SlideShare uma empresa Scribd logo
TRANSTORNO DO
ESPECTRO
AUTISTA
ORGANIZAÇÃO
ADRIANA A. BURATO MARQUES BUYTENDORP
PAOLA GIANOTTO BRAGA
STÉFANI QUEVEDO DE MENESES DOS SANTOS
CARTILHA
Reinaldo Azambuja Silva
GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL
Maria Cecilia Amendola da Motta
SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO DO SUL
Edio Antonio Resende de Castro
SECRETÁRIO ADJUNTO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO DO SUL
Hélio Queiroz Daher
SUPERINTENDENTE DE POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO | SED
Adriana Aparecida Burato Marques Buytendorp
COORDENADORA DE POLÍTICAS PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL | SED
PRODUÇÃO
Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso do Sul – SED-MS
Coordenadoria de Políticas para a Educação Especial – COPESP
PROJETO
Centro Estadual de Apoio Multidisciplinar Educacional ao Estudante com
Transtorno do Espectro Autista – Núcleo de Pesquisa Educacional – CEAME/TEA
COORDENAÇÃO
Paola Gianotto Braga
ORGANIZAÇÃO
Paola Gianotto Braga
Stéfani Quevedo de Meneses dos Santos
Adriana Aparecida Burato Marques Buytendorp
REVISÃO LINGUÍSTICA E ORTOGRÁFICA
Stéfani Quevedo de Meneses dos Santos
ILUSTRAÇÕES
João Pedro Rodrigues da Costa – Estudante atendido pelo CEAME/TEA
DIAGRAMAÇÃO E CAPA
Cezinha Galhardo - Assessoria de Comunicação | SED
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
Ficha Catalográfica elaborada pela Bibliotecária Edneia Auxiliadora Arruda Barreto Medeiros - CRB1-2433
B7302c
BRAGA, Paola Gianotto
Cartilha transtorno do espectro autista [recurso eletrônico] / Paola Gianotto
Braga, Stéfani Quevedo de Meneses dos Santos e Adriana A. Burato Marques
Buytendorp. Campo Grande, MS: Secretaria de Estado de Educação do Mato
Grosso do Sul – SED/MS, 2019.
28 p. 13,5 MB; e-Book - PDF
ISBN 978-85-65491-10-5
1. Educação. 2. Educação especial. 3. Autismo. 4. Transtorno do espectro
autista. 5. Distúrbios da comunicação em criança. I. Santos, Stéfani Quevedo de
Meneses dos. II. Buytencorp, Adriana A. Burato Marques.
III. Título.
CDD 371.9
CARTILHA
TRANSTORNO DO
ESPECTRO
AUTISTA
ORGANIZAÇÃO
ADRIANA A. BURATO MARQUES BUYTENDORP
PAOLA GIANOTTO BRAGA
STÉFANI QUEVEDO DE MENESES DOS SANTOS
O que é transtorno do espectro autista?
O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um distúrbio de desenvolvimento complexo que se
caracteriza por déficits na comunicação oral e em habilidades para desenvolver, manter e
compreender relacionamentos sociais.
Pessoas com autismo poderão apresentar prejuízos, tanto na linguagem verbal, quanto na não verbal.
Apresentam dificuldades em compreender expressões faciais, gestos, símbolos e metáforas.
Essa repetição é chamada de ecolalia, que pode se apresentar como imediata (repetição de frases que
acabam de ouvir); tardia (repetição de frases antigas, guardadas na memória); e após um tratamento
direcionado por um profissional fonoaudiólogo a ecolalia pode deixar de ser imediata e tardia, para se
tornar mitigada (durante a emissão poderão ocorrer modificações na fala reproduzida para situações
diferentes, tendo como intenção a comunicação, inclusive com alterações no tom de voz e no ritmo da
fala).
Além disso, também é apresentado pelo sujeito com TEA, padrões repetitivos de comportamento (o
movimento repetitivo das mãos ou o balançar do corpo), assim como interesses ou atividades
(apresentar um interesse por um personagem em específico ou por um determinado objeto, como
também poderá gostar de um assunto específico, sendo os mais comuns: dinossauros, planetas,
carros, dentre outros).
Algumas pessoas com TEA podem emitir palavras ou frases sem a intenção de se comunicar, como
um exemplo, podem repetir diálogos de filmes, animações ou mesmo palavras faladas por pessoas que
fazem parte de sua rotina.
1
Após essas especificações, encontraremos três níveis de gravidade, são eles: 
- Grau leve (Nível 1);
- Grau moderado (Nível 2);
Nível 2 – Necessidade de apoio substancial
Ÿ Comunicação social: pode apresentar dificuldades para se relacionar socialmente, como para
iniciar um diálogo, apresentando pouco interesse em interagir com as outras pessoas, porém se
estimulado a interagir, poderá apresentar comunicação com respostas mais objetivas.
Ÿ Comunicação social: dificuldades graves na interação social verbal e não verbal com grandes
limitações, mesmo se receber auxílio durante a comunicação, apresentado respostas reduzidas
ou incomuns durante interações sociais que partem dos outros.
Cada um dos níveis relaciona-se a quantidade de apoio necessária para contemplar as necessidades
de cada pessoa com TEA levando em conta as dificuldades na comunicação social, e os
comportamentos restritos e repetitivos.
Ÿ Comportamentos restritos e repetitivos: há dificuldade em lidar com mudanças, apresentando
assim, algumas repetições de movimentos com as mãos ou corpo com mais frequência, podendo
apresentar sofrimento para mudança de foco em atividades de sua rotina.
Nível 1 – Necessidade de pouco apoio
Podemos assim entender...
- Grau severo (Nível 3).
Ÿ Comportamentos restritos e repetitivos: costuma apresentar dificuldades em relação às
mudanças, como por exemplo, em lidar com a quebra de rotina.
TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
O QUE É TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA?
2
Nível 3 – Necessidade de apoio muito substancial
Ÿ Comportamentos restritos e repetitivos: há extrema dificuldade em lidar com mudanças em seu
cotidiano, apresentando grande sofrimento para mudança de foco ou comportamento.
Ÿ Comunicação social: há graves dificuldades na interação social verbal e não verbal causando
grande limitação nas interações sociais com resposta mínima a aberturas sociais, que partem de
outros.
O QUE É TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA?
3
TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
Quais são os sinais de alerta?
Embora não haja uma cura para o TEA existem tratamentos que poderão proporcionar maior
qualidade de vida, assim como progressos comportamentais e cognitivos, conforme os estímulos
ofertados à pessoa que apresenta o transtorno.
Nesse sentido, alguns sinais poderão ser detectados a partir dos quatro meses de vida da criança, um
olhar atento das pessoas que convivem com ela será essencial, pois poderá auxiliar em uma
investigação dos profissionais da saúde. Assim, podemos identificar alguns sinais, que serão listados,
nesse material, a partir dos quatro meses de vida, até os cinco anos de idade.
- Não sustenta a cabeça;
4 MESES DE IDADE:
- Não sorri para as pessoas;
- Dificuldade em mover os olhos para todas as direções.
- Não leva as mãos ou objetos à boca;
- Não responde a estímulos sonoros;
 - Não acompanha objetos que se movam na sua frente;
- Não emite sons com a boca;
4
9 MESES DE IDADE:
- Não sorri ou dá risadas ou expressões alegres.
6 MESES DE IDADE:
- Não demonstra afeto por seus familiares;
- Não demonstra reciprocidade;
- Não responde aos sons emitidos próximos a ela;
12 MESES DE IDADE:
- Não tenta pegar objetos que estão próximos;
- Não emite pequenas vocalizações;
- Não balbucia;
- Não senta, mesmo com auxílio;
- Não olha para onde você aponta;
- Não fica em pé, quando segurado;
- Não reconhece o próprio nome;
- Não reconhece pessoas de seu convívio;
- Não passa os brinquedos de uma mão para outra;
- Não responde às tentativas de interação.
- Durante a brincadeira "de esconder", não procura os
- Não engatinha;
objetos que foram escondidos;
- Não fala palavras como “papai” ou “mamãe”;
- Não entende comandos como “mandar tchau”;
- Não aponta para objetos.
- Não faz contato visual;
QUAIS SÃO OS SINAIS DE ALERTA?
5
TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
- Não copia ações ou palavras;
- Não anda de forma equilibrada;
- Não fala frases com duas palavras, que não sejam imitação (exemplo: quero água);
3 ANOS DE IDADE:
- Não há interesse em brincar com outras crianças;
18 MESES DE IDADE:
2 ANOS DE IDADE:
- Cai muito ao andar;
- Não anda;
- Fala muito pobre ou incompreensível;
- Não expressa o que quer;
- Não aprende novas palavras;
- Não aponta para mostrar algo;
- Não copia comportamentos;
- Não entende o que fazer com utensílios comuns como colher, telefone, escova de cabelo;
- Não se importa se o cuidador se afasta ou se aproxima;
- Perdeu habilidades que já possuía.
- Não segue instruções simples;
- Perdeu habilidades que já possuía.
- Não compreende comandos simples;
- Não consegue brincar de “faz de conta”;
- Não consegue brincar com brinquedos simples (Exemplo: quebra-cabeça, Lego);
- Perdeu habilidades que já possuía.
QUAIS SÃO OS SINAIS DE ALERTA?
6
TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
4 ANOS DE IDADE:
- Não brinca com outras crianças;
- Resiste em trocar de roupas;
- Não aprende histórias de “faz de conta”;
- Interage com poucas pessoas;
- Dificuldades na fala;
- Não entende comandos simples;
- Não usa pronomes “você” e “eu” corretamente;
- Tem dificuldades para desenhar;
- Perdeu habilidades que já possuía.
5 ANOS DE IDADE:
- Não sabe diferenciar o que é real e imaginário;
- Não consegue jogar ou praticar uma variedade de atividades;
- Não demonstra variedade de emoções;
- Não consegue escovar os dentes, tomar banho ou se vestir sozinho;
- Não consegue falar o próprio nome completo;
- Não usa o plural ou o tempo passado corretamente;
- Se distrai facilmente;
- Não conversa sobre atividades ou experiências diárias vividas;
- Não interage com as pessoas;
- Não desenha figuras;
- Perdeu habilidades que já possuía.
QUAIS SÃO OS SINAIS DE ALERTA?
7
TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
Número de pessoas com autismo
Outro dado importante é que de 60 a 70% das pessoas que apresentam autismo têm deficiência
intelectual.
A porcentagem de crianças e adolescentes em todo o mundo é de 1%, conforme diversas pesquisas
internacionais realizadas nos Estados Unidos, Europa e Ásia. Uma pesquisa feita pela CDC (Centros de
Controle e Prevenção de Doenças), órgão ligado ao governo dos Estados Unidos, aponta que uma
criança a cada 59 nasce com o Transtorno do Espectro Autista (TEA).
Nesse sentido, a estimativa brasileira referente ao número de pessoas com autismo indica dois
milhões de brasileiros, é importante destacar que a ocorrência de autismo é maior no sexo masculino,
com a proporção de 5 meninos para cada menina, dessa forma, calcula-se aproximadamente um caso
de autismo para cada 42 nascimentos de meninos, enquanto que para o sexo feminino a relação seria
de um caso para cada grupo de 189 meninas.
8
Como ocorre o diagnóstico?
1) reciprocidade socioemocional;
2) comportamentos comunicativos não verbais;
Como exemplo, a incapacidade de compreender ou usar
efetivamente os aspectos sociais da linguagem. O mesmo vale
para comunicação não verbal ou para a manutenção de
relacionamentos.
O diagnóstico de transtorno do espectro autista engloba
prejuízos nas capacidades cognitivas sociais, que se encaixam
em três categorias necessárias:
3) interação social.
O indivíduo deve demonstrar déficits persistentes em todos os
três domínios. Embora vários transtornos psiquiátricos da
infância afetem negativamente o funcionamento social, seja de
forma geral, seja em contextos específicos, é importante
destacar, que as características fundamentais, para transtorno
do espectro autista indicam um prejuízo global em todas as
capacidades cognitivas sociais que são essenciais para
interação interpessoal adequada.
9
Comportamentos sensoriais restritos ou repetitivos também se encaixam nessa categoria, incluindo
sensibilidade a texturas, tocar ou cheirar objetos de forma excessiva e obsessão com estímulos visuais
ou sonoros. Os sintomas compatíveis com o TEA devem estar presentes desde o início da infância e
causar prejuízo significativo no funcionamento adaptativo.
O sujeito também deve demonstrar pelo menos duas características de comportamentos restritos ou
repetitivos, o que pode abranger fala repetitiva; movimentos repetitivos; interesses específicos, como
uso de objetos, rituais ou dificuldades para aderir a uma rotina ou para modificá-la.
COMO OCORRE O DIAGNÓSTICO?
10
TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
 Inclusão educacional
Qualquer ação coletiva necessita de estratégias que possam ser praticadas em um ambiente que
contribua para essa coletividade, quando se trata do Transtorno do Espectro Autista (TEA), não é uma
realidade diferente, desde o encaminhamento para profissionais que possam apresentar o fechamento
do laudo à inserção do estudante na sala de aula, não se trata de um processo simples, pois diversas
partes, evidentemente, deverão contribuir, de modo que cada uma possa efetivar o seu papel, tendo
como meta o mesmo produto final, o desenvolvimento pedagógico contribuindo com o exercício da
autonomia do estudante.
Conhecer as especificidades de cada um dos estudantes, no que se referem as suas dificuldades e
potencialidades, faz parte do processo educacional, seja com um estudante que apresenta alguma
deficiência ou não, pois será a partir de tal conhecimento que poderemos compreender as diferentes
formas de aprendizado.
De quem é a responsabilidade de incluir pessoas com deficiência no ambiente escolar? Pais,
professores, direção, coordenação, equipe de limpeza, merendeiras, inspetores e demais
administrativos da escola, ou seja, todos que fazem parte da rotina escolar deverão assumir essa
responsabilidade, por isso, é importante destacar novamente, que conhecer as características do
estudante incluindo suas habilidades e limitações será um fator decisivo, para que todos possam
contribuir verdadeiramente nesse processo.
O simples fato de agir com naturalidade em momentos de desestrutura emocional de um estudante
com autismo, para que o mesmo possa se sentir seguro nesse ambiente, será muito importante.
11
É preciso atenção ao fato de que apresentar TEA ou alguma outra especificidade, não
subtrai os deveres desses sujeitos, por esse motivo, todos os estudantes deverão respeitar
as regras da escola, assim como, horários, filas, e caso ocorra ausência do estudante sem
justificativa de atestado, o mesmo deverá receber falta, assim como ocorre com os
demais, de acordo com o regimento escolar.
Agora falando mais especificamente sobre a prática pedagógica em relação ao TEA,
podemos inclusive, utilizar de alguns interesses dos estudantes, para ensiná-los.
Tendo como exemplo, uma criança que apresenta grande interesse por carros, podemos
utilizar a imagem ou objetos que se relacionem para introduzir adição, subtração dentre
outros, mas sempre com a intenção de ampliar esse panorama de interesses. Ainda
utilizando o exemplo de carros, pode-se partir desses objetos, para aos poucos trazer
assuntos como: estradas, cidades, globalização, dentre outros, aumentando essa visão
gradativamente.
Também precisamos falar da matriz curricular, a qual apresenta a estruturação dos
conteúdos formalmente transmitidos na escola regular e que deverão ser apresentados a
todos os estudantes, independente de suas dificuldades, porém, é válido lembrar que há
maneiras diversas para o fornecimento de tal conteúdo e de sua avalição, e é sempre bom
termos em mente, que não devemos comparar um educando com outro, uma vez que cada
um apresentará ritmo e forma de aprendizagem diferenciada, apesar de também
apresentar TEA.
INCLUSÃO EDUCACIONAL
12
TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
Ÿ Frente a este comprometimento, as atividades e avaliações precisarão de referência concreta como:
alfabetos móveis, palitos ou tampas para adição e subtração, dentre outros materiais. As Ilustrações
nesses casos, preferencialmente, não devem ser utilizadas, mas sim, fotografias ou imagens com
boa resolução;
Ÿ Atenção para a quantidade de estímulos, muitas imagens ou cores, ao invés de reter a atenção do
educando, poderão trazer como consequência, o desvio atencional ou até mesmo irritabilidade;
Além disso, existem outros pontos que necessitam de atenção:
Ÿ Devemos utilizar, quando possível, experiências científicas, maquetes, dentre outros recursos que
possam se aproximar da prática de alguns conteúdos, pois isso trará mais interesse e significado
para a aprendizagem de estudantes com ou sem deficiência intelectual associada.
Ÿ Precisamos dar preferência a exemplificações que façam parte da vivência do estudante, como por
exemplo, será inviável a exemplificação ortográfica da palavra “concha” ou “cartucho”, se o
estudante nunca vivenciou situações que pudessem referenciar em sua memória, a identificação
desses exemplos.
Ÿ Quando o estudante apresentar muito comprometimento cognitivo será necessário que o professor
visualize no conteúdo proposto para a sala, o que poderia ser extraído deste, para a compreensão
do educando com TEA, após adequação.
Ÿ Nas atividades, assim como avaliações, deve-se preservar a idade cronológica do estudante. Como
exemplo, se o estudante é um adolescente de 15 anos, sua atividade deverá ser adequada de acordo
com esta fase, ou seja, sem imagens infantilizadas, como borboletinhas ou ursinhos, porém com
figuras que estejam aproximadas de sua realidade, extraídas de revistas, livros didáticos em desuso,
dentre outros recursos visuais.
INCLUSÃO EDUCACIONAL
13
TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
Ÿ É necessário tomar cuidado com a quantidade de atividades. É natural estarmos ansiosos com as
evoluções pedagógicas, mas precisaremos começar aos poucos, ou seja, deveremos respeitar o
tempo de cada estudante, que não se trata do mesmo que o nosso, nesse aspecto o menos é mais;
Ÿ Os enunciados de cada avalição necessitarão ser muito claros e, é preciso inclusive verificar se o
estudante não apresenta alguma dificuldade de leitura, no que se refere a sua visão, pois em alguns
casos, será necessário o aumento da fonte e espaçamento.
Ÿ Para fechar esse tópico, precisamos nos lembrar de que é sempre bom elogiar o estudante, afinal,
todos nós gostamos de reconhecimento. Devemos apresentar sim, suas incorreções, mas em
seguida, precisamos destacar suas evoluções, mesmo que, se em sua percepção, estas se pareçam
tão pequenas. Lembre-se: cada minúsculo fator poderá significar muito, principalmente para
sujeitos que encontram diversas dificuldades e que são cercados pelas expectativas de muitos.
INCLUSÃO EDUCACIONAL
14
TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
O que é tecnologia assistiva?
É uma área do conhecimento, de característica interdisciplinar, que agrega produtos,
recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivam promover a
autonomia, independência, qualidade de vida e a inclusão de pessoas com deficiência ou
mobilidade reduzida. Dentro da categoria “recursos”, podemos encontrar a Alta Tecnologia
(equipamentos que necessitam de controle de computadores ou dispositivos eletrônicos,
produzidos em indústrias, em série e por profissionais especializados) e a Baixa Tecnologia
(feito com materiais de baixo custo disponíveis no dia a dia e produzidos de forma artesanal
e individual).
Dessa forma, vamos agora destacar algumas categorias da Tecnologia Assistiva:
- CAA- Comunicação Aumentativa e Alternativa;
- Auxílios para a vida diária e vida prática;
- Recursos de acessibilidade ao computador;
- Órteses e próteses;
- Auxilio para cegos ou pessoas com baixa visão;
- Adaptações em Veículos;
- Auxílios de mobilidade;
- Adequação Postural;
- Projetos arquitetônicos para acessibilidade;
- Auxílios para pessoas com surdez ou com déficit auditivo.
15
Contudo, os recursos de Tecnologia Assistiva
podem ser utilizados como mediação para a
inclusão dos estudantes com Transtorno do
Espectro Autista no ambiente escolar,
possibilitando o desenvolvimento de sua
capacidade cognitiva, comunicacional e
motora, consequentemente, um grande
auxílio para sua inclusão social.
A disponibilidade de recursos e adaptações
torna-se a diferença para esses estudantes
desde um simples engrossador de lápis, a
criação de um quadro de rotinas, pistas
visuais para que o educando com TEA, não
verbal, possa demonstrar suas necessidades,
como ir ao banheiro, ingestão de água,
alimentação; até mesmo mudanças em seu
mobiliário, como aumento e redução de
carteiras, apoio plantar (suporte para os pés
enquanto o sujeito permanece sentado) para
a educação postural, a qual poderá interferir
em questões motoras.
O QUE É TECNOLOGIA ASSISTIVA?
16
TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
Integração sensorial no ambiente escolar
É necessário desenvolver estratégias de adaptações na escola, para garantir
um ambiente sensorial favorável ao aprendizado que agreguem as
necessidades do estudante com TEA, de modo a facilitar o desenvolvimento
das habilidades do sistema nervoso, para que o estudante consiga organizar,
processar e interpretar os estímulos sensoriais. Dessa forma, o Terapeuta
Ocupacional (TO) orienta o educador a estabelecer uma estratégia sensorial
adequada ao estudante, com o intuito de facilitar a aprendizagem, por meio do
controle dos mecanismos de concentração e alerta.
Ÿ Para estudantes com disfunção sensorial como hipersensibilidade (evita
sensações) tátil, pode-se evitar incômodo e ansiedade com o uso de luvas
com esponjas nas pontas para evitar o contato com a tinta em atividades,
dentre outras;
Ÿ Desenvolver a aquisição motora fina, percepção visual e sensação tátil, com
massa de modelar, geleca (massa gelatinosa), bexiga com areia ou
sementes, tinta, tapete sensorial (com diferentes texturas), saco sensorial
com gel ou areia (ziploc – saco plástico com uma espécie de zíper);
Vamos listar aqui, algumas estratégias que podem ser desenvolvidas na escola
para facilitar a aprendizagem:
17
Ÿ Para auxiliar estudantes que estão sempre em movimento, na concentração da rotina e na
organização do comportamento, em sala de aula, podem ser propostas atividades de alongamento e
relaxamento, almofadas ou assentos diferenciados para maior controle postural, prolongando
assim, a duração do tempo nesta postura sentada, durante a realização das atividades pedagógicas.
Ÿ Recursos sensoriais, que ajudam na autorregulação para manter as mãos e dedos quietos e
relaxados como, por exemplo: objetos emborrachados, gominhas de mola, garrafas sensoriais (com
água, tinta, glitter ou pequenos objetos), texturas diferentes em um pedaço de velcro colado abaixo
da mesa escolar; a caixa sensorial, que poderá apresentar objetos de diferentes texturas, também
será de grande proveito, com estudantes que estejam em fase de alfabetização, oferecendo dentro
da caixa, o alfabeto móvel, números ou formas geométricas, construídos com lixa, algodão, material
emborrachado, dentre outros.
INTEGRAÇÃO SENSORIAL NO AMBIENTE ESCOLAR
18
TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
Acompanhante especializado
O acompanhante especializado é um instrumento mediador para o processo de inclusão escolar,
porém, antes mesmo desse profissional ser contratado, a avaliação pedagógica do estudante deverá
ser realizada, para que seja possível constatar a real necessidade desse profissional. Se não houver
uma minuciosa avaliação, corremos o risco de inserir um acompanhante que não se adeque as
necessidades do estudante, ou até mesmo, podemos inserir um profissional que poderá estabelecer
uma relação de dependência com o educando, o que não é benéfico para seu desenvolvimento escolar
e social.
19
Devemos estar cientes que nem todo sujeito com TEA necessitará de um acompanhante
especializado, pois se o estudante acompanha autonomamente o ritmo da turma e apresenta apenas
algumas dificuldades em relação a uma disciplina em específico, e também em se socializar; neste
caso, se inserirmos um acompanhante especializado, podemos influenciar um retrocesso quanto aos
aspectos de independência do sujeito. As dificuldades supramencionadas poderão ser amenizadas ou
superadas com o auxílio do professor regente, colegas da turma e demais participantes da rotina
escolar do estudante.
É preciso enfatizar que o acompanhante especializado não pode ser visto como cuidador ou babá, e
sim como um mediador pedagógico, que juntamente ao professor regente irá realizar as devidas
adequações de atividades e avaliações, sempre aproveitando o currículo estabelecido para a turma. Tal
profissional deve também, sempre priorizar a autonomia do estudante, preparando-o inclusive para o
mundo, por isso, quando possível, deverá aos poucos, observar o estudante de longe em algumas
atividades ou intervalo de aula, até mesmo, para possibilitar a socialização do educando com seus
pares.
Também é importante destacar a estratégia de ensino colaborativo entre o acompanhante
especializado e o professor regente, de modo que o educando possa ser assistido pelos dois
profissionais. Assim como o professor regente faz com os demais estudantes, no caso de ter que
repetir uma explicação, porém com estratégias diferenciadas, também deverá fazer com o estudante
que apresenta TEA.
ACOMPANHANTE ESPECIALIZADO
20
TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
Direitos
Direitos das pessoas com TEA
no âmbito nacional
A Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação
Nacional, sobre o Direito a Educação e o Dever de Educar, no Art.4: prevê o atendimento educacional
especializado gratuito aos educandos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas
habilidades ou superdotação, a todos os níveis, etapas e modalidades, preferencialmente na rede
regular de ensino.
Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista, que foi
instituída com a Lei Nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012, a qual também é conhecida como - Lei
Berenice Piana - que assegura o acesso à educação para as pessoas com Transtorno do Espectro
Autista e ainda infere no Art. 7º: “O gestor escolar, ou autoridade competente, que recusar a matrícula
de aluno com transtorno do espectro autista, ou qualquer outro tipo de deficiência, será punido com
multa de 3 (três) a 20 (vinte) salários-mínimos”.
Lei Nº 13.438, de 26 de abril de 2017, a qual altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da
Criança e do Adolescente), para tornar obrigatória a adoção pelo Sistema Único de Saúde (SUS) de
protocolo, o qual estabeleça padrões para a avaliação de riscos para o desenvolvimento psíquico das
crianças, com obrigatoriedade de aplicação nos primeiros dezoito meses de vida.
22
Direitos das pessoas com TEA
no âmbito estadual (MS)
23
Lei 12.764/2012 e NOTA TÉCNICA Nº 24 / 2013 / MEC / SECADI / DPEE de 21 de março de 2013.
Lei esta que baseou a criação do Centro Estadual de Apoio Educacional e Multidisciplinar ao
Estudante com Transtorno do Espectro Autista – CEAME/TEA.
Decreto de Criação do CEAME/TEA. No. 14.480 de 24 de maio de 2016.
Lei 4.770, de 02 de dezembro de 2015, que autoriza o Poder Executivo do Estado de Mato Grosso
do Sul para criar Centros Avançados de Estudos, para Formação de Educadores das Redes Pública
e Privada de Ensino do Estado de Mato Grosso do Sul visando a inserção escolar de estudantes
portadores (termo utilizado pela lei, mesmo considerando a terminologia já utilizada a partir de
1990 – pessoas com deficiência) de autismo ou que receberam diagnóstico contendo Transtorno
do Espectro Autista.
Resolução de funcionamento do CEAME/TEA N. 3.120 de 31 de outubro de 2016.
TRANSTORNO DO
ESPECTRO
AUTISTA
CARTILHA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Anaí Peña
 
Espectro Autista- Protocolo Clinico de Acolhimento
Espectro Autista- Protocolo Clinico de Acolhimento Espectro Autista- Protocolo Clinico de Acolhimento
Espectro Autista- Protocolo Clinico de Acolhimento
Juju Dias
 
Manejo comportamental de crianças com Transtornos do Espectro do Autismo em c...
Manejo comportamental de crianças com Transtornos do Espectro do Autismo em c...Manejo comportamental de crianças com Transtornos do Espectro do Autismo em c...
Manejo comportamental de crianças com Transtornos do Espectro do Autismo em c...
Isa ...
 
Transtorno do Espectro Autista
Transtorno do Espectro AutistaTranstorno do Espectro Autista
Transtorno do Espectro Autista
CÉSAR TAVARES
 
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & Realidade
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & RealidadeInclusão: desafios e conquistas - Autismo & Realidade
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & Realidade
Autismo & Realidade
 
Autismo os educadores são a chave para inclusão!
Autismo  os educadores são a chave para inclusão!Autismo  os educadores são a chave para inclusão!
Autismo os educadores são a chave para inclusão!
Raline Guimaraes
 
Autismo
AutismoAutismo
Cartilha ele é austista..o que faço
Cartilha ele é austista..o que façoCartilha ele é austista..o que faço
Cartilha ele é austista..o que faço
Silvania silva
 
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regularAutismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Janderly Reis
 
Autismo
AutismoAutismo
Palestra Autismo para a ONG AMAI Azul
Palestra Autismo para a ONG AMAI AzulPalestra Autismo para a ONG AMAI Azul
Palestra Autismo para a ONG AMAI Azul
ClinicaAssis
 
Conselhos para pais de autistas
Conselhos para pais de autistasConselhos para pais de autistas
Conselhos para pais de autistas
Sarah Olliver
 
Transtorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBP
Transtorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBPTranstorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBP
Transtorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBP
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Slide para blog sobre Autismo
Slide para blog sobre AutismoSlide para blog sobre Autismo
Slide para blog sobre Autismo
Antonio Franklin Ritton
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo artigo
Autismo artigoAutismo artigo
Autismo artigo
seriesupertrabalhos3
 
Familia e autismo
Familia e autismoFamilia e autismo
Lidando com o autismo em sala de aula sem video
Lidando com o autismo em sala de aula sem videoLidando com o autismo em sala de aula sem video
Lidando com o autismo em sala de aula sem video
craeditgd
 

Mais procurados (18)

Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
 
Espectro Autista- Protocolo Clinico de Acolhimento
Espectro Autista- Protocolo Clinico de Acolhimento Espectro Autista- Protocolo Clinico de Acolhimento
Espectro Autista- Protocolo Clinico de Acolhimento
 
Manejo comportamental de crianças com Transtornos do Espectro do Autismo em c...
Manejo comportamental de crianças com Transtornos do Espectro do Autismo em c...Manejo comportamental de crianças com Transtornos do Espectro do Autismo em c...
Manejo comportamental de crianças com Transtornos do Espectro do Autismo em c...
 
Transtorno do Espectro Autista
Transtorno do Espectro AutistaTranstorno do Espectro Autista
Transtorno do Espectro Autista
 
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & Realidade
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & RealidadeInclusão: desafios e conquistas - Autismo & Realidade
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & Realidade
 
Autismo os educadores são a chave para inclusão!
Autismo  os educadores são a chave para inclusão!Autismo  os educadores são a chave para inclusão!
Autismo os educadores são a chave para inclusão!
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Cartilha ele é austista..o que faço
Cartilha ele é austista..o que façoCartilha ele é austista..o que faço
Cartilha ele é austista..o que faço
 
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regularAutismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Palestra Autismo para a ONG AMAI Azul
Palestra Autismo para a ONG AMAI AzulPalestra Autismo para a ONG AMAI Azul
Palestra Autismo para a ONG AMAI Azul
 
Conselhos para pais de autistas
Conselhos para pais de autistasConselhos para pais de autistas
Conselhos para pais de autistas
 
Transtorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBP
Transtorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBPTranstorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBP
Transtorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBP
 
Slide para blog sobre Autismo
Slide para blog sobre AutismoSlide para blog sobre Autismo
Slide para blog sobre Autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Autismo artigo
Autismo artigoAutismo artigo
Autismo artigo
 
Familia e autismo
Familia e autismoFamilia e autismo
Familia e autismo
 
Lidando com o autismo em sala de aula sem video
Lidando com o autismo em sala de aula sem videoLidando com o autismo em sala de aula sem video
Lidando com o autismo em sala de aula sem video
 

Semelhante a Cartilha tea-e-book-1

ApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO AutismoApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO Autismo
Genilson Costa e Silva
 
Neuropedagogia
NeuropedagogiaNeuropedagogia
Transtornos Globais do Desenvolvimento
Transtornos Globais do DesenvolvimentoTranstornos Globais do Desenvolvimento
Transtornos Globais do Desenvolvimento
Instituto Consciência GO
 
Autismo - Breves Considerações - Amanda Bueno
Autismo - Breves Considerações - Amanda BuenoAutismo - Breves Considerações - Amanda Bueno
Autismo - Breves Considerações - Amanda Bueno
Caminhos do Autismo
 
TEA- Transtorno do Espectro Autista, conceito, diagnóstico
TEA- Transtorno do Espectro Autista, conceito, diagnósticoTEA- Transtorno do Espectro Autista, conceito, diagnóstico
TEA- Transtorno do Espectro Autista, conceito, diagnóstico
DanilloPalmeira3
 
Caracterização dos TGD's
Caracterização dos TGD'sCaracterização dos TGD's
Caracterização dos TGD's
Instituto Consciência GO
 
Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre Autismo
Tathiane Cuesta
 
Contexto educacional do estudante com autismo
Contexto educacional do estudante com autismoContexto educacional do estudante com autismo
Contexto educacional do estudante com autismo
dilaina maria araujo maria
 
autismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdfautismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdf
lojakeuke
 
Palestra autismo amai 03.04.2015
Palestra autismo amai 03.04.2015Palestra autismo amai 03.04.2015
Palestra autismo amai 03.04.2015
ClinicaAssis
 
Perturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismoPerturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismo
amorimjuvenal
 
Direitospessoasautismo leitura
Direitospessoasautismo leituraDireitospessoasautismo leitura
Direitospessoasautismo leitura
Ana Lúcia Hennemann
 
Direitos pessoasautismo leitura
Direitos pessoasautismo leituraDireitos pessoasautismo leitura
Direitos pessoasautismo leitura
SimoneHelenDrumond
 
Cartilha direitos
Cartilha direitosCartilha direitos
Cartilha direitos
mariasidnei35
 
Direitos pessoasautismo leitura
Direitos pessoasautismo leituraDireitos pessoasautismo leitura
Direitos pessoasautismo leitura
ACECTALCT
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
AutismoAutismo
Indicadores do desenvolvimento infantil e sinais para detecção_final.pdf
Indicadores do desenvolvimento infantil e sinais para detecção_final.pdfIndicadores do desenvolvimento infantil e sinais para detecção_final.pdf
Indicadores do desenvolvimento infantil e sinais para detecção_final.pdf
JssicaBarbetto
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo sem preconceito.pdf
Autismo sem preconceito.pdfAutismo sem preconceito.pdf
Autismo sem preconceito.pdf
ClarisseAmaral
 

Semelhante a Cartilha tea-e-book-1 (20)

ApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO AutismoApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO Autismo
 
Neuropedagogia
NeuropedagogiaNeuropedagogia
Neuropedagogia
 
Transtornos Globais do Desenvolvimento
Transtornos Globais do DesenvolvimentoTranstornos Globais do Desenvolvimento
Transtornos Globais do Desenvolvimento
 
Autismo - Breves Considerações - Amanda Bueno
Autismo - Breves Considerações - Amanda BuenoAutismo - Breves Considerações - Amanda Bueno
Autismo - Breves Considerações - Amanda Bueno
 
TEA- Transtorno do Espectro Autista, conceito, diagnóstico
TEA- Transtorno do Espectro Autista, conceito, diagnósticoTEA- Transtorno do Espectro Autista, conceito, diagnóstico
TEA- Transtorno do Espectro Autista, conceito, diagnóstico
 
Caracterização dos TGD's
Caracterização dos TGD'sCaracterização dos TGD's
Caracterização dos TGD's
 
Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre Autismo
 
Contexto educacional do estudante com autismo
Contexto educacional do estudante com autismoContexto educacional do estudante com autismo
Contexto educacional do estudante com autismo
 
autismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdfautismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdf
 
Palestra autismo amai 03.04.2015
Palestra autismo amai 03.04.2015Palestra autismo amai 03.04.2015
Palestra autismo amai 03.04.2015
 
Perturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismoPerturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismo
 
Direitospessoasautismo leitura
Direitospessoasautismo leituraDireitospessoasautismo leitura
Direitospessoasautismo leitura
 
Direitos pessoasautismo leitura
Direitos pessoasautismo leituraDireitos pessoasautismo leitura
Direitos pessoasautismo leitura
 
Cartilha direitos
Cartilha direitosCartilha direitos
Cartilha direitos
 
Direitos pessoasautismo leitura
Direitos pessoasautismo leituraDireitos pessoasautismo leitura
Direitos pessoasautismo leitura
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Indicadores do desenvolvimento infantil e sinais para detecção_final.pdf
Indicadores do desenvolvimento infantil e sinais para detecção_final.pdfIndicadores do desenvolvimento infantil e sinais para detecção_final.pdf
Indicadores do desenvolvimento infantil e sinais para detecção_final.pdf
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Autismo sem preconceito.pdf
Autismo sem preconceito.pdfAutismo sem preconceito.pdf
Autismo sem preconceito.pdf
 

Último

Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
MarcoAurlioResende
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 

Último (20)

Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 

Cartilha tea-e-book-1

  • 1. TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA ORGANIZAÇÃO ADRIANA A. BURATO MARQUES BUYTENDORP PAOLA GIANOTTO BRAGA STÉFANI QUEVEDO DE MENESES DOS SANTOS CARTILHA
  • 2. Reinaldo Azambuja Silva GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL Maria Cecilia Amendola da Motta SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO DO SUL Edio Antonio Resende de Castro SECRETÁRIO ADJUNTO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO DO SUL Hélio Queiroz Daher SUPERINTENDENTE DE POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO | SED Adriana Aparecida Burato Marques Buytendorp COORDENADORA DE POLÍTICAS PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL | SED PRODUÇÃO Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso do Sul – SED-MS Coordenadoria de Políticas para a Educação Especial – COPESP PROJETO Centro Estadual de Apoio Multidisciplinar Educacional ao Estudante com Transtorno do Espectro Autista – Núcleo de Pesquisa Educacional – CEAME/TEA COORDENAÇÃO Paola Gianotto Braga ORGANIZAÇÃO Paola Gianotto Braga Stéfani Quevedo de Meneses dos Santos Adriana Aparecida Burato Marques Buytendorp REVISÃO LINGUÍSTICA E ORTOGRÁFICA Stéfani Quevedo de Meneses dos Santos ILUSTRAÇÕES João Pedro Rodrigues da Costa – Estudante atendido pelo CEAME/TEA DIAGRAMAÇÃO E CAPA Cezinha Galhardo - Assessoria de Comunicação | SED
  • 3.
  • 4. Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Ficha Catalográfica elaborada pela Bibliotecária Edneia Auxiliadora Arruda Barreto Medeiros - CRB1-2433 B7302c BRAGA, Paola Gianotto Cartilha transtorno do espectro autista [recurso eletrônico] / Paola Gianotto Braga, Stéfani Quevedo de Meneses dos Santos e Adriana A. Burato Marques Buytendorp. Campo Grande, MS: Secretaria de Estado de Educação do Mato Grosso do Sul – SED/MS, 2019. 28 p. 13,5 MB; e-Book - PDF ISBN 978-85-65491-10-5 1. Educação. 2. Educação especial. 3. Autismo. 4. Transtorno do espectro autista. 5. Distúrbios da comunicação em criança. I. Santos, Stéfani Quevedo de Meneses dos. II. Buytencorp, Adriana A. Burato Marques. III. Título. CDD 371.9
  • 5. CARTILHA TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA ORGANIZAÇÃO ADRIANA A. BURATO MARQUES BUYTENDORP PAOLA GIANOTTO BRAGA STÉFANI QUEVEDO DE MENESES DOS SANTOS
  • 6.
  • 7. O que é transtorno do espectro autista? O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um distúrbio de desenvolvimento complexo que se caracteriza por déficits na comunicação oral e em habilidades para desenvolver, manter e compreender relacionamentos sociais. Pessoas com autismo poderão apresentar prejuízos, tanto na linguagem verbal, quanto na não verbal. Apresentam dificuldades em compreender expressões faciais, gestos, símbolos e metáforas. Essa repetição é chamada de ecolalia, que pode se apresentar como imediata (repetição de frases que acabam de ouvir); tardia (repetição de frases antigas, guardadas na memória); e após um tratamento direcionado por um profissional fonoaudiólogo a ecolalia pode deixar de ser imediata e tardia, para se tornar mitigada (durante a emissão poderão ocorrer modificações na fala reproduzida para situações diferentes, tendo como intenção a comunicação, inclusive com alterações no tom de voz e no ritmo da fala). Além disso, também é apresentado pelo sujeito com TEA, padrões repetitivos de comportamento (o movimento repetitivo das mãos ou o balançar do corpo), assim como interesses ou atividades (apresentar um interesse por um personagem em específico ou por um determinado objeto, como também poderá gostar de um assunto específico, sendo os mais comuns: dinossauros, planetas, carros, dentre outros). Algumas pessoas com TEA podem emitir palavras ou frases sem a intenção de se comunicar, como um exemplo, podem repetir diálogos de filmes, animações ou mesmo palavras faladas por pessoas que fazem parte de sua rotina. 1
  • 8. Após essas especificações, encontraremos três níveis de gravidade, são eles:  - Grau leve (Nível 1); - Grau moderado (Nível 2); Nível 2 – Necessidade de apoio substancial Ÿ Comunicação social: pode apresentar dificuldades para se relacionar socialmente, como para iniciar um diálogo, apresentando pouco interesse em interagir com as outras pessoas, porém se estimulado a interagir, poderá apresentar comunicação com respostas mais objetivas. Ÿ Comunicação social: dificuldades graves na interação social verbal e não verbal com grandes limitações, mesmo se receber auxílio durante a comunicação, apresentado respostas reduzidas ou incomuns durante interações sociais que partem dos outros. Cada um dos níveis relaciona-se a quantidade de apoio necessária para contemplar as necessidades de cada pessoa com TEA levando em conta as dificuldades na comunicação social, e os comportamentos restritos e repetitivos. Ÿ Comportamentos restritos e repetitivos: há dificuldade em lidar com mudanças, apresentando assim, algumas repetições de movimentos com as mãos ou corpo com mais frequência, podendo apresentar sofrimento para mudança de foco em atividades de sua rotina. Nível 1 – Necessidade de pouco apoio Podemos assim entender... - Grau severo (Nível 3). Ÿ Comportamentos restritos e repetitivos: costuma apresentar dificuldades em relação às mudanças, como por exemplo, em lidar com a quebra de rotina. TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA O QUE É TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA? 2
  • 9. Nível 3 – Necessidade de apoio muito substancial Ÿ Comportamentos restritos e repetitivos: há extrema dificuldade em lidar com mudanças em seu cotidiano, apresentando grande sofrimento para mudança de foco ou comportamento. Ÿ Comunicação social: há graves dificuldades na interação social verbal e não verbal causando grande limitação nas interações sociais com resposta mínima a aberturas sociais, que partem de outros. O QUE É TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA? 3 TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
  • 10. Quais são os sinais de alerta? Embora não haja uma cura para o TEA existem tratamentos que poderão proporcionar maior qualidade de vida, assim como progressos comportamentais e cognitivos, conforme os estímulos ofertados à pessoa que apresenta o transtorno. Nesse sentido, alguns sinais poderão ser detectados a partir dos quatro meses de vida da criança, um olhar atento das pessoas que convivem com ela será essencial, pois poderá auxiliar em uma investigação dos profissionais da saúde. Assim, podemos identificar alguns sinais, que serão listados, nesse material, a partir dos quatro meses de vida, até os cinco anos de idade. - Não sustenta a cabeça; 4 MESES DE IDADE: - Não sorri para as pessoas; - Dificuldade em mover os olhos para todas as direções. - Não leva as mãos ou objetos à boca; - Não responde a estímulos sonoros;  - Não acompanha objetos que se movam na sua frente; - Não emite sons com a boca; 4
  • 11. 9 MESES DE IDADE: - Não sorri ou dá risadas ou expressões alegres. 6 MESES DE IDADE: - Não demonstra afeto por seus familiares; - Não demonstra reciprocidade; - Não responde aos sons emitidos próximos a ela; 12 MESES DE IDADE: - Não tenta pegar objetos que estão próximos; - Não emite pequenas vocalizações; - Não balbucia; - Não senta, mesmo com auxílio; - Não olha para onde você aponta; - Não fica em pé, quando segurado; - Não reconhece o próprio nome; - Não reconhece pessoas de seu convívio; - Não passa os brinquedos de uma mão para outra; - Não responde às tentativas de interação. - Durante a brincadeira "de esconder", não procura os - Não engatinha; objetos que foram escondidos; - Não fala palavras como “papai” ou “mamãe”; - Não entende comandos como “mandar tchau”; - Não aponta para objetos. - Não faz contato visual; QUAIS SÃO OS SINAIS DE ALERTA? 5 TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
  • 12. - Não copia ações ou palavras; - Não anda de forma equilibrada; - Não fala frases com duas palavras, que não sejam imitação (exemplo: quero água); 3 ANOS DE IDADE: - Não há interesse em brincar com outras crianças; 18 MESES DE IDADE: 2 ANOS DE IDADE: - Cai muito ao andar; - Não anda; - Fala muito pobre ou incompreensível; - Não expressa o que quer; - Não aprende novas palavras; - Não aponta para mostrar algo; - Não copia comportamentos; - Não entende o que fazer com utensílios comuns como colher, telefone, escova de cabelo; - Não se importa se o cuidador se afasta ou se aproxima; - Perdeu habilidades que já possuía. - Não segue instruções simples; - Perdeu habilidades que já possuía. - Não compreende comandos simples; - Não consegue brincar de “faz de conta”; - Não consegue brincar com brinquedos simples (Exemplo: quebra-cabeça, Lego); - Perdeu habilidades que já possuía. QUAIS SÃO OS SINAIS DE ALERTA? 6 TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
  • 13. 4 ANOS DE IDADE: - Não brinca com outras crianças; - Resiste em trocar de roupas; - Não aprende histórias de “faz de conta”; - Interage com poucas pessoas; - Dificuldades na fala; - Não entende comandos simples; - Não usa pronomes “você” e “eu” corretamente; - Tem dificuldades para desenhar; - Perdeu habilidades que já possuía. 5 ANOS DE IDADE: - Não sabe diferenciar o que é real e imaginário; - Não consegue jogar ou praticar uma variedade de atividades; - Não demonstra variedade de emoções; - Não consegue escovar os dentes, tomar banho ou se vestir sozinho; - Não consegue falar o próprio nome completo; - Não usa o plural ou o tempo passado corretamente; - Se distrai facilmente; - Não conversa sobre atividades ou experiências diárias vividas; - Não interage com as pessoas; - Não desenha figuras; - Perdeu habilidades que já possuía. QUAIS SÃO OS SINAIS DE ALERTA? 7 TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
  • 14. Número de pessoas com autismo Outro dado importante é que de 60 a 70% das pessoas que apresentam autismo têm deficiência intelectual. A porcentagem de crianças e adolescentes em todo o mundo é de 1%, conforme diversas pesquisas internacionais realizadas nos Estados Unidos, Europa e Ásia. Uma pesquisa feita pela CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças), órgão ligado ao governo dos Estados Unidos, aponta que uma criança a cada 59 nasce com o Transtorno do Espectro Autista (TEA). Nesse sentido, a estimativa brasileira referente ao número de pessoas com autismo indica dois milhões de brasileiros, é importante destacar que a ocorrência de autismo é maior no sexo masculino, com a proporção de 5 meninos para cada menina, dessa forma, calcula-se aproximadamente um caso de autismo para cada 42 nascimentos de meninos, enquanto que para o sexo feminino a relação seria de um caso para cada grupo de 189 meninas. 8
  • 15. Como ocorre o diagnóstico? 1) reciprocidade socioemocional; 2) comportamentos comunicativos não verbais; Como exemplo, a incapacidade de compreender ou usar efetivamente os aspectos sociais da linguagem. O mesmo vale para comunicação não verbal ou para a manutenção de relacionamentos. O diagnóstico de transtorno do espectro autista engloba prejuízos nas capacidades cognitivas sociais, que se encaixam em três categorias necessárias: 3) interação social. O indivíduo deve demonstrar déficits persistentes em todos os três domínios. Embora vários transtornos psiquiátricos da infância afetem negativamente o funcionamento social, seja de forma geral, seja em contextos específicos, é importante destacar, que as características fundamentais, para transtorno do espectro autista indicam um prejuízo global em todas as capacidades cognitivas sociais que são essenciais para interação interpessoal adequada. 9
  • 16. Comportamentos sensoriais restritos ou repetitivos também se encaixam nessa categoria, incluindo sensibilidade a texturas, tocar ou cheirar objetos de forma excessiva e obsessão com estímulos visuais ou sonoros. Os sintomas compatíveis com o TEA devem estar presentes desde o início da infância e causar prejuízo significativo no funcionamento adaptativo. O sujeito também deve demonstrar pelo menos duas características de comportamentos restritos ou repetitivos, o que pode abranger fala repetitiva; movimentos repetitivos; interesses específicos, como uso de objetos, rituais ou dificuldades para aderir a uma rotina ou para modificá-la. COMO OCORRE O DIAGNÓSTICO? 10 TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
  • 17.  Inclusão educacional Qualquer ação coletiva necessita de estratégias que possam ser praticadas em um ambiente que contribua para essa coletividade, quando se trata do Transtorno do Espectro Autista (TEA), não é uma realidade diferente, desde o encaminhamento para profissionais que possam apresentar o fechamento do laudo à inserção do estudante na sala de aula, não se trata de um processo simples, pois diversas partes, evidentemente, deverão contribuir, de modo que cada uma possa efetivar o seu papel, tendo como meta o mesmo produto final, o desenvolvimento pedagógico contribuindo com o exercício da autonomia do estudante. Conhecer as especificidades de cada um dos estudantes, no que se referem as suas dificuldades e potencialidades, faz parte do processo educacional, seja com um estudante que apresenta alguma deficiência ou não, pois será a partir de tal conhecimento que poderemos compreender as diferentes formas de aprendizado. De quem é a responsabilidade de incluir pessoas com deficiência no ambiente escolar? Pais, professores, direção, coordenação, equipe de limpeza, merendeiras, inspetores e demais administrativos da escola, ou seja, todos que fazem parte da rotina escolar deverão assumir essa responsabilidade, por isso, é importante destacar novamente, que conhecer as características do estudante incluindo suas habilidades e limitações será um fator decisivo, para que todos possam contribuir verdadeiramente nesse processo. O simples fato de agir com naturalidade em momentos de desestrutura emocional de um estudante com autismo, para que o mesmo possa se sentir seguro nesse ambiente, será muito importante. 11
  • 18. É preciso atenção ao fato de que apresentar TEA ou alguma outra especificidade, não subtrai os deveres desses sujeitos, por esse motivo, todos os estudantes deverão respeitar as regras da escola, assim como, horários, filas, e caso ocorra ausência do estudante sem justificativa de atestado, o mesmo deverá receber falta, assim como ocorre com os demais, de acordo com o regimento escolar. Agora falando mais especificamente sobre a prática pedagógica em relação ao TEA, podemos inclusive, utilizar de alguns interesses dos estudantes, para ensiná-los. Tendo como exemplo, uma criança que apresenta grande interesse por carros, podemos utilizar a imagem ou objetos que se relacionem para introduzir adição, subtração dentre outros, mas sempre com a intenção de ampliar esse panorama de interesses. Ainda utilizando o exemplo de carros, pode-se partir desses objetos, para aos poucos trazer assuntos como: estradas, cidades, globalização, dentre outros, aumentando essa visão gradativamente. Também precisamos falar da matriz curricular, a qual apresenta a estruturação dos conteúdos formalmente transmitidos na escola regular e que deverão ser apresentados a todos os estudantes, independente de suas dificuldades, porém, é válido lembrar que há maneiras diversas para o fornecimento de tal conteúdo e de sua avalição, e é sempre bom termos em mente, que não devemos comparar um educando com outro, uma vez que cada um apresentará ritmo e forma de aprendizagem diferenciada, apesar de também apresentar TEA. INCLUSÃO EDUCACIONAL 12 TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
  • 19. Ÿ Frente a este comprometimento, as atividades e avaliações precisarão de referência concreta como: alfabetos móveis, palitos ou tampas para adição e subtração, dentre outros materiais. As Ilustrações nesses casos, preferencialmente, não devem ser utilizadas, mas sim, fotografias ou imagens com boa resolução; Ÿ Atenção para a quantidade de estímulos, muitas imagens ou cores, ao invés de reter a atenção do educando, poderão trazer como consequência, o desvio atencional ou até mesmo irritabilidade; Além disso, existem outros pontos que necessitam de atenção: Ÿ Devemos utilizar, quando possível, experiências científicas, maquetes, dentre outros recursos que possam se aproximar da prática de alguns conteúdos, pois isso trará mais interesse e significado para a aprendizagem de estudantes com ou sem deficiência intelectual associada. Ÿ Precisamos dar preferência a exemplificações que façam parte da vivência do estudante, como por exemplo, será inviável a exemplificação ortográfica da palavra “concha” ou “cartucho”, se o estudante nunca vivenciou situações que pudessem referenciar em sua memória, a identificação desses exemplos. Ÿ Quando o estudante apresentar muito comprometimento cognitivo será necessário que o professor visualize no conteúdo proposto para a sala, o que poderia ser extraído deste, para a compreensão do educando com TEA, após adequação. Ÿ Nas atividades, assim como avaliações, deve-se preservar a idade cronológica do estudante. Como exemplo, se o estudante é um adolescente de 15 anos, sua atividade deverá ser adequada de acordo com esta fase, ou seja, sem imagens infantilizadas, como borboletinhas ou ursinhos, porém com figuras que estejam aproximadas de sua realidade, extraídas de revistas, livros didáticos em desuso, dentre outros recursos visuais. INCLUSÃO EDUCACIONAL 13 TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
  • 20. Ÿ É necessário tomar cuidado com a quantidade de atividades. É natural estarmos ansiosos com as evoluções pedagógicas, mas precisaremos começar aos poucos, ou seja, deveremos respeitar o tempo de cada estudante, que não se trata do mesmo que o nosso, nesse aspecto o menos é mais; Ÿ Os enunciados de cada avalição necessitarão ser muito claros e, é preciso inclusive verificar se o estudante não apresenta alguma dificuldade de leitura, no que se refere a sua visão, pois em alguns casos, será necessário o aumento da fonte e espaçamento. Ÿ Para fechar esse tópico, precisamos nos lembrar de que é sempre bom elogiar o estudante, afinal, todos nós gostamos de reconhecimento. Devemos apresentar sim, suas incorreções, mas em seguida, precisamos destacar suas evoluções, mesmo que, se em sua percepção, estas se pareçam tão pequenas. Lembre-se: cada minúsculo fator poderá significar muito, principalmente para sujeitos que encontram diversas dificuldades e que são cercados pelas expectativas de muitos. INCLUSÃO EDUCACIONAL 14 TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
  • 21. O que é tecnologia assistiva? É uma área do conhecimento, de característica interdisciplinar, que agrega produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivam promover a autonomia, independência, qualidade de vida e a inclusão de pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. Dentro da categoria “recursos”, podemos encontrar a Alta Tecnologia (equipamentos que necessitam de controle de computadores ou dispositivos eletrônicos, produzidos em indústrias, em série e por profissionais especializados) e a Baixa Tecnologia (feito com materiais de baixo custo disponíveis no dia a dia e produzidos de forma artesanal e individual). Dessa forma, vamos agora destacar algumas categorias da Tecnologia Assistiva: - CAA- Comunicação Aumentativa e Alternativa; - Auxílios para a vida diária e vida prática; - Recursos de acessibilidade ao computador; - Órteses e próteses; - Auxilio para cegos ou pessoas com baixa visão; - Adaptações em Veículos; - Auxílios de mobilidade; - Adequação Postural; - Projetos arquitetônicos para acessibilidade; - Auxílios para pessoas com surdez ou com déficit auditivo. 15
  • 22. Contudo, os recursos de Tecnologia Assistiva podem ser utilizados como mediação para a inclusão dos estudantes com Transtorno do Espectro Autista no ambiente escolar, possibilitando o desenvolvimento de sua capacidade cognitiva, comunicacional e motora, consequentemente, um grande auxílio para sua inclusão social. A disponibilidade de recursos e adaptações torna-se a diferença para esses estudantes desde um simples engrossador de lápis, a criação de um quadro de rotinas, pistas visuais para que o educando com TEA, não verbal, possa demonstrar suas necessidades, como ir ao banheiro, ingestão de água, alimentação; até mesmo mudanças em seu mobiliário, como aumento e redução de carteiras, apoio plantar (suporte para os pés enquanto o sujeito permanece sentado) para a educação postural, a qual poderá interferir em questões motoras. O QUE É TECNOLOGIA ASSISTIVA? 16 TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
  • 23. Integração sensorial no ambiente escolar É necessário desenvolver estratégias de adaptações na escola, para garantir um ambiente sensorial favorável ao aprendizado que agreguem as necessidades do estudante com TEA, de modo a facilitar o desenvolvimento das habilidades do sistema nervoso, para que o estudante consiga organizar, processar e interpretar os estímulos sensoriais. Dessa forma, o Terapeuta Ocupacional (TO) orienta o educador a estabelecer uma estratégia sensorial adequada ao estudante, com o intuito de facilitar a aprendizagem, por meio do controle dos mecanismos de concentração e alerta. Ÿ Para estudantes com disfunção sensorial como hipersensibilidade (evita sensações) tátil, pode-se evitar incômodo e ansiedade com o uso de luvas com esponjas nas pontas para evitar o contato com a tinta em atividades, dentre outras; Ÿ Desenvolver a aquisição motora fina, percepção visual e sensação tátil, com massa de modelar, geleca (massa gelatinosa), bexiga com areia ou sementes, tinta, tapete sensorial (com diferentes texturas), saco sensorial com gel ou areia (ziploc – saco plástico com uma espécie de zíper); Vamos listar aqui, algumas estratégias que podem ser desenvolvidas na escola para facilitar a aprendizagem: 17
  • 24. Ÿ Para auxiliar estudantes que estão sempre em movimento, na concentração da rotina e na organização do comportamento, em sala de aula, podem ser propostas atividades de alongamento e relaxamento, almofadas ou assentos diferenciados para maior controle postural, prolongando assim, a duração do tempo nesta postura sentada, durante a realização das atividades pedagógicas. Ÿ Recursos sensoriais, que ajudam na autorregulação para manter as mãos e dedos quietos e relaxados como, por exemplo: objetos emborrachados, gominhas de mola, garrafas sensoriais (com água, tinta, glitter ou pequenos objetos), texturas diferentes em um pedaço de velcro colado abaixo da mesa escolar; a caixa sensorial, que poderá apresentar objetos de diferentes texturas, também será de grande proveito, com estudantes que estejam em fase de alfabetização, oferecendo dentro da caixa, o alfabeto móvel, números ou formas geométricas, construídos com lixa, algodão, material emborrachado, dentre outros. INTEGRAÇÃO SENSORIAL NO AMBIENTE ESCOLAR 18 TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
  • 25. Acompanhante especializado O acompanhante especializado é um instrumento mediador para o processo de inclusão escolar, porém, antes mesmo desse profissional ser contratado, a avaliação pedagógica do estudante deverá ser realizada, para que seja possível constatar a real necessidade desse profissional. Se não houver uma minuciosa avaliação, corremos o risco de inserir um acompanhante que não se adeque as necessidades do estudante, ou até mesmo, podemos inserir um profissional que poderá estabelecer uma relação de dependência com o educando, o que não é benéfico para seu desenvolvimento escolar e social. 19
  • 26. Devemos estar cientes que nem todo sujeito com TEA necessitará de um acompanhante especializado, pois se o estudante acompanha autonomamente o ritmo da turma e apresenta apenas algumas dificuldades em relação a uma disciplina em específico, e também em se socializar; neste caso, se inserirmos um acompanhante especializado, podemos influenciar um retrocesso quanto aos aspectos de independência do sujeito. As dificuldades supramencionadas poderão ser amenizadas ou superadas com o auxílio do professor regente, colegas da turma e demais participantes da rotina escolar do estudante. É preciso enfatizar que o acompanhante especializado não pode ser visto como cuidador ou babá, e sim como um mediador pedagógico, que juntamente ao professor regente irá realizar as devidas adequações de atividades e avaliações, sempre aproveitando o currículo estabelecido para a turma. Tal profissional deve também, sempre priorizar a autonomia do estudante, preparando-o inclusive para o mundo, por isso, quando possível, deverá aos poucos, observar o estudante de longe em algumas atividades ou intervalo de aula, até mesmo, para possibilitar a socialização do educando com seus pares. Também é importante destacar a estratégia de ensino colaborativo entre o acompanhante especializado e o professor regente, de modo que o educando possa ser assistido pelos dois profissionais. Assim como o professor regente faz com os demais estudantes, no caso de ter que repetir uma explicação, porém com estratégias diferenciadas, também deverá fazer com o estudante que apresenta TEA. ACOMPANHANTE ESPECIALIZADO 20 TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA
  • 28. Direitos das pessoas com TEA no âmbito nacional A Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, sobre o Direito a Educação e o Dever de Educar, no Art.4: prevê o atendimento educacional especializado gratuito aos educandos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, a todos os níveis, etapas e modalidades, preferencialmente na rede regular de ensino. Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista, que foi instituída com a Lei Nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012, a qual também é conhecida como - Lei Berenice Piana - que assegura o acesso à educação para as pessoas com Transtorno do Espectro Autista e ainda infere no Art. 7º: “O gestor escolar, ou autoridade competente, que recusar a matrícula de aluno com transtorno do espectro autista, ou qualquer outro tipo de deficiência, será punido com multa de 3 (três) a 20 (vinte) salários-mínimos”. Lei Nº 13.438, de 26 de abril de 2017, a qual altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), para tornar obrigatória a adoção pelo Sistema Único de Saúde (SUS) de protocolo, o qual estabeleça padrões para a avaliação de riscos para o desenvolvimento psíquico das crianças, com obrigatoriedade de aplicação nos primeiros dezoito meses de vida. 22
  • 29. Direitos das pessoas com TEA no âmbito estadual (MS) 23 Lei 12.764/2012 e NOTA TÉCNICA Nº 24 / 2013 / MEC / SECADI / DPEE de 21 de março de 2013. Lei esta que baseou a criação do Centro Estadual de Apoio Educacional e Multidisciplinar ao Estudante com Transtorno do Espectro Autista – CEAME/TEA. Decreto de Criação do CEAME/TEA. No. 14.480 de 24 de maio de 2016. Lei 4.770, de 02 de dezembro de 2015, que autoriza o Poder Executivo do Estado de Mato Grosso do Sul para criar Centros Avançados de Estudos, para Formação de Educadores das Redes Pública e Privada de Ensino do Estado de Mato Grosso do Sul visando a inserção escolar de estudantes portadores (termo utilizado pela lei, mesmo considerando a terminologia já utilizada a partir de 1990 – pessoas com deficiência) de autismo ou que receberam diagnóstico contendo Transtorno do Espectro Autista. Resolução de funcionamento do CEAME/TEA N. 3.120 de 31 de outubro de 2016.
  • 30.
  • 31.