentes passivos e eletromecânicos
Componentes passivos e eletromecânicos
Natanael Simões
 
Paradigmas de Programação
Paradigmas de ProgramaçãoParadigmas de Programação
Paradigmas de Programação
Natanael Simões
 
Aplicando conceitos gerais de gerenciamento de projetos à engenharia de software
Aplicando conceitos gerais de gerenciamento de projetos à engenharia de softwareAplicando conceitos gerais de gerenciamento de projetos à engenharia de software
Aplicando conceitos gerais de gerenciamento de projetos à engenharia de software
Natanael Simões
 
Processo de Desenvolvimento de Software - Linguagens Imperativas x Declarativas
Processo de Desenvolvimento de Software - Linguagens Imperativas x DeclarativasProcesso de Desenvolvimento de Software - Linguagens Imperativas x Declarativas
Processo de Desenvolvimento de Software - Linguagens Imperativas x Declarativas
Natanael Simões
 
Processo de Desenvolvimento de Software - Linguagens Compiladas x Interpretadas
Processo de Desenvolvimento de Software - Linguagens Compiladas x InterpretadasProcesso de Desenvolvimento de Software - Linguagens Compiladas x Interpretadas
Processo de Desenvolvimento de Software - Linguagens Compiladas x Interpretadas
Natanael Simões
 
Processo de Desenvolvimento de Software - Programação e Linguagens Fortemente...
Processo de Desenvolvimento de Software - Programação e Linguagens Fortemente...Processo de Desenvolvimento de Software - Programação e Linguagens Fortemente...
Processo de Desenvolvimento de Software - Programação e Linguagens Fortemente...
Natanael Simões
 
Processo de Desenvolvimento de Software - Programação
Processo de Desenvolvimento de Software - ProgramaçãoProcesso de Desenvolvimento de Software - Programação
Processo de Desenvolvimento de Software - Programação
Natanael Simões
 
Processo de Desenvolvimento de Software - Prototipação
Processo de Desenvolvimento de Software - PrototipaçãoProcesso de Desenvolvimento de Software - Prototipação
Processo de Desenvolvimento de Software - Prototipação
Natanael Simões
 
Banco de Dados - Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados
Banco de Dados - Sistemas de Gerenciamento de Banco de DadosBanco de Dados - Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados
Banco de Dados - Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados
Natanael Simões
 
Banco de Dados - Tipos de Dados
Banco de Dados - Tipos de DadosBanco de Dados - Tipos de Dados
Banco de Dados - Tipos de Dados
Natanael Simões
 
Processo de Desenvolvimento de Software - Design de Software, Interface, Arqu...
Processo de Desenvolvimento de Software - Design de Software, Interface, Arqu...Processo de Desenvolvimento de Software - Design de Software, Interface, Arqu...
Processo de Desenvolvimento de Software - Design de Software, Interface, Arqu...
Natanael Simões
 
Processo de Desenvolvimento de Software - Fase de Definição
Processo de Desenvolvimento de Software - Fase de DefiniçãoProcesso de Desenvolvimento de Software - Fase de Definição
Processo de Desenvolvimento de Software - Fase de Definição
Natanael Simões
 
Banco de Dados - Modelo Lógico, Chave primária e Chave estrangeira
Banco de Dados - Modelo Lógico, Chave primária e Chave estrangeiraBanco de Dados - Modelo Lógico, Chave primária e Chave estrangeira
Banco de Dados - Modelo Lógico, Chave primária e Chave estrangeira
Natanael Simões
 

Mais de Natanael Simões (20)

Criação de Material Didático EAD como Ferramenta no Ensino Presencial
Criação de Material Didático EAD como Ferramenta no Ensino PresencialCriação de Material Didático EAD como Ferramenta no Ensino Presencial
Criação de Material Didático EAD como Ferramenta no Ensino Presencial
 
Eletroeletrônica Básica - A estrutura do átomo
Eletroeletrônica Básica - A estrutura do átomoEletroeletrônica Básica - A estrutura do átomo
Eletroeletrônica Básica - A estrutura do átomo
 
Apresentação da Disciplina de Eletroeletrônica Básica
Apresentação da Disciplina de Eletroeletrônica BásicaApresentação da Disciplina de Eletroeletrônica Básica
Apresentação da Disciplina de Eletroeletrônica Básica
 
Apresentação da Disciplina de Segurança da Informação
Apresentação da Disciplina de Segurança da InformaçãoApresentação da Disciplina de Segurança da Informação
Apresentação da Disciplina de Segurança da Informação
 
Apresentação da Disciplina de Software Livre
Apresentação da Disciplina de Software LivreApresentação da Disciplina de Software Livre
Apresentação da Disciplina de Software Livre
 
Introdução à Engenharia de Software e UML
Introdução à Engenharia de Software e UMLIntrodução à Engenharia de Software e UML
Introdução à Engenharia de Software e UML
 
O que são resistores
O que são resistoresO que são resistores
O que são resistores
 
Componentes passivos e eletromecânicos
Componentes passivos e eletromecânicosComponentes passivos e eletromecânicos
Componentes passivos e eletromecânicos
 
Paradigmas de Programação
Paradigmas de ProgramaçãoParadigmas de Programação
Paradigmas de Programação
 
Aplicando conceitos gerais de gerenciamento de projetos à engenharia de software
Aplicando conceitos gerais de gerenciamento de projetos à engenharia de softwareAplicando conceitos gerais de gerenciamento de projetos à engenharia de software
Aplicando conceitos gerais de gerenciamento de projetos à engenharia de software
 
Processo de Desenvolvimento de Software - Linguagens Imperativas x Declarativas
Processo de Desenvolvimento de Software - Linguagens Imperativas x DeclarativasProcesso de Desenvolvimento de Software - Linguagens Imperativas x Declarativas
Processo de Desenvolvimento de Software - Linguagens Imperativas x Declarativas
 
Processo de Desenvolvimento de Software - Linguagens Compiladas x Interpretadas
Processo de Desenvolvimento de Software - Linguagens Compiladas x InterpretadasProcesso de Desenvolvimento de Software - Linguagens Compiladas x Interpretadas
Processo de Desenvolvimento de Software - Linguagens Compiladas x Interpretadas
 
Processo de Desenvolvimento de Software - Programação e Linguagens Fortemente...
Processo de Desenvolvimento de Software - Programação e Linguagens Fortemente...Processo de Desenvolvimento de Software - Programação e Linguagens Fortemente...
Processo de Desenvolvimento de Software - Programação e Linguagens Fortemente...
 
Processo de Desenvolvimento de Software - Programação
Processo de Desenvolvimento de Software - ProgramaçãoProcesso de Desenvolvimento de Software - Programação
Processo de Desenvolvimento de Software - Programação
 
Processo de Desenvolvimento de Software - Prototipação
Processo de Desenvolvimento de Software - PrototipaçãoProcesso de Desenvolvimento de Software - Prototipação
Processo de Desenvolvimento de Software - Prototipação
 
Banco de Dados - Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados
Banco de Dados - Sistemas de Gerenciamento de Banco de DadosBanco de Dados - Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados
Banco de Dados - Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados
 
Banco de Dados - Tipos de Dados
Banco de Dados - Tipos de DadosBanco de Dados - Tipos de Dados
Banco de Dados - Tipos de Dados
 
Processo de Desenvolvimento de Software - Design de Software, Interface, Arqu...
Processo de Desenvolvimento de Software - Design de Software, Interface, Arqu...Processo de Desenvolvimento de Software - Design de Software, Interface, Arqu...
Processo de Desenvolvimento de Software - Design de Software, Interface, Arqu...
 
Processo de Desenvolvimento de Software - Fase de Definição
Processo de Desenvolvimento de Software - Fase de DefiniçãoProcesso de Desenvolvimento de Software - Fase de Definição
Processo de Desenvolvimento de Software - Fase de Definição
 
Banco de Dados - Modelo Lógico, Chave primária e Chave estrangeira
Banco de Dados - Modelo Lógico, Chave primária e Chave estrangeiraBanco de Dados - Modelo Lógico, Chave primária e Chave estrangeira
Banco de Dados - Modelo Lógico, Chave primária e Chave estrangeira
 

Último

Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Jonathas Muniz
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 

Último (7)

Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 

Descrição formal de Casos de Uso

  • 1. #AnaliseDeSistem as Prof. Natanael Simões natanaelsimoes Descrição de Casos de Uso Documentando formalmente os cenários elicitados
  • 2. Pra que descrever? • Diagramas não falam • Diagramas propiciam interpretações equivocadas • Descrever define melhor o escopo • Descrever define como programar 2
  • 3. Casos de Uso • Nome Qual o nome do caso de uso? • Objetivo Qual o propósito principal? • Requisitos (Funcionais) Quais os requisitos funcionais relacionados? • Atores Quem são os atores envolvidos? 3
  • 4. Casos de Uso • Prioridade Qual o prioridade de desenvolvimento? • Pré-condições Qual(is) estado(s) do sistema para entrar no caso de uso? • Frequência de uso Com que frequência esse caso de uso será executado? 4
  • 5. Casos de Uso • Pós-condições Em qual(is) estado(s) o sistema está após o término desse caso de uso? • Campos Quais dados estarão envolvidos? • Fluxo principal Quais passos serão necessários para que ocorra com sucesso o caso? 5
  • 6. Casos de Uso • Fluxos alternativos Que outros rumos o ator ou sistema podem tomar dentro do fluxo principal? • Fluxos de exceção O que pode dar errado? • Validações Como o sistema vai verificar o que pode dar errado? 6
  • 7. Casos de Uso • Protótipo das telas Como serão as telas necessárias para cumprir o caso de uso? 7
  • 8. UC001 – Nome do caso de uso Objetivo: Requisitos: Atores: Prioridade: Pré-condições: Frequência de uso: Pós-condições: Campos: Fluxo principal: Fluxo alternativo: Fluxo de exceção: Validações: Protótipo das telas: [Qual propósito?] [Quais requisitos funcionais?] [Quais atores?] [Qual prioridade de desenvolvimento?] [Qual estado anterior do sistema?] [Qual frequência do uso?] [Qual estado posterior do sistema?] [Quais campos serão necessários?] a) Ação 1. (A1) b) Ação 2. (A2)(E1) c) Caso de uso é encerrado. A1 – fluxo alternativo qualquer a) Ação 1. b) Ação 2. c) Volta ao passo “b” do fluxo principal. A2 – outro fluxo ... E1 – uma exceção a) Ação 1. b) Volta ao passo “a” do fluxo principal. [Como validar para saber se há exceção?] 8
  • 10. Nome • Código + Número sequenciado = ID UC001 • Nome do caso de uso (mesmo do diagrama) Emprestar exemplar UC001 – Emprestar exemplar 10
  • 11. Atores • Indicar TODOS os envolvidos no processo • Separar com vírgula Atendente, Usuário 11
  • 12. Prioridade • Não confundir com frequência de uso • Cria uma ordem para ser programado UC001 – Emprestar exemplar UC002 – Devolver exemplar UC003 – Reservar publicação UC004 – Cancelar reserva P = 3 / Alta P = 2 / Média P = 1 / Baixa P = 1 / Baixa • Se vai usar número ou nomes, você decide! • Mesmas regras valem para FREQUÊNCIA 12
  • 13. Pré-condições • São requisitos/estados que o sistema deve estar para que o caso aconteça • Se (requisito_estado != esperado) então some daqui. Pré-condição de “UC004 – Cancelar reserva” será a existência de uma reserva realizada em “UC003 – Reservar publicação” 13
  • 14. Pós-condições • São requisitos/estados que o sistema deve estar após o caso acontecer • Aqui não tem “se”, é OBRIGATÓRIO Pós-condição de “UC004 – Cancelar reserva” será a inexistência da reserva antes realizada em “UC003 – Reservar publicação” 14
  • 15. Campos • Todas as características de todos os objetos não-atores envolvidos no caso Objetos de “UC001 – Emprestar exemplar” • Atendente (ator) • Usuário (ator) • Livro o o o o o Nome Autor ISBN Quantidade de páginas ... 15
  • 16. Fluxos • Mecânica para todos os fluxos a) Ator faz alguma coisa b) Sistema responde c) Ator faz outra d) Sistema responde e) O caso de uso é encerrado 16
  • 17. Fluxo principal • Pode conter fluxos alternativos e de exceção a) Cliente solicita visualizar extrato de pontuação; b) Sistema requer o mês de referência; c) Cliente seleciona um mês de referência e (A1) confirma a operação; d) Sistema exibe o extrato referente ao mês selecionado pelo Cliente; e) Cliente seleciona (A2) retornar ao menu principal; f) O caso de uso é encerrado. A1 – cancelar operação/voltar para página anterior A2 – emitir novo extrato 17
  • 18. Fluxo alternativo • Pode apontar para outro fluxo alternativo e de exceção • Pode encerrar em si mesmo • Pode voltar para o fluxo principal A1 – cancelar operação/voltar para página anterior a) Cliente cancela operação ou volta para a página anterior; b) Retorna ao passo ‘f’ do fluxo principal. A2 – emitir novo extrato a) Cliente seleciona emitir novo extrato; b) Retorna ao passo ‘b’ do fluxo principal. 18
  • 19. Fluxo de exceção • Pode apontar para outro fluxo alternativo e de exceção • Pode encerrar em si mesmo • Pode voltar para o fluxo principal E1 – valor inválido a) Sistema reconhece que o valor entrado é inválido e informa ao operador; b) Retorna ao passo ‘e’ do fluxo principal. 19
  • 20. Validações • Algoritmo que dispara fluxos de exceção Apenas os campos de e-mail e do representante não são requeridos, o restante é obrigatório. O tipo de contrato só poderá ser MENSAL, TRIMESTRAL, SEMESTRAL e ANUAL. O estado da loja no sistema será 0 e 1 para desativado e ativado respectivamente. 20